Você está na página 1de 19

1 2

SUMÁRIO 1. CONCEITO DE QUESTÃO SOCIAL

1. CONCEITO DE QUESTÃO SOCIAL ........................................................................................ 4 A concepção de questão social mais difundida no Serviço Social é a de
CARVALHO e IAMAMOTO, (1983, p.77):
2. QUESTÃO SOCIAL E SUAS MANIFESTAÇÕES NA CONTEMPORANEIDADE ................. 5
“A questão social não é senão as expressões do processo de formação e
3. MANIFESTAÇÕES E ENFRENTAMENTOS DA QUESTÃO SOCIAL .................................... 9 desenvolvimento da classe operária e de seu ingresso no cenário político da sociedade,
exigindo seu reconhecimento como classe por parte do empresariado e do Estado. É a
4. AS TENDÊNCIAS DA QUESTÃO SOCIAL NO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO ........ 14
manifestação, no cotidiano da vida social, da contradição entre o proletariado e a
QUESTÕES DE PROVAS .......................................................................................................... 22 burguesia, a qual passa a exigir outros tipos de intervenção mais além da caridade e
repressão”.
GABARITO ................................................................................................................................. 33

BIBLIOGRAFIA........................................................................................................................... 34

3 4
sociais pró-conservação e pró-mudança, a questão social deixa a ilegalidade, passando a ser
reconhecida sob explicações liberais e/ou democratas como questão política ou de política.
2. QUESTÃO SOCIAL E SUAS
De fato, a questão social desponta no cenário como expressão das contradições
MANIFESTAÇÕES NA CONTEMPORANEIDADE
de um capitalismo assentado no padrão econômico de substituição de importações e
industrialização periférica, que não poderia mais ser subtraída por meios legais ou pela
A Questão Social como tema recorrente no meio acadêmico profissional, político, via da repressão policial.
nas políticas sociais e na gestão pública recebe interpretações diversas, e nem sempre
Deixando a ilegalidade, as intervenções públicas se dirigem às questões
superando o viés da ajuda, da caridade, e do assistencial.
trabalhistas para solução das quais o Estado cria órgãos e instrumentos de controle –
A leitura de autores inscritos ou não no Serviço Social que discutem o tema torna- Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) – visando claramente desmobilizar a classe
se indispensável para superar a aparência do fenômeno e proporcionar a busca de sua considerada portadora dos conflitos sociais.
essência, ou deixar visível as diferentes interpretações. Inclusive vem se acumulando
Mas, o pensamento oposto à impossibilidade de abandonar o mercado à auto-
literatura sobre a temática no Serviço Social. Dentre os profissionais que oferecem
regulamentação também vai encontrar na teoria intervencionista do Estado, pela via
contribuição relevante no âmbito do Serviço Social, destacamos Iamamoto (2001),
legal, a solução.
Netto (2000), Pereira (1999, 2005), Arcoverde (1999) e Yasbeck (2005).

Cerqueira Filho (1982) conclui que os pensamentos convergem para uma teoria
CERQUEIRA FILHO (1982)
da integração social: resolver os conflitos entre capital e trabalho fora dos limites da luta
Mas autores como Cerqueira Filho (1982), já na década de 1980, analisam o de classes e efetivar a igualdade na realização do bem comum por intermédio da lei, da
pensamento político brasileiro sobre a questão social, então entendida como o conjunto polícia e da justiça.
de problemas sociais, econômicos e políticos de uma dada sociedade, e afirmam que
Na década de 1990 do século XX, Castel (1998), Rosanvallon (1998), Wanderley
sua emergência data do surgimento da classe operária que impôs ao mundo moderno
(1997), Telles (1996), Martins (1997), dentre outros, reconhecem o desafio da questão
– no curso da constituição da sociedade capitalista – um conjunto de problemas
social para as sociedades contemporâneas, situando-a nos marcos da
políticos, sociais e econômicos.
mundialização da economia e da avidez pelo lucro via competitividade e concorrência.
Para Cerqueira Filho (1982) o conflito entre capital e trabalho assume diferentes
O trabalho passa a ser alvo de dois tipos de redução geradora de carências
formas e articula tendências plurais no nível societário. Como questão política, a
múltiplas: a de custo com a força de trabalho e a com a ineficácia produtiva. E o
questão social é produzida por práticas sociais e discursos contraditórios.
resultado dessas reduções gera a expulsão dos incapazes de adaptação e a
O autor afirma, ainda, que o consenso absoluto em torno de pensamento e da subcontratação de trabalho por fora da empresa.
prática hegemônica é ilusório tendo em vista o caráter antagônico da estrutura social e
econômica.

CASTEL (1998) E ROSAVALLON (1998).

Segundo ele, a questão social torna-se visível no Brasil desde o final do século XIX, mas Nessas condições, Castel (1998, p. 30) compreende a questão social como:
ainda camuflada pelo processo de industrialização, bem controlado e articulado pelos “aporia fundamental sobre a qual uma sociedade experimenta o enigma de sua coesão
importadores e exportadores vinculados ao capital internacional. Permaneceu por várias e tenta conjurar o risco de sua fratura”; e Rosanvallon (1998, p. 23), tomando como
décadas na ilegalidade e por tal razão foi pensada como desordem, incriminando o sujeito e ponto de partida a mesma matriz teórica, entende-a como “inadaptação dos métodos de
sendo enfrentada via aparelhos repressivos do Estado. Somente no pós-1930, em meio a forças gestão do social pelo Estado passivo”.

5 6
Ambos, no entanto, chamam a atenção para a situação de aleatoriedade do conflituoso e consciente do movimento de reação das classes subalternas à dominação
futuro, incertezas e vulnerabilidades vividas pela sociedade salarial moderna que é social capitalista” (p. 60).
questionada quanto à função integradora do trabalho. Não é demais lembrar que na
IAMAMOTO (2001)
sociedade salarial a maioria dos sujeitos sociais tem sua inserção social relacionada
não somente à renda do trabalho, mas ao status, proteção e identidade. Nesse lastro Questão Social traduz, na verdade, o processo de produção das
condições materiais da vida humana sob relações histórico econômicas de produção
Os países que constroem proteções sociais mais sólidas e têm direitos
específica, e por isso mesmo ela é indissociável do processo de acumulação e dos
enraizados há mais tempo, e resistem mais às pressões externas, defendem-se melhor
efeitos produzidos sobre as classes trabalhadoras (IAMAMOTO, 2001, p. 11).
dos riscos e sofrem um processo de degradação mais lento.
WANDERLEY (1997)

