Você está na página 1de 286

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE


DOUTORADO INTEGRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL

A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR

INFANTO-JUVENIL ENTRE GERAÇÕES

JOANA AZEVÊDO LIMA

JOÃO PESSOA – PARAÍBA

MARÇO/2012
JOANA AZEVÊDO LIMA

A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR

INFANTO-JUVENIL ENTRE GERAÇÕES

Tese apresentada ao Doutorado Integrado em


Psicologia Social da Universidade Federal da
Paraíba/Universidade Federal do Rio Grande
do Norte, por Joana Azevedo Lima, sob a
orientação da Profª Drª Maria de Fatima
Pereira Alberto, como requisito para a
obtenção do título de Doutora em Psicologia
Social.

JOÃO PESSOA – PARAÍBA

MARÇO/2012
L732r Lima, Joana Azevêdo.
A repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil
entre gerações/Joana Azevêdo Lima.-- João Pessoa, 2012.
285f.
Orientadora: Maria de Fátima Pereira Alberto
Tese (Doutorado) – UFPB-UFRN
1. Psicologia Social. 2. Abuso sexual intrafamiliar. 3.
Repetição – gerações. 4. Teoria Histórico-Cultural. 5. Análise
do Discurso.

UFPB/BC CDU: 316.6(043)


Para o desenvolvimento desta pesquisa e das

demais atividades do Curso, a doutoranda teve

o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento

Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio

de bolsa de estudo.
A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR

INFANTO-JUVENIL ENTRE GERAÇÕES

JOANA AZEVÊDO LIMA

Banca Examinadora

_____________________________________________________
Profa. Dra. Maria de Fatima Pereira Alberto
(UFPB – Orientadora)

_______________________________________________________
Profa. Dra. Angela Elizabeth Lapa Coêlho
(UNIPÊ – Membro externo)

_______________________________________________________
Profa. Dra. Ana Alayde Werba Saldanha
(UFPB –Membro interno)

________________________________________________________
Profa. Dra. Marlene de Melo Barboza Araújo
(FAFIC - Membro externo)

_________________________________________________________
Profa. Dra. Maria Aparecida Penso
(UCB – Membro externo)

João Pessoa, 30 de março de 2012.


DEDICATÓRIA

Dedico às Participantes desta tese por terem


confiado nessa proposta, compartilhando suas
histórias de vida.
DEDICATÓRIA ESPECIAL

Dedico especialmente à minha mãe e à meu


pai, com todo meu amor e devoção.
AGRADECIMENTOS

À Deus e à todos de minha linda família espiritual, que me auxiliaram e me inspiraram em

cada pensamento, em cada palavra incessantemente. Que sigamos juntos no caminho do bem.

Agradeço à meu pai João Alberto e à minha mãe Nelcina por seguirem acreditando em mim

e embarcando nos meus sonhos incondicionalmente. Que eu possa ser motivo de alegrias pra

vocês enquanto eu viver. Amo sempre.

Aos meus queridos e amados irmãos, Breno e Diogo, que me dão a segurança diária de que

seremos sempre e pra sempre uma tríade de amizade e de união, e isso me ajuda a ser no

mundo.

À minha orientadora e amiga Fátima Pereira, que enxergou em mim um potencial que nem

eu mesma dimensionava. Um dos grandes presentes da minha vida. Exemplo de profissional,

de pessoa, de mulher e de mestre. Nunca conseguirei expressar a minha gratidão

inteiramente.

À minha leitora prof. Dra. Ana Alayde que sempre com muita gentileza, sabedoria e ética

me proporcionou reflexões importantes para construção desta tese. À prof. Dra. Angela

Coelho que em todos os momentos que precisamos se mostrou grande companheira, além de

ter compartilhado um pouco de sua experiência importante para outras preciosas reflexões.

 prof. Dra. Aparecida Penso e à prof. Dra. Marlene Araújo pela disponibilidade em fazer

parte de minha banca. Professoras, é um prazer contar com o conhecimento e sugestões de

vocês.

Agradeço à prof. Dra. Ivone Lucena por gentilmente me receber em sua casa sempre que
precisei, socorrendo-me nessa aventura da Análise do Discurso.

Agradeço à prof. Dra. Antonia Piccornel que me recebeu na Universidad Complutense de

Madrid, acreditando no meu projeto e se dispondo a co-orientar-me durante o meu estágio

sanduíche em Madri (Espanha).

Ao Programa e aos professores da Pós-Graduação em Psicologia da UFPB que me

oportunizaram conhecer realidades para basear o meu fazer profissional.

À irmandade Nupedia que em conjunto me ajudou a realizar muito daquilo que idealizei,

especialmente aos amigos da Pós-Graduação do Nupedia que construíram esta tese junto

comigo. Agradeço às contribuições e à parceria de sempre.

Agradeço também ao CREAS João Pessoa, que me permitiu participar informações

imprescindíveis para esta tese.

Agradeço à confiança das mães que concordaram em participar desta pesquisa,

compartilhando as suas histórias.

Agradeço à Capes que me proporcionou uma bolsa de Demanda Social, imprescindível para

a realização deste Doutorado.

Agradeço às minhas grandes escoras emocionais oportunizadas via internet ou telefone:

minha prima amada Juliana Azevêdo e minha amiga-irmã e tradutora oficial Pérsia Oliveira,

obrigada por tantas madrugadas.

Agradeço também à minha cunhadinha, Natallye Lopes, que ao longo desse caminho

sempre me deu muita força e inspiração. Essa amizade é ouro.


Aos meus queridos amigos paraibanos Jocelly, Jonas e Paloma pelo apoio e pelo sustento

emocional de todos estes dias. Com vocês meus dias paraibanos foram mais do que especiais.

Aos meus queridos amigos Juliana Pinho, Denise Pereira, Thaís Máximo, Mayara Limeira,

Fernanda Moreira e Wilson Lima por emprestarem-me suas mãos na elaboração desta tese.

Agradeço profundamente aos amigos madrileños-tupinambás Mariester Branco e Bruno

Monerat. Obrigada casal pelo acolhimento fraterno e confiança. Além de todo o presente de

conhecê-los ainda me brindaram com as mais doces princesinhas, Mariana e Amanda.


“...Eu queria que a justiça tomasse mais

providência com isso porque muitas vezes diz

assim: ‘Não a criança aceitou.’ Mas, muitas

vezes, a gente é sujeita a aceitar esse tipo de

coisa e pessoa porque a gente as vezes fica

com medo de contar ou a gente conta e eles

num acredita[sic]...” (P5)


RESUMO

O objetivo desta tese é analisar a repetição do abuso sexual intrafamiliar feminino entre
gerações. Para compreender esta realidade acessada serviu-se da Teoria Histórico-Cultural de
Vygotsky como arcabouço teórico. As categorias teóricas enfocadas nesta tese são gênero,
violência, família, infância, adolescência, juventude, subjetividade, consciência e repetição.
A ferramenta metodológica utilizada para acessar a realidade enfocada a partir do olhar das
mães de meninas vitimadas pelo abuso sexual intrafamiliar foi a Análise do Discurso
proposta por Bakhtin. Serviu-se de um roteiro de entrevista que versou sobre o abuso sexual
intrafamiliar das filhas e em seguida e sobre o conhecimento acerca de outras histórias de
vitimação, buscando-se conhecer as mulheres que também possuem história de vitimação por
abuso sexual na infância ou adolescência, assim como as subjetividades que emergem destas
experiências. Em seguida foi constituído um corpus das entrevistas e então procedeu-se as
análises. Os elementos da Analise de Discurso de Bakhtin analisados nos discursos das
Participantes foram dialogismo, gêneros discursivos, polifonia e enunciados. Os discursos
das Participantes foram categorizados como a) A mãe vitimada: O discurso das Participantes
sobre o abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar sofrido por sua filha; b) A mulher vitimada:
O discurso sobre o abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil que as Participantes sofreram; c)
O sentido da repetição do abuso sexual infanto-juvenil feminino intrafamiliar entre gerações a
partir da voz das mães. Através do discurso das Participantes pode-se perceber sujeitos
constituídos a partir da das experiências de repetição de abuso sexual intrafamiliar entre
gerações, o dela e o da filha. São mulheres, mães e vitimadas que ao se depararem com a
realidade do abuso sexual de suas filhas sofrem enquanto mulheres, que se sentem
duplamente vitimadas pelo fato de perceberem a repetição entre gerações de sua família de
dominação masculina e de abuso sexual intrafamiliar. Outrossim, o fato de tomarem
conhecimento do abuso sexual intrafamiliar de sua filha serviu de reflexo para a lembrança de
seu próprio abuso sexual intrafamiliar sofrido na infância, fazendo-as reviverem a vivência
do passado e emergir a repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil entre gerações
refletido no fato de mãe e filha terem sido abusadas na infância, terem o mesmo grau de
afinidade com o abusador, de repetirem comportamentos que suas mães tiveram na época de
sua vitimação na infância, de verem repetido em suas filhas o comportamento frente a
vitimação e decisões como não revelar a ninguém o abuso

Palavras-chaves: abuso sexual intrafamiliar, gênero, repetição entre gerações, Teoria


Histórico-Cultural, Análise do Discurso.
ABSTRACT

The objective of this thesis is to analyze the feminine interfamilial sexual abuse repetition
between generations. To understand this accessed reality it used the Historical-Cultural
Theory from Vygotsky as theoretical outline. The theoretical categories focused on this thesis
are gender, violence, family, childhood, adolescence, youth, subjectivity, consciousness and
repetition. The methodological tool used to access the focused reality from the mothers
looking on their daughters victims of interfamilial sexual abuse was the Speech Analysis
proposed by Bakhtin. Was used an interview screenplay which related about the interfamilial
sexual abuse of their daughters and then about the knowledge of other victimization histories,
searching for knowing the women who also had victimization history through sexual abuse
on their childhood or adolescence, as well as the subjectivities which emerge from these
experiences. Following, it was constituted an interview corpus and then, the analysis
proceeded. The Bakthin Speech Analysis elements analyzed on the participants’ speeches
were dialogism, discursive genders, polyphony and statements. The participants’ speeches
were categorized as a) Victimized mother: the participants’ speech about the interfamilial
child-youth sexual abuse suffered by her daughter; b) Victimized woman: the speech about
interfamilial child-youth sexual abuse the participants suffered; c) The repetition sense of
feminine interfamilial child-youth sexual abuse between generations from mothers’ voice.
Through participants speech can be perceived constituted subjects from the interfamilial
sexual abuse repetition experiences between generations, hers and the daughter’s. They are
women, mothers and victims who as confronted with their daughters’ sexual abuse reality;
they suffer as women, who feel themselves doubly victimized for the fact of realizing the
repetition between generations in their family of the male dominance and the interfamilial
sexual abuse. Furthermore, the fact of having the knowledge of the interfamilial sexual abuse
of their daughters served as a reflection for the memory of their own interfamilial sexual
abuse suffered on their childhood, making them relive the experience from the past and to
emerge the child-youth interfamilial sexual abuse repetition between generations reflected in
the fact that the mother and daughter had been abused on their childhood, having the same
level of affinity with the abuser, repeating behaviors which their mothers had at the time of
their victimization in the childhood, of seeing the repeated behavior on their daughters
against the victimization and decisions as not to reveal to nobody the abuse.

Key-words: interfamilial sexual abuse, gender, repetition between generations, Historical-


Cultural Theory, Speech Analysis.
RESUMEN

El objetivo de la tesis es analizar la repetición del abuso sexual intrafamiliar femenino entre
generaciones. Para comprender la realidad logada ha utilizado la Teoría Histórico-Cultural de
Vygotsky como el marco teórico. Las categorías teóricas en esta tesis se centran género,
violencia, familia, infancia, adolescencia, juventud, subjetividad, conciencia y repetición. La
herramienta metodológica utilizada para acceder a la realidad enfocada a través de las madres
de las niñas que fueron víctimas de abuso sexual intrafamiliar fue el Análisis del Discurso
propuesto por Bakhtin. Se servió de una entrevista sobre el abuso sexual intrafamiliar de las
hijas y, a continuación, sobre el conocimiento de otras historias de victimización, tratando de
conocer a las mujeres que también tienen una historia de victimización por abuso sexual en la
niñez o adolescencia, así como las subjetividades que emergen de estas experiencias.
Entonces se formó un corpus de entrevistas y luego procedió al análisis. Los elementos de
Análisis del Discurso de Bakhtin analizados en los discursos de los Participantes fueran
dialogismo, géneros discursivos, la polifonía y las enunciaciones. Los discursos de los
participantes fueron clasificados como: a) La madre victimizada: en discurso de las
Participantes sobre el abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar soportadas por sus hijas; b)
La mujer victimizada: el discurso sobre el abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil
soportado por las Participantes; c) El sentido de la repetición de los abuso sexual infanto-
juvenil femenino intrafamiliar entre generaciones a través de las madres. A través del discurso
de las Participantes se puede ver sujetos compuestos por sus experiencias de repetición del
abuso sexual intrafamiliar entre generaciones, su y de su hija. Son las mujeres, las madres e
las víctimas que, cuando se enfrentan con la realidad del abuso sexual de sus hijas, mientras
que las mujeres sufren, se sienten doblemente víctimas, porque se dan cuenta de la repetición
de las generaciones de su familia de la dominación masculina y el abuso sexual intrafamiliar.
Por otra parte, el hecho de que tengan conocimiento del abuso intrafamiliar sexual de su hija
sirvió como una reflexión a la memoria de su propio abuso intrafamiliar sexual sufridos en la
infancia, haciendo que revivir la experiencia del pasado y emerger la repetición del abuso
sexual intrafamiliar infanto-juvenil entre generaciones se refleja en el hecho de que madre e
hija habían sido abusados en la niñez, tienen el mismo grado de afinidad con el abusador, a
repetir comportamientos que sus madres tenían en el momento de su victimización en la
infancia, que se repita en sus hijas el comportamiento frente a la victimización y decisiones a
no revelar a nadie sobre los abusos sufridos.

Palabras-claves: abuso sexual intrafamiliar, género, repetición entre las generaciones, Teoría
Histórico-Cultural, Análisis del Discurso.
LISTA DE SIGLAS

ABRAPIA - Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência

BPC - Benefício de Prestação Continuada

CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

CECRIA - Centro de Referencia, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes

CEDECA - Centro de Defesa da Criança e do Adolescente

CEP/SES – PB - Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria Estadual de Saúde da Paraíba

CNAS - Conselho Nacional de Assistência Social

CONANDA - Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente

CPI - Comissão Parlamentar de Inquérito

CPMI – Comissão Parlamentar Mista de Inquérito

CRAMI - Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância

CRAS - Centro de Referência da Assistência Social

CREAS - Centro de Referência Especializado de Assistência Social

CSUs - Centros Sociais Urbanos

CTCA - Conselhos Tutelares da Criança e Adolescente

DEPCA - Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente

ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente

IML- Instituto Médico Legal

LOAS - Lei Orgânica de Assistência Social

MDCA - Movimento de Defesa dos Direitos da Criança no Brasil

MDS - Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

NOB/SUAS - Norma Operacional Básica do SUAS


NUPEDIA - Núcleo de Pesquisa e Estudos em Desenvolvimento da Infância e Adolescência

OIT - Organização Internacional do Trabalho

ONU – Organização das Nações Unidas

PAIF - Programa de Atenção Integral à Família

PESTRAF - Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de

Exploração Sexual Comercial

PNAS - Política Nacional de Assistência Social

PSF - Programa de Saúde da Família

SIPIA - Sistema de Informação para a Infância e Adolescência

SUAS - Sistema Único da Assistência Social

UFPB – Universidade Federal da Paraíba

UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância


SUMÁRIO

INTRODUÇÃO .................................................................................................................. 19

CAPÍTULO 1: CONTEXTUALIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DO ABUSO SEXUAL

INFANTO-JUVENIL.......................................................................................................... 25

1.1 Definindo o abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar ........................................... 27

1.2 Caracterizando o abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil ................................... 29

1.3 Incidência do abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar ......................................... 37

1.4 Políticas públicas de enfrentamento ao abuso sexual infanto-juvenil e rede de proteção

........................................................................................................................................ 40

CAPÍTULO 2: UMA VISÃO HISTÓRICA DAS CATEGORIAS GÊNERO, VIOLÊNCIA E

FAMÍLIA; INFÂNCIA, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE; E CONSCIÊNCIA,

SUBJETIVIDADE E REPETIÇÃO ................................................................................... 50

2.1 Por dentro das categorias históricas: Gênero, Violência e Família .......................... 51

2.2 Um olhar a partir da Psicologia Histórico-Cultural de Vygotsky sobre as categorias

Infância, Adolescência, Juventude, Subjetividade, Consciência e Repetição. ............... 65

CAPÍTULO 3: MÉTODO................................................................................................... 99

3.1 A análise de discurso de Bakhtin ............................................................................ 100

3.2 Lócus ....................................................................................................................... 108

3.3 Participantes e Amostra .......................................................................................... 108

3.4 Técnicas e Instrumentos .......................................................................................... 109


3.5 Procedimentos ......................................................................................................... 111

3.6 Tratamento e Análise de Dados ............................................................................... 113

CAPÍTULO 4: RESULTADOS: A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INFANTO-

JUVENIL FEMININO ENTRE GERAÇÕES A PARTIR DA VOZ DE MÃES-MULHERES-

VITIMADAS ..................................................................................................................... 117

4.1 Dos tipos de discursos das Participantes ................................................................. 118

4.2 As Participantes ....................................................................................................... 126

4.3 Os discursos analisados ........................................................................................... 132

4.4 As subjetividades que emergem dos discursos das Participantes ............................ 214

CAPÍTULO 5: A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR INFANTO-

JUVENIL FEMININO ENTRE GERAÇÕES DISCUTIDA À LUZ DA TEORIA........... 226

CONSIDERAÇÕES FINAIS.............................................................................................. 246

REFERÊNCIAS .................................................................................................................. 260

APÊNDICES ...................................................................................................................... 283


INTRODUÇÃO

Nesta tese será analisado a repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil

feminino entre gerações a partir do olhar das mães de meninas vitimadas. Para fins didáticos,

ressalta-se a compreensão dos diferentes termos utilizados, vitimizado e vitimado, que foram

adotados nesta tese com base em Saffioti (1989). Como vitimada entende-se aquelas sobre

quem as conseqüências da violência são geradas, vítima esta que tem seus direitos humanos

mais elementares violados (vida, educação, saúde, segurança etc). Já vitimizado, por sua vez,

representa aquelas sobre quem as conseqüências são geradas após ter sido objetalizada (p.35),

ou seja, por exemplo, a ação abusiva ou omissão de um adulto que gera danos físicos ou

psicológicos, valendo-se de sua condição de dominação.

O abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil tem sido tema central de discussão no

Brasil e no mundo. Constitui-se como uma das prioridades das políticas públicas de governos

democráticos dos países ocidentais. Isso se deve a inúmeras denúncias que vem sendo feitas,

as ações dos movimentos sociais de direitos humanos e ao seu caráter transgressor, capaz de

gerar sérias conseqüências às crianças e adolescentes vitimadas e a seus familiares.

É um processo que vitima não somente as crianças e os adolescentes abusados

sexualmente no âmbito intrafamiliar, mas também seus familiares, e nesse contexto familiar,

as mães desses vitimados tornam-se alvos das maiores cargas emocionais dentro do processo,

uma vez que são elas que geralmente estão mais próximas aos filhos(as). Além disso,

constitui-se como uma violência de gênero, onde o feminino é o mais vitimado. Essa

informação pode ser apoiada na literatura estudada (Azambuja, 2004; Furniss, 1993; Gabel,

1991; Morgado, 1998; Narvaz & Koller, 2006; Lima & Alberto, 2010; entre outras), nos

dados do serviço de Disque-Denúncia Nacional (Centro de Referência, Estudos e Ações sobre

Crianças e Adolescentes, [CECRIA], n.d.) e no estudo realizado pela pesquisadora em 2008,


19
apresentado ao curso de mestrado em psicologia social (Lima, 2008), com o qual foi possível

acessar, através de entrevistas semi-estruturadas realizadas com as mães, as suas vivências

subjetivas diante do abuso sexual intrafamiliar praticado contra suas filhas.

Na referida dissertação, a vivência dessas mães diante do abuso sexual intrafamiliar

praticado contra suas filhas envolveu um sofrimento subjetivo, expresso por elas como culpa

e vulnerabilidade social. A vivência de se deparar com a realidade de abuso sexual de suas

filhas lhes proporcionou lembranças de seu próprio abuso. Elas associaram sua experiência

de abuso no passado diretamente com a situação que vivenciaram relativa ao abuso das filhas.

Revelaram que sua forma de conduta, diante da situação da filha, algumas vezes, foi baseada

nas atitudes de suas mães na época de sua vitimação, o que implica numa repetição de

condutas tendo sua mãe como modelo. Basearam-se em seu contexto histórico e cultural para

efetivar suas ações, reproduzindo o modo de agir que sua mãe teve diante da revelação de sua

própria vitimação no passado (Lima, 2008).

O fato de a mãe revelar-se também vitimada por abuso sexual intrafamiliar no passado

provocou o interesse em pesquisar acerca dessa característica repetitiva dentro das famílias,

que se incide em diferentes gerações, onde o objetivo desta pesquisa se instala: como ocorre a

repetição da vitimação entre as gerações de uma família? Existe o que alguns autores como

Penso e Costa (2008) chamaram de legado familiar? Como as mães percebem essa repetição

ao se darem conta disso? Qual a relação existente entre o abuso sexual intrafamiliar que

vitimou a mãe e o que vitimou sua filha? Quais as implicações psicossociais de ambas as

experiências para a mãe? Enfim, como se constituiu esse sujeito que foi vitimado, hoje, mãe

de uma menina abusada, diante dessa repetição da violação sofrida?

Sendo assim, esta tese tem como objetivo analisar a repetição do abuso sexual infanto-

juvenil feminino que acontece no contexto intrafamiliar em diferentes gerações de uma

mesma família, sendo esta repetição vista através do olhar das mães destas meninas vitimadas
20
que também possuem história de vitimação por abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil.

Diante disso, apresenta-se nesta tese um estudo sobre o abuso sexual infanto-juvenil, sua

característica intrafamiliar e a repetição do abuso entre as gerações; a violência de gênero; e a

abordagem sócio-histórica diante da constituição desse sujeito mãe frente a repetição de

abuso na família.

A Psicologia Histórico-Cultural de Vygotsky proporciona subsídios para a

compreensão deste sujeito constituído nesta sociedade em que se encontra e que vivencia essa

marca transgressora, a família. Tal abordagem contribui na medida em que se possibilita um

estudo acerca das experiências vivenciadas pelo sujeito e então a compreensão do modo

como ele se constituiu a partir das internalizações dos signos sociais com os quais contatou.

Trata-se, portanto, de analisar os sentidos dessas experiências para elas e a forma como se

constituíram diante deste fato.

Alberto (2002), Sousa (2006), Serafim (2008), Lima (2008), Alberto, Santos, Leite,

Lima, Paixão e Silva (2009), Lima e Alberto (2010), Alberto, Lima e Santos (2011) dentre

outros vem se ocupando com estudos que abordam crianças e adolescentes em situação de

violência sexual. Isso refere que existem estudos realizados em nível de Brasil. É nesse

contexto que o estudo acerca da compreensão da repetição do abuso sexual infanto-juvenil

feminino no contexto intrafamiliar a partir do olhar das mães vem somar com esses esforços

buscando a uma compreensão mais global do fenômeno.

O conhecimento dos elementos constitutivos da repetição do abuso sexual

proporciona subsídios importantes para a implementação de políticas públicas voltadas para

crianças e adolescentes que estão em situação de risco sob a forma de violência sexual. O

desenvolvimento de políticas públicas aplicadas se torna urgente para todos os sujeitos

envolvidos, não somente dirigida à própria criança e adolescente vitimada, mas também a

toda a sua família, em especial à mãe. Isso porque, a repetição do abuso sexual situa-se
21
justamente entre as implicações para a família existentes nesse entorno. O fato de essa mãe

receber ou não apoio altera a sua forma de lidar com a situação, pois pode ser indicador do

posicionamento dela quando diante da situação colocando-se como defensora ou negligente.

A conduta da mãe pode ser agente determinante para a vitimação de quem outrora fora

vitimado assim como dela e de todos os outros membros da família, tal a importância da

figura materna em famílias abusivas (Lima, 2008).

Diante de tais argumentos o objetivo geral dessa tese é analisar a repetição do abuso

sexual infanto-juvenil feminino que acontece no contexto intrafamiliar em diferentes

gerações de uma mesma família a partir do olhar das mães. Para atingi-lo estabeleceram-se

como objetivos específicos: a) caracterizar o abuso sexual intrafamiliar sofrido pela mãe; b)

caracterizar o abuso que vitimou sua filha; c) conhecer a experiência de abuso sexual vivido

pela mãe; d) conhecer a experiência da mãe com relação ao abuso sexual sofrido por sua

filha; e) categorizar e entender as implicações psicossociais da experiência em que a mãe foi

vitimada por abuso sexual na sua vida; e f) categorizar e entender a partir das mães, as

implicações psicossociais que a experiência de abuso sexual da filha incidiram em sua vida.

Esta tese está organizada em cinco capítulos. O primeiro capítulo é denominado O

Abuso Sexual Infanto-Juvenil no Brasil e apresenta uma revisão bibliográfica que versa sobre

características e contextualizações do abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar, situando-o

enquanto categoria de violência e sua trajetória histórica na violação de direitos infanto-

juvenis. Apresenta também as características do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil

fazendo uma revisão acerca das formas de manifestação e conseqüências para toda a família.

Em seguida há um panorama de incidência deste abuso sexual, especialmente o intrafamiliar

com dados oriundos do Serviço de Disque-Denúncia Nacional referentes ao período de maio

de 2003 até julho de 2010 e principais teóricos. Ao final deste capítulo faz-se um apanhado

sobre as Políticas públicas de enfrentamento ao abuso sexual infanto-juvenil e sobre as redes


22
de proteção.

O segundo capítulo apresenta as categorias teóricas abordadas para a compreensão do

objeto estudado a partir da visão histórica de gênero, violência e família; infância,

adolescência e juventude; e consciência, subjetividade e repetição. Faz uma discussão acerca

das categorias históricas gênero, violência e família e, a partir do prisma da Psicologia

Histórico-Cultural de Vygotsky discute as categorias infância, adolescência, juventude,

subjetividade, consciência e repetição.

No terceiro capítulo denominado Método, apresenta-se a metodologia utilizada nesta

pesquisa. Optou-se pelo estudo do tipo qualitativo, pois o interesse é compreender a repetição

do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino entre gerações. Neste capítulo,

apresenta-se também a justificativa e adequação da teoria da Análise do Discurso de Bakhtin

para tratar e analisar os dados obtidos a partir dos discursos das Participantes. E para esta

análise apresenta-se quais os elementos da Análise de Discurso de Bakhtin que são enfocados

nesta tese. Além disso, caracteriza o lócus da pesquisa, participantes e amostra, as técnicas e

instrumentos, os procedimentos utilizados e por fim, o tratamento e a análise dos dados

aplicados.

O capítulo seguinte apresenta os resultados dos discursos das Participantes. Este

capítulo é denominado A Repetição do Abuso Sexual Infanto-Juvenil Feminino entre

Gerações a partir da Voz de Mães-Mulheres-Vitimadas já que apresenta em seu decorrer a

repetição propriamente dita que emerge dos discursos das Participantes. Para isso ele é

subdividido em partes que tratam dos discursos das Participantes, as Participantes, os

discursos analisados e as subjetividades que emergem dos discursos destas Participantes.

O capítulo quinto denomina-se A Repetição do Abuso Sexual Intrafamiliar Infanto-

Juvenil Feminino entre Gerações discutida à luz da Teoria. Neste capítulo faz-se uma

discussão dos resultados oriundos dos discursos das Participantes com base nas categorias
23
teóricas tratadas nesta tese: gênero, violência, família, infância, adolescência, juventude,

subjetividade, consciência e repetição.

24
CAPÍTULO 1

CONTEXTUALIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DO ABUSO SEXUAL

INFANTO-JUVENIL

“...Então, mesmo pequena, fui violentada e


segurei o sufoco, a angústia, a dor. Quando eu
tinha 12 anos tentei suicídio. Meus pais nunca
souberam o motivo por que eu não deixava
escapar...”(P7).

O abuso sexual infanto-juvenil é uma prática de violência que tem sido difundida cada

vez mais no Brasil e no mundo, apresentando-se em sua complexidade nas suas dimensões

sociais, psíquicas, econômicas, políticas e históricas. A sua elevada incidência registrada

através do Disque-Denúncia Nacional (CECRIA, n.d.), tem sido tratado como um problema

de saúde pública que possui sua raiz na história da humanidade, desde as mais antigas

formações sociais.

No que diz respeito a trajetória histórica do abuso sexual infanto-juvenil, Ramos

(2000), identifica registro sobre essa violência desde o período colonial, século XVI, em que

os meninos e meninas eram utilizados como fonte de prazer sexual pelos adultos tripulantes

das embarcações que viajavam para o Brasil. As meninas eram enviadas à colônia brasileira

como órfãs, as chamadas órfãs do Rei, para que suprissem a necessidade de homens solteiros

e adultos da baixa nobreza.

Nesse contexto, não somente violência sexual era cometida com essas crianças ou

adolescentes, mas também eram expostas aos mais diversos riscos como doenças, privações

(alimentares, cuidados a saúde, dentre outros) e submetidos a trabalhos arriscados e mais


25
pesados. Por isso, dificilmente elas chegariam à vida adulta (Aded, Dalcin, Moraes &

Cavalcanti, 2006). Este contexto ainda é marcado pelo fato de não somente crianças, mas

também mulheres e escravos (ou outros subalternos) ocupavam uma posição submissa aos

adultos do gênero masculino. Nesses termos, cabia aos meninos de classe alta uma carreira

militar, para receberem a formação social adequada á época e às meninas o aprendizado das

tarefas domésticas. Desde então, vê-se arraigado conceitos de questões sociais que envolvem

gênero percorrendo a história das civilizações (Pereira & Müller, 2008).

O caminho percorrido no trato com a realidade do abuso sexual infanto-juvenil no

Brasil, foi marcado pelo ano de 1895 quando aconteceu a primeira denúncia à polícia de um

caso de abuso sexual praticado contra uma criança, conforme assinalam Pimentel e Araújo

(2006), o que não descarta a ocorrência da violência contra crianças em períodos

pregressos.O primeiro projeto de lei foi apresentado à Câmara dos Deputados somente em

1912, projeto esse que defendia a criação de juízos e tribunais especiais para a apreciação das

causas envolvendo menores, o qual foi de autoria de João Chaves. No entanto, mesmo diante

destas aproximações com situações envolvendo abuso sexual contra crianças, somente em

1973 o primeiro caso foi estudado.

O enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes teve seu início

quando passou a ser considerado como problema de ordem social na última década do século

XX. No entanto, somente nos anos 1990 que assumiu relevância política e visibilidade social,

quando foi declarado como uma questão de ordem pública (Secretaria Especial dos Direitos

Humanos Presidência da República [SDH/PR] & Ministério da Educação [ME], 2004). Foi

na década de 90 que a violência sexual contra crianças e adolescentes foi considerada como

um enfrentamento de abrangência nacional e internacional em prol dos direitos humanos,

momento em que foi inserida na agenda pública da sociedade civil (Libório, 2003). E foi

nesse ambiente de debates sobre o fenômeno, que foram criados os Centros de Defesa da
26
Criança e do Adolescente (CEDECA), nas capitais do país que tem a missão de combater

todas as formas de violência contra crianças e adolescentes (SDH/PR & ME, 2004).

1.1 Definindo abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar

Quando se faz referência ao abuso sexual infanto-juvenil é necessário situá-lo

enquanto categoria de violência, no caso, violência sexual. Trata-se não só de uma violação à

liberdade sexual do outro, mas também em uma violação aos direitos humanos, de um modo

geral, de crianças e adolescentes. É uma categoria que refere ao processo em que a relação

acontece, ou seja, é uma categoria explicativa para o tipo de relação de poder que ocorre em

uma situação de abuso sexual (Faleiros & Campos, 2000).

É neste contexto de violência sexual que o abuso sexual se inscreve, como uma

expressão da violência sexual em que uma criança ou adolescente está envolvida numa

situação de atividade sexual, sendo esta usada para gratificação sexual de um adulto ou

alguém mais velho (Azevedo & Guerra, 1989). Essa distância etária entre abusador e

vitimado é apontado por Dunaigre (1999), em que o abuso sexual se dá quando há um adulto

ou alguém com uma diferença mínima de idade de cinco anos de sua vitimada.

O abuso sexual é caracterizado pela violência como ultrapassagem de limite, com a

presença de dominação assimétrica de poder do abusador diante de sua vítima e assinala

aspectos como ameaça ou chantagem como meio para se conseguir com que alguém tome

atitudes, ou faça o que o abusador deseja. Afirma ainda que o abuso sexual é uma prática de

violência que envolve comportamentos de agressão (violência física ou psicológica), assédio

e sedução (Faiman, 2004; Faleiros & Caminha, 2000). Esse limite que o abusador ultrapassa

valendo-se do poder que exerce sobre a vitimada se faz sobre os direitos humanos, legais, de

poder, de papéis, do nível de desenvolvimento da vítima, de regras sociais e familiares e


27
ainda de tabus (Centro de Referência, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes

[CECRIA], 1998; Faleiros & Caminha, 2000).

É quando um adulto utiliza a criança ou o adolescente para satisfazer seu desejo

sexual seja este ato qualificado como jogo de sedução, como a própria relação sexual, uma

ação de natureza erótica, com o intuito de buscar o prazer sexual com crianças ou com

adolescentes (Centro de Referência, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes

[CECRIA], 2000). Essa satisfação sexual de um adulto sobre o corpo de uma criança ou

adolescente pode acontecer com ou sem o uso da violência física, por exemplo, desnudar,

tocar, acariciar as partes íntimas, entre outros (SDH/PR & ME, 2004). Dentre as formas de

violência sexual estão caracterizadas a exploração sexual comercial (ESC), pornografia,

turismo sexual, tráfico para fins sexuais (Alberto & Maciel, 2009; CECRIA, 1998; Santos,

2004).

Sendo assim, o abuso sexual intrafamiliar envolve relação sexual entre pessoas com

um grau próximo de parentesco ou que acreditem tê-lo. Significa considerar que, mesmo que

não consangüíneos, se afetivamente considerados familiares (padrasto, madrasta, pai adotivo

etc), a gravidade incestuosa se instala (Forward & Buck, 1989). Trata-se de uma relação

“...entre pessoas que têm ligações formais ou informais de parentesco, culturalmente

considerados como obstáculos para as relações sexuais...” (Azambuja, 2004, p.68).

No abuso sexual intrafamiliar, além de o agressor encontrar-se dentro de casa, o seu

papel pode ser confusamente aglutinado com a imagem de um membro familiar importante:

pai, avô, padrasto, irmão, tio etc. (Faleiros, 2000). O parentesco existente entre abusador e

vitimada é fator que propicia a convivência mais próxima e cotidiana entre abusador e

abusado propicia a reincidência da violência do abusador com mais freqüência, ou porque ele

se valida de seu papel social na vida desta criança ou adolescente, utilizando o poder que lhe

28
é conferido, o que os autores destacam como característica de repetição que envolve este tipo

de violência (Pfeiffer & Salvagni, 2005).

Para esta tese, o abuso sexual é compreendido conforme assinala Faiman (2004),

como um fenômeno que se caracteriza por atos com fins sexuais (com ou sem contato físico)

praticado por alguém que se encontra em posição hierárquica favorável em relação a sua

vitimada, que refere maior desenvolvimento físico e/ou psicológico ou lugar social que

ocupa, configurando-se uma relação de poder baseada em dominação e submissão. Para o

abuso sexual do tipo intrafamiliar, compreende-se a partir de um agravante relativo ao grau

de parentesco, que pode se configurar, como afirma Forward e Buck (1989), uma atitude

sexual praticada por alguém que a pessoa vitimada considere parente, podendo ser definido

por consangüinidade ou por caráter afetivo.

De acordo com Faleiros (2000), o abuso sexual praticado contra crianças e

adolescentes continuamente se faz presente nas variadas classes sociais. Assinala que há uma

relação com o estágio de desenvolvimento social no que tange a aspectos relacionados a

temas que envolvem a sexualidade humana, questões de gênero e a determinação de papéis

destinados a família, a criança e o adolescente, o que reforça a importância de um estudo que

envolva a compreensão do contexto onde está inserido abordando questões históricas,

aspectos econômicos, eventos culturais e demandas éticas.

1.2 Caracterizando o abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil

A respeito características que circundam o abuso sexual infanto-juvenil Squizatto e

Pereira (2004) assinalam que na maioria dos abusos sexuais não são utilizados instrumentos

como armas ou outros objetos. O uso da violência psicológica como meio de intimidação

associado à maior força física do homem se configura como fator determinante para
29
neutralizar a resistência da vítima.

Segundo pesquisa realizada no estado de Rondônia por Lima (2008), os abusos

sexuais foram caracterizados pela presença de sedução e ameaça por parte do abusador.

Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (CRAMI) e Fundo das Nações

Unidas para a Infância (UNICEF) (2002) afirmam que o agressor geralmente inicia a

violência utilizando-se da sedução, no entanto, na medida em que a vitimada vai percebendo

e tenta oferecer resistência, ele lança mão de ameaças e agressões físicas. Para Azambuja

(2004) é freqüente que essa sedução se dê a partir de comportamentos que caracterizam

situações abusivas, na qual um adulto quer ganhar vantagem com a criança e com o

adolescente. Essa característica pode ser observada quando o abusador começa a presentear

as suas vitimadas. Furniss (1993) acrescenta que esta conquista a partir desta sedução

acontece de forma sutil, e vem seguida de um envolvimento que se aprofunda a ponto de

anular a capacidade de discernimento da vitimada, o que culmina com o seu aprisionamento

na trama emocional.

A ameaça presente nas situações de abuso sexual, segundo Renshaw (1984) faz

emergir uma relação entre a vitimada e o abusador assentada no segredo imposto pelo

vitimador, que é reforçado constantemente com ameaças de violência ou castigo. Não

obstante, podem-se presenciar situações de suborno. Segundo Pfeifer e Salvagni (2005), Lima

(2008) e Lima e Alberto (2010), as mães geralmente são o principal foco da ameaça do

abusador dos filhos (as), o que mobiliza as crianças e adolescentes abusados.

Sobre o perfil dos envolvidos em casos de abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil

autores versam acerca da parentalidade. Nessa discussão, Padilha e Gomide (2004) afirmam

que quando ocorre dentro da família, o perpetrador mais comum é pai ou o padrasto e as

investidas sexuais acontecem contra a filha ou a enteada. Essa parentalidade confere ao

abusador certo poder sobre a criança ou adolescente vitimado, e aliado a isso, de acordo com
30
CECRIA (2000), o abusador possui um desenvolvimento físico e psíquico maior, o que

acentua esse poder.

Quando o abusador é um amigo da família, conforme anuncia CECRIA (1998), este

exerce uma espécie de fascinação, tanto sobre sua vitimada como sobre seus familiares,

apresentando-se como uma pessoa agradável, simpática, generosa e atenta com todos, mas

muito especialmente com a vítima e seus pais, inclusive costumam favorecer

economicamente a família da vítima. Entre estes abusadores sexuais intrafamiliares, apontam

Forward e Buck (1989), inclui madrastas, padrastos, tutores, avós e até namorados ou

companheiros que morem junto com o pai ou a mãe, caso eles assumam a função de

cuidadores.

Pelo fato de os abusadores sexuais intrafamiliares fazerem parte do universo do

vitimado (a), dados estatísticos dos serviços de atendimento à violência sexual conferidos por

Squizatto e Pereira (2004) afirmam que mais de 90% dos crimes sexuais contra crianças e

adolescentes são cometidos por pessoas de sua relação familiar ou afetiva (pai, padrasto, tio,

primo, avô ou vizinho). E neste contexto abusivo, as meninas são mais vitimadas do que

meninos, e apenas 10% das ocorrências de crimes sexuais são denunciadas.

O fato é que o papel de cuidador dos abusadores sexuais que cometem o crime

intrafamiliarmente é um fator que os protege de uma descoberta já que dispõem da confiança

e do afeto que a criança (ou o adolescente) tem por ele para iniciar, de forma sutil, o abuso

sexual. A criança, na maioria dos casos, não identifica imediatamente que a interação é

abusiva e, por esta razão, não a revela a ninguém (Habigzang & Caminha, 2004). Na medida

em que o abuso se torna mais explícito e que a vítima percebe a violência, o abusador utiliza

recursos, tais como barganhas e ameaças para que a criança mantenha a situação em segredo,

o qual geralmente é mantido, na maioria dos casos, por pelo menos um ano (Furniss, 1993).

Esse segredo por longo período é comum em casos de abuso sexual intrafamiliar,
31
dado o próprio perfil do abusador tido pela família como alguém acima de qualquer suspeita

e que tem facilidade em estar sozinha com a criança. Alguém que exerce sobre ela uma

autoridade expressa em um poder baseado na assimetria que existe entre eles (CECRIA,

2000). Ou seja, casos que acontecem intrafamiliarmente favorecem longos períodos de

vitimação, pois, o abusador faz parte do cotidiano da vitimada e isso faz com que a

intimidação provocada pelo poder que o abusador exerce sobre a sua vitimada seja

reafirmado a cada encontro (Lima, 2008).

No entanto, embora a criança ou o adolescente não consiga perceber que aquela

investida sexual feita por uma pessoa de sua confiança e com quem ela tem afinidade se

configura abusiva, cabe aos pais e responsáveis saberem orientar as crianças e adolescentes a

reconhecer essa investida abusiva, sendo a informação uma poderosa ferramenta decisiva na

prevenção do abuso sexual. O Conselho da Europa criou uma campanha chamada “Un en

cada Cinco” que refere a estatística de incidência de abuso sexual na Europa, de cada cinco

crianças uma sofre abuso sexual intrafamiliar. Para esta campanha, desenvolveu um guia que

orienta pais, educadores e responsáveis por crianças e adolescentes a protegê-las mesmo

diante desta dificuldade em acessar a informação sobre o abuso que elas sofreram. Os

aspectos importantes de proteção elencados pelo Conselho da Europa foram tratados como

regras as quais denominou “La Rega de Kiko” em que construíram uma cartilha em que há

ilustrado um conto chamado “Kiko y la Mano” em que Kiko é uma criança, propositalmente

sem um sexo identificado, que interage com uma mão, também sem sexo definido. Nesta

interação, a mão faz várias investidas de tocar Kiko que ao perceber a intenção de toque em

suas partes íntimas grita com a mão e não permite que ela o faça. Assim construíram um guia

que conversa com essa cartilha que pontua as cinco regras consideradas importantes para essa

proteção, as quais o adulto deve fazer a criança ou adolescente conhecer: 1) o seu corpo é

seu; 2) as boas formas de tocar- as formas más de tocar; 3) bons segredos – maus segredos; 4)
32
a prevenção e a proteção são responsabilidades incumbidas aos adultos; 5) outros conselhos

úteis para “La Regla de Kiko”. Com esta estratégia o Conselho da Europa pretende diminuir

o índice de abuso sexual praticado contra crianças e adolescentes e até mesmo erradicá-lo

(Goicoechea & Biedma, 2011).

O agravante na situação de uma criança ou adolescente vitimada pelo abuso sexual é

que, no contexto de dominação em que estão submetidas, encontram-se duplamente

vitimados, pelo violentador e também por uma rede de silêncio, tolerância, conivência, medo,

impunidade, tanto de membros da família, como amigos, vizinhos, colegas de escola,

trabalho e lazer, professores, pessoal dos serviços de saúde e de segurança, que protegem o

violentador, que não raro mantém outras pessoas sob sua dominação (CECRIA, 1998). Nesse

cenário, a vítima é alguém que tem uma participação involuntária em uma relação

complementar em que tira ganhos e que muitas vezes é a relação mais importante e

significativa de toda a sua vida (Furniss, 1993). Esse vínculo se torna sexualizado e contém

ao mesmo tempo elementos positivo-gratificantes e elementos danosos para a criança. Suas

demandas afetivas são respondidas pelo abusador num contexto que desperta precocemente a

sua sexualidade, como por exemplo, ao buscar cuidado emocional, essa criança ou

adolescente recebe uma resposta sexual. Diante disso, e em meio a uma situação de acúmulo

de experiências abusivas, é comum que a vitimada vivencie conseqüências como sentir-se

confusa entre cuidado emocional e experiência sexual, o que pode resultar em um

comportamento sexualizado, quando na verdade o que ela quer ao buscar o adulto é cuidado

emocional. Mediante esta experiência confusa, a criança ou o adolescente que está em

situação abusiva pode desenvolver uma dificuldade em confiar nas pessoas, sejam elas

próximas ou não (Padilha & Gomide, 2004).

Quanto às conseqüências do abuso sexual geradas nos vitimados, Squizatto e Pereira

(2004) afirmam que pode acarretar diversos tipos de traumas físicos e principalmente
33
psicológicos, dependendo da estrutura psicológica destas. Acrescentam que se os vitimados

não receberem a atenção psicossocial necessária, culminarão como demanda dos serviços de

atenção a saúde mental. Habigzang e Caminha (2004) afirmam que as crianças e os

adolescentes vitimados podem desenvolver quadros de depressão, transtornos de ansiedade,

alimentares dissociativos, enurese, encoprese, hiperatividade e déficit de atenção e transtorno

do estresse pós-traumático. Habigzang e Koller (2006) afirmam que além de transtornos

psicopatológicos, crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual podem apresentar

alterações comportamentais (conduta hipersexualizada, abuso de substâncias, fugas do lar,

furtos, isolamento social, agressividade, mudanças nos padrões de sono e alimentação,

comportamentos autodestrutivos, tais como se machucar e tentativas de suicídio), cognitivas

(baixa concentração e atenção, dissociação, refúgio na fantasia, baixo rendimento escolar e

crenças distorcidas, tais como percepção de que é culpada pelo abuso, diferença em relação

aos pares, desconfiança e percepção de inferioridade e inadequação) e emocionais

(sentimentos de medo, vergonha, culpa, ansiedade, tristeza, raiva e irritabilidade).

A experiência de abuso sexual pode afetar o desenvolvimento cognitivo, afetivo e

social de crianças e adolescentes de diferentes formas e intensidade (Habigzang, Koller,

Azevedo & Machado, 2005). O impacto do abuso sexual está relacionado a três conjuntos de

fatores intrínsecos (vulnerabilidade e resiliência pessoal), extrínsecos (envolvendo a rede de

apoio social e afetiva da vítima) e os relacionados com a violência sexual em si (duração,

grau de parentesco/confiança entre vítima e agressor, reação dos cuidadores não-abusivos na

revelação e presença de outras formas de violência) (Habigzang & Koller, 2006). Alguns

estudos que afirmam que o abuso sexual afeta o comportamento social da criança ou

adolescente, a curto e longo prazo. A vítima tem dificuldade em confiar nos outros, e

apresenta poucos comportamentos pró-sociais, como compartilhar, ajudar, e associar-se

(Amazarray & Koller, 1998).


34
Nas famílias em que ocorre o abuso sexual intrafamiliar há um rompimento das

fronteiras intergeracionais na dinâmica familiar. Ocorre, por assim dizer, uma inversão de

papéis, em que a criança é colocada no lugar de parceiro pseudo-igual no relacionamento

sexual e os papéis familiares passam a ser vivenciados de forma confusa, descaracterizando a

família como o lugar de crescimento, confiança e de apoio (Furniss, 1993). Estas famílias

encontram dificuldades em estabelecer nítidas fronteiras intergeracionais, repetindo quase

automaticamente modelos que atravessam diversas gerações (Costa, Penso & Almeida,

2005).

A família abusiva encontra dificuldade que sentem em romper essa dinâmica

provocada pela presença de outras formas de violência intrafamiliar, tais como negligência,

abusos físicos e emocionais. De acordo com os autores citados, a violência gera um ambiente,

no qual predominam os sentimentos de medo e de desamparo. Estes contribuem para que o

abuso sexual seja mantido em segredo pela própria vítima e por outros membros da família

que, em alguns casos conhecem a situação, mas não a denunciam (De Antoni & Koller,

2000). Fatores externos à família também contribuem para que o abuso sexual não seja

interrompido. Estes fatores estão relacionados com a relutância de alguns profissionais da

saúde e da educação em reconhecer e denunciar o abuso, bem como a insistência dos

tribunais por regras estritas de comprovação do abuso para a proteção da vítima e para a

penalização do agressor. Alguns profissionais tendem a negar e a subestimar a severidade e a

extensão do abuso sexual, devido ao fato de que esse significa a violação de tabus sociais,

como o incesto (Furniss, 1993).

Nestas famílias que vivenciam o abuso sexual intrafamiliar surgem alterações nos

modos de vida das pessoas que participaram mais de perto da condição de abuso sexual, no

período que se segue à denúncia. Sendo assim, a configuração familiar modifica-se, porque

há saída ou entrada de pessoas na casa, em uma tentativa de proteger as crianças, ou então


35
estas são deslocadas para morar com outros parentes que estão em situação de poder,

passando assim a se responsabilizar por sua proteção (Habigzang et al., 2005).

Segundo pesquisa realizada e publicada por Habigzang et al. (2005), a mãe é de fato

quem mais denuncia a vitimação do(a) filho (a), aparecendo com índice de aproximadamente

38% doa casos investigados pelos autores. Portanto, tornam-se ainda figuras importantes para

a comprovação ou não da violência, auxiliando os autores competentes a esclarecer o

ocorrido.

Esta responsabilidade materna está relacionada ao fato de ela ser a primeira pessoa a

quem a criança ou o adolescente pedem ajuda. Por seu caráter protetor, seja em favor do(a)

filho(a) ou em prol da família, sob qualquer circunstancia. No entanto, dependendo da

atitude materna, esta também foi indicada como uma das importantes figuras que negam a

violência, sendo superada apenas pelo agressor (Habigzang et al., 2005).

De acordo com teóricos, como Furniss (1993), Faleiros (2000), Azevedo e Guerra

(1993), o valor e a responsabilidade da figura materna crescem principalmente no que se

refere ao desdobramento do caso de abuso sexual intrafamiliar do (a) filho (a). Significa que a

mãe é quem mais influencia na possível decisão da criança de revelar ou não a violência, e de

que forma fazê-lo. É dela também que parte a iniciativa de toda a família no trato com a

situação.

Outro aspecto apontado pela literatura que envolve vivência da família diante do

abuso sexual intrafamiliar é o seu aspecto socioeconômico. A relação direta entre a violência

contra a criança e a mulher e as condições de carências múltiplas que o contexto de pobreza

estrutural oferece, mostrando que este contexto propicia a dinâmica do abuso sexual

intrafamiliar, por sua luta pela sobrevivência, pela mudança de papéis, pelas rupturas

familiares e pela migração (Saffioti, 1997). A condição financeira destas famílias se altera

substancialmente, principalmente se o provedor é o abusador e ele é recolhido ao sistema


36
prisional. Nestes casos, as famílias encontram-se em situações de extrema vulnerabilidade,

pois a mãe necessita sair de casa para garantir a renda familiar e, se ela consegue, as crianças

passam a ficar sós em casa (Habigzang et al., 2005). As famílias que estão em situação de

risco podem estar vivenciando um processo cumulativo de fragilização social que envolve

propensão a promiscuidade, a falta de alojamento, as frustrações da miséria e do desemprego,

o analfabetismo, o alcoolismo, a falta de cultura do diálogo com os filhos (Faleiros, 2000).

Entretanto, existem estudos que revelam que este tipo de violência sexual tem maior

incidência em famílias mais pobres. Ressalta, no entanto, que a pobreza não produz,

necessariamente, a situação de abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil. Por outro lado, “...a

miséria afetiva, decorrente da miséria econômica, afeta a capacidade das famílias para

lidarem com as situações adversas. A exclusão gerada pela pobreza fragiliza os laços sociais e

dificulta o acesso a recursos de suporte social...” (Narvaz, 2005, p. 49).

Quanto às características do local onde costuma ocorrer os abusos sexuais

intrafamiliares os dados encontrados levam a pensar que as vítimas se encontravam no

exercício de suas atividades habituais. A maioria dos abusos sexuais contra crianças e

adolescentes ocorre dentro das casas da vítima e configuram-se como abusos sexuais

intrafamiliares, sendo que o pai biológico e o padrasto aparecem como principais

perpetradores (Habigzang et al., 2005). Nesse sentido, a maioria dos vitimados encontravam-

se em suas residências, seguido de incidências na casa do agressor (Squizatto & Pereira,

2004). Ou seja, há uma predominância efetiva da incidência de violência sexual contra

crianças e adolescentes no espaço privado, destacando-se a residência da vítima ou do

agressor (Azambuja, 2004).

37
1.3 Incidência do abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar

A respeito da incidência do abuso sexual, no caso do Brasil, há subnotificação, pois

não há um sistema efetivo, em funcionamento que congregue todos os dados a nível nacional.

Embora o Brasil tenha criado o Sistema de Informação para a Infância e Adolescência

(SIPIA) este não se encontra em funcionamento, os dados que se encontram disponíveis

advém do Disque-Denúncia Nacional.

Dados do serviço do Disque-Denúncia Nacional mostram que, desde o início do

serviço em maio de 2003 até julho de 2010, realizou um total de 2.484.755 atendimentos e

recebeu e encaminhou 130.872 denúncias de violência contra crianças e adolescentes de todo

o país. As denúncias foram registradas no território brasileiro e referiam-se a casos de tráfico

para fins de exploração sexual, pornografia, exploração sexual e abuso sexual envolvendo

crianças e adolescentes. Nos dados do serviço de denúncia referido, as meninas vitimadas

estão em evidência frente ao número de denúncias indicativas de violência sexual incididas

sobre meninos. Nos casos denunciados como abuso sexual especificamente, o qual recebe

destaque nesta tese, a vitimação de meninas aparece em cerca de 78% dos registros efetuados,

sendo somente superado em porcentagens pelos registros de casos de exploração sexual

feminina (80%). No entanto, mesmo diante dos dados expressos, o que se sabe é que não se

pode precisar o número de incidência de violência sexual infanto-juvenil no Brasil, uma vez

que a maioria dos casos é subnotificada ou não é denunciada (Secretaria de Direitos Humanos

da Presidência da República [SDH], 2010).

Num plano comparativo com outros países de grande expressão, nos Estados Unidos

pelo menos uma em cada dez crianças é molestada por um membro da família em que confia

(Forward & Buck, 1989). Na Europa, os dados aparentam serem mais alarmantes, no que

segundo o Consejo da Europa, uma em cada cinco crianças é abusada sexualmente


38
(Goicoechea & Biedma, 2011).

Em pesquisa realizada em Cuiabá (MT) a partir da análise dos registros feitos pela

coordenadoria geral de medicina legal que a incidência de abuso sexual praticado contra

crianças e adolescentes atingem um número de 71,7% dos casos, sendo que na faixa de 13

anos há uma concentração de 10,4% dentro desse total. Nesses casos, as crianças vitimadas

tinham como abusadores o pai biológico (14,1%) seguido pelo padrasto (12,5%). Nos casos

em que os vitimados estavam na fase da adolescência foi identificado como maior agressor o

padrasto e o namorado com 11,9% dos casos (Squizatto & Pereira, 2004). Cohen e Matsuda

(1990), citado em Cohen (1993) apontam que em 41,60% dos casos pesquisados a partir do

de atendimentos realizados no Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo, as vitimadas

tinham como agressor o pai biológico, enquanto 20,59%, o padrasto, ou outros membros da

família. Ou seja, a maior parte das denúncias de violência sexual praticada contra crianças e

adolescentes realizadas refere-se ao tipo intrafamiliar, e destas, 49,64% das vítimas de abuso

sexual afirmaram conhecer seu agressor, 22,55% disseram que foram vítimas de agressão

sexual por parte de parentes, sendo que 18,75% residiam na mesma casa do agressor.

Portanto, para os autores citados, pai e padrasto foram responsáveis pela maior parte de

abusos sexuais o que torna o crime mais grave dado a dimensão relacional entre os

envolvidos.

A predominância de pais biológicos como agressores também é evidenciada por

Saffioti (1997), ao assinalar em sua pesquisa realizada no Município de São Paulo sobre

abuso intrafamiliar infanto-juvenil que 71,5% dos agressores envolvidos eram pais biológicos

e 11,1%, padrastos. Em pesquisa realizada com crianças e adolescentes usuárias do Programa

de Enfrentamento ao Abuso e Exploração de Crianças e Adolescentes do Paraná afirma que

em seus achados houve prevalência do abuso cometido pelo próprio pai da criança ou do

adolescente destacando-se em 70% dos casos atendidos. Conclui que os maiores agressores
39
são pessoas conhecidas e que muitas vezes possuem laços afetivos e que, portanto,

aparentemente não representam ameaça (Avancini, 2004).

O que se pode notar é que no Brasil, seja em que estado for, o abuso sexual

intrafamiliar é a forma de abuso de maior incidência entre as vitimadas. A isso se prende o

fato de o abusador ter mais acesso a sua vitimada dada a sua convivência freqüente. Aliado a

isso, ainda existe o fato de o abusador representar para a vitimada uma figura de afinidade, de

responsabilidade ou até de consangüinidade, o que revela maior gravidade a situação e então

conseqüências.

1.4 Políticas públicas de enfrentamento ao abuso sexual infanto-juvenil e rede de

proteção

Falar do enfrentamento ao abuso sexual infanto-juvenil no Brasil refere uma análise

na agenda política de ações brasileiras contra a violência sexual e direitos das crianças. Estes

direitos só foram reconhecidos com a Constituição Federal de 1988, em que estabelecia

plenas garantias do Estado de Direito, definindo a proteção à família e constituindo que as

crianças e adolescentes enquanto sujeitos de direito (artigos 226 e 227). Estes direitos vêm a

ser detalhados com o Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA (Lei 8.069 de 13 de julho

de 1990) que estabelece todo um sistema de garantia destes e da proteção integral da criança

e do adolescente (Centro de Referencia, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes,

[CECRIA], 1997).

Foi também nestes anos 90 que o enfrentamento da violência sexual assumiu

relevância política, quando começou a ser considerado uma questão pública e enfrentada

como problema de cunho social. Então há a expressividade política da mobilização social

assim que a violência sexual contra crianças e adolescentes é incluída na agenda da sociedade
40
civil como questão relacionada à luta de ordem nacional e internacional em prol dos direitos

humanos já estabelecidos na Constituição Federal de 1988, ECA e Convenção Internacional

dos Direitos das Crianças de 1989 (SDH/PR & ME, 2004).

Entretanto, o marcos histórico mostra que estes diretos reconhecidos das crianças e

adolescentes sofreram com a passagem do tempo modificações. Diversas ações (e gradativas)

foram sendo efetivadas para que chegasse ao ECA, o que provocava quebras de paradigmas

vigentes. Neste sentido, a data de 1924, discussões expressivas relativas aos direitos de

crianças e adolescentes foram efetivadas. Neste período, tendo como palco Genebra, foi

anunciada a necessidade de proteção aos direitos e liberdade, e, a partir disso, a Assembléia

Geral das Nações Unidas proclamou a Declaração de Genebra sobre Direitos da Criança.

Nela, há o reconhecimento da necessidade de proteção da criança devido à sua imaturidade

física e mental.

Três anos mais tarde, em 12 de outubro de 1927, foi estabelecido pelo Decreto nº

17.943 – A, através do qual há o surgimento do primeiro código referente à proteção da

criança, intitulado Código de Menores, no qual estavam dispostas e consolidadas leis de

assistência e proteção de menores, as quais foram sendo construídas desde a República.

Nesse código, as crianças eram caracterizadas como delinqüentes ou abandonadas, o que

retratava a forma com que eram vistas pelos políticos da época, ou seja, seres sem família,

portanto coitados e perigosos. Uma ameaça à ordem pública. Desta forma, cabia ao Estado o

papel de manter a ordem e a higiene, sobrepondo-se muitas vezes até mesmo à família dessas

crianças (Silva & Motti, 2001).

Em 1940, através do Código Penal Brasileiro que foi instituído sob o Decreto-Lei nº

2.848, é concebida a pena específica para casos de violência contra a criança e o adolescente.

Este documento considera esta porção populacional como especial diante de toda a sua

condição de indefesa (Secretaria Especial dos Direitos Humanos, & Ministério da Educação,
41
2004).

Outro marco importante nesta trajetória é a Declaração dos Direitos da Criança,

enunciada pela ONU em 20 de novembro de 1959. Neste documento é instituído que sejam

dadas oportunidades e facilidades que permitam o desenvolvimento da criança de modo sadio

e normal, e em condições de liberdade e dignidade, ratificada mais tarde, em 1989, pelos

países signatários (Morales & Schramm, 2002).

Em 1979 há a criação de um novo Código de Menores, sob a Lei nº 6.697, o qual

constituiu-se em uma revisão do Código de Menores de 1927. Através deste código há a

introdução do conceito de menor em situação irregular, que agrupava meninos e meninas que

faziam parte de uma infância em perigo ou de uma infância considerada perigosa e os situava

enquanto objeto potencial da administração da Justiça de Menores: “... as crianças eram

vistas, de certa forma, como fora do sistema, enquanto marginais ou inimigos do sistema,

enquanto infratores...” (p. 25) (Silva & Motti, 2001). Ressalta-se que foi em 1979, após 20

anos da Declaração de 1959, que a ONU considerou este ano como o ano internacional da

criança (Araújo, 2006).

No período de passagem dos anos 70 para os anos 80, nasce o Movimento de Defesa

dos Direitos da Criança no Brasil (MDCA). Foi um importante marco na história do país,

fruto de indignações contra os altos índices de violência praticada contra as crianças e

adolescentes, antes referidas como “menores”, principalmente os meninos de rua (Libório &

Sousa, 2004).

Com a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, a igualdade e a justiça

para todos os cidadãos brasileiros é instituída. Nela é incorporado, no Artigo nº 227, a

Doutrina Jurídica da Proteção Integral à Infância e que vinha sendo debatida no seio das

Nações Unidas. Pela primeira vez na história do País, a criança é tratada como prioridade

absoluta (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito [CPMI], 2003). E em 1989, na


42
Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, adotada em Assembléia Geral

das Nações Unidas, acontece do reconhecimento de que a criança deve crescer no seio da

família, em um ambiente saudável e referencial para o desenvolvimento de sua personalidade

(Morales & Schramm, 2002).

O período marcado entre os anos 1980 até 1990 é caracterizado pelo começo da

articulação nacional entre as diferentes entidades que desenvolviam suas atividades e

movimentos principalmente relativos a meninos e meninas de rua de forma independente, em

cada cidade, em cada estado que pertencia. Além disso, a criação de entidades que atuam

contra os maus-tratos na infância como CRAMI, Associação Brasileira Multiprofisisonal de

Proteção à Infância e Adolescência (ABRAPIA) e o Centro Brasileiro da Criança e do

Adolescente (Casa de Passagem) os quais concentraram a sua contribuição em proporcionar

visibilidade na violência sexual domestica contra crianças e adolescentes (SDH/PR & ME,

2004). E em 13 de julho de 1990, determinado pela Lei n 8.069, surge o ECA,

regulamentando o Artigo 227 da Constituição de 1988, o qual estabelece os direitos

fundamentais das crianças e dos adolescentes:

...o Estatuto harmoniza-se com a Convenção sobre os Direitos da Criança e do

Adolescente, aprovada pela Assembléia Geral das Nações Unidas de 20 de novembro de

1989. Esta Convenção foi também aprovada pelo Congresso Nacional através do Decreto

Legislativo n. 28, de 14 de setembro de 1990, promulgada pelo Presidente da República

através do decreto 99.710, de 21 de novembro de 1990 (Silva & Motti, 2001, p. 27).

Com o ECA, as crianças e os adolescentes já não são mais considerados menores e

incapazes, mas sim sujeitos de direitos e protagonistas. Através deste Estatuto, é definido o

que é criança, a pessoa entre zero e 12 anos de idade, e adolescente aquele que tem entre 12 e

18 anos. Há, portanto, a ruptura com os Códigos de Menores de 1927 e 1979. O surgimento

do ECA protege a criança e o adolescente de uma possível intervenção arbitrária do Estado


43
em suas vidas (Silva & Motti, 2001).

Em 1993, há a realização da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Prostituição

Infanto-Juvenil realiza sessão através da qual proporciona maior visibilidade ao fenômeno da

violência sexual contra crianças e adolescentes no país, que passou a ser chamado de

exploração sexual comercial infanto-juvenil, baseado nos preceitos do ECA (Libório, 2005).

