Você está na página 1de 30

1.4.

Gestão de Resíduos
Sólidos

Por: Sérgio Pinheiro

spinheiro89@gmail.com

1
Um dos princípios básicos da educação ambiental sobre a Gestão de
Resíduos é o conceito 3R’s:

• Reduzir - a redução pode ser aplicada quanto à quantidade de


resíduos que o cidadão gera, sobretudo o combate ao disperdício.

• Reutilizar - reaproveitar os mesmos objetos, usar embalagens


retornáveis e reaproveitar embalagens descartáveis.

• Reciclagem - permite a transformação de materiais que já não são


necessários em materiais úteis, diminuindo assim a utilização de
matérias-primas, isto quando não foi possivel a Redução e
Reutilização.
2
Recuperação de Recicláveis
• Os principais benefícios ambientais da reciclagem dos materiais existentes no lixo (plásticos,
papéis, metais e vidros) são:
 a economia de matérias-primas não-renováveis;
 preservação de recursos naturais;
 economia de energia nos processos produtivos;
 aumento da vida útil dos aterros sanitários.
 geração de emprego e renda;

3
Codigo de Cores Padrao para depositos de RS

4
CICLO DE GESTÃO DE RESÍDUOS "da Geração à Disposição"

5
Classificação dos residuos quanto aos riscos potenciais de
contaminação do meio ambiente:
• CLASSE I OU RESIDUOS PERIGOSOS – São aqueles que, em função de suas
características (inflamáveis, corrosivos, reactivos, tóxicos ou Patogénicos)
apresentam riscos à saúde pública quando despostos no meio ambiemte;

• CLASSE II OU NÃO INERTES – São os resíduos (combustível, biodegradaveis ou


maior solubilidade) com possibilidade de acarretarem riscos à saúde pública e
/ou ao meio ambiente.

• CLASSE III OU INERTES – São aqueles que, por suas características


intrínsecas, não oferecem nenhum tipo de riscos à saúde e ao meio
ambiente.

6
Tipos de coleta
• Existem dois tipos de metodos para a colecta de RS dependendo da finalidade:
• A coleta seletiva e/ou segregativa separa os materiais. A primeira separa segundo a fonte geradora, a
segunda separa segundo o tipo de material.
• Pode-se considerar coleta seletiva o recolhimento de material reciclável previamente separados na fonte de
geração.
• A coleta seletiva segregativa pode ser feita de porta a porta ou na forma dos PEVs (Pontos de entrega
voluntários).

7
Colecta diferenciada
• são realizadas quando nao se pretende fazer o pré-selecção e/ou
aproveitamentos dos RS reciclaveis, ou seja são depositados todos
residuos em mesmo deposito.

8
Rotas de coleta

9
TRATAMENTO DE RESÍDUOS
• TIPOS DE TRATAMENTO

• TRIAGEM OU SEGREGAÇÃO DE MATERIAIS - Consiste na separação manual de materiais


provenientes de resíduos, para definir a possibilidade de utilização dos mesmos para outro fins de
reciclagem.
A triagem somente é realizada em resíduos sólidos que podem ser reutilizados para alguma
finalidade.

• COMPOSTAGEM
Processo biológico pelo qual a matéria orgânica existente nos resíduos é convertida em outra, mais
estável, pela acção de microorganismos já presentes no próprio resíduo ou adicionados por meio de
inoculantes."
Para realização da compostagem deve-se separar os materiais orgânicos dos outros tipos de
resíduos, sendo somente economicamente vantajoso, se a matéria orgânica for coletada
separadamente.
• O QUE SE PODE COMPOSTAR ?
Biodegradáveis: papel, folhas, restos de alimentos, couro, tecido, madeira etc.
Não-degradáveis: plástico, vidro, metais, borracha, etc

10
TRATAMENTO DE RESÍDUOS (Cont.)
• RECICLAGEM
DEFINIÇÃO
Processo de recuperação e transformação em novos produtos, de materiais de difícil decomposição
como metais, papel, vidros e plásticos, com consumo de energia.
A reciclagem pode ser destinada a produção de materiais semelhantes aos originais, como é o caso
de garrafas de vidro produzidas a partir do vidro e outros, materias plasticos, papeis, ou ainda, para
produção de materiais diferentes dos originais.