A conjuntura de mundialização da economia, segundo Wanderley (1997),


A questão social no Brasil é mais grave em profundidade e extensão, desestabiliza,
desorganiza o trabalho, avança para as esferas da sociabilidade, e atinge mais intensamente potencializa e agrava o quadro de desigualdades e complexidade, e renova a questão
grupos e categorias sociais, independentemente de classe social, idade, sexo, e/ou grupo de social. Coesão e conflito, exclusão e inclusão, riqueza e pobreza, igualdade e
pertencimento. desigualdade convivem como marcas da nossa dual sociedade capitalista periférica e
tardia.
Na verdade, a questão social brasileira tem na desigualdade econômica, mas também,
como afirma Martins (1997), na cultural, moral, simbólica e política, seu núcleo orgânico. É TELES (1996)
produto de uma estrutura social inerente ao modo de produção e reprodução vigentes, pelos
modelos de desenvolvimento que o país experimentou, a saber: escravista, industrial – Mas, adverte igualmente Telles (1996, p. 85), não basta reconhecer a existência
desenvolvimentista, fordista-taylorista, e o atual de reorganização flexível. da questão social enquanto realidade bruta da pobreza, da miséria, da vida sem sentido,
das carências; é preciso ser problematizada em sua essência no cenário de crise do
Entre outros teóricos do Serviço Social, Netto, Iamamoto e Pereira compartilham
Estado de bem-estar, da justiça social, do papel do Estado e do sentido da
perspectiva teórica crítica dos projetos societários em disputa, e salientam os desdobramentos
responsabilidade pública.
sociopolíticos do pauperismo, da pobreza, e das desigualdades sociais acumulados,
historicamente, como determinações importantes na designação de questão social, do fenômeno
Além do mais, as desigualdades e injustiças sociais produzidas requerem não
em si, da construção e reconstrução ampliada; reafirmam sua vinculação desde a expressão e
apenas reconhecimento enquanto questão social, mas, sobretudo, o assumir, por um
supressão à sociedade e sociabilidade burguesa, mas distinta dos desdobramentos dos
dos setores da sociedade, o seu enfrentamento.
problemas sociais herdados ou dos traços invariáveis da sociedade humana, e defendem a tese
da inexistência de uma nova questão social. Mesmo porque, a reestruturação flexível da produção vem produzindo, a cada
dia, novas fraturas e diferenciações que esvaziam a perspectiva da universalidade dos
direitos
PEREIRA (2005)

Para Pereira (2005), questão social sempre expressou a relação dialética entre
Portanto, a questão social, é construída e reconstruída nos marcos da determinação, da
estrutura e ação de sujeitos estrategicamente posicionados, mas enfraquecidos
organização da sociedade de referência onde se encontram implicadas – a nação, o Estado, a
atualmente na construção de uma agenda pública, no processo de transformação de
cidadania, o trabalho, o gênero, a infância e adolescência, etc. – devendo ser reconhecida,
necessidades em questões, que ainda não foram suficientemente problematizadas no considerada criticamente, e enfrentada pelos responsáveis.
embate político e transformadas em questão social – “estágio mais avançado,

7 8
Mas, vivemos tempos de perplexidades no qual impera a lógica da exclusão e

3. MANIFESTAÇÕES E ENFRENTAMENTOS desenvolve-se a cultura da insensibilidade (proximidade física e distanciamento social):

DA QUESTÃO SOCIAL a precarização do trabalho, o desemprego estrutural, a guetização das cidades, as


atividades mafiosas, as violências contra crianças, adolescentes, pais, mulheres,
idosos, a miserabilidade no espaço público, o esvaziamento simbólico de pressupostos
A desigualdade social, a pobreza e o desemprego como substrato da questão
éticos como igualdade, liberdade e justiça social.
social, precisam ser qualificados e quantificados para possibilitar a construção de
estratégias políticas públicas que contribuam à superação daqueles obstáculos
estruturais.

O Brasil, segundo Pochmann (2003), detém a terceira pior desigualdade de Expressões da questão social se manifestam em todos os espaços e tempos sociais
renda dentre 162 países do mundo. É, inclusive, pior do que a África do Sul da e institucionais, conformando uma humanidade de privações e sem direitos – à vida,

apartheid. Dez por cento dos ricos ganham 50 vezes mais do que os 10% mais pobres, teto, terra, emprego estável protegido, escolarização, proteção social, alma,
identidade – deixando visível e em situação desconfortável os sujeitos estratégicos
que se apropriam de apenas 1% da riqueza socialmente produzida e acumulada;
para o enfrentamento dessas questões – o Estado, o mercado e a sociedade civil
somente 20% da população apresentam renda per capita acima de R$ 540,00 reais e
organizada.
25% dos brasileiros vivem em condições precárias, sem renda, emprego, acesso à
educação, à saúde, acumulando desigualdades não só de renda, mas política, social,
cultural, moral e simbólica.
As respostas dadas pelo Estado às manifestações da questão social são
No Nordeste, em 1988, 58,8% da população vivia na pobreza absoluta. Dos 5,5
limitadas e não conseguem ultrapassar o viés da emergência, da assistência, do
mil municípios brasileiros, 42% apresentam alto índice de exclusão social e desses, 86%
clientelismo, do imediato e do conservadorismo, apesar do avanço legislativo e dos
estão no Norte e Nordeste do país. Apenas duzentas cidades desfrutam de um padrão
discursos pró- inclusão, pró-redução da pobreza, pró-social.
de vida considerado adequado. O índice de desenvolvimento humano (IDH) médio do
Brasil, que é determinado por indicadores de renda, educação e saúde, é 0,739 o que As propostas de redução das funções do Estado ao mínimo, em termos de
coloca o país na 79ª posição dentre os mesmos 162 países acima referidos. Em política social, as experiências de descentralização em execução no país, e a
contrapartida, somos depois de 2000 a nona economia mundial. transferência de atividades não exclusivas à sociedade civil organizada vêm, em
contrário senso, favorecendo a poucos.
Fatores conjunturais, mas, sobretudo estruturais, são apontados como
responsáveis pela concentração de riquezas, salários baixos e juros altos. A solução do Ressalte-se que a reforma da previdência, enquanto solução para
problema para alguns se resolveria via estabilidade e crescimento da economia e problemáticas do mundo do trabalho, da gestão do orçamento público e de eliminação
melhoria da estrutura educacional, que são mecanismos de mercado. de privilégios tem, igualmente, fragilizada a situação dos trabalhadores empregados, e
reforçado o contingente de desprotegidos e vulneráveis.
De fato, existe correlação entre desigualdade de renda e nível educacional,
inclusive provocando lutas sociais, mas o que temos de fato é um sistema tributário Evidentemente, existem propostas de enfrentamento da questão social nos
desfavorável à redistribuição de renda e uma agenda pública que não prioriza o social âmbitos estadual e municipal, sinalizando para a universalização de direitos, mas são
nos gastos públicos e nem nas políticas públicas. ainda pontuais e insuficientes para provocar impactos nos indicadores de pobreza e
desigualdade social.
É urgente e indispensável realizar a redistribuição de renda no país, ampliando
os gastos sociais com a população privada do acesso e dos bens e serviços de que
precisa para participar de uma humanidade igualitária e/ou emancipada.

9 10
Quanto ao mercado, políticas sociais privadas e/ou empresariais vêm contemporâneas requerem que o Estado assuma sua função social e o desafio de superar as

respondendo às demandas emergentes via projetos sociais e da filantropia estratégias encaminhadas pelo capital para processar a acumulação.

empresarial.

No lugar de fazer a caridade com donativos como forma de isenção ou redução


de impostos, hoje, as doações são estruturadas e concebidas na lógica do investimento 2011/FCC/TRT 1ª R (RJ). O assistente social trabalha com a questão social e com
social ou da mercantilização da caridade e do imposto. A própria empresa desenvolve suas expressões ou manifestações: o desemprego, o analfabetismo, a fome, a
programas de ação social na área da educação, promoção social, cultura, saúde, meio moradia na favela, a falta de leitos em hospitais, a violência e a inadimplência.
Nessa direção, a questão social:
ambiente, agricultura, ciência e tecnologia, esportes, criança e adolescente.

