Você está na página 1de 16

Félix Pessa

Os Factores que Contribuem no Fraco Aproveitamento Pedagógico dos Alunos da


10ª
Classe, na Disciplina de Matemática, Caso da Escola Secundaria de Ocua 2014 -2019

Universidade Rovuma
Nampula

2019

1
Félix Pessa

Os Factores que Contribuem no Fraco Aproveitamento Pedagógico dos Alunos da 10ª


Classe, na Disciplina de Matemática, Caso da Escola Secundaria de Ocua 2014 -2019

Trabalho de Monografia Cientifica


apresentado ao Departamento de
Ciências Naturais e Matemática para
obtenção do Grau académico de
Licenciatura, em Ensino de
Matemática com Habilitações em
ensino de Física

Supervisora: Ms Albertina Jorge Da


Lúcia António

Universidade Rovuma

Nampula

2019

2
Índice
CAPITULO: I – INTRODUÇÃO................................................................................................................4
1.1. Antecedentes e Motivação...........................................................................................................4
1.2. Problematização...................................................................................................................................5
1.3. Objecto de estudo........................................................................................................................6
1.4. Objectivos do trabalho.................................................................................................................6
1.4.1. Objectivo geral:...........................................................................................................................6
1.4.2. Objectivos específicos.......................................................................................................................6
1.5. Justificativa..................................................................................................................................6
1.6. Hipóteses........…………………………………………………………………………………………7
2. CAPITULO II – METODOLOGIA DA PESQUISA..................................................................8
2.1. Tipo de pesquisa...................................................................................................................................8
2.2. Método da pesquisa...................................................................................................................10
2.2. Instrumentos de Colecta de Dados......................................................................................................11
2.3. Local e período da realização da pesquisa.................................................................................11
2.5. População e amostra da pesquisa........................................................................................................11
2.5.1. População..................................................................................................................................11
2.5.2. Amostra.....................................................................................................................................12
Referências Bibliográficas.........................................................................................................................16

3
CAPITULO: I – INTRODUÇÃO
1.1. Antecedentes e Motivação
A problemática do insucesso escolar em Moçambique tem ocupado há vários anos políticos
e pedagógico que querem conhecer as suas causas, os factores que contribuem para esse
fenómeno e as formas de o combater.

Os conceitos de sucesso e insucesso são complexos e o significado que lhes é atribuído é


diverso, dependendo dos intervenientes educativos. Assim sendo, o insucesso escolar pode
traduzir-se pelo não alcance do nível de aprendizagem preconizado nos programas de
ensino. Para o seu combate, é necessário que se toma em conta os factores que o
condicionam em cada momento que o aluno manifesta tais dificuldades.

A descoberta destes factores exige uma colaboração e intervenção conjunta entre os


gestores do processo educativo, professores, encarregados de educação e os próprios
alunos. Todavia, neste processo, a tarefa do professor como facilitador de aprendizagem e
recuperador dos alunos com dificuldades contínua determinante.

De um modo geral, a ideia de sucesso escolar é associada ao desempenho dos estudantes,


ao longo do seu percurso escolar, consoante a ordem cronológica da idade e o tempo que os
mesmos levam para conclusão de um determinado nível escolar. São bem-sucedidos,
aqueles que satisfazem as normas de meritocracia escolar e progridem nas respectivas
classes, considerando-se, de uma forma geral, as notas por unidade curricular. Por sua vez,
o insucesso é caracterizado pelo baixo rendimento escolar dos alunos que, por razões de
várias ordens, não alcançaram resultados satisfatórios e não atingiram os objectivos
desejados ou não alcançaram as competências esperadas num determinado período de
tempo.

Na Escola Secundária de Ocua, são leccionados o 1º e 2º ciclos do ensino secundário geral


(8ª à 12ª classes) e a problemática do insucesso escolar é notória classe, daí que seja
pertinente esta pesquisa como forma de conhecer as percepções da gestão, dos docentes e

4
dos alunos da 10ª classe, para se intervir no melhoramento do processo de ensino
aprendizagem da referida classe em estudo.

