Você está na página 1de 2

ABSTRACIONISMO ÚRICO EUROPEU

A
abstração lírica se originou na Europa como uma reação às tentativas feitas
por numerosos pintores influenciados pelo abstracionismo geométrico de
tratar a forma pictórica de maneira sistemática e completamente racional.
Embora os elementos do abstracionismo lírico possam ser percebidos nas chamadas
"improvisações" de Wassily Kandinsky (1866-1944), foi em 1947 que o pintor francês
Georges Mathieu (nascido em 1921) formulou a expressão"abstraction lyrique"para
descrever pinturas que acentuavam a singularidade da expressão pessoal do artista.
O abstracionismo lírico europeu deriva-se de aspectos do surrealismo (ver p.426)e
do expressionismo abstrato (ver p. 452), combinando o fascínio do surrealismo pela
livre expressão do estado psíquico do artista com a ênfase do expressionismo
abstrato no "gesto" artístico.
1 Ca petos por toda parte (1954)
Matthieu tentou estender e refinar suas ideias ao desenvolver um vocabulário
Georges Mathieu • óleo sobre tela
2,95171 x 6,oom expressivo e quase caligráfico. Ele conquistou certa notoriedade ao "criar" pinturas
Museu Nacional de Arte Moderna, em grandes formatos diante de uma plateia de convidados, assumindo o papel de
Centro Pompidou, Paris, França showman e explicitando as noções implícitas de performance artística quando
Jackson Pollock (1912-1956) fazia suas telas"all-over". Em uma ocasião, Mathieu
2 Fênix II (1951)
pintou uma tela de 12 metros de comprimento. Homenagem aos poetas do mundo
Wols * óleo sobre tela
92cm x 73cm inteiro, no Teatro Sarah Bernhardt, como parte do Festival International d'Art
Acervo particular Dramatique em Paris, em 1956. Em obras como Capetos por toda parte (acima),
Mathieu procurou elevar a marca expressiva do pintor ao ponto em que suas
3 Sem título (1956) energias psíquicas parecem se manifestar completamente sob a forma de uma linha
Hans Hartung • nanquim da índia sobre papel
27,5cm x 2icm lírica, pictórica, mas principalmente monocromática. Em comparação, a obra de
Acervo particular Jean-Paul Riopelle (1923-2000) não explorou um único recurso ou estratégia

A exposição A mostra Artistas como Wols, Estienne questiona Michel Ragon A mostra
"L'lmaginaire"é "HWPSMTB" recebe Mathieu,Jean o papel da pintura publica Expression "Vehémences
organizada por seu nome a partir Fautrier (1898-1964) a c a d é m i c a no et non-figuration, confrontées",
Mathieu no Palácio das iniciais dos e Jean Dubuffet panfleto L'art fazendo nova na Galerie Nina
de Luxemburgo sobrenomes de sete (1901-1985) mostram abstrait est-il promoção daquilo Dausset.em Paris,
com obras de Wols, artistas: Hartung, suas obras na académisme?. que, neste momento, compara a obra
Riopelle, Hartung Wols, Francis Picabia, exposição"Huit j á se tornou dos abstracionistas
e Picasso. François Stahly, oeuvres nouvelles" um movimento líricos europeus e
Mathieu,Tapié e na Calerie Drouin. estabelecido. americanos.
Camille Bryen.

