Você está na página 1de 8

ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMIDOURO


SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

ESCOLA E. M. DONA MARIANA


PROFESSOR: LUCELAINE LOPES BERTOLOTO RENTO
LÍNGUA PORTUGUESA
NOME: ________________________________________________________________________________
ANO ESCOLAR/ TURMA:8º Ano /______ DATA: ________________

ATIVIDADE REFERENTE AOS DIAS: 13/04/2020 a 30/04/2020

Olá, ótima semana para você aluno do 8ºº Ano da Rede Municipal de Sumidouro. Segue
o material de Língua Portuguesa para estudar em casa. Terá atividades com contextos atuais,
tratando do momento em que se passa nosso país, nossa cidade, época de pandemia do Novo
Coronavírus. Entre outros conteúdos já estudado anteriormente. Em todas as atividades que possuem
algum conteúdo específico, você irá encontrar explicações nas caixas cor de rosa. Bom estudo!

Atividade I DIA : ___/04/2020

1) Observe as Charges I, II e III e responda as questões abaixo:


a) De acordo com todos os conhecimentos que você
VADE RETRO!
já adquiriu sobre o novo coronavirus, e com a
ESSE MEU
interpretação o que representa a charge I? CORPO NÃO
____________________________________ TE PERTENCE!
_____________________________________
____________________________________
____________________________________
b) Com que produto ela está se defendendo, seria um
tipo de inseticida? _______________________
Com que produto estamos nos protegendo do
Novo Coronavírus? _____________________
_____________________________________
______________________________
______________________________
c) Na charge II, surge um outro
amigo e pergunta o que há de novo?
Qual a reação dele? Por que dessa
reação?
____________________________
____________________________
__________________________
d) Já na charge III, retrata uma
situação diferenciada? Em que lugar ela se
passa? O que ela representa? Qual seu
personagem principal?
______________________________________
_____________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
e) Qual a temática principal de todas as charges?
____________________________________________________
____________________________________________________
f) Qual o principal objetivo dessas charges? ____________________________________________
_________________________________________________________________________________
g) Comente o que você está sentindo e passando nesse momento em que vivemos, como tem ajudado sua
família nesse período. Em seu caderno escreva sobre isso.__________________________________

Você não conhece o Gênero textual Charge? Aqui vão alguns pontos importantes sobre esse gênero muito usado.

Características da charge
Quanto ao tema, as charges, normalmente, costumam abordar assuntos políticos e fatos em destaque no cotidiano,
como os problemas sociais: violência, economia, clima, futebol etc. Na charge apresentada de Duke, o tema abordado
são as enchentes que assolam grandes centros urbanos.
É comum o tema ser abordado de forma irônica, cômica e crítica, aliás, essa é uma das maiores características da
charge, o que não é comum nas tirinhas. Enquanto estas objetivam o humor e o entretenimento, as charges focam o
humor atrelado à crítica. Como as charges abordam temas atuais, em destaque na mídia, é necessário ter um 2
conhecimento prévio dos assuntos apresentados para compreendê-las totalmente. Informe-se!
Linguagem informal, do cotidiano, enxuta, resumida, explora as ambiguidades, faz trocadilhos e relaciona-se à
imagem.
O principal objetivo é ironizar, criticar, satirizar algum fato, por isso é comum o exagero de traços dos personagens
apresentados.

Texto I

Dengue e Coronavírus: como enfrentar as viroses?


A chegada do coronavírus ao país traz mais um desafio à saúde dos brasileiros nesse fim de verão. A
doença, classificada como emergência global pela Organização Mundial da Saúde, se soma ao triste roteiro
das epidemias de dengue de todos os anos no Brasil. O cenário levanta uma questão: como a população e as
autoridades de saúde devem se preparar para enfrentar essas epidemias de vírus cada vez mais frequentes
nos nossos dias?
Desde janeiro, mais de 94 mil casos de dengue já foram registrados no país e ao menos 12 pessoas já
morreram, segundo o Ministério da Saúde. A preocupação das autoridades é que não se repitam os números
de 2019, quando mais de 1,5 milhão de casos dengue foram notificados, um aumento de 488% em relação a
2018. Também no ano passado, 782 pessoas morreram da doença em todo o país. As chuvas intensas e o
calor típico tornam o verão o período ideal para a proliferação do Aedes aegypti, o mosquito que transmite
não só a dengue, mais também o vírus da zica, da febre amarela e da chikungunya.
Com a confirmação no Brasil do primeiro caso de Covid19, como é chamado o novo coronavírus, o
Ministério da Saúde afirmou que o país está preparado para fazer testes e para garantir que casos
confirmados sejam monitorados e tratados. Até agora o vírus já infectou quase 80 mil pessoas em todo o
mundo. Aqui, o primeiro caso confirmado foi na cidade de São Paulo.
https://www.camara.leg.br/tv/640019-dengue-e-coronavirus-como-enfrentar-as-viroses/