1.2. Problematização

As consequências do insucesso poderão manifestar-se de formas diferentes e têm sempre


na base uma forte desmotivação, uma baixa auto-estima e um baixo auto conceito
académico. Quando o aluno sente que apesar do seu esforço não consegue obter sucesso,
abandona a tarefa escolar e deixa de ir às aulas.

A imagem que alguns estudantes têm de si é muito negativa (auto-conceito académico),


por isso procuram investir em actividades em que o sucesso é mais acessível.

Os alunos que revelam carências no meio familiar são os que, em muitos casos, sentem
maiores dificuldades em cumprir a escolaridade, em tempo útil e os que revelam mais
insucesso escolar.

A massificação da escola coloca grandes desafios à comunidade escolar a vários níveis. O


sucesso escolar, da mesma forma que o seu oposto, o insucesso escolar, são matérias que
devem preocupar todos os agentes do sistema educativo e inquietar as sociedades.

Contudo, a relação ao fracasso escolar que não se trata de procurar responsáveis entre a
família, a escola ou a própria criança tentando explicar o porquê da dificuldade de
aprendizagem dos alunos, a tendência não é encontrar culpado, mas sim, fazer uma
reflexão acerca da educação pública diante dos problemas educacionais, observando o
contexto, a situação económica e cultural da qual a escola faz parte.

Face a esta situação, formulo o seguinte problema:


Factores que contribuem no fraco aproveitamento pedagógico dos alunos da 10ª classe,
na disciplina de Matemática, na Escola Secundaria de Ocua.

5
1.3. Objecto de estudo
Para a presente pesquisa considera-se como objecto de estudo o aproveitamento pedagógico
dos alunos na disciplina de Matemática

1.4. Objectivos do trabalho


1.4.1. Objectivo geral:
 Conhecer os factores que contribuem no fraco aproveitamento pedagógico dos alunos da
10ª classe, na disciplina de Matemática.

Objectivos específicos

 Identificar os factores que contribuem na aprendizagem dos alunos na disciplina de


matemática na 10ª classe;
 Descrever os factores que contribuem na aprendizagem dos alunos na disciplina de
matemática na 10ª classe;
 Analisar os factores que contribuem na aprendizagem dos alunos na disciplina de
matemática na 10ª classe

1.5. Justificativa
Acredita-se que o conhecimento dos factores associados à aprendizagem é um dos
caminhos para a promoção da melhoria de qualidade do ensino e optimização dos recursos
empregado sem educação.

A observação de factores associados à aprendizagem vem sendo feita pela análise isolada
de itens correlacionados a eles em questionários de contextualização. A construção de
escalas de medida a partir de conjuntos de itens correlacionados é importante, pois, espera-
se que proporcionem melhor diferenciação entre indivíduos e entre escolas, podendo-se
mensurar com maior precisão a influência de cada um dos factores que vierem a ser
estudados.

Os factores do último grupo são ainda influenciados pela sociedade com demandas por
competência, valores culturais, religiosos e ainda pelas políticas educacionais.
6
Tendo em conta com a justificativa patente neste projecto, São duas razões que me
levaram a escolha do tema:
A primeira razão é para conhecer os factores que contribuem no fraco aproveitamento
pedagógico dos alunos da 10ª classe na disciplina de Matemática.

A segunda razão que motivou bastante o autor na escolha deste tema, esta relacionada com
o maior fluxo dos alunos no exame 10ª classe, da segunda época na disciplina de
Matemática.

1.6. Hipóteses
H1
 Os alunos contribuem no fraco aproveitamento pedagógico na disciplina de
Matemática.
H2
 Os alunos não contribuem no fraco aproveitamento pedagógico na disciplina de
Matemática.

