Você está na página 1de 17

14ª EDIÇÃO

REVISTA E AMPLIADA

J. R. WHITAKER PENTEADO
revisão técnica, atualização e ampliação de
MARLEINE PAULA MARCONDES e FERREIRA de TOLEDO
A TÉCNICA DA
COMUNICAÇÃO
HUMANA
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Penteado, José Roberto Whitaker


A técnica da comunicação humana / José Roberto
Whitaker Penteado ; revisão técnica Marleine Paula
Marcondes e Ferreira de Toledo. -- 14. ed. rev. e
ampl. -- São Paulo : Cengage Learning, 2012.

Bibliografa.
ISBN 978-85-221-1270
978-85-221-1270-8
-8

1. Comunicação 2. Linguagem 3. Retórica


I. Título.

11-13868 CDD-302.2

Índices para catálogo sistemático:

1. Comunicação 302.2
2. Comunicação humana 302.2
José Roberto
Rober to Whitaker Penteado
P enteado

A TÉCNICA DA
COMUNICAÇÃO
HUMANA
14a Edição
Revista e ampliada

Revisão técnica, atualização e ampliação de 


Marleine Paula Marcondes e Ferreira de Toledo

 Austrália
 Austrá lia • Bra sil • Japão • Coreia • México • Cingapura • Espanha • Reino Unido • Estados Unidos
A técnica da comunicação humana – 14ª edição © 2012 Cengage Learning Edições Ltda.
Revista e ampliada
J.R. Whitaker Penteado
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte
deste livro poderá ser reproduzida, sejam
Gerente Editorial: Patricia La Rosa quais forem os meios empregados, sem
a permissão, por escrito, da Editora.
Supervisora Editorial: Noelma Brocanelli  Aos infratores
infrat ores aplicam-se
aplica m-se as sanções
sanç ões
previstas nos artigos 102, 104, 106, 107
Editora de Desenvolvimento: Marileide Gomes da Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.

Supervisora de Produção Editorial e Gráca: Fabiana Para informações sobre nossos produtos,
 Alenca r Albuquerque
 Alencar Albuqu erque entre em contato pelo telefone
0800 11 19 39
Copidesque: Lourdes Ostan
Para permissão de uso de material
desta obra, envie seu pedido para
Revisão técnica, atualização e ampliação da 14ª edição: direitosautorais@cengage.com
Marleine Paula Marcondes e Ferreira de Toledo

© 2012 Cengage Learning. Todos os direitos


Revisão: Mônica de Aguiar Rocha e Márcia Elisa Rodrigues
reservados.

Diagramação: ERJ Composição Editorial

ISBN 13: 978-85-221-1270-8


Capa: Ale Gustavo
ISBN 10: 85-221-1270-3

Pesquisa Iconográca: Renate Hartel e Vivian Rosa

Cengage Learning
Condomínio E-Business Park
Rua Werner Siemens, 111 – Prédio 20
Espaço 04 – Lapa de Baixo
CEP 05069-900 – São Paulo –SP
Tel.: (11) 3665-9900 Fax: 3665-9901
SAC: 0800 11 19 39

Para suas soluções de curso e


aprendizado, visite www.cengage.com.br 

Impresso no Brasil
Printed in Brazil 
1234567 15 14 13 12
A
Vera, a meus pais,
meus lhos e meus
alunos.
Revisão técnica,
técnica, atualização
atualização e ampliação da 14 a edição

Nesta edição, contamos com a contribuição da professora Marleine Paula,


que se preocupou em fazer os acréscimos e as atualizações necessárias.

