Você está na página 1de 436

Smooth Dissection

#époarraso

Anatomia – 1ºano – 1ºsemestre


Da autoria de:
Ana Sofia Silva
Beatriz Vilela
Carlos Araújo
Filipa Abreu

2015/2016

1
PREFÁCIO
A Anatomia é, muito provavelmente, a cadeira mais trabalhosa do 1º ano de Medicina
devido à enorme quantidade de nomes e conceitos que se tem de decorar, mas muito
mais importante que isso, perceber. Felizmente, temos o privilégio de ter uma sebenta
(a amada Move It!) que é uma tradução do Rouvière, o grande mestre da Anatomia de
Locomoção. Contudo, achamos que seria importante se os caloiros tivessem a
oportunidade de ter uma guia que os ajudasse a perceber, de uma forma prática e
eficiente, o que é realmente importante para ter sucesso na oral de Anatomia.
Decidimos elaborar esta sebenta, de forma a dar o nosso pequeno contributo para o
percurso “anatómico” de alunos mais novos. Contudo, gostaríamos de alertar para o
facto de que, obviamente, o objetivo desta sebenta não é, de todo, substituir a leitura
do Rouvière ou da Move It. O seu objectivo é ajudar os alunos que já se sentem
minimamente “ambientados” com os conteúdos da Anatomia e que se sintam aptos a
ler algo mais resumido e elaborado por outros colegas, que também já passaram pelo
“mau momento” que é a oral de Anatomia. Podemos sempre simplificar as coisas, mas
a obra modelo é sempre extremamente importante, pois é um pilar científico que
geralmente não oferece dúvidas.

Desejamos que desfrutem desta sebenta da melhor forma e que sirva para que tenham
algumas dicas e o acesso à informação que, embora mais resumida, se mantém fiel à
obra adotada para a cadeira. Incorporámos ainda, para além dos conteúdos da
Anatomia de Locomoção e imagens, a Angiologia que é abordada no 1º semestre, bem
como alguma Neuroanatomia, para que os nossos leitores se vão ambientando a esta o
mais precocemente possível.

Em último lugar, agradecemos a todos os que estiveram sempre presentes e nos


ajudaram quando precisámos. Eles certamente sabem quem são 
Quanto aos leitores, desejamos a melhor sorte do Mundo, não só para a cadeira de
Anatomia, mas para todo o vosso percurso académico.

Algum erro detetado ou sugestão, agradecemos que contactem para um dos seguintes
emails:
ana.sofia.silva1@campus.ul.pt
beatrizvilela@campus.ul.pt
carlos.araujo@campus.ul.pt Os autores
filipabreu@campus.ul.pt Ana Sofia Silva
Beatriz Vilela
Carlos Araújo
Filipa Abreu

2
ÍNDICE
1. Considerações Gerais sobre Anatomia Humana ………………………………. 7

2. Cabeça e Pescoço ………………………………………………………………………………. 14


2.1. Osteologia da Cabeça e do Pescoço ……………………………………… 14

2.1.1. Ossos da Cabeça Óssea ………………………………………………… 15


Frontal ……………………………………………………………………………………………………… 15
Etmóide ……………………………………………………………………………………………………. 19
Esfenóide …………………………………………………………………………………………………. 22
Temporal …………………………………………………………………………………………………. 27
Occipital …………………………………………………………………………………………………… 34
Parietal ……………………………………………………………………………………………………. 38
Ossos Wormiamos ……………………………………………………………………………………. 40
Crânio em Geral ………………………………………………………………………………………… 41
Buracos e Canais da Base do Crânio ……………………………………………………………. 43
Desenvolvimento do Crânio – Fontanelas e Pontos Craniométricos ………………… 46

2.1.2. Ossos da Face ………………………………………………………………… 47


Maxilar Superior ………………………………………………………………………………………… 47
Únguis ou Osso Lacrimal ……………………………………………………………………………. 51
Palatino ……………………………………………………………………………………………………. 53
Corneto Inferior ………………………………………………………………………………………… 56
Ossos Próprios do Nariz …………………………………………………………………………… 57
Vómer ……………………………………………………………………………………………………… 58
Malar ……………………………………………………………………………………………………… 59
Maxilar Inferior ou Mandíbula ……………………………………………………………………. 61
Face em Geral …………………………………………………………………………………………… 64
Cavidades da Face…………………………………………………………………………………… 64
Cavidade Bucal ………………………………………………………………………………… 64
Fossas Nasais ……………………………………………………………………………………. 65
Cavidades Orbitárias …………………………………………………………………………… 68
Fossa Ptérigo-Maxilar …………………………………………………………………………. 73
Osso Hióide ………………………………………………………………………………………………. 77

2.1.3. Anatomia Funcional do Crânio ………………………………………. 78

2.2. Artrologia da Cabeça e do Pescoço ………………………………………… 79


Articulações dos Ossos do crânio e da face entre si ………………………………………. 80
Articulação Têmporo-mandibular (ATM) ……………………………………………………… 81

3
2.3. Miologia da Cabeça e do Pescoço …………………………………………… 86
2.3.1. Músculos da Cabeça ………………………………………………………. 87
Músculos Mastigadores ………………………………………………………………………………. 87
Músculos da Mímica …………………………………………………………………………………… 92

2.3.2. Músculos do Pescoço ……………………………………………………… 96


Músculos da Região Anterior do Pescoço ……………………………………………………… 96
Músculos da Região Posterior do Pescoço ……………………………………………………. 103

2.3.3. Aponevroses Cervicais …………………………………………………… 109

3. Tronco ………………………………………………………………………………………………. 112


3.1. Coluna Vertebral......................................................................... 112

3.1.1. Osteologia da Coluna Vertebral …………………………………… 113


Atlas ou 1ªvértebra cervical (C1) ………………………………………………………………… 113
Áxis ou 2ªvértebra cervical (C2) …………………………………………………………………. 115
Sacro ………………………………………………………………………………………………………. 117
Cóccix ……………………………………………………………………………………………………… 119
Coluna vertebral em geral …………………………………………………………………………. 120
Características das vértebras de cada região ……………………………………………… 124

3.1.2. Artrologia da Coluna Vertebral ……………………………………… 129


Articulações comuns à maioria das vértebras ………………………………………………. 129
Articulações próprias de algumas vértebras …………………………………………………. 133
Articulações entre a coluna vertebral e a cabeça …………………………………………. 134

3.2. Tórax 139

3.2.1. Osteologia do Tórax ……………………………………………………… 140


Esterno …………………………………………………………………………………………………… 141
Costelas …………………………………………………………………………………………………… 143
Tórax em Geral ………………………………………………………………………………………… 145

3.2.2. Artrologia do Tórax ………………………………………………………… 146


Articulações costo-vertebrais ……………………………………………………………………… 146
Articulações condro-costais ………………………………………………………………………… 147
Articulações condro-esternais …………………………………………………………………… 148
Articulações intercondrais ………………………………………………………………………… 149
Articulações esternais ………………………………………………………………………………. 149

4
3.3. Bacia 151

3.3.1. Osteologia da Bacia ……………………………………………………… 152


Osso ilíaco ………………………………………………………………………………………………… 152
Bacia em geral …………………………………………………………………………………………. 159

3.3.2. Artrologia da Bacia ………………………………………………………… 163


Sínfise púbica …………………………………………………………………………………………… 164
Articulação sacro-ilíaca ………………………………………………………………………………. 165
Ligamentos sacro-ciáticos …………………………………………………………………………. 168
Membrana obturadora ……………………………………………………………………………… 169

3.4. Miologia do Tronco …………………………………………………………………. 170


Músculos da Região Posterior do Tronco ……………………………………………………… 171
Músculos da Região Ântero-Lateral do Tórax ……………………………………………….. 179
Músculos da Região Ântero-Lateral do Abdómen ………………………………………….. 181
Músculos do Períneo…………………………………………………………………………………… 186
Diafragma ………………………………………………………………………………………………… 193

3.5. Pontos Fracos da Parede Abdominal ……………………………………… 199

4. Membro Superior ………………………………………………………………………………. 210


4.1. Osteologia do Membro Superior …………………………………………….. 210
Clavícula …………………………………………………………………………………………………… 211
Omoplata ………………………………………………………………………………………………… 214
Úmero ……………………………………………………………………………………………………… 219
Rádio ……………………………………………………………………………………………………….. 224
Cúbito ……………………………………………………………………………………………………… 229
Esqueleto da Mão ……………………………………………………………………………………… 233

4.2. Artrologia do Membro Superior ……………………………………………… 237


Complexo Articular da Espádua ………………………………………………………………….. 238
Articulação do Cotovelo ……………………………………………………………………………… 253
Articulação Rádio-Cubital Inferior ……………………………………………………………….. 259
Articulação do Punho …………………………………………………………………………………. 262
Articulações da Mão ………………………………………………………………………………..... 264

4.3. Miologia do Membro Superior ………………………………………………… 273


Músculos da Espádua ………………………………………………………………………………… 274
Músculos do Braço ……………………………………………………………………………………. 282
Músculos do Antebraço ……………………………………………………………………………… 285
Músculos da Mão ………………………………………………………………………………………. 296

5
Aponevroses do Membro Superior ………………………………………………………………. 301

4.4. Angiologia do Membro Superior …………………………………………….. 305


Artérias do Membro Superior ……………………………………………………………………… 306
Veias do Membro Superior ………………………………………………………………………… 321
Linfáticos do Membro Superior …………………………………………………………………… 324

5. Membro Inferior ………………………………………………………………………………… 326


5.1. Osteologia do Membro Inferior ……………………………………………… 326
Fémur ……………………………………………………………………………………………………… 327
Rótula ……………………………………………………………………………………………………… 335
Tíbia ………………………………………………………………………………………………………… 336
Perónio ……………………………………………………………………………………………………. 341
Esqueleto do Pé ……………………………………………………………………………………….. 344

5.2. Artrologia do Membro Inferior………………………………………………… 350


Articulação Coxo-femoral …………………………………………………………………………… 351
Articulação do Joelho ………………………………………………………………………………… 357
Articulação Tíbio-peroneais Superior e Inferior …………………………………………….. 365
Membrana Interóssea da Perna ………………………………………………………………… 367
Articulação do Tornozelo ……………………………………………………………………………. 368
Articulações do Pé …………………………………………………………………………………….. 373

5.3. Miologia do Membro Inferior…………………………………………………… 380


Músculos da Bacia ……………………………………………………………………………………. 383
Músculos da Coxa ……………………………………………………………………………………... 385
Músculos da Perna ……………………………………………………………………………………. 394
Músculos do Pé………………………………………………………………………………………….. 406
Aponevroses do Membro Inferior ………………………………………………………………… 411
Bainhas Ósteo-fibrosas e Serosas dos Tendões do Tornozelo e do Pé ……………. 416

5.4. Angiologia do Membro Inferior …………………….……………………….. 417


Artérias do Membro Inferior ……………………………………………………………………… 418
Veias do Membro Inferior ………………………………………………………………………… 432
Linfáticos do Membro Inferior …………………………………………………………………….. 435

6
1. Considerações Gerais sobre Anatomia Humana

7
Posição Anatómica Descritiva: em pé, posição ortostática, olhar fixo no infinito,
mãos em supinação (1ºdedo externamente), pés totalmente apoiados no chão, com
os calcanhares unidos e a extremidade anterior dos pés a olhar ligeiramente
para fora. Boca fechada, pénis flácido, quatro últimos dedos das mãos juntos e em
extensão

Planos Orientadores das Peças Anatómicas:

 Plano frontal: anterior/posterior


 Plano sagital: interno/externo
 Plano horizontal: superior/inferior

Periósteo: membrana fibrosa que envolve os ossos, essencial no seu desenvolvimento


e vascularização.

Ossificação:

 Endocondral – a partir de cartilagem – caso dos ossos da base do crânio


 Fibrosa – a partir de tecido conjuntivo – caso dos ossos da abóbada craniana e da
face

ARTICULAÇÕES:

 Sinartroses – articulações imóveis. Apresentam 2 superfícies articulares reunidas.


Podem ser:

- sinfibroses ou suturas: ossificação fibrosa (a partir de tecido conjuntivo)


- dentadas: recorte dentado
- escamosas: recorte dentado e talhado em bisel
- harmónicas: superfícies articulares rugosas sem recorte dentado.

- sincondroses: ossificação endocondral (a partir de cartilagem)

8
ESQUINDILESE!!

É um tipo de sinartrose “especial” em que uma superfície articular em forma de


crista encaixa noutra em forma de ranhura, não havendo coadaptação perfeita
entre elas. Apenas possuímos uma no nosso organismo: articulação esfeno-
vomeriana (entre a crista esfenoidal e a ranhura situada entre as asas do vómer)
na qual existe o canal esfeno-vomeriano médio por onde passam pequenos
vasos do septo nasal.

 Anfiartroses – articulações móveis com movimentos de pequena amplitude.


As anfiartroses propriamente ditas são as que apresentam superfícies
articulares planas; quando as superfícies articulares são curvas, designam-se
gonfartroses.
Apresentam ligamento interósseo e ligamentos periféricos.
Exemplos:
o Articulação sacro-coccígea
o Articulações entre os corpos vertebrais

 Diartroses – articulações móveis com movimentos de grande amplitude.


Apresentam superfícies articulares lisas, cápsula articular, ligamentos e
sinovial.
Quando as superfícies articulares não estão perfeitamente adaptadas, existem
meniscos interarticulares – lâminas fibrocartilagíneas que asseguram a
coaptação entre duas superfícies articulares não perfeitamente adaptadas.

Para além dos meniscos, existem ainda os debruns marginais – anéis


fibrocartilagíneos que para além de assegurarem a coaptação das superfícies
articulares, ainda aumentam a extensão e a profundidade da superfície
articular.

Meniscos Interarticulares Debruns Marginais


2 faces livres 1 face livre e articular
1 face aderente 1 face aderente

Sinovial: membrana serosa que forra duplamente a face interior da cápsula


articular, inserindo-se no contorno do revestimento cartilagíneo. Produz líquido
sinovial, que lubrifica as superfícies articulares, facilitando o deslizamento das
superfícies articulares e a sua irrigação (as cartilagens são desprovidas de irrigação).

9
Classificação das diartroses:

 Enartroses (3 eixos) – superfícies articulares em forma de segmento de esfera.


- articulação coxo-femoral
- articulação escapulo-umeral
- articulações metacarpo-falângicas
- articulação mediotársica de Chopart
- articulações metatársico-falângicas

 Condilartroses (2 eixos) – superfícies articulares em forma de segmentos


elipsoides.
- articulação do punho

 Efipiartroses ou articulações de encaixe recíproco (2 eixos) – uma superfície


articular é côncava e outra é convexa no mesmo sentido, havendo um encaixe
recíproco entre as duas. Apenas possuímos 4 no organismo:
- Articulação esterno-condro-clavicular
- Articulação trapezo-primo-metacárpica
- Articulação calcâneo-cuboideia
- Articulação entre o martelo e a bigorna

 Trocleartroses (1 eixo) – superfícies articulares em forma de roldanas/trócleas.


- Articulação úmero-cubital (permite flexão e extensão do antebraço sobre o
braço)

 Trocartroses (1 eixo) – superfícies articulares em forma de segmento de cilindro.


- Articulação rádio-cubital superior (permite a pronação e a supinação do
antebraço)

 Artrodias – superfícies articulares planas


- Articulações intermetacárpicas
- Articulações costo-vertebrais
- Articulação acrómio-clavicular

MÚSCULOS: podem ser simples ou compostos.

Digástricos Poligástricos

(corpo muscular dividido em 2 ou mais ventres por 1 ou mais tendões intermediários)

10
Músculos com grande deslocamento e pequena tração apresentam fibras longas;
músculos com pequeno deslocamento e grande tração apresentam fibras curtas.

Bolsas serosas: membranas conjuntivas que limitam os músculos e que facilitam o


deslizamento dos órgãos.

Aponevroses: podem ser de revestimento (embainham os músculos e separam-nos


dos órgão vizinhos) ou de inserção (anexos aos músculos largos e planos).

Descrição de um osso:

1. Identificação
2. Classificaçao (longo, curto ou cubóide, placóide ou achatado)

osso longo osso curto

osso placóide

3. Paridade (par, ímpar)


4. Localização
5. Orientação
6. Descrição

Descrição de uma articulação:

1. Identificação
2. Classificação
3. Superfícies Articulares
4. Meios de união
a. Cápsula articular
b. Ligamentos
5. Sinovial
6. Músculos péri-articulares
7. Movimentos da articulação

11
Movimentos:
Circundução:
 Flexão e extensão – aproximação e afastamento do plano frontal conjugação dos
 Adução e abdução – aproximação e afastamento do plano sagital movimentos de
flexão/extensão,
 Rotação interna e rotação externa
adução/abdução
e rotação
interna/rotação
 Elevação e abaixamento externa

 Deslizamento

 Pronação (face palmar da mão voltada para trás, 1º dedo mais interno) e
supinação (face palmar da mão voltada para a frente, 1ºdedo mais externo) –
movimentos do antebraço

 Eversão (rotação externa + abdução + flexão) e inversão (rotação interna +


adução + extensão) – movimentos exclusivos do pé

Eversão Inversão

 Flexão plantar (aponta dos dedos para baixo) e dorsiflexão (aponta os dedos
para cima) – movimentos exclusivos do pé

 Oponência e reposição – movimentos exclusivos do 1ºdedo da mão

12
 Báscula – o ângulo inferior da omoplata desloca-se no sentido inverso ao da
cavidade glenoideia – movimento da omoplata

 Nutação (base do sacro para diante e vértice do cóccix para trás) e contra-
nutação (base do sacro para trás e vértice do cóccix para a frente).

13
2. CABEÇA E PESCOÇO

2.1. Osteologia da Cabeça e do Pescoço

14
A cabeça é composta pelo crânio e pela face. O crânio apresenta uma parte
superior ou abóbada craniana e uma parte inferior ou base do crânio.

2.1.1. OSSOS DA CABEÇA ÓSSEA

FRONTAL
 É um osso placoide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura)

 É um osso ímpar, mediano.

 Localiza-se na região ântero-superior da cabeça,


anteriormente aos parietais e superiormente ao
maciço facial.

 A sua face anterior é convexa e olha ligeiramente


para a frente e para cima. A face que apresenta duas
concavidades separadas por uma chanfradura é
inferior.

 Apresenta 2 faces: uma face exocraniana, convexa


e anterior e uma face endocraniana, côncava e
posterior.

Face exocraniana:

É dividida pela crista órbito-nasal em 2 porções:


 Porção vertical ou frontal
 Porção horizontal ou órbito-nasal

A crista órbito-nasal apresenta 3 segmentos:

. um médio – a chanfradura nasal – em forma de V invertido, articula-se


internamente com os ossos próprios do nariz e externamente com a apófise
ascendente ou frontal do maxilar superior

15
. dois laterais – as
arcadas orbitárias –
localizadas de cada lado da
chanfradura nasal, formam
o rebordo superior da
cavidade orbitária. São
rombas por dentro e
afiladas por fora. Na união
das suas partes romba e
afilada, encontra-se a
chanfradura supra-
orbitária, por onde
passam os vasos e
nervos supra-orbitários.

Internamente a esta
chanfradura, encontra-se
a chanfradura frontal
interna, por onde passam
os vasos e nervos
frontais internos.
As arcadas orbitárias terminam internamente na apófise orbitária interna e,
externamente, na apófise orbitária externa ou zigomática.

Porção vertical ou frontal: localiza-se acima da crista órbito-nasal e apresenta as


seguintes estruturas:

. sutura médio-frontal ou metópica – acima da chanfradura nasal


. glabela – superiormente à sutura metópica, é uma eminência larga, obtusa e
arqueada
. arcada supraciliar – saliência que prolonga a extremidade da glabela para fora e
para cima
. bossa frontal lateral – eminência arredondada situada acima da arcada
supraciliar
. crista lateral do frontal – ascende superiormente à apófise orbitária externa
. face lateral ou temporal do frontal – posteriormente à crista lateral do frontal

16
Porção horizontal ou órbito-nasal: apresenta as seguintes estruturas:

. chanfradura etmoidal– superfície de “encaixe” do etmóide, é larga, retangular


e circunscrita pela superfície etmoidal do frontal.

. semicélulas etmoidais do frontal – cavidades localizadas lateralmente à


chanfradura etmoidal.

. espinha nasal do frontal – posterior à chanfradura nasal, é uma apófise com a


forma de uma pirâmide de base superior e vértice inferior.

. canais etmoidais anterior e posterior – goteiras situadas na superfície


etmoidal do frontal entre as semicélulas do frontal. No canal etmoidal anterior passa
a artéria etmoidal anterior e o nervo nasal interno. No canal etmoidal
posterior passa a artéria etmoidal posterior e o nervo esfeno-etmoidal.

. fossas orbitárias – localizadas externamente à superfície etmoidal do frontal.

- fosseta lacrimal (externa) – aloja a glândula lacrimal


- fosseta troclear (interna) – onde se insere a tróclea de reflexão do músculo
grande oblíquo

Face endocraniana: apresenta as seguintes estruturas:


. buraco cego – orifício situado na extremidade da crista frontal. É atravessado
pela veia emissária ao seio sagital superior e por um prolongamento da dúra-mater.
Localiza-se superiormente à chanfradura etmoidal.

. crista frontal – aresta afilada e mediana que se bifurca na goteira do seio


longitudinal superior.

. fossetas de Pachioni – de cada lado da crista frontal, são responsáveis pela


drenagem do líquido céfalo-raquidiano.

17
. bossas orbitárias – de cada lado da chanfradura etmoidal.

. impressões digitais – depressões irregulares das bossas orbitárias.

. eminências mamilares – saliências que delimitam as impressões digitais das


bossas orbitárias.

. fossas frontais – superiores às bossas orbitárias, correspondem às bossas


frontais laterais da face exocraniana.

A unir as faces endocraniana e exocraniana, encontra-se o bordo


circunferencial que apresenta 2 segmentos:

- segmento superior ou semicircular: talhado em bisel à custa da tábua


interna, superiormente e talhado em bisel à custa da tábua externa, inferiormente.
Articula-se, superiormente, com o bordo anterior dos parietais e, inferiormente,
com a grande asa do esfenóide.

- segmento inferior ou horizontal: interrompido na linha média pela


chanfradura etmoidal, limita posteriormente as bossas orbitárias. Articula-se com o
bordo anterior da pequena asa do esfenóide.

18
ETMÓIDE
 É um osso curto ou cubóide (as 3 dimensões são iguais)

 É um osso ímpar, mediano

 Localiza-se na cabeça e faz parte da base do


crânio. Situa-se inferiormente à porção órbito-
nasal do frontal e anteriormente ao esfenóide.

 A lâmina óssea que apresenta vários orifícios é


horizontal. Desta lâmina destaca-se uma saliência
que é anterior e superior.

 É constituído por 4 partes:

1. Lâmina vertical – ântero-posterior e mediana


2. Lâmina horizontal – que cruza a lâmina vertical perto da sua extremidade
superior
3. Massas Laterais – apostas às extremidades laterais da lâmina horizontal

Lâmina vertical: é dividida pela lâmina


horizontal em 2 partes: uma superior, a apófise
crista galli, que faz saliência na cavidade
craniana, e uma inferior, a lâmina
perpendicular, que faz parte do septo nasal.

 Apófise Crista-Galli: é uma apófise


triangular, cujo bordo anterior se articula
anteriormente com o frontal e com duas cristas
laterais, os processus alaris. Dá inserção à
foice do cérebro.

 Lâmina Perpendicular: é pentagonal e


delgada. Apresenta 5 bordos:
.bordo superior: confunde-se com a lâmina horizontal do etmóide.
. bordo anterior: articula-se, superiormente, com a espinha nasal do frontal
e, inferiormente, com os ossos próprios do nariz.
. bordo ântero-inferior: confunde-se com a cartilagem do septo nasal.

19
. bordo póstero-inferior: articula-se com o vómer.
. bordo posterior: articula-se com o corpo do esfenóide.

Lâmina horizontal: é a lâmina crivada, que


apresenta vários orifícios e 2 faces:

 Face superior: dividida pela apófise


crista galli em duas goteiras –
goteiras olfativas – por onde passam
os filetes do nervo olfativo (I).
Junto à apófise crista galli, encontra-se
a fenda etmoidal onde passa um
prolongamento da dúra-mater e o
buraco etmoidal onde passa o nervo
nasal interno.

 Face inferior: faz parte do teto das


fossas nasais.

Massas laterais: localizam-se entre as cavidades orbitárias e as fossas nasais.


Apresentam 6 faces:

 Face superior: apresenta as semicélulas frontais do etmóide (completadas


pelas semicélulas etmoidais do frontal) e duas goteiras que se articulam com as
goteiras do frontal, formando o canal etmoidal anterior e o canal etmoidal
posterior.

 Face anterior: articula-se com a face interna do únguis e com a face


interna da apófise ascendente do maxilar superior. Apresenta semicélulas
completadas pelas semicélulas do únguis e do maxilar superior.

 Face inferior: articula-se com o maxilar superior e com a apófise orbitária


do palatino. Apresenta semicélulas que são completadas pelas semicélulas do
maxilar superior e pela apófise orbitária do palatino.

 Face posterior: articula-se com a face anterior do corpo do esfenóide.


Apresenta semicélulas completadas pela semicélulas do esfenóide.

20
 Face externa: designa-se lâmina papirácea ou osso plano. Faz parte do
rebordo interno da órbita.

 Face interna: muito irregular, dá origem a lamelas recurvadas, o corneto


superior e o corneto médio. Podem ainda existir outros cornetos
complementares, o corneto de Santorini e o corneto de Zuckerkandl.

Os meatos formam-se entre a parede interna das massas laterais do etmóide e a face
externa dos cornetos, existindo assim os meatos superior, médio, inferior, de
Santorini e de Zuckerkandl.

Drenagem para os meatos:

 Meato superior: células etmoidais posteriores e seio esfenoidal


 Meato médio: células etmoidais anteriores, seio maxilar e seio frontal
 Meato inferior: canal lacrimo-nasal.

Ao nível do meato médio, encontram-se as seguintes estruturas:

 Apófise unciforme – lâmina óssea delgada que se destaca na extremidade do


meato médio. A apófise unciforme apresenta uma saliência, o aggar nasi.
 Bula etmoidal – saliência alongada que limita o bordo superior do corneto médio.
 Sulco retrobular – depressão que separa o bordo superior do corneto medio da
bula etmoidal.
 Goteira uncibular – intervalo que separa a apófise unciforme da bula etmoidal
 Trabécula uncibular – lamela óssea que une a extremidade superior da apófise
unciforme à extremidade superior da bula etmoidal.

21
ESFENÓIDE
 É um osso curto ou cubóide (as 3
dimensões são iguais)

 É um osso ímpar, mediano.

 Localiza-se na cabeça, na região


anterior e média da base do crânio,
posteriormente ao frontal e ao etmóide e
anteriormente ao occipital e aos temporais.

 A linha que une os dois pontos mais afastados é ântero-superior.

 Tem a forma de uma borboleta, sendo possível distinguir-se uma parte média, o
corpo e 3 apófises – grandes asas, pequenas asas e apófises pterigoideias

CORPO: é cúbico e apresenta 6 faces:

1. Face superior: apresenta o jugum esfenoidal que se continua à frente


com a goteira olfativa correspondente. Anteriormente, encontra-se o
processus etmoidal que se articula com a extremidade posterior da apófise
crista galli e com a lâmina crivada. Está limitado posteriormente pelo limbus
esfenoidal que, por sua vez, apresenta posteriormente a goteira ótica,
que se continua com o canal ótico por onde passa o nervo ótico (II) e a
artéria oftálmica. A goteira ótica é limitada pelo tubérculo pituitário, que
limita a sela turca, onde se aloja a hipófise.

22
Na parte anterior da sela turca, encontra-se o sulco do seio coronário,
limitado posteriormente pela crista sinustósica, que termina de lado pelas
apófises clinoideias médias.
Na parte posterior da sela turca, encontra-se a lâmina quadrilátera do
esfenóide, que se continua com a apófise basilar do occipital, formando a
Ladeira de Blumenbach. O bordo superior prolonga-se pelas apófises
clinoideias posteriores e os bordos laterais estão em relação com o nervo
motor ocular comum (III) e com o seio petroso inferior.

2. Face anterior: faz parte do teto das fossas nasais. Apresenta uma crista
média vertical, que se une ao bordo posterior da lâmina perpendicular do
etmóide – crista esfenoidal anterior. No meio da crista existe o orifício do
seio esfenoidal. A superfície lateral é escavada pelas semicélulas
esfenoidais, articulando-se com a face posterior das massas laterais do
etmóide e com a apófise orbitária do palatino.

23
3. Face inferior: parte mais recuada das fossas nasais. Apresenta a crista
esfenoidal inferior na linha média, que se continua com a crista esfenoidal
anterior. A extremidade anterior desta crista designa-se bico do esfenóide.
A crista esfenoidal inferior é recebida pelas asas do vómer, formando o canal
esfeno-vomeriano médio, por onde passam pequenos vasos do septo
nasal. A coadaptação entre o vómer e o esfenóide não é perfeita ---
ESQUINDILESE.

4. Face posterior: articula-se com o occipital.

5. Faces laterais: das faces laterais nascem as pequenas e as grandes asas do


esfenóide.
A fenda esfenoidal é o espaço compreendido entre a raiz inferior da
pequena asa e o bordo anterior da grande asa do esfenóide. É dividida pelo

24
anel de Zinn (anel tendinoso constituído pelos 4 músculos retos do olho:
superior, inferior, interno e externo).

POR DENTRO DO ANEL DE ZINN (int para ext)


 Ramo inferior do nervo motor ocular comum (III)
 Nervo nasociliar
 Nervo motor ocular externo (VI)
 Ramo superior do nervo motor ocular comum (III)

POR FORA DO ANEL DE ZINN (int para ext)

 Veia oftálmica
 Nervo patético
 Ramo terminal frontal do nervo oftálmico do trigémeo (V1)
 Ramo terminal lacrimal do nervo oftálmico do trigémeo (V1)

PEQUENAS ASAS DO ESFENÓIDE: nascem em cima e à frente das massas


laterais por duas raízes, a raiz superior e a raiz póstero-inferior. As raízes
circunscrevem o canal ótico, por onde passa o nervo ótico (II) e a artéria
oftálmica.
A face superior articula-se com a porção órbito-nasal do frontal; a face inferior limita
a fenda esfenoidal.

GRANDES ASAS DO ESFENÓIDE: estendem-se para fora e para cima. Na face


endocraniana encontram-se 3 orifícios:
 Buraco Grande Redondo: abre-se na fossa ptérigo-maxilar. Dá passagem ao
nervo maxilar superior (V2) e a pequenas veias emissárias.
 Buraco Oval: dá passagem ao nervo maxilar inferior (V3) e à artéria pequena
meníngea.

25
 Buraco Pequeno Redondo: dá passagem ao ramo meníngeo do nervo maxilar
inferior (V3) e à artéria meníngea média

Podem ainda existir outros dois buracos (inconstantes):

 Buraco de Vesálio: pequena veia emissária


 Canalículo Inominado de Arnold: pequenos nervos petrosos superficial e
profundo.

Na face exocraniana existem 2 faces, uma face orbitária que faz parte da parede
externa da órbitae uma face têmporo-malar, dividida em 2 porções pela crista
esfeno-temporal: porção temporal – dá inserção ao músculo temporal e porção malar –
dá inserção ao músculo pterigoideu interno.

No segmento posterior do bordo interno da grande asa, encontra-se o buraco lácero


anterior, dividido pela língula da grande asa em dois segmentos:

- um interno, em relação com a artéria carótida interna

- um externo, atravessado pelos grandes nervos petrosos superficial e profundo.

APÓFISES PTERIGOIDEIAS: têm duas raízes, uma interna e uma externa. Na união
das duas raízes encontra-se o canal vidiano, por onde passam os vasos e nervos
vidianos.

A face externa da asa interna e a face interna da asa externa da apófise pterigoideia,
circunscrevem a fossa pterigoideia. Supero-internamente encontra-se a fosseta
escafoideia onde se insere o músculo periestafilino externo. Na parede externa e
no fundo da fossa pterigoideia, insere-se o músculo pterigoideu interno.

O bordo posterior da asa externa da apófise pterigoideia apresenta uma saliência, a


espinha de Civinini que dá inserção ao ligamento de Civinini e à aponevrose
interpterigoideia.

Canal Ptérigo-Palatino: atravessado pela artéria ptérigo-palatina e pelo nervo


faríngeo.

26
TEMPORAL
 É um osso placoide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura)

 É um osso par

 Localiza-se na cabeça, na parte inferior e


lateral do crânio, inferiormente aos parietais,
anteriormente ao occipital e posteriormente ao
esfenóide.

 A parte em forma de escama é superior e


externa e a saliência mais volumosa é posterior
e inferior.

 É constituído por 3 partes:

1. Escama (ou porção escamosa)


2. Mastóide (ou porção mastoideia)
3. Rochedo (ou porção petro-timpânica)

ESCAMA: lâmina óssea vertical que apresenta 2 faces, uma exocraniana e uma
endocraniana, separadas por um bordo circunferencial.

A face exocraniana está dividida em 2 partes pela apófise zigomática: porção


superior ou temporal e porção inferior ou basilar.

Apófise Zigomática: apresenta 2 segmentos: um transversal e um ântero-posterior.

 Segmento transversal: tem 2 faces:


. uma face superior – relaciona-se com o músculo temporal
. uma face inferior – apresenta as raízes da apófise zigomática, em cuja
junção se encontra o tubérculo zigomático anterior. A raiz
longitudinal curva-se para trás e para cima formando a linea
temporalis e continua-se com a linha curva temporal inferior do parietal.
A raiz transversa ou côndilo do temporal articula-se com o maxilar
inferior.

27
 Segmento ântero-posterior:
. face externa – convexa
. face interna – côncava
. bordo superior – onde se insere a aponevrose temporal
. bordo inferior – onde se insere o músculo masséter
. extremidade anterior – articula-se com o malar

(entre os dois folhetos da aponevrose temporal, passa a artéria temporal


profunda média)

Porção superior ou temporal: encontra-se acima da apófise zigomática, dá inserção


ao músculo temporal e apresenta posteriormente um sulco para a artéria temporal
profunda posterior.

Porção inferior ou basilar: pertence à base do crânio. Apresenta a raiz transversa


da apófise zigomática ou côndilo do temporal.

Posteriormente ao côndilo, encontra-se a cavidade glenoideia, cujo fundo é


percorrido pela cisura de Glaser. Esta cisura divide a cavidade glenoideia em 2
segmentos: um anterior, pré-glasseriano (articular com o maxilar inferior) e um
posterior, retro-glasseriano (não articular). Pela cisura de Glaser passa a artéria
timpânica anterior.

A cisura está dividida em cisura petro-escamosa e em cisura petro-timpânica


(nervo corda do tímpano (VII)) pelo tegmun timpani.

Apresenta à frente do côndilo, uma superfície triangular, a superfície plana sub-


temporal que forma o teto da fossa ptérigo-maxilar.

A face endocraniana apresenta circunvoluções cerebrais e sulcos escavados pelos


ramos da artéria meníngea média (contribuindo para formar parte da “folha de
figueira”).

Bordo Circunferencial: apresenta 2 porções: uma porção aderente ou inferior,


anterior à porção mastoideia, tem 2 suturas: cisura petro-escamosa superior e

28
cisura tímpano-escamosa ou de Glaser; uma porção livre que termina atrás na
incisão parietal. Articula-se com o parietal e com a grande asa do esfenóide.

MASTÓIDE: situa-se na parte póstero-inferior do temporal, posteriormente ao canal


auditivo externo. Apresenta 2 faces, uma endocraniana e outra exocraniana,
separadas por um bordo circunferencial.

Face Exocraniana: - no seu ¼ ântero-superior, é relativamente lisa, apresentando a


espinha supra-meática e, posteriormente a ela, a zona crivada, uma superfície
perfurada por vários orifícios vasculares.

- nos seus ¾ póstero-inferiores, dá inserção (de ant para post) aos


músculos:

o Occipital
o Esternocleidomastoideu
o Splenius capitis

Perto do bordo posterior existe o buraco mastoideu por onde passa uma veia
emissária anastomótica.

A porção inferior prolonga-se na apófise mastoideia, cuja face externa dá inserção


aos músculos esternocleidomastoideu, splenius capitis e pequeno complexo. A
sua face interna apresenta a ranhura do digástrico onde se insere o ventre
posterior do digástrico. Internamente, observa-se a eminência justa-mastoideia
e internamente a esta, uma goteira escavada pela artéria occipital.

29
Face Endocraniana: atrás do rochedo, contribui para a formação do andar posterior
dabase do crânio. Possui a goteira do seio lateral que apresenta o buraco mastoideu.

Bordo Circunferencial: articula-se com o parietal, superiormente e com o occipital,


inferiormente.

ROCHEDO: tem a forma de pirâmide quadrangular. Apresenta 4 faces, 4 bordos, 1


base e 1 vértice. As faces superiores são endocranianas e as inferiores são
exocranianas.

o Face ântero-superior: apresenta a eminência arquata. Anteriormente à


eminência arquata, encontra-se o hiato de Falópio, por onde passam os
grandes nervos petrosos superficial e profundo, e externamente a este
encontram-se os hiatos acessórios, por onde passam os pequenos nervos
petrosos superficial e profundo. Anteriormente ao hiato de Falópio, encontra-se a
fosseta do gânglio de Gasser, onde se encontra o gânglio de Gasser (V).
Externamente à eminência arquata, observa-se o tegmen timpani, percorrido
pela cisura petro-escamosa superior.

o Face póstero-superior: apresenta na linha média o orifício do canal auditivo


interno, por onde passa o nervo auditivo (VIII), o nervo facial e intermediário
de Wrisberg (VII) e a artéria labiríntica.

30
Acima e atrás do canal auditivo interno, encontra-se a fossa subarquata no
fundo da qual se situa o orifício do canal petro-mastoideu. Atrás do canal
auditivo interno, encontra-se o aqueduto do vestíbulo, por onde passa o canal
endolinfático, artéria e vénula.

o Face ântero-inferior: emite um prolongamento na base da apófise estiloideia,


a apófise vaginal. Apresenta a apófise tubária, internamente à cavidade
glenoideia.

o Face póstero-inferior: apresenta a apófise estiloideia onde se insere o


Ramalhete de Riolan (INT para EXT)
- músculo estilo-faríngeo
- músculo estilo-glosso
- músculo estilo-hioideu
- ligamento estilo-maxilar
- ligamento estilo-hioideu

Músculo estilo-faríngeo: insere-se no bordo interno da base da apófise


Músculo estilo-glosso: insere-se na face ântero-externa da apófise, perto do
vértice
Músculo estilo-hiodeu: insere-se na face póstero-externa da apófise, perto da
base
Ligamento estilo-maxilar: bordo externo da apófise, perto do vértice
Ligamento estilo-hioideu: insere-se no vértice

Apresenta o buraco estilo-mastoideu (entre a apófise estiloideia e a apófise


mastoideia), por onde passam vasos mastoideus e o nervo facial (VII).

31
Apresenta a faceta jugular (atrás e por dentro do buraco estilo-mastoideu),
que se articula com a apófise jugular do occipital.
A fossa jugular (anteriormente à faceta jugular e internamente à apófise
estiloideia) relaciona-se com o golfo da veia jugular interna.

Ostium introitus – por onde passa o ramo auricular do nervo pneumogástrico (X)

Canal carotídeo – por onde passa a artéria carótida interna.

Canal de Jacobson ou timpânico – por onde passa o ramo timpânico do nervo


glossofaríngeo (IX)

O rochedo do temporal possui 4 bordos: anterior, posterior, superior e inferior.

Bordo Superior: separa as faces ântero-superior e póstero-superior. É percorrido pela


goteira do seio petroso superior; é escavado por uma chanfradura por onde passa o
nervo trigémeo(V). Anteriormente a esta chanfradura, encontra-se o canal de Dorello,
atravessado pelo nervo motor ocular externo (VI).

Bordo Inferior: separa as faces ântero-inferior e póstero-inferior.

Bordo Anterior: apresenta o buraco lácero anterior, dividido pela língula da grande
asa do esfenóide em 2 segmentos: um anterior, em relação com a artéria carótida

32
interna e um posterior, atravessado pelos grandes nervos petrosos superficial e
profundo. O buraco lácero anterior encontra-se entre o bordo anterior do rochedo
do temporal e a extremidade posterior da grande asa do esfenóide.

Bordo Posterior: separa as faces póstero-superior e póstero-inferior. Apresenta a


faceta jugular e, posteriormente, o buraco lácero posterior, que se encontra
dividido pelas espinhas jugulares do temporal e do occipital em 2 partes:

- uma parte anterior, nervoso, dividido por um septo fibroso em segmentos anterior e
posterior. No segmento anterior, passam o seio petroso inferior e o nervo
glossofaríngeo (IX). No segmento posterior, passam o nervo pneumogástrico (X)
e o nervo espinhal (XI).

- uma parte posterior, vascular, atravessado pela veia jugular interna.

O buraco lácero posterior é ainda atravessado pela artéria meníngea posterior e por
um ramo meníngeo da artéria occipital.

PONTOS FRACOS DO TEMPORAL

1. Cisura petro-escamosa superior


2. Orifício petro-mastoideu
3. Orifício do aqueduto do vestíbulo

CAVIDADES MASTOIDEIAS: São divertículos da caixa do tímpano, escavados na


porção mastoideia do temporal. Fazem parte do ouvido médio e possuem células
mastoideias.

33
OCCIPITAL
 É um osso placoide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura)

 É um osso ímpar

 Localiza-se na cabeça, na porção média e


póstero-inferior do crânio. Faz parte da base do
crânio e da abóbada craniana.

 A face côncava é anterior. O maior buraco é inferior.

 Tem a forma de segmento de esfera.

 Apresenta 4 partes:
1. Corpo ou apófise basilar (anterior)
2. 2 massas laterais
3. Escama (posterior)

1. Corpo ou apófise basilar: apresenta 2 faces e 4 bordos.

Face Exocraniana:apresenta na linha média o tubérculo faríngeo, onde se insere


a aponevrose faríngea. Anteriormente ao tubérculo faríngeo, encontra-se a fosseta
navicular e, no fundo desta, a fosseta faríngea.
De cada lado da linha média, apresenta duas cristas: a crista
muscular (posterior), que dá inserção ao músculo pequeno reto anterior e a crista
sinustósica (inconstante). Anteriormente à crista sinustósica insere-se o músculo
grande reto anterior.

Protuberância occipital exterior

34
Face Endocraniana: é inclinada em baixo e atrás e deprimida numa goteira, a
goteira basilar, que forma com a lâmina quadrilátera do esfenóide a Ladeira de
Blumenbach.

Bordos Laterais: unem-se ao rochedo do temporal.

Bordo Anterior: está soldado ao corpo do esfenóide.

Bordo Posterior: forma o limite anterior do buraco occipital.

2. Massas laterais: situam-se de cada lado do buraco occipital.

Face Exocraniana: apresenta o côndilo occipital, saliência que se relaciona com a


metade anterior do buraco occipital. Ântero-externamente ao côndilo, encontra-se a
fosseta condiliana anterior, no fundo da qual se abre o canal condiliano anterior
que dá passagem à veia condiliana anterior e ao nervo grande hipoglosso (XII).
Posteriormente ao côndilo, encontra-se a fosseta condiliana posterior, de onde
nasce o canal condiliano posterior, que dá passagem à veia condiliana posterior.

Face Endocraniana: apresenta uma eminência, o tubérculo occipital. Inferiormente a


ele, encontra-se o orifício do canal condiliano anterior. Apresenta póstero-
externamente a apófise jugular e a goteira do seio lateral em relação com o golfo
da artéria jugular interna.

Bordo Interno: limita lateralmente o buraco occipital.

35
Bordo Externo: está dividido em 2 partes pela apófise jugular. Atrás da apófise
jugular, une-se à porção mastoideia do temporal. À frente da apófise jugular, o bordo
externo forma o limite interno do buraco lácero posterior.

3. Escama: apresenta 2 faces, 4 bordos e 4 ângulos.

Face Exocraniana: na linha média, observa-se a protuberância occipital exterior,


que define um ponto craniométrico, o ínion. Da protuberância occipital exterior,
parte a crista occipital exterior até ao bordo posterior do buraco occipital. A
partir da protuberância occipital exterior, destaca-se de cada lado a linha curva
occipital superior. A partir da parte média da crista occipital exterior, destaca-se
de cada lado, a linha curva occipital inferior, até à apófise jugular. Entre as 2
linhas curvas occipitais superior e inferior, inserem-se o músculo grande
complexo (internamente) e o músculo grande oblíquo (externamente).

Protuberância occipital exterior

36
Face Endocraniana: sobre a linha média encontra-se a protuberância occipital
interior, ao mesmo nível que a protuberância occipital exterior. Da protuberância
occipital interior partem: 2 goteiras laterais – goteiras do seio lateral; 1 goteira
ascendente – goteira do seio longitudinal superior e 1 goteira descendente
(que bifurca no buraco occipital).

Bordos Superiores: articulam-se com os parietais através da sutura lambdoide.

Bordos Inferiores: unem-se à porção mastoideia do temporal.

Ângulos laterais: correspondem à extremidade posterior da sutura têmporo-


parietal.

Ângulo superior: compreendido entre os 2 parietias, corresponde ao lambda (ponto


craniométrico).

Ângulo inferior: constitui o bordo posterior do buraco occipital.

37
PARIETAL
 É um osso placoide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura)

 É um osso par

 Osso quadrangular, localiza-se na cabeça, de cada


lado da linha média, anteriormente ao occipital,
posteriormente ao frontal e superiormente aos
temporais.

 Das duas faces que apresenta, a face convexa é


externa. Dos quatros bordos, o talhado em bisel é
inferior. Dos dois ângulos relacionados com esse
bordo, o de menor amplitude é anterior e situa-se um pouco mais acima que o
posterior.

 Tem 2 faces, 4 bordos e 4 ângulos.

Face Exocraniana: convexa, percorrida pelas linhas curvas temporais superior


e inferior. A linha curva temporal superior dá inserção à aponevrose temporal e
a linha curva temporal inferior dá inserção ao músculo temporal. Acima da linha
curva temporal superior, a superfície é lisa, possuindo uma parte mais saliente da
linha média, a bossa parietal. Perto do bordo superior do parietal, encontra-se o
buraco parietal, por onde passa a veia emissária de Santorini.

38
Face Endocraniana: côncava, deprimida na parte média na fossa parietal. A
face endocraniana é percorrida por sulcos vasculares ramificados, em forma de
“folha de figueira”, por onde passam ramos da artéria meníngea. Existem pequenas
depressões, as fossetas de Pacchioni onde se alojam os corpúsculos de
Pacchioni.

Bordo Superior: tem um recorte denteado que se articula com o bordo


correspondente do parietal contra-lateral. Perto do buraco parietal, encontra-se um
ponto craniométrico, o óbelion.

Bordo Inferior: articula-se com a escama do temporal.

Bordo Anterior: articula-se com o frontal pela sutura coronal, superiormente e,


inferiomente, com a grande asa do esfenóide.

Bordo Posterior: une-se à escama do occipital pela sutura lambdóide.

Ângulo Ântero-superior ou Frontal: união das suturas frontal e sagital –


bregma

Ângulo Póstero-superior ou Occipital: união das suturas sagital e lamdóide –


lambda

39
Ângulo Ântero-inferior ou Esfenoidal: une-se à grande asa do esfenóide por
uma sutura que faz parte do ptérion, um ponto craniométrico que corresponde à
confluência do frontal, do parietal e da grande asa do esfenóide.

Ângulo Póstero-inferior ou Mastoideu: penetra no ângulo formado pela escama


do temporal e pela apófise mastoideia do temporal. Faz parte do ásterion, um
ponto craniométrico que resulta da união das suturas que unem o parietal, o
occipital e o temporal.

OSSOS WORMIANOS
 Pequenas peças inconstantes localizadas entre os diversos ossos do crânio.

40
CRÂNIO EM GERAL
 O crânio apresenta 2 partes: uma superior, a abóbada craniana, composta pela
porção vertical do frontal, os parietais, a escama dos temporais e o occipital; uma
inferior, a base do crânio, composta pelo etmóide, a porção órbito-nasal do frontal,
o esfenóide, o occipital e os temporais.

ABÓBADA CRANIANA:

Configuração Exterior: Apresenta na linha média e de anterior para posterior, a bossa


frontal média ou glabela, a sutura metópica e a sutura sagital ou parieto-
parietal, na qual se situa o óbelion, entre os 2 buracos parietais.

Lateralmente, encontram-se as arcadas supra-ciliares, a bossa frontal lateral, a


sutura coronal ou fronto-parietal, a bossa parietal e a sutura lambdóide ou
sutura parieto-occipital.

Na união da sutura coronal e da sutura sagital encontra-se o bregma.

Na união da sutura sagital e da sutura lambdóide encontra-se o lambda.

Inferiormente à bossa parietal, encontra-se a fossa temporal, limitada:

 SUP – linha curva temporal superior do parietal


 INF – arcada zigomática
 ANT – malar

A fossa temporal é constituída pela escama do temporal, pelo parietal, pela grande
asa do esfenóide e pelo frontal. O conjunto das suturas que une estas peças ósseas
define o ptérion.

Configuração Interior: Na linha média encontra-se a crista frontal interior e a


goteira do seio longitudinal superior, que alinha, de cada lado, na região média da
abóbada, as fossetas de Pacchioni, que permitem a drenagem do líquido céfalo-
raquidiano.

Lateralmente, encontram-se as fossas frontais laterais, a sutura coronal, as


fossas parietais, os sulcos vasculares da artéria meníngea média, a sutura
lambdóide e as fossas cerebrais do occipital.

41
BASE DO CRÂNIO:

Configuração Exterior: Pode dividir-se em 2 partes: parte facial, constituída pelo


etmóide, pela porção órbito-nasal do frontal e pelo esfenóide; e parte têmporo-
occipital, constituída pelo temporal e pelo occipital.

Configuração Interior: A base do crânio divide-se em 3 andares:

 Andar anterior ou etmóido-frontal: limitado anteriormente, pela porção


vertical do frontal e, posteriormente, pela sela turca e pelo bordo posterior das
pequenas asas do esfenóide.
 Andar médio ou esfeno-temporal: limitado anteriormente, pelo limite
posterior do andar anterior e, posteriormente, pelo bordo superior do rochedo do
temporal.
 Andar posterior ou occipito-temporal: limitado anteriomente, pelo limite
posterior do andar médio e, posteriormente, pelas goteiras do seio lateral do
occipital.