7
2. CAPITULO II – METODOLOGIA DA PESQUISA
Para Fonseca (2002), methodos significa organização, e logos, estudo sistemático,
pesquisa, investigação; ou seja, metodologia é o estudo da organização, dos caminhos a
serem percorridos, para se realizar uma pesquisa ou um estudo, ou para se fazer ciência.
Etimologicamente, significa o estudo dos caminhos, dos instrumentos utilizados para
fazer uma pesquisa científica.

2.1. Tipo de pesquisa


2.1.2. Quanto à abordagem
2.1.2.1. PESQUISA QUALITATIVA

A pesquisa qualitativa não se preocupa com representatividade numérica, mas, sim, com o
aprofundamento da compreensão de um grupo social, de uma organização, etc. Os
pesquisadores que adoptam a abordagem qualitativa opõem-se ao pressuposto que defende
um modelo único de pesquisa para todas as ciências, já que as ciências sociais têm sua
especificidade, o que pressupõe uma metodologia própria.

Assim, os pesquisadores qualitativos recusam o modelo positivista aplicado ao estudo da


vida social, uma vez que o pesquisador não pode fazer julgamentos nem permitir que seus
preconceitos e crenças contaminem a pesquisa (Silveira e Córdova apud Goldenberg,
(31։2003).

As características da pesquisa qualitativa são: objectivação do fenómeno; hierarquização


das acções de descrever, compreender, explicar, precisão das relações entre o global e o
local em determinado fenómeno; observância das diferenças entre o mundo social e o
mundo natural; respeito ao carácter interactivo entre os objectivos buscados pelos
investigadores, sua orientação teórica e seus dados empíricos; busca de resultados os mais
fidedignos possíveis; oposição ao pressuposto que defende um modelo único de pesquisa
para todas as ciências.

8
2.1.2. Quanto à natureza
2.1.2.1. PESQUISA APLICADA
Silveira e Córdova (35։2003), Objectiva gerar conhecimentos para aplicação prática,
dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve verdades e interesses locais.

2.1.3. Quanto aos objectivos


2.1.3.1. PESQUISA DESCRITIVA
Esta pesquisa quanto abordagem a pesquisa é descritiva pois segundo o GilL (2008), a
pesquisa descritiva tem como finalidade descrever, as características de determinadas
populações ou fenómenos. Uma de suas peculiaridades está na utilização de técnicas
padronizadas de colecta de dados, tais como o questionário e a observação sistemática

2.1.4. Quanto aos procedimentos


De acordo com Fonseca (2002), a pesquisa possibilita uma aproximação e um
entendimento da realidade a investigar, como um processo permanentemente inacabado.
Ela se processa através de aproximações sucessivas da realidade, fornecendo subsídios para
uma intervenção no real.

Segundo este autor, a pesquisa científica é o resultado de um inquérito ou exame


minucioso, realizado com o objectivo de resolver um problema, recorrendo a
procedimentos científicos. Investiga-se uma pessoa ou grupo capacitado (sujeito da
investigação), abordando um aspecto da realidade (objecto da investigação), no sentido de
comprovar experimentalmente hipóteses (investigação experimental), ou para descrevê-la
(investigação descritiva), ou para explorá-la (investigação exploratória).

2.1.4.1. PESQUISA DE CAMPO


Estudo de Campo: procura o aprofundamento de uma realidade específica. É basicamente
realizada por meio da observação directa das actividades do grupo estudado e de entrevistas
com informantes para captar as explicações e interpretações do que ocorrem naquela
realidade, (GiL, 2008)

9
Quando recolher as informações de todos os integrantes do unirverso pesquisado,
possibilitara um censo. Pelas dificuldades materiais que envolvem os factores que
contribuem no fraco aproveitamento pedagógico dos alunos da 10ª classe na disciplina de
Matemática.

2.2. Método da pesquisa


A alise dos dados vão ser precedidos obedecendo uma conexão ascendente, isto é,
indutivamente, em que a partir das constatações tiradas de cada elemento de amostra, vai se
construir um sistema de relações, para inferir os resultados. Deste modo, a pesquisa quanto
ao método de abordagem baseou – se pelo método indutivo, mas também torna – nos
importantes o método estatístico.