Dra. Marleine Paula Marcondes e Ferreira de Toledo

Graduada em Letras e Direito pela Universidade de São Paulo (USP). Professora


da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, onde se doutorou, e da
Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Como chefe do Departamento
de Ciências Propedêuticas e Criminais do curso de Direito da Universidade Cidade de
São Paulo, fundou e dirigiu o periódico O Propedêutico. Na Universidade de Sorocaba,
trabalhou nos cursos de graduação, pós-graduação lato sensu e stricto sensu (Mestrado em
Comunicação e Cultur a , do qual foi coordenadora até 2006). Possui cerca de 180 artigos
Cultura 
publicados em jornais, revistas, periódicos e tabloides do Brasil
Brasil e do Exterior.
Exterior. Participo
Participouu
de aproximadamente 200 congressos, contando com mais de 150 trabalhos apresentados
(cursos, palestras e conferências), no Brasil e em outros países. Professora convidada e
visitante das Universidades de Coimbra e Lisboa, Portugal; Universidades de Burgos,
Pontevedra e Vigo, Espanha;Universidade do Panamá, Panamá. Autora de várias obras
publicadas no Brasil e no Exterior, a professora Marleine Paula desenvolve, atualmente,
entre outras, três pesquisas sobre a obra de Euclides da Cunha, cujo centenário de morte
foi lembrado no ano de 2009. Tem Tem colaborado, ao longo dos anos, no  Jornal da Tarde 
Tarde ,
O Estado de São Paulo, D.O. Leitura , além de outros jornais e revistas especializados.
Dedica-se, há anos, a práticas de ensino e à participação em eventos culturais e científi-
cos. Acesso ao Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5027520479445307

VII VII
SUMÁRIO

Explicação Necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XIX

Introdução à 12a Edição (1990) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XXV

Capítulo 1
A Comunicação Humana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1
1. O processo da comunicação humana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
2. Os elementos básicos do processo da comunicação humana . . . . . . . . . . . . . 4
3. Princípios da comunicação humana efetiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
4.  A fórmula de Lasswell . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5. Outras condições de efetividade da comunicação humana . . . . . . . . . . . . . . 17
5.1  A psicologia da atenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.2  Atenção periférica e atenção dirigida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
5.3 Recomendações para a efetividade da comunicação humana . . . . . . 22
6. Persuasão: credibilidade das fontes de informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.1 Origem da opinião. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.2 Graus de opinião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.3 Forma da mensagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
6.4 Percepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
6.5 Credibilidade das fontes de informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Capítulo 2
A Comunicação na Era Digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
1. Do hardware  para o software , uma via de mão dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2. Urgência de aderir ao novo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
IX IX
A TÉCNICA DA COMUNICAÇÃO  HUMANA

3. Internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4. Pesquisa na internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
5. Interatividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
6. Nihil novi sub solem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
7.  Jogos eletrônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
8. Redes sociais na internet  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
9. Quais são as redes? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
9.1 Orkut . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
9.2 Facebook  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
9.3  Myspace . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
9.4 Twitter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
9.5 Plurk . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
9.6 Fotolog . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
9.7 Flicker . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
9.8 YouTube . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
10. Interconectividade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
11. Ensino e aprendizagem na era digital. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
12. Ética, sigilo e privacidade na era digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
13. Sic transitur gloria mundi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Capítulo 3
A Linguagem na Comunicação Humana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
1.  A origem da linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
2.  A linguagem dos animais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
3. Linguagem simbólica e linguagem-movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

Capítulo 4
A Comunicação e o Protocolo, o Cerimonial e a Etiqueta . . . . . . . . . . 83
1. Importância do protocolo, cerimonial e etiqueta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
2. Cerimonial, mito e rito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
X
XI

SUMÁRIO

3. Exemplos de cerimoniais e seus significados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91


3.1 Filmografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
3.2  A família real no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
3.3 O beija-mão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
3.4 Um outro beija . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
3.5  A semana Euclidiana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
3.6 Liturgia do casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
4.  Algumas normas protocolares e seus possíveis significados . . . . . . . . . . . . . 102
5.  Algumas regras de etiqueta: boas maneiras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

Capítulo 5
A Comunicação Humana e a Personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
1. Que é personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
2. Caracterologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
3. Projeção da personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
3.1 Maneira de vestir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
3.2 Maneira de andar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
3.3 Outras formas de projeção da personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
4.  A personalidade do homem de empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
5. Personalidade individual e personalidade da empresa. . . . . . . . . . . . . . . . . 123
6. Elementos de autoanálise . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
6.1 Conhecimentos gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
6.2  Ajustamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
6.3 Precisão de pensamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
6.4 Maneira de ouvir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
6.5 Maneira de ler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
6.6 Maneira de falar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
6.7 Maneira de escrever . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
A TÉCNICA DA COMUNICAÇÃO  HUMANA