Neste mesmo ano, a Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), através da lei 8.742, dispõe

sobre a organização da Assistência Social em direitos do cidadão e deveres do Estado, com o

interesse em atender a garantia dos direitos básicos. Apresenta, já em seu artigo 2º, a proteção

à criança e ao adolescente. Com a LOAS, a assistência social passou a ser política pública e

direito do cidadão. A família recebeu especial ênfase na proteção de seus direitos aos serviços

públicos oferecidos, assim como a mulher foi considerada em seu papel materno, atendida em

seus direitos enquanto tal (CECRIA, 2000).

Outro marco foi o Congresso de Estocolmo que ocorreu em 1996. Foi considerada a

primeira tentativa internacional concentrada de se dedicar aos problemas enfrentados por

crianças e adolescentes explorados sexualmente. Foi caracterizado como o marco para a

inserção desta forma de exploração nas agendas políticas nacionais e internacionais. No

entanto, uma das limitações sérias desse evento mundial foi a falta de representação dos

jovens sexualmente explorados para a discussão das ementas (CECRIA, 1997).

A questão da violência sexual praticada contra crianças e adolescentes teve uma

atenção da sociedade internacional devido aos diversos movimentos iniciados. A Organização

Internacional do Trabalho (OIT), por exemplo, aprovou, em 1999, a Convenção 182 sobre as

piores formas de trabalho infantil, incluindo a exploração sexual entre estas. “...Desde então,

a OIT colocou-se como um novo parceiro nessa luta, implementando importantes programas

de enfrentamento nos mais diversos locais, em todo o mundo...” (CPMI, 2003, p.32).

Em julho de 2000, foi elaborado no país o Plano Nacional de Enfrentamento da


44
Violência Sexual Infantil-Juvenil, homologado pelo Conselho Nacional dos Direitos da

Criança e do Adolescente (CONANDA), apontando para a criação, fortalecimento e

implementação de um conjunto articulado de ações e metas fundamentais para assegurar a

proteção integral da criança e do adolescente em situação ou risco de violência sexual. Em

2001, através da Resolução Nº75, o CONANDA dispõe sobre os parâmetros para a criação e

funcionamento de Conselhos Tutelares (Alberto, Almeida, Dória, Guedes, Sousa, & França,

2008; CECRIA, 2000).

Nesse mesmo ano de 2001, na tentativa de atender às diretrizes do Plano Nacional de

Enfrentamento a Violência Sexual Infanto-Juvenil o Governo Federal aprova através do

CONANDA, a implantação do Programa Sentinela no âmbito da Política de Assistência

Social. Trata-se de um Projeto do Governo Federal, cuja finalidade é prestar assistência

especializada através de permanente apoio psicossocial às crianças e adolescentes vitimados e

vitimizados pela violência sexual, bem como às famílias envolvidas (Avancini, 2004). Neste

mesmo ano aconteceu o 2º Congresso Mundial contra Exploração Sexual Comercial de

Crianças, na cidade de Yokohama. A proposta deste congresso foi ampliar o compromisso

político entre os países (incluindo o Brasil) para a implantação da Agenda para a Ação em

prol da defesa de crianças e adolescentes vitimados pela violência sexual (Alberto et al.,

2008).

Em 2002, foi constituído o Comitê Nacional de Enfrentamento ao Abuso e Exploração

Sexual, cujo objetivo é de monitorar os programas e políticas públicas que envolvem a

violência sexual. Este Comitê teve como base os estudos resultantes da Pesquisa sobre

Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no

Brasil (PESTRAF), e possibilitou a organização de dimensões estratégicas necessária para a

efetivação do Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infanto-juvenil (Alberto

et al., 2008).
45
A partir do Plano Nacional, a Secretaria Especial de Direitos Humanos, cria, em 2002,

o Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes,

cujo objetivo é mobilizar a rede de proteção em prol da construção e integração de ações do

governo, organizações, universidade e sociedade civil na garantia de direito em medidas de

intervenções locais referentes ao enfrentamento da violência sexual. Este Programa atua em

parceria do Serviço Disque Denúncia Nacional – Disque 100, o qual recebe, encaminha e

monitora denúncias de violência contra crianças e adolescentes (CPMI, 2003).

No ano de 2003, foi instalada a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI)

com a finalidade de investigar as situações de violência e redes de exploração sexual de

crianças e adolescentes no Brasil. Após inúmeras discussões políticas e com base nos relatos

fidedignos de quem foi vitimado desse sistema de violência, o seu Relatório Final foi

apresentado em julho do ano seguinte (CPMI, 2003).

No ano de 2004 há a aprovação de uma nova Política Nacional de Assistência Social

(PNAS), concedida pelo Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), que por sua vez,

prevê a construção e implantação do Sistema Único da Assistência Social (SUAS). A PNAS

cuida da consolidação dos princípios e diretrizes da assistência social, e o SUAS propõe um

modelo de gestão descentralizado e participativo, apontando para a universalização do

sistema, organizado a partir da análise do nível de proteção social, se básica ou especial, e

pelo nível de complexidade, se média ou alta. A partir da PNAS, em 2005 são compostas

bases para o novo modelo de gestão do SUAS, que aconteceu na mesma época que a criação

da Norma Operacional Básica do SUAS (NOB/SUAS). Encontra-se na NOB os detalhes

referentes ao sistema de atenção hierarquizado, ou seja, dos níveis de proteção e

complexidade (Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome [MDS], 2008).

Neste sentido, a Proteção Social Básica tem como objetivo prevenir situações de risco,

e destina-se à uma população que vive em situação de vulnerabilidade social decorrente da


46
pobreza e privações. Ela prevê o desenvolvimento de serviços, programas e projetos locais de

acolhimento, convivência e socialização de famílias e de indivíduos, de acordo com a análise

da situação de vulnerabilidade. Dentre os programas destaca-se o Programa de Atenção

Integral à Família (PAIF) que surtiu efeitos significativos na sociedade brasileira. E

atualmente, a proteção social básica está sendo efetivada a partir de serviços como o Centro

de Referência da Assistência Social (CRAS), Benefício de Prestação Continuada (BPC),

Centros Sociais Urbanos (CSUs), e o Programa Bolsa Família (Ministério do

Desenvolvimento Social e Combate a Fome [MDS], 2008).

Já o serviço da Proteção Social Especial refere a proteção de famílias e indivíduos que

encontram-se além de situação de risco pessoal e social, também envolve aqueles que estão

em situação de exclusão social. É composto por serviços de média e alta complexidade, e

atua na família e nos indivíduos de forma a recuperar os vínculos sociais, buscando

desenvolver a independência individual e social (Ministério do Desenvolvimento Social e

Combate a Fome [MDS], 2008).

Nesta tese o serviço Proteção Social Especial de média complexidade recebe destaque

na figura do Centro Especializado de Assistência Social (CREAS). É um serviço que oferece

atenções especializadas de apoio, orientação e acompanhamento a indivíduos e famílias com

idosos e/ou mulheres em situação de ameaça ou violação de direitos. Portanto, o CREAS se

articula com o Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Conselhos Tutelares

e outras Organizações de Defesa de Direitos (Ministério do Desenvolvimento Social e

Combate a Fome [MDS], 2008).

O que se nota é que o Brasil desenvolveu ao longo dos anos uma conscientização

social em torno do tema de proteção à infância e à adolescência. Embora seja uma

consciência iniciada há décadas, sob o impacto de elevados índices de violência contra a

criança registrados na história, atualmente a legislação do país preocupa-se com essa


47
população no referente à garantia de seus direitos e à implementação de políticas públicas que

respeitem a sua peculiaridade (Gabel, 1991).

Sendo assim, a rede de proteção de direitos das crianças e adolescentes envolve os

órgãos que trabalham diretamente com a asseguração, ou seja, com a manutenção dos direitos

dessas crianças e adolescentes: Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao

Adolescente (DEPCA), Conselhos Tutelares da Criança e Adolescente (CTCA), bem como os

Hospitais e Institutos Médicos Legais (IML) que também compõem essa rede, mas em suas

ramificações, portanto, em maior distância.

Os serviços existentes para o atendimento da violência sexual devem incluir o

acompanhamento psicossocial e psiquiátrico sistemático a esta família, sob pena de esses

indivíduos não encontrarem em si estrutura necessária para lidar com essa situação. A questão

da violência sexual está diretamente ligada à forma como o indivíduo irá lidar com tal

situação, dependendo de sua estrutura psicológica e da qualidade do acolhimento

especializado (Squizatto & Pereira, 2004).

Habigzang et al. (2005), ao analisarem a rede de atendimento, apontam vários fatores

de ordem social, institucional e legal que tendem a banalizar, negligenciar, confundir e

postergar as aplicações de medidas de proteção às vítimas. Todos esses aspectos participam

da revitimação e acréscimo dos danos causados pela violência em si. A rede de atenção às

crianças mostra-se descontínua, fragmentada, interrompida, sem vinculação entre suas partes.

Com isso, deixa de dar maior visibilidade ao fenômeno e também de oferecer intervenções

que minimizem as condições traumáticas que crianças e famílias vão configurando no

período que estão sem atendimento. Costa, Penso, Rufini, Mendes e Barbosa (2007) afirmam

que quando as mães sabem que vão poder conversar com profissionais da Psicologia e do

Serviço Social, sentem-se acolhidas e se permitem pedir ajuda para si e para sua família,

admitindo que estão precisando de apoio há muito tempo. CECRIA (1997) acrescenta que “as
48
políticas de atendimento às vítimas de exploração sexual precisam estar acompanhadas de

políticas de combate à impunidade e recuperação social dos agressores, junto com as

mudanças econômicas sociais e culturais” (p. 56). Para isso, CECRIA (2000) assinala que

urge que haja uma estrutura organizada de atendimento dirigido a esta população. Isso refere

dizer que todas as áreas têm que estar envolvidas: de saúde, de educação, social, jurídica,

política etc.

Os serviços existentes para o atendimento da violência sexual, segundo Squizatto e

Pereira (2004), devem incluir o acompanhamento psicossocial e psiquiátrico sistemático a

esta família, sob pena de esses indivíduos não encontrarem em si estrutura necessária para

lidar com essa situação. Diante disso, CECRIA (2000) afirma que todos os adultos tornam-se

envolvidos, por terem mais consciência de sua condição, de maturidade, e por serem

responsáveis por crianças e adolescentes. Sendo assim, quem pode perceber situações de

vitimação de crianças e adolescentes são as pessoas que estão mais próximas delas. E é

importante que tal ação esteja presente não somente na família, mas também em escolas

(professores, diretores dentre outros), na saúde (médicos, equipe de Programa de Saúde da

Família – PSF, entre outros) etc. Lima (2008) corroborando com os achados anteriores e

assinala que não somente os agressores e os vitimados devem receber uma atenção e

acolhimento adequado, mas as mães também, dado o caráter fundamental de seu desempenho

diante das ações subseqüentes ao abuso.

49
CAPÍTULO 2

UMA VISÃO HISTÓRICA DAS CATEGORIAS GÊNERO, VIOLÊNCIA E

FAMÍLIA; INFÂNCIA, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE; E CONSCIÊNCIA,

SUBJETIVIDADE E REPETIÇÃO

“...Eu falei assim: ‘Ó filha, tu vai sobreviver.


Eu sobrevivi. Agora tu vai viver com isso pro
resto da tua vida. Levanta a cabeça.’ Eu disse
à ela. Aí, ela disse: ‘A senhora
sobreviveu?’...” (P7).

Neste capítulo serão apresentadas as categorias teóricas através das quais se explica

esta tese. Para isso, utiliza-se de perspectivas teóricas distintas para entender o objeto

enfocado, ou seja, serve-se da triangulação teórica para entender a repetição do abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil feminino entre gerações. Na triangulação teórica, as diferentes

teorias são utilizadas na interpretação de um conjunto de dados de um estudo, verificando-se

a sua utilidade e capacidade para tal. Trata-se da conciliação de perspectivas diferentes para

guiar a conceitualização do estudo e a interpretação dos dados (Denzin, 1989).

Assim, a categoria teórica gênero é abordada a partir da Sociologia das relações de

gênero na perspectiva de Saffioti, relações estas que atravessadas pelo poder, que por sua vez

pode se expressar sob forma de violência. A família através do prisma da Teoria Crítica, a

infância, adolescência, juventude, subjetividade, consciência e repetição a partir da

perspectiva da Psicologia Histórico-Cultural de Vygotsky.

Além de serem tratadas do ponto de vista histórico, as categorias gênero, violência e

50
família ainda conversam entre si nesta tese. Ao considerar-se que o objeto de estudo abuso

sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino enfocado, entende-se o abuso sexual enquanto

categoria de violência que incide dentro da família (intrafamiliar) tendo como vitimada o

feminino, explicado a partir da categoria gênero.

Em seguida, serão apresentadas as categorias entendidas a partir da Psicologia

Histórico-Cultural de Vygotsky. Deste modo, mais uma vez o objeto de estudo vem se fazer

perceber entre as categorias de infância, adolescência e juventude, que sustentam o

entendimento do abuso sexual infanto-juvenil, e para entender a repetição entre gerações

deste abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino serve-se das categorias

subjetividade e consciência como ferramentas para compreender estes sujeitos e esta

experiência que envolve não somente a vitimada como toda a sua família, mas

principalmente a mãe, quem se toma, nesta tese como referência para dialogar entre gerações.

2.1 Por dentro das categorias históricas: Gênero, Violência e Família

Para efeito desta tese, o gênero, a violência e a família são categorias que se

entremeiam quando se busca compreender a repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-

juvenil entre gerações. A categoria gênero surge como importante classe teórica na medida

em que verifica-se nos registros a prevalência da incidência do abuso sexual infanto-juvenil

vitimando meninas e os abusadores sendo homens (Amazarrey & Koller, 1998; Antoni &

Koller, 2000; Araújo, 2002; Avancini, 2004; Furniss, 1993; Gabel, 1991; Habigzang &

Caminha, 2004; Habigzang, Koller, Azevedo & Machado, 2005; Libório, 2005; Libório &

Souza, 2004; Mees, 2001; Narvaz, 2005; Pfeiffer & Salvagni, 2005; Renshaw, 1984). Em

sendo as Participantes desta tese mulheres que são mães de meninas abusadas sexualmente e

que também foram vitimadas por abuso sexual intrafamiliar na infância, a categoria família
51
aparece como cenário em que este tipo de vitimação acontece. Assim, o modo como a família

se desenvolveu e como acomoda os membros e os laços nela estabelecidos se torna

importante na compreensão desta dimensão de gênero e violência interna.

Nesse sentido, a categoria gênero será compreendida a partir da teoria de patriarcado

enquanto um sistema de relações sociais que infere a subordinação da mulher ao homem

tratada por Saffioti (1987, 1997, 1999, 2001a, 2001b, 2004) vem associada à caracteres do

adultocentrismo, que refere a dominação exercida não somente pelo sujeito homem, mas por

um homem adulto sobre a criança ou adolescente. Trata-se de uma definição que envolve

situação de violência entre os gêneros e também relações estabelecidas com base no poder,

compreendido pela autora à partir do entendimento foucaultiano de que há uma hierarquia,

uma relação assimétrica que institui a autoridade do dominador e a obediência do dominado.

Nesse sentido, verifica-se que essa assimetria que gera o entendimento de violência, na

medida em que viola os direitos de alguém, decorre de uma relação de poder que é

historicamente construída. E se torna violência de gênero na medida em que a violência é

cometida contra uma mulher por razões de seu sexo. E em se tratando do abuso sexual que

incide dentro do contexto familiar, o entendimento da família e sua dinâmica enquanto lugar

de reprodução ideológica e socialização, se faz importante para compreender e explicar a

repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino entre gerações como uma

dimensão cultural.

2.1.1 Gênero

A categoria gênero refere uma questão da diferença sexual que vem sendo utilizado

desde a década de 70. É uma categoria que prioriza o caráter relacional entre as mulheres e os

homens, sendo, portanto utilizado para determinar uma organização social da relação entre
52
ambos os sexos, o que impossibilita que sejam tratados separadamente para a compreensão.

Sendo assim, para tratar de gênero faz-se necessário uma análise que contemple

simultaneamente aspectos femininos e masculinos (Scott, 1994).

O termo gênero inicialmente foi empregado por feministas para acentuar o caráter

social das distinções baseadas no sexo. Um avanço, já que antes as mulheres eram tratadas

separadamente, locadas num lugar marginal em relação a assuntos que envolviam o

masculino dominante e universal. As feministas americanas foram as precursoras do emprego

do termo gênero enquanto categoria relacional entre os sexos. Elas rechaçavam o

determinismo biológico que a palavra sexo imprimia (Scott, 1994).

Sendo assim, o emprego da categoria gênero como ponto de partida o movimento

feminista gerador de mudanças comportamentais, políticas e ideológicas na compreensão do

feminino. Foi um movimento que se conduziu juntamente com as transgressões do

movimento feminista do período do século XIX, momento em que, a autora assinala, o

interesse do feminismo era a busca de um uso do conceito ou categoria gênero transformada,

para reverberar mudanças nos paradigmas da história a partir dos marcos que se seguem

(Strey, 1998):

...revolução norte-americana, quando John Stuart Mill reivindica para as mulheres as

promessas da Declaração de Independência; na Revolução Francesa, com a Declaração

dos Direitos da Mulher e da Cidadã redigida por Olímpia de Gouges em 1791 (inspirada

na Declaração dos Direitos do Homem) e “A Reivindicação dos Direitos da Mulher” de

Mary Wollstonecraft de 1792, um dos seus documentos fundacionais, que, sem outorgar

direitos às mulheres, proporcionaram as bases conceituais e teóricas que permitiram a luta

pela igualdade de direitos políticos e educativos. Abriu-se um espaço público às mulheres

no qual puderam manifestar-se, ainda que o discurso e as práticas feministas se

mantivessem calados durante um longo tempo (p. 181).


53
O que o feminismo pretendia era alcançar uma explicação para a origem da opressão

feminina, ao mesmo tempo que fundamentava uma identidade universal de ser mulher.

Ansiava por uma compreensão enquanto categoria ou conceito que pudesse modificar os

paradigmas vigentes na história. Sendo assim, a finalidade tomou foco de mudança social que

engloba pensamentos, práticas e comportamentos transformados. Buscava a ressignificação

de concepções e reivindicava mudanças efetivas acerca dos espaços da mulher no contexto

existente (Strey, 1998).

O movimento feminista teve três fases com características que as marcaram de forma

distintas. A primeira geração do movimento feminista nasce com a Revolução Francesa e

estende-se até o fim da Primeira Guerra Mundial, no século XVIII. Foi marcada pelo

surgimento do feminismo principalmente na França, Espanha, Inglaterra e Estados Unidos,

em que as mulheres lutavam pela igualdade de direitos civis, políticos e educativos, direitos

que eram reservados apenas aos homens. Em busca do reconhecimento de seus direitos o

movimento denunciou a opressão feita às mulheres por obra do patriarcado. Já a segunda

onda do movimento feminista (décadas de 1960 e 1970) foi estruturada principalmente nos

Estados Unidos, em que as americanas enfocavam a denuncia à opressão masculina e

objetivavam a igualdade, e na França, onde as francesas apontavam a obrigação de que

fossem reconhecidas as diferenças entre homens e mulheres, enfocando, principalmente, à

especificidade da experiência feminina, o que comumente não ocorria. A terceira fase ocorre

em 1980 quando as feministas francesas influenciadas por cientistas da época, como

Foucault, objetivam uma análise das diferenças, da alteridade, da diversidade e da produção

discursiva da subjetividade, quando reconfigura-se os estudos acerca de homens e mulheres

antes orientados a partir dos sexos para um estudo baseado nas relações de gêneros (Scott,

1986).

Para Scott (1996), a categoria gênero se fundamenta na relação entre duas proposições
54
que se encontram inter-relacionadas, mas, mesmo assim, se diferenciam analiticamente:

…el género es un elemento constitutivo de las relaciones sociales basadas en las

diferencias que distinguen los sexos y el género es una forma primaria de relaciones

significantes de poder. Los cambios en la organización de las relaciones sociales

corresponden siempre a cambios en las representaciones del poder, pero la dirección del

cambio no es necesariamente en un solo sentido (p. 23).

Neste sentido, o gênero está diretamente relacionado com o exercício de poder nas

relações entre os dois sexos. Em sendo assim, o gênero é uma classe tratada nesta pesquisa

como uma categoria analítica e histórica. Enquanto categoria analítica o estudo do gênero tem

sido amplamente abordado a partir de uma apreciação sexista, ou seja, que envolve o estudo

do masculino e do feminino e suas características particulares e relacionais (Scott, 1996).

Como categoria histórica encontra-se na literatura estudos que evocam aspectos sociais e

culturais em que cada gênero, seja masculino ou feminino, amarra a sua compreensão

enquanto categoria na história de socialização de homens e mulheres (Saffioti, 2004).

Discutir sobre gênero não significa somente enfocar questões de desigualdade entre o

masculino e o feminino, nem tampouco a hierarquia existente entre eles (embora presumida),

mas sim aferir uma análise histórica com bases assentadas nas mais antigas formações

sociais: “...o gênero é a construção social do masculino e do feminino.” (Saffioti, 2004, p.

45). Sendo assim, diversas perspectivas abordam a analise da categoria gênero de acordo com

o tempo e contexto em que está sendo abordado.

A compreensão das categorias de sexo (masculino e feminino) dentro do estudo de

gênero, está intimamente ligada ao estudo dos papéis sociais desempenhados por cada um,

homem e mulher. Quer dizer que essa identidade social de homem e mulher vai sendo

construída ao longo do tempo, ou seja, nasce-se macho ou fêmea e através da educação torna-

se homem ou mulher. Para visualizar essa diferenciação de papéis produzida historicamente,


55
o mais fácil é analisar em sociedades capitalistas a divisão de trabalho e de classe econômica.

Às mulheres é reservado o trabalho doméstico dado o seu papel de mãe e a necessidade de

cuidar dos filhos. Em contrapartida, ao homem fica reservado o sustento da família através de

seu trabalho fora de casa, ou seja, para ele é reservado o espaço público. Nesse cenário, em

que à mulher se reserva o espaço doméstico e ao homem o público vê-se o resultado da

historia sendo naturalizado, o que se pode concluir que a ideologia novamente aparece

“mascarando a realidade” (p. 11). O homem ao ser detentor de poder econômico frente a

mulher, que tem somente a si os afazeres domésticos sem remuneração, se mune de um poder

social sobre a mulher, situando-a numa esfera de subordinação a ele (Saffioti, 1987).

A naturalização se faz persistente no processo de promover a identidade feminina a

partir da domesticação, tal como naturaliza-se a capacidade da mulher de dar a luz: “...esta

função natural sofreu uma elaboração social, como aliás, ocorre com todos os fenômenos

naturais...” (p. 10). Para Scott (1996) o ordenamento social determina que os pais trabalhem

fora, tenham para si o ambiente público, e as mães se ocupem dos filhos e sua educação, além

da organização e equilíbrio familiar. Segundo a autora não se sabe o motivo pelo qual se

estabeleceu socialmente essas divisões de tarefas entre homens e mulheres, mas que de certo

está afeito a forma com que as sociedades representam os gêneros, a maneira pela qual

estabelecem as normas das relações sociais, ou ainda para construir o significado da

experiência:

Sin significado, no hay experiencia; sin procesos de significación no hay significado (lo

que no quiere decir que el lenguaje lo sea todo, sino que una teoría que no lo tiene en

cuenta ignora los poderosos roles que los símbolos, metáforas y conceptos juegan en la

definición de la personalidad y de la historia humana). (p.17)

Uma das justificativas para a existência do domínio dos homens sobre as mulheres é o

registro social do patriarcado que ainda impera nos moldes familiares. É emprestando da
56
teoria do patriarcado discutida por Saffioti (2001a, 2001b, 2004) que compreende-se nesta

tese a relação entre o masculino e o feminino enquanto categoria gênero. O patriarcado é um

sistema de relações sociais em que situa-se em pólos distintos o subordinado e o dominador,

em que a autoridade é conferida ao homem cabendo a mulher o dominado. À esse patriarcado

se agrega caracteres do adultocentrismo, que refere a dominação exercida não somente pelo

sujeito homem, mas por um homem adulto sobre a criança ou adolescente. Esta perspectiva

servirá para explicar a repetição do abuso sexual como uma dimensão cultural.

Assim, a categoria gênero é compreendida a partir do conceito de patriarcado, pois

considera como um sistema de dominação masculina e submissão das mulheres. É uma forma

que os homens encontram de estabelecer hierarquia a ponto de se satisfazerem a partir dos

serviços sexuais das mulheres (Saffioti, 2004).

Neste sentido, pode-se dizer que as relações sociais se constituem a partir de uma

relação de dominação-exploração baseada no poder. Essa exploração carrega um sentido que

extrapola a dominação e percorre o entendimento de um certo abuso provocado por aquele

que está no lugar de dominador. Isso porque enquanto a dominação se encontra num campo

político e ideológico a exploração passa também pela ordem econômica. Ou seja, ainda que a

mulher trabalhe fora de casa também, geralmente por menores salários que os homens já que

a ela é reservado o lugar de alguém que ajuda o marido no orçamento de casa, no espaço

doméstico de atuação é cobrada pelo homem que atenda a seus gostos, aos modelos que lhe

agradam. Mediante isso, o patriarcado se apresenta como uma forma de legitimação da

assimetria das relações existentes entre gêneros, referindo-se a uma situação em que a mulher

é subordinada ao homem (Saffioti, 1989).

Além do patriarcado existe também o caráter adultocêntrico da sociedade, o que

revela uma hierarquia determinista que situa o adulto em posição privilegiada ante a criança,

o adolescente ou o jovem. Em sendo assim, destaca como características gerais dos


57
dominadores (e vitimadores) sociais homens e adultos (Saffioti,1987, 2004) .

Nesse sentido, gênero é uma construção social do masculino e do feminino. A

hierarquia existente tende a ser presumida, ou seja, evidencia a relação de dominação e

exploração que é caracterizada pela sua construção de acordo com o tempo na qual “...a

desigualdade, longe de ser natural, é posta pela tradição cultural, pelas estruturas de poder,

pelos agentes envolvidos na trama de relações sociais...” (Saffioti, 2004, p. 02).

Assim, o estudo das relações de gênero passa a ser de base relacional, analítico e

político, chegando-se à proposta de abordagem desta pesquisa para avaliar o objeto proposto.

O que, enfim, pode-se entender é que esse binômio de dominação-subordinação é algo de

dimensão social, econômica e política, o que vem assegurado e ideologicamente fincando as

raízes históricas e sociais.

Neste sentido, com base em Saffioti (2004) por gênero compreende-se uma categoria

que finalmente, ultrapassa o conceito de patriarcado, tornando-se mais vasta. Isso porque

enquanto o patriarcado trata de relações desiguais o gênero engloba relações igualitárias, o

que torna o patriarcado um caso específico de gênero, algo mais afeito a relações de poder, ao

mencionar como sendo a relação dominação-exploração das mulheres pelos homens.

2.1.2 Violência

A violência está presente na realidade de todas as pessoas de distintas nações a ponto

de as pessoas terem se acostumado a conviver com ela diariamente. Compreende-se por

violência a “...ruptura de qualquer forma de integridade da vítima: integridade física,

integridade psíquica, integridade sexual, integridade moral...” (Saffioti, 2004, p.17).

Discute-se a questão da violência no terreno dos direitos humanos, porque entende-se

que quando ela incide, viola direitos humanos. No senso comum, a violência pode ser
58
entendida como a ruptura de diferentes tipos de integridade: física, sexual, emocional e

moral. Nessa definição, reside o perigo de perder a referência objetiva e política da violência,

pois ruptura dá margem à interpretação singular. Isso porque afirma que a ruptura de

integridade é um critério de avaliação de um ato como violento a partir do que se compreende

como individualidade. Sendo assim, tornam-se frágeis os limites situados entre a quebra de

integridade e obrigação de suportar o destino de gênero, o destino de ser socializada para

sofrer (Saffioti, 2004).

Diante disso vale um debate que permeia a discussão sobre violência que é o caso da

sujeição da vontade alheia, compreendida por Saffioti (2004) como resultando em alienação e

subalternidade, implícitas na situação de violência, o que implica, em uma dimensão política

que se reflete na usurpação dos direitos humanos.

Como forma de compreensão da manifestação da violência, Saffioti (2004) afirma

existir uma diferença no que tange à características e os contextos em que ocorrem alguns

tipos de violência como: contra a mulher, de gênero, doméstica, intrafamiliar, entre outras.

Sobre a violência contra a mulher, a autora aponta ser a violação dos direitos da categoria

mulher, podendo ser praticado tanto pela sociedade, como pelo Estado etc. Já violência de

gênero o que é mais divulgado é a violência praticada pelo homem contra a mulher. Sobre a

violência doméstica, afirma que esta ocorre no interior do domicílio, mas não

necessariamente entre familiares, no que explicita que “...Atinge, porem, também pessoas

que, não pertencendo à família, vivem parcial ou integralmente, no domicilio do agressor

como agregado(s) e empregadas (os) domesticas (os)...” (p.71). A do tipo intrafamiliar

“...extrapola os limites do domicílio...” (p.71), sendo o que move este tipo de violência é a

relação familiar.

Fazer menção à violência de gênero é fazer uma análise do cenário político-

econômico brasileiro, constatando que este é um terreno de grande instabilidade social no


59
mundo globalizado. Assim é sob a ordem patriarcal de gênero que devem ser feitas as

análises sobre a violência contra as mulheres (Saffioti, 2004)

Segundo Saffioti (2004), a violência contra a mulher inscreve-se no âmbito da

violência de gênero. Na violência de gênero, a mediação é o abuso do poder assegurado, no

espaço privado, pela ideologia do patriarcado. Assim como gênero é constitutivo das relações

sociais, da mesma forma a violência é constitutiva das relações entre homens e mulheres, e se

localiza historicamente na ordem patriarcal de gênero.

No que tange ao significado da violência e todas as conseqüências que surgem da

ocorrência deste fenômeno, Saffioti (2004) aponta para a configuração da sociedade

patriarcal vigente, na qual existe uma forte banalização da violência de forma que há uma

tolerância e (até um certo incentivo) da sociedade para que os homens possam exercer sua

virilidade baseada na força/dominação com suporte na organização social de gênero. Dessa

forma, é “...normal e natural que os homens maltratem suas mulheres, assim como que pais e

mães maltratem seus filhos, ratificando, deste modo, a pedagogia da violência...” (p.74)

A ideologia da ordem patriarcal foi forjada para dar cobertura a uma estrutura de

poder pela qual as mulheres se convencem de que a submissão é natural. Essa naturalização

ganha proporções sociais a medida em que surge a ocorrência do termo “femicídio”1, que

consiste na feminização da palavra homicídio e trata-se um fenômeno bastante recorrente,

principalmente nos tempos atuais (Narvaz, 2004; Saffioti, 1987, 2004).

Segundo os teóricos, ao referirem os grupos que tem seus direitos violados por

homens estes apontam para as mulheres, as crianças e os adolescentes. Explicado pela

história da sociedade, os autores apontam para a utilização social e sexual destes grupos

fragilizados pela sua condição de socialização, sufocados pelo poder exercido pelo homem

1
Aspas em Saffioti, 2004, p. 73.

60
(Aded, Dalcin, Moraes & Cavalcanti, 2006; Ariès, 1981; Azevedo & Guerra, 1993; Saffioti,

1987, 2001a, 2001b, 2004).

Segundo Saffioti (2004), somente uma política de enfrentamento à violência

(especialmente a doméstica) que se articule e opere em rede, de forma a englobar diferentes

áreas (poder público, sociedade civil, sistema de saúde etc) trabalhando de forma integrada

podem constituir uma rede eficaz. Além disso, saindo do âmbito das políticas públicas,

aponta-se para a importância no questionamento dos paradigmas científicos e de

naturalização das formas de relações sociais que instituem o feminino e o masculino em uma

escala de valores hierarquizada buscando desnaturalizar as construções cristalizadas no

imaginário e nas representações sociais sobre as desigualdades existentes nas relações entre

homens e mulheres.

Segundo Saffioti (1989), o processo de vitimação está relacionado a díade exclusão

social e violência. Trata-se de um fenômeno que não se afilia a padrões econômicos

característicos de seus vitimados, apresentando-se como um processo de ação transversal

sobre a sociedade. Azevedo e Guerra (1989) corroboram com a autora citada e afirmam que

para definir vitimação e vitimização deve-se associar a dimensão de poder que se estabelece

numa relação de dominação de um e “coisificação do outro” (p. 46). Sendo assim, ao

mencionarem vitimação associam a envolvimento de macropoderes enquanto que ao

mencionarem vitimização fazem alusão a micropoderes.

2.1.3 Família

Desde séculos anteriores busca-se definir família. No entanto, diversas tentativas

buscaram alcançar esta unidade sem êxito. Talvez, essa dificuldade se prenda à característica

61
de mutabilidade que tem a família. Para esta discussão desta tese toma-se como base a

fundamentação feita por Bruschini (1993) embasada na perspectiva da Teoria Crítica, que

analisa desde as definições antropológicas, demográficas e censitárias compreendendo que

não dão conta de definir uma instituição de caráter transitório dada a sua conformação

histórico-cultural.

Na definição antropológica, família compreende um grupo de pessoas que se

relacionam afetivamente e ligadas por uma base de consangüinidade. Para este entendimento,

deve-se levar em conta elementos que influenciam a dinâmica interna ao se fazerem presente

como regras pertinentes a relações sexuais proibidas entre membros da mesma família,

divisão sexual de trabalho, e a regra de casamentos socialmente concebidos.

Demograficamente o que se analisa para que se defina o que é família é um limite físico

domiciliar. Quer dizer que quantitativamente é analisado quantas pessoas estão naquele

domicilio e que papéis exercem, sendo importante a configuração nuclear de um casal e os

filhos. Com base em levantamentos censitários o que define a família é uma analise da

convivência no mesmo domicilio e o modo como compartilham as despesas. A família é

entendida como uma unidade de consumo, o que as coloca num enquadre que enumera

quantitativamente (Bruschini, 1993).

Estas maneiras de enxergar a família se configuram visões acríticas que podem

produzir equívocos. Isso porque não se levam em conta, por exemplo, os parentes que não

residem naquele domicilio, mas que influenciam na dinâmica interna daquela família. O que

se quer dizer é que as visões antropológica, demográfica e censitária não dão conta de definir

a experiência cotidiana de família atual como parentes que moram em terrenos contíguos nos

quais se reúnem diversas outras famílias que se configuram uma grande família, o que se

pode ser considerado as famílias ampliadas ou estendidas. São, por exemplo, filhos de uma

mãe que construíram suas casas ao longo do terreno de sua mãe passando a viver com as suas
62
novas famílias, e ainda, na casa dessa mãe pode haver filhos e netos (quem sabe noras, ou

genros etc) aumentando e diversificando ainda mais aquele núcleo familiar (Bruschini, 1993).

O modelo nuclear de família que se compreende atualmente só se consolidou por

volta do século XVIII. Aponta para uma assimetria sexual característico do modelo de família

nuclear como um fenômeno historicamente construído e não uma norma universal. Houve um

processo de ascensão caracterizado por conquistas progressivas em que a burguesia se

manteve hegemônica tendo sido consolidada através do advento do modo de produção

capitalista. Assim, com as transformações ocorridas no período de Revolução Industrial

surgem dois domínios distintos representados pela unidade doméstica e pela unidade de

produção. Desta forma, deu-se início à divisão sexual do trabalho em sua forma mais rígida

do que a forma predominante anteriormente. Para a mulher restou principalmente a realização

de tarefas relativas trabalho doméstico e sem remuneração, já para o homem coube o trabalho

produtivo fora do ambiente doméstico e remunerado (Bruschini, 1993).

Com a urbanização e a expansão de indústrias mais forte nas primeiras décadas do

século XX, houve mudanças significativas tanto nas conformações familiares como em toda a

sociedade. Embora vivenciando um período marcado pela valorização da independência da

mulher, não se obteve alteração profunda nos papéis de gênero e na estrutura tradicional da

família. Isto quer dizer que quanto aos papéis socialmente distribuídos, a mulher desde cedo é

criada para se casar e para viver para a vida doméstica e familiar, para assim executar uma de

suas principais tarefas, educar os filhos. Para elas, o trabalho remunerado só é aceito como

forma de ganhar a vida, quando muito necessário, por exemplo, quando não tem um marido e

é a única provedora do lar, e mesmo assim, dentre as suas opções estão disponíveis as áreas

do magistério ou de algumas ocupações técnicas como a de secretária (Bruschini, 1993).

Como se não bastasse a divisão social de tarefas por gênero em que o homem é o

provedor e a mulher a cuidadora, ainda tem os aspectos ideológicos que atuaram como
63
ferramenta de naturalização desta configuração social atribuindo direcionamento a partir das

condições biológicas de cada sexo:

...A mitificação do papel de esposa e de mãe concretizou-se mais facilmente na medida em

que casa e família passaram a significar a mesma coisa, apesar de na verdade não o serem:

enquanto a casa é uma unidade material de produção e de consumo, a família é um grupo

de pessoas ligadas por laços afetivos e psicológicos (Bruschini, 1993, p. 65).

Saffioti (2004) assinala que a naturalização dos papéis destinados às mulheres de fato

ocorre por propulsão de uma dimensão ideológica impulsionando a sociedade a atrelá-la a

constituição biológica, o que fortalece o equívoco alimentado pela sociedade patriarcal que

reduz as mulheres à peças submetidas ao poder exercido pelos homens, brancos, adultos e

ricos.

A família é tida como espaço de socialização realizada através da linguagem do afeto,

respeito mútuo e união, o que tem dificultado a compreensão da sociedade de que a família é

uma instituição social que como qualquer outra é cruzada por relações de poder e de

dominação (Morgado, 2004). No interior das famílias há uma divisão interna de papéis,

divisão essa que pode expressar as relações de submissão e dominação, considerando direitos

e deveres, em que há a presença ou não de privilégios de uns em detrimento de outros.

A família é um lugar de reprodução ideológica e socialização. Em seu interior há

transmissão de valores, hábitos, padrões de comportamentos, enfim, um espaço em que não

somente convivem os membros, mas também trocam informações. Discutem e elaboram

estratégias que atendam as necessidades do grupo, revisitando valores e hábitos que outrora já

foram instituídos e rediscutindo-os. Nesse grupo, que busca a harmonia de forma coletiva,

compõe-se de pessoas com as suas individualidades e personalidades (Bruschini, 1993).

É nesse cenário de compreensão da dinâmica familiar que confere a seus membros a

transmissão de heranças como conteúdos ideológicos, valores e hábitos, associado à dinâmica


64
interna de poder que a Teoria Critica utilizada por Bruschini (1993) auxilia no entendimento

da repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino. Mediante essa

configuração familiar que se compreende o lugar que o feminino ocupa: de dominado. Trata-

se de um poder exercido de raízes históricas tanto de conformação familiar como de gênero,

em que o masculino submete o feminino.

Além disso, o que se destaca nestas diferentes configurações das novas estruturas

familiares, para esta tese, são as transformações que elas sofreram ao longo do tempo,

constituindo a família como um fenômeno historicamente construído mediante as análises

dos modelos que foram existindo. E essas transformações vão ditando para cada membro

familiar o seu papel e o seu lugar dentro daquela configuração baseado em princípios

ideológicos, de acordo com as relações internas de poder.

2.2 Um olhar a partir da Psicologia Histórico-Cultural de Vygotsky sobre as categorias

Infância, Adolescência, Juventude, Subjetividade, Consciência e Repetição

A Psicologia Histórico-Cultural postulada por Vygotsky carrega em si as

características de seu criador. É oriunda de um autor com um trabalho extremamente

complexo e que tinha por meta a constituição de um projeto de psicologia que pudesse

analisar os problemas de aplicação prática do homem, inicialmente tentando atender às

necessidades emergentes da Nação Russa que acabava de nascer após a revolução socialista

de 1917. No entanto, embora a sua produção acadêmica tenha sido interrompida

precocemente devido a sua morte prematura (aos 37 anos vítima de turbeculose), seu legado

envolve um importante esquema teórico complexo e integrado que, ao mesmo tempo, é

aberto por encontrar-se em contínuo desenvolvimento ao lado de seus colaboradores diretos,

Luria e Leontiev, e seus seguidores (Veer & Valsiner, 1996).


65
Vygotsky em sua Teoria Histórico-Cultural apresenta como origem de interesse o

estudo do homem e sua relação com os animais. Recebe diversas influências de diferentes

autores como Darwin, Marx e Engels, além de Leontiev e Luria (os colaboradores mais

diretos). Inicialmente ele corrobora com idéias de Darwin no tocante a evolução das espécies

e seleção natural (Veer & Valsiner, 1996). Das idéias de Marx, ele destaca a dialética, que

segundo Rey (2003) permite considerar o sujeito como uma unidade da totalidade, não

fazendo-lhe uma redução (junção dos elementos culturais e se apropria do conceito de

atividade existente na teoria), que mais tarde aprimora e então localiza-a como ponto de

partida para os elementos teóricos de sua psicologia histórico-cultural.

No entanto, para Vygotsky os mentalistas e os naturalistas não explicavam

cientificamente os processos mentais superiores, e a partir desse interesse formula sua teoria.

No seu entender, os naturalistas, ao aderirem aos métodos das ciências naturais, limitavam-se

ao estudo de processos psicológicos relativamente simples, e os mentalistas, levavam em

consideração os fenômenos ditos espirituais e, a partir daí descreviam os processos mentais

superiores, no entanto consideravam impossível a explicação dos mesmos (Veer & Valsiner,

1996).

Vygotsky se apropria da teoria do materialismo dialético de orientação marxista a qual

é definida a partir do caráter histórico, concebendo como uma de suas principais bases

teóricas na busca de compreender o homem. Inclusive utiliza tal conhecimento para

desenvolver e divulgar uma de suas mais célebres teses em que trata da dialética entre a

linguagem e o pensamento. O autor apóia-se na premissa de que o homem é produto da sua

história na qual se faz como sujeito ativo das relações sociais, compreendendo que os

processos psicológicos superiores (consciência, vontade, memória etc) se desenvolvem a

partir das interações do indivíduo com seus semelhantes assim como com a cultura em seu

entorno (Makirriain, 2006).


66
Vygotsky, ao lado de seus colaboradores diretos, Luria e Leontiev, propõe um estudo

sócio-genético do ser humano, assim como estabelece relações com as condições biológicas,

principalmente nos aspectos neurológicos. Trata-se de uma tentativa de evitar reducionismos

e simplificações de qualquer espécie (Veer & Valsiner, 1996).

Segundo Molon (2009), Vygotsky criticava os autores em psicologia da época por

abordarem alguns elementos dentre os trabalhados pelo autor selecionados em conformidade

com seus interesses científicos particulares, usados para decifrar o entorno do homem e sua

constituição, afirmando este ser constituído na e pelas relações sociais as quais acontecem de

forma dialética e, portanto englobam ambos os aspectos: social e individual.

Vygotsky propunha uma nova psicologia que tinha como base o método e os

princípios do materialismo dialético, buscando compreender o aspecto cognitivo a partir da

descrição e explicação das funções psicológicas superiores, as quais, na sua visão, eram

determinadas histórica e culturalmente. Ou seja, propõe uma teoria marxista do

funcionamento intelectual humano que inclui tanto a identificação dos mecanismos cerebrais

subjacentes à formação e desenvolvimento das funções psicológicas, como a especificação do

contexto social em que ocorreu tal desenvolvimento (Molon, 2009).

A Teoria Histórico-Cultural do psiquismo humano de Vygotsky tem como ponto de

partida as funções psicológicas dos indivíduos. Estas funções psicológicas são classificadas

como elementares e superiores e usadas para explicar o objeto de estudo da sua psicologia: a

consciência (Veer & Valsiner, 1996).

O pensamento de Vygotsky para compreender o desenvolvimento humano parte do

princípio de que o homem é um organismo em plena atividade e que por isso estabelece

constante interação com as condições sociais compreendidas em seu dinamismo como

mutáveis, além do fator biológico que constitui o comportamento humano já anunciado.

Vygotsky observa de que as estruturas orgânicas ditas por ele elementares constituem origem
67
para a formação de novas e (gradualmente) mais complexas funções mentais. Essa

complexidade está diretamente ligada à natureza das experiências sociais vividas pelo ser

humano enquanto é criança, sendo, então, possível que o processo de desenvolvimento se dê

em duas direções distintas quanto à sua origem: um processo elementar, de base biológica, e

um processo superior de origem sociocultural (Vygotsky, 1991).

As funções psicológicas elementares possuem origem biológica e se fazem presentes

não somente na criança como também nos animais. Trata-se de ações de ordem reflexas, que

ocorrem involuntariamente e que, como reações automáticas e imediatas, são controladas

pelo ambiente externo. Já as funções psicológicas superiores possuem a sua origem no social

e, dessa forma, são características apenas do homem. Trata-se de ações intencionalmente

efetivadas que são mediadas por símbolos (signos e instrumentos advindos da linguagem),

resultantes da interação dos fatores biológico (funções elementares já descritas) com os

fatores culturais, adquiridos constantemente ao longo da história de cada um (Vygotsky,

1991). O que quer dizer que diferente dos atos reflexos ou reações automáticas abordadas

pelos estudos biológicos (influência inicial), as funções psicológicas superiores (atenção,

memória, pensamento e linguagem) têm sua origem no social e estão presentes somente no

homem e não nos animais (um dos elementos diferencias entre eles). Sendo assim, Vygotsky

apresenta a origem sociocultural das funções psíquicas, considerando-as como resultado da

interação do indivíduo com seu contexto cultural e social (Veer & Valsiner, 1996).

Desta forma, para Vygotsky (2004) as funções psicológicas superiores não poderiam

ser estudadas a partir dos métodos científicos de investigação mais utilizados em sua época,

século XX, a experimentação, baseada na reflexologia (visão reducionista e mecanicista das

funções psicológicas fundada por Pavlov e Bekhterev) e reactologia (concepção dialética da

consciência que compreendia o estudo de maneira objetiva das reações humanas no ambiente

biossocial, introduzida por Kornilov) que estavam entre as principais tendências científicas
68
russas da época. Segundo ele, era necessário encontrar uma nova metodologia para o estudo

dessas funções essencialmente humanas. Assim, apresenta alguns princípios que compõem

sua base metodológica de investigação como: a) a necessidade de se analisar os processos e

não as coisas (objetos) faz com que se conheça o processo todo (desde o seu início)

conhecendo-se os estágios por ele passado e então possibilitando a sua reconstrução; b) a

diferença entre os pontos de vista genotípicos (refere a explicação do fenômeno) utilizada

para conhecer e entender as ligações reais entre os estímulos externos e as respostas internas

que são bases da forma superior do comportamento, e fenotípicos (quer dizer a descrição do

fenômeno) que não revelam a relação dinâmico-causais reais do fenômeno estudado; c) a

necessidade e importância de se estudar o comportamento em seu dinamismo histórico,

admitindo suas constantes mudanças de acordo com a experiência individual mergulhada no

contexto social.

O objeto de Vygotsky (2004) baseia-se no estudo da consciência. Este estudo foi o

ponto de partida para a estruturação crítica da teoria vygotskyana. O autor se apercebeu da

exclusão da consciência como objeto de estudo da Psicologia e afirmou estar assentado nesta

ausência o principal problema teórico e metodológico da ciência psicológica do

comportamento. Ele aponta para a impossibilidade de se estudar o comportamento humano e

as formas complexas de sua atividade independente de sua psique: “...Estamos condenados

para sempre a manter a falsa concepção de que o comportamento é uma soma de reflexos.”

(p. 60). Acrescenta ainda a necessidade de se estudar o comportamento em seu mecanismo,

composição e estrutura e não os reflexos, o que lhe ocorre que:

A psicologia científica não deve ignorar os fatos da consciência, mas materializá-los,

transcrevê-los para um idioma objetivo que existe na realidade e desmascarar e enterrar

para sempre as ficções, fantasmagorias e similares. Sem isso é impossível qualquer

trabalho de ensino, de crítica e de investigação (p. 63).


69
Sendo assim, Vygotsky busca a materialização da consciência para constituí-la como

objeto de estudo da Psicologia tratando-a como base da compreensão do comportamento

humano e ponte para respostas relacionadas com aspectos individuais adquiridos a partir da

interação social.

Como forma de compreender a subjetividade e a consciência, antes de defini-las no

entorno histórico-cultural, serão apresentadas a categorias de desenvolvimento tomando-se a

dimensão histórico-cultural de infância, adolescência e juventude. Em se tratando de

desenvolvimento humano, à luz da Teoria Histórico-Cultural de Vygotsky infância,

adolescência e juventude são períodos do desenvolvimento humano que se sucedem enquanto

fenômenos históricos, mas não determinado por leis naturais universais, pois dependem

diretamente das condições objetivas da organização social em que este sujeito está exposto.

Cada período descrito se relaciona com o seu subseqüente de forma dialética, revelando uma

interação entre infância, adolescência e juventude de forma processual (Vigotski, 1996).

Ademais, as categorias teóricas mencionadas precisam ser operacionalizadas para que se

compreenda a ótica utilizada para se estudar o fenômeno do abuso sexual infanto-juvenil

intrafamiliar feminino entre gerações servindo de suporte ao arcabouço teórico a que se

pretende.

2.2.1 Infância

A Teoria Histórico-Cultural de Vygotsky (1933-1934/ 2006) trata o desenvolvimento

infantil a partir do outro. Isto é, o sujeito que vivencia a infância necessita desta relação

dialética com o social e com o ambiente para desenvolver-se socialmente. Nesta relação, esse

sujeito também é ativo, transforma e é transformado, pois ele, além de fazer parte do meio ele

também é o seu próprio entorno social.


70
A criança vai retratando o seu desenvolvimento através das mudanças de

personalidade, as quais vão sendo acumuladas durante a sua vida até que elas se manifestam,

constituindo uma formação qualitativa nova. No entanto, existem momentos em que as tais

mudanças acontecem de forma mais brusca, o que Vigotski (1933-1934/ 2006) denominou

períodos de crise. Trata-se de mudanças consideradas fundamentais para a constituição da

personalidade num espaço de tempo relativamente curto, provocando uma reestruturação das

necessidades e da criança, bem como de sua relação com o meio.

Quando há a transposição de idade, o meio enquanto espaço de desenvolvimento se

transforma bruscamente, passando a interagir com a criança de forma representativamente

diferente quando ela tem um ano, três, sete ou doze anos de idade. O que a Teoria Histórico-

Cultural afirma é que o desenvolvimento é um processo contínuo no qual novas bases vão

sendo desenvolvidas de forma a aprimorar a anterior qualitativamente diretamente

proporcional às interações que aquele sujeito vivenciou com o ambiente que o cerca

(Vigotski, 1933-1934/ 2006).

As crises propostas por Vigotski vivenciadas durante as etapas do desenvolvimento,

embora aconteçam seqüencialmente no tempo, não são imutáveis, já que cada sujeito

vivencia singularmente de acordo com a influência exercida pelas as condições histórico-

sociais concretas. Esse processo consecutivo é composto da crise pós-natal; primeiro ano de

vida; crise do primeiro ano; primeira infância; crise dos três anos; idade pré-escolar; crise dos

sete anos; idade escolar; crise dos 13 anos; puberdade e crise dos 17 anos (Pasqualini, 2009).

A crise pós-natal refere as primeiras vivências do ser humano ao nascer, ou seja, seu

primeiro contato social ao sair do útero materno. A primeira crise é demarcada pela separação

física entre mãe e recém-nascido, mas não uma separação biológica, já que este é dependente

dela. No entanto já é momento de formação de vida mental individual deste recém-nascido. E

como este recém-nascido está intimamente ligado a sua mãe, esse período de crise só termina
71
quando ele começa a responder aos estímulos de outras pessoas de seu entorno social,

ampliando assim seu universo de interações sociais e passando para o período seguinte, de

primeiro ano de vida (Vygotski, 2006).

O primeiro ano de vida é marcado também pela dependência do bebê, no entanto não

somente da mãe, mas do pai e dos que estão mais próximos. É uma dependência biológica já

que ele não consegue se comunicar satisfatoriamente, ademais, o seu desenvolvimento

psicológico não lhe permite diferenciar-se dos demais. Neste período, o bebê se familiariza

com ferramentas caracterizada por objetos moveis capazes de serem utilizadas para a

manipulação de objetos imóveis, o que caracteriza-se como um estagio inicial de

desenvolvimento do pensamento instrumental. O fato de o bebê desenvolver esta habilidade

lhe gera condições para que explore os limites do campo de percepção e aprenda os próprios

limites de seu corpo. Neste momento ele já se prepara para usar gestos e linguagem

(Vygotski, 2006).

É na crise do primeiro ano que o bebê desenvolve-se afetivamente a ponto de dar suas

primeiras manifestações de afeto que caracterizam sua personalidade. Isso porque é nesse

momento em que ela já dá sinais do desenvolvimento de suas vontades e aliado a isso,

surgem os primeiros protestos para que estas sejam atendidas. Neste momento ela já adquire

a fala autônoma, que se caracteriza por um momento de aprimoramento da fala, passando do

não-verbal para o verbal, imprescindível para a vivência das próximas experiências

(Vygotski, 2006).

A crise da primeira infância a criança já adquire noção de si mesma através do outro.

Ou seja, primeiro ela compõe sua experiência de eu-outro e a partir disso, ela cria

conhecimento do eu. Isso quer dizer que há a criação da autoconsciência da criança, o que lhe

dá condições de diferenciar-se dos outros. É neste momento que a criança desenvolve a sua

fala de forma a conseguir se comunicar com os outros, mas mesmo assim, com a fala mais
72
clara ela não tem consciência de como fala, e deste modo, não tem conhecimento de como

selecionar palavras. No entanto, na medida em que vai se desenvolvendo, a criança passa a

demandar de seu cérebro uma imagem da palavra o que lhe propõe as generalizações, em que

um objeto passa a representar vários outros. Trata-se da formação primeira da consciência,

imprescindível para o desenvolvimento posterior da mesma, já que a criança passa do estado

de percepção para o de consciência do mundo e de si mesma (Vygotski, 2006).

A crise dos três anos é mais facilmente percebida a partir dos sintomas que ela evoca

na criança como o negativismo (em que a criança recusa-se a fazer o que lhe foi proposto por

outros, pelo motivo de a ideia não ter partido dela), a teimosia (quando a criança insiste em

ser atendida em suas vontades, pelo fato de ser uma vontade dela), a rebeldia (quando a

criança passa a se opor ao adulto, inclusive, manifestando-se com palavras e gestos

depreciativos), a obstinação (em que a criança se empenha em tornar-se independente), o

protesto (a criança trava tantos embates com os pais que se sente desvalorizada por eles), a

desvalorização (a criança manifesta-se desvalorizando tudo o que para ela parece

desagradável, ou seja, negativa tudo a seu redor que não lhe interessa) e despotismo (quando

a criança manifesta-se através de poder, em busca de ser atendida em detrimento de qualquer

outra pessoa, inclusive de outros irmãos). Sendo assim, pode-se dizer que esta crise dos três

anos é marcada por uma crise das relações sociais da criança (Vygotski, 2006).

Na idade pré-escolar, é o momento em que a criança transforma a sua percepção e

outros processos cognitivos (atenção, memória e pensamento) através de ferramentas

culturais. Isso porque ela passa a extrapolar o circulo de seus pais e passa a socializar-se com

outras pessoas (Vygotski, 2006).

A crise dos sete anos é marcada pela perda da espontaneidade da criança, em que ela

passa a se comportar de forma artificial e teatral. É nesta momento que a criança diferencia a

vida interna da vida externa, o que favorece a incorporação do fator intelectual entre as suas
73
vivências e o ato em si, distanciando-se da característica espontânea e até ingênua próprio da

criança. Neste sentido, as suas vivências associadas com o fator intelectual passam a ter

sentidos para ela, o que serve de base para que a criança passe a valorar a si mesma e as

próprias vivências, e também passe a julgar a si própria (Vigotski, 1933-1934/ 2006).

A idade escolar caracteriza-se pelo fato de a criança não encontrar-se suficientemente

consciente de suas operações mentais o que provoca certa ingerência e dificuldade de

desenvolver satisfatoriamente a observação interna e a introspecção. Assim, a memória direta

e natural passa a ser mediada, para o que ela recebe ajuda dos signos artificiais que lhe

proporcionam domínio sobre ela. Assim, a criança vivencia experiências de brincadeiras e de

tarefas escolares de forma a proporcionarem exercícios destes ganhos, principalmente a

formação de conceitos. Na formação de conceitos a criança exercita o desenvolvimento

interno e o pensamento de forma que o conceito apareça em sua consciência (Vygotski,

2006).

Sendo assim, nesta tese a infância é entendida conforme tratado em Pilotti (1995)

como tendo uma origem social e transitória e que será substituída por outra subseqüente, a

adolescência. Isso porque para o autor, há a necessidade de se compreender a infância

diferentemente do que se compreende criança, a qual é uma estrutura permanente presente no

desenvolvimento social de todos, no entanto o individuo a vive transitoriamente por estar

num processo de substituição.

Sem ignorar o fator violação de diretos que recai sobre uma situação de abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil, uma das dimensões de tomada elemento de discussão nesta tese

sobre infância e criança refere o fator precocidade. Trata-se da precocidade constatada em

que o abuso sexual incide sobre a vivência de uma infância que deveria ser saudável, sem, no

mínimo, o conhecimento desta forma de violência. Que a experiência sexual precoce gera as

conseqüências para o desenvolvimento infantil em âmbitos físicos, psicológicos, e


74
inevitavelmente sexuais, capazes de comprometerem a vivência da infância imprescindível

para a vivência da vida futura. Isso porque de acordo com a teoria de Vygotski (2006) e a sua

concepção das crises possibilita a compreensão de que o desenvolvimento do sujeito que se

processa será formado a partir do padrão cultural, pois o desenvolvimento dependerá da

relação como Outro, inicialmente mãe, pai e adianta-se com Outros do universo relacional.

Embora se conheça que o ECA atrela a seu conceito de criança a faixa etária que vai

de zero até 12 anos incompletos (Silva & Motti, 2001), nesta tese criança refere-se a uma

dimensão particular em que cada uma delas vivencia de forma singular a sua infância, enquanto

sujeitos constituídos sócio-historicamente. Assim, tem-se como infância a vivência do período

de desenvolvimento que antecede a adolescência, e que será tomada como tal quando se

configurar numa dimensão coletiva, eclodindo semelhança entre vivências.

2.2.2 A adolescência

O fenômeno da adolescência pode ser analisado sob os mais variados prismas, na

tentativa de se compreender melhor a dinâmica envolvida na mesma, pois faz se necessário

compreendê-la no âmbito de uma totalidade, e deve ser compreendida em seu aspecto

biológico (mudanças corporais de maturação como os caracteres sexuais secundários) e

psicológico (formação de uma personalidade mais independente, baseada na busca de uma

identidade própria), considerando-se os aspectos comportamentais (Osório, 1998).

A perspectiva histórico-cultural afirma a importância de se compreender a

adolescência focalizando os comportamentos, ou seja, a transição do lugar de passivo para

alguém que se torna ativo, questionador diante de sua vida, sendo este o aspecto central

gerador de transformações no individuo (Vygotski, 1996). Há uma leitura social das relações

do adolescente com o mundo adulto, que não aparecem somente como interferência, mas
75
como origem, como constituição do ser adolescente (Ozella, 2003).

É no sentido de refletir sobre a adolescência construída historicamente que Bock,

Gonçalves e Furtado (2002) apontam elementos fundamentais para a compreensão da

adolescência numa perspectiva sócio-histórica. Os autores apontam ser necessária a

consideração do vínculo entre o desenvolvimento do homem em relação com a sociedade.

Ademais, assinalam como necessidade imediata que se lance um olhar menos patologizado

acerca da noção do desenvolvimento humano, especialmente acerca da adolescência.

Acrescentam que deve haver um avanço no olhar naturalizado acerca da adolescência, para só

assim as peculiaridades e especificidades históricas, culturais e sociais possam ser

consideradas adequadamente na composição de estudos, pesquisas e na compreensão em

geral acerca das vivências dos adolescentes.

Sendo assim, a categoria adolescência será tratada conforme a perspectiva histórico-

cultural que afirma este ser um período que compreende processos vividos no contexto

coletivo, o qual ocorre continuamente no intercurso social. Refere uma dimensão social que

recebe características de desenvolvimento cognitivo e biológico, no que tange a maturação

corpórea (Ozella, 2002).

À essa peculiaridade que se refere à adolescência pode-se entender, à partir da teoria

de Vygotsky (1932-1934/1996), como a vivência singular de cada sujeito em através de suas

experiências sociais. De fato que tais experiências subjetivas não fazem parte somente da

história social dos adolescentes, mas permeiam o sujeito por toda a sua vida. Essas

experiências dialeticamente vivenciadas geram mudanças no sujeito, em que ela vai

introjetando cada vez mais elementos a sua personalidade ao longo da vida.

É na adolescência que se produz um avanço intelectual, em que o adolescente passa a

formar verdadeiros conceitos, os quais possibilitam-no uma consciência social e a

assimilação e conhecimentos científicos, culturais e artísticos. É através deste pensamento em


76
conceitos que o adolescente compreende a realidade a seu redor, os outros e a si mesmo. É

neste momento que o pensamento abstrato se desenvolve mais tomando o espaço antes

dominado pelo pensamento concreto. Estes pensamentos, facilmente neste período,

gradualmente vão convertendo-se em convicções internas, de forma a orientar seus interesses

e desejos, adotando a função de códigos de conduta ética. É, portanto neste período, que o

sujeito constrói seus pontos de vista, suas opiniões sobre o mundo, sobre as relações e sobre o

futuro. Os estudos ganham o sentido de meio para a aquisição de um futuro que atenda seus

desejos pessoais e profissionais, experienciando o domínio dos meios de atividade de estudo

autônomo, com uma atividade cognoscitiva e investigativa potencialmente criadora

(Vygotski, 1996).

No entanto, existem momentos em que tais experiências se integram mais suavemente

e em outros momentos que elas proporcionam transformações tão contundentes que são

consideradas pelo autor como crises. Essas transformações referem mudança na relação entre

o sujeito com o meio, mas também consigo mesmo. A adolescência segundo as teorias de

crises de Vigotski é composto pela crise dos 13 anos, a puberdade e a crise dos 17 anos

(Vigotski , 1933-1934/ 2006).

A crise dos 13 anos é o momento em que o negativismo que experienciara na crise

dos três anos novamente vem à tona, mas com todos os atributos do novo contexto e do

sujeito que se fez desde então. É nesta idade que se vivencia a perda de rendimento escolar e

da capacidade de trabalho em geral. No entanto, esta crise, mesmo assim, é considerada

positiva na medida em que marca a transição de uma forma inferior para uma forma superior

de atividade intelectual (Vygotski, 1996).

Em seguida da crise dos 13 anos, o sujeito vivência a puberdade. Este período é

marcado, principalmente, pela maturação sexual, que provoca diminuição da capacidade e

produtividade mental dos adolescentes, ocasionando uma queda de rendimento escolar. Após,
77
o adolescente vivencia a crise dos 17 anos que se caracteriza pelo desenvolvimento da

autoconsciência e da implementação de sua personalidade. Neste período o sujeito concebe

concretamente a diferenças entre os indivíduos, admitindo a existência da vasta variedade

interindividual (Vygotski, 1996).

Para Vygotski (1996) para compreender a adolescência deve-se abordar também as

questões afetivas. É neste período que há uma estruturação de uma personalidade

caracterizada pelo livre-arbítrio e que a partir de uma vontade baseada na ordem afetiva as

escolhas dos adolescentes acontecem. É neste momento que se tem o domínio tanto de si

mesmo como da natureza.

É nesta perspectiva histórico-cultural que adolescência é entendida nesta tese. A

adolescência aqui é atravessada pelo contexto sócio-histórico e pelas relações sociais de cada

sujeito, ou seja, eles se constituem a partir de cada lugar social que habitam. É um momento

em que o sujeito desenvolve-se afetivo e cognitivamente e que culmina no desenvolvimento

da autoconsciência. Neste sentido, a categoria adolescente é entendida a partir desta teoria,

mas refere uma dimensão singular de cada sujeito que vivencia este período de adolescência.

Associado a esta dimensão individual, para efeito de operacionalização, adolescente será

também entendido conforme preconiza o ECA (Silva & Motti, 2001) que compreende sujeitos

que tem entre 12 e 18 anos.

