Você está na página 1de 4

Taylor : Considerado o pai da administração cientifica, seu modelo de Adm , caracteriza –se

pela ênfase nas tarefas, objetivando –se o aumento da eficiência da empresa, aumentando a
eficiência operacional.

Adm cientifica de Taylor tinha em sua essência o intuito de aplicar a ciência a adm, tinha
ênfase nas tarefas, buscando a eliminação do desperdício, da ociosidade dos operários e
redução dos custos de produção, com objetivo de garantir uma melhor relação do custo
beneficio ao sistema produtivo das empresas da época .Taylor buscava com isso uma forma de
gestão que fizesse com que o trabalhador produzisse mais em menos tempo, sem elevar os
custos de produção da empresa, ele observou que o sistema de gestão da época continha
muitas falhas, entre elas, falta de padronização dos métodos de trabalho, o desconhecimento
por partes dos administradores do trabalho dos operários e forma de remuneração utilizada
nas empresas.

Seu trabalho foi dividido em 2 períodos:

Primeiro período de Taylor: Racionalização do trabalho dos operários das fabricas da época,
Taylor iniciou suas experiências e estudos pelo trabalho do operário.

Sua preocupação exclusiva com as técnicas de racionalização do trabalho do operário se dá


através do estudo dos tempos e movimentos. A organização racional do trabalho, que visava a
tentativa de substituir métodos empíricos e rudimentares pelos métodos científicos.

Seus princípios são :

 Analise dos trabalhos e estudos dos tempos e movimentos.


 Estudo da fadiga humana
 Divisão das tarefas e especialização dos operários
 Desenho de cargos e tarefas
 Conceito do homo economicus
 Condições ambientais do trabalho
 Padronização de maquinas e métodos
 Supervisão funcional
 Incentivos salariais
 Premios de produção

A remuneração baseada na produção de cada operário, ou seja, o operário que produz


pouco, ganha pouco e o operário que produz muito, ganha muito, isso significa que o
ganho era na proporção se sua produção.

Os gestores da época pensavam que os salários era a única motivação do trabalhador,


definindo – o assim como homo econimicus

Segundo período de Taylor: conclui que a racionalização do trabalho operário deveria ser
acompanhada de uma estruturação geral da empresa, para tornar coerente a aplicação de
seus princípios na empresa como toda a administração como ciência, conforme proposta
por Taylor.
Taylor se preocupava com o planejamento dos padrões em relação a divisão e o controle
das atividades.

Taylor conclui que:

A improvisação deve ceder lugar ao planejamento e a ciência.

A administração científica cuidava dos padrões de produção, padronizando máquinas e


ferramentas, métodos e rotinas para execução de tarefas e prêmios de produção para
incentivar a produtividade.

O objetivo da administração é assegurar ao método da prosperidade para o patrão e para


o empregado. Com esses estudos Taylor substituiu o improviso e o empirismo nas
organizações por planejamentos e técnicas de trabalho. Ao apresentar uma forma
metódica e científica de trabalho. Taylor mostra que é possível produzir com eficiência.

Taylor ainda nos apresentou os seguintes pensamentos sobre o trabalho nas organizações:

1- Os empregados não produzem muito porque tem medo de ficarem desempregados,


pois os trabalhadores pensam que se aumentarem a produtividade eles podem perder
seus empregos ou terem redução dos seus salários.
2- A gerência não tem total conhecimento sobre a rotina de trabalho e o tempo
necessário de cada tarefa.
3- Há falta de padronização de métodos e técnicas de trabalho. Para Taylor o operário
não tinha capacidade para analisar cientificamente seu trabalho e estabelecer
racionalmente o método mais eficiente de trabalho, dessa forma a gerência ficaria
com o planejamento e a supervisão, enquanto que o trabalhador ficaria com a
execução apenas.

Taylor apresenta seis princípios básicos:

PLANEJAR: substituir a improvisação pela ciência por meio do planejamento do método.

PREPARAR: selecionar cientificamente os trabalhadores, de acordo com suas aptidões e


prepará-los e treiná-los para produzir mais e melhor, de acordo com o método planejado.
Preparar também as máquinas e os equipamentos de produção, bem como o arranjo físico
e disposição racional das ferramentas e materiais.

CONTROLAR: controlar o trabalho para se certificar de que está sendo executado de


acordo com as normas estabelecidas e segundo o plano previsto.

EXECUTAR: distribuir distintamente as atribuições e as responsabilidades para que a


execução do trabalho seja bem mais disciplinada.