O atual modelo de gestão das empresas – responsabilidade social e


I. apresenta-se nas objetivações concretas que sintetizam as determinações prioritárias
planejamento estratégico – requer nível de informação e avaliação que permita julgar
do capital sobre o trabalho.
e melhorar aspectos sociais relacionados ao macro e microambientes de seus II. representa não só as desigualdades, mas, também, o processo de resistência e luta
trabalhadores e familiares, no entorno da fábrica. dos trabalhadores.
III. coloca-se em novos patamares frente o avanço das organizações dos trabalhadores
A empresa do século XXI, ainda que com menores contingentes de trabalho e das populações subalternizadas.
Está correto o que se afirma em
vivo, não responde mais ao capital e trabalho defendendo a qualidade, o serviço, o
preço, o padrão mundial e o marketing inteligente como diferenciais na competição. A a- I, apenas.
b- II, apenas.
essas vantagens agrega políticas dirigidas às corporações e seus executivos para atrair
c- III, apenas.
o consumidor de seus produtos e serviços concedem gratificações aos funcionários e d- I e II apenas.
reforça a imagem da empresa. O setor de recursos humanos assume centralidade no e- I, II e III.
modelo, desenvolvendo ações de treinamento e capacitação, envolvendo funcionários,
Resposta Correta: Letra e- I, II e III.
proporcionando bem-estar e satisfação no trabalho para uma vida de qualidade,
articulando gestão e planejamento, desempenho e recompensa. Comentário:

“A questão social não é senão as expressões do processo de formação e


A sociedade civil organizada amplia suas atividades e responsabilidades
desenvolvimento da classe operária e de seu ingresso no cenário político da sociedade,
frente às demandas, necessidades sociais (desemprego, tráfico de drogas, trabalho exigindo seu reconhecimento como classe por parte do empresariado e do Estado. É a
infantil, criminalidade, analfabetismo funcional, fome, doenças), mas de forma manifestação, no cotidiano da vida social, da contradição entre o proletariado e a
pulverizada e por meio de diversas organizações – movimentos sociais, entidades burguesia, a qual passa a exigir outros tipos de intervenção mais além da caridade e
repressão”. "O avanço das organizações dos trabalhadores e das populações
profissionais, setores das igrejas, partidos, sindicatos, organizações não subalternizadas, coloca em novos patamares a concepção de questão social. Se, no
governamentais, organizações sociais – que atuam isoladas ou em parcerias e redes período ditatorial brasileiro pós-64 a luta prioritária era romper com a dominação política,
com organizações governamentais brasileiras e estrangeiras. hoje a luta é pela consolidação da democracia e pelos direitos de cidadania. As
transformações no mundo do trabalho, seja com a substituição do homem pela máquina,
seja pela erosão dos direitos trabalhistas e previdenciários, exigem, também, que se
reatualize a concepção de questão social".
As manifestações da questão social, em cada momento histórico, assumem determinados
contornos, mas se renovam, se ampliam e se tornam mais e mais complexas, com novas
contradições que remetem, em última instância, a problemáticas particulares e desafiantes para
o seu enfrentamento pela via exclusiva do acesso a benefícios vinculados à inserção produtiva
no mercado de trabalho. As desigualdades sociais, econômicas, culturais, morais e simbólicas

11 12
Aos assistentes sociais compete construir respostas apoiadas em investigações e
pesquisas realizadas sobre sua prática e realidade cotidiana, cujos produtos alimentem e deem
consistência ao debate disciplinar e interdisciplinar. 4. AS TENDÊNCIAS DA QUESTÃO SOCIAL
NO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO
Urge resgatar as diferenças de percepção e auto representação dos assistentes sociais
que lidam com a questão social e trabalham no quotidiano dos usuários, sem perder de vista as
Para iniciarmos o debate acerca da questão social, é preciso compreendê-la em
interfaces do global com o local e vice-versa, para trabalhar pela inversão qualificada dessas
seu processo de desenvolvimento.
situações. Buscar apoios e incentivos nas políticas do Estado é necessário para na mediação
avançar a intenção de ruptura para além do imediato.
JOSÉ PAULO NETTO (2001).
Seja: “combater os territórios de desigualdade social e de exclusão social,
Segundo Netto (2001), há cinco momentos historicamente importantes
desenvolvendo um processo de retorno aos direitos sociais e à justiça social, objetivos últimos
para compreender a questão social.
do Serviço Social”; ou, como afirma Dominelli, trazer os assistentes sociais para a arena política
nos domínios nacional e internacional (2004, p. 33) para que possam influir na construção de Primeiro momento histórico:
outra ordem democrática e igualitária alimentadas pela inteligência e vontade coletiva.
A expressão “questão social” surge para dar conta do pauperismo decorrente
dos impactos da primeira onda industrializante, a designação desse pauperismo
2012/ FCC/MPE-AP. O assistente social, ao intervir cotidianamente nas relacionava-se diretamente aos seus desdobramentos sociopolíticos, pois desde a
expressões e manifestações da questão social, depara-se com situações que
primeira década até a metade do século XIX seu protesto tomou as mais diversas
exigem aptidão para:
formas numa perspectiva efetiva de uma reversão da ordem burguesa.
a- estruturar o seu trabalho de forma a mostrar a sua capacidade de obter o consenso
para abafar os conflitos sociais existentes. Segundo momento histórico:
b- atuar na desordem provocada pelas camadas populares, e ser conhecedor dos
aparelhos do Estado que possam responsabilizar os indivíduos em situação de A partir da metade desse século, a expressão “questão social” entra para o
vulnerabilidade. vocabulário do pensamento conservador, com o caráter de urgência para manutenção
c- saber utilizar as estratégias adequadas para ater-se nas tarefas burocráticas e a defesa da ordem burguesa, a questão social perde paulatinamente sua estrutura
determinadas pelo empregador e não ir além do que foi solicitado, o que extrapola o histórica determinada e é crescentemente naturalizada, tanto pelo pensamento
objeto de sua intervenção profissional.
conservador laico como no do confessional, no primeiro as manifestações da questão
d- compreender a dinâmica das relações sociais, as formas como se estabelecem, as social eram vistas como características inelimináveis de toda e qualquer ordem social e
suas tendências, bem como as alterações no contexto social mais amplo.
para amenizá-las e reduzi-las era preciso uma intervenção política limitada, enquanto
e- olhar com naturalidade para as múltiplas expressões da questão social que já
que para o segundo, a gravitação da questão social só era possível com uma
estavam previstas e ter ciência que é somente com a intervenção e equilíbrio do
mercado que poderão ser minimizadas, além de contar com algum suporte do Estado. exacerbação da vontade divina.

Assim, para ambos, a questão social é objeto de ação moralizadora, o


Resposta Correta: Letra d- compreender a dinâmica das relações sociais, as enfrentamento de suas manifestações deve ser função de um programa de reformas
formas como se estabelecem, as suas tendências, bem como as alterações no
que preserve a propriedade privada dos meios de produção.
contexto social mais amplo.