42
BURACOS E CANAIS DO CRÂNIO:

FRONTAL:

 Chanfrafura supra-orbitária: vasos e nervos supra-orbitários.


 Chanfradura frontal interna: vasos e nervos frontais internos.
 Buraco cego: prolongamento da dúra-mater.
 Canal etmoidal anterior: artéria etmoidal anterior e nervo nasal interno.
 Canal etmoidal posterior: artéria etmoidal posterior e nervo esfeno-etmoidal.

ETMÓIDE:

 Buracos olfativos: filetes do nervo olfativo.


 Fenda etmoidal: prolongamento da dúra-mater.
 Buraco etmoidal e sulco: nervo nasal interno.
 Canais etmoidais: ver frontal.

ESFENÓIDE:

 Canal esfeno-vomeriano médio: pequenos vasos do septo das fossas nasais.


 Canal esfeno-vomeriano lateral: pequenos vasos do septo das fossas nasais.
 Canal ótico: nervo ótico (II) e artéria oftálmica.
 Fenda esfenoidal: Dentro do anel de Zinn:
- ramo inferior do nervo motor ocular comum (III)
- nervo nasociliar
- nervo motor ocular externo (VI)
- ramo superior do nervo motor ocular comum (III)
Fora do anel de Zinn:
- veia oftálmica
- nervo patético (IV)
- ramo terminal frontal do nervo oftálmico do trigémio (V)
- ramo terminal lacrimal do nervo oftálmico do trigémio (V)

 Canal vidiano: nervos e vasos vidianos.


 Canal ptérigo-palatino: artéria ptérigo-palatina e nervo faríngeo.
 Buraco grande redondo: nervo maxilar superior (V2) e veias emissárias.
 Buraco oval: nervo maxilar inferior (V3), artéria pequena meníngea e
pequenas veias emissárias.
 Buraco pequeno redondo: ramo meníngeo do nervo maxilar inferior (V3) e
artéria meníngea média.
 Buraco de vesálio: veia emissária.

43
 Canalículo Inominado de Arnold: pequenos nervos petrosos superficial e
profundo.
 Buraco lácero anterior: artéria carótida interna e grandes nervos petrosos
superficial e profundo.

TEMPORAL:

 Hiato de Falópio: grandes nervos petrosos superficial e profundo.


 Hiatos acessórios: pequenos nervos petrosos superficial e profundo.
 Canal auditivo interno: nervo auditivo (VIII), nervo facial e intermediário de
Wrisberg (VII) e artéria labiríntica.
 Aqueduto do vestíbulo: canal endolinfático, vénula e artéria.
 Canal de Jacobson ou timpânico: ramo timpânico do nervo glossofaríngeo
(IX).
 Ostium introitus: ramo auricular do nervo pneumogástrico (X).
 Cisura de Glaser: artéria timpânica anterior.
 Buraco estilo-mastoideu: vasos estilo-mastoideus e nervo facial (VII).
 Canal auditivo externo: coluna de ar.
 Canal carotídeo: artéria carótida interna e plexo carotídeo.
 Buraco mastoideu: veia emissária anastomótica.
 Buraco lácero posterior:

segmento anterior: parte anterior – seio petroso inferior, nervo glossofaríngeo

parte posterior – nervo pneumogástrico (X) e nervo espinhal (XI)

segmento posterior: veia jugular interna

OCCIPITAL:

 Buraco Occipital ou foramen magnum: artérias vertebrais, bulbo raquidiano,


meninges e raiz medular do nervo espinhal (XI).
 Canal condiliano anterior: veia condiliana anterior e nervo grande hipoglosso
(XII).
 Canal condiliano posterior: veia condiliana posterior.

PARIETAL:

 Buraco parietal: veia emissária de Santorini

44
45
DESENVOLVIMENTO DO CRÂNIO – FONTANELAS:

 Fontanela anterior ou bregmática – entre o frontal e os parietais.


 Fontanela posterior ou lambdóide – entre os parietais e occipital.
 Fontanelas laterais anteriores – correspondem ao ptérion.
 Fontanelas laterais posteriores – correspondem ao astérion.

PONTOS CRANIOMÉTRICOS:

 Bregma: entre o frontal e os parietais.


 Lambda: entre os parietais e o occipital.
 Ptérion: entre o temporal, o frontal, os parietais e o esfenóide.
 Astérion: entre o temporal, o occipital e os parietais.
 Ínion: protuberância occipital exterior.
 Glabela: bossa frontal média.
 Básion: rebordo anterior do buraco occipital.
 Opistion: rebordo posterior do buraco occipital.
 Obelion: entre os 2 buracos parietais.
 Gónion: ângulo da mandíbula.

46
2.1.2. OSSOS DA FACE

O esqueleto da face divide-se em mandíbula superior, que compreende 13 ossos


(vómer, maxilares superiores, únguis, palatinos, cornetos inferiores, ossos nasais e
malares) e em mandíbula inferior, que compreende o maxilar inferior.

MAXILAR SUPERIOR
 É um osso curto ou cubóide (as 3 dimensões são semelhantes).

 Osso par

 Faz parte da face e situa-se, superiormente à cavidade bucal, inferiormente às


cavidades orbitárias e externamente às fossas nasais.

 O bordo alveolar é inferior e descreve uma linha cuja concavidade é interna e


ligeiramente posterior, sendo os alvéolos mais pequenos anteriores.

 Apresenta uma configuração exterior muito irregular, aproximadamente quadrilátera,


com 2 faces (interna e externa) e 4 bordos.

FACE EXTERNA: apresenta ao longo do bordo inferior, saliências verticais,


correspondentes às raízes dos dentes. A raiz do canino determina uma saliência, a
bossa canina. Internamente à bossa canina, encontra-se a fosseta mirtiforme,
onde se insere o músculo mirtiforme.

Apófise Piramidal ou Zigomátca: é uma saliência superior às raízes dos dentes;


é triangular e truncada; apresenta 3 faces, 3 bordos, 1 base e 1 vértice.

o Face Superior ou Orbitária: constitui a maior parte do pavimento da órbita.


Na parte média do seu bordo posterior, encontra-se a goteira infra-
orbitária, que se continua com o canal infra-orbitário, por onde
passam vasos e nervos infra-orbitários. Da parede inferior do canal infra-
orbitário, destca-se o canal dentário anterior e superior, por onde
passam os vasos e nervos dentários anteriores.

o Face Anterior ou Geniana: relaciona-se com as partes moles da região


geniana. Apresenta o buraco infra-orbitário que termina no canal
infra-orbitário. Inferiormente a ele, encontra-se a fossa canina.

47
o Face Posterior ou Zigomática: forma a parede anterior da fossa ptérigo-
maxilar e do seu transfundo. Apresenta a tuberosidade do maxilar
superior onde se encontram os canais dentários posteriores, por
onde passam vasos e nervos dentários posteriores. A face posterior da
tuberosidade apresenta uma goteira, por onde passa o nervo maxilar
superior (V2).

o Bordo Anterior: forma o rebordo inferior da órbita.


o Bordo Posterior: observa-se a espinha malar. Constitui o bordo inferior
da fenda esfeno-maxilar.
o Bordo Inferior: separa a face anterior da posterior.

o Base: ocupa a face externa do maxilar superior.


o Vértice: articula-se com o malar.

FACE INTERNA: está dividida em 2 partes pela apófise palatina: parte bucal e parte
nasal.

Apófise Palatina: é uma lâmina óssea triangular com 2 faces e 3 bordos.

o Face Superior: pertence ao pavimento das fossas nasais.


o Face Inferior: faz parte da abóbada palatina.

o Bordo Externo: une-se à face interna do maxilar superior.


o Bordo Posterior: articula-se com o palatino.

48
o Bordo Interno: apresenta, em cima, uma saliência denominada aresta nasal.
Quando as duas apófises palatinas estão articuladas, unem-se as duas arestas
nasais, formando a crista nasal. Esta eleva-se bruscamente, no 1/3 anterior da
apófise palatina, formando a crista incisiva, que se estende até ao bordo
anterior do osso, numa saliência, a espinha nasal anterior. Na face inferior,
encontra-se a união das duas apófises palatinas, a sutura inter-maxilar, onde
se observa o canal palatino anterior ou incisivo, por onde passam vasos e
nervos naso-palatinos.

Parte Bucal: situa-se abaixo da apófise palatina, no espaço compreendido entre a


apófise palatina e o bordo alveolar.

Parte Nasal: apresenta um grande orifício que dá acesso ao seio maxilar ou


antro de Higmore. Do seu ângulo inferior, parte a fissura palatina. Superiormente
ao orifício do seio maxilar, encontram-se as semicélulas que completam com as do
etmóide, formando as células etmóido-maxilares. Anteriormente ao seio maxilar,
desce a goteira lacrimal, limitada pela concha lacrimal (fina lamela óssea
constituinte do bordo anterior do seio maxilar). A goteira lacrimal apresenta 2 lábios,
que quando se articulam com a goteira do ungúis formam o canal lácrimo-nasal:

o Anterior: continua-se pelo bordo posterior da apófise ascendente do maxilar


superior. Da sua extremidade inferior parte uma crista, a crista turbinal
inferior.
o Posterior: constituído pelo rebordo anterior do seio maxilar, que se recurva,
formando a concha lacrimal.

49
Posteriormente ao seio maxilar, encontra-se o canal palatino posterior, por onde
passam o nervo palatino anterior e a artéria palatina superior.

BORDO SUPERIOR: articula-se com o ungúis e com a lâmina papirácea do etmóide.


Da extremidade anterior do bordo superior, eleva-se a apófise ascendente ou
frontal do maxilar superior.

Apófise ascendente ou frontal: apresenta 2 faces e 3 bordos.

o Face Externa: é dividida em 2 partes pela crista turbinal anterior: uma


anterior, lisa e uma posterior que contribui para formar a goteira do seio
lacrimal.
o Face Interna: faz parte das fossas nasais. Apresenta na parte média a crista
turbinal superior.
o Bordo Anterior: articula-se com os ossos nasais.
o Bordo Posterior: articula-se com o ungúis.
o Bordo Superior: articula-se com o frontal.

BORDO INFERIOR OU ALVEOLAR: está escavado por orifícios onde se implantam as


raízes dos dentes.

BORDO ANTERIOR: limita o orifício anterior das fossas nasais, o orifício piriforme.

BORDO POSTERIOR: pertence à tuberosidade do maxilar superior e faz parte da


consitituição do transfundo da fossa ptérigo-maxilar.

50
UNGÚIS ou OSSO LACRIMAL
 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura).

 Osso par

 Localiza-se na cabeça, sobre a parede interna da órbita, imediatamente atrás da


apófise ascendente do maxilar superior.

 A face que apresenta uma crista é externa. A crista da face externa é vertical. A
apófise que se destaca da crista da face externa é inferior e anterior.

 É uma lâmina óssea quadrilátera com 2 faces e 4 bordos.

FACE EXTERNA: está dividida pela crista lacrimal posterior em 2 partes:

o Parte posterior: é lisa, localiza-se no mesmo plano que a lâmina papirácea do


etmóide.

o Parte anterior: é escavada pela goteira do seio lacrimal, que contribui em baixo,
para a construção do canal lácrimo-nasal. Assim, o ungúis desce sobre o bordo
superior do maxilar superior, onde os lábios da goteira ungueal se unem aos da
goteira lacrimal do maxilar superior, formando o canal lácrimo-nasal. No ponto
onde a crista lacrimal posterior encontra o maxilar superior, destaca-se uma
saliência em forma de gancho, o hamulus lacrimalis.

51
FACE INTERNA: articula-se com as fossas nasais e com as massas laterais do etmóide.

BORDO SUPERIOR: articula-se com a apófise orbitaria interna do frontal.

BORDO INFERIOR: articula-se com a apófise lacrimal do corneto inferior.

BORDO ANTERIOR: articula-se com o bordo posterior da apófise ascendente do


maxilar superior e com o bordo anterior da goteira lacrimal do maxilar superior.

BORDO POSTERIOR: articula-se com a lâmina papirácea do etmóide.

52
PALATINO
 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura).

 Osso par

 Localiza-se posteriormente ao maxilar superior e inferiormente ao etmóide e ao


esfenóide com os quais se articula.

 Contribui para formar o pavimento e as paredes laterais das fossas nasais, a


abóbada palatina e a cavidade orbitaria.

 Das 2 lâminas articuladas em ângulo reto, o menor é inferior e horizontal. Nesta


lâmina o bordo articular mais espesso é interno e o não articular é côncavo e
posterior.

 É constituído por 2 lâminas: lâmina horizontal e lâmina vertical.

LÂMINA HORIZONTAL: tem a forma de um retângulo, com 2 faces e 4 bordos.

o Face Superior ou Nasal: completa atrás o pavimento das fossas nasais,


o Face Inferior ou Palatina: é rugosa e está escavada por uma goteira que dá
continuidade ao canal palatino posterior.

53
o Bordo Externo: corresponde à junção das lâminas horizontal e vertical. Observa-
se o orifício inferior do canal palatino posterior.
o Bordo Interno: forma uma crista que posteriormente dá continuidade à crista
nasal das apófises palatinas do maxilar superior. A sua extremidade posterior
designa-se espinha nasal posterior.
o Bordo Anterior: apoia-se no bordo posterior da apófise palatina do maxilar
superior.
o Bordo Posterior: liso, forma as coanas – orifícios posteriores das fossas nasais.

LÂMINA VERTICAL: apresenta 2 faces e 4 bordos.

o Face Interna ou Nasal: faz parte da parede externa das fossas nasais.
o Face Externa ou Maxilar: apresenta 4 segmentos.
o Bordo Inferior: confunde-se com o bordo externo da lâmina horizontal do
palatino.
o Bordo Superior: apresenta uma apófise anterior ou orbitaria e outra,
posterior ou esfenoidal. As duas apófises estão separadas uma da outra pela
chanfradura esfeno-palatina que forma o buraco esfeno-palatino, por onde
passam vasos e nervos esfeno-palatinos.

Apófise Orbitária: é prismática triangular, forma a parede inferior ou


pavimento da órbita e o transfundo da fossa ptérigo-maxilar.

Apófise Esfenoidal: limita com a apófise vaginal, o canal ptérigo-palatino,


por onde passada a artéria ptérigo-palatina e o nervo faríngeo.

54
o Bordo Anterior: apresenta a apófise maxilar do palatino.

o Bordo Posterior: apoia-se sobre a apófise pterigoideia do esfenóide. A apófise


piramidal é um prolongamento do palatino que nasce da face externa da
lâmina vertical.

55
CORNETO INFERIOR
 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura).

 Osso par

 Está fixo à parede externa das fossas nasais.

 A face convexa é interna. A extremidade afilada é posterior. A apófise que se


destaca de um dos bordos é superior.

 É uma lamela óssea recurvada. Apresenta 2 faces e 2 bordos:

FACE INTERNA: olha para o septo das fossas nasais.

FACE EXTERNA: limita o metro inferior, onde se abre o canal lácrimo-nasal.

BORDO SUPERIOR OU ARTICULAR: apresenta a apófise lacrimal, a apófise


maxilar e a apófise etmoidal.

BORDO INFERIOR OU LIVRE: convexo, espesso e rugoso.

56
OSSOS PRÓPRIOS DO NARIZ
 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura).

 Osso par

 Situam-se de cada lado da linha média, entre as apófises ascendentes do


maxilar superior, imediatamente abaixo da chanfradura nasal do frontal.

 Dos 2 bordos mais curtos do osso, o mais espesso é superior. Dos 2 bordos longos
do osso, o mais curto é interno. A face convexa é anterior e olha para cima e para
fora.

 Apresenta 2 faces e 4 bordos.

FACE ANTERIOR: convexa.

FACE POSTERIOR: articula-se com a espinha nasal do frontal. É escavada pelo sulco
etmoidal onde passa o nervo naso-lobar.

BORDO SUPERIOR: articula-se com a chanfradura nasal do frontal.

BORDO INFERIOR: articula-se com a cartilagem lateral do nariz.

BORDO EXTERNO: articula-se com a apófise ascendente do maxilar superior.

BORDO INTERNO: articula-se com o osso nasal oposto.

57
VÓMER
 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura).

 Osso ímpar

 Situa-se na parte posterior e inferior do septo das fossas nasais.

 O bordo que apresenta uma goteira mais acentuada é superior. O outro bordo (mais
longo) que apresenta uma goteira é anterior.

 Apresenta 2 faces e 4 bordos.

FACES LATERAIS: são geralmente planas.

BORDO ANTERIOR: oblíquo, articula-se superiormente com a lâmina perpendicular


do etmóide e inferiormente com a cartilagem do septo das fossas nasais.

BORDO POSTERIOR: separa as coanas – orifícios posteriores das fossas nasais.

BORDO SUPERIOR: articula-se com o corpo do esfenóide. No entanto, o vértice da


crista esfenoidal não desce até ao fundo da goteira compreendida pelas 2 asas do
vómer, observando-se a este nível uma esquindilese – articulação esfeno-vomeriana;
apresenta o canal esfeno-vomeriano médio, por onde passam pequenos vasos do
septo nasal. O bordo das asas do vómer forma com a fissura compreendida entre a
apófise vaginal e o corpo do esfenóide, o canal esfeno-vomeriano lateral, também
atravessado por pequenos vasos do septo nasal.

BORDO INFERIOR: articula-se com a crista nasal e com o pavimento das fossas
nasais.

58
MALAR
 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura).

 Osso par

 Situa-se na porção supero-lateral da face, por fora do maxilar superior.

 O bordo regularmente côncavo é superior. Desse bordo, destaca-se uma lâmina


horizontal que é interna. Dos 2 ângulos relacionados com o bordo, o mais agudo é
anterior.

 Apresenta 2 faces, 4 bordos e 4 ângulos.

FACE EXTERNA: apresenta o orifício malar do canal têmporo-malar, onde


passam os nervos e vasos têmporo-malares. Dá inserção aos músculos zigomáticos.

FACE INTERNA: apresenta 2 segmentos: um anterior ou articular, no qual se


insere a apófise piramidal do maxilar superior, e um posterior ou temporal, em
relação com a fossa temporal em cima e com a fossa ptérigo-maxilar em baixo.

59
BORDO ÂNTERO-SUPERIOR OU ORBITÁRIO: deste bordo nasce a apófise
orbitaria, que se articula com o frontal, com a grande asa do esfenóide e com o maxilar
superior.

BORDO PÓSTERO-SUPERIOR OU TEMPORAL: contornado em S, dá inserção à


aponevrose temporal.

BORDO ÂNTERO-INFERIOR OU MAXILAR: relaciona-se com o vértice da apófise


piramidal do maxilar superior.

BORDO PÓSTERO-INFERIOR OU MASSETERIANO: dá inserção ao músculo


masséter.

ÂNGULO SUPERIOR: articula-se com a apófise orbitaria externa do frontal.

ÂNGULOS INFERIOR E ANTERIOR: articulam-se com a apófise piramidal do


maxilar superior.

ÂNGULO POSTERIOR: articula-se com a apófise zigomática do temporal.

60
MAXILAR INFERIOR ou MANDÍBULA
 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a
espessura).

 Osso ímpar

 Localiza-se na região ântero-inferior da cabeça, inferiormente ao maxilar superior


e anteriormente ao temporal.

 O bordo alveolar é superior. A concavidade do osso é posterior. Está ligeiramente


inclinado no sentido ântero-inferior.

 Apresenta 3 partes: uma média, o corpo e duas laterais, os ramos


ascendentes do maxilar inferior.

CORPO: tem uma face anterior, convexa; uma face posterior, côncava; um bordo
alveolar ou superior e um bordo inferior ou livre.

Face Anterior: Na linha média, observa-se uma crista vertical, a sínfise mentoniana,
que termina em baixo na eminência mentoniana. De cada lado da eminência
mentoniana, nasce a linha oblíqua externa que se continua pelo ramo ascendente do
maxilar inferior. Superiormente à linha oblíqua externa, encontra-se o buraco
mentoniano, por onde passam os vasos e nervos mentonianos.

61
Face Posterior: apresenta 4 saliências, as apófises géni-superiores e géni-
inferiores. As apófises géni-superiores dão inserção aos músculos génio-glossos e
as apófises géni-inferiores dão inserção aos músculos génio-hioideus. Destas
apófises nasce a linha oblíqua interna ou milohioideia, na qual se insere o
músculo milo-hioideu. Inferiormente a esta linha, encontra-se o sulco milo-
hioideu, por onde passam vasos e nervos milo-hioideus. A linha milohioideia divide a
face posterior do corpo do maxilar inferior em 2 partes: uma superior, a fosseta
sublingual e uma inferior, designada fosseta submaxilar.

Bordo Superior ou Alveolar: está escavado por alvéolos, onde se inserem as raízes dos
dentes.

Bordo Inferior: apresenta a fosseta digástrica, onde se insere o ventre anterior do


músculo digástrico.

RAMOS ASCENDENTES DO MAXILAR INFERIOR:

Apresentam 2 faces e 4 bordos:

Face Externa: apresenta cristas de inserção do músculo masséter.

62
Face Interna: apresenta cristas rugosas onde se insere o músculo pterigoideu
interno. Na parte média, encontra-se o canal dentário inferior, por onde passam
nervos e vasos dentários inferiores. O orifício do canal dentário inferior é limitado
anteriormente pela espinha de Spix, onde se insere o ligamento esfeno-maxilar
da articulação têmporo-mandibular (ATM).

Bordo Anterior: apresenta a crista temporal e a crista bucinadora, onde se insere o


músculo bucinador.

Bordo Posterior: curvilíneo e espesso.

Bordo Inferior: formado pelo gónion (ângulo da mandíbula), por onde passa a artéria
facial.

Bordo Superior: apresenta 2 saliências: uma anterior, a apófise coronoideia e uma


posterior, o côndilo da mandíbula, separados entre si pela chanfradura
sigmoideia, que dá passagem aos vasos e nervos masseterianos. O côndilo da
mandíbula dá inserção ao músculo pterigoideu externo e ao ligamento lateral
externo da ATM (articulação têmporo-mandibular). A apófise coronoideia dá inserção
ao músculo temporal.

(Para APONEVROSE INTERPTERIGOIDEIA, BOTOEIRA RETROCONDILIANA DE JUVARA e


PORUS CROTAPHITICO BUCCINATORIUS DE HYRTL, consultar a secção de Músculos
Mastigadores).

63
FACE EM GERAL
O conjunto dos ossos da face forma um prisma triangular, com 3 faces (duas
ântero-laterais e uma posterior) e 2 bases (uma superior e uma inferior).

Base Superior: liga o esqueleto da face à parte anterior da base do crânio.

Base Inferior: escavação larga e profunda, circunscrita pelo maxilar inferior e cujo
fundo é constituído pela abóbada palatina.

Face Posterior: apresenta os orifícios posteriores das fossas nasais – as coanas.

Faces Ântero-Laterais: apresenta na zona média a saliência do nariz, o orifício


anterior das fossas nasais – piriforme, as arcadas álveolo-dentárias, a sínfise e a
eminência mentonianas. Dos lados, observa-se a basa da órbita, o buraco infra-orbitário,
a fossa canina e o buraco mentoniano.

CAVIDADES DA FACE
A face tem 7 cavidades:

 Cavidade bucal (1)


 Fossas nasais (2)
 Cavidades orbitárias (2)
 Fossas ptérigo-maxilares (2)

CAVIDADE BUCAL

É limitada:

- Anteriormente e lateralmente, pelo maxilar inferior e arcadas álveolo-dentárias

- Superiormente, pela abóbada palatina (constituída pelas apófises palatinas do


maxilar superior, anteriormente e pelas lâminas horizontais do palatino, posteriormente)

Na abóbada palatina encontra-se:

 Anteriormente – o buraco incisivo ou canal palatino anterior, por onde


passam vasos e nervos naso-palatinos (na união das apófises palatinas do
maxilar superior – sutura intermaxilar).
 Posteriormente – o canal palatino posterior, de cada lado, por onde passa a
artéria palatina anterior e nervos palatinos superiores. Este canal é formado
externamente ao maxilar inferior e, internamente à lâmina horizontal do palatino.

64
FOSSAS NASAIS

São duas cavidades localizadas de cada lado da linha média, entre as cavidades
orbitárias, e que estão separadas pelo septo sagital.

Relacionam-se:

 Superiormente – cavidade craniana


 Inferiormente – cavidade bucal
 Anteriormente – cavidades do nariz
 Posteriormente – faringe

Têm 4 paredes e 2 orifícios.

Parede Externa - é formada por 6 ossos:

 Apófise ascendente do maxilar superior.


 Únguis – posteriormente ao maxilar superior, superiormente ao corneto inferior
e inferiormente às massas laterais do etmóide.
 Corneto Inferior – entre a crista turbinal inferior do maxilar superior e a crista
turbinal inferior do palatino.
 Palatino – porção vertical. Anteriormente à apófise pterigoideia do esfenóide e
posteriormente ao corneto inferior e ao maxilar superior.
 Etmóide – massas laterais. Superiormente ao maxilar superior, anteriormente
ao corpo do esfenóide e póstero-inferiormente ao únguis.
 Esfenóide – face interna da asa interna da apófise pterigoideia. Parte mais
recuada d aparede.

É ainda constituída por mais 2 cornetos, o superior e o médio, podendo ainda existir
os cornetos de Santorini e de Zuckerkandl.

Entre a face externa dos cornetos e a parede externa das fossas nasais encontra-se um
meato.

Para o meato inferior drena o canal lácrimo-nasal.

Para o meato médio drenam o seio frontal, o seio maxilar e as células etmoidais
anteriores.

Para o meato superior drenam o seio esfenoidal e as células etmoidais posteriores.

65
Parede Interna (ou septo das fossas nasais):

É formada por 2 ossos e 1 cartilagem:

 Parte mais superior do vómer


 Lâmina perpendicular do etmóide (anteriormente ao vómer)
 Cartilagem do septo nasal (constitui a parte ântero-inferior do septo=

Parede Superior (ou abóbada das fossas nasais):

Tem a forma de uma concavidade que olha para as fossas nasais. É constituída por 4
segmentos, de anterior por posterior:

 Segmento anterior ou fronto-nasal: constituído pelos ossos próprios do nariz


e pela espinha nasal do frontal.
 Segmento etmoidal ou horizontal: constituído pela lâmina crivada do
etmóide e pelo processus etmoidal da face superior do corpo do esfenóide.
 Segmento esfenoidal anterior: constituído pela face anterior do corpo do
esfenóide.
 Segmento esfenoidal inferior: constituído pela face inferior do corpo do
esfenóide.

Parece Inferior (ou pavimento das fossas nasais):

É formada anteriormente pela apófise palatina do maxilar superior e


posteriormente pela lâmina horizontal do palatino. Apresenta anteriormente o orifício
do canal palatino anterior, onde passam vasos e nervos naso-palatinos.

66
Orifício Anterior das fossas nasais: orifício piriforme. É limitado
inferior e externamente pelo bordo anterior do maxilar superior e
superiormente pelos ossos próprios do nariz.

Orifícios Posteriores das fossas nasais: coanas. São


limitados:

 Internamente, pelo bordo posterior do vómer


 Externamente, pela asa externa da apófise
pterigoideia do esfenóide
 Superiormente, pelo bordo posterior das asas
do vómer e pelo corpo do esfenóide
 Inferiormente, pelo bordo posterior da lâmina
horizontal do palatino.

SEIOS PÉRINASAIS - CAVIDADES PNEUMÁTICAS ASSOCIADAS ÀS FOSSAS


NASAIS: podem ser divididas em 3 grupos:

 Grupo maxilar – seio maxilar – cavidade que ocupa a apófise piramidal do


maxilar superior.

 Grupo etmoidal – todas as células etmoidais (são as cavidades pneumáticas


que se abrem nas fossas nasais por orifícios escavados nas massas laterais do
etmóide)

 Grupo esfenoidal – seios esfenoidais – escavados no corpo do esfenóide.


Existe os grandes e os pequenos seios esfenoidais. Quando o seio é grande,
emite prolongamentos, que podem ser:
- óticos – para a pequena asa do esfenóide e canal ótico
- alares – para a grande asa do esfenóide
- pterigoideus – para a base da apófise pterigoideia
- occipitais – para a apófise basilar do occipital

67
ESQUELETO CARTILAGÍNEO DO NARIZ: compreende 3 cartilagens principais, a
saber:

. cartilagem do septo nasal – situa-se à frente do vómer e da lâmina


perpendicular do etmóide
. cartilagens laterais – lamelas triagulares, situadas de cada lado da linha
média, sobre as faces laterais do nariz, inferiormente aos ossos próprios do nariz
e superiormente às asas do nariz.
. cartilagens das asas do nariz – são 2 por cada narina. São lamelas finas e
maleáveis, cuja concavidade limita o orificío da narina correspondente.

Existem ainda cartilagens acessórias, isto é, pequenas peças cartilagíneas


situadas nos intervalos entre a cartilagem da asa do nariz e as laterais.

68
CAVIDADES ORBITÁRIAS

 São duas cavidades que contêm o aparelho da visão, localizadas de cada lado
das fossas nasais, inferiormente ao andar anterior da base do crânio e
superiormente ao maciço facial.

 Têm a forma de uma pirâmide quadrangular, de base anterior e de vértice


posterior. Apresenta 4 paredes, 4 bordos, 1 base e 1 vértice.

Parede Superior (ou abóbada da órbita): é formada


pela porção horizontal do frontal, anteriormente, e
pela pequena asa do esfenóide, posteriormente. Tem
a forma triangular, com base anterior e apresenta:

 Antero-externamente: fosseta lacrimal (onde


se aloja a glândula lacrimal) 1
 Antero-internamente: fosseta troclear (onde
se insere a tróclea de reflesão do músculo
grande oblíquo) 2
 Posteriormente: sutura fronto-esfenoidal 3

Vista inferior do osso frontal

69
Parede Interna: é formada de anterior para
posterior por:

 Apófise ascendente do maxilar superior


 Únguis
 Lâmina papirácea do etmóide
 Face externa do corpo do esfenóide

Apresenta:

 Suturas verticais entre os ossos 4,5 e 6


 Goteira lacrimal (anterior) 7
 Cristas lacrimais (anterior ou maxilar e posterior ou ungueal)

Parede Interna Parede Inferior

Parede Inferior (ou pavimento da órbita): separa a cavidade orbitaria do seio maxilar
infrajacente. É formada:

 Antero-externamente, pela apófise orbitaria do


malar
 Antero-internamente, pela apófise piramidal do
maxilar superior
 Posteriormente, pela apófise orbitaria do palatino.

Apresenta:

- suturas entre o malar e o maxilar superior e entre


o maxilar superior e o palatino. 8 e 9

- goteira infra-orbitária – canal infra-orbitário,


por onde passam vasos e nervos infra-orbitários. 10

70
Parede Externa: é formada:

 Posteriormente, pela face orbitaria da grande


asa do esfenóide
 Antero-superiormente, pela apófise orbitária
externa do frontal e fosseta lacrimal 11
 Antero-inferiormente, pela apófise orbitaria do
malar

Apresenta:

 Sutura esfeno-malar 12
 Canal têmporo-malar, por onde passam vasos e nervos têmporo-malares.

Base: tem uma forma quadrilátera e está orientada para baixo, para a frente e para
fora. Tem como limites:

 Superiormente – arcada orbitaria do frontal (onde se


situam as chanfraduras supra-orbitária e frontal interna)
 Infero-internamente – maxilar superior
 Externamente – malar
 Internamente – crista lacrimal anterior

Vértice: corresponde à extremidade interna da fenda


esfenoidal (atravessada por várias estruturas indicadas na secção de
Osteologia da Cabeça e Pescoço – Esfenóide).

Bordo Súpero-interno: é formado pelas suturas:

 entre o frontal e a apófise ascendente do maxilar superior


 entre o frontal e o únguis, formando a chanfradura
frontal interna
 entre o frontal e a lâmina papirácea do etmóide,
formando os canais etmoidais anterior e posterior.

Posteriormente, observa-se o canal ótico.

71
Bordo Súpero-externo: constituído anteriormente pela
fosseta lacrimal e posteriormente pela fenda
esfenoidal.

Bordo Ínfero-interno: constituído anteriormente pelo orifício


superior do canal lácrimo-nasal e posteriormente pelas
suturas entre o maxilar superior, o únguis e o etmóide.
Sutura esfeno-palatina.

Bordo Ínfero-externo: constituído no ¼ anterior pela


apófise orbitaria do malar e nos ¾ posteriores, pela
fenda esfeno-maxilar.

FENDA ESFENO-MAXILAR: permite a comunicação entre a cavidade orbitaria e a


fossa ptérigo-maxilar. É limitada por:

 Superiormente, grande asa do esfenóide


 Inferiormente, maxilar superior
 Ântero-superiormente, apófise orbitaria do malar
 Ântero-inferiormente, espinha malar

72
FOSSA PTÉRIGO-MAXILAR

 Também designada fossa zigomática, é um espaço em forma de pirâmide


triangular, com base externa e vértice interno.

É limitada por:

 Anteriormente, pela tuberosidade do


maxilar superior e pela região
geniana

 Posteriormente, pela região parotídea

 Internanente, pela apófise pterigoideia


do esfenóide e pela faringe

 Externamente, pelo ramo


ascendentedo maxilar superior e
pelo masséter

 Superiormente, pela grande asa do esfenóide e pelo temporal

 Inferiormente, pelo plano horizontal tangente ao bordo inferior do maxilar


superior

Apresenta 3 paredes, 1 vértice (interno) e 1 base (externa).

Parede Anterior: formada, supero-internamente pela


tuberosidade do maxilar superior e ínfero-
internamenre pelo ligamento ptérigo-maxilar,
músculo constritor superior da faringe e músculo
bucinador. Apresenta ainda a fenda esfeno-maxilar,
que estabelece a comunicação entre a fossa ptérigo-
maxilar e a cavidade orbitaria; e um largo orifício situado
externamente ao maxilar superior e superiormente ao
ligamento ptérigo-maxilar que estabelece a comunicação
com a região geniana.

73
Parede Superior: é constituída pela parte inferior horizontal da grande asa do esfenóide
e tem 2 segmentos: um interno e um externo.

Segmento interno – formado pela parte zigomática da face externa da grande asa e
pela superfície plana subtemporal da escama do temporal. Este segmento separa-se da
fossa temporal pela crista esfeno-temporal.

Segmento externo – ocupado pelo buraco zigomático que estabelece a


comunicação com a região temporal.

Parede Interna: constituída pela asa externa da apófise pterigoideia. Comuninca com a
parede lateral da faringe e com a região parótidea.

Vértice: corresponde ao ponto de junção das 3 paredes.

Base: comunica com a região masseteriana através da chanfradura sigmoideia.


Permite a comunicação da fossa ptérigo-maxilar com o seu transfundo.

74
A fossa ptérigo-maxilar contém:

 Músculos pterigoideus
 Aponevrose interpterigoideia
 Artéria maxilar interna
 Veia maxilar interna
 Nervo maxilar superior (V2)
 Nervo maxilar inferior (V3)

A fossa ptérigo-maxilar possui um prolongamento designado transfundo


da fossa ptérigo-maxilar, com a forma de pirâmide quadrangular.
Apresenta:

Parede Anterior: formada pela tuberosidade do maxilar superior.

Parede Posterior: constituída pela apófise pterigoideia, sobre a qual se abre o canal
vidiano.

Parede Interna: formada pela lâmina vertical do palatino. Apresenta o buraco


esfeno-palatino.

Base: relaciona-se com a cavidade orbitaria, anteriormente (através da fenda esfeno-


maxilar) e com a grande asa do esfenóide, posteriormente (através do buraco
grande redondo).

Vértice: corresponde à união das apófises pterigoideia e piramidal do palatino com a


tuberosidade do maxilar superior.

75
O transfundo NÃO possui parede externa.

É atravessado por:

 Nervo maxilar superior (V2)


 Nervo vidiano
 Gânglio esfeno-palatino
 Artéria esfeno-palatina

8 Oríficios de comunicação da fossa ptérigo-maxilar:

- fenda esfeno-maxilar – comunica com a cavidade orbitaria

- buraco zigomático – comunica com a região temporal

- região péri-amigdalina – comunica com a parede lateral da faringe e parótida

- botoeira retorocondiliana de Juvara – comunica com a região parotídea

- chanfradura sigmoideia – comunica com a região masseteriana

- buraco grande redondo - comunica com a grande asa do esfenóide

- buraco esfeno-palatino – comunica com as fossas nasais

- crista esfeno-temporal – comunica com a fossa temporal

76
OSSO HIÓIDE

 É um osso placóide ou achatado (predomina o comprimento e a largura sobre a


espessura).

 Osso ímpar

 Localiza-se na porção
anterior do pescoço e
não se articula com nenhum
outro osso.

 É constituído pelo corpo,


pelos grandes cornos e
pelos pequenos cornos.

 Serve de inserção aos


músculos:

 Génio-hioideu
 Génio-glosso
 Hio-glosso
 Milo-hioideu
 Digástrico
 Estilo-hioideu
 Tiro-hioideu
 Esternocleidomastoideu
 Omo-hioideu

Nota! O ligamento estilo-hioideu, que faz parte do Ramalhete de Riolan, insere-


se na apófise estiloideia do rochedo do temporal e no vértice do pequeno corno do
hióide.

77
2.1.3. ANATOMIA FUNCIONAL DO CRÂNIO

A região da base do crânio é mais frágil, visto que a sua integridade é assegurada por
sincondroses e soluções de continuidade.

A região da abóbada craniana é mais resistente, visto que a sua integridade é


assegurada por sinfibroses.

Zonas Frágeis do Crânio:

 No andar anterior: Região etmóido-frontal, zona crivada e bossas orbitarias


 No andar médio: Fossa esfenoidal
 No andar posterior: Fossas cerebelosas do occipital

78
2.2. Artrologia da Cabeça e do Pescoço

79
As articulações da cabeça podem dividir-se em 2 grupos: as articulações dos ossos
do crânio e da face entre si e a articulação do maxilar inferior com o crânio ou
articulação têmporo-mandibular (ATM).

Articulações dos Ossos do Crânio e da Face entre si


Em síntese…

Suturas ou sinfibroses Sincondroses


Dentadas Esfeno-occipital
Escamosas Esfeno-petrosa
Harmónicas Petro-occipital
Esquindileses Intra-occipital posterior
Outras Intra-occipital anterior

Dentadas Escamosas Harmónicas Esquindileses Outras


Coronal Esfeno-frontal Fronto- Esfeno- Occipito-mastoideia
etmoidal vomeriana
Sagital Esfeno- Inter-nasal Esfeno-etmoidal
escamosa
Lambdóide Naso-maxilar Esfeno-parietal
Fronto-nasal Ptérigo-palatina Frontal ou
metópica
Fronto-maxilar Parieto-mastoideia
Fronto- Escamo-mastoideia
zigomática
Têmporo- Fronto-lacrimal
zigomática
Zigomático-maxilar
Etmóido-maxilar
Etmóido-lacrimal
Esfeno-zigomática
Esfeno-maxilar
Lácrimo-maxilar
Lácrimo-conchal
Inter-maxilar
Palato-maxilar
Palato-etmoidal
Palatina média
Palatina transversa

80
Articulação têmporo-mandibular ou ATM
Identificação: articulação têmporo-mandibular

Classificação: bicôndilo-meniscartrose conjugada (2 côndilos; menisco que


corrige a discordância das superfícies articulares; o movimento da articulação direita
implica o movimento da esquerda)

Superfícies articulares: cavidade glenoideia e côndilo do temporal e côndilo


da mandíbula

Côndilo do temporal:

Também é designado por raíz transversa da apófise zigomática. Apresenta o


tubérculo zigomático anterior, na sua extremidade externa. Continua-se,
posteriormente, com a cavidade glenoideia.

Cavidade glenoideia do temporal:

Encontra-se posteriormente ao côndilo do temporal, anteriormente ao canal auditivo


externo, internamente à raiz longitudinal da apófise zigomática e externamente à
espiha do esfenóide. A cisura de Glaser divide-a em duas partes: uma pré-glaseriana,
anterior e que faz parte da ATM, e uma parte posterior, não articular e que se confunde
com ocanal auditivo externo.

Côndilo do maxilar inferior ou mandíbula:

Apresenta duas vertentes: uma anterior, que é convexa, que faz parte da articulação, e
uma posterior, que se continua com o bordo posterior do ramo ascendente da
mandíbula.

Meniscos interarticulares:

Os meniscos corrigem as superfícies convexas da articulação, que não se adaptam


devido à sua forma discordante. São discos bicôncavos, com uma face superior (que
corresponde à cavidade glenoideia e ao côndilo do temporal), uma face inferior
(correspondente ao côndilo do maxilar inferior) e um bordo periférico.

81
Meios de união: cápsula articular, ligamentos principais e ligamentos acessórios.

Cápsula articular:

É laxa e insere-se:

. Em cima: bordo anterior do côndilo do temporal, lábio anterior da cisura de Glaser,


base da espinha do esfenóide, tubérculo zigomático anterior eraiz longitudinal da
apófise zigomática

. Em baixo: no contorno da superfície articular

Apresenta fibras longas, que se estendem do maxilar inferior ao temporal, e fibras


curtas, que se estendem dos ossos aos meniscos. As fibras curtas formam quatro
freios meniscais: o freio meniscal posterior (que se estende da cisura de Glaser ao
bordo posterior do menisco); o freio posterior menisco-mandibular; menisco-
temporal e menisco-mandibular (os dois últimos são anteriores).

Ligamentos principais:

. Ligamento lateral externo: insere-se no tubérculo zigomático anterior e no bordo


externo da cavidade glenoideia, inserindo-se depois na porção externa e posterior do
colo do côndilo do maxilar inferior

82
. Ligamento lateral interno: insere-se na extremidade interna da cisura de Glaser,
na cisura petro-escamosa e na espinha do esfenóide, indo depois inserir-se na face
interna do colo do côndilo do maxilar inferior.

Ligamentos acessórios:

São em número de três: esfeno-maxilar, ptérigo-maxilar e estilo-maxilar.

. Ligamento esfeno-maxilar: estende-se da espinha do esfenóide à espinha de Spix

. Ligamento ptérigo-maxilar: insere-se no vértice e no bordo inferior do gancho da


asa interna da apófise pterigoideia do esfenóide, indo depois inserir-se na face interna
da mandíbula, ao nível do 3º molar

. Ligamento estilo-maxilar: é um dos elemnentos do ramalhete de Riolan. Insere-se


no bordo externo da apófise estiloideia do temporal, indo depois inserir-se um pouco
acima do gónion, na mandíbula
Sinovial: existe.

Movimentos da articulação: a articulação executa três tipos de movimentos:


lateralidade ou didução, abaixamento e elevação da mandíbula e propulsão e
retropulsão.

. Lateralidade ou didução: deslocam o mento para um lado ou para outro

. Abaixamento e elevação da mandíbula: resultam dos movimentos de translação


do côndilo do maxilar inferior e rotação dos côndilos do maxilar inferior.

. Propulsão e retropulsão da mandíbula: no movimento de propulsão, o maxilar


inferior é projectado para a frente e no movimento de retropulsão este é “puxado” para
trás

Músculos péri-articulares:

. Abaixamento da mandíbula: músculos digástrico, milo-hioideu, géni-hioideu e


pterigoideu externo

. Elevação da mandíbula: músculos masséter, pterigoideu interno e porção anterior


do temporal

83
. Propulsão da mandíbula: músculos pterigoideus externos (em acção bilateral),
masséter e porção anterior do temporal

. Retropulsão da mandíbula: músculos masséter e porção mais posterior do


temporal

. Lateralidade ou didução: músculos pterigoideus externos (contracção do


pterigoideu oposto ao lado lateralizado)

84
EM SUMA…

Classificação Superfícies Meios Sinovial Movimentos Músculos


articulares de união péri-
articulares
Bicondilo- Côndilo do Cápsula Existe Abaixamento e Digástrico,
meniscartrose temporal articular elevação milo-hioideu,
conjugada géni-hioideu e
pterigoideu
externo
(abaixamento
da mandíbula)
Cavidade Ligamentos Propulsão e Masséter,
glenoideia principais retropulsão pterigoideu
(externo e interno e
interno) temporal
(elevação da
mandíbula)
Côndilo do Ligamentos Lateralidade ou Pterigoideus
maxilar acessórios didução externos,
inferior (esfeno- temporal e
maxilar; masséter
ptérigo- (propulsão da
maxilar; mandíbula)
estilo-
maxilar)
Meniscos Masséter e
interarticulares temporal
(retropulsão
da mandíbula)
Pterigoideu
externo
(lateralidade
da mandíbula)

85
2.3. Miologia da Cabeça e do Pescoço

86
2.3.1. MÚSCULOS DA CABEÇA

Os músculos da cabeça dividem-se em 2 grupos:

 Músculos Mastigadores
 Músculos Subcutâneos/Músculos da Mímica

MÚSCULOS MASTIGADORES

Existem 4 músculos de cada lado: temporal, masséter, pterigoideu interno e


pterigoideu externo.

Músculo Temporal

(Plate 48 – Netter 6ªedição)

Ocupa a fossa temporal, com exceção da goteira retro-malar.

Insere-se na linha curva temporal inferior e daí as fibras convergem para a apófise
coronoideia do maxilar inferior.

Tem como ação a elevação do maxilar inferior.

A aponevrose temporal insere-se na linha curva temporal superior e é constituída


inferiormente por duas lâminas (uma superficial e uma profunda). O espaço entre estas
duas lâminas da aponevrose é atravessado pela artéria temporal profunda média.

87
Músculo Masséter

(Plate 48 – Netter 6ªedição)

Tem uma inserção fixa que corresponde ao bordo inferior da arcada zigomática, e
uma inserção móvel em relação com o ramo ascendente homolateral do maxilar
inferior.

Distinguem-se 3 feixes: superficial, médio e profundo.

Tem como ação a elevação do maxilar inferior.

A aponevrose masseteriana desdobra-se para envolver o prolongamento anterior da


parótida e o ducto proveniente dessa glândula, denominado canal de Sténon.

Músculo Pterigoideu Interno

(Plate 49 – Netter 6ªedição)

Insere-se desde a fossa pterigoideia (inserção fixa) até à face interna do ângulo da
mandíbula e do seu ramo ascendente (inserção móvel).

Tem como ação a elevação do maxilar inferior.

88
Músculo Pterigoideu Externo

(Plate 49 – Netter 6ªedição)

Insere-se anteriormente por dois feixes, um esfenoidal/superior (face externa da


grande asa do esfenóide) e um pterigoideu/inferior (face externa da asa externa da
apófise pterigoideia). Estes dois feixes dirigem-se até ao colo do côndilo do maxilar
inferior.

No interstício que separa os dois feixes de inserção anterior passa a artéria maxilar
interna.

Tem como ação a lateralidade/didução do maxilar inferior se apenas um dos


músculos contrair.

A contração simultânea dos dois músculos pterigoideus externos determina a


propulsão do maxilar inferior.

APONEVROSE INTERPTERIGOIDEIA

Os músculos pterigoideus são separados entre si pela aponevrose interpterigoideia.

Esta aponevrose tem 2 partes:

 A parte anterior é subdividida em duas partes pelo ligamento ptérigo-


espinhoso (que se estende da espinha do esfenóide até à espinha de Civinini).
Inferiormente, a aponevrose é fina e, superiormente, é bastante perfurada,
possuindo orifícios que dão passagem aos vasos e nervos dos músculos
periestafilino externo, pterigoideu interno e martelo.

 A parte posterior, apresenta um espessamento que corresponde ao ligamento


esfeno-maxilar (que se estende da espinha do esfenoide até à espinha de
Spix). Por sua vez, este ligamento vai dividir-se dando origem ao ligamento

89
esfeno-maxilar propriamente dito e ao ligamento tímpano-maxilar, que
nasce da cisura de Glaser e que vai limitar internamente a Botoeira
Retrocondiliana de Juvara.

BOTOEIRA RETROCONDILIANA DE JUVARA: (plate 18) é o espaço que permite


a comunicação entre a fossa ptérigo-maxilar (anteriormente) e a região parotídea
(posteriormente).

É limitada:

- Internamente - ligamento tímpano-maxilar

- Externamente - ramo ascendente do maxilar inferior

- Anteriormente - côndilo do maxilar inferior

É atravessada por:

Sup. Nervo aurículo-temporal (V3)


Veia maxilar interna
Inf. Artéria maxilar interna

Mnemónica: Na Botoeira NE(rvo)V(eia)A(rtéria).

Externamente à aponevrose interpterigoideia encontra-se a aponevrose ptérigo-


-temporo-maxilar, que se estende da grande asa do esfenóide até à asa externa da
apófise pterigoideia. O seu bordo espessa-se, por baixo e por fora do buraco oval,
formando o ligamento inominado de Hyrtl.

O espaço compreendido entre o bordo externo do buraco oval e o ligamento inominado


de Hyrtl denomina-se Porus Crotaphítico Bucinatorius de Hyrtl. É atravessado por
ramos terminais do tronco terminal anterior do nervo maxilar inferior (V3):

Ant.
nervo têmporo-bucal
nervo temporal profundo médio
nervo têmporo-masseteriano

Post.

90
MÚSCULOS SUBCUTÂNEOS/DA MÍMICA (Plate 25 – Netter 6ªedição)

Estes músculos têm 3 características comuns principais:

 Possuem uma inserção cutânea móvel;


 Têm enervação motora pelo nervo facial (VII) e sensitiva pelo nervo
trigémio (V);
 Estão agrupados em torno de orifícios da face, sendo constritores ou
dilatadores desses orifícios.

Repartem-se por 4 grupos:

 Músculos das pálpebras e sobrancelhas


 Músculos do pavilhão auricular
 Músculos do nariz
 Músculos dos lábios

Músculos das pálpebras e sobrancelhas

Músculo Occipito-frontal

É um músculo digástrico.

Está aplicado desde a linha curva occipital superior até à aponevrose epicraniana e
desta até à região supraciliar.

O músculo occipital é um tensor da aponevrose epicraniana. Quando esta estiver tensa,


serve de ponto fixo para o músculo frontal, que é um elevador da pele das
sobrancelhas.