2.2.3 Juventude

Vygotski (1996) em sua Teoria Histórico-Cultural, que fundamenta desta tese, utiliza

ao longo do texto sobre a Paidologia del adolescente, ora o termo adolescência ora o termo

juventude, através do que se entende que nem mesmo o autor destaca uma clareza entre

ambas as categorias. Um dos motivos que se entende explicar esta ausência de separação,
78
pode ser o fato de o autor não tomar como base de sua teoria os aspectos biologicamente

determinados, apontado como fator principal entre teóricos atuais. Isso porque para Vygotski

o que caracterizava o desenvolvimento humano eram as suas experiências sociais e culturais

ao longo de sua vida. Outro fator é o fato de que os estudos vygotskianos foram

interrompidos abruptamente com o seu falecimento em tenra idade, o que pode ter

impossibilitado o avanço de determinados conceitos em sua teoria como estes em voga.

Para Vygotsky (1991) já que o sujeito se constitui a partir do mundo que o cerca, o

jovem vivencia estas relações com a cultura de forma dinâmica. Trata-se de um espaço em

que ele interage e se apropria desse meio de acordo com as suas condições concretas de

existência, as quais podem ser facilitadores ou dificultadores do seu acesso a educação,

cultura e saúde, assim como dos bens de consumo materiais.

Neste sentido, em sendo a juventude entendida como uma condição social de cada

sujeito, ela ultrapassa a concepção de fase estática. Deve-se dar à juventude o dinamismo

que ela carrega, caracterizado pelas constantes transformações sociais advindas das

condições sociais concretas de cada indivíduo (Vygotski, 1996). Assim, torna-se pertinente

pensar na existência de diferentes juventudes, que ultrapassam a concepção de

conseqüência do desenvolvimento natural do indivíduo.

O processo de desenvolvimento do jovem se dá a partir da interiorização das

relações sociais, e se vincula ao desenvolvimento histórico e social do coletivo humano.

Neste cenário, quando Vygotski (1996) assinala que o sujeito é ativo socialmente, que se

apropria ativamente do que lhe cerca, entende-se o jovem como um sujeito também ativo

que interage com o meio e que, além de ser transformado por ele, também é agente

transformador deste social.

79
É a partir deste entendimento em que a teoria sócio-histórica2 propõe uma

compreensão de que juventude é uma construção social e deste modo cada jovem pode se

constituir individualmente e, portanto, diferentemente, o que indica que seja mais

pertinente pensar não em uma juventude, mas em juventudes. Desta forma, deve-se lançar

um olhar que considere a especificidade de cada sujeito dentro de um entorno que

determina uma significação social das transformações que ele vivencia. Isso porque não

existem características universais afeita a cada período do desenvolvimento, pois cada

habilidade vai sendo construída e adquirida ao longo do tempo de acordo com as

condições objetivas de cada sujeito (Bock, 2004).

Para esta pesquisa toma-se por base a compreensão da abordagem histórico-

cultural compreendendo o sentido da juventude em seus aspectos social, histórico e

cultural, a qual é atravessada pelo tempo e o espaço e pelas tantas vozes sociais que

compõem a história do jovem. Ou seja, um olhar sobre juventude que considera além das

características físicas, biológicas e de faixa etária, como principalmente, entende que a

definição da categoria juventude é construída socialmente, e por isso, cada vivência dos

sujeitos dado o contexto histórico-cultural gera características individuais que compõe

cada um deles. Portanto, é um sujeito que se constitui a partir do outro e do seu contexto.

Essa constituição acontece dialeticamente na relação recíproca entre o individual e o

social. Refere dizer que o sujeito enquanto produtor ativo de cultura, não se posiciona

passivamente frente aos acontecimentos que o circundam. Quer dizer que enquanto sujeito

ele é moldado pela cultura que ele mesmo cria.

2
A autora utiliza o termo sócio-histórico para referir a Teoria Histórico-Cultural de Vygotsky.
Por este motivo, ambas serão adotadas nesta tese, no intuito de manter a fidedignidade da
informação coletada.
80
2.2.4 Consciência

A consciência é compreendida por Vygostky (2004) a partir das influências da

reflexologia tendo-a como um entrelaçamento de sistemas de reflexos, sem deixar que a

consciência seja confundida com o reflexo. Não se confunde porque cabe à ela fazer o papel

de transmissor dos sistemas de reflexos.

Para Vygotsky (2004, 2009), os princípios da constituição da consciência e das

funções superiores do indivíduo são fundamentados na idéia de que esses processos têm uma

"gênese social", provinda das relações do indivíduo com os objetos e com outras pessoas, isto

é, das condições objetivas de sua vida social. Esses processos refletem concretamente sua

ação sobre os objetos, principalmente os objetos sociais. Esta gênese social significa, em

sentido amplo, que toda a cultura é social, pois é produto da vida e da atividade social do

indivíduo.

Na verdade o que Vygotsky (2004) afirma é que a consciência do sujeito somente se

dá a partir do conhecimento do outro, afirmando a relação dialética que se faz no ambiente

social relacionando-se com o âmbito individual. Assim a constituição do sujeito depende do

reconhecimento do outro na relação dialética, mas fundamentalmente pelo conhecimento do

eu, através de um mecanismo de reflexos reversíveis:

Temos consciência de nós mesmos porque a temos dos demais e pelo mesmo

procedimento através do qual conhecemos os demais, porque nós mesmos em relação a

nós mesmos somos o mesmo que os demais em relação a nós. Tenho consciência de mim

mesmo somente na medida em que para mim sou o outro, ou seja, porque posso perceber

outra vez os reflexos próprios como novos excitantes. (p. 82)

O autoconhecimento ou autoconsciência só se torna possível a partir das introspecções

e percepções internas experienciadas pelo sujeito oportunizadas no contato com o social, com
81
o outro. O mecanismo através do qual se dá essa relação dialógica é de ordem reflexa. Nessa

ordem reflexa reversível ambos exercem função de excitante (Vygotsky, 2004).

Ao relacionar os reflexos com a introspecção, Vygotsky (2004) aborda reflexos não

manifestos (fala silenciosa) referindo-se aos que não são acessíveis através da observação por

serem de ordem interna, mas o que não os furta de fazerem o papel de excitantes (de forma

indireta ou mediatizada) para respostas efetivas do sujeito. Assim, o autor atribui ao

comportamento ou reações que não estão explícitas, importante caminho para acessar a

consciência. Sendo assim, a consciência é o reflexo (ou o eco) do mundo vivenciado pelo

sujeito, demonstrando que a ela também é uma forma de contato social consigo o qual é

materializado através da fala interior ou silenciosa proferida pelo sujeito.

Segundo Vygotsky (2004, 2009) é a interiorização das funções psicológicas que

marcam o desenvolvimento mental. Essa interiorização não é simplesmente a transferência de

uma atividade externa para um plano interno, mas é o processo no qual esse interno é

formado. Ela constitui um processo que não segue um curso único, universal e independente

do desenvolvimento cultural. No entanto, é algo que não se resume apenas a processos

cognitivos, mas trata-se de interiorizar todos os modos de vida que foram construídos

culturalmente dentro daquele ambiente como aspectos afetivos, psíquicos e comportamentais.

O que determina quais entre os elementos de subjetividade contatados durante a vida que

serão internalizados é a vontade.

Como forma de acessar este conteúdo relativo às funções psicológicas, antes excluído

(ou até negado) pelos estudos reflexológicos (priorizando aspectos objetivos, conforme já

mencionado), Vygotsky enfatiza o estudo definindo por funções psicológicas inferiores (ou

elementares) e funções psicológicas superiores, para o qual desenvolveu um método de

investigação e análise. O autor as diferencia a partir de características que classificou como

de ordem genética, estrutural e funcional específicas a cada uma delas, no entanto, funções
82
psicológicas inferiores e superiores inter-relacionam-se uma vez que para que haja a superior

faz-se necessário ter desenvolvido a inferior conforme definição. Assim, descreveu como

funções psicológicas inferiores aquelas relativas a reações imediatas do sujeito, ou seja, que

são inconscientes ou involuntárias, possuindo então origem natural e biológica, ocorrendo de

forma instintiva, cabendo ao meio social e físico o controle das mesmas, como acontece com

uma criança em seus primeiros contatos com o mundo que precisa de um adulto que o ensine

a controlar. Já as funções psicológicas superiores são descritas como operações psicológicas

qualitativamente novas e mais elevadas que as inferiores originadas das relações reais entre

os indivíduos, necessitando assim de serem mediadas como acontece com linguagem,

memória lógica, atenção voluntária, formação de conceitos, pensamento verbal e afetividade

(Vygotsky, 1991).

Os signos são os mediadores dessas operações das funções psicológicas superiores.

Servem como auto-estimuladores para o sujeito que possui natureza social, pois são

interiorizados a partir da experiência coletiva. Os signos enquanto sujeitados às normas

sociais e regras convencionais, são a própria linguagem, ou seja, sua existência está

condicionada aos determinantes sociais, históricos e ideológicos. Isto refere dizer que são os

signos que atuam sobre o sujeito efetuando controle sobre ele e os outros, o que revela uma

relação dialógica em que um é estimulado e estimulante para o outro. Desta forma são as

funções que se caracterizam pela existência da experiência (a vivência do sujeito que o

constitui como tal) possuindo natureza histórica de origem sociocultural (Vygotsky, 2004).

A relação entre as funções psicológicas inferiores e superiores obedecem a lógica da

superação emprestada da teoria dialética Hegeliana, em que as inferiores são transformadas e

conservadas nas superiores em nível oculto, sendo, portanto superadas e não eliminadas. Em

determinados momentos, uma função emerge de forma mais contundente que a outra, o que

caracteriza uma hierarquia entre elas, mas que ocorre momentaneamente (Vygotsky, 1991).
83
No momento em que uma função psicológica impera sobre a outra destaca que este

ato é movido pela vontade que se caracteriza por ser social, interpsicológica e posteriormente

intrapsicológica. Vygotsky se orienta pelo prisma da lei genética do desenvolvimento cultural

para referir que toda função psicológica se dá em duas dimensões possíveis, sendo a primeira

a dimensão interpsicológica seguida da intrapsicológica (Vygotsky, 1991).

O que a Teoria Histórico-Cultural refere é que durante o processo de constituição do

sujeito que ocorre na intersubjetividade, há uma conversão de signos mediadores que num

primeiro momento estavam situados na dimensão interpsicológica e que, conforme a

maturação do sujeito e suas experiências foram convertidos em intrapsicológico. No entanto,

Vygotsky ressalta que nas relações sociais nem tudo que é social é interpsicológico e nem

tudo que é interpsicológico é intrapsicológico. Isso porque a dimensão intrapsicológica

acontece a partir da conversão de signo interpsicológico em signo intrapsicológico, o que

ocorre a partir da mediação dos signos (Vygotsky, 1991).

A mediação é entendida por Vygotsky como processo. Não se trata de algo que se

encontra interposto numa relação, a mediação é a própria relação. Sendo assim é um conceito

na teoria de Vygotsky que recebe fundamental importância, pois é ela quem prenuncia a

relação eu-outro. Os mediadores podem ser de dois tipos: signos e instrumentos. Os signos

são mediadores que exercem ação sobre o psiquismo do sujeito. São criados socialmente e

mudam de acordo com o grau de desenvolvimento do sujeito, como linguagem, escrita e

numeração. Os instrumentos são aqueles mediadores que exercem uma ação sobre o objeto,

ou seja, são ferramentas que possibilitam a interação do sujeito agindo sobre o objeto

(Vygotsky, 1990).

No entanto, não há necessidade de que o interlocutor esteja presente fisicamente para

garantir a mediação, o signo opera uma função de interagir socialmente a partir de seu

significado. “O significado é o caminho do pensamento para a palavra (...) é a estrutura


84
interna da operação do signo (...) o significado não é igual ao pensamento...” (Vygotsky,

2004, p. 179-180).

A relação entre o pensamento e a palavra é direta, pois é nela que o pensamento se

realiza, isso porque para que se torne social o que se está pensado faz-se necessário que ele

seja convertido em palavra e que esta carregue o sentido social suficiente para dar dinamismo

à comunicação. No entanto, o entendimento entre as partes que se comunicam somente se dá

quando se acessa através da fala os motivos do interlocutor, o que refere dizer que o sentido

da palavra pode mudar a mercê da motivação imperada. A fala é, portanto um correlato da

consciência e não do pensamento, é o sinal de contato entre consciências, ou seja, está

presente no propósito da dialogia. Ressalta-se então que o significado da palavra não muda,

somente evolui em função da mudança de consciência, pois trata-se de uma generalização, já

o sentido é algo que carrega características sociais, culturais e ideológicas, portanto adapta-se

ao tempo e espaço (Vygotsky, 2004, 2009) .

Diante disso Vygotsky (2004) afirma que a comunicação entre as pessoas se dá por

meio de significados na condição de que estes significados evoluam. “O significado não se

refere ao pensamento, mas a toda a consciência.” (p. 189). Possui o papel de reorganizador de

toda a estrutura psíquica, pois cabe ao significado o elo entre pensamento e palavra para

assim ser possível o dialogismo. Conhecer o significado de algo implica em conhecer o

singular enquanto universal uma vez que é o significado quem permite que as generalizações

ocorram evidenciando que pouco eles mudam em acordo com o contexto.

O que orienta o discurso de cada pessoa é o que ela vem experienciando e se

identificando e que, então vai constituindo a sua consciência. O fato é que não existe

consciência sem uma experiência porque é a experiência quem determina a consciência.

Sendo assim, a fim de compreender o comportamento humano, Vygotsky (2004, 2009)

conceituou a consciência partir de três dimensões: experiência histórica, experiência social e


85
experiência duplicada.

A experiência histórica refere aquela que foi herdada pelo sujeito de suas gerações

anteriores, mas que não se trata daquilo que foi transmitido geneticamente, mas que foi

experienciado durante o seu desenvolvimento. Relacionando-se com a histórica está a

experiência social, que revela o componente social do comportamento humano na medida em

que se refere ao que foi vivenciado a partir da experiência do outro. Já a experiência

duplicada é algo afeito somente aos seres humanos, pois trata-se de uma espécie de

planejamento que ocorre a nível interno que se caracteriza pelo pensamento antes da ação e

que por isso permite ao homem desenvolver formas de adaptação ativa. Para que exista a

experiência duplicada o sujeito se baseia nas experiências histórica e social para que exerça

uma das principais funções da experiência duplicada que é a adaptação do homem ao meio de

forma ativa (a capacidade de transformar o ambiente e a si mesmo através da ação). O

homem, diferentemente do animal, modifica o meio para sobreviver adaptando-o a si

(Vygotsky, 2004, 2009).

O elemento cultural é, portanto, parte do processo de construção do homem, ou seja, é

a historicidade, a experiência que vai construir sujeitos diferentes, e são exatamente essas

condições de vida (objetivas) do homem é quem vão determinar a sua consciência, sendo

então um elemento primordial para a compreensão do conceito de subjetividade. A

subjetividade explica a constituição do sujeito humano através de sua elaboração do mundo,

como suas escolhas, por exemplo, o motivo de alguém pensar ou agir da forma que faz. E

exatamente essa consciência determinada a partir do contexto em que o sujeito vive composto

do arcabouço cultural e oriundo das interações sociais que vai constituir alguém enquanto

sujeito (Vygotsky, 2004, 2009).

Nesta tese, o estudo da consciência à luz da Teoria Histórico-Cultural auxilia na

medida em que ao se considerar a consciência como o resultado da vivência das experiências,


86
as reações das mães participantes desta tese que acontecem em nível de consciência é que vão

regular a forma como agirão nas situações subseqüentes ao dar-se conta da vitimação da filha

ou da repetição entre diferentes gerações femininas na família. Assim, essa categoria

histórico-cultural poderá subsidiar a compreensão acerca do modo como a mãe compreendeu

a situação e de que forma ela conseguiu adaptar-se e como reagiu.

2.2.5 Subjetividade

A categoria subjetividade é tratada pela Teoria Histórico-Cultural a partir da

constituição do sujeito. É um processo constante e que acompanha as mudanças sócio-

históricas do homem. O sujeito, por sua vez, é constituído a partir de suas relações sociais, e a

autoconsciência somente é possível a partir da consciência que se tem do outro nessa relação

dialética (Vygotsky, 2004). Nesta relação com o outro e com o meio em que vive, a cultura

exerce, portanto um papel fundamental neste processo de subjetivação. O homem e a cultura

possuem um papel ativo, o que quer dizer que ao mesmo tempo em que o homem constitui a

cultura ele é constituído por ela. Seu desenvolvimento cultural encontra-se assentado nos

processos biológicos numa ação complexa em que mutuamente cultura e biológico

constituem-se no desenvolvimento humano (Molon, 2009).

Deste modo, a categoria subjetividade é um conceito implicado na compreensão do

conceito de objetividade. Afirma que para que se conceba o mundo interno, é preciso

entender o externo. E neste processo, o sujeito atua sobre o objeto constantemente (Vygotsky,

2004). Neste sentido, o mundo pode ser considerado de forma ampla como o lugar da

constituição da subjetividade, pois trata-se de uma permanente constituição do sujeito através

do reconhecimento do outro e do próprio eu:

A subjetividade manifesta-se, revela-se, converte-se, materializa-se e objetiva-se no


87
sujeito. Ela é processo que não se cristaliza, não se torna condição nem estado estático e

nem existe como algo em si abstrato e imutável. É permanentemente constituinte e

constituída. Está na interface do psicológico e das relações sociais (Molon, 2009, p. 119).

A subjetividade vai tentar explicar conforme aponta Vygotsky, tratado em Molon

(2009), a constituição do sujeito humano através de sua elaboração do mundo, como suas

escolhas, por exemplo, o motivo de alguém pensar ou agir da forma que faz. São exatamente

essas condições objetivas que o constituem como sujeito e para isso o ambiente é fator

principal nessa constituição. Sendo assim, é a partir destas premissas que se assenta o estudo

da repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil entre geração, na busca de

compreender a forma como se constituiu o sujeito mãe a partir das condições vivenciadas

tanto na época em que ela própria foi vitimada pelo abuso como também quando do

conhecimento acerca da vitimação da filha.

É a partir da experiência de cada sujeito que seu comportamento e sua personalidade

desencadeiam. Assim, Vygotsky (1990) ao tratar da relação entre realidade e imaginação

assinala o caráter não abstrato específico ao humano. O autor aborda a função imaginativa do

ser humano atrelada a sua experiência histórica, pois é através dela que o homem constrói a

sua fantasia. Assim, a variedade da criatividade de cada um estará vinculada ao leque de

experiência que o sujeito acumulou durante sua vida, determinando o material que sustentará

a imaginação, o que refere dizer que, por exemplo, a imaginação da criança será mais pobre

de variedade e criatividade do que a do adulto que já tem mais tempo de vida e, portanto sua

experiência é mais vasta. Isso demonstra uma relação dialética entre a imaginação e a

experiência em que uma esta subordinada à outra. E o autor explica:

...a atividade criadora da imaginação se encontra em relação direta com a riqueza e a

variedade da experiência acumulada pelo homem, porque esta experiência é o material

com que ele ergue seus edifícios à fantasia. Quanto mais rica for a experiência humana,
88
tanto maior será o material de que dispõe a imaginação. Por isso, a imaginação da criança

é mais pobre que a do adulto, por ser menor a sua experiência ( p. 17).

Molon (2009) acrescenta que nesse cenário existente entre a realidade e a imaginação

está situado o vínculo emocional o qual se manifesta através da influência dos sentimentos

sobre a fantasia (como ocorre nos sonhos em que não há regras racionais para pensar ou agir)

ou mesmo da imaginação agindo sobre os sentimentos (como acontece ao ouvir uma música e

sente despertar um complexo de sentimentos e emoções relacionados à fantasia).

O sujeito é definido considerando sua condição de ativo e os espaços sociais onde ele

representa um momento da subjetivação e que de forma processual também é constituído. Ao

considerar o sujeito como um indivíduo consciente, intencional, atual e interativo, deve-se

lançar o olhar acerca do sujeito como um sujeito de emoção (Toassa, 2009).

As emoções são um tipo determinado de reação. São tratadas inicialmente por

Vygotsky como uma atividade instintiva do ser humano, que depois passa a tratá-las como

“comportamentos emocionais”3 de ordem hereditária: “...as emoções são funções psíquicas

superiores, funções mentais cujas formas e conexões biológicas, inferiores, são transformadas

pela vida social e cultural.” (Toassa, 2009, p. 238).

As emoções representam estados de ativação psíquica e fisiológicas que são oriundas

dos registros complexos do organismo em contato com o social, o psíquico e o fisiológico.

Elas representam um dos mais importantes registros da subjetividade humana, pois são

transformadas em ações as quais vão caracterizar o sujeito nos espaços de suas relações

sociais, adentrando também no cenário da cultura (Toassa, 2009).

Portanto, as emoções estão relacionadas com as vivências e com a consciência do

sujeito. O modo como o sujeito vivenciou as experiências durante a sua vida, que

3
Aspas da autora.
89
constituíram sentido para ele, associado ao exercício de tomada de consciência nestas

situações, vai dar o tom das emoções por ele vivenciadas. Neste sentido, ao lançar-se o olhar

para a vivência das mães que tiveram as filhas abusadas por alguém da família e que também

possuem história de abuso quando eram crianças, pode-se supor que o modo como estas mães

vivenciaram o seu abuso sexual intrafamiliar na infância ou adolescência e o modo como elas

internalizaram esta vivência e as emoções provocadas, vai influenciar no modo como elas vão

vivencias a historia de abuso sexual intrafamiliar de sua filha. O estudo desses registros

subjetivos a partir das emoções vivenciadas tanto na situação quando da vitimação da mãe

como quando sua filha foi vitimada torna-se ferramenta importante.

É nesse espaço que também se inscreve o que já foi abordado neste capítulo como a

tríplice natureza da consciência tratada por Vygotsky (2004) composta por experiência

histórica, social e dialógica. Numa breve retomada de conceitos, o autor define como

histórica aquela experiência que encontra-se registrada por antepassados históricos mas que

não estão relacionadas a herança familiar; como experiência social refere ao que o sujeito

contata em sua realidade em relações com a sociedade; e a duplicada refere aquela que o

sujeito abraça para si algo adquirido no meio social que o capacita relacionar-se consigo

mesmo. Assim, a experiência determina uma seleção de acordo com as necessidades do

sujeito, o que os diferencia dos demais e o caracteriza como ser distinto e único. Essa seleção

acontece envolvendo o sujeito em toda a sua capacidade envolvendo emoções, sentimentos,

criatividade, razão, personalidade etc.

Assim, o estudo acerca da subjetividade se torna agente necessário na compreensão do

sujeito mãe que também foi vitimado pelo abuso sexual e que viveu situação semelhante com

a filha. Isso porque trata-se de um caminho para acessar os aspectos particulares e sociais

desse sujeito ditados pela forma com que foram internalizados no decorrer das experiências,

ou seja, compreender a constituição da mãe enquanto sujeito a partir da forma com que se
90
relacionou com as diversas situações, que, para esta tese, toma-se como base a repetição do

abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil entre gerações.

2.2.6 A repetição

A Teoria Histórico-Cultural não aborda o abuso sexual, nem tampouco a repetição do

mesmo, conforme o objeto de estudo desta tese. No entanto, fornece subsídios teóricos para

compreender o sujeito mãe em sua subjetividade, ampliando o conhecimento acerca da

consciência que é acessada através da linguagem retratada nos signos socialmente acordados

e instituídos, revestidos em palavras que carregam os significados. O que se pode acessar

como forma de materialização desta consciência (que certamente retrata um movimento que

acontece em âmbito interno) são os elementos característicos dela retratados na linguagem

repleta de elementos constituídos de experiência (histórica, social e duplicada), reflexos

reversíveis e dialogismo.

Vygotsky (2004) aborda a compreensão e acesso à consciência a partir do estudo dos

reflexos. Assinala como lei elementar que os reflexos se entrelaçam entre si de modo que a

resposta de um se torna o excitante de um outro reflexo ao entrar em contato com um novo

outro. Afirma assim, a possibilidade de que em variadas conexões semelhantes haja um

mecanismo hereditário e que ainda sejam eles provenientes de reflexos não condicionados, e

as outras conexões existentes sejam produzidas a partir dessa experiência, fato que explica as

reações instintivas segundo Pavlov, sendo caracterizado como um mecanismo de reflexo em

cadeia.

Emprestando a explicação dos reflexos de Pavlov, Vygotsky (2004) encontra na

consideração de não somente um sistema de transmissão entre reflexo, mas vários deles

coexistindo, aponta um mecanismo que considera fundamental como forma de materialização


91
da consciência. O autor se refere à capacidade existente no corpo humano de através de seus

atos se constituir excitante de si mesmo, ao deparar-se com outros atos, o que considera ser a

base da consciência: “...Quanto mais acertadamente cada reflexo interno na qualidade de

excitante provocar toda uma série de reflexos diferentes procedentes de outros sistemas e

transmitir-se a eles, mais consciente será a sua sensação (será sentida, se verá reforçada na

palavra etc)”. (p. 71)

O fato de alguém dar-se conta de algo denota o ato de transformar determinados

reflexos em outros. Sendo assim, torna-se possível a existência de diferentes graus de

consciência, isso porque ter consciência das próprias sensações refere estar ciente de que

configurou-se objeto excitante para outras sensações, o que exprime a sua capacidade de

fazê-lo e então a condição para que haja a transmissão entre distintos sistemas: “... A

consciência é a vivência das vivências, assim como as simples sensações são as sensações

dos objetos...” (p.71). Isso porque quando um reflexo se torna excitante para outro reflexo (o

que configura a transmissão entre sistemas) o mecanismo ocorre de forma consciente

provocando uma resposta, o que configura que a consciência funciona, segundo o autor,

como um eco (Vygotsky, 2004).

As reações que acontecem em nível de consciência descritas por Vygotsky (2004)

possuem capacidade de regulação e direção das subseqüentes, e, por conseguinte tem o papel

de reguladora do comportamento. Enquanto mecanismo regulador pode acontecer de um

determinado reflexo que provocou certa excitação provocar uma reação secundária capaz

tanto de reforçar ou de interromper o excitante inicial, o que configura o mecanismo da

consciência.

No entanto, além das reações descritas, no organismo humano existem outros

processos como a autoconsciência e a introspecção que ocorrem somente graças aos reflexos

secundários que funcionam como fontes de respostas. O fato é que essa experiência se torna
92
acessível apenas à própria pessoa que vivencia (Vygotsky, 2004). E como acessá-los então, já

que compõem um repertório de dados que ocorre em âmbito particular, ou seja, se

configuram como reflexos não manifestos?

Para esta questão Vygotsky (2004) assinala a necessidade da mediação. Trata-se de

uma forma de acessar os reflexos que não são captáveis através de observação. A importância

de se buscar captá-lo prende-se ao fato de que na psique esses reflexos não manifestos (ou

fala silenciosa) desempenham papel primordial e central no sistema de comportamento. É aí

que se encontram as reações secundárias da consciência que executam papel de importante

excitante para respostas acessíveis.

Vygotsky (2004) refere que em sendo a consciência um mecanismo secundário, é

impossível ao homem dirigi-la para si mesmo, ou seja, não é possível pensar o próprio

pensamento, pois a consciência não é um reflexo e assim não pode servir de excitante para

outro reflexo subseqüente, mas ela é sim um mecanismo de transmissão entre sistemas

reflexos. Assim, a forma mais indicada para acessar esses mecanismos é por meio da vontade:

“...é precisamente por meio da vontade que descobre melhor e de forma mais simples a

essência da própria consciência(...) Qualquer movimento deverá se realizar da primeira

vez inconscientemente(...) É a consciência da vontade que proporciona a ilusão de dois

aspectos: pensei em fazê-lo e o fiz...” (p. 80).

Quando os sentimentos se tornam conscientes são atravessados pelo pensamento, e

este pensamento é permeado pelos sentimentos referidos. O que vai indicar a ênfase que o

sujeito dá para moldar seu comportamento externalizado é a vontade. Assim, abre-se um

teorema para a compreensão e constituição da consciência composta por sentimento (refere

dimensão afetiva) associado à vontade (relativo a motivação) associado também ao

pensamento (afeito à dimensão cognitiva) (Molon, 2001).

É a experiência quem determina a consciência por meio do mecanismo de reflexos


93
reversíveis, os quais podem ser criados pelo próprio sujeito, em que um excitante se torna

uma reação (ou vice-versa). São eles que caracterizam a base do comportamento social,

servindo assim como reguladores coletivos. Os excitantes advindos do meio social podem ser

reproduzidos pelo próprio sujeito, uma vez que ao se apropriar destes excitantes ofertados

pelas outras pessoas o sujeito é capaz de revertê-los e assim ter seu comportamento por ele

determinado, distinto dos demais (Vygotsky, 2004).

É a partir nesse mecanismo de sistema reversível que se assenta a importância da

linguagem, considerada como fonte de comportamento social e da consciência. Desta forma,

a linguagem torna-se um sistema de reflexos de contato social e também um sistema de

reflexos da consciência, o que possibilita a autoconsciência e o conhecimento do outro,

efetivados em mecanismos análogos (Vygotsky, 2004).

Assim, compreende-se a reflexividade da consciência, ao notar a capacidade do

sujeito em se desdobrar, ou seja, de ser objeto de si mesmo, o que refere uma consciência de

se estar consciente. A consciência então possibilita uma experiência duplicada para o sujeito

na medida em que o proporciona a experiência de ter um contato social consigo mesmo,

como é o que ocorre com a fala silenciosa e fala interior (Molon, 2009). É a partir do

conhecimento do outro que o sujeito se conhece numa relação dialógica em que um é

excitante para o outro provocando respostas, que por sua vez, revertem-se em próximos

excitantes de novas respostas (Vygotsky, 2004). Diante disso, o caráter secundário da

consciência é determinado pela sua gênese no social, portanto sua origem advém das

experiências e possui dependência psicológica das relações sociais (Molon, 2009).

As experiências são o principal determinante para a consciência. Dentre as formas

experiências relativas ao ser humano Vygotsky (2004) aponta o que chamou de tríplice

natureza da consciência, que é possível a partir do desdobramento que ocorre na consciência

do eu e outro no sujeito consciente, considerando o comportamento do sujeito em três


94
dimensões: experiência histórica, experiência social e experiência duplicada. As experiências

histórica e social não podem ser separadas pelo motivo de sempre aparecerem juntas, mas

possuem algumas características conceituais distintas. Por experiência histórica o autor

assinala ser aquela relacionada às vividas por gerações anteriores ao sujeito e que estão

situadas nos registros históricos, como algo que não é herdado no âmbito particular do

sujeito, ou seja, não é repassado de pai para filho. Já a experiência social que refere à

experiência de outras pessoas repassadas ao sujeito no momento em que ocorrem as relações

sociais efetivadas. Por experiência duplicada, entende-se a idealização de uma atividade antes

de ser realizada propriamente. Trata-se de uma realização da mesma atividade na própria

mente do sujeito para somente depois ser externalizada. É esta forma de experiência que

possibilita ao homem desenvolver-se ativamente, o que o diferencia da passividade dos

animais.

Outro fator diferenciador entre os sujeitos é a emoção a qual está afeita às vivências e

consciência do sujeito. As emoções configuram um dos mais particulares e importantes

registros da subjetividade humana, pois são elas que vão caracterizar o sujeito nos espaços de

suas relações sociais, transformando-se em ações. Servem como forma de seleção realizada

pelo sujeito a partir dos excitantes sociais. Trata-se de algo constituído historicamente e

culturalmente em que o sujeito esteve em constante contato durante suas relações sociais

(Toassa, 2009).

Mediante a retomada dos conceitos da teoria de Vygotsky, compreensão das categorias

discutidas, sabe-se que A Psicologia Histórico-Cultural que norteia esta tese não tratou do

objeto de estudo que se apresenta. Afinal, onde se configura a aproximação dessa teoria ao

problema destacado nesta tese, a saber, a questão da repetição do abuso sexual intrafamiliar

infanto-juvenil feminino entre gerações?

Ao se compreender que o homem é concebido como sujeito, o que implica a idéia de


95
subjetividade e que o sujeito é um produto do meio em que vive, ou seja, alguém que se

constitui de fora para dentro sendo, portanto, produto do contexto histórico-cultural,

postulado pela perspectiva proferida por Vygotsky (1995), configura-se subsídios para

compreender o sujeito estudado nesta pesquisa, as mães de crianças ou adolescentes abusados

sexualmente em caráter intrafamiliar e que também possuem tal histórico em suas vidas.

Compreender-se que se trata de alguém que se constitui a partir das condições objetivas

vividas em sua vida, o que refere dizer suas vivências a partir das experiências de abuso

sexual. São vivências que a constituem como sujeito e que contribuem para que reviva-a

diante da situação de abuso sexual intrafamiliar de suas filhas.

Estudos acerca das reações maternas diante do conhecimento do abuso sexual

intrafamiliar praticado contra seus filhos (as) (Morgado, 2001a, 2001b; Lima, 2008) apontam

que as mães tendem a resgatar memórias de sua própria vitimação no passado também por

abuso sexual intrafamiliar quando eram crianças ou adolescentes. Mas o que chama a atenção

é que embora algumas mães afirmem não se darem conta de que sua filha está sendo abusada

por alguém com quem se convive cotidianamente, a sua experiência está descrita na

possibilidade de tal situação acontecer vitimando crianças ou adolescentes. Tanto é que

algumas mães terminam por revelar que muitas vezes preferiram não encarar aquilo que

estava se delineando à frente de seus olhos, numa tentativa de defender-se não somente de

sua percepção acerca da qualidade do exercício de sua maternidade, mas também numa

tentativa de não encarar sensações e sentimentos vividos no passado quando de sua própria

vitimação.

Assim, emprestando da Teoria Histórico-Cultural introduzida anteriormente, pode-se

pensar tomando por base o mecanismo de reflexos reversíveis da consciência em que a

tomada de consciência da vitimação de sua filha reflete em excitante para a memória de sua

própria vitimação. Esta por sua vez, lhe convida para reações que estão baseadas na sua
96
experiência histórica e social, em que rememora o modo como foi operado por sua mãe

quando a vitima era ela, traduzindo em ações subseqüentes ao conhecimento (ou o dar-se

conta) da vitimação de sua filha, o que caracteriza um dos aspectos do que se denominou

repetição estudados nesta tese.

Outra aproximação entre o objeto de estudo desta tese e a Teoria Histórico-Cultural

diz respeito à consciência relativa à experiência duplicada. As ações maternas diante do

conhecimento do abuso sexual praticado contra sua filha são exteriorizadas após uma

elaboração interna, configurada em pensamento, mas que lhe possibilita formas de adaptação

ativa à situação. Trata-se de uma experiência consigo, com seus conteúdos internos, ou seja,

sentimentos, memórias, emoções, sensações e pensamentos, que ao serem externados se

mostram adaptados de forma que ora podem se configurar convenções sociais ou

momentâneas para ela ou a família, distantes de representar o que ela realmente gostaria de

externalizar, ora se configuram como respostas adequadas aos seus sentimentos, sensações

etc em busca de um ajuste psíquico, numa tentativa de extravasar aquilo que esteve

reprimido. O importante é observar que em qualquer das situações a mãe se constitui a partir

da experiência e tem seu comportamento regulado a partir destas conformações internas

excitadas pelo meio externo.

Neste espaço de discussão acerca do meio externo e suas influências no meio interno

que se inscreve também a discussão com base no que foi postulado sobre emoções. Quando

as emoções atuam como mediadoras do processo de subjetivação do sujeito, abre campo para

conjecturar-se acerca das vivências das mães diante da sua vitimação como também diante do

conhecimento a vitimação de sua filha. O raciocínio segue compreendendo que se as emoções

são um registro através do qual o sujeito consegue mobilizar-se subjetivamente para assim

desenvolver uma atividade, as ações subseqüentes ao conhecimento da vitimação da filha

registrado pela mãe decorrem embebidas de emoções que direcionam o seu comportamento.
97
Pode-se pensar ainda que o dar-se conta de que o que lhe ocorrera no passado incide sobre a

realidade de sua filha também pode ter sido movido por essas referidas emoções, não

deixando disponíveis os recursos necessários para encarar a nova sensação dolorosa, de dar-

se conta da repetição.

Isso porque esse estado emocional pode estar consciente ou não, mas o que os define é

seu caráter afetivo que historicamente vai se constituindo como categorias como auto-estima,

segurança, interesses etc. os quais definem o tipo de emoção que vai caracterizar o sujeito

quando diante da necessidade de realizar uma dada atividade. Acrescenta ainda que esta

atividade desempenhada pelo sujeito depende também da qualidade de sua realização nela

(Toassa, 2009).

Assim, ao se pensar nas mães diante de tal experiência de repetição, pode-se adicionar

às conjecturas expostas que elas tendem a buscar o não contato com os sentimentos negativos

oriundos da sua vitimação. E mais uma vez, não desejarem analisar-se acerca da qualidade de

sua função materna, também como forma de não ser obrigada a entrar em contato com os

sentimentos que lhe causam pesar. Em sendo assim, o fato de não se aperceberem das

evidências situacionais que ilustram a vitimação de sua filha em caráter intrafamiliar que por

ventura possam existir, se tornam inteligíveis.

Ao adentrar na discussão acerca das emoções envolvendo o caráter afetivo

representado historicamente por categorias como auto-estima, segurança e interesse, mais

uma vez se infere a relação com o objeto de estudo enfocado, compreendendo que sentir-se

bem a partir dessas conotações afetivas é condição para uma vida saudável (tanto física como

emocional). De acordo com pesquisas realizadas com mães que se deparam com o abuso

sexual intrafamiliar praticado contra um filho (a) (Morgado, 2001; Lima 2008), essas mães

apresentam diversos motivos para não sentirem-se seguras em se aperceberem da situação ou

mesmo de revelar o acontecido, assim como revelam que possuem uma vulnerabilidade
98
evidente e auto-estima baixa, desinteressando-se, muitas vezes, por si mesma ou pelos

próprios filhos e lar.

99
CAPÍTULO 3

MÉTODO

A proposta metodológica para esta tese é a abordagem qualitativa que segundo Rey

(2003, 2005) caracteriza-se pela compreensão do conhecimento como produção e não como

apropriação linear de uma realidade que se apresenta, defendendo assim, o caráter construtivo

interpretativo do conhecimento. Para Rey (2005): “O conhecimento é um processo de

construção que encontra sua legitimidade na capacidade de produzir, permanentemente,

novas construções no curso da confrontação do pensamento do pesquisador com a

multiplicidade de eventos empíricos coexistentes no processo investigativo...” (p. 07).

Afirma-se a pertinência da pesquisa qualitativa para esta tese dado o objetivo de

analisar a repetição do abuso sexual infanto-juvenil feminino que acontece no contexto

intrafamiliar em diferentes gerações da mesma família e a sua característica subjetiva. A

pesquisa qualitativa proporciona a compreensão do objeto a que intenta pesquisar através do

contexto em que está inserido, neste caso, o contexto familiar. Desta forma, será possível

captar os significados atribuídos pelas mães estudadas diante da situação de abuso que se

repete e de que forma se constituíram enquanto sujeitos nesse contexto social. Trata-se de

captar através das mães entrevistadas que participaram desta tese o sujeito e seu entorno

agindo sobre ele, assim como a sua ação sobre o meio, o que indica captar o indivíduo e o

coletivo, o histórico e o cultural mediado pela objetividade.

Neste sentido, em sendo esta tese de cunho qualitativo, que tem como fundamentação

teórica a Psicologia Histórico-Cultural postulada por Vygotsky, dentro do contexto de um

curso de doutorado em Psicologia Social, aliado as produções do NUPEDIA que também tem

fundamentado as suas pesquisas nesta teoria de Vygotsky, optou-se por analisar os dados
100
emergentes das entrevistas com as mães participantes a partir da teoria bakhtiniana da Análise

do Discurso. Mediante esta escolha, apresenta-se as aproximações teóricas que ambos os

autores mantém, e que servem para acessar a realidade que se busca conhecer conforme

objetivos apresentados anteriormente através da linguagem comunicada em cada discurso.

Nesta tese toma-se a linguagem como ferramenta de acesso a realidade das mães

entrevistadas. Segundo Bakhtin, a linguagem que se produz no discurso de cada sujeito

aparece atravessada por seu caráter histórico e social que fez parte da constituição do sujeito

que fala. Refere dizer que para Bakhtin cada sujeito é representado por uma consciência

individual, mas com atravessamentos coletivos. A cada momento em que o sujeito produtor

de discurso enuncia no dialogismo ele demonstra o que agregou à sua consciência, que novos

sentidos o fazem construir um saber através do qual ele se revela. Neste sentido, pode-se

pensar na consciência concebida por Vygotsky a partir das internalizações que o sujeito vai

fazendo ao longo de sua vida, as quais revelam a sua história e que vai agregando a si as

experiências vivenciadas ao longo da vida. Ou seja, tanto para Bakhtin como para Vygotsky o

sujeito é marcado por sua história e atravessado pela cultura, revelando-se um sujeito social.

Ao se abordar o processo de interação social a partir da visão de Bakhtin e Vygotsky

pode-se conceber que ambos os autores visavam a dialética do subjetivo e do objetivo,

relação esta mediada pela linguagem. Refere dizer que seja na linguagem, seja na interação

ou no diálogo há sempre a relação do sujeito e do outro. Ou seja, tanto para Bakhtin como

para Vygotsky a linguagem é considerada uma prática social.

3.1 A análise de discurso de Bakhtin

A análise de discurso de Bakhtin entende que a interação com o outro no mundo

social é o aspecto central no processo de constituição da consciência de um sujeito. É através


101
do discurso alheio existente nas relações interpessoais que se constrói o conhecimento e as

identidades sociais. Portanto, o discurso proferido não pode ser compreendido fora da

situação social em que foi concebido, retratando assim as características internas como

cultura, valores e normas do grupo a que pertence (Bahktin, 1981).

A proposta para esta pesquisa é de um processo de construção subjetiva que se dá a

partir das condições de vida dos sujeitos, neste caso, das mães participantes. Isso porque

compreende-se que a partir de suas condições objetivas que as mães irão construir seus

discursos reveladores de suas vivências subjetivas e versarão sobre a sua experiência de

vitimação por abuso sexual intrafamiliar quando eram crianças ou adolescentes, revelando

assim a repetição entre gerações.

Bahktin (1981) afirma que um dos erros mais grosseiros que se comete ao analisar um

discurso é separar a linguagem do sujeito de seu conteúdo ideológico e vivencial. Isso porque

propõe que o sujeito é constituído na e pela linguagem em que várias vozes se encontram e

são orientadoras das narrativas, caracterizando a polifonia constituinte do discurso tratada

pelo autor. Isso porque em cada discurso pode-se encontrar regularidades lingüísticas bem

próximas a noção de linguagens sociais definidas como aqueles discursos que são peculiares

a um determinado grupo num determinado contexto e momento histórico, os quais são

responsáveis por moldar a forma e o estilo momentâneo das enunciações, o que denominou

gêneros de fala. Trata-se da forma mais ou menos estável da fala que está em consonância

com o contexto, tempo e com os envolvidos no discurso. Assim, para o autor a linguagem é

em si uma prática social, uma vez que os sentidos somente são construídos quando duas ou

mais vozes se encontram e se confrontam.

Vygotsky (2009) aborda as várias vozes orientadoras do discurso como forma de

identificação social convertida intrapsicologicamente que perpassa a história do sujeito,

dialeticamente relacionada com suas experiências coletivas, e, portanto, componentes da sua


102
subjetividade.

Para a Análise do Discurso proposta por Bakhtin, o discurso é uma ação do sujeito

sobre o mundo que o rodeia. Neste sentido, a sua existência deve ser contextualizada como

um acontecimento, já que gera uma interpretação e refere uma vontade de verdade (Brandão,

1993).

Sendo assim, o sujeito é alguém que se constitui pela sua história de vida socialmente,

ou seja, que é inacabado já que permanece vivenciando constantes experiências ao longo de

sua vida. Trata-se de um ser social que interage com o coletivo dialeticamente. Este sujeito é

marcado pela heterogeneidade oriunda de sua interação social e, portanto, em constante

constituição (Fernandes, 2005). Segundo Orlandi (2005) é um sujeito atravessado pela

ideologia e pelo seu inconsciente, pois ele não tem o controle de como esta história, este

social e esta ideologia vão afetá-lo. Refere dizer que em seu discurso ele se revela para o

social e para si mesmo num processo dialógico. Acrescenta Brandão (1993) que o sujeito não

o é em si mesmo, mas sim da forma como existe socialmente marcado ideologicamente, o

que implica num sujeito que não se configura como a origem dos sentidos apresentados em

seu discurso, mas sim já que através do seu discurso outras falas se fazem presente.

O que define o sujeito na Análise do Discurso é o lugar de onde ele fala, ou seja, o

sujeito é um acontecimento que ocorre em determinado contexto, sendo assim, simbólico.

Isso porque ele depende da língua e da história para se constituir, sem os quais ele não fala e

nem tampouco produz sentidos (Orlandi, 2005).

Em sendo o sujeito um acontecimento simbólico, pode-se entender que ele é capaz de

ocupar várias e diferentes posições no discurso. Refere dizer que ele pode assumir diferentes

papéis em seu discurso. Na analise dos discursos das Participantes este fato foi observado

quando elas ora se posicionavam em seu discurso enquanto sujeito mãe, vitimada, filha e ora

como mulher. Elas falavam destes diferentes lugares ideologicamente e historicamente


103
marcados e construíam discursos que revelavam a forma como elas vivenciaram estas

experiências e a forma como cada uma delas lhe constituiu. Elas atravessaram diversos

discursos que constituíram a sua historia e foram também atravessadas por estes discursos

que remetiam as vozes coletivas pertencentes a sua historia de vida e que fizeram sentido

para elas.

Dialogicamente estas Participantes se constituíram através da entrevista na relação

com a pesquisadora, a qual serviu como o outro que lança o olhar sobre o sujeito e que lhe

permite a constituição da imagem de si mesmo. Considerando a teoria dos atravessamentos

discursivos, este sujeito que fala é um eu que só teve sentido quando o outro (a pesquisadora)

lhe atravessou. Isto é, a sua subjetividade foi constituída na relação intersubjetiva com a

pesquisadora. Daí a importância também de as Participantes demonstrarem através de seus

discursos a importância de enunciar sobre os vários envolvidos nas experiências de abuso

sexual enunciadas.

Em sendo o sujeito social, os discursos construídos por eles se movem em direção a

outros discursos, do coletivo, isso porque ele é sempre atravessado por outras vozes que o

antecederam e que mantêm com ele uma relação constante seja apoiando e legitimando, seja

confrontando-o, contradizendo-o. É essa a base do discurso, o dialogismo. O principio do

discurso é que ele não acontece solitariamente, ele é composto por outros discursos, com os

quais dialoga. Tais discursos podem ter origem num passado remoto, estando dispersos pelo

tempo e pelo espaço, no entanto, se encontram quando são atravessadas por uma mesma regra

para acontecerem seja por um mesmo tema, mesmo conceitos, etc (Gregolin, 2001).

Desta forma, ao analisar-se um discurso faz-se importante que as contradições

apareçam para assim apresentar os jogos de verdades que desempenham no discurso

construído e assim mostrem quem é o sujeito que fala e de onde fala. Um sujeito que na

medida em que interage dialogicamente com o mundo que o cerca constrói seu discurso de
104
forma permeável e, portanto, passível de movências de sentidos (Gregolin, 2001).

Esta contradição encontrada no discurso é expressa através da linguagem, que é o

lugar onde há os conflitos inerentes a interação social. Ela traz consigo um constante

movimento de sentidos de acordo com o tempo histórico, condições ideológicas e relações

subjetivas. Para se apreender o sentido em meio a este movimento constante das interações,

deve-se priorizar a ordem do discurso. Perceber as polifonias na forma que aparecem no

mesmo e toda a rede de significados, já que estas diferentes vozes constituintes do discurso

determinam o sujeito dialeticamente e neste processo, as condições sociais que vão ditar o

modo como o discurso foi construído e quem é o sujeito que está por detrás do mesmo. Esse

outro que interage com o sujeito que profere o discurso tem um papel fundamental para o

sentido e para o significado que se quer emitir, ou seja, ele faz parte de todo o processo de

enunciação daquele que emite o discurso (Brandão, 1993).

Nos discursos das Participantes foi possível notar o quanto que elas interagem com os

envolvidos e com os discursos que estiveram presente cronologicamente no contexto do

abuso sexual que sofreram, no abuso sexual em que suas filhas foram vitimadas e no

momento em que estavam construindo o discurso durante a entrevista com a pesquisadora.

Notou-se que em diferentes momentos da entrevista elas construíam discursos contraditórios

em que um sentido que outrora regulou o seu discurso, não mais o fazia, já que não carregava

tanta força de sentido naquilo que ela queria comunicar no novo discurso. Outrossim, elas

retomavam discursos que já tinham enunciado em um momento anterior, durante a entrevista,

atribuíam novo sentido, demonstrando a movência necessária inclusive para a sua elaboração

do que queria comunicar.

105
3.1.1 Os elementos da Análise do Discurso de Bakhtin

Os elementos da Análise de Discurso de Bakhtin que serão analisados nesta tese são:

enunciados, dialogismo, polifonia e gêneros discursivos. Para cada um desses elementos

apresentar-se-á em seguida os olhares de entendimentos lançados para que se possa

compreender de que forma se entendeu cada um deles e como foram inseridos nas análises

que se seguem.

Segundo a teoria bakhtiniana, em sendo a dimensão do discurso interativa, histórica,

social e cultural, o tema só pode ser compreendido dentro do enunciado (Brait & Melo,

2010). O enunciado é uma unidade (porque trata do mesmo tema) da comunicação verbal

produto da interação entre sujeitos que estão socialmente organizados. É uma unidade aberta

de natureza social, que por isso, ela é mutável de acordo com o contexto em que o dialogismo

acontece (Bakhtin, 1981). Cada enunciação traz consigo um sentido que só pode ser

compreendido dentro do contexto em que se profere, e para compreendê-la deve-se analisar

também a situação extraverbal que vem implicada no verbal, pois é através da porção

extraverbal do diálogo integrada ao discurso que se chega à compreensão da significação do

mesmo (Cereja, 2010).

O dialogismo é um processo de comunicação interativa através do qual um sujeito se

vê e se reconhece a partir do outro, quer dizer, a partir da imagem que este outro constrói

deste sujeito. Neste dialogismo, o ato de compreensão da comunicação é uma resposta. Trata-

se de uma atitude através da qual um interlocutor se coloca de acordo com a sua constituição

ideológica acerca daquele discurso com o qual dialogicamente se relaciona. Esta atitude

responsiva pode acontecer de forma interna ou externa. É interna quando o sujeito conversa

consigo mesmo acerca daquele discurso que ele construiu, e externa quando ele apresenta a

sua compreensão. Compreender aqui refere se apropriar dos discursos do outro para a
106
constituição da enunciação, e então construir pessoalmente uma resposta em forma de

argumento do discurso do outro. É utilizar o discurso do outro para compor o seu discurso de

resposta. Mesmo que esta resposta seja interior, o sujeito toma posição em relação ao

discurso que ouviu, o que também torna a atitude responsiva interna influenciada por outros

discursos ou fatores exteriores (Fuza & Menegassi, 2006).

Quando vai construir um discurso, o sujeito cria e recria vozes distintas que

participam ativamente do processo dialógico. Tais vozes são também sujeitos do discurso que

se apresentam ideologicamente e não objetos, já que representam as personalidades, opiniões

e idéias constituintes do sujeito que fala (Bezerra, 2010).

O discurso que se processa no dialogismo manifesta-se a partir da polifonia (várias

vozes constituintes do discurso) e da heterogeneidade (diferentes sentidos das vozes),

presentes nos diversos gêneros discursivos e na intertextualidade. Pode-se dizer que a

polifonia então, é o entrecruzamento de diversas vozes num tempo e num espaço e que se

instauram no enunciado. A polifonia é o elemento que harmoniza a diversidade de vozes

independentes produzindo diferentes efeitos de sentidos repercutindo múltiplas ideologias

(Bezerra, 2010).

Em sendo o enunciado dinâmico, já que depende do contexto e dos sujeitos

envolvidos, se considerados isoladamente, são individuais, ou seja, refletem a individualidade

de quem fala. No entanto, em sua estrutura lingüística apresenta certas características estáveis

na utilização da língua. Isso quer dizer que a utilização da língua efetua-se em forma de

enunciados, e esta utilização elabora alguns tipos relativamente estáveis de enunciados do

ponto de vista temático, composicional e estilístico, os denominados por Bakhtin de gêneros

do discurso (Bakhtin, 1992).

Os gêneros discursivos comandam os usos dos variados elementos da língua. Cada

gênero impõe um certo ponto de vista, uma atitude, uma forma de pensamento e uma
107
entonação, de acordo com a esfera de atividade humana à qual ele se associa. São os

responsáveis pelo movimento interativo de discursividade existente no discurso. Assim como

a enunciação, os gêneros discursivos constituem-se por aspectos extraverbais e verbais, que

se inter-relacionam, mas dão uma ênfase maior à reflexão acerca da face extraverbal, pois

muitas vezes é o que mais diferencia as individualidades (Bakhtin, 1981).

A riqueza e a variedade dos gêneros do discurso são infinitas, isso porque a variedade

virtual da atividade humana é inesgotável, e à cada esfera dessa atividade cabe um repertório

de gêneros do discurso que vai diferenciando-se e ampliando-se à medida que a própria esfera

se desenvolve e fica mais complexa. Quer dizer que os gêneros discursivos vinculam-se aos

modos social e historicamente constituídos de interação verbal associados a certas esferas

humanas; tais esferas mudam historicamente e, conseqüentemente, os gêneros discursivos

também se transformam num movimento dialético. O sujeito, ao falar ou escrever, refere

marcas relativas a sua sociedade, seu núcleo familiar, suas experiências, além de conseguir

antever as expectativas do interlocutor através de seu contexto social, criando um discurso

compatível ao que este deseja ou não ouvir (Bakhtin, 1981).

Deste modo, a polifonia resulta de gêneros discursivos num dado contexto

enunciativo. A produção dos gêneros discursivos é resultado das interações verbais e abarca

os códigos culturais do devir. Por conta disso, existe uma grande variedade dos gêneros do

discurso, os quais podem revelar a variedade dos aspectos da personalidade de cada

indivíduo, assim como o seu estilo individual de se relacionar com a língua comum

(Machado, 2010).

Desta forma, na perspectiva bakhtiniana discursiva, a língua é vista como sendo

dinâmica e viva e nela se reflete uma pluralidade de perspectivas sociais e ideológicas que se

constituíram historicamente. O discurso tem um caráter dialógico, ou seja, interacional com

um outro sujeito que assume o papel de relacional responsivo aos enunciados proferidos pelo
108
locutor. O enunciado, por sua vez, é a unidade do discurso através do qual se comunica um

dado sentido com intuito de provocar a ação responsiva do ouvinte e se constitui de

elementos como polifonia e gêneros discursivos (Bakhtin, 1992).

Sendo assim, para analisar os discursos produzidos pelas Participantes desta tese

tomou-se como apoio os estudos teóricos desenvolvidos por Bakhtin que versam sobre

discurso e linguagem. Estes estudos permitiram que fosse realizada uma análise dos referidos

discursos produzidos no processo, no qual focalizou-se os enunciados, dialogismo, polifonia

e gêneros discursivos, sendo estes os elementos da Análise do Discurso que mais se

destacaram e se repetiram nas vozes das Participantes.

3.2 Lócus

Para acessar a experiência das mães que também foram vitimadas pelo abuso sexual

infanto-juvenil intrafamiliar foi necessário conhecer no CREAS primeiramente quais dentre

as mães que tem o filho (a) atendido na instituição por demanda de abuso sexual intrafamiliar

possuem tal histórico de vitimação.

3.3 Participantes e Amostra

A amostra foi definida a partir dos números identificados no CREAS a partir dos

dados fornecidos pelas mães no momento em que foram atendidas ao levarem seus filhos (as)

encaminhados por vitimação por abuso sexual para acompanhamento especializado no local.

Os participantes foram selecionados através de amostragem não probabilística do tipo

intencional e critério para determinar o número de sujeitos participantes foi o critério de

saturação, que refere que quando o pesquisador atinge a compreensão da lógica interna do
109
grupo que está estudando, alcança a homogeneidade, a diversidade e a intensidade das

informações necessárias ao seu trabalho (Minayo, 2007).

Sendo assim, foram realizadas 10 entrevistas no total, no entanto, três delas não

atendiam aos critérios estabelecidos nesta tese, o que fez com que não participassem da

amostra. Ademais, nas sete entrevistas que compõem o tamanho desta amostra a repetição

dos elementos semelhantes nos discursos pertinentes ao objeto, fizeram compreender ter sido

atingido a saturação proposta.

As participantes desta pesquisa são mães de crianças ou adolescentes vitimados pelo

abuso sexual intrafamiliar e que também possuem histórico de vitimação por abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil. Constitui, portanto, mulheres que reviveram através da

vitimação de suas filhas as suas histórias pregressas de violação.

A propósito, nesta análise utiliza-se o termo Participante para designar cada

entrevistada que aceitou participar da pesquisa conforme procedimento referido, no que vem

representada pela letra P seguida de um número correspondente a ordem em que foi

entrevistada no grupo de participantes desta pesquisa. Utiliza-se a palavra sujeito para referir

as participantes enquanto subjetividades construídas em determinados contextos, ou seja, são

os sujeitos histórico-culturais que tem sua constituição subjetiva resultadas de suas vivências

a partir dos fatores externos que foram internalizando.

3.4 Técnicas e instrumentos

Para esta tese utilizou-se de documentos e entrevistas. Os documentos foram

repassados pelo CREAS, a partir dos quais identificou-se as mães que atendem aos critérios

estabelecidos ora descritos. Os documentos versaram sobre os dados pessoais, sociais e

educacionais concernentes às crianças e adolescentes atendidos no local. Destes documentos


110
retirou-se a informação acerca de casos anteriores de violência, onde as mães revelaram suas

vitimações.

Quanto às entrevistas são do tipo semi-estruturada e realizadas individualmente. A

escolha pela entrevista para ter acesso aos dados das participantes repousa na possibilidade de

se obter informações acerca dos mais variados aspectos da vida social das entrevistadas,

acessando com profundidade aspectos do comportamento humano gerando dados suscetíveis

de análise (Gil, 1999). Segundo Minayo (2007):

“... a entrevista é acima de tudo uma conversa a dois, ou entre vários interlocutores,

realizada por iniciativa do entrevistador, destinada a construir informações pertinentes para

um objeto de pesquisa, e abordagem pelo entrevistador, de temas igualmente pertinentes

tendo em vista esse objetivo.”

Marconi e Lakatos (2008) afirmam que a entrevista possibilita ainda que se alcance os

significados que os entrevistados dão aos fenômenos e eventos de sua vida cotidiana,

utilizando-se os termos por elas fornecidos, ou seja, permite o tratamento de assuntos de

ordem pessoal. Acrescentam que no formato semi-estruturada da entrevista permite que o

entrevistador insira questões de forma adaptada ao discurso que está sendo proferido, não

sendo obrigado a engessar-se ao roteiro, garantindo o caráter interativo da entrevista. Minayo

(2007) corrobora afirmando que quando organizada de forma semi-estruturada possibilita ao

entrevistador discorrer acerca do tema enfocado sem prender-se às questões formuladas

previamente e que compõem o roteiro.

Szysmansky (2002) afirma que a entrevista refere-se a aspectos importantes da vida

do entrevistado e que por isso podem provocar momentos de reflexão acerca do que está

sendo dito, o que a autora refere como uma espécie de “exame de consciência”4 dependendo

4
Aspas da autora referida.
111
do grau de envolvimento deste entrevistado. Acordando com tal idéia, Minayo (2007) afirma

que a entrevista enquanto fonte de informação trata de reflexões pessoais do sujeito acerca de

sua realidade, ou seja, alcança o caráter subjetivo do entrevistado os quais só podem ser

conhecidos com a colaboração do próprio sujeito, como idéias, crenças, sentimentos,

maneiras de agir etc.

Diante disso, Szysmansky (2002) aponta para a importância de se considerar a

dimensão ética e psicológica da entrevista enquanto interação entre duas pessoas,

compreendendo que cada entrevista deve ser adaptada às características do entrevistado

(idade, nível sócio-econômico, disposições afetivas, grau de instrução etc).

Assim, as entrevistas versaram sobre a experiência que as mães tiveram com suas

filhas e o conhecimento acerca de outras histórias de vitimação, buscando-se reconhecer as

mulheres que também possuem história de vitimação por abuso sexual na infância ou

adolescência. Após elencar as mulheres também vitimadas, estas passam por uma entrevista

individual cujo roteiro versou diretamente acerca do abuso sexual que estas mães sofreram e

das características de repetição do mesmo. A estratégia de compreensão da realidade das

entrevistadas será a Análise do Discurso.

3.5 Procedimentos

Para esta pesquisa foram adotados todos os passos determinados pela Resolução Nº

196/96 do Conselho Nacional de Saúde que versa sobre as diretrizes e normas

regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Sendo assim, a pesquisa foi

submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria Estadual de Saúde da Paraíba

(CEP/SES – PB) tendo sido aprovada na 64ª Reunião Ordinária realizada em março do ano

de 2010.
112
Ao CEP/SES - PB foi encaminhado o modelo de Termo de Consentimento Livre e

Esclarecido através do qual se torna possível que as mães conheçam os objetivos e

metodologia da pesquisa e então assinem concordando em participar da pesquisa. Além do

termo às mães foi encaminhado o modelo de Termo de Autorização do CREAS da cidade de

João Pessoa (PB).

Foram elaborados dois roteiros de entrevista diferentes em que em um somente as

mães que ainda não revelaram (registrado no documento do CREAS) que foram vitimadas

por abuso sexual intrafamiliar quando crianças ou adolescentes responderão acerca de tal

investigação e há a suspeita das técnicas que a atenderam de que também possuíam história

de vitimação devido a certas reações emocionadas. Em caso afirmativo, estas entrevistadas

passaram por outra entrevista, mas que desta vez abordando a sua experiência de vitimação

do passado e as características de repetição. Ressalta-se que este segundo roteiro também foi

aplicado às mães que já revelaram a sua vitimação tendo registrado tal dado nos próprios

documentos repassados pelo CREAS, e que portanto, não precisaram passar pela entrevista

do roteiro de investigação de vitimação no passado.

Para a obtenção das informações fornecidas pelas mães participantes da pesquisa, foi

utilizado o gravador eletrônico sob conhecimento e autorização previa das Participantes, a

fim de proporcionar melhor captação e conseqüente fidedignidade dos dados. Diante disto, as

mães foram consultadas acerca de seu interesse em ouvir a gravação efetuada de sua

entrevista. Mediante captação de áudio, o conteúdo foi transcrito em sua forma literal em um

arquivo de Word, de forma a facilitar a análise, incluindo o diálogo nas enunciações feitas

pela pesquisadora e por cada participante. Após transformar o discurso verbalizado oralmente

em texto, os discursos foram analisados em sua totalidade, ou seja, em bloco de respostas, a

partir do qual os discursos foram ganhando sentido de forma a entender-se não mais

necessitar das enunciações feitas pela pesquisadora no contexto da entrevista. De certo que
113
extraindo-se as enunciações da pesquisadora ainda assim esta se fez presente no processo

dialógico na medida em que se constata através dos discursos a interação entre ambas,

pesquisadora e Participante.

As mulheres que aceitaram participar da pesquisa assinaram um Termo de

Consentimento Livre e Esclarecido que além de constar os objetivos da pesquisa e a

metodologia utilizada explicita o compromisso com o sigilo de suas identidades bem como

das informações fornecidas.

Os documentos triados datavam do período entre de janeiro de 2008 até julho de

2010. A escolha por este intervalo de tempo prende-se ao fato de ser um período capaz de

assegurar o acesso à população, no que tange a mudanças de telefone e endereço, que

segundo as técnicas do CREAS isso costuma acontecer. Assim, busca-se garantir que os

dados para contatos fornecidos por elas no momento de atendimento aos seu (s) filho (as) são

acertados.