Em contrapartida, com a exploração da revolução de 1848, os ideais da classe


trabalhadora passam de classe em si para classe para si, a questão social passa a ser
vista como atrelada à sociedade burguesa e a supressão desta conduz a supressão
daquela.

13 14
Terceiro momento histórico: Destaca que foram as lutas sociais que romperam o domínio privado nas
relações entre capital e trabalho, extrapolando a questão social para esfera pública
Netto destaca que foi apenas em 1867 com o livro “O capital”, de Karl Marx,
exigindo a interferência do Estado para o reconhecimento e a legalização de direitos
que se produziu uma compreensão teórica acerca do processo de produção do capital,
e deveres dos sujeitos sociais envolvidos.
relevando a anatomia da questão social.
Também ressalta que a questão social não é um fenômeno recente, típico do
Para Marx a questão social seria determinada pelo traço próprio e peculiar da
esgotamento dos chamados trinta anos gloriosos da expansão do capitalismo, ao
relação capital-trabalho, a exploração, fruto da sociabilidade erguida sob o comando
contrário, trata-se de uma “velha questão social” inscrita na própria natureza das
do capital.
relações sociais capitalistas, mas que, na contemporaneidade, se reproduz sob novas
Quarto momento histórico: mediações históricas e, ao mesmo tempo, assume inéditas expressões espraiadas em
todas as dimensões da vida em sociedade.
Netto expõe que no período do Welfare State (1945-1970), período dos trinta
anos gloriosos, a questão social e suas manifestações pareciam remeter-se ao passado, A autora assinala que o processo de naturalização da questão social é
e apenas os marxistas insistiam em assinalar que as melhorias das condições de vida acompanhada da transformação de suas manifestações em objeto de programas
dos trabalhadores não alteravam a essência exploradora do capitalismo. assistenciais focalizados no “combate à pobreza” e que uma dupla armadilha pode
envolver a análise da questão social, corre-se o risco, então, de cair na pulverização e
Já a partir da década de 1970, com o esgotamento da onda longa expansiva, o
fragmentação das questões sociais, atribuindo unilateralmente aos indivíduos a
capitalismo mostrou que não havia nenhum compromisso social, e a intelectualidade
responsabilidade por suas dificuldades ou aprisionar a análise em um discurso genérico,
acadêmica descobriu uma nova questão social.
que redunda em uma visão unívoca e indiferenciada da questão social.
Por fim, na última nota, Netto defende a tese de que não se trata de uma nova
Por fim, aponta que na perspectiva por ela assumida, a questão social não se
questão social uma vez que a emergência de novas expressões da questão social é
identifica com a noção de exclusão social, hoje generalizada, dotada de grande
decorrente da ordem do capitalismo.
consenso nos meios acadêmicos e políticos.
IAMAMOTO (2010)

Em consonância a esse pensamento, Iamamoto (2010) aponta que a questão


2014/FGV/TJ-RJ. TEXTO 1 - A partir dos anos 1970, com a primeira grande crise
social é indissociável da sociabilidade capitalista e que na sociedade burguesa a gênese
do capitalismo após os “30 anos gloriosos”, as proposições neoliberais ganham
da questão social deriva do caráter coletivo da produção contraposto à apropriação
fôlego no mundo. Nas palavras de Netto (1996: 99): “Também o Estado burguês,
privada da própria atividade humana, esta condensaria então o conjunto das
mantendo o seu caráter de classe, experimenta um redimensionamento
desigualdades e lutas sociais, produzidas e reproduzidas no movimento
considerável. A mudança mais imediata é a diminuição de sua ação reguladora,
contraditório das relações sociais, tendo alcançado a plenitude de suas expressões
especialmente o encolhimento de suas ‘funções legitimadoras’ (O’Connor, 1977):
e matizes em tempo de capital fetiche.
quando o grande capital rompe o ‘pacto’ que suportava o Welfare State, começa

Para autora, a questão social expressa, portanto, desigualdades econômicas, a ocorrer a retirada das coberturas sociais públicas e tem-se o corte nos direitos

políticas e culturais das classes sociais, mediatizadas por disparidades nas relações sociais (...)”.

de gênero, características étnico-raciais e formações regionais, colocando em causa


Depreende-se, portanto, que as repercussões desta crise impactam diretamente
amplos segmentos da sociedade civil no acesso aos bens da civilização.
os trabalhadores e amplificam a “questão social”.

15 16
Considerando a temática discutida no texto 1, sob a ótica neoliberal, a “questão expressas na pobreza, na exclusão e na subalternidade de grande parte dos brasileiros
social” é apreendida e representada ideologicamente como: tornam-se alvo de ações solidárias e de filantropia revisitada, fazendo parte deste
quadro à crônica crise das políticas sociais, seu reordenamento e sua subordinação às
a- a democratização da cidadania, da política e da cultura;
políticas de estabilização da economia, com suas restrições aos gastos públicos e sua
b- indissociável das configurações assumidas pelo trabalho; perspectiva privatizadora.

c- a expressão ampliada das desigualdades econômicas; Yazbek (2001) faz referência a Telles quando esta aponta que no momento atual,
despolitiza-se o reconhecimento da questão brasileira como expressão de relações de
d- a ampliação dos direitos para segmentos vulneráveis;
classe e neste sentido, desqualifica-a como questão pública, questão política, questão
e- uma ameaça à ordem e à coesão social. nacional, numa sociedade privatizada que desloca a pobreza para o “lugar de não
política, onde é franqueada como um dado a ser administrado teoricamente ou gerado
pelas práticas de filantropia”.
Resposta Correta: Letra e- uma ameaça à ordem e à coesão social.
Yazbek finaliza assinalando que entende que a reprodução ampliada da questão

Comentário: Iamamoto (2001) conclui que, sob a ótica neoliberal "a questão social social é reprodução das contradições sociais, que não há rupturas no cotidiano sem

produzida e reproduzida ampliadamente tem sido vista [...] enquanto 'disfunção' ou resistência, sem enfrentamentos e que se a intervenção profissional do assistente social
'ameaça' à ordem e à coesão social", o que leva a um apontamento do trato de suas circunscreve um terreno de disputa, é aí que está o desafio de sair da lentidão, de
expressões contemporâneas de maneira fragmentada, visando o controle e o construir, reinventar mediações capazes de articular a vida social das classes

restabelecimento dos fatores de coesão, típica de uma abordagem organicamente subalternas com o mundo público dos direitos e cidadania.

intolerante a transformações na estrutura da produção e distribuição de riqueza e


poder.
TELLES (1996)

Em outra linha de pensamento em relação à questão social, Telles (1996)


YAZBEK (2001)
assinala que a questão social não se reduz ao reconhecimento da realidade bruta da
No que diz respeito à temática da exclusão social, Yazbek (2001) privilegia a pobreza e da miséria.

análise da pobreza e da exclusão social como algumas das resultantes da questão


A autora, citando os termos de Castel, aponta que a questão social é a aporia
social que permeiam a vida das classes subalternas em nossa sociedade e com as quais
das sociedades que põe em foco a disjunção, sempre renovada, entre a lógica do
os assistentes sociais se defrontam em sua prática profissional.
mercado e a dinâmica societária, entre a exigência ética dos direitos e os imperativos