 Responda em seu caderno:


1) Qual a temática do texto? ____________________________________________________
2) Por que o jornalista decidiu fazer essa matéria, qual sua preocupação? ________________
3) O presente texto se trata de um texto jornalístico, onde apresenta informações reais do quadro nacional, mas
também a opinião de quem o escreve. Descreva uma informação real e uma opinião retirando do texto.
________________________________________________________________________
4) Agora em sua opinião o brasil está preparado para todas essas doenças? O jornalista tem razão ou está
exagerando. ______________________________________________________________
5) No texto diz que o Aedes aegypti, é responsável pela proliferação de algumas doenças, quais são elas?
_______________________________________________________________________________________
6) Como acontece esse contágio e o do novo coronavírus? ___________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
7) Observe a charge ao lado e responda em seu caderno as
questões:
a) Qual a relação dessa tirinha com o texto estudado acima?_
b) Qual a crítica presente nesta charge? __________________
c) Qual é a principal preocupação do homem? _____________
d) Com o que ele também deveria estar preocupado? _______
e) O que representa esse personagem todo de preto com
uma foice na mão? ______________________________

8) Observe a charge ao lado e responda:


a) A mulher está tendo que tipo de reação? 3
_____________________________________________
b) É compatível com a atual situação de nosso país?
_____________________________________________
c) Qual a reação do homem? _______________________
d) O que o homem estava fazendo? _________________
e) Por quê? _____________________________________

ATIVIDADE II Dia ____/04/2020

Como não ser um bobo em tempos de Coronavírus

01) Não seja um dos "machões do Coronavírus". Não diga que todo mundo está louco e que você é o grande sensato-
corajoso-que-não-tem-medo-de-nada. Não minimize a
gravidade da situação.
02) Não passe horas atrás de notícias, jornais, desgraças. Se
mantenha informado na medida do necessário. Mas não se
torture, não crie seu próprio pânico, nem crie pânico nos que te
cercam.
03) Não seja egoísta. Não esvazie prateleiras de
supermercados. Pare de olhar apenas para o seu próprio
umbigo.
04) Não seja um fanfarrão. Se suas aulas ou trabalho foram
suspensos, não encare isso como férias. Não lote praias,
transportes, shoppings, festas. Entenda que quando você se
coloca em risco, você coloca todo mundo.
05) Aceite que vai ser uma fase difícil. Ninguém gosta de
mudar os planos, de ficar fechado em casa, de cancelar viagens, de perder dias de sol na praia. Tem que ser uma fase
de sacrifícios de todos em nome do bem coletivo.
06) Não repasse informação questionável. Avalie os conteúdos. É uma fonte segura? Basta pensar um pouquinho.
Confie nas informações dos ministérios, das OMS, dos jornais sérios.
07) Não crie pânico nas crianças. Elas são sensíveis e têm tanto medo quanto a gente (ou mais). Diga coisas de forma
leve, porém eficaz.
08) Entenda que suas atitudes refletem na vida dos outros. Se você ficar doente, você ocupará um leito de hospital,
você poderá contaminar outras pessoas. Não se trata de "ah, se eu pegar a doença tudo bem, sou saudável, não devo
morrer". A coisa vai muito além de você.
09) Pense nos médicos, nos enfermeiros, nos profissionais da área de Saúde. Pense que há pessoas colocando a vida
em risco em nome do nosso bem-estar. E se você não for capaz de relativizar suas vontades mesmo assim, saiba que
você é um grande egoísta.
10) Dê suporte aos outros. Ligue para seus amigos. Pergunte se sua vizinha idosa precisa de algo. Sugira alterações
nas rotinas dos seus pais e avós. Obedeça às diretrizes. Evite aglomerações. Faça alguns sacrifícios. Respeite o outro.
Não pode ser tão difícil assim. Se não formos completos idiotas, TALVEZ dê tudo certo.
(Rute Manus)
Em seu caderno responda as questões abaixo.
01) Justifique o título do texto em questão ? _____________________________
02) Justifique as aspas usadas no item 01e a do item 08: _____________________________
03) Retire do texto uma espécie de neologismo*, explicando seu raciocínio: __________________________
04) Copie do texto uma passagem que mostra que estamos todos interligados: ________________________
05). Por que será uma fase difícil? O que tem sido mais complicado para você nesse período de quarentena?
07). Que item nos atenta contra fake news, tão compartilhadas por aí? Você sabe o que é fake news? O que você pensa
a respeito disso? Tem esse hábito? _______________________________________________________________
08) O texto afirma que devemos manter as crianças em "redomas", alheias a tudo, sem saber o que está acontecendo?
Justifique sua resposta: _____________________________________________________ 4
09). Explique o uso das aspas na passagem do item 08: _________________
10).A quem a autora parece destinar gratidão e admiração? Por quê? Qual a sua
opinião acerca disso? ____________________________________
11). Justifique o emprego das maiúsculas na palavra situada no último parágrafo do
texto: ____________________________________________________
12). Circule no texto todos os verbos no modo imperativo, explicando a sua
importância para o contexto: __________________________________
13). Que mensagem o texto transmite e qual é o seu objetivo? __________
14). De qual das dez dicas você mais gostou? Por quê? ______________
15). Associe a imagem ao lado ao nosso contexto atual e também, claro, ao texto
lido: _________________________________________
16). Agora crie um texto pessoal do mesmo formato do texto presente. Mínimo de
7 itens.