Posteriormente, de posse dos dados relativos a cada mãe, solicitou-se ao CREAS que

realizasse o contato com as mesmas e consultassem-nas acerca de sua concordância em

participar da pesquisa sobre violência sexual. Assim, ao convidar as mães para retomar os

atendimentos no local, as técnicas também marcavam no mesmo dia marcado para o

atendimento, a entrevista com a pesquisadora mediante o aval das mães. No entanto, em

alguns casos, quando as técnicas não conseguiam fazer com que as mães fossem até o

CREAS, marcavam visita domiciliar no que já indagavam às mães se gostariam participar da

pesquisa. Em caso afirmativo, a entrevista era realizada na casa da participante logo em

seguida de seu atendimento domiciliar.

114
3.6 Tratamento e Análise dos Dados

Para tratar os dados optou-se pela Análise do Discurso de Bahktin, que se procedeu

em etapas em que primeiramente estabeleceu-se um corpus através da transcrição literal das

entrevistas a partir do qual estará preparado o material para a realização da leitura flutuante e

a análise propriamente dita tomando-se como base os elementos da análise do discurso

elencados.

A análise propriamente dita prioriza os intertextos (categorias aprioristicamente

elencadas que abordem a repetição), assim como o alinhamento e a dinâmica do discurso

buscando verificar o encadeamento das idéias e palavras, o aspecto seqüencial apresentado, o

estilo, os elementos atípicos e figuras de retórica utilizadas pelas participantes. Em seguida,

foram identificados os elementos da análise do discurso, enunciados, dialogismo, polifonia e

gêneros discursivos enfocados nesta tese, e elencadas as falas identificadas como

representativas. Ao final foram realizadas inferências e a interpretações com os respectivos

intuitos de descrever os dados a partir dos significados obtidos nos discursos e estabelecer

relações com os fundamentos teóricos adotados.

Sendo assim, considerando-se a teoria da Análise do Discurso de Bakhtin priorizada

nesta tese, a relação entre a pesquisadora e as Participantes se deu dialogicamente, e foi o que

propiciou o discurso que cada uma delas construiu e emitiu durante as entrevistas. Cada

Participante elaborou o seu discurso a partir de uma interanimação dialógica com a

pesquisadora.

Nesta tese, cada enunciação apresentada no diálogo da entrevista deu espaço para que

as Participantes expressassem a sua compreensão responsiva ativa do que foi enunciado. A

partir de sua compreensão, as participantes enunciam um acontecimento construído oriundos

de suas experiências. Neste sentido, conforme teoria afirmada por Brait e Melo (2010) é
115
através do enunciado que os sujeitos dos discursos (neste caso as Participantes desta

pesquisa) constroem e expressam suas marcas subjetivas de acordo com as suas vivências.

Os enunciados proferidos pela pesquisadora revelam a experiência vivenciada durante

as entrevistas realizadas com mães de crianças ou adolescentes que sofreram abuso sexual

que participaram da pesquisa. Assim, todas as palavras, temas e enunciações são dirigidos por

um conhecimento que constitui a pesquisadora subjetivamente nos papéis assumidos de

locutora e ouvinte-responsiva no processo dialógico que se deu durante a entrevista com a

Participante. Neste processo dialógico, os enunciados da pesquisadora e das participantes

interanimaram-se de forma a dirigir a entrevista para os seguintes grandes temas: abuso

sexual intrafamiliar sofrido pela filha e abuso sexual intrafamiliar sofrido pela entrevistada.

Estes temas se desdobraram em subtemas que abordaram: vivência, subjetividade,

consciência e repetição.

Para buscar conhecer a realidade das Participantes, a pesquisadora compôs discursos

que motivaram a elaboração de outros relativos aos temas mencionados os quais tiveram

como verbos principais: contar, falar, sentir, saber, tomar (conhecimento), conhecer,

acontecer, relatar, saber, revelar, perceber, dizer, conversar, recordar, discorrer, avaliar, entre

outros. E como substantivos que complementaram o sentido das falas da pesquisadora como

abuso sexual, conhecimento, experiência, situação, providência, procedimento, circunstância,

relação, vida, vontade, influência, repetição entre outros.

Como forma de organização categórica da análise, diante do objetivo de analisar a

repetição do abuso sexual infanto-juvenil feminino no contexto intrafamiliar a partir do olhar

das mães, os discursos constituintes das entrevistas realizadas com as Participantes são

apresentados nesta tese de forma a apresentar-se o sujeito do discurso mãe, mulher, vitimada.

Isso porque entendeu-se que as Participantes transitaram entre os papéis de mães, mulheres e

de vitimadas para assim construírem seus discursos. Neste sentido, alguns tópicos de análise
116
dos discursos foram assinalados a partir da forma como as Participantes se enunciavam nos

discursos: a) A mãe vitimada: O discurso sobre o abuso intrafamiliar sofrido pela filha; b) A

mulher vitimada: O discurso sobre o abuso sexual que Participante sofreu; c) A repetição do

abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar entre gerações que emerge no discurso da

Participante; d) A subjetividade que emerge através do discurso da Participante.

Sendo assim, a partir dos discursos das Participantes algumas categorias de análise se

fizeram presente nos discursos e que merecem esclarecimento quanto a forma através da qual

serão compreendidas nesta análise como:

• Tomar conhecimento: refere o primeiro contato que a Participante teve com a

revelação da situação seja de abuso, seja acerca de quem foi o abusador, das

conseqüências geradas etc.

• Reação: o que a Participante fez ao primeiro contato, ao tomar conhecimento, como

por exemplo, chorar, desmaiar, vontade de matar o abusador etc.

• Procedimentos: refere aos procedimentos legais que envolvem situações de abuso

sexual cometido contra crianças e adolescentes. Engloba os procedimentos que fazem

parte do protocolo de defesa dos direitos das crianças e adolescentes, como, por

exemplo, buscar atendimento no CREAS.

• Providência: o que a foi feito ao saber do que tinha acontecido. Difere da reação na

medida em que a providência se torna algo mais elaborado como, por exemplo, ir ao

encontro da filha que acabara de lhe revelar a sua vitimação via telefone.

117
CAPÍTULO 4

RESULTADOS:

A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INFANTO-JUVENIL FEMININO ENTRE

GERAÇÕES A PARTIR DA VOZ DE MÃES-MULHERES-VITIMADAS

“...Me sinto muito mal. Assim muito mal


mesmo. É uma dor que você acha que já tem
passado. Que já tem superado. E quando você
olha que ta[sic] tudo acontecendo na mesma
coisa ou até mais pior[sic] do que foi com a
pessoa, que aconteceu com você. E você olha,
poxa!..” (P5).

Este capítulo trata dos resultados obtidos a partir das entrevistas realizadas, ou seja,

dos discursos que emergem a partir das falas das Participantes. São discursos construídos a

partir de uma relação dialógica com a pesquisadora reveladores destes sujeitos que se

constituíram a partir da experiência de repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil

feminino entre gerações.

Através da relação dialógica entre pesquisadora e participantes no contexto da

entrevista foi possível conhecer através dos discursos que emergiram os sujeitos mães,

mulheres e vitimadas que se constituíram em cada experiência vivenciada, seja através do

abuso sexual intrafamiliar sofrido por sua filha, ou através da vivência do seu próprio abuso

sexual intrafamiliar, e, principalmente, através da vivência da repetição do abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil experienciado.

De certo que cada uma das experiências destacadas está afeita a uma Participante e à

118
sua condição singular, através do que emergem diferenças entre elas. No entanto, algumas

semelhanças, puderam ser percebidas através dos discursos que se configuraram como

saturação percebida através dos tipos de discursos que elas construíram.

Neste sentido, este capítulo está configurado da seguinte forma: primeiro faz-se uma

breve apresentação das Participantes enquanto mães, mulheres e vitimadas, em seguida

apresenta-se os tipos de discursos produzidos por elas, seguido da análise dos discursos que

emergiram, e, por fim, as subjetividades que emergem de tais discursos.

4.1 As Participantes (P)

4.1.1 A Participante 1 (P1)

P1 é uma mulher de 39 anos de idade e que tem o segundo grau completo de estudos.

Vive maritalmente com alguém há nove anos, com quem reside junto com as duas filhas (15 e

14 anos). Trabalha como cabeleireira e recebe cerca de mil reais por mês. Além dessa renda

relata que recebe ajuda financeira do pai de suas filhas de cerca de 600 reais mensais.

É uma mulher que tem duas histórias de vitimação por abuso sexual intrafamiliar em

sua vida. A primeira vez foi vitimada por um vizinho, amigo da família, quando tinha cerca

de oito anos. Na segunda vez, quem a vitimou foi seu cunhado, esposo de sua irmã, quando

tinha 15 anos de idade. Segundo P1, em ambas as situações ela não revelou a ninguém os

abusos sexuais que sofrera.

Além dessas experiências em que ela foi vitimada pelo abuso sexual intrafamiliar,

revela em seu discurso que é mãe de uma menina que, assim como ela, aos oito anos de idade

sofreu abuso sexual intrafamiliar por parte de um vizinho, situação esta que lhe obrigou a

reviver muitos aspectos de sua própria história.

119
4.1.2 A Participante 2 (P2)

P2 tem 37 anos, o 2º grau completo de estudos e trabalha como costureira de onde

retira a sua renda mensal de cerca de um salário mínimo. Além disso, recebe ajuda financeira

de sua mãe, avó de sua única filha (11 anos de idade), e de seu atual companheiro, com quem

vive maritalmente há um ano e meio.

Quando tinha cerca de cinco anos de idade foi vitimada por abuso sexual intrafamiliar.

Sobre esta experiência ela que diz não se lembrar direito, por afirmar ser muito criança na

época, sendo somente a sua mãe quem tem conhecimento de seu abuso, mas que, segundo P2,

a mãe não comenta o fato com ela. O discurso dela sobre as suas lembranças acerca de sua

vitimação revela que o que se recorda de sua historia de vitimação é que seu pai perseguiu

este vizinho acusado de tê-la abusado sexualmente naquela época em que tudo ocorreu.

Além de ter sofrido o abuso sexual, P2 vivenciou a experiência de abuso sexual

intrafamiliar também com a sua filha, a qual foi vitimada aos 11 anos por um de seus tios,

cunhado de P2. A partir do discurso de P2 pode-se notar que o abusador da filha era

considerado pela menina como pai, tamanha a afinidade familiar, já que o seu genitor faleceu.

O discurso de P2 evidenciou que este cunhado freqüentava a casa da avó da menina

livremente, local em que a menina ficava enquanto P2 estava trabalhando fora como

costureira. A casa de P2 fica num terreno contíguo a casa de sua mãe, o que propiciava,

conjuntamente com o fato de P2 estar trabalhando, a freqüência com a qual a filha ficava aos

cuidados da avó.

4.1.3 A Participante 3 (P3)

O discurso de P3 permite compreender uma mulher de 36 anos, que tem o 2º grau

completo, trabalha como atendente de farmácia através do que tem como renda mensal um

salário mínimo e meio. Foi casada por 13 anos, mas há dois anos está separada do pai das
120
filhas. Assim, até o momento da entrevista P3 residia com uma de suas duas filhas (12 e 14

anos) num terreno contíguo ao da casa de sua mãe. Segundo ela, a filha mais velha estava

morando com sua ex-sogra, mãe do pai das filhas porque, de acordo com P3, a menina não

estava se comportando adequadamente e mesmo sendo sua mãe não tinha tempo para cuidá-

la por trabalhar o dia inteiro.

P3 é uma mulher que foi vitimada por abuso sexual por um sobrinho de seu pai

quando tinha entre sete e oito anos de idade e que, segundo seu discurso, nunca havia

revelado essa sua história a ninguém até o momento em que vivenciou situação análoga com

sua filha mais nova. No entanto, ao revelar a sua mãe o que lhe ocorrera no passado, afirma

que sua mãe nada lhe disse ou fez ao tomar conhecimento, fato este comentado por ela nesta

entrevista por diversas vezes conforme análise do discurso que se segue.

Segundo P3, a sua filha mais nova foi abusada sexualmente pelo pai, o que provocou

a separação do casal, depois de um casamento de 13 anos de duração. No entanto, mesmo

tendo separado do marido na época, por conta da revelação do abuso que ele cometera contra

a filha, afirma que ainda não tem certeza se o abuso aconteceu e que mantém contato com o

ex-marido por telefone.

4.1.4 A Participante 4 (P4)

Através do discurso de P4 pode-se perceber uma mulher de 36 anos, que estudou até o

2º grau, mas não o completou. Foi casada duas vezes, permanecendo por nove anos no

primeiro casamento quando teve seus dois filhos (11 e 15 anos) e, até o momento da

entrevista, estava no seu segundo casamento por seis anos. Ela trabalha como cabeleireira de

onde retira a sua renda mensal que está em torno de 600 a mil reais, dependendo do quanto

produza. Além dessa renda, ela recebe ajuda de seu esposo atual, que é motorista, cujo

provimento é de cerca de 900 reais mensais.


121
P4 é uma mulher que foi vitimada por abuso sexual intrafamiliar quando tinha sete

anos de idade por parte de um primo de seu pai. Durante a sua entrevista, ao enunciar sobre a

sua vivência de vitimação ela aborda seus sentimentos vivenciados na época (vergonha) e

narra características do abuso como o local, as pessoas envolvidas, etc.

Como mãe, vivenciou novamente uma situação de abuso sexual intrafamiliar que

vitimou a sua filha de 15 anos, cujo abusador foi o próprio pai da menina. Esta experiência é

referida por P4 envolta de detalhes relativos à sua vivência enquanto mãe que tem uma filha

que foi abusada sexualmente e que também tem essa história de vitimação intrafamiliar.

Através de seu discurso, ela demonstra refletir acerca de suas duas vivências de abuso sexual

intrafamiliar e enuncia sobre a repetição deste tipo de experiência e dos desdobramentos

(afetivos e cognitivos) que lhe ocorreram.

4.1.5 A Participante 5 (P5)

P5 compõe um discurso através do qual se identifica uma mulher de 33 anos de idade,

que tem o primeiro grau incompleto de estudos e é casada há 18 anos com o pai de seus

quatro filhos (12, 14, 16 e 18 anos). Trabalha como empregada doméstica e recebe um salário

mínimo mensal como renda. Além da renda oriunda de sua ocupação, ela recebe ajuda do

esposo (cerca de 450 reais) e do governo através do Programa Bolsa Família (130 reais

mensais). Reside em sua casa com o seu esposo e três dos quatro filhos.

P5 é uma mulher que em seu discurso revela que foi abusada sexualmente em casa por

um companheiro que sua mãe (seu padrasto) tinha quando ela completara nove anos de idade.

Sobre a época do abuso, P5 guarda lembranças negativas que lhe fazem chorar durante a

entrevista, especialmente ao mencionar que das vezes que contou a sua mãe esta não

acreditou nela.

Além dessa experiência de vitimação por abuso sexual quando ela era criança, P5
122
relata em seu discurso que vivenciou novamente uma experiência de abuso sexual tanto

intrafamiliar como extrafamiliar. Enuncia que dentre seus quatro filhos os três mais velhos

foram também vitimados por abuso sexual. A sua filha mais velha que está com 18 anos

também foi abusada por um companheiro de sua mãe, avó da menina, mas não foi o mesmo

abusador de P5, era outro companheiro da mãe de P5. O menino de 16 anos, segundo P5, é

homossexual e teve relações com uns amigos vizinhos, tanto mais velhos que ele como de

idade próxima a dele. E a menina de 14 foi abusada por um homem de 27 anos com que P5

acredita que a filha mantinha um relacionamento afetivo.

4.1.6 A Participante 6 (P6)

P6 é de uma mulher de 39 anos de idade que estudou até o 2º grau completo e que é

separada do pai de suas duas filhas (três e oito anos de idade), vive em sua casa somente com

as meninas, sua renda advém de vendas de jóias e roupas que faz em casa, do auxílio do

Programa Bolsa Família e da ajuda financeira de seus pais, avós das filhas.

P6 é uma mulher que quando tinha 10 anos foi vitimada pelo abuso sexual praticado

por um vizinho que tinha livre acesso a sua casa, dada a proximidade na relação entre o

mesmo e sua família. No momento do abuso, ela estava sozinha em casa e quando sua mãe

retornou, não lhe contou. Assim sendo, até o dia da entrevista não tinha revelado a sua

vitimação para ninguém.

É mãe de dois filhos (oito e três anos), dos quais a filha mais velha também foi

vitimada pelo abuso sexual intrafamiliar. A menina foi vitimada também por um vizinho,

amigo da família na própria casa do abusador enquanto visitava-os, o que costumava fazer já

que era amiga dos filhos do abusador. A filha não lhe revelou a vitimação, e P6 teve

conhecimento a partir da mãe de uma coleguinha da filha, que, por sua vez, soube através da

filha de P6 o que lhe sucedera.


123
4.1.7 A Participante 7 (P7)

A partir do discurso produzido por P7 percebe-se uma mulher de 40 anos de idade,

que está estudando o supletivo e que, segundo ela, trabalha há 14 anos como cuidadora de

uma pessoa doente. Deste trabalho ela consegue arrecadar mensalmente cerca de 800 reais, o

que é a única fonte de renda dela. É uma mulher divorciada, que esteve casada por três anos.

Segundo o discurso de P7 quando ela tinha aproximadamente sete anos foi vitimada

pelo abuso sexual intrafamiliar, cujo abusador foi seu irmão mais velho que o vitimou por

cerca de três anos. Relata que os abusos começaram a acontecer em meio a um banho de rio

em que estava com o irmão e outras crianças. Sobre sua experiência de vitimação ela enuncia

que foi algo tão difícil em sua vida que até o momento da entrevista fazia enunciações

emocionadas, chorando em momentos distintos da entrevista ao relatar a sua experiência de

vitimação.

Seu sofrimento quanto a experiência de abuso sexual mostrou-se mais acentuado,

durante e entrevista porque, segundo seu discurso, teve que reviver a sua história de abuso

sexual intrafamiliar através de uma de suas duas filhas (15 e 19 anos), que também foi

vitimada. Segundo P7, a filha mais nova também foi vitimada pelo abuso sexual intrafamiliar,

no que o abusador foi o avô paterno. Segundo enunciado de P7, os abusos que vitimaram a

sua filha aconteceram no período em que a menina tinha sete anos e duraram até os seus 13

anos de idade.

4.2 Dos tipos de discursos das Participantes

Acerca dos tipos de discursos construídos por elas durante as entrevistas pode-se notar

que, dentre as sete participantes, alguns elementos da Análise do Discurso se fizeram presente

como dialogismo, polifonia, gênero discursivo narrativo, gênero descritivo, gênero


124
discursivo ideológico, e o gênero discursivo contraditório, os quais considera-se nesta tese

como reguladores dos discursos analisados. Para cada elemento do discurso analisado, serão

apresentadas falas de Participantes mais ilustrativas.

O dialogismo se fez presente além da relação com a pesquisadora no contexto da

entrevista, mas sim um dialogismo interno que fazia com que muitos discursos apresentassem

as movências de sentidos pertinentes a cada novo contexto experimentado. Esse dialogismo

aparece quando elas interagem com elas mesmas através do discurso, ou seja, quando

perguntam a si mesmas e elas mesmas respondem, num movimento de interação com um eu

que emerge a partir do contexto vivenciado:

“Até hoje minha filha tem, vou dizer assim, problemas? Tem! Porque ela não esqueceu isso.

Ela é uma pessoa fechada hoje. Ela não gosta, ela se veste toda fechada, entendeu?..." (P1)

“...Será que isso é hereditário? Que isso teria que acontecer com a minha família, com

minha filha também, pelo que aconteceu comigo. Meu Deus por que tinha que acontecer com

a minha filha o que aconteceu comigo, né[sic]...” (P3)

“...Como é que eu deixei isso acontecer com a minha filha, como é que eu não

percebi?’...”(P4)

“...E assim eu fico pensando assim: ‘Meu Deus porque eu num tive a minha família, meu pai,

minha mãe? É tão bom você ter isso mãe, pai morando tudo junto. Você ser criada assim.’ E

infelizmente eu num fui...”(P5)

“...Só que ela não disse sexo oral, ela[filha vitimada] disse outras palavras, né[sic]?...”(P6)

“...Então, fomos fazer o exame e eu torcendo pra que não desse positivo, né[sic]. Eu digo:

‘Vai ser só um mal entendido’...”(P7)

Outro registro de que o dialogismo se fez presente no discurso das Participantes é

quando elas demonstram fazer um exercício da reflexão a partir da história de suas filhas,

como acontece com P4, P5, P6 e P7, ou de outras pessoas revivendo assim a sua história de
125
vitimação como percebido através da fala de P1 e P3:

“...Então assim quando eu escuto assim outras pessoas que passam por isso, eu sinto uma

dor muito grande dentro de mim. Uma angústia, porque eu me, eu me coloco no lugar

daquela pessoa...”(P1)

“...Quando vem uma, um negócio, vem sempre à tona aquilo que aconteceu, né[sic]. O

acontecido que aconteceu comigo.”(P3)

“...Então quando eu soube disso da minha filha foi, pra mim foi[sic] duas pancada[sic],

porque aconteceu comigo e com ela...”(P4)

“Porque assim hoje eu vejo que eu como mãe, hoje eu tomei uma atitude com meus filho[sic]

entendeu? E na minha época num teve essa atitude...”(P5)

“...Só que meu caso foi diferente né[sic]? Ele só tentou. Mas eu tive reação, né[sic]? Já ela

não. Já ela ele teve um contato, né[sic]? Foi pior...” (P6)

“...É verdade que até hoje eu nunca suportei ouvir a conversa toda. Nunca, nunca, nunca...”

(P7)

Verificou-se a presença do dialogismo também a partir de falas que remetem a

reprodução de diálogos com os quais a Participante interagia com alguém envolvido em sua

historia contada. E novamente é a partir desta interação que elas se reconhecem a partir de

outros como a Psicóloga em P1 e P6, nas irmãs em P2, na filha vitimada em P3, P4 e P7, e no

vizinho em P5:

“... Então quando ela[a Psicóloga e amiga de P1] achou essa foto, não sei o método que ela

usou pra ela[a filha vitimada] não perceber, que ela revelou. Ela disse: ‘Tia o rapaz que fez o

coisa[sic] comigo, é esse aqui. Pra mim ele é um monstro’...” (P1)

“...Pelo jeito que as minhas irmãs depois que ficaram, né[sic], já de olho pra perceber, disse

que ele tava muito, tava muito, já, muito, já tava passado dos limites dele[o abusador]. Já

tava querendo acho que fazer algo pior com ela[a filha vitimada].” (P2)
126
“...Pronto, eu perguntei: ‘É verdade?’ Ela [a filha vitimada]disse: ‘É’.”(P3).

“...‘A senhora não sabe de nada, mainha[sic], o que aconteceu!’ Eu: ‘O que foi que

aconteceu?Me fale o que é. Deixe de chantagem com a sua mãe, minha filha! O que é que

tá[sic] acontecendo?’...”(P4).

“... Aí,ele [vizinho] fez: ‘É irmã, fulano me contou que tá[sic] fazendo isso com ela[filha

vitimada].’ Eu disse: ‘O que?’....” (P5)

“...‘Botou o que?’ Ela[a psicóloga que atendeu a filha] disse: ‘O pombo.’ Aí, disse que botou

na bunda dela, botou no piu piu[sic] dela e... beijou a boca dela e fez sexo oral nela...” (P6)

“...Caso assim: ‘Eu não quero ir pra casa de minha bisavó.’ E eu dizia assim: ‘Você não é

obrigada filha.’ Mas, ela dizia assim: ‘Eu vou por você, mamãe e por papai.’ E eu nunca

entendia...” (P7)

As vozes referidas no processo dialógico mencionado anteriormente compõem o que

Bakhtin denominou polifonia. Nas entrevistas analisadas nesta tese, notou-se que a polifonia

foi reguladora no sentido de que cada participante demonstrava necessitar das outras

consciências bakhtinianas, as vozes dos outros, para construir seus discursos. Esta polifonia

foi contatada quando as participantes reproduziam diálogos que existiam entre outras pessoas

que não elas, que foram enunciados como se tivessem acontecido no contexto que estavam

relatando:

“...Ela[a filha] disse que tinha um quarto próximo a geladeira e tinha um colchão no chão.

Então ele [o abusador] foi, pegou ela pelo braço, jogou ela no colchão e fez sexo oral com

ela...” (P1)

“...Aí perguntou [a irmã de P2] pra ela [a filha de P2], se ele [o abusador] tinha ficado nu

na frente dela, né[sic]? Aí ela foi e falou que sim...”(P2)

“Na verdade, quem sempre falava era a mais velha, a mais nova não dizia nada, né[sic].

Mas, segundo elas, ele ia de noite lá, ficava. A mais velha disse que via, né[sic]. Ele chegava
127
lá no quarto, ficava em cima dela... Aí ela[a filha vitimada] disse que era verdade,

né[sic]...”(P3)

“... Ele[o pai abusador] dizia: ‘Hoje eu vim deitar com você[filha vitimada].’...” (P4)

“....Ele[o filho] fala assim que quer mudar, mas não consegue. Que essa pessoa fica muito

ligando e ele acaba indo passar fim de semana fora.” (P5)

“...A mulher dele[do abusador] sempre chamava B. pra ir, pra B. ficar lá: ‘Deixa B. brincar

aqui com E . enquanto eu arrumo aqui as coisas?’...” (P6)

A polifonia também se fez presente no discurso das Participantes no sentido de

enunciação de vozes coletivas, o que revelou para a pesquisadora o quão sujeitos sociais elas

são. As vozes coletivas foram percebidas quando elas apresentaram aspectos relativos ao

processo de socialização delas como em P1 se nota a materialidade da religiosidade, da

vitimada por abuso que se sente desamparada, que guarda segredo. Em P2 e P4 as vozes

daqueles que tem experiência de saber como um abusador age, sugerindo em sua historia

alguma experiência de aproximação com essa realidade abusiva. Em P3 nota-se as vozes de

mães que tentam proteger seus filhos diante da experiência de os mesmos terem sido

vitimados. Em P5 as vozes coletivas de aceitação do homossexual, situando-o naquele lugar

de minoria. Em P6 e P7 as vozes coletivas de mulheres que foram vitimadas e conhecem o

sofrimento desta experiência, reproduzidas através da materialidade de vitimação, do medo,

da proteção, de gênero.

“...Então quando isso aconteceu comigo ninguém soube. Eu guardei só pra mim e Deus.

Então a única pessoa que eu tinha para pedir ajuda era Ele. Que fizesse com que eu

esquecesse isso. Só que a gente não esquece. Isso é uma marca que fica pro resto da

vida...”(P1)

“...Pelo jeito que as minhas irmãs depois que ficaram, né[sic], já de olho pra perceber, disse

que ele tava muito, tava muito, já, muito, já tava passado dos limites dele. Já tava querendo
128
acho que fazer algo pior com ela.” (P2)

“...Mas fiz o que, creio que acho foi correto né[sic], ter feito a separação né[sic], ter

separado eles, ele delas.”(P3)

“...Num era aquele homem[o abusador, seu ex esposo] que, que saísse na rua ficasse

olhando pra mulher, sabe?...”(P4)

“...Aí eu fiquei assim, aí ele fez: ‘Só que eles tão tendo relação só que não é como a gente

normal.’ Aí, eu: ‘Como assim como a gente, normal?’ Aí eu pensei pronto meu menino é

gay...” (P5)

“...E quem só sabe quem passa mesmo. Só quem sabe é quem passa na pele...” (P6)

“...De imediato eu falei que ela não faria com um médico, com um homem. Porque ela não ia

conseguir mesmo...”(P7)

O gênero discursivo assim como aconteceu com a polifonia que se fez presente,

também emergiu dos discursos das participantes num sentido de auxiliá-las na elaboração dos

mesmos. Os tipo de gênero discursivos que se destacaram nos discursos das participantes

foram: narrativo, descritivo, ideológico e contraditório.

O gênero discursivo narrativo se fez presente nos discursos das participantes como

expressão verbal de detalhes das situações que estavam enunciando para pesquisadora de

forma a construí-los de maneira que julgassem inteligíveis em sua dimensão e complexidade.

Neste sentido elas enunciavam sobre as situações de abuso sexual intrafamiliar que

vivenciaram, quem eram os envolvidos, local onde o abuso aconteceu, quando aconteceu,

quem era o abusador. Trata-se de um discurso narrativo em enunciações que revelavam

detalhes sobre a experiência:

“...Aí ele, na casa da minha mãe. Que era quando ela tava sentada no sofá. Ficava

trocando de roupa pra ir pra escola, ela, ele ia pro quarto dela e ficava lá no quarto, né

[sic], amostrando [sic] de lá pra cá. E quando ela tava na sala, ele ficava em frente ao
129
quarto e ficava mostrando pra ela...” (P2)

Sobre seu abuso ela enuncia através do que se entendeu como gênero narrativo sobre

quando aconteceu (“...Geralmente quando a gente se via sozinho, brincando, ele... acontecia,

né[sic], fazia isso comigo...”), como aconteceu (“...ele sempre dizia, me chamava pro canto

né[sic], fazia...”) (P3)

...Me acordava com uma pessoa em cima de mim, entendeu? Sempre fechava minhas

perna[sic] e ele não conseguiu, né[sic], concretizar, assim. Mas tinha assim as coisas que ele

fazia com a mão, entendeu? E uma vez ele tentou tanto ter relação mesmo comigo que eu não

deixei e eu criei duas landra[sic] entre as pernas de tanto eu fechar, fechar pra ele não

conseguir o que ele queria. (P5)

“...Aí ela me disse numa segunda-feira. (...) Aí, quando foi na terça-feira, que eu comecei a

conversar com ela e ela redutível[sic]. Não queria falar nada. Aí, na quarta-feira eu botei ela

na parede, só eu e ela no quarto...”. (P6)

Por gênero discursivo descritivo presente nos discursos das Participantes

compreendeu-se como os momentos do discurso em que elas enunciavam sobre si mesmas,

quando elas colocavam em seus discursos detalhes subjetivos, expressos em como elas se

sentiram naquele contexto em que enunciavam em seus discursos.

“É.... a gente, a gente fica descrente da vida, se perguntando por que com minha filha? Por

que isso comigo? Se já aconteceu e ta[sic] voltando, mas pra minha filha. Ela ta passando

pelo que eu já passei? Eu preferia passar por tudo de novo, tudo de novo ou algo mais, do

que elas passar... Certo?...” (P1)

“...Aí, eu... não sabia, não sabia fazer outra coisa, chorei... comecei a chorar, fiquei nervosa,

minha vontade era de matar ele...”(P2)

“Foi um choque, eu fiquei em estado de choque, né[sic]. Que não esperava...” (P3)

“...Aí ela[a filha] começou a gritar, a chorar...”(P4)


130
“...Aí ali eu entrei em desespero, comecei a chorar...” (P5)

“Ah, eu me sinto tão assim... é... como é que eu posso te dizer... eu me sinto culpada. E ao

mesmo tempo sei lá me sinto deprimida. Sei não. É uma coisa muito ruim. Inexplicável.

Muito ruim mesmo...” (P6)

“...Então de imediato, eu não esperava é, em momento algum, cheguei pra ela e ela

negou...”(P7)

O gênero discursivo ideológico se fez presente nos discursos das participantes

principalmente quando elas queriam enunciar o sentido de importância da virgindade e da

maternidade para elas enquanto mulheres. Nota-se que há uma reprodução das vozes sociais

nestes discursos ideológicos, que afirmam que mesmo que tenham sofrido abuso sexual, o

importante é que haja a preservação da virgindade, no sentido de pureza, infância e

minimização de traumas:

“...Mas assim, graças a Deus, eu tive esses abusos, mas nunca foi assim além do que

geralmente eles fazem com uma violência maior...” (P1)

“...Pelo jeito que as minhas irmãs depois que ficaram, né[sic], já de olho pra perceber, disse

que ele tava muito, tava muito, já, muito, já tava passado dos limites dele. Já tava querendo

acho que fazer algo pior com ela.”(P2)

“...Que devido ao acontecido realmente ele, ele fazia sexo comigo. Só que não tirou minha

virgindade.” (P3)

“...Porque a minha filha perdeu a inocência dela...”(P4)

“Assim... ele não, não teve penetração, mas ele, ele esfregou os órgão dele, genital nela,

né[sic]?...”(P6).

“...Veja como é que eu mudaria a lei. Veja a minha cabeça em termo de estrupo[sic] como é

que eu penso: Ah[sic], estrupou[sic] uma virgem, não importava a idade então você ia ser

castrado, da mesma maneira...” (P7)


131
Outra evidência de discurso ideológico emergiu através de discursos sobre a

maternidade. Notou-se que quando as participantes construíam um discurso sobre o fazer

materno adequado envolto de proteção, cuidado, apoio e zelo pelo filho, elas traziam a tona

as vozes sociais da maternidade ideal:

“...Eu preferia passar por tudo de novo, tudo de novo ou algo mais, do que elas passar...

Certo?”(P1)

“...eu queria que isso não tivesse acontecido com a minha filha, entendeu...” (P3)

“...Que eu me mato, me esforço pra fazer tudo por você, pra dar o melhor é isso que você vai

dizer ao Conselho Tutelar é?’...”(P4)

“Porque assim hoje eu vejo que eu como mãe, hoje eu tomei uma atitude com meus filho[sic]

entendeu? E na minha época num teve essa atitude...” (P5)

“Eu me sinto assim... Ah, sei lá, arrasada, triste. Quando me lembro aquela coisa que ela

passou, sabe...?” (P6)

“...Me faço de forte porque ela precisa...” (P7)

Mas os discursos das Participantes também foram regulados por gênero discursivo

contraditório principalmente em meio a os discursos em que enunciavam como se sentiam

diante dos abusos vivenciados e mediante as conseqüências geradas pela vivência,

contrastando com o discurso sobre como tem estado a vida delas depois destes abusos.

“...Mas eu acho que eu já superei bastante o que passou comigo...”(...) “... Então assim

quando eu soube que isso aconteceu com minha filha, eu quase enlouqueço. Eu desmaiei, eu

não consegui mais trabalhar. Porque foi uma dor...”(P1)

“...Faz poucos tempos que eu tento ficar mais com elas, né[sic](...) A mais velha hoje vai

fazer uns três meses que ela ta[sic] com a avó, né[sic]. A mãe dele né[sic]. Porque minha

mãe não tinha controle sobre ela...” (P3)

Embora P4 tenha dito que “não desistiria[sic] de sua filha, mesmo essa estando
132
rebelde[sic]”: “...‘Você fica aqui em casa e você arruma confusão. Você vai pra casa do seu

avô e arruma confusão. Ninguém lhe aguenta. (...)Vou mandar você pra casa do seu

pai.’...”(P4)

“Muito mal. Assim muito mal mesmo. É uma dor que você acha que já tem passado. Que já

tem superado. E quando você olha que ta[sic] tudo acontecendo na mesma coisa ou até mais

pior[sic] do que foi com a pessoa, que aconteceu com você e você olha, puxa!...” (P5)

“Ah, eu me sinto tão assim... é... como é que eu posso te dizer... eu me sinto culpada. E ao

mesmo tempo sei lá me sinto deprimida...” (P6)

“É tanto que as vezes eu tento ajudar a M5. da melhor maneira possível. À M. eu falei assim:

‘ Ó filha, tu vai sobreviver. Eu sobrevivi. Agora tu vai viver com isso pro resto da tua vida.

Levanta a cabeça.’ (...) Então eu procuro passar par ela que isso ela vai esquecendo, que

isso ela vai deixar pra traz. (...) (P7)

4.3 Os discursos analisados

Através da análise realizada dos discursos das Participantes foi possível perceber a

presença de alguns discursos presentes na literatura específica enquanto temas de discussão

teórica, que versa sobre o abuso sexual infanto-juvenil intrafamiliar. Estes temas que

emergiram de suas falas revelando marcas históricas e culturais que atravessaram os

discursos construídos por elas pode-se perceber a materialização desta história contada e

vivenciada por cada uma delas através de temas ideológicos que colocam cada Participante

ora no lugar de mães e ora de mulheres vitimadas. Quando estas Participantes aparecem

enquanto mães, nota-se a presença de temas como família, sentimento de traição, sofrimento

5
Referência à filha de P7 vitimada.
133
a partir do abuso de sua filha, infância e repetição do abuso sexual infanto-juvenil entre

gerações. Quando os discursos são reveladores das Participantes enquanto mulheres

vitimadas os temas que atravessam este discurso são: vivência de abuso sexual,

vulnerabilidade, sofrimento por ter sido vitimada, culpa, a repetição do abuso sexual infanto-

juvenil entre gerações, subjetividade, vivência, consciência, poder, gênero e repetição do

abuso sexual infanto-juvenil entre gerações.

Destaca-se que o tema da repetição do abuso sexual infanto-juvenil entre gerações se

faz presente nos dois lugares discursivos ocupados pelas Participantes analisados nesta tese

(mães e mulheres vitimadas), o que se torna representativo, denotando a materialidade da

vivência da repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil entre diferentes gerações

de sua família na história destas Participantes. Sendo assim, a repetição Será apresentada num

terceiro bloco de exposição das falas analisáveis nesta tese de acordo com a Teoria Histórico-

Cultural.

Como forma de sistematização dos resultados oriundos da análise dos discursos das

Participantes, nesta tese, para cada lugar discursivo analisado serão apresentados os temas e

alguns fragmentos de discursos que se entendem revelarem o sentido assinalado de mãe e de

mulher vitimada, fazendo-se uma análise a partir da teoria fundamentadora desta tese.

4.3.1 A mãe vitimada: O discurso das Participantes sobre o abuso sexual infanto-

juvenil intrafamiliar sofrido por sua filha

Nesta dialogia em que a pesquisadora se relacionava com as Participantes, cada uma

delas construiu o seu discurso singularmente, revelando ao longo do discurso os sujeitos que

se constituíram em meio às experiências de abuso sexual intrafamiliar de suas filhas

vivenciadas. Nesse sentido, ao mesmo tempo em que se encontram temas semelhantes em


134
seus discursos, notou-se que cada uma delas imprimiu sua singularidade também na forma

como iniciavam os seus discursos sobre o abuso que a sua filha sofreu. O modo como as

Participantes iniciam seus discursos sobre o abuso da filha revela a forma que elas

consideraram mais pertinente para aquele momento fazer entender o que queriam comunicar.

Dialogicamente, também refere a forma que elas conseguiram elaborar a situação de abuso e

a situação de estar naquele momento falando sobre algo que lhes mobiliza tanto, sendo isso

entendido como uma maneira de organizar suas idéias:

• P1 inicia seu discurso enunciando sobre as características do abuso sexual de sua

filha, demonstrando que para ela o modo como aconteceu o abuso sexual contra a

filha lhe foi importante para organizar suas ideias;

• P2 demonstra através do seu discurso introdutório a necessidade de situar as pessoas,

que além dela, também considera que estiveram envolvidos na situação (o abusador,

suas irmãs e o cunhado que desconfiou da situação de vitimação da filha);

• P3 enuncia inicialmente sobre o modo como tomou conhecimento do abuso de sua

filha, revelando através da fala que a sua surpresa do abuso da filha praticado pelo

esposo, pai da menina, é algo que regula o seu discurso, que inclusive lhe provoca

dúvidas quanto a autoria;

• P4 demonstra necessitar situar a sua relação com a filha, que caracteriza como

conflituosa, demonstrando o quão importante é para ela justificar a sua ignorância

sobre o abuso que a filha sofreu dado a distancia entre elas por conta da relação;

• P5, que teve seus três filhos abusados sexualmente (dois intrafamiliarmente), inicia

seu discurso enunciando sobre como aconteceu o abuso da filha mais nova, este

extrafamiliar e que motivou o atendimento no CREAS demonstrando que para ela o

descortinamento das situações de abuso sexual que incidiram em sua família

135
começara a partir deste;

• P6 inicia seu discurso enunciando sobre o abusador e a sua relação de proximidade e

confiança com ele, o que lhe causou surpresa ao saber que tinha cometido o abuso

contra a sua filha;

• P7 para iniciar seu discurso sobre o abuso de sua filha enuncia sobre como tomou

conhecimento, tendo ela sido a única, dentre as participantes, que teve o abuso de sua

filha vindo à tona através de uma denúncia anônima via serviço do Disque 100, as

outras, conforme será apresentado conheceram através de amigos, vizinhos, da

própria filha vitimada etc.

Sendo assim, ao longo do discurso responsivo das Participantes sobre o abuso sexual

intrafamiliar que sua filha sofreu apareceram enunciações sobre as características do abuso

sexual da menina, sobre o abusador e a relação de proximidade que tinham, sobre a relação

entre a mãe e a filha, sobre as conseqüências do abuso sexual para a sua filha, sobre o modo

como tomou conhecimento do abuso da filha, sobre as providências, sobre os procedimentos,

sobre o sofrimento de P ao saber da vitimação da filha, e sobre o que as mães consideram

abuso sexual.

a) Sobre o as características do abuso sexual que a filha sofreu.

Quando as Participantes enunciaram sobre o as características do abuso sexual que a

filha sofreu as falas contém enunciações sobre o local do abuso, o abusador, os envolvidos, o

contexto em que se deu o abuso, e uma narrativa de como aconteceu o abuso sexual contra as

filhas.

P1 constrói um discurso narrativo em que enuncia sobre o local (na cozinha da casa da

irmã do pai da filha), o abusador (um “rapaz lá que fazia mandados”[sic]), envolvidos (a

filha, o pai da filha, o abusador e a irmã do pai da menina), contexto (festa por conta do jogo
136
do Brasil):

É... tinha um rapaz lá que fazia mandados. Então ela[a filha de P1] disse que nesse dia

tava tendo um jogo do Brasil. Então ela disse assim: ‘papai eu tô[sic] com fome.’ Então aí

mandaram ela ir na cozinha pegar: ‘vá, pode ir na cozinha pegue o pacote de biscoito.’

Então ela foi. Ele[o abusador] se aproximou e perguntou o que ela queria. Ela disse que

tinha um quarto próximo à geladeira e tinha um colchão no chão. Então ele foi, pegou ela

pelo braço, jogou ela no colchão e fez sexo oral com ela...

Neste discurso de P1 nota-se a regulação da polifonia quando ela constrói uma fala em

que se percebe reproduzido diálogos que aconteceram naquele contexto referido, através das

vozes de outras pessoas e ainda, numa situação em que ela não estava presente. À luz da

Análise do Discurso pode-se entender que P1 materializa através de seu discurso da história

contada com atravessamento das vozes coletivas, ou seja, uma ela enuncia uma história que

lhe foi contada anteriormente, já que ela não se fazia presente no momento em que aconteceu.

Assim como P1, P2 constrói um discurso no qual se identifica o gênero discursivo

narrativo sobre o contexto através do qual ela enuncia sobre o lugar em que o abuso

aconteceu (na casa de sua mãe, no sofá, na sala, no quarto da menina, em frente ao quarto),

quando se deu (a menina estava sentada no sofá, quando estava na sala), quem eram os

envolvidos, novamente aparecendo em seu discurso (abusador, mãe, filha), o que aconteceu

(mostrando os órgãos):

...Aí ele[o abusador], na casa da minha mãe. Que era quando ela[a filha vitimada]

tava[sic] sentada no sofá. Ficava trocando de roupa pra ir pra escola. Ele ia pro quarto

dela e ficava lá no quarto, né [sic], amostrando [sic] de lá pra cá. E quando ela tava[sic]

na sala, ele ficava em frente ao quarto e ficava mostrando[os órgãos genitais] pra ela...

Assim, tanto P1 como P2 ao enunciarem sobre o local o discurso que emerge é da

casa de alguém da família, o que sugere o contexto de um lugar seguro. Quando enunciam
137
sobre o abusador refere um discurso que identifica alguém que acessa a casa e a família

facilmente, que detém a confiança da família. Destaca-se ainda a materialidade discursiva a

de uma certa negligência por parte do genitor da filha de P1, quem estava responsável por ela,

além da companhia do pai referir uma materialidade da segurança. No caso de P2, a

negligência daqueles que residem na casa de sua mãe, local onde a filha fica enquanto P2 está

trabalhando.

Como P2 não foi quem primeiro tomou conhecimento do abuso sexual intrafamiliar

que sua filha sofreu, nota-se, nesta fala dela, o atravessamento de discursos coletivos,

reproduzidos a partir da fala de outros que lhe revelaram o que estava acontecendo com a

filha enquanto aqueles que percebem sinais a partir do comportamento dos outros com quem

convivem. Ou seja, assim como ocorre em P1, há a presença da polifonia para contar a

experiência vivenciada por ela através da voz de outrem. Quer dizer que através do discurso

ela demonstra precisar das vozes do cunhado que desconfiou do abuso, da irmã esposa dele e

de sua filha para elaborar a história.

E no discurso de P3 também se constitui narrativo com a presença da polifonia. Ela

constrói o discurso sobre o abuso sexual intrafamiliar que sua filha sofreu a partir das vozes

das filhas:

Segundo elas[as filhas], ele[o abusador] ia de noite lá[no quarto das filhas], ficava. A

mais velha disse que via, né[sic]. Ele chegava lá no quarto, ficava em cima dela... Aí ela[a

filha vitimada] disse que era verdade, né[sic].

Nesta fala pode-se perceber a materialidade do discurso de vitimadas por alguém da

família, que evidencia um cerco intimidador dentro do local em que era para se sentir seguro,

o quarto de sua casa. Nota-se também o discurso da forma com que o abusador investia

sexualmente contra a vitimada, assim como pode-se perceber o atravessamento de uma

locutora-mãe que precisou de uma confirmação da própria filha vitimada para crer no que
138
acabara de saber.

Quando P4 fala sobre o abuso sexual de sua filha ela enuncia através da fala da filha

narrativamente quem é o abusador da filha, neste caso o pai, e as maneiras com as quais ele

abusava da menina (“...Ele[o abusador] botava o negócio dele na minha boca...”; “...ele[o

abusador] me alisava, me botava no braço, beijava minha boca...”; “... Ele[o

abusador]dizia: ‘Hoje eu vim deitar com você[a filha].’...”),que acontecia quando amãe não

estava presente (“...Quando a senhora[P4] saía pra trabalhar...”; “...‘E quando eu tinha 12

anos mainha[sic] que eu fui lá pra casa dele[abusador]...”;), que os abusos aconteciam

quando a mae não estava e a menina estava sob a responsabilidade do abusador (“...Ela[a

filha] passou um tempo lá, lá na casa dele[abusador] ...”; “...E a esposa dele [abusador]

estando dormindo...”).

Segundo P4 reproduzindo a voz de sua filha ao narrar os abusos para ela, o pai

“...conseguiu o que queria...”[sic] quando a filha tinha 12 anos de idade, o que se entende

que com esta idade houve a conjunção carnal entre o abusador e a filha de P4, quer dizer que

esse discurso materializa o abuso sexual e a questão da virgindade feminina. O fato de o pai

conseguir atingir o seu objetivo quando a menina tinha 12 anos de idade enunciado duas

vezes por P4 tem um efeito de sentido ideológico no que tange a questões relativas à

importância da virgindade da mulher reproduzido nas vozes coletivas, assim como a

precocidade que se deu esta experiência. Essa precocidade materializa o discurso sobre

infância que quando aparece este tipo de experiência gera conseqüências sérias para o

desenvolvimento da criança.

Quando P5 constrói o discurso sobre o abuso sexual que motivou o atendimento ao

CREAS, a experiência que ela começa narrando é a que vitimou a sua filha mais nova (de 14

anos). Como P5 teve três de seus quatro filhos vitimados por abuso sexual (somente a mais

velha intrafamiliarmente), ela começa falando da história da mais nova e em seguida do filho
139
do meio para só depois falar da vitimação da filha mais velha por abuso sexual intrafamiliar.

O abuso da filha mais nova de P5 aconteceu por conta de um namoro que a menina

mantinha escondido dela com um rapaz de 27 anos de idade. Enuncia que tomou

conhecimento a partir de um vizinho e freqüentador de sua igreja, que lhe disse que as

práticas de sexo entre a filha e o namorado eram do tipo anal (Aí eu fiquei assim, aí ele fez:

‘Só que eles tão tendo relação só que não é como a gente normal.’ Aí, eu: ‘Como assim como

a gente, normal?’ Aí eu pensei pronto meu menino é gay...”). Neste momento em que soube

do abuso de sua filha, enquanto o vizinho que lhe revelava não dizia o nome da filha, P5

enuncia que logo pensou em seu filho, o qual ela enuncia como “gay”[sic]. Então, de forma

explicativa enuncia o motivo pelo qual desconfiou do filho de 16 anos (“...Que ele ta[sic]

com contato com pessoas gay, muito mais velho do que ele, entendeu? E ele fala assim que

quer mudar, mas não consegue. Que essa pessoa fica muito ligando e ele acaba indo passar

fim de semana fora.”). O que se entende desta fala de P5 é que para ela, o filho tendo contato

com essas pessoas que ela considerou gay[sic] e mais velhas[sic] podem estar influenciando

o menino e cometendo abuso sexual contra ele.

Sobre o abuso sexual intrafamiliar que sua filha mais velha sofreu ela constrói um

discurso narrativo que contém dados sobre o abusador (“Com essa outra minha filha, a mais

velha também, quando minha mãe morou com outra pessoa...”), providência tomada naquela

época (“...Ela[a filha], eu tive que colocar num colégio interno porque como eu trabalhava e

as vezes ela ficava em casa com minha mãe...”) e a forma como a sua filha lhe revelou que

tinha sido abusada (“...Ela chegou pra mim falou: ‘Mainha[sic], o M.6 me chamou ali e botou

eu no colo dele, ficou alisando minhas coxa e botando a boca no meu peito.’).

O discurso de P5 sobre os abusos de seus três filhos materializa uma mãe que sofreu

6
Abusador da filha mais velha, companheiro da mãe de P5 na época.
140
por três vezes a experiência de vivenciar negativamente historias de abusos sexuais. Alguém

que buscou tomar providências assim que soube do que estava acontecendo com os filhos,

cada um em seu momento. Nota-se que na fala dela há detalhes de como eram os abusos

sexuais praticados pelos abusadores dos filhos, demonstrando a importância que essa

caracterização tem para ela fazer-se elaborar as situações vivenciadas.

Já a fala de P6 sobre o abuso sexual intrafamiliar que sua filha sofreu, aparece num

discurso descritivo no qual nota-se em sua fala a presença da polifonia enunciada a partir da

reprodução das vozes de outros envolvidos como da filha e da mãe da coleguinha de sua

filha, para quem a menina contou primeiro sobre a vitimação. A filha, segundo discurso de

P6, lhe descreveu o abuso que sofreu como “coisa feia”[sic], e a mãe da coleguinha da filha

descreveu a vitimação da menina como uma “tentativa”[sic] de abuso sexual. Mediante as

duas enunciações que emergiram através da polifonia em seu discurso, percebe-se a movência

de sentidos quando, de forma dialógica, P6 remete o sentido de enunciar para si mesma um

novo sentido atribuído a “tentativa”[sic] como se estivesse revendo o tal sentido do que de

fato a filha sofreu considerando a sua complexidade ao falar: “...no caso abusou dela,

né[sic]?”. A fala de P6 remete a uma configuração contraditória quando ela menciona o que

antes fora enunciado por uma das vozes constituintes de seu discurso como uma

“tentativa”[sic] torna-se, a seu ver, como um “abuso”[sic] de fato.

Através deste discurso pode-se entender o que o sujeito P6 concebe como abuso

sexual em si difere do que a pessoa que lhe revelou entende que o seja. E P6 constrói uma

fala na qual nota-se uma composição de marcas discursivas que materializam um discurso

ideológico sobre a virgindade, através da qual compreende-se o sentido de pureza e inocência

afeita a crianças (“Assim... ele não, não teve penetração, mas ele, ele esfregou os órgão dele,

genital nela, né[sic]?...”). Esta fala revela que para P6 apesar de não ter havido a conjunção

carnal o fato de o abusador ter provocado contato genital entre ele e a menina assegura
141
gravidade.

E neste sentido acerca do abuso da filha, P7 emite uma fala composta por um discurso

de gênero narrativo através do qual ela enuncia o que aconteceu (abuso sexual intrafamiliar

da filha), onde ocorreu (na casa da irmã do abusador, avô da menina), quem foram os

envolvidos (irmã do abusador, abusador, bisavó, a filha, pai da menina, P7, avó), como

aconteciam os abusos (telefonemas, violência física expressa em marcas nos pulsos e pés da

menina, ameaça).

P7 enuncia que não teve condições de escutar de sua filha mais detalhes sobre os

abusos cometidos pelo avô da menina. Fala que é muito difícil para ela escutar, inclusive

afirma que somente soube de algumas características do abuso porque escutou a filha

contando para a Psicóloga que a atendeu na ocasião em sua presença, mas que tratou de sair

da sala, já que para ela era muito sofrido escutar o que aconteceu.

O que se pode perceber destes discursos das Participantes sobre o abuso sexual

intrafamiliar que suas filhas sofreram é que a construção discursiva foi feita regulada pelo

gênero narrativo, salvo no discurso de P6 que foi descritivo. Entende-se que elas fizeram uso

da narrativa, pois reproduziram uma história que aconteceu e que deveria ser contada. Só que

essa historia narrada foi conhecida por elas através de outras pessoas. Isso significa que as

outras vozes discursivas foram materializadas na forma que ela compreendeu a situação e

situou-as da forma que ela entendeu coerente para elaborar o discurso. Quer dizer que em

todas elas a polifonia se fez presente, inclusive nas falas de P6 que tratou de descrever a

situação com detalhes. A esta descrição feita por P6 percebe-se a implicação dela em

evidenciar a sua decepção com o vizinho, com a situação e consigo mesma enquanto mãe que

não conseguiu evitar este sofrimento para a sua filha.

Outra características que notou-se é que em P1 o responsável era o pai, pois este que

estava cuidando da filha naquele momento em que a menina foi abusada na casa da irmã dele,
142
tia da filha, por um vizinho de confiança. Em P2 o tio abusador que morava na casa da avó da

menina onde ela passava as tardes enquanto a mãe trabalhava. P3 e P4 o responsável era o

pai, mas também o abusador das meninas, sendo que com a filha de P3 aconteceu na própria

casa delas e de P4 na casa do pai abusador. No caso de P5 a figura adulta que também dividia

responsabilidade da menina e que abusou sexualmente dela era companheiro da avó da

menina e se valeu da casa que vivia com a avó da filha de P5. Com a filha de P6 o abusador

foi o vizinho de confiança dono da casa em que a menina brincava frequentemente e pai das

amiguinhas da menina. E na experiência de P7, o adulto responsável era avô de sua filha e

também quem abusou dela na casa de uma irmã dele, tia de P7.

Em todos os contextos mencionados o abusador era alguém de confiança o que

proporcionava maior acesso às filhas das Participantes e menor possibilidade de desconfiança

destas mães. Essa proximidade, portanto, promovia a vulnerabilidade das filhas delas e

dificuldade em revelar, o que se percebeu através das polifonias presentes, representadas nas

variadas vozes.

Através das falas das Participantes o discurso materializado correspondeu, além do

abuso sexual intrafamiliar e vitimação, há também a vulnerabilidade da criança, a

responsabilidade do adulto responsável por ela naquele contexto, o acesso facilitado que um

abusador que convive com a família da vitimada tem sobre ela. Tais características são

apontadas como conseqüências para as crianças e adolescentes que vivenciam uma situação

de vitimação por abuso sexual intrafamiliar por Habigzang e Koller (2006). As autoras

acentuam que esta experiência gera impactos relacionados a fatores intrínsecos e extrínsecos,

além dos relativos a violência sexual por si só.

Nota-se a presença de intimidação através de ameaças dirigidas a pessoas de estima

das meninas, geralmente as mães. Nestas situações, segundo a literatura, de fato as ameaças

comumente são dirigidas as mães das meninas, dado potencial que ameaçar a mãe delas tem
143
paralisar as vitimadas (Lima, 2008; Lima & Alberto, 2010; Pfeifer & Salvagni, 2005).

Neste sentido, pode-se perceber o quão comprometida se torna a infância destas

crianças e adolescentes enquanto período de desenvolvimento, já que tiveram que vivenciar

uma historia de violência por abuso sexual. Segundo Vygotski (1933-1934/ 2006) é na

infância que o sujeito constitui a sua personalidade, que constrói as bases cognitivas e

afetivas.

b) Sobre o abusador e a relação de proximidade.

Quando as Participantes falam sobre o abusador e a relação de proximidade que

tinham, nos discursos delas há materialidade traição, surpresa, indignação, sofrimento,

vulnerabilidade, medo, desconfiança em outras pessoas, solidão e tristeza. No entanto,

somente no discurso de P1 que esta proximidade não aparece, já que ela não conhecia o

abusador, pois este costumava fazer parte do cotidiano do ex-esposo (pai de sua filha) através

da convivência na casa da irmã dele, onde passavam finais de semana.

Na fala de P1 o discurso que aparece refere um sujeito que não aceita o fato de sua

filha estar sob a responsabilidade do pai e sofrer a vitimação. As falas dela sobre o abusador

aparecem sempre associadas a uma responsabilização do pai da filha por não ter tido mais

cuidado: “...Então, nisso a atenção pra o jogo ninguém acho que deu importância a fome

dela. (...) Falta de atenção mesmo com ela...”. Através destas falas pode-se perceber o

discurso da ausência materna quando a filha foi abusada, e ainda sobre os cuidados especiais

que uma mãe pode ter com sua filha, o que outros responsáveis não conseguem ter, neste

caso, nem mesmo o pai biológico e a tia paterna, dona da casa onde a menina foi vitimada.

P2 apresenta uma fala em que ela identifica o abusador como alguém de sua família e

de inteira confiança, denotando o quão surpreendida ela foi com a revelação do abuso sexual

contra a sua filha: “...Essa pessoa é meu cunhado. É esposo de minha irmã mais nova, que fez
144
isso com a minha menina...”. Inclusive ela fala sobre o comportamento do abusador no

sentido de que este dava-lhe sinais passíveis de suspeição de algo: “...Que ele andava muito

nervoso...”. Segundo ela, este comportamento do abusador foi o que levantou as suspeitas

também do outro cunhado dela, o que desconfiou do abuso da menina. Segundo ela, o

abusador era alguém de importância afetiva como se fosse um pai para a filha, o que revela

um grau de gravidade de cunho incestuoso. Tal era a confiança que P2 e sua filha tinham no

abusador. Segundo ela, os abusos aconteciam enquanto estava trabalhando, momento em que

a menina ficava sob a responsabilidade do tio abusador.

Sobre o abusador de sua filha, P3 enuncia que não tinha como desconfiar dele porque

ele era seu marido na época em que os abusos aconteciam, e pai das filhas, para o que nota-se

a materialidade do valor familiar existente na relação pai e filhas, e entre cônjuges: “Foi um

choque, eu fiquei em estado de choque, né[sic]. Que não esperava. Até mesmo pelo fato que

a gente vivia bem, tanto ele como eu, né[sic]? Vivia bem mesmo. Então pra mim foi uma

surpresa...”

Nota-se no discurso de P3 uma fala em que se percebe a surpresa quanto ao abusador,

aliado ao fato de ela dar-se bem com ele fazia com que ficasse mais difícil ainda de ela

desconfiar. Além disso, ela revela que não se convenceu completamente de que o, atualmente,

ex-marido, companheiro na época do abuso, de fato haja cometido o abuso, já que, segundo

ela, ele não demonstrava esta característica abusiva. A partir disso, pode-se supor que ela tem

dificuldades em aceitar que o abuso realmente aconteceu não somente porque o abusador seja

seu ex-marido e pai biológico da filha, mas também porque revela para ela que a relação

conjugal entre eles que ela julgava bem não correspondia ao que ela pensava. Através da

materialidade do discurso dela nota-se que uma família que tem uma história de abuso sexual

intrafamiliar segundo a experiência dela tem conflitos claros como não dar-se bem entre si, o

que ela não enuncia haver em sua família. A este discurso supõe-se que ela conhece como que
145
é a dinâmica de uma família abusiva, sugerindo a materialidade de outra experiência de abuso

em sua família, podendo ser a vitimação dela quando criança.

Já na fala de P6 sobre o abusador de sua filha nota-se as enunciações e as vozes que

denunciam o lugar do abusador no contexto enunciado: o vizinho-abusador enquanto alguém

em quem ela confiava e não lhe gerava motivos de suspeita de que ele cometesse o abuso

contra a sua filha: “...Foi que... um, uns vizinho[sic] lá do lado direito, isso. A gente é muito

amigos[sic] deles. (...) E aconteceu assim... que eu nunca imaginaria que ia acontecer isso,

né[sic]?...”; a proximidade que tinha com o vizinho-abusador a ponto de permitir que sua

filha freqüentasse a casa dele brincando com o filho do abusador, mesmo quando ela não

estava presente em companhia da filha: “...A mulher dele sempre chamava B7. pra ir, pra B.

ficar lá: ‘Deixa B. brincar aqui com E8. enquanto eu arrumo aqui as coisas?’...”.

De acordo com a fala de P7, o sofrimento maior para ela e para a filha nesta vivência

de abuso da menina reside no parentesco que o abusador tem com elas: era o avô paterno e

alguém com quem se mantinha um grau de afinidade com a família que ultrapassa o lugar de

avô, adquirindo outros sentidos sociais no contexto familiar: “...Porque ele não era um avô

só. Ele era mais que um avô. Ele era um avô, pai, cuidadoso, zeloso. As neta[sic] nasceram e

se criaram. A minha gravidez foi a convivência com a família toda, vivendo todo mundo

junto...”. P7 enuncia o sentido de que diante da forma como o avô abusador era considerado

em meio à ela e à suas filhas foi mais difícil ainda para ela desconfiar e também crer que ele

seria capaz de abusar sexualmente de sua filha. Além disso, pode-se entender o quanto P7 se

sentiu traída pelo abusador que ela confiava e considerava tanto, o que lhe coloca como

também vitimada na historia de abuso da filha.

O fato de o abusador ser alguém considerado afetivamente da família por si só é um

7
Referência à filha de P6 que foi abusada.
8
Referencia ao filho do abusador com quem a filha de P6 costumava brincar.
146
fator considerado agravante nas situações de abuso sexual, o que configura o abuso sexual

intrafamiliar. E quando se trata de uma criança ou um adolescente enquanto vitimado neste

contexto intrafamiliar a gravidade é ressaltada, além da violência sofrida, no que concerne ao

significado que aquele abusador adulto tem para ela: alguém responsável, que cuida e zela

pelo bem-estar dela (Forward & Buck, 1989).

Nestes casos em que o abusador é alguém com quem a vitimada tem relação de

afinidade estreita, a presença da característica de ameaça e de segredo são facilitados. Isso

porque, dado a proximidade do abusador com a sua vitimada no espaço familiar, torna-se

mais facilitado a manutenção da intimidação, fazendo-se presente constantemente frente a

criança ou adolescente vitimada para recordar-lhe do segredo que deve manter sobre a

vitimação sendo coagida através de ameaças (Faleiros, 2000; Furniss, 1993; Pfeiffer &

Salvagni, 2005).

Nestas situações, dado o convívio constante com o abusador, as mães de crianças e

adolescentes abusados tendem a não desconfiar do que está acontecendo. Embora venham

perceber alguma mudança comportamental em suas filhas, estas não dão o sentido da

vitimação por abuso sexual, ainda mais tendo como vitimador alguém tão próximo (De

Antoni & Koller, 2000; Furniss, 1993).

c) Sobre a relação entre mãe e filha.

Quando as Participantes enunciam sobre a relação entre a mãe e filha nota-se

construções discursivas que revelam que as relações antes do conhecimento do abuso das

filhas eram distantes entre elas, mediante o discurso de aproximação que tiveram depois da

revelação do abuso.

Segundo a fala de P4 sobre a relação com a filha, estas viviam em conflito, pois

segundo ela a menina não conseguia estar bem com ninguém de sua casa (marido, filho e
147
ela). Como forma de amenizar o problema de convivência, P4 enunciou num tom que se

entendeu de ameaça e punição para a filha que ela iria residir com o pai :“...‘Você fica aqui

em casa e você arruma confusão. Você vai pra casa do seu avô e arruma confusão. Ninguém

lhe aguenta. (...)Vou mandar você pra casa do seu pai.’...”. A partir desta fala de P4 entende-

se que ela culpabiliza a filha pelas desavenças relacionais com ela, com o padrasto, com o

irmão, com a avó e com o avô. Embora P4 tenha dito que não mora mais com a filha a fala

dela aparece numa construção discursiva contraditória: “...Eu vou lutar por ela. Aí, eu sou

mãe e mãe é mãe. E mãe é a única que não desiste de seus filhos. E eu não desisto dela...”.

Esse pai, com quem P4 disse que a filha iria residir caso não se comportasse melhor vai se

configurar como o abusador da menina.