Capítulo 6
A Comunicação Empresarial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
1. O que é uma empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
2. Importância da comunicação empresarial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
3.  Abrangência da comunicação empresarial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
4. Comunicação interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
5. Comunicação externa, propaganda e marketing . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
6. Várias frentes de batalha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

Capítulo 7
Os Obstáculos à Comunicação Humana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
1.  Autossuficiência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
2. Congelamento das avaliações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
3. Comportamento humano: aspectos objetivos e subjetivos . . . . . . . . . . . . . 173
4. “Geografite” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
5. Tendência à complicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
6. Obstáculos devidos à linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
6.1 Confusão entre fatos e opiniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
6.2 Confusão entre inferências e observações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
6.3 Descuido nas palavras abstratas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
6.4 Desencontros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
6.5 Indiscriminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
6.6 Polarização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
6.7 Falsa identidade baseada em palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
6.8 Polissemia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
6.9  As barreiras verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
6.10 Outras barreiras verbais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
6.11 Vícios de linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244

XII
XIII

SUMÁRIO

Capítulo 8
A Audição e a Comunicação Humana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
1. Vantagens do ouvinte atento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
2. Maneiras de ouvir. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
3. Fatores físicos da audição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
3.1  A temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
3.2 O ruído . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
3.3  A iluminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
3.4 O meio ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
3.5  As condições de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
3.6  As deficiências auditivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
3.7  A forma da apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
4. Fatores mentais da audição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
4.1  A indiferença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
4.2  A impaciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
4.3 O preconceito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
4.4  A preocupação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
4.5  A posição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
4.6  A oportunidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
5. Por que ouvimos mal? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
6. Hábitos na audição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
7.  A psicologia do boato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
8. Os níveis da audição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
9. Para ouvir melhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285

Capítulo 9
A Leitura e a Comunicação Humana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
1. O processo da leitura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
2. Compreensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
A TÉCNICA DA COMUNICAÇÃO  HUMANA

é assunto pessoal meu. Na Comunicação humana, a interpretação precisa coincidir


na emissão e na recepção, a fim de que o significado seja o mesmo, do emissor para
o receptor, e do receptor para o emissor: eu transmito, ele recebe e me transmite, por
sua vez, sua reação, que eu recebo. Sou emissor e receptor, alternadamente com ele,
que é receptor e emissor. Como se vê, estamos diante de um processo dinâmico. A
admissão de fatores interpretativos, com força decisória no sucesso ou no fracasso do
entendimento comum, explica a precariedade de todo o processo de Comunicação
humana. A mecânica do processo pode ser esquematizada da seguinte forma:
1. Emissor manda a mensagem.
2. Receptor recebe a mensagem e a interpreta internamente, manifestando
externamente essa interpretação.
3. Emissor – agora receptor – recebe a interpretação do receptor – agora emis-
sor – interpretando-a em termos pessoais.
Coincidindo as interpretações, nasce o significado comum, a compreensão
entre emissor e receptor.
 A efetividade da Comunicação humana repousa na acuidade com que a men-
sagem é interpretada, com igual significado, pelo emissor e pelo receptor.
 A interpretação é, assim, a chave da Comunicação humana. Dela é que vai
depender a significação comum para que haja entendimento. Por isso, a boa men-
sagem é a que facilita a interpretação.
Ligo o telefone:
— Alô!
— Quem fala?
— Aqui é Pedro!
— Pedro? Que prazer!
Essa Comunicação verbal, por meio da linha telefônica, é menos digna de fé
do que se fosse pronunciada em minha presença, diante de meus olhos. Vendo a
pessoa, teria mais possibilidades de avaliar a sinceridade daquele “que prazer!”.
O meio pode facilitar ou dificultar a interpretação da mensagem; é o quarto
elemento da Comunicação humana:
1. O emissor.
2. O receptor.
3.  A mensagem.
4. O meio.
8
9