468 DE 1946 ATE HOJE


pictórica. Em vez disso, Pinturas (1951-1952) e outras obras lembravam a aparência
"ali over"das pinturas produzidas por Pollock entre 1947 e 1952.
Embora os artistas associados ao abstracionismo lírico colocassem uma grande
ênfase nos aspectos materiais, deixando em segundo plano o conteúdo das obras,
muitas das pinturas exprimem uma sensação de intranquilidade que reflete o
contexto social em que foram produzidas. Durante a Segunda Guerra Mundial, uma
geração inteira de artistas tinha se questionado sobre o tipo de arte que poderia ou
deveria ser praticada diante dos horrores da guerra. Para os abstracionistas líricos,
esse questionamento se refletia nas obras de maneira muito sutil, mas palpável.
Por exemplo, o alemão Wols (Otto Wolfgang Schulze, 1913-1951) foi encarcerado pelos
franceses durante 14 meses no início da guerra. Em sua obra Fênix II (à direita, em
cima) espontaneidade do gesto do abstracionismo lírico é complementada por
manchas de cor e traços finos que, juntos, sugerem sangue e ferimentos.
Mathieu foi o responsável por duas exposições em Paris de grande importância
para a cristalização do abstracionismo lírico:"L'lmaginaire", em 1947, no Palácio de
Luxemburgo, e "HWPSMTB", na Galeria Colette Allendy, em 1948. A primeira mostra
incluiu um elenco eclético de pintores, que incluiu de Riopelle e Mathieu a Picasso
(1881-1973) e Hans Hartung (1904-1989), cuja obra posterior Sem título (à direita,
embaixo) é um poderoso exemplo da arte gestual monocromática. Foi o ecletismo
dos artistas selecionados por Mathieu que levou à criação do termo "abstracionismo
lírico" em referência ao tipo de pintura que privilegiava tanto a subjetividade do
artista quanto a importância da própria marca. Porém, os estilos espontâneos e
pictóricos desses artistas logo foram classificados em outras categorias geralmente
interligadas, cunhadas na época. Por exemplo, o crítico Charles Estienne introduziu
o termo "tachismo" em 1954 (a partir da palavra "tache", em francês, que quer dizer
"mancha") em relação a outro termo correlato,"Arf informei" (arte informal, sem
forma), introduzido em 1952 pelo artista Michel Tapié (1909-1987),
O abstracionismo lírico tentou se desenvolver sobre aspectos fundamentais
da pintura modernista - gesto e foco nos materiais - e sua decadência foi assinalada
pelo início de uma sensibilidade pós-moderna. O gesto físico deixou de ser a
preocupação principal dos artistas. As pinturas se tornaram cada vez mais
meditações sobre o papel dos objetos representados, menos imediatas e menos
reverentes do que antes. Essa nova ênfase teve raízes no legado de Mareei Duchamp
(1887-1968), artista do dadaísmo (ver p. 410), retomado por Jasper Johns (nascido em
1930) e Robert Rauschnberg (1925-2008). Particularmente, o potencial artístico do
objet-trouvé (objeto encontrado) ou do ready-madefez com que os artistas
percebessem que o modernismo não implicava necessariamente abstração. Nomes
como Pierre Restany (1930-2003), Yves Klein (1928-1962) e Piero Manzoni (1933-1963)
procuraram estender os parâmetros da arte de vanguarda da Europa por meio da
crítica do gesto artístico, em vez de celebrá-lo. CS

| i95i | 1952 | 1953 | 1954 | 1954 | 1956 | 1960

íagon A mostra Tapié cunha o termo 0 galerista Jean- Nicolas de Staèl Estienne introduz Como parte A introdução do
Expression "Vehémences "Art Informei" e m -Robert Arnaud (1914-1955) pinta 0 tachismo, do Festival novo realismo em
íguration, confrontées", seu livro Un Art funda a revista de Nice (ver p. 470), que tem como Internacional de arte Milão, feita por
nova na Galerie Nina Autre para descrever arte e arquitetura na qual a cidade características as D r a m á t i c a , Mathieu Restany e Klein,
ao daquilo Dausset, em Paris, obras gestuais Cimaise, que francesa é sugerida pinceladas gestuais, pinta Homenagem encerra a voga do
te momento, compara a obra e improvisadas, divulga os artistas apenas por grandes tinta respingada e aos poetas do abstracionismo
nou dos abstracionistas que rompem do abstracionismo áreas e faixas de sugestões de escrita mundo inteiro lírico.
fimento líricos europeus e completamente lírico. cor justapostas. rabiscada. no Teatro Sarah
;cido. americanos. com a tradição. Bernhardt.

ABSTRACIONISMO LÍRICO EUROPEU 469