A autora parte do debate acumulado no âmbito do Serviço Social que situa a da eficácia da economia, entre a ordem legal que promete igualdade e a realidade das

questão social como elemento central na relação entre profissão e realidade ao colocá- desigualdades e exclusões tramada na dinâmica das relações de poder e dominação.
la como referência para a ação profissional. Dessa maneira, inicia pontuando que
A aporia nos tempos correntes diria respeito também à disjunção entre as
pobreza, exclusão e subalternidade configuram-se como indicadores de uma forma
esperanças de um mundo que valha a pena ser vivido, inscritas nas reivindicações por
de inserção na vida social, de uma condição de classe e de outras condições
direitos e o bloqueio de perspectivas de futuro para maiorias atingidas por uma
reiteradoras da desigualdade, expressando as relações vigentes na sociedade.
modernidade selvagem que desestrutura formas de vida e faz da vulnerabilidade e da
A pobreza seria uma face do descarte de mão de obra barata, que faz parte da precariedade formas de existência, que tendem a se cristalizar como único destino
expansão capitalista. Assim, segundo a autora, as sequelas da “questão social” possível.

17 18
Dessa maneira, para Telles, a questão social é o ângulo pelo qual as sociedades fundamental sobre a qual uma sociedade experimenta o enigma de sua coesão e tenta
podem ser descritas, lidas, problematizadas em sua história, seus dilemas e suas conjurar o risco de sua fratura.
perspectivas de futuro.
É um desafio que interroga, põe em questão a capacidade de uma sociedade
Assim, para esta, discutir a questão social significa um modo de se problematizar para existir como um conjunto ligado por relações de interdependência. Assim, para
alguns dos dilemas cruciais do cenário contemporâneo. Ela então ressalta que nos Castel, a questão social pode ser caracterizada por uma inquietação quanto à
tempos atuais as conquistas sociais alcançadas estão sendo devastadas pela capacidade de manter a coesão de uma sociedade. A ameaça de ruptura é apresentada
avalanche neoliberal no mundo inteiro, que a destituição dos direitos também significa por grupos cuja existência abala a coesão do conjunto.
a erosão das mediações políticas entre o mundo do trabalho e as esferas públicas e que
O autor expõe que a gênese desta questão foi suscitada por um lado, pelo
estas, por isso mesmo, se descaracterizam como esferas de explicitação de conflitos e
distanciamento do crescimento econômico e o aumento da pobreza, e por outro, pela
dissensos, de representação e de negociação sendo que é por via dessa destituição e
ordem jurídico-política que reconhecia os direitos sociais dos cidadãos e uma ordem
dessa erosão dos direitos e das esferas de representação que se constrói esse
econômica que os negava.
consenso de que o mercado é o único e exclusivo princípio estruturador da sociedade
e da política, que diante dos seus imperativos, nada há a fazer a não ser administrar A grande diferença da questão social na fase do capitalismo industrial seria o
tecnicamente suas exigências que a sociedade deve a ele se ajustar e que os surgimento de novos atores e conflitos. Com a crise da década de 1970 e o abalo da
indivíduos, agora desvencilhados das proteções tutelares dos direitos, podem sociedade salarial, as principais manifestações dessa nova questão social, reflexo do
finalmente provar suas energias e capacidades empreendedoras. desemprego em massa e da precarização do trabalho, é o reaparecimento de
trabalhadores sem trabalho, os inúteis para o mundo ou supranumerários, pessoas que
E por fim, se pergunta qual seria o lugar da questão social no cenário político
não tem lugar na sociedade porque não são integradas.
brasileiro, pois, segundo ela, se a pobreza é (e sempre foi) espantosa e continua
aumentado sob o efeito conjugado de recessão econômica, reestruturação produtiva e Dessa forma, Castel conclui que a profunda metamorfose da questão social é
desmantelamento dos serviços públicos, o que impressiona é o modo como é figurada. que enquanto anteriormente a necessidade era saber como um ator social subordinado
e dependente poderia tornar-se um sujeito social pleno, hoje a questão é amenizar a
Hoje no Brasil, nossa velha e persistente pobreza ganha contemporaneidade e
presença destas populações postas à margem, torná-las discretas a ponto de apagá-
ares de modernidade por conta dos novos excluídos pela reestruturação produtiva.
las.
Portanto, se a questão social é a aporia das sociedades modernas, é ela que nos dá a
chave para compreender essa espécie de esquizofrenia de que padece a sociedade PIERRE ROSAVALLON
brasileira, nas imagens fraturadas de si próprias, entre uma “sociedade organizada” que
Numa mesma linha de pensamento, Rosavallon (1998) ressalta que as
promete modernidade e seu retrato em negativo feito de anomia, violência e atraso.
transformações contemporâneas decorrentes da crise da década de 1970, fez surgir
Para entender um pouco do debate francês a propósito da questão social, uma nova questão social, visto que em suas análises dos sistemas seguradores, os
é preciso entender principalmente Robert Castel e Pierre Rosavallon (1998), benefícios do crescimento econômico e das conquistas das lutas sociais modificaram a
maiores expoentes da literatura francesa sobre o tema. vida dos trabalhadores e o Estado-providência quase conseguiu vencer a antiga
insegurança social e vencer o medo do futuro.
ROBERT CASTEL
Assim, aponta que o crescimento do desemprego e o aparecimento de novas formas de
Robert Castel é um sociólogo e filosofo francês, em seu texto “As metamorfoses
pobreza nos faz remeter a antigas formas de exploração e que o surgimento da uma
da questão social”, de 1998, faz uma análise das transformações históricas da
nova questão social é traduzida pela inadaptação dos métodos antigos de gestão social.
sociedade capitalista, nesse texto o autor assinala que a “questão social” é uma aporia

19 20
Desse modo, a nova questão social se coloca a partir de novos fenômenos de exclusão
social decorrentes da crise da década de 1970, crise que segundo Rosavallon apresenta
três dimensões:
QUESTÕES DE PROVAS

1. Financeira, uma vez que os gastos são maiores que o ingresso de recursos;

2. Ideológica, devido à falta de eficácia do Estado empresário para enfrentar as 1. 2015/CESPE/ STJ. Acerca da questão social, julgue o próximo item. Na

questões sociais; atualidade, as políticas de enfrentamento da questão social expressam o


reconhecimento da existência de problemas de cunho social por meio de políticas
3. Filosófica, pela desintegração dos princípios que organizam a solidariedade e
de amplo alcance e de caráter universal.
a concepção tradicional de direitos sociais.
Certo / Errado
Logo, as políticas sociais impõem considerar os indivíduos em sua singularidade,
sendo a meta dar a cada um os meios para que modifique a sua vida e, para tanto, é
necessário, nesses novos tempos, a proposição de uma nova cultura política. 2. 2015/CESPE/STJ. Acerca da questão social, julgue o próximo item. A questão
social se configura a partir de determinantes históricos objetivos, sem
POTYARA PEREIRA (2001).
interferência de dimensões subjetivas.

