Você está na página 1de 2

Tribunal Judicial da Comarca de ·····

Proc. n.º 7 /15


1ª Secção de Execução - Juiz 2

Meritíssimo Juiz de Direito

Anastácio e Leontina, casados entre si, respectivamente NIF ····· e NIF ·····
residentes na Rua ·····, vêm deduzir oposição à presente execução,
mediante embargos de executado (Artigo 728.º nCPC), que lhe move o
condomínio do prédio sito na Rua ·····, o que fazem nos termos e com os
seguintes fundamentos:

1. Os ora opoentes são proprietários da fracção autónoma


designada pela letra "C" correspondente ao segundo andar do
prédio em regime de propriedade horizontal sito na Rua ·····, que
está descrito na Conservatória do Registo Predial de ·····, sob a
ficha n.º ·····, da freguesia de ····· (doc. 1 - certidão).

2. Ora sucede que a acta que serve de título executivo à presente


acção não foi assinada pelo ora opoente marido, pelo que
tratando-se duma reunião da assembleia de condóminos, que
deliberou o montante de contribuições ao condomínio seria
necessário que o fosse pelos condóminos que nela participaram,
que deixaram de pagar, nos termos do art. 1.º do Dec.-Lei n.o
268/94, de 25/10 - Cfr.ª Ac. TRP de 20 Mai. 1996, Proc. 297/96,
Rel.: Antero Ribeiro, Col. de Jur.,T. III/1996 (doc. 2).

3. Acresce que a acta em causa tem uma redacção de tal modo


sofrida que não contém sequer um rigor terminológico mínimo
para se poder concluir, sem margem para dúvidas, qual a
vontade da assembleia, pois revela-se ambígua, confusa e
ilíquida nos montantes que pretende cobrar (Ac. TRL de 3 Jul.
1997, Proc. 2123, Rel.: David Pinto Monteiro, Col. de Jur.,T.
IV/1997).
4. Depois, a deliberação em crise não estabelece qualquer prazo
para os pagamentos, nem fixa em concreto a quota parte de
cada condómino (Cfr.ª Ac. TRL de 25 Nov. 1999, Proc. 6682/99,
Rel.: João Moreira Camilo, Col. De Jur., T. V/1999).

5. Acresce que, do que se tenta perceber da acta análise verifica-se


que nessa deliberação não se prevê a constituição das
obrigações do condómino, apenas recorda e certifica as
obrigações já vencidas noutras anteriores (Ac. TRG de 12 Nov.
2003, Proc. 1849/03, Rel.: Vieira e Cunha, Col. de Jur.,n.o 170, T.
V/2003).

6. Finalmente a acta exequenda não relata quem serviu de


presidente nessa deliberação, o que constitui uma derrogação
do art.º Artigo 6.º/1 do Decreto-Lei n.º 268/94, de 25 de
Outubro.

7. Pelas razões acima expostas não reveste a acta em causa


idoneidade para servir de título executivo.

8. São fundamentos de oposição à execução baseada em sentença,


nomeadamente, a Inexistência ou inexequibilidade do título
[Artigo 729.º/a) do CPC].

Termos em que, nos mais de Direito que Vossa


Excelência doutamente suprirá deverá a
presente oposição ser julgada procedente por
provada e, concomitantemente, ser extinta a
presente execução.

Valor da Acção: o da execução.


Rol de testemunhas: nome, profissão e morada.
Junta: procuração forense, documento comprovativo do pagamento da
taxa de justiça, e 2 documentos.

O Advogado

Você também pode gostar