Você está na página 1de 57

Wellington Jorge de Assis Silva

Niterói 18/03/2013
1
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

CORTE DE MATERIAIS PARA A CONSTRUÇÃO


DE ESTRTUTRA NAVAL
(REVISÃO)

2
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Lembrando que o material básico para a construção naval é:

Chapa de aço

Vamos rever e reforçar as técnicas e processos de corte deste tipo de


Material, isto é os mais usados na construção naval .

3
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Dentre eles se destacam:

Os Térmicos: Os Mecânicos

* Oxi-corte * Tesoura Manual


* Plasma * Tesoura Elétrica(punção e faca)
* Guilhotina

4
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
O oxicorte é o processo de secionamento de metais pela
combustão localizada e contínua devido a ação de um jato de
Oxigênio, de elevada pureza, agindo sobre um ponto
previamente aquecido por uma chama oxicombustível.

5
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

De todos estes métodos, há uma particular preferência pelo oxi-corte


devido a ser o processo mais barato de implementar, com equipamentos
mais simples, com a maior facilidade de treinamento do operador e,
particularmente na faixa de espessuras maiores que 30 mm, ser o
processo que propicia o menor custo por metro cortado.

6
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Oxi-corte :

Vantagens:
Cortes padronizados
Dispensa preparação prévia
Ótima produtividade
Facilidade de operação
Boa relação de custo

7
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

8
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Como fazer o corte
 “Para se obter um corte de boa ou até de alta qualidade, é necessário
seguir os passos”:
 colocar o bico de corte de acordo com as especificações, para a
espessura a ser cortada;
 abrir as válvulas dos cilindros e, em seguida, pré -ajustar a pressão
de trabalho;
 acender a chama utilizando um acendedor apropriado. Atenção:
nunca usar isqueiro para essa finalidade! · regular a chama;
 cortar a peça
 Atenção: caso haja retrocesso de chama, não jogar o maçarico ao
chão. Você terá um tempo de 10 a 15 segundos, com segurança,
para fechar as válvulas dos cilindros.
 apagar a chama: para isso, você deve fechar primeiro o volante de
acetileno A U L A e depois o de oxigênio.

9
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

10
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Segurança do operador
 Para sua segurança:
 use óculos de proteção apropriados contra fagulhas, escória e
brilho da chama, durante todo o tempo;
 use luvas, mangotes, aventais e perneiras de proteção;
 conserve toda a roupa e equipamento de proteção individual
livres de óleo ou graxa

11
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Prevenção de Incêndios

 Para evitar acidentes e risco de incêndio:


 nunca use óleo ou graxa próximo aos equipamentos de oxigênio;
 conserve a chama ou fagulha longe dos cilindros e mangueiras;
 mantenha materiais combustíveis a uma distância segura das áreas em que
esteja sendo executado o corte (distância mínima: 10 m);
 mantenha extintor de incêndio na área de trabalho, verificando sempre suas
condições de uso;
 mantenha a chave na válvula do cilindro, para o caso de precisar ser fecha- do
rapidamente;
 nunca teste vazamentos de gás com uma chama. Use líquido apropriado para
isso, ou mesmo, água com sabão;
 terminado o trabalho, inspecione a área quanto a possíveis focos de incêndio;
 feche as válvulas de todos os cilindros

12
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

13
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

O processo pode ser


automatizado , o que traz
Grandes benefícios entre
Eles aumento na produção
e qualidade do produto
Final, precisão e
acabamento.

14
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

15
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

A automação tem suas


Limitações entre elas o
Tamanho das peças,
o formato e a espessura
Do material.

16
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

17
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

18
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
CORTE PLASMA
A definição de plasma é tida como o quarto estado da matéria.
Quando adiciona mais energia no gás, propriedades como
temperatura e características elétricas são modificadas. Este
processo é chamado ionização, ou seja criação de elétrons
livres e íons entre os átomos do gás. Quando isso acontece, o
gás torna-se um plasma ,sendo eletricamente condutor pelo
fato de os elétrons livres transmitirem a corrente elétrica.
Quanto menor for a secção, maior será a temperatura no gás
plasma, devido a dificuldade da passagem de elétrons.

19
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Utiliza eletrodos não consumíveis e gases inertes. O gás plasma


recombinado não é suficiente para a proteção da região soldada e da
poça de fusão, assim é fornecido um fluxo de gás suplementar e
independente, para a proteção contra contaminação atmosférica. O
fluxo de gás que constituirá o jato plasma, circunda o eletrodo e passa
através de um orifício calibrado constringindo o arco elétrico. O fluxo
de gás de proteção corre entre o corpo que contém o orifício e uma
cobertura exterior.

20
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

21
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

22
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

23
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Lembrando que tecnologia requer investimento.

24
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
TESOURA MANUAL

25
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

São ferramentas para execução de trabalho em chapas e


vergalhões de pequena espessura, normalmente constituídas
em aço carbono com partes cortantes de metal duro ou
endurecido.