Existem 6 músculos digástricos (músculos com dois ventres carnudos separados


por uma inserção tendinosa):

- Occipito – frontal
- Digástrico
- Omo – hioideu
- Diafragma
- Grande complexo
- Grande reto do abdómen

91
Músculo Piramidal

Insere-se sobre a cartilagem lateral e ossos próprios do nariz terminando sobre a face
profunda da pele da região inter-supraciliar.

Tem como ação o abaixamento da pele do espaço inter-supraciliar.

Músculo Orbicular das Pálpebras

Encontra-se em fibras concêntricas em torno do orifício palpebral.

Tem como ação a aproximação dos bordos livres das pálpebras (oclusão do orifício
palpebral) e a dilatação do saco lacrimal.

Músculo Supraciliar

Insere-se na extremidade interna da arcada supraciliar e na face profunda da parte


interna da pele da sobrancelha.

Tem como ação a elevação da porção interna da sobrancelha.

Músculos do Pavilhão Auricular

Têm como ação a dilatação das narinas.

- Músculo auricular anterior (nasce da aponevrose epicraniana terminando sobre a


espinha da hélice e o bordo anterior da concha);

- Músculo auricular superior (nasce da aponevrose epicraniana e termina na face


interna do pavilhão auricular, que corresponde à anti-hélice);

- Músculo auricular posterior (insere-se na base da apófise mastoideia e na concha


do pavilhão auricular).

Músculos do Nariz

- Músculo transverso do nariz (nasce por uma lâmina aponevrótica que recobre o
dorso do nariz e reúne-se ao homólogo do lado oposto. É um dilatador das narinas);

92
- Músculo dilatador das narinas (insere-se no sulco naso-labial e no bordo externo
da narina correspondente. É um dilatador das narinas);

- Músculo mirtiforme (insere-se desde a arcada alveolar até ao bordo posterior das
narinas. É um abaixador da asa do nariz).

93
Músculos dos lábios

Estão repartidos em dois grupos: músculos dilatadores e músculos constritores. Os


músculos dilatadores dividem-se ainda em dois planos: profundo e superficial.

Músculos Inserções Ação


-Fossa canina Elevador do lábio
Canino
-Lábio superior superior
Entre os dois maxilares e a Alargamento do
Bucinador
comissura labial orifício bucal
Puxa para baixo e
Profundo
-Maxilar inferior para fora a metade
Quadrado do mento
- Pele do lábio inferior correspondente do
lábio inferior
Entre os dois quadrados do Elevam o mento e o
da borda do mento
mento lábio inferior
-Face externa da apófise
Elevador superficial
ascendente do maxilar
da asa do nariz e do
superior
lábio superior Elevador da asa do
-Pele do lábio superior
nariz e do lábio
-Por baixo do elevador
Elevador profundo superior
superficial (estende-se
Dilatadores

da asa do nariz e do
desde o rebordo da órbita
lábio superior
até ao lábio superior)
-Face externa do osso malar
Puxa para fora/cima
Pequeno zigomático -Face profunda da pele do
o lábio superior
lábio superior
- Face externa do osso
Superficial malar
Grande zigomático
-Pele e mucosa da Move para fora/cima
comissura labial a comissura labial
Risório Parte média da região
(inconstante) geniana
-Linha oblíqua externa do
Move para fora/baixo
Triangular dos lábios maxilar inferior
a comissura labial
-Comissura labial
Recobre a região ântero-
lateral do pescoço e a parte
Cutâneo do pescoço/ Puxa para baixo a
inferior da face (desde o
Platisma pele do mento
tórax até ao maxilar
inferior)
Encerramento da
Orbicular dos lábios À volta do orifício bucal
boca
Constritores
Compressor dos Feixes musculares da frente
Sucção
lábios para trás

94
2.3.2. MÚSCULOS DO PESCOÇO

Os músculos do pescoço dividem-se em dois grupos, conforme se situem anterior ou


posteriormente à coluna vertebral:

 músculos da região anterior do pescoço


 músculos da região posterior do pescoço

Músculos da Região Anterior do Pescoço

Dividem-se em 6 grupos, que são, desde o esqueleto até aos planos superficiais:

 Grupo profundo médio (constituído pelos músculos pré-vertebrais);


 Grupo profundo lateral;
 Grupo infra - hioideu (com um plano superficial e um profundo);
 Grupo supra - hioideu (com um plano superficial, um plano médio e um plano
profundo);
 Grupo ântero-lateral;
 Grupo superficial/grupo supra-aponevrótico.

Grupo Profundo Médio (plate 30 – Netter 6ªedição)

Existem três músculos pré-vertebrais:

- músculo longo do pescoço


- músculo pequeno reto anterior
- músculo grande reto anterior

Músculo Longo do Pescoço

Tem 3 porções (longitudinal, oblíqua ínfero-externa e oblíqua


súpero-externa) que formam um triângulo equilátero com
base interna.

95
A porção longitudinal insere-se inferiormente nos corpos vertebrais de C5 a D3 (últimas
cervicais e primeiras dorsais). Termina superiormente ligando-se aos corpos de C2, C3 e
C4.

A porção oblíqua ínfero-externa nasce inferiormente dos corpos de D1, D2 e D3, e


possui inserções superiormente nos tubérculos anteriores das apófises transversas das
três últimas vértebras cervicais (C5, C6 e C7).

A porção oblíqua súpero-externa insere-se inferiormente nos tubérculos anteriores das


apófises transversas de C3, C4 e C5, e superiormente, mediante um tendão, no
tubérculo anterior do atlas.

É um músculo flexor da coluna cervical.

Músculo Pequeno Reto Anterior

Insere-se, inferiormente, através de um tendão na raiz


anterior da apófise transversa do atlas. Depois, dirige-
se muto obliquamente para cima e para dentro, inserindo-
se superiormente nas cristas muscular e sinustósica da
apófise basilar do occipital e no rochedo do temporal.

É um músculo flexor e inclinador homolateral da


cabeça.

Músculo Grande Reto Anterior

Insere-se, inferiormente, no vértice dos tubérculos anteriores


das apófises transversas de C3 a C6. Superiormente, insere-se
na fosseta triangular da apófise basilar do occipital e na
face inferior do rochedo do temporal.

É um músculo flexor e rotador homolateral da cabeça.

96
Grupo Profundo Lateral (plate 30 – Netter 6ªedição)

Pertencem a este grupo:

- músculos escalenos
- músculos intertransversos do pescoço
- músculo reto lateral

Músculos Escalenos

Existem três destes músculos em cada lado: o anterior, o


médio e o posterior. Cada um deles apresenta um corpo
muscular longo, subdividido superiormente em vários
feixes.

O músculo escaleno anterior nasce, superiormente,


mediante quatro tendões, dos tubérculos anteriores das
apófises transversas de C3, C4, C5 e C6. Termina
inferiormente na face superior da 1ª costela (tubérculo de
Lisfranc).

O músculo escaleno médio insere-se superiormente, através de cinco tendões nos


tubérculos anteriores de C2 a C6, bem como na apófise transversa de C7. Termina
inferiormente na face superior da 1ª costela, posteriormente à inserção do músculo
escaleno anterior.

Os músculos escalenos anterior e médio limitam inferiormente um espaço triangular por


onde passa a artéria subclávia e, posteriormente a ela, o plexo braquial.

O músculo escaleno posterior insere-se superiormente nos tubérculos posteriores das


apófises transversas de C4, C5 e C6. Inferiormente, insere-se no bordo superior da 2ª
costela.

Quanto à sua ação:

- Se o ponto fixo for a coluna cervical, estes músculos são considerados


elevadores das costelas (inspiradores).
- Se o ponto fixo for o tórax, são inclinadores homolaterais da coluna
cervical.

97
Músculos Intertransversos do Pescoço

Existem, para cada espaço intertransverso do pescoço, dois músculos intertransversos


do pescoço: um anterior e outro posterior.

Estes músculos inserem-se, inferiormente, nos lábios da goteira da apófise transversa,


e, superiormente, no bordo inferior da apófise transversa suprajacente.

Cada par de músculo intertransversos limitam entre si um espaço triangular onde


passam a artéria vertebral, o nervo vertebral e os ramos anteriores dos nervos cervicais.

Músculo Reto Lateral

Representa o primeiro músculo


intertransverso do pescoço. Insere-se
inferiormente no ramo anterior da apófise
transversa do atlas e superiormente na
apófise jugular do occipital.

Tanto os músculos intertransversos do pescoço como o músculo reto lateral,


inclinam homolateralmente a cabeça e o pescoço.

98
Grupo Infra-hioideu (plate 28 – Netter 6ªedição)

Estão separados dos músculos pré-vertebrais pelas vísceras do pescoço, situando-se


anteriormente a estas. São quatro de cada lado, dispondo-se em dois planos:
superficial e profundo. Os músculos infra-hioideus são abaixadores do osso hióide

Músculo Inserções

Esterno- tiroideu

-Manúbrio esternal
- Cartilagem tiroideia
Profundo

Tiro-hioideu

- Cartilagem tiroideia
- Corpo do osso hióide

Esterno-cleido-hioideu

-Extremidade interna da
clavícula
- Manúbrio esternal
-Bordo inferior do osso
hióde
Superficial

Omo-hioideu É um músculo digástrico.


O tendão intermédio
está anteriormente ao
feixe vásculo-nervoso do
pescoço
- Bordo superior da
omoplata
- Bordo inferior do corpo
do hióide.

99
Grupo Supra-hioideu (plates 28, 59 – Netter 6ªEdição)

Compreende quatro músculos de cada lado, dispostos em três planos: profundo,


médio e superficial. Os músculos supra-hioideus são elevadores do osso hióide.

Músculo Inserções

Geni-hioideu
-Apófises géni-inferiores
Profundo

(face interna da
mandíbula)
-Face anterior do corpo do
hióide

Milo-hioideu

- Linha oblíqua interna do


Médio

maxilar inferior
-Osso hióide

Digástrico
É um músculo digástrico.
- Ranhura do digástrico da
apófise mastoideia do
temporal
- Fosseta digástrica do
bordo inferior do maxilar
inferior
Superficial

Estilo - hioideu
- Parte póstero-externa da
apófise estiloideia do
temporal, perto da base
(é um dos elementos do
Ramalhete de Riolan)
-Face anterior do corpo do
hióide

100
Grupo Ântero-lateral (plate 29 – Netter 6ªedição)

É constituído unicamente pelo músculo esterno-cleido-mastoideu.

Este músculo insere-se na face anterior do manúbrio esternal, na face superior da


clavícula, na linha curva occipital superior e na apófise mastoideia.

Este músculo é um flexor da cabeça, também provocando a sua inclinação


homolateral. Quando se contraem os dois músculos simultaneamente, estes
produzem a flexão direta da cabeça.

Se a cabeça for o seu ponto fixo, o músculo esterno-cleido-mastoideu eleva o esterno


e as costelas (músculo inspirador).

Grupo Superficial (plate 25 – Netter 6ªedição)

É constituído unicamente pelo músculo platisma/cutâneo do


pescoço.

Este músculo insere-se no esterno e na clavícula e no bordo


inferior do maxilar inferior.

Tem como ações: esticar a pele do pescoço e baixar a


mandíbula e a comissura labial.

101
Músculos da Região Posterior do Pescoço

Os músculos da região posterior do pescoço dispõem-se em vários planos, sendo tanto


mais compridos quanto mais superficiais.

Na região posterior do pescoço distinguem-se, assim, quatro planos musculares


sobrepostos, sendo, do mais profundo para o mais superficial:

 Plano profundo (sobre o esqueleto e as articulações)


 Plano dos complexos
 Plano do esplénio e do angular
 Plano superficial/Plano do músculo trapézio

Plano Profundo (plate 173 – Netter 6ªedição)

Pertencem a este plano:

 Os músculos que se estendem entre o atlas e o áxis (ou desde estas duas
vértebras ao occipital). São eles: pequeno reto posterior, grande reto
posterior, grande oblíquo e pequeno oblíquo
 A porção cervical do músculo transverso espinhoso
 Os músculos interespinhosos do pescoço.

Músculo Pequeno Reto Posterior

Este músculo estende-se desde o atlas até ao


occipital.
Insere-se, inferiormente, através de um tendão,
no tubérculo posterior do atlas, de cada lado da
linha média.

Termina através de fibras tendinosas no terço


interno da linha curva occipital inferior.

Este músculo é um extensor da cabeça.

102
Músculo Grande Reto Posterior

Situa-se externamente ao músculo pequeno reto


posterior, entre o áxis e o occipital.

Insere-se inferiormente na fosseta lateral da apófise


espinhosa do áxis, e termina externamente ao
músculo pequeno reto posterior na linha curva
occipital posterior.

Quando apenas o músculo grande reto posterior de um dos lados é contraído, provoca-
se um movimento de rotação homolateral (e extensão associada).
Quando ambos os músculos são contraídos dá-se um movimento de extensão da
cabeça.

Músculo Grande Oblíquo

Este músculo estende-se muito oblíquamente entre o áxis e o


atlas.

Insere-se, inferiormente, na fosseta lateral da apófise


espinhosa do áxis, e superiormente na face inferior da
apófise transversa do atlas.

O músculo grande oblíquo é um rotador homolateral da


cabeça.

Músculo Pequeno Oblíquo

Insere-se, inferiormente, no vértice e face superior


da apófise transversa do atlas. Termina no terço
externo da linha curva occipital inferior.

O músculo pequeno oblíquo é extensor, inclinador


homolateral e rotador contralateral da cabeça.

103
Os músculos grande reto posterior, pequeno oblíquo e grande oblíquo formam um espaço
triangular atravessado pela artéria vertebral, e no qual penetra o ramo posterior do 1º
nervo cervical.

Músculo Transverso Espinhoso

Ocupa longitudinalmente, ao longo de toda a coluna vertebral, a goteira vertebral


compreendida entre as apófises espinhosas e o vértice das apófises transversas.

Este músculo será descrito juntamente com os músculos do tronco.

Músculos Interespinhosos do Pescoço

Estendem-se, de cada lado, da linha média entre as apófises espinhosas de duas


vértebras vizinhas.
No pescoço existem seis pares, situados desde o áxis até à primeira vértebra torácica.

Cada músculo interespinhosos do pescoço insere-se:


- superiormente, num dos bordos da goteira espinhosa (parte inferior da apófise
espinhosa) da vértebra superior;

- inferiormente, no tubérculo da apófise espinhosa situada inferiormente.

Estes músculos são extensores da coluna vertebral.

Plano dos Complexos (plates 172/173 – 6ºedição Netter)

Este plano compreende quatro músculos, que se justapõem de cada lado da linha
média, do mais interno para o mais externo, da seguinte forma:

 Músculo grande complex


 Músculo pequeno complex
 Músculo transverso do pescoço
 Parte cervical do músculo sacro-lombal/ílio-costal

104
Músculo Grande Complexo

É um dos 6 músculos digástricos do corpo humano.


Insere-se, inferiormente, no vértice das apófises
transversas das cinco a seis primeiras vértebras
torácicas, e na base das apófises transversas das quatro
últimas vértebras cervicais. Termina entre as duas linhas
curvas occipitais.

O músculo grande complexo é um extensor e um


inclinador homolateral da cabeça.

Quando ambos os músculos estão contraídos produzem uma extensão direta.

Músculo Pequeno Complexo

Insere-se, inferiormente, nas quatro ou cinco últimas


vértebras cervicais e na primeira vértebra torácica. Termina
no vértice e no bordo posterior da apófise mastoideia do
temporal.
Possui a mesma ação que o músculo grande complexo.

Músculo Transverso do Pescoço

Insere-se, através de pequenos tendões:

-inferiormente, no vértice das apófises transversas das cinco


primeiras vértebras torácicas;

-superiormente, nos tubérculos posteriores das apófises


transversas das cinco últimas vértebras cervicais.

O músculo transverso do pescoço é um extensor e inclinador


homolateral da coluna cervical.

105
Porção Cervical do Músculo Sacro-lombar/Ílio-costal

Insere-se, inferiormente, no bordo superior das seis


primeiras costelas, e superiormente, nos tubérculos
posteriores das quatro ou cinco últimas vértebras cervicais.

Esta porção tem uma ação extensora da coluna cervical,


realizando também inclinação homolateral da coluna
vertebral.

Plano do Esplénio e do Angular (plate 171 – Netter 6ªedição)

Os músculos esplénio e angular da omoplata formam uma única capa muscular


que recobre em quase toda a sua totalidade o plano dos complexos.

Músculo Esplénio

Inferiormente, insere-se no ligamento cervical


posterior, nas apófises espinhosas da sétima
vértebra cervical e das quatro ou cinco primeiras
vértebras torácicas, e nos ligamentos
interespinhosos correspondentes.

Superiormente, o músculo esplénio divide-se em


duas partes:
-uma parte interna: músculo spleniuscapitis ou esplénio da cabeça;
-uma parte externa: músculo spleniuscolli ou esplénio do pescoço.

O músculo esplénio da cabeça insere-se nos dois terços externos do lábio inferior
da linha curva occipital superior e na face externa da apófise mastoideia do temporal.

O músculo esplénio do pescoço insere-se no tubérculo da apófise transversa do


atlas e no tubérculo posterior das apófises transversas do áxis e de C3.

O músculo esplénio provoca movimentos de extensão, inclinação homolateral e


rotação homolateral da cabeça.

Quando ambos se contraem dá-se uma extensão direta.

106
Músculo Angular da Omoplata

Insere-se, inferiormente, no ângulo supero-


interno da omoplata e no seu bordo espinhal.
Superiormente termina nas apófises transversas
das quatro primeiras vértebras cervicais.

Quando o músculo angular da omoplata toma o


seu ponto fixo na coluna cervical, é um elevador do ângulo da omoplata, fazendo
assim descer o ombro.

Se o seu ponto fixo for a omoplata, este músculo inclina a cabeça e a coluna
cervical para o mesmo lado.

Plano Superficial (plate 171 – Netter, 6ªedição)

Este plano contém apenas o músculo trapézio.

O músculo trapézio origina-se:

-do terço interno da linha curva occipital superior e da


protuberância occipital exterior;

-do bordo posterior do ligamento cervical posterior;

-do vértice das apófises espinhosas de C7 e D1 a D10;

- dos ligamentos interespinhosos correspondentes.

As fibras musculares terminam externamente na


clavícula, acrómio e na espinha da omoplata.

As fibras superiores do trapézio movem o ombro para cima e para dentro.


As fibras medias deslocam a omoplata para dentro, imprimindo-lhe também um
movimento de rotação que eleva o ombro.
As fibras inferiores fazem descer o bordo interno da omoplata e elevam o ombro.

Quando o músculo trapézio tomo como ponto fixo a cintura escapular, as fibras
superiores realizam uma inclinação homolateral da cabeça e rotação
contralateral. Os feixes inferiores contribuem para a elevação do trono.

107
2.3.3. APONEVROSES CERVICAIS

Na região cervical anterior encontramos:

 3 planos musculares sub-aponevróticos:


- Superficial – constituído pelo músculo esterno-cleido-mastoideus
- Médio – constituído pelos músculos infra-hioideus
- Profundo – constituído pelos músculos pré-vertebrais e escalenos

 As vísceras do pescoço (entre o plano muscular médio ou infra-hioideu e o


plano muscular profundo ou pré-vertebral): laringe e faringe, superiormente,
esófago e traqueia, inferiormente e o corpo da tiróide, anteriormente.

 O pedículo vásculo-nervoso do pescoço.

Assim, distinguem-se:

 Aponevrose cervical superficial


 Aponevrose cervical média
 Aponevrose cervical profunda
 Bainha visceral
 Bainha vascular

APONEVROSE CERVICAL SUPERFICIAL: insere-se:

Superiormente:

- llinha curva occipital superior


- Apófise mastroideia
- Cartilage do canal auditivo externo
- Aponevrose masseteriana
- Bordo inferior do maxilar inferior

Inferiormente:

- bordo anterior da fúrcula esternal


- Face anterior do manúbrio esternal
- Face superior da clavícula
- Bordo posterior da espinha da omoplata

108
Da face profunda da aponevrose cervival superficial, destaca-se uma expansão lateral
que permite distinguir 2 partes: uma anterior e uma posterior, em relação com as
regiões anterior e posterior do pescoço, respetivamente.

- Na região cervical anterior, a aponevrose cervical superficial é recoberta pelo


músculo platisma ou subcutâneo do pescoço, tornando-se espessa na
região posterior.

- Na região cervical posterior, a aponevrose cervical superficial recobre


anteriormente a região infra-hioideia e estende-se superiormente até ao
hióide. Lateralmente, envolve os músculos esterno-cleido-mastoideu e o
trapézio.

Na região infra-hioideia, é atravessada pela veia jugular anterior.

Posteriormente ao músculo esterno-cleido-mastoideu, a aponevrose cervical superficial


recobre o triângulo supra-clavicular. Apresenta um espessamento fibroso, a prega
falciforme de Dittel, cujo bordo externo limita o orifício pelo qual a veia jugular
anterior atravessa a aponevrose cervical superficial.

APONEVROSE CERVICAL MÉDIA: é anexa aos músculos infra-hioideus, que se


dispõem em 2 planos musculares. A aponevrose cervical média é, pois, formada por 2
folhetos correspondentes aos 2 planos musculares.

- O folheto superficial estende-se de um músculo omo-hioideu ao outro,


envolvendo os omo-hioideus e os esterno-cleido-hioideus. Insere-se,
superiormente, no osso hióide e, inferiormente, na fúrcula esternal e na clavícula.
- O folheto profundo envolve os músculos esterno-tiroideus e tiro-hioideus,
unindo-se externamente a estes músculos ao folheto superficial da aponevrose
cervical media.

A separar as aponevroses cervicais média e superficial e a fúrcula do esterno, encontra-


se um espaço, denominado espaço supra-esternal. As suas paredes são constituídas:

- Anteriormente: pela aponevrose cervical superficial, pelo tecido cellular


subcutâneo, pela pele e pelo gânglio linfático.
- Posteriormente: pela aponevrose cervical media folheto superficial), pelos
músculos esterno-cleido-mastoideus e pelos esterno-tiroideus.
- Inferiormente: pela fúrcula do esterno

109
- Lateralmente: pelo bordo anterior do esterno-cleido-mastoideu.

De cada lado, existem divertículos, os fundos-de-saco de Gruber, posteriormente ao


esterno-cleido-mastoideu e ao longo da clavícula, onde penetra o segment horizontal da
veia jugular anterior.

O espaço supra-esternal contém tecido célulo-adiposo, gânglios supra-esternais e as


duas veias jugulares anteriores e a anastomose entre elas.

Existe ainda, externamente ao músculo esterno-cleido-mastoideu, entre a


apaonevrose cervical superficial e aponevrose cervical media, um espaço supra-
clavicular, limitado inferiormente pela clavícula, externamente pela união das
aponevroses cervival media e superficial e, internamente, pelo bordo interno do
esterno-cleido-mastoideu.

APONEVROSE CERVICAL PROFUNDA OU PRÉ-VERTEBRAL: recobre os músculos pré-


vertebrais e os escalenos. Tem 2 partes:

- Uma parte mediana, pré-vertebral propriamente dita.


- Uma parte lateral ou pré-muscular, que engloba os ramos anteriores dos
nervos raquidianos.

Esta aponevrose contém o simpatico cervical e os ramos comunicantes.

BAINHA VISCERAL E BAINHA DO CORPO DA TIRÓIDE: membrane fibrosa que envolve


o esófago e a traqueia. Está anexada, de cada lado, à aponevrose cervical profunda.

BAINHA VASCULAR: envolve os elementos do pedículo-vasculo nervoso do pescoço.

É constituída por:

- Bainha fibrosa comum aos 3 elementos do pedículo vásculo-nervoso do pescoço.


- Inferiormente, artéria carótida primitiva
- Superiromente, artéria carótida interna
- Veia jugular interna
- Nervo pneumogástrico (IX)

110
3. TRONCO

3.1. Coluna Vertebral

111
3.1.1. OSTEOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL

Atlas ou 1ª vértebra cervical (C1)

Classificação – osso curto ou cubóide. Vértebra típica e heteróloga.

Paridade – osso ímpar.

Localização – porção superior da coluna vertebral, inferiormente à base do occipital e


superiormente ao áxis (C2).

Orientação – o arco mais curto é anterior. As superfícies em forma de palmilha, nas


massas laterais, são superiores.

Descrição:

O atlas apresenta duas massas laterais, um arco anterior e um arco posterior.


Estes componentes circunscrevem o buraco vertebral.

Massas laterais – apresentam seis faces. A face superior apresenta a cavidade


glenoideia, que é uma superfície articular côncava, articula-se com o côndilo do
occipital. A face inferior apresenta uma superfície articular, que se articula com a
superfície ântero-superior do áxis. As faces anterior e posterior dão origem aos
arcos anterior e posterior, sendo que a face posterior apresenta uma goteira, acima do
arco posterior, que se relaciona com a artéria vertebral. A face externa suporta as
raízes da apófise transversa. Por último, a face interna apresenta, perto da origem
do arco anterior, um tubérculo onde se insere o ligamento transverso. Esta face
apresenta ainda numerosos buracos vasculares.

Arco anterior – apresenta, na linha média, o tubérculo anterior do atlas, no qual se


insere o músculo longo do pescoço e posteriormente tem uma superfície articular,
que se articula com a apófise odontoideia do áxis.

Arco posterior – na porção média da sua face posterior, apresenta o tubérculo


posterior do atlas, onde se insere o músculo pequeno recto posterior.
Posteriormente às massas laterais, na sua face superior, tem uma goteira no qual
caminham o 1º nervo cervical e a artéria vertebral.

112
Apófises transversas – são unituberculadas e nascem por duas raízes que
circunscrevem o buraco transverso, sendo que estas se reúnem, externamente ao
buraco transverso e formam um tubérculo lateral, que confere inserção a vários
músculos rotadores e flexores da cabeça e do pescoço.

Buraco vertebral – é o maior de todas as outras vértebras e é dividido pelo ligamento


transverso numa porção anterior e noutra posterior. Na porção anterior encaixa a
apófise odontoideia do áxis, sendo que a porção posterior contém a medúla
espinhal.

Características específicas do atlas:

 Não possui corpo vertebral, sendo esta porção substituída pela apófise
odontoideia do áxis
 O tubérculo posterior representa a apófise espinhosa
 As cavidades glenoideias e as facetas articulares na face inferior da massas
laterais representam as superfícies articulares
 O arco posterior representa as lâminas e as porções laterais deste os pedículos

113
Áxis ou 2ª vértebra cervical (C2)

Classificação – osso curto ou cubóide. Vértebra típica e heteróloga.

Paridade – osso ímpar.

Localização – localiza-se na coluna cervical, inferiormente ao atlas ou C1 e


superiormente a C3.

Orientação – a porção mais volumosa é anterior e a apófise em forma de dente é


superior.

Descrição:

Apresenta corpo, apófises articulares, pedículos, apófises transversas, lâminas,


apófise espinhosa e buraco vertebral.

Corpo – apresenta a crista mediana anterior e a apófise odontoideia, que se


articula com a face posterior do arco anterior do atlas. Por sua vez, esta apófise
apresenta uma base, o colo e o corpo. O corpo tem rugosidades destinadas à inserção
dos ligamentos occipito-odontoideus e duas facetas articulares, uma anterior, para o
arco anterior do atlas, e outra posterior para o ligamento transverso.

Apófises articulares – as superiores encontram-se de cada lado da apófise odontoideia.


As inferiores situam-se inferiormente à extremidade anterior das lâminas.

114
Pedículos – estendem-se desde as superfícies articulares superiores até à extremidade
anterior das lâminas.

Apófises transversas – a sua raíz posterior nasce do pedículo e a raíz anterior


implanta-se no corpo. O buraco transverso confere passagem à artéria vertebral e
à veia vertebral.

Lâminas – são mais largas do que atlas.

Apófise espinhosa – termina por uma extremidade posterior bituberculada. A sua


face inferior apresenta uma goteira e as suas faces súpero-laterais conferem inserção
aos músculos grandes oblíquos.

Buraco vertebral – é menor do que o do atlas, mas maior do que o das restantes
vértebras cervicais.

115
Sacro

Classificação – osso curto ou cubóide.

Paridade – osso ímpar.

Localização – localiza-se na região posterior da bacia, inferiormente à porção lombar


da coluna vertebral e entre os ossos ilíacos.

Orientação – a sua porção mais espessa é superior, a face côncava é anterior,


olhando um pouco para baixo e para a frente.

Descrição:

Resulta a união das 5 vértebras sagradas, formando com a coluna lombar um ângulo,
que toma o nome de promontório. Apresenta a forma de uma pirâmide quadrangular,
com 4 faces, uma base e um vértice.

Face anterior – a sua porção média é composta pelos corpos vertebrais das cinco
vértebras sagradas, soldadas, apresentando entre si quatro cristas transversais. Nas
extremidades destas cristas estão quatro buracos sagrados anteriores, que são
atravessados pelos ramos anteriores do plexo sagrado. A 2ª, 3ª e 4ª vértebras
sagradas conferem inserção ao músculo piramidal.

116
Face posterior – apresenta, na linha média, a crista sagrada, formada por três ou
quatro tubérculos, que resultam da fusão das apófises espinhosas. À altura dos 3º e 4º
buracos sagrados, a crista sagrada bifurca-se nos cornos do sacro, que delimitam a
chanfradura sagrada, no vértice do qual termina o canal sagrado.
De cada lado da crista, observam-se a goteira sagrada (união das lâminas vertebrais),
os tubérculos sagrados póstero-internos (fusão das apófises articulares), os
buracos sagrados posteriores (que são atravessados pelos ramos posteriores do
plexo sagrado) e os tubérculos sagrados póstero-externos (fusão das apófises
transversas).
Entre dois buracos sagrados posteriores consecutivos encontra-se a base das apófises
transversas, que parece bifurcar-se e conjugar-se com os ramos enviados pelas
apófises transversas vizinhas, formando tubérculos que dão origem à crista sagrada
lateral. No intervalo entre os tubérculos conjugados vizinhos e externamente a estes,
encontra-se a fossa crivosa, com buracos vasculares.
Esta face, nomeadamente na crista sagrada e nos tubérculos sagrados póstero-internos
e póstero-externos, confere inserção aos músculos espinhais, sendo o músculo
grande glúteo também se insere nos tubérculos sagrados póstero-externos.

117
Faces laterais – apresentam um segmento superior, que corresponde às duas
primeiras vértebras sagradas, e que contém a faceta auricular, que se articula com o
osso ilíaco, e um segmento inferior, que corresponde às três últimas vértebras
sagradas e que confere inserção aos ligamentos sacro-ciáticos.

Base – a sua porção média apresenta, de anterior para posterior, o corpo da 1ª


vértebra sagrada e o orifício superior do canal sagrado. Lateralmente, estão as asas do
sacro, sendo que a sua porção externa confere inserção ao músculo ilíaco.

Vértice – articula-se com o cóccix.

Canal sagrado – forma a parte inferior do canal raquidiano. Na sua extremidade


inferior é ladeado pelos cornos do sacro.

118
Cóccix

Classificação – osso curto ou cubóide.

Paridade – osso ímpar.

Localização – localiza-se na região posterior da bacia, inferiormente ao sacro e entre


os ossos ilíacos.

Orientação – a face côncava é anterior, olhando para baixo e para diante. A porção
mais volumosa e com uma superfície articular ovalar é superior.

Descrição:

É o resultado da fusão das quatro a seis vértebras coccígeas atrofiadas.


Apresenta duas faces, dois bordos, uma base e um vértice.

Faces anterior e posterior – a face anterior é côncava e a posterior convexa.


Apresentam sulcos transversais.

Bordos laterais – conferem inserção aos


ligamentos sacro-coccígeos e ao
músculo ísquio-coccígeo.

Base – articula-se com o vértice do sacro


e apresenta dois prolongamentos, um
prolongamento vertical, o pequeno
corno do cóccix, que se une ao corno
sagrado por um ligamento, e um
prolongamento transversal, o corno
lateral.

Vértice – é arredondado e regularmente


desviado da linha média.

119
Coluna vertebral em geral
Generalidades:

A coluna vertebral é composta por vértebras, nomeadamente sete vértebras


cervicais, doze vértebras dorsais ou torácicas, cinco vértebras lombares,
cinco vértebras sagradas fundidas e quatro a seis vértebras coccígeas
também unidas. Envolve e protege a medúla espinhal, que se encontra no canal
vertebral ou canal raquidiano, sendo que este é o resultado da sobreposição dos
buracos vertebrais das vértebras. A unidade funcional da coluna é o conjunto de suas
vértebras adjacentes e o disco intervertebral entre estas.

Vértebras:

Classificação – osso curto ou cubóide.

Paridade – osso ímpar.

120
Localização – as vértebras localizam-se na porção média e posterior do esqueleto do
tronco, ao longo da coluna vertebral, estendendo-se da cabeça à bacia.

Orientação – a porção mais volumosa é anterior e a apófise mais saliente é póstero-


inferior.

Decrição:

Classificação de vértebras: Comuns

Isóloga Especiais (características de


Típicas/verdadeiras s transição)

Heterólogas (atlas e áxis)

Atípicas/soldadas Alomórficas (sacro e cóccix)

Alotróficas (vértebras cranianas)

As vértebras isólogas especiais, com características de transição, são as C6, C7,


D1, D10, D11, D12, L1 e L5.
As vértebras apresentam as características específicas de cada uma das cinco regiões
em que se encontram, sendo que as vértebras supramencionadas apresentam
características que se vão adaptando à região da coluna seguinte ou anterior,
garantindo uma transição gradual.

Constituintes da vértebras:

 Corpo vertebral
 Buraco vertebral
 Arco vertebral, formado, anteriormente, pelos pedículos e posteriormente pelas
lâminas vertebrais
 Apófises transversas
 Apófises articulares
 Apófise espinhosa

121
Corpo vertebral – apresenta duas faces horizontais, uma superior e outra inferior
e uma circunferência.

Pedículos vertebrais – estendem-se desde os corpos vertebrais até aos maciços ósseos
que dão origem às apófises transversas, lâminas vertebrais e apófises articulares.
Limitam com os pedículos das vértebras adjacentes os buracos de conjugação ou
buracos intervertebrais.

Lâminas vertebrais – estendem-se desde os pedículos até à apófise espinhosa. Limitam


posteriormente o buraco vertebral. Apresentam uma face posterior, uma face
anterior (onde se insere o ligamento amarelo), um bordo superior e um bordo
inferior.

Apófise espinhosa – resulta da união das duas


lâminas vertebrais. Apresenta duas faces
laterais, um bordo superior, um bordo
inferior, uma base de implantação e um
vértice.

Apófises transversas – implantam-se, pela base,


lateralmente ao arco vertebral e posteriormente
aos pedículos. Apresentam uma face anterior,
uma face posterior, um bordo superior, um
bordo inferior, uma base de implantação e
um vértice.

Apófises articulares – são em número de quatro, duas superiores e duas inferiores.


Encontram-se na zona de união entre os pedículos vertebrais e as lâminas vertebrais.

Buraco vertebral – é limitado anteriormente pelo corpo vertebral, lateralmente pelos


pedículos vertebrais e posteriormente pelas lâminas vertebrais. A sobreposição dos
buracos vertebrais forma o canal vertebral ou raquidiano.

Curvaturas fisiológicas da coluna vertebral:

A coluna descreve quatro curvaturas no plano sagital e uma curvatura no plano


frontal.

122
Curvaturas sagitais:

 Curvatura cervical (convexa)


 Curvatura dorsal ou torácica (côncava)
 Curvatura lombar (convexa)
 Curvatura sacro-coccígea (côncava)

A curvatura frontal dá-se ao nível de T3, T4 e T5 e pensa-se que seja causada pela
pasagem da artéria aorta.

Desta forma, fala-se em:

 Lordose cervical e lombar (convexidade)


 Cifose dorsal e sacro-coccígea
 Escoliose (no plano frontal)

Configuração exterior da coluna vertebral:

A coluna tem quatro faces e um canal vertebral ou raquidiano.

Face anterior – é formada pela sobreposição dos corpos vertebrais.

Face posterior – na linha média apresenta a sobreposição das apófises espinhosas, que
forma a crista espinhosa e lateralmente as goteiras vertebrais, cuja vertente interna é
formada pelas apófises espinhosas, sendo a vertente ântero-externa formada pelas
apófises articulares e o fundo pelas lâminas vertebrais.

123
Faces laterais – apresentam os pedículos vertebrais, os buracos de conjugação, as
apófises transversas e as apófises articulares.

Canal vertebral ou canal raquidiano – estende-se ao longo de toda a coluna vertebral.

Características das vértebras de cada região

Vértebras cervicais:

Cada vértebra cervical compreende:

 Corpo vertebral
 Pedículos
 Lâminas vertebrais
 Apófise espinhosa
 Apófises articulares
 Apófises transversas
 Buraco vertebral

As vértebras cervicais com características especiais são C1, C2, C6 e C7.

Corpo vertebral – é alongado transversalmente e apresenta uma face superior


(com uma crista ântero-posterior, a apófise semilunar), uma face inferior (com
duas superfícies biseladas, que correspondem às apófises semilunares das vértebras
adjacentes), uma face posterior (que limita anteriormente o buraco vertebral), e
duas faces laterais (onde se originam os pedículos e as raízes anteriores das apófises
transversas correspondentes).

124
Pedículos – implantam-se na porção posterior das faces laterais do corpo vertebral, até
às apófises articulares. Apresentam-se chanfrados ao longo dos seus bordos superior e
inferior.

Lâminas vertebrais – estendem-se das apófises articulares às apófises espinhosas.

Apófise espinhosa – apresenta um vértice bituberculado.

Apófises transversas – apresentam duas raízes, uma anterior (na face lateral do
corpo vertebral), e outra posterior (no ponto de união do pedículo com a apófise
articular). Juntamente com o pedículo, o buraco transverso. No buraco transverso
passam a artéria vertebral e a veia vertebral. Na 5ª e 6ª vértebras cervicais passa
também o nervo vertebral. Cada apófise transversa contém uma goteira na sua face
superior, onde passa o nervo espinhal. São bituberculadas, pois apresentam um
tubérculo anterior e um tubérculo posterior.

Apófises articulares – apresentam face superior e face inferior e são planas.

Buraco vertebral – é triangular.

Características específicas de C6 e C7:

C6 – o tubérculo anterior das apófises transversas é mais espesso do que o das outras
vértebras cervicais e toma o nome de tubérculo carotidiano ou de Chassaignac,
que se relaciona com a artéria carótida primitiva.

C7 – o corpo vertebral pode apresentar uma pequena apófise articular em relação com
a 1ª costela. As apófises transversas são unituberculadas. O buraco transverso é
mais pequeno e apenas a veia vertebral o atravessa. As lâminas são mais altas do que
as outras vértebras cervicais. A apófise espinhosa é unituberculada.

Vértebras dorsais ou torácicas:

Apresentam os mesmos constituintes das vértebras cervicais.

As vértebras dorsais com características especiais são a D1, D10, D11 e D12.

125
Corpo vertebral – o seu diâmetro transversal é quase igual ao seu diâmetro
ântero-posterior. Na porção
posterior das faces laterais, junto
ao pedículo, estão presentes as
hemifacetas articulares
costais superiores e inferiores,
que se articulam com a cabeça
das costelas.

Pedículos – implantam-se na
metade superior das porções
laterais da face posterior do corpo
vertebral.

Lâminas vertebrais – são tão altas


quanto largas.

Apófises espinhosas – têm vértice unituberculado.

Apófises transversas – a sua face anterior apresenta a faceta articular costal, que se
relaciona com a tuberosidade das costelas.

Apófises articulares – são quase planas.

Buraco vertebral – é praticamente circular.

Características especiais de D1, D10,


D11 e D12:

D1 – apresenta na face superior do corpo


vertebral a apófise semilunar, como nas
vértebras cervicais. As faces laterais do corpo
vertebral apresentam superiormente uma
faceta articular costal completa, que se
articula com a superfície articular da cabeça
da 1ª costela, e inferiormente uma
hemifaceta para a 2ª costela.

126
D10 – o seu corpo vertebral não apresenta a hemifaceta articular costal inferior.

D11 – nas faces laterais do seu corpo vertebral existe apenas uma superfície articular
costal completa, em relação com toda a superfície articular da costela. A faceta articular
costal das apófises transversas está ausente.

D12 – tal como em D11, as faces laterais do corpo vertebral apresentam apenas uma
superfície costal completa, sendo que a faceta articular das costelas das apófises
transversas também está ausente. As suas apófises articulares inferiores são
semelhantes às apófises articulares inferiores das vértebras lombares.

Vértebras lombares:

Apresentam os mesmos contituintes que as vértebras cervicais e dorsais ou torácicas.

As vértebras lombares com características


especiais são L1 e L5.

Corpo vertebral – tem uma forma


reniforme.

Pedículos – implantam-se na metade


superior do ângulo formado pela união da
face posterior com a face lateral do corpo
vertebral.

Lâminas vertebrais – são mais altas que largas.

Apófises espinhosas – terminam por um bordo posterior livre.

Apófises transversas ou apófises costiformes – implantam-se na união do pedículo com


a apófise articular superior. Na face posterior do seu ponto de implantação apresentam
o tubérculo acessório.

Apófises articulares – as superiores têm na face interna uma superfície articular e na


face externa o tubérculo mamilar. As inferiores têm uma superfície articular convexa,
que se articula com a concavidade da apófise articular superior da vértebra infrajacente.
Buraco vertebral – é triangular.

127
Características especiais de L1 e L5:

L1 – a sua apófise costiforme ou transversa está menos desenvolvida do que a das


outras vértebras lombares.

L5 – a altura do corpo vertebral é maior anteriormente do que posteriormente. As


apófises articulares inferiores estão mais separadas do que nas outras vértebras, sendo
que a sua superfície articular se estende até ao limite inferior dos pedículos.

128
3.1.2. ARTROLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL

As articulações da coluna vertebral dividem-se em 3 grupos:

- Articulações comuns à maioria das vertebras


- Articulações próprias de algumas vertebras
- Articulações entre a coluna vertebral e a cabeça – CHARNEIRA OCCIPITAL

Articulações comuns à Articulações próprias de Articulações entre a coluna


maioria das vértebras algumas vértebras vertebral e a cabeça
Articulações dos corpos Articulações unco-vertebrais União do atlas ao áxis
vertebrais
Articulações das apófises Articulação sacro-vertebral União do occipital ao atlas
articulares ou lombo-sagrada
União das laminas vertebrais Articulação sacro-coccígea União do occipital ao áxis
União das apófises espinhosas Articulação médio-coccígea
União das apófises transversas

ARTICULAÇÕES COMUNS À MAIORIA DAS VÉRTEBRAS

As vertebras articulam-se entre si através do corpo vertebral e das apófises


articulares, sendo ainda unidas à distância através das laminas vertebrais, das
apófises espinhosas e das apófises transversas.

1. Articulações dos corpos vertebrais


Classificação: anfiartroses

Superfícies articulares: faces superior e


inferior de dois corpos vertebrais de 2 vértebras
adjacentes.

Meios de união: discos intervertebrais ou


ligamentos interósseos e ligamentos periféricos.

Discos Intervertebrais ou Ligamentos


Interósseos: ocupam os intervalos
compreendidos entre os corpos vertebrais.

129
Cada um apresenta 2 partes: uma periférica,
constituída pelo anel fibroso e uma central,
constituída pelo núcleo pulposo. A altura dos discos
diminui desde a coluna cervical até T5 ou T6 e
aumenta até às lombares.

Ligamentos Periféricos: ligamento vertebral comum anterior e


ligamento vertebral comum posterior, conforme se situe anterior ou
posteriormente aos corpos vertebrais.

Ligamento Vertebral Comum


Anterior: estende-se desde a apófise
basilar do occipital até S2, sobre a
face anterior da coluna.
Entre o occipital e o atlas, é uma faixa
estreita e fina, unida atrás ao
ligamento occipito-atloideu anterior e
que se estende desde a apófise basilar
do occipital ao tubérculo anterior do
atlas.
Abaixo do atlas, vai-se tornando cada
vez mais largo e estende-se, na
coluna torácica, sobre as faces laterais dos corpos vertebrais até à região
vizinha das articulações costo-vertebrais.

Ligamento Vertebral Comum Posterior: situa-se sobre a face


posterior dos corpos vertebrais e dos discos intervertebrais, inserindo-se
superiormente na goteira basilar do occipital e, inferiormente, na primeira
vertebra coccígea (Co1).
Na extremidade superior da coluna vertebral, adere ao ligamento occipito-
axoideu, anteriormente e à dúra-máter, posteriormente.
Na região sagrada, reduz-se a uma pequena fita.

130
2. Articulações das apófises articulares
Classificação: artrodias, nas cervicais e torácicas; trocartroses, nas
lombares

Superfícies Articulares: apófises


articulares. A apófise articular inferior de
uma vertebra une-se à face superior da
apófise articular superior da vertebra
subjacente e a apófise articuçar superior
une-se à face inferior da apófise articular
inferior da vertebra suprajacente.
As apófises articulares têm uma forma
plana nas regiões cervical e torácica -
artrodia - e de segmento de cilindro na
região lombar – trocartrose.

Meios de União: a cápsula articular é fina na região cervical e mais


resistente e densa nas regiões torácica e lombar. A cápsula é ainda
reforçada pelo ligamento amarelo correspondente, que une as laminas
vertebrais. Nas regiões torácica e lombar, pode ainda existir um ligamento
posterior de reforço.

Sinovial: mais laxa na cervical, o que explica a maior mobilidade desta


região, comparativamente com as outras.

3. União das lâminas vertebrais


As laminas vertebrais estão unidas entre si,
desde o áxis até ao sacro, por ligamentos
espressos e resistentes, os ligamentos
amarelos. Em cada espaço inter-laminar
existem 2 ligamentos amarelos, um direito e
um esquerdo.
Os ligamentos amarelos têm 2 bordos, 2
faces e 2 extremidades.
 O bordo superior insere-se na face
anterior da lamina superior.
 O bordo inferior insere-se no bordo
superior da lamina vertebral subjacente.
 A face anterior está separada da dúra-mater por tecido adiposo e veias.

131
 A face posterior relaciona-se, no espaço compreendido entre as laminas
vertebrais, com os músculos extensores da ciluna.
 A extremidade interna, une-se, na linha media, ao ligamento amarelo
oposto.
 A extremidade externa estende-se até às articulações entre as
apófises articulares, reforçando a superfície interior da cápsula articular.

4. União das apófises espinhosas


As apófises espinhosas unem-se entre si pelo ligamento inter-
espinhoso e pelo ligamento supra-espinhoso.

Ligamento inter-espinhoso: é uma membrane fibrosa que ocupa o


espaço entre duas apófises espinhosas vizinhas.

Ligamento supra-espinhoso: é um cordão fibroso que se estende


sobre todo o comprimento da coluna vertebral, posteriormente às apófises
espinhosas e aos ligamentos
interespinhosos.
Adere ao vértice das apófises
espinhosas e une-se, no
intervalo compreendido entre
estas, ao bordo posterior dos
ligamentos interespinhosos.
Na região cervical, o ligamento é
muito espesso, constituindo o
ligamento cervical posterior.

5. União das apófises transversas


As apófises transversas unem-se entre si através dos ligamentos
intertransversos. No pescoço, os ligamentos intertransversos são
substituídos pelos músculos intertransversos. No tórax, unem-se aos
vertices de duas apófises transversas vizinhas. Na região lombar, são
bastante desenvolvidos e unem os tubérculos acessórios.

132
ARTICULAÇÕES PRÓPRIAS DE ALGUMAS VÉRTEBRAS

1. Articulações Unco-vertebrais: Nas 5 últimas vertebras cervicais, os corpos


vertebrais articulam-se entre si através dos discos intervertebrais e das
articulações unco-vertebrais.
Classificação: artrodias

Superfícies articulares:
facetas articulares das
apófises semilunares dos
corpos vertebrais e as facetas
articulares, correspondents,
dos corpos vertebrais
suprajacentes.

Meios de união: as
superficies articulares estão recobertas por uma camada de fibro-
cartilagem e mantêm-se em contacto através de uma cápsula articular,
revestida interiormente por uma sinovial.

2. Articulação sacro-vertebral ou lombo-sagrada:


Classificação: anfiartrose

Superfícies articulares: corpos vertebrais de L5 e de S1.

Meios de união: ligamentos intertransversos muito desenvolvidos.


Estendem-se desde a apófise transversa de L5 e a parte ântero-lateral da
asa do sacro.

133
3. Articulação sacro-coccígea:
Classificação: anfiartrose

Superfícies articulares: facetas elípticas


das bases do sacro e do cóccix.

Meios de união: as superficies articulares


unem-se através:
- ligamento interósseo (análogo a um
disco intervertebral)
- ligamento periférico anterior: desde a
face anterior do sacro até à face anterior do
cóccix.
- ligamento periférico posterior: desde
os cornos do sacro até à face posterior do
cóccix.
- ligamentos sacro-coccígeos laterais interno e externo

4. Articulação médio-coccígea
Classificação: anfiartrose.
Une as primeiras duas vértebras coccígeas (Co1 e Co2) através do
ligamento interósseo.

ARTICULAÇÕES ENTRE A COLUNA VERTEBRAL E A CABEÇA:

CHARNEIRA OCCIPITAL

União entre o atlas e o axis: o atlas e


o axis estão unidos entre si por uma
articulação atlóido-odontoideia
media, por duas articulações atlóido-
axoideias laterais e pelos ligamentos
atlóido-axoideus anterior e posterior.

134
1. Articulação atlóido-odontoideia

Classificação: diartrose concordante – trocartrose (superficies articulares em


forma de segment de cilindro)

Superfícies articulares: apófise odontoideia do axis e arco anterior do atlas.

Meios de união: as superficies articulares são rodeadas por duas cápsulas


articulares distintas e laxasm revestidas por uma sinovial também muito laxa.

A apófise odontoideia do axis é recebida num anel atloideu osteofibroso,


constitúido à frente pelo arco anterior do atlas e atrás pelo ligament transverse
do atlas.

A apófise odontoideia e o anel atloideu unemse assim por 2 articulações:


 a articulação atlóido-odontoideia propriamente dita que une o arco
anterior do atlas à apófise odontoideia do axis.
 a articulação sindesmo-odontoideia que une a apófise odontoideia do
axis ao ligamento transverso do atlas.