Indução é um processo mental por intermédio do qual, partindo de dados particulares,


suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não contida fias
partes examinadas. Portanto, o objectivo dos argumentos indutivos é levar a conclusões
cujo conteúdo é muito mais amplo do que o das premissas nas quais se basearam,
LAKADOS e MARICONE (86։2003).

2.2.1. Método Estatístico


Segundo o GilL (17։2008), Este método fundamenta-se na aplicação da teoria
estatística da probabilidade e constitui importante auxílio para a investigação em
ciências sociais. Há que se considerar, porém, que as explicações obtidas
mediante a utilização do método estatístico não podem ser consideradas
absolutamente verdadeiras, mas dotadas de boa probabilidade de serem
verdadeira.

Mediante a utilização de testes estatísticos, torna-se possível determinar, em


termos numéricos, a probabilidade de acerto de determinada conclusa. Portanto,
o método estatístico passa a caracterizar-se por razoável grau de precisão, o que
o torna bastante aceito por parte dos pesquisadores com preocupações de ordem
quantitativa. Os procedimentos estatísticos fornecem considerável reforço às
conclusões obtidas, sobretudo mediante a experimentação e a observação.

10
Para obter a possibilidade que constitui a melhor importante de auxílio desta investigação
de um estudo de caso com delineamento transversal centrado em os Factores que
Contribuem no Fraco Aproveitamento Pedagógico dos Alunos da 10ª classe, na Disciplina
de Matemática na Escola Secundaria de Ocua vai – se usar o método estatístico.

2.3. Instrumentos de Colecta de Dados


A recolha de dados será feita através de։

Avaliações de desempenho - A avaliação de desempenho é uma medida tomada pela


empresa e que lhe permite estar em constante contacto com os colaboradores, ter noção do
seu desempenho e avaliar os resultados do seu trabalho. Permite medir os níveis de
produtividade dos colaboradores (se existem melhorias ou não); estabelecer os resultados
esperados dos indivíduos; identificar problemas que interfiram no desempenho individual
de cada colaborador; possibilitar o acompanhamento do colaborador no desempenho
das suas funções, etc. (SILVA apud PACHECO, 2014։8).

Constituem Técnicas de colecta de dados para a pesquisa a entrevista, compreende o


desenvolvimento de uma interacção de significados em que as características pessoais do
entrevistador e do entrevistado influenciam decisivamente em seu curso

2.4. Local e período da realização da pesquisa


O local da realização da entrevista e o referido questionário será na Escola Secundaria de
Ocua e terá um período de estudo entre 2014 -2019. Porque foi neste período do tempo em
que começaram a se leccionar o nível básico e o nível médio em subsequente, tendo em
conta com esse fracasso na disciplina de matemática na referida escola em estudo houve
uma necessidade do autor realizar este projecto a fim de produzir um trabalho científico
para apuramento da causa das reprovações na escola acima citada.

2.5. População e amostra da pesquisa


2.5.1. População
De acordo com Sonia Vieira (2008:4) a População é o conjunto de unidades sobre o qual
desejamos obter informação.Por tanto, é o termo que os estatísticos usam para descrever
um grande conjunto de unidades que têm algo em comum.

11
Neste caso,delineu – se como populaca da pesquisa o conjunto constituido 75 alunos da 10 a
classe, da Escola Secundaria de Ocua 4 professor da area.

2.5.2. Amostra
A amostra será constituída por 21 pessoas dos quais 3 professores da área e 18 alunos. A
triagem dos professores e alunos que participarão nessa pesquisa partira do pressuposto da
predisposição, isto é, serão entrevistadas aquelas que irão ser voluntárias por livre escolha.
A pesquisa irá atingir 100% da amostra.