*Neologismo é o processo de criação de uma nova palavra na língua devido à necessidade de designar novos
objetos ou novos conceitos ligados às diversas áreas: tecnologia, arte, economia, esportes etc.
Faz parte de toda língua viva a criação de novas palavras. Com o tempo, esses neologismos são adicionados ao
dicionário e passam a fazer parte do léxico.
O "neologismo popular" é criado pelos próprios falantes, seja nas conversas espontâneas do dia-a-dia, com o uso
frequente de gírias, seja na Internet, nas comunicações eletrônicas (chat) .

O modo imperativo é um modo verbal utilizado para exprimir uma atitude de ordem, conselho, convite ou
solicitação.
Vejamos alguns exemplos de verbos no modo imperativo para ficar mais claro o conceito deste modo verbal.
Exemplos: Vamos, corram! Perdoe-me, eu lhe imploro. Faça o que digo, agora!

ATIVIDADE III dia: ___/04/2020

Leia o texto atentamente para responder as questões abaixo:


A velha contrabandista
Diz que era uma velhinha que sabia andar de lambreta. Todo dia
ela passava na fronteira montada na lambreta, com um bruto saco atrás
da lambreta. O pessoal da alfândega – tudo malandro velho – começou a
desconfiar da velhinha.
Um dia, quando ela vinha na lambreta com o saco atrás, o fiscal da
alfândega mandou ela parar. A velhinha parou e então o fiscal perguntou
assim pra ela:
— Escuta aqui, vovozinha, a senhora passa por aqui todo dia, com esse
saco aí atrás. Que diabo a senhora leva nesse saco?
A velhinha sorriu com os poucos dentes que lhe restavam e mais os
outros, que ela adquirira no odontólogo, e respondeu:
— É areia!
Aí quem sorriu foi o fiscal. Achou que não era areia nenhuma e mandou a velhinha saltar da lambreta para
examinar o saco. A velhinha saltou, o fiscal esvaziou o saco e dentro só tinha areia. Muito encabulado, ordenou à
velhinha fosse em frente. Ela montou na lambreta e foi embora, com o saco de areia atrás.
Mas o fiscal ficou desconfiado ainda. Talvez a velhinha passasse um dia com areia e no outro com muamba,
dentro daquele maldito saco. No dia seguinte, quando ela passou na lambreta com o saco atrás, o fiscal mandou parar
outra vez. Perguntou o que é que ela levava no saco e ela respondeu que era areia, uai! O fiscal examinou e era
mesmo. Durante um mês seguido o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia.
Diz que foi aí que o fiscal se chateou:
— Olha, vovozinha, eu sou fiscal de alfândega com quarenta anos de serviço. Manjo essa coisa de contrabando
pra burro. Ninguém me tira da cabeça que a senhora é contrabandista.
— Mas no saco só tem areia! - insistiu a velhinha. E já ia tocar a lambreta, quando o fiscal propôs:
— Eu prometo à senhora que deixo a senhora passar. Não dou parte, não apreendo, não conto nada a ninguém,
mas a senhora vai me dizer: qual é o contrabando que a senhora está passando por aqui todos os dias? 5
— O senhor promete que não "espáia"? - quis saber a velhinha.
— Juro — respondeu o fiscal.
— É lambreta.