11
Tratamento de resíduos domiciliares especiais
• Tratamento de resíduos da construção civil
A forma de tratamento dos resíduos da construção civil mais difundida é a segregação (ou "limpeza"), seguida
de trituração e reutilização na própria indústria da construção civil.
• O entulho reciclado pode ser usado como base e sub-base de rodovias, agregado na execução de estruturas
de edifícios, em obras de betão armado e em peças pré-moldadas.

• A reciclagem dos resíduos da construção civil apresenta as seguintes vantagens:


 Redução de volume de extração de matérias-primas;
 Conservação de matérias-primas não-renováveis;
 Correção dos problemas ambientais urbanos gerados pela deposição indiscriminada de resíduos de
construção em areas urbanas;
 Colocação no mercado de materiais de construção de custo mais baixo;
 Criação de novos postos de trabalho para mão-de-obra com baixa qualificação.

• Três factores devem ser considerados quando se está avaliando a implantação de um processo de reciclagem
de entulho em uma determinada região. Em ordem de importância, os três factores são:
 Densidade populacional
 Obtenção de agregados naturais:
 Nível de industrialização
12
Tratamento de resíduos domiciliares especiais (Cont.)
• Tratamento de pilhas e baterias
Uma vez que as pilhas e baterias são resíduos perigosos Classe I, seu
tratamento e destinação final são os mesmos descritos para os
resíduos industriais Classe I.

Tratamento de resíduos sólidos industriais Classe I


• É comum proceder ao tratamento de resíduos industriais com vista à
sua reutilização ou, pelo menos, torná-los inertes.
Contudo, dada a diversidade dos mesmos, não existe um processo
preestabelecido, havendo sempre a necessidade de realizar uma
pesquisa e o desenvolvimento de processos economicamente viáveis.

13
Tratamento de resíduos domiciliares especiais (Cont.)
• OUTROS PROCESSOS DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

• Em termos práticos, os processos de tratamento mais comum são:


 Neutralização, para resíduos com características ácidas ou alcalinas;

 Secagem ou mescla, que é a mistura de resíduos com alto teor de humidade com outros resíduos
secos ou com materiais inertes, como serragem;

 Encapsulamento, que consiste em revestir os resíduos com uma camada de resina sintética
impermeável e de baixíssimo índice de lixiviação;

 Incorporação, onde os resíduos são agregados à massa de betão ou de cerâmica em uma


quantidade tal que não prejudique o meio ambiente, ou ainda que possam ser acrescentados a
materiais combustíveis sem gerar gases prejudiciais ao meio ambiente após a queima;

 Processos de destruição térmica, como incineração e pirólise.

14
Tratamento de resíduos domiciliares especiais (Cont.)
• Tratamento de lâmpadas fluorescentes
Por causa de sua elevada toxicidade e da dificuldade em se proceder ao seu controle ambiental, as
lâmpadas fluorescentes devem ser recicladas ou geridas como se fossem lixo tóxico.

• Tratamento de pneus
Nos Estados Unidos, onde o consumo de pneus é um pouco superior a um pneu por habitante/ano
(300 milhões de pneus/ano), o destino mais utilizado é a queima dos pneus em usinas
termelétricas.

A queima de 4,5 milhões de pneus/ano na Usina de Modesto – Califórnia–, que gera 15 megawatts
usados em 14 mil residências, e também na Usina de Sterling – Connecticut –, que queima 10
milhões de pneus/ano, com geração de 30 megawatts, tem um custo operacional igual ao dobro do
custo das usinas movidas a carvão e cujo investimento alcançou US$100 milhões.

15
Tratamento de resíduos domiciliares especiais (Cont.)
• Tratamento de resíduos de portos e aeroportos
Não são empregados métodos de tratamento para esse tipo de resíduos.