Através do discurso de P4 sobre a sua relação com a filha entende-se ainda que a fala

revela que a condição para que a filha de P4 volte a residir com ela, é que a menina melhore o

seu comportamento. Enquanto isso não acontece, vai residir com outros e não voltará para

casa. Com isso, destaca-se a presença do que se entendeu como gênero contraditório em seu

discurso ao enunciar anteriormente o sentido de que estaria ao lado de sua filha, e depois

enuncia que vai encaminhá-la para longe, para residir com outras pessoas e não com ela, caso

não se comporte adequadamente.

A partir do discurso de P7 pode-se perceber a materialidade da distancia entre ela e a

filha, já que para que P7 tomasse conhecimento do abuso sexual contra a sua filha que residia

com ela o Conselho Tutelar teve que revelar-lhe o que acontecia contra a filha. Segundo

discurso de P7 nota-se que este fato de ter sido contatada pelo Conselho Tutelar enquanto o

órgão responsável por zelar pelos direitos da criança e do adolescente teve um sentido de

gravidade da situação. Ela mencionou diversas vezes durante o discurso que ela não sabia de

nada do que estava acontecendo com a sua filha até ser comunicada pelo Conselho. Neste

discurso ela enuncia também o serviço do Disque-Denúncia Nacional, responsável por


148
receber denuncias anônimas sobre casos de violência sexual praticadas contra crianças e

adolescentes, através do qual foi denunciado o abuso de sua filha por parte do avô paterno,

além de enunciar sobre a Delegacia e o CREAS. Quando ela constrói uma fala contendo estes

órgãos o que se materializa aí é que ela está fazendo menção além de seu desconhecimento,

mas sobre a dimensão do mesmo, ou seja, que a impossibilidade era tamanha de saber o que

estava acontecendo que a denuncia chegou através de um serviço publico e anônimo.

Destes discursos sobre a aproximação das Participantes com as suas filhas vitimadas

após tomarem conhecimento do abuso sexual intrafamiliar das meninas pode-se perceber a

materialidade da terceirização da responsabilidade com as filhas. Os discursos revelaram que,

elas não estarem próximas o suficiente das filhas para perceberem que o abuso estava

acontecendo e nem serem elas as primeiras a saberem que acontecia, e sim outras pessoas, as

quais lhe contavam, as suas filhas estavam sob a responsabilidade das avós (ou avôs), dos

tios, do vizinho etc.

Em famílias em que ocorre o abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil, a mãe

geralmente ocupa o lugar de protetor da criança ou do adolescente Após a situação de

violência, as mães passam a cuidar mais de seus (suas) filhos (as), tornando-se mais

protetivas. Ou seja, mães mais atentas e mais próximas a seus (suas) filhos (as). Demonstram

mais cuidado e preocupação com seus comportamentos diante da sociedade, protegendo-os

(Furniss, 1993).

Após o conhecimento do abuso sexual sofrido pela filha as mães tendem a se

aproximarem mais, não somente da filha vitimada, mas de todos os outros filhos. Pelo fato de

se sentirem culpadas pela não proteção da filha que, para elas, favoreceu a vitimação, elas

passam a acompanhá-los mais de perto, querendo saber mais da vida dos filhos e passando a

permanecer mais tempo dentro de casa, na companhia dos mesmos (Lima, 2008).

149
d) As conseqüências do abuso sexual para a sua filha.

Quando as Participantes falam sobre as conseqüências do abuso sexual para a sua

filha, tendo como primeiro indício de que algo estava acontecendo com a filha o

comportamento agressivo ou retraído das meninas. Embora elas enunciem que percebiam,

não conseguiam nominá-los, nem tampouco tomar providências nesta direção.

Segundo P1, após o abuso sexual que sua filha sofreu, mesmo ela contraditoriamente

desconhecendo que havia acontecido, podia perceber no comportamento de sua filha uma

mudança, o que entendia como algo que não estava bem. Neste sentido, ela constrói um

discurso sobre as conseqüências do abuso sexual para a filha:

...Mexeu muito com a cabeça dela. Até hoje minha filha tem, vou dizer assim, problemas?

Tem! Porque ela não esqueceu isso. Ela é uma pessoa fechada hoje. Ela não gosta, ela se

veste toda fechada, entendeu? Ela não é de tá[sic] muito com as pessoas conversando. Se

chega visita na minha casa, ela vai para o quarto, ela não se expõe....

O que se pode entender deste discurso narrativo de P1 sobre as conseqüências geradas

para a sua filha depois do abuso sexual intrafamiliar que sofreu é que a menina tornou-se

mais retraída socialmente. Que sua vulnerabilidade foi tamanha que evitava contato com

outras pessoas, além do medo de se expor.

Já no discurso de P5 sobre as conseqüências para a sua filha o que ficou evidente é

que a menina vitimada pelo companheiro da avó, com quem residia, foi quem teve que ser

afastada de seu convívio familiar, sendo encaminhada para um colégio interno: “...Ela [a

filha], eu tive que colocar num colégio interno porque como eu trabalhava e as vezes ela

ficava em casa com minha mãe...”. Esta fala de P5 materializa as vitimadas que tem a sua

liberdade cerceada enquanto o seu algoz segue com a sua vida normalmente, e neste caso de

P5, a avó da menina continuou com o companheiro abusador. Revela P5 como um sujeito que

não tomou a frente da decisão de proteger a sua filha e que providência iria tomar para isso,
150
tendo recebido a idéia de internar a filha num colégio através de sua mãe, o que acatou.

Sobre o abuso sexual intrafamiliar cometido pelo avô paterno contra a sua filha,

quando P7 enuncia sobre as conseqüências do abuso para a sua filha fala que após a revelação

do abuso, experiências com a sua filha e diálogos que teve com a menina antes de saber do

abuso ganharam novos sentidos, configurando-se como indícios de que a menina estava de

fato sendo abusada. Tais indícios puderam ser percebidos, segundo P7, na mudança de

comportamento da filha, enunciando que notou desde que a menina tinha oito anos ela ficou

mais agressiva, não tomava banho na frente de ninguém, não se trocava na frente de ninguém.

Outra conseqüência para a filha advinda desta vivência do abuso sexual intrafamiliar

sofrido foi a “depressão”[sic], provocada mais precisamente, segundo discurso de P7, pelo

fato de a filha ter de se distanciar da avó, esposa do abusador de quem ela gostava muito. Que

após a denúncia e a comprovação do abuso P7 agrediu verbalmente não só o avô abusador,

mas também a avó, esposa deste (“... Ela chorava aqui olhando pra foto da avó. Ficava sem

se alimentar. ‘Mainha[sic], olhe, sem minha avó é, é muito difícil.’ Ela diz pra mim.’...). O

que se pode compreender a partir deste discurso é que possivelmente a menina se submetia

aos feitos violentos do avô também para proteger a avó, que segundo ela, “era doente”[sic],

além da mãe e do pai que eram ameaçados de morte pelo abusador caso a menina revelasse

os abusos (“...Porque ela[a avó] também não tinha porque era ameaçada também. E ele é

bem agressivo, entre marido e mulher....”). Ou seja, pode-se aludir que quando a menina

estava em casa com os avós, a avó era poupada de investidas violentas do avô enquanto

estivesse submetida aos abusos sexuais dele. Em sendo assim, tendo a menina que se afastar

da casa deles, a avó dela ficava vulnerável, o que lhe trazia sofrimento em cogitar que ela

estivesse sofrendo por obra do esposo.

Através das falas das Participantes que revelam discursos sobre as conseqüências do

abuso sexual intrafamiliar sofrido pelas filhas pode-se notar que as meninas vitimadas
151
sofreram conseqüências físicas, psicológicas e sexuais. A vulnerabilidade foi a conseqüência

mais apontada pelas Participantes percebidas em suas filhas após a vitimação. Segundo elas,

as meninas passaram a ter medo de tudo, percebido através de retraimento social.

Pelo fato de o abuso sexual se constituir uma categoria de violência, no que tange a

uma violação de direitos não somente sexuais, mas humanos de um modo geral (Faleiros &

Campos, 2000), que os abusos aconteceram de forma intrafamiliar, as vitimadas sendo

crianças e adolescentes tendo sido vitimadas por um adulto com quem se mantém afinidade

familiar, a vulnerabilidade de fato se instala.

O abuso sexual intrafamiliar afeta o comportamento social da criança ou adolescente,

a curto e longo prazo. Após a vitimação, as crianças e adolescentes que sofreram o abuso

sexual intrafamiliar passam a ter dificuldade em confiar em outras pessoas, inclusive passam

a apresentar poucos comportamentos de interação social, como se disponibilizar a ajudar

alguém (Amazarray & Koller, 1998). Elas tendem a se retraírem socialmente de tal forma que

podem desenvolver quadros patológicos mais sérios como depressão, transtornos de

ansiedade, entre outros (Habigzang & Caminha, 2004)

e) Sobre o modo como tomaram conhecimento do abuso sexual intrafamiliar de

sua filha.

Quando as Participantes falam sobre o modo como tomaram conhecimento do abuso

sexual intrafamiliar de sua filha, elas enunciam que souberam a partir de outras pessoas seja

vizinho, cunhado, mãe de coleguinha da filha até através do Disque-Denúncia (como no caso

de P7), e somente uma delas enuncia que soube através da própria filha vitimada. Sobre este

tema as falas das Participantes revelam materialidade de não desconfiança, surpresa, traição e

sofrimento.

A fala de P2 que retrata o modo como ela tomou conhecimento do abuso de sua filha é
152
construído de forma emocionada de forma que no decorrer da fala ela chora demonstrando o

desconforto e a tristeza em reviver a situação narrada. Para este choro de P2 atribuiu-se o

sentido de que este foi o meio que ela expressou a sua presença na narrativa, pois até o

momento ela construiu seu discurso sem aparecer, em torno dos personagens da família, mãe,

irmãs, cunhados e filha. Assim, P2 enuncia a partir da polifonia nas vozes de sua irmã e de

sua filha o diálogo que se deflagrou no momento:

...A minha irmã chegou pra mim que queria conversar, que tinha um negócio muito sério

pra conversar comigo... Aí, ela falou que era com esse marido da minha irmã mais nova.

Que ele ficava mostrando pra ela os órgãos dele, né [sic]? Que ficava assim, se excitando

na frente dela...

Neste mesmo discurso acima, P2 enuncia o que se entendeu como um sentido como

de minimização do que aconteceu com a sua filha, percebidos quando ela enuncia que o

abusador não tocou em sua filha. Este sentido revela P2 subjetivamente já que aponta o modo

como ela compreendeu a gravidade da situação do abuso sexual de sua filha (“...Mas que

ela[a irmã] falou que ele[o abusador] não tinha feito nada ainda com ela[a filha]. Que não

tinha tocado nela. Só fazia tempos que ele ficava mostrando.”). A utilização das palavras

não[sic], nada[sic], e só neste contexto do enunciado do abuso a partir da voz de sua irmã

para P2 e do discurso de P2 para a pesquisadora, revela que tanto ela como a irmã atribuem

um sentido de gravidade na situação de abuso se o abusador tivesse tocado na menina. Que o

fato de ele ter “mostrado seus órgãos” (sic) e “se excitando” (sic) para a menina não mereça

ser visto com tanta gravidade, pelo contrário, seja um alívio.

Novamente nota-se a presença da regulação pelo gênero discursivo ideológico em que

expressa culturalmente e socialmente o modo como os atos de “mostrar seus órgãos” (sic) e

“se excitar” (sic) são compreendidos por sua família, já que está presente no discurso dela e

de sua irmã, enunciado para ela. Trata-se da representação do imaginário social sobre a forma
153
de compreender o abuso sexual, principalmente no que tange a sua definição e as

conseqüências depois da vitimação.

No discurso de P4 sobre a revelação do abuso de sua filha, nota-se a presença de

elementos como: gênero narrativo para enunciar como foi a revelação (“...Aí então, isso eu

falando com ela por telefone...”), quando (“...Isso no dia oito de março, esse ano...”), o

contexto (“...no dia da mulher...”), envolvidos (ela, a filha, o Conselho Tutelar); a polifonia

quando ela enuncia através da voz da filha, pistas acerca do abuso sexual sofrido pela menina

no diálogo do telefone em que a menina revelou a vitimação; gênero ideológico, quando ela

refere o dia em que a menina lhe revelou os abusos, dia oito de março, um dia que traz

consigo um sentido histórico e social da mulher na sociedade e as relações entre gêneros

(feminino e masculino). Assim como pode-se compreender o sentido que envolve a busca da

menina pelo seus direitos no Conselho Tutelar; gênero contraditório pelo fato do dia oito de

março tratar-se de um dia em que comemora-se os direitos da mulher e o discurso trata de

uma revelação de violação de direitos femininos, no caso, o abuso sexual sofrido pela filha de

P4; e do gênero descritivo para referir sobre o modo como a sua filha fez a sua enunciação

(“...Aí ela começou a gritar, a chorar...”).

O sentido que se apreende deste discurso é de confirmação da desconfiança que P4

tinha de que havia acontecido algo com a sua filha que motivara o seu comportamento

“rebelde”[sic]. Neste sentido, o discurso é regulado pelo dialogismo que se estabeleceu

através das falas dela e de sua filha (“...‘A senhora não sabe de nada, mainha[sic], o que

aconteceu!’ Eu: ‘O que foi que aconteceu?Me fale o que é. Deixe de chantagem com a sua

mãe, minha filha! O que é que tá[sic] acontecendo?’..”). Cada uma delas encontrava-se em

um lugar discursivo, ou seja, através de suas vozes situavam, no discurso, as consciências

bakhtinianas de mãe que não estava se dando bem com a filha, que desconfiava que algo

havia acontecido com ela e que destinava a responsabilidade materna a terceiros, e da filha
154
que se sentia preterida pela mãe e que tinha algo para revelar para a mãe que lhe trazia

sofrimento, mas que não o fazia, gerando-lhe mais sofrimento.

A partir do discurso de P4 sobre sua relação com a filha e o modo como a menina lhe

revelou que sofria abusos de seu pai pode-se entender que existia certa distância entre elas.

Esse sentido compreendido através do discurso de P4 como distância entre mãe e filha pode

ser uma pista da experiência de P4 em tentar não se envolver com as situações, e ainda dirige

as ações de responsabilização para outras pessoas. Percebe-se que diante deste discurso da

mãe de que não tem condições de ajudar a filha, a menina enuncia que vai recorrer ao

Conselho Tutelar e informar que sua mãe avó não querem ficar com ela (“...‘Vou procurar o

Conselho Tutelar e vou dizer, vou dizer que, que, que vocês num querem ficar comigo.’...”).

Mediante a enunciação feita pela filha de que “não queriam ficar com ela”[sic], P4

enuncia responsivamente utilizando-se a seguir dos jogos de verdades em que dialogicamente

confronta as duas consciências bakhtinianas envolvidas, dela e da filha (“...Eu fiz por onde

ficar com você e você mandei... você num, num fez por onde também com a gente...”).

Apreende-se a partir deste discurso o sentido de que o intuito dela é de fazer a filha entender

que as ações foram feitas vislumbrando o bem coletivo, dela e da filha, já que estavam tendo

conflitos (“...Mandei você pra casa do seu pai, não pra me livrar de você, mas pra ver se

você vive em paz, também eu vivesse em paz. Não que eu lhe abandone, porque você sabe

que eu amo muito você.’...”). Mas o discurso da menina de levá-las ao Conselho Tutelar é

algo que pode trazer prejuízos a ela enquanto mãe, pois pode ser responsabilizada por algo,

sendo que ela enquanto mãe se avalia positivamente e se arvora de tal (“...O que, que você vai

dizer minha filha? Que eu me mato, me esforço pra fazer tudo por você, pra dar o melhor é

isso que você vai dizer ao Conselho Tutelar é?’...”).

Então, P4 continua o seu discurso enunciando para a pesquisadora o momento da

revelação do abuso sexual da filha a partir da polifonia registrada através da fala da menina
155
(“...Aí foi quando ela gritou chorando e disse: ‘Eu vou dizer que eu era abusada pelo meu

pai desde meus quatro anos de idade!’...”.). Neste discurso da filha reproduzido por P4, nota-

se uma enunciação temporal de seu abuso, no qual indica a idade em que começou a sua

vitimação pelo pai. Esta enunciação da filha foi estimulada dialogicamente, sendo enunciada

de forma responsiva ao que a mãe enunciou outrora (o que faz pela filha).

Como P6 não desconfiava do abusador e por isso mantinha a rotina de deixar a filha

frequentar a casa dele, o modo como ela tomou conhecimento acerca do abuso da filha foi

através de uma mãe de uma coleguinha de sua filha. Essa mãe soube através de sua filha que,

por sua vez, lhe revelou que a filha de P6 tinha lhe contado. Segundo P6, embora não

desconfiasse do vizinho, tinha notado no comportamento de sua filha algo diferente, mas as

mudanças percebidas por ela foram tomadas a priori como algo relativo a doença (dor de

cabeça) (“...Porque em casa era normal. Só sentia umas dor[sic] de cabeça. Foi fazer exame

de vista, né[sic]? E não deu nada...”). Nota-se a partir deste discurso que mesmo através das

manifestações de dores de cabeça requentes de sua filha, algo que não costumava acontecer,

ela não atribuiu a este fato o sentido de que a filha pudesse estar sendo vitimada.

O discurso de P7 para falar sobre o abuso sexual intrafamiliar de sua filha sobre como

tomou conhecimento demonstra que ela não sabia que sua filha estava sendo vitimada (“Bom,

eu vim saber já do caso após os exames solicitado[sic] pelo Conselho Tutelar. Mas, ela

quando confirmou o abuso ela tinha sete anos...”). Neste discurso P7 enuncia sobre a questão

temporal na medida em que sinaliza que os abusos iniciaram-se na época que a filha tinha

sete anos de idade, sendo que a menina hoje já é uma adolescente de 13 anos. Segundo ela,

quando soube foi no mesmo momento em que sua família tomava conhecimento também.

Somente o pai da filha dela que tomou conhecimento antes por ter sido contatado pelo

Conselho Tutelar antes dela.

Segundo discurso de P7 nota-se que este fato de ter sido contatada pelo Conselho
156
Tutelar enquanto o órgão responsável por zelar pelos direitos da criança e do adolescente teve

um sentido de gravidade da situação. Ela mencionou diversas vezes durante o discurso que

ela não sabia de nada do que estava acontecendo com a sua filha até ser comunicada pelo

Conselho. Neste discurso ela enuncia também o Disque 100, responsável por receber

denuncias anônimas sobre casos de violência sexual praticadas contra crianças e

adolescentes, através do qual foi denunciado o abuso de sua filha por parte do avô paterno,

além de enunciar sobre a Delegacia e o CREAS. Quando ela constrói um discurso contendo

estes órgãos pode-se aludir que ela está fazendo menção além de seu desconhecimento, mas

sobre a dimensão do mesmo, ou seja, que a impossibilidade era tamanha de saber o que

estava acontecendo que a denuncia chegou através de um serviço publico e anônimo.

Ao notar-se que os discursos que emergem das falas das Participantes revelam que

estas tomaram conhecimento do abuso sexual intrafamiliar de sua filha através de outras

pessoas, pode-se refletir sobre a proximidade entre mães e filhas, já analisadas anteriormente.

Mediante isso, analisa-se a relação entre a Participante e a pessoa que lhe revelou que os

abusos aconteceram.

Segundo os discursos das Participantes, estas tomaram conhecimento a partir de

vizinho, cunhado, mãe de coleguinha da filha até através do Disque-Denúncia (como no caso

de P7), somente uma delas soube a partir de uma conversa com a sua filha vitimada. Um dos

fatores que favorecem que as mães não desconfiem é o fato de que o abusador ser alguém

acima de suspeitas e o ambiente doméstico se configurar um lugar de proteção para suas

filhas (CECRIA, 1998; Lima, 2008).

f) Sobre as providências que tomaram ao saber que a sua filha tinha sido vitimada

pelo abuso sexual intrafamiliar.

Quando as Participantes falam sobre as providências que tomaram ao saber que a sua
157
filha tinha sido vitimada pelo abuso sexual intrafamiliar elas constróem discursos que

revelam que elas precisaram de ajuda de terceiros para tomar decisões como denunciar o

abusador e até mesmo de proteger a sua filha encaminhando-a para morar longe de casa,

como com outros parentes ou num colégio interno.

Diante do conhecimento deste abuso contra a sua filha, de como ele acontecia e que o

fato de ter sido intrafamiliar e o abusador ter tamanha convivência com a sua filha,

principalmente na casa da mãe de P2, ela enuncia que as providências adotadas foram

primeiramente surgiu a ideia entre ela, a irmã e o cunhado que desconfiou do abuso de filmar,

no intuito de flagrar uma investida sexual do abusador contra a filha, com a finalidade de ter

provas para denunciar o abusador, no entanto, entendendo que era expor a sua filha a mais

uma situação abusiva, abandonaram a idéia, e outra providência foi decidir quem deveria

saber o que aconteceu (como a sua irmã, esposa do abusador, já que teriam de ser afastar) e

quem não deveria saber (a sua mãe, já que a considerava limitada por ser alcoólatra[sic].).

Embora a maioria das Participantes tenha tomado providências conjuntamente com

outras pessoas, P3 foi a única exceção. Ela foi a única, dentre as Participantes desta pesquisa

que tomou a decisão sozinha e separou-se do abusador de sua filha, mesmo em meio a

incerteza de que realmente o abuso havia acontecido. Assim, ela enuncia que ao saber do

acontecido tomou a providência imediata de perguntar ao marido para certificar-se da

informação, e então afastá-lo do convívio da família, mesmo diante da negação do mesmo,

novamente vivenciou a dúvida quanto a esta autoria. Mediante isso, compõe um discurso

contraditório em que ao mesmo tempo em que teve dúvidas se o marido abusou de sua filha,

ela tomou a decisão de se separar o que revela o sentido de ter acreditado que ele o fizera.

Mesmo tendo separado do marido ela ainda demonstra ter duvidas quanto a autoria do

abuso sexual intrafamiliar contra a sua filha (“...Então até hoje eu ainda fico na minha

cabeça, será que é verdade ou não? Porque... pelo que se é acontecido as menina nunca
158
demonstrou nada, né[sic]...”). Essa dificuldade em crer que o pai de suas filhas seja o

abusador entende-se perpassar pelo sentido que o (ex-)marido representa, alguém, para ela,

acima de qualquer suspeita de que cometa algo deste tipo, quem conhecia bastante. Ademais,

a sua filha, para ela nunca demonstrou nada que pudesse levantar a suspeita dirigida ao

(ex)esposo, pai da filha, o que demonstra que a menina passou o tempo em que conviveu com

o pai e suas investidas sexuais convivendo com o medo e ameaças, algo comumente presente

no comportamento do abusador frente a sua vitimada.

Assim que P4 soube do abuso da filha através do telefonema entre elas, P4 enuncia

que a sua providência, após refazer-se do “baque”[sic] foi ir até onde estava a menina para

conversar pessoalmente “às pressas”[sic]. Pode-se entender que P4 demonstra ter

compreendido a dimensão da gravidade da situação que a filha acabara de lhe relatar. Ao

enunciar como foi a conversa com a filha, ao chegar onde a menina estava, P4 enuncia um

sentido que se entendeu que P4 faz relação da revelação do abuso com outras vivências com a

sua filha que poderiam estar compostas de sinais da revelação e ela não se deu conta na

época, o que ganha novos sentidos mediante ao novo contexto (“...Aí, então, quando ela falou

isso[o abuso] passou um filme na minha mente, das coisas que ela falava pra mim,

sabe?...”).

Segundo P4 foi uma surpresa saber desse abuso sexual intrafamiliar cometido pelo pai

de sua filha, já que para ela, ele era alguém acima de qualquer suspeita, chegando a descrevê-

lo como “um homem santo”[sic] e “perfeito”[sic], que não apresenta características do que

P4 entende serem pertencentes a um abusador (“...Num era aquele homem que, que saísse na

rua ficasse olhando pra mulher, sabe?...”). Mediante este discurso pode-se aludir que P4

conhece as características de um abusador, e se isso acontece, o efeito de sentido é de que de

alguma forma ela já teve, anteriormente, experiência com abusadores. Para reiterar a sua não

desconfiança, ela utiliza o adjetivo “santo”[sic] dando o sentido completamente contrário a


159
alguém capaz de cometer abuso sexual. Ou seja, ela constrói um discurso contraditório e

ideológico sobre o que ela pensa sobre abusadores e sobre o ex-marido neste contexto.

P5 enuncia que sua filha mais velha foi abusada por um companheiro de sua mãe e

que a providência ao tomar conhecimento do abuso intrafamiliar da filha mais velha foi de

matricular a sua filha num colégio interno para que ficasse protegida das investidas sexuais

do abusador, já que não tinha com quem deixá-la quando ia trabalhar (“...Ela, eu tive que

colocar num colégio interno porque como eu trabalhava e as vezes ela ficava em casa com

minha mãe...”). O que se pode compreender é o sentido de que ela, enquanto mãe, tratou de

acreditar em sua filha e tomar providência, que se entendeu no intuito de protegê-la. Analisa-

se esta providência de encaminhar a filha para um colégio interno, afastando-a,

consequentemente, do convívio familiar e do abusador (já que sua mãe continuou com o

companheiro, segundo ela) como mais uma característica de repetição entre gerações nesta

historia familiar de abuso. Isso porque quando P5 foi vitimada a providência que tomou

(neste caso, sozinha) foi de também se afastar do abusador quando pode. No caso dela,

engravidou e foi morar com um rapaz para poder sair de casa e ficar livre dos abusos, já que

sua mãe não acreditava nela, segundo seu discurso.

Já P7 enuncia que quando foi acionada pelo Conselho Tutelar a primeira providência

dela foi de atender aos procedimentos que foram orientados pelo Conselho e, ao encontrar a

filha, para levá-la ao perito para exame, conversou com a menina em busca de confirmação

através dela sobre o que havia sido denunciado. Isso porque antes de P7 ser contatada pelo

Conselho e saber o que estava acontecendo com a filha, o pai da menina esteve presente no

Conselho realizou os procedimentos orientados. Na companhia de seu pai, segundo P7, a

filha recusou-se a fazer o exame num primeiro momento. Segundo o discurso de P7, o motivo

pelo qual a sua filha não quis fazer o exame proposto estava ligado a questões de gênero

(“...Quando ela foi pro exame, que chegou lá era um médico. Ela não aceitou fazer o exame
160
com um médico...”). O que se pode entender deste discurso dela é que a sua filha estava

fragilizada a tal ponto com a situação de ter sido vitimada pelo avô que não se sentiria a

vontade em ter que se submeter a um exame intima com um homem, mesmo sendo este o

médico especialista. No entanto, depois, quando a menina já estava em companhia de P7 ela

foi submetida ao exame, já que tal procedimento faz parte do protocolo de atendimento em

casos de violência sexual.

Segundo discurso de P7, ela apoiou a recusa da filha em se submeter a um exame com

um médico (“...De imediato eu falei que ela não faria com um médico, com um homem.

Porque ela não ia conseguir mesmo...”). A partir deste discurso, pode-se inferir que P7 dá

pistas de que ela tem conhecimento das limitações geradas pela conseqüência de um abuso

sexual que incidem em alguém vitimado. O que se pode entender esta pista como um indicio

de que ela tem outra vivência de abuso sexual além desta de sua filha. De acordo com o

discurso de P7 foi constatado através do exame de conjunção carnal que sua filha tinha sido

abusada sexualmente.

Através dos discursos das Participantes sobre as providências tomadas ao saberem que

suas filhas tinham sido vitimadas por abuso sexual intrafamiliar elas necessitaram da

orientação de outras pessoas próximas como parentes para agirem de forma protetiva,

elegendo as ações que efetivaram no contexto. A isso se entende dever ao fato de as mães não

conseguirem lidar com a situação de sofrimento das filhas, fato que também lhes gera

também sofrimento.

Em situações de abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil as mães optam por um

comportamento protetor e por um excesso de cuidado com os membros da família, em

especial com as filhas, revelando-se mães cuidadosas e carinhosas com os filhos. Nesse tipo

de famílias, que o autor referido denominou como rígidas e moralistas, as mães tendem a

acreditar em suas filhas e buscam proteção (Furniss, 1993).


161
g) Sobre os procedimentos adotados ao saberem do abuso da filha.

Quando as Participantes falam sobre os procedimentos, elas revelam que foram

orientados seja por parentes, seja por profissionais da área de defesa dos Direitos das

Crianças e Adolescentes. Neste discurso de procedimento elas materializam os

conhecimentos técnicos com os quais conviveram por conta da vivência do abuso de suas

filhas. São conhecimentos que revelam experiências com a justiça (por exemplo, denúncias,

processos) e com a saúde (por exemplo perícia, exame).

Sobre os procedimentos adotados P2 enuncia que foram seguidos junto com sua

família, assim que veio à tona o abuso sexual intrafamiliar da filha dela: ela, sua irmã e seu

cunhado que desconfiou primeiro da situação. Enuncia que decidiram procurar ajuda no

CREAS, decisão esta que foi tomada a partir da idéia do tal cunhado que desconfiou da

situação, quem P2 enunciou como alguém preparado para decidir (“ele preferiu”) a melhor

providência, a partir do sentido dado por ela a profissão dele, educador:

...Só que aí esse meu cunhado, esse outro meu cunhado, que ele é educador, não é? Então

ele preferiu trazer a gente pra cá, pra o CREAS, pra gente se informar como agir. Foi

quando a gente veio pra cá pra o CREAS e a gente conversou, eu conversei com S., com

minhas irmã[sic] e conversou com esse meu cunhado tudinho[sic], com minha irmã. Aí foi

quando ela falou, a G.[psicóloga do CREAS] falou que era pra gente afastar ele o mais

rápido possível de lá de casa.

Ressalta-se que esta decisão de buscar atendimento no CREAS fez com que o

abusador fosse denunciado e esta situação provocou preocupação em P2 quanto a sua irmã,

esposa do abusador, em saber como ela se sentira mediante esta acusação. E quando a esposa

do abusador tomou conhecimento P2 não esteve presente, cabendo a sua irmã e ao seu

cunhado que desconfiou do abuso contar a esposa do abusador o que sucedera. O motivo pelo
162
qual P2 não fez parte da conversa foi porque, segundo ela, não conseguiria conversar sem

chorar e sem ficar nervosa, podendo inclusive partir para agressão. A partir deste discurso

pode-se notar que P2 não se considera preparada para vivenciar a situação de sua filha e nem

tampouco estar a frente de decisões subseqüentes relativas ao abuso intrafamiliar sofrido pela

sua filha.

Diante da revelação da filha, P4 enuncia os procedimentos adotados. Segundo ela,

buscou atendimento para a sua filha no CREAS, a partir do qual pode compreender o que

considerou “o porquê de tanta revolta de M...”[sic]. A partir deste discurso, entende-se que

os atendimentos serviram não somente para auxiliar na vivência de abuso da menina, mas

também no efeito que esta experiência gerou que refletiu no comportamento da mesma.

Sendo assim o CREAS surge no discurso de P4 como espaço de responsabilidade de

tratamento da filha, novamente atribuindo a terceiros a responsabilidade de atenção materna.

Após procurar o CREAS, P4 enuncia que outro procedimento adotado por ela foi denunciar o

abusador. Mas para decisão de fazer esta denúncia ela enuncia outras pessoas envolvidas que

lhe auxiliaram a fazê-lo como a filha, o seu pai, a sua mãe, o CREAS. O que se nota é que

novamente P4 demonstra não ter condições de lidar com esta situação sozinha, que para isso,

precisava de outras pessoas. Este dado faz surgir a alusão de que P4 pode ter vivenciado outra

história de violência que lhe resultou nesta falta de condição de desenvolver-se no contexto.

No entanto, embora P4 tenha feito a denúncia do abusador, após a prisão do mesmo

não levou o processo adiante a pedido de sua filha vitimada, que entendeu que o fato de o pai

passar uma noite na cadeia já era suficiente para impedi-lo que cometer abusos novamente,

seja com ela ou com qualquer outra pessoa.

Mediante a confirmação da filha de que de fato tinha sido abusada sexualmente pelo

vizinho, amigo da família, P6 enuncia que adotou procedimentos que incluíram buscar

auxilio nos órgãos competentes e uma das orientações foi que ela denunciasse o abusador, e
163
ela o fez. Segundo seu discurso, a busca de auxilio especializado se deu por conta que para

ela foi uma baque tamanho saber da vitimação da filha que não sabia o que fazer naquele

momento (“...Que eu fiquei desorientada...”). Ela constrói um discurso em que as

enunciações são compostas de narrativas que versam sobre o caminho que percorreu até

conseguir atendimento para a filha. Para isso, ela enuncia que foi a três hospitais diferentes,

no IML, Delegacia, Conselho Tutelar até chegar ao CREAS. Sobre o caminho percorrido,

também enuncia detalhes dos atendimentos recebidos até chegar ao CREAS. A partir do

discurso de P6 composto por tantos espaços nos quais ela teve que percorrer em busca de

atendimento para a menina (três hospitais diferentes e ainda retornar ao primeiro hospital),

pode-se aludir que ela encontrou dificuldades para conseguir referido atendimento, assim

como orientação sobre a vitimação da filha. O que se pode analisar deste discurso de P6 é

que, embora os locais que ela tenha buscado atendimento tenham sido os mais indicados em

casos de abuso sexual, os profissionais que a receberam parecem não estar preparados

adequadamente para esta demanda, mediante a peregrinação provocada.

Em seu discurso sobre o caminho percorrido até receber atendimento aparece ainda os

profissionais que lhe atenderam nestes locais indicados: psicólogo, assistente social, médico e

conselheiro tutelar. No entanto, segundo o discurso de P6, a filha hesitou em falar sobre o seu

abuso para os profissionais que a atenderam, no que a menina revelou a sua vitimação e

detalhes da vivencia somente para a Psicóloga (“...Aí, quando foi pra psicóloga que a

psicóloga começou a conversar com ela. Aí, sei que de muito tempo ela começou a dizer...”).

De acordo com o discurso de P6, entende-se que para a filha dela era difícil falar sobre o

assunto, dada a complexidade da vivência. Diante deste discurso, pode-se compreender que o

atendimento da Psicóloga configurou-se como um espaço propício para que a menina pudesse

revelar a sua vivência de abuso sexual, já que trata-se de um profissional que tem um

conjunto de técnicas e ferramentas que possibilitam o espaço de acolhimento da demanda


164
adequado.

O efeito de sentido do discurso referente a todo este caminho de atendimentos na rede

de proteção identificados no discurso de P6 (CREAS, conselho tutelar, delegacia e IML)

propicia compreender como uma forma que ela encontrou para organizar também para si,

repassar todo o procedimento, toda a experiência até o momento da entrevista. Estes

encaminhamentos, procedimentos, atendimento e conhecimento enunciados por ela que

aparecem em seu discurso enunciam para ela dialogicamente uma atenção e acolhimento que

ela não teve quando foi vitimada. P6 detalha os caminhos percorridos são enunciados no

sentido de que ela sente-se de certa forma acolhida, mesmo que tardiamente e através de sua

filha. Ressalta-se a importância de existir uma rede de proteção e garantias de direitos que

funcione, isso porque não somente a criança ou adolescente vitimado precisa de seus direitos

assegurados, mas também acolher a demanda familiar. Em casos em que há a repetição do

abuso sexual intrafamiliar as próprias mães se sentem acolhidas e podem elaborar as suas

próprias vitimações, tornando-se mais competentes no auxilio de suas filhas vitimadas.

A partir do discurso sobre os procedimentos efetivados pelas Participantes estão

relacionados ao conhecimento a partir das experiências que estas tiveram ao longo de suas

vidas a respeito do abuso sexual. Revelam um sujeito que se constituiu desta experiência e

que trouxe para o discurso os sentidos que estas experiências lhes proporcionaram. Nota-se

que as Participantes se utilizaram da rede de proteção, seja por conhecimento prévio ou por

orientação de terceiros, para garantir a proteção de suas filhas ao saberem do abuso sofrido.

Novamente, discute-se o fato de as mães contarem com a ajuda de terceiros para suas

decisões sobsequentes ao conhecimento do abuso da filha. Essa dependência das mães se dá

sob forma de solicitação de ajuda para tomar providências como denunciar ou não o agressor.

Há casos ainda em que elas transferem completamente tal postura de proteção e providência

ante a situação de violência (Lima, 2008).


165
O apoio familiar torna-se fator imprescindível para o encaminhamento da situação de

violência vivida pela criança e pelo adolescente. O papel da mãe recebe especial destaque

devido ao significado importante na manutenção da sensação de proteção de seu (sua) filho

(a) (Azevedo & Guerra, 1989).

h) Sobre o sofrimento ao saber da vitimação de sua filha.

Quando as Participantes falam sobre o sofrimento de ao saber da vitimação de sua

filha elas constróem um discurso que materializa a dor materna em saber do sofrimento de

sua filha, a culpa em não ter conseguido protegê-las, questionamento sobre a qualidade de sua

maternagem, e principalmente a dificuldade em falar sobre o assunto.

O fato de P1 ter desistido de levar o processo contra o abusador adiante, também

pode-se entender como que não somente a sua filha revivia a história de abuso tendo que

contá-la por diversas vezes, mas também para P1 era uma vivência de sofrimento. Sobre o

sofrimento de P1 ao saber da vitimação da filha, P1 enuncia que não consegue verbalizar o

que sente (“É...acho que é uma dor assim... Que não tem descrição... Acho que... só a mãe

mesmo é que passa por isso é que sabe”.). Nota-se que neste discurso P1 o constrói de forma

ideológica da categoria mãe construída histórico-culturalmente. Neste sentido, entende-se que

quando P1 constrói este discurso regulado pelas vozes sociais da mãe cuidadora dos filhos,

ela não se coloca singularmente, e sim se insere num grupo de mães que, como ela, também

tiveram esta experiência de vitimação de uma filha.

De acordo com o discurso de P4, a experiência de vitimação por abuso sexual

intrafamiliar de sua filha gerou conseqüências em seu desenvolvimento. Esse pensamento, P4

expressa que lhe acompanha desde que ela soube que a filha tinha sido abusada, o que lhe

provoca tamanha comoção que verbaliza que tem “vontade de chorar”[sic] sempre que pensa

na situação revelada Neste discurso em que revela a sua vivência subjetiva mediante o abuso
166
da filha, nota-se que para ela o sofrimento de sua filha gera também um sofrimento nela. O

sentido que se pode atribuir a este discurso de P4 é de que tem conhecimento de que a

vitimação por abuso sexual causa sofrimento, ainda mais quando o abusador é o próprio pai

da vitimada, ao que, para isso, ela demonstra conferir um grau maior de gravidade. Neste

sentido, a análise do discurso de P4 permite destacar que através deste enunciado, mais um

indício da existência de repetição do abuso sexual intrafamiliar. .

P5, assim que soube que sua filha mais nova que estava sendo abusada sexualmente

constrói um discurso em que enuncia como se sentiu no momento da revelação (“...Aí ali eu

entrei em desespero, comecei a chorar. Aí, ele começou a dizer assim: ‘Se acalme irmã.’ Num

sei o que. ‘Não vá dizer nada não’ ...”). Nota-se através deste discurso que ao tomar

conhecimento do abuso de sua filha, P5 enuncia o sentido de negação e surpresa, de não ter

acreditado no discurso do rapaz

Como P6 não desconfiava do abusador e por isso mantinha a rotina de deixar a filha

frequentar a casa dele, o modo como ela tomou conhecimento acerca do abuso da filha foi

através de uma mãe de uma coleguinha de sua filha. Essa mãe soube através de sua filha que,

por sua vez, lhe revelou que a filha de P6 tinha lhe contado. Segundo P6, embora não

desconfiasse do vizinho, tinha notado no comportamento de sua filha algo diferente, mas as

mudanças percebidas por ela foram tomadas a priori como algo relativo a doença (dor de

cabeça) (“...Porque em casa era normal. Só sentia umas dor[sic] de cabeça. Foi fazer exame

de vista, né[sic]? E não deu nada...”). Nota-se a partir deste discurso que mesmo através das

manifestações de dores de cabeça requentes de sua filha, algo que não costumava acontecer,

ela não atribuiu a este fato o sentido de que a filha pudesse estar sendo vitimada.

Após a confirmação da conjunção carnal através do exame, P7 constrói um discurso

enunciando sobre como foi para ela e para o pai da filha tomar conhecimento dos detalhes do

abuso que a menina sofreu. Segundo ela, depois que contou ao pai da filha sobre a
167
confirmação este não reagiu bem (“...Um alvoroço. O pai queria matar ele...”). No entanto,

mesmo em meio a “revolta”[sic] dela e do pai da filha, resolveram acalmar-se e buscaram

aguardar a justiça, que já tinha conhecimento através do Serviço de Disque-Denúncia

Nacional (“...Porque se o caso não tivesse na justiça ele não teria sobrevivido não. Isso aí eu

disse na delegacia,o pai falou. Aonde[sic] a gente foi falou...”). Através deste discurso nota-

se o quanto chocante e sofrido foi para ela saber do abuso da filha sobre a autoria de seu ex-

sogro, avô paterno da menina.

Mães que viveram essa situação através de sua vitimação e a de sua filha não

encontram em si mesmas condições suficientes para lidar com a situação de suas filhas. Isso

porque são obrigadas a admitir que sofrimento semelhante ao seu foi infligido à menina. A

mãe tende a sentir enorme culpa por não ter conseguido proteger a filha. Nesse contexto,

pode desenvolver hostilidade, ou baixa auto-estima em relação à vitimada, uma vez que a faz

retomar sensações desagradáveis, além, ainda, do sentimento de que não foi capaz de

protegê-la, sendo este o papel materno fundamental (Furniss, 1993).

Os discursos das Participantes sobre o sofrimento delas ao saberem do abuso das

filhas refletem que as vivência subjetiva delas envolveram um sofrimento subjetivo, expresso

por elas como culpa por não terem protegido as filhas dessa vitimação que lhes mobiliza de

tal maneira capaz de lhes fazer rememorar as lembranças de seu próprio abuso no passado

quando eram crianças ou adolescentes, dado o sofrimento delas (Lima & Alberto, 2010).O

sofrimento materno também se dá devido a uma busca de negar a situação de abuso da filha

que acaba de tomar conhecimento. Isso porque o abusador é alguém de seu convívio familiar,

elas podem iniciar um processo de negação da violência, por não conseguirem lidar com a

situação (Furniss, 1993).

168
i) Sobre o que consideram abuso sexual.

Quando as Participantes falam sobre o que consideram abuso sexual, nota-se

discursos que materializam o modo de subjetivação delas a respeito de abuso sexual. Tem a

ver com a experiência que elas tiveram mediante a vivência com o tema. Nesse sentido, as

falas revelaram que a concepção destas mães sobre o abuso gira em torno da virgindade de a

presença de conjunção carnal, ou seja, o abuso sexual com contato físico e mais ainda, entre

genitais.

Neste discurso sobre a forma que aconteceram os abusos sexuais intrafamiliares

enunciados por P3 nota-se um sentido em que ela expressa que demonstrou querer emitir

quando enunciou a palavra molestar[sic] a partir do trecho: “...Ele chegava lá no quarto,

ficava em cima dela...”. O que se percebe através deste discurso e da disposição do mesmo

no contexto em destaque é que para P3 molestar tem o mesmo sentido que abusar

sexualmente. Este foi um sentido que se entendeu ter partido dela, como se tivesse sido um

exercício dialógico produzido por ela mesma em meio a um discurso essencialmente regulado

pela dúvida e pela polifonia, o que refere uma certa distancia de P3 dos acontecimentos, já

que demonstra dificuldades em crer nos fatos revelados, principalmente na autoria do abuso.

E P3 complementa a sua concepção sobre abuso sexual quando ela enuncia acerca da

relação que o pai abusador tinha com as filhas que não lhe fazia suspeitar de suas intenções

abusivas, assim como o seu conhecimento acerca de como age um abusador sexual. Nesta

fala dela nota-se que para ela o abusador é alguém que se interessa pelas filhas, mesmo

estando separado dela (“...Porque das poucas vezes que eu falei com ele. Assim, ele sempre

procurou...”). O fato de ela dizer que o ex-esposo busca saber sobre as filhas gera o

entendimento de que ela realmente tem dúvidas quanto a autoria dele do abuso da filha

(“...Porque, pra quem fez o que fez, assim ele sempre procurou saber das meninas, como é

que as menina[sic] tava[sic]. Assim, sempre se mostrou uma pessoa preocupada, né[sic]...”).
169
Mediante este discurso, pode-se notar que P3 entende que um pai que comete o abuso contra

a filha não se preocuparia com ela, não buscaria saber como estava a menina.

Segundo discurso de P5 sobre o abuso sexual que sua filha mais nova sofreu (de 14

anos) a situação aconteceu por conta de um namoro que a menina mantinha escondido dela

com um rapaz de 27 anos de idade, que foi o que motivou inclusive, a sua ida ao CREAS em

busca de atendimento. Enuncia que, embora tenha desconfiado de que algo estivesse

acontecendo com a sua filha, pois seu comportamento, segundo descreve em seu discurso,

estava para ela “estranho” [sic] e “agressivo” [sic] dentro de casa. Ou seja, ela não sabia

que a menina estava sofrendo os abusos, vindo a tomar conhecimento a partir de um vizinho

e freqüentador de sua igreja, que lhe disse que as práticas de sexo entre a filha e o namorado

eram do tipo anal (Aí eu fiquei assim, aí ele fez: ‘Só que eles tão tendo relação só que não é

como a gente normal.’ Aí, eu: ‘Como assim como a gente, normal?’ Aí eu pensei pronto meu

menino é gay...”). Neste momento em que soube do abuso de sua filha, enquanto o vizinho

que lhe revelava não dizia o nome da filha, P5 enuncia que logo pensou em seu filho, o qual

ela enuncia como “gay”[sic]. Então, P5 enuncia de forma explicativa o motivo pelo qual

desconfiou do filho (“...Que ele ta[sic] com contato com pessoas gay, muito mais velho do

que ele, entendeu? E ele fala assim que quer mudar, mas não consegue. Que essa pessoa fica

muito ligando e ele acaba indo passar fim de semana fora.”). O que se entende deste

discurso de P5 é que para ela, o filho tendo contato com essas pessoas que ela considerou

gay[sic] e mais velhas[sic] podem estar influenciando o seu filho e cometendo abuso sexual

contra ele.

Neste discurso, embora note-se que P5 enuncia a sua vivência negativa com a

experiência narrada e a vivência da repetição do abuso sexual com seus filhos, percebe-se

também um discurso contraditório quando ela enuncia que a dor que sentia, o que se entendeu

como relativa a sua vitimação no passado, e que tal dor que pensava ter passado volta com a
170
vivencia do abuso dos filhos, se contradiz ao que ela disse que é uma dor que lhe

acompanhará pro resto da vida. Segundo se pode compreender desse discurso, ela avalia de

forma comparativa a sua vitimação por abuso e a de seus filhos, valorando que o que

aconteceu com seus filhos, para ela, foi ainda pior do que lhe sucedeu quando foi abusada. A

este discurso pode-se apreender o sentido de que ela está falando sobre a questão da

conjunção carnal, que não foi consumada com ela, quando abusada, mas segundo

informações que sabe sobre o abuso dos filhos através de terceiros, a conjunção carnal se deu.

A este discurso faz-se novamente a analise ideológica de sua construção, no que se percebe a

presença das varias vozes sociais do coletivo.

E sobre o que P6 concebe sobre abuso sexual pode-se notar no discurso sobre a

descrição do abuso sexual intrafamiliar sofrido pela filha. Neste discurso nota-se a presença

da polifonia enunciada a partir da reprodução das vozes de ouros envolvidos como da filha e

da mãe da coleguinha de sua filha, para quem a menina contou primeiro sobre a vitimação. A

filha, segundo discurso de P6, lhe descreveu o abuso que sofreu como “coisa feia”[sic], e a

mãe da coleguinha da filha descreveu a vitimação da menina como uma “tentativa”[sic] de

abuso sexual. Mediante as duas enunciações que emergiram através da polifonia em seu

discurso, percebe-se a movência de sentidos quando, de forma dialógica, P6 em seu discurso

remete o sentido de enunciar para si mesma um novo sentido atribuído a “tentativa”[sic]

como se estivesse revendo o tal sentido do que de fato a filha sofreu considerando a sua

complexidade: “...no caso abusou dela, né[sic]?”. O discurso de P6 remete a uma

configuração contraditória quando ela menciona o que antes fora enunciado por uma das

vozes constituintes de seu discurso como uma “tentativa”[sic] torna-se, a seu ver, como um

“abuso”[sic] de fato. Através deste discurso pode-se entender o que o sujeito P6 concebe

como abuso sexual em si difere do que a pessoa que lhe revelou entende que o seja. E P6

constrói um discurso no qual nota-se uma composição de marcas discursivas que remetem a
171
um enunciado responsivo que identificam um gênero ideológico que trata sobre a virgindade,

através da qual compreende-se o sentido de pureza e inocência afeita a crianças (“Assim... ele

não, não teve penetração, mas ele, ele esfregou os órgão dele, genital nela, né[sic]?...”). Este

discurso revela que para P6 apesar de não ter havido a conjunção carnal o fato de o abusador

ter provocado contato genital entre ele e a menina assegura gravidade.

4.3.2 A mulher vitimada: O discurso sobre o abuso sexual intrafamiliar infanto-

juvenil que as Participantes sofreram

Após o discurso sobre o abuso sexual que vitimou as filhas, as Participantes revelaram

sobre o abuso sexual intrafamiliar que sofreram. Este discurso aparece atravessado pela

materialização do sofrimento, medo, vulnerabilidade, família e sentimento de desproteção.

No discurso de cada uma delas pode-se perceber a singularidade expressa através da vivência

subjetiva delas diante da sua vitimação bem como da vivência do contexto de entrevista que

se fazia naquele momento. Além do discurso verbal, o discurso extraverbal também foi

acessado, estes através de gestos e comportamentos reveladores do sujeito que se constituiu

sendo expresso através de choros e silêncios.

Para acessar a experiência de vitimação das Participantes foi enunciado para elas uma

pergunta acerca de outros casos de abuso sexual que elas por ventura conhecessem. Os

discursos responsivos eram marcados por conhecimento de casos veiculados pela televisão e

jornais impressos. Quando elas não revelavam o seu abuso, era enunciado dialogicamente que

elas respondessem se conheciam casos de abuso sexual contra crianças ou adolescentes de

alguém que elas conheciam mais próximos a elas, momento em que elas enunciavam sobre

seus abusos.

Essa fala das Participantes em que o discurso responsivo de constituiu de


172
conhecimento de casos a partir de veículos de comunicação de massa entende-se que

aparentemente elas primeiro se distanciam da situação, revelando casos que vitimaram

pessoas desconhecidas, como se tentassem proteger a seu sofrimento, desperto a partir de sua

história de vitimação. Isso porque a dinâmica de contar a sua história de vitimação é como

voltar no tempo e reviver.

Sendo assim, ao longo do discurso responsivo das Participantes sobre o abuso sexual

intrafamiliar que sofreram quando eram criança ou adolescente apareceram enunciações

sobre o abuso sexual que sofreu quando criança, sobre o sofrimento de ter sido abusada

sexualmente e não ter recebido proteção, sobre o fato de ser abusada e não revelar a

ninguém o que lhe acontecia, sobre os abusadores, sobre o modo como se sentiu após ter

revelado a família, sobre como se sentiu ao relembrar seu próprio abuso, sobre as

implicações das experiências de abuso (seu e de sua filha) para a sua relação com as filhas,

sobre a sua vivência subjetiva ante a situação de ter que conviver com a realidade de seu

abusador estar livre.

a) Sobre o abuso sexual que sofreram na infância.

Quando as Participantes falam sobre o abuso sexual que sofreram na infância, nota-se

que esse discurso de revelação vem introduzido pela fala de desconhecimento de outros casos

de abuso sexual vitimando pessoas próximas à ela. Mas quando elas revelam o seu abuso este

é expresso com sofrimento e dor. Essa vivência negativa aparece através de choros e

silêncios.

Assim, depois que P1enuncia sobre outros casos que soube através de veículo de

comunicação de massa, revelando o sentido de que não conhecia as pessoas vitimadas e nem

tinha relação com elas, e sim um conhecimento que chega a um coletivo, P1 constrói um

discurso que revela o abuso sexual que sofreu na infância (“...Então... Isso é uma coisa que,
173
que mesmo que eu não sabia que tinha acontecido com minha filha, o tal da violência do

abuso sexual, que foi uma coisa que [Chora] eu já passei por isso...”). Para construir este

discurso P1 demonstrou sofrimento ao chorar antes de enunciar que também foi vitimada.

Nota-se um sentido que se apreendeu como culpa, quando ela enuncia o abuso da filha ela se

coloca como alguém que não tinha o conhecimento, mas que poderia ter protegido mais a

filha, já que tinha experiência de vitimação.

Para falar de seu próprio abuso e de como aconteceu, P3 constrói uma fala que se

considerou confusa devido a repetição das palavras acontecido[sic] e aconteceu[sic]. A esta

repetição nesta análise do discurso atribuiu-se o sentido de expressão da dificuldade que ela

teve em enunciar verbalmente a sua vitimação: “...Quando vem uma, um negócio, vem

sempre à tona aquilo que aconteceu, né[sic]. O acontecido que aconteceu comigo.”.

Entende-se que ela utiliza a palavra acontecido[sic] no sentido do abuso sexual que

vivenciou, como se não conseguisse nomear o que lhe sucedeu. Ou seja, através deste

discurso revela-se um sujeito que necessita do não-dito para poder expressar através do

sentido o que deseja dizer, já que verbalmente não consegue. Outro sentido apreendido deste

discurso dela advém da força dialógica que este discurso tem de exprimir um acontecimento

externo que motiva movimentos internos gerados em conseqüência de algo que veio do

social.

Sobre seu abuso, ela enuncia de forma que se entendeu como que se expressasse uma

espécie de naturalização desta situação, dado o contexto em que vivia na infância. Segundo

ela, era comum estar em meio a outras crianças e adultos num contexto de uma região de

sertão, diferente ao que vive hoje na cidade. Assim, por estar vivendo no sertão, para ela era

comum estar em grupo de crianças o que propiciou que fosse vitimada nesta época por um

sobrinho de seu pai sete anos mais velho que ela. Sobre seu abuso ela enuncia através do que

se entendeu como gênero narrativo sobre quando aconteceu (“...Geralmente quando a gente
174
se via sozinho, brincando, ele... acontecia, né[sic], fazia isso comigo...”), como aconteceu

(“...ele sempre dizia, me chamava pro canto né[sic], fazia...”).

Embora P3 enuncie no sentido de que os abusos eram freqüentes e os quais ela não

podia evitar, ela enuncia não ter revelado que foi abusada sexualmente a ninguém,

materializando o discurso do segredo comum em situações de abuso sexual. Somente quando

tomou conhecimento do abuso de sua filha resolveu revelar a sua mãe. Isso porque, segundo

P3, não tinha idéia da real dimensão do que lhe sucedera, novamente reiterando o que se

analisou como certa naturalização do ocorrido. Sendo assim, o que motivou a revelar a sua

mãe que também sofrera abuso sexual intrafamiliar no passado foi a experiência de vivenciar

com sua filha uma história de abuso lhe fez reviver o sofrimento da época de sua vitimação,

associado à compreensão da dimensão do que lhe aconteceu.

Quando P4 compõe seu discurso sobre seu abuso o primeiro elemento discursivo que

se destaca é a presença do gênero narrativo, utilizado para enunciar as características do

abuso que sofreu, no qual aparecem os envolvidos (ela, o pai, o abusador – primo de seu pai)

quando ocorreu a sua vitimação (quando era criança), o local (na casa de seu pai), como

acontecia (aliciava, abusava, passava a mão, tirava a roupa dela). Neste discurso nota-se um

sujeito que não tem muito claro para si o que vem a ser abuso sexual, mas que no momento

do discurso demonstra atribuir novo sentido para o que vem a ser abuso e constata para si que

o que sofreu ela entende como de fato um abuso sexual (“...E ele não chegou a abusar de

mim, mas me aliciava, né[sic], assim... abusava sim porque ele me alisava, passava a mão,

tirava minha roupa...”). Através deste discurso entende-se que este movimento dialógico de

atribuição de sentidos serviu para P4 elaborar para si mesma e para a pesquisadora, a sua

própria vitimação através do discurso.

No discurso de P5 sobre o abuso sexual intrafamiliar que sofreu, nota-se que aparece

regulado pelo gênero descritivo, quando ela se insere e diz que sente dor[sic] ao lembrar.
175
Este discurso aparece num sentido que se entendeu como justificativo para o modo como se

sente ao lembrar das vivências com os filhos (“...Porque já aconteceu comigo também

entendeu? Assim com meu padrasto. E era o que eu mais pedia, que isso não acontecesse

com meus filhos, entendeu? E dói muito.”.) Para enunciar a sua vitimação, P5 utiliza a

palavra também o que denota sentido de repetição do abuso sexual. Através deste discurso

nota-se um sujeito que se revela através de sua experiência de abuso sexual sofrido no

passado. Alguém que conviveu com o sofrimento de sua vitimação e que, enquanto mãe,

embora não quisesse, estava ciente de que existia a possibilidade de que os filhos fossem

vitimados também por abuso sexual, já que isso é algo que se pode acontecer com crianças,

haja vista a sua experiência de vitimação do passado.

Durante o discurso em que enuncia a sua própria vitimação, P5 chora e faz silêncio.

Por este choro e silêncio, compreendeu-se que tal lembrança lhe gera uma vivência negativa

expressa em sofrimento de tal forma que enuncia dificuldade em verbalizar (“É muito difícil

sabe?...”). E chorando ela segue seu discurso no qual insere a sua mãe no sentido de

comparar as ações de sua mãe ante ao conhecimento de seu abuso sexual e a sua ação

enquanto mãe frente a revelação do abuso sexual de seus filhos (“Porque assim hoje eu vejo

que eu como mãe, hoje eu tomei uma atitude com meus filho[sic] entendeu? E na minha

época num teve essa atitude...”). Nota-se, através deste discurso um sujeito que sofre por não

ter se sentido protegido e se compreende diferente de sua mãe, enquanto alguém que tomou

providência quanto a proteção dos filhos.

Segundo o discurso de P6, sobre o abuso sexual que sofreu quando criança, na época

ela tinha entre 10 e 11 anos de idade. Na construção deste discurso nota-se a presença do

gênero narrativo indicando o contexto de como o abuso sexual que sofreu aconteceu. O

abusador, sabendo que ela estava sozinha em casa, chamou-a no portão e em seguida, a

menina tendo dito que a mãe não se encontrava lá, o abusador entrou na casa (“...Aí, ele já foi
176
logo entrando, né[sic]? Aí, tentou me agarrar, me beijar e eu corri. Aí, eu disse: ‘Saia daqui

senão eu vou gritar!’...”). Segundo essa fala entende-se que mesmo sendo criança ofereceu

resistência às investidas abusivas do abusador. No entanto, mesmo tendo pedido para ele ir

embora, este, antes de sair enunciou para ela que fizesse segredo quanto ao ocorrido. O

sentido percebido no discurso de P6 é de que o abusador utilizou-se da ameaça para inibir

qualquer outra ação da menina, por exemplo, de revelar a alguém o que havia acontecido. E

esta ameaça gerou em P6 um medo e desconfiança das pessoas, segundo o seu discurso, de

forma que se afastou dele e evitava sair sozinha, o que se entendeu que emergiu nela um

sentimento de vulnerabilidade oriundo da experiência.

E sobre o abuso sexual que sofreu, P7 constrói um discurso em que enuncia sobre

como aconteceram os abusos contra ela. Neste discurso nota-se a presença novamente de

indicio de que P7 compara a sua vitimação a de sua filha e encontra semelhanças, aspectos de

repetição do abuso entre gerações (“Aconteceu a gente até, a situação meia[sic], bem

parecida naturalmente. A gente brincando, tomando banho no rio...”). Ela enuncia que

ambas as vitimações (sua e de sua filha) tiveram características comuns, o que sugere o

sentido de que ela já havia refletido sobre as duas vitimações traçando este paralelo de

identificação. Este enunciado dela faz emergir o que na Análise do Discurso denomina-se

movência de sentidos, ou seja, quando o locutor do discurso vai atribuindo sentido ao

discurso de acordo com o contexto em que está vivenciando. No caso de P7, após a vivência

do abuso da filha, o seu abuso passou a ser compreendido no abuso da filha, pois a vitimação

da filha fez emergir o sentido de repetição do abuso sexual infantil em sua família.

...Ele[o abusador] só dizia: ‘Se você contar papai mata a gente. Papai me mata. E papai

me mata e vai pra cadeia. E você vai ter que carregar remorso na vida, o resto da vida

porque papai tá[sic] na cadeia.’...

A característica de ameaça presente no abuso sexual intrafamiliar que P7 sofreu


177
também se fez presente no abuso sexual de sua filha. E no caso das ameaças feitas pelo seu

irmão abusador, P7 enuncia que cedia com medo de que ele as concretizasse como também

pelo fato de querer poupar seus pais de uma noticia desagradável, novamente fazendo

emergir o sentido da família enquanto instituição e da relação entre eles pautada no carinho e

amor, segundo ela. Este sentido impresso no discurso de P7 sobre a sua rendição as ameaças

do abusador pode-se aludir que seja o mesmo sentido que emerge nos motivos enunciados

por sua filha para ceder as ameaças do avô abusador (“...Assim, sufoquei mais ou menos até

dos sete aos 11 anos. Que ele era bem mais velho que eu. Aí, casou, foi morar fora...”).

Nota-se através dos discursos das Participantes a ameaça e o segredo fazem parte da

experiência de vitimação delas como forma de manter em segredo os abusos sexuais que os

abusadores cometeram. Squizatto e Pereira (2004) apontam para o frequente uso da violência

psicológica por meio do abusador como meio de intimidação das vitimadas de forma que

neutralizam-nas. Essa forma de violência é entendida por Furniss (1993) e Renshaw (1984)

como ameaças, as quais são presente em todos os casos de abuso sexual intrafamiliar, dado o

contexto em que ocorre e os laços afetivos por toda a família que o caracterizam. E

geralmente as ameaças são feitas às mães, segundo Pfeifer e Salvagni (2005), Lima (2008) e

Lima e Alberto (2010), o que reforça a neutralização da criança.

Essa prática da ameaça se torna possível desde o momento da vitimação, já que os

abusos enunciados pelas Participantes se deram em contextos em que as mães delas não se

faziam presentes. Segundo Habigzang e Caminha (2004), quando sofrem abuso sexual

intrafamiliar, as crianças ou adolescentes encontram-se sem a presença da mãe, seja porque

esta está trabalhando ou deixou a filha sob os cuidados daquele que, aproveitou esta

circunstancia, e produziu-se abusador. O fato de mãe e pai (ou padrasto) possuírem possuem

horários de trabalho diferentes, propicia a situação de essa figura masculina estar sozinha

com criança ou adolescente em casa. É o momento em que o mesmo tende a buscar


178
intimidade e controle sobre a vida da criança ou do adolescente.

b) Sobre o sofrimento de terem sido abusadas sexualmente na infância.

Quando as Participantes enunciam sobre o sofrimento de terem sido abusadas

sexualmente na infância nota-se materializado o discurso de vitimadas, de sofrimento, de

desproteção, de vulnerabilidade. Há a materialidade de um discurso coletivo que fala nelas e

elas refletida no coletivo.

Após revelar que também foi abusada sexualmente, P1 enuncia sobre o sofrimento de

ter sido abusada sexualmente e não ter recebido proteção, assim como aconteceu quando a

sua filha foi abusada (“...Então assim, ela teve um tratamento e eu nunca tive... então... eu

nunca aceitei isso na minha vida, entendeu?...”). Neste discurso nota-se a vulnerabilidade de

P1 enquanto vitimada expresso através de um discurso comparativo com a situação

vivenciada pela filha. Através deste, percebe-se o sujeito sofrido e que até hoje não consegue

lidar com a falta de cuidado e proteção, deixando emergir que a vulnerabilidade de outrora

ainda permanece com ela, mesmo depois de tantos anos passados.

O sofrimento de P1 referente a suas vivências de abuso sexual é tamanho que a cada

vez que ela toma conhecimento de qualquer história de vitimação de uma criança ou

adolescente por abuso ela revive a sua própria história:

...Então assim quando eu escuto assim outras pessoas que passam por isso, eu sinto uma

dor muito grande dentro de mim. Uma angústia, porque eu me, eu me coloco no lugar

daquela pessoa. Me dá aquele desespero na hora de você querer sair e não conseguir e

ser abusada, somente, entendeu?...

