Você está na página 1de 2

CISTO PERIODONTAL APICAL

Comum na cavidade bucal. Origem dos restos epiteliais da bainha de


Hertwig. Localização nos ápices de dentes necrosados

RADIOGRAFIA: área radiolúcida, arredondada ou ovalada. Associada


ao periápice do dente e circunscrita por osteogense reacional, representada
por uma linha fina escleróstica radiopaca, contínua e bem definida

CISTO PERIODONTAL LATERAL

Encontrado na lateral de uma raiz. O dente acometido pode apresentar


vitalidade pulpar, a lesão não interfere no suprimento do dente

CISTO PRIMORDIAL

Caracteristicas: Pouco frequente. Origem – degeneração do órgão do


esmalte. Ausência de um dente no local

CISTO DENTÍGERO

Sempre associado a coroa ou parte da coroa de dentes permanentes.


Formação: acúmulo de líquido dentre as camadas do epitélio interno ou externo
do órgão do esmalte, ou entre o epitélio interno e a superfície do esmalte

Característica: Quando houver entre a linha óssea que delimita o cisto e


a coroa do dente um espaço de 4mm. Potencialmente formadores de
ameloblastomas. Podem provocar destruição óssea e apinhamento de
estruturas dentais.

Radiografia: área radiolúcida unilocular associada a coroa. Pode ocorrer


reabsorção de dentes adjacentes. Cistos infectados podem mostrar limites mal
definidos

CISTO DO CANAL INCISIVO

No interior do canal incisivo há um cordão epitelial que poderá se


proliferar dando origem ao cisto. Ausência de relação deste cisto com os
dentes da região, apesar de muitas vezes devido a sobreposição radiográfica
parecer ter origem do dente. A Lâmina dura é preservada.
Características: podem ser achados em pacientes desdentados.
Assintomático. Pode aparecer saliência no palato.

Radiografia: Área radiolúcida circundada por linha radiopaca. Em lesões


menores, pela sobreposição com a espinha nasal anterior, pode apresentar
forma de coração.

CISTO DA PAPILA PALATINA

Origem dos restos epiteliais do canal incisivo. Desenvolvem pra fora do


canal, abaixo da papila palatina, não apresenta destruição óssea na
radiografia. Tumefação na região que provoca dor. O assolho da cavidade
nasal fica convexo

CISTOS NASOLABIAIS

Características: Se originam dos restos epiteliais que ficaram


aprisionados na linha de sutura do processo globular com o processo nasal
lateral, não apresenta relação com os dentes. Clinicamente é uma lesão típica
com tumefação que levanta a asa do nariz. Aspiração da área – líquido cístico.

FORMAÇÃO DOS CISTOS

Crescimento dos Cistos: Por Osmose. O líquido

PROVA – indicações de exames, Tamanho do filme e granulação, Anatomia


radiográfica maxilares, má formação dentária, densidade dos tecidos da boca,
pontos de referência da bissetriz, se aumentar o angulo horizontal ou vertical o
que acontece, ponto focal (aparelho com menor ponto focal é mais caro),
diafragma, aumento da distância do foco filme o que acontece, proteção
radiológica ou radiologia preventiva, granulação x pixel,