Marque somente uma opção correta:


1- Os fatos ocorrem:
a- ( ) Num posto de gasolina: c- ( ) Num posto de alfândega na fronteira;
b- ( ) Numa estrada do interior; d- ( ) Na fronteira do Brasil com o Paraguai.

2- No trecho “O pessoal da alfândega – tudo malandro velho – começou a desconfiar da velhinha” o autor quis
dizer que:
a- ( ) Os fiscais da alfândega eram antigos.
b- ( ) Os fiscais da alfândega também eram contrabandistas.
c- ( ) Os fiscais da alfândega não eram confiáveis.
d- ( ) Os fiscais da alfândega eram espertas e experientes.

3- Os fiscais da alfândega começaram a desconfiar da velhinha, porque:


a- ( ) Ela começou a passar diariamente pela fronteira, transportando um aço na lambreta
b-( ) Ela foi denunciada.
c-( ) O fiscais da alfândega desconfiavam de todos que passavam por ali.
d-( ) A velhinha tinha cara de contrabandista.

4- No final do texto, as personagens fazem um acordo. Qual o acordo proposto pelo fiscal?
a- ( ) Que a velhinha se entregasse e tivesse a pena diminuída.
b- ( ) Que a velhinha dividisse o lucro do contrabando com eles.
c- ( ) Que a velhinha pagasse suborno aos fiscais da alfândega.
d- ( ) Que a velhinha contasse o que contrabandeava, em troca de sua liberdade.

5- Qual o truque utilizado pela velhinha para enganar as fiscais da alfândega?


a- ( ) Ela passava com o saco de areia paia desviar a atenção das fiscais e, com isso, eles não percebiam
o que ela contrabandeava.
b- ( ) Ela se fazia de inocente e os fiscais imaginavam que o saco de areia era uma mania que ela tinha.
c- ( ) O saco e areia era um artifício para ganhar tempo e fugir com a lambreta.
d- ( ) O saco de areia escondia a lambreta.

6. Esse texto é uma:


a) ( ) narrativa b) ( ) poesia
c) ( ) informação d) ( ) crônica

7. É um texto que transmite:


a) ( ) momentos de tensão b) ( ) comentários policiais
c) ( ) uma situação de humor d) ( ) uma situação triste
Atividade IV DIA : ___/04/2020

Bullying na escola
É hora do recreio na escola. Thiago e André brincam. Paula, Sandra e Rafael vão se aproximando. Rafael é
mudo.
Thiago (Avistando os colegas) – Olha os meninos chegando, André. Vamos chamar eles para brincar também?!
André – Nêeem, Thiago! Se a gente chamar as meninas, aquele “gago” vem junto. Pra onde elas vão, ele vai atrás. Tô
pra ver um grude desses!
Thiago – Mas, André... É porque as únicas que sabem conversar com ele, são elas... Por causa daquela língua de
sinais... De surdo-mudo. Lembra que teve uma aula aqui na escola com o pessoal da APAE?!
André – Lembro. Por isso mesmo! Não vamos chamar não! Não tenho paciência pra tá fazendo sinal para esse...
Thiago (Recriminando) – André...
Paula (Simpática) – Oi, meninos?! 6
Thiago – Oi, Paulinha!... Oi, Sandra!... (Acenando) Oi, Rafael! Vamos brincar com a gente?
Paula – Vamos! Qual é a brincadeira?...
Thiago – Agora que tem mais gente... Podíamos pular corda... Vocês gostam?
André – Mas, o “mudinho” não pode brincar, não!
Paula – Por quê? Ele pode sim! Ele não fala, mas escuta muito bem, tá?
Sandra – É... Olha o respeito! Deixa de ser preconceituoso. Deixa o Rafinha em paz!
Dallva Rodrigues. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/roteirosdeteatro/2950425 35

Marque uma resposta correta nas questões abaixo:


1. “André – Nêeem, Thiago! Se a gente chamar as meninas, aquele “gago” vem junto. Pra onde elas vão, ele vai atrás.
Tô pra ver um grude desses!”
Uma palavra que resumiria a atitude de André acima é:
a) consciência c) impaciência
b) imprudência d) ansiedade

2. “Thiago (Recriminando) – André...”