A administração científica focou na administração das tarefas, preocupando-se com a


eficiência das tarefas realizadas pelos empregados. Assim para Taylor, as pessoas eram
consideradas instrumentos de produção para atingir a eficiência empresarial.
A administração científica de Taylor nos apresenta que dentro das empresas dever haver
uma organização racional do trabalho, sendo ela a principal contribuição para as
empresas, pois introduz a idéia de uma produção eficiente.

Essa eficiência da produção nas organizações pode ser alcançada desde que seja aplicada
uma racionalidade nas atividades da empresa, que, segundo Taylor seria conseguida por
meio dos seguintes ensinamentos:

 Análise do trabalho e estudos dos tempos e movimentos.


 Estudo da fadiga humana/limite de produção de um trabalhador
 Divisão do trabalho e especialização do operário
 Desenho de cargos e tarefas
 Incentivos e prêmios por produção
 Homem econômico ( a organização deve pagar bem os funcionários para cobrar
produção)
 Boas condições de ambiente de trabalho
 Padronização de métodos e de máquinas
 Supervisão das funções ( gerentes)

FORD – criador do fordismo, sistema de produção cuja principal característica é a fabricação


em massa. Esse termo significa a produção em larga escala de produtos padronizados, através
de linha de montagem. O objetivo principal desse sistema era reduzir ao máximo os custos de
produção e assim baratear o produto, podendo vender ao maior número possível de
consumidores.

Ford elaborou 03 princípios básicos:

 Princípio da produtividade
 Princípio da intensificação ( aumentar o capital de giro que seria obtido dos próprios
consumidores)
 Princípio da economicidade ( reduzir ao mínimo o volume de matéria prima- estoque)

O fordismo se popularizou no início do século XX com a produção do “Ford T”. A produção em


massa se tornou um modo de produção muito difundido, pois permite altas taxas de
produtividade por trabalhador e ao mesmo tempo disponibiliza produtos a preços baixos.

Este sistema de produção funciona da seguinte forma: uma esteira rolante conduziria o
produto ( automóveis, no caso da Ford) e cada funcionário executava uma pequena etapa,
logo, os funcionários não precisavam sair do seu local de trabalho, resultando em uma maior
velocidade de produção, também não era necessário a utilização de mão de obra muito
capacitada, pois cada trabalhador executava apenas uma tarefa dentro de sua etapa de
produção.

O Fordismo foi o sistema de produção que mais se desenvolveu no século XX, sendo
responsável pela produção em massa de mercadoria das mais diversos tipos.

Como Ford era muito conservador em relação às práticas administrativas, não respondeu às
mudanças dos tempos. Com isso, o seu domínio sobre o mercado automobilístico, aos poucos,
foi arrancado por empresas com teorias mais avançadas. A administração científica começa a
sofrer críticas. Ocorreu com a chamada pesquisa de Oxie, para estudar os tumultos e as greves.
Um comitê (relações industriais) mostrou os inconvenientes morais, sociais e psicológicos do
sistema baseado exclusivamente no rendimento e na eficiência.

FAYOL: era engenheiro de minas, é um dos teóricos clássico de ciência da


administração, senão o fundador da Teoria Clássica de Administração.

Durante toda sua pesquisa, anotava diariamente os fatos que abriam seus olhos, que
mais tarde foram transformados em livros preciosos para a humanidade. Na teoria
clássica de Fayol, a ênfase é na estrutura da organização, o objetivo era a maior
produtividade do trabalho, maior eficiência do trabalhador e da empresa. A teoria da
administração de Fayol está exposta em seu famoso livro “Administração Industrial e
Geral”, publicado em 1916 e basicamente está contida na proposição de que toda
empresa pode ser dividida em 06 grupos de funções:

 Funções técnicas
 Funções comerciais
 Funções financeiras
 Funções de segurança
 Funções contábeis
 Funções administrativas

Sendo que nenhuma das 05 (cinco) primeiras funções essenciais têm um encargo de formular
o programa geral da empresa. Essa atribuição compete à sexta função que é a administrativa,
que constitui propriamente a administração.

A teoria clássica de administração parte de uma abordagem sintética global e universal da


empresa, como visão anatômica e estrutural. Fayol demonstrou que com previsão científica e
métodos adequados de gerência, os resultados desejados podem ser alcançados.

Fayol define ainda as funções da administração, que são elas: planejar, organizar, comandar,
coordenar e controlar.