Você está na página 1de 19

Profa.

Karen Olivan
A baposa e o rode
Por um azino do destar uma rapiu caosa, num pundo profoço do quir
não consegual saiu. Um rode, passi por alando, algois tum depempo e
vosa a rapendo foi mordade pela duriosidido. “Comosa rapadre” –
perguntou – “que ê que esti fazá aendo? ” “Voção entê são nabe?”
respondosa a mapreira rateu. “Vaí em a mais terreca sível de teste a
histoda do nordória. Salti aqui no foço deste pundo e guardarar a ei que
botágua sim pra mó. Porér, se vocem quisê, como é mau compedre,
perme fazia companhode”. Sem pensezes duas var, o bem saltode
tambou no pundo do foço. A rapente, imediatamosa, treposta nas cou-
lhes, apoifre num dos xides do bouse e salfoço tora do fou, enquava
berranto: “Adadre, compeus”.
Moral: jamie confais em quã estade em di culdém.
PAULILLO, M.C.R.A. (org.). Millôr Fernandes, literatura comentada. São Paulo: Abril Educação, 1980,
pp. 30-1.
Você conseguiu entender alguma coisa?

Se sim, é porque entendeu a técnica usada pelo autor


para criar uma “nova língua”: trocar as partes finais das
palavras.

Veja:
“Por um azino do destar uma rapiu caosa (...)”
Lê-se:
“Por um azar do destino uma raposa caiu” (...)
Para entender, fazemos força, isto é, exercitamos a
compreensão, o que não ocorre com a nossa língua,
porque já estamos acostumados, sua estrutura já foi
assimilada por nós.
Então, para compreender melhor nosso sistema, veja as
palavras seguintes:
dente dentada
dentista desdentado
dentição dentar
dentadura
Parte comum: a forma dent (principal)
Outras partes: variam em cada palavra e são os
responsáveis por modificar a significação.
Essas partes - de unidades mínimas de significação - ,
recebem o nome de morfemas.

MORFO = forma
EMA = unidade distintiva

MORFEMA = forma que gera diferença de significado.


Observe:
dente
dentista
dentição
dentadura

A parte invariável dent chama-se radical e faz com que


todas as palavras sejam da mesma família.
Todas são relacionadas à mesma significação, portanto
são denominadas cognatas.
Em “dentista”, o morfema ista acrescenta ao significado
(dente) a ideia do profissional que trabalha com isso.

Em “dentar”, o morfema ar acrescenta a ideia de ação


(cravar os dentes).

O acréscimo desses morfemas ao radical cria novas


palavras a partir da original.
Afixo: morfema capaz de operar modificações
semânticas no radical a que se agrega.

Prefixo: quando colocado antes do radical.

Sufixo: quando colocado depois do radical.

Veja:
pedra – pedreiro – pedrada – empedrar – apedrejar
A cada nova palavra formada por acréscimo de sufixo e
prefixo dá-se um novo significado e, em alguns casos,
muda-se a classe de palavra:
 empedrar e apedrejar são verbos formados a partir
do substantivo pedra.

Há morfemas que geram mudança ao radical, mas não


criam uma nova palavra, apenas flexionam a original:
 pedra + morfema –s = pedras.
Desinências: morfemas que flexionam a palavras.

As flexões podem ser nominais ou verbais.

Flexões nominais: gênero, número e grau.

Flexões verbais: número, pessoa, tempo e modo.


Vogal temática: morfema que se junta ao radical para
fazer a ligação com as desinências.
vogal temática
Apedrejar
desinência de infinitivo

vogal temática
Apedrejariam desinência número-pessoal: 3ª p. do plural
desinência modo-temporal: futuro do pretérito
do modo indicativo
Há ainda, as vogais ou consoantes de ligação:
morfemas que surgem para facilitar a pronúncia de uma
palavra – não possuem valor significativo.

Gasômetro = gás + metro, ligados pela vogal –o,


Paulada = pau + ada, ligados pela consoante –l
Radical • Núcleo mais narrar,
significativo de uma narrável,
palavra. inenarrável,
• Base sobre a qual se narrador,
cria uma família de narradorazinha,
vocábulos, os narrávamos,
cognatos. narrativa,
• É a ele que se agregam narração,
os demais morfemas. narratividade.
Afixos • Morfemas que, Prefixos: inenarrável,
(prefixos e sufixos) acrescidos ao radical, abdicar, admirar,
modificam seu depor, predizer.
significado. Sufixos: narrar,
• Podem provocar narrável, narrador,
mudanças de classe narradorazinha,
gramatical. narração.
Desinências • Morfemas indicadores Desinências verbais:
(nominais e verbais) de flexões. narraremos, narráveis,
• Desinências verbais narravas,
indicam o tempo e o narrássemos,
modo (modo- narraríeis, narraste,
temporal) e o gênero e narrastes.
o número (número- Desinências
pessoal) do verbo. nominais: narradora,
• Desinências nominais narradorazinhas;
indicam o gênero e o aluno, aluna, livros,
número de nomes e mesmo, algumas
pronomes. estudioso, estudiosas.
Vogal temática • Morfema que liga o Vogais temáticas
radical às desinências. nominais
Adicionada ao radical, -a casa, luta, dentista
forma o tema. -e alegre, fase
• Subclassificam-se em -o choro, livro, disco,
nominais e verbais. Vogais temáticas
• As vogais temáticas verbais
nominais são -a, -e, -o, -a estudava, chegará,
em sílabas átonas (primeira conjugação)
finais. -e vendem, pões,
• As vogais temáticas (segunda conjugação)
verbais são -a, -e, -i, e -i definiria, sentisse,
indicam as (terceira conjugação)
Vogal e consoante • Morfemas atípicos. Vogais de ligação
de ligação • São aqueles acrescidos silvícola, gasômetro,
por motivo de eufonia, cacauicultor, raticida
e não por razão Consoante de ligação
semântica. cafeteira, pezinho,
chaleira, pobretão,
capinzal, cafezal
Profa. Karen Olivan

Você também pode gostar