Para finalizar a discussão, Pereira (2001) assinala que não se tem uma clareza
Certo / Errado
da existência real de uma “nova questão social”, questiona-se, além do adjetivo “nova”,
a justeza do termo “questão” para designar problemas e necessidades sociais atuais,
que apesar de dramáticos e globais, se impõem sem problematizações de peso e,
3. 2015/FGV/DPE-MTP. Um elemento fundamental a todo projeto é a sua
portanto, sem enfrentamentos à altura por parte de forças sociais estratégicas.
fundamentação teórica. Dessa forma, quando o pressuposto teórico é alimentado
Para Potyara Pereira estaríamos ainda diante de uma questão latente que por uma visão de mundo dialético-crítica, ele se baseia na compreensão das
apesar de inscrita na contradição fundamental do sistema capitalista, ainda não foi refrações da “questão social” como:
explicitada, pois por falta de forças sociais com efetivo poder de pressão para fazer
A- Produto da vontade divina.
incorporar na agenda pública problemas sociais, com vista ao seu decisivo
enfrentamento, a autora entende que se tem pela frente não propriamente uma “questão B- Intrínseco ao modo de produção capitalista.
social” explícita, mas uma incômoda e complicada “questão social” latente, cuja
C- Consequência de um comportamento individual.
explicitação acaba por tornar-se o principal desafio das forças sociais progressistas.
D- Resultantes das ações intencionais da classe dominante.

E- Falta de capacitação ou sorte de indivíduos ou grupos que enfrentam dificuldades


para sobreviver.

4. 2015/FGV/DPE-MT. Contemporaneamente, a necessidade de reduzir a ação do


Estado na “questão social” ocorre mediante:

21 22
Considerando a temática discutida no texto 1, sob a ótica neoliberal, a “questão
social” é apreendida e representada ideologicamente como:
a- a ampliação dos direitos sociais.
a- a democratização da cidadania, da política e da cultura;
b- a restrição de gastos sociais.
b- indissociável das configurações assumidas pelo trabalho;
c- o empoderamento dos segmentos vulneráveis.
c- a expressão ampliada das desigualdades econômicas;
d- o crescimento do trabalho formal.
d- a ampliação dos direitos para segmentos vulneráveis;
e- a contratação de assistentes sociais.
e- uma ameaça à ordem e à coesão social.

5. 2015/FGV/DPE-MT. Uma das estratégias do Estado burguês para o


enfrentamento da “questão social” reside na implantação das políticas sociais. 7. 2014/FCC/TRF.3ª R. Nas últimas décadas do século XX e início do século XXI,
No Brasil, esta estratégia começa a ser efetivada: nos vimos confrontados com um conjunto de transformações da sociedade que
gestaram manifestações da questão social. Essas manifestações expressam
a- como consequência da institucionalização do Serviço Social.
principalmente as grandes mudanças nas relações do trabalho, quais sejam, a:
b- devido à pressão dos sindicatos patronais.

c- a partir da crise estrutural do capitalismo da década de 1970.


a- flexibilização e a precarização do trabalho.
d- mediante o reconhecimento das necessidades da população pobre.
b- globalização e a auto determinação da classe que vive do trabalho.
e- com a emergência do capitalismo monopolista.
c- desmercantilização e a livre concorrência de classe.

d- financeirização e a ampliação da solidariedade orgânica entre os trabalhadores.


6. 2014/FGV/TJ-RJ. TEXTO 1 - A partir dos anos 1970, com a primeira grande crise
e- intensificação do trabalho e o empoderamento dos trabalhadores.
do capitalismo após os “30 anos gloriosos”, as proposições neoliberais ganham
fôlego no mundo. Nas palavras de Netto (1996: 99): “Também o Estado burguês,
mantendo o seu caráter de classe, experimenta um redimensionamento
8. 2014/UFBA/UFBA. De acordo com Iamamoto e Paulo Netto, a crise do capital,
considerável. A mudança mais imediata é a diminuição de sua ação reguladora,
na contemporaneidade, gera uma nova questão social.
especialmente o encolhimento de suas ‘funções legitimadoras’ (O’Connor, 1977):
quando o grande capital rompe o ‘pacto’ que suportava o Welfare State, começa Certo / Errado
a ocorrer a retirada das coberturas sociais públicas e tem-se o corte nos direitos
sociais (...)”.
9. 2014/CEFET-MG/CEFET-MG. Mota (2010) e Pastorini (2010) concluem que não
Depreende-se, portanto, que as repercussões desta crise impactam diretamente
existe a denominada “nova questão social”. Essas autoras reafirmam que a
os trabalhadores e amplificam a “questão social”.
questão social decorre da (o):

23 24
11. 2013/IBFC/SEPLAG-MG. Segundo lamamato, 2010, na atual conjuntura de
precarização e subalternização do trabalho à ordem do mercado e de mudanças
a- violência urbana e rural e da falta de políticas públicas na prevenção à criminalidade.
nas bases da ação social do Estado, a questão social, matéria prima da
b- ausência de cidadania e de direitos sociais, na contemporaneidade, como no campo intervenção profissional do assistente social, assumem nova configurações e
educacional. expressões entre as quais destaca as situações de:

c- crescimento do desemprego, da desigualdade, da exclusão e das novas formas de I. insegurança e vulnerabilidade do capitalismo;
pobreza, ocorridas nas sociedades.
II. desregulamentação do mercado de trabalho;
d- expressão das manifestações das desigualdades e dos antagonismos ancorados nas
III. desqualificação e exclusão social de segmentos populacional;
contradições da sociedade capitalista.
IV. precarização das condições de vida: saúde, trabalho, infância e moradia;
e- fim dos empregos, praticamente sem trabalhadores que ocupam postos no mercado
formal na sociedade contemporânea. Estão corretos os itens.

a- Os itens I e II, apenas

10. 2013/FCC/TRT5ªR (BA). Para Maria Carmelita Yazbek (2012), a Questão Social b- Os itens II e III, apenas.
pode ser compreendida como:
c- Os itens III e IV, apenas.
a- resultante da divisão da sociedade em classes e da disputa pela riqueza socialmente
d- Nenhum item está correto
gerada, cuja apropriação é extremamente desigual no capitalismo. Supõe, desse modo,
a consciência da desigualdade e a resistência à opressão por parte dos que vivem de
seu trabalho.
12. 2012/CESPE/TJ-AL. A respeito de questão social, assinale a opção correta:
b- consequência do modelo de proteção social e do modo como a sociedade,
a- O estabelecimento da relação entre questão social e direitos implica o
especialmente as classes populares, se relacionam com as oportunidades que o atual
reconhecimento do indivíduo social como um ser conformado em face das situações de
sistema capitalista lhes oferece.
opressão e de exploração.
c- decorrente da burocracia do Estado centralizador, próprio dos modelos econômicos
b- Os direitos sociais, aqueles que exigem a participação ativa da sociedade,
de inspiração socialista.
fundamentam-se no princípio da liberdade individual.
d- resultante do escravismo que antecede a sociedade de classes capitalista e que
c- As novas exigências de qualificação, principalmente no âmbito do domínio das novas
gerou um pauperismo sem proteção social do Estado, portanto, não tem relação
tecnologias da informação, são o principal desafio dos profissionais de serviço social no
imediata com o modo capitalista de produção e tão pouco com a sociedade de classe.
século XXI.
e- um fenômeno coletivo e plural que advém da lógica mercantilista de instalação das
d- As políticas públicas, instrumentos de enfrentamento da questão social,
economias na Europa central instaurada a partir do século XV, do que decorreu a
caracterizam-se pela ação exclusiva do Estado.
dependência econômica dos países colonizados.
e- A questão social foi a base, em grande medida, da fundação sócio histórica da
profissão de assistente social, que decorreu do enfrentamento desta questão pelo

25 26
Estado, pelo empresariado e pelos movimentos das classes trabalhadoras no processo 15. 2012/CESPE/UnB/TJ-AL. Com relação à questão social, assinale a opção
de constituição e afirmação dos direitos sociais. correta.

