Você está na página 1de 33

#1

Universidade: UFSCAR
Curso: Doutorado em Sociologia
Ano de ingresso no curso: 2019
Semestre do curso que está cursando: 1
Idade: 26
Sexo: ( ) Masculino ( X ) Feminino
Cor da pele:
(X ) Branco
( ) Pardo
( ) Preto
( ) Amarelo (oriental)
( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar
Identidade de gênero: ( ) Homem ( X ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?
Ateísmo é não acreditar em nenhuma divindade personificada (que esteja materializado em
alguma coisa ou alguma pessoa). Seja qualquer deus. Eu não acredito em coisas personificadas.
Não crer em nenhuma divindade personificada “superior”. Não acreditar em que alguém
personificado vai influir sobre você.
2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
Criada em família cristã. Pai católico, mãe espírita. Eu fui batizada na igreja católica e fiz
primeira comunhão aos 12 anos. Quando fui pra sexta série eu tive contato com paradas
místicas, de bruxa, e então fiquei conflituosa. Na sexta série também tive aula de filosofia, daí
já era. Desde o 13 e 14 anos comecei a questionar tudo. Era divertido ir na catequese. Falar
mesmo que eu não acreditava era com 14. Faz 13 anos que sou ateia, desde os 14.
3- Por que e como você se tornou ateu?
Porque eu questionei muito as coisas. Nunca me senti satisfeitas com coisas pouco explicadas.
Fazia catequese e percebia algumas coisas estranhas. Dos 10 aos 13 fui em várias igrejas.
Achava muito simplistas. O que mais me incomodada era ditar comportamentos. Foi um engate
para a rebeldia. Porque era porque eu questionava demais e não via respostas na religião. Aulas
de filosofia na escola me fez questionar muito mais e sentir que religião enganava as pessoas,
tirava o foco de algumas coisas. Como foi nesse processo, como e porque estão atrelados. Li o
mundo de sofia e então acabou a religião pra mim. Muita pergunta, poucas respostas e começar
a estudar.
4- Como você define a relação entre ateísmo e Ciência?
Uma boa relação, no sentido de não deixar que preceitos e dogmas norteiem a pesquisa, não
contaminem os métodos. As vezes é ruim falar que é ateu, eu evito falar. Porque tem muito ateu
que é religioso, porque ela quer te convencer, tem muito ateu assim, que quer provar que a
Ciência é certa. Seria uma relação se estivesse separado. Eu conheço ateus que querem provar
pela ciência a partir de suas convicções. Ateus não pode fazer coisa que religiosos fazem, apesar
de os reflexos serem muito diferentes, mas não pode deixar contaminar. As vezes ateu parece
religioso é quer converter ao ateísmo.
5- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?
Literalmente uma merda. Muito ruim exatamente porque limita o pensamento das pessoas e
ficar dando ordem e seguir determinadas restrições para a vida. Como socióloga vejo que apego
religioso traz consequências boas em pequena profundidade. Porém é temporário, e no final é
muito ruim para as pessoas, porque elas ficam limitadas, e pode até gerar traumas nas pessoas,
como regras de comportamento sexual. Pessoas dentro da religião suprime os desejos e
vontades que tem e traz infelicidade para o resto da vida. O maior exemplo disso são os casos
de pedofilia na igreja católica. A instituições religiosas são podres, vide as cruzadas e apoio ao
nazismo para manter a hegemonia. No geral é uma merda. A religião castra as pessoas e as
deixam cegas, as deixam ignorantes. Gera problema psicológico. Eu tendo a enxergar a religião
enquanto uma instituição. Controle e disciplina.
6- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e demais
igrejas evangélicas)?
Eu as acho horríveis vide a questão 5. O catolicismo não é tão ruim como antes, exceto a
pedofilia. As igrejas evangélicas hoje em dia são as piores, porque elas agem de má fé, no
sentido de manipular as pessoas, de se envolver na política e as pautas que defendem, é horrível.
Hoje em dia a pior são os evangélicos. Os católicos são hipócritas porque não seguem direito.
Espiritismo também é uma merda, é quase um catolicismo. O espiritismo embranqueceu as
divindades afro, além de serem racistas. Se apropriaram de entendimentos e embranqueceram
as religiões afro. Cristianismo causou mais mal na história do mundo.
7- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?
Não considero essas religiões como cristãs. Não tenho uma opinião formada. Acho legal, mas
não tenho muito o que dizer. Não frequento, talvez nem acredite. Sem opinião formada. Eu
acho que não preciso ter. Nunca tive contato. Já fui na umbanda. Mas ainda sim eu acredito que
elas estão acreditando em divindades superiores personificadas, então também eu não acredito
como as outras. Não seguiria, não tenho vontade.
8- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de acrescentar?
Todas acreditam quase na mesma coisa. Exatamente por essa pluralidade que eu não consigo
acreditar. Por isso eu acho que sou ateia. Minha opinião geral é que eu não gosto de nenhuma,
todas eu vou fazer uma crítica mesmo. Todas são muito parecidas e querem controlar os
comportamentos. Povos tradicionais (indígenas) vivem uma cosmologia diferente, nem é
considerado religião. “eles são assim, é o outro”. Tão diferente que nem consideram religião.
9- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe alguma
diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Eu acho que existe abismo de diferenças. Diferenças entre os adeptos e entre elas tem, cada um
segue um dogma. As pessoas que são adeptas são por necessidade. Vivemos de uma forma
deprimente e vazio, então rola essa necessidade humana e social, como algo que seja certeza.
Eu ligo para nenhum adepto, desde que não faça nada pra mim ou seja um “escroto”. A religião
pode trazer muito preconceito. Elas estão pautadas em diversos marcadores sociais (classe,
gênero, etnia, raça). Posição de privilégio dependendo da vertente religiosa que você segue.
10- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?
(especificar sobre qual religião está dizendo)
Causa muitos efeitos. Um dos pilares da ideia da sociedade é a religião (muita parte), em
especial todas as cristãs. Efeitos políticos, sociais, subjetivos, é bem complexo, nenhum efeito
direto. Efeitos mais estruturais.
11- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Eu acho estruturalmente não provoca nada, porque as pessoas não estão nem aí pra quem é ateu,
acham que é uma idiotice. Mas em grande escala, se fosse constituída não religião, não crença
no ser superior (cristão). Se as sociedades fossem ateias nos teríamos menos problemas hoje,
principalmente subjetividade das pessoas, traumas, questões políticas, como respeito aos
direitos humanos e diferenças. Se todo mundo fossem ateu talvez tivesse menos preconceito,
menos intolerância, mais avanços sociais que não acontece por causa das instituições religiosas.
12- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam a
convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Mias dificultam. Dificultam tudo, política pública, elaboração de estratégias para diminuir
diferenças e desigualdades. Reiteram dogmas preconceituosos racistas, homofóbicos.,
machistas. Exemplo, ir num casamento na igreja católica, o que o padre fala pra mulher. Porém
levando em consideração os evangélicos bases forte pra política, muito infiltrados. Pautas como
aborto e descriminalização da maconha só atrasam por conta dos evangélicos. Dizem que
vivemos em um país laico, mas não é verdade. Isso prejudica convívio harmônico
desenvolvimento num nível muito forte.
13- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião sobre
políticos que se declaram ateus?
Eu acho que um abismo muito grande entre um político religioso e ateu. O político religioso já
ta se engrandecendo politicamente no viés religioso, e prejudica política pública ou é enviesada
para a religiosa, em especial questão de direitos. Só vai atrasar, não vai desenvolver nada. Se
ele se declara religioso ele vai seguir os preceitos dele. O Estado é laico, ninguém precisa se
declarar nada. Ateus não me recordo de nenhum, mas não interferiria a em nada, pelos menos
religião não vai interferir nas questões políticas.; Se o cara se declarar ateu ele lute em políticas
contra preceitos religiosos ara não prejudica r alguém. Ateu não se declara por pressão política.
Se declarar ateu é a mesma coisa que como o ateísmo interfere na sociedade, ninguém está aí
pra isso. Se declara político ateu, talvez não deixe nenhum dogma.
14- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual sua
opinião sobre esses segmentos?
Eu acho que todos os segmentos religiosos são intolerantes. Se tem seus preceitos e dogmas,
separa das pessoas então são intolerantes aos outros que não seguem os mesmos preceitos. Mas
existem níveis. Os grupos neopentecostais, todos enfiados na política atual, eu os acho
maléficos, por mais que eu não acredite eu acho completamente contra a doutrina cristã
pensando a figura de jesus. As mesmas pessoas que inventam ideologia de gênero e escola sem
partido. Se jesus enquanto personagem histórico voltasse esse povo iria crucificar ele
novamente. Todos os segmentos religiosos são intolerantes. Mas faz parte da religião ser
intolerante daquilo que ela não agrega. Uns mais maléficos que outros, infiltrados em
instituições políticas causa reflexos e resultados muito piores as pessoas que nãos seguem esse
preceitos e dogmas.
15- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os
descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Conhecer de nome não. Sei que existe católico que “acha” que é progressista, pessoal do daime
que acha que é progressista. Mas no fundo, ser progressistas é o que a pessoa quiser. Tem que
pensar o quando de influência efetiva eles tem na política. Eu não sei denominar, porque pra
mim eles não são, porque a religião é um fato de controle social completamente ligado ao
desenvolvimento do capitalismo, e pela via religiosa não se faz mudanças efetivas pela
igualdade. A religião tem que acabar para conseguir fazer isso. É preciso ser ateu para se
progressista.
#2
Informações gerais:
Universidade: UEMS
Curso: História
Ano de ingresso no curso: 2015
Semestre do curso que está cursando: 8
Idade: 25
Sexo: ( X ) Masculino ( ) Feminino
Cor da pele:
(X ) Branco
( ) Pardo
( ) Preto
( ) Amarelo (oriental)
( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar
Identidade de gênero: ( X ) Homem ( ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?
Uma liberdade de expressão. Não fica preso a alguma religião. Livres para pensar.
2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
Aos 23 anos. Ateu há 2 anos.
3- Por que e como você se tornou ateu?
O cristianismo não fez mais sentido pra mim. Me tornei por conta da faculdade, aos
pensamentos de vários filósofos como Nietzsche. Vi que a religião não é a única explicação
para o mundo e sociedade em que vivemos.
4- Como você define a relação entre ateísmo e Ciência?
Não respondeu.
5- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?
As religiões não deixam pensar, refletir ou discutir. Refém daquilo que elas querem que a gente
acredite. Sem autonomia de pensar além da religião.
6- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e demais
igrejas evangélicas)?
O cristianismo catolicismo e evangélicas, protestantismo. O cristianismo em geral domina
qualquer religião. Se você não faz parte do cristianismo você fica fora da sociedade. Praticar
candomblé espiritismo ou qualquer outra forma de religião você será considerado o outro.
Cristianismo demonizou as religiões que não faz parte, se você não faz parte você
consequentemente é feiticeiro ou qualquer outro termo pejorativo. O cristianismo não tem
respeito nenhum com as demais religiões.
7- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?
Sofrem discriminação. Foi demonizada pelo catolicismo e evangélicas. Umbanda e candomblé
sofre preconceito, chamado de feiticeiro, macumbeiro, que só fazem o mal. Discriminação é
muito grande devido a força e ao poder do cristianismo. Demonizou as religiões afro. Religiões
afro uma forma de luta, de liberdade e de resistência contra o sistema que é implantado.
8- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de acrescentar?
A própria umbanda e candomblé uma forma de resistência, de sincretismo. Fomos influenciados
com a escravidão. Uma forma de homenagear os escravos. Permanecer tradição (musicas,
capoeira, culinária). Candomblé e Umbanda faz parte de uma resistência e tradição que tem que
ser mantida, para manterá tradição dos africanos que foram escravizados no Brasil.
9- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe alguma
diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Respeito fundamental. Respeitar a forma de pensar do outro. Respeito de uma religião com a
outra (adeptos das religiões). Cristianismo catolicismo protestantismo (um se sente superior ao
outro, um acha que o outro está errado, forma de pensar e de agir). Igreja se sente superior
(guardar o sábado, como não comer carne) Superior pelas mulheres usarem saias. Muito notado
na igreja como superior a outra
10- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?
(especificar sobre qual religião está dizendo)
Umbanda e candomblé produz paz, harmonia, não força a nada, não é uma forma de alienação,
você está lá porque você quer, não por obrigação, isso é um ponto positivo, sociedade se
beneficia com isso. Cristianismo força.
11- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
O ateísmo produz liberdade de expressão, pode pensar e refletir sem medo de repressão
religiosa qualquer que for.
12- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam a
convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Minha realidade: dificulta, principalmente na questão indígena, podemos perceber invasão
protestante na aldeia, tira as tradições culturais os povos originários e colocam a fé cristã. Os
povos indígenas perdem a cultura por causa do cristianismo protestante. Dificuldade muito
grande de convívio em sociedade.
13- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião sobre
políticos que se declaram ateus?
Estado laico, não há religiosa oficial. Ateu ou religioso tem que respeitar a constituição,
independentemente se acredita em algo ou não.
14- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual sua
opinião sobre esses segmentos?
Protestantismo segmento religioso intolerante desrespeita a cultura do nativo, a sua fé como
única forma de pensar e de fé, desrespeitam a cultura alheia, isso é intolerância.
15- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os
descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?