• Tratamento de resíduos de serviços de saúde


O tratamento de resíduos de serviços de saúde por muito tempo esteve assente entre a incineração e a autoclavagem, já que, em
muitos países, a disposição em valas sépticas não é permitida.

• Os Equipamentos disponíveis para o tratamento de residuos de saúde são:


 Incineração:
- Incineradores de grelha fixa
- Incineradores de leito móvel
- Fornos rotativos
 Pirólise
 Autoclavagem
 Microondas
 Radiação ionizante
 Desativação eletrotérmica
 Tratamento químico
 Central de tratamento de resíduos de serviços de saúde

16
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde
• Incineração
Incineração é um processo de queima, na presença de excesso de oxigênio, no qual os materiais à base de
carbono são decompostos, desprendendo calor e gerando um resíduo de cinzas. Normalmente, o excesso de
oxigênio empregado na incineração é de 10 a 25% acima das necessidades de queima dos resíduos.

Um incinerador é um equipamento composto por duas câmaras de combustão onde, na primeira câmara, os
resíduos, sólidos e líquidos, são queimados a temperatura variando entre 800 e 1.000°C, com excesso de
oxigênio, e transformados em gases, cinzas e escória. Na segunda câmara, os gases provenientes da combustão
inicial são queimados a temperaturas da ordem de 1.200 a 1.400°C.

17
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde
• A pirólise também é um processo de destruição térmica, como a incineração, com a diferença de
absorver calor e se processar na ausência de oxigênio. Nesse processo, os materiais à base de
carbono são decompostos em combustíveis gasosos ou líquidos e carvão.
• Existem modelos de câmara simples, onde a temperatura gira na faixa dos 1.000°C, e de câmaras
múltiplas, com temperaturas entre 600 e 800°C na câmara primária, e entre 1.000 e 1.200°C na
câmara secundária.

18
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• A pirólise apresenta as sua vantagens e desvantagens

• Vantagens são:
Garantia da eficiência de tratamento, quando em perfeitas condições de
funcionamento;
Redução substancial do volume de resíduos a ser disposto (cerca de 95%).

• Suas principais desvantagens são:


Custo operacional e de manutenção elevado;
Manutenção difícil, exigindo trabalho constante de limpeza no sistema de
alimentação de combustível auxiliar, exceto se for utilizado gás natural;
Elevado risco de contaminação do ar, com geração de dioxinas e furanos a partir
da queima de materiais clorados existentes nos sacos de PVC e desinfetantes;
Risco de contaminação do ar pela emissão de materiais particulados;
Elevado custo de tratamento dos efluentes gasosos e líquidos.

19
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• AUTOCLAVAGEM
Originalmente utilizado na esterilização de material cirúrgico, este processo foi adaptado e
desenvolvido para a esterilização de resíduos.
Em linhas gerais, consiste em um sistema de alimentação que conduz os resíduos até uma câmara
estanque onde é feito vácuo e injetado vapor d'água (entre 105 e 150°C) sob determinadas
condições de pressão.

20
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• Esse processo de Autoclavagem apresentam algumas vantagens e
desvantagens seguintes:
• Vantagens:
Custo operacional relativamente baixo;
Não emite efluentes gasosos e o efluente líquido é estéril;
Manutenção relativamente fácil e barata.

• Em contrapartida, apresenta as seguintes desvantagens:


Não há garantia de que o vapor d'água atinja todos os pontos da massa de
resíduos, salvo se houver uma adequada trituração prévia à fase de
desinfecção;
Não reduz o volume dos resíduos, a não ser que haja trituração prévia;
Processo em batelada, não permitindo um serviço continuado de
tratamento.

21
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• MICROONDAS
Nesse processo os resíduos são triturados, umedecidos com vapor a 150ºC e
colocados continuamente num forno de microondas onde há um dispositivo para
revirar e transportar a massa, assegurando que todo o material receba
uniformemente a radiação de microondas.

22
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• O processo de tratamento apartir de microondas apresenta
vantagens e desvantagens seguintes:
• As vantagens desse processo são:
Ausência de emissão de efluentes de qualquer natureza;
Processo contínuo.