3. CAPITULO III։ FUNDAMENDOS TEORICOS


Na sua taxonomia dos objectivos do fraco aproveitamento pedagógicos situa no domínio
cognitivo a aquisição dos conhecimentos e as habilidades ou capacidades intelectuais de
compreensão (transposição, interpretação, extrapolação), de aplicação, de análise (procura dos
elementos, das relações e dos princípios de organização), de síntese (produção de uma obra
pessoal, elaboração de um plano de acção, derivação de um conjunto de relações abstractas) e de
avaliação (crítica interna e externa).

Para FERREIRA apud AUSUBEL (1984), o aluno, que durante o seu trajecto educativo teve a
possibilidade de adquirir uma estrutura cognitiva clara, estável e organizada de forma adequada,
tem a vantagem de poder consolidar conhecimentos novos, complementares e relacionados de
alguma forma.

A estrutura cognitiva do aluno pode ser influenciada, quer pelo poder de exposição e pelos
conteúdos e conceitos integrados, quer pela utilização de métodos adequados de apresentação e
ordenação dos materiais. A escola e o professor devem utilizar as estratégias que permitam ao
aluno integrar conhecimentos novos, utilizando para tal métodos adequados e um curriculum bem
estruturado, por forma a que os conteúdos tenham determinada sequência e racionalidade.

(FERREIRA apud Ausubel, 1984), como a disponibilidade de ideias pré-existentes num nível
adequado de exclusividade, generalidade e abstracção. Estes conceitos são fundamentais para o
professor, uma vez que tendo apenas conhecimentos, pode utilizar os meios e recursos
12
adequados. Os exemplos de aprendizagem utilizados quotidianamente com a intenção de facilitar
a aprendizagem podem não ter qualquer valor se não tiverem relação com a estrutura cognitiva
existente. Para o autor, o professor, atento e responsável, deverá usar materiais adequados,
relevantes e introdutórios, ou organizadores, que sejam claros e estáveis. Estes organizadores
permitirão ao aluno relacionar, associar e reconhecer elementos novos da aprendizagem.

Segundo o autor, as manifestações de fraco aproveitamento pedagogia são múltiplas, mas três
delas são particularmente referidas pela possibilidade que oferecem de se poder medir a própria
eficácia do sistema educativo:

-Abandono da escola antes do fim do ensino obrigatório;

- As reprovações sucessivas que dão lugar a grandes desníveis entre a idade cronológica do aluno
e o nível escolar; Os níveis de fracasso que podem ser totais (em todas as disciplinas ou quase) ou
parciais (numa ou duas disciplinas).

- A passagem dos alunos para tipos de ensino menos exigentes, que conduzem a aprendizagens
profissionais imediatas, mas os afasta do ingresso no ensino superior.

Esta lista, recolhida em Luísa Morgado, poderia ser indefinidamente prosseguida, mas não é esse
agora o nosso objectivo.

Alunos

- Falta de vocação. Uma das causas mais frequentes para o desinteresse, desmotivação e
indisciplina dos alunos está opções de um dado curso. Quando confrontos com o manifesto
insucesso escolar no mesmo, muitos são os que insistem em prosseguir na mesma área vocacional
pelos mais variados motivos (amigos, fuga a disciplinas consideradas difíceis, etc).

-Atrasos do desenvolvimento cognitivo. As escalas psicométricas de inteligência têm sido


apontadas como um bom indicador para identificar estas causas individuais de insucesso escolar.
O problema é que a grande maioria dos alunos que falham nos resultados escolares, têm um
desenvolvimento normal. Há que não abusar desta explicação.

-A instabilidade característica na adolescência, consta entre as muitas causas individuais do


insucesso. Esta conduz muitas vezes o aluno a rejeitar a escola, a desinvestir no estudo das
matérias, e frequentemente à indisciplina.

13
- Estilos de vida. Dificuldade em compatibilizar as exigências escolares, com as mais diversas
solicitações ( saídas nocturnas frequentes, jogos de computador absorventes, desportos, etc),
provocando hábitos pouco regrados de vida. O aluno passa a encarar as actividades escolares
como pouco estimulantes, trabalhosas e rotineiras.

