Você está na página 1de 8

Adsorção

A adsorção envolve a separação de uma substância de uma fase, acompanhada da acumulação dessa
substância na superfície de outra fase. O material da fase fluida é concentrado na superfície do sólido. A
fase de adsorção, que é um sólido, é chamada de adsorvente e o material adsorvido na superfície dessa
fase é o adsorvato.

Dois tipos de adsorção são possíveis. A primeira, a fisissorção, é um processo físico que ocorre abaixo
de 200 ° C. O material é adsorvido devido a interações moleculares entre o adsorvente e o adsorbato. O
calor típico de fisissorção é de 5 a 10 kcal / mol.

O segundo tipo de adsorção, quimissorção, é um processo químico onde o adsorvente adere ao


adsorbato através de uma ligação química. A adsorção ocorre devido à formação de compostos
químicos. As ligações de quimissorção podem ser fracas, variando de 15 a 40 kcal / mol, ou fortes, que
podem ser maiores que 50 kcal / mol.

Sistemas de Adsorção

Column Contact

Os adsorventes de contato de coluna usam um leito de adsorvente para purificar soluções. As colunas
de leito fixo mostradas abaixo são usadas em uma planta de desidratação de gás natural.

Informação geral

Os adsorventes de contato de coluna podem operar como um leito fixo, ou como um leito móvel ou
pulsado.

A operação de leito fixo, mostrada abaixo, é a forma mais antiga de adsorção de contato da coluna. Um
leito de adsorvente é mantido no lugar dentro da coluna, e a solução a ser tratada flui ao longo, através
e ao redor dela. A cama deve ser retirada da linha para substituir ou regenerar o adsorvente gasto.

Em um adsorvedor de leito móvel ou pulsado, a solução não tratada entra no adsorvedor pela parte
inferior e flui pela coluna. Ao mesmo tempo, o adsorvente fresco entra no adsorvedor a partir do topo
da coluna e sai pelo fundo. O adsorvente exaurido é continuamente removido, enquanto o adsorvente
fresco é adicionado continuamente, permitindo uma operação mais eficiente.

Design de Equipamentos
Sob operação de leito fixo, as colunas de adsorção podem ser organizadas em série ou paralelas e
podem ser executadas nos modos de fluxo ascendente ou descendente.

Em modo de contato de coluna de leito fixo em série, o efluente do primeiro leito passa a um segundo
leito. Se necessário, camas adicionais podem ser adicionadas em série. O leito de chumbo é removido
para reativação quando o adsorvente fica saturado com adsorvato. A próxima cama em sequência
torna-se a primeira cama e uma cama nova é adicionada na posição final.

Em operações de leito fixo paralelas, o efluente de todas as colunas é misturado antes da descarga. Os
leitos de adsorção em paralelo são removidos da operação de maneira escalonada, de modo que o
sistema é composto de leitos em estados variados de exaustão.

As operações de leito pulsado são restritas ao modo de operação de fluxo ascendente. É necessário
equipamento adicional para reciclar o adsorvente, o que permite uma operação mais eficiente.

Os adsorventes menores têm uma área de superfície maior e permitem mais contato entre o
empacotamento e o absorvente do que os adsorventes maiores. Portanto, pequenos adsorventes são
desejáveis e aumentam a taxa de adsorção. No entanto, se as partículas de adsorvente forem muito
pequenas, elas podem restringir o fluxo adequado de fluido através da coluna.

Exemplos de uso

Os adsorventes de contato da coluna são usados em várias indústrias, como refino de açúcar e
processamento de petróleo. Operações paralelas de leito fixo são usadas em áreas nas quais alta
precisão é imperativa, como na produção de produtos farmacêuticos ou no processamento de águas
residuais. Este sistema também é comum para grandes vazões. Uma coluna de adsorção usada para
purificar fluxos de gás em configurações de laboratório é mostrada abaixo.