O ligamento transverso
é uma lamina fibrosa que
se estende entre os
tubérculos das massas
laterais do atlas. Da parte
media dos seus bordos
superior e inferior, partem
dois feixes longitudinais:

- o ligamento occipito-
transverso, ascendente, fixa-se
superiormente na goteira basilar
do occipital.
- o ligamento transverso-axoideu, descendente, termina na face posterior do
corpo do axis.

Ao conjunto do ligamento transverso, ligamento occipito-transverso e


ligamento transverso-axoideu dá-se o nome de LIGAMENTO CRUCIFORME.

135
2. Articulações atlóido-axoideias
Classificação: diartroses disconcordantes – heteroartroses, uma vez que não
são corrigidas por um menisco.

Superfícies articulares: superficies


articulares inferiores das massas
laterais do atlas e superficies
articulares superiores do axis.
As superficies são ambas convexas,
sendo, portanto, não
concordantes. Não existe menisco
a corrigir a discordância, sendo esta
assegurada por prolongamentos da
sinovial, as franjas sinoviais.

Meios de união: cápsula articular


muito laxa, permite movimentos
articulares muito amplos. É
reforçada, internamente, pelo
ligamento lateral inferior de
Arnold.

3. Ligamentos atlóido-axoideus
São 2, um anterior, que se estende desde o bordo inferior do arco anterior do
atlas à face anterior do corpo do axis, e um posterior, que une o bordo inferior
do arco posterior do atlas à base da apófise espinhosa do axis. É atravessado
dos lados pelo 2ºnervo cervical.

As articulações atlóido-odontoideia e atlóido-axoideia


permitem movimentos de rotação – o atlas gira sobre
o áxis em redor de um eixo vertical que passa pela
apófise odontoideia do áxis.

136
União do occipital ao atlas: o occipital e o atlas estão unidos pelas articulações
occipito-atloideias e pelos ligamentos occipito-atloideus anterior e porterior.

1. Articulações occipito-atloideias
Classificação: diartroses concordantes, do tipo bicondilartroses (as
superficies articulares têm a forma de côndilos)

Superficies articulares: côdilos occipitais e cavidades glenoideias do atlas.

Meios de união: o contacro entre as superficies articulares é mantido através


de uma cápsula articular laxa, revstida por uma sinovial também muito laxa.

2. Ligamentos occipito-atloideus
São 2:
- Ligamento occipito-atloideu anterior: estende-se desde o bordo anterior do
buraco occipital até ao bordo superior do arco anterior do atlas.
- Ligamento occipito-atloideu posterior: estende-se desdeo bordo posterior
do buraco occipital até ao arco posterior do atlas.

As articulações occipito-atloideias movimentos de flexão/extensão e de inclinação lateral.

União do occipital ao axis: é feita pelo ligamento occipito-axoideu


propriamente dito e pelos lugamentos occipito-odontoideus.

1. Ligamento occipito-axoideu propriamente dito

Tem 3 feixes: um mediano e dois


laterais.
- Ligamento occipito-axoideu
médio: termina sobre a goteira basilar
do occipital, à frente do buraco
occipital.
- Ligamentos occipito-axoideus
laterais: fixam-se no occipital, entre o
buraco occipital e o orifício interno do
canal condiliano anterior.

137
2. Ligamentos occipito-odontoideus
Estende-se desde o occipital até à apófise
odontoideia do axis.
São 3:
- Um ligamento occipito-odontoideu médio,
que se estende desde o bordo anterior do buraco
occipital até ao vértice da apófise odontoideia do
axis.
- Dois ligamentos occipito-odontoideis
laterais ou ligamentos alares, que se
estendem desde os côndilos do occipital às
partes laterais da extremidade superior da apófise odontoideia do axis.

A união do occipital ao atlas e ao axis é ainda reforçada pelos ligamentos vertebrais


comuns anterior e posterior, que descem anterior e posteriormente aos corpos
vertebrais, desde a apófise basilar do occipital até ao sacro.

O exame de um corte sagital destas articulações evidencia a existência de 6 planos


ligamentares:

- Ligamento vertebral comum


anterior

- Ligamentos occipito-atloideus e
atlóido-axoideus anteriores

- Ligamentos occipito-odontoideus
(médio e alares)

- Ligamento crucifome (transverso,


occipito-tranverso e transverso-
axoideus)

- Ligamento occipito-axoideu

- Ligamento vertebral comum


posterior

138
3.2. Tórax

139
3.2.2. OSTEOLOGIA DO TÓRAX

Esterno
Classificação – osso placóide ou achatado.

Paridade – osso ímpar.

Localização – porção anterior e mediana do tórax.

Orientação – a face convexa é anterior, sendo que a porção mais volumosa é superior.
Apresenta uma ligeira inclinação de cima para baixo e de trás para a frente.

Descrição:

É constituído por três porções: o manúbrio esternal, o corpo e o apêndice


xifoideu.
Apresenta uma face anterior e uma face posterior, dois bordos laterais e uma
extremidade superior e uma extremidade inferior.

Face anterior – apresenta cristas transversais. A sua linha de união com o corpo
esternal forma o ângulo de Louis, que está ao nível da 2ª costela. Tem ainda uma
crista rugosa onde se insere o músculo esternocleidomastoideu e outras
rugosidades para a inserção do músculo grande peitoral.

140
Face posterior – apresenta também cristas transversais.

Bordos laterais – cada bordo lateral tem sete chanfraduras costais, que se articulam
com as setes primeiras sete cartilagens costais, sendo que a primeira chanfradura
se encontra na porção superior do bordo lateral do manúbrio esternal e a segunda na
união do manúbrio com o corpo. As chanfraduras costais estão separadas entre si por
seis chanfraduras intercostais.

Extremidade superior – tem uma chanfradura mediana (fúrcula do esterno) e


duas laterais, que apresenta m a superfície articular para a clavícula (faceta
clavicular).

Extremidade inferior – é representada pelo apêndice xifoideu, que termina por um


vértice.

141
Costelas
Classificação – osso placóide ou achatado.

Paridade – osso par.

Localização – paredes laterais do tórax, estendendo-se desde a colun a dorsal ou


torácica até ao esterno.

Orientação – a extermidade mais volumosa é posterior, sendo que a concavidade é


interior. O bordo que apresenta uma goteira é inferior. Inclinam-se de cima para baixo
e de trás para a frente.

Descrição:

São em número de doze, sendo que são classificadas em verdadeiras (as primeiras
sete), falsas (8ª, 9ª e 10ª costelas) e flutuantes (11ª e 12ª).

Características gerais das costelas:

Apresentam duas curvaturas, que são denominadas de ângulo posterior e ângulo


anterior das costelas. São compostas por um corpo e duas extremidades, uma
anterior e outra posterior.

Corpo – tem uma face externa, onde fazem saliência os ângulos anterior e
posterior, uma face interna, que é atravessada, ao longo do seu bordo inferior, pela
goteira costal (onde se inserem os músculos intercostais), um bordo superior e
um bordo
inferior.

142
Extremidade posterior – compreende a cabeça, a tuberosidade e o colo. A cabeça
articula-se com o disco intervertebral, sendo que as suas faces superior e inferior
apresentam duas facetas articulares que se opõem às hemifacetas costais dos
corpos vertebrais correspondentes. A tuberosidade tem duas saliências, sendo
que a ínfero-interna se articula com a superfície articular da apófise transversa
e a súpero-externa confere inserção a ligamentos. O colo encontra-se entre a
cabeça e a tuberosidade da costela, sendo que a sua face posterior tem rugosidades
para inserção de ligamentos.

Extremidade anterior – apresenta uma escavação para a extremidade externa da


cartilagem costal.

Características próprias de algumas costelas:

Primeira costela – é a mais larga e curta de todas. A face superior do seu corpo
apresenta o tubérculo de Lisfranc, onde se insere o músculo escaleno anterior. O
tubérculo de Lisfranc é ladeado por uma goteira anterior, onde passa a veia
subclávia, e uma goteira posterior, que confere passagem à artéria subclávia.
Anteriormente à goteira venosa, insere-se o músculo escaleno subclávio e o
ligamento costo-clavicular. Posteriormente à goteira arterial, inserem-se os
músculos escaleno médio e grande dentado. Esta costela não tem goteira costal.
A cabeça na sua extremidade posterior tem apenas uma faceta articular. Externamente
à tuberosidade da face externa insere-se o músculo pequeno dentado póstero-
superior e internamente o primeiro músculo supracostal.

Segunda costela – a sua face externa tem uma superfície rugosa para a inserção dos
músculos escaleno posterior e grande dentado. O músculo pequeno dentado
póstero-superior insere-se posteriormente ao músculo escaleno posterior e o

143
segundo músculo supracostal insere-se no bordo superior do colo. Esta costela
também não tem goteira costal.

Décima primeira e décima segunda costelas – não possuem tuberosidade e a sua


cabeça tem apenas uma faceta articular. A décima segunda não tem goteira costal nem
ângulo posterior.

Cartilagens costais:

Apresentam uma face anterior, uma face posterior, um bordo superior, um


bordo inferior, uma extremidade externa, que se articula com a extremidade
anterior da costela, e uma extremidade interna, que da 1ª à 7ª costelas se articula
com o esterno, da 8ª à 10ª costelas se articula com o bordo inferior da cartilagem
costal suprajacente e que na 11ª e 12ª costelas se mantém livre.

144
Tórax em geral
Configuração exterior:

A caixa torácica tem uma face anterior, uma face posterior, duas faces laterais,
uma base ou orifício inferior e um vértice ou orifício superior.

Face anterior – é limitada, lateralmente, pelos


ângulos a nteriores das costelas. Na sua linha média
contém o esterno e lateralmente as cartilagens
costais e a porção anterior das oito ou nove
primeiras costelas.

Face posterior – é limitada, lateralmente, pelos


ângulos posteriores das costelas. Nesta face
visualiza-se, de dentro para fora, as apófises
espinhosas, as goteiras vertebrais e a porção
posterior das costelas, até ao ângulo posterior
destas.

Faces laterais – são compostas pelas porções das


costelas compreendidas entre os ângulos posteriores
e anteriores destas.

Oríficio superior ou opérculo torácico – é limitado, de anterior para posterior, pela


fúrcula esternal, pela 1ª costela e pela 1ª vértebra dorsal ou torácica.

Orifício inferior – é limitado, de anterior para posterior, pelo apêndice xifoideu, pelo
bordo inferior das seis últimas cartilagens costais, pela 12ª costela e pela 12ª vértebral
dorsal ou torácica. Apresenta o ângulo xifoideu, que é limitado pelas cartilagens das
costelas falsas e o seu vértice é ocupado pelo apêndice xifoideu.

Configuração interior:

As faces anterior e laterais reproduzem as configurações da configuração exterior, mas


com as curvaturas inversas. A face posterior tem uma saliência mediana formada pelos
corpos vertebrais e lateralmente apresenta as goteiras pulmonares, de cada lado da
coluna dorsal ou torácica.

145
3.2.3. ARTROLOGIA DO TÓRAX

As articulações do tórax são as seguintes:

- Articulações costo-vertebrais
- Articulações condro-costais
- Articulações intercondrais
- Articulações condro-esternais
- Articulações esternais
- Articulação esterno-condro-clavicular (integrada no complexo articular da
espádua)

ARTICULAÇÕES COSTO-VERTEBRAIS: as costelas estão unidas à coluna vertebral


pelas articulações costo-vertebrais propriamente ditas, pelas articulações
costo-transversas e pelos ligamentos costo-vertebrais.

1. Articulações costo-vertebrais propriamente ditas: unem a cabeça das costelas às


partes laterais dos corpos vertebrais.
Classificação: cada uma delas é constituída por duas artrodias, separadas por
um ligamento interósseo.

Superfícies articulares: facetas na cabeça das costelas e hemifacetas nos


corpos vertebrais.

Meios de união: as cabeças das costelas estão uunidas aos corpos vertebrais
por uma cápsula articular fina, inserida nos bordos sas superficies articulares e
reforçada pelos ligamentos costo-vertebrais anterior e posterior e pelo
ligamento interósseo.

NOTA!:
Não existe ligamento interósseo as articulações costo-vertebrais da 1ª, 11ª e 12ª costelas.

Sinovial: cada articulação costo-vertebral possui duas sinoviais separadas pelo


ligamento interósseo.

Permite movimentos de inclinação bastante extensos em todos os sentidos e


movimentos de deslizamento muito limitados na direção ântero-posterior.
Realizam-se ainda movimentos de rotação da costela sobre a coluna
vertebral.

146
2. Articulações costo-transversas: unem as costelas às apófises transevrsas das
vértebras.
Classificação: trocartroses (superficies articulares em forma de segment de
cilindro)
Superfícies articulares: tuberosidade da costela e faceta costal das apófises
transversas.

Meios de união: a cápsula articular é reforçada por 2 ligamentos: ligamento


costo-transverso posterior e ligamento costo-transveso inferior.

Sinovial: recobre a superfície interior da cápsula articular.


Permite movimentos de deslizamento de pequena amplitude, da superfície
convexa da costela sobre a superfície concave da apófise transversa. Realizam-se
ainda movimentos de rotação da costela sobre a coluna vertebral. A sua
função é elevar ou baixar o arco costal.

3. Ligamentos costo-vertebrais

Ligam o cólo da costela à vértebra vizinha. São 4:

- Ligamento costo-vertebral interósseo – estende-se desde a face posterior


do cólo da costela à face anterior da apófise transversa.
- Ligamento costo-vertebral superior – estende-se desde o bordo superior do
colo da costela até ao bordo inferior da apófise transversa suprajacente.
- Ligamento cérvico-laminar – situa-se acima do ligamento costo-vertebral
interósseo.
- Ligamento cérvico-meniscal – atravessa o buraco de conjugação ou
intervertebral e termina na face posterior do disco intervertebral correspondente.

ARTICULAÇÕES CONDRO-COSTAIS: unem as


cartilagens costais às costelas.

Classificação: sinartroses, mais propriamente


sincondroses.

147
Superfícies articulares: costelas e cartilagens costais.

Meios de união: em redor da articulação condro-costal, o periósteo da costela tem


continuidade com o pericôndrio da cartilagem.

ARTICULAÇÕES CONDRO-ESTERNAIS: unem as c artilagens costais ao esterno.

Classificação: cada uma delas é cosntituída por 2 artrodias separadas por um


ligamento interósseo.

Superfícies articulares: 7 primeiras cartilagens costais e faceta plana do esterno.

Meios de união: existe uma cápsula articular, que une o pericôndrio da cartilage ao
periósteo do esterno. É reforçada pelo
ligamento condro-esternal
anterior e pelo ligamento condro-
esternal posterior. O ligamento
interósseo divide a articulação em 2
cavidades que podem ser distintas ou
comunicar entre si, caso a parte
posterior do ligamento não exista.

Sinovial: dupla ou simples,


consoante o ligamento interósseo seja
completo ou não.

Atenção! A articulação condro-esternal da 7ªcartilagem costal apresenta um ligamento


muito resistente, o ligamento condro-xifoideu, que cobre a face anterior da
articulação e se entrecruza anteriormente ao apêndice xifoideu, com o ligamento do
lado oposto.

As articulação condro-esternais permitem movimentos de deslizamento de


pequena extensão.

148
ARTICULAÇÕES INTERCONDRAIS:

Classificação: artrodias

Superfícies articulares: unem as 6ª, 7ª, 8ª, 9ª e 10ª cartilagens costais.

Meios de união: manga capsular constituída pelo pericôndrio que se estende de uma
cartilage à outra.

Permitem movimentos de deslizamento pouco extensos.

ARTICULAÇÕES ESTERNAIS: as 3 peças principais do esterno, o manúbrio, o corpo


do esterno e o apêndice xifoideu são unidas por 2 articulações: a articulação esternal
superior e a articulação esternal inferior.

- Articulação esternal superior – une o manúbrio esternal ao corpo do esterno.


É uma anfiartrose. As superficies articulares estão unidas por um ligamento
interósseo. Apenas esta é móvel, permitindo a inclinação para a frente e para
trás.
- Articulação esternal inferior – une o corpo do esterno ao apêndice xifoideu. É
uma sincondrose. As superficies articulares estão unidas por um ligamento
interósseo.

MOVIMENTOS DO TÓRAX NO SEU CONJUNTO:

No seu conjunto, o tórax executa um movimento de dilatação ou inspiração,


resultante da elevação das costelas, e um movimento de contração ou expiração,
resultante do abaixamento das costelas.

Movimento de dilatação ou inspiração:

1. Elevação das costelas


2. Expansão das cartilagens costais
3. Aumento dos diâmetros transverso e
ântero-posterior do tórax

149
Movimento de contração ou expiração:

1. Abaixamento das costelas


2. Estreitamento do tórax
3. Diminuição dos diâmteros transverso e ântero-posterior do tórax

A caixa torácica possui uma grande elasticidade e uma maior resistência a choques
externos devido:

- À flexibilidade das costelas e das cartilagens costais


- À elasticidade das cartilagens costais
- À mobilidade dos arcos costais

- Uma pressão exercida sobre a parede anterior do tórax empurra esta parede
contra a coluna vertebral. Em indivíduos jovens pode nem causar fraturas dos
arcos costais. ---- A pressão exercida na parede anterior do tórax distribui-se por
toda a grelha costal e pelos arcos costais.

- Um choque contra a parede lateral do tórax distribui-se por apenas um arco


costal ou um número restrito deles, cuja resistência é inferior à resistência da
totalidade dos arcos costais que sustentam o esterno.

EM SUMA:
- As costelas oferecem lateralmente apenas uma resistência isolada e fraturam-se
muito mais facilmente no sentido ântero-posterior, onde as pressões se
distribuem por toda a extensão do esterno.

150
3.3. Bacia

151
3.3.1. OSTEOLOGIA DA BACIA

OSSO ILÍACO
 Osso placóide ou achatado

 Osso par

 Localiza-se na bacia, à frente e para for a do sacro e do cóccix.

 A cavidade articular esférica é externa. A maior chanfradura no rebordo desta


cavidade é inferior. O ressalto da chanfradura é posterior.

 Os ilíacos formam juntamente com o sacro e com o cóccix, o esqueleto da


bacia.

 O ilíaco articula-se com o ilíaco do lado oposto anteriormente, com o sacro


posteriormente e com o fémur inferiormente.

 Apresenta 3 segmentos:

- Médio: estreito e espresso, ocupado pela cavidade cotiloideia ou acetábulo.

- Superior: denominado ílion.

- Inferior: forma os bordos do buraco ísquio-púbico ou obturado. É


constituído pelo púbis, anteriormente e pelo ísquion, posteriormente.

 Apresenta 2 faces, 4 bordos e 4 ângulos.

Face Externa: divide-se em 3 porções: fossa ilíaca externa, a cavidade


cotiloideia ou acetábulo e o buraco ísquio-púbico ou obturado.

Fossa Ilíaca Externa:

Apresenta 2 linas curvas rugosas: a linha semicircular anterior, junto ao


buraco nutritivo e a linha semicircular posterior.
Entre as 2 linhas semicirculares, encontra-se uma goteira vascular para um ramo
da artéria glútea.

152
Estas linhas dividem a fossa ilíaca externa em 3 segmentos:
- Segmento posterior: apresenta a zona póstero-superior onde se insere o
músculo grande glúteo e a zona póstero-inferior onde se inserem feixes do
grande ligamento sacro-ciático.

- Segmento médio: dá inserção ao músculo médio glúteo.

- Segmento ântero-inferior: dá inserção ao músculo pequeno glúteo.

A porção inferior da fossa é escavada pela goteira supra-cotiloideia que dá inserção


ao tendao refletido do músculo reto anterior da coxa.

O lábio superior da goteira supra-cotiloideia limita, inferiormente, a inserção do músculo


pequeno glúteo, podendo ser designado linha semicircular inferior.

Cavidade Cotiloideia ou
Acetábulo:

É limitada pelo rebordo cotiloideu


que apresenta 3 chanfraduras
que constituem os pontos de
união das 3 peças ósseas: o
ílion, o pubis e o ísquion. São
elas:

- Chanfradura anterior ou
ílio-púbica
- Chanfradura posterior ou
ílio-isquiática
- Chanfradura inferior ou
ísquio-púbica

Na extremidade anterior do rebordo cotiloideu, encontra-se o tubérculo pré-


cotiloideu.

A cavidade cotiloideia apresenta 2 porções:

- Parte central – transfundo da cavidade cotiloideia (quadrilátera e não


articular)
- Parte periférica – articular em meia lua. Os seus extremos ou cornos delimitam
a chanfradura ísquio-púbica.

153
Buraco ísquio-púbico ou obturado:

É um orificio largo, situado por baixo da cavidade cotiloideia e revestido pela


membrana obturadora. É oval no homem e triangular na mulher. É limitado
superiormente, pelo acetábulo, anteriormente, pelo púbis e, posteriormente, pelo
ísquion.

 Pubis: compreende 3 partes:


 ramo horizontal ou corpo do púbis – superiormente ao buraco ísquio-
púbico
 lâmina quadrilátera do púbis – anteriormente ao buraco ísquio-púbico
 ramo descendente do pubis – inferiormente e posteriormente à lâmina
quadrilátera do púbis

A face externa do pubis dá inserção aos músculos reto interno,


obturador externo e adutores da coxa (longo, médio e curto).

 Ísquion: é constituído por:


 ramo descendente
 ramo ascendente – une-se ao ramo descendente, formando a
tuberosidade isquiática.

A face externa do ísquion dá inserção ais músculos grandes adutor da


coxa, quadrado crural e obturador externo

Face Interna: é dividida em 2 porções pela linha inominada, cuja extremidade


anterior se designa crista pectínea.

Acima da linha inominada, encontra-se a fossa ilíaca interna que dá inserção


ao músculo ilíaco nos seus 2/3 superiores.

Posteriormente à fossa ilíaca interna, encontra-se uma superfície irregular,


constituída por 2 partes:
- faceta articular (inferior): superfície articular e sulco pré-auricular (para
inserção do ligamento sacro-ciático anterior)

- tuberosidade ilíaca (superior): que dá inserção aos ligamentos da


articulação sacro-ilíaca.

154
Abaixo da linha inominada, onserva-se:
- anteriormente, o buraco ísquio-púbico ou obturado
- ântero-superiormente, a crista tubercular
- póstero-superiormente, a superfície qaudrilátera para inserção do músculo
obturador interno

Bordo Superior ou Crista Ilíaca: apresenta 2 extremidades: a espinha ilíaca


ântero-superior e a espinha ilíaca póstero-superior.
Dá inserção:
- na parte anterior, aos músculos grande oblíquo, pequeno oblíquo e
transverse do abdómen.
- na parte posterior, aos músculos grande dorsal, quadrado lombar e sacro-
lombar.

Bordo Anterior: apresenta:

- espinha ilíaca ântero-superior: onde se inserem os músculos costureiro e


tensor da fascia lata
- chanfradura inominada

155
- espinha ilíaca ântero-inferior: onde se insere o músculo reto anterior da
coxa
- chanfradura do psoas
- eminência ílio-pectínea: na junção do ílion ao pubis
- superfície pectínea
- espinha do pubis: inserção dos músculos piramidal e grande reto do
abdómen

156
Bordo Inferior: continua-se com o bordo anterior, formando o ângulo do pubis.
Apresenta 2 segmentos:
- anterior: articular, forma com o outro ilíaco, a sínfise púbica
- posterior: tem um lábio interno, para inserção dos músculos reto interno e
grande adutor da coxa; um lábio externo, para inserção dos músculos
transverses do períneo.

Bordo Posterior: apresenta:


- espinha ilíaca póstero-superior
- chanfradura inominada
- espinha ilíaca póstero-inferior
- grande chanfradura ciática

157
- espinha ciática, onde se insere o pequeno ligamento sacro-ciático
- pequena chanfradura ciática
- tuberosidade isquiática
Dá inserção aos músculos posteriores das coxas e ao grande ligamento
sacro-ciático.

Ângulo ântero-superior: corresponde à espinha ilíaca ântero-superior


Ângulo ântero-inferior: corresponde ao ângulo do púbis
Ângulo póstero-superior: corresponde à espinha ilíaca póstero-superior
Ângulo póstero-inferior: corresponde à tuberosidade isquiática

O músculo piramidal divide a grande chanfradura ciática em 2 pedículos vásculo-


nervosos, atravessados pelas seguintes estruturas:

1. Pedículo vásculo-nervoso superior:


- Artéria glútea superior e veias satélite
- Nervo glúteo superior

2. Pedículo vásculo-nervoso inferior:


- Artéria glútea inferior e veias satélites
- Artéria pudenda interna e veias satélite
- Nervo ciático
- Nervo glúteo inferior
- Nervo cutâneo femoral posterior
- Nervo hemorroidário inferior
- Nervo obturador interno
- Nervo gémeo superior
- Nerbo gémeo inferior
- Nervo quadrado femoral
- Nervo pudendo

158
BACIA EM GERAL:
Os 2 ossos ilíacos, o sacro e o cóccix constituem a bacia ou pelvis.

Apresenta 2 superfícies: uma exterior e uma interior e 2 aberturas: uma superior e


uma inferior.

Superfície Exterior da Bacia:

Apresenta:

- anteriormente (de cada lado da sínfise púbica): o corpo, o ramo horizontal e o


ramo descendente do pubis que enquadram o buraco ísquio-púbico ou
obturado.
- dos lados, a fossa ilíaca externa, o acetábulo, o ramo descendente od ísquion e a
tuberosidade isquiática.
- posteriormente, as faces posteriores do sacro e do cóccix.

Superfície Interior da Bacia: dividida pelo estreito superior da bacia em grande


bacia, formada pelas fossas ilíacas internas e pelas asas do sacro, e pequena bacia,
limitada:

- anteriormente, pela sínfise púbica e face interna do rebordo do buraco obturado


- dos lados, pela superfície lisa em relação com o acetábulo
- posteriormente, pelas faces anteriores do sacro e do cóccix.

159
O estreito superior é constituído de trás para a frente por:

- promontório
- bordo anterior da asa do sacro
- linha inominada do ilíaco
- crista pectínea
- ângulo do pubis
- sínfise púbica

Orifício Superior: circunscrito (de anterior para posterior):

- extremidade superior da sínfise púbica


- bordo anterior do ilíaco
- crista ilíaca
- bordo posterior da asa do sacro
- promontório (ângulo formado entre o corpo de L5 e o sacro)

Orifício Inferior: limitado:

- anteriormente, pela extremidade inferior da sínfise púbica


- posteriormente, pelo vértice do cóccix
- dos lados, pelos ramos ísquio-púbicos e tuberosidade isquiática do ilíaco

DIMENSÕES DA BACIA NA MULHER:

Estreito Superior:

- diâmetro ântero-posterior: desde o promontório ao


ponto mais elevado da sínfise púbica = 11 cm

- diâmetro transverso: no máximo = 13 cm

- diâmetros oblíquos: desde a articulação sacro-


ilíaca de um lado até à eminência ílio-pectínea do
lado oposto = 12 cm

160
Estreito Médio:

- diâmetro ântero-posterior = 12 cm

- diâmtero transverso: = 12 cm – entre as cavidades cotiloideias.

Estreito Inferior:

- diâmetro ântero-posterior: entre o vértice do cóccix e a extremidade inferior da


sínfise púbica = 7 a 10 cm (devido à mobilidade do cóccix)

- diâmetro transverso: entre as 2 tuberosidades isquiáticas = 12,5 cm

VARIAÇÕES DA BACIA SEGUNDO O SEXO:

Na mulher:

- as paredes da bacia são menos espessas


- o estreito superior é mais amplo
- a pequena bacia é mais larga
- a sinfise púbica é mais baixa
- a concavidade da parede posterior é menos acentuada – o arco do pubis forma um
ângulo mais aberto
- os buracos ísquio-púbicos são maiores e triangulares

161
Aspetos Funcionais da Bacia:

Função estática: coluna sacro-coccígea

Função dinâmica: movimentos de nutação e contra-nutação das articulações sacro-


ilíacas, pequenos movimentos da sínfise púbica e da articulação sacro-coccígea.

162
3.3.2. Artrologia da Bacia

163
Sínfise Púbica

Classificação – anfiartrose, mais propriamente uma sínfise.

Superfícies articulares – encontram-se no bordo interno das lâminas


quadriláteras do púbis e são recobertas por cartilagem.

Meios de união – ligamento interósseo e manga fibrosa periférica.

Ligamento interósseo:

É uma fibrocartilagem que ocupa o espaço situado entre as superfícies


articulares. É constituída por tecido fibroso. É mais espesso na mulher do que no
homem e durante a gravidez torna-se mais laxo e a cavidade articular aumenta.

Manga fibrosa periférica:

Dispõe-se à volta do ligamento interósseo. Apresenta um ligamento anterior, um


ligamento posterior, um ligamento superior e um ligamento inferior.

Movimentos: é uma articulação praticamente imóvel. Contudo, no final da gravidez


as partes moles desta articulação tornam-se mais laxas e móveis, sendo que os púbis
podem assim executar pequenos movimentos entre si, bem como afastar-se um pouco.

164
Articulação Sacro-ilíaca

Classificação – esta articulação é, primitivamente, uma diartro-anfiartrose, contudo


apresenta características tão específicas, que acaba por não se assemelhar a nenhuma
outra articulação.

Superfícies articulares – superfícies auriculares do sacro e do osso ilíaco.

Superfícies auriculares do sacro:

A superfície auricular do sacro é atravessada por uma goteira cujo centro é o tubérculo
conjugado de S1 e S2.

Superfícies auriculares dos ossos ilíacos:

Apresenta um espessamento corresponde à goteira da superfície auricular sagrada.

Meios de união – cápsula articular, ligamentos sacro-ilíacos anterior e posterior e


ligamento ílio-lombar.

Ligamento sacro-ilíaco anterior:

Confunde-se com a cápsula articular e estende-se ao longo de toda a face anterior da


articulação. Apresenta fibras transversais e apresenta os ligamentos ântero-
superior (entre a asa do sacro e o osso ilíaco) e ântero-inferior (desde a
extremidade superior da grande chanfradura ciática até ao bordo lateral do
sacro).

Ligamento sacro-ilíaco posterior:

Compreende três planos ligamentares: superficial, médio e profundo.

Plano superficial – é constituído por dois ou três ligamentos paralelos, denominados


ligamentos ílio-articulares. Estes inserem-se na região póstero-inferior da
tuberosidade ilíaca. Partindo destas inserções, dirigem-se para dentro, sendo que
dois destes feixes se inserem no primeiro e segundo tubérculos sagrados
póstero-internos. Os outros dois feixes são inconstantes, sendo que o feixe inferior
se insere no bordo interno do terceiro buraco sagrado posterior ou ao terceiro
tubérculo sagrado póstero-interno e o feixe superior insere-se na porção
externa da apófise articular superior do sacro.

165
Plano médio – é composto por ligamentos ílio-transversos, sendo que estes são o
ílio-transverso sagrado (que se estende da extremidade posterior da crista
ilíaca até à primeira apófise transversa sagrada), o 1º ligamento ílio-
transverso conjugado (insere-se na tuberosidade ilíaca e no 1º tubérculo
conjugado), o 2º ligamento ílio-transverso conjugado (estende-se de desde
perto da espinha ilíaca póstero-superior até ao 2º tubérculo conjugado), e os
3º e 4º ligamentos ílio-transversos conjugados (unem a espinha ilíaca
póstero-superior ao 3º e 4º tubérculos conjugados).

Plano profundo – é composto pelo ligamento interósseo ou vago, que se insere na


tuberosidade ilíaca e nas duas primeiras fossas crivadas do sacro.

Ligamento ílio-lombar:

O sistema dos ligamentos ílio-transversos sagrados é prolongado por dois ligamentos


ílio-transversos lombares, um superior e outro inferior. O ligamento ílio-
transverso lombar inferior estende-se do vértice e do bordo inferior da apófise
transversa de L5 até à porção posterior da crista ilíaca. O ligamento ílio-

166
transverso lombar superior insere-se no bordo inferior da apófise transversa
de L4 e na crista ilíaca. As fibras mais internas destes ligamentos fixam-se desde a
extremidade posterior da crista ilíaca até à extremidade posterior da linha inominada.

Sinovial – existe.

Movimentos – nutação e contra-nutação.

 Nutação – a base do sacro dirige-se para a frente e o cóccix para trás. É limitada
pelos freios de nutação e pelo ligamento sacro-ilíaco interósseo. A sua
amplitude aumenta durante a gravidez.
 Contra-nutação – o sacro retorna à posição normal.

167
Ligamentos Sacro-ciáticos

São 2 e denominam-se grande e pequeno ligamentos sacro-ciáticos.

Grande ligamento sacro-ciático:

Superiormente, insere-se nas espinhas ilíacas póstero-superior e póstero-inferior,


na chanfradura inominada, na porção contígua da fossa ilíaca externa (da
extremidade posteriorda crista ilíaca até à grande chanfradura ciática) e sobre o bordo
lateral do sacro até às duas primeiras vértebras coccígeas. Termina inserindo-se
no bordo interno da tuberosidade isquiática e no lábio interno do ramo
ascendente do ísquion.

Pequeno ligamento sacro-ciático:

Encontram-se anteriormente ao grande ligamento sacro-ciático. Insere-se do bordo


lateral do sacro e do cóccix, ao nível de S4 e S5 e das duas ou três primeiras
vértebras coccígeas, terminando, por fim, no vértice da espinha ciática.

Estes dois ligamentos dividem o intervalo compreendido entre o osso ilíaco e o bordo
lateral do sacro e cóccix em dois orifícios: um superior, que é a grande chanfradura
ciática e que confere passagem ao músculo piramidal, aos vasos e nervos
glúteos superiores, vasos isquiáticos e grande e pequeno nervos ciáticos, e
um inferior, a pequena chanfradura ciática, que confere passagem ao músculo
obturador interno, aos vasos e nervos pudendos internos, ao nervo
hemorroidário inferior e ao nervo do músculo obturador interno.

168
Membrana Obturadora

Encerra praticamente todo o buraco ísquio-púbico ou buraco obturado. Insere-se


no rebordo deste buraco, bem como nos tubérculos ísquio-púbicos anterior e
posterior. É reforçada na sua face externa pela fita infra-púbica, que se insere
posteriormente no tubérculo pré-cotiloideu e no ligamento transverso do
acetábulo, e anteriormente no tubérculo ísquio-púbico anterior, no bordo do
buraco obturado e em parte da face anterior do púbis.

169
3.4. Miologia do Tronco

170
MÚSCULOS DA REGIÃO POSTERIOR DO TRONCO
Podem dividir-se em 3 grupos principais

 Grupo posterior, que compreende os músculos situados por trás das goteiras
vertebrais.

 Grupo médio, representado pelos músculos situados no plano das apófises


transversas das vértebras torácicas e lombares.

 Grupo anterior, formado pelos músculos situados anteriormente às apófises


transversas das vértebras torácicas e lombares.

Grupo Posterior

Os músculos do grupo posterior, também designados músculos do dorso ou das


costas, dispõem-se em 4 planos principais, descritos desde o mais profundo ao mais
superficial:

 Plano Profundo ou dos músculos espinhais;


 Plano dos músculos pequenos dentados posteriores;
 Plano do Rombóide;
 Plano Superficial;

 Plano Profundo ou dos músculos espinhais


 Massa Comum: consiste na reunião, em baixo, do músculo transverso-
espinhoso, do músculo sacro-lombar e do músculo longo dorsal.
Insere-se na espinha ilíaca póstero-superior, na crista e na tuberosidade ilíaca,
na crista sagrada e nas apófises espinhosas das últimas vértebras lombares.

 Músculo Transverso-Espinhoso: estende-se desde o sacro


até ao áxis, na goteira vertebral compreendida entre as
apófises transversas e espinhosas.

171
 Músculo Longo Dorsal: estende-se desde a massa comum até à 2ª costela,
inserindo-se nas apófises transversas das vértebras lombares e torácicas.

 Músculo Sacro-Lombrar ou Ílio-costal: estende-se desde a massa comum até à


3ª vértebra cervical (C3).

172
 Músculo Epi-espinhoso: insere-se nas apófises espinhosas desde a 1ª vértebra
torácica até à 2ª vértebra lombar (de T1 a L2), internamente ao longo dorsal.

 Músculos Interespinhosos: estendem-se desde o bordo superior de uma apófise


espinhosa até ao bordo inferior da apófise
espinhosa suprajacente.

Ação dos Músculos Espinhais:


 Extensao da coluna vertebral;
 Inclinação lateral e rotação do tronco (quando a contração é unilateral) –
exceto os músculos epi-espinhosos e interespinhosos;
 Inclinação homolateral da coluna (sacro-lombar e longo dorsal);

173
 Plano dos Músculos Pequenos Dentados Posteriores

Compreende os músculos pequenos dentados posteriores, superior e inferior,


separados por uma aponevrose, a aponevrose intermediária dos músculos
dentados, que constitui uma superfície de deslizamento da omoplata.

 Músculo Pequeno Dentado Póstero-Superior: Insere-se no ligamento


cervical posterior, nas apófises espinhosas de C7 e da T1-T3, nos
ligamentos interespinhosos e nas 4 primeiras costelas.
É um músculo inspirador que participa na elevação das 4 primeiras
costelas durante a inspiração.

 Músculo Pequeno Dentado Póstero-Inferior: Insere-se nas apófises


espinhosas de T11 a L3, no ligamento interespinhoso e nas 4 últimas
costelas.
É um músculo expirador, que abaixa as 4 últimas costelas.

174
 Plano do Rombóide
 Músculo Rombóide: Apresenta 2 porções que constituem o pequeno e o
grande romboide. Insere-se no ligamento cervical posterior, nas
apófises espinhosas da C7 e de T1-T4 e no bordo interno da omoplata.
Permite a elevação da omoplata e a sua rotação para o ângulo
inferior, com deslocamento do ombro.

 Plano Superficial
 Músculo Grande Dorsal: Insere-se, inferiormente, nas apófises espinhosas
das 6 últimas vértebras torácicas e nas lombares e sagradas, nos
ligamentos interespinhosos e na crista ilíaca. Superiormente, insere-se nas
4 últimas costelas, no ângulo inferior da omoplata e na goteira bicipial do
úmero.
É rotador e adutor do braço e elevador do tronco.

175
 Músculo Trapézio: Insere-se na linha curva occipital superior, na
protuberância occipital externa, no ligamento cervical posterior, nas
apófises espinhosas de C7 a T10, na clavícula, no acrómio e na espinha da
omoplata.
É um elevador do ombro e um inclinador e rotador contra-lateral
da cabeça.

Grupo Médio

 Músculos Intertransversos: Estendem-se entre 2 apófises transversas


lombares vizinhas.
Permitem a inclinação lateral da coluna.

176
 Músculo Quadrado Lombar: insere-se na crista ilíaca, inferiormente; na
12ª costela, superiormente e nas apófises transversas das vértebras
lombares, internamente.
Abaixador da 12ª costela;
Inclinador da coluna lombar;
Inclinador da bacia (ponto fixo na inserção superior)

Grupo Anterior

 Músculo Psoas-Ilíaco: constituído pelo psoas e pelo ilíaco.

O Psoas insere-se, superiormente, da T12 a L5 e, inferiormente, no pequeno trocânter


do fémur.

O Ilíaco insere-se na crista e na fossa ilíaca


externa e no pequeno trocânter do fémur.

O músculo Psoas-Ilíaco permite:

Flexão da coxa sobre a bacia;

Rotação externa da coxa;

Flexão do tronco;

Rotação externa do tronco;

177
 Músculo Pequeno-Psoas: insere-se na T12 e na eminência ílio-pectínea.
Permite a flexão da bacia sobre a coluna lombar.

178
Músculos da Parede Ântero-lateral do Tórax
Os músculos da parede ântero-lateral do tórax podem dividir-se em 3 grupos: um
grupo superficial, um grupo intercostal e um grupo profundo.

Grupo Superfícial

Situa-se externamente ao plano ósseo, e inclui:

 músculo grande peitoral


 músculo pequeno peitoral
 músculo subclávio
 músculo grande dentado

Estes músculos são abordados juntamente com a musculatura do membro superior.

Grupo Intercostal

Os músculos do grupo intercostal ocupam os espaços intercostais, estando dispostos


em 3 planos (externo, médio e interno) para cada espaço intercostal.

Plano Externo:

Músculo Intercostal Externo: formado por feixes que se inserem no lábio externo da
goteira costal da costela suprajacente e no lábio externo do bordo superior
da costela subjacente.

Este músculo não ocupa toda a extensão do espaço intercostal, encontrando-se desde a
articulação costo-transversária até à articulação condro-costal.

Músculo Supra-Costal: é posterior ao músculo intercostal externo. Estende-se desde o


vértice de uma apófise transversa até ao bordo superior e face externa da
costela subjacente.

Plano Médio:

Músculo Intercostal Médio: encontra-se internamente ao músculo intercostal externo.


Ocupa a parte do espaço intercostal entre a linha axilar média e o bordo lateral
do esterno. Insere-se, superiormente, ao longo da vertente externa da goteira
costal, e inferiormente, no bordo superior da costela subjacente.

179
Plano Interno:

Músculo Intercostal Interno: encontra-se internamente ao músculo intercostal médio.


Ocupa a região do espaço intercostal entre o ângulo posterior da costela e 5 cm
do bordo lateral do esterno. Insere-se, superiormente, no lábio interno da goteira
costal e, inferiormente, no bordo superior da costela subjacente.

Músculo Infra-costal: é formado pelos feixes mais posteriores do músculo


intercostal interno, que se estendem desde a face interna de uma costela até à
face interna da costela subjacente.

Os músculos intercostais:

 São inspiradores e expiradores


 Fazem resistência ativa à pressão atmosférica
 Restabelecem constantemente a altura do espaço intercostal

Grupo profundo

Este grupo é constituído apenas por um músculo, o músculo triangular do esterno, que
une o esterno às cartilagens costais. Insere-se, internamente, na face posterior do
corpo do esterno, ao longo do seu bordo lateral, e termina, externamente, na face
posterior e bordo inferior da 3ª à 6ª cartilagens costais.

O músculo triangular do esterno tem como ação baixar as cartilagens costais.

180
Músculos da Parede Ântero-lateral do Abdómen
Os músculos da parede ântero-lateral do abdómen são 5:

 Grande oblíquo
 Pequeno oblíquo
 Transverso do abdómen
 Piramidal
 Grande reto

Músculo Grande Oblíquo:

É o mais superficial dos 3 músculos largos do abdomen. Tem origem na face


externa e no bordo inferior das 7 ou 8 últimas costelas, dirigindo-se
obliquamente para baixo e inserindo-se de posterior para anterior:

 na ½ anterior da crista ilíaca


 através da inserção na aponevrose do músculo grande oblíquo, no pubis e na
linha branca:
. na linha branca, a aponevrose do grande oblíquo passa anteriormente ao
músculo grande reto.
. no púbis, segundo 3 pilares (segundo Rouviere):

Pilar interno – passa anteriormente à porção mais inferior do grande reto e do


piramidal. Cruza-se com o pilar interno contra-lateral e insere-se na face anterior e
espinha do púbis do lado oposto.

Pilar posterior/ligamento de Colles – passa posteriormente ao pilar interno, que o


recobre. Cruza também a linha média e termina, tal como o pilar interno, na face
anterior e espinha do pubis contra-lateral.

Pilar externo/ligamento inguinal/ligamento de Poupart – tem origem na espinha


ilíaca ântero-superior e insere-se na espinha púbica do mesmo lado. Apresenta um
espessamento (ligamento de Gimbernat) que se insere no ligamento de Cooper
(aponevrose do músculo pectíneo).

181
Músculo Pequeno Oblíquo:

Encontra-se no plano médio, ou seja, é superficial ao transverso do abdómen e


profundo em relação ao grande oblíquo.

As fibras musculares inserem-se:

- na rista ilíaca
- 4 últimas cartilagens costais
- Linha branca

As fibras mais inferiores originam o músculo cremáster, durante a descida ao


testículo, juntamente com algumas fibras do transverso. O músculo cremáster tem a
função de fazer ascender os testículos em situações de baixas temperaturas. Envolve o
cordão espermático.

As fibras inferiores vão formar o tendão conjunto ou foice inguinal, juntamente


com as fibras do músculo transverso do abdómen.

182
Músculo Transverso do Abdómen:

É o mais profundo dos 3 músculos largos.

Ocupa toda a região lateral da parede abdominal, desde a coluna até à linea
branca.

Insere-se:
- na face interna das 6 últimas costelas e cartilagens costais
- no vértice das apófises transversas das 4 primeiras vértebras lombares
- na crista ilíaca

Da sua origem, as fibras musculares dirigem-se horizontalmente, tendo continuidade


com a aponevrose anterior do músculo transverse do abdómen. Esta aponevrose
anterior do músculo transverso do abdómen vai inserir-se ao nível da linha branca,
passando posteriormente ao grande reto nos seus 2/3 anteriores e anteriormente no
1/3 inferior. O local de alteração desta conformação designa-se arcada de Douglas ou
linha arcuata.*

É recoberto posteriormente por uma aponevrose, a fascia transversalis, que é


basicamente o folheto posterior da aponevrose do músculo transverso do
abdomen, iniciando-se em cima com este, e terminando em baixo num espessamento,
a fita ílio-púbica de Thompson.

As suas fibras inferiores, que nascem do ligamento inguinal unem-se às do músculo


pequeno oblíquo, formando o tendão conjunto, que se insere numa linha contínua
desde a espinha púbica à sínfise púbica.

183
Por fim, destas fibras inferiores, algumas vão-se unir às fibras do músculo pequeno
olbíquo para formar o músculo cremáster, descrito anteriormente.

Músculo Piramidal

É um músculo inconstante. Localiza-se anteriormente à porção mais inferior do grande


reto abdominal. Insere-se, inferiormente, no pubis (inferior e anteriormente ao grande
reto) e na sínfise púbica. Desde esta origem, ascendem as fibras internamente
terminando numa inserção superior ao nível da linha branca.

Músculo Grande Reto do Abdómen

Músculo longo e aplanado que se encontra de cada lado da linha média do abdómen,
desde o púbis até à região ântero-inferior do tórax.

O tendão de inserção inferior (no bordo superior do púbis) divide-se em dois feixes, um
interno e um externo, do qual de destaca uma expansão (ligamento de Henlé).
Superiormente, o músculo insere-se na 5ª, 6ª e 7ª cartilagens costais e no
apêndice xifoideu.

Cada um dos músculos grandes retos abdominais está coberto por uma bainha
tendinosa constituída pelas várias aponevroses de inserção anterior dos músculos largos.
Essas mesmas aponevroses vão inserir-se anteriormente ao nível da linha branca, que
(rafe tendinoso que vai separar, na linha média, os dois grandes retos abdominais).

Bainha Fibrosa do grande reto

O músculo grande reto do abdómen e o músculo piramidal estão cobertos por uma
bainha fibrosa, constituída pelas aponevroses terminais dos músculos largos do
abdómen. Apresenta 2 folhetos: um anterior e um posterior.

- Folheto anterior: é formado nos 2/3 superiores pelo tendão do músculo grande
oblíquo e pelo folheto anterior do músculo pequeno oblíquo; no seu 1/3 inferior é
formado pelos tendões dos 3 músculos largos do abdómen. A linha que delimita as
duas zonas é marcada pela arcada de Douglas ou linha arcuata .*

*Ver secção Pontos Fracos da Parede Abdominal para Arcada de Douglas.

184
- Folheto posterior: no segmento umbilical e supra-umbilical é formado pelo
folheto posterior do tendão do músculo pequeno oblíquo e pelo tendão do músculo
transverse do abdómen; no 1/3 inferior é unicamente formado pela fascia
transversalis.

AÇÃO DOS MÚSCULOS DA PAREDE ÂNTERO-LATERAL DO ABDÓMEN:

 Músculos largos – compressão das vísceras abdominais, intervindo na micção,


na defecação, na expiração forçada, no vómito e no parto.
 Músculo grande oblíquo – rotação do tórax para o lado oposto (quando a
contração é unilateral) e expiração.
 Músculo pequeno oblíquo – rotação do tórax para o lado da contração
(quando a contração é unilateral).
 Músculo transverso do abdómen – expiração.

185
Músculos do Períneo
O períneo ou pavimento pélvico é o conjunto das partes moles (músculos e
aponevroses) que encerram inferiormente, a cavidade pélvica.

É limitado por um losango osteofibroso, constituído:

 Anteriormente, pelo bordo inferior da sínfise púbica e ramos ísquio-púbicos;


 Posteriormente, pelo vértice do cóccix e pelos grandes ligamentos sacro-ciáticos;
 Lateralemnte, pelas tuberosidades isquiáticas.

O períneo é dividido por uma linha transversal que une as tuberosidades isquiáticas em:

 Triângulo anterior ou urogenital (atravessado pela uretra ou pela vaina)


 Triângulo posterior ou anal (atravessado pelo canal anal)

Períneo Masculino – Músculos

Os músculos estão dispostos em 3 planos: profundo, médio e superifical.

 Plano Profundo
 Músculo elevador do ânus: apresenta 2 porções:
o Porção externa ou esfincteriana: insere-se na face posterior do púbis, na
aponevrose obturadora (formando o arco tendinoso do elevador), na face
interna da espinha ciática e no arco tendinoso da aponevrose pélvica.
Permite a compressão e constrição do reto.
o Porção interna ou elevadora: insere-se no ligamento pubo-vesical e na
parede lateral do reto.
Permite a elevação e dilatação do canal anal.

 Músculo Ísquio-Coccígeo: situa-se atrás do músculo elevador do ânus,


estendendo-se desde a espinha ciática até ao bordo lateral do sacro e do cóccix.
Insere-se na face interna da espinha ciática, no bordo anterior da grande
chanfradura ciática, e no bordo lateral e face anterior das duas últimas
vertebras sagradas e das 3 primeiras coccígeas (de S3 a Co3).
O seu bordo posterior está separado do bordo inferior do músculo piramidalpor
um interstício que dá passagem ao feixe vásculo-nervoso glúteo inferior.
É um músculo de sustentação dos órgãos pélvicos.

186
 Plano Médio

 Músculo Transverso profundo do períneo: Insere-se no ísquion, no ramo


ísquio-púbico e, no centro tendinoso do períneo, posteriormente à uretra.
Permite: - Na mulher, a sustentação da bexiga;
- No homem, a sustentação da bexiga e da próstata e
ereção, por compressão das veias e corpos erécteis.