Famílias

- Países autoritários, conflitos familiares, divórcios litigiosos, fazem parte de um extenso rol de
causas que podem levar a que o aluno se sinta rejeitado, e comece a desinteressar-se pelo seu
percurso escolar, adoptando um comportamento indisciplinado.

-O ciúme e a vingança dos país contribuem também para fazer estragos nos resultados escolares
do alunos. Muitas vezes com medo que os filhos lhes deixem de manifestar afecto, trocando-os
pela escola ou os professores, adoptam atitudes que contribuem para os afastar dos estudos.
Outras vezes, fazem-no para se vingarem de não lhes terem sido proporcionados também na
infância as mesmas oportunidades.

-A origem social dos alunos tem sido a causa mais usada para justificar os piores resultados,
sobretudo quando são obtidos por alunos originários de famílias de baixos recursos económicos,
onde aliás se encontra a maior percentagem de insucessos escolares. Os sociólogos construíram a
partir desta relação causa-efeito uma verdadeira panóplia determinantes sociais que permitem
explicar quase tudo:

Professores

- Métodos de ensino, recursos didácticos, técnicas de comunicação inadequadas às características


da turma ou de cada aluno, fazem parte igualmente de um vasto leque de causas que podem
conduzir a uma deficiente relação pedagógica e influência negativamente os resultados.

3.1. Função Técnica para ultrapassar o fraco aproveitamento pedagogo

para que a prática pedagógica conduza ao sucesso ( aproveitamento pedagogo seja positiva)
da aprendizagem, o professor deve ter em conta o seguinte:

 A nível de dificuldade das actividades propostas, deve estar ao alcance de todos;

14
 O professor deve garantir a resolução mínima dos exercícios por todos os
participantes;
 As correcções necessárias não devem assumir a forma de crítica destrutiva, mas
devem ser feitas em forma de sugestão, ou de incentivo ao debate, conduzindo à
auto-descoberta e à auto-transformação;
 É muito importante a informação sobre os resultados obtidos e reforçar
positivamente (reduz a insegurança).

Existem também factores externos ao próprio indivíduo, que podem facilitar o processo da
aprendizagem (são da responsabilidade do professor):

 Definir objectivos e dá-los a conhecer;


 Avaliar pré-requisitos;
 Explicitar as estratégias;
 Motivação (situar num contexto);
 Manter o grupo activo e participante (proporcionar trabalhos de grupo e de
investigação);
 Utilizar os meios técnicos e práticos disponíveis (vídeo, videoprojector e outros);
 Fazer sínteses parcelares e conclusões;
 Exercícios práticos;
 Fazer a avaliação da aprendizagem;
 Discussão dos resultados.

15
Referências Bibliográficas
ANGELUCCI, Carla Bianca et al. O estado da arte da pesquisa sobre o fracasso escolar
(1991 – 2002): Um estudo introdutório. Col. Educação e Pesquisa. v. 30 n. 1. Jan/Abr
2004.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho


científico: 6ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2005;

PERRENOUD, P. As Competências de ensinar no século XXI. Trad. Cláudia Schilling e


Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002.

TAVARES, Manuel V. (1998). O insucesso escolar e as minorias étnicas em Portugal“


uma abordagem antropológico da educação” Portugal.

TIMM, E. Z. O bem-estar na docência: Dimensionando o cuidado de si. Tese de


doutorado não publicado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 2006.

DIAS. G. F. Educação Ambiental։ Princípios e práticas. São Paulo։ Guia. 2003

GERHRDT, Tatiana Engel; SILVERIO, Denise Tolfo, Metodos de Pesquisa 1a edição 2009
SILVA, Ângela Sofia Dias, Avaliação de desempenho, Estudo exploratório nos sectores da
banca e vitivinicultura, Setembro 2014

GILL, António Carlos, Métodos e técnicas de pesquisa Social, 6a Edição, São Paulo,
Editoras Atlas S.A – 2008

formacao.fikaki.com/manual/teorias-factores-aprendizagem/processos-etapa, acesso no dia


19 de Janeiro 2020

16