*Quem é religioso ou o ateu deve prevalecer o respeito, enquanto tiver respeito as coisas fluem
muito bem, independente de religião.
#3
Informações gerais:
Universidade: UEMS
Curso: História
Ano de ingresso no curso: 2016
Semestre do curso que está cursando: 7
Idade: 20
Sexo: ( X ) Masculino ( ) Feminino
Cor da pele:
( ) Branco
(X ) Pardo
( ) Preto
( ) Amarelo (oriental)
( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar
Identidade de gênero: ( X ) Homem ( ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?
Nasci cresci em meio de católicos nominais. Conheci o ateísmo na universidade (aulas sobre
questões religiosas). Me vi como ateu. Defino como uma prática de vida onde eu posso viver
completamente feliz sem associar com religião. Exemplo eu faço algo e não associo com algo
divino. Conforme eu penso não conforme algo divino e imaterial.
2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
Me tornei ateu quando entrei na universidade. 3,5 de ateu. 17 para 18 anos. Comecei a refletir
mais.
3- Por que e como você se tornou ateu?
Aulas sobre religião (hist. Antiga) comecei a pensar sobre essas coisas. Passei por um processo
difícil na infância deficiência, voltei a andar, associei com algo religioso. Agradeço ao médico.
Depois das analises da faculdade (hist. Medieval) comecei a refletir, odas ações forem feitas
pela ciência em relação à mim. Poderia viver bem sem a imagem de um divino me protegendo
ou me conduzindo. A religião não é necessária pra mim, posso viver bem, fazendo o bem, não
agindo de forma errada sem a religião me guiar ou condenar. Posso vier bem sem religião e sem
deus. Meus pais ficam chateados, eles acreditam muito por conta da minha situação (foi um
milagre). “Vá com deus” eu agradeço porque eu sei que é difícil desassociar, é complicado, é
um processo que ainda penso. Me considero mais ateu que uma pessoa religiosa. É um choque
com a minha família. Na universidade é mais fácil. Academia os debates me fizeram refletir
sobre meu modo de pensar. Posso conduzir minha vida sem algo divino. Sou uma pessoa nova,
ainda estou cercado de dúvidas. Preciso descobrir mais sobre minha pessoa.
4- Como você define a relação entre ateísmo e Ciência?
Eu estabeleço uma relação de que o ateísmo segue diretamente a Ciência. Eu acredito na ciência,
na teoria do big bang, da evolução, sem nenhum sentido divino. Está diretamente ligado. É mais
complexo pensar, pois mesmo estando em paralelo com a ciência, depois fica mais fácil
entender o mundo. A religião prejudica a visão do mundo. A ciência comprova o que diz. Agir
de uma forma cética deixa a vida mais tranquila. Não precisa se martirizar em relação a um
deus. Relação entre ateísmo e ciência estão entrelaçadas. Para mim ficou mais fácil
compreender minha vida. Ateísmo e ciência trouxe sensatez para minha vida e para a vida de
muitos outros.
5- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?
Contexto atual tem importância, exercem papel bom e ruim (extremismo). É importante porque
conduz a pessoa a seguir uma linha. Se apegar demais você vai ao extremo. Muitas pessoas
fazem isso. Protestante fazem muito isso, são extremos. Questão do Brasil, o catolicismo atinge
todas as massas, principalmente as populares. Isso ligado ao extremo faz mal. Falar sobre
religiões afro acabam sendo deixadas de lado. Concluo que as religiões em massa não fazem
bem. Se impor só sua religião sobre os outros você não faz bem, você não segue a linha
pensamento que ela propõe. Se o mundo fosse mais cético, se não pensasse na questão imaterial
ou deus seria mais fácil lidar com as pessoas. Ela tem um papel, é importante, mas chega em
níveis extremos. Religiões são apagadas porque não tem espaço necessário pra expor suas ideias
(espiritismo, religiões afro, islã) são excluídas. Deve ter um espaço para todas elas no contexto
nacional e internacional. Religião em abundância não faz bem. Mas é só pela minha opinião.
6- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e demais
igrejas evangélicas)?
Cada pessoa se expressa de uma forma. Vertentes cristãs e espiritismo. Minha irmã é espirita é
a melhor forma de se expressar. Pessoas se apegam a imagem do divino e ajuda a conduzir a
vida delas. Mas eu não preciso, porém outras pessoas precisam, e isso é importante, com
algumas ressalvas. Problema: religiões mais fortes, maiores, elas dominam as outras e isso é
errado, e limita a liberdade de expressão do indivíduo. Vejo igrejas evangélicas em qualquer
lugar e poucos terrenos de umbanda e candomblé, e centros espíritas poucos também.
Importância grande para o indivíduo, mas no coletivo é prejudicial. Uma faca de dois gumes.
7- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?
Algo excelente. Colonização portuguesa e escravos. Quanto mais aprendo mais fico encantado.
Algo novo, que assusta a religião cristã, mas quando vê de perto é algo fantástico. É show como
introduz a pessoa. Só vejo coisas boas. Mas é excluída. É uma pena. Muito perdem coisas
fantásticas. Muitos poderiam se encontrar nessa religião. Só vejo coisas boas. Se tiver um tempo
eu recomendo conhecer um terreno, pois é bom e prazeroso, como foi pra mim conhecer.
8- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de acrescentar?
Conheço religiões de fantasias, seguidores de LOTR, GoT. Conheci algumas pessoas pela
internet adeptas. É engraçado porque não são aceitas pela sociedade. Há também o satanismo,
se você fala que segue o satanismo você é trucidado “é ligado ao mal”. É uma religião como
todas as outras. Porque satã é ruim? Ele é mal? Fez algo ruim? Ser cristão é uma coisa boa,
mesmo tendo cristão fazendo coisas ruim, mas eu nunca vi um satanista fazendo algo ruim.
9- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe alguma
diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Diferenças visíveis. As pessoas interpretam conforme a sua religião. Conforme sua religião
ajuda os pobres, outras só pensa em si mesmo e fazem atrocidades e vai pra igreja e segue o
mesmo. deus. A religião estabelece algo canônico, mas as pessoas deveriam interpretar. Mais
pela pessoa do que pela religião.
10- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?
(especificar sobre qual religião está dizendo)
Religião católica tenta promover algo relacionado ao amor, ao afeto, mas as pessoas não seguem
dessa forma, elas seguem conforme a visão delas. O budismo as pessoas tentam seguir aquele
estado de tranquilidade. Budismo pensa mais com a razão. Vai conforme a religião. Se ela tenta
produzir estado de tranquilidade (emocional) é algo bom, algo que todos queriam uma
sociedade que viesse em paz. As religiões tentam desenvolver isso, mas não é seguido. As
visões são distorcidas em relação a elas, como católico ou islã. Em geral a religião produz coisas
boas no papel, mas não colocado em prática.
11- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Ateísmo é a forma mais clara de você enxergar o mundo. Sem o apoio de um ser divino você
enxerga as coisas conforme ela são. Se você faz toda coisa achando que é uma benção de um
deus, significa que você não foi capaz de fazer aquilo, você “recebeu” aquilo. “Você não precisa
de deus para dirigir”. Se acontece um acidente não foi deus, foi uma imprudência sua. Não
existe destino. Se você vê o mundo sem o divino, você consegue lidar melhor com a sua vida.
Se a gente consegue vitórias sem deus a gente se valoriza. O ateísmo produz um sentimento de
querer ser melhor como pessoa, autoconhecimento, mostra que sem um ser divino mesmo assim
você consegue perpassar por todos os campos, superando problemas. É a minha filosofia de
vida. Melhor fase da minha vida. Me sinto alegre. ME sinto bem. O ateísmo pra mim funcionou
de forma esplendida.
12- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam a
convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Questão visível: elas prejudicam bem amis do que contribuem. Elas tomam o espaço das outras.
Toma a liberdade das pessoas. Onda cristã engole outras religiões. Brasil é laico mas tem
bancada evangélica. Muito presente. Os evangélicos controlam. Ministra dos direitos humanos
que fala atrocidades. Coisas controversas. Tem como contribuir? Num sentido bem básico, bem
pouco. Dificulta muito. Mesmo as religiões promovendo a paz existem guerra entre eles.
13- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião sobre
políticos que se declaram ateus?
O estado é laico, não deveria ter religião oficial. Quando um político se declara religioso e
impõe sua religião como certa, isso acaba com todo o conceito de laicidade e de “religiosidade”,
porque ele impõe, e tem seguidores. Ficamos a mercê disso. Se declara religioso é aclamado,
se se declara ateu você é ligado ao satanismo. Se você não tem religião você perde eleitores
(caso do FHC), que nas eleições se declarou religioso, mas era ateu. Se se declara ateu você
será julgado. Político usa a religião para se eleger. Não conheço nenhum político que se
declarou ateu, mas com certeza não fazem isso porque vão perder eleitores.
14- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual sua
opinião sobre esses segmentos?
Não conheço nomes ou que vi. Intolerante seguem condutas de forma diferente que entendo o
que é religião. Intolerante querem impor que o deus deles é maior do que os outros. “Vivemos
num universo que existem vários deuses”, você não pode impor seu deus como único. Falta de
conhecimento cria uma controversa naqueles que falam que o deus deles é único (exemplo dos
meus pais). (evitou tocar em lado político). Islã e a questão das mulheres. Maléfico para a
sociedade e para a própria religião.
Quer tocar sobre política?
Exemplo Jair Bolsonaro, “deus acima de todos”. Intolerância está na cara do Brasil. Não aceitar
a religião do outro acaba com o respeito. Não consigo ver uma sociedade pacifica, que quer
seguir religião, com espirito com seu deus sendo intolerante. Por isso vejo o ateísmo como uma
melhor forma de viver, porque esses julgamentos não vão existir. Você vai ver essas religiões
(umbanda, candomblé, espiritismo, islã, budismo) você vai ver elas como pessoas e não como
seguidor de tal deus. O próprio presidente é intolerante. Como alguém consegue tolerar jair
Bolsonaro falando coisas religiosas intolerantes? Bancada evangélica também repudia religiões
de matriz africana. Tudo ligado à invsa~são europeia no Brasil, sei porque estudo História.
Continuar isso no século XXI é bizarro, pé completamente oposto ao que entendo por religião.
Escolhi o ateísmo porque da pra tratar outras pessoas com respeito. Se você pratica uma
religião, primeiro tem que respeitar as outras, assim você será um bom seguidor.
15- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os
descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Conheço. Teologia da Libertação. O foco delas é positivo. Se todas as religiões fossem assim
promoveria uma paz em conjunto. Essas vertentes funcionariam muito bem no contexto
brasileiro. Viés econômico ajudando. Viés direitos humanos na igualdade social (grupos
LGBT). Se bom acontecer, mas não acontece. Se as religiões hegemônicas fossem assim, no
sentido de acabar com a questão de classe: acabar com a desigualdade social (sentido marxista).
É importante que tenham segmentos assim. É bom, queria que todas fossem assim. Porém não
acontece.