A- A lógica financeira do regime de acumulação, a qual tende a provocar crises e,


consequentemente, recessão, consiste em uma das mediações históricas à produção
13. 2012/ FCC/MPE-AP. O assistente social, ao intervir cotidianamente nas
da questão social na cena contemporânea.
expressões e manifestações da questão social, depara-se com situações que
exigem aptidão para: B- De acordo com a perspectiva sociológica crítica, a questão social consiste em uma
ameaça à ordem e à coesão, caracterizando-se como uma nova questão social.
a- estruturar o seu trabalho de forma a mostrar a sua capacidade de obter o consenso
para abafar os conflitos sociais existentes. C A questão social é um fenômeno recente, típico do esgotamento dos denominados
trinta anos gloriosos da expansão capitalista.
b- atuar na desordem provocada pelas camadas populares, e ser conhecedor dos
aparelhos do Estado que possam responsabilizar os indivíduos em situação de D- A garantia dos direitos sociais à população pauperizada brasileira é assegurada pelas
vulnerabilidade. constantes mudanças nas relações entre Estado e sociedade civil, traduzidas na
ampliação dos programas sociais em face da questão social.
c- saber utilizar as estratégias adequadas para ater-se nas tarefas burocráticas
determinadas pelo empregador e não ir além do que foi solicitado, o que extrapola o E- Os conceitos de questão social e exclusão social são sinônimos, atribuindo, ambos,
objeto de sua intervenção profissional. uma característica negativa — a falta de — ao termo social.

d- compreender a dinâmica das relações sociais, as formas como se estabelecem, as


suas tendências, bem como as alterações no contexto social mais amplo.
16. 2012/CESPE/UnB/TJAL. A respeito de questão social, assinale a opção correta.
e- olhar com naturalidade para as múltiplas expressões da questão social que já
A- O estabelecimento da relação entre questão social e direitos implica o
estavam previstas e ter ciência que é somente com a intervenção e equilíbrio do
reconhecimento do indivíduo social como um ser conformado em face das situações de
mercado que poderão ser minimizadas, além de contar com algum suporte do Estado.
opressão e de exploração.

B- Os direitos sociais, aqueles que exigem a participação ativa da sociedade,


14. 2012/FCC/TRF2ª R. A questão social foi posta como alvo da intervenção do fundamentam-se no princípio da liberdade individual.
Estado e das políticas sociais de forma sistemática e contínua:
C- As novas exigências de qualificação, principalmente no âmbito do domínio das novas
a- desde os primórdios da sociedade desigual com o fim do escravismo. tecnologias da informação, são o principal desafio dos profissionais de serviço social no
século XXI.
b- no capitalismo monopolista, para preservação e controle da força de trabalho.
D- As políticas públicas, instrumentos de enfrentamento da questão social,
c- com o surgimento do capitalismo concorrencial, para administrar a força de trabalho.
caracterizam-se pela ação exclusiva do Estado.
d- com a instituição do modelo de Estado burocrático na Inglaterra do pós guerra.
E- a questão social foi a base, em grande medida, da fundação sócio histórica da
e- com a insurgência do modelo econômico mercantil e intervenção estatal na profissão de assistente social, que decorreu do enfrentamento desta questão pelo
sociedade privativista. Estado, pelo empresariado e pelos movimentos das classes trabalhadoras no processo
de constituição e afirmação dos direitos sociais.

27 28
20. 2010/CESPE/MS. O que fundamenta a existência da questão social é a
reafirmação da existência das classes sociais e a não naturalização da
17. 2011/FCC/TRT 1ª R (RJ). O assistente social trabalha com a questão social e
desigualdade social, cujas manifestações são atribuídas ao modo de produção do
com suas expressões ou manifestações: o desemprego, o analfabetismo, a fome,
sistema capitalista.
a moradia na favela, a falta de leitos em hospitais, a violência e a inadimplência.
Nessa direção, a questão social: Certo / Errado

I. Apresenta-se nas objetivações concretas que sintetizam as determinações prioritárias


do capital sobre o trabalho. PONTOS COMENTADOS
II. Representa não só as desigualdades, mas, também, o processo de resistência e luta
1. Na atualidade, as políticas de enfrentamento da questão social expressam o
dos trabalhadores.
reconhecimento da existência de problemas de cunho social por meio de
III. Coloca-se em novos patamares frente o avanço das organizações dos trabalhadores políticas de amplo alcance e de caráter universal ( é o que se objetiva)."No
e das populações subalternizadas. campo institucional, a crise mundial das economias capitalistas ocidentais leva
a uma violenta redução dos ideais universalistas e igualitários na área dos
Está correto o que se afirma em:
direitos sociais, sendo estes substituídos pela exigência da focalização em
a- I, apenas. d- I e II apenas. populações vulneráveis e de risco social, conforme apregoado pelas agências
mundiais de fomento e financiamento . Vai-se confirmando uma divergência
b- II, apenas. e- I, II e III.
entre o definido sobre a proteção social na Constituição de 1988 e a
c- III, apenas. operacionalização das políticas sociais e os valores profissionais.
2. Iamamoto (2008), ao analisar a gênese e as determinações históricas e teóricas
da questão social, suas expressões na contemporaneidade, destaca que a
18. 2010/CESPE/INCA. Julgue o item a seguir. A questão social é considerada um interpretação que assume tem a questão social como indissociável da sociedade
problema real, que pode ser transformado em um objeto de conhecimento e capitalista. Sua gênese deriva do caráter coletivo da produção contraposto à
intervenção. apropriação privada da própria atividade humana – o trabalho -, das condições
necessárias à sua realização, assim como de seus frutos. Observa ainda que a
Certo/ Errado
questão social condensa o conjunto das desigualdades e lutas sociais; suas
configurações integram tanto determinantes históricos objetivos que
condicionam a vida dos indivíduos sociais, quanto dimensões subjetivas, fruto
19. 2010/CESPE/INCA. Julgue o item a seguir. O agravamento da questão social,
da ação dos sujeitos na construção da história. Expressa, dessa forma, “uma
em face das particularidades do processo de reestruturação produtiva no Brasil
arena de lutas políticas e culturais na disputa entre projetos societários,
determina uma inflexão no campo profissional provocada por novas demandas informados por distintos interesses de classe na condução das políticas
impostas pelo reordenamento do capital e do trabalho. econômicas e sociais, que trazem o selo das particularidades históricas
nacionais”.
Certo / Errado
3. É necessário clarificar quais são os pressupostos teóricos que vão dar
concretude ao trabalho do assistente social. Para isso, é preciso ter claro
que, ao se filiar à teoria dialética-crítica, o profissional está alimentado por uma
visão de mundo que compreende as refrações da questão social como