Vantagens

 Leitos fixos em série: leitos ligados esgotam mais inteiramente do que um único leito grande..
 Leitos fixos paralelos: podem garantir que a concentração média do fluxo total de
efluentes atenda aos requisitos de concentração de contaminantes na descarga de
taxas de alimentação irregulares.
 Leitos pulsados: desligamento total da coluna não é necessário para substituir ou
regenerar o adsorvente.

Desvantagens
• Equipamento adicional necessário para leitos pousados.
• A operação paralela fixa é ineficiente.
• leitos fixos requerem desligamento total ou parcial para substituir o adsorvente.

Slurry Contact
Os adsorventes de contato de lama usam uma suspensão de adsorvente em pó para adsorver os
materiais desejados. A seguir são mostrados os adsorventes de contato de lama utilizados na produção
de ácido clorídrico.

Informação geral

Na adsorção de contato com lama, o pó adsorvente é misturado com a solução a ser tratada. A
agitação distribui uniformemente o adsorvente por toda a solução. O adsorvente é então removido da
solução purificada por filtração.

A adsorção de contato com lama pode ser realizada em vários modos, como lote de estágio único, lote
de múltiplos estágios, contracorrente de múltiplos estágios e contínuo.

Design de Equipamentos

No tratamento em batelada de estágio único, o adsorvente fresco entra em contato com o fluido em um
recipiente completamente misturado. Após o tempo de contato necessário, o adsorvente é separado
do fluido por filtração. A qualidade desejada do fluido purificado é obtida, e o adsorvato gasto é
descartado ou regenerado.

No tratamento em lote de vários estágios, a solução passa por vários estágios de lote único. O efluente
de um estágio entra no segundo estágio, onde é tratado novamente. Cada estágio atinge parte da
separação geral nesse tipo de tratamento, também conhecido como tratamento dividido ou dividido.

Separação de adsorção em contracorrente em múltiplos estágios é um sistema de duas etapas. Envolve


o contato da solução não tratada com o adsorvente usado uma vez, que é descartado ou regenerado
após o segundo uso.

O fluido parcialmente tratado é então contactado com adsorvente fresco. Após a separação, este
adsorvente torna-se o adsorvente usado uma vez para tratar um novo lote de solução de alimentação
não tratada.

Em adsorventes de contato de lama contínua, uma série de tanques agitados é usada para aproximar o
fluxo em plugs. A adsorção ocorre quando o adsorvente e a solução viajam através da série de tanques.
Quando a purificação desejada foi alcançada, o adsorvente é filtrado a partir da solução purificada.
Exemplos de uso

Algumas aplicações comuns de adsorção de contato com lama incluem purificação de água, aplicações
farmacêuticas e descoloração.

Vantagens

 contato de contracorrente pode melhorar a relação custo-benefício.


 Desligue não é necessário manter o catalisador fresco.

Desvantagens

 Múltiplos processos de estágio mais caros que contrapartes de estágio único.


 Equipamento de filtração adicional necessário.
 Sem regeneração, o uso de adsorvente em pó pode ser caro.

Balanço de Pressão

Na adsorção por oscilação de pressão (PSA), os adsorventes são utilizados sob pressões variadas para
separar as misturas gasosas. O processo é conhecido como adsorção por oscilação a vácuo (VSA) se
estas pressões caírem abaixo da atmosférica.

Informação geral

Na adsorção por oscilação de pressão, um ou mais componentes em uma corrente de gás adsorvem em
um adsorvente sólido. A PSA capitaliza a dependência da adsorção à pressão. Mais gás pode ser
adsorvido a pressões mais altas. Ao adsorver a uma pressão e depois "balançar" a uma pressão mais
baixa para dessorção, a maioria de um gás adsorvido pode ser removida de uma alimentação de alta
pressão.

O PSA pode ser realizado usando designs de uma, duas ou múltiplas leituras. No entanto, os designs de
duas camas são os mais comuns.