Este discurso de P1 é significativo para demonstrar o quanto ainda sente-se vulnerável

ante a situações de abuso sexual. O quanto encontra-se ainda latente também as sensações

que ela experimentou naquela época, capaz de mobilizá-la. Emerge a partir do discurso um
179
sujeito que demonstra a sua consciência responsiva a cada caso de abuso que toma

conhecimento revive sua vitimação, ou seja, que dialogicamente reflete as suas próprias

vivências. Neste discurso também aparece a questão do poder que o abusador exercia sobre

ela, vitimada, ao enunciar a impossibilidade e incapacidade de se desvencilhar daquele ataque

sexual.

Diante deste discurso de P1 sobre a sua vulnerabilidade e sofrimento relativo a sua

vivência de abuso, ela constrói um discurso no qual aparece a figura de seus pais e a sua

compreensão acerca do abuso que ela sofreu e o que a filha sofreu (“...Então assim, meus

pais, não culpo eles, de jeito nenhum, mesmo porque é que é de geração pra geração...”).

Neste discurso nota-se que P1 enuncia demonstrar um certo conformismo e entendimento

quanto ao fato de características e experiências serem transmitidas entre gerações de uma

mesma família. Neste sentido, pode-se aludir que ela demonstra uma consciência responsiva

quanto à repetição do abuso sexual de crianças e adolescentes.

Embora P1 enuncie que compreende a situação ter sido transmitida entre gerações de

sua família e enunciar que não atribuiu responsabilidade das experiências a seus pais, ela

reconhece que tanto ela como mãe não percebeu que sua filha estava sofrendo abuso sexual,

seus pais também não perceberam (“...Então minha mãe, ela não tinha diálogo com os pais

dela porque era daquele povo bem atrás mesmo, era aquela coisa bem grosseira,

né[sic]?...”). Que segundo ela há uma distância, nos pais dela com ela, mas nota-se que

também há uma certa distância entre ela e sua filha, e neste caso a distância se dá em

decorrência de uma separação.

Sobre seu abuso sexual, P3 enuncia acerca do modo como se sentiu na época que foi

vitimada. Neste discurso nota-se a materialidade de um sentimento de vitimada que tinha

naquela época de querer revelar o abuso a seus pais e não conseguir ou não poder fazê-lo por

medo de não ser crida por eles (”...Sempre assi[sic]... quando isso acontecia tinha vontade de
180
contar pros meus pais, mas naquele tempo, né[sic], num ia acreditar...”). A partir deste

discurso pode-se perceber o sentido de que ela enuncia que foi abusada mais de uma vez,

revelando vivências sucessivas do sofrimento em ser abusada, a vontade de revelar a seus

pais e o medo de não ser crida por eles.

Este sofrimento vivenciado na época de seu abuso, de acordo com o discurso de P3,

constelou em sua consciência quando deparou-se com a revelação do abuso de sua filha. E é a

partir da vivência do abuso de sua filha que ela enuncia responsivamente sobre a sua

lembrança acerca de seu abuso construindo um discurso comparativo entre a situação de sua

filha e a que passou quando criança centralizando o discurso no aspecto ideológico da

virgindade em relação ao fato de ter sofrido ou não o abuso sexual. No que afirma que com a

sua filha ficou provado que “nada aconteceu” [sic], ao passo que com ela afirma somente

não ter acontecido de perder a virgindade mesmo tendo havido um contato entre genitais

(“...Que devido ao acontecido realmente ele, ele fazia sexo comigo. Só que não tirou minha

virgindade.”). O fato de que no caso de sua filha ter sido comprovado a preservação himenal

entende-se que reforça para P3 a sua dúvida quanto a existência de fato do abuso sexual de

seu ex-marido praticado contra a sua filha

E quando teve que relembrar de seu abuso, P3 decide contar a sua mãe que também

sofreu abuso sexual intrafamiliar quando era criança. Esta revelação aparece em seu discurso

como uma experiência de frustração quanto ao que ela esperava que fosse a reação de sua

mãe ao saber de sua vitimação (“Ela[a mãe de P3] num deu nem vazão, não deu nem de fazer

assim ... Eu não sei se ela não entendeu ou deu uma de desentendida. Não fez nenhum

comentário não. Também não comentei mais nada não.”) A partir deste discurso de P3 pode-

se fazer alusão sobre o relacionamento dela com a sua mãe como algo distante, já que o

sentido apreendido a partir da fala de P3 foi de que ao revelar para a sua mãe que tinha sido

vitimada pelo abuso sexual quando era criança, ela não deu atenção para o que estava
181
tomando conhecimento naquele momento, não valorizou a vivência negativa da filha. Esta

reação de sua mãe motivou P3 a não mais continuar a conversa. E este fato de P3 calar-se

acerca do assunto mediante a reação de sua mãe, revela o dialogismo partir da polifonia na

relação entre mãe e filha no que tange a reações ao tomar conhecimento.

A partir dos discursos das Participantes pode-se notar o sofrimento delas mediante

esta experiência de vitimação por abuso sexual intrafamiliar na infância e também a

dificuldade em revelar para a sua mãe o que lhe aconteceu na época. Para Furniss (1993), a

ameaça de fato se constitui um fator que paralisa a ação da vitimada de revelar à alguém o

que está acontecendo, mas também o fato de temerem não serem cridas se faz fortemente

presente. Esse medo envolve o fato de a vitimada ser criança ou adolescente, de o abusador

ser alguém da família afetiva, e de, no momento, não haver ninguém testemunhando que

endosse o que está sendo revelado. De acordo com Lima (2008) e Lima e Alberto (2010), ao

revelarem os abusos sexuais intrafamiliares sofridos as crianças tendem a não serem cridas,

dada a proximidade que o abusador tem com a família, que lhe faz gozar de confiança e

insuspeição.

c) Sobre o fato de serem abusadas e não revelarem a ninguém o que lhe acontecia.

Quando as Participantes falam sobre o fato de serem abusadas e não revelarem a

ninguém o que lhe acontecia materializa-se no discurso o sujeito fragilizado, que se sente

sozinho, que tem medo e que sofreu ameaças.

Pelo fato de não costumar conversar com sua mãe e seu pai, P1 enuncia que quando

foi abusada não revelou a ninguém o que lhe acontecia, mas que esperou em Deus, enquanto

figura divina capaz de abrandar os problemas dela, mas que, segundo ela, não foi possível

livrar-se do sofrimento:

...Então quando isso aconteceu comigo ninguém soube. Eu guardei só pra mim e Deus.
182
Então a única pessoa que eu tinha para pedir ajuda era Ele. Que fizesse com que eu

esquecesse isso. Só que a gente não esquece. Isso é uma marca que fica pro[sic] resto da

vida...

Novamente ela constrói um discurso que revela a sua fragilidade e vulnerabilidade

ante a experiência de vitimação. Segundo ela demonstra acreditar, nunca vai conseguir deixar

de sofrer, que sempre terá os registros do que lhe aconteceu, o que se pode aludir que a cada

situação de abuso que chegara seu conhecimento este sujeito vai se sentir revitimado. Diante

disso, questiona-se de que maneira esta mãe tão vulnerável poderá (ou poderia) ajudar a sua

filha ante a sua vitimação por abuso sexual? O que se confirma o quão importante é o

atendimento especializado não somente a vitimados, mas também à suas mães que são os

agentes principais de cuidado de seus filhos.

Por conta deste medo que a vivência do abuso lhe despertou aliado a ameaça do

abusador, P6 enuncia que realmente que nunca revelou a sua mãe sobre o abuso que sofreu

em sua ausência naquele dia em sua casa (“...Mas até hoje minha mãe nem sonha. Não,

nunca tive coragem de contar a minha mãe...”). Ao enuncia que sua mãe nem sonha[sic] que

ela foi abusada, o sentido compreendido neste contexto discursivo é de que sua mãe nunca

chegou a desconfiar que o seu vizinho tenha feito isso com ela e nem que ela tenha sido

abusada algum dia. E quando enuncia a palavra “coragem”[sic] para dizer que não revelou a

sua mãe, o sentido percebido é de que caso contasse a sua mãe, poderia gerar conseqüências

desagradáveis, e que também poderia correr riscos como de não ser crida ou de sofrer

punição.

Diante desta enunciação sobre seu abuso e do que sentiu naquele contexto, P6 constrói

um discurso através do qual revela-se um sujeito discursivo que construiu um saber que faz

alusão a uma experiência presente em sua história passada. Para construir este discurso ela

lança mão de outras falas que lhe marcaram historicamente (“...E agora eu tô[sic] passando
183
isso com a minha filha, né[sic]?”). Mostra-se como um sujeito que se apercebe através de um

exercício reflexivo como alguém que além de ter sido abusada sexualmente teve a filha

também vitimada. Este sujeito discursivo revela-se enquanto mãe, mulher e vitimada que

demonstra se aperceber da incidência da repetição do abuso sexual intrafamiliar em diferentes

gerações de sua família.

Sobre o abuso sexual que sofreu P7 enuncia que não revelou a ninguém o acontecido,

ou seja, segundo o seu discurso entende-se que foi durante a entrevista a primeira vez que ela

falou sobre o assunto (“...E guardei isso por toda a minha vida. Meus pais nunca

percebeu[sic]. Meus pais nunca descobriu[sic]...”). Segundo a sua fala, o motivo pelo qual

não contou nem mesmo a seus pais ela atribui a sua criação (“...A gente temo[sic] uma

criação muito amorosa e tem, graças a Deus, até hoje tenho com meus pais. Eu preferia

passar qualquer coisa mesmo, menos ver meu pai ou minha mãe passar por certos tipos de

situações...”). Através deste discurso nota-se o gênero contraditório regulando já que na

medida em que ela tinha esta relação enunciada por ela de carinho com os pais, sugere que tal

relação era de proximidade suficiente para poder revelar-lhes a sua vitimação, mesmo ela

tendo explicado que não revelou, pois preferiu poupar seus pais daquele problema.

Segundo P7, ao não contar a ninguém sobre sua vitimação ela constrói uma fala em

que materializa o sofrimento, o lugar de vitimada e o desespero: “...Então, mesmo pequena,

fui violentada e segurei o sufoco, a angústia, a dor. Quando eu tinha 12 anos tentei suicídio.

Meus pais nunca souberam o motivo por que eu não deixava escapar...”. Através desta fala

pode-se perceber o quão pesado foi para ela vivenciar esta situação de abuso sexual expresso

em sentimentos negativos fortes. Segundo seu discurso, seus pais desconhecedores da

situação, não entendiam o motivo que a levava a tentar o suicídio na idade em que estava,

contrastando com a criação envolta de carinho e atenção enunciada anteriormente por ela. E

de acordo com P7, a época da sua vitimação tinha entre sete e oito anos de idade. Sobre isso,
184
o interessante é o sentido veiculado na fala dela para exprimir a idade em que os abusos

aconteceram contra ela (“Mais ou menos a idade que aconteceu com a minha filha. De sete

pra oito anos.”). Neste sentido, entende-se que a própria participante revela em seu discurso

consciência da repetição entre gerações em sua família, no caso ela e a filha, ao fazer a

relação entre as idades de vitimação de ambas.

Nesse contexto de tensão que envolve o abuso sofrido, o medo de não ser crida ao

revelar, o medo das ameaças do abusador etc, diversas conseqüências são apontadas na vida

dessas vitimadas e que chegam a perturbar o seu desenvolvimento. As conseqüências para

crianças que são submetidas a abusos sexuais são relacionadas ao seu desenvolvimento

social, físico e psíquico. Squizatto e Pereira (2004) apontam para o desenvolvimento de

traumas não somente físicos, por conta da relação forçada, como também e principalmente

psicológicos. De acordo com os autores, é neste cenário que se inscreve a importância de uma

atenção psicossocial especializada. Isso porque, segundo Habigzang e Caminha (2004), as

crianças e os adolescentes vitimados podem desenvolver quadros de depressão, transtornos de

ansiedade, alimentares dissociativos, enurese, encoprese, hiperatividade e déficit de atenção e

transtorno do estresse pós-traumático. E para estes prejuízos, Habigzang e Koller (2006)

acrescentam alterações comportamentais, cognitivas, e emocionais, que incluem ainda a

possibilidade de tentativa de suicídio.

d) Sobre os abusadores que vitimaram as Participantes na infância.

Quando as Participantes enunciam sobre os abusadores que as vitimaram na infância

nota-se materializado em seus discursos a necessidade em dar uma identidade para o

abusador. Isso se deve, conforme entende-se a partir das falas delas, a necessidade de

elaboração da vivência negativa de abuso sexual intrafamiliar. Quando elas falam sobre os

abusadores nota-se que elas falam de um lugar de sujeitos que se sentem traídos e, portanto,
185
também vitimados, pois confiavam muitos nos abusadores e não esperavam que eles

abusassem sexualmente delas.

Seguindo o discurso de sofrimento e revitimação dela, P1 constrói um discurso que

fala sobre os abusadores enquanto pessoas de sua família, ou seja, com quem ela teve que

conviver por longo período mesmo depois de ter sido abusada. Este fator pode ter

proporcionado uma reincidência dos abusos. Sendo assim, através do enunciado feito pode-se

apreender um sentido também de agravamento ao sofrimento dela

...Então, quando você encontra a pessoa. Que é uma pessoa de família que fez também. O

outro já faleceu, não é? Mas esse ainda persiste na minha família. Assim, quando eu, eu o

vejo, eu vejo assim: É só o esposo da minha irmã e pronto, entendeu? Mais nada do que

isso...

Através deste discurso sobre o abusador percebe-se que P1 revela que sofreu abuso

sexual por parte de dois abusadores distintos, mas ambos de sua família. Que embora um

deles tenha falecido, ela ainda revive as suas vitimações através da existência e presença do

outro em sua família, mesmo tentando não pensar sobre as suas vitimações provocadas pelo

cunhado quando o encontra, por exemplo, em reuniões familiares.

Em sendo um dos abusadores de P1 o seu cunhado, ela enuncia que foi este o motivo

pelo qual resolveu não revelar os abusos que este cometia. Era uma tentativa de poupar a sua

irmã, esposa do abusador (“...Então pra ela não perceber, não saber, não sofrer então eu

tento botar uma capa em cima de mim pra que ninguém venha a perceber...”). Ao longo do

discurso de P1 notou-se que esta característica de poupar a irmã de saber dos abusos acontece

também na história da filha de P1, quando ela tenta poupar a sua irmã de que venha a ser

abusada também. Assim, P1 demonstra ser alguém que busca poupar a sua família assumindo

para si toda a carga negativa da experiência trazendo um discurso em que ela se coloca como

alguém que tenta cuidar de sua família.


186
Embora P1 se enuncie enquanto alguém que sofre por ter sido abusada e mesmo assim

tenta vivenciar este sofrimento sozinha, contraditoriamente ela compõe um discurso no qual

ela se enuncia enquanto alguém que conseguiu se recuperar da situação (“...Mas eu acho que

eu já superei bastante o que passou comigo....”). Nota-se que a contradição se faz reguladora

deste discurso também quando ela complementa o enunciado anterior enunciando o quanto

que saber da vitimação de sua filha lhe trouxe a tona o sofrimento que ela julgava estar

superado (“... Então assim quando eu soube que isso aconteceu com minha filha, eu quase

enlouqueço. Eu desmaiei, eu não consegui mais trabalhar. Porque foi uma dor...”). Nota-se

que novamente ela enuncia reviver através do abuso de sua filha as suas vitimações. Nota-se

que emerge do discurso um sujeito em conflito com seus próprios sentimentos e lembranças

negativas. Que tenta a todo custo reconstruir a sua vida, mas que a cada revelação de abuso

que toma conhecimento retrocede aos momentos que vivenciou de vitimação no passado.

Segundo P7 a pessoa que cometeu os abusos sexuais contra ela foi o seu irmão mais

velho. E sobre o abusador ela constrói o discurso através do qual apreende-se o sentido de

que o fato de o que lhe sucedeu ter sido entre irmãos ganha uma proporção de gravidade

maior que o que houve com a sua filha, ou seja, a menina foi abusada pelo avô paterno. Trata-

se de um discurso construído em cima de um sentido comparativo novamente feito por ela

entre as duas vitimações, dela e da filha (“...Então... foi meu irmão mais velho. Mais pior[sic]

ainda!..”).

No caso do abuso sexual intrafamiliar sofrido por P7, o abusador era seu irmão mais

velho. De fato alguém que atende aos atributos de um abusador intrafamiliar, alguém

próximo e com quem ela tem uma relação de confiança. Neste caso, Furniss (1993) aponta

para o cuidado que se deve ter ao se olhar este tipo de relação, uma vez que a dinâmica

existente entre os irmãos pode ser diferentemente determinada pela faixa etária e,

principalmente, pela diferença de idade entre eles. O autor diz que quando o irmão abusador é
187
significativamente mais velho do que a vítima (como no caso de P7), supõe-se que o primeiro

esteja numa posição de autoridade parental, enquanto segundo se encontra numa situação de

imaturidade e dependência.

Quando o abusador é alguém de confiança da família, portanto, da vitimada, este

ocupa um lugar de adulto responsável também pela criança ou adolescente. O fato de

ocuparem este lugar de cuidador favorece uma proteção da descoberta do abuso sexual que

estão cometendo. É através do afeto de da confiança que a criança (ou o adolescente) tem por

ele que ele tende a iniciar, sutilmente, o abuso sexual. A criança, na maioria dos casos, não

identifica imediatamente que a interação é abusiva e, por esta razão, não a revela a ninguém

(Habigzang & Caminha, 2004). Na medida em que o abuso se torna mais explícito e que a

vitimada percebe a violência, o abusador utiliza recursos, tais como barganhas e ameaças para

que a criança mantenha a situação em segredo, o qual geralmente é mantido, na maioria dos

casos, por pelo menos um ano (Furniss, 1993).

e) Sobre o modo como se sentiram após terem revelado que sofreram abuso sexual

intrafamiliar à família.

Quando as Participantes falam sobre o modo como se sentiram após terem revelado

que sofreram abuso sexual intrafamiliar à família, elas construíram um discurso através do

qual foram materializados o sofrimento e o alívio, mas também frustração ao ter que

vivenciar a descrença de sua mãe ao revelar-lhe.

Sobre o discurso de revelação dos abusos que sofreu P1 enuncia também sobre o

modo como ela se sentiu após tê-lo feito, o que enuncia que foi-lhe um alivio em revelar já

que teve que conviver com aquele sofrimento sozinha e ainda ter que deparar-se com o

abusador a cada encontro de família e não poder falar nada (“...Então assim, foi, revelei,

botei pra fora o que eu queria. É como se eu tivesse tirado um pouco aquele peso de dentro
188
de mim, entendeu...”). Este discurso de revelação para as irmãs P1 enuncia que chorou muito

naquele momento. Mas quando P1 revelou para as irmãs, ela enuncia que pediu para que a

irmã, esposa do abusador não soubesse, para que não sofresse. E novamente nota-se a

tentativa de P1 em poupar a irmã, característica que vem acompanhando o discurso de P1

desde o inicio da entrevista.

Embora P1 tenha revelado que o cunhado abusava dela sexualmente quando era

adolescentes, aos 15 anos de idade, ela enuncia que embora tenham todos os irmãos presentes

a sua revelação ficado surpresos, depois que souberam, nada mudou na vida deles. As

relações continuaram as mesmas. Que o abusador continua convivendo com todos como se

não tivesse havido a vitimação dela (“...Então hoje, assim ele, faz de conta que não, não, não

aconteceu nada. Todo mundo leva uma vida normal.”). Segundo discurso de P5 sobre a

vivência com o descrédito de sua mãe ante a revelação dos abusos sexuais intrafamiliares que

sofria, percebe-se um sujeito que sente mágoa de sua mãe e desconfiança de que ela sempre

soube o que o companheiro cometia os abusos contra ela (“...Mesmo que lá no fundo ela

sabia que eu tava falando a verdade, mas fazia de conta que não acreditava. Ou ela fechava

os olhos e pensava que eu tava mentindo mesmo. Num[sic] sei dizer...”). Este discurso

enuncia o sentido sobre a forma como P5 vivenciou a experiência de mesmo tendo contado

para a sua mãe que estava sendo abusada e a mesma decidindo por manter o seu

relacionamento com o padrasto abusador de P5. Percebe-se que P5, embora desconfiasse que

a mãe sabia, culpabilizando-a pela manutenção do abusador dentro de casa, também,

contraditoriamente, nota-se um sentido de que para ela a sua mãe poderia ter dificuldades em

acreditar que aquilo estivesse acontecendo, e que por isso, preferia não ver.

Quando as crianças e adolescentes vitimados pelo abuso sexual intrafamiliar revelam

o acontecido a sua família, elas tendem a sentirem-se culpadas pelos prejuízos que esta

revelação incide sobre sua família. Em famílias abusivas, o desequilíbrio aparece justamente
189
neste momento em que há a revelação. Esse contexto de revelação também é propicio para vir

à tona outras práticas abusivas daquela família, o que contribui para que a criança se constitua

como alguém que se sente culpado e então passa a carregar pesados fardos emocionais

familiares (Furniss, 1993).

Neste cenário familiar atravessado por uma experiência de abuso sexual entre

membros, ou seja, que o abusador é alguém da família afetiva, este exerce uma espécie de

fascinação, tanto sobre sua vitimada como sobre seus familiares, apresentando-se como uma

pessoa agradável, simpática, generosa e atenta com todos, mas muito especialmente com a

sua vitimada e seus pais, não obstante favorecem economicamente essa família (CECRIA,

1998).

f) Sobre como se sentiram ao saberem que sua filha também tinha sido vitimada

pelo abuso sexual intrafamiliar.

Quando as Participantes enunciam sobre como se sentiram ao saberem que sua filha

também tinha sido vitimada pelo abuso sexual intrafamiliar, os discursos revelaram

sofrimento expresso em dor e culpa.

O discurso de P1 sobre como se sentiu ao saber que sua filha também tinha sido

vitimada pelo abuso sexual intrafamiliar materializa vozes de vulnerabilidade e sofrimento.

Inicialmente P1 não se coloca em sua fala como mãe e mulher aparecendo na primeira pessoa

do singular apenas como alguém também vitimada:

É assim, não sei nem como dizer porque é como eu já disse anteriormente. È uma dor

muito grande que a gente sente, entendeu? É.... a gente, a gente fica descrente da vida, se

perguntando por que com minha filha? Por que isso comigo? Se já aconteceu e ta[sic]

voltando, mas pra minha filha. Ela ta passando pelo que eu já passei? Eu preferia passar

por tudo de novo, tudo de novo ou algo mais, do que elas passar... Certo?
190
Essa fala de P1 nota-se regulada pelo gênero descritivo em que através do uso de um

coletivo (“a gente”[sic]) para explicar o que sente, aparece a sua dor, a revivência do

sofrimento de vitimação através do abuso da filha, a consciência dialógica de aperceber-se do

abuso da filha enquanto repetição em sua família,e do peso que é sofrer um abuso sexual

intrafamiliar. Nota-se também materializado nesta fala as vozes ideológicas de mães que

protegem seus filhos e que se dispõem a vivenciar as dores destes para poupá-los.

Já P5 ao construir o seu discurso sobre como se sente enquanto mãe, tendo ela sido

vitimada e seus filhos também ela chora demonstrando sofrimento. Ela enuncia sobre o modo

como se sente e explica a dor que sente:

Muito mal. Assim muito mal mesmo. É uma dor que você acha que já tem passado. Que já

tem superado. E quando você olha que ta[sic] tudo acontecendo na mesma coisa ou até

mais pior[sic] do que foi com a pessoa, que aconteceu com você e você olha, puxa!...

Neste discurso, embora note-se que P5 enuncia a sua vivência negativa com a

experiência narrada e a vivência da repetição do abuso sexual com seus filhos, percebe-se

também um discurso contraditório quando ela enuncia que a dor que sentia, o que se entendeu

como relativa a sua vitimação no passado, e que tal dor que pensava ter passado volta com a

vivencia do abuso dos filhos, se contradiz ao que ela disse que é uma dor que lhe

acompanhará pro resto da vida. Segundo se pode compreender desse discurso, ela avalia de

forma comparativa a sua vitimação por abuso e a de seus filhos, valorando que o que

aconteceu com seus filhos, para ela, foi ainda pior do que lhe sucedeu quando foi abusada. A

este discurso pode-se apreender o sentido de que ela está falando sobre a questão da

conjunção carnal, que não foi consumada com ela, quando abusada, mas segundo

informações que sabe sobre o abuso dos filhos através de terceiros, a conjunção carnal se deu.

A este discurso faz-se novamente a análise ideológica de sua construção, no que se percebe a

presença das várias vozes sociais do coletivo.


191
Para falar sobre o modo como se sente enquanto mãe de menina abusada, P6 constrói

um discurso no qual revela dificuldades em falar no assunto, no qual nota-se enunciações de

sentimentos negativos (“Ah, eu me sinto tão assim... é... como é que eu posso te dizer... eu me

sinto culpada. E ao mesmo tempo sei lá me sinto deprimida. Sei não. É uma coisa muito

ruim. Inexplicável. Muito ruim mesmo...”). Nota-se que ao mesmo tempo em que ela se sente

“culpada”[sic], no sentido de alguém que de alguma forma não cuidou adequadamente da

filha a ponto de evitar a vitimação da menina, mas também se sente “deprimida”[sic], o que

lhe coloca num lugar de vitimada, configurando assim, um discurso contraditório. O sujeito

revelado através deste discurso alguém que teve uma vivência negativa da situação de

vitimação de sua filha por abuso sexual intrafamiliar, que se considera culpada pelo que

houve com a menina. Trata-se de um sujeito sofrido que sente o peso da responsabilidade

pelo abuso da filha em si e que tem dificuldades em elaborar e enunciar verbalmente o

discurso para si e para a pesquisadora.

O discurso de P7 sobre o modo como ela se sentiu ao saber que a sua filha também

tinha sido abusada revela um sujeito sofrido e que nãos e conforma com o que aconteceu. Em

sua fala ela verbaliza um o modo como ela concebe o abuso sexual de sua filha, no que

compara com a dor da morte. (“É difícil demais. É a etapa mais difícil que se possa imaginar.

Dizer assim. Um filho morreu é uma dor. Mas um filho estrupado[sic] acredito que é pior. É

a pior dor...”). Ela explica por que acha que saber que um filho que foi abusado é pior para

ela do que saber que ele morreu, no que reproduz a voz da filha enquanto era abusada pelo

avô, no sentido de que o fato de sua filha ter sido vitimada e ter que conviver com este

trama[sic] torna-se pior[sic] do que a morta, já que quando morre acaba o sofrimento do

filho e tendo sido abusado, a memória lhe traz a tona as vivencias de sofrimento (“... Você

sabe que ali como aconteceu, como ela falou pra mim: ‘Mainha[sic] eu chorava. Eu dizia

vô[sic], não faça isso. Ele tampava a minha boca. Me esperneava. Ele não desistia daquele,
192
daquilo que ele queria fazer’....”).. Outro sentido é de que já que ela sentiu o abuso de sua

filha como se tivesse sido com ela, a cada vez que a sua filha relembra ela também o faz, e

ambas sofrem novamente..

O abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil é uma forma de violência que por si só já

carrega características de repetição. Isso porque o abusador tende a reincidir na violência com

mais freqüência. À isso se deve ao fato de ele residir junto à sua vitimada, tornando-se mais

fácil o acesso a esta, ou somente porque se valida de seu papel social na vida desta criança ou

adolescente, utilizando o poder que lhe é conferido (Pfeiffer & Salvagni, 2005).

O fato é de a mãe dar-se conta de que o abuso sexual também aconteceu com a sua

filha lhes provoca vivencias subjetivas expressa em sofrimento, dor e culpa. (Lima, 2008;

Lima & Alberto, 2010) Nesse sentido, a mãe tende a sentir enorme culpa por não ter

conseguido proteger o (a) filho (a). Em outros momentos, pode desenvolver hostilidade, ou

baixa auto-estima em relação à vitimada, uma vez que a faz retomar sensações desagradáveis,

além, ainda, do sentimento de que não foi capaz de protegê-la, sendo este o papel materno

fundamental (Furniss, 1993).

g) Sobre como se sentiram ao relembrarem seu próprio abuso ao vivenciarem o

abuso de sua filha.

Quando as Participantes enunciam sobre como se sentiram ao relembrarem seu

próprio abuso ao vivenciarem o abuso de sua filha. Neste discurso notou-se a presença de

falas que revelaram que as mães tinham “esquecido” do que lhes havia acontecido. Um

esquecimento que merece aspas porque revela um sentido de não mais pensar na experiência,

numa tentativa de não mais lembrar, mas que, como se trata de uma vivência, a consciência

trata de trazer à tona sempre que se depara em seu convívio social com elementos que a

desperte, como por exemplo, o abuso de suas filhas.


193
Quando revelou para a sua mãe que também tinha sido abusada quando criança, P3

enuncia que se sentiu mal em ter que relembrar a sua vitimação e reviver os sentimentos da

época (“..Me senti muito mal.”). O discurso responsivo dela sobre como se sentiu ao

relembrar seu próprio abuso, foi revelador de um sujeito que desenvolveu sentimentos

negativos a partir da experiência e que se situa em sua fala enquanto vitimada (“Sei lá dá um,

um... vem a mente o que aconteceu e dá uma sensação de, de sei lá de tristeza, de angústia,

de talvez não ter tomado uma atitude...”). Percebe-se neste discurso que P3 lamenta-se por

não ter contado a seus pais que estava sendo abusada, o que revela um sujeito que cogita que

talvez os abusos que eram freqüentes pudessem cessar e tivesse o apoio dos seus pais para

seu sofrimento.

Sobre a sua experiência de vitimação e desse constante exercício dialógico que ela faz

em olhar a sua história de vitimação e a história que vitimou a sua filha, P7 constrói um

discurso que se entendeu ser sobre a vivência da lembrança de seu abuso através do

conhecimento do abuso de sua filha (“... Então, quando veio a tona a situação[da filha].

Quando veio a tona a situação, trouxe de volta a minha vida. Eu senti como se tivesse sido

comigo...”). Através deste discurso pode-se notar que P7 tentou esquecer-se do que lhe havia

acontecido durante todos os anos que se passaram até o dia em que teve que se deparar com a

sua própria historia mediante a vivência do abuso sexual intrafamiliar que sua filha havia

sofrido. Neste sentido, percebe-se que a característica de repetição se faz presente novamente

no próprio discurso de P7 quando ela relaciona as duas vitimações (sua e de sua filha).

Quando as mães de meninas abusadas sexualmente se deparam com a vitimação da

filha vivenciam um sofrimento subjetivo, expresso na culpa, que reacende as lembranças de

seu próprio abuso (Lima & Alberto, 2010). Essa lembrança provoca a revivência afetiva e

cognitiva de sua própria vitimação na infância fazendo com que elas tenham dificuldades em

lidar com a situação das filhas (Azevedo & Guerra, 1989; Lima, 2008). Essa dificuldade em
194
lidar emocionalmente com a situação da filha é agravada pelo fato de que na época de sua

vitimação elas não receberam apoio emocional de suas mães (Narvaz, 2005).

h) Sobre como foi importante para elas o atendimento especializado que sua filha

teve no CREAS.

Quando as Participantes falam sobre como foi importante para elas o atendimento

especializado que suas filhas tiveram no CREAS nota-se que emerge a importância de

atendimento não somente às crianças e adolescentes vitimadas pelo abuso sexual intrafamiliar

e suas famílias, mas principalmente para as mães.

Sobre os atendimentos, P2 fala da importância que foi para a sua filha e para ela o

atendimento especializado. Ela constrói um discurso sobre como ela se sente hoje tendo sua

filha em atendimento no CREAS. O que se pode notar é que o fato de a filha ter tido

atendimento ganhou um sentido para ela que não teve quando ela foi a vitimada aos cinco

anos de idade. Ela enuncia o modo como se sente (“aliviada” [sic]) o que relaciona com o

fato de o abusador estar longe de sua filha, atribuindo o sentido de que ela está protegida com

a distância dele (“Assim, às vezes me sinto mais aliviada, né[sic], porque ele ta[sic]

distante...”). A este enunciado, P2 acrescenta em seu discurso a experiência que está tendo

em ser atendida pelo CREAS:

... Aqui elas conversam. Conversaram comigo, conversaram com ela. Então já abriram

um pouco mais a mente dela. Ela já, eu já converso com ela, o que acontecer com ela, ela

me dizer. Porque já tem contexto com ela e tudo que acontecer com ela, ela contar pra

gente, né[sic]. Então já com orientação daqui, do CREAS, aí... que eu tenho mais

conversado com ela, né[sic]. Qualquer coisa que acontecer ela me dizer... entendeu?

Neste trecho, P2 atribui ao atendimento do CREAS o sentido de que foi a partir deste

acolhimento que conseguiu lidar com a situação de abuso da filha (conversaram com a filha e
195
com ela), que as orientações recebidas pelas técnicas do local influenciaram em seu

relacionamento com a sua filha (conversam mais). Nota-se a partir do discurso dela que o fato

de terem conversado com ela também foi importante tanto para ela ser ouvida como sujeito,

mulher como enquanto mãe de menina abusada. Que a partir do atendimento no CREAS

conseguiu elaborar-se enquanto mãe e compreender a necessidade de se aproximar da filha.

Além disso, ela enuncia neste discurso o sentido da importância de haver este tipo de

conversa nestes casos de abuso sexual intrafamiliar. Essa importância pode ser observada

quando nota-se que para construir seu discurso ela utiliza cinco vezes a palavra conversa, o

que a análise permite atribuir um sentido regulador desta palavra para o discurso de P2.

Quando P4 buscou atendimento para sua filha no CREAS foi quando ela conseguiu

entender o motivo de do comportamento que ela denominou revoltado de sua filha, A partir

deste discurso, entende-se que os atendimentos serviram não somente para auxiliar na

vivência de abuso da menina, mas também no efeito que esta experiência gerou que refletiu

no comportamento da mesma. Sendo assim o CREAS surge no discurso de P4 como espaço

de responsabilidade de tratamento da filha, novamente atribuindo a terceiros a

responsabilidade de atenção materna. Após procurar o CREAS, P4 enuncia que outro

procedimento adotado por ela foi denunciar o abusador. Mas para decisão de fazer esta

denúncia ela enuncia outras pessoas envolvidas que lhe auxiliaram a fazê-lo como a filha, o

seu pai, a sua mãe, o CREAS. O que se nota é que novamente P4 demonstra não ter

condições de lidar com esta situação sozinha, que para isso, precisava de outras pessoas. Este

dado faz surgir a alusão de que P4 pode ter vivenciado outra história de violência que lhe

resultou nesta falta de condição de desenvolver-se no contexto.

P4 também enuncia o quanto para ela foi importante espaço para falar de si mesma

proporcionado pela entrevista. Através deste discurso pode-se compreendê-la como um

sujeito que sente necessidade de falar de si e sobre o que lhe aconteceu (“O que eu tenho a
196
acrescentar é que é sempre muito bom quando alguém tem a oportunidade de falar. A

agressão, o que passou. Porque isso vai ajudar muito. Ajuda muito e ajudou M e me ajudou.

Só mais isso.”). O que se apreende deste discurso dela é que ela atribuiu a entrevista um valor

terapêutico e um espaço onde ela pôde elaborar as suas experiências de forma afetiva e

cognitiva. Entende-se ainda, que ela acentua através do seu discurso a importância que tem o

atendimento não somente para a criança vitimada, mas também para a sua família, em

especial a mãe.

No discurso de P6 sobre os atendimentos nota-se que ela percorreu um caminho por

outras instituições até receber atendimento aparece ainda os profissionais que lhe atenderam

nestes locais indicados: psicólogo, assistente social, médico e conselheiro tutelar. No entanto,

segundo o discurso de P6, a filha hesitou em falar sobre o seu abuso para os profissionais que

a atenderam, no que a menina revelou a sua vitimação e detalhes da vivencia somente para a

Psicóloga (“...Aí, quando foi pra psicóloga que a psicóloga começou a conversar com ela. Aí,

sei que de muito tempo ela começou a dizer...”). De acordo com o discurso de P6, entende-se

que para a filha dela era difícil falar sobre o assunto, dada a complexidade da vivência.

Diante deste discurso, pode-se compreender que o atendimento da Psicóloga configurou-se

como um espaço propício para que a menina pudesse revelar a sua vivência de abuso sexual,

já que trata-se de um profissional que tem um conjunto de técnicas e ferramentas que

possibilitam o espaço de acolhimento da demanda adequado.

Dado o abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil enquanto categoria de violência que

carrega consigo a gravidade suficiente para gerar prejuízos emocionais e comprometimento

do desenvolvimento físico e psicológico da criança, a atenção especializada se faz necessária.

Notou-se discursos que versaram sobre a importância do atendimento e o quanto que o fato

de elas, enquanto mães de vitimadas e que também foram vitimadas por abuso na infância,

necessitam deste atendimento especializado. O fato é que se à estas mães não foi
197
oportunizado enquanto crianças a elaboração da experiência, de forma a agregar novos

elementos através do profissional enquanto mediador, elas não encontram estrutura

psicológica suficiente para ajudar as suas filhas. De acordo com Squizatto e Pereira (2004) é

nos serviços sociais existentes que estas vitimadas podem encontrar meios de construir em si

estrutura necessária para lidar com essa situação de abuso. Nos discursos analisados nesta

tese, as Participantes frequentemente enunciavam que tinham dificuldade em verbalizar a

situação.

Sobre a importância do atendimento psicossocial adequado, Costa et al. (2007)

afirmam que quando as mães sabem que vão poder conversar com tais profissionais elas

tendem a sentir-se acolhidas e se permitem pedir ajuda para si e para sua família, admitindo

que estão precisando de apoio. Neste contexto, as mães pode inclusive revelar que há muito

tempo que este auxílio lhe era necessário. Segundo os discursos das Participantes pode-se

notar que esse atendimento funcionou como um instrumento mediador na relação entre elas e

suas filhas. Quando as filhas estão em atendimento elas enunciaram que ficaram mais

próximas às meninas.

i) Sobre o modo como se sentem enquanto mulheres tendo sido vitimadas e

vivenciando isso com sua filha.

Quando as Participantes falam sobre o modo como se sentem enquanto mulheres

tendo sido vitimadas e vivenciando isso com sua filha materializa o feminino vitimado e a

vulnerabilidade. Mas também emerge um sujeito marcado pela dor e sofrimento.

P5 constrói um discurso sobre o modo como se sente enquanto mulher tendo sido

vitimada e vivenciando isso com seus filhos. Para construir seu discurso ela enuncia sobre

seu corpo e a relação que ela mesma tem com este e quando ele é tocado por outra pessoa. O

que se pode compreender desse discurso é que o corpo, para ela, é um limite pessoal que
198
merece atenção e cuidado já que é através dele que ela admite sentir as sensações positivas e

negativas, dependendo da forma como for tocado.

Como mulher...Eu acho que... É como você num conhecer bem o seu corpo, né[sic]? Você

como se diz assim. Num tem prazer de tocar seu corpo. Quando outra pessoa toca assim

você, num é a mesma coisa de você: ‘Puxa! Podia ser diferente’ Se sentir com uma

sensação diferente. Porque você queira ou não, mas sempre vem aquelas, aquele

repuna[sic], aquelas coisa que já aconteceu com você.

Neste discurso, nota-se que P5 se distanciou de si mesma, de suas sensações

corporais, no sentido de não ter mais tanta familiaridade (ou intimidade) consigo mesma. Que

não consegue ter prazer nem ao tocar-se e nem com outra pessoa fazendo. Percebe a

diferença em si mesma após a vitimação, pois recorrentemente as lembranças negativas lhe

assolam a memória. Estas lembranças repletas de sentimentos negativos são enunciados por

ela como repuna[sic], através do que se apreende o sentido de repulsa, de desprezo pela

situação e sentimento.

P7 constrói um discurso em que enuncia sobre como se sente enquanto mulher neste

contexto de abuso dela e da filha (“Olha, eu sou uma mulher interiormente revoltada. É. Eu

sou uma mulher interiormente revoltada....”). O sentido apreendido desta fala resgata o

sentido veiculado no discurso sobre a sua dificuldade em lidar com o gênero masculino. A

construção discursiva deste enunciado dela revela que no momento em que ela construiu a

enunciação ela refletiu através do exercício dialógico e se percebeu asseveradamente

enquanto alguém que vivencia este sentimento de “revolta”[sic] de modo “interno”[sic], o

que se pode fazer alusão ao que ela já enunciou anteriormente sobre guardar estes

sentimentos e não deixar a sua filha perceber, exercício que vem sendo feito por ela desde

que foi abusada quando vivenciou a sua história sozinha sem revelar a seus pais.

Neste discurso sobre como se sente enquanto mulher neste contexto de abuso, P7
199
enuncia-se como alguém que não crê mais na justiça do país e que espera na justiça de Deus

uma punição para os abusadores dela e da filha (“...Eu digo: ‘ Deus, faz a tua justiça

conforme a tua vontade e teu querer. Porque na justiça dessa terra só tem um jeito. Eu só

ficava conformada, humanamente, como pessoa, como mulher se eu visse castrado...”).

Segundo este discurso de gênero ideológico, pode-se entender que para P7 não existe uma

pena que seja compatível com o sofrimento que um abusador sexual causa a sua vítima. Ou

seja, ela tenta se conformar com o que houve com ela e com a filha, mas constantemente em

seu discurso aparece que ela não esqueceu nem tampouco se conformou com a situação. E

nota-se ainda a partir do discurso que ela faz dando continuidade a sua idéia de punição ideal

aos abusadores que o fato de sua filha ter sido abusada enquanto criança e ter, assim, deixado

de ser virgem tem um peso para ela (“...Veja como é que eu mudaria a lei. Veja a minha

cabeça em termo de estrupo[sic] como é que eu penso: Ah[sic], estrupou[sic] uma virgem,

não importava a idade então você ia ser castrado, da mesma maneira...”). Novamente

percebe-se que o discurso sobre o abuso sexual praticado contra meninas é regulado pelo

gênero ideológico, no que ela reproduz as vozes coletivas acerca da virgindade feminina e a

importância social que tem.

P7 ainda acrescenta uma fala em que ela revela que uma das implicações geradas pela

vitimação em sua vida abordando, sobre o fato de ter dificuldades em relacionar-se com o

gênero masculino mesmo sendo casada (“...Quando eu me casei eu disse pra meu esposo, eu

dizia: ‘Olhe, se eu engravidar e tiver um filho homem, eu não crio. A gente se separa. Você

vai criar o filho homem sozinho.’ E ele nunca soube o motivo.”). O que se percebe através

deste discurso de P7 é que ela guarda em si um sofrimento expresso em dificuldade em lidar

com o masculino, já que não quer um filho menino, o que se entende como registros

traumáticos dirigidos ao gênero masculino. Como se, pelo fato de ter sido vitimada por um

homem e que era seu irmão, ela tivesse aversão a um filho homem, pois este estaria
200
capacitado a fazer com uma irmã (filha dela) o que o irmão dela lhe fez, abusar sexualmente.

(Eu falei várias vezes pra mim mesmo[sic]: ‘Eu nunca vou ter um filho homem pra que não

viesse acontecer, e não impediu de acontecer.’...) Através deste discurso pode-se analisar que

P7 tentou controlar ao máximo para que sua filha não viesse a sofrer o que ela tinha sofrido, o

abuso e toda a carga negativa que advém com essa experiência. O fato dessa tentativa de

controle fracassado faz com que P7 sofra ainda mais, já que sabia que isso era algo possível

de acontecer com uma menina e não conseguiu protegê-la desta experiência que para ela é

traumática.

O abuso sexual é uma forma de violência que envolve a relação de dominação e

subordinação em que o feminino está situado no lugar de dominado pelo masculino. Neste

sentido, pode-se dizer que constitui-se como uma violência de (Azambuja, 2004; Furniss,

1993; Gabel, 1991; Morgado, 1998; Narvaz & Koller, 2006; Lima & Alberto, 2010). Segundo

dados do Disque-Denúncia Nacional (CECRIA, n.d.), o abuso sexual que vitima o feminino

tem fincada as suas raízes na história da humanidade, desde as mais antigas formações

sociais.

Nesta dinâmica de vitimação do feminino pelo masculino, o medo e a vulnerabilidade

surgem expressando a sensação de suscetibilidade das mulheres diante do agressor. Não

obstante, as vitimadas tendem a referir uma resistência baseada nas vivencias de medo e

vulnerabilidade diante de outros homens (Lima & Alberto, 2010), como foi percebido na fala

de P7.

j) Sobre como tem estado a vida delas após estas experiências de abuso delas e da

filha.

Quando as Participantes falam sobre como tem estado a vida delas após estas

experiências de abuso delas e da filha, as Participantes revelam o quão próximas ficaram de


201
suas filhas após o conhecimento do abuso sexual intrafamiliar que sofreram. Revelam que

buscam ajudá-las a superar a experiência de forma a não atrapalhar a sua vida futura.

Sobre como está sua vida após estas experiências de abuso sexual intrafamiliar, P1

enuncia que busca saídas para tentar ajudar a filha da forma que ela não conseguiu ser

ajudada quando foi vitimada (“...Eu quero viver, muito, e poder ajudar minha filha a poder se

libertar do que ela hoje ta passando. Porque minha filha se fechou pra o mundo, ela se

fechou pras pessoas. Ou seja, ela se fechou pra ela...”). P1 enuncia que busca ajudar a sua

filha já que percebe nela conseqüências geradas pelo abuso que ela sofreu, as quais, segundo

discurso dela, interferem na realidade de P1 hoje.

Já P5, que teve três filhos vitimados por abuso sexual, enuncia a sua relação com sua

mãe através de um discurso que se entendeu como regulado por um gênero religioso-

ideológico. Contraditoriamente ela enuncia que embora tenha perdoado a sua mãe pelo fato

de não ter-lhe acreditado na época em que lhe revelou estar sendo abusada, fala que ainda

guarda mágoas:

Assim, agora tá[sic] melhor, né[sic]? Porque, primeiramente eu conheci a Deus, que eu

não conhecia. Já liberei o perdão pra minha mãe. Só que as vezes tem coisa dela assim

que ainda eu fico triste. Mas eu já liberei o perdão pra ela, entendeu?

Então, P5 enuncia o motivo pelo qual julga sentir-se triste mesmo tendo perdoado a

sua mãe. Neste discurso, nota-se que P5 aborda as relações familiares das quais sente falta, já

que entende-se que ela julga que não teve o pai e a mãe da forma como julga que seria

adequado e necessário para ela enquanto filha e as heranças familiares que teve para compor-

se enquanto mãe adolescente (aos 14 anos). Quando tornou-se mãe, P5 enuncia que passou

por situações difíceis, o que poderia ter sido amenizado se ela tivesse tido seus pais próximos

a ela. Ou seja, para esta experiência de maternidade precoce, ela dá o sentido de que não

estava preparada, não tinha conhecimento suficiente para atuar como mãe:
202
E também assim eu só fico triste porque eu tenho aquela coisa assim de bem maternidade,

de ter família assim bem perto. E assim eu fico pensando assim: ‘Meu Deus porque eu

num tive a minha família, meu pai, minha mãe? É tão bom você ter isso mãe, pai morando

tudo junto. Você ser criada assim.’ E infelizmente eu num fui. E fui mãe nova sem entender

de nada, né[sic]. E passei por uns bom[sic] momentos assim muito ruim com eles. E

assim, hoje ainda to[sic] passando, né[sic]? Mas a certeza hoje que eu tenho é porque eu

tenho Deus e sei que Deus pode mudar tudo isso.

O sofrimento de ter vivenciado o abuso sexual dela e de sua filha é tamanho para P6

que é ao construir um discurso sobre como tem estado a sua vida desde que vivenciou as duas

experiências de abuso (dela e da filha), enuncia que estas vivências lhe geraram implicações

emocionais e em sua saúde, no que novamente enuncia que se sente deprimida e com

dificuldades em dormir (“... É muito ruim mesmo. Não durmo de noite pensando nesse caso.

Acordo pensando nesse caso. Quando eu to[sic] dormindo aí quando de repente, assim de

madrugada, eu me levanto me lembro, aí pronto, perco meu sono...”). Revela-se um sujeito

que se sente atormentada pelas lembranças e sentimentos que as vivências do abuso sexual

dela e da filha proporcionaram. Que realmente não sabe como lidar com a situação, conforme

vem enunciando em seu discurso, já que é algo que ela não consegue nem explicar, nem falar

sobre o assunto. Nota-se com isso o tamanho do sofrimento dela sem conseguir elaborar a

situação que lhe vitimou no passado e a que vivencia com a filha junto com as suas

lembranças.

O discurso de P7 sobre como tem estado a sua vida depois da situação de abuso da

filha aparece contendo uma fala que repete o fator temporalidade usado para mencionar que

mesmo o tempo passando não conseguiram, ela e a filha, se recuperar do baque emocional

completamente:

...Dois anos passaram, mas eu tô[sic]tentando conviver com a situação difícil. Mas
203
fazendo de conta dentro de mim que ela não existe. Pra que. Eu olho assim a vida e digo:

‘Minha filha, você vai ser feliz. Você vai viver em paz.’ Eu procuro ao máximo passar pra

ela essa tranqüilidade do que eu mesma ter.

Enuncia que tenta confortar a filha, poupá-la de vivencias negativas relativas a sua

vitimação por parte do avô, mas que no fundo não consegue obter êxito, já que ela mesma

não consegue relacionar-se pacificamente com a experiência. Que busca proporcionar para a

filha certa tranquilidade visando o futuro da filha, para que ela não permita que as lembranças

negativas tenham influencia no futuro. Neste discurso nota-se a contradição quando ela

enuncia que tenta passar para a sua filha que esqueceu, mas que convive com a situação

internamente e sofre (“...Então eu procuro passar par ela que isso ela vai esquecendo, que

isso ela vai deixar pra traz. Que na vida ela vai conquistar os objetivos dela, entendeu?

Então eu penso mais nela...”). Neste discurso, P7 enuncia contraditoriamente em que ela

enuncia para a filha que a menina vai esquecer, que deve esquecer o que lhe aconteceu sendo

que a experiência dela lhe assinala que passaram-se tantos anos desde que seu irmão parou de

vitimizá-la por abuso sexual e até hoje, com 40 anos, ainda não esqueceu.

Após as experiências de abuso sexual vivenciadas pelas Participantes, tanto nas quais

ela foi abusada como as que vitimaram a filha, os sentimentos experimentados são negativos

como culpa, desconfiança, desamparo e embotamento afetivo. Além disso, ainda vivenciam a

sua própria vitimação na infância, fator agravante para as vivencias subjetivas (Lima &

Alberto, 2010).

Segundo Lima (2008) é comum as mães de meninas abusadas sexualmente em âmbito

intrafamiliar que também foram vitimadas na infância, passarem a ficar mais próximas aos

filhos, que inclui todos para além da vitimada. Que se tornam mães mais atentas e que

buscam estar presente ao máximo possível na companhia dos filhos, na tentativa de proteger-

los de qualquer situação que considere necessária.


204
4.3.3 Do sentido da repetição do abuso sexual infanto-juvenil feminino

intrafamiliar entre gerações que emergiu através dos discursos das Participantes.

Os discursos das Participantes nesta tese revelaram que a repetição do abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil entre gerações se fez presente, no momento em que elas

verbalizaram perceber esta repetição, assim como através de discursos extraverbais como

silêncios e choros.

A análise das falas de P1 permitiu perceber a presença de características de a repetição

do abuso sexual intrafamiliar que ultrapassam ao fato de tanto mãe como filha terem sido

vitimadas pelo abuso sexual intrafamiliar. Refere dizer que tais características foram

percebidas também quanto a faixa etária em que os abusos de ambas começaram, aos oito

anos de idade; que embora P1 tenha sido abusada por dois abusadores diferentes, em um

deles era um vizinho, igual ao que aconteceu com a sua filha; quanto ao comportamento de

não revelar para poupar uma irmã, no caso de P1, queria poupar a esposa de seu abusador que

estava grávida, o cunhado, e no caso da filha dela poupar a irmã que também era ameaçada

pelo abusador; quanto ao fato de P1 enquanto mãe não ter conseguido notar que a sua filha

estava sendo abusada, assim como a sua mãe na época de seu abuso também nada percebeu;

quanto a distancia entre ela e sua filha por conta da separação entre ela e o pai da filha, e

entra a mãe de P1 e ela por conta de que sua mãe, segundo ela, é alguém de “ povo bem

atrás”[sic], entendido como pessoas mais velhas com hábitos mais antigos.

Além da repetição através das semelhanças entre as histórias de abuso de mãe e filha,

algumas diferenças foram percebidas. Estas diferenças supõem uma interdição da repetição.

Quanto ao atendimento e proteção, a filha de P1 foi amparada, mas P1 não. Isso é uma

questão que inclusive P1 aborda num sentido que se entendeu de pesar por não ter recebido
205
atenção da forma que sua filha recebeu, enunciando que se tivesse recebido o atendimento e

proteção adequados poderia ter ajudado mais a sua filha e até mesmo protegido para evitar a

sua vitimação. Este aspecto levanta a discussão da importância do atendimento não somente

para as crianças e adolescentes que venham a ser vitimados por abuso sexual, mas também

para suas mães, já que estas podem carregar consigo a vivência de abuso sexual também e

pelo fato de não terem tido a oportunidade de elaborar a situação de forma adequada, vêem o

seu potencial de proteção de seus filhos comprometido ante a vulnerabilidade e sofrimento

que fazem parte de sua vida.

Neste sentido, a repetição pode ser percebida também através dos enunciados de P1

demonstrando certa consciência a respeito do aspecto entre gerações de sua família. Refere

dizer que a própria P1 enuncia perceber que o abuso se repete, e se coloca como culpada pelo

fato de algo que aconteceu com ela estar acontecendo com a sua filha também e não

conseguir protegê-la de forma a evitar a incidência

...È uma dor muito grande que a gente sente, entendeu? É.... a gente, a gente fica

descrente da vida, se perguntando por que com minha filha? Por que isso comigo? Se já

aconteceu e ta[sic] voltando, mas pra minha filha. Ela ta passando pelo que eu já passei?

Eu preferia passar por tudo de novo, tudo de novo ou algo mais, do que elas passar...

Certo?

P1 constrói a sua fala através da qual se percebe regulado pelo gênero descritivo em

que através do uso de um coletivo (“a gente”[sic]) para explicar o que sente, no que aparece

materializado dor, a revivência do sofrimento de vitimação através do abuso da filha, a

consciência dialógica de aperceber-se do abuso da filha enquanto repetição em sua família,e

do peso que é sofrer um abuso sexual intrafamiliar. Nota-se também que ela enuncia neste

discurso as vozes ideológicas de mães que protegem seus filhos e que se dispõem a vivenciar

as dores destes para poupá-los.


206
O fato de P1 não revelar os abusos que sofria está ligado ao parentesco que tinha com

o abusador (cunhado), mas principalmente à uma tentativa de poupar a sua irmã, esposa do

abusador (“...Então pra ela não perceber, não saber, não sofrer então eu tento botar uma

capa em cima de mim pra que ninguém venha a perceber...”). Assim como P1, a sua filha

quando foi abusada também tentou poupara sua irmã, já que o abusador ameaçou fazer o

mesmo com a menina caso contasse a alguém sobre o abuso: (“...Lógico que é da coisa deles

mesmo, né[sic]. Ameaçou, disse que se ela contasse qualquer coisa para alguma pessoa ele

faria pior com a irmã dela. Então essa irmã dela para ela é tudo! Ela é tudo!...”)

A partir da analise do discurso de P2 pode-se perceber a presença da repetição do

abuso sexual intrafamiliar entre gerações nas duas histórias de abuso sexual: de P2 quando

esta tinha cerca de cinco anos e de sua filha, vitimada aos 11 anos. Nota-se que além de

ambas terem sido abusadas na infância há também o fato de não se ter a informação acerca da

forma como aconteceu o abuso, que tipo de investidas sexuais o abusador provocou, se com

ou sem contato físico, por exemplo. Outra evidência de repetição que se percebe é quanto ao

modo como P2, enquanto mãe de uma menina que sofreu abuso sexual, e sua mãe (avó de sua

filha) atuaram frente ao conhecimento do abuso. Ambas se mantiveram distantes da situação,

ou seja, P2 enquanto mãe não se fez presente nem mesmo durante as tomadas de decisões, o

que foi providênciado por terceiros (cunhado que desconfiou a vitimação e irmã de P2,

esposa deste). A partir de seu discurso, pode-se observar que sua mãe nem mesmo toca no

assunto quanto mais esclarecer para ela, P2, o que lhe aconteceu, já que era tão criança, com

apenas cinco anos. Outra característica de P2 como mãe diante do abuso da filha e de sua

mãe, diante de seu abuso, que se repetiu foi de agressividade e delegação de responsabilidade

a outras pessoas da família (no caso irmãs e cunhado). Ao descrever a sua mãe e as reações

da mesma, ela o faz como agressiva também, alguém que precisa ser poupada de conhecer o

problema para que se evite tal reação, o mesmo que foi feito por seus familiares ao deixá-la
207
de fora da conversa com a irmã (esposa do abusador) em que revelaram o abuso por ela estar

agressiva, no que pediram-lhe calma.

Outrossim, algumas diferenças entre as duas vitimações (de mãe e da filha) puderam

ser percebidas através do discurso de P2. Mesmo diante do não conhecimento do que o

abusador fez para a sua vitimada em ambas as vitimações, no caso da filha elementos cruciais

como quem, quando e onde foram identificados, como se esta história da filha tivesse

recebido com estes elementos uma identidade. Já na história da mãe não se tem elementos de

identificação desta vitimação, ela não sabe quem, quando, onde e como se deu seu abuso

sexual. A única pessoa que pode lhe contar é sua mãe, mas não o faz, o que gera um

sentimento negativo de P2 percebido ao longo de seu discurso.

O fato de P2 não ter recordações de sua vitimação e nem ter estado presente no

desenvolvimento da situação de abuso da filha, provocou a análise da necessidade que ela

teve de regular seu discurso através da polifonia. Como ela não sabia informações sobre as

duas vitimações por abuso dela (por ser muito pequena na época e não se lembrar) e da filha

(já que não era tão próxima da filha e quem tinha mais tempo com a menina era a sua mãe,

avó da filha, já que estava trabalhando fora) ela necessita da ajuda de outras vozes para

produzir seu discurso, é através dessas vozes que ela consegue expressar a realidade que

deseja enunciar. Sendo assim, a confusão, contradição e dificuldade que emergem do discurso

se fazem presente ao longo de sua entrevista. Além disso, a insegurança de não saber quais

elementos utilizar para pronunciar um discurso como também a constatação de que tais

elementos não existem para ela (no caso de seu abuso), como quando ela pergunta a

pesquisadora como e o que dizer.

A repetição do abuso sexual infanto-juvenil entre gerações pode ser percebida através

da fala de P3 na medida em que tanto ela como a filha foram abusadas sexualmente por um

parente (ela por um sobrinho do pai e a filha pelo próprio pai, esposo de P3 na época), ambas
208
não contaram a ninguém assim que foram abusadas (somente quando aconteceu com a sua

filha que P3 revelou a sua mãe e a filha confirmou o que a irmã mais velha revelou), ambas

não tiveram rompimento himenal provocados pelo abuso que sofreram, em ambos os abusos,

dela e da filha, P3 decidiu esquecer que havia acontecido. A partir disso, pode-se aludir o

sentido de que para P3 o fato de não ter maculado a virgindade delas e de que não revelaram,

o discurso que se apreende é de que a família poderia não acreditar que elas haviam sido

abusadas sexualmente, como também a possibilidade de culpabilização delas enquanto

vitimadas.

Existem diferenças no modo como aconteceu ambas as histórias de abuso sexual

tratadas nesta entrevista segundo se pode apreender do discurso de P3, dentre elas estão o fato

de que P3 decidiu revelar a sua mãe já adulta que quando criança foi abusada sexualmente e a

sua filha não decidiu por si mesma, mas depois que a irmã mais velha revelou ela confirmou,

o abuso de P3 teve penetração do abusador, mas não o rompimento himenal e o da filha não

teve penetração, P3 enquanto mãe, tomou providência e mandou o esposo sair de casa assim

que soube do abuso da filha enquanto a sua mãe quando soube, embora depois de anos, não

esboçou reação alguma. Estas diferenças servem para dimensionar a repetição do abuso

sexual intrafamiliar infanto-juvenil que se incidiu sobre esta família. Para caracterizar

singularmente a experiência de mãe e de filha.

É uma mulher que compreende a sua vivência de abuso sexual dupla (dela enquanto

vitimada e da filha, enquanto mãe de menina abusada pelo pai) como algo relativo a uma

causalidade linear, da qual dificilmente a filha poderia se furtar a vivenciar (“É do tipo assim,

acho que será que isso é hereditário?! Que isso teria que acontecer com a minha família,

com minha filha também, pelo que aconteceu comigo...”). Alguém que mostra a sua

compreensão acerca dos abusos sexuais que vivenciou, seu e de sua filha, dentro do rol de

situações que ela pode entender como algo sob a ótica da naturalização através da
209
religiosidade expressa por ela anteriormente, quando se considera a questão geracional na

família enunciando ao longo do seu discurso como algo hereditário. Sob este aspecto

entende-se que para ela a compreensão das duas situações de abuso sexual vivenciadas (dela

e da filha mais nova) compõem uma espécie de legado familiar em que uma geração sofreu a

seguinte tem grandes chances de sofrer também (“...Que acontece e existe coisa que acontece

numa geração e que acontece em outra né[sic]...”).

A partir destes discursos de compreensão da repetição do abuso sexual intrafamiliar

infanto-juvenil entre gerações, pode-se perceber uma mãe que se culpa pelo que houve com a

sua filha compreendendo que se caso não tivesse sido vitimada, sua filha talvez não

vivenciasse esta violência também. Que depois da vitimação de sua filha conseguiu falar de

seu próprio abuso e então, se aproximar mais da filha vitimada: “...Pra falar a verdade, só

veio a tona na minha cabeça isso quando aconteceu com a minha filha, que eu contei pra

minha mãe. Mas nunca contei pro meu pai, né[sic]...”.

Esta fala de P3 revela que ela vivenciou de forma tão sofrida a sua experiência que

buscou guardar para si o que aconteceu. Um fato que lhe mobilizou de tal forma que

conseguiu esconder de si mesma até que se deparou com a vitimação da filha, que lhe fez

encarar a própria vitimação por abuso. E quando teve que deparar-se com esta realidade do

passado, vivenciou o sofrimento da época e então, considerando-se enfim, em condições,

revelou a sua mãe sobre seu abuso.

Através da análise do discurso de P4 pode-se perceber que a repetição geracional do

abuso sexual infanto-juvenil entre gerações se fez presente tanto no fato de ambas, mãe e

filha terem sido abusadas quando criança (mãe com sete anos e a filha desde os quatro), como

também por ambos os abusos terem sido cometidos por parentes (da mãe por um primo de

seu pai e da filha pelo genitor). Outro fator que se notou repetir em ambas as histórias de

abuso foi a forma como ambas se comportaram depois da vitimação. Sobre isso, no discurso
210
de P4 aparece que tanto a sua mãe a descreve como rebelde e ela, enquanto mãe de uma

menina vitimada, também atribuiu este comportamento na filha.

Com relação à repetição geracional captada a partir do sentido que se atribuiu ao

discurso dela, destaca-se também o fato de que em ambas as situações de abuso sexual, de

mãe e filha, ambas vitimadas não revelaram a ninguém assim que foram abusadas e nem

durante o período em que estas investidas sexuais aconteciam. Quanto à revelação, enquanto

P4 até o momento da entrevista em questão enuncia que não havia revelado a ninguém, a sua

filha contou-lhe somente quando já tinham se passado 11 anos após a primeira vitimação pelo

pai (aos 15 anos).

O motivo pelo qual ambas não terem revelado a ninguém sobre seu abuso também se

repete, já que tanto ela como a filha sentiam vergonha e no medo de não serem cridas. Sobre

isso, nota-se através do discurso de P4 que tanto ela como a filha culpabilizam as suas mães

no contexto do abuso. Enquanto P4 anuncia que sua mãe foi quem acomodou o abusador em

seu quarto para dormir na mesma cama (de casal) que ela aos sete anos de idade, sua filha a

acusa de ter enviado-a para a casa de seu pai para morar com ele, o que propiciou a vitimação

por abuso sexual. Neste contexto de culpabilização materna, em ambos os casos o discurso de

P4 revela que as mães não desconfiavam que suas filhas estavam sendo abusadas, nem a mãe

de P4, assim como P4, enquanto mãe.