 Músculo Esfíncter Externo da Uretra: Apresenta fibras profundas e fibras


periféricas:
o Fibras profundas: entrelaçam-se em volta da uretra;
o Fibras periféricas: nascem do folheto inferior da aponevrose média
e do tecido conjuntivo do plexo de Santorini, estendendo-se até
ao centro tendinoso do períneo.

Permite encerrar a porção membranosa da uretra.

187
 Plano Superficial
Divide-se em 2 grupos: um posterior e um anterior.
Grupo Posterior (Triângulo Anal)
 Músculo esfíncter externo do ânus: insere-se, posteriormente, no vértice do
cóccix, no rafe ano-coccígeo e na face profunda da pele. Anteriormente, no
núcleo fibroso central do períneo e na face profunda da pele.
Permite o encerramento do ânus e o controlo voluntário da
defecação.

Grupo Anterior (Triânulo uro-genital)


 Músculo Transverso Superificial: Insere-se na face interna do ísquion e no
ramo ísquio-púbico, terminando no núcleo fibroso central do períneo. Alguns
feixes estendem-se desde o músculo externo do ânuas, à porção elevadora
do elevador do ânus.
Permite a compressão da porção anterior do canal anal.
 Músculo Ísquio-Cavernoso: insere-se na raiz do corpo cavernosos e nos
lábios do ramos ísquio-púbico, terminando na face interna do ísquion.
Permite a compressão dos órgãos erécteis e a ereção.
 Músculo Bulbo-Cavernoso: insere-se no núcleo fibroso central do períneo e
no rafe mediano que une o bulbo do pénis aos músculos bulbo cavernosos.
Permite a compressão dos órgãos erécteis e a ereção.

188
Períneo Feminino – Músculos

Apresentam a mesma disposição geral que os músuclos do períneo masculino. As


diferenças residem no facto do aparelho genital feminino ser independente do urinário
(uretra)

 Plano Profundo
Apresentam as mesmas inserções nos dois
 Músculo elevador do ânus
sexos
 Músculo Ísquio-coccígeo

 Plano Médio
 Músculo Transverso profundo do períneo: mais largo do que no homem. Insere-
se, internamente, no centro tendinoso do períneo.

 Músculo Esfíncter externo da uretra:


o Superiormente, as fibras perdem-se no tecido que separa a uretra da
vagina;
o Inferiormente, terminam no tecido conuntivo denso, que une a uretra à
vagina, e na parede da vagina.

189
 Plano Superficial
 Músculo esfíncter externo do ânus
 Músculo Transverso Superificial Idênticos aos do homem
 Músculo Ísqui-Cavernoso

 Músculo Bulbo-Cavernoso: Insere-se no centro tendinoso do períneo,


posteriormente, cobrindo a face externa da glândula de Bartholim e a superfície
externa do bulbo do vestíbulo.
Permite comprimir a veia dorsal do clítoris, a glândula de Bartholin e o
orifício inferior da vagina.

 Músculo Constritor da vulva: Insere-se, posteriormente, no centro tendinoso do


períneo e termina, anteriormente, na parede anterior da vagina e no tecido
denso do septo uretro-vaginal.
Permite estreitar o orifício inferior da vagina, contraindo-o.

190
APONEVROSES DO PERÍNEO

Cada um dos planos musculares do períneo possuí um revestimento aponevrótico


próprio. Vão existir, portanto, três planos aponevróticos:

 aponevrose superficial/aponevrose perineal (para os músculos superficiais)

 aponevrose média/aponevrose do diafragma pélvico (em relação com o plano


muscular médio)

 aponevrose profunda/aponevrose pélvica (cobre o diafragma pélvico principal)

Aponevrose Superficial do Períneo

Estende-se apenas sobre o triângulo uro-genital, cobrindo os músculos superficiais


deste plano.

Insere-se:
- Lateralmente: lábio externo do bordo inferior do ramo ísquio-púbico;
- Posteriormente: confunde-se com o centro tendinoso do períneo;
- Anteriormente: continua-se com a fascia peniana/clitoriana.

Na mulher, perde-se, internamente no tecido conjuntivo da base dos pequenos lábios


da vulva, sendo anteriormente continuada pela fascia clitoriana.

Aponevrose Média do Períneo

Tal como a aponevrose superficial ocupa apenas o triângulo uro-genital.

É composta por 2 folhetos (um inferior/superficial e um superior/profundo) que


se estendem do ramo ísquio-púbico até ao bulbo do pénis (ou bulbo do vestíbulo, no
caso feminino). Entre esses dois folhetos estão os músculos do plano médio.

Na mulher, termina internamente na parede lateral da uretra e da vagina.

191
Aponevrose Profunda do Períneo

Recobre o diafragma pélvico principal, formado pelos músculos elevadores do ânus


e ísquio-coccígeos.

Continua-se para fora e para cima com a aponevrose obturadora interna e, atrás com o
folheto aponevrótico que recobre o plexo sagrado.

Apresenta vários espessamentos, tais como o arco tendinoso da aponevrose


pélvica e o arco tendinoso do elevador do ânus, que se inserem sobre a espinha
ciática.

No homem, relaciona-se internamente, com a aponevrose lateral da próstata.

Na mulher, relaciona-se internamente, com a vagina, a uretra e o reto.

192
DIAFRAGMA
É uma lâmina músculo-tendinosa (septo muscular) que separa a cavidade torácica da
cavidade abdominal.

Comporta-se como um músculo digástrico, pois é formado por um conjunto de


músculos digástricos, cujos ventres constituem a porção periférica e cujos tendões
intermédios se entrecruzam, na porção central do diafragma, formando o centro
frénico.

Tem a forma de uma cúpula de concavidade inferior; encontra-se dividida em 2 porções


laterais (direira e esquerda) por:

 Chanfradura posteriror a que corresponde a coluna vertebral;


 Depressão na parte média, em que se aloja o coração;

A sua convexidade é mais acentuada à direita, devido à presença do coração na parte


esquerda.

193
1. Constituição
Apresenta 2 porções:
 Porção central e tendinosa, denominada centro frénico;
 Porção periférica e muscular, formada por 2 feixes distintos.

Centro Frénico: tem a forma de trevo de 3 folhas e apresenta 3 folíolos:

 Folíolo anterior (o maior)


 Folíolo esquerdo (o mais pequeno)
 Folíolo direito

Na união do folíolo anterior com o folíolo direito, encontra-se o orifício da veia cava
inferior.

Algumas fibras tendinosas unem-se para formar dois feixes distintos:

 Fita semi-circular superior ou oblíqua: rodeia, atrás e por dentro, o


orifício da veia cava inferior; termina nos folíolos anterior e direito;
 Fita semi-circular inferior ou arciforme: inferiormente à fita semi-
circular superior, estende-se do folíolo direito ao folíolo esquerdo;
Contorna por fora e à frente o orifício da veia cava inferior.

194
Porção Periférica (carnuda): é composta por feixes musculares que se inserem em
torno do orifício inferior do tórax, apresentando 3 porções:

Porção vertebral – distinguem-se uma parte interna, correspondente aos pilares do


diagragma, e uma parte externa, correspondente à arcado do psoas.
 Pilares do diafragma (parte interna) – compreende as fibras da porção
vertebral do diafragma que se inserem nos corpos vertebrais, formando
2 feixes espessos, os pilares do diafragma (direito e esquerdo):
o Pilar direito: é o maior e mais espesso, inserindo-se na
face anterior dos corpos vertebrais de L2 e L3 e nos
discos intervertebrais que as unem entre si.
o Pilar esquedo: é menor, inserindo-se no corpo vertebral
de L2 e discos intervertebrais adjacentes.

Os pilares delimitam entre si, juntamente com a coluna vertebral, uma


abertura dividida em 2 orificios secundários:

o Um posterior, o orifício aórtico;


o Um anterior, o orifício esofágico;

Ambos os pilares se dividem em 2 feixes, um interno e um externo. Pelo


interstício que os separa, passa o nervo grande esplâncnico.

 Arcado do Psoas (parte externa) – A parte externa da porção vertebral


do diaframa é uma lâmina muscular cujas fibras se inserem na arcado do
psoas. Esta está separada do pilar correspondente por um interstício
atravessado pelo cordão simpático e pelo nervo pequeno
esplâncnico.

Porção Costal – Insere-se por seis digitações na face interna dos 6 últimos arcos
costais e em 3 arcos aponevróticos, entre a 10ª e 11ª costela, entre a 11ª e 12ª
costela e entre a 12ª costela e apófise transversa de L1 (cruzando a face
anterior do músculo quadrado lombar – arcada do quadrado lombar ou ligamento
cintrado).

As fibras que se inserem no ligamento cintrado formam uma lâmina muscular fina,
sendo que a parte externa dessa lâmina pode faltar, existingo nesse caso uma solução
de continuidade, denominada Triângulo lombo-costal ou costo-diafragmático
(que faz comunicar a região renal com o tecido subpleural).

195
As difitações costais estão separadas entre si, por um interstício, por onde passam o
nervo intercostal correspondente e um ramo da artéria músculo-frénica.

Porção esternal – constituída por 1 ou 2 feixes musculares situados na linha média.


Quando existem 2 feixes, estão separados por um interstício celular. Inserem-se na
extremidade inferior do apêndice xifoideu, formando entre eles a Fenda de Larrey.

2. Orifícios Diafragmáticos

Apresenta orifícios principais e secundários.

Orifícios Principais:

 Orifício da veia cava inferior:


 Entre os folíolos anterior e direito;
 É fibroso e é limitado pela fita semi-circular superior, atrás e por dentro, e pela
fita semi-circular inferior, à frente e por fora;
 Altura de T9;
 Atravessado por veia cava inferior e pelo ramo abdominal do nervo
frénico direito.

196
 Orifício Aórtico
 Fibroso, rodeado por um arco tendinoso, formado pelos pilares do diafragma;
 Altura de T12-L1;
 Atravessado, anteriormente, pela artéria aorta e, posteriormente, pelo canal
torácico;

 Orifício esofágico
 É muscular, situa-se à esquerda e à frente do orifício aórtico;
 Altura de T10;
 Atravessado pelo esófago e pelo nervo pneumgástrico esquerdo, à
frente, e pelo nervo pneumogástrico direito, atrás.

Orifícios Secundários:

 Nervosos
 Entre a arcada do psoas e o pilar correspondente:
o Cadeia simpática;
o Nervo Pequeno Esplâncnico;
o Nervo Esplâncnico inferior;
 Perfura o pilar do diafragma:
o Nervo Grande Esplâncnico;
 Entre os feixes condro-costais:
o Nervos intercostais (6º a 11º)
o Artéria Músculo-Frénica
 Vasculares
 Orifício do nervo grande esplâncnico, ou mais raramentem orifício aórtico:
o Grande veia ázigos;
o Veia hemi-ázios inferior
 Fenda de Larrey ou triângulo esterno-costal:
o Artéria Epigástrica Superior

3. Ação

Inervado pelo nervo frénico, pertencente ao plexo cervical, constitui o principal músculo
da inspiraçao.

197
A sua contração provoca o aumento de todos os diâmetros do tórax, devido ao
abaixamento das cúpulas diafragmáticas:

 Ao contraírem-se, as fitas musculares do diafragma diminuem a sua curvatura e


abatem ligeiramente o centro frénico, do qual resulta o aumento do
diâmentro vertical do tórax.
 As fibras musculares tomam o centro frénico como ponto fixo e atuam nas
costelas, elevando-as, e sobre a parte inferior do tórax, alargando-o
 Quando a costela se levanta, desloca-se para fora, ao mesmo tempo que projeta
o esterno para a frente. Aumentam os diâmetros ântero-posterior e
transversal do tórax.

198
3.5. Pontos Fracos da Parede Abdominal

199
Pontos Fracos da Parede Abdominal

A parede muscular abdominal apresenta zonas de menor resistência, denominadas


pontos fracos, que podem causar o aparecimento espontâneo de hérnias.

A hernia abdominal corresponde a uma exteriorização espontânea, temporária ou


permanente, de um órgão ou outra estrutura do abdómen, acompanhada dos
elementos da parede abdominal que lhe estão à frente, através de um ponto fraco da
mesma.

Os pontos fracos podem ser:


 zonas de sobreposição imperfeita dos planos musculares – região lombar
 zonas de interseção aponevrótica ou músculo-aponevrótica – região péri-
umbilical
 zonas da parede abdominal atravessadas por elementos viscerais – região
inguinal
 zonas da parede abdominal atravessadas por elementos vásculo-nervosos - todos

São 7:

 Região lombar

 Triângulo de Jean-Louis Petit

 Quadrilátero de Grynfelt

 Região péri-umbilical

 Linha semilunar de Spiegel

 Linha branca

 Região umbilical

 Região inguinal

 Anel crural

 Canal inguinal

200
Região Lombar

 Triângulo de Jean-Louis Petit


É um ponto fraco da parede abdominal posterior, constituindo uma falha ao nível
do plano muscular superficial, mais precisamente do músculo grande
oblíquo.

Limites:

Anterior Bordo posterior do músculo grande oblíquo


Posterior Bordo anterior do núsculo grande dorsal
Inferior Crista ilíaca
Superior

É atravessado por:

 Ramo glúteo do nervo grande abdómino-genital (plexo lombar)

 Um ramo da 4ª artéria lombar

Apresenta 2 patologias associadas: os abcessos perifrénicos e as hernias


lombares.

201
 Quadrilátero de Grynfelt
É um ponto fraco da parede abdominal posterior, constituindo uma falha ao nível
do plano músculo-aponevrótico médio, ou seja, do músculo pequeno oblíquo.

Limites:

Externo Bordo posterior do pequeno oblíquo


Interno Bordo externo da massa comum
Inferior Crista ilíaca
Superior Bordo ântero-inferior do pequeno dentado posterior e inferior (atrás)
e 12ª costela (à frente)

A sua área é preenchida pela aponevrose posterior do músculo transverso do


abdómen, soldada à aponevrose do músculo pequeno oblíquo, sendo estas
reforçadas pelo músculo quadrado lombar.

Atravessado por:

 Elementos vásculo-nervosos provenientes dos espaços intercostais

Apresenta como patologias associadas, as hernias lombares.

202
Região Péri-umbilical

 Linha Semilunar de Spiegel

É o nome dado à linha na qual começariam em simultâneo


as 3 aponevroses seguintes:

 Aponevrose do grande oblíquo

 Aponevrose do pequeno oblíquo

 Aponevrose do transverso do abdómen

No entanto, a origem de cada uma delas dá-se a níveis


diferentes:

A aponevrose do grande oblíquo insere-se na espinha ilíaca


ântero-superior (sendo a mais superficial de todas).

A aponevrose do pequeno oblíquo insere-se no púbis,


descrevendo uma curvatura côncava internamente.

A aponevrose do transverso insere-se também no púbis, mas apresenta uma


concavidade interna desde o púbis até ao umbigo, sendo que daí para baixo e para
cima tem uma concavidade externa.

A linha semilunar de Spiegel corresponde ao limite entre a porção muscular e a


aponevrose anterior do transverso. Inicia-se na arcada crural e termina no rebordo
costal do ângulo infra-esternal.

O verdadeiro ponto fraco desta região será o sulco lateral do ventre de Gerdy, que
corresponde a uma depressão vertical ao longo do bordo externo do músculo grande
reto, a partir da 10ª cartilagem costal. Este ponto é suscetível do aparecimento de
hernias laterais, através de orifícios vásculo-nervosos.

As hernias associadas ao triângulo de Jean-Loius Petit, ao quadrilátero de


Grynfeltt e à linha semilunar de Spiegel têm pouco significado clinico, sendo pouco
frequentes.

203
 Linha Branca

É um rafe tendinoso (entre os grandes retos do abdómen, desde o apêndice


xifoideu à sínfise púbica), resultante do entrecuzamento das aponevroses
dos músculos largos do abdómen.

Esta fraqueza é conferida pela existência de diversos espaços entre as fibras


aponevróticas, os orifícios vásculo-nervosos, que permitem a comunicação
entre os tecidos superficiais e os da cavidade abdominal.

 Região Umbilical

O umbigo resulta da obliteração após o nascimento, do orifício por onde


passavam durante a vida fetal, os elementos do cordão umbilical. Abaixo dele
situa-se a Arcada de Douglas.

Arcada de Douglas:

As aponevroses dos músculos pequeno oblíquo e transverso do abdómen dividem-se


em duas porções:

 Nos 2/3 superiores, desdobram-se em 2 feixes, que formam as faces profunda e


superficial dos músculos grandes retos do abdómen, sendo que a do pequeno
oblíquo divide-se em duas e a do transverso do abdómen é a mais profunda.

 No 1/3 inferior, as aponevroses não se desdobram e passam anteriormente


aos músculos grandes retos do abdómen, juntando-se à aponevrose do
músculo grande oblíquo.

Em resumo:

Porque existe?
A aponevrose anterior do músculo transverso do abdómen e o folheto posterior
da aponevrose do pequeno oblíquo passam, nos 2/3 superiores, posteriormente
ao grande reto do abdómen e, no 1/3 inferior, anteriormente a este.

204
Onde se situa?
Abaixo do umbigo, é a linha que une as duas espinhas ilíacas ântero-
superiores.

É limitada:
Superiormente – junção dos 2/3 superiroes com o 1/3 inferior das aponevroses
do músculo pequeno oblíquo e do músculo transverso do abdómen.

Externamente – bordos externos dos músculos grandes retos

Internamente – linha branca

Inferiormente – inserção inferior dos músculos grandes retos do abdómen, perto


da sínfise púbica.

Bainha dos grandes retos…


Superiormente a ela, a bainha dos grandes retos é constituída posteriormente
pela aponevrose do transverso do abdómen e pelo folheto posterior da
aponevrose do pequeno oblíquo. Inferiormente, APENAS a fascia transversalis
forma o folheto posterior da bainha dos grandes retos.

Região Inguinal

A região inguinal constitui uma zona de transição entre o abdómen e o membro inferior,
situada acima do ramo horizontal do pubis. Constitui uma zona de fácil hiernização
inguinal, devido à existência do buraco músculo-pectíneo de Fruchaud – o
verdadeiro ponto de fraqueza da região inguinal, estando ao nível do plano médio
dos músculos largos.

 Buraco Músculo-pectíneo de Fruchaud

Limites:

Superior Bordo inferior do pequeno oblíquo


Inferior Crista pectínea (coberta pelo ligamento de Cooper)
Interno Grande reto do abdómen
Externo Psoas-ilíaco e sua aponevrose, fascia ilíaca.

205
Confere passagem aos vasos ílio-femorais e ao cordão espermártico (no homem)
ou ligamento redondo do útero (na mulher).

O buraco músculo-pectíneo de Fruchaud está fechado atrás por um plano, plano


músculo-fascial – DEFESAS POSTERIORES; e à frentem pelo plano grande
oblíquo – DEFESAS ANTERIORES.

Defesas Posteriores:

 Plano músculo-fascial profundo (porção inferior do músculo transverso do


abdómen; tem espessamentos da fascia transversalis, que se situa
posteriormente ao pequeno oblíquo; o ligamento inguinal de Henle, que se
acopla ao bordo externo do grande reto e insere-se na crista pectínea; a fita
ílio-púbica de Thompson, que se estende da crista pectínea à espinha ilíaca
antero-superior e reforça o ligamento inguinal).

 Triângulo de Hesselbach (limitado externamente pelo ligamento de


Hesselbach, que é um reforço da fascia transversalis, inferiormente pelo
ligamento inguinal, e internamente pelo bordo externo do músculo grande reto
do abdómen).

 Aponevrose umbílico-prévesical

206
Superior e inferiormente à fita de Thompson, existem 2 zonas de fraqueza:

 Canal inguinal (superiormente)

 Anel crural (inferiormente)

Canal Inguinal

O canal inguinal constitui um trajeto através de uma série de interstícios musculares


que se situam ao nível das interseções inferiores dos músculos largos do abdómen.

Confere passagem ao cordão espermático (no homem) e ao ligamento redondo


do útero (na mulher).

Apresenta um orifício profundo, no qual se inicia, abrindo-se ao nível dos planos


superficiais da face anterior do pubis, e terminando no orifício superficial.

Orifício profundo (limites):

Superior Porção inferior do músculo transverso do abdómen


Inferior Porção externa da fita ílio-púbica de Thompson
Externo Fascia ilíaca
Interno Porção mais fina da fascia transversalis

Orifício superficial (limites):

Súpero-interno Pilar médio do grande oblíquo


Infero-externo Pilar externo do grande oblíquo
Ínferior Bordo superior do pubis e pilar interno
Superior Fibras arciformes de Gillis

O canal inguinal apresenta 4 paredes, com a seguinte constituição:

Inferior Ligamento inguinal


Posterior Fascia Transversalis
Anterior Aponevrose terminal do grande oblíquo
Superior Bordo inferior do tendão conjunto

207
Defesas Anteriores:

 Anteriormente, o buraco músculo-pectíneo de Fruchaud é coberto pelo plano do


músculo grande oblíquo, o qual apresenta 2 feixes terminais

Feixe externo: dirige-se para a espinha ilíaca ântero-superior e funde-se com a


fascia lata (tem uma fenda para a passagem do nervo femoro-cutâneo do plexo
lombar)

Feixe interno: constituído por 3 pilares (externo, interno e médio)

 Externo: insere-se na espinha púbica

 Interno: insere-se na crista pectínea e na espinha púbica do lado oposto

 Médio: insere-se na espinha púbica do lado oposto.

Os pilares externo e médio apresentam entre si um espaço, que constituirá o orifício


superficial do canal inguinal.

208
Anel Crural

É o orifício superior do canal femoral. Faz a comunicação entre a cavidade abdominal


e o Triângulo de Scarpa.

Paredes:

Ântero-superior Ligamento inguinal, reforçado pela fita ilio-púbica de Thompson


Póstero-inferior Crista pectínea e ligamento pectíneo de Cooper
Externa Fita ílio-pectínea
Interna Ligamento de Gimbernat

É atravessado por (de EXT para INT):

 Artéria ilíaca externa


 Veia femoral
 Ramo crural do nervo genitor-crural
 Gânglio de Cloquet

(Informação sobre o Triângulo de Scarpa na secção de Aponevroses do Membro Inferior)

209
4. MEMBRO SUPERIOR
4.1. Osteologia do Membro Superior

210
O esqueleto do membro superior é constituído por:

Ombro ou Cintura escapular -> clavícula (anterior) e omoplata (posterior)

Braço -> úmero

Antebraço -> rádio (externo) e cúbito (interno)

Mão -> carpo, metacarpo e falanges

CLAVÍCULA
 É um osso longo

 É um osso par

 Localiza-se na região ântero-superior do tórax, estendendo-se desde o


esterno até ao acrómio.

 Orientação: Das duas extremidades, a mais achatada é externa; das duas faces
desta extremidade, a mais rugosa é inferior; dos dois bordos relacionados com
essa extremidade, o côncavo é anterior;

 Apresenta a forma se um S itálico, descrevendo duas curaturas: uma curvatura


interna, côncava para trás e uma curvatura externa, côncava para diante. A
clavícula é achatada de cima para baixo na sua parte externa e apresenta uma
forma irregularmente cilíndrica na parte interna;

 Apresenta duas faces (uma superior e outra inferior), dois bordos (um anterior e
outro posterior) e duas extremidades (uma interna e outra externa).

Face superior:

Apresenta superfícies rugosas de inserção para as seguintes estruturas:


 Ântero-externa: Deltóide
 Ântero-interna: Grande peitoral
 Póstero-externa: Trapézio
 Póstero-interna: Esternocleidomastoideu

211
Face inferior:

Apresenta, na parte média uma depressão, a goteira do subclávio, onde se insere


o músculo subclávio; e o buraco nutritivo do osso.

Perto da extremidade interna, existe atuberosidadecostal, onde se insere o


ligamento costo-clavicular.

Perto da extremidade externa, existe a tuberosidade coracoidadeia, onde se


inserem os ligamentos trapezoide e conóide. O ligamento trapzóide insere-se no
segmento anterior da tuberosidade coracoideia, e o ligamento conóide no segmento
posteiror, numa linha de inserção ocupada por uma saliência, o tubérculo
conoideu.

Dá inserção aos músculos:


 Ântero-externamente: Deltóide
 Ântero-internamente: Grande peitoral
 Póstero-externamente: Trapézio
 Póstero-internamente: Esternocleidomastoideu
 Goteira do subclávio: Subclávio

212
Bordo anterior:

Dá inserção ao grande peitoral, nos seus 2/3 internos. O seu 1/3 interno dá
inserção aos feixes anteriores do deltóide.

Bordo posterior:

É côncavo e liso nos seus 2/3 internos. No seu 1/3 externo da inserção aos feixes
claviculares do trapézio.

Extremidade externa ou acromial: articula-se com o acrómio;

Extremidade interna ou esternal:articula-se com a chanfradura lateral do manúbrio


esternal e com a cartilagaem costal da 1ª costela (articulação esterno-condro-
clavicular). Apresenta rugosidades de inserção de fibrocartilagem articular e
ligamentos da articulação.

213
OMOPLATA
 É um osso placóide ou achatado.
 É um osso par.
 Localiza-se na porção posterior e superior do tórax, atras das sete primeiras
costelas.
 Orientação: A face côncava é anterior. Dos 3 bordos, o mais curto é superior.
Dos 3 ângulos, o que apresenta uma nítida superifície articular é externo e olha
um pouco para diante.
 Apresenta duas faces (anterior e posterior), 3 bordos (superior, interno e
externo) e 3 ângulos (superior, inferior e externo).

Face anterior:

É côncava e escavada, formando a fossa infra-escapular, percorrida por 3 ou 4


cristas oblíquas que dão inserção aos feixes do músculo infra-escapular (ou sub-
escapular).

No limite externo da fossa infra-escapular, encontra-se o pilar da omoplata, uma


saliência arredondada que forma o lábio interno da goteira do bordo axilar
(compreendida entre o bordo externo e o pilar da omoplata). O pilar da omoplata e o
bordo axular dão inserção aos feixes inferiores do músculo infra-escapular.

Ao longo do bordo interno, insere-se o músculo grande dentado.

214
Face posterior:

É dividida em 2 porções pela espinha da omoplata. Acima da espinha da


omoplata encontra-se a fossa supra-espinhosa, que dá inserção ao músculo
supra-espinhoso. Abaixo da espinha da omoplata, encontra-se a fossa infra-
espinhosa, dividida por uma crista em duas porções:

 Interna, onde se insere o músculo infra-espinhoso;


 Externa, subdividida por uma crista oblíqua, onde se inseresuperiormente, o
músculo pequeno redondo e inferiormente, o músculo grande redondo.

NOTA: A superfície de inserção do músculo pequeno redondo é dividida em 2


segmentos por uma goteira vascular onde passa um ramo da artéria e veias
escapulares inferiores.

Espinha da omoplata e acrómio

A espinha da omoplata é uma lâmina óssea triangular, implandada face posterior da


omoplata, na união do seu quarto superior com os seus três quartos inferiores.
Contribui para a formação das fossas supra-espinhosa e infra-espinhosa.

215
Apresenta três bordos, dos quais o bordo anterior une-se à omoplata; o bordo
externo continua-se com a face inferior do acrómio; bordo posterior é dividido por
uma crista em duas vertentes: uma vertente supeiror, que dá inserção aomúsuclo
trapézio; e uma vertente inferior que dá inserção ao músculo deltóide. O bordo
posterior apresenta ainda o tubérculo do trapézio na sua parte média e, na sua
extremidade interna, existe uma dilatação, a superfície triangular interna da
espinha da omoplata, sobre a qual deslizam os feixes tendinosos do músuclo
trapézio.

A espinha da omoplata continu-se para fora por uma apófise, o acrómio.

O acrómio é achatado no sentido inverso ao da espinha da omoplata e apresenta


duas faces (superior e inferior) e dois bordos (um interno e um externo).

A face superiordo acrómio resulta do alargamento do bordo posterior da


espinha da omoplata. A face inferior resulta do alargamento do bordo externo da
espinha da omoplata.

O bordo interno continua o lábio superior do bordo posteriorda espinha da


omoplata e apresenta a faceta clavicular que se articula com a faceta articular da
extremidade externa da clavícula. O bordo externo prolonga para frente e para

216
fora o lábio inferior do bordo posterior da espinha da omoplata, e nele seinserem
os feixes médios do músculo deltóide.

Os dois bordos do acrómio reúnem-se anteriormente, formando um ângulo, o


vértice do acrómio.

Bordo superior ou Cervical: Termina externamente na chanfradura coracoideia,


por onde passa o nervo supraescapular. Internamente à chanfradura coracoideia, dá
inserção ao músculo omo-hioideu.

Bordo interno ou Espinhal: Superiormente à espinha da omoplata, insere-se o


pequeno rombóide e inferiormente à espinha, insere-se o grande rombóide.

Bordo externo ou Axilar: é representado por uma crista óssea que separa a goteira
do bordo axilar das superfíes de inserção dos músculos grande redondo e pequeno
redondo. Esta crista termina superiormente na tuberosidade infra-glenoideia, onde
se fixa o tendão da longa porção do músculo tricípete braquial.

Ângulo superior: situa-se na união do bordo superior com o bordo interno. Dá


inserção ao músculo angular da omoplata.

Ângulo inferior: encontra-se na união dos bordos interno e externo. Dá insersão a


um feixe do músculo grande dorsal.

Ângulo externo: Apresenta a cavidade glenoideia, o colo da omoplata e a


apófise coracoideia

Cavidade Glenoideia:

É uma superfície articular côncava e articula-se com a cabeça do úmero. Apresenta,


no centro, uma saliência, o tubérculo glenoideu. Na união dos 2/3 superiores do seu
bordo anterior, existe uma depressão, a chanfradura glenoideia.

Superiormente à cavidade glenoideia, existe uma superfície rugosa saliente, a


tuberosidade supra-glenoideia, onde se insere a longa porção do músculo
bicípete braquial. Inferiormente à cavidade, encontra-se a tuberosidade infra-
glenoideia, que termina superiormente o bordo axilar da omoplata.

217
Colo da Omoplata:

Porção que suporta a cavidade glenoideia. Na face posterior do colo encontra-se


uma goteira que faz comunicar, externamente à espinha da omoplata, as fossas
supra-espinhosa e infra-espinhosa.

Apófise Coracoideia:

Implanta-se na face superior do colo da omoplata, internamente ao tubérculo


supra-glenoideu. Apresenta 2 segmentos: um vertical e outro horizantal.

O segmento vertical une-se ao colo da omoplata.

O segmento horizontal apresenta:

 Face inferior, côncava e lisa;


 Face superior, que dá inserção ao músculo pequeno peitoral e aos
ligamentos conóide e trapezoide;
 Bordo externo, que dá inserção aos ligamentos acrómio-coracoideue
córaco-umeral;
 Bordo interno, que dá inserção ao músculo pequeno peitoral, anteriormente,
e aos ligamentos córaco-claviculares, posteriormente;
 Vértice, que dá inserção ao tendão comum da curta porção do músculo
bicípete braquial e do músculo córaco-braquial.

218
ÚMERO
 É um osso longo.

 É um osso par.

 Localiza-se no braço, articulando-se superiormente com a cavidade glenoideia da


omoplata e inferiormente com o rádio e com o cúbito.

 Orientação: A extremidade que apresenta uma superfície articular em


segmento de esfera é superior, sendo esta interna. Nesta extremidade exsitem
duas tuberosidades, das quais a menor é anterior.

 Apresenta um corpo ou diáfise e duas extremidades ou epífises.

1. Corpo

Inferiormente é prismático triangular e, superiormente, é irregularmente cilíndrico.

Apresenta 3 faces (ântero-externa,


ântero-interna e posterior) e 3 bordos
(anterior, externo e interno).

Face ântero-externa

Apresenta, acima da sua parte média,


uma crista rugosa que desenha,
juntamente com a parte adjacente do
bordo anterior do osso, um V aberto para
cima, o V deltoideuou impressão
deltoideia, onde se insere o músculo
deltóide.

Inferiormente ao V deltoideu,
encontra-se a superfície de inserção do
músuclo braquial anterior,
ligeiramente deprimida em forma de
goteria, a goteira de torção.

219
Face ântero-interna

Apresenta, superiormente, a goteira bicipital; na parte média, a impressão de


inserção do músculo córaco braquial, abaixo e à frente da qual se observa o buraco
nutritivo do úmero. Apresenta ainda uma superfície lisa que se estende sobre toda a
metade inferior desta face, onde se inserem os feixes internos do músculo braquial
anterior.

Face posterior

Divide-se em 2 porções por uma goteira larga e pouco profunda, a goteira radial,
que atravessa o terço médio da face posterior.

Goteira radial: presente na face posterior do úmero, forma um canal ósteomuscular que
dá passagem ao nervo radial e aos vasos umerais profundos, e tem como limites:

 Súpero-externo: vasto externo;


 Ínfero-externo: vasto interno;
 Anterior: úmero;
 Posterior: longa porção do músculo tricípete braquial;

Acima e para fora da goteira radial, insere-se o músculo vasto externo e abaixo e
para dentro, o músculo vasto interno.

220
Bordo anterior:

Na sua metade superior é rugoso e confunde-se com o lábio anterior da goteira bicipital
e, mais inferiormente, com o ramo anterior do V deltoideu. Na sua metade inferior dá
inserção ao músculo braquial anterior, dividindo-se, na vizinhança da extremidade
inferior, em dois ramos que delimitam a fosseta coracoideia.

Bordo externo:

Dá inserção, inferiormente, ao septo intermuscular externo do braço, e aos


músculos longo supinador e longo radial do antebraço. É ppuco nítido na parte
superior e é interrompido na parte média pela goteira radial.

Bordo interno:

Dá inserção ao septo intermuscular interno do braço.

2. Extremidade Superior

Apresenta 3 saliências, a cabeça do úmero (articular) e o troquiter e o troquino (não


articulares).

Cabeça do úmero:

É interna. Articular-se com a cavidade glenoideia da omoplata. Encontra-se


separada do troquiter e troquino pelo colo anatómico. Por cima do troquino,
apresenta a impressão de inserção supra-troquiniana, onde se insere o
ligamento gleno-umeral superior.

Troquíter ou Grande Tuberosidade:

Situa-se externamente à cabeça do úmero no prolongamento da face ântero-externa do


corpo do úmero e apresenta 3 facetas:

 Superior: dá inserção ao músculo supra-espinhoso;


 Média: dá inserção ao músculo infra-espinhoso;
 Posterior: dá inserção ao músculo pequeno redondo.

Troquino ou Pequena Tuberosidade:

Situa-se na face anterior do úmero, internamente ao troquiter, do queal está seperado


pela goteira bicipital.

221
Goteira Bicipital:

Separa o troquiter do troquino e dá passagem ao tendão da longa


porção do músculo bicípite braquial e ao um ramo da artéria circunflexa
anterior.

Esta goteira continua-se inferiormente na face ântero-interna do colo do


úmero, entre duas cristas rugosas ou lábios, uma anterior ou externa e outra posterior
ou interna:

 A crista anterior ou externa designa-se por crista infra-troquiterianae nela


insere-se o tendão do músculo grande peitoral.
 A crista posterior ou interna designa-se crista infra-troquinianae dá inserção
ao músculo grande redondo. O músculo grande dorsal fixa-se no fundo da
goteira bicipital.

O cólo cirúrgico do úmero separa o corpo o diáfise do úmero da extremidade


superior.

Cólo anatómico: separa a cabeça do úmero do troquiter e do troquino.

Cólo cirúrgico: separa a diáfise da epífise superior.

3. Extremidade Inferior

Apresenta uma porção média articular e duas apófises laterias.

Superfície articular:

Tem 3 porções:

 Côndilo umeral: articula-se, anteriormente, com a cúpula do rádio.


Superiormente, existe a fosseta radial ou supra-condiliana.
 Tróclea umeral: articula-se com a grande cavidade sigmoideiado cúbito.
Apresenta 2 depressões:
 Fosseta coronoideia(anterior) – articula-se com a apófise
coronoideia.
 Fosseta olecraniana – articula-se com o olecrânio.
 Goteira côndilo-troclear: entre o côndilo e a tróclea umeral.

Apófises laterias: Epitróclea e epicôndilo

222
 Epitróclea: interna
Face anterior e vértice: dão inserção aos músculos epitrocleares(redondo
pronador, grande palmar, pequeno palmar, cubital anterior, flexor comum
superificial dos dedos).
Face posterior: dá inserção ao ligamento lateral interno da articulação do
cotovelo. Possui uma goteira que dá passagem ao nervo cubital.

 Epicôndilo: dá inserção ao ligamento lateral externo da articulação do


cotovelo, ao músculo ancóneo e aos músculos epicondilianos (curto radial,
extensor comum dos dedos, extensor próprio do 5º dedo, cubital posterior e
curto supinador).

Goteira epitrocleo-olecraniana:

Sulco entre a epitróclea e o olecrânio, onde passa o nervo cubital e onde


termina a artéria recorrente cubital posterior.

223
CÚBITO
 É um osso longo.

 É um osso par.

 Localiza-se no antebraço, internamente ao rádio, entre a tróclea umeral e o


carpo.

 Orientação: a extremidade mais volumosa é superior. Esta extremidade


apresenta uma grande chanfradura semilunar anterior e outra mais pequena,
que é externa.

 Apresenta um corpo ou diáfise e duas extremidades ou epífises (uma


superior e outra inferior).

1. Corpo

Descreve no plano frontal um S itálico


alongado, de concavidade interna, na
parte superior, e externa, na sua parte
inferior. É prismático triangular nos seus
¾ superiores e cilíndrico no seu quarto
inferior.

Apresenta 3 faces (anterior, posterior e


interna) e 3 bordos (anterior, posterior e
externo).

Face Anterior

 ¾ Superiores -> dá insersão ao


músculo flexor comum
profundo dos dedos;
 ¼ Inferior -> dá inserção ao
músculo quadrado pronador;
 Na porção média observa-se o
buraco nutritivo do osso.

224
Face Posterior

É dividida por uma crista em duas partes:

Uma externa, onde se inserem os músculos longo abdutor do 1º dedo, curto


extensor do 1º dedo, longo extensor do 1º dedo e extensor próprio do 2º
dedo.

Uma interna, onde se inserem os músculosancóneo e cubital posterior.

Face Interna

Superiormente, insere-se o músculo flexor comum profundo dos dedos, sendo


subcutânea na sua parte inferior.

Bordo Anterior

Superiormente, insere-se o músculo flexor comum profundo dos dedos e,


inferiormente, o músculo quadrado pronador.

225
Bordo Externo ou interósseo

É também designado crista interóssea e dá inserção ao ligamento interósseo do


antebraço.

Superiormente, o bordo extenro divide-se em duas cristas que estendem quase até às
duas extremidades da pequena cavidade sigmoideia do cúbito, limitando com esta
a superfície infra-sigmoideia, onde se insere o músculo curto supinador.

A crista que limita posteriormente a superfície infra-sigmoideia dá inserção ao feixe


médio do ligamento lateral externo da articulação do cotovelo.

226
Bordo Posterior

Superiormente, dá inserção aos músculos flexor comum profundo dos dedos,


cubital anterior e cubital posterior.

2. Extremidade Superior

É constituída por 2 apófises que circunscrevem uma cavidade articular (a grande


cavidade sigmoideia do cúbito) – o olecrânio e a apófise coronoideia.

Olecrânio

Face posterior: convexa e rugosa;

Face anterior: articular, e contribui para formar a grande cavidade sigmoideia do cúbito.

Face inferior ou base: através da qual o olecrânio se continua com o corpo do úmero;

Face superior ou vértice: dá inserção ao músculo tricípete braquial, posteriormente,


e à cápsula articular da articulação do cotovelo, anteriormente. Prolonga-se
anteriormente, formando uma saliência, o vértice do olecrânio ou bico do olecrânio.

Face externa: onde se insere o ligamento lateral externo da articulação do cotovelo


e o músculo ancóneo.

Face interna: onde se insere o ligamento lateral interno da articulação do


cotovelo e o músculo cubital anterior.

Apófise Coronoideia

Tem a forma de uma pirâmide quadrangular, com uma base implantada sobre a face
anterior do osso, um vértice e 4 faces:

Face superior: é articular e pertence à grande cavidade sigmoideia do cúbito;

Face inferior: onde se insere o músculo braquial anterior;

Face interna: dá inserção aos feixes anterior e médio do ligamento lateral interno
da articulação do cotovelo. Na sua porção média encontra-se o tubérculo coronoideu,
onde se insere o feixe médio do ligamento lateral interno;

Face externa: apresenta a pequena cavidade sigmoideia do cúbito. Esta cavidade


tem continuidade, pelo seu bordo superior, com a grande cavidade sigmoideia.

227
Bordo posterior: é saliente e dá inserção ao ligamento anular e ao feixe médio do
ligamento lateral externo, continuando-se inferiormente com a crista que limita
posteriormente a superfície infra-sigmoideia.

Grande Cavidade Sigmoideia

É formada pela união da face anterior do olecrânio com a face superior da


apófise coronoideia. Estas duas superficieis são separadas por uma ranhura
transversal.

A grande cavidade sigmoideia encontra-se dividida em duas vertentes por uma crista
longitudinal, que corresponde à garganta da tróclea umeral.

3. Extremidade Inferior

Apresenta 2 saliências:

Cabeça do cúbito (com 2 segmentos):

Externo: articula-se com a cavidade sigmoideia do rádio

Inferior: dá inserção ao ligamento triangular da articulação do punho.

Apófise estiloideia: o vértice dá inserção ao ligamento lateral interno da


articulação do punho. Está separada, posteriormente, da cabeça do cubito por uma
goteira em relação com o tendão do músculo cubital posterior.

228
RÁDIO
 É um osso longo.

 É um osso par.

 Localiza-se no antebraço, externamente ao cúbito, entre o côndiilo do úmero e o


carpo.

 Orientação: a extremidade mais volumosa é inferior. Das duas faces opostas


dessa extremidade, a mais plana é anterior. A apófise que se destaca desta
extremidade é externa.

 Apresenta um corpo ou diáfise e duas extremidades ou epífises (uma


superior e outra inferior).

1. Corpo

É prismático triangular. Apresenta 3 faces (anterior, posterior e externa) e 3 bordos


(anterior, posterior e interno).

Face Anterior: superiormente, dá inserção ao músculo longo flexor próprio do 1º dedo e,


inferiormente, ao quadrado pronador. Na porção média encontra-se o buraco nutritivo
do osso.

229
Face Posterior: na sua porção média existem 1 ou 2 cristas oblíquas que delimitam as
superfícies de inserção dos músculos longo abdutor do 1º dedo e curto extensor
do 1º dedo.

Face Externa: na porção média, insere-se o músculo pequeno redondo e,


superiormente, o músculo curto supinador.

Bordo Anterior: superiormente, insere-se o músculo flexor comum superficial dos


dedos.

Bordo Posterior: é arredondado e rombo.

Bordo Interno ou Interósseo: dá inserção ao ligamento interósseo.

230
2. Extremidade Superior

Apresenta 3 porções:

Cabeça do rádio:

Face superior ou cúpula do rádio – articula-se com o côndilo umeral

Face interna – possui uma faceta articular que se articula com a


pequenacavidade sigmoideia do cúbito

Colo: suporta a cabeça do rádio e liga-o ao corpo ou diáfise.

Tuberosidade bicipital: dá inserção ao músculo bicípete braquial.

3. Extremidade Inferior

Tem 5 faces:

Face Inferior: é articular e encontra-se dividida por uma crista ântero-posterior em 2


porções:

 Externa: articula-se com o escafóide;


 Interna: articula-se com o semilunar;

Face Anterior: dá inserção ao músculo quadrado pronador;

Face Posterior: é atravessada por 2 goteiras: uma externa, que dá passagem ao


tendãodo músculo longo extensor do 1º dedo; e uma interna que dá passagem
aos tendões dos músculos extensor comum dos dedos e extensor próprio do
1º dedo;

Face Externa: atravessada por 2 goteiras:

 Anterior: dá passagem aos tendões dos músculos longo abdutor e curto


extensor do 1º dedo;
 Posterior: dá passagem aos tendões dos músculos curto radial e longo
radial;

Prolonga-se na apófise estiloideia do rádio, cuja base dá inserção ao músculo


longosupinador e cujo vértice dá inserção ao ligamento lateral externo da
articulação do punho.

231
Face Interna: bifurca-se em 2 ramos, sendo que no ramo posterior se insere o
ligamento interósseo. Apresenta 2 partes:

 Superior: onde se inserem os feixes mais profundos do músculo quadrado


pronador;
 Inferior: possui uma faceta articular, a cavidade sigmoideia do rádio que se
articula com a cabeça do cúbito

232
ESQUELETO DA MÃO
O esqueleto da mão pode ser dividido em 3 grupos ósseos: carpo, metacarpo e
falanges.

1. Carpo

É formado por 8 ossos curtos, dispostos em 2 fileiras: uma filierasupeiror ou


antebraquial e uma fileira inferior ou metacárpica.

Fileira superior do carpo:

Constituída pelos ossos escafóide, semilunar, piramidal e pisiforme (de


externo para interno).

A face externa do escafóide está escavada por um sulco em relação com a


artéria radial.

A face posterior do piramidal apresenta uma saliência, a crista do piramidal,


onde se insere um feixe do ligamento lateral interno da articulação do
punho.

233
O pisiforme está em relação com a artéria cubital e nele inserem-se os
músculoscubital anterior e abdutor do 5º dedo.

Fileira inferior do carpo:

Constituida pelos ossos trapézio, trapezoide, grande osso e unciforme (de


externo para interno).

Na face anterior do trapézio insere-se o tendão do músculo grande palmar;

A face externa do unciforme limita, anteriormente, o canal cárpico e a sua face


interna apresenta um sulco que dá passagem ao ramo profundo do nervo
cubital e ao ramo palmar profundo da artéria cubital. Na apófise unciforme
do osso unciforme insere-sem osmúsculos curto flexor do 5º dedo e o
oponente do 5º dedo.

 Maciço Ósseo Cárpico. Goteira Anterior do Carpo e Canal Cárpico

Os 8 ossos do carpo formam no seu conjunto o maciço cárpico, que apresenta 4


faces e 2 bordos:

A sua face anterior tem a forma de goteira, a goteira anterior do carpo, tendo como
limites:

 Externo: escafóide e trapézio


 Interno: pisiforme e unciforme

A goteira anterior do carpo transforma-se em canal cárpico pelo ligamento anular


anterior do carpo.

Canal Cárpico: é um canal osteofibroso formado pelos ossos do carpo,


posteriormente, e pelo ligamento anular anterior do carpo, anteriormente.

Limites:Externo – tubérculos dos ossos escafóide e trapézio

Interno – osso pisiforme e apófise unciforme do osso unciforme

Anterior – ligamento anular do carpo

Posterior – face anterior do maciço cárpico

234
É atravessado por:

 Tendão do músculo flexor comum superficial dos dedos (mais anterior);


 Tendão do músculo flexor comum profundo dos dedos (mais posterior);
 Tendão do músculo longo flexor do 1º dedo (mais externo);
 Tendão do músculo grande palmar (pelo espessamento do ligamento anular
anterior do carpo)
 Artéria mediana;
 2 Veias satélites;
 Nervo mediano;

2. Metacarpo

Formado por 5 ossos longos (1º metacarpo, 2º, 3º, 4º e 5º - de externo para
interno), os metacarpos, que se articulam superiormente com os ossos da fileira inferior
do carpo e, inferiormente, com as primeiras falanfes dos dedos.

Como todos os ossos longos, apresentam um corpo e duas extremidades.

235
3. Falanges

Cada dedo tem 3 falanges, à exceção do 1º dedo que tem apenas 2. São ossos
longos que apresentam um corpo e 2 extremidades.

Existem:
1ª falange ou falange proximal
2ª falange ou falange média
3ª falange ou falange distal

4. Ossos sesamóides

São pequenos ossos situados na espessuar de alguns tendões ou na vizinhança


das articulações da mão. Na mão existem 2 ossos sesamóides constantes, na face
palmar da articulação metacárpico-falângica do 1º dedo (1 interno e outro externo).
Apresentam duas faces, uma posterior, plana e articular, e uma antetior. Na face
anterior (palmar), inserem-se os músculos da eminência tenar.

236
4.2. Artrologia do Membro Superior

237
As articulações do membro superior compreendem:

- Articulação acrómio-clavicular
- Articulação esterno-condro-clavicular
Complexo Articular da Espádua - Articulação escápulo-umeral ou articulação do ombro
- Articulação sub-deltoideia
- Articulação escápulo-torácica

Articulação do Cotovelo
Articulação Rádio-cubital Inferior
Articulação do Punho
Articulações da Mão

COMPLEXO ARTICULAR DA ESPÁDUA


No complexo articular da espádua incluem-se 5 articulações, entre outros ligamentos,
posteriormente referidos:

- Articulação acrómio-clavicular – une a clavícula e a omoplata (juntamente com os ligamentos


existentes entre a clavícula e a apófise coracoideia da omoplata)

- Articulação esterno-condro-clavicular – une a clavícula, o esterno e a 1ªcartilagem costal.

- Articulação escápulo-umeral ou articulação do ombro

- Articulação sub-deltoideia – compreende uma bolsa serosa que existe sobre o músculo
deltóide e que facilita o deslizamento deste músculo.

- Articulação escápulo-torácica – permite o deslizamento da omoplata sobre o músculo grande


dentado, existindo uma bolsa serosa entre o músculo grande dentado e o músculo
subescapular.

Articulações da clavícula com a omoplata

A clavícula e a omoplata estão unidas pela articulação acrómio-clavicular e pelos


ligamentos córaco-claviculares.

Articulação acrómio-clavicular

Classificação: artródia

Une o bordo interno do acrómio à face externa da clavícula.

238
Superfícies articulares:

- a superfície acromial encontra-se no bordo interno do acrómio.

- a superfície clavicular encontra-se na extremidade externa da clavícula. Tem uma


orientação inversa à superfície acromial, encaixando-se nela, o que justifica que a
luxação da clavícula em cima seja a forma mais frequente de luxações desta ligação.

Estas superfícies articulares são quase planas e encontram-se revestidas por


fibrocartilagem.

Meios de união: consistem numa cápsula articular e no ligamento acrómio-


clavicular.

- a cápsula articular é um tubo de ligação fibroso bastante espesso que se insere nos
dois ossos, sendo reforçada na sua face superior pelo ligamento acrómio-clavicular.