A Palavra Recriminando pode ser substituída por:
a) imitando c) eliminando
b) protestando d) reprovando

3. “André – Mas, o “mudinho” não pode brincar, não!”


A fala acima é um exemplo de discurso direto. Transforme-a em discurso indireto.
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________

4. “André – Lembro. Por isso mesmo! Não vamos chamar não! Não tenho paciência pra tá fazendo sinal para esse...”
Retire da fala acima as palavras escritas da mesma forma que são faladas. Indique ainda como deveriam ser escritas
conforme a norma padrão.
_________________________________________________________________________________________

5. O texto teatral possui algumas indicações para sua encenação. Essas indicações são chamadas de rubricas e
aparecem no texto entre parênteses. Retire do texto um exemplo de rubrica.
_________________________________________________________________________________________
TEXTO II: O problema ecológico

Se uma nave extraterrestre invadisse o espaço aéreo da Terra, com certeza seus tripulantes diriam que
neste planeta não habita uma civilização inteligente, tamanho é o grau de destruição dos recursos naturais. Essas são
palavras de um renomado cientista americano. Apesar dos avanços obtidos, a humanidade ainda não descobriu os valores
fundamentais da existência. O que chamamos orgulhosamente de civilização nada mais é do que uma agressão às coisas
naturais. A grosso modo, a tal civilização significa a devastação das florestas, a poluição dos rios, o envenenamento das
terras e a deterioração da qualidade do ar. O que chamamos de progresso não passa de uma degradação deliberada e
sistemática que o homem vem promovendo há muito tempo, uma autêntica guerra contra a natureza.
Afrânio Primo. Jornal Madhva (adaptado).
1) Segundo o texto, o cientista americano está preocupado com:
(a) a vida neste planeta. (b) a qualidade do espaço aéreo. (c) o que pensam os extraterrestres. d) o seu prestígio no
mundo.
2) Para o autor, a humanidade:
(a) demonstra ser muito inteligente. (c) preserva os recursos naturais.
(b) ouve as palavras do cientista. (d) age contra sua própria existência.

3) Da maneira como o assunto é tratado no texto , é correto afirmar que o meio ambiente está degradado porque:

(a) a destruição é inevitável. (c) a humanidade preserva sua existência.


(b) a civilização o está destruindo. (d) as guerras são o principal agente da destruição.

4) A afirmação: “Essas são palavras de um renomado cientista americano.” Qual dos vocábulos abaixo melhor
explica o adjetivo em destaque?
7
(a) inimigo. (b) velho. (c) estranho. (d) famoso.

Texto III
DIÁRIO GENTE É BICHO E BICHO É GENTE
GENTE É BICHO E BICHO É GENTE

Querido Diário, não tenho mais dúvida de que este mundo está virado ao avesso! Fui ontem à cidade com minha mãe
e você não faz ideia do que eu vi. Uma coisa horrível, horripilante, escabrosa, assustadora, triste, estranha, diferente,
desumana... E eu fiquei chateada.

Eu vi um homem, um ser humano, igual a nós, remexendo na lata de lixo. E sabe o que ele estava procurando? Ele
buscava, no lixo, restos de alimento. Ele procurava comida!

Querido Diário, como pode isso? Alguém revirando uma lata cheia de coisas imundas e retirar dela algo para comer?
Pois foi assim mesmo, do jeitinho que estou contando. Ele colocou num saco de plástico enorme um montão de comida
que um restaurante havia jogado fora. Aarghh!!! Devia estar horrível!

Mas o homem parecia bastante satisfeito por ter encontrado aqueles restos. Na mesma hora, querido Diário, olhei
assustadíssima para a mamãe. Ela compreendeu o meu assombro. Virei para ela e perguntei: “Mãe, aquele homem vai
comer aquilo?” Mamãe fez um “sim” com a cabeça e, em seguida, continuou: “Viu, entende por que eu fico brava
quando você reclama da comida?”.

É verdade! Muitas vezes, eu me recuso a comer chuchu, quiabo, abobrinha e moranga. E larguei no prato, duas vezes,
um montão de repolho, que eu odeio! Puxa vida! Eu me senti muito envergonhada!

Vendo aquela cena, ainda me lembrei do Pó, nosso cachorro. Nem ele come uma comida igual àquela que o homem
buscou do lixo. Engraçado, querido Diário, o nosso cão vive bem melhor do que aquele homem. Tem alguma coisa
errada nessa história, você não acha?