O discurso de P4 permite demonstrar que ela mesma percebeu que houve repetição

geracional do abuso sexual em sua família ao enunciar que conhece o que sente alguém que

foi abusada sexualmente (“...Porque saber que a minha filha sofreu. Porque eu sei que isso é

um sofrimento, você de ser abusada, principalmente pelo pai né[sic]. Um sentimento...”). O

que se nota é que mesmo sem enunciar que ela também possui historia de abuso sexual

intrafamiliar quando criança, através deste discurso, apreende-se a sua descrição subjetiva no

sentido enunciado: “...Então quando eu soube disso da minha filha foi, pra mim foi[sic] duas
211
pancada[sic], porque aconteceu comigo e com ela..É como se tivesse acontecido comigo de

novo...” (P4)

No discurso de P5 a repetição do abuso sexual geracional se fez presente já que ela foi

abusada sexualmente de forma intrafamiliar pelo padrasto, companheiro da avó, quando tinha

nove anos de idade, e teve três de seus quatro filhos abusados também. Destes, a mais velha

(de 18 anos) foi abusada por um companheiro de sua avó (mãe de P5), mas que este abusador

não foi o mesmo de sua mãe. O filho de 16 anos foi abusado também por rapazes vizinhos

dela e a filha de 14 anos, foi abusada desde os 13 anos por um rapaz de 27 anos com quem P5

acredita que a filha tinha um relacionamento afetivo não aprovado por ela.

Nota-se que nestas incidências de abuso sexual infanto-juvenil, além de incidir na

mesma família, e isso por si só configura a repetição geracional tratada nesta tese, também

destaca-se as características de repetição quando P5 enuncia sobre a repetição do abuso

sexual que aconteceu de forma intrafamiliar, e tanto no caso do abuso que P5 sofreu como de

sua filha mais velha, o abusador era um companheiro de sua mãe (avó da menina) na época.

Além disso, em análise do discurso de P5 nota-se a presença do sentido de repetição

como quando P5 enuncia o sentido que se entendeu como de uma compreensão de que o

abuso sexual é possível de acontecer com seus filhos já que ela mesma havia vivenciado esta

situação abusiva (“...Já aconteceu comigo e era o que eu mais pedia que não acontecesse

com meus filhos...”). É como se P5, por ter a experiência de ser vitimada pelo companheiro

de sua mãe, dentro de casa, ter vivenciado as conseqüências geradas por este tipo de vivência,

ela sabendo que tais prejuízos são graves na vida de uma criança ou adolescente buscava que

não acontecesse com seus filhos.

Outra situação em que se percebe a presença do sentido da repetição é quando P5

enuncia que sua mãe não acreditava quando ela falava que tinha sido abusada. Segundo P5 a

sua mãe não admitia que o esposo pudesse ser o abusador de quem se referia P5, mas mais
212
tarde, depois de outros casos de abuso revelados a mãe de P5 que acusavam o seu

companheiro, esta percebeu que era verdade. Quando seu filho (16 anos) e sua filha (14 anos)

deram pistas através de comportamentos que ela enunciou como agressivo[sic],

diferente[sic], estranho[sic], ela não acreditou naquilo que via. E a revelação propriamente

dita dos abusos se deu a partir de terceiros, assim como a sua mãe só acreditou depois que

outras pessoas vieram revelar outros abusos por parte do companheiro dela.

O sentido da repetição é percebido presente no discurso de P5 quando ela enuncia a

partir da dor que sente em lembrar o que lhe sucedeu quando criança e vê que isso está

ocorrendo com seus filhos (“...É uma dor que você acha que já tem passado. Que já tem

superado. E quando você olha que ta[sic] tudo acontecendo na mesma coisa ou até mais

pior[sic]...”). E quando enuncia a providência de afastar a sua filha do convívio do abusador

retirando-a de casa e colocando-a num colégio interno, nota-se a repetição de um

comportamento de decisão que ela teve para si mesma quando era criança e tratou de se

afastar do seu abusador também, mas indo trabalhar, engravidando e casando.

A partir do discurso analisado de P5 sobre a sua vitimação e a de seus filhos por abuso

sexual infanto-juvenil, nota-se que algumas características relativas a estas vivências se

repetiram entre gerações. Mas o que se destaca nessa entrevista é que a partir da fala dela, a

maior herança geracional que ela teve foi o fazer materno dela refletindo a maternidade

desenvolvida por sua mãe, o que revela o discurso ideológico de mãe cuidadora e protetora

dos filhos. Que embora ela tenha mágoas de sua mãe e a culpabilize em seu discurso,

reproduziu vários de seu comportamento com seus filhos no contexto do abuso sexual.

No discurso de P6 a repetição geracional se fez presente nas duas histórias de abuso

sexual. Não somente pelo fato de terem ambas, filha e mãe, sido vitimadas, mas no que tange

a descrição do abusador, um vizinho de confiança e pai de uma coleguinha delas com quem

costumavam brincar, o fato de ambas não terem contado a sua mãe na época da vitimação, e
213
também que no momento do abuso as vitimadas estavam sozinhas com o abusador (na

ausência de suas mães).

A diferença percebida entre as duas vitimações, de mãe e filha, é que ela enquanto

mãe de uma menina abusada tomou conhecimento e buscou protegê-la e garantir seus

direitos. Procurou atendimento na rede especializada e denunciou o abusador. Isso não foi

possível na situação dela porque não revelou o abuso que sofreu a ninguém, somente

procurou se afastar do abusador sempre que possível.

É um sujeito que demonstra perceber que há uma repetição do abuso sexual

intrafamiliar entre gerações de sua família quando enuncia que assim como ela, a filha

também está “passando”[sic] por isso. Que se revela passivo, impotente, frágil e vulnerável

neste contexto de repetição de forma demonstrar não conseguir elaborar a situação

vivenciada. Assim, entende-se que ela é alguém que se assujeita na revivência da vitimação

colocando-se como um sujeito que sofre as conseqüências oriundas da experiência de

vitimação e constrói para si o sentido da repetição do abuso sexual intrafamiliar entre

gerações que vitimizou ela, sua filha e ela através de sua filha, ao enunciar que estava

“revivendo”[sic] com a filha o que outrora já tinha vivenciado.

Assim, ao relembrar a sua vitimação através do abuso sexual intrafamiliar que sua

filha sofreu, P6 arremata o sentido da revivência negativa da repetição do abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil entre gerações (“..Porque o que eu passei ela ta[sic] passando

também...”). Ao empregar em seu discurso o mesmo verbo duas vezes em tempos verbais

diferentes, apreende-s o sentido de que a experiência se repetiu diferenciando-se no tempo

cronológico, pois a experiência do abuso dela foi no passado e a da filha se faz presente. Para

confirmar a repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil entre gerações de sua

família, P6 enuncia a palavra “também”[sic] denotando a repetição.

A partir da análise do discurso de P7 nota-se que as características de repetição se


214
fazem presente na medida em que a vitimação por abuso sexual intrafamiliar aparece em

ambas as gerações, mãe e filha. O que se pode notar em ambos os casos de abuso sexual

intrafamiliar é que a repetição entre gerações se faz presente também nas características do

abuso (em ambos os casos teve presença de ameaça por parte do abusador), das vitimadas

(silêncio e tentativa de poupar outrem), a idade em que foram abusadas pela primeira vez

(ambas com sete anos), o tempo que durou o abuso (cerca de cinco anos).

Esta repetição também é enunciada por P7 em seu discurso revelando que ela

percebeu em suas reflexões que a vitimação se repetiu em sua família. Que mesmo tentando

evitá-la incidir em sua filha (não querendo filho homem para que o irmão não vitimasse a

irmã, como aconteceu com ela), não conseguiu. Sendo assim, nota-se que em seu discurso

aparece em diversos momentos a consciência que ela demonstra ter de que a repetição do

abuso sexual infantil intrafamiliar entre gerações faz parte de sua história.

Por outro lado, algumas características de diferenciação entre as duas experiências de

vitimação, dela e da filha, puderam ser percebidas através do discurso de P7, como, por

exemplo, a reação e providência materna ante a revelação do abuso da filha. De certo que P7

não revelou a sua mãe que estava sofrendo abusos sexuais de seu irmão, mas que segundo ela

enuncia buscou fazer para a sua filha o que esperaria que sua mãe tivesse feito por ela, mas

que ela acreditava que sua mãe, se soubesse, não faria. Outro fator de diferenciação é acerca

do local onde os abusos aconteciam, que os abusos que vitimizaram a filha de P7 aconteciam

na casa do abusador ou da irmã dele, o que não acontecia com P7, já que ela era vitimada

enquanto estava brincando na rua ou no lago.

Segundo a fala de P7, o fato de ter sido vitimada quando criança pelo abuso sexual

intrafamiliar lhe motivou buscar tentar evitar que a repetição se desse em sua família, ou seja,

que sua filha fosse vitimada também. Para isso ela buscou forma de se acercar de cuidados

para com a filha, mas como a sua mãe que não percebeu através dos indícios que ela estava
215
sofrendo abusos, P7, mesmo mediante os indícios da filha de que algo não estava bem com

ela, não conseguiu perceber que se tratava da repetição do abuso sexual intrafamiliar entre

gerações.

4.4 As subjetividades que emergem dos discursos das Participantes

P1 caracteriza-se como um sujeito que se constitui a partir de suas vivências e,

consequentemente, a partir do discurso. Uma mulher-mãe-vitimada pelos abusos sexuais que

sofreu quando criança (duas vezes) e o que vivenciou quando do abuso sofrido por sua filha.

Alguém que apresenta um discurso contraditório quando se refere a si mesma como mãe (diz-

se próxima de suas filhas, mas não foi a ela que a filha revelou o abuso por ela estar ocupada,

trabalhando, ou a irmã ter mais acesso a sua filha, segundo ela por esta ser psicóloga), como

vitimada (quando menciona forte para suportar [sic] e aguentar [sic] os abusos que sofreu e

que sua filha sofreu e frágil por dizer das consequências para si até hoje como quando ouve

algum caso e desaba) e como filha (quando se refere a seus pais, o que acha deles sem

conseguir defini-los num sentido de ser ou não bons pais, diante da inexistência de diálogo e

ela não pode contar-lhes que fora abusada e ainda quando se constitui mãe demonstra fazer

completamente o contrário do que eles faziam, sendo próxima, amiga, como ela diz).

Assim, é uma mulher, mãe e vitimada que teve como características de não contar a

ninguém as vitimações e que agora, diante da experiência revivida com sua filha, vê-se

contando para outros, tanto para atender as providências relativas à denúncia, como também

nesta entrevista. Teve sua história vivida de forma fragmentada em momentos distintos:

abuso sofrido aos oito anos, outros que sofreu aos 15 anos, e o de sua filha quando esta tinha

oito anos.

Um sujeito que se constitui na vulnerabilidade e sofrimento das vivências de abuso


216
sexual intrafamiliar que incidiram em sua família em diferentes gerações. Alguém que tem

latente cognitiva e afetivamente as lembranças de seu próprio abuso, as quais terminam por

regular a sua vida de forma a não conseguir verbalizar o que sente em relação a estas

experiências. Emerge a partir do discurso um sujeito que demonstra a sua consciência

responsiva a cada caso de abuso que toma conhecimento (não somente o de sua filha), através

dos quais revive sua vitimação, ou seja, que dialogicamente reflete as suas próprias vivências.

Sendo assim, a análise do discurso de P1 permite caracterizá-lo pela polifonia ao

reproduzir as diversas vozes sociais e consciências que fazem parte do discurso utilizado por

ela para construí-lo a partir das enunciações feitas pela pesquisadora. Nota-se que é um

sujeito que demonstra necessitar da estrutura de um coletivo para poder realizar as suas ações

relativas às histórias de abuso sexual que viveu, dela e da filha e também faz uso deste

coletivo para tomar providências e para seguir as orientações relativas aos procedimentos

seguintes a denúncia.

Embora P2 não tenha informações sobre quem a abusou (acha só que foi um vizinho),

quando e onde aconteceu, demonstra ao longo do discurso a forma como esta vivência lhe

mobilizou. A vivência do seu abuso sexual lhe traz sofrimento em ambos os aspectos: do

abuso em si, o fato de desconhecer a sua própria história de vitimação e a inexistência de

acolhimento, principalmente por parte de sua mãe, que inclusive é a única que sabe o que de

fato aconteceu na época, mas não lhe revela.

O fato de sua mãe saber da sua história de abuso sexual e nunca ter lhe contado, de

não tocar nesse assunto que P2 demonstra em seu discurso ser importante e necessário para

ela enquanto sujeito, mãe e mulher. Essa conduta materna que se compreende através do

discurso de P2 como de ausência quanto a sua vitimação se repete no modo como P2

enquanto mãe de menina abusada sexualmente agiu. Ela soube por terceiros (irmã e cunhado

que desconfiou), não se colocou a frente das providências subseqüentes ao conhecimento do


217
abuso da filha, pelo contrario, se ausentou de momentos importantes como a conversa com a

filha para saber o que houve, feita pela irmã, tia da filha, e a conversa com a irmã, esposa do

abusador, quando contaram a esta o que sucedera. Somente depois da intervenção

profissional especializada do CREAS que P2 conseguiu conversar com a filha sobre o que

tinha acontecido e apresentar-se para a menina enquanto mãe disposta a protegê-la.

Sendo assim, é uma mãe que sofre por ter vivenciado o abuso sexual intrafamiliar que

vitimou a sua filha, cujo abusador foi um de seus cunhados, esposo de sua irmã. Esse

parentesco entre ela, a filha e o abusador lhe pareceu muito significativo. Isso porque em

diversos momentos ela enuncia o sentido de afinidade que o abusador tem para a sua filha,

como se fosse o seu pai. Esse discurso serve para demonstrar o quanto o abuso sexual

intrafamiliar de sua filha lhe foi grave e lhe provocou sentimentos negativos.

Além disso, é uma mãe que vivenciou novamente a experiência de abuso através da

filha, já que recorda-se de sua vitimação, mesmo que com poucas informações, mas

demonstra o sentimento de alguém que teve experiência de ser abusada por alguém em quem

se confiava.

Desse modo, pode-se perceber que P2 é uma mulher, mãe e vitimada que encontra

dificuldades no trato com as experiências de abuso vivenciadas. Seu discurso não se produz

de forma pessoal e sim através da voz de outrem, como de sua mãe (quando fala de seu

abuso), de seu cunhado e de sua irmã (para referir ao abuso da filha). Isso devido a ausência

de dados aliado a condição emocional para reunir os elementos constitutivos da experiência e

converte-los em discurso verbal. Em contrapartida, não-verbalmente (através de choros

freqüentes) ela demonstra ao longo da entrevista o modo como se sente e o quão doído é para

ela vivenciar o abuso da filha, recobrar o seu e perceber-se sem condições de elaborar

nenhuma dessas vivências. Esse choro dela possibilitou construir o sentido para compreender

a fragilidade do sujeito e a imaturidade cognitiva quanto a condição de elaboração. Esse


218
choro é veiculador do sentido do abuso para esse sujeito mãe, mulher e vitimada revelado

através da materialidade discursiva que produz.

A partir do discurso de P3 pode-se perceber uma mãe, mulher e vitimada que se

constitui a partir de uma história de abuso sexual intrafamiliar entre gerações e que não

conheceu, enquanto vitimada a proteção que entende que necessitava naquele momento. Pelo

contrário, ao revelar a sua mãe quando já estava adulta que em sua infância havia sofrido

abuso sexual intrafamiliar e não havia contado a ninguém, não recebeu o apoio que esperava.

Segundo ela, a sua mãe nada disse e nenhuma reação esboçou, fato que gerou sofrimentos

nela, tornando este momento de revelação sofrível por essa indiferença de sua mãe e pelo

contexto em que se deu, enquanto vivenciava o sofrimento de saber que tinha uma filha

abusada pelo próprio pai e assim, se separando do marido abusador.

Sobre o contexto em que vivenciou o abuso da filha e as lembranças de seu próprio

abuso, P3 se constituiu sujeito em meio a um contexto de dúvida. Para ela não estava claro

que o seu ex-marido, pai de suas filhas, tinha cometido o abuso contra a mais nova. Mesmo

tendo a confirmação da filha mais velha, que presenciava as investidas sexuais do pai contra a

irmã, e da vitimada. Esta situação de dúvida lhe gerou sofrimento expresso ao longo de seu

discurso por repetidas vezes.

Sendo assim, é uma mulher que se fez em meio a duas vitimações por abuso sexual,

sua e de sua filha, e que para se defender dos sentimentos negativos que lhe assolam, busca

esquecer-se do que vivenciou. Uma mãe que embora tenha buscado proteger a filha afastando

o abusador do convívio com a mesma, se culpa pelo abuso da filha compreendendo esta

vivencia da filha como um legado familiar passado por ela para a menina.

É um sujeito que demonstra ter dificuldades de falar de seus sentimentos, de forma

que seus discursos se constituíam de contextualizações e centralização em pessoas envolvidas

nas situações enfocadas, ora sua mãe, ora o abusador. Um sujeito que buscou para a sua filha
219
a providência protetiva que não teve quando foi vitimada e que enuncia afetivamente e

negativamente esta falta dirigida a sua mãe, com quem demonstra ter uma diferença quanto

ao modo de agir diante do conhecimento do abuso sexual de uma filha. Assim, mediante a

omissão de reação de sua mãe quando soube de seu abuso, ela se percebeu como uma mãe

que tomou as providências que julga adequadas na situação de abuso de sua filha.

P4 é uma mulher que foi vitimada pelo abuso sexual inatrafamiliar praticado por um

primo de seu pai em quem a família depositava total confiança. Enuncia sua vitimação com

detalhes de quem, além de estar rememorando, revivendo a situação ao produzir seu discurso,

ainda traz consigo sentimentos negativos atrelados a vivência. Tais sentimentos são expressos

no decorrer de seu discurso acerca de sua vitimação e dos sentimentos lhe esta vivencia lhe

provocou expressos como vergonha e medo de não ser acreditada por seus pais, o que

motivou não revelar os abusos sofridos a ninguém, segundo ela, até o momento da entrevista

quando fala sobre a sua vitimação para a pesquisadora.

É mãe de uma menina que também foi vitimada pelo abuso sexual intrafamiliar

quando era criança (desde os seus quatro anos) pelo próprio pai. É uma mãe que ao saber que

sua filha tinha sido abusada reviveu afetivo e cognitivamente as lembranças de seu próprio

abuso, as quais lhe provocam dor. Isso refere dizer que mediante a vivência do abuso de sua

filha sentiu-se vitimada também ao compreender-se enganada pelo ex-marido abusador de

sua filha, já que depositava confiança nele. E em meio a este sentimento de vitimação,

contraditoriamente aparece em seu discurso o sentimento de culpa pelo que aconteceu com a

sua filha. Segundo o seu discurso, ela poderia ter protegido mais a sua filha, o que gera o

sentido de que a sua filha já estava lhe dando pistas e repetidas vezes através de seu

comportamento, lhe confirmando que estava vivenciando uma situação análoga a dela, de

abuso sexual. No entanto, pelo fato do tema do abuso intrafamiliar ser tão carregado de

sentimentos negativos, aliados as lembranças dela de sua própria vitimação, ela não
220
conseguia enxergar ou não admitia.

Sendo assim, ao mesmo tempo em que ela se culpa por encaminhar a filha para a casa

do pai, onde os abusos aconteciam, ela também se coloca no discurso como vitimada.

Alguém fragilizada não só como mãe, mas também por ter sido abusada quando criança.

Alguém que ao conviver com a sua filha sabendo que a menina tinha sido abusada também e

conhecer o modo como se processa o sentimento de quem tem uma experiência destas na

infância, lhe causou maiores sofrimentos.

Revela-se um sujeito mulher que se sentiu agredida enquanto vitimada pelo gênero

oposto, o qual também foi o que vitimou a sua filha. Que além de reviver na história da filha

o seu abuso enquanto vitimada, o revive enquanto mulher e vivencia as conseqüências destas

experiências inclusive em sua relação marital atual, com o padrasto da filha. Além disso,

enuncia sobre o sentimento de desconfiança das pessoas e de vulnerabilidade que persistem,

gerando-lhe dificuldades de relacionamento social. Neste sentido, P4 se coloca como alguém

que compreende a importância de espaços de escuta e atendimento das famílias de crianças e

adolescentes abusados sexualmente, destacando a necessidade de atenção às mães que podem

ter vivenciado esta situação em seu passado e este ser uma ação importante para o

posicionamento materno ante a proteção e tomada de decisões quanto as ações subseqüentes

a revelação do abuso da filha. A partir disso, compreendeu-se que trata-se de espaços de

elaboração de sentimentos e pensamentos que compõem este sujeito que é mãe, mulher e

vitimada também e que por isso precisa de ajuda.

O sujeito do discurso P5 é uma mulher que foi vitimada pelo abuso sexual

intrafamiliar e que a partir desta experiência vivenciou conseqüências negativas em suas

relações com a mãe, filhos, marido e consigo mesma. É uma mulher que quando criança

tentou fazer com que sua mãe acreditasse em sua revelação, mas que pelo fato de o abusador

ser um companheiro de sua mãe (seu padrasto) não foi acreditada, tendo que por si mesma
221
buscar medidas de evitar novas investidas sexuais do perpetrador. Dentre estas medidas, foi

vitimada pelo trabalho precoce, tendo que trabalhar como doméstica na casa de outras

pessoas, onde dormia, e também culminou na vivência de uma gravidez precoce (aos 14

anos), quando saiu de casa para viver com o pai do filho.

É mãe de quatro filhos, dentre os quais três foram também vitimados por abuso sexual

infanto-juvenil, sendo que a mais velha do tipo intrafamiliar e também por um companheiro

de sua mãe (avó da menina). Em todas essas experiências de abuso dos filhos, P5 enuncia que

reviveu as lembranças de seu próprio abuso e mágoas geradas. Dentre estas mágoas, a que se

destacou em seu discurso foi a mágoa de sua mãe por não tê-la protegido, por ter inserido em

sua casa um outro homem, após se separar de seu pai, de não ter acreditado nela e não ter

ficado do lado dela.

Nesse sentido, é uma mulher, mãe e vitimada que em seu discurso mostra-se carente

de proteção e vulnerável, já que diz não acreditar em ninguém mais. Mostra-se carente

quando ela enuncia que quando foi vitimada não teve a proteção que esperava e que precisava

enquanto criança vivenciando um abuso sexual intrafamiliar. E que seus pais não eram tão

próximos afetivamente dela a ponto de atualmente, depois de tornar-se adulta enunciar que

não sabe vivenciar o amor por outras pessoas e nem por si mesma. Que para isso buscou na

religião (na figura ideológica de Deus) preencher o sentimento que sente falta.

É uma mãe que sofre as conseqüências do abuso sexual dos filhos e que demonstra

saber como proceder nestes casos tomando como base a ausência de providências e

procedimentos quando ela mesma foi abusada. Que como sabe como se sente uma menina

que foi vitimada por abuso sexual infanto-juvenil, sabe que o que mais deseja esse vitimada é

proteção para que os abusos cessem. Enquanto mãe, é exatamente o que ela enuncia fazer ao

saber dos abusos dos filhos, protegê-los de novas investidas. Para isso ela conta com o espaço

do CREAS, o qual ela julga como uma oportunidade de ajudar na elaboração das
222
conseqüências geradas pela vivencia do abuso sexual.

P5 é uma mulher que percebe a repetição em sua casa, mas não considera que esta o

seja um legado que passa entre gerações. Ou seja, que já que aconteceu com ela seus filhos

estavam fadados a serem vitimados pelo abuso quando criança ou adolescente já que ela foi

vitimada quando criança. Mas entende que se aconteceu com ela, a sua experiência lhe revela

que abusos contra crianças são passiveis de acontecer. Sendo assim, para ela, o fardo da

repetição do abuso sexual não vem para os filhos e sim para ela mesma, considerando-se

novamente vitimada ante a vivência do abuso dos filhos já que tal vivência lhe proporciona

lembranças do que viveu e vivências negativas. Este fardo pessoal apreendido a partir do

discurso de P5 só demonstra o quão vulnerável e vitimado é este sujeito, o que gera a reflexão

acerca da necessidade e importância dos atendimentos e procedimentos adequados em casso

de abuso sexual infanto-juvenil que podem ajudar a futuros adultos e mães na relação com

seus filhos(as) que por ventura venham a ser vitimados.

Através do discurso de P6 pode-se compreender uma mulher de 39 anos de idade que,

por volta dos 10 ou 11 anos, foi abusada sexualmente em casa por um vizinho, amigo da

família e pai de uma colega sua. No momento do abuso encontrava-se sozinha em casa e

quando a sua mãe retornou, não contou para ela com medo de não ser crida. A vivência do

abuso sexual que sofreu lhe traz sofrimento em ambos os aspectos: do abuso em si e da

inexistência de acolhimento, principalmente por parte de sua mãe.

Sofre também como mãe que teve a sua filha abusada sexualmente. Um abuso que

aconteceu de forma parecida com o que ela sofreu, o que lhe dá motivos para rememorar e

reviver a sua própria vitimação. A filha foi vitimada quando tinha oito anos por um vizinho

da família em quem depositavam confiança, já que a filha era amiga do filho do mesmo e,

portanto, costumava freqüentar a casa dele, mesmo quando na ausência de P6, como foi o

caso de quando aconteceu o abuso. A sua filha também não revelou para ela o que tinha lhe
223
acontecido, e sim para uma coleguinha, que por sua vez revelou a sua mãe que contou a P6.

Através da vivência do abuso sexual intrafamiliar de sua filha ela reviveu afetivo e

cognitivamente o seu próprio abuso. E embora tenha tido estas duas experiências, demonstra

sentir significativa dificuldade em falar sobre o assunto, em construir um discurso verbal,

demonstrando a ausência de elaboração da sua experiência de abuso e, consequentemente, de

sua filha, o que configura como fator de sofrimento intenso.

A vivência do abuso sexual intrafamiliar que sofreu e o que vitimou a sua filha lhe

compuseram um sujeito vulnerável e que tem dificuldades em acreditar nas pessoas. Alguém

que sofre ante ao sentimento de culpa que lhe assola pelo fato de não ter protegido a sua filha

de forma a evitar que a mesma fosse vitimada, e a depressão que lhe fragiliza enquanto

vitimada das situações. Assim, se constitui um sujeito que não enxerga em si capacidade para

superar as vitimações experienciadas e que, portanto, demonstra não ter expectativas de um

futuro próspero.

Neste sentido, notou-se que nas construções discursivas de P6 ela demonstra

necessitar da polifonia para contar a historia que ela vivenciou. E nas vezes em que se coloca

enquanto narradora, ela constrói um discurso como se estivesse de fora. Este movimento

discursivo pode ser percebido quando ela aborda em seus enunciados as providências

tomadas por ela enquanto mãe da menina abusada ao passo que quando recria os diálogos

coloca-se no lugar das vozes envolvidas, ora da filha, ora do abusador etc.

P7 é uma mulher-mãe-vitimada pelo abuso sexual cometido por seu irmão mais velho

quando tinha aproximadamente sete anos de idade. Este abuso sexual intrafamiliar lhe gerou

vivências negativas que até hoje, com 40 anos, segundo se pode perceber através de seu

discurso, ainda lhe fazem sofrer. Na época de sua vitimação, ela não revelou a ninguém de

sua família, cedendo as ameaças que o abusador lhe fazia enunciando para ela que, caso o pai

deles soubesse que estava acontecendo o abuso, ele mataria o abusador (seu irmão), o que
224
culminaria na prisão do pai dela e constante sofrimento e remorso de P7 para o resto da vida.

Por conta disso, P7 enuncia que amargou por quatro anos a sua vitimação por parte do irmão

sem revelar a ninguém, até que o irmão abusador mudou-se de sua casa, ao casar-se.

Há dois anos, tomou conhecimento através do Conselho Tutelar que recebeu uma

denuncia anônima do Serviço do Disque-Denuncia Nacional, que sua filha tinha sido abusada

sexualmente pelo avô paterno, com quem a menina convivia cotidianamente enquanto a mãe

trabalhava. Segundo ela, ao saber do abuso da filha, imediatamente relembrou de sua

vitimação, fato que lhe ocasionou mais sofrimento ainda. Enuncia que sua filha lhe enunciou

que o avô ameaçava a ela e a sua avó, que é uma senhora doente, caso a menina contasse o

que estava acontecendo. Que a filha para proteger a avó, permanecia em silêncio. Por este

motivo, os abusos perduraram dos sete aos 13 anos de idade da menina.

É um sujeito que demonstra priorizar em seu discurso o modo como tomou

conhecimento do abuso da filha. A partir da analise do discurso de P7, ela parece ser alguém

que precisa se colocar no lugar de alguém que não sabia que sua filha estava sendo abusada

sexualmente pelo avô paterno e que, portanto, também se sentiu vitimada ao ser surpreendida

pela comunicação do Conselho Tutelar sobre a vitimação da filha. Neste contexto, ao saber

que o abusador era o avô paterno, alguém acima de qualquer suspeita, com quem se

relacionava segundo ela, bem, se sentiu surpresa e traída, portanto, vitimada mais uma vez.

Diante disso, o sujeito P7 que emerge deste discurso sobre as experiências de abuso

sexual que lhe vitimaram e vitimaram a sua filha, é alguém que revive através do abuso da

filha o sofrimento de seu passado de vitimada. Alguém que tentou durante a sua vida proteger

a sua filha de forma a evitar que a menina fosse um dia vitimada, mas que não conseguiu e

convive com este sentimento negativo. No entanto, ao saber da vitimação da filha tratou de

reagir da forma que achava ser o ideal de proteção da menina. Buscou afastá-la do convívio

com o abusador, mas não se sentiu satisfeita. Segundo ela, o ideal era que o avô da filha e
225
abusador pagasse pelo seu crime, mas não somente sendo preso, mas sim, segundo ela, sendo

castrado, o que se entendeu como uma forma que ela entende que ele sofreria como as suas

vitimadas.

Trata-se de um sujeito que não consegue lidar com os sentimentos gerados pelas

vivencias de abuso sexual intrafamiliar e que projeta em sua vida diversas dificuldades como

lidar com homens, com afeto e com casamento. Este trauma ela tenta repassar a sua filha na

tentativa de que a menina se proteja de outras formas de violência. Para P7 o masculino se

constituiu como abusivo e violento e o afeto como algo que não precisa ser valorizado pois

pode fazer com que a pessoa seja vitimada.

226
CAPÍTULO 5

A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR INFANTO-JUVENIL

FEMININO ENTRE GERAÇÕES DISCUTIDA À LUZ DA TEORIA

“...Será que isso é hereditário? Que isso teria


que acontecer com a minha família, com
minha filha também, pelo que aconteceu
comigo. Meu Deus por que tinha que
acontecer com a minha filha o que aconteceu
comigo, né[sic]...” (P3).

A análise dos discursos das Participantes permitiu perceber que a forma como elas

constroem seus discursos está relacionada com a maneira com a qual elas se constituíram

enquanto sujeitos em meio à objetividade da situação de abuso sexual infanto-juvenil

intrafamiliar feminino. Neste sentido, os temas analisados nos resultados considerados

emergentes do discurso revelam a materialidade discursiva, que por sua vez revela as vozes

coletivas que atravessam o discurso, e referem à experiência que cada Participante teve em

sua vida ao relacionar-se com o coletivo. Assim, através da Teoria Histórico-Cultural

postulada por Vygostky (1991) pode-se entender que este processo está afeito aos processos

superiores de origem socioculturais, pois vê-se refletido no sujeito a materialização da

consciência. Para o autor somente materializando essa consciência que se pode compreender

o comportamento humano.

Em cada discurso pode-se perceber a influência dos aspectos sociais e históricos com

os quais as Participantes tiveram contato fazendo-se presentes nos enunciados

constantemente. Ou seja, os discursos refletem o sujeito em suas interações sociais e assim,


227
aparecem atravessado por vozes coletivas que representam esta história (Bakhtin, 1981). Esse

atravessamento de vozes no discurso é que caracteriza o sujeito como social, e acontecem de

forma constante na relação com o sujeito social ora legitimando esse discurso ora

contradizendo-o.

A contradição se fez presente ao longo dos discursos das Participantes, como por

exemplo, no discurso de P1 que materializa a necessidade e vontade de recuperar-se da

vivencia negativa, mas que ao mesmo tempo, quando se depara com uma experiência que

recobra a realidade experienciada, a vivência subjetiva de dor e sofrimento recai sobre ela:

“...Mas eu acho que eu já superei bastante o que passou comigo(...) Então assim quando

eu soube que isso aconteceu com minha filha, eu quase enlouqueço. Eu desmaiei, eu não

consegui mais trabalhar. Porque foi uma dor...”

Estas várias vozes orientadoras do discurso refletem como uma identificação social

que é transformada intrapsicologicamente e que se faz presente ao longo da história de cada

sujeito, que de forma dialética se relaciona com as experiências sociais que este teve e

culminam por compor a sua subjetividade (Vygotsky, 2009). Assim, através dos discursos das

Participantes pode-se acessar suas realidades, as quais foram expressas a partir das

experiências que estas tiveram ao longo de suas vidas. Embora esta tese enfoque a

experiência de repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino entre

gerações de uma mesma família, outras experiências sociais que constituíram-nas enquanto

sujeito ao longo de sua vida também se fizeram presentes, e, portanto, acessíveis. De fato que

serviram para que fosse possível uma maior aproximação da realidade pesquisada,

contextualizando as Participantes enquanto sujeitos dos seus discursos.

Os discursos das Participantes analisados foram construídos dialogicamente. Esse

dialogismo é expresso de forma interativa revelando a constituição de cada uma delas a partir

do outro com quem interagem ao longo da vida (Bakhtin, 1981). No discurso das
228
Participantes a presença do dialogismo foi notada na interação com a pesquisadora, consigo

mesmas (interno), através da história de outros (vozes coletivas que o autor denomina

polifonia), na interação com as filhas, e também na interação com alguém envolvido na

história que estavam contando. Todos estes elementos dialógicos no discurso das

Participantes representam os atravessamentos coletivos com os quais dialoga.

Quando as Participantes constroem discursos sobre a vitimação de suas filhas e

deixam revelar pistas sobre a sua vitimação por abuso sexual na infância, demonstra o quanto

o dialogismo está presente. Pois mesmo sem enfocar nessa experiência, o discurso é

atravessado por esse diálogo com o passado que se faz presente já que constitui estas

Participantes como sujeito. Segundo Gregolin (2010), os discursos podem ter sua gênese num

passado remoto, permanecendo dispersos pelo tempo e pelo espaço, até que em um dado

momento acontecem convocados por um tema, conceito etc que seja comum à ele com o qual

o sujeito interagiu. Esse discurso que resgata o passado esteve presente nas falas das

Participantes, por exemplo, quando elas enunciaram sobre os abusos sexuais intrafamiliares

que elas sofreram na infância, assim que se depararam com o conhecimento do abuso sexual

sofrido por suas filhas. Ou seja, pode-se dizer que a repetição do abuso sexual intrafamiliar

feminino entre gerações se faz presente a partir deste processo.

Neste sentido, é através desta materialidade que se torna possível aproximar do sujeito

do discurso e acessar a realidade de onde ela fala, assim como os aspectos individuais que a

compõem oriundos da interação que ela teve com o social em meio às experiências de vida,

como no caso desta tese, o abuso sexual intrafamiliar de sua filha. É nesse contexto de

conhecimento da experiência das Participantes que se acessa a consciência, isso porque,

segundo a teoria de Vygotsky (2004) não existe consciência sem uma experiência porque é a

experiência quem determina a consciência.

A consciência que a experiência do abuso das filhas dá às Participantes é expressa de


229
forma reflexa, quando elas passam a se verem refletidas através de suas próprias histórias de

abuso a partir da vivência da história de vitimação de suas filhas, vindo à tona mães,

mulheres e vitimadas. Nesse processo, a experiência de abuso das filhas serve como excitante

da consciência que vem do ambiente, mas que se relaciona com aspectos individuais relativos

à experiência individual de cada uma das Participantes. Essa experiência reflexa é percebida

através dos discursos das Participantes, como, por exemplo, na fala de P1 sobre a sua dor em

saber que a sua filha também foi vitimada: “...Ela tá[sic] passando pelo que eu já passei? Eu

preferia passar por tudo de novo, tudo de novo ou algo mais, do que elas passar... Certo?”.

Assim como é visto na fala de P3: “Sei lá dá um, um... vem à mente o que aconteceu e dá

uma sensação de, de sei lá de tristeza, de angústia, de talvez não ter tomado uma atitude...”,

por exemplo na fala de P4: “...Então quando eu soube disso da minha filha foi, pra mim

foi[sic] duas pancada[sic], porque aconteceu comigo e com ela...” ou ainda na fala de P7:

“... Então, quando veio a tona a situação[da filha]. Quando veio a tona a situação, trouxe de

volta a minha vida.”.

Esse processo em que as mães lembram de seus abusos a partir do abuso das filhas é a

autoconsciência ou autoconhecimento, postulado pela Teoria Histórico-Cultural. É neste

processo de conhecimento de si mesmo, que as Participantes podem acessar conteúdos de

vivências que não mais tinham contato. É o despertar de uma vivência passada que ao

retornar obriga a tomada de consciência (Vygotsky, 2009), como foi o que aconteceu com o

abuso sexual que elas sofreram. É o colocar-se no lugar do outro e se ver na situação,

processo em que as Participantes entram em contato consigo através da introspecção. O

acesso à esses conteúdos internos que compõem a autoconsciência das Participantes foi

exercido pelo próprio abuso sexual que suas filhas sofreram. A partir deles veio à tona o

conteúdo de suas vivências de vitimação por abuso. Esses conteúdos também foram

acessados através da entrevista realizada que as fez recuperar essa experiência através das
230
vivências subjetivas.

Através destas experiências reveladas no discurso das Participantes nota-se o que

Vygostky (2004) tratou como experiência histórica, social e duplicada. Vê-se a experiência

histórica no modo como as Participantes agem diante do abuso sexual intrafamiliar sofrido

por suas filhas em que elas repetem padrões de comportamentos que suas mães tiveram ao

lidar com o seu abuso como, por exemplo, visto numa fala de P3(“Talvez eu tenha tomado

essa atitude por causa disso também. Porque veio na minha mente que se comigo aconteceu

e eu não, ficou tipo um impune, né[sic], eu queria que isso não tivesse acontecido com a

minha filha, entendeu...”), ou em P4 quando ela enuncia: (“....Do jeito que minha mãe criou

a gente eu criei eles”). Assim como a experiência histórica também é percebida através da

fala das Participantes quando elas, baseando em seu passado, numa vivência com a sua mãe,

enunciam que não vão repetir o que as mães fizeram, já que não aprovam, como por exemplo,

visto em P5 que compara as ações de sua mãe ante ao conhecimento de seu abuso sexual e a

sua ação enquanto mãe frente a revelação do abuso sexual de seus filhos (“Porque assim hoje

eu vejo que eu como mãe, hoje eu tomei uma atitude com meus filho[sic] entendeu? E na

minha época num teve essa atitude...”).Sendo assim, pode-se entender que essa experiência

histórica deixa para as Participantes uma espécie de herança proveniente de gerações

anteriores de sua família no que tange a uma experiência vivida que lhes gerou um

aprendizado, que por motivos socioculturais faz parte da constituição subjetiva e da

consciência.

Ressalta-se que nas falas das Participantes onde se entende revelar a experiência

histórica, há um discurso sobre a maternidade. Trata-se de um discurso que revela o fazer

materno ideológico em que a mãe é aquela que protege, que cuida e educa seus filhos. À mãe,

dentro da configuração familiar, segundo Bruschini (1993) na dimensão da divisão de papéis

entre membros da família, cabe a responsabilidade junto aos filhos de transmissão de valores,
231
hábitos, nesse ambiente de socialização que é a família. A mulher precocemente já é educada

para se casar e para encontrara na vida doméstica e familiar o seu espaço.

A experiência social por sua vez, segundo Vygotsky (2004) ao referir uma experiência

a partir da experiência do outro termina caminhando junto com a social, elas não se

dissociam. Neste sentido, o discurso das Participantes em que retratam a experiência histórica

delas, também revelou a presença da experiência social, como, por exemplo, quando elas

afirmam que os outros casos que elas conhecem sobre abuso sexual de crianças, fora o das

filhas, são aqueles que elas assistiram através de televisão. Todas as Participantes enunciaram

casos veiculados através de televisão como discurso responsivo neste caso.

E a experiência duplicada entendida por Vygotsky (2004) como aquela que envolve

um planejamento que se dá a nível interno caracterizado pela presença do pensamento antes

da ação, o que permite desenvolver formas de adaptação ativa. Essa experiência duplicada se

baseia nas experiências histórica e social. Ao analisar-se o discurso das Participantes notou

que a experiência duplicada apareceu frequentemente, já que para compor os discursos elas

precisaram pensar, tentar elaborar as falas assim como o que lhes passou, o abuso sexual

delas e das filhas. Ou seja, tanto pode-se caracterizar como experiência duplicada a

experiência de elaborar para si mesmas o abuso sexual e o discurso sobre, como também o

fato de elaborarem no momento da entrevista e para a entrevista. Essa experiência duplicada

baseada na social e na histórica se faz vidente também quando as Participantes falam sobre as

expectativas de futuro mediante ao esquecimento ou superação que dizem ter alcançado, mas

que os discursos revelam que essas falas são atravessadas pelo discurso de lembrança e

sofrimento. Ou seja, é uma forma que elas encontram de elaborar os sentimentos, memórias,

emoções, sensações e pensamentos de forma a continuarem suas vidas, ou seja, tentando

adaptar-se, como por exemplo, na fala de P1: “...Eu quero viver, muito, e poder ajudar minha

filha a poder se libertar do que ela hoje ta passando.”, na fala de P2: “...Então hoje eu venho
232
aqui mais pra tratar isso nela, pra ela... ser mais... assim, saber mais se defender mais um

pouco, né[sic].”, ou também na fala de P7:

...Eu contei pra ela[filha vitimada] assim, eu disse: ‘Eu passei pelo que você passou. Só

não com esse tipo de gente. Se hoje eu ego minha cabeça pra lutar pela vida, pelos meus

objetivos alcançados, você também pode fazer o mesmo. Vai estudar. Levanta a sua

cabeça. Vai construir a sua vida. Casamento você deixe pra daqui há uns 20 anos. Se você

quiser casar, pensar em casamento. Seu objetivo na vida seja estudar e construir a sua

vida.’...”

O modo como as Participantes agem ou pensam diante das experiências de vivência

do abuso sexual sofrido por suas filhas, a vivência de vitimação por abuso sexual quando

crianças assim como a experiência provocada pela entrevista sobre essas vivências é

explicado pela subjetividade. Ou seja, cada experiência dessas que elas tiveram (seja

histórica, social ou duplicada) constituíram-nas enquanto sujeitos e portanto fazem parte de

sua subjetividade.

Ao ser colocada no lugar privado, que lhe recai a tarefa de transmitir valores e a

história familiar em si, a mãe se ocupa de repassar para seus descendentes aquilo que lhe foi

transmitido por outras gerações antecedentes. Nesta dinâmica, entende-se que esta mãe passa

a refletir os elementos do passado de outras gerações em sua constituição, que por sua vez,

em relação com as novas gerações descendentes dela, também recebe elementos de

constituição de si, e assim reflete em seus filhos o acumulado de experiências que teve,

servindo para estes novos membros da cadeia de transmissão como parâmetro social.

Outra forma para acessar as vivências das Participantes, segundo Vygotsky (2004,

2009) é através da fala interior ou silenciosa. No caso dos discursos das Participantes desta

tese, este conteúdo é traduzido pelos silêncios ou choros que elas manifestaram no momento

da entrevista, consideradas neste contexto como reações secundárias. Trata-se de uma forma
233
como a consciência interna, e inacessível, pois não pode ser observada, emerge a partir de um

estimulante, gerando nas Participantes uma experiência duplicada em que proporciona para

elas a experiência de ter um contato social com elas mesmas. Estes estimulantes são

entendidos no contexto desta tese a partir das entrevistas como a vivência do abuso sexual

intrafamiliar da filha, a relação dialética com a pesquisadora no momento da entrevista, a

relação dialética com o próprio contexto de entrevista que lhe excita reflexão e fala. Essa fala

interior, ou silenciosa expressa em choros e silêncios pode ser percebida através de falas

como o de P1 que faz um silêncio de 11 segundos e chora, demonstrando o quão difícil era

para ela relembrar da situação em que foi vitimada por abuso sexual intrafamiliar (“...Então...

Isso é uma coisa que, que mesmo que eu não sabia que tinha acontecido com minha filha, o

tal da violência do abuso sexual, que foi uma coisa que [Chora] eu já passei por isso...”),

como também na fala de P5 que chora ao enunciar sobre as conseqüências que até hoje tem

por conta do abuso sexual intrafamiliar que sofreu quando criança (“...Porque eu sei a marca

que fica dentro da gente. É uma coisa que a gente quer esquecer, quer apagar, mas quando

lembra ainda dói.”), e ainda através da fala de P7 que enuncia chorando sobre a dificuldade

que tem de conhecer os detalhes da vitimação de sua filha (“...É verdade que até hoje eu

nunca suportei ouvir a conversa toda. Nunca, nunca, nunca...”).

A estes choros e silêncios atribui-se o sentido da subjetividade emergindo através do

discurso expressa em vivências de dor e sofrimento mediante a situação de vitimação por

abuso, seja das próprias Participantes, seja de suas filhas. Neste sentido, o sujeito que emerge

deste choro e silencio nas falas de P1, P5 e P7 demonstradas, é um sujeito em que sua fala se

vê materializada a experiência de quem também foi vitimada por abuso e que por reviver essa

vitimação através do discurso e através da vivência do abuso de sua filha, portanto um sujeito

que se constituiu através da dor e sofrimento.

As emoções que emergiram através dos discursos das Participantes extrapolam os


234
choros e silêncios, segundo se concebe a partir da Teoria Histórico-Cultural, que as vê como

comportamentos emocionais que são apreendidos através dos tempos, entre gerações, de

forma hereditária. Esse comportamento emocional pode ser percebido quando as mães

repetem comportamentos emocionais de suas mães, como também quando as filhas das

Participantes que também repetem como, por exemplo, no caso de P1 que tentou poupar a sua

irmã de saber que o marido era abusador dela, e sua filha que quis poupar a irmã, outra filha

de P1, de sofrer abusos também do abusador. Para proteger as irmãs mães e filha se

submeteram aos abusos sexuais intrafamiliares em meio ao sofrimento que vivenciavam.

Outro caso foi em P4 que tanto ela como a filha demoraram anos para revelar que estavam

sofrendo abuso sexual, e neste caso ambas vivenciaram o segredo danoso, que gera

sofrimento. Já em P7 a fala dela revela que ela queria poupar toda a sua família de saber que

o seu irmão mais velho tinha abusado dela: “.A gente temo[sic] uma criação muito amorosa e

tem, graças a Deus, até hoje tenho com meus pais. Eu preferia passar qualquer coisa mesmo,

menos ver meu pai ou minha mãe passar por certos tipos de situações...” Nos casos

demonstrados, as Participantes revelam que já se encontram munidas de experiência para agir

de forma diferente, revelando aí mudança a partir da experiência social afeita ao

comportamento emocional.

Em sendo as emoções relacionadas com as vivências e com a consciência do sujeito,

nota-se que as experiências de abuso sexual intrafamiliar vivenciadas durante a vida das

Participantes constituíram sentido para elas, e foram associadas a tomada de consciência

nestas situações, o que gerou a forma como as emoções foram experimentadas.

Esta herança familiar registrada como comportamento emocional, naquelas

experiências histórica, social e duplicada, é regulada pela consciência, conforme já

mencionado. Isso porque em sendo consciência é a “vivência das vivências” (Vygotsky, 2004,

p.71) ela se torna a reguladora dos comportamentos. E segundo o autor, os sujeitos podem
235
vivenciar diferentes níveis de consciência, a depender da experiência, do comportamento

emocional e da subjetividade. Isso quer dizer que as Participantes, durante as experiências de

vitimação por abuso sexual vivenciadas (delas e das filhas) puderam experimentar diferentes

níveis de consciência, os quais analisa-se: na época em que foram vitimadas por abuso sexual

intrafamiliar, quando tomaram conhecimento do abuso das filhas, e quando estavam

elaborando seus discursos durante a entrevista. Significa dizer que não foram várias

consciências, mas sim momentos distintos de compreensão da realidade associado à vivência

subjetiva que ganharam diferente sentido, revelando o novo nível de consciência acerca da

experiência de abuso sexual intrafamiliar. Isso porque foram dois abusos vivenciados, da

Participante e de sua filha (salvo P5 que teve seus três filhos vitimados; P1 que foi vitimada

por dois abusadores distintos em épocas diferentes de sua vida) o que demarca em sua vida

dois momentos distintos de tomada de consciência.

Essas experiências de abuso sexual em que tanto mãe como filha foram vitimadas por

si só já refere ao que se denominou nesta tese como a repetição do abuso sexual intrafamiliar

infanto-juvenil entre gerações. E analisando esta repetição à luz da Psicologia Histórico-

Cultural, pode-se notar que além de ambas terem vivenciado a vitimação por abuso sexual

intrafamiliar, mães e filhas foram abusadas na infância,

A repetição também se fez perceber ao longo dos discursos para além das lembrança

que as Participantes tiveram do próprio abuso a partir da vivência do abuso de sua filha.

Notou-se que em suas falas houve discursos que revelaram pistas que remetiram à repetição

do abuso enfocada nesta tese, como através da fala de P7: “...De imediato eu falei que ela não

faria com um médico, com um homem. Porque ela não ia conseguir mesmo...” Ao apoiar a

recusa da filha em fazer exame com o medico, ela constrói um discurso que se materializa a

experiência de alguém que sabe que uma conseqüência possível para uma mulher que sofreu

abuso provocado por um homem é não conseguir relacionar-se naturalmente com o


236
masculino.

Essa fala de P7 representa também as falas das outras Participantes atravessadas pelo

discurso de vitimação do feminino. Essas vozes coletivas aparecem quando elas enunciam

que depois da vitimação delas e de suas filhas não conseguiram mais se relacionar

normalmente com seus cônjuges e com outros homens de seu entorno social, como por

exemplo, em P4 que diz: “... Que eu vivo uma vida bem, assim com o meu marido. Mas, eu

passei uns dias quando a gente tinha relação, eu na hora, eu me reprimia assim um

pouquinho, porque na hora eu pensava nela[filha vitimada]....”

Essa dificuldade em relacionar-se com o feminino pode ser considerada uma das

conseqüências desta vivência de vitimação. No decorrer do discurso de P7 encontra-se falas

que revelam a materialidade da resistência à possibilidade de ter um filho homem, dada o

grau de repulsa que ela passou a ter do masculino:

Eu falei várias vezes pra mim mesmo[sic]: ‘Eu nunca vou ter um filho homem pra que não

viesse acontecer, e não impediu de acontecer.’....Quando eu me casei eu disse pra meu

esposo, eu dizia: ‘Olhe, se eu engravidar e tiver um filho homem, eu não crio. A gente se

separa. Você vai criar o filho homem sozinho.’..

Entende-se esta fala dela não somente como uma aversão ao masculino, mas a uma

possível repetição de sua vida, já que ela foi vitimada pelo irmão mais velho quando criança.

Como se ela presumisse que caso tivesse um filho este estaria capacitado a fazer com uma

irmã (filha dela) o que o irmão dela lhe fez, abusar sexualmente.

De fato essas vozes coletivas que fazem ressoar a história do feminino dominado pelo

masculino se fazem presente ao longo do discurso das Participantes, inclusive através de

gênero discursivo ideológico que condiciona o feminino à virgindade. Os discursos das

Participantes que enunciaram a virgindade aparecem como crucial mesmo diante de uma

situação de abuso sexual como aparece na fala de P3: “...Que devido ao acontecido realmente
237
ele, ele fazia sexo comigo. Só que não tirou minha virgindade.” Ou ainda que a virgindade é

uma condição de pureza e inocência afeita a meninas como no discurso de P4: “...Porque a

minha filha perdeu a inocência dela...”

Essa necessidade de preservação da virgindade faz parte da história social do

feminino. Os discursos sobre a virgindade e a importância que ela tem para as Participantes e

para as suas filhas vitimadas se repetiu entre elas. Segundo Saffioti (2001a, 2001b, 2004),

desde a história a pureza feminina tratada como virgindade é divulgada. Em situações de

abuso sexual intrafamiliar esta questão se torna mais grave, já que se trata de uma relação

entre pessoas de um grau próximo de parentesco ou por afinidade (Forward & Buck, 1989).

Neste sentido, a questão da perda da virgindade tem sido apontada como um dos principais

agravantes segundo o discurso de mães que tiveram as suas filhas abusadas sexualmente

(Lima, 2008).

A partir do discurso das Participantes percebeu-se que a teoria de gênero com marcas

de patriarcado e adultocentrismo se fez presente já que, segundo elas, a vivência do abuso

sexual intrafamiliar que elas sofreram e que as filhas sofreram lhes gerava um estado de

sentirem-se agredidas enquanto tanto por ela como pela filha, e P4 e P7 enunciaram que

passaram a ter problemas em seus casamentos depois do conhecimento do abuso da filha que

lhes fez recordar das vivencias negativas dos seus abusos na infância. Em suas falas afirmam

que tiveram dificuldades em relacionarem-se sexualmente com o seu esposo, como também,

no caso de P4, P5 e P7, passou a ter uma repulsa por homens. P4 diz que como mulher ela

enuncia que se sente agredida por ela e pela filha e que teve problemas em seu casamento já

que passou a ter dificuldades de relacionar-se sexualmente com o seu esposo, segundo ela, e

também por ter confiado ao pai de suas filhas a responsabilidade para com a sua filha. Já P5 e

P7 enunciam que:

Como mulher...Eu acho que... Quando outra pessoa toca assim você, num é a mesma coisa
238
de você: ‘Puxa! Podia ser diferente’ Se sentir com uma sensação diferente. Porque você

queira ou não, mas sempre vem aquelas, aquele repuna[sic], aquelas coisa que já

aconteceu com você (P5).

Eu me divorciei e vivo a minha vida tranqüila. Então 14 ano[sic] que assim eu não

procuro namorado, não procuro ninguém. Porque foram muitas coisas acontecendo. Veio

a infância aconteceu. Veio o casamento, aconteceu. Depois veio o estrupo[sic] da menina.

Então eu tenho uma imagem iergh[sic][expressão não verbal no sentido de repulsa].

Então quando fala de homem... (P7).

Nesse cenário de dificuldade em se relacionar com o masculino, a repetição do abuso

sexual intrafamiliar feminino, aos olhos das Participantes, soou como agravante para esse

problema. Isso porque, além de elas terem as lembranças da vivencia de seu próprio abuso,

ou seja, a consciência constituída na experiência pessoal do passado, elas também agregaram

a sua consciência a vivência do abuso da filha. Nesse processo, as mães revelaram que a

vivência do abuso da sua filha suscitou a lembrança de seu próprio abuso como na fala de P6:

“Eu já tinha me esquecido há muitos anos viu? Assim parece que eu tava revivendo o que eu

passei...”. Segundo a teoria de Vygotsky (2009) este processo se dá a partir do

reconhecimento que as Participantes têm na relação dialética com a situação das filhas, em

que o abuso sexual que a menina sofreu se constitui reflexo reversível de seu próprio abuso.

Quer dizer que em meios as falas quando as Participantes revelam a experiência

duplicada em que elas refletem internamente, gerando para si mesmas os excitantes dos

reflexos, configurados como pensamentos que são expressos na linguagem, nota-se que o

discurso atravessador das falas delas está relacionado ao que se denominou repetição. Essa

repetição é percebida quando, por exemplo, elas refletem para si a partir da experiência de

abuso das filhas e delas a idéia de que a vitimação por abuso é algo incide numa família de

forma geracional. Ou seja, tanto pode ser entendido, segundo elas, como um legado familiar,
239
uma herança sofrida, que lhes provoca sentimento de culpa, já que quem está no início desta

cadeia de vitimações em sua família, que culminou no abuso de sua filha, é ela, que foi

abusada quando criança, portanto antes da filha.

Esse sentido de repetição expresso por elas em suas falas que revela que elas mesmas

perceberam através de suas vivencias e experiências que este abuso sexual intrafamiliar

contra uma menina de sua família se repetiu, como aparece na fala de P1 que usa a palavra

“geração”[sic] e o sentido apreendido é de que esta repetição acontece desde a geração de

seus pais:“...Então assim, meus pais, não culpo eles, de jeito nenhum, mesmo porque é que é

de geração pra geração...” Para falar dessa repetição P3 usa em sua fala a palavra

“hereditário”[sic] num discurso de sentido causalista:“...Será que isso é hereditário? Que

isso teria que acontecer com a minha família, com minha filha também, pelo que aconteceu

comigo...”. No discurso de P5 esta repetição aparece o discurso de quem buscou evitar que a

repetição do abuso acontecesse com alguém de sua família: “...Porque já aconteceu comigo

também, entendeu? Assim com meu padrasto. E era o que eu mais pedia, que isso não

acontecesse com meus filhos, entendeu? E dói muito.”

As mães de fato tendem a reviver lembranças do passado que referem a sua própria

vitimação por abuso sexual intrafamiliar quando crianças ou adolescentes (Morgado, 2001a,

2001b; Lima, 2008). É justamente o mecanismo de reflexos reversíveis da consciência que

proporciona essa experiência de revivência. Trata-se do despertar de experiências históricas e

sociais através das quais ela recorda-se também o modo como sua mãe agiu no contexto de

abuso sexual que sofrido pelas Participantes sendo traduzido como ações subseqüentes ao

dar-se conta do que aconteceu com elas, ou seja, elas tendem a basear as suas ações de acordo

com o desempenho de suas mães na situação análoga em que elas tomaram conhecimento do

abuso das Participantes. Neste momento de recordação elas demonstram reconhecerem-se

enquanto mãe de forma negativa, por não ter, segundo elas, protegido mais as filhas, e
240
também ao sentirem-se culpadas. Elas reconhecem a de si mesmas naquele contexto de abuso

sexual da filha através do reflexo reversível, como, por exemplo, aparece no discurso de P3:

“...Que acontece e existe coisa que acontecem numa geração e que acontece em outra

né[sic]. Vai isso na minha mente, mas foi só, passou né[sic]...”; e no discurso de P4: “...

Quando as coisas acontecem a gente fica procurando se culpar, e eu me culpei muito. Fiquei

muito me maldizendo, muito. Como é que eu deixei isso acontecer com a minha filha?. Como

é que eu não percebi?...” .

A partir destas falas de P3 e P4 nota-se o discurso de gênero materializado de forma a

revelar as vozes sociais que remetem a um feminino que se sente responsável pelo cuidado

com os filhos a ponto de culpar-se pelo abuso sexual que este sofreu. Além disso, um

feminino que se revela dominado a ponto de aprisionar-se num discurso que remete a um

conformismo de vitimação por um masculino. Segundo Scott (1996) essa relação entre o

masculino e o feminino que vai se construindo e delineando-se os lugares sociais de cada um

como ao feminino está reservado o cuidado e a responsabilidade pelos filhos, prezando o

equilíbrio familiar como um todo.

Sobre os abusadores também constatou-se a repetição entre gerações desta experiência

de abuso sexual intrafamiliar. Nos casos de P1, P5 e P6 os abusadores tinham o mesmo grau

de afinidade com mãe vitimada e filha vitimada. Em P1 os abusadores eram vizinhos delas;

em P5 os abusadores eram o marido da mãe de P5; e em P6 os abusadores eram vizinhos

próximos à família.

Quando se diz que os abusadores se valem do poder que lhes é conferido pelo seu

significado de elemento da família afetiva da vitimada, refere dizer que esse poder é uma

prática social daquele grupo que o coloca naquele lugar. Neste caso, o poder analisado nesta

tese é compreendido a partir da teoria de gênero, na medida em que o abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil é considerado como uma forma de violência de gênero, dado o


241
maior índice de vitimação incidir sobre meninas e tendo como abusador, um homem e adulto.

E analisando sob o prisma da teoria de gênero nota-se que a teoria afirmada por Saffioti

(2001a, 2001b, 2004) de que há o domínio do homem sobre a mulher, caracterizando poder

com caracteres de patriarcado e de adultocentrismo. A teoria do patriarcado coloca o homem

como a figura de autoridade frente à mulher, e o adultocentrismo dá conta de que o poder está

localizado no adulto sobre a criança ou adolescente.

É comum em situações em que a mãe de uma vitimada também foi vitimada por

abuso sexual intrafamiliar quando criança ou adolescente sentir dificuldade em conviver com

a realidade vivenciada na figura da filha. Por este motivo, acontece de as mães, mesmo

mediante uma intenção de postura protetiva para a sua filha, as encaminharem para a

responsabilidade de outras pessoas, como mandar a menina morar com parentes. Essa decisão

de encaminhar a filha para a casa de outras pessoas pode ser percebida nesta tese no discurso

de P4 que depois de certo tempo encaminhou a filha para morar com os avós, pais do

abusador alegando que trabalhava e não tinha com quem deixar a menina. Assim como nota-

se na fala de P5 que encaminhou a filha para um colégio interno sob orientação de sua mãe,

avó da filha e esposa do abusador da menina: “...Ela[a filha vitimada], eu tive que colocar

num colégio interno porque como eu trabalhava e as vezes ela ficava em casa com minha

mãe...” (P5)

Sobre esse afastamento da menina vitimada de sua família, mesmo encaminhada pela

própria mãe, revela uma forma violação de direitos das mesmas. Nesse cenário em que o

abusador permaneceu livre a menina foi aprisionada num colégio interno ficando distante de

sua vida cotidiana. Nota-se novamente a organização social da relação entre o masculino e o

feminino, em que o feminino ocupa o lugar do restrito (Scott, 1994). Segundo Saffioti (2004),

o limite entre a quebra de integridade e obrigação de suportar o lugar reservado ao feminino,

o de sofrimento, sujeitado ao masculino. Para Saffioti (1987, 2004) e Narvaz (2004) essa
242
ordem de conformidade social patriarcal é tecida para encobrir o poder centrado no

masculino e fazer convencer o feminino de que o seu lugar natural é a submissão.

Esse lugar de feminino vitimado é despertado também nos casos de repetição do

abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil vivenciado pelas Participantes, de forma que causa

um sofrimento que regula as suas ações subseqüentes a revelação do abuso da filha. Traz à

tona os aspectos históricos e sociais referentes ao processo de socialização dos gêneros

masculino e feminino. Esse coletivo que fala da história de submissão do feminino ao

masculino é percebido no discurso das Participantes sob falas que enunciam a fragilidade

feminina ante ao domínio masculino, como percebido através da fala de P4: “Como mulher

eu me sinto agredida. Agredida por, pela minha filha[vitimada] e por mim...”.

Enquanto mulheres que sentem-se violadas em seus direitos, as Participantes

enunciam em suas falas discursos que revelam-nas sujeitos que sofrem a partir das

lembranças e também com as consequências que as experiências de vitimação (dela e da

filha) lhe ocasionaram, como na relação consigo mesma, com os outros e, principalmente

com o masculino:

Como mulher...Eu acho que... É como você num conhecer bem o seu corpo, né[sic]? Você

como se diz assim. Num tem prazer de tocar seu corpo. Quando outra pessoa toca assim

você, num é a mesma coisa de você: ‘Puxa! Podia ser diferente’ Se sentir com uma

sensação diferente. Porque você queira ou não, mas sempre vem aquelas, aquele

repuna[sic], aquelas coisa que já aconteceu com você. (P5)

Na fala de P7 nota-se um sofrimento votado para o masculino expresso de forma

violenta, através de um discurso de justiça. Segundo P7, a única forma de o masculino

abusador dimensionar o sofrimento que ele gerou numa mulher é sofrendo uma dor que ela

considera análoga, a castração. Nesse discurso de castração nota-se outros discursos

atravessados como do sentido que a amputação do membro sexual masculino, como sinônimo
243
do pior castigo imposto ao homem, pois toda sua virilidade, poder está simbolicamente e

culturalmente no pênis:“...Eu digo: ‘ Deus, faz a tua justiça conforme a tua vontade e teu

querer. Porque na justiça dessa terra só tem um jeito. Eu só ficava conformada,

humanamente, como pessoa, como mulher se eu visse castrado...”(P7)

Nota-se através deste discurso de P7 um feminino que se sente desamparado e que

busca a qualquer custo uma forma de punição para aquele que violou seus direitos humanos.