26
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
TESOURA ELETRICA (PUNÇÃO E FACA)

27
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Tesoura Punção ideal para uso em cortes
curvos, contornos complicados e recortes.
Matriz Giratória para cortes curvos ou
irregulares. • Potente motor de 500W; •
Permite giro de 360°; • Fácil trocas de
acessórios; • Matriz oscilatória.

Design da Faca projetada para não desperdiçar


material. Corpo do punho com gatilho tipo pá,
para facilitar a operação com uma única mão.
Guia protetor inferior para proteger as mãos do
operador. Botão de bloqueio de segurança e
calibrador de espessura integrado. Lâminas
facilmente substituíveis com um total de 4 e 8
faces de corte para cada uma...

28
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
GUILHOTINA

29
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
PREPARAÇÃO DE CHANFROS E SUPERFÍCIES

30
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

31
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

32
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Lixadeiras Lixadeiras
elétricas pneumáticas

33
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
“Goivagem”: operação de fabricação do chanfro pela remoção de
material, podendo ser a arco com o uso de eletrodo de carvão.

34
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Eletrodos para goivagem

Eletrodo utilizados para corte em


metais como ferro fundido, alumínio
e aços inoxidáveis

Possui excelente estabilidade do arco.


Baixo consumo e boa resistência à
eletricidade.
Também utilizado para goivagem no
processo de arco-ar.

35
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Vantagens do processo de goivagem
a plasma em relação ao eletrodo de Nível de fumo reduzido (± 7 vezes).
grafite. Nível de ruído reduzido.
Sem inclusão de carbono residual no material:
não necessita outra operação para limpeza
após o processo de goivagem.
Alta qualidade da superfície após a goivagem.
Altas velocidades de operação.
Baixo custo final: na maioria dos casos, é
utilizado apenas ar comprimido.
Possibilidade de mecanização do processo.
Altas taxas de remoção de material (8,56
kg/h utilizando a PT-32EH
a90Ae17kg/h utilizando a PT-26 a 150 A).

36
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

EPIs necessários ao trabalho.

37
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

38
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Processo de Conformação Mecânica

39
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Caldeiraria Pesada

40
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Traçagem e Planificação

Obtenção de elementos informativos que permitem a definição


geométrica dos componentes estruturais (painéis, reforços a
outros); obtenção das dimensões antes das deformações;
execução do aninhamento (nesting), que é o processo de decidir
sobre o modo de aproveitamento do material.

41
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Marcação

Operação onde se define de forma durável (riscar a peça) a forma e as


dimensões dos componentes a fabricar. Trata-se da operação
física de inserir marcas nas superfícies externas do material
através do uso de riscadores e punções. Com o uso cada vez
mais extensivo do computador para apoiar o projeto e a
manufatura é possível prescindir da marcação em operações
fabris, designadamente o corte por meios automáticos; os
elementos informativos são enviados diretamente do projeto
para a máquina ferramenta, maçaricos automáticos de corte,
etc.

42
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Processo de Conformação Mecânica

43
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

44
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

45
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Peças fabricadas a partir de perfis de aço e


sobras de chapas estreitas.

46
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Como podemos ver


No desenho temos
Várias peças no casco
Do navio que tem a forma
De perfis e são construídas
A partir de perfis comprados
Ou perfis fabricados no
Próprio estaleiro.

47
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais
Os perfis dão origem as mais
Variadas peças desde pequenas
Cantoneiras até as longarinas
podem ser confeccionadas
Aproveitando-se estas tiras de
Chapa, isto é este aproveitamento
Tem de estar previsto no plano
De expansão de chapas e
Atendendo as especificações do
projeto.

48
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

49
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Reforçadores laminados
prontos para serem
soldados ao chapeamento
do painel do navio são
largamente utilizados em
construção naval. No
entanto, como esses
reforçadores são
importados, devem ser
evitados no projeto deste
navio

50
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Alternativamente, devem
ser utilizados
reforçadores capazes de
serem fabricados a partir
de chapas planas, no
próprio estaleiro. Os
reforçadores poderão ser
fabricados tanto por
métodos de soldagem
como por métodos de
conformação.

51
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Os perfis fabricados no estaleiro


podem ser usados na forma em
que o projeto solicitar, uma vez
que são construídos conforme a
necessidade do projeto.

52
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Suas aplicações no projeto são


as mais variadas possíveis de
Um simples reforço na chapa
a ser uma viga principal de
uma seção.

53
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Sua fixação deverá levar em


Conta os critérios da
soldagem pois esta pode
causar deformações
Indesejadas na sua forma o
que poderá comprometer a
sua resistência Mecânica.

54
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

Distribuído por todo o casco


do navio, sendo utilizado das
mais variadas formas, os perfis
e a sobra das chapas são parte
importantes no conjunto do
Navio.

55
Processo de construção e
manutenção de Estruturas Navais

56
Obrigado!!!

Wellington Jorge de Assis Silva

57

Você também pode gostar