*0 aos 7 anos eu não andava. Era deficiente físico. Enquanto não andava, meus pais cresceram
na fé. Quando eu andei meus pais agradecem todos os dias. Era católico, fiz eucarística, 1ª
caminhão. Aí entrei na universidade, na História, e tudo que pensei sobre o cristianismo perdeu
o sentido, e adotei o ateísmo. Eu falo que não entro na igreja porque vou pegar fogo, meus pais
dão risada, mas me respeitam. Eles aceitam mais não compreender como eu vivo sem um deus.
Eu vejo o lado mais econômico de Aparecida do que religioso. Não que a religião não é boa,
ela é, mas não pode ser em excesso. Por isso o ateísmo me deixa levar a vida tranquilamente.
Nunca vi um ateu fazendo atos de terrorismo. O ateísmo uma forma válida de seguir na vida,
os ateus são mais céticos, mais verdadeiros consigo mesmo e com as pessoas. Meus até
entendem algumas incoerências da igreja, mas não que eles vão ser ateus. O ateísmo fez muito
bem pra mim.

#4
Universidade: UFSCar
Curso: Doutorado em Sociologia
Ano de ingresso no curso: 2019
Semestre do curso que está cursando: 1º
Idade: 28
Sexo: ( ) Masculino ( X ) Feminino
Cor da pele:
( ) Branco
( ) Pardo
( X ) Preto
( ) Amarelo (oriental)
( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar
Identidade de gênero: ( ) Homem ( X ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual

1- Como você define o ateísmo?


Eu entendo o ateísmo uma situação de alguém que não crê no deus cristão, no deus das
expectativas da maior parte da sociedade. Mas isso seja o mesmo que não acreditar em energias
organizadoras do cosmo, ou outras formas de trasncendentalidade. Ateísmo tem relação com
não crer em deus, inclusive neste deus que nós vemos por aqui, Mas pode não ser isso.
2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
Com uns 17..há 11 anos
3- Por que e como você se tornou ateu?
Virei comunista. Passei a pensar mais no protagonismo das pessoas, das sociedades, na
produção da história..individual e social
4- Como você define a relação entre ateísmo e Ciência?
Não respondeu
5- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?
Penso que sao importantes pra instituir comunidades gigantescas como as que temos. Produzem
realidades e uma certa concepção de irmandade, de grande família que organiza sociedades
complexas de símbolos compartilhados e tals..mas pessoalmente, entendo que algumas pessoas
precisam mais que outras desse amparo espiritual na religião. Tem pessoas que desenvolvem
esse "senso de comunidade" de outras formas..por convicções políticas, por exemplo..
6- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e demais
igrejas evangélicas)?
A mesma que tenho sobre religiões em geral. Todas as religiões, pelo que sei de história das
religiões, quando são majoritárias em um lugar são persecutorias contra comunidades religiosas
minoritárias ou minorias sociais que contrariem seus princípios. Isso nao acontece apenas com
o cristianismo, apenas vejo que o cristianismo tem uma história mais estudada por nós. Violento
quando ameaçado, assim como o dinheiro, o Estado, as outras religiões..tenho essa ideia de
comunidades imaginadas que precisam promover mais coerção na medida da contrariedade que
se lhe impõe.
7- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?
Eu acho importantes..o fato de nao serem abraamicas deixa elas fragilizadas e elas sao
perseguidas no ocidente, alem de serem vitimadas pelo racismo estrutural no Brasil..mas é
importante uma religiosidade resistente, divergente, até pra sociedade conviver com o diferente
8- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de acrescentar?
Não
9- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe alguma
diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Não
10- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?
(especificar sobre qual religião está dizendo)
Não tenho uma opinião formada a esse respeito..só nao tenho interesse de participar de uma
organização religiosa..
11- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Acho que nenhum, é insignificante numa sociedade..pouquíssimos ateus que, acredito que por
"vocação", nao estao organizados em comunidades..
12- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam a
convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Acredito que não é possivel afirmar uma ou outra coisa pq nunca, desde quando estou informada
de que existem sociedades sedentarizadas, vivemos sem religião.
13- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião sobre
políticos que se declaram ateus?
A princípio nao acho que isso seja demérito de nenhum político...
Acho q é mais problemática a relação com o dinheiro e o que muitos políticos fazem pra
reproduzir o mandato do que a religião.
14- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual sua
opinião sobre esses segmentos?
Conheço religiosos intolerantes em todas as denominações religiosas. São pessoas que
entendem que o mundo precisa estar adequado a suas convicções religiosas, e tentam submeter
as pessoas por quem passam a suas idéias de moral, de religião...
inclusive nas afro-brasileiras?
Sim, conheço gente intolerante nessas tbm..só nesse caso essas nao sao majoritárias. Nao
produzem um efeito social e político significativo como as demais.
15- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os
descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Conheço..entre os evangélicos, entre os catolicos, entre os espíritas, entre os umbandistas..acho
que em todas as denominações. São grupos que tentam reconhecer a diversidade da atualidade,
respeita-la...Que contam com mais princípios de tolerância com as diferenças, de resoeito às
minorias..

#5
Universidade: Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Curso: Letras (licenciatura)
Ano de ingresso no curso: 2016
Semestre do curso que está cursando: 7º Semestre
Idade: 23 anos
Sexo: ( ) Masculino (x) Feminino
Identidade de gênero: ( ) Homem (x) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Cor da pele:
(x) Branco ( ) Pardo ( ) Preto ( ) Amarelo (oriental) ( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar

Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?
Eu defino o ateísmo como a não crença em religiões em geral, mas também a não crença em
um deus centralizador.

(Questões 2 e 3 juntas na resposta)


2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
Eu acho que eu tinha uns 15 anos... eu sou atéia há 8 anos.

3- Por que e como você se tornou ateu?


Minha família é católica né, e meu pai é espírita também, então eu frequentava essas duas
igrejas, mas também frequentei as igrejas evangélicas, como a Universal... Eu tive essas outras
experiências assim... Fiz crisma, fiz catecismo, que são essas partes mais comuns do catolicismo
né, mas quando eu fiz 15 anos eu realmente decidi não seguir nada assim, mas não foi uma
decisão tipo “sou atéia”, eu só parei aos poucos de acreditar em certas coisas. Não teve nenhum
motivo específico, eu comecei a ler mais, por exemplo, filosofia assim... daí foi na época que
eu tive contato assim com a filosofia, mas eu não sei se eu poderia atribuir a filosofia ou outras
leituras que eu fiz algo assim... não sei, só foi deixando de importar. [E em nenhum momento
você considerou outra religião além das que você já conhecia?] Eu gosto de ler sobre as
religiões, eu acho legal o budismo, mas eu não conheço muito, mas eu talvez consideraria o
budismo, porque o que me incomoda na religião são essas questões mais dogmáticas também
né.
[E houve algum confronto quando você decidiu seguir o ateísmo?] Teve, quando eu falei pra
minha mãe que eu não acreditava em nada, aos poucos eu fui soltando isso né, porque quando
você cresce em uma família católica, normalmente eles ficam te impondo né, essas questões
católicas. Eu terminei acho que a crisma, que é a última etapa dos jovens católicos, e eu não
queria mais frequentar a igreja e tal, e a minha família meio que tentou me forçar por um tempo,
tinha umas questões também de quando eu namorava uma pessoa, e aí a família dessa pessoa
também tentava me levar pra igreja, enfim. E minha família sempre foi muito preocupada de
eu não ter escolhido nada pra seguir, como se eu não tivesse um rumo na minha vida assim,
então sempre teve esses conflitos. Hoje nem tanto, que hoje a gente é mais adulto, mas quando
eu era mais jovem tinha sim, tipo de forçar mesmo.

4- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?


Eu acho que... Hoje eu vejo elas às vezes como um produto meio que natural na sociedade,
então sempre vai ter assim, mas ao mesmo tempo eu acho que elas às vezes... Sei lá, as pessoas
que normalmente controlam as religiões, tipo os pastores da evangélica, meio que utilizam esses
dogmas pra emburrecer as pessoas, enfim, tem todas essas polêmicas envolvendo a igreja
evangélica com dízimo, com contribuição. Então eu acho essa parte muito ruim, sabe? E
também, eu acho que quando você acredita, que nem no catolicismo, na igreja evangélica assim,
você meio que se priva de sentir as coisas assim, sabe? Sentir luto, encarar algumas realidades,
porque você sempre joga isso pra alguma entidade psíquica, sei lá, sobrenatural que seria deus
né, então é isso que me pega assim, é mais esse lance do tipo, meio que emburrecer as pessoas,
mas... Não sei também o que é esse emburrecer.

5- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e demais


igrejas evangélicas)?
Ah, eu tenho algumas restrições com algumas vertentes que são mais conservadoras, eu julgo
assim a Igreja Católica Apostólica Romana... Eu não gosto porque ela é bem rígida, ela tem
todos esses dogmas errados, por exemplo, perpetuação da homofobia né. Eu gosto do
espiritismo, acho interessante, só que também eu não considero ele em todas as partes assim,
porque ele ainda utiliza coisas católicas né, do Evangelho e tal. Não sei... É mais esses lances
do dogmatismo que me incomoda.

6- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?


Eu não sei, eu não tenho muito contato com elas, eu sei que tem gente da minha família que
teve contato com elas, tipo minha avó, a irmã da minha avó... Eu acho legal assim porque eu
sinto que faz parte da minha história também, em relação a ancestralidade né, enfim. E eu acho
elas importantes também, diferente do catolicismo sabe, mas eu não sei em que medida, não
vou cair nesse aspecto mais “Ai, é uma vertente cultural”, apesar de ser né, porque religião
também tem a ver com cultura, só que eu acho que elas são importantes, a história delas é
importante no Brasil. Eu acho isso, mas num modo geral também, porque eu não conheço muito
pra poder dizer.

7- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de dizer?
Tem a positiva: eu gosto do budismo porque ele mistura meditação também, e eu acho isso
muito importante, meio que o budismo não centraliza tudo em um deus todo poderoso, sabe?
Ele vai pra outras vertentes, tipo se conectar com o seu corpo, e eu gosto dessas questões. Então
eu acho que isso é uma coisa legal. Tem o aspecto negativo das evangélicas, por exemplo. Eu
vejo o catolicismo e as igrejas evangélicas de uma maneira muito negativa nesse sentido de
impor muitas regras, e fazer com que as pessoas utilizem essas regras aplicando elas no
cotidiano. E de novo a homofobia, sabe? Então as pessoas vão na igreja e aprendem um monte
de dogmas e vão jogando isso na sociedade, quando na verdade elas não refletem sobre o que
elas estão fazendo, por exemplo, a igreja evangélica fazer com que o pessoal votasse no
Bolsonaro, sei lá, esse pessoal do Silas Malafaia. Só que eu... Meio que é um disco quebrado
né, eu tô sempre criticando a evangélica, mas não que eles sejam horríveis, só que rola essas
coisas né. Tem uns vídeos na internet muito estranhos, do pessoal passando cartão no meio do
culto, sei lá, é muito capitalista. Eu não sei se a religião pode não ser capitalista, se é que tem
jeito né, mas passa uma estranheza, é uma característica.

8- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe alguma
diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Eu acho que tem diferença em relação ao que é passado né, eu acho que todos os cultos, ou a
maioria deles, sempre tem algum momento de reflexão, que daí se passa mais ou menos os
dogmas ou então as reflexões, enfim, então de pessoa pra pessoa deve mudar alguma coisa. Eu
não julgo as pessoas que são adeptas de alguma religião, esse é o grande problema do ateísmo
também, porque tem gente que acredita e que julga algumas pessoas que seguem alguma
religião, eu acho que eu não tô mais nessa fase de julgar, eu respeito assim, apesar das pessoas,
até mesmo os evangélicos e os católicos né, que pra mim é uma expressão mais agressiva, até
porque eu sou lésbica, então tem todas essas questões que meio que vão contra, e meio que eles
pregam um ódio meio desnecessário às vezes, sabe? Mas não sei, eu não julgo, eu tento não
julgar. Só que tem algumas coisas que são às vezes incoerentes. Nunca convivi assim com
alguém que fosse ferrenhamente católico ou evangélico, que seriam as duas religiões que eu
tenho mais problemas, mas eu imagino que se a pessoa ficasse julgando bastante, ou sei lá,
tentando impor várias coisas assim, seria um pouco incomodo. Eu tentaria me afastar, porque
da mesma maneira que eu estou respeitando a pessoa, ela também tem que me respeitar.

9- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?


(especificar sobre qual religião está dizendo)
Eu não sei... As duas grandes, principalmente o catolicismo né, eu fico pensando sobre o efeito
que o catolicismo tem, e eu não sei se ele é exatamente bom, sabe? Então, pra mim, os efeitos
na maioria são negativos. Só que eu sei que tem também esses outros pontos, por exemplo, tem
algumas igrejas católicas que fazem um trabalho legal assim com a comunidade, que falam
sobre políticas públicas, enfim, que trazem as pessoas pra refletir sobre a política atual no meio
de uma missa, então eu acho legal também. Ao mesmo tempo que eu vejo aspectos negativos
nesse sentido de reproduzir dogmas, ter regras, enfim, muitas coisas estranhas hoje que
poderiam melhoradas, a gente tá no século XXI afinal, tem também essa outra parte de tentar
levar informação, tem trabalhos muito interessantes ligados ao catolicismo, por exemplo, tanto
num tom assistencialista, de ajudar pessoas, quanto de levar informação. Só que são poucos né,
o que tem mais são esses aspectos negativos.

10- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Não sei, eu acho que tem vários tipos de se produzir algum efeito quando você é ateu. Porque,
eu volto a dizer, tem algumas pessoas que não acreditam em nada, e elas meio que agem
agressivamente a pessoas que acreditam, e isso gera um desconforto muito grande também, é
claro que você não precisa aceitar as coisas, mas enfim, tem várias questões dentro disso. E tem
essa outra parte, que nem... Ai sei lá, tô me perdendo aqui. Mas eu vejo isso como... Os reflexos
do ateísmo são bons e ruins, não tem um reflexo só, sabe? Então às vezes as pessoas vão
reproduzir mais ódio ou elas vivem na delas, e tentam considerar todas as religiões como
válidas, mas ela mesmo não tem uma.

11- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam a


convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Eu acho que elas dificultam, justamente porque elas são numerosas, e elas são diferentes entre
si. E eu acho que elas, não todas né, que nem a umbanda e o candomblé não tentam competir,
mas tem algumas que tem esse aspecto de competição, tipo “Ai, a minha é melhor, porque o
meu deus vai te prometer uma coisa”, sabe? Então isso gera uma questão mais negativa, eu
acho. Então isso não ajuda muito na harmonia não. Tanto que tipo... Já aconteceram guerras e
mortes ao longo da história por causa de religião, entendeu? Isso acontece o tempo todo. Então
eu acho que é negativo.

12- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião sobre
políticos que se declaram ateus?
Eu acho que não deveria misturar política com religião, só que é meio que inerente quase né,
se você for pensar na história do nosso país, por exemplo, é quase que um aspecto natural. Eu
acho errado, porque com certeza o político já tá tratando individualmente das coisas, porque
hoje em dia os políticos brasileiros estão trabalhando pelo seu individual, entendeu? E aí mais
ainda quando ele é adepto a uma religião, por exemplo, a bancada evangélica né. Então, tem
alguma coisa errada ali, pra mim, política nesse cenário atual do Brasil não deveria ser
misturados com as pautas religiosas, porque isso é muito perigoso, só que ao mesmo tempo,
como não fazer isso em num país desse né... Mas é um aspecto negativo assim, eu acho que é
algo negativo.
[E qual sua opinião sobre os políticos que se declaram ateus?] Ah, eu acho que não tenho uma
opinião assim, porque eu não sei dos políticos que são ateus, eu nunca prestei atenção nisso,
sabe? Os políticos que são ateus, eles não ficam se declarando ateus, acredito eu. Mas nessa
parte eu acho que talvez não tenha um impacto tão grande, talvez eles tenham outras pautas
individuais, mas não essa pauta religiosa, é menos ruim, talvez... Nem sei se dá pra dizer.

13- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual sua
opinião sobre esses segmentos?
Eu conheço a igreja evangélica e mais o catolicismo. Eu não conheço da umbanda e do
candomblé, eu sei que a umbanda ela trabalha com algumas vertentes católicas né, não sei até
que ponto. Mas é, só essas duas, evangélica e católica. Eu acho que eles trabalham contra a
sociedade às vezes, entende? Então o que mais me incomoda nessa parte é a homofobia mesmo,
o racismo, eles fazem uma manutenção desses dogmas às vezes, muitas vezes na verdade.
Então, não sei assim, eles não estão dispostos a mudar, por exemplo, a criminalização da
homofobia ela foi aprovada essa semana, mas mesmo assim meio que não se aplica as igrejas,
aos templos religiosos, vê como isso é um problema? Então já tava na hora de mudar isso,
porque o problema dessas igrejas é que elas não se adaptam ao tempo atual, apesar do papa ter
falado várias coisas e tal, meio que ainda... Sei lá, é um tradicionalismo desnecessário, porque
tá lidando com vidas né, você está influenciando pessoas a serem horríveis com outras, e gerar
violência... Então é totalmente o contrário do que uma igreja deveria pregar.

14- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os


descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Não, eu imagino que o budismo seja pluralista, mas eu não conheço muito assim, não conheço.
Eu sei, por exemplo, eu conheci gente que encontrou igrejas evangélicas que são lgbt, são
igrejas que aceitam e tal, mas eu não sei até que ponto, então dá pra chamar eles de pluralistas?
Eu acho que sim, só que eles ainda devem ter dogmas né, é só isso que eu conheço mais ou
menos.

#6

Universidade: Universidade Federal de São Carlos


Curso: Imagem e Som
Ano de ingresso no curso: 2015
Semestre do curso que está cursando: 9º Semestre
Idade: 29 anos
Sexo: (x) Masculino ( ) Feminino
Identidade de gênero: (x) Homem ( ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Cor da pele:
( ) Branco (x) Pardo ( ) Preto ( ) Amarelo (oriental) ( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar

Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?
O ateísmo eu defino como a não crença em deus ou em vários deuses.

2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
Eu acho que quando eu falei realmente assim “Eu não acredito em deuses” foi com 24 anos.
Faz 5 anos.

3- Por que e como você se tornou ateu?


Começou, eu acho, no ensino médio, quando pela primeira vez alguém durante uma aula, um
professor de filosofia, pela primeira vez eu vi alguém questionar assim a existência de deus,
falar assim “Mas será que deus existe mesmo?”, e aí já ficou na minha cabeça. Aí ao longo do
tempo assim eu fui começando a ter contato com outras pessoas fora da minha família, fora
daquele círculo que eu sempre andava de igreja essas coisas, conheci pessoas que tinham outras
crenças, pessoas que não tinha crença religiosa nenhuma, comecei a questionar também, e aí
comecei a ler bastante coisa na internet, assisti bastante coisa também sobre... No caso, eu fui
criado na igreja católica, e aí comecei a estudar melhor a questão de como a igreja se impôs,
muitas vezes violentamente, essa questão de algumas religiões, principalmente o cristianismo,
chegar em um lugar e simplesmente obrigar as pessoas a acreditar naquela fé, e comecei a
perceber que existem padrões, não sei dizer se existe em todas, mas pelo menos nas religiões
que eu conheço existem padrões que se repetem, então comecei a raciocinar e pensar que a
religião é uma necessidade do ser humano e ela repete certos padrões que talvez devam estar
no inconsciente coletivo ou algo assim, mas todas as religiões a priori pregam a mesma coisa,
mas de formas diferentes e tem a mesma forma de pensamento, de que existe algo maior que a
gente, mas do qual a gente faz parte. [E antes de você se considerar ateu você já teve contato
com outras religiões então?] Não com outras religiões, mas com pessoas que tinham outras
crenças assim, mas antes dos vinte e poucos eu nunca tinha ido em outra igreja e nem
conversado abertamente com pessoas com outras crenças. Mas eu fui criado na igreja católica,
eu fui batizado, fiz primeira comunhão, confessei, crismei.

4- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?


É que nem eu falei, eu acho que a religião é uma necessidade do ser humano pra suprir talvez
a falta de resposta que a gente tem, que a humanidade tem, sobre determinados assuntos, e aí
acaba se tornando também numa for de... Num socorro. A pessoa usa aquilo como um socorro
quando as coisas estão ruins, quando não se tem mais esperanças, ela se apega a aquilo. Eu
realmente acho que a religião é necessária pras pessoas, mas acho que a forma como algumas
religiões hoje se colocam, ao longo da história se colocaram, e principalmente a forma como
algumas pessoas usam a religião pra controlar as pessoas ou tentam impor uma religião e até
mesmo pegam a religião e distorcem ela pro benefício próprio dela ou de um grupo, isso eu
acho um negócio bem sério, isso eu não aprovo, acho bem errado. Mas eu acho a religião, o
exercício de uma fé, seja ela qual for, se não prejudicar nenhuma pessoa, eu acho que é bom
inclusive, as pessoas que levam as religiões como uma forma de autoconhecimento, elas
costumam ser boas pessoas, se elas não são radicais nas suas ideias.

5- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e demais


igrejas evangélicas)?
Eu acho que é essa distorção que eu falei que algumas pessoas ou grupos fazem dentro de uma
religião pra interpretar ela de uma forma que beneficie aquele grupo ou aquela pessoa e pra
controlar as pessoas, principalmente, porque como os métodos mais violentos não são
aprovados de uma maneira geral no mundo de hoje, se precisou buscar outras técnicas, então
eles pegam aquele texto que já foi imposto durante muito tempo, ainda é imposto de certa forma,
não tão violentamente como era antes, mas esse discurso, essa história que já tá enraizada em
várias sociedades, no Brasil bastante, e modificam elas, de modo a... Distorce elas às vezes até,
dizendo que é interpretação, pra controlar as pessoas através daquilo. Ah, isso em parte delas,
algumas vertentes que partem do cristianismo, eu acho que aí já são questões culturais e
questões diversas assim do exercício de uma fé e às vezes você usa uma fé que já está enraizada
em um lugar pra que as pessoas aceitem sua fé, que se eu não me engano é o caso da umbanda,
que os escravos não podiam exercer a fé deles no Brasil, e aí criaram a umbanda e cada orixá é
representado por um santo católico, então se você tá rezando pra Ogum, ele reza pra São Jorge,
e o cara não percebe que ele tá exercendo a fé dele, mas ele usa o símbolo cristão ali pra rezar
pra um ídolo dele, esse é um caso. E vertentes também quando uma pessoa, por exemplo, ela
sente que recebeu uma iluminação ou algo assim, que acho que é o caso do espiritismo ou algo
assim, nem sempre a pessoa recebeu, mas acontece alguma coisa e a pessoa acaba criando uma
vertente, que é o caso do espiritismo. Uma vez os mórmons falaram comigo em casa, e deixaram
um livro lá e parece que foi meio que esse caso da iluminação, o cara recebeu a iluminação e
escreveu o livro lá. Tem alguns casos que, embora às vezes também eu acho que o cara diz que
foi iluminado pra impor, sempre é esse papo, mas em algumas vezes uma pessoa ou grupo
também sente a necessidade de interpretar ou expressar a fé de uma forma que ela não tá sendo
interpretada ou expressada no momento e naquele lugar.

6- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?


De um tempo pra cá eu tenho lido sobre, não muito porque eu também tô meio sem tempo, mas
eu tenho lido sobre a umbanda, e eu acho muito interessante a forma como surgiu, quer dizer,
a forma como no livro que eu li surgiu daquele jeito, mas eu acho interessante. O que eu conheço
um pouquinho assim é mais a umbanda mesmo, e eu acho legal, tô lendo sobre os orixás, eu
acho muito bacana, gosto muito de Ogum, eu acho ele interessante. Eu acho muito criativo essa
coisa de você meio que... Ah, tipo os cantores na ditadura assim, meio que os caras são burros
demais pra perceber o que a gente tá fazendo aqui, mas eu acho importante pra criar uma
identificação de certos grupos, e acho interessante também, apesar de não exercer, apesar de
não crer que exista um deus ou algo maior e tal, mas eu acho que é muito importante os grupos
se verem representados e a religião é uma forma deles fazerem isso.

7- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de dizer?
Ah, eu gosto do budismo, eu comecei a me interessar pelo budismo por causa do Jack Kerouac,
que é o meu escritor favorito, e ele era católico, mas ele tinha um lado meio budista assim, todos
os livros deles que eu li até hoje, eu acho, ele faz muitas referências assim sobre essa questão
da iluminação e tal, e eu comecei a me interessar e comecei a ler sobre. E assim, das religiões
que eu conheço, eu acredito que se eu fosse seguir uma religião ou acreditar em algo, seria
nisso, que é um negócio que não tem um deus assim, você tem que se encontrar, você não se
encontra em outro lugar, você se encontra em você.

8- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe alguma
diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Depende da pessoa, assim, eu conheço muitas pessoas que exercem muitas religiões diferentes,
na igreja católica eu posso falar com mais propriedade, eu vou falar só da igreja católica porque
eu convivi nesse meio aí muito tempo. Existem os católicos que eles realmente têm a fé deles
e eles exercem, eles são boas pessoas, e eles tem alguns dogmas e algumas opiniões baseadas
na fé, mas isso não faz eles terem um preconceito com ninguém que age de forma diferente.
Existem os católicos que a religião vai um pouco mais longe e ela já quer impor algumas coisas
pra outras pessoas e pra sociedade em geral, baseado na fé delas, e isso já começa a ficar
perigoso. E existem as pessoas que são radicais, que... Como uma professora de crisma minha
que fez a gente assistir uma aula de uma hora e meia ajoelhado na sacristia, porque ninguém
tinha assistido a missa da semana anterior. E essa pessoa, que eu não vou falar quem é, ela é...
É incrível porque ela é uma católica radical e ela é doutora em Química ou Física, algo assim,
e vem com esse radicalismo, então é um exemplo de como esse radicalismo ele pode ser nocivo
assim, uma pessoa que sei lá, acredito que deveria ser mais esclarecida por ter tido a chance de
estudar, por ter seguido uma carreira acadêmica e que devia ver o mundo de uma forma mais
aberta assim, ter essa mentalidade medieval né. Então eu conheço pessoas dentro da igreja que
vai de todos os espectros, e tem a galera que tá lá, mas tá porque foi obrigada e tal, foi o meu
caso um tempo, e que depois acaba seguindo um pouco por costume ou talvez por esse medo
que a religião prega, por exemplo o catolicismo prega, que é “Não, se você não fizer isso, você
vai pro inferno”, e nossa, por algum tempo, depois que eu já tava maiorzinho, que eu não era
obrigado a ir na igreja, eu ia na igreja por medo de ir pro inferno.
[Mas você acha que existe alguma diferença ser adepto de uma religião ou de outra?] Não, eu
acho que a diferença vai de pessoa pra pessoa, não importa a fé. É lógico que tem algumas
religiões, que pelo menos eu vejo, ou algumas vertentes que elas tendem a ser mais radicais,
por exemplo igrejas evangélicas, quem vai em igreja evangélica costuma ser mais fervoroso,
mais radical, e costuma trazer a religião pra expandir esse círculo um pouco mais, então chama
todo mundo de “irmão”, e criticar uma menina que tá andando com um determinado tipo de
roupa, porque na bíblia diz que não pode e tal. Então pelo que eu percebo, pela minha
experiência pessoal, algumas vertentes assim, essas vertentes mais novas do catolicismo, elas
costumam ser mais radicais. Existem os mais velhos também que são mais radicais por uma
questão de educação muito rígida e uma educação muito dentro da igreja, mas eu vejo que essas
vertentes mais novas costumam ser radicais na raiz mesmo, e eu vejo que hoje tem muitas
vertentes, por cada igreja evangélica ou cada congregação tem lá o seus pastores que abrem a
sua própria igreja, com a sua própria interpretação, com a sua própria visão de mundo, sua
própria visão da igreja, então isso vai se tornando um negócio um pouco amplo demais, e aí
cada um dos pastores, e eu já vi muitos casos que assim, o cara saiu de uma congregação porque
não concordava com a opinião do pastor e aí ele saiu e abriu a própria igreja dele pra pôr a
opinião dele, então ele já vem no radicalismo aí, e aí quem vai nessa igreja, ele já prega o
radicalismo dele, então eu vejo assim. Essas igrejas que estão surgindo agora, principalmente
essas que prometem a recompensa antes do juízo, essas costumam ser mais radicais, porque é
um radicalismo, e isso é visão minha, pode ser um preconceito, mas é uma visão que exige que
assim, se você vai ter a recompensa antes, você tem que fazer sua parte antes, e essas igrejas
mais novas focam muito na questão do dízimo, na questão material mesmo. E até onde eu sei,
Jesus pregava meio diferente, pelo que eu me lembro, de quando estudava a bíblia. Mas é isso,
eu vejo que cada vez mais está ficando mais radical, e a tendência é que as pessoas que entram
nessas tendências mais radicais, já se radicalizarem logo de cara e quererem chamar mais
pessoas, isso falando do catolicismo que eu conheço bem. Mas eu acho que vai muito da pessoa
também, e o perfil de uma pessoa que não tem a tendência de ser mais radical, ela já evita esses
ambientes e evita essas vertentes.

9- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?


(especificar sobre qual religião está dizendo)
Bom, a religião, ela de certa forma... Vou falar de novo do catolicismo, que é de onde eu vim.
Eu vejo assim, apesar dela ter sido imposta há muito tempo e ter sido imposta violentamente e
tal, eu vejo que tem muita gente que através de uma fé que tem consegue superar algum
problema, ela consegue se manter às vezes até viva assim, consegue largar um vício e tal, por
força de vontade dela, mas baseado no que a igreja tá pregando ali. Eu acho que a igreja... é
problemático eu falar isso, mas eu acho que a instituição igreja e a fé é um negócio importante
por reunir pessoas num mesmo objetivo ou numa mesma visão de mundo, porque essas pessoas,
por mais que seja um negócio segmentado e seja entre elas, elas acabam se ajudando, e eu vi
muito isso também, eu vi muito gente ajudando outras pessoas dentro da igreja, então assim, eu
acho importante socialmente por reunir as pessoas em volta de uma ideia comum, e a priori, na
minha opinião, toda religião ter uma questão que prega o autoconhecimento. Então eu acho que
seja importante socialmente por isso, as pessoas buscarem algo além daquela rotina, algo além
desse sofrimento que a gente tem, eu acho que a igreja seja algo importante. Claro, com muitas
aspas aí, porque como eu falei, o radicalismo atrapalha muito, e como eu falei no começo, acho
que a religião é uma necessidade humana, assim como a comunicação, como a arte, seja algo
que a pessoa consiga ter um contato com algo além dessa coisa que a gente vive.

10- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Eu acho que o ateísmo seja importante também, porque ele gera pessoas que estão exercendo
um questionamento e esse questionamento ele pode tanto libertar uma pessoa de uma religião
que esteja vampirizando aquela pessoa, digamos assim, esteja canalizando as energias dela
muito pra alguma coisa que pra ela não tem significado e ela não percebe, como pode também
fazer a pessoa se encontrar realmente na religião, ela começa a questionar... Eu acho que essa é
a importância, sempre o questionamento, porque assim como eu acho que não é certo você
querer pregar sua fé para os outros, eu não acho certo você pregar uma falta de fé também, acho
que cada um tem que ser livre pra poder buscar o que te for melhor.
[Você já teve algum embate assim por ser ateu?] Já, mas normalmente é uma questão de assim
“Ai, você é católico?”, “Não”, “Então você é crente?”, “Não”, “Ah, você é do que? De que
religião você é?”, “Não, não tenho religião”, “Mas você não crê em Deus?”, “Não”. E aí começa
o embate no sentido da pessoa tá incrédula e querer uma explicação para por que eu não creio
em deus. E se essa pessoa quisesse realmente uma resposta, tudo bem, mas ela não quer uma
resposta, ela quer que eu diga pra ela falar que eu estou errado, e ela não vai ouvir o que eu
estou falando. Eu já tive vários embates nesse sentido. Uma vez a minha mãe falou pra mim
assim “Ah, você é católico, você pode falar que não, você pode achar que não, mas no fundo
você ainda é católico”, aí eu fiquei quieto né, e quando eu mudei de casa, que eu saí da casa da
minha mãe, minha mãe me deu vários santinhos e aí eu fui pregando pelas paredes, porque ela
é minha mãe, se ela me der um palito de fósforo e falar “Isso aqui vai te proteger”, eu vou
guardar na carteira. Mas é, eu tive vários embates desses, desde os mais amigáveis assim até os
mais tensos, mas a maioria tive com pessoas mais radicais, pessoas mais tranquilas assim com
um espiritualidade maior eu creio que não precisa tanto de uma opinião alheia pra formar a sua
opinião religiosa, elas são mais tranquilas, elas aceitam que as pessoas não são iguais e tal.

11- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam a


convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Hoje em dia dificultam, as predominantes dificultam. Acredito que a predominância seja do
cristianismo e eu não sei se tá tendo um crescimento ou se tá aparecendo um cristianismo muito
ferrenho assim, medieval mesmo, de imposição, e que gera ódio de quem age fora daquela
opinião que a pessoa estabeleceu. Então hoje em dia, de um tempo pra cá tem sido pior, tem
sido mais preocupante, principalmente porque as pessoas estão usando a religião... porque eu
vejo assim, pelo menos quando eu era criança, tinha muito preconceito por causa de religião,
porque tinha que fazer como estava na bíblia e tal, mas era um negócio mais “ah, vou na igreja
pra me encontrar com Deus, pra rezar” e hoje se tornou um negócio muito assim, a religião
como uma ferramenta pra firma uma visão de mundo que é religiosa, política, econômica, então
assim, a religião como uma ferramenta na caixinha pra ser usada e não como uma forma de
busca por algo maior, e sim como uma forma de afirmar a sua posição de como ela está certa.

12- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião sobre
políticos que se declaram ateus?
Posso dar minha opinião verdadeira? Eu acho que são uns imbecis, acho que são uns babacas,
acho que são uns otários. Eu acho que assim, um político que se autodeclara de determinada
religião, ótimo ele ter a fé dele, mas o político que usa isso como discurso, sabe? Usa a bíblia
como discurso, usa... Seja lá que livro fosse, que religião fosse. Entrar na política com esse
discurso, baseado num livro ou numa ideia religiosa é uma estupidez sem tamanho, eu acho que
isso faz parte dessa estratégia da religião como uma ferramenta na caixinha pra usar, porque
eles perceberam que a religião é uma arma muito poderosa na política e eles tão usando isso
cada vez mais na política. E também entra nessa questão de qual é a fé que predomina no Brasil,
que é a fé cristã, e bom, a gente tá com um presidente aí né... Não só ele né, enfim, é
preocupante. Não é nem uma questão de não se misturar, eu acho que é uma questão de má fé
mesmo, usar a fé propositalmente pra manipular as pessoas, mas há muito tempo eu acho o
Congresso é um circo, então um palhaço a mais ou menos...
[Qual sua opinião sobre políticos que se declaram ateus?] Eu não vejo eles causando
problemas como esses que se declaram isso ou aquilo. Eu não vejo eles tentando impor a visão
de mundo deles pra ninguém, religiosamente falando. Eu pelo menos não conheço. E eu
também nem lembro de conhecer um político que se autodeclara ateu, simplesmente eu vejo
políticos criticando a postura de outros políticos religiosos. Eu nem sei se esses políticos que
criticam são de outra religião ou não tem religião.

13- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual sua
opinião sobre esses segmentos?
Sim, minha opinião é que se eles acreditam tanto no inferno eles deveriam queimar no fogo do
inferno deles, essa é minha opinião. [Mas como que você descreve esses grupos que são
intolerantes? Quem são eles?] Ainda entra nessa questão das vertentes mais radicais. Eles são
intolerantes porque quando convêm eles interpretam o livro sagrado deles pra impor sua visão
de mundo nas pessoas, e pra falar que se as pessoas não seguirem aquela visão de mundo, elas
vão arder no fogo, no mar, sei lá onde. E quando não convêm interpretar, elas seguem a bíblia
de forma literal. Então assim, eu na minha visão, no Brasil pelo menos são esses grupos cristãos,
pelo menos os mais novos assim, dessa Teologia da Prosperidade principalmente, e hipócritas
assim, pregam uma coisa e vivem completamente diferente. E usam a palavra de um cara que,
na minha visão, eu acho que Jesus existiu, mas ele não era um cara filho de deus divino, ele era
um cara que tinha uma retórica boa, deve ter sido um cara que fez um auê, fez um barulho e
então ele se tornou um símbolo de algo muito importante pra algumas pessoas, e aí depois
criaram essa questão do cristianismo em cima da figura de cristo, mas eu acho que ele era só
um cara meio revoltado e tal. Mas eu acho que usam a figura de Jesus e alguma palavras que
dizem que Jesus disse, mas de uma forma hipócrita assim, ou usando de forma literal, ou
distorcendo o que ele disse. Isso é nocivo, acho muito nocivo. E mesmo sendo ateu, eu acho
que isso é uma coisa que... É um dos motivos pras pessoas às vezes não gostarem,
principalmente ateus, e isso também é um coisa que eu acho ridícula, é o ateu ter raiva de
cristão, porque o cara é cristão, nem conhece e tal, é um preconceito também tão ruim quanto
o outro.

14- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os


descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Não, por cabeça assim eu não vou lembrar de um segmento assim que é pluralista, eu conheço
pessoas que não encanam com a religião dos outros e tal, e que convidam as outras pessoas pra
virem na religião delas e conhecerem, mas sem querer impor e sem querer converter as pessoas,
mas eu não me lembro de cabeça assim de nenhum segmento abertamente pluralista ou
progressista.

#7
Informações gerais:
Universidade: UNESP
Curso: Mestrado acadêmico em Alimentos e Nutrição
Ano de ingresso no curso: 2019
Semestre do curso que está cursando: Primeiro
Idade: 23 anos
Sexo: ( ) Masculino ( x ) Feminino
Cor da pele:
( ) Branco
( x ) Pardo
( ) Preto
( ) Amarelo (oriental)
( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar
Identidade de gênero: ( ) Homem ( x ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?
Ausência de crenças em qualquer tipo de religião.
2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
Foi entre os 15 e 16 anos. Há aproximadamente 8 anos.
3- Por que e como você se tornou ateu?
Eu já tinha dificuldade, desde de pequena, em acompanhar meus pais na igreja e acreditar
cegamente no que era dito lá. Também não conseguia encontrar respostas para muitos dos meus
questionamentos sobre minhas escolhas vontades e aquilo que era pregado na missa. Quando
tive contato com as aulas de filosofia e sociologia no ensino médio, as coisas se tornaram mais
claras e eu percebi que não precisava de uma religião para nortear minhas escolhas.
4- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?
Acredito que elas coagem os fiéis a apresentarem determinados comportamentos e condutas,
5- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e
demais igrejas evangélicas)?
Não tenho uma opinião a respeito.
6- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?
Não tenho uma opinião a respeito.
7- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de dizer?
Não.
8- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe
alguma diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Acredito que haja menos ceticismo frente aos acontecimentos cotidianos e consequências das
próprias escolhas. Essas situações são encaradas como
9- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?
(especificar sobre qual religião está dizendo)
Acredito que a religião possa levar aquele que a segue a confundir seus valores com os das
outras pessoas que não partilham das mesmas crenças.
10- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Acho que o ateísmo permite uma visão mais cética das coisas, sem que elas sejam interpretadas
como a vontade de alguma entidade superior. Ou como se o indivíduo não tivesse controle sobre
suas próprias escolhas e dependesse de algo (um ser maior) para saber o que é melhor para si.
11- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam
a convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Acredito que elas dificultem o convívio, porque aqueles adeptos dessas religiões impõem seus
valores sobre outras pessoas, como se eles fossem o modelo “correto” de conduta e
comportamento do indivíduo. Isso gera um conflito de ideias e ideais na minha opinião.
12- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião
sobre políticos que se declaram ateus?
Acredito que os políticos não deveriam manifestar sua religião, pois na minha visão, isso gera
uma expectativa de seus eleitores em relação ao comportamento do político enquanto exercendo
sua função.
13- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual
sua opinião sobre esses segmentos?
Não conheço.
14- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os
descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Não conheço.

#8
Informações gerais:
Universidade: UNESP
Curso: Graduação (Completa) em Letras, Mestrado (Atual) Linguística
Ano de ingresso no curso: 2014; 2018 Respectivamente.
Semestre do curso que está cursando: Terceiro
Idade: 23 anos
Sexo: ( ) Masculino ( x ) Feminino
Cor da pele:
( ) Branco
( x ) Pardo
( ) Preto
( ) Amarelo (oriental)
( ) Indígena
( ) Prefiro não declarar
Identidade de gênero: ( ) Homem ( x ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?

Ausência de qualquer tipo de religião; não seguir uma religião; negação de Deus.
2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
16 anos. Há aproximadamente 7-8 anos.
3- Por que e como você se tornou ateu?
O estudo em ciências humanas durante o ensino médio auxiliou o processo, já não via mais
sentido em seguir. Sentia que eu era obrigada a fazer as coisas mesmo já não acreditando,
sempre ouvia que é preciso ter fé, você tem que acreditar, porém eu gosto de ter uma explicação
concreta das coisas.
4- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?
É ok, acho que tem uns problemas. Para mim acho que é uma forma de aceitação/jeito de
encarar a vida
5- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e
demais igrejas evangélicas)?
Em relação ao catolicismo, não tive experiências muito boas. Porém em geral acredito que
todas elas são formas de controle, no caso uma forma de controle sem explicação, você é levado
a acreditar simplesmente por dever. Às vezes acho que existam pessoas que “acreditam” nas
coisas sem mesmo “acreditar” de verdade.
6- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?
Entendo como uma religião como qualquer outra, talvez um pouco menos problematica
7- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de dizer?
Não.
8- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe
alguma diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Dependendo da religião as pessoas se tornam cegas por aquilo. Tomam como um ideal de
vida simplesmente para ter algo no que se agarrar; A religião molda sua visão de mundo,
querendo ou não altera a forma em como você encara as coisas
9- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?
(especificar sobre qual religião está dizendo)
Coerção, todas elas.
10- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Liberdade, você não se agarrar a nada, não justificar as coisas por religião, você se torna
menos conformista.
11- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam
a convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Acho meio difícil de fazer uma afirmação categórica do gênero dificultam ou contribuem,
acho que tudo depende de como você encara isso e em que contexto estamos falando sobre,
pois falar que isso dificulta o convívio harmônico eu estaria partindo do pressuposto que sempre
vai ter um modelo ideal de vida, e que as religiões não se encaixam nesse contexto e atrapalham
o que eu considero ideal.
E falar que contribui seria a afirmação de algo, porém eu não sei o que seria.
Eu não sei o que seria então o contribuir ou dificultar, por exemplo se eu falar de questões
políticas então dificulta, mas de uma forma geral não saberia dizer.
12- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião
sobre políticos que se declaram ateus?
Isso também é um problema, pois da mesma forma que você se declara uma coisa ou outra
você também se declara religioso. O problema é você guiar suas decisões, enquanto político,
dentro de um viés relacionado a sua religião. Porque enquanto político, você está lá para
representar o povo, e não sua religião.
Okay, não faz diferença. Pensando em uma questão de imagem, as pessoas são mais bem
vistas quando se declaram religiosas, mas também depende da religião, logo é uma questão de
status você ser religioso.

13- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual
sua opinião sobre esses segmentos?
Acredito que toda religião de uma certa forma, tem certa intolerâncias e certas
tolerâncias. Ninguém tolera tudo e nem é intolerante a tudo. Alguns segmentos podem ser mais
ou menos – radicais talvez? –.
Eu descreveria talvez como intolerantes, agressivos.
14- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os
descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Não conheço.

#9
Filipe (Ciências Sociais – Ufscar São Carlos)
28 anos
Ingresso em 2013
Sexo Masculino – Preto

Ateísmo é um não pertencimento as denominações religiosas e uma forma contrária de


pensar a lógica religiosa, não baseando-se nas emoções e sim nos fatos. É uma maneira de
enxergar o mundo através da perspectiva humana.

Maior afinidade com religiões menores, seitas e grupos de estudo sobre o assunto, porém
não participa de nenhum encontro e não freqüenta mais espaços religiosos. Frequentou todos
os rituais da igreja católica na qual a família pertencia, grupo de jovens católicos, mas durante
os anos percebeu que havia hipocrisia e alienação, e decidiu se afastar para não participar. Tem
uma visão negativa dos grupos de jovens, pois alega que são encontros para discutirem sobre
tudo, menos a bíblia e geralmente são regidos por não-jovens que influenciam diretamente no
comportamento da juventude e na forma deles pensarem.
Rejeita qualquer seguimento religioso intolerante e que não consideram a inclusão
outras perspectivas. Não participou de encontros de religiões afrodescentendes porém tem
amigos que são do candomblé e da Umbanda e simpatiza com as idéias, apesar de desprezar
um pouco o culto a entidades e santos.
Considera que qualquer religião levada ao extremo seja prejudicial, embora reconheça
o papel fundamental na vida delas e nos projetos sociais que tiveram início e só existiram por
conta das primeiras instituições que colonizaram o país. Sua principal crítica é a respeito dos
fundamentalistas religiosos que instrumentam a política nacional a favor dos seus próprios
interesses, nisso ele vê intolerância e preconceito.
Desconhece religiões pluralistas, embora tenha conhecimento de que algumas se auto
denominam dessa forma. Rejeita a formação de bancadas religiosas no âmbito político.

#10

Marina A. Spósito (Mestrado Biologia Ufscar – São Carlos)


Ingresso em 2007
Sexo Feminino – Branca
Ateismo é uma definição de um pensamento sobre a humanidade, naturesa, o planeta e
o universo que não considera a existência de entidades ou seres místicos
Aos 12 anos. Compreender o ateísmo foi uma possibilidade de me sentir liberta de uma doutrina
católica que limitava a minha expressão de ser. A construção desse novo pensamento pra mim
vem acontecendo desde então, com curiosidade sobre todas as outras religiões e maneiras de
entender a vida de outras culturas. Não foi uma escolha se “tornar ateu”, acredito que seja uma
volta a racionalidade, na qual todxs nós nascemos.
Vim de família católica, alguns mais rigorosos na pratica, outros menos, outros mais
sincréticos com a influencia de outras religiões. Já participei do batizado e da primeira
comunhão, mas não por opção, e se eu pudesse escolher não teria participado, foi uma
imposição.
Tenho afinidade com o candomblé e o paganismo. Rejeito as religiões que impõe
dogmas moralistas que não permitem liberdade sexual, de gênero ou qualquer outra expressão
individual. Também sou contra o PSL e afins.
Considero a maioria expressiva intolerante e violenta.
Tenho sentimento contrário às religiões que pregam superioridade masculina,
submissão feminina, intolerantes com a liberdade de expressão, e considero que a maioria das
religiões são prejudiciais as pessoas, pois altera completamente a capacidade cognitiva delas,
ao ponto de qualquer revolta ser o primeiro motivo para elas abandonarem qualquer culto.
Considero a maioria dos seguimentos religiosos intolerantes pois ninguém pode se expressar
livremente sem ser condenado ou punido.
Conheço religiões pluralistas que agregam perspectivas de outras religiões, entretanto
acredito que isso seja apenas mais uma forma moderna de arrecadação de dízimo.