- o ligamento acrómio-clavicular reforça a face superior da cápsula articular e


compreende dois planos: um superficial e um profundo. O plano profundo constitui um
espessamento da cápsula articular; os feixes do plano superficial resultam da
transformação fibrosa das fibras do músculo trapézio que nascem no acrómio.

As superfícies articulares não se encontram sempre perfeitamente adaptadas, sendo a


sua justaposição assegurada por um menisco interarticular. Este insere-se na
cápsula articularo ou na fibrocartilagem que reveste as superfícies articulares e na
cavidade articular, por um bordo livre. Quando o menisco é completo, divide a cavidade
articular em 2 cavidades secundárias: a menisco-clavicular e a menisco-acromial.

239
Sinovial: reveste a face profunda da cápsula ar ticular. É dupla quando existe um
menisco completo.

Movimentos: permite movimentos de deslizamento em todos os sentidos.

Ligamentos Córaco-claviculares

Unem a clavícula à apófise coracoideia e são 4:

- Ligamento trapezoide: insere, inferiormente, no bordo interno do segmento


horizontal da apófise coracoideia, dirigindo-se, de seguda, obliquamente, para
cima e para fora, terminando no segmento anterior da tuberosidade coracoideia
da extremidade externa da clavícula.

- Ligamento conoide: posterior ao ligamento trapezoide. Insere-se, inferiormente, na


apófise coracoideia, e, superiormente, no bordo posterior da clavícula.

O espaço angular formado pelos ligamentos trapezoide e conoide é preenchido por


tecido célulo-adiposo, que forma, por vezes, uma bolsa serosa.

240
- Ligamento córaco-clavicular interno: estende-se desde o bordo interno da
apófise coracoideia (anteriormente ao ligamento trapezoide e posteriormente à
inserção do músculo pequeno peitoral) até à face inferior da clavícula, ao longo da
goteira do subclávio.

- Ligamento córaco-clavicular externo: divide o espaço angular compreendido


entre os ligamentos trapezoide e conoide. Estende-se até à apófise coracoideia.
É um espessamento da aponevrose clavi-peitoral.

Articulação Córaco-clavicular

Em alguns movimentos do ombro, a clavícula e a apófise coracoideia deslizam uma


sobre a outra, desenvolvendo uma articulação córaco-clavicular, que apresenta
duas facetas articulares: uma clavicular e outra coracoideia. Apresenta movimentos de
deslizamento muito limitados.

Ligamentos próprios da omoplata

São lâminas fibrosas que se estendem entre duas partes da omoplata. Distinguem-se:

- ligamento acrómio-coracoideu: lâmina fibrosa triangular que se estende desde o


vértice do acrómio (inserção do seu vértice) até ao bordo externo da apófise
coracoideia (pela sua base). O ligamento acrómio-coracoideu, o acrómio e a apófise

241
coracoideia formam uma abóbada ósteo-fibrosa acrómio-coracoideia, acima da
articulação escapulo-umeral.

- ligamento coracoideu: feixe fibroso fino que se estende de uma extremidade à


outra da chanfradura coracoideia, fechando-a, e formando um canal por onde passa o
nervo subescapular.

- ligamento espinho-glenoideu: estende-se desde o bordo externo da espinha


da omoplata até ao rebordo posterior da cavidade glenoideia. Delimita um
orifício que dá passagem aos vasos e nervosos supra-escapulares que se dirigem
da fossa supra-espinhosa para a fossa infra-espinhosa.

Articulação Esterno-condro-clavicular

Classificação: menisco-efipiartrose (articulação de encaixe recíproco)

Superfícies articulares: a superfície articular esternal da clavícula é a


extremidade interna da clavícula; a superfície articular clavicular do esterno
corresponde à chanfradura clavicular do esterno.

As superfícies articulares apresentam curvaturas inversas, o que permite o encaixe


recíproco. São revestidas por fibrocartilagem. Por vezes, as superfícies articulares não
se encontram perfeitamente adaptadas, pelo que a fibrocartilagem interarticular
estabelece essa concordância.

242
Meios de união: a cápsula articular encontra-se revestida por 4 ligamentos: anterior,
posterior, superior e inferior.

Ligamentos anterior e posterior: desde a extremidade interna da


clavícula até à chanfradura clavicular do esterno e ao manúbrio esternal.
Situam-se na face anterior ou na face posterior da articulação.

Ligamento superior: compreende 2 porções:

- uma inferior ou ligamento esterno-clavicular superior (une a clavícula e o


esterno)
- uma superior ou ligamento interclavicular (estende-se desde uma clavícula à
outra, passando acima da fúrcula esternal)

Ligamento inferior ou costo-clavicular: tem 2 lâminas, uma anterior e uma


posterior, separadas por uma bolsa serosa.

- a lâmina anterior não apresenta textura ligamentar.

- a lâmina posterior constitui o ligamento costo-clavicular propriamente


dito. Insere-se, inferiormente, na 1ªcartilagem costal e na parte contígua da
1ªcostela e, superiormente, na extremidade interna da face inferior da clavícula,
posteriormente ao subclávio.

Sinovial: apresenta 2 sinoviais: uma menisco-esternal (interna) e uma menisco-


clavicular (externa), mais extensa e mais laxa que a anterior, permitindo movimentos
de maior amplitude. As 2 sinoviais só comunicam entre si quando há uma solução de
continuidade ao nível da fibrocartilagem interarticular.

Mecanismo: a articulação permite movimentos de elevação e abaixamento,


projeção para a frente e para trás e ainda de circundação.

- Movimento de elevação: da extremidade interna da clavícula, é limitado pelos


ligamentos anterior, posterior, superior e interclavicular.
- Movimento de abaixamento: é limitado pela tensão do ligamento costo-
clavicular.
- Movimento de projeção para a frente: é limitado pela tensão dos ligamentos
anterior e inferior.
- Movimento de projeção para trás: é limitado pela tensão do ligamento
posterior e do ligamento costo-clavicular propriamente dito

243
Articulação Sub-deltoideia

Classificação: é uma articulação falsa ou funcional, uma vez que é constituída por
2 superfícies de deslizamento muscular: uma superfície de deslizamento profunda e
uma superfície de deslizamento superficial.

- superfície de deslizamento profunda: entre a extremidade superior do úmero, a coifa


dos rotadores (ver secção Músculos da Espádua) e o tendão da longa porção do bicípete
braquial.

- superfície de deslizamento superficial: constituída pela face profunda do músculo


deltóide. Entre as 2 superfícies encontra-se a bolsa serosa sub-deltoideia, que
facilita o deslizamento.

Entre as 2 superfícies encontra-se a bolsa serosa sub-deltoideia, que facilita o


deslizamento.

244
Articulação Escápulo-torácica

Classificação: é uma articulação falsa ou funcional. Constitui a verdadeira união


da cintura escapular ao tronco. Realiza-se por meio de músculos – sinsarcose.

Superfícies articulares: constituídas externa e posteriormente pela fossa


infraescapular da omoplata e interna e anteriormente pela grelha costal e pelos
espaços intercostais, situados entre a 2ª e a 8ªcostelas.

A grelha costal é recoberta pelos músculos pequenos dentados posteriores,


superior e inferior. Encontra-se separada da fossa infra-escapular pelo músculo
grane dentado, que funciona como um menisco muscular e divide o espaço escapulo-
torácico em 2 partes:

- espaço omo-serrático: situado entre o músculo subescapular e o músculo


grande dentado.
- espaço serrato-torácico: situado entre o músculo grande dentado e a grelha
costal.

Entre o músculo grande dentado e a parede torácica, uma bolsa celular ocupa o
espaço serrato-torácico propriamente dito.

Meios de Fixação da Omoplata:

- póstero-superiormente: trapézio – constitui um ligamento suspensor.

- superiormente: angular da omoplata

- posterioremente: rombóide

O músculo grande dentado limita os movimentos no sentido posterior. Os


músculos grande dorsal e rombóide fixam a omoplata à parede torácica.

Mecanismo da articulação escapulo-torácica: permite movimentos da omoplata


sobre o tóraz, permitindo ainda o movimento da clavícula para fixar a cintura escapular
ao esterno. Os movimentos conjugados omo-claviculares traduzem-se no
encerramento ou abertura dos seus ângulos de união: quanto mais longa for a clavícula
em relação ao tórax, mais se fecha o ângulo omo-clavicular; quanto mais curta for a
clavícula, mais aberto é o ângulo.

245
Movimentos da omoplata propriamente ditos:

- báscula: movimento que desloca no sentido inverso o ângulo inferior da omoplata e


a cavidade glenoideia.

 a projeção da cavidade glenoideia para cima e para a frente resulta da


ação dos músculos grande dentado e trapézio.
 a projeção da cavidade glenoideia para baixo resulta da ação do músculo
rombóide e do músculo pequeno peitoral.

- abaixamento: desliza sobre a parede torácica até ao nível da 10ªcostela, por ação
dos seguintes músculos:

 posteriormente: trapézio, grande dorsal e grande dentado


 anteriormente: subclavio, grande peitoral e pequeno peitoral

- elevação: devido à ação dos seguintes músculos: trapézio, esternocleidomastoideu,


angular da omoplata e rombóide

- projeção para a frente e para fora: todos os músculos com inserção torácica
anterior: porção esterno-costal do músculo grande peitoral, músculo grande dentado e
pequeno peitoral.

- projeção para trás e para dentro: deve-se à ação conjunta do músculo trapézio,
do músculo rombóide e do músculo grande dorsal, que contribui indiretamente para
este movimento, através da sua inserção no úmero.

Articulação Escápulo-umeral, Gleno-umeral ou do Ombro

Classificação: diartrose do tipo enartrose.

Superfícies articulares: por um lado, a cabeça do úmero e, por outro, a cavidade


glenoideia da omoplata e o debrum glenoideu.

Cabeça do úmero: revestida por fibrocartilagem limitada pelo lábio interno do colo
anatómico do úmero. Apresenta superiormente ao troquino, uma chanfradura que
corresponde à impressão de inserção supra-troquiniana do ligamento gleno-
umeral superior.

246
Cavidade glenoideia: muito menos extensa que a cabeça do úmero. Revestida por
cartilagem; apresenta no centro uma eminência, o tubérculo glenoideu, onde a
cartilagem é menos espessa. Como a cavidade glenoideua é apenas ligeiramente
côncava, não se adapta perfeitamente à cabeça do úmero, sendo essa adaptação
permitida pelo debrum glenoideu.

Debrum glenoideu: anel fibrocartilagíneo que se aplica no contorno da cavidade


glenoideia e que aumenta a profundidade da cavidade. Apresenta 3 faces:

 Face periférica: dá inserção à cápsula articular, ao tendão da longa porção do


bicípite braquial, superiormente, e ao tendão da longa porção do tricípete
braquial, inferiormente.
 Face externa: livre, lisa e côncava.
 Face interna ou aderente: unida à periferia da cavidade glenoideia à qual adere.

O debrum glenoideu é constituído por:

 Elementos cartilagíneos que revestem a sua face externa


 Fibras próprias
 Feixes provenientes do tendão da longa porção do músculo bicípete braquial.
 Feixes provenientes do tendão da longa porçção do músculo tricípete braquial.

O debrum gelenoideu aumenta a profundidade da cavidade glenoideia, mas


muito pouco a sua extensão, pelo que a cabeça do úmero se introduz parcialmente na
cavidade glenoideia.

Meios de união: o úmero e a omoplata estão unidos por uma cápsula articular,
pelos ligamentos que a reforçam e pelos músculos péri-articulares.

Cápsula articular: desde


o contorno da cavidade
glenoideia até à
extremidade superior do
úmero.

A inserção escapular faz-se


na face periférica do debrum
glenoideu e estende-se até à
parte contígua do rebordo
ósseo da cavidade
glenoideia. Na parte inferior

247
da cavidade glenoideia, a cápsula articular une-se ao tendão da longa porção do
músculo bicípete braquial.

A inserção umeral faz-se a distâncias diferentes da cabeça do úmero, na parte superior


e na parte inferior. Na parte superior, insere-se no colo anatómico do úmero. Na
parte inferior, insere-se no colo cirúrgico do úmero.

A cápsula articular é relativamente fina e constituída por feixes entrecruzados. É mais


fina quando está em contacto com os tendões péri-articulares e mais espessa nos
espaços intertendinosos.

Ligamentos: ligamentos gleno-umerais, ligamento córaco-umeral e ligamento


córaco-glenoideu.

Ligamentos gleno-umerais: são 3: superior, médio e inferior.

- ligamento gleno-umeral superior: insere-se na parte superior do debrum


glenodeu e do colo da omoplata e na base da apófise coracoideia. É inferior ao
ligamento córaco-umeral e separa-se deste por um prolongamento da bolsa serosa
sub-acromial.

- ligamento gleno-umeral médio: insere-se, internamente, no debrum glenoideu e


na parte vizinha do colo da omoplata, imediatamente à frente da inserção do ligamento
gleno-umeral superior. Termina no troquino.

248
- ligamento gleno-umeral inferior: reforça a parte inferior da cápsula articular.
Insere-se no debrum glenoideu e no colo da omoplata, desde a chanfradura
glenoideia até à cavidade glenoideia, e termina no úmero, abaixo do troquino.

O ligamento gleno-umeral superior e o ligamento gleno-umeral médio limitam um


espaço triangular, denominado foramen oval de Weitbrecht, de base externa.
Através deste orifício, a cavidade articular comunica com a bolsa serosa do músculo
infra-escapular.

Por vezes, o ligamento gleno-umeral médio e o ligamento gleno-umeral inferior limitam


um segundo espaço triangular, o orifício sub-coracoideu que faz comunicar a
cavidade articular com a bolsa serosa sub-coracoideia.

Ligamento córaco-umeral: situa-se na face superior da articulação gleno-umeral.


Insere-se, internamente, ao longo do bordo ezterno da apófise coracoideia, abaixo do
ligamento acrómio-coracoideu. Apresenta 2 feixes: o feixe troquiteriano e o feixe
troquiniano, conforme termine no troquíter ou no troquino, respetivamente.

249
Ligamento umeral transverso: o tendão da longa porção do músculo bicípete
braquial sai da articulação por um orifício compreendido no afastamento dos feixes
troquiteriano e troquiniano do ligamento córaco-umeral, encaixando-se na goteira
bicipital que se transforma num canal ósteo-fibroso, por meio do ligamento umeral
transverso.

Ligamento córaco-glenoideu: desde a parte posterior do bordo externo da apófise


coracoideia até ao debrum glenoideu.

Músculos e tendões péri-articulares: os tendões dos músculos péri-articulares do


ombro têm o papel de ligamentos ativos da articulação. São:

 em cima e atrás, os tendões dos músculos supra-espinhoso, infra-espinhoso


e pequeno redondo.
 à frente, o tendão do músculo infra-escapular.

Sinovial: reveste a face profunda da cápsula articular. Envolve por completo o tendão
da longa porção do músculo bicípete braquial.

250
Bolsas serosas péri-articulares: existem algumas bolsas serosas entre a cápsula
articular e os músculos péri-articulares.

 Bolsa serosa subtendinosa do músculo infra-escapular, situada entre a cápsula


articular e o tendão do músculo infra-escapular.
 Bolsa serosa sub-deltoideia, entre a parte superior da articulação inferiormente e
a abóbada acrómio-coracoideia, superiormente.
 Bolsa tendinosa intertubercular, envolve o tendão da longa porção do bicipete
braquial na goteira bicipital.
 Bolsa serosa sub-coracoideia, entre a apófise coracoideia e o músculo infra-
escapular.

A bolsa serosa subtendinosa do músculo infra-escapular e a bolsa tendinosa


intertubercular comunicam sempre com a cavidade articular.

A bolsa serosa subtendinosa do músculo infrae-scapular comunica através de soluções


de comtinuidade da cápsula articular – foramen oval de Weitbrecht e a bolsa serosa
subcoracoideia comunica através do orifício sub-coracoideu.

Mecanismo da articulação escapulo-umeral:

Os músculos constituem os verdadeiros meios de união da articulação, uma vez que a


cápsula articular e os ligamentos são demasiado laxos para manter a união das
superfícies articulares, atuando mais como feixes que limitam os movimentos.

A cabeça do úmero pode mover-se em torno de uma grande variedade de eixos,


produzindo 4 movimentos:

1. flexão e extensão
2. abdução e adução
3. rotação interna e externa
4. circundução

Os movimentos da espádua resultam da combinação dos movimentos da


articulação escapulo-umeral com os movimentos da cintura escapular:

 Elevação e abaixamento da omoplata e da clavícula, com deslizamento para cima


e para baixo da cintura escapular sobre a parede torácica.
 Deslizamento externo ou interno da omoplata, acompanhado de projeção da
clavícula para a frente e para trás.

251
 Movimentos de báscula, associados ao movimento de abdução do braço,
deslocando o ângulo inferior da omoplata para fora, provocam a elevação da
cavidade glenoideia, permitindo que o úmero se eleve acima da horizontal.

1. Flexão e extensão:
A flexão projeta o braço para a frente e envolve 3 tempos:
1ºtempo (0º-60º): limitado pela tensão do ligamento córaco-umeral, da cápsula
articular e dos músculos córaco-braquial, pequeno redondo, grande redondo e infra-
escapular.

2ºtempo (60º-120º): a omoplata deixa de estar bloqueada e bascula para a frente.


Intervém o trapézio e o grande dentado.

3ºtempo (120º-180º): a omoplata já não pode bascular, sendo o movimento


permitido pela hiperextensão da coluna. Intervêm os músculos extensores da coluna
vertebral.

A extensão projeta o braço para trás e a omoplata báscula para trás e para dentro.
É limitada pela tensão dos ligamentos acrómio-clavicular e gleno-umerais. É de
pequena amplitude.

2. Abdução e adução: realizam-se em torno de um eixo ântero-posterior.


A abdução projeta o braço para fora e apresenta 3 tempos:
1ºtempo (0º-90º): intervêm o deltóide, o supra-espinhoso e o infra-espinhoso.

2ºtempo (90º-150º): necessita da intervenção da cintura escapular, a articulação


escapulo-umeral está bloqueada. Intervêm o grande dentado e o trapézio.

3ºtempo (150º-180º): participa a coluna vertebral através de um movimento de


inclinação lateral, por ação dos músculos espinhais do lado oposto.

A adução aproxima o braço do corpo, sendo limitado pela tensão do ligamento


córaco-umeral. Os músculos adutores do braço são o grande peitoral, o grande
dorsal, a longa porção do tricípete braquial e o grande redondo.

3. Rotação: consiste na rotação interna (para dentro) e na rotação externa (para


fora).
A rotação interna é mediada pelos músculos rotadores internos:
- grande dorsal
- grande redondo

252
- infra-escapular
- grande peitoral
- longa porção do bicípete braquial.
É limitada pela coifa dos rotadores.

A rotação externa é limitada pelos músculos grande peitoral, grande redondo e


infra-escapular. Os rotadores externos são:
- infra-espinhoso
- pequeno-redondo
- deltóide

4. Circundução: resulta da combinação dos movimentos de flexão/extensão e de


abdução/adução.

Articulação do Cotovelo

É constituída por 3 articulações:

- a articulação úmero-cubital (que une o úmero ao cúbito). É uma trocleartrose,


onde se realizam movimentos de flexão e de extensão do antebraço sobre o braço.

- a articulação úmero-radial (que une o úmero ao rádio). É uma condilartrose,


participando nos movimentos das duas outras articulações.

- a articulação rádio-cubital superior (que une a extremidade superior do rádio à


extremidade superior do cúbito). É uma trocartrose que participa nos movimentos de
pronação e supinação do antebraço.

As 3 articulações confundem-se numa só, apresentando uma cavidade articular, uma


sinovial, uma cápsula articular e um mesmo plano ligamentar. Assim, classifica-se como
bitrocleo-condilo-trocartrose (a goteira côndilo-troclear do úmero funciona como
uma segunda tróclea, sendo a primeira a tróclea umeral).

Superfícies articulares:

 Superfícies articulares da extremidade inferior do úmero:


Internamente, tróclea umeral
Externamente, côndilo do úmero
Entre ambos, a goteira trócleo-umeral.

253
 Superfícies articulares da extremidade superior do cúbito:
Grande cavidade sigmoideia – articula-se com a tróclea umeral e apresenta 2
facetas revestidas por cartilagem. A faceta anterior ocupa a face superior da
apófise coronoideia. A faceta posterior é formada pela face anterior do olecrânio.

Pequena cavidade sigmoideia – ocupa a face externa da apófise coracoideia.


Articula-se com o contorno da cabeça do rádio.

 Superfícies articulares da extremidade


superior do rádio:
Cúpula do rádio – articula-se com o
côndilo do úmero.
Superfície de rebordo da cabeça
do rádio – tem um revestimento
cartilagíneo que se continua com o da
cúpula do rádio. Articula-se com um
cilindro ósteo-fibroso formado pela
pequena cavidade sigmoideia do
cúbito e pelo ligamento anular do
rádio.

Ligamento anular do rádio: estende-


se de uma extremidade à outra da
pequena cavidade sigmoideia do
cúbiro, rodeando a cabeça do rádio.
A sua face interna ou articular é coberto por uma camada fina de cartilagem; a
sua face periférica é reforçada pelos feixes dos ligamentos anterior e lateral
externo da articulação do cotovelo.

Meios de união: as superfícies articulares do cotovelo são mantidas por uma cápsula
articular e 5 ligamentos de reforço, que são espessamentos da cápsula:

 Ligamento anterior
 Ligamento lateral interno
 Ligamento lateral externo
 Ligamento posterior
 Ligamento inferior

254
Cápsula articular: estende-se desde o úmero até aos 2 ossos do antebraço.
Apresenta 2 inserções:

- a linha de inserção umeral – percorre o bordo superior da fosseta coronoideia e da


fosseta supra-condiliana, alcançando o bordo externo do côndilo do úmero.

- a linha de inserção antebraquial – no cúbito, perto das cavidades sigmoideias e no


rádio, no colo do rádio.

Ligamento anterior: estende-se por


toda a face anterior da cápsula
articular. A sua inserção superior
confunde-se com a da cápsula articular,
desde a face anterior da epitróclea até
ao epicôndilo. Continua-se lateralmente
com os ligamentos laterais.

Ligamento lateral interno: apresenta 3 feixes, que se estendem desde a


epitróclea até ao bordo interno da grande cavidade sigmoideia do cúbito: feixe
anterior, feixe médio e feixe posterior ou ligamento de Bardinet.

255
 Feixe anterior: desde a parte ântero-inferior da epitróclea à parte ântero-interna
da apófise coronoideia.
 Feixe médio: desde o bordo inferior da epitróclea ao tubérculo coronoideu da
face interna da apófise coronoideia.
 Feixe posterior ou ligamento de Bardinet: desde a parte póstero-inferior da
epitróclea até à face interna do olecrânio.

Entre o feixe médio e o feixe posterior do ligamento lateral interno, observam-se


feixes que se estendem desde a apófise coronoideia até ao olecrânio,
constituindo o ligamento de Cooper.

Ligamento lateral externo: são 3 feixes, que partem do epicôndilo e


terminam no bordo externo da grande cavidade sigmoideia do cúbito.

 Feixe anterior: desde a parte ântero-inferior do epicôndilo até à extremidade


anterior da pequena cavidade sigmoideia do cúbito.
 Feixe médio: estende-se desde o bordo inferior do epicôndilo até ao espaço
imediatamente atrás da pequena cavidade sigmoideia do cúbito. Posteriormente
à pequena cavidade sigmoideia do cúbito, as suas inserções confundem-se com
as do ligamento anular do rádio.
 Feixe posterior: estende-se desde a parte posterior do epicôndilo ao bordo
externo do olecrânio.

256
Ligamento posterior: é pouco desenvolvido. Apresenta 3 tipos de feixes: os
feixes úmero-olecranianos, os feixes úmero-umerais e os feixes úmero-
olecraniano verticais.

Ligamento inferior ou ligamento quadrado de Denucé: é um espessamento


da parte da cápsula articular situado inferiormente à articulação rádio-cubital superior.
Estende-se desde o bordo inferior da pequena cavidade sigmoideia do cúbito
até à parte interna do colo do rádio. Apresenta 3 tipos de fibras:

257
 Fibras rádio-cubitais, na zona média do ligamento
 Fibras transversais, constituem um feixe do ligamento anular do rádio que não
possui inserção cubital. Estende-se desde a extremidade anterior até à
extremidade posterior deste ligamento e passa na parte interna do
ligamento quadrado de Denucé. Ao longo deste ligamento, observam-se
prolongamentos finos da sinovial, que constituem a franja adiposa linear.
As fibras do ligamento anular do rádio formando os bordos anterior e posterior
do ligamento quadrado de Denucé.

Sinovial: reveste a face profunda da cápsula articular, refletindo-se sobre as


extremidades ósseas e formando fundos-de-saco:

- fundo-de-saco anterior – corresponde às fossestas supra-troclear e supra-


condiliana.

- fundo-de-saco posterior – relaciona-se com a parte inferior da fossa olecraniana.

- fundo-de-saco inferior – envolve parte do colo do rádio.

- fundo-de-saco rádio-cubital – situa-se inferiormente ao bordo inferior da pequena


cavidade sigmoideia do cúbito, ao longo da inserção cubital do ligamento quadrado de
Denucé.

258
Existe ainda uma franja de sinovial, a franja falciforme, entre o côndilo umeral e a
cabeça do rádio.

Mecanismo da articulação do cotovelo:

A articulação do cotovelo pode executar movimentos de flexão e extensão,


produzidos na articulação úmero-antebraquial e movimentos de pronação e
supinação que se produzem na articulação úmero-radial e nas articulações rádio-
cubital superior e inferior.

Flexão/extensão:

Em torno de um eixo transversal, o movimento de flexão é limitado pela tensão do


ligamento posterior e dos feixes posteriores dos ligamentos laterais, pela tensão do
músculo tricípete braqual e pelo contacto entre as massas musculares e as partes moles
do braço e do antebraço.

O movimento de extensão voluntária é limitado pelo embate do olecrânio na fossa


olecraniana do úmero, bem como pela tensão do ligamento anterior e dos feixes
anteriores dos ligamentos laterais da articulação do cotovelo.

Durante a extensão, o rádio é paralelo ao cúbito; durante a flexão, o rádio ascende um


pouco em direção ao cúbito.

A extensão é a posição natural do braço em posição anatómica descritiva.

Lateralidade: movimentos muito reduzidos e limitados.

Articulação Rádio-Cubital Inferior

Classificação: trocartrose.

Superfícies articulares:

 a cabeça do cúbito apresenta 2 facetas articulares, uma inferior e uma


externa. A faceta inferior relaciona-se com o ligamento triangular.

 a cavidade sigmoideia do rádio, revestuda por uma camada de cartilagem

259
Meios de união: compreendem um ligamento triangular e uma cápusla articular
reforçada por ligamentos.

Ligamento triangular: é
uma lâmina fibrocartilagínea que
se estende desde a cavidadade
sigmoideia até à cabeça do
cúbito. Apresenta 2 faces: uma
face superior relacionada com a
faceta inferior da cabeça do
cúbito e uma face inferior que
repousa sobre o semilunar e o
piramidal.

Cápsula articular: fina e


laxa. Insere-se nos bordos
anterior e posterior do ligamento
triangular. É reforçada por feixes
que constituem os ligamentos
rádio-cubitais anterior e
posterior.

Sinovial: reveste a face profunda


da cápsula articular.

Mecanismo das articulações


rádio-cubitais superior e
inferior:

Apenas efetuam movimentos de


rotação: pronação (o 1ºdedo
dirige-se para dentro e a face
palmar da mão dirige-se para
trás) e supinação (o 1ºdedo
dirige-se para fora e a face palmar da mão dirige-se para a frente).

260
Os movimentos de pronação e supinação são limitados pelo ligamento quadrado de
Denucé. O movimento de supinação é ainda limitado pelo ligamento rádio-cubital
anterior da articulação rádio-cubital inferior. Os músculos supinadores são: bicípete
braquial, curto supinador e longo supinador.

O movimento de pronação ainda é limitado pelo ligamento rádio-cubital posterior. Os


músculos pronadores são mais fortes que os supinadores (redondo pronador e
quadrado pronador).

Membrana interóssea do antebraço: membrana fibrosa que se estende desde o


bordo interno do rádio ao bordo externo do cúbito. Na sua face posterior,
observa-se o ligamento oblíquo interósseo rádio -cubital, resultante da transformação
fibrosa dos feixes mais profundos do músculo longo abdutor do 1ºdedo. Inferiormente
a este ligamento, pode encontrar-se um segundo feixe rádio-cubital inferior que resulta
da regressão fibrosa das fibras profundas do músculo curto extensor do 1ºdedo.

Ligamento de Weitbrecht ou corda oblíqua: insere-se, superiormente, na parte


ínfero-externa da apófise coronoideia do cúbito, atravessa o tendão do músculo bicípete
braquial e termina inferiormente no rádio.

261
Articulação do Punho ou Rádio-cárpica

Classificação: é uma condilartrose composta.

Superfícies articulares: são, do lado do antebraço, a cavidade glenoideia


antebraquial e, do lado do carpo, o côndilo cárpico.

Cavidade glenoideia antebraquial: é formada pela extremidade inferior do rádio


e pelo ligamento triangular.

Côndilo cárpico: é formado pelas superfícies articulares superiores do escafóide,


semilunar e piramidal, unidos pelo ligamento interósseo.

Meios de união: compreendem uma cápsula articular e ligamentos que a


reforçam: anterior, posterior, lateral externo e lateral interno.

Cápsula articular: é firme e resistente anteriormente e laxa posteriormente. Insere-


se no contorno das superfícies articualres e nos bordos anterior e posterior do
ligamento triangular.

Ligamento anterior: formado por um ligamento anterior propriamente dito ou


ligamento capsular e por um plano fibroso pré-capsular. O ligamento capsular
é um espessamento da cápsula articular e o plano fibroso pré-capsular é formado
pela parte posterior da bainha fibrosa dos tendões dos músculos flexores dos dedos –
LIGAMENTO SUPINADOR.

262
Ligamento posterior: estende-se desde o bordo posterior da superfície articular do
rádio até à face posterior do piramidal – LIGAMENTO PRONADOR.

Ligamento lateral externo: insere-se, superiormente, no vértice da apófise


estiloideia do rádio e termina no lado externo do escafóide.

Ligamento lateral interno: insere-se no vértice e na face interna da apófise


estiloidiea do cúbito, dividindo-se em 2 feixes: um que se insere no piramidal e outro
que se insere no pisiforme.

Sinovial: recobre a face profunda da cápsula articular, estendendo-se desde o


contorno da superfície articular antebraquial até ao contorno da superfície
articular cárpica.

Mecanismo da articulação do punho: movimentos da mão sobre o antebraço (em


conjunto com as articulações cárpicas.

263
Articulações Cárpicas

Incluem as articulações pró-cárpicas (dos ossos da 1ªfileira do carpo), a


articulação médio-cárpica (que une as duas fileiras do carpo) e as articulações
mesocárpicas (dos ossos da 2ªfileira do carpo).

Articulações Pró-cárpicas

Articulação Classificação Superfícies Meios de união Sinovial


articulares
Dos 3 ossos do Artrodias (2) .Escafóide .Ligamentos Dependências da
côndilo cárpico .Semilunar interósseos sinovial da
(entre o escafóide .Piramidal .Ligamentos articulação
e o semilunar e (recobertas por anteriores médio-cárpica
entre o semilunar e cartilagem) .Ligamentos
o piramidal) posteriores

Piso-piramidal Condilartrose .Pisiforme .Cápsula articular Laxa. Comunica


.Piramidal .Ligamento superior com a sinovial da
.Ligamento ínfero- articulação do
externo punho.
.Ligamento ínfero-
interno

264
Articulações Mesocárpicas:

Classificação Superfícies Meios de união Sinovial


articulares
Artrodias .Trapézio .Ligamento interósseo Prolongamentos da
.Trapezóide .Ligamento palmar sinovial da articulação
.Grande osso .Ligamento dorsal médio-cárpica
.Unciforme

(planas e recobertas
por fina camada de
cartilagem)

265
Articulação Médio-cárpica

Classificação Superfícies Meios de união Sinovial


articulares
. Cápsula articular – Recobre a face
. une o escafóide ao desde o contorno da profunda da cápsula
Bicondilartrose trapézio e ao superfície articular articular, emitindo
trapezóide superior ao contorno da prolongamentos que
(une os 3 ossos superfície articular constituem as
do côndilo . une o escafóide ao inferior. sinoviais das
cárpico aos 4 semilunar, ao articulações pré-
ossos da 2ªfileira piramidal, grande . Ligamentos: cárpicas e das
do carpo) osso e unciforme - palmar articulações
- dorsal mesocárpicas.
- lateral externo
- lateral interno

266
TODAS as articulações cárpicas, EXCETO a articulação piso-piramidal,
possuem uma sinovial comum!

Mecanismo das articulações cárpicas:

 flexão e extensão
 abdução e adução
 circundução
 rotação (muito limitados)

Articulações dos Dedos

Articulações Meso-metacárpicas – unem os metacarpos aos ossos da


2ªfileira do carpo

Articulação Classificação Superfícies Meios de Sinovial Movimentos


articulares união
Trapezo- Efipiartrose .Trapézio .Cápsula Reveste a .Flexão/extensão
primo- .1ºmetacarpo articular laxa superfície .Abdução/adução
metacárpica .Ligamento interior da .Circundução
póstero- cápsula
interno articular,
muito laxa.

Meso- Artrodias .2ºosso .Fina cápsula Reveste a .Flexão/extensão


metacárpicas metacárpico articular face .Inclinação lateral
dos 4 .Trapézio .Ligamentos profumda de pequena
últimos .Trapezóide palmares da cápsula amplitude
dedos .Grande osso .Ligamentos articular.
.3º, 4º e dorsais
5ºossos .Ligamentos
metacárpicos interósseos

267
Articulações Intermetacárpicas

Classificação Superfícies Meios de união Sinovial


articulares
Artrodias 4 últimos ossos .Cápsula articular Prolongamento da sinovial
metacárpicos .Ligamentos da articulação meso-
transversos: metacárpica
- palmares
- interósseos
- dorsais

Articulações Metacarpo-falângicas dos 4 últimos dedos

Classificação: enartroses

Superfícies articulares: cabeça do osso metacárpico e cavidade glenoideia da


extremidade superior da 1ªfalange.

268
As superfícies articulares estão revestidas por cartilagem. Não se correspondem em
toda a sua extensão. Assim, uma fibrocartilagem prolonga para cima a parte anterior
desta cavidade, fixando-se na face palmar e na porção vizinha das faces laterais da
extremidade superior da 1ªfalande. A fibrocartilagem glenoideia está separada da
superfície glenoideia por um sulco estreito revestido por um prolongamento de sinovial.
Na sua face anterior, passam os tendões dos músculos flexores dos dedos.

Meios de união: apresentam uma cápsula articular e ligamentos laterais. Para além
disso, as articulações metacárpico-falângicas dos 4 últimos dedos estão unidas entre si
por um ligamento comum intercárpico palmar.

Cápsula articular: fina e muito laxa. Insere -se na face dorsal da articulação, perto
do revestimento cartilagíneo.

Ligamentos laterais: são 2


feixes espessos e muito
resistentes, situados nas faces
laterais da articulação. Inserem-
se, superiormente, no tubérculo e
na depressão das faces laterais
da cabeça do metacárpico e daí
divergem em leque:

. fibras posteriores: terminam


nos tubérculos laterais da
extremidade superior da
1ªfalange – feixe metacárpico-
falângico.

. fibras anteriores: unem-se à fibrocartilagem glenoideia – feixe metacárpico-


glenoideu.

Ligamento transverso intercárpico palmar: ligamento que se estende desde o


2º osso metacárpico até ao 5ºosso metacárpico, atravessando a face palmar das
articulações metacárpico-falângicas.

Sinovial: reveste a face profunda da cápsula articular.

269
Articulações Metacárpico-falângica do 1ºdedo

Têm a mesma disposição geral que as precedentes, apresentando algumas


caracterísiticas peculiares.

 A superfície articular do 1ºosso metacárpico é mais larga à frente do que


atrás.
 A fibrocartilagem glenoideia contém 2 ossos sesamóides: um externo, o osso
escafóide de Gillette e outro interno, o osso pisiforme de Gillette.
 As fibras anteriores dos ligamentos laterais terminam nos ossos sesamóides,
formando um ligamento metacárpico-sesamoideu.

Mecanismo das articulações metacárpico-falângicas:

 flexão/extensão
 lateralidade
 circundução
 movimentos passivos de rotação

O movimento de flexão é limitado pela tensão dos tendões dos músculos extensores
dos dedos; o movimento de extensão é limitado pela tensão dos tendões dos
músculos flexores dos dedos e das fibrocartilagens glenoideias. Os movimentos de
flexão e extensão realizados por um só dedo têm menor amplitude do que se forem
realizados simultaneamente com os dedos vizinhos. Nestes casos, o limite do
movimento deve-se à tensão do ligamento transverso intercárpico.

Os movimentos de lateralidade são limitados pela tensão do ligamento lateral


oposto àquele sobre o qual se realiza o movimento.

270
Articulações Interfalângicas

Classificação: trocleartroses (existem 2 por cada dedo, à exceção do 1ºdedo que


apenas tem 1 articulação interfalângica)

Superfícies articulares: extremidade inferior de uma falange e a extremidade


superior de outra falange.

A superfície articular inferior é menos extensa no sentido ântero-potserior do que a


superfície articular superior, sendo aumentada por uma fibrocartilagem glenoideia
semelhante à das articulações metacárpico-falângicas.

Meios de união e sinovial: a cápsula articular, os ligamentos e a sinovial apresentam


as mesmas características que as articulações met acárpico-falângicas, embora, neste
caso, os feixes dos ligamentos laterais se denominem feixe falângico-glenoideu e
feixe falângico-falângico.

Na face dorsal, passam os feixes dos músculos extensores comuns dos dedos; na face
palmar, passam os feixes dos músculos flexores comuns dos dedos e flexores próprios
dos dedos.

271
Mecanismo das articulações interfalângicas: apenas realizam movimentos de
flexão/extensão e movimentos de lateralidade muito limitados. O movimento de flexão
é limitado pela tensão dos músculos extensores dos dedos e o movimento de extensão
é limitado pela parte palmar da cápsula articular e pela bainha fibrosa dos tendões dos
músculos flexores dos dedos.

Movimentos dos dedos

Devido às articulações meso-metacárpicas, a mão apresenta movimentos intrínsecos.


Assim, a goteira cárpica, limitada pelas eminência tenar e hipotenar, contém uma
depressão que transporta um conteúdo líquido. Esta depressão resulta não só do
maciço muscular tenar e hipotenar, como também dos movimentos das articulações
meso-metacárpicas.

 Movimentos dos dedos trifalângicos


.Flexão/extensão
.Abdução/adução
.Rotação (passiva)

 Movimentos do 1ºdedo

A articulação trapezo-primo-metacárpica confere ao1ºdedo a sua orientação espacial e


a possibilidade de rotação automática. As outras articulações metacárpico-falângicas
e interfalângica permitem a flexão do 1ºdedo.

O 1ºdedo pode executar 4 tipos de movimentos:

 Abdução e extensão – resulta da ação do músculo curto abdutor do 1ºdedo e


do longo abdutor do 1ºdedo, bem como do músculo curto flexor do 1ºdedo.
 Adução – resulta da ação do músculo adutor do 1ºdedo, do músculo
1ºinterósseo dorsal, do músculo longo extensor do 1ºdedo, do músculo curto
flexor do 1ºdedo e do músculo oponente do 1ºdedo.
 Oponência – resulta da ação do músculo oponente do 1ºdedo, do músculo
adutor do 1ºdedo, do músculo curto flexor do 1ºdedo e do músculo longo flexor
do 1ºdedo.
 Reposição – resulta da ação do músculo extensor do 1ºdedo, do músculo curto
extensor do 1ºdedo e do músculo longo abdutor do 1ºdedo.

272
4.3. Miologia do Membro Superior

273
Músculos da Espádua
Dividem-se em quatro grupos: anterior, posterior, interno e externo.

Anterior Posterior Interno Externo


Músculo subclávio Músculo infra- Músculo grande Músculo deltóide
(plano profundo) escapular ou sub- dentado
escapular
(face anterior da
omoplata)
Músculo pequeno Músculo infra-
peitoral (plano espinhoso
profundo) (face posterior da
omoplata)
Músculo grande Músculo supra-
peitoral (plano espinhoso
superficial) (face posterior da
omoplata)
Músculo pequeno
redondo
(face posterior da
omoplata)
Músculo grande
redondo
(face posterior da
omoplata)
Músculo grande
dorsal
(face posterior da
omoplata)

274
Grupo anterior:

. Plano profundo:

Músculo subclávio – insere-se na face superior da 1ª


costela e da 1ª cartilagem costal. As suas fibras
dirigem-se para fora, trás e cima, inserindo-se depois
na goteira do subclávio, na face inferior da
clavícula.
Tem por acção o abaixamento da clavícula ou
tendo como ponto fixo a clavícula, actua como
inspirador acessório, elevando a 1ª costela. É
inervado por um ramo colateral do plexo
braquial, com origem no tronco secundário
ântero-externo ou na face anterior do plexo e
que desce ao longo do bordo externo do escaleno anterior.

Músculo pequeno peitoral – insere-se por três


digitações nas faces externas e bordos
superiores das 3ª, 4ª e 5ª costelas. Às
digitações segue-se uma lâmina muscular, que se
insere por um tendão na porção anterior do
bordo interno da apófise coracoideia.
Tem por acção baixar a espádua, quando toma
por ponto fixo as costelas, ou elevar as costelas,
funcionando como inspirador auxiliar, quando o seu
ponto fixo é a escápula. É inervado por um ramo
colateral do tronco secundário ântero-
interno do plexo braquial, que surge entre a artéria e a veia axilares.

O músculo subclávio está separado do pequeno peitoral pelo espaço clavi-peitoral,


em forma de triângulo de base interna.

275
. Plano superficial:

Músculo grande peitoral – insere-se no bordo


anterior da clavícula, metade correspondente
da face anterior do esterno, na face externa
das 5 ou 6 primeiras cartilagens costais e
na porção anterior da bainha do músculo
grande recto do abdómen.
A estas fibras seguem-se duas lâminas
musculares, que se inserem no lábio externo
da goteira bicipital do úmero.
Realiza adução e rotação interna do úmero.
Tendo por ponto fixo o úmero, funciona como
inspirador acessório, elevando a grelha costal.
É inervado por um ramo colateral do plexo
braquial, proveniente do tronco secundário ântero-externo, que cruza a face
anterior da artéria axilar.

Grupo posterior:

Músculo infra-escapular ou sub-escapular – insere-se na face anterior da omoplata,


indo depois inserir-se, sob a forma de tendão, no troquino do úmero, na sua porção
súpero-interna, bem como na sua crista. Apresenta duas bolsas sinoviais
constantes: a bolsa infra-coracoideia (entre o
bordo superior do músculo, face anterior do
segmento vertical da apófise coracoideia e porção
adjacente da cápsula articular) e a bolsa infra-
tendinosa do múscula infra-escapular ou sub-
escapular (ao longo do bordo superior do músculo,
entre este e a cápsula articular).
Provoca a rotação interna do úmero, bem como
a sua adução. Mantém também em contacto as
superfícies articulares da articulação escápulo-umeral.

276
Músculo supra-espinhoso – insere-se na porção interna da fossa supra-espinhosa
da omoplata, bem como na aponevrose que a recobre. Passa inferiormente à
articulação acrómio-clavicular e ao ligamento acrómio-coracoideu e superiormente à
articulação escápulo-umeral.

Termina por um tendão na face superior do


troquiter do úmero. Realiza abdução do
braço, bem como rotação externa do
úmero.
É inervado por um ramo da face posterior
do primeio tronco primário do plexo
braquial, que atravessa a chanfradura
coracoideia, penetrando nas fossas supra e
infra-espinhosas.

Músculo infra-espinhoso – insere-se na fossa infra-espinhosa da omoplata, na


porção interna da aponevrose infra-espinhosa, no lábio inferior do bordo
posterior da espinha da omoplata e no septo fibroso que o separa dos
músculos grande e pequeno redondos.

Estas fibras musculares inserem-se depois na


faceta média do troquíter do úmero,
passando posteriormente à articulação
escápulo-umeral. Realiza a rotação externa,
abdução e extensão do braço, para além
de manter em contacto as superfícies
articulares da articulação escápulo-
umeral.

É inervado por dois nervos: o superior e o


inferior.
O superior nasce do tronco secundário
posterior do plexo braquial e destina-se aos feixes superiores do músculo, sendo
que o inferior tem a mesma origem e se destina aos feixes médios e inferiores do
músculo.

277
Músculo pequeno redondo – insere-se na
porção externa da fossa infra-espinhosa
da omoplata, da porção inferior da
aponevrose que o recobre, bem como dos
septos fibrosos que o separam dos
músculos infra-espinhoso e grande
redondo. Passa posteriormente à articulação
escápulo-umeral e insere-se então na faceta
inferior do troquíter do úmero.
Apresenta idênticas ações às do músculo
infra-espinhoso.

Músculo grande redondo – insere-se na porção inferior e externa infra-espinhosa,


inferiormente ao pequeno redondo e externamente ao infra-espinhoso, bem como nos
septos fibrosos que o separam destes músculos e ainda na aponevrose que o
recobre.
Insere-se, depois, através de um tendão, no lábio interno da goteira bicipital do
úmero. Apresenta uma bolsa sinovial constante (anterior), que o separa do
músculo grande dorsal, e outra inconstante (posterior), que o separa da porção
correspondente do úmero. Realiza rotação interna e adução do úmero. Quando
toma por ponto fixo o úmero, executa a elevação do ângulo inferior da omoplata
e consequente elevação do ombro. É inervado por um ramo proveniente do tronco
secundário posterior do plexo braquial.

Espaço triangular omo-umeral –


devido à direcção das fibras dos
músculos grande e pequeno
redondo, que provoca o
distanciamento gradual de ambos os
músculos, forma-se um espaço
triangular, denominado espaço
triangular omo-umeral, limitado:
EXT – colo cirúrgico do úmero
SUP-INT – músculo pequeno redondo
INT – bordo externo da omoplata
INF-EXT – músculo grande redondo

278
Este espaço é atravessado pelo tendão da longa porção do tricípite braquial, que
o divide em triângulo omo-tricipital (internamente) e quadrilátero úmero-
tricipital.
 Triângulo omo-tricipital: limitado superiormente pelo músculo pequeno
redondo, inferiormente pelo músculo grande redondo e externamente pelo
tendão da longa porção do tricípete braquial. É atravessado pela artéria scapular
inferior e veias satellite.

 Quadrilátero úmero-tricipital: limitado superiormente pelo músculo infra-


escapular (ant) e pelo músculo pequeno redondo (post), inferiormente pelo
músculo grande redondo e pelo grande dorsal, externamente pelo úmero e
internamente pelo tendão da longa porção do tricípete braquial. É atravessado
pelo nervo axilar, pela artéria circunflexa posterior e por veias satellite.

Músculo grande dorsal – insere-se nas apófises espinhosas e ligamentos supra-


espinhosos das seis últimas vértebras torácicas e cinco lombares, na crista
sagrada média, no terço posterior da crista ilíaca (através de uma lâmina
tendinosa denominada aponevrose lombar ou fascia tóraco-lombar) e na face
externa das quatro últimas costelas.
Vai depois inserir-se, sob a forma de tendão,
na goteira bicipital do úmero, mais
propriamente no seu fundo, estando
separado do músculo grande redondo por
uma bolsa sinovial. Provoca a rotação
interna do braço, deslocando-o
também posteriormente. Quando o seu
ponto fixo é o úmero, eleva o tronco. É
inervado por um ramo que nasce do tronco
secundário posterior do plexo braquial.

Coifa dos rotadores – é composta pelos músculos supra-espinhoso, infra-


espinhoso, pequeno redondo e sub-escapular. Os 3 primeiros músculos têm
idênticas funções: a extensão e rotação externa do braço. O último é rotador interno e
adutor do braço. Mnemónica: PRIESESE (pequeno redondo, infra-espinhoso, supra-
espinhoso e sub-escapular).

279
**NOTA: algumas fontes bibliográficas apenas consideram como pertencentes à coifa
dos rotadores os 3 músculos extensores e rotadores externos: supra-espinhoso,
infra-espinhoso e pequeno redondo.

Grupo interno

Músculo grande dentado – insere-se nas primeiras dez costelas, apresentando três
porções: porção superior ou primeira porção (bordo externo da primeira
costela, face externa da segunda e arco aponevrótico intermédio a estas
inserções, terminando depois no ângulo súpero-interno da face anterior da
omoplata); porção média ou segunda porção (insere-se nas faces externas das
segunda, terceira e quarta costelas, inserindo-se depois no bordo espinhal da
omoplata); e porção inferior ou terceira porção (insere-se na face externa
desde a quinta à décima costelas, fixando-se depois no ângulo inferior da face
anterior da omoplata).

Este músculo está separado da parede torácica por um espaço celular que funciona
como uma superfície de deslizamento, sobre a qual se movimenta a omoplata sobre o
tórax. Mantém a omoplata aplicada sobre o tórax, sendo que quando toma por
ponto fixo a parede torácica, desloca a omoplata para a frente e para fora,
elevando o ombro, ou seja, constitui o movimento de báscula da omoplata.

Quando o seu ponto fixo é a omoplata, eleva as costelas, convertendo-se em


inspirador acessório.

O nervo do grande dentado tem origem em duas raízes, provenientes de C5 e C6,


que são acompanhadas da artéria mamária externa no seu percurso pela parede lateral
do tórax.

280
Grupo externo

Músculo deltóide – insere-se através de três tipos de feixes: anteriores (insere-se


na porção externa do bordo anterior da clavícula, bem como na sua face
superior); médios (vértice e bordo externo do acrómio); e posteriores (porção
inferior do bordo posterior da espinha da omoplata). Forma-se então um corpo
muscular, que se vai inserir no V deltoideu, na face externa do úmero. Cobre a
articulação escápulo-umeral, bem como os
músculos péri-articulares.

O músculo deltóide está separado do


músculo grande peitoral pelo espaço
delto-peitoral, por onde passa a veia
cefálica. Entre o músculo e a articulação e
restantes músculos péri-articulares, existe
uma bolsa sinovial, denominada bolsa
sub-deltoideia ou sub-acromial. Realiza
a abdução do braço.
Quando os seus feixes anteriores se
contraem, dá-se a flexão do braço,
quando são os seus feixes posteriores a
contrair, dá-se a extensão do braço.