Como pode um ser humano comer comida do lixo e o meu cachorro comer comida limpinha? Como pode, querido
Diário, bicho tratado como gente e gente vivendo como bicho? Naquela noite eu rezei, pedindo que Deus conserte logo
este mundo. Ele nunca falha. E jamais deixa de atender os meus pedidos. Só assim, eu consegui adormecer um
pouquinho mais feliz.

(OLIVEIRA, Pedro Antônio. Gente é bicho e bicho é gente. Diário da Tarde. Belo Horizonte, 16 out. 1999).

Marque uma opção correta:

1) Após a leitura do texto, pode-se concluir que o título indica que:


a) bicho e gente são animais racionais. b) bicho é superior a gente.
c) bicho e gente se confundem. d) gente e bicho são seres diferentes. e) gente é superior a bicho.

2) Em “Uma coisa horrível, horripilante, escabrosa, assustadora, triste, estranha, diferente,


desumana...” foram usadas reticências com a intenção de:

a) demonstrar que a narradora encontrou todos os adjetivos possíveis para expressar suas dúvidas diante do que viu.
b) demonstrar uma interrupção na linha de raciocínio da narradora, que se mostra afetada positivamente pelo que
viu.
c) demonstrar que a narradora não consegue mais encontrar adjetivos que possam expressar seu choque diante da cena
que viu.
d) demonstrar que a narradora está em dúvida, pois tem a sensação de que o que viu é um sonho.
e) dar fim à linha de pensamento da narradora, a qual se mostra indiferente ao que viu.

3) Em “Uma coisa horrível, horripilante...”, nesse segmento do texto o termo “horripilante” é mais intenso que
“horrível”. Assinale a alternativa em que o segundo termo expressa mais intensidade que o primeiro:
a) iluminado / claro. b) antigo / velho.
c) imundo / sujo. d) brasileiro / estrangeiro. e) rico / milionário.

4)Em “Eu vi um homem, um ser humano, igual a nós, remexendo na lata de lixo”, as palavras 8
em destaque têm, respectivamente, valor semântico de:

a) lugar / definição. b) lugar / lugar.


c) lugar / matéria. d) definição / lugar. e) matéria / matéria.

5)Leia as afirmações abaixo:


I. No trecho “Ele colocou num saco plástico enorme um montão de comida que um restaurante havia jogado
fora. Aarghh!”, (a personagem sente nojo do fato de o homem recolher comida do lixo).
II. Em “Puxa vida! Eu me senti muito envergonhada!”, (a personagem mostra-se indiferente à situação vivenciada
pelo homem).
III. Em “Como pode, querido diário, bicho tratado como gente e gente vivendo como bicho?”,
(a personagem mostra-se revoltada com o fato de um ser humano ter condições de vida inferiores às de um animal).

É correto o que se afirma em:


a) I e II apenas. b) I e III apenas.
c) II e III apenas. d) I apenas. e) II apenas.

6) Observe a sequência de fatos abaixo. Em seguida, numere-os de acordo com a sequência cronológica em que são
narrados no texto.
( ) A narradora reza, pedindo a intervenção de Deus.
( ) Um homem sente-se satisfeito por encontrar o que comer no lixo.
( ) A narradora vê um ser humano buscando o que comer no lixo.
( ) A narradora se envergonha por presenciar um homem na humilhante situação de procurar comida no lixo.
( ) A narradora conclui que um animal doméstico tem uma vida bem melhor que a do homem que busca
alimento no lixo.

É correta a sequência:
a) 2 – 3 – 1 – 4 – 5 b) 1 – 3 – 2 - 4 - 5
c) 4 – 2 – 3 – 1 – 5 d) 5 – 3 – 2 – 1 – 4 e) 5 – 2 – 1 – 3 – 4

Gênero Narrativo
Romance, novela, conto, crônica e fábula são algumas das formas apresentadas pelo gênero narrativo, marcado pela
presença de narrador, tempo, espaço, enredo e personagens.
Narrador: é o que narra a história, pode ser onisciente (terceira pessoa, observador, tem conhecimento da história e das
personagens, observa e conta o que está acontecendo ou aconteceu) ou personagem (em primeira pessoa; narra e
participa da história e, contudo, narra os fatos à medida em que acontecem, não pode prever o que acontecerá com as
demais personagens).
• Tempo: é um determinado momento em que as personagens vivenciam as suas experiências e ações. Pode ser
cronológico (um dia, um mês, dois anos) ou psicológico (memória de quem narra, flash-back feito pelo narrador).
• Espaço: lugar onde as ações acontecem e se desenvolvem.