Na adsorção por oscilação a vácuo, as pressões de operação caem abaixo da atmosférica, de modo que
as bombas de vácuo são usadas. A escolha entre VSA e PSA depende da pressão da alimentação. O VSA
é usado para alimentação de baixa pressão, enquanto os alimentadores de alta pressão geralmente
requerem PSA. O oxigênio é normalmente usado em aplicações de baixa pressão e pode ser produzido
por unidades VSA.
Design de Equipamentos

A animação abaixo mostra o que acontece nos leitos de adsorção. No desenho de duas camas, as
camas alternam períodos de alta e baixa pressão. O gás de alimentação, mostrado em laranja, entra na
cama quando a pressão é alta. Componentes do fluxo são preferencialmente adsorvidos; Para
demonstrar isso, os adsorventes mudam de cor de branco para vermelho na animação. Uma pequena
parte do fluxo existente, mostrada em marrom, é usada para desorver as espécies coletadas do leito de
baixa pressão. Os adsorventes mudam de cor de vermelho para branco para demonstrar isso. A cama
de baixa pressão pode agora se tornar a cama de alta pressão, e o ciclo pode continuar usando as camas
opostas.

Este esquema mostra uma unidade típica de PSA. Os principais componentes são os dois leitos de
adsorção, o tanque do produto e as bombas ou compressores de sopradores de alimentação e vácuo
que ajudam a regular a pressão e a vazão através dos dois leitos. Em unidades VSA, as bombas ou
compressores seriam substituídos por ventiladores de alimentação e vácuo. O sistema é automatizado,
com válvulas de comutação controladas por computador para fluxo direto. O tempo de permanência
dentro do leito determinará em parte a pureza do produto.

Exemplos de uso

A adsorção por oscilação de pressão é uma técnica popular usada para separar os componentes de um
fluxo de gás com eficiência de custo. Ele é aplicado em muitas indústrias, como processamento químico,
petróleo, medicina e gases especiais. O tamanho do equipamento pode variar de pequenos
equipamentos internos, como no sistema médico mostrado à esquerda, até grandes equipamentos
externos, como os tanques inertes de nitrogênio à direita.

A adsorção por oscilação de pressão também é usada para separação de ar. Adsorventes especiais
conhecidos como zeólitos foram desenvolvidos para adsorver preferencialmente o nitrogênio, água e
dióxido de carbono no ar e permitir que o oxigênio seja separado. O ar ambiente é bombeado e
comprimido antes de ser enviado para os leitos de adsorção. Os gases residuais são dessorvidos sob
vácuo em plantas de oxigênio VSA. O produto de oxigênio pode ser usado em muitas aplicações, tais
como combustão ou tratamento de água.

A unidade de adsorção por oscilação de pressão mostrada abaixo usa vários leitos para separar o
hidrogênio e o monóxido de carbono no gás de síntese em uma refinaria e planta petroquímica. O
sistema funciona da mesma maneira que os outros, com um processo de adsorção de alta pressão e
dessorção de baixa pressão.

Vantagens

 Barato de operar em comparação com outras separações de gás.


 Pode produzir até 99% de fluxos puros.
 Adsorventes seletivos para separar misturas.

Desvantagens

 Compressão e expansão durante a mudança de pressão podem ser ruidosos.


 vazamento pode ser um problema durante a abertura e fechamento das válvulas.

Adsorventes

Uma ampla variedade de adsorventes está disponível para realizar separações específicas. Os
adsorventes são feitos de materiais naturais ou sintéticos e possuem uma estrutura amorfa ou
microcristalina. Eles são granulosos e geralmente extremamente porosos, com grandes áreas de
superfície interna. Exemplos de adsorventes incluem argilas, carvão, alumina e silicatos.

Design dos adsorventes

Ambas as propriedades químicas e físicas do adsorvente devem ser consideradas. As propriedades


químicas que influenciam o design do adsorvente incluem o grau de ionização da superfície, os grupos
funcionais presentes na superfície e o grau em que essas propriedades químicas variam com os
parâmetros do processo e pelo contato com a solução. As propriedades físicas que influenciam o design
incluem a área de superfície, a estrutura da superfície, o tamanho e a distribuição dos poros.