Isso porque as Participantes e suas filhas que foram vitimadas pelo abuso sexual intrafamiliar

cometido por um membro masculino de sua família vivenciam a violência sexual,

psicológica, física. Vivenciam ainda a violação de seus direitos de serem livres já que se

sentem cerceadas em seus espaços. De acordo com Saffioti (2004) deve-se atentar para a

importância de se desnaturalizar essa hierarquia que ainda existe no imaginário social e nas

representações sociais entre o masculino e o feminino.

Nessa experiência de abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil enquanto violação de

direitos destaca-se também a violação dos direitos das crianças de vivenciarem uma infância

saudável. Isso porque essa vivência do abuso sexual lhes obriga a uma experiência que não

esta afeita nem à infância e nem à adolescência, provocando a vivencia de uma adultização

precoce. Segundo Vygotsky (1933-1934/ 2006) na infância que o sujeito vai integrando as

suas experiências sociais à constituição de sua personalidade. Refere dizer que no decorrer do

desenvolvimento enquanto processo contínuo as novas bases que vão sendo internalizadas

vão aprimorando qualitativamente as anteriores, as quais estão diretamente relacionadas às

interações que o sujeito vivenciou com o ambiente que o cerca.

Neste sentido, pode-se dizer que tanto as Participantes como as suas filhas

vivenciaram uma experiência que lhes proporcionou um prejuízo na vivência da infância, já

que tanto Participantes como as suas filhas foram vitimadas na infância, com idades que

variaram entre cinco e 15 anos as Participantes, e suas filhas foram abusadas quando tinham
244
entre sete e 15 anos de idade.

A vivência desta experiência de abuso sexual na infância fez com que elas se vissem

convidadas a tomar decisões que não deveriam acontecer neste momento, como denunciar ou

não, ou de desistir ou não do processo movido contra o abusador. Das sete Participantes,

quatro delas desistiram do processo contra o abusador por decisão das vitimadas. O motivo

alegado é o fato de elas terem que recontar a historia, medo de encarar o abusador ou por não

crer que o abusador possa ser condenado.

Essa adultização precoce também é percebida quando da tomada de decisões como P5

que para evitar novas investidas sexuais do abusador, tomou a decisão de sair de casa, decisão

esta que envolveu um namorado mais velho e uma gravidez. Essa gravidez precoce foi

proposital para que pudesse sair de casa, segundo o discurso de P5. Nota-se mais uma

conseqüente adultização da menina que passou a vivenciar uma situação adulta: formar uma

família: “... Foi por isso que eu quis sair logo de casa. Quis logo conhecer uma pessoa, me

entregar e sair de dentro de casa. Porque eu não aguentava mais aquela situação de minha

mãe ta[sic] com uma pessoa...”

A análise dos discursos das Participantes demonstrou que a vivência destas crianças

quando vitimadas pelo abuso sexual está baseada em medo de não serem cridas e culpa.

Segundo os discursos, as vitimadas (mães ou filhas) não revelaram seus abusos sexuais a suas

mães ou pais, por medo deles não acreditarem nelas e também por medo de que gerasse

alguma reação violenta dos mesmos ante o abusador, que era da família. O medo de não saber

a reação dos pais é visto, por exemplo, na fala de P4:“...Que eu não queria, mas eu tinha

vergonha de dizer porque eu não sabia como ia ser a reação de meu pai e da minha mãe

sabe?...”. Já o discurso de P3 revela que ela nem chegou a contar, pois para ela não iam

acreditar: ”...Sempre assi[sic]... quando isso acontecia tinha vontade de contar pros meus

pais, mas naquele tempo, né[sic], num ia acreditar...” No entanto em outra situação, no caso
245
de P5, ela contou e sua mãe de fato não acreditou no que ela dizia: “...E eu sempre contava a

minha mãe só que ela não acreditava em mim. Porque ela pensava que tava mentindo.

Porque eu não gostava dele[abusador]. Ela não acreditava. Dizia que eu tava inventando

isso...”

Já que os abusadores são da família, as Participantes revelam em seus discursos a

surpresa e decepção em saber que alguém de confiança abusou de sua filha, como visto na

fala de P4: “É, mas que eu nunca pensei que fosse o pai.(...) Eu nunca vi, eu nunca, nunca,

também eu nunca ia imaginar que aquele homem fosse fazer isso com ela. Jamais.” De certo

que o abuso sexual infanto-juvenil é uma forma de violência que por si só já carrega sentido

ideológico, e quando praticado pelo pai o efeito de sentido é de perplexidade maior ainda,

dado o lugar ideológico da figura paterna.

Nesse contexto de tensão que envolve o abuso sofrido, o medo de não ser crida ao

revelar, o medo das ameaças do abusador etc, diversas conseqüências são apontadas na vida

dessas vitimadas e que chegam a perturbar o seu desenvolvimento. Segundo Vygotsky (2006)

é na infância que o sujeito desenvolve a formação de conceitos em que ela exercita o

desenvolvimento interno e o pensamento de forma que o conceito apareça em sua

consciência. Esses conceitos são formados verdadeiramente na adolescência, os quais

recebem as bases do modo como foram formados na infância. Esses conceitos servem para o

sujeito compreender a realidade a seu redor, os outro e a si mesmo. É na adolescência que o

sujeito constrói suas opiniões sobre o mundo, sobre as relações e sobre o futuro (Vygotski,

1996).

De acordo com os discursos das Participantes, todas revelaram que tanto elas como

suas filhas em suas respectivas épocas de vitimação apresentaram alterações

comportamentais, enunciadas como comportamentos agressivos, e alterações emocionais,

enunciados com choros e depressões. No entanto, uma delas enunciou que tentou o suicídio
246
quando criança P7: “...Quando eu tinha 12 anos tentei suicídio. Meus pais nunca souberam o

motivo por que eu não deixava escapar...”

Quando uma criança tem uma experiência de vitimação por abuso, essa experiência

passa a fazer parte do repertorio de excitantes para a determinação do comportamento dela.

As pessoas envolvidas e a forma com que conduzem a situação exercem importante

influencia no modo como a criança ou o adolescente vão internalizar a vivência. Trata-se de

uma experiência vivenciada socialmente e que, segundo as Participantes é vivenciada de

forma negativa tanto enquanto vitimadas como enquanto sujeito no coletivo, neste caso a

família. Segundo Vygotsky (2004), os comportamentos são coordenados coletivamente

através de reflexos reversíveis que constituem a base da consciência. Já que a consciência

tem sua origem no social, estes estímulos procedem das pessoas. E como que são reversíveis,

o sujeito pode reproduzir estes excitantes. Nesta reprodução que o sujeito constitui um

comportamento que lhe revela subjetivamente.

Dado o abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil enquanto categoria de violência que

carrega consigo a gravidade suficiente para gerar prejuízos emocionais e comprometimento

do desenvolvimento físico e psicológico da criança, a atenção especializada se faz necessária.

Essa necessidade foi percebida nas próprias Participantes que quando crianças sofreram

abuso sexual intrafamiliar, como em suas filhas através de enunciados das falas delas. O fato

é que se à estas mães não foi oportunizado enquanto crianças a elaboração da experiência, de

forma a agregar novos elementos através do profissional enquanto mediador, elas não

encontram estrutura psicológica suficiente para ajudar as suas filhas. De acordo com

Squizatto e Pereira (2004) é nos serviços sociais existentes que estas vitimadas podem

encontrar meios de construir em si estrutura necessária para lidar com essa situação de abuso.

Nos discursos analisados nesta tese, as Participantes frequentemente enunciavam que tinham

dificuldade em verbalizar a situação. Nestes momentos havia os silêncios e choros.


247
Sobre a importância do atendimento psicossocial adequado, Costa et al. (2007)

afirmam que quando as mães sabem que vão poder conversar com tais profissionais elas

tendem a sentir-se acolhidas e se permitem pedir ajuda para si e para sua família, admitindo

que estão precisando de apoio. Neste contexto, as mães pode inclusive revelar que há muito

tempo que este auxílio lhe era necessário. Segundo os discursos das Participantes pode-se

notar que esse atendimento funcionou como um instrumento mediador na relação entre elas e

suas filhas. Quando as filhas estão em atendimento elas enunciaram que ficaram mais

próximas às meninas.

Em meio a esse atendimento especializado, destaca-se a importância da Rede de

Proteção. Habigzang et al. (2005), ao analisarem a rede de atendimento, apontam vários

fatores de ordem social, institucional e legal que tendem a banalizar, negligenciar, confundir e

postergar as aplicações de medidas de proteção às vítimas. Todos esses aspectos participam

da revitimação e acréscimo dos danos causados pela violência em si. A rede de atenção às

crianças mostra-se descontínua, fragmentada, interrompida, sem vinculação entre suas partes.

Este aspecto pode ser percebido através dos discursos das Participantes, mas em destaque de

P5, que ao tomar conhecimento do abuso sexual de sua filha ela buscou ajuda mas precisou

peregrinar por três hospitais diferentes, IML, Delegacia, Conselho Tutelar até chegar ao

CREAS, onde recebeu atendimento. Pode-se aludir que ela encontrou dificuldades para

conseguir referido atendimento, assim como orientação sobre a vitimação da filha, o que se

pode analisar deste discurso de P5 é que, embora os locais que ela tenha buscado atendimento

tenham sido os mais indicados em casos de abuso sexual, os profissionais que a receberam

parecem não estar preparados adequadamente para esta demanda, mediante a peregrinação

provocada.

Assim, através da Análise de Discurso foi possível a captação da realidade dinâmica

característica das mães que possuem a experiência de vitimação por abuso sexual
248
intrafamiliar quando eram crianças e adolescentes. É uma forma de contatar o universo

particular delas conhecendo a partir do discurso as várias vozes que o situam, características

de sua historia de vida social.

249
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este estudo sobre a repetição do abuso sexual intrafamiliar feminino entre gerações

foi realizado através de entrevistas de mães de meninas abusadas sexualmente em âmbito

familiar. O cenário do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil é caracterizado pela

vitimação de toda a família. Isso quer dizer que não somente a criança ou adolescente que foi

vitimada recebe cargas emocionais negativas abundantes, mas há o envolvimento de toda a

família. A família é envolvida na medida em que o abuso acontece no seio familiar, que de

acordo com as novas configurações familiares, é um tanto estendido extrapolando a tríade

pai, mãe e filhos, e englobando avós, cunhados, tios, amigos e vizinhos próximos. Ou seja,

entre este abusador e a família da vitimada (e claro com a vitimada principalmente), existe

um vínculo de afinidade que ultrapassa a consangüinidade assumindo uma dimensão de

responsabilidade e cuidado, caracterizando uma situação de confiança plena e de convivência

cotidiana nos limites familiares da vitimada. Neste sentido, quando se refere ao abusador

intrafamiliar engloba para além do pai, mãe e irmãos, ou seja, envolve os avôs, os tios,

cunhados, vizinhos, amigos próximos.

A partir dos discursos analisados das Participantes pode-se notar o quanto que o fato

de o abusador fazer parte deste círculo de relações estreitas da família é significativo. O

sofrimento delas foi maior ao tomar conhecimento do abuso por parte de alguém a quem elas

dedicavam confiança irrestrita e convívio natural no seio de sua família. Isso porque elas

sentiram como se de alguma maneira tivessem facilitado esse acesso à suas filhas, sentindo-se

em vários momentos culpadas pelo acontecido. Culparam-se pelo fato de não terem antevisto

que isso poderia acontecer e tampouco desconfiado que estava acontecendo (ou que tinha

acontecido). Trata-se de um sentimento de não conseguir proteger a filha daquilo que ela
250
conhece doer profundamente.

Neste contexto de abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil, a mãe é que está mais

próxima da menina vitimada. É, portanto, um elemento que vivencia a situação com altas

doses de sofrimento. Sofrimento este que provoca a lembrança de outros sofrimentos

relativos à experiências de abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil pregressas: o seu

próprio abuso na infância.

Essa lembrança que a mãe tem de uma experiência passada emerge através do que se

considerou nesta tese baseada na Psicologia Histórico-Cultural como consciência. A

consciência faz refletir no outro aquilo que elas tem internalizado, como, por exemplo, a

experiência passada de vitimação. Neste sentido, os dados possibilitaram a compreensão de

que a repetição do abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino entre gerações vista

através do olhar das mães se faz presente no discurso delas tanto através de sentidos

apreendidos pela pesquisadora como através das falas das próprias Participantes,

demonstrando a consciência delas acerca da repetição. Ou seja, aliado ao fato de mãe e filha

terem sofrido abuso sexual intrafamiliar e terem consciência disso, pode-se perceber através

da materialidade no discurso outras características de repetição.

A partir da análise dos discursos das Participantes notou-se que estas se aperceberam

do abuso sexual sofrido por suas filhas enquanto repetição através de um mecanismo de

consciência dialógica. Isso quer dizer que quando elas tomaram conhecimento da vitimação

de sua filha elas relembraram de sua vitimação por abuso sexual intrafamiliar na infância. Em

seus discursos elas enunciaram sobre o abuso entre gerações e a característica de

hereditariedade que essa experiência, segundo elas, tem. As Participantes revelaram que o

que mais desejaram que não acontecesse com a sua filha foi a experiência de abuso sexual

intrafamiliar infanto-juvenil, ou seja, que se repetisse a vivência.

À esse discurso de desejo de não repetição pode-se perceber a mãe-mulher-vitimada


251
materializada. A mãe que quer evitar à sua filha experiência que conhece gerar sofrimento

intenso e marcas profundas, a mulher que deseja proteger o feminino de um masculino que

conhece ser violador de direitos, e vitimada que não suporta mais reviver, através do abuso da

filha, o sofrimento já conhecido de quando foi vitimada.

Os discursos das Participantes permitiram também perceber aspectos da repetição

expressos em atravessamentos do discurso como o fato de elas não revelarem os abusos

sofridos na época da vitimação, e também, tanto elas enquanto mães assim como as suas

mães na época de sua vitimação tomarem conhecimento do abuso da filha através de outras

pessoas.

Os dados demonstraram que o fato de elas não revelarem o abuso sexual a suas mães

está relacionado ao grau de parentesco que estas tem com o abusador. Nesse sentido, nem as

Participantes quando foram vitimadas na infância, nem as suas filhas vitimadas sentiram-se

seguras para revelar o que acontecia, já que o abusador era alguém que fazia parte da família

afetiva e, portanto gozava de confiança e livre acesso à família.

Tanto as Participantes enquanto mães de menina vitimada, como as suas mães na

época de suas vitimações tomaram conhecimento do abuso sexual das filhas a partir de outras

pessoas do entorno social da menina. Sobre isso reflete-se acerca da proximidade entre mães

e filhas, já que os discursos revelaram que elas não desconfiavam que o abuso estava

acontecendo, mesmo em meio à mudanças de comportamentos de suas filhas. Entende-se que

elas não significaram estes comportamentos, pois o fardo de tornar consciente dialogicamente

algo que está afeita a sua experiência histórica e social lhes provocava vivências de

sofrimento e dor intensa.

A repetição também se fez presente no discurso das Participantes no modo como elas

construíram seus discursos através dos elementos discursivos contidos como o dialogismo, os

gêneros discursivos, enunciados e polifonia. Os enunciados versaram sobre as experiências


252
delas de abuso sexual intrafamiliar e de suas filhas, com temas que tratavam da revelação, da

violência, de gênero, de vitimação, de sofrimento etc. estes enunciados foram constituídos

dialogicamente a partir da experiência dos abusos sexuais vivenciados, delas e da filha, e

também ao longo da entrevista.

Nesse sentido, o dialogismo se fez necessário já que se trata de uma experiência que

elas reviveram através de suas filhas, o abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil feminino,

ou seja, foi através desta experiência revivida através de suas filhas que elas se constituíram.

O dialogismo também se deu a partir da relação com a pesquisadora no momento da

entrevista em que uma fala interanimava o discurso da outra constantemente.

Dentre os gêneros discursivos que se repetiram nos discursos das Participantes o que

mais se destacou foi o narrativo. O gênero narrativo entende-se ter sido destaque, pois os

discursos construídos por elas enunciava uma situação que tinha acontecido e que estava

sendo contada num outro contexto, a entrevista. Nesses discursos narrativos a voz do outro

se fez presente para referir as histórias que já haviam sido contadas às Participantes antes, na

época da vitimação de sua filha. Entende-se que essa polifonia foi necessária, pois as

Participantes tiveram que construir seus discursos sobre a vitimação das filhas a partir das

vozes dos outros que lhes revelaram, já que souberam do abuso de suas filhas a partir de

terceiros.

Os dados revelaram que a tomada de consciência das Participantes se deu também

através da dificuldade que elas apresentaram em verbalizar as suas experiências. Essa

dificuldade se repetiu no discurso de todas elas, e entende-se estar relacionada com o modo

como elas elaboraram as vivências de abuso sexual intrafamiliar delas e da filha. Os discursos

revelaram sujeitos que não conseguem verbalizar a situação por não encontrarem em si

mesmas as condições para lidar com as situações que envolvem abuso. Refere uma

consciência dialógica que lhes faz remeter para as suas lembranças de vitimação na infância.
253
Essa dificuldade em lidar pode se configurar explicação para a delegação de

responsabilidades a terceiros que se repetiu ao longo dos discursos delas.

A consciência das Participantes também se fez revelar através dos discursos

extraverbais, expressos como silêncios ou choros. Esses silêncios e choros foram importantes

para uma aproximação dos conteúdos de dimensão particular da consciência, que estavam

acessíveis apenas à elas próprias. Esse acesso por aproximação também foi importante para a

compreensão dos sujeitos constituídos a partir das experiências de abuso. Por exemplo, os

choro e silêncios possibilitaram construir o sentido para compreender a fragilidade do sujeito

e a imaturidade cognitiva quanto à condição de elaboração das vivências. Esse choro é

veiculador do sentido do abuso para esse sujeito mãe, mulher e vitimada revelado através da

materialidade discursiva que produz.

A dificuldade em lidar com a situação da filha foi tamanha que fez voltar o silêncio

vivenciado na época de sua vitimação, já que todas elas não revelaram a vitimação quando

crianças a suas mães na época. Assim, as Participantes não receberam a proteção que julgam

apropriada quando foram abusadas. A maioria delas revela que não lembravam mais de suas

vitimações, mas que recordaram assim que se depararam com o conhecimento do abuso das

filhas.

O fato de não lembrarem de suas vitimações é entendido como uma estratégia que elas

encontraram de defenderem-se daquele sofrimento que o recordar do próprio abuso lhes

afligia. Uma forma de se relacionarem consigo mesmas e com os outros de forma menos

dolorosa. Isso se refletiu quando elas se depararam com o conhecimento do abuso sexual de

suas filhas, em que precisaram de ajuda de terceiros para que as ações protetivas fossem

efetivadas. Nem sequer sabiam o que fazer, quando lhes foi revelado que as filhas estavam

sofrendo abuso sexual intrafamiliar.

A análise dos discursos das Participantes permitiu conhecê-las subjetivamente.


254
Através dos discursos as subjetividades emergiram revelando sujeitos que se constituíram na

vulnerabilidade e sofrimento das vivências de abuso sexual intrafamiliar que incidiram em

sua família em diferentes gerações. Sujeitos que vivenciam cognitiva e afetivamente as

lembranças de seu próprio abuso. E por conta desta experiência duplicada, faz emergir um

sujeito que demonstra a sua consciência responsiva a cada caso de abuso que toma

conhecimento (não somente o de sua filha), através dos quais revive sua vitimação, ou seja,

que dialogicamente reflete as suas próprias vivências.

São sujeitos que vivenciaram negativamente a relação com o masculino de forma a

prejudicar as suas relações presentes estabelecidas como com filhos e com companheiros.

São mulheres que se sentem diminuídas e vulneráveis ante a supremacia social masculina que

historicamente ainda se faz presente. Em seus discursos, apareceu repetidas vezes a valoração

de quesitos socialmente considerados condições femininas como a preservação da virgindade.

A preocupação que as Participantes expressaram ao longo de seus discursos com a virgindade

chegava a sobrepor os outros modos de investidas abusivas feitas pelos abusadores como

toques genitais, por exemplo. Nota-se o quanto que para elas ainda se faz presente o discursos

coletivo de gênero que situa o feminino no lugar de dominado.

São mulheres que tiveram os seus direitos sexuais e humanos violados por um sujeito

masculino que lhes vitimou, lhes submeteu a experiências violentas. Mulheres que

vivenciaram a vitimação de outras mulheres, as suas filhas, que lhes convida para um

sofrimento também enquanto mães. São mães que se culpam por não terem conseguido

proteger mais as suas filhas a ponto de evitar essa vitimação. São mães que se martirizam por

não terem ensinado a suas filhas que o abuso sexual intrafamiliar existe, e, portanto requer

cuidados. Mas são mulheres e mães que não conseguiram fazer nada disso porque são

também vitimadas.

Assim, se constituem sujeitos que necessitam de um espaço de elaboração de


255
sentimentos e pensamentos que lhes compõem enquanto mãe, mulher e vitimada. Que

destacam em seus discursos a importância de espaços de escuta e atendimento das famílias de

crianças e adolescentes abusados sexualmente, em especial a necessidade desse cuidado com

as mães, as quais podem ter histórias de vitimação também por abuso sexual no passado e

que, portanto, necessitam de ajuda para poder constituir-se agente protetiva da filha.

Pelo fato de as Participantes, assim como suas filhas, terem sido vitimadas pelo abuso

sexual intrafamiliar na infância, esta atenção especializada se faz imprescindível. Isso porque

através do discurso delas pode-se notar que diante do abuso da filha e da consciência de

repetição, elas se revelaram sujeitos que se sentiram passivos, impotentes, frágeis e

vulneráveis, neste contexto de repetição de forma a demonstrar não conseguirem elaborar a

situação vivenciada. Alguém que se assujeita na revivência da vitimação colocando-se como

um sujeito que sofre as conseqüências oriundas da experiência de vitimação e constrói para si

o sentido da repetição do abuso sexual intrafamiliar entre gerações que vitimou a ela, a sua

filha e, mais uma vez, à ela através de sua filha

A vitimação dessas mulheres-mães fez com que elas revivessem a fragilidade e falta

de proteção da infância, quando foram abusadas sexualmente por alguém da família. Esse

sujeito vulnerável aparece em todas essas ações que não foram efetivadas. Trata-se de um

sujeito feminino vitimado que continua vitimado por suas próprias lembranças e pelo próprio

desconhecimento de ações protetivas, portanto, de seu potencial de protetor de suas filhas.

Embora através desta tese entenda-se que os sujeitos são constituídos de suas

experiências, ressalta-se que não se trata necessariamente das experiências vivenciadas no

passado, mas sim de todas as quais potencialmente o sujeito está e estará exposto em sua

vida. Isso refere dizer que a importância de informação e de conhecimento acerca não

somente de seus direitos, mas também das possibilidades de conhecimento e informação na

rede de proteção, os constitui sujeitos mais autônomos e ativos socialmente.


256
Ressalta-se que em cada entrevista muitos dados emergiram, mas como trata-se de

uma tese de doutorado, não há como apresentar as análises completas. Mas que já somam

dados para importantes produções científicas posteriores assim como servem de auxílio para

estudos posteriores. Diante desta pesquisa sobre a repetição do abuso sexual intrafamiliar

infanto-juvenil feminino entre gerações, ressalta-se a urgência para que sejam realizadas

ações na direção do conhecimento mais aproximado desta realidade com fins a contribuir

para as Políticas Públicas relacionadas e a idealização e efetivação de Programas específicos.

É sabido que essa urgência de atenção e cuidado com vitimados pelo abuso sexual

está entre as principais discussões de políticas públicas no mundo. Na Europa, por exemplo,

importante referência de continente que desenvolve ações de enfrentamento, existe uma

preocupação com as estatísticas demonstradas pelos setores especializados como o

Observatório de Violência contra Crianças e Adolescentes e tantas outras instituições e

organizações governamentais e não governamentais.

Em meu estágio sanduíche realizado na Unversidad Complutense de Madrid

(Espanha), em 2011, pude participar de encontros de discussão a respeito do abuso sexual

praticado contra crianças e adolescentes. Através destes encontros, pude ter uma ideia de

como esse problema de saúde publica acontece a nível mundial. Me foi oportunizado

conhecer a realidade da necessidade e da própria existência de inúmeros movimentos sociais.

Nesse contexto, enquanto em território europeu, tomei conhecimento da campanha

promovida pelo Consejo de Europa denominada “Un en cada cinco”. Esta campanha revela a

preocupação com a incidência de vitimação de meninos e meninas pelo abuso sexual, e revela

que a cada cinco crianças, uma delas é uma vitimada pelo abuso sexual. Dentre as

ferramentas de enfrentamento em prol da minimização de casos de abuso, o Consejo de

Europa lança a cartilha de Kiko y la Mano, apresentando para pais, educadores, profissionais

da área e, inclusive, crianças e adolescentes a Regla de Kiko. O mais interessante é que


257
conseguem não somente reunir e unir essas diversas camadas sociais para o conhecimento do

problema como também proporcionam o empoderamento desse conhecimento por esses

sujeitos de forma que se sentem seguros para agirem preventivamente numa situação de

abuso sexual.

Esse empoderamento do conhecimento e a consequente autonomia e segurança diante

de situações de abuso sexual infanto-juvenil é poderoso aliado para a interrupção do ciclo de

vitimações que pode acontecer numa família, o que se considerou nesta tese a repetição do

abuso sexual intrafamiliar infanto-juvenil entre gerações. Isso porque, de posse do

conhecimento, o sujeito sabe o que fazer e como agir, pautando-se em seus direitos e em suas

possibilidades de atuação. Além disso, o conhecimento gera a compreensão do que de fato

deve ser considerado abuso sexual ou não, tomando assim, a providência adequada de

proteção. Ou seja, o conhecimento é necessário a todos que estão envolvidos na historia de

vitimação, o que refere incluir todos que estão ao redor do sujeito vitimado, munindo cada

um destes de capacidades de lidar com a situação vivenciada.

Pela característica devastadora do abuso sexual para a família, não somente para o

vitimado, ressalta-se a importância de atendimento para o vitimado e também para toda a

família, sobretudo à mãe. Nesse contexto de abuso sexual intrafamiliar a mãe é que está mais

próxima dos filhos e, portanto, alguém com importante potencial de proteção, se munida de

conhecimento. Nas famílias em que aconteceram a repetição do abuso sexual intrafamiliar, o

atendimento da mãe se torna mais urgente ainda, já que estas precisam elaborar a sua

vivência de vitimação do passado para que possam sentirem-se seguras para auxiliar as suas

filhas.

Nestes casos, faz-se importante que os profissionais sejam capacitados de forma a

compreender a complexidade da situação de abuso sexual intrafamiliar e mais ainda, da

repetição intrafamiliar desse abuso entre gerações da mesma família. Isso porque estarão
258
diante de uma família vitimada que necessita de uma escuta especializada e de ações que lhes

proporcionem a saída desse estado de vitimação.

259
REFERÊNCIAS

Aded, N. L. O., Dalcin, B. L. G. S., Moraes, T. M., & Cavalcanti, M. T. (2006). Abuso
Sexual em crianças e adolescentes: Revisão de 100 anos de literatura. Revista
de Psiquiatria Clínica, Rio de Janeiro, 33(4), 204-213. Recuperado de
http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol33/n4/204.html

Alberto, M. F. P. (Ed.) (2003). Crianças e Adolescentes que trabalham: Cenas de


uma realidade negada. João Pessoa, PB: Editora Universitária UFPB.

Alberto, M. F. P., Almeida, D. R., Dória, L. C., Guedes, P. C., Sousa, T. R., & França,
W. L. P. (2008). O papel do psicólogo e das entidades junto a crianças e
adolescentes em situação de risco. Psicologia Ciência e Profissão, 28(3), 558-
573. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pcp/v28n3/v28n3a10.pdf

Alberto, M. de F. P., & Lima, J. W. (2009). Mapeamento dos fatores de risco para
crianças e adolescentes vitimizados pela violência sexual no município de João
Pessoa identificados nos processos e denúncias do Sistema de Justiça
compreendendo Ministério Público, Juizado e Conselhos Tutelares. Manuscrito
não publicado, Relatório de Pesquisa PIBIC/PIVIC 2003, Universidade Federal
da Paraíba, João Pessoa, PB.

Alberto, M. de F. P., Santos, D. P. dos, Leite, F. M., Lima, J. W. de, Paixão, G. P. da,
& Silva, S. A. da (2009). Trabalho infantil doméstico: Perfil bio-sócioeconômico e
configuração da atividade no município de João Pessoa, PB. Cadernos de
Psicologia Social do Trabalho, 12 (1), 57-73. Recuperado de
http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/cpst/v12n1/v12n1a06.pdf

Almeida, A. C. E. P. de (2003). Abuso sexual de crianças: Crenças sociais e


discursos da Psicologia. (Dissertação de Mestrado, Universidade do Minho,
Braga, Portugal). Recuperado de
http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/3197/1/Tese%20mestrado%2
0Catarina%20Almeida.pdf
260
Amaro, S. (2003). Crianças vítimas de violência: Das sombras do sofrimento à
genealogia de resistência. Porto Alegre, RS: EDPUCRS.

Amazarrey, M. R., & Koller, S. H. (1998). Alguns aspectos observados no


desenvolvimento de crianças vítimas de abuso sexual. Psicologia Reflexão e
Critica: Porto Alegre, 11(3), 559-578. Recuperado de
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0102-
79721998000300014&script=sci_arttext

Andolfi, M., & Angelo, C. (1989). Tempo e mito em terapia familiar. Porto Alegre, RS:
Artes Médicas.

Associação Americana de Psicologia. (2010). Publication: Manual of the American


Psychological Association. (6th ed.). Washington: Author.

Araújo, M. de F. (2002). Violência e abuso sexual na família. Psicologia em Estudo,


Maringá, 7(2), 3-11. Recuperado de
http://www.scielo.br/pdf/pe/v7n2/v7n2a02.pdf

Araújo, M. de M. B. (2006). Abuso e exploração sexual infanto-juvenil feminina e as


respostas do poder público e da sociedade civil em João Pessoa. (Tese de
Doutorado Universidade Federal do Rio de Janeiro). Recuperado de
http://www.ess.ufrj.br/siteantigo/teses_2006/marlene-araujo.pdf

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família. (2ª ed.). Rio de Janeiro, RJ:
Guanabara.

Associação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. (n.d). Código Penal.


Recuperado de
http://www.amperj.org.br/store/legislacao/codigos/cp_DL2848.pdf

261
Augusto, M. H. O. (2005). Retomada de um legado: Marialice Foracchi e a
sociologia da juventude. Tempo Social. 17 (2), 11-33. Recuperado de
http://www.scielo.br/pdf/ts/v17n2/a02v17n2.pdf

Avancini, E. V. (2004). Caracterização das crianças e adolescentes usuários do


Programa Sentinela, de Medianeira – PR. Revista Virtual de Textos & Contexto.
Recuperado de
http://revistaseletronicas.pucrs/ojs/index.php/fass/article/viewfile/987/767

Azambuja, M. R. F. (2004). Violência sexual intrafamiliar: é possível proteger a


criança? Porto Alegre, RS: Livraria do Advogado.

Azevedo, E. C. (2001). Atendimento psicanalítico a crianças e adolescentes vítimas


de abuso sexual. Psicologia Ciência e Profissão. 21(4), 66-77. Recuperado de
http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-
98932001000400008&lng=es&nrm=

Azevedo, M. A., & Guerra, V. N. A. (1989). Vitimação e vitimização: questões


conceituais. In M. A. Azevedo & V. N. A. Guerra. (Eds.) Crianças vitimizadas: A
síndrome do pequeno poder. (pp. 21-47) São Paulo, SP: Iglu.

Azevedo, M. A., & Guerra, V. N. A. (Eds.). (1993). Infância e Violência Doméstica:


Fronteiras do conhecimento. São Paulo, SP: Cortez.

Bakhtin, M. (1981). Marxismo e filosofia da linguagem (2ª ed.). São Paulo, SP:
Hucitec.

Bakhtin, M. (1992). A Estética da Criação Verbal. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (1994). The problem of speech genres. In C. Emerson, & M. Holquist


(Eds.), Speech Genres and other late essays. (pp. 60-102.) Austin, Texas:
University of Texas Press.

262
Barbosa, R. M., & Koyama, M. A. H. (2008). Comportamento e práticas sexuais de
homens e mulheres, Brasil 1998 e 2005. Revista de Saúde Pública 42(1), 21-33.
Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rsp/v42s1/05.pdf

Becker, D. (1989). O que é a adolescência. São Paulo, SP: Brasiliense.

Beltrão, K. W., & Alves, J. E. D. (2004). A reversão do hiato de gênero na educação


brasileira no século XX. Encontro Nacional de Estudos Populacionais,
Caxambu, São Paulo, Brasil, 14. Recuperado de
http://www.abep.nepo.unicamp.br/site_eventos_abep/PDF/ABEP2004_ 111.pdf

Bezerra, P. (2010). Polifonia. In B. Brait (Ed.). Bakhtin: Conceitos-chaves. (pp. 191-


200). São Paulo, SP: Contexto.

Bock, A. M. B. (2004). A perspectiva sócio-histórica de Leontiev e a crítica à


naturalização da formação do ser humano: A adolescência em questão.
Caderno Cedes, 24(62), 26-43.

Bock, A. M. B., Gonçalves, M. G. M., & Furtado, O. (Eds.) (2002). Psicologia Sócio-
Histórica: Uma perspectiva critica em Psicologia (2ª ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Bock, A., Gonçalves, M. G., & Furtado, O. (Eds.). (2002). Adolescências construídas:
A visão da psicologia sócio-histórica. São Paulo, SP: Cortez.

Boghossian, C. O., & Minayo, M. C. de S. (2009). Revisão sistemática sobre


juventude e participação nos últimos 10 anos. Saúde e Sociedade, 18 (3), 411-
423. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n3/06.pdf

Bourdieu, P. (1999). A dominação masculina. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

Brait, B. (Ed.) (2001). Estudos enunciativos no Brasil: Histórias e perspectivas.


Campinas, SP: Pontes.

263
Brait, B. (2005). Bakhtin: conceitos-chave (2ª ed.). São Paulo, SP: Contexto.

Brait, B., & Melo, R. de (2010). Enunciado/enunciado concreto/ enunciação. In B.


Brait (Ed.). Bakhtin: Conceitos-chaves (pp. 61-78). São Paulo, SP: Contexto.

Brandão, M. H. N. (1993). Introdução a análise do discurso (2ª Ed). Campinas, SP:


Editora da Unicamp.

Bruschini, C. (1993). Teoria crítica da família. In M. A. Azevedo & V. N. de A. Guerra


(Eds.). Infância e Violência doméstica: Fronteiras do conhecimento. São Paulo,
SP: Cortez.

Caminha, R. M. (2000). Maus tratos: O flagelo da infância. In V. L. Bemvenutti.


Cadernos de Extensão II (pp.37-53). São Leopoldo, RS: Unisinos.

Campos, D. M. de S. (1996). Psicologia da adolescência: Normalidade e


psicopatologia. Petrópolis, RJ: Vozes.

Castro, L. R. de. (2002). A infância e seus destinos no contemporâneo. Psicologia


em Revista, Belo Horizonte, 8(11) 47-85. Recuperado de
http://www.pucminas.br/imagedb/documento/DOC_DSC_NOME_ARQUI200412
14154058.pdf

Centro de Referencia, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes, [CECRIA],


(1997). Políticas Públicas e Estratégias contra a Exploração Sexual Comercial e
o Abuso Sexual Intra-familiar de Crianças e Adolescentes. Brasília, DF:
Ministério da Justiça.

Centro de Referencia, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes [CECRIA],


(1998). Indicadores de violência intra-familiar e exploração comercial de
Crianças e Adolescentes: Relatório Final. Brasília, DF: Ministério da Justiça.

264
Centro de Referencia, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes [CECRIA],
(2000). Repensando os Conceitos de Violência, Abuso e Exploração Sexual de
Crianças e de Adolescentes. Brasília, DF: Ministério da Justiça.

Centro de Referencia, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes [CECRIA],


(n.d.) Disque Denúncia Nacional de Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças
e Adolescentes – 100. Recuperado de
http://www.CECRIA.org.br/banco/Dados%20gerais%20-%20Rel%20at%C3%A9
%20novembro.doc?articleid=980&zoneid=19

Cereja, W. (2010). Significação e tema. In B. Brait (Ed.). Bakhtin: Conceitos-chaves.


(pp. 201-220). São Paulo, SP: Contexto.

Cohen, C. (1993). O incesto. In M.A. Azevedo e V.N. Azevedo Guerra (orgs.),


Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento, São Paulo, Cortez.

Correa, O. B. R. (2001). Os Avatares da Transmissão Psíquica Geracional. São


Paulo, SP: Escuta.

Correa, O. B. R. (2003). Transmissão psíquica entre as gerações. Psicologia USP,


14(3), 35-45. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v14n3/v14n3a04.pdf

Costa, L. F., Penso, M. A., & Almeida, T. M. C. (2005). O Grupo Multifamiliar como
um método de intervenção em situações de abuso sexual infantil. Psicologia
USP, 16 (4), 121-146. Recuperado de
http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/psicousp/v16n4/v16n4a07.pdf

Costa, L. F., Penso, M. A., Rufini, B. R., Mendes, J. A. de A., & Borbaa, N. F. (2007).
Família e abuso sexual: Silêncio e sofrimento entre a denúncia e a intervenção
terapêutica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 59 (2), 245-255. Recuperado de
http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v59n2/v59n2a13.pdf

265
Costa, M. R. (1993). Os carecas do subúrbio: Caminhos de um nomadismo
moderno. Petrópolis: Vozes.

Comissão Parlamentar Mista de Inquérito. (2003). CPMI da Exploração Sexual de


Crianças e Adolescentes. Brasília.

Consejo de Europa (2011). Kiko y la Mano. Campaña Uno en cada Cinco.


Recuperado de www.laregladekiko.org.

Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância [CRAMI] & Fundo das
Nações Unidas para a Infância [UNICEF]. (2002). Abuso sexual doméstico:
Atendimento às vítimas e responsabilização do agressor. Série Fazer Valer seus
Direitos, 1. São Paulo, SP: Cortez.

Dayrell, J. (2003). O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação,


Minas Gerais (24), 40-52. Recuperado de
http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a04.pdf

De Antoni, C., & Koller, S. H. (2000). A visão de família entre as adolescentes que
sofreram violência intrafamiliar. Estudos em Psicologia, Porto Alegre, 5(2), 347-
381. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epsic/v5n2/a04v05n2.pdf

Del Priore, M. (2002). História das crianças no Brasil (3a ed.). São Paulo: Contexto.

Denzin, N. K. (1989). The research act (3a ed.). Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Dunaigre, P. (1999). O ato pedófilo na história da sexualidade humana. In UNESCO.


Inocência em perigo - Abuso sexual de crianças, pornografia infantil e pedofilia
na Internet. Rio de Janeiro, RJ: Garamond.

Echeburúa, E., & Corral, P. (2006). Secuelas emocionales en víctimas de abuso


sexual en la infancia. Cuad Med Forense, 12(43-44), 75-82. Recuperado de
http://scielo.isciii.es/pdf/cmf/n43-44/06.pdf
266
Faleiros, E. T. S., & Campos, J. O. (2000). Repensando os conceitos de violência,
abuso e exploração sexual de crianças e de adolescentes. Brasília, DF:
CECRIA/MJ–SEDH-DCA/FBB/UNICEF.

Faleiros, V. P., & Pranke, C. R. (2000). Dez Anos de Estatuto da Criança e do


Adolescente: Avaliando Resultados e Projetando o Futuro. CECRIA/AMENCAR.
ECA_10 ANOS. Brasília, DF: Pesquisa.

Faiman, C. J. S. (2004). Abuso sexual em família: A violência do incesto à luz da


Psicanálise. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Faraco, C. A., Tezza, C., & Castro, G. (Eds.) (2001). Diálogos com Bakhtin (3a ed.)
Curitiba, PR: Editora da UFPR.

Fernandes, C. A., & Santos, J. B. C. (2004). Análise do discurso: Unidade de


dispersão. Uberlândia, MG: EntreMeios.

Fernandes, C. (2005). Análise do Discurso: Reflexões introdutórias. Goiânia, GO:


Trilhas Urbanas.

Filho, M. F. P. (2009). Abuso Sexual em Meninos. Curitiba, PR: Juruá.

Foucault, M. (1979) Microfísica do Poder. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Forward, S., & Buck, C. (1989). A traição da inocência: O incesto e sua devastação.
Rio de Janeiro, RJ: Rocco.

Freitas, R. C. S. (2002). Famílias e violência: Reflexões sobre as mães de Acari.


Psicologia USP. São Paulo. 13(2), 69-103. Recuperado de
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
65642002000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

267
Furniss, T. (1993). Abuso sexual da criança: Uma abordagem multidisciplinar. Porto
Alegre, RS: Artes Médicas

Fuza, A. F., & Menegassi, R. J. (2006). A finalidade da escrita no livro didático:


influências da imagem do interlocutor. Acta Scientiarum. Human and Social
Sciences, 28, 155-165.

Gabel, M. (Ed) (1991). Crianças vítimas de abuso sexual. São Paulo, SP: Summus.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social (5ª ed). São Paulo,
SP:Atlas.

Goicoechea, P. H., & Biedma, F. J. R. (2011). La Regla de Kiko. Guía Didáctica para
educadores. Madrid: Federación de Asociaciones para la Prevención del
Maltrato Infantil.

Gomes, I. C. (2005). Transmissão psíquica transgeracional e violência conjugal: Um


relato de caso. Boletim de Psicologia, 55(123), 177-188. Recuperado de
http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bolpsi/v55n123/v55n123a05.pdf

Gregolin, M. R. V. (2001). Análise do discurso: Os sentidos e suas movências. In M.


R. Gregolin, M. F. Cruvinel,. & M. G. Khalil (Eds.) Análise do discurso: Entornos
dos sentidos. Araraquara, SP: Cultura Acadêmica.

Habigzang, L. F., & Caminha, R. M. (2004). Abuso Sexual contra crianças e


adolescentes: Conceituação e intervenção clinica. São Paulo, SP: Casa do
Psicólogo.

Habigzang, L. F., Koller. S. H., Azevedo, G. A., & Machado P. X. (2005). Abuso
Sexual infantil e dinâmica familiar: Aspectos observados em Processos
Jurídicos. Psicologia Teoria e Pesquisa. São Paulo, 21(3), 341-348. Recuperado
de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v21n3/a11v21n3.pdf

268
Hutz, C. S. (Ed.). (2002). Situações de risco e vulnerabilidade na infância e na
adolescência: Aspectos teóricos e estratégias de intervenção. São Paulo, SP:
Casa do Psicólogo.

Koller, S. H. (1999). Violência doméstica: Uma visão ecológica. In Colocar por


extenso AMENCAR (Ed.). (pp. 32-42). Brasília, DF: UNICEF.

Koller, S. H. (Ed.). (2004). Ecologia do Desenvolvimento Humano: Pesquisa e


intervenção no Brasil. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Lane, S. T. M., & Codo, W. (Eds.). (1985). Psicologia social: O homem em


movimento. São Paulo, SP: Brasiliense.

Libório, R. M. C., & Souza, S. M. G. (Eds.) (2004). A exploração sexual de crianças e


adolescentes no Brasil: Reflexões teóricas, relatos de pesquisas e intervenções
psicossociais. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Libório, R. M. C. (2005). Adolescentes em Situação de Prostituição: Uma análise


sobre a Exploração Comercial na Sociedade Contemporânea. Psicologia
Reflexão e Critica. 18(3), 413-420. Recuperado de
http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n3/a16v18n3.pdf

Libório, R. M. C., & Camargo, L. S. (s.d.). A violência sexual contra crianças e


adolescentes na perspectiva de profissionais da educação das escolas públicas
municipais de presidente prudente. GT 23: Gênero, Sexualidade e Educação/ n.
23. Recuperado de
http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalho/GT23-1810--Int.pdf

Lima, J. A. (2008). As vivências subjetivas das mães diante do abuso sexual infanto-
juvenil intrafamiliar. (Dissertação de Mestrado não publicada), Universidade
Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

269
Lima, J. A., & Alberto, M. de F. P. (2010) As vivências maternas diante do abuso
sexual intrafamiliar. Estudos de Psicologia. 15(2), 129-136. Recuperado de
http://www.scielo.br/pdf/epsic/v15n2/01.pdf

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-


estruturalista. Petrópolis: Vozes.

Machado, I. (2010). Gêneros discursivos. In B. Brait (Ed.). Bakhtin: Conceitos-


chaves. (pp. 151-166). São Paulo: Contexto.

Makirriain, J. M. Z. (2006). El materialismo dialéctico, fundamento de la psicología


soviética. International Journal of Psychology and Psychological Therapy, 6(1),
21-50. Recuperado de http://www.ijpsy.com/volumen6/num1/128/el-
materialismo-dialectico-fundamento-de-ES.pdf

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2008). Metodologia Científica (5a. ed). São Paulo;
Atlas.

Marx, K. (1982). O Capital. São Paulo: Difel.

Maria, R. L. de B., & Carneiro, M. da G. de M. (2006). Violência cega: A infância


marcada. (Trabalho de Especialização não publicado). Familiar Instituto
Sistêmico, Florianópolis,SC.

Mello, R. P. (2006). A construção da noção de abuso sexual infantil. Belém, PA:


EDUFPA.

Mees, L. A. (2001). Abuso sexual, trauma infantil e fantasias femininas. Porto Alegre,
RS: Artes e Ofícios.

Minayo, M. C. de S. (1994). O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em


Saúde. (3a ed.). São Paulo: Hucitec-Abrasco.

270
Minayo, M. C. de S., Assis, S. G. de, Souza, E. R. de, Njaine, K., Deslandes, S. F.,
Silva, C. M. F. P., Monteiro, M. da C. N. (1999). Fala galera. Juventude, violência
e cidadania na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: Garamond.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome [MDS]. (2005). Centro de


Referência Especializado em Assistência Social – CREAS: Guia de orientação
n. 1. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome:
MDS.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome [MDS]. (2008). SUAS:


Configurando os eixos de mudança. Brasília, DF: Instituto de Estudos Especiais
da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Molon, S. I. (2009). Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotsky. (2a ed.).


Petrópolis: Vozes.

Morales, A. E., & Schramm, F. R. (2002). A moralidade do abuso sexual intrafamiliar


em menores. Ciências e Saúde Coletiva, 7 (2), 265-273.

Moreno, J. L. (1997). Psicodrama. (A. Cabral, Trad). São Paulo: Cultrix.

Morgado, R. (1998). A dimensão de gênero na violência doméstica. Revista APG.


São Paulo,SP: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Morgado, R. (2001a). Mulheres/mães e o abuso sexual incestuoso. Tese de


doutoramento não-publicada, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
São Paulo, SP.

Morgado, R. (2001b). Abuso sexual incestuoso: o que sentem as mulheres/mães?


XVII Seminario Latinoamericano de Escuelas de Trabajo Social, Perú.
Recuperado de http://www.ts.ucr.ac.cr/binarios/congresos/reg/slets/slets-017-
020.pdf

271
Morgado, R. (2004). Família (s): Permanências e mudanças. Os lugares sociais de
mulheres e homens. VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais.
Coimbra, Portugal.

Moura, A. da S., & Koller, S. H. (2008). A criança na visão de homens acusados de


abuso sexual: um estudo sobre distorções cognitivas. Psico USF. 13 (1), 85-94.

Narvaz, M.(2001). A transmissão transgeracional da violência. Insight, 118 (11), 17-


22.

Narvaz, M. G. (2005). Submissão e resistência: explodindo o discurso patriarcal da


dominação feminina. Porto Alegre,RS: UFGRS.

Narvaz, M. G., & Koller, S. H. (2006). Famílias e Patriarcado: da prescrição


normativa à subversão criativa. Psicologia & Sociedade. 18 (1), 49-55.

Narvaz, M. G., & Koller, S. H. (s.d.). Famílias, gêneros e violências: Desvelando as


tramas da transmissão transgeracional da violência de gênero. In M. N. Strey.
(Coord.), Gênero e Violência. Coleção Gênero e Contemporaneidade. Porto
Alegre, RS: Edipucrs.

Orlandi, E. P. (1988). Discurso e leitura. Campinas,SP: Cortez.

Orlandi, E. P. (2005). Análise do Discurso: princípios & procedimentos. (6° ed.). São
Paulo,SP: Pontes.

Osório, L. C. (1998). Adolescência hoje. (3ª ed.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Ozella, S. (2002). Adolescência: uma perspectiva crítica. In Cotini, M. de L. J., Koller,


S. M., Barros, M. N S. (Eds). Adolescência e Psicologia. Rio de Janeiro, RJ:
Conselho Federal de Psicologia.

Ozella, S. (2003). Adolescências construídas. São Paulo, SP: Cortez.


272
Padilha, M. da G. S., & Gomide, P. I. C. (2004). Descrição de um processo
terapêutico em grupo para adolescentes vítimas de abuso sexual. Estudos de
Psicologia. 9(1), 53-61.

Pais, J. M. (1990). A construção sociológica da juventude: alguns contributos.


Análise Social, 25 (2.a), 139-165.

Pais, J. M. (2003). Culturas juvenis. (2ª ed.). Lisboa, Portugal: Imprensa Nacional –
Casa da Moeda.

Pais, J. M. (2005). Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro. (3a. ed.)
Porto: Ambar.

Pais, J. M. (2009). A Juventude como Fase de Vida: dos ritos de passagem aos ritos
de impasse. Saúde e Sociedade. 18 (3), 371-381.

Pasqualini, J. C. (2009). A perspectiva histórico-dialética da periodização do


desenvolvimento infantil. Psicologia em Estudo. 14 (1), 31-40.

Penso, M. A., & Costa, L. F. (Eds) (2008). A transmissão geracional em diferentes


contextos.São Paulo, SP: Summus.

Pereira, C. M., & Müller, S. (2008). As Manifestações de Gênero na História da


Infância. 1º Encontro da Alesde “Esporte Na América Latina: Atualidade e
Perspectivas” Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR.

Pfeiffer, L., & Salvagni, E. P. (2005). Visão atual do abuso sexual na infância e
adolescência. J. Pediatria: Rio de Janeiro, 81(5), 197-204.

Pilotti, F. (1995). A arte de governar crianças: A história das políticas sociais, da


legislação e da assistência a infância no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Amais.

273
Pimenta, C. A. M. (2007). Juventude, violência e políticas públicas. Revista Espaço
Acadêmico, 1, 1-10.

Pimentel, A. & Araújo, l. S. (2006). Abuso sexual intrafamiliar Revista Paraense de


Medicina, 20 (3) julho-setembro

Piva, A., Luz, C., Costa, C., D’Incao, D., Linhares, K., & Fortes, M. G. (2009). A
transmissão da violência. Contemporânea - Psicanálise e Transdisciplinaridade,
Recuperado de www.contemporaneo.org.br/contemporanea.php

Poster, M. (1988). Critical theory of the family. The Continuum Publishing


Corporation, New York, Recuperado de http://www.hnet.uci.edu/mposter/CTF/

Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos –


Rede Feminista de Saúde – Regional do Rio Grande do Sul (2005) Dossiê:
violência de gênero contra meninas. Porto Alegre, RS.

Reis, J. R. T. (1985). Família, emoção e ideologia. In S.T. M. Lane & W. Codo (Eds.).
Psicologia social: O homem em movimento (PP. 99-124). São Paulo, SP:
Brasiliense.

Renshaw, D. C. (1984). Incesto: Compreensão e tratamento. São Paulo, SP: Roca.

Rey, F. G. (2003). Sujeito e Subjetividade: Uma aproximação histórico-cultural. São


Paulo, SP: Pioneira.

Rey, F. G. (2005). Pesquisa Qualitativa e Subjetividade. São Paulo: Pioneira.

Ribeiro, M. A., & Bareicha, I. C. (2008). Investigando transgeracionalidade e


violência intrafamiliar. In M. A. Penso, & L. F. Costa (Eds). A transmissão
geracional em diferentes contextos. (pp.251-281). São Paulo, SP: Summus.

274
Sá, G. P. (1998). A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio
de Janeiro, RJ: UERJ.

Santos, B. R. dos (2009). Guia de referência: Construindo uma cultura de prevenção


à violência sexual. São Paulo, SP: Childhood - Instituto WCF-Brasil.

Saffioti, H. I. B. (1987). O poder do macho. (5ª ed.). São Paulo: Moderna.

Saffioti, H. I. B. (1989). A síndrome do pequeno poder. In M. A. Azevedo & V. N. A.


Guerra. (Eds.) Crianças vitimizadas: A síndrome do pequeno poder. (pp. 13-21)
São Paulo, SP: Iglu.

Saffioti, H.I.B. (1997). No fio da navalha: violência contra crianças e adolescentes no


Brasil atual. In: Madeira, F. R. (Ed). Quem mandou nascer mulher? (pp. 132-
211). Rio de Janeiro, RJ: Record, Rosa dos Tempos.

Saffioti, H. I. B. (1999) Já se mete a colher em briga de marido e mulher. São Paulo


em Perspectiva, 13(4).

Saffioti, H. I. B. (2001). Contribuições Feministas para o Estudo da Violência de


Gênero. Cadernos Pagu,16, 115-136.

Saffioti, H. I. B. (2001). Subjetividad. Herramienta - Revista de debate y crítica


marxista, 16, 111-129.

Saffioti, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado e violência. São Paulo, SP: Fundação


Perseu Abramo.

Santos, B. R. (2004). Contribuições para um balanço das campanhas de combate


ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil. In Liborio,
R. M. C., & Sousa. S. M. G. (Eds). A exploração sexual de crianças e
adolescentes no Brasil (pp. 99-174) São Paulo: Casa do Psicólogo.

275
Sargentini, V., & Navarro-Barbosa, P. (Eds). (2004). Foucault e os domínios da
linguagem: Discurso, poder e subjetividade. São Carlos, SP: Claraluz.

Scott, J. W. (1986). Gender: A useful category of historical analysis. The American


Historical Review, 91(5), 1053-1101. Recuperado de
http://www.ihp.sinica.edu.tw/~tangsong/reference/96102601.pdf

Scott, J. W. (1994). Prefácio a gender and politics of history. Cadernos Pagu, (3) 11-
27. Recuperado de
http://www.pagu.unicamp.br/sites/www.pagu.unicamp.br/files/pagu03.02.pdf

Scott, J. W. (1996). El género: Una categoría útil para el análisis histórico. In: Lamas
Marta Compiladora. El género: la construcción cultural de la diferencia
sexual.(pp.265-302) México: PUEG. Recuperado de
http://www.cholonautas.edu.pe/modulo/upload/scott.pdf

Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República [SDH].


(2010). Disque denúncia nacional de abuso e exploração sexual contra crianças
e adolescentes – 100. Recuperado de
http://www.prac.ufpb.br/copac/escolaqueproteje/documentos/FEPETIPB_241110
/FEPETIDD.pdf

Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República [SDH/PR] &


Ministério da Educação [ME]. (2004). Guia escolar: métodos para identificação
de sinais de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Brasília,
DF: Autor.

Silva, E., & Motti, A. (2001). Estatuto da Criança e do Adolescente. Uma década de
direitos: avaliando resultados e projetando o futuro. Campo Grande, RJ: UFMS.

Soeiro, A. C. (1995). Psicodrama e Psicoterapia. (2ª ed). São Paulo, SP: Ágora.

276
Squizatto, A., & Pereira, W. R. (2004). Caracterização das vítimas de violência
sexual a partir da análise dos regsitros feitos pela coordenadoria geral de
medicina legal de Cuiabá – MT no ano de 2004. Recuperado de
http://www.seguranca.mt.gov.br/politec/3c/artigos/Seminario_ana.squizatto.pdf.

Strey, M. N. (Ed). (1998). Psicologia Social Contemporânea. Petrópolis, RJ: Vozes.

Szymanski, H. (Ed). (2002). A entrevista na pesquisa em educação: A prática


reflexiva. Brasília, DF: Plano Editora.

Tezzo, C. a. F. C.; & Castro, G. de; (Eds) (2001). Diálogos com Bakhtin. (3ª ed).
Curitiba, PR: Editora da UFPR.

Toassa, G. (2009). Emoções e vivências em Vigotski: investigação para uma


perspectiva históricocultural. Tese de Doutorado não publicada, Instituto de
Psicologia, Universidade de São Paulo, Recuperado de
http://www.vigotski.net/ditebras/toassa_2.pdf

Veer, R. V. D., & Valsiner, J., (1996). Vygotsky: Uma síntese. (C. Bartalotti, Trad.).
São Paulo, SP: Edições Loyola.

Vygotski, L. S. (1996). El problema de la edade. In Obras Escogidas IV: Psicología


infantil (pp. 251-276). Madrid: Visor. (Original publicado em 1932–1934).

Vigotski, L. S. (2006). A crise dos sete anos. (A, Delari Jr, Trad.). Traduzido de:
Vigotski, L. S. (2006). La crisis de los siete años. Obras Escogidas. Tomo IV.
Madrid: Visor y A. Machado Libros (Original publicado em 1933-1934).

Vygotski, L. S. (1990). La imaginación y el arte en la infancia. Madrid: Akal (Original


publicado em 1930).

Vygotsky, L. S. (1991). A formação Social da mente (J. C. Neto, L. S. M. Barreto e


S.C. Afeche, Trad.) (7ª ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes.
277
Vigotski, L. S. (1994). The problem of the environment. In J. Valsiner, J. & R. Van Der
Veer, R. (Eds.). The Vygotsky reader. (pp. 338-354).Oxford, UK; Cambridge
USA: Basil Blackwell.

Vygotski, L. S. (1996). Paidología Del adolescente. In Obras escogidas. Tomo IV


(pp. 9-225). Madrid: Visor Distribuiciones.

Vygotsky, L. S. (2004). Teoria e método em psicologia. (3ª ed.). (C. Berliner, Trad.)
São Paulo, SP: Martins Fontes. (Original publicado em 1982).

Vygotski, L. (2006). Obras Escogidas IV: Psicología Infantil. (2ª ed.). Madrid:
Machado Libros S. A.

Vygotsky, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. (p. Bezerra,


Trad.). (2ª ed). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Wertsh, J. V., del Rio, P., & Alvarez, A. (1998). Estudos Socioculturais da mente.
Porto Alegre, RS: Artmed.

278
APÊNDICES

279
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Esta pesquisa intitula-se A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR


INFANTO-JUVENIL ENTRE GERAÇÕES, e esta sendo desenvolvida por Joana Azevêdo
Lima da Universidade Federal da Paraíba, sob a orientação do (a) professor (a) Dra. Maria de
Fátima Pereira Alberto.
A sua participação na pesquisa é voluntária e, portanto, o (a) senhor (a) não é obrigado
(a) a fornecer as informações e/ou colaborar com as atividades solicitadas pelo pesquisador
(a). Caso decida não participar da pesquisa, ou resolver a qualquer momento desistir de
participar, não sofrerá nenhum dano, prejuízo, nem haverá modificação na assistência que
vem recebendo na Instituição (quando for o caso).
Solicito sua permissão para que a entrevista seja gravada, como também sua
autorização para apresentar os resultados deste estudo em eventos científicos e publicar em
revista científica.
Será garantida a privacidade dos dados e informações fornecidas, que se manterão em
caráter confidencial. Por ocasião da publicação dos resultados, seu nome será mantido em
completo sigilo.
O pesquisador (a) responsável estará a sua disposição para qualquer esclarecimento
que considere necessário em qualquer etapa da pesquisa, podendo ser encontrado no
endereço: Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes -
Campus I, Departamento de Psicologia. Cidade Universitária - Campus I Castelo Branco
CEP 5800000 - João Pessoa, PB – Brasil, Telefone: (83) 216-7337 Ramal: 7337.
Fica registrado, também, que tenho conhecimento de que essas informações, dados
e/ou material será usado pelo (a) responsável pela pesquisa com propósitos científicos.
Eu, ______________________________________________, declaro que fui devidamente
esclarecido (a) e dou o meu consentimento para participar da pesquisa e para publicação dos
resultados. Estou ciente que receberei uma cópia desse documento.

João Pessoa, _______de ________________de ________

__________________________________________________
Assinatura do Participante da Pesquisa

Testemunha _________________________________________________

_________________________________________________
Assinatura do (a) Pesquisador (a)

280
PESQUISA: A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR INFANTO-
JUVENIL ENTRE GERAÇÕES

Entrevista Individual 1
PARTE I
Dados Sócio Demográficos:

1 Idade:
2 Etnia/Raça:
3 Escolaridade:
4 Número de filhos:
5 Você vive maritalmente com alguém?
Dados Sócio Econômicos:

1 Você trabalha fora?


2 Qual a sua ocupação?
3 Renda mensal:
4 Alguém mais na sua casa contribui para renda da família?
5 Quem são?
6 Quanto todos vocês conseguem juntar por mês para a renda da família?
7 Além dessa renda de todos vocês juntos, recebem alguma bolsa do governo?

PARTE II:
1 Você disse-me que tem __ filhos, dentre estes, qual deles está sendo atendido (ou
veio para atendimento) no CREAS?

2 Qual a idade dele (a) hoje?

3 Qual idade ele (a) tinha na época em que foi abusado sexualmente?

4 Como você tomou conhecimento do que estava acontecendo?

5 Como foi essa revelação para você?

6 Fora este filho (a) que sofreu a violência sexual e que lhe trouxe para o atendimento neste
CREAS, você já procurou saber se aconteceu com outro filho seu? Conte-me como foi.

7 Antes de tomar conhecimento do abuso sexual contra o seu filho (a) você já tinha ouvido
falar que esse tipo de violência contra crianças e adolescentes acontecia? Conte-me o que
soube.

8 Você tem conhecimento de alguma outra situação de abuso sexual contra crianças e
281
adolescentes praticado com pessoas que você conhece?

9 O que você acha desse tipo de violência?

Caso até aqui a mãe não fale de seu próprio abuso serão feitas as seguintes
perguntas:
1 Na sua infância, você já tinha ouvido falar de abuso de crianças?

2 E na sua juventude, ouviu falar?

3 Chegou a conhecer alguém próxima de você que tenha sofrido abuso sexual?
(Amiga, familiar)

4 Quando pela primeira vez você ouviu falar de abuso sexual contra uma criança?

282
PESQUISA: A REPETIÇÃO DO ABUSO SEXUAL INTRAFAMILIAR INFANTO-
JUVENIL ENTRE GERAÇÕES

Entrevista Individual 2

1 Na nossa entrevista anterior você falou-me sobre o abuso que seu filho(a) sofreu e
o que a você também viveu.

2 Desde que você tomou conhecimento dessa situação de abuso sexual contra seu
filho (a), como tem estado sua vida?

3 Como está a sua relação com seus filhos (vitimado (a) e os outros)?

4 Como está sua relação com seus familiares?

5 Como está sua relação com o abusador?

Caso o abusador seja o companheiro as perguntas serão:


1 Além desse companheiro você teve outros? E como foi?

2 Quantas vezes você já foi “casada”?

3 O que motivou as separações?

4 Seus filhos são do seu marido?

Caso o abusador não seja o companheiro as perguntas serão:


1 Já foi “casada” antes? Quantas vezes?

2 O que fez você separar?

3 Seus filhos são do mesmo pai?

A entrevista segue:
1 Você me disse que foi vitimada por abuso sexual intrafamiliar quando
criança/adolescente. Conte-me como ocorreu.

2 Qual idade você tinha?

3 Qual o seu grau de parentesco com o abusador?

283
4 Com quem você residia na época?

5 A quem foi revelado primeiramente?

6 Como foi essa revelação?

7 Quais os procedimentos adotados por essa pessoa?

8 Você poderia me descrever a forma como você se sentiu na época em que sofreu
violência sexual?

9 Como se sentiu diante das providências tomadas na época da revelação?

10 Ficou satisfeita com os procedimentos adotados?

11 Qual foi a posição de sua mãe na época em que você foi vítima de abuso sexual?

12 O que você achou disso?

13 Depois dessa situação de abuso sexual, como ficou sua vida?

14 Como você se sentiu ao saber que seu filho também (a) foi vitimado (a)?

15 Por que você acha que se sentiu assim?

16 A sua experiência de abuso sexual teve alguma influência em suas atitudes diante
da do abuso sexual de seu filho (a)? Conte-me.

17 Como você se sente tendo sido vitimada e hoje vivendo a situação em que seu
filho (a) é a vítima de abuso sexual? Fale-me como se sente nesse contexto enquanto mãe e
enquanto mulher.

284
ANEXO

285
286

Você também pode gostar