29 30
produto intrínseco do capitalismo e não como consequência de um de seu trabalho. O desdobramento da questão social ocorre, também, com a
posicionamento individual do sujeito, de seus familiares e de seus grupos, inserção da classe operária no cenário político, reivindicando o reconhecimento
que, por falta de capacitação ou sorte, enfrentam dificuldades para sobreviver do Estado na necessidade de implantação de políticas sociais que de alguma
4. Segundo Netto: É a política social do Estado burguês no capitalismo maneira levem em considerações os interesses dos trabalhadores.
monopolista (e, como se infere desta argumentação, só é possível pensar-se em 9. Na atual conjuntura de precarização e subalternização do trabalho à ordem
política social pública na sociedade burguesa com a emergência do capitalismo do mercado e de mudanças nas bases da ação social do Estado, as
monopolista), configurando a sua intervenção contínua, sistemática, estratégica manifestações "questão social", matéria-prima da intervenção profissional
sobre as sequelas da questão social, que oferece o mais canônico paradigma dos assistentes sociais, assumem novas configurações e expressões,
dessa indissociabilidade de funções econômicas e políticas que é própria do entre as quais destacamos: a insegurança e vulnerabilidade do trabalho e a
sistema estatal da sociedade burguesa madura e consolidada. penalização dos trabalhadores, o desemprego, o achatamento salarial, o
5. Iamamoto (2001) conclui que, sob a ótica neoliberal "a questão social produzida aumento da exploração do trabalho feminino, a desregulamentação geral dos
e reproduzida ampliadamente tem sido vista [...] enquanto 'disfunção' ou mercados e outras tantas questões com as quais os assistentes sociais
'ameaça' à ordem e à coesão social", o que leva a um apontamento do trato de convivem cotidianamente: são questões de saúde pública, de violência, da
suas expressões contemporâneas de maneira fragmentada, visando o controle droga, do trabalho da criança e do adolescente, da moradia na rua ou da casa
e o restabelecimento dos fatores de coesão, típica de uma abordagem precária e insalubre, da alimentação insuficiente, da ignorância, da fadiga, do
organicamente intolerante a transformações na estrutura da produção e envelhecimento sem recursos, etc. Situações que representam para as pessoas
distribuição de riqueza e poder. que as vivem, experiências de desqualificação e de exclusão social, e que
6. Afirmar que existe uma nova questão social, é coadunar com a perspectiva expressam também o quanto a sociedade pode "tolerar" e banalizar a pobreza
do pós-modernismo, algo que hegemonicamente é negado pela categoria, pois sem fazer nada para minimizá-la ou erradicá-la.
a base da questão social é única, histórica e atemporal, ou seja, a contradição 10. A questão social é entendida como base de fundação sócio histórica da
entre capital e trabalho, algo que existe desde a revolução industrial, contudo profissão, cujas expressões requisitam intervenções sistemáticas na forma de
pode-se inferir que existem novas expressões, manifestações e refrações da políticas sociais, a partir do Estado e das ações desencadeadas pelas classes
questão social! sociais.
7. Netto, Iamamoto, entre outros, defendem que não há uma nova “questão 11. No início do século XX cresce o monopólio de empresas que se agrupam e
social”. O que existe na atualidade são novas manifestações da questão social. controlam a produção e o mercado para venda de seus produtos, com fortes leis
A questão social é própria do modo de produção capitalista, e definida pela protecionistas, aumento da produtividade pelo desenvolvimento de novas
contradição da relação capital e trabalho, portanto é a mesma. Mota (2010) e técnicas de produção e novas alternativas energéticas. Essa nova forma de
Pastorini (2010) concluem que não existe a denominada “nova questão social”. produção afeta principalmente as condições de vida dos operários e apresenta
Para as autoras a questão social é decorrente expressão das manifestações das sequelas que desembocam em expressões da questão social, tais como
desigualdades e dos antagonismos ancorados nas contradições da sociedade desemprego, moradia insalubre, inexistência de direitos sociais. Apontamos,
capitalista. ainda, o posicionamento do Estado perante esse quadro conjuntural, que, para
8. A questão social representa o reflexo das disparidades econômicas, legitimar o capitalismo monopolista, implementa estratégias para sanar os
políticas e culturais, envolvendo tanto as classes sociais como os grupos problemas sociais. Essas resoluções são enquadradas na ótica de correção dos
raciais e formações regionais. A questão social resulta da divisão da conflitos existentes entre a burguesia capitalista e os trabalhadores.
sociedade em classes e da disputa pela riqueza socialmente gerada, cuja 12. A questão social não é senão as expressões do processo de formação e
apropriação é extremamente desigual no capitalismo. Supõe, desse modo, a desenvolvimento da classe operária e de seu ingresso no cenário político
consciência da desigualdade e a resistência à opressão por parte dos que vivem da sociedade, exigindo seu reconhecimento como classe por parte do

31 32
empresariado e do Estado. É a manifestação, no cotidiano da vida social, da
contradição entre o proletariado e a burguesia, a qual passa a exigir outros tipos
GABARITO
de intervenção mais além da caridade e repressão”.
13. "O avanço das organizações dos trabalhadores e das populações
subalternizadas, coloca em novos patamares a concepção de questão 1 ERRADA

social. Se, no período ditatorial brasileiro pós-64 a luta prioritária era romper 2 ERRADA
com a dominação política, hoje a luta é pela consolidação da democracia e pelos
3 B
direitos de cidadania. As transformações no mundo do trabalho, seja com a
substituição do homem pela máquina, seja pela erosão dos direitos trabalhistas 4 B
e previdenciários, exigem, também, que se reatualize a concepção de questão
5 E
social".
14. O agravamento da questão social em face das particularidades do processo 6 E

de reestruturação produtiva no Brasil, nos marcos da ideologia neoliberal, 7 A


determina uma inflexão no campo profissional do Serviço Social. Esta inflexão
8 ERRADA
é resultante de novas requisições postas pelo reordenamento do capital e do
trabalho, pela reforma do Estado e pelo movimento de organização das classes 9 D
trabalhadoras, com amplas repercussões no mercado profissional de trabalho”.
10 A
15. A Questão Social deve ser entendida como elemento único do modo de
produção capitalista, e sua base é a mesma: expressão de desigualdade 11 C

econômica, política e culturais, originária da relação antagônica entre capital e


12 E
trabalho. E foram as lutas de classe que romperam o domínio privado nestas
relações. 13 D

14 B

15 A

16 E

17 E

18 CERTO

19 CERTO

20 ERRADA

33 34
BIBLIOGRAFIA

ARCOVERDE, Ana Cristina Brito. Serviço Social e Questão Social na Globalização.


Acesse: http://bit.ly/1SHdRbg

MACHADO, Ednéia Maria. Questão Social: Objeto de Serviço Social?


Acesse: http://bit.ly/1Pge9Uo

TOMAZ, Marianna Andrade. A Questão Social no Capitalismo. Acesse:


http://bit.ly/2hePHJD

35 36
37