• As principais desvantagens são representadas pelos


seguintesaspectos:
Custo operacional relativamente alto;
Redução do volume de resíduos a ser aterrado obtida somente na
trituração.

23
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• RADIAÇÃO IONIZANTE
Nesse processo, os resíduos, na sua forma natural são expostos à ação de raios gama gerados por
uma fonte enriquecida de cobalto 60 que torna inativo os microorganismos.

24
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• O processo de RADIAÇÃO IONIZANTE apresenta as seguintes vantagens e
desvantagens:

• Suas vantagens referem-se:


À ausência de emissão de efluentes de qualquer natureza;
O facto de ser um processo contínuo.

• Esse processo apresenta as seguintes desvantagens em relação aos


processos anteriores:
Eficiência de tratamento questionável, uma vez que há possibilidades de
nem toda a massa de resíduos ficar exposta aos raios eletromagnéticos;
Necessidade de se dispor adequadamente a fonte exaurida de cobalto 60
(radioativa).

25
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• DESATIVAÇÃO ELETROTÉRMICA
Este processo consiste numa dupla trituração prévia ao tratamento, seguida pela exposição
da massa triturada a um campo elétrico de alta potência gerado por ondas
eletromagnéticas de baixa freqüência, atingindo uma temperatura final entre 95 e 98°C.

• Neste processo não há a emissão de efluentes líquidos, nem gasosos, e a redução de


volume só é obtida pelo sistema de trituração.

• As vantagens e desvantagens deste processo são as mesmas do processo de microondas


• As vantagens desse processo são:
Ausência de emissão de efluentes de qualquer natureza;
Processo contínuo.

• As principais desvantagens são representadas pelos seguintesaspectos:


Custo operacional relativamente alto;
Redução do volume de resíduos a ser aterrado obtida somente na trituração.
26
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• TRATAMENTO QUÍMICO
Neste processo os resíduos são triturados e logo após mergulhados numa solução desinfetante que
pode ser hipoclorito de sódio, dióxido de cloro ou gás formaldeído. A massa de resíduos permanece
nesta solução por alguns minutos e o tratamento ocorre por contato direto.
Antes de serem dispostos no contentor de saída, os resíduos passam por um sistema de secagem,
gerando um efluente líquido nocivo ao meio ambiente que necessita ser neutralizado.

27
Equipamentos de tratamento de resíduos de Saúde (Cont.)
• TRATAMENTO QUÍMICO
• As vantagens deste processo são:
Economia operacional e de manutenção;
Eficiência do tratamento dos resíduos.

• E as desvantagens são:
A necessidade de neutralizar os efluentes líquidos;
A não-redução do volume do lixo, a não ser por meio de trituração
feita à parte.

28
Disposição Final de Resíduos Sólidos
• Para a destinação final dos RS o ideal é nos aterros, mais nem sempre
os municipios conseguem implentar esses aterros, optando em lixões
além dos problemas sanitários com a proliferação de vetores de
doenças, também se constituem em sério problema social.

• Disposição dos resíduos domiciliares


O processo recomendado para a disposição adequada do lixo domiciliar
é o aterro, existindo dois tipos: os aterros sanitários e os aterros
controlados.
• A diferença básica entre um aterro sanitário e um aterro controlado
é que este último prescinde da coleta e tratamento do chorume,
assim como da drenagem e queima do biogás.

29
Disposição dos resíduos domiciliares
• Aterro sanitário

Um aterro sanitário conta necessariamente com as seguintes unidades:


Unidades operacionais:
 Células de lixo domiciliar;
Células de lixo hospitalar (caso o Município/MISAU não disponha de
processo mais efetivo para dar destino final a esse tipo de lixo);
Impermeabilização de fundo (obrigatória) e superior (opcional);
Sistema de coleta e tratamento dos líquidos percolados (chorume);
Sistema de coleta e queima (ou beneficiamento) do biogás;
Sistema de drenagem e afastamento das águas pluviais;
Sistemas de monitoramento ambiental, topográfico e geotécnico;
Pátio de estocagem de materiais.

30