281
Músculos do Braço
Grupo anterior Grupo posterior
Músculo córaco-braquial Músculo tricípete braquial
(plano profundo)
Músculo braquial (plano profundo)
Músculo bicípete braquial
(plano superficial)

Grupo anterior

Plano profundo:

Músculo córaco-braquial – insere-se no vértice da apófise coracoideia, por um


tendão comum com à curta porção do músculo bicípete braquial. Atravessa a axila,
posteriormente ao músculo grande peitoral e anteriormente ao tendão do sub-escapular,
do qual está separado por uma bolsa sinovial, bem como do grande dorsal e grande
redondo. Insere-se depois na face interna do úmero. Frequentemente é atravessado
pelo nervo músculo-cutâneo. Realiza flexão e adução do braço. É inervado pelo
nervo do córaco-braquial, ramo do nervo músculo-cutâneo.

282
Músculo braquial anterior – insere-se no bordo anterior, bem
como nas faces interna e externa do úmero e da face
anterior dos septos intermusculares interno e externo do
braço, inserindo-se depois na face inferior da apófise
coronoideia do cúbito. Realiza a flexão do antebraço sobre
o braço. Recebe ramos provenientes do nervo músculo-
cutâneo, bem como do nervo radial.

Plano superficial:

Músculo bicípete braquial – a sua curta porção insere-se, por um tendão comum com
o músculo córaco-braquial, no vértice da apófise coracoideia. A sua longa porção
insere-se na porção superior do debrum glenoideu e no rebordo da cavidade
glenoideia da omoplata, sendo que percorre depois a
goteira bicipital do úmero, onde é recoberta pelo
ligamento umeral transverso.

Os dois corpos musculares unem-se e formam um corpo


muscular, que se insere na porção posterior da
tuberosidade bicipital do rádio, apresentando uma
bolsa sinovial entre a porção anterior desta e o corpo
muscular. Envia ainda uma expansão aponevrótica,
denominada aponevrose bicipital ou lacertus fibrosus,
que se confunde com a aponevrose dos músculos
epitrocleares.

Realiza a flexão do antebraço sobre o braço e, quando


em pronação, coloca o antebraço em supinação e
depois flexiona-o sobre o braço. Caminha entre este
músculo e o músculo braquial anterior o nervo músculo-cutâneo. Cada porção
apresenta um nervo, ramos do musculo-cutâneo.

283
Grupo posterior

Músculo tricípete braquial – divide-se em três feixes musculares: a longa porção


do tricípete braquial, o vasto interno e o vasto externo.
A longa porção do tricípete braquial insere-se na tuberosidade infra-glenoideia da
omoplata e no bordo axilar, bem como no debrum
glenoideu. Atravessa o espaço omo-umeral e fixa-se na
porção posterior da face superior do olecrânio.
O músculo vasto interno insere-se na face posterior do
úmero infero-internamente à goteira radial, assim
como nos septos intermusculares interno e externo do
braço. É coberto pela longa porção do tricípete e pelo
músculo vasto externo e insere-se nas faces interna e
externa do olecrânio.
O músculo vasto externo insere-se na face posterior do
úmero, súpero-externamente à goteira radial, sendo
que passa posteriormente a esta, constituindo assim um
canal ósteo-muscular, por onde passam o nervo radial
e a artéria umeral. Termina na porção superior da face
posterior do olecrânio.

O músculo tricípete braquial é um extensor do antebraço sobre o braço. Recebe


inervação pelos ramos colaterais do nervo radial (nervos cutâneo interno, da longa
porção do tricípete, superior do vasto interno, do vasto interno e do ancóneo e do vasto
externo).

Nota: existe uma mnemónica para os músculos que se inserem na goteira bicipital do
úmero: GRANDE P* DO ROUVIÈRE (grande peitoral; grande dorsal e grande
redondo).

284
Músculos do Antebraço
Anterior Externo Posterior
Músculo quadrado pronador Músculo curto supinador Músculo longo abdutor do
(plano profundo ou do 1º dedo (plano profundo)
quadrado pronador)
Músculo flexor comum Músculo curto radial Músculo curto extensor do
profundo dos dedos (plano dos 1º dedo (plano profundo)
flexores profundos)
Músculos lumbricais ou Músculo longo radial Músculo longo extensor do
lumbricóides (plano dos 1º dedo (plano profundo)
flexores profundos)
Músculo longo flexor do 1º Músculo longo supinador Músculo extensor próprio
dedo (plano dos flexores do 2º dedo (plano
profundos) profundo)
Músculo flexor comum Músculo extensor comum
superficial dos dedos (plano do dos dedos (plano
flexor comum superficial dos superficial)
dedos)
Músculo redondo pronador Músculo extensor próprio
(plano dos epitrocleares do 5º dedo (plano
superficiais) superficial)
Músculo grande palmar (plano Músculo cubital posterior
dos epitrocleares superficiais) (plano superficial)
Músculo cubital anterior (plano Músculo ancóneo (plano
dos epitrocleares superficiais) superficial)
Músculo pequeno palmar
(plano dos epitrocleares
superficiais)

Grupo anterior

Plano profundo:

Músculo quadrado pronador – insere-se na porção inferior


do bordo interno do cúbito, bem como na sua face
anterior, indo depois inserir-se na porção inferior da face
anterior e no bordo externo do rádio.
Realiza a pronação do antebraço e da mão.
É inervado pelo nervo mediano, pelo chamado nervo
interósseo anterior.

285
Plano dos músculos flexores profundos:
Músculo flexor comum profundo dos dedos – insere-se na
porção superior das faces anterior e interna do cúbito,
nas faces interna e anterior da apófise coronoideia, na
aponevrose tendinosa que o recobre, na face anterior do
ligamento interósseo e no bordo interósseo do rádio. O
músculo divide-se depois em quatro feixes musculares, que
passam anteriormente ao músculo quadrado pronador e que
terminam por quatro tendões perfurantes, que atravessam o
canal cárpico. Vão então inserir-se nos últimos quatro dedos,
nomeadamente na face anterior da base da 3ª falange.
Realiza a flexão da 3ª falange sobre a 2ª, bem como da
2ª sobre a 1ª e da 1ª sobre o metacarpo.
Realiza ainda a flexão da mão sobre o antebraço.
Recebe inervação do nervo mediano e os seus feixes mais
internos são inervados pelo nervo cubital.

Canal cárpico – formado pela goteira cárpica e pelo


ligamento anular anterior do carpo.

Músculos lumbricais ou lumbricóides – o 1º e 2º lumbricóides inserem-se no bordo


externo e na face anterior do correspondente tendão do músculo flexor
comum profundo dos dedos.
Já o 3º e o 4º lumbricóides inserem-se no bordo externo e na face anterior dos
dois tendões entre os quais se situam. Alcançam a face externa da articulação
metacárpico-falângica correspondente,
dando origem a uma lâmina tendinosa, que se
junta à expansão tendinosa do músculo
interósseo, terminando no bordo externo
do tendão do músculo extensor do dedo
correspondente.
Flexionam a 1ª falange e estendem as 2ª
e 3ª falanges.
Os dois primeiros lumbricóides recebem
ramos do 1º ramo ou ramo tenar do nervo
mediano.
O 3º e 4º lumbricóides são inervados pelo
ramo terminal profundo do nervo cubital.

286
Músculo longo flexor do 1º dedo – insere-se na face anterior do
rádio, desde a tuberosidade bicipital até ao músculo quadrado
pronador e na face externa da apófise coronoideia. Aos feixes
musculares segue-se um longo tendão, que atravessa o canal
cárpico, reflectindo-se sobre o osso trapézio e fixando-se na
face anterior na base da 2ª falange do 1º dedo. Flexiona a
2ª falange sobre a 1ª e a 1ª sobre o 1º osso metacárpico.
Recebe inervação do nervo mediano do plexo braquial.

Plano do músculo flexor comum superficial dos dedos:

Músculo flexor comum superficial dos dedos – insere-se por dois feixes: feixe úmero-
cubital (insere-se na face anterior da epitróclea,
pelo feixe comum dos músculos epitrocleares, na
apófise coronoideia e nos septos tendinosos
intermusculares) e feixe radial (insere-se no bordo
anterior do rádio). Os dois feixes, quando se unem,
formam uma arcada atravessada pela artéria cubital e
pelo nervo mediano.
A massa muscular desce anteriormente aos músculos
flexor comum profundo dos dedos e longo flexor do 1º
dedo, dividindo-se depois em quatro tendões, que
atravessam o canal cárpico, sendo que na palma da
mão cada tendão recobre o tendão do músculo flexor
comum profundo dos dedos, dividindo-se em duas
porções, que se inserem nos bordos externo e
interno da 2ª falange.
Realiza a flexão da 2ª falange sobre a 1ª, bem
como da 1ª falange sobre o metacarpo e da mão
sobre o antebraço. Recebe inervação do nervo
mediano, ramo do plexo braquial.

287
Plano dos músculos epitrocleares superficiais:

Músculo redondo pronador – insere-se, superiormente, por dois


feixes: o epitroclear (que se insere na face anterior e bordo
superior da epitróclea, pelo tendão comum dos músculos
epitrocleares, na porção muscular do septo intermuscular
interno do braço, no bordo ântero-interno do úmero e no
septo tendinoso que o separa do músculo grande palmar) e
o coronoideu (que se insere na apófise coronoideia,
internamente ao músculo braquial anterior e externa e
inferiormente ao músculo flexor comum profundo dos dedos).
Da reunião destes dois feixes forma-se um espaço por onde passa o
nervo mediano. Termina inserindo-se na face externa do rádio.
Realiza a pronação do antebraço e da mão. O seu feixe
epitroclear é inervado pelo nervo superior do redondo
pronador, ramo do nervo mediano do plexo braquial. Recebe também inervação do
nervo inferior do redondo pronador, ramo também do nervo mediano.

Goteira interna da prega do cotovelo ou goteira bicipital interna – localiza-se


entre o músculo redondo pronador e o músculo bicípete braquial, sendo o seu
fundo composto pelo músculo braquial anterior. Nela passam os vasos umerais e
o nervo mediano.

Músculo grande palmar – insere-na na epitróclea, através do tendão comum dos


músculos epitrocleares, na aponevrose que o recobre, nos septos fibrosos que
o separam externamente do músculo redondo pronador, internamente do
músculo pequeno palmar e posteriormente
do músculo flexor comum superficial dos
dedos. Segue-se um corpo muscular, anterior ao
músculo comum superficial dos dedos, que é
continuado por um tendão, que passa na porção
externa do canal cárpico, inserindo-se na face
anterior da base do 2º metacárpico e na
base do 3º metacárpico.
Flexiona a mão sobre o antebraço, realizando
também a pronação e a abdução da mão.
Recebe inervação de ramos do nervo mediano.

288
Músculo pequeno palmar – insere-se na epitróclea, internamente ao músculo grande
palmar, nos septos fibrosos que o separam externamente do grande palmar,
internamente do cubital anterior e
posteriormente do flexor comum superficial
dos dedos.
Continua-se por um tendão que se estende
anteriormente ao ligamento anular anterior do
carpo, continuando-se com a aponevrose palmar
superficial.
Flexiona a mão.
Recebe inervação do nervo mediano.

Músculo cubital anterior – fixa-se por dois feixes: o feixe umeral (insere-
se no vértice e no bordo inferior da epitróclea, pelo tendão comum
dos músculos epitrocleares e nos septos fibrosos que o separam
externamente do pequeno palmar e do músculo comum superficial
dos dedos) e o feixe cubital (que se insere no bordo interno do
olecrânio, na apófise coronoideia e na porção superior do bordo
posterior do cúbito).
Os dois feixes unem-se, formando com a goteira epitrócleo-olecraniana
um espaço onde passa o nervo cubital.
Termina por um tendão que se insere na face anterior do pisiforme.
É flexor e adutor da mão.
É inervado pelo nervo cubital, ramo do plexo braquial.

Grupo externo

Músculo curto supinador – insere-se por dois feixes: o feixe superficial (insere-se no
vértice do epicôndilo e na crista que delimita posteriormente a superfície
triangular infra-sigmoideia do cúbito) e o feixe profundo (que se insere na face
anterior do epicôndilo, na superfície triangular infra-sigmoideia do cúbito e na
aponevrose de origem do feixe superficial). O feixe superficial acaba por fixar-se
na face anterior do rádio. As fibras de origem epicondiliana do feixe profundo
inserem-se no colo do rádio, superiormente à tuberosidade bicipital.

289
As fibras cubitais do feixe profundo inserem-se
nas faces anterior e externa do rádio,
externamente à tuberosidade bicipital.
Ambos os feixes deste músculo estão separados
por um interstício onde passa o ramo posterior
do nervo radial, ramo do plexo braquial.
Este nervo caminha entre os dois feixes e separa-
se do músculo ao alcançar o bordo inferior do
feixe superficial. Realiza a supinação do
antebraço. É atravessado pelo ramo terminal
posterior do nervo radial.

Músculo curto radial – insere-se no epicôndilo, através do tendão


comum dos músculos epicondilianos, superiormente ao músculo curto
supinador, bem como no septo tendinoso que o separa do
músculo extensor comum dos dedos. Recobre o curto supinador e
a porção inferior do curto supinador, continuando-se por um tendão ao
longo da face externa do rádio. Este tendão introduz-se num canal
ósteo-fibroso, que corresponde à goteira radial (na face externa da
porção inferior do rádio) e que compartilha com o músculo longo radial.
Insere-se, por fim, na base da apófise estiloideia do 3º osso
metacárpico, passando pela face dorsal do carpo.
Realiza extensão e abdução da mão.
É inervado pelo nervo do curto radial, proveniente do ramo
terminal posterior do nervo radial.

Músculo longo radial – insere-se na extremidade inferior do bordo


externo do úmero, no septo intermuscular externo do braço e na
massa tendinosa dos músculos epicondilianos. Cobre o músculo
curto radial e continua-se por um tendão, passando externamente ao
tendão do curto radial no canal ósteo-fibroso da extremidade inferior do
rádio. Insere-se então na porção externa da face dorsal da base do
2º metacárpico.

290
É extensor e abdutor da mão. Rcebe inervação do nervo radial, ramo do plexo
braquial.

Músculo longo supinador – insere-no no bordo externo do úmero,


superiormente ao músculo longo radial e até à goteira radial, e no
septo intermuscular externo do braço. Cobre os músculos radiais,
a extremidade inferior do redondo pronador e a face externa do rádio.
Continua-se por um tendão que se insere na apófise estiloideia do
rádio.
Realiza flexão do antebraço sobre o braço, bem como supinação,
quando o antebraço está em pronação.É inervado pelo nervo
radial.
O ramo terminal anterior (sensitivo) do nervo radial passa por
debaixo do seu tendão, ao nível do terço inferior do antebraço.

Goteira externa da prega do cotovelo ou goteira bicipital externa – na porção


inferior do braço os músculos longo supinador e longo radial estão separados dos
músculos bicípete braquial e braquial anterior por uma goteira, na qual passam o
nervo radial, o ramo anterior da artéria umeral profunda e a artéria
recorrente radial anterior.

Goteira do pulso – é limitada pelos músculos grande palmar e longo supinador,


sendo percorrida pela artéria radial, que passa sobre os músculos quadrado pronador
e curto flexor do 1º dedo.

Grupo posterior

Plano profundo:

Músculo longo abdutor do 1º dedo – insere-se na face posterior do


cúbito e do rádio, inferiormente ao músculo curto supinador e no
ligamento interósseo do antebraço (no ligamento oblíquo
rádio-cubital). Acima do carpo, continua-se por um tendão que
cruza os tendões dos músculos radiais, estando separado destes por
uma bolsa sinovial. O tendão passa num canal ósteo-fibroso, na

291
face externa da extremidade inferior do rádio, à frente do canal dos músculos
radiais. Insere-se por fim na face externa da base do 1º osso metacárpico,
enviando uma expansão tendinosa à aponevrose palmar externa. Realiza a abdução
do 1º dedo.
Recebe inervação dos ramos anteriores provenientes do ramo terminal
posterior do nervo radial.

Músculo curto extensor do 1º dedo – insere-se no cúbito,


no rádio e no ligamento interósseo do antebraço,
inferiormente ao longo abdutor do 1º dedo. Passa pela face
dorsal do 1º osso metacárpico e insere-se na face dorsal
da base da 1ª falange do 1º dedo.
Realiza extensão e abdução do 1º dedo e do seu osso
metacárpico.
É inervado pelos ramos anteriores do ramo terminal
posterior do nervo radial.

Músculo longo extensor do 1º dedo – insere-se ao longo do terço médio da face


posterior do cúbito, no ligamento interósseo do antebraço e nos septos
fibrosos que o separam dos músculos cubital anterior e extensor próprio do
2º dedo. Acima do carpo o corpo muscular continua-se por um tendão, que passa
numa bainha ósteo-fibrosa na face posterior da extremidade inferior do rádio, infero-
internamente à bainha dos músculos radiais. O tendão passa pelo bordo interno do 1º
osso metacárpico, cruzando os tendões dos radiais e insere-se na base da face
superior da 2ª falange do 1º dedo.
Realiza a extensão da 2ª falange sobre a 1ª, da 1ª sobre o 1º osso
metacárpico e do 1º osso metacárpico sobre o carpo. Recebe inervação dos
ramos anteriores do ramo terminal posterior do nervo radial.

Tabaqueira anatómica – resulta da separação dos tendões dos músculos


extensores do 1º dedo, na região da articulação do punho. No fundo deste espaço
passam a artéria radial e os tendões dos músculos longo e curto radiais.

292
Músculo extensor próprio do 2º dedo – insere-se na face
posterior do cúbito, infero-internamente ao músculo longo
extensor do 1º dedo, no ligamento interósseo do antebraço e
no septo fibroso que o separa do músculo longo extensor
do 1º dedo. O corpo muscular continua-se por um tendão que se
aloja numa bainha ósteo-fibrosa da extremidade inferior do rádio,
por onde passam também os músculos extensor comum dos
dedos. O tendão continua-se na face dorsal do carpo e termina na
articulação metacárpico-falângica do 2º dedo, unindo-se ao
tendão correspondente do músculo extensor comum dos dedos.
É extensor do 2º dedo.
É inervado pelos ramos anteriores do ramo terminal
posterior do nervo radial.

Plano superficial:

Músculo extensor comum dos dedos – insere-se na face posterior


do epicôndilo, pelo tendão comum dos músculos epicondilianos, na
aponevrose tendinosa que o recobre superiormente e nos
septos tendinosos que o separam externamente do músculo
curto radial, internamente do músculo extensor próprio do
5º dedo e anteriormente do músculo curto supinador.

Desce pela face posterior do antebraço, dividindo-se depois em


quatro feixes que se continuam com quatro tendões que passam,
conjuntamente com o tendão do músculo extensor próprio do 2º
dedo, numa bainha ósteo-fibrosa na face posterior da extremidade
inferior do rádio. Os tensões dirigem-se para os últimos quatro dedos,
estando unidos, na face dorsal da mão, por fitas fibrosas
intertendinosas oblíquas e transversais.

Na 1ª falange, cada tendão recebe as expansões tendinosas dos


músculos lumbricóides e interósseos. Ao nível de cada articulação
metacárpico-falângica, os tendões enviam uma expansão fibrosa
que se insere na base da 1ª falange e que adere à cápsula
articular.

293
Ao nível da face dorsal da 1ª falange, cada tendão divide-se em três lamelas
tendinosas: uma média, que se insere na face posterior da base da 2ª falange e
duas laterais, que se inserem na base da face posterior da 3ª falange.
Realiza a extensão das 2ª e 3ª falanges sobre a 1ª, da 1ª sobre o metacarpo e
da mão sobre o antebraço.
É inervado pelos ramos posteriores do ramo terminal posterior do nervo radial.

Músculo extensor próprio do 5º dedo – insere-se no epicôndilo, nos


septos tendinosos que o separam externamente do músculo
extensor comum dos dedos, internamente do cubital posterior
e anteriormente do curto supinador, e na aponevrose que o
recobre. O corpo muscular continua-se por um tendão que passa
numa bainha fibrosa, posteriormente à cabeça do cúbito e à interlinha
articular rádio-cubital.
Ao nível da articulação metacárpico-falângica do 5º dedo, une-
se ao tendão correspondente do músculo extensor comum dos
dedos e termina de forma semelhante a este, nas falanges.
A sua ação é semelhante à do extensor comum dos dedos,
apenas aplicada ao 5º dedo.
Recebe inervação dos ramos posteriores do ramo terminal
posterior do nervo radial.

Músculo cubital posterior – insere-se no epicôndilo, no bordo


posterior do cúbito, desde a inserção do músculo ancóneo até ao
terço inferior do osso e nos septos tendinosos que o separam
externamente do músculo extensor próprio do 5º dedo e
anteriormente do curto supinador. O corpo muscular recobre o
músculo curto supinador, a porção interna da face posterior do cúbito
e as inserções superiores dos músculos do plano profundo.
Converte-se depois em tendão, que passa numa bainha ósteo-fibrosa
existente entre a cabeça do cúbito e a apófise estiloideia. Insere-se,
por fim, no tubérculo interno da extremidade superior do 5º
osso metacárpico.
Realiza extensão e adução da mão.
É inervado pelos ramos posteriores do ramo terminal posterior
do nervo radial.

294
Músculo ancóneo – insere-se no vértice e na face posterior do
epicôndilo, por um tendão próprio. As fibras musculares cobrem a
articulação úmero-radial e a porção posterior do músculo curto supinador.
Insere-se na face lateral externa do olecrânio e no terço superior da
face posterior do cúbito.
É extensor do antebraço.
Recebe inervação do nervo ancóneo.

Mnemónicas:

Músculos epicondilianos:

Segundo Robin, Exterminador (de) Capitalistas Exemplar, Portugal (foi) Corrompido Por
Cavaco Silva.

(Segundo Radial (curto radial); Extensor Comum dos dedos; Extensor Próprio do 5º
dedo; Cubital Posterior; Curto Supinador)

Músculos epitrocleares:

Roosevelt Presidente, (com) Grandes Palmadas (e) Pequenas Palmadas, Comprou


Açores ao Fascista Salazar.

(Redondo Pronador; Grande Palmar; Pequeno Palmar; Cubital Anterior; Flexor comum
Superficial dos dedos)

Grupo muscular externo:

Censura Salazarista Corta Rédeas (a) Livros Rebeldes (de) Loucos Surrealistas.

(Curto Supinador; Curto Radial; Longo Radial; Longo Supinador)

295
Músculos da Mão

Grupo médio Grupo externo ou grupo Grupo interno ou grupo da


da eminência tenar eminência hipotenar
Músculos lumbricais Músculo adutor do 1º dedo Músculo oponente do 5º dedo
Músculos interósseos Músculo curto flexor do 1º Músculo curto flexor do 5º dedo
dorsais dedo
Músculos interósseos Músculo oponente do 1º dedo Músculo adutor/abdutor* do 5º
palmares dedo
Músculo curto abdutor do 1º Músculo palmar cutâneo
dedo

Grupo Médio

Músculos interósseos dorsais – são em número de quatro e


inserem-se nas faces externa ou interna dos dois ossos
metacárpicos que limitam o espaço interósseo.
Cada músculo continua-se por um tendão que se divide em
dois feixes, um superficial e outro profundo.
O feixe superficial recebe a lâmina tendinosa proveniente do
músculo lumbrical correspondente.
Termina inserindo-se no bordo externo do tendão do
músculo extensor correspondente, ao longo da 1ª e 2ª
falanges.
O feixe profundo insere-se no tubérculo lateral da extremidade superior da 1ª
falange.

Flexionam a 1ª falange e estendem as outras duas e


provocam a abdução dos dedos da mão.
São inervados pelo ramo terminal profundo do nervo
cubital do plexo braquial.

296
Músculos interósseos palmares – cada um destes
músculos insere-se na metade anterior da face
interna ou externa do osso metacárpico que
se encontra mais longe do eixo da mão.
Como só se inserem apenas num osso metacárpico,
o 3º não apresenta músculo interósseo palmar.
O 1º interósseo palmar apresenta uma inserção
particular: insere-se na porção superior do 1º
osso metacárpico, na base do 2º metacárpico
e de uma arcada fibrosa que se estende entre o
1º osso metacárpico e o osso trapézio.
Também continuam por um tendão que divide em
dois feixes, um superficial e outro profundo.

O feixe superficial termina no tendão do músculo


extensor do dedo correspondente.

O feixe profundo insere-se no tubérculo lateral


da extremidade superior da 1ª falange que
corresponde ao osso metacárpico no qual se
insere o músculo.

Flexionam a 1ª falange e estendem as outras


duas e fazem a adução dos dedos da mão.

São inervados pelo ramo terminal profundo do


nervo cubital do plexo braquial.

Grupo Muscular Externo ou da Eminência Tenar

Músculo adutor do 1º dedo – insere-se no osso trapezóide,


no grande osso, por vezes também no osso trapézio, nos
ligamentos que recobrem a face anterior do carpo, na
base do 2º osso metacárpico, na base e no bordo
anterior do 3º osso metacárpico, na face anterior da
cápsula articular da 2ª, 3ª e 4ª articulações

297
metacárpico-falângicas e na aponevrose palmar
profunda, ao nível do 3º espaço interósseo metacárpico.

As fibras musculares cobrem os dois primeiros espaços


interósseos do metacarpo, bem como os músculos
interósseos correspondentes. Insere-se, por fim, no osso
sesamóide interno do 1º dedo e na face interna da
base da 1ª falange do 1º dedo.

Possui um interstício por onde passa a artéria radial.

É adutor do 1º dedo.

É inervado pelo 2º ramo terminal do nervo mediano do plexo braquial.

Músculo curto flexor do 1º dedo – insere-se por dois feixes: um


superficial e outro profundo.

O feixe superficial insere-se no tubérculo do trapézio e no


bordo inferior do ligamento anular anterior do carpo.

O feixe profundo insere-se na face anterior do osso trapezóide


e do grande osso.

Como resultado da união dos dois feixes forma-se uma goteira onde
repousa o tendão do músculo longo flexor do 1º dedo.
Insere-se depois no osso sesamóide externo, no tubérculo lateral externo da
extremidade superior da 1ª falange do 1º dedo.

Realiza flexão e adução do 1º dedo.

Recebe inervação do 2º ramo terminal do nervo mediano


do plexo braquial.

298
Músculo oponente do 1º dedo – insere-se no tubérculo do
trapézio e na face anterior do ligamento anular anterior
do carpo.
Cobre o 1º osso metacárpico e termina na face anterior
deste.
Desloca o 1º osso metacárpico para a frente e para
dentro.

Músculo curto abdutor do 1º dedo – insere-se no tubérculo do


escafóide, na face anterior do ligamento anular anterior do
carpo.
Cobre os músculos oponente do 1º dedo e curto flexor do 1º dedo.
Insere-se, por fim, no tubérculo externo da extremidade
superior da 1ª falange do 1º dedo.
Desloca o 1º dedo e o seu osso metacárpico para fora e
para a frente.

Grupo Interno ou da Eminência Hipotenar

Músculo oponente do 5º dedo – insere-se na face interna da apófise unciforme do


osso unciforme, na porção inferior do ligamento anular anterior do carpo e na
arcada fibrosa dos músculos da eminência hipotenar, que se estende desde o
osso pisiforme até à apófise unciforme.

Passa anteriormente ao 5º osso metacárpico e termina inserindo-se no bordo


interno e na face interna deste.

Movimenta o 5º dedo para a frente e para fora, opondo-o ao 1º dedo.

Recebe inervação do ramo terminal profundo do nervo cubital do plexo braquial.

Músculo curto flexor do 5º dedo – insere-se na face interna da apófise unciforme


do osso unciforme, na porção ântero-interna do ligamento anular anterior do
carpo e na arcada fibrosa dos músculos da eminência hipotenar. Desce
anteriormente ao músculo oponente do 5º dedo e insere-se, por fim, na extremidade

299
superior da 1ª falange do 5º dedo, no ligamento glenoideiu e no osso
sesamóide.

Realiza a flexão do 5º dedo.

É inervado pelo ramo terminal profundo do nervo cubital do plexo braquial.

Músculo adutor/abdutor* do 5º dedo – insere-se no osso pisiforme e na expansão


tendinosa do músculo cubital anterior.

Desce anteriormente ao músculo oponente do 5º dedo e internamente ao curto flexor


do 5º dedo, terminando da mesma forma que este.

É flexor e adutor/abdutor* do 5º dedo.

Recebe inervação do ramo terminal profundo do nervo cubital do plexo braquial.

Nota: na nomenclatura anglo-saxónica, este músculo é abdutor e na nomenclatura


francesa é adutor, estando esta diferença de nomes relacionada com a função do
músculo.

Músculo palmar cutâneo – insere-se no bordo interno da aponevrose palmar


média e na face profunda da derme.

Franze a pele da eminência hipotenar.

É inervado pelo ramo terminal profundo do nervo cubital do plexo braquial.

300
Aponevroses do Membro Superior

Aponevrose da espádua e região axilar

Aponevroses musculares:

Aponevrose do músculo grande peitoral – estende-se entre as duas faces do músculo e


rodeia o seu bordo inferior, sendo que o seu folheto anterior se une ao próprio músculo.

Aponevrose do músculo subclávio e do músculo pequeno peitoral. Aponevrose clavi-


pectoro-axilar – a aponevrose do múscuo subclávio estende-se de um lábio ao outro da
goteira do subclávio e contorna a face inferior do músculo. Desta aponevrose parte uma
lâmina que atinge o bordo superior do músculo pequeno peitoral, desdobrando-se em
dois folhetos, revestindo este músculo. O folheto anterior adere ao folheto profundo da
aponevrose do músculo grande peitoral e fixa-se à pele da base da axila. O folheto
posterior cpntinua-se com a aponevrose profunda da base da axila. A aponevrose clavi-
peitoral estende-se desde o músculo subclávio até ao pequeno peitoral e é atravessada
pelos nervos e vasos do músculo grande peitoral. Os dois folhetos que se estendem
desde o músculo pequeno peitoral até à base da axila tomam o nome de ligamento
suspensor da axila, ligamento de Gerdy ou aponevrose pectoro-axilar. Desta forma, a
aponevrose clavi-pectoro-axilar estende-se desde a clavícula até à base da axila,
cobrindo os músculos subclávio e pequeno peitoral.

Ligamento córaco-clavicular interno – nasce do bordo interno da apófise coracoideia,


anteriormento ao ligamento trapezóide e posteriormente à inserção do músculo
pequeno peitoral. Termina na face inferior da clavícula, no lábio anterior da goteira do
subclávio.

Ligamento córaco-clavicular externo – é uma lâmina em continuidade com a lâmina


fibrosa de terminação da aponevrose clavi-peitoral e termina na apófise coracoideia.

Aponevrose do músculo deltóide – cobre ambas as faces do músculo deltóide.


Continua-se inferiormente com a aponevrose braquial, posteriormente com a
aponevrose do músculo infra-espinhoso e anteriomente cobre o espaço delto-peitoral,
reunindo-se depois à aponevrose do músculo grande peitoral.

Aponevrose do músculo supra-espinhoso – cobre o músculo supra-espinhoso e forma,


com a fossa supra-espinhosa, a loca ósteo-aponevrótica que contém o músculo.
Externamente une-se à bolsa serosa sub-deltoideia e ao ligamento acrómio-coracoideu.

301
Aponevrose dos músculos infra-espinhoso, pequeno redondo e grande redondo – adere
a estes músculos e é composta de várias fibras entrecruzadas.

Aponevrose do músculo grande dorsal – tem continuidade com a aponevrose do


músculo grande redondo e é reforçada anteriormente pela aponevrose profunda do
escavado axilar.

Aponevrose do músculo infra-escapular ou sub-escapular – cobre este músculo, de um


lado ao outro da fossa sub-escapular.

Aponevrose do músculo grande dentado – recobre a face externa deste músculo.

Aponevrose da base da cavidade axilar:

A cavidade axilar apresenta quatro paredes:

Parede anterior Parede posterior Parede interna Parede externa


Músculo subclávio e Músculo infra- Músculo grande Músculo córaco-
sua aponevrose escapular ou sub- dentado braquial (porção
escapular superior)
Músculo pequeno Músculo grande Curta porção do
peitoral e sua redondo músculo bícipete
aponevrose braquial
Músculo grande Músculo grande Aponevrose braquial
peitoral e sua dorsal
aponevrose

A base da cavidade axilar é encerrada por duas lâminas aponevróticas, uma superficial
e outra profunda.

Aponevrose superficial – estende-se desde o bordo inferior do músculo grande peitoral


até ao bordo inferior dos músculos grande dorsal e grande redondo.

Aponevrose profunda – cobre toda a base da axila e continua, posteriomente, o folheto


profundo do ligamento suspensor da axila, ao qual se une anteriormente. Passa ântero-
superiormente aos músculos grande redondo e grande dorsal e insere-se no bordo
externo da omoplata. Adere à face anterior do tendão de longa porção do músculo
trícipete braquial. Está separada da aponevrose do músculo grade dentado por tecido
adiposo, pelos vasos mamários externos e gânglios linfáticos. Posteriormente ao
músculos córaco-braquial e trícipete braquial (longa porção deste) forma uma arcada
fibrosa, que toma o nome de arco axilar, onde se aloja o feixe vásculo-nervoso da axila.

302
Aponevrose braquial:

Envolve o braço e continua-se superiormente com as aponevroses da espádua e da


base da axila e inferiomente com a aponevrose antebraquial.
Da sua face profunda surgem os septos intermusculares interno e externo do braço.

Septo intermuscular externo – insere-se no bordo ântero-externo do úmero. Na


extremidade inferior da goteira radial do úmero, apresenta-se como uma arcada fibrosa
onde passam o nervo radial e a artéria umeral profunda. Superiormente à extremidade
inferior da goteira radial, emite dois prolongamentos, um anterior, que sobe
anteriormente ao V deltoideu e que serve de inserção aos músculos deltóide e braquial
anterior, e um prolongamento posterior, que separa o músculo deltóide do músculo
vasto externo.

Septo intermuscular interno – insere-se no bordo ântero-interno do úmero, desde a


epitróclea até à extremidade súpero-interna da goteira radial, onde é interrompido pela
passagem do nervo radial e dos vasos umerais profundos. Apresenta a Arcada de
Struthers, que se estende desde a extremidade superior deste septo até ao troquino.

Os dois septos, conjuntamente com o úmero, constituem um septo ósteo-aponevrótico,


que divide o braço em região anterior e região posterior. As duas regiões comunicam
entre si por orifícios que dão passagem a nervos e vasos. Destes orifícios, dois
apresentam particular importância: o orifício no septo intermuscular interno que confere
passagem ao nervo cubital e à artéria colateral interna superior, e o orifício no septo
intermuscular externo, que confere passagem ao nervo radial e à artéria umeral
profunda.

Canal braquial – confere passagem ao feixe vásculo-nervoso do braço e é limitado:


- anteriormente: pelo folheto aponevrótico profundo dos músculos córaco-braquial e
bícipete braquial
- posteriormente: pelo revestimento aponevrótico do músculo braquial anterior e pelo
septo intermuscular interno
- internamente: pela aponevrose braquial.

Aponevrose do antebraquial:

Apresenta continuidade com a aponevrose braquial, superiormente, e com as fibras


superficiais dos ligamentos anulares do carpo, inferiormente. Ao nível do cotovelo, a
sua face profunda serve de inserção aos músculos epitrocleares e epicondilianos.
Apresenta expansões laterais, uma interna (que se fixa no bordo posterior do cúbito) e

303
outra externa (que se fixa no bordo posterior do rádio), que, em conjunto com o cúbito,
o rádio e o ligamento interósseo, dividem o antebraço em região anterior e região
posterior.

Aponevroses palmares

Aponevrose palmar superficial:

Divide-se em aponevrose palmar média e duas porções laterais, que recobrem as


eminências tenar e hipotenar.

Aponevrose palmar média – a sua base corresponde às raízes dos quatro últimos dedos
e o seu vértice corresponde ao tendão do músculo pequeno palmar. Cobre o ligamento
anular anterior do carpo, os tendões dos músculos flexores dos dedos e os vasos e
nervos da face palmar da mão. Continua-se com as aponevroses das eminências tenar
e hipotenar. Apresenta fibras longitudinais, que são a continuação do tendão do
músculo pequeno palmar e do ligamento anular anterior do carpo e que irradiam em
direcção aos quatro últimos dedos, e fibras transversais, que são cobertas pelas
longitudinais e que constituem os ligamentos transverso superficial (estende-se desde a
face externa do 2º osso metacárpico até à face interna do 5º osso metacárpico) e inter-
digital (situado anteriormente à base das primeiras falanges).

Aponevroses palmares laterais – cobrem os músculos das eminências tenar e hipotenar.


A aponevrose palmar externa insere-se no bordo externo do 1º osso metacárpico e no
bordo anterior do 3º osso metacárpico. A ponevrose palmar interna estende-se desde o
bordo interno até ao bordo anterior do 5º osso metacárpico.

Aponevrose palmar profunda:

Cobre a face palmar dos músculos interósseos. Anteriormente à cabeça dos ossos
metacárpicos, forma o ligamento transverso profundo, que se estende desde o 2º ao 5º
ossos metacárpicos, anteriormente às articulações metacárpico-falângicas.

Aponevroses dorsais:

Há em número de duas: a superficial, que se estende do bordo externo do 1º osso


metacárpico até bordo interno do 5º osso metacárpico, cobrindo os tendões dos
músculos extensores dos dedos, e a profunda, que recobre a face dorsal dos músculos
interósseos.

304
4.4. Angiologia do Membro Superior

305
Artérias do Membro Superior

ARTÉRIA AXILAR

ORIGEM: A artéria axilar, situada na região axilar, continua a artéria subclávia, no


ponto onde esta alcança o bordo externo da 1ªcostela e da 1ªdigitação do
músculo grande dentado, penetrando na fossa axilar.

TRAJETO: estende-se desde o bordo posterior da clavícula até ao bordo inferior


do músculo grande peitoral, onde passa a chamar-se artéria umeral ou braquial.
Dirige-se para baixo, para fora e para trás, descrevendo uma curva de concavidade
ínfero-interna.

RELAÇÕES: ao longo do seu trajeto, a artéria axilar relaciona-se:

 Anteriormente: com a aponevrose clavi-peitoral e com os músculos que ela


recobre, o músculo subclávio e o músculo pequeno peitoral.
 Posteriormente: cruza, de cima para baixo, os músculos infra-escapular, grande
redondo e grande dorsal.
 Externamente: com o músculo córaco-braquial.
 Internamente: com as 2 primeiras digitações do músculo grande dentado.

306
A artéria axilar é acompanhada em toda a sua extensão pela veia axilar e pelos
ramos principais do plexo braquial:

 Na porção inferior da região axilar, a veia é interna à artéria. Ao longo do seu


trajeto, a veia axilar vai-se tornando ântero-interna à artéria homónima.

 Quando o plexo braquial entra na região axilar, é constituído por 3 feixes que são
externos à artéria.

 Ao nível da articulação escápulo-umeral, os feixes originam os ramos terminais


do plexo braquial, cada um deles com relações próprias com os vasos axilares:

 Nervo músculo-cutâneo: na sua origem, é externo à artéria, afastando-se


depois dela e penetrando no músculo córaco-braquial (também designado
“músculo perfurado” de Casserius”).

 Nervo mediano: forma-se por 2 raízes, anteriormente à artéria, tornando-se


depois ântero-externo a ela.

 Nervo cubital: é interno à artéria, passando no intertício que a separa da veia


axilar.

 Nervo braquial cutâneo interno: é anterior e interno ao nervo cubital,


situando-se ântero-externamente à veia axilar.

 Nervo acessório do braquial cutâneo interno: é posterior e interno à


artéria e posterior à veia axilar.

 Nervo axilar: penetra o espaço úmero-tricipital com a artéria circunflexa


posterior, caminhando superiormente a ela.

 Nervo radial: é posterior à artéria axilar.

RAMOS COLATERAIS: a artéria axilar dá 6 ramos colaterais (de SUP para INF),
agrupados em 4 grupos.

Artéria torácica superior Grupo Anterior


Artéria acrómio-torácica
Artéria torácica externa ou mamária externa Grupo Interno
Artéria escapular inferior Grupo Posterior
Artéria circunflexa posterior do úmero Grupo Externo
Artéria circunflexa anterior do úmero

307
 Artéria torácica superior: nasce da face anterior da artéria axilar, perto do
bordo inferior do músculo subclávio, atravessa a aponevrose clavi-peitoral e
distribui-se aos músculos peitorais e da região mamária.

 Artéria acrómio-torácica: nasce em ângulo reto da face anterior da artéria


axilar, ao nível do bordo superior do músculo pequeno peitoral. Origina 2
ramos: um acromial, para o músculo deltóide e as articulações da espádua; e
um torácico, para os músculos peitorais e da região mamária.

 Artéria torácica-externa: nasce da face interna da artéria axilar, ao nível


do bordo inferior do músculo infra-escapular.
Divide-se em 2 ramos: um torácico, para os músculos intercostais, grande
dentado e grande dorsal; e um escapular, que penetra no espaço omo-
tricipital* onde se divide ainda em 3 ramos: um anterior, para o músculo
infra-escapular; um posterior, para os músculos da fossa infra-espinhosa; e
um descendente, para irigar os músculos vizinhos, anastomosando-se com a
artéria escapular descendente.

308
 Artéria circunflexa posterior do úmero: nasce da face posterior da artéria
axilar. Atravessa o quadrilátero úmero-tricipital*, alcançando o músculo
deltóide que irriga. Ao longo do seu trajeto é acompanhada por uma veia
satélite e pelo nervo axilar, superior aos vasos circunflexos posteriores.

*ver secção Músculos da Espádua

 Artéria circunflexa anterior do úmero: nasce por fora da origem da artéria


circunflexa posterior ou de um tronco comum a ela. Contorna o colo cirúrgico do
úmero e o ligamento braquial interno, com o qual forma a arcada de
Struthers. Alcança assim a goteira bicipital, onde dá origem a 2 ramos: um
ascendente, para a articulação escapulo-umeral; e um externo, para o músculo
deltóide.

309
ARTÉRIA UMERAL OU BRAQUIAL

ORIGEM e TRAJETO: A artéria axilar, situada na região anterior do braço e do


cotovelo, continua a artéria axilar, estendendo-se até à prega do cotovelo, onde se
divide em 2 ramos terminais: as artérias radial e cubital. É praticamente retilínea
na sua extensão.

RELAÇÕES:

No braço, relaciona-se:

 Anteriormente: com o bordo interno do músculo córaco-braquial, em cima, e


com o bicípete braquial, em baixo.
 Posteriormente: em cima, com a porção interna do tricípete braquial; em
baixo, com o músculo braquial anterior.
 Internamente: com a aponevrose braquial.
 Externamente: em cima, com o músculo córaco-braquial e, em baixo, com o
interstício celuloso que separa o bicípete do braquial anterior.

A aponevrose braquial e as suas expansões sobre os músculos córaco-braquial,


bicípete e braquial anterior, constituem sobre o lado interno do braço, uma bainha
fibrosa, o canal braquial, no qual passam a artéria braquial, as suas veias
satélites, o nervo mediano e, numa parte do seu trajeto, os nervos cubital e
cutâneo antebraquial interno.

Consultar secção Aponevroses do Membro Superior para mais informação.

Na prega do cotovelo, descende na goteira bicipital interna. (consultar secção Músculos


do Membro Superior).

Ao longo do seu trajeto, a artéria é acompanhada por duas veias satélites: uma
interna e uma externa. Na entrada da região braquial anterior, relaciona-se ainda com
os ramos terminais do plexo braquial:

 O nervo mediano é anterior e externo à artéria.


 Os nervos cubital e braquial cutâneo interno são internos à artéria.
 O nervo radial é posterior à artéria.

Estas relações variam depois ao longo do trajeto pelo braço:

310
 O nervo cubital separa-se da artéria e penetra na região braquial posterior.
 O nervo radial passa para a região braquial posterior, pelo espaço úmero-
tricipital.
 O nervo braquial cutâneo interno é anterior ao nervo cubital,
atravessando a aponevrose braquial.
 O nervo mediano é, portanto, o único que segue acompanhado pela artéria
braquial até ao cotovelo. Cruza a artéria, pela sua face anterior.

A cerce de 2 cm abaixo da prega de flexão do antebraço sobre o braço, a artéria


braquial divide-se nos seus ramos terminais: a artéria radial e a artéria cubital.

RAMOS COLATERAIS: a artéria axilar origina ramos musculares, para os músculos


córaco-braquial, braquial anterior, deltóide e vasto interno, e 5 ramos principais:

 Ramo deltoideu: é constante. Nasce da parte superior da artéria braquial e


distribui-se ao músculo deltóide e ao músculo braquial anterior.

 Artéria nutritriva do úmero: nasce do 1/3 superior do braço, da artéria


braquial ou de um dos seus colaterais, nomeadamente da artéria umeral
profunda. Penetra no buraco nutritivo do úmero.

311
 Artéria umeral profunda: é o ramo mais importante da artéria braquial. Nasce
perto da extremidade superior da artéria braquial e atravessa o espaço úmero-
tricipital, acompanhada do nervo radial, inferior e interno à artéria. Dá ramos
ao tricípete braquial e ao vasto interno. Alcança o bordo externo do úmero,
dividindo-se em 2 ramos: um ramo anterior e um ramo posterior. O ramo
anterior caminha na goteira bicipital externa. O ramo posterior descende
na espessura do vasto externo.

 Artéria colateral interna superior: nasce da artéria braquial, inferiormente à


artéria umeral profunda. Descende atrás do septo intermuscular interno até à
epitróclea, onde se anastomosa com o ramo posterior da artéria recorrente
cubital, ramo da artéria cubital. Origina ramos para o músculo braquial anterior,
o músculo tricípete braquial e para a parte interna da articulação do cotovelo.

 Artéria colateral interna inferior: nasce da artéria braquial, 2 dedos acima


da prega do cotovelo. Divide-se superiormente à epitróclea em 2 ramos: um
anterior, que se anastomosa com o ramo anterior da artéria recorrente cubital,
ramo da artéria cubital; e um posterior, que se anastomosa com o ramo
posterior da artéria recorrente cubital.

312
ARTÉRIA RADIAL

ORIGEM e TRAJETO: é o ramo de bifurcação externo da artéria


braquial. Estende-se sobre a face anterior do antebraço e sobre a face
dorsal do punho, desde a prega do cotovelo até à palma da mão.

Desce obliquamente até à extremidade inferior do rádio, contorna a


articulação do punho e alcança o 1ºespaço interósseo. Após
atravessar esse espaço, penetra na palma da mão, onde se anastomosa
com a artéria cúbito-palmar, ramo da artéria cubitall, constituindo com
ela a arcada palmar profunda.

RELAÇÕES:

No antebraço, relaciona-se:

 Posteriormente (de SUP para INF):


. músculo braquial anterior e tendão do bicípete braquial
. músculo curto supinador
. músculo redondo pronador
. feixe radial do músculo flexor comum superficial dos dedos
. músculo longo flexor do 1ºdedo
. músculo quadrado pronador
 Anteriormente: recoberto pelo músculo longo supinador, superiormente, e pelo
músculo longo supinador, inferiormente.

Na parte inferior do antebraço, percorre a goteira do pulso, compreendida entre


o tendão do músculo longo supinador, externamente, e o grande palmar,
internamente.

Até ½ do antebraço, é acompanhada externamente pelo nervo radial.

No punho, contorna o ligamento lateral externo. De seguida, penetra na tabaqueira


anatómica*, onde atravessa a parte inferior, aplicada sobre o osso trapézio. Cruza o
músculo extensor do 1ºdedo e alcança a palma da mão.

*ver secção Músculos do Antebraço

313
RAMOS COLATERAIS: a artéria radial dá vários pequenos ramos para o rádio, os
músculos que o cercam e os tegumentos da região externa do antebraço. Os ramos
mais importantes são:

 Artéria recorrente radial anterior – artéria dos músculos


epicondilianos: nasce da extremidade superior da artéria radial. Ascende na
goteira bicipital externa e anastomosa-se com o ramo anterior da artéria
umeral profunda.

 Artéria transversa anterior do carpo: nasce da artéria radial, ao nível do


bordo inferior do músculo quadrado pronador. Anastomosa-se com um ramo
homólogo da artéria cubital.

 Artéria rádio-palmar: destaca-se da artéria radial no ponto em que esta se


inclina para contornar a articulação do punho. Cruza a eminência tenar e
alcança a palma da mão, onde se anastomosa co m a artéria cubital para formar
a arcada palmar superficial. É inconstante.

314
 Artéria dorsal do 1ºdedo: nasce da artéria braquial, inferiormente aos
tendões reunidos dos músculos longo abdutor e curto extensor do 1ºdedo.

 Artéria dorsal do carpo: nasce da tabaqueira anatómica. Dá origem a ramos


ascendentes e a ramos descedentes. Os ramos ascendentes são finos e dirigem-
se para as articulações e ossos. Os ramos descendentes são as artérias
interósseas dos 2º, 3º e 4º espaço interósseo, e a artéria colateral dorsal
interna do 5ºdedo. Cada uma delas dá origem às artérias colaterais dorsais
dos dedos.

 Artéria interóssea do 1ºespaço: nasce da artéria radial, quando esta está no


ponto de alcançar o primeiro músculo interósseo dorsal. Dá origem às artérias
colateral dorsal interna do 1ºdedo e colateral dorsal externa do
2ºdedo.

315
ARTÉRIA CUBITAL

ORIGEM e TRAJETO: mais volumosa que a artéria radial, é o ramo de bifurcação


interno da artéria umeral. Situa-se na parte interna da região anterior do braço e
estende-se desde a prega do cotovelo até à palma da mão, onde termina, dando
origem à arcada palmar superficial.

RELAÇÕES:

No 1/3 superior do antebraço, a artéria cubital relaciona-se, posteriormente com o


tendão do músculo braquial anterior e com o flexor profundo dos dedos. O
nervo mediano cruxa a artéria e passa a ser anterior a ela.

Nos 2/3 inferiores do antebraço, relaciona-se:

 Posteriormente: com os músculos flexor profundo dos dedos e quadrado


pronador
 Anteriormente: com a aponevrose profunda do antebraço. Relaciona-se
ainda com o músculo cubital anterior que a recobre.