#11
Informações gerais: João Gabriel Pelegrini.
Universidade: Ufscar.
Curso: Doutorado em Sociologia.
Ano de ingresso no curso: 2019.
Semestre do curso que está cursando: 1º.
Idade: 32.
Sexo: (X) Masculino ( ) Feminino
Cor da pele:
( ) Branco
( ) Pardo
( ) Preto
( ) Amarelo (oriental)
( ) Indígena
(X) Prefiro não declarar
Identidade de gênero: (X) Homem ( ) Mulher ( ) Travesti ( ) Transsexual
Perguntas:
1- Como você define o ateísmo?
Primeiramente, não gosto da ideia de “ateísmo”. Ateísmo é uma afirmação de um ponto
de vista de mundo que coloca a falta em um outro ponto de vista. É as concepções de realidade
fundamentadas em uma ideia de sagrado como causa e sentido da existência que veem uma
falta em um outro ponto de vista que não pressupõe a mesma coisa. Não me falta nada. Eu só
parto de uma perspectiva diferente. Inclusive, eu acho muito difícil resumir as “teologias”
apenas aos pressupostos, ou apenas à ideia de deus. Elas tem um papel na moralidade que
circula em nossa cultura muito grande, uma “teologia moral” sem a necessidade de eu pressupor
o sagrado.
Por exemplo, eu considero a “bondade” um valor. Se eu pensasse na forma como
Agostinho descreve o Deus cristão, como sumamente bom, eu seria cristão ao professar a
bondade como um valor? Seria um cristão sem deus? (rs)
Então, eu acho o ateísmo uma resposta a angústia dos “teístas” diante de uma concepção
de mundo que não parte dos mesmos pressupostos sagrados que os deles. Eu acho que o ateísmo
é uma questão para os teístas e não para quem explica a vida sem pressupor o sobrenatural como
fundamento do mundo.

2- Com quantos anos vocês se tornou ateu? Há quantos anos você é ateu?
No sentido que eu disse na resposta anterior, eu não acho que eu não me tornei
nada...rs...Mas, eu comecei a ter clareza dessas ideias – comecei – com mais ou menos 15 anos.
Eu acho que eu concebi com mais clareza que eu questionava a existência de um ser
sobrenatural como fundamento do mundo com mais ou menos 17 anos.
Mas esse processo se arrastou por anos, não se resume a apenas uma mudança de
concepção de mundo, envolve também uma reflexão de valores, de uma certa moralidade
teológica. Isso eu fui formando ao longo do tempo.

3- Por que e como você se tornou ateu?


A dúvida que os valores religiosos me colocaram me levaram a questionar o fundamento
delas. Me chamava muito a atenção, desde muito cedo, a contradição entre os valores
maravilhosos que as pessoas defendiam e como elas se comportavam de verdade. Isso me
colocou em dúvida. Essa dúvida me fez questionar a moralidade religiosa, cristã, no caso. Isso
foi por volta dos 15 anos. Me afastei da religião, fiquei numa fase em que deus estava lá, mas
não a religião. Só que esta dúvida me levou a outros questionamentos, estes questionamentos
me levaram a entender que deus era central para uma ideia de mundo onde os humanos agiam
de maneira cega e sem responsabilidade. Em que o ideal não dependia de nós –
consequentemente não tinhamos responsabilidade sobre o real. Em que a lei era uma lei
imposta, violenta e tirava de nós a possibilidade de questionar, pois questioná-la seria colocar
em dúvida o mundo. Mas nos dava o conforto de imputarmos a causas externas, sempre, o que
nos é próprio que é a ação no mundo.
Quando cheguei neste ponto, entendi que eu queria entender como as coisas
funcionavam mesmo...

4- Como você define a relação entre ateísmo e Ciência?


Eu diria entre religião, ou teologias, e Ciência. A história mostra que é uma relação
tensa. Mas, do meu ponto de vista, não é necessariamente uma relação de incompatibilidade.
Mas é necessário cuidado, pois elas partem de pressupostos diferentes e tem objetivos
diferentes. Nesse sentido, acho que elas podem coexistir sem nenhum problema, desde que se
delimite o que é de cada uma.

5- Qual sua opinião sobre as religiões em geral?


Minha opinião sobre o cristianismo, como eu disse na questão 3, não é muito otimista.
Conheço poucas religiões, mas diria que não pressuponho problemas com elas. Teria que
pensar algo mais objetivo para opinar... Alguma situação em que eu fosse colocado diante de
uma divergência ou acordo com uma determinada religião.

6- Qual sua opinião sobre as vertentes do cristianismo (espiritismo, catolicismo e demais


igrejas evangélicas)?
Então, acho que temos um exemplo objetivo para pensar...rs
Hoje temos algumas correntes do protestantismo alinhadas com valores que eu não
considero próximos do cristianismo, se eu considerar a formação cristã que eu tive. A
valorização de uma sociabilidade violenta, que busca aniquilar o que é diferente e impor os
seus valores em todos os espaços. Uma lógica de “guerra cultural”. Acho que essa contradição
aparece para muita gente. Acho que tem muita gente vendo isso, inclusive entre protestantes.
Há protestantes, não apenas isoladamente, mas grupos que estão criticando esta postura. Vendo
nela um afastamento dos valores cristãos. Não pensei sobre isso ainda. Não sei se há no
cristianismo um fundamento para esta leitura destes protestantes que parecem ter a hegemonia
pública do cristianismo.
Não conheço o espiritismo, nem de formação.

7- Qual sua opinião sobre as religiões afro-brasileiras?


Tenho um conhecimento muito externo a elas, nunca participei efetivamente. Não sei se
conseguiria defender uma opinião sobre elas...tenho simpatia, pelos valores que as pessoas que
frequentam professam. Mas não é suficiente para fazer uma avaliação, eu acho.

8- Você possui alguma opinião sobre uma religião específica que gostaria de acrescentar?
Acho que o que eu disse na questão 6 é o que eu tenho pensado atualmente. Acho que
as religiões estão sucetíveis as conjunturas históricas, elas agem e são determinadas por elas
também.

9- Qual sua opinião sobre as pessoas que são adeptas de alguma religião? Existe alguma
diferença, na sua perspectiva, em ser adepto de uma ou outra religião?
Acho que há uma diferença entre uma pessoa ou outra... Acho que as pessoas escolhem
a religião por uma série de fatores. Então, está nelas e não apenas na religião o sentido prático
e cotidiano das religiões. Eu acho que a minha relação com as pessoas é pautada pelos valores
que temos, acho que é uma questão mais prática. Como ela explica a nossa origem e a finalidade
da existência, é uma coisa que eu não me preocupo. Temos que tomar decisões, opinar, agir,
etc... É aí que surgem as diferenças. Mas a diferença está em toda parte, não é? Não se resume
ao fato de ser ou não religioso. Hoje, mediante as tensões que temos experimentado, as
diferenças e divergências, e também os acordos, estão postos com pessoas religiosas ou não.
10- Na sua visão de mundo, quais efeitos a religião produz na vida em sociedade?
(especificar sobre qual religião está dizendo)
Como eu tenho dito até aqui, nos valores que ela faz circular. Como instituição, elas
disputam os sujeitos, mas também são os sujeitos que escolhem estes valores.

11- Na sua visão de mundo, quais efeitos o ateísmo produz na vida em sociedade?
Como eu disse, o ateísmo é uma classificação de mundo que tem origem na angústia
dos teístas... Eu acho que esse é o impacto maior. Em uma certa medida, a dúvida e a angústia
que a afirmação de um outro sentido para a existência produz nos que acreditam no sagrado.
Eu acho que o ateísmo não existe para um “ateu”, só para quem explica o mundo por uma
teologia. Então, o impacto que “causamos” não tem origem em nossa visão de mundo, mas na
visão de mundo que nos colocou como negativo de suas certezas. Eu não me chamaria de ateu,
o que é ser um ateu? É estar em falta com algo? É não ter algo?

12- A religião, ou as religiões predominantes no Brasil, mais contribuem ou dificultam a


convívio harmônico em sociedade? Por quê?
Hoje a “harmonia” social está em questão. As religiões que promovem a fragmentação
social, o ódio, a violência com o que lhe é diferente, certamente dificultam. Mas os interesses
do capital financeiro também... Ideologias autoritárias, idem. Então, eu acho que isso está em
disputa.

13- Qual sua opinião sobre políticos que se declaram religiosos? Qual sua opinião sobre
políticos que se declaram ateus?
Me interesso pelos valores que eles professam, qual política defendem. Nem me
pergunto sobre a posição deles diante da origem sobrenatural do mundo... Estou mais atento ao
que eles defendem e fazem. É por este caminho que me posiciono diante dos que ocupam cargos
públicos ou disputam o poder.

14- Você conhece segmentos religiosos intolerantes? Como você os descreveria e qual sua
opinião sobre esses segmentos?
Sim, esta questão é bem atual. Acho que me posicionei em outras respostas sobre isso.

15- Você conhece segmentos religiosos pluralistas ou progressistas? Como você os


descreveria e qual sua opinião sobre esses segmentos?
Sim, os conheço. Mas acho que essa oposição descrita nas questões 14 e 15 não pode
ser reduzida à religião. Não é só por conta dos valores religiosos que as pessoas são tolerante
ou intolerantes... Se eu quero ser religioso, por exemplo, eu é que procuro a moralidade que
melhor corresponde a visão de mundo que eu fui formando ao longo do tempo. É óbvio que eu
reconheço que há instituições religiosas fazendo política hoje, disputando e buscando impor a
sua concepção de mundo ao conjunto da sociedade. Mas eu acho que essa é uma parte da
questão tolerantes x intolerantes... Acho que isso passa também pelas escolhas e pelas
conjunturas históricas. Poderíamos dizer que há um direcionamento da vontade, uma
adulteração do sentimento sagrado das pessoas, que há o uso da religão como poder. Mas, eu
tenho me perguntado: é a religião, na forma como se constitui como visão de mundo, útil a fins
autoritários? A religião é necessariamente anti pluralista, ou seria pluralista? Ou seria um uso
utilitarista da religião que dá esse sentido a ela? Ou seria a religião, como outras dimensões da
vida social, objeto de disputa entre uma visão de mundo progressista e outra conservadora?
Eu não tenho resposta para estas perguntas, mas eu acho que tenho ido mais no caminho
da última questão para buscar as minhas respostas.