Na foto está um adsorventes de peneira molecular e um dessecante de carvão ativado.

Quando o adsorvente fica saturado com adsorbato, é descartado ou regenerado. O adsorvente é


tipicamente descartado quando ocorre a quimissorção, uma vez que o adsorvente sofreu uma alteração
química irreversível. Após a fisissorção, o adsorvente pode ser regenerado aquecendo-o a altas
temperaturas.

A figura abaixo mostra um dessecante feito de sílica gel.

Existem muitos tipos de materiais adsorventes, incluindo carbonos ativados, materiais poliméricos
sintéticos, materiais carbonados, polímeros nanoporosos, aluminofosfatos e aluminossilicatos.

Os carbonos ativados, são o adsorvente mais antigo e mais amplamente utilizado. Eles são adsorventes
naturais de ampla base com uma ampla gama de aplicações. O carvão ativado é altamente poroso,
possui propriedades adsortivas de alta área de superfície e uma estrutura amplamente amorfa,
tornando-o uma escolha favorável de material de adsorção.

Exemplos de uso
Os adsorventes têm uma ampla variedade de usos. Alguns carvões ativados são usados nas forças
armadas para defesa contra a guerra de gás. Cartuchos de carvão ativado são colocados em máscaras
de gás e absorvem gases nocivos. O carvão ativado utilizado tem 1.000.000 metros quadrados de área
superficial por quilograma de adsorvente.

O carvão ativado também é usado na purificação de biogás e remediação de sedimentos. O biogás


produzido em aterros sanitários, instalações de tratamento de águas residuais ou por esterco animal
contém siloxanos e compostos orgânicos voláteis (VOCs) - que podem ser removidos por carvão ativado
através de adsorção física. Para a remediação in-situ de sedimentos contaminados, as alterações de
carvão ativado são colocadas em sedimentos contaminados para remover os hidrocarbonetos
aromáticos policlorados (PAHs), bem como os bifenilos policlorados (PCBs).

A sílica gel é frequentemente contida em embalagens pequenas, como exemplificado nas imagens
abaixo. É usado como agente de secagem em vários setores, como eletrônicos e alimentos.

Outros exemplos de adsorventes incluem a Terra de Fuller e a Bauxita. A Terra de Fuller é usada em
refinarias de petróleo, e também é usada para purificar óleos vegetais e animais. A bauxita é um
adsorvente usado para desidratar correntes de gás.

Vantagens

 Carvão ativado, sílica gel e aluminossilicatos são baratos.


 Pode ser sintetizado e funcionalizado para aplicações específicas.
 Regeneração possível após a fisissorção.
 Mais barato do que bombear ou dragar para remediação in situ.

Desvantagens

 Os componentes indesejados podem ser adsorvidos na superfície dos adsorventes no lugar do


adsorbato desejado.
 Regeneração intensiva de energia após quimissorção não é rentável.

Referências

Cleveland, T.G.; Garg, S., Journal of Environmental Engineering . March, 1996 pp. 235-
238.

LaCava, A.I., Ramachandran, R., Shirley, A.I., "How To Specify Pressure-Swing


Adsorption      Units," Chemical Engineering , June 1998, pp. 110-118.
Koehlert, Ken. “Activated Carbon: Fundamentals and New Applications.” Chemical

Engineering . July 2017: 33, 35. Print.

Mantell, C. L. Adsorption . 2nd ed. New York: McGraw-Hill, Inc., 1951.

Rousseau, Ronald W. Handbook of Separation Process Technology . New York: John


Wiley &      Sons., 1987. 659-688.

Schweitzer, Philip A. Handbook of Separation Techniques for Chemical Engineers . 2nd


ed.      New York: McGraw-Hill Inc., 1988. 1-515 - 1-519, 3-3 - 3-47.

Slejko, F.L. Adsorption Technology: A Step by Step Approach to Process Evaluation


and Application . New York: Marcel Dekker Inc., 1985.

Yang, R.T. Adsorbents: Fundamentals and Applications . Wiley: New York, 2003.

Você também pode gostar