316
No punho, a artéria passa externamente ao pisiforme, sobre a face anterior do
retinaculum dos flexores. Está, pois, contida num canal ósteo-fibroso, denominado
Canal de Guyon formado:

 Internamente: osso pisiforme


 Posteriormente: retinaculum dos flexores (ou ligamento anular anterior do carpo)
 Anteriormente: expansão do músculo cubital anterior e retinaculum dos
extensores (ou ligamento anular posterior do carpo)

Tanto no antebraço quanto no punho, a artéria cubital é acompanhada pelo nervo


cubital, interno a ela.

RAMOS COLATERAIS: entre vários ramos pequenos, destacam-se:

 Artéria recorrente cubital – artéria dos músculos epitrocleares: esta


artéria distribui-se pelos músculos epitrocleares. Nasce da artéria radial perto da
sua origem. Divide-se em 2 ramos: a recorrente cubital anterior e a recorrente
cubital posterior. A recorrente cubital anterior ascende na goteira bicipital
interna e anastomosa-se com o ramo anterior da artéria colateral interna inferior,
ramo da artéria umeral. A recorrente cubital posterior ascende até à goteira
epitrócleo-olecraniana, onde termina anastomosando-se com a artéria colateral
interna superior e o ramo posterior da artéria colateral interna inferior.

 Artéria interóssea comum: nasce da face posterior da artéria cubital. Divide-


se em 2 ramos: anterior e posterior. A artéria interóssea anterior desce
acompanhada do nervo interósseo anterior, externo a ela e termina na face
dorsal do punho, onde se anastomosa com a artéria interóssea posterior e os
ramos ascendentes da arcada dorsal do carpo.
A artéria interóssea posterior é menos volumosa que a anterior. Atravessa o
espaço interósseo, descende até ao punho, onde se anastomosa com a artéria
interóssea anterior e os ramos ascendentes da arcada dorsal do carpo.

 Artéria dorsal do carpo: nasce da artéria cubital, superiormente à cabeça do


cúbito, contorna-a e termina na face dorsal do punho, onde contribui para
formar a rede dorsal do carpo, ao se anastomosar com a outra artéria dorsal
do carpo, ramo da artéria radial.

 Artéria transversa anterior do carpo: nasce da artéria cubital, ao nível do


bordo inferior do músculo quadrado pronador e anastomosa-se com um ramo
análogo da artéria radial.

317
 Artéria cúbito-palmar: nasce da artéria cubital, ao nível da extremidade
inferior do osso pisiforme, externamente a este. Alcança a face palmar da mão,
onde se anastomose com a artéria radial, formando a arcada palmar
profunda. Dá ramos para os músculos da eminência hipotenar.

 Ramo palmar profundo: é inconstante.

REDE PERI-ARTICULAR DO COTOVELO: é um sistema anastomótico em volta da


articulação do cotovelo que vasculariza a articulação e os músculos que se inserem no
epicôndilo e na epitróclea.

 Rede arterial pericondiliana: os 2 ramos da artéria umeral profunda


anastomosam-se sobre a face externa da articulação com as artérias recorrentes
radiais.
 Rede arterial periepitroclear: a artéria colateral interna superior e os 2 ramos
da artéria colateral interna inferior anastomosam-se com as artérias recorrentes
cubitais.
As 2 redes arteriais são unidas por anastomoses transversais anteriores e
posteriores.

318
ARCADAS PALMARES

As arcadas arteriais são formadas pelas anastomoses que unem, na palma da mão, as
artérias radial e cubital. São 2: uma superficial e uma profunda.

ARCADA PALMAR SUPERFICIAL: resulta da anastomose da artéria rádio-palmar


com a artéria radial. Situa-se imediatamente por baixo da aponevrose palmar
superficial e cruza a face anterior dos tendões dos flexores dos dedos e dos ramos
terminais dos nervos mediano e cubital.

Dá origem a 4 ramos colaterais, chamadas artérias digitares palmares comuns,


que se destinam aos 4 últimos dedos:

 Primeira artéria digital: cruza os músulos da eminência hipotenar e alcança o


bordo interno do 5ºdedo.

 Segunda, terceira e quarta artérias digitais: descendem nos espaços


intertendinosos compreendidos entre os tendões dos flexores.

 Quinta artéria digital: é inconstante.

319
ARCADA PALMAR PROFUNDA: é formada pela anastomose da artéria radial com a
artéria cúbito-palmar, ramo da artéria cubital. Situa-se anteriormente à extremidade
superior do corpo dos metacárpicos, e atrás dos tendões flexores dos dedos e da
aponevrose palmar profunda.

Dá origem a:

 Ramos ascendentes ou articulares: para os ossos do carpo e suas


articulações.
 Ramos posteriores ou perfurantes: são 3.
 Ramos descendentes ou artérias metacárpicas palmares: são 4, cada uma
para cada espaço interósseo.

320
Veias do Membro Superior

As veias do membro superior dividem-se em veias profundas e veias superficiais,


consoante se encontrem profund amente ou superficialmente à aponevrose superficial.

VEIAS PROFUNDAS:

Acompanham as artérias e tomam o mesmo nome que elas. São 2 por cada artéria,
com exceção da artéria axilar que apresenta um só tronco venoso, a veia axilar.

Apresentam válvulas e os seus colaterais


apresentam um par de válvulas, designadas
válvulas ostiais.

As veias profundas, satélites das artérias, têm


a mesma direção, o mesmo trajeto, as mesmas
relações musculares e tendinosas que as
artérias correspondentes. A veia axilar
apresenta algumas particularidades: é formada
pela reunião de 2 veias satélites da
artéria umeral e segue o trajeto da artéria
axilar. É interna à artéria na sua porção
inferior, tornando-se depois ântero-interna a ela.

VEIAS SUPERFICIAIS:

Veias Superficiais da Mão e dos Dedos:


são muito desenvolvidas na face dorsal e,
pelo contrário, encontram-se apenas
pequenas vénulas na face palmar.

 Veias Dorsais: as veias da face dorsal


dos dedos começam na rede venosa
subungueal, que drena na veia péri-
ungeal e desta parte uma rede dorsal que
drena na arcada digital situada na
1ªfalange. As arcadas venosas digitais
reúnem-se umas às outras e da sua reunião
nasce uma veia metacárpica. As veias
metacárpicas sobem sobre a face dorsal da

321
mão e anastomosam-se ao formar uma arcada venosa dorsal. Nas
extremidades da arcada venosa dorsal drenam 2 outras veias: a veia
cefálica do 1ºdedo, que vem da face externa do 1ºdedo, e a veia
metacárpica dorsal do 5ºdedo, que vem da face interna do 5ºdedo.

 Veias Palmares: a rede palmar drena na rede dorsal dos dedos e da mão.

Veias Superficiais do Antebraço e da Prega do Cotovelo: as redes venosas da


mão originam 3 troncos principais que são os troncos coletores das veias do antebraço:
veia mediana do antebraço, veia basílica do antebraço e veia cefálica do
antebraço.

 Veia Mediana do Antebraço: continua a


veia cefálica do 1ºdedo e a extremidade
externa da arcada venosa dorsal.
Termina a meio da prega do cotovelo, onde
se divide em 2 ramos: o interno ou veia
mediana basílica, que caminha no sulco
bicipital interno; e o externo ou veia
mediana cefálica, que caminha no sulco
bicipital externo. Recebe a veia
comunicante do cotovelo.

 Veia Basílica do Antebraço ou veia cubital


superficial: continua a veia metacárpica
dorsal do 5ºdedo e a extremidade
interna da arcada venosa dorsal.
Caminha no bordo interno da face anterior
do antebraço e reúne-se externamente à
epitróclea com a veia mediana basílica. Da
reunião das 2 veias resulta a veia basílica
do braço.

 Veia Cefálica do Antebraço ou veia radial


acessória: provém da face posterior do
antebraço, contorna o bordo externo e
reúne-se internamente ao epicôndilo, com a
veia mediana cefálica. Da reunião das 2
veias resulta a veia cefálica do braço.

322
As veias cefálica do antebraço, mediana cefálica, mediana basílica e basílica
do antebraço formam um “M” na prega do cotovelo, chamada “M” venoso.

VEIAS SUPERFICIAIS DO BRAÇO:

A face anterior do braço é percorrida pelas veias basílica e cefálica.

 Veia Basílica do braço: ascende ao longo do bordo interno do músculo bicípete


braquial, torna-se profunda drena na veia umeral ou braquial. No local em
que a veia se torna profunda, também passa o nervo braquial cutâneo
interno.

 Veia Cefálica do braço: segue o bordo externo do músculo bicípete. Inflete-se


inferiormente à clavícula, ao formar a crossa da veia cefálica e termina na
veia axilar.

323
Linfáticos do Membro Superior

A drenagem linfática do membro superior divide-se em 2 sistemas: um superficial e


um profundo.

Sistema Superficial:

A rede linfática superficial divide-se em 3 vias principais:

 interna, que atinge o gânglio


supraepitroclear, situado sobre a
epitróclea. Recebe a linfa de 2 dedos e da
parte interna da mão e os seus vasos
eferentes acompanham a veia basílica em
direção ao sistema profundo.

 externa, que atinge os gânglios do sulco


delto-peitoral, relacionados com a crossa
da veia cefálica. Recebe a linfa da parte
externa da mão e últimos dedos. Os vasos
eferentes atingem os gânglios axilares.

 intermédia, que drena para os gânglios posteriores da espádua. Localizam-


se no tecido subcutâneo da região escapular e drenam no grupo ganglionar
posterior da axila.

Sistema Profundo:

Acompanha os vasos profundos, atingindo predominantemente o grupo externo dos


gânglios axilares. Estes localizam-se no tecido adiposo da axila, são entre 15 a 30 e é
neles que se concentra a linfa do membro superior, da região escapular e de
parte da parede torácica. Dividem-se em 5 grupos de acordo com a sua localização:

 Grupo externo, umeral ou braquial: situa-se junto à face interna da veia


axilar e na emergência da veia escapular inferior, e a ele chega toda a linfa do
membro superior.

324
 Grupo posterior ou infraescapular: localiza-se contra a omoplata junto
aos vasos escapulares posteriores e recebe a linfa da parte inferior da nuca,
da parede posterior do dorso e da região escapular.

 Grupo interno ou torácico externo: relaciona-se com o pedículo mamário


externo coletando a linfa da parede lateral do tórax, da parte superior da
parede abdominal e, principalmente, dos quadrantes externos da mama.

 O grupo central ou intermediário: situa-se na parte central da cavidade


axilar e é para ele que se dirigem os linfáticos eferentes dos 3 grupos anteriores.
Deste grupo partem vias eferentes que atingem o grupo infraclavicular.

 O grupo infraclavicular: localiza-se abaixo da clavícula em relação com a


artéria acrómio-torácica. Deste grupo partem vias eferentes em direção ao
grupo supraclavicular onde se constitui o tronco braquial que, à direita,
contribui para a formação da grande veia linfática e, à esquerda, termina na
crossa do canal torácico.

325
5. MEMBRO INFERIOR
5.1. Osteologia do Membro Inferior

326
O esqueleto do membro inferior é constituído por:

Esqueleto da anca/bacia-> Ilíaco

Esqueleto da Coxa -> Fémur

Esqueleto ds Perna -> Tíbia (interno) e Perónio (externo)

Esqueleto do Pé -> Tarso, metatarso e falanges

FÉMUR
 É um osso longo

 É um osso par

 Localiza-se na coxa, articulando-se superiormente com a cavidde cotiloideia ou


acetábulo do ilíaco e, inferiormente, com a extremidade superior da tíbia e com a
face posterior da rótula

 Orientação: A extremidade que apresenta uma superfície articular esférica é


superior. A superfície articular esférica olha para cima, para dentro e para a
frente. Das tuberosidades da extremidade superior, a maior é anterior.

 Apresenta a forma se um S itálico, descrevendo duas curaturas: uma curvatura


interna, côncava para trás e uma curvatura externa, côncava para diante. A
clavícula é achatada de cima para baixo na sua parte externa e apresenta uma
forma irregularmente cilíndrica na parte interna;

 Apresenta um corpo ou diáfise e 2 extremidades ou epífises.

1. Corpo

É prismático triangular. Apresenta 3 faces e 3 bordos.

Face anterior: onde se inserem os músculos crural e subcrural do quadricípede.

Face Póstero-lateral externa: onde se insere o músculo crural.

Face Póstero-lateral interna: não tem inserções musculares.

327
Bordos laterias: um interno e outro externo, e confundem-se com as faces que
delimitam.

Bordo posterior ou linha áspera:

Nas sua parte média existe o buraco nutritivo do osso.

Apresenta 3 porções:

 Lábio externo: vasto externo


 Lábio interno: vasto interno
 Interstício: músculos adutores da coxa e curta porção do bicípede crural.

Superiormente, a linha áspera divide-se em 3 ramos:

328
 Ramo externo ou crista do grande glúteo, dirige-se para o grande trocânter e
nele inserem-se os músculos grande glúteo e grande adutor.

 Ramo médio ou crista pectínea, dirige-se para o pequeno trocânter e dá inserção


ao músculo pectíneo.

 Ramo interno ou crista do vasto interno, continua-se pela crista inter-


trocanteriana anterior e dá inserção ao músculo vasto interno.

Por vezes, encontra-se uma quarta crista de divisão, por fora do ramo médio e designa-
se por crista do pequeno adutor, onde se insere o músculo pequeno adutor.

Inferiormente, a linha divide-se em 2 ramos: um externo e um interno e delimitam um


espaço triangular, denominado triângulo ou escavado popliteu.

ESCAVADO POPLITEU

Limites:

 Anterior -> músculo popliteu


 Súpero-externo -> longa porção do músculo bicípede crural
 Súpero-interno -> músculos semimembranoso e semitendinoso
 Ínfero-interno -> músculo gémeo interno
 Ínfero-externo -> músculo gémeo externo e músculo estreito plantar

É atravessado por: (de interno para externo)

 Artéria Popliteia
 Veia popliteia
 Nervo ciático popliteu interno
 Nervo ciático popliteu externo

329
2. Extremidade Superior:
Apresenta 4 porções: cabeça do fémur, grande trocânter, pequeno trocânter e cólo
do fémur.

Cabeça do fémur-> lisa e esférica, circinscrita por uma linha sinuosa. Apresenta uma
depressão, a fosseta do ligamento redondo, onse se insere o ligamento redondo.

330
Grande trocânter -> eminência quadrangular anterior que apresenta 2 faces e 4
bordos.
 Face externa: percorrida pela crista de inserção do músculo médio
glúteo.
 Face interna: apresenta a fosseta digital onde se insere o músculo
obturador externo. Superiormente a esta fosseta insere-se o músculo
obturador interno e os músculos gémeos.
 Bordo inferior: apresenta a crista do vasto externo
 Bordo superior: dá inserção ao músculo piramidal
 Bordo anterior: também denominado face anterior, dá inserção ao músculo
pequeno glúteo. No seu ângulo súpero-interno encontra-se uma pequena
saliência, o tubérculo pré-trocanteriano.
 Bordo posterior: continua-se com a crista intertrocanteriana posterior.

Pequeno trocânter -> dá inserção ao músculo psoas-ilíaco. Situa-se na união do colo do


fémur com a face interna do corpo do fémur.

Linhas intertrocanterianas anterior e posterior

O grande trocânter e o pequeno trocânter estão unidos nas faces anterior e posterior
por duas cristas rugosas, as linhas intertrocanterianas anterior e posterior.

A linha intertrocanteriana anterior estende-se desde o tubérculo pré-


trocanteriano até ao pequeno trocânter, continuando-se, mais abaixo, com o ramo
de trifurcação da linha áspera. Na extremidade inferior da linha intertrocanteriana
anterior, pode existir um tubérculo pré-trocanteriano, determinado pela inserção do
feixe ílio-pré-trocanteriano do ligamento ílio-femoral.

A linha intertrocanteriana posterior dá seguimento ao bordo posterior do


grande trocânter e termina, em baixo, no pequeno trocânter. Na sua vertente
externa, desce uma superfície rugosa, por baixo e para fora da linha intertrocanteriana
posterior – a impressão de inserção do músuclo quadrado crural.

Cólo do Fémur -> estende-se desde a cabeça do fémur aos trocânteres e às linhas
intertrocanterianas anterior e posterior.

Apresenta duas faces (anterior e posterior), dois bordos e duas extremidades.

331
A face anterior apresenta a impressão ilíaca e resulta da pressão exercidade neste
ponto, na posição de sentado, pelo debrum cotiloideu da articulação coxo femoral.

A face posterior é convexa de cima para baixo e côncava transversalmente.

O bordo superior estende-se quase horizontalmente desde a cabeça do fémur até ao


grande trocânter.

O bordo inferior é também côncavo transversalmente.

A extremidade interna corresponde ao contorno da cabeça do fémur.

A extremidade externa une-se aos trocânteres e às linhas intertrocanterianas anterior e


posterior.

3. Extremidade Inferior

Apresenta 2 eminências articulares, os côndilos femorais, separados pela


chanfradura intercondiliana.

Os côndilos femorais apresentam uma face inferior, uma face posterior e 2 laterais.

332
Face inferior e posterior:

Ocupadas por uma superfície articular que se relaciona com a rótula e com a tíbia.
Distinguem-se duas partes: anteriormente, a tróclea femoral; posteriormente, as
superfícies condilianas propriamente ditas.

A tróclea femoral está separada das superfícies condilianas propriamente ditas por duas
depressões, as ranhuras côndilo-trocleares, que se estendem desde o bordo lateral
de cada côndilo femoral até à extremidade anterior da chanfradura intercondiliana. A
tróclea femoral articula-se com a face posterior da rótula.

As superfícies condilianas propriamente ditas continuam para trás as vertentes da


tróclea, estando separadas entre si pela chanfradura intercondiliana, que completa
a garganta da tróclea. Articulam-se com as cavidades glenoideias da tíbia.

A chanfradura intercondiliana separa os dois côndilos femorais, é perfurada por buracos


vasculares e apresenta, nas suas faces laterias, as impressões de inserção dos
ligamentos cruzados do joelho.

Sobre a face anterior da extremidade inferior do fémur, destaca-se, superiormente à


tróclea femoral, o escavado supratroclear, que se articula com a parte superior da
rótula, alojando-se durante a extensão da perna sobre a coxa.

A extremidade inferior do fémur apresenta ainda, na sua face posterior, por cima dos
côndilos femorais, os tubérculos supra-condilianos externo e interno, que dão
inserção a alguns feixes dos músculos gémos, podendo não existir.

Faces Laterais:

No côndilo interno observa-se:

 Na sua parte média, a tuberosidade interna do fémur.


 Na sua vertente posterior, uma depressão que corresponde à impressão de
inserção do ligamento lateral interno da articulação do joelho;
 Acima e atrás desta depressão e na extremidade inferior da linha de bifurcação
interna da linha áspera, encontra-se o tubérculo do grande adutor;
 Por baixo e para trás deste tubérculo, encontra-se um depressão onde se insere
o músculo gémeo interno.

333
No côndilo externo, pode observar-se:

 Na sua parte média, a tuberosidade externa do fémur;


 Abaixo e para trás desta tuberosidade, encontra-se a fosseta popliteia, na qual
se insere o tendão do músculo popliteu.
 Acima e atrás da tuberosidade externa do fémur, encontra-se uma fosseta que
dá inserção ao músculo gémeo externo;
 Entre as duas facetas, encontra-se a impressão de inserção do ligamento
lateral externo do joelho.

334
RÓTULA
 É um osso sesamóide (pois desenvolve-se no tendão do músculo quadricípede
femoral)

 É um osso par

 Localiza-se na parte anterior do joelho

 Orientação: A face convexa é anterior. A superfície articular da face posterior é


superior. O vértice do osso aponta ligeiramente para dentro. A faceta mais larga
e mais côncava da superfície articular é externa.

 É um osso triangular, de base superior. Apresenta 2 faces, 1 base, 1 vértice e 2


bordos laterais.

Face anterior: convexa, apresenta orifícios por onde passam os feixes do tendão do
músculo quadricípede femoral.

Face posterior: compreende 2 partes, uma superior, articular e outra inferior. A parte
superior articula-se com a tróclea femoral. A parte inferior é rugosa e crivada,
apresentando orifícios onde se inserem os ligamentos adiposos do joelho.

Base: dá inserção, anteriormente, ao tendão do músculo quadricipede femoral.

Vértice: dá inserção ao ligamento rotuliano.

Bordos laterais: sobre cada um deles insere-se o músculo vasto e a asa rotuliana
correspondes.

335
TÍBIA
 É um osso longo

 É um osso par

 Localiza-se na porção interna da perna, articulando-se superiormente com o


fémur e inferiormente com o astrágalo.

 Orientação: A extremidade mais volumosa é superior. A apófise lateral da


extremidade inferior é interna. No contorno da extremidade supeiror, há uma
faceta articular que é póstero-externa.

 A tíbia é, juntamente com o perónio, um dos ossos da perna, sendo a tíbia o


osso mais volumoso e interno. Apresenta 1 corpo ou diáfise e 2 extremidades
ou epífises.

1. Corpo

É prismático triangular e apresenta 3 faces e 3 bordos.

Face interna: relaciona-se com os tegumentos da perna, exceto na porção


superior. Na porção superior, junto do bordo anterior, inserem-se os músculos
costureiro, reto interno e semiTendinoso, constituindo a Pata de Ganso.

Junto ao bordo posteiror, insere-se o ligamento lateral interno da articulação do


joelho.

PATA DE GANSO

Conjunto de 3 músculos da coxa que se inserem na face interna da


extremidade superior da tíbia.

De anterior para posterior:


o Costureiro
o Reto Interno
o SemiTendinoso

336
Face externa: na metade superior, insere-se o músculo tibial anterior.

Face posterior: na porção superior, apresenta a linha oblíqua da tíbia, onde se insere o
músculo solhar. Superiormente à linha, insere-se o músculo popliteu. Inferiormente
à linha, inserem-se os músculos tibial posterior e flexor comum dos dedos e
encontra-se o buraco nutritivo do osso.

Bordo anterior: designa-se de crista da tibía e perde-se, em cima, com a tuberosidade


da tíbia.

Bordo interno: é arredondado.

Bordo externo: bifurca-se perto da extremidade inferior e dá inserção à membrana


interóssea da perna.

337
2. Extremidade inferior:

É irregularmente cúbica e apresenta 5 faces:

Face anterior: continua a face externa do corpo da tíbia. No limite inferior, insere-se a
cápscula articular da articulação tíbio-társica.

Face posterior: Possui uma depressão que dá passagem ao tendão do músculo


longo flexor próprio do 1º dedo.

Face externa: apresenta chanfradura peroneal que permite a articulação da tíbia


com a extremidade inferior do perónio.

Face interna: prolonga-se numa apófise – o maléolo interno ou tibial.

 A face interna do maléolo está em contacto com a pele.

 A face externa é uma superificie articular da articulação tíbio-társica.

 O bordo anterior dá inserção ao ligamento lateral interno da articulação tíbio-


társica.

 O bordo posterior relaciona-se com os tendões dos músculos tibial posterior


e flexor comum dos dedos.

 O vértice dá inserção ao ligamento lateral interno da articulação tíbio-társica.

Face inferior: é uma superfície articular e articula-se com a roldana astragaliana.

3. Extremidade Superior:

Constituída por 2 tuberosidades que suportam as cavidades glenoideias da tíbia.

Tuberosidade interna: onde se inseremos tendões direto e refletido do músculo


semimembranoso.

Tuberosidade externa:

 Externamente, apresenta a faceta articular peroneal.

338
 Anteriormente, apresenta o tubérculo de Gerdy ou tibial anterior, que dá
inserção aos músculos tibial anterior e ao tensor da fáscia lata.

Cavidades Glenoideias:

 Nas suas porções internas, elevam-se as espinhas da tíbia;


 São separadas pela superfície interglenoideia em 3 porções:

339
o Porção pré-espinhal e retro-espinhal, onde se inserem os
ligamentos cruzados e as fibrocartilagens semilunares da
articulação do joelho;

o Parte média, é uma saliência bituberculada, cujos dois tubérculos,


as espinhas interna e externa da tíbia, estão separados um do
outro por uma depressão ântero-posterior. Cada um destes
tubérculos representa a superfície de sustentação da parte interna
ou central da cavidade glenoideia correspondente.

340
PERÓNIO
 É um osso longo

 É um osso par

 Localiza-se na porção externa da perna, articulando-se superiormente com a


tíbia e, inferiormente, com a tíbia e com o astrágalo.

 Orientação: A extremidade mais afilada do osso é inferior. A faceta articular


dessa extremidade é interna. A fosseta relacionada com essa faceta articular é
posterior.

 Apresenta um corpo ou diáfise e 2 extremidades ou epífises.

1. Corpo

É prismático triangular. Apresenta 3 faces e 3 bordos.

Face externa: dá inserção ao músculo longo peroneal lateral e curto peroneal


lateral.

Face interna: dividia em 2 porções pela crista interóssea que dá inserção à


membrana interóssea. Anteriormente à crista, inserem-se os músculos
extensor comum dos dedos, extensor próprio do 1º dedo e peroneal
anterior. Posteriormente à crista, insere-se o músculo tibial posterior.

Face posterior: superiormente, insere-se o músculo solhar. Na porção média,


insere-se o longo flexor próprio do 1º dedo e encontra-se o buraco nutritivo
do osso.

2. Extremidade superior (ou cabeça do peronio)

É uma saliência cónica de base superior, cujo vértice truncado se continua com o
corpo do perónio, por uma parte mais estreita, o colo.

A face superior ou base apresenta, na sua parte interna, uma superfície articular,
que se articula com a superfície peroneal da extremidade superior da tíbia.

341
Da superfície articular, estende-se a apófise estiloideia, onde se inserem o
tendão do músculo bicípede crural e o ligamento lateral externo curto da
articulação do joelho.

À fente, atrás e por fora, a extremidade superior do perónio é recoberta por


rugosidades, determinadas pelas inserções do músculo longo peroneal lateral e do
músculo solhar.

342
3. Extremidade Inferior

Designa-se maléolo externo.

Apresenta 2 faces, 2 bordos e 1 vértice.

Face externa: é dividida em 2 segmentos pela crista oblíqua:

O segmento anterior corresponde à pele.

O segmento posterior, também denominado face posterior do maléolo


externo, é deprimido em goteira, na qual deslizam os tendões dos músculos
peroneais laterais.

Face interna: apresenta uma superfície articular, em relação com o astrágalo.

Acima desta faceta articular, encontra-se uma superfície rugosa, sobre a


qual se insere o ligamento interósseo tíbio-peroneal.

Posteriormente, insere-se o ligamento lateral externo da articulação


tíbio-társica.

Bordo anterior: insere-se o ligamento tíbio-peroneal anterior e os ligamentos


perónio-astragaliano e perónio-calcaneano.

Bordo posterior: insere-se o ligamento tíbio-peroneal posterior.

Vértice: insere-se o feixe perónio-calcaneano do ligamento lateral externo da


articulação tíbio-társica.

343
ESQUELETO DO PÉ

O esqueleto do pé pode ser dividido em três grupos: um posterior, o tarso, um


médio, o metatarso e um mais anterior, as falanges.

1. Tarso

Ocupa a metade posterior do pé e é formado por sete ossos curtos ou


cubóides e estão dispostos em duas fileiras: uma posterior que é formada por
apenas dois ossos, o astrágalo e o calcâneo, que se encontram sobrepostos; e uma
fileira anterior constituída por cinco ossos: o cubóide, o escafóide e os três
cuneiformes.

Estes sete ossos estão agrupados de maneira a formar uma arcada côncava
para baixo que permite a sustentação e a distribuição do peso do corpo.

Astrágalo

 É um osso cuboide;
 É um osso par;

344
 Constitui o vértice da abóbada társica e articula-se superiormente com os ossos
da perna, a tíbia e o perónio, e inferiormente com o calcâneo. Anteriormente
articula-se com o escafóide.
 Orientação: A faceta articular em forma de roldana é superior. A porção mais
volumosa do osso, em forma de cabeça é anterior. A superfície articular em
forma de vírgula é interna.

O astrágalo divide-se em três segmentos: um posterior, o corpo; um intermédio,


o colo; e um anterior, a cabeça

Apresenta seis faces; uma superior, uma inferior, uma externa, uma interna,
uma anterior e por fim, uma posterior.

Face supeiror: apresenta uma superfície articular, a roldana astragaliana, que


se articula com a tíbia. Anteriormente a esta roldana, a face superior do astrágalo
retrai-se e corresponde ao colo, que está deprimido em goteira e recebe o bordo
anterior da tíbia nos movimentos de flexão da perna sobre o pé. À frente, encontra-se
uma crista rugosa transversal onde se insere a o ligamento astrágalo-escafoideu
superior.

Face inferior: articula-se com o calcâneo, através de duas superfícies articulares:


uma ântero-interna e uma póstero-externa. Estas duas facetas estão separadas entre si
por uma goteira rugosa, a ranhura ou sulco astragaliano, onde se insere o
ligamento astrágalo-calcaneano interósseo.

345
Face externa: apresenta uma superfície articular lisa e triangular, a faceta
peroneal ou maleolar externa para se articular com o maléolo externo do
perónio.

Face interna: na região superior, encontra-se a faceta tibial ou maleolar


interna, que articula com o maléolo interno da tíbia. Inferiormente a esta faceta
articular, encontra-se uma superfície rugosa onde se fixa o feixe profundo do
ligamento interno da articulação tíbio-társica.

Face anterior: é designada por cabeça do astrágalo e compreende três


segmentos: um segmento ântero-superior ou escafoideu, que se articula com o
escafóide; um segmento médio ou ligamentar que está em concordância com o
ligamento calcâneo-escafoideu inferior; e um segmento ínfero-posterior ou
calcaneano, formado pela faceta ântero-interna da face inferior do astrágalo.

Face posterior: situa-se atrás da roldana astragaliana. A porção interna


apresenta a goteira do longo flexor próprio do 1º dedo que se relaciona com o tendão
do músculo longo flexor próprio do 1º dedo. Esta goteira esta ladeada por dois
tubérculos, um interno e um externo. Este último dá inserção ao feixe perónio-
astragaliano posterior do ligamento lateral externo. Por vezes, fixa-se a este
tubérculo um osso supranumerário, o osso trígono, ou astrágalo
supranumerário, que muitas das vezes é inconstante.

346
Calcâneo

 É um osso curto
 É um osso par.
 Localiza-se inferiormente ao astrágalo, na região posterior e inferior do pé.
 Orientação: A extremidade mais volumosa do osso, não articular, é posterior.
Nesta extremidade, existem duas saliências que são inferiores. Destas duas
saliências, a maior é interna.
 É o osso mais volumoso do tarso e apresenta 6 faces (superior, inferior, interna,
externa, anterior e posterior)

Face inferior: apresenta 3 tuberosidades, uma anterior e 2 posteriores. A


tuberosidade posterior interna dá inserção ao músculo curto flexor plantar e
ao ao músculo adutor do 1º dedo e a tuberosidade posterior externa dá
inserção ao músculo abdutor do 5º dedo.

Face externa: dá inserção ao feixe perónio-calcaneano do ligamento lateral externo


da articulação tíbio-társica.

Face interna: é ocupada pela goteira calcaneana, limitada, póstero-inferiormente,


pela tuberosidade interna da face inferior e, súpero-anteriormente, pela
sustentaculum tali, atravessada pelo tendão do músculo flexor próprio do 1º
dedo e do músculo flexor comum dos dedos.

347
Face posterior: dá inserção ao tendão de Aquiles.

Cubóide

 Localiza-se anteriormente ao calcâneo.


 A sua face plantar dá inserção ao tendão do músculo longo peroneal lateral
e ao ligamento calcâneo-cubóideu.

Escafóide

 Localiza-se do lado interno do pé, anteriormente ao astrágalo, internamente ao


cuboide e posteriormente aos cuneiformes.
 A sua extremidade interna dá inserção ao tendão do músculo tibial posterior.

3 Cuneiforemes

 A face interna do 1º cuneiforme dá inserção ao músculo tibial anterior.


 A face inferior do 1º cuneiforme dá inserção ao músculo tibial posterior.

2. Metatarso

É formado por 5 ossos longos (de interno para externo: 1º metatarso, 2º metatarso,
3º metararso, 4º metatarso e 5º metatarso) que se articulam, posteriormente, com os
ossos da fileira anterior do tarso e, anteriormente, com as falanges.

348
3. Falanges: são 3 em cada dedo, com exceção do 1º dedo que tem apenas 2
falanges. As falanges designam-se 1ª,2ª e 3ª falange, desde o metatarso até à
extremidade dos dedos.

4. Ossos Sesamóides

São ossos alojados em tendões e cápsulas articulares, que lhes fornecem apoio
extra e reduzem a pressão sobre os restantes tecidos.

Estes ossos surgem na face plantar do pé. Dois deles são constantes e
localizam-se na face anterior da 1ª articulação metatársico-falângica, nas
depressões existentes na face plantar da cabeça do 1º osso metatársico.

Mais raramente, é possível observar outros ossos sesamóides: ao nível da


articulação interfalângica do 1º dedo; ao nível da articulação metatársica-falângica do
2º dedo; e um ou dois ossos sesamóides anteriormente à articulação metatársico-
falângica do 5º dedo.

349
5.2. Artrologia do Membro Inferior

350
Articulação Coxo-femoral ou articulação da anca

Classificação Superfícies Meios de Sinovial Movimentos Músculos péri-


articulares união articulares
Enartrose Cabeça do Cápsula Existe Flexão e Psoas-ilíaco,
fémur articular extensão tensor da fascia
lata, costureiro,
recto anterior do
quadricípede
crural, pequeno
glúteo e pectíneo
(flexores)
Cavidade Ligamento Adução e Grande glúteo,
cotiloideia ílio-femoral abdução médio glúteo,
ou ou pequeno glúteo,
acetábulo ligamento semi-
de Bertin membranoso,
semi-tendinoso,
bicípede crural e
piramidal
(extensores)
Debrum Ligamento Circundação Glúteos, tensor
cotiloideu pubo- da fascia lata,
femoral piramidal,
costureiro e
recto anterior do
quadricípede
crural
(abdutores)
Ligamento Rotação Grande adutor,
ísquio- médio adutor,
femoral pequeno adutor,
quadrado crural,
pectínio, grande
glúteo, piramidal
e psoas ilíaco
(adutores)
Ligamento Psoas ilíaco,
redondo do grande glúteo,
fémur médio glúteo,
piramidal,
obturador
interno,
obturador
externo, gémeo
interno, gémeo 351
externo,
quadrado crural,
adutores da coxa
e pectíneo
(rotadores
externos); médio
glúteo, pequeno
glúteo, tensor da
fascia latae recto
anterior do
quadricípede
crural (rotadores
internos)

Classificação – enartrose.

Superfícies articulares – Cabeça do fémur, cavidade


cotiloideia ou acetábulo e debrum cotiloideu.

Cabeça do fémur:

Está orientada para dentro, cima e para a frente. Um


pouco póstero-inferiormente ao seu centro, encontra-se a
fosseta do ligamento redondo, que confere inserção ao
ligamento redondo. É revestida por cartilagem, que não
se estende à fosseta do ligamento redondo.

Cavidade cotiloideia ou acetábulo:

Apresenta uma porção periférica, articular, com


cartilagem e que limita a chanfradura ísquio-púbica, e uma porção central,
denominada âmago ou transfundo da cavidade cotiloideia, que é não articular e
apresenta continuidade com a chanfradura ísquio-púbica.

Debrum cotiloideu:

É uma fibrocartilagem fixa no contorno da cavidade cotiloideia. Apresenta uma face


aderente ou base, através da qual se fixa ao rebordo cotiloideu, uma face interna,
que é articular e está em continuidade com a superfície articular da cavidade cotiloideia,
e uma face externa, que confere inserção à cápsula articular. Preenche as

352
chanfraduras ílio-púbica e ílio-isquiática,
sendo que transforma a chanfradura ísquio-
púbica em buraco ísquio-púbico. A porção
do debrum que se estende de uma
extremidade à outra da chanfradura ísquio-
púbica toma o nome de ligamento
transverso do acetábulo. Aumenta a
profundidade e a extensão da cavidade
cotiloideia, regularizando também as suas
irregularidades.

Meios de união – cápsula articular,


ligamentos de reforço e ligamento redondo do
fémur.

Cápsula articular:

Insere-se no perímetro da cavidade cotiloideia e na face externa do debrum


cotiloideu, sendo que se insere na face externa do ligamento transverso do
acetábulo, na chanfradura ísquio-púbica. No fémur, insere-se anteriormente na linha
intertrocanteriana anterior, posteriormente na linha intertrocanteriana
posterior e superior e inferiormente nos bordos superior e inferior do colo do
fémur. É constituída por fibras longitudinais, que se estendem do osso ilíaco até ao
fémur, e fibras circulares e anelares, que se estendem de um ponto ao outro do
debrum cotiloideu ou que se encontram no meio da cápsula articular, onde formam o
ligamento anelar de Weber ou zona orbicular da cápsula articular.

353
Ligamentos de reforço (ílio-femoral, pubo-femoral e ísquio-femoral):

Ílio-femoral ou ligamento de Bertin:

Recobre a face anterior da cápsula articular. Insere-se no osso ilíaco, inferiormente


à espinha ilíaca ântero-inferior, fixando-se, depois, na linha intertrocanteriana
anterior. Diferenciam-se nele dois feixes ou ligamentos: o ligamento ílio-pré-
trocanteriano superior e o ligamento ílio-pré-trocanteriano inferior. O
ligamento ílio-pré-trocanteriano superior insere-se inferiormente à espinha
ilíaca ântero-inferior, sendo que no fémur se insere na extremidade superior da
linha intertrocanteriana anterior e no tubérculo pré-trocanteriano. Este
ligamento é reforçado pelo ligamento ílio-tendino-trocanteriano e por uma
expansão aponevrótica do músculo pequeno glúteo. O ligamento ílio-pré-
trocanteriano inferior insere-se na espinha ilíaca ântero-inferior, inferiormente
ao tendão reflectido do músculo recto anterior, indo depois inserir-se na extremidade
inferior da linha intertrocanteriana anterior.

Pubo-femoral:

Insere-se, ao nível do osso ilíaco, na porção anterior da eminência ílio-pectínea e


no lábio anterior do canal infra-púbico, fixando-se depois na depressão pré-
trocanteriana. Conjuntamente com os feixes superior e inferior do ligamento ílio-
femoral, forma o ligamento em N de Welcker.

354
Ísquio-femoral:

Encontra-se na face posterior da articulação. Origina-se na goteira infra-


cotiloideia e na porção adjacente do debrum cotiloideu. No fémur, insere-se na
porção anterior da face interna do grande trocânter, anteriormente à fosseta
digital.

Ligamento redondo do fémur:

Insere-se na metade ântero-superior da fosseta do ligamento redondo do


fémur, enrolando-se depois em torno da cabeça do fémur e terminando nas
proximidades da chanfradura ísquio-púbica por três feixes: anterior, médio e
posterior. O feixe anterior ou púbico insere-se na extremidade anterior da
chanfradura ísquio-púbica. O feixe médio fixa-se ao bordo interno ou inferior
do ligamento transverso do acetábulo. Por fim, o feixe posterior ou isquiático
contorna a extremidade posterior da chanfradura ísquio-púbica, passando inferiormente
ao ligamento transverso do acetábulo e fixando-se no osso ilíaco, externamente à
chanfradura ísquio-púbica. Algumas fibras do ligamento redondo inserem-se no âmago
ou transfundo da cavidade cotiloideia. Na espessura do ligamento redondo
encontra-se algumas arteríolas e vénulas.

Sinovial – existe.

Movimentos da articulação – executa os movimentos de flexão e extensão, adução


e abdução, circundação e rotação.

 Flexão: aproxima a face anterior da coxa da parede abdominal anterior. É


limitada pelos músculos posteriores da coxa e pelos feixes posteriores da cápsula
articular.

 Extensão: afasta a face anterior da coxa da parede abdominal anterior. É


limitada pelos ligamentos ílio-femoral e pubo-femoral.

 Adução: aproxima a coxa da linha média. É limitada pelo ligamento ílio-pré-


trocanteriano superior.

 Abdução: afasta a coxa da linha média. É limitada pelos ligamentos pubo-


femoral e ílio-pré-trocanteriano inferior.

 Circundação: sucessão dos movimentos de flexão, extensão, adução e abdução.

355
 Rotação: na rotação externa, a extremidade distal do pé dirige-se para fora, o
grande trocânter dirige-se para trás e o pequeno trocânter e a cabeça do fémur
para a frente, sendo que esta rotação é limitada pelo ligamento ílio-pré-
trocanteriano superior. Na rotação interna, a extremidade distal do pé dirige-se
para dentro, sendo que o grande trocânter orienta-se para a frente e o pequeno
trocânter e a cabeça do fémur para trás. Esta rotação é limitada pelo ligamento
ílio-pré-trocanteriano inferior e o ligamento ísquio-femoral.

356
Articulação do Joelho

Classificação Superfícies Meios de Sinovial Movimentos Músculos


articulares união péri-
articulares
Bicôndilo- Extremidade Cápsula Existe Flexão e Semi-
trócleo- inferior do articular extensão membranoso,
meniscartrose fémur semi-
tendinoso,
popliteu,
recto interno,
bicípede
crural,
costureiro e
solhar
(flexores)
Extremidade Ligamentos Rotação axial Quadricípede
superior da anteriores activa e crural e
tíbia passiva tensor da
fascia lata
(extensores)
Meniscos Ligamento Lateralidade Popliteu,
interarticulares lateral semi-
interno membranoso,
costureiro e
semi-
tendinoso
(rotadores
internos)
Rótula Ligamento Bicípede
lateral crural e
externo tensor da
fascia lata
(rotadores
externos)
Ligamentos
posteriores

Classificação – bicôndilo-trócleo-meniscartrose. Pode ser dividida em duas


articulações: a articulação fémuro-rotuliana, entre o fémur e a rótula
(trocleartrose), e a articulação fémuro-tibial, entre o fémur e a tíbia
(bicondilartrose).

357
Superfícies articulares – extremidade inferior do fémur, extremidade superior da
tíbia, meniscos interarticulares e rótula.

Extremidade inferior do fémur:

A superfície articular deste osso apresenta anteriormente a tróclea femoral, que se


articula com a rótula, e posteriormente as superfícies condilianas, que se articulam
com a tíbia e estão separadas das vertentes da tróclea femoral pelas ranhuras
côndilo-trocleares. Esta superfície articular está coberta por cartilagem.

Extremidade superior da tíbia:

Opõe as cavidades glenoideias da tíbia às superfícies condilianas do fémur. Cada


superfície glenoideia eleva-se ao nível da espinha da tíbia até ao vértice deste
tubérculo. Estão recobertas por cartilagem.

358
Meniscos interarticulares:

As cavidades glenoideias não se adaptam às superfícies condilianas do fémur, sendo


que esta discordância é resolvida pela existência de dois meniscos interarticulares.
Tal como as cavidades glenoideias, os meniscos distinguem-se em interno e externo.

Apresentam uma face superior, côncava e em concordância com os côndilos femorais,


uma face inferior, aplicada na periferia da cavidade glenoideia correspondente, uma
face externa, aderente à cápsula articular, um bordo interno e duas
extremidades ou cornos, de onde partem ligamentos que unem o menisco às
superfíces rugosas que se encontram anterior e posteriormente à espinha da tíbia. O
menisco externo tem a forma de um C muito fechado ou de um O.
O seu corno anterior insere-se na superfície pré-espinhal, anteriormente à
espinha externa da tíbia e póstero-externamente ao ligamento cruzado anterior.
O seu corno posterior insere-se posteriormente às espinhas da tíbia.

Da extremidade posterior do menisco externo destaca-se o ligamento menisco-


femoral posterior ou feixe de Wrisberg, que acompanha o ligamento cruzado
posterior. Este feixe insere-se, juntamento com o ligamento cruzado posterior na
chanfradura intercondiliana, no côndilo interno.

O menisco interno tem a forma de C muito aberto e insere-se, através do seu corno
anterior, na superfície pré-espinhal, anteriormente ao ligamento cruzado
anterior. Através do seu corno posterior, insere-se na superfície retro-espinhal,
posteriormente ao menisco externo e anteriormente ao ligamento cruzado
posterior. Geralmente, os meniscos estão unidos pelo ligamento transverso.

Rótula:

A rótula articula-se com a tróclea femoral através da sua superfície articular, que se
encontra na sua face posterior. Esta superfície é recoberta por cartilagem e apresenta
uma crista vertical, em relação com a garganta da tróclea femoral e duas
facetas laterais, que se opõem às vertentes da tróclea femoral.

Meios de união – cápsula articular, ligamentos anteriores, ligamento lateral interno,


ligamento lateral externo e ligamentos posteriores.

359
Cápsula articular:

Ao nível do fémur, insere-se no escavado supra-troclear, anteriormente, passando


junto aos ângulos anteriores da tróclea femoral, revestindo as faces laterais dos
côndilos, sendo que posteriormente passa superiormente a estes. Na extremidade
anterior da chanfradura intercondiliana, confunde-se com os ligamentos cruzados.

Na tíbia, insere-se no bordo anterior da superfície rugosa pré-espinhal, sendo


que desce até à articulação tíbio-peronial superior, acabando por também se
confundir com os ligamentos cruzados.

Ao nível da rótula, insere-se em torno da cartilagem da superfície articular.


Lateralmente, une-se às faces externas dos meniscos.

Ligamentos anteriores:

Apresentam três planos: o capsular (ou profundo), o tendinoso (ou médio) e o


aponevrótico (ou superficial).

Plano capsular – compreende as asas da rótula e os ligamentos menisco


interarticulares. As asas da rótula inserem-se nos bordos laterais da rótula e
nos côndilos femorais, sendo que se distingue uma asa rotuliana interna e outra
externa. A asa rotuliana interna insere-se no bordo interno da rótula e termina
na tuberosidade do côndilo interno, posteriormente à inserção do ligamento lateral
interno. A asa rotuliana externa insere-se no bordo externo da rótula, indo depois
fixar-se na tuberosidade do côndilo externo. Os ligamentos menisco
interarticulares estendem-se desde os bordos laterais da rótula até ao bordo
externo do menisco interarticular correspondente.

Plano tendinoso – recobre o plano capsular e é constituído pelo ligamento rotuliano,


pelas expansões tendinosas dos músculos vasto interno e vasto externo do
músculo quadricípede crural e pela expansão pré-rotuliana do músculo tensor
da fascia lata.

O tendão rotuliano insere-se no vértice da rótula e na sua face anterior, sendo


que as suas fibras superficiais se continuam com as fibras tendinosas do músculo
quadricípede crural.

360
As expansões tendinosas dos músculos vasto interno e vasto externo do
quadricípede crural apresentam fibras verticais, que se dirigem até ao bordo
lateral da rótula e do tendão rotuliano e até à tíbia, e fibras oblíquas, que terminam
na tuberosidade tibial do lado oposto.

A aponevrose de inserção do
músculo tensor da fascia lata
encontra-se anteriormente às
expansões tendinosas dos
músculos vastos do quadricípede
crural e insere-se no bordo lateral
externo da rótula e na
tuberosidade externa da tíbia.

Plano aponevrótico – recobre toda


a face anterior da articulação,
continuando-se com a aponevrose
femoral, superiormente, e com a
aponevrose da perna.

Ligamento lateral interno:

Apresenta uma porção principal


e uma porção acessória.
A porção principal insere-se no
vértice da tuberosidade do
côndilo interno e inferiormente
ao tubérculo do músculo grande adutor.
Adere ao menisco interarticular, inserindo-se depois na tuberosidade tibial, bem
como no bordo interno da tíbia. A porção acessória é composta por feixes oblíquos
que vão desde as inserções femoral e tibial da porção principal até à face periférica do
menisco interno.

Ligamento lateral externo:

Insere-se na tuberosidade do côndilo externo do fémur, indo depois inserir-se na


extremidade superior do perónio, anteriormente à apófise estiloideia.

361
Ligamentos posteriores:

Compreendem os ligamentos cruzados e um plano fibroso posterior.

Ligamentos cruzados – distinguem-se em anterior e posterior.

O ligamento cruzado anterior insere-se na superfície pré-espinhal, no espaço


compreendido entre o tubérculo interno da espinha da tíbia, posteriormente, a inserção
anterior do menisco externo, póstero-externamente, e a inserção anterior do menisco
interno, anteriormente. Daí dirige-se para a frente e acaba por se inserir na metade
posterior da face intercondiliana do côndilo externo do fémur.

O ligamento cruzado posterior fixa-se na superfície retro-espinhal,


posteriormente aos meniscos interno e externo. Dirigindo-se para cima, termina na
porção anterior da face intercondiliana do côndilo interno do fémur e no
fundo da chanfradura intercondiliana. Ao longo deste ligamento ascende o
ligamento menisco-femoral.

362
Plano fibroso posterior – situa-se posteriormente aos ligamentos cruzados e ao espaço
intercondiliano. Superiormente fixa-se na porção inferior do espaço popliteu e
inferiormente no rebordo posterior da extremidade superior da tíbia.

Lateralmente continua-se com os côndilos femorais e com os tendões dos músculos


gémeo externo, popliteu e semi-membranoso. Os feixes mais importantes deste plano
são o ligamento popliteu oblíquo e o ligamento popliteu arqueado.

O ligamento popliteu oblíquo é uma expansão fibrosa do tendão do músculo semi-


membranoso, superiormente à tíbia, perdendo-se na cápsula condiliana externa. O
ligamento popliteu arqueado insere-se na apófise estiloideia do perónio,
posteriormente ao ligamento lateral externo, dividindo-se, depois, num feixe externo e
num feixe interno. O feixe externo perde-se na cápsula condiliana do lado externo. O
feixe interno apresenta fibras superiores, que se perdem no plano fibroso, e fibras
inferiores, que se inserem na tíbia, delimitando a arcada do músculo popliteu, onde
se insere este músculo.

363
Sinovial – existe.

Movimentos da articulação – flexão e extensão, rotação axial activa e passiva e


lateralidade.

 Flexão – aproxima a face posterior da perna da face posterior da coxa.


 Extensão – afasta a face posterior da perna da face posterior da coxa. É limitada
pelos ligamentos cruzados e pelos