CAPÍTULO 1 A COMUNICAÇÃO HUMANA

Quero comunicar-me com Ernesto. Penso telefonar. Verifico que o telefone


está com defeito. Decido escrever-lhe. Lembro-me de que, embora conheça a casa
onde mora, não sei o nome da rua e o número da casa. Opto pela decisão de ir
procurá-lo pessoalmente.
Estive diante de três meios de Comunicação humana:
1. Telefone.
2. Carta.
3. Contato pessoal.
O critério da escolha pertence ao emissor. É a ele que compete selecionar o meio
apropriado, e a seleção se faz com o objetivo de facilitar a Comunicação humana.
O domínio do meio da Comunicação humana é condição essencial a sua efe-
tividade. O emissor que não consegue organizar em frases seus pensamentos tem
as mesmas dificuldades daquele que não sabe lidar com o aparelho telefônico. A
Comunicação humana é pre judicada porque o emissor não seleciona o meio mais
eficiente à clareza e transmissão da mensagem e, sim, o que pessoalmente mais
lhe convém.
Esse fator subjetivo na seleção do meio é mais uma dificuldade no processo da Co-
municação humana. Se escrevo mal e receio não ser capaz de colocar por escrito minha
mensagem, tratarei de buscar outro meio para transmiti-la, embora devesse escrever.
O meio da Comunicação humana precisa obedecer a dois requisitos fundamentais:
1. Ser dominado tanto pelo emissor quanto pelo receptor.
2. Estar de acordo com a mensagem que transporta.
Não me utilizo do telefone, se não sei lidar com esse aparelho. Não telefono
a quem tem dificuldade em ouvir. Devo escolher o meio dominado por mim, que
emito a mensagem, e pelo outro, que a recebe.
É possível sempre harmonizar a mensagem com os requisitos de clareza, rapi-
dez e disponibilidade dos meios a nosso alcance.
É o conteúdo da mensagem que vai indicar ao emissor o meio a ser escolhido.
E esse conteúdo (ou contexto, ou “designatum” – também chamado de referente  ou
“denotatum” – quer dizer, a informação, a realidade, o objeto da comunicação)
constitui o quinto elemento básico da Comunicação. Podemos nos comunicar com
o outro ou outros utilizando-nos de assuntos ou informações complexas, mas tam-
bém de temas banais, sem muita força de expressão. O que conta é que é impres-
cindível para o ato comunicativo a presença desse quinto item. Assim, podemos
resumir até agora:
A TÉCNICA DA COMUNICAÇÃO  HUMANA

1. O emissor.
2. O receptor.
3.  A mensagem.
4. O meio
5. O referente.

Para que a mensagem transite do emissor ao receptor, contudo, é necessário


que o código seja parcialmente ou totalmente comum a remetente e destinatário.
Como poderei comunicar-me com um falante de inglês se nada sei desse idioma?
 Até será possível se eu usar a linguagem não verbal (gestos, expressão fisionômica,
etc.); porém só com os indicadores da linguagem verbal, ou seja, das palavras, será
difícil. Quando muito, ter-se-á uma Comunicação parcial .
Passamos, então, ao sexto e último elemento constitutivo do processo comu-
nicacional: o código. Assim fica o esquema:

1. O emissor.
2. O receptor.
3.  A mensagem.
4. O meio.
5. O referente.
6. O código.

Esses seis fatores constitutivos de todo processo linguístico, de todo ato de


comunicação verbal, estão inalienavelmente envolvidos, isto é, um não funciona
sem o outro. O que pode acontecer é que um funcione melhor que o outro, fazendo
que a Comunicação não seja inteira, ou até pouca, mas a presença de todos os seis
é condição precípua para o ato comunicacional.
Foi considerando esses seis fatores que Roman Jakobson1 construiu, a partir de
teorias de outros linguistas, sua teoria sobre funções da linguagem , a fim de respon-
der, na célebre conferência interdisciplinar realizada, em 1958, na Universidade de
Indiana, Estados Unidos, à pergunta: “Que é que faz de uma mensagem verbal uma
obra de arte?” .

1
JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação . Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. 8 ed. São
Paulo: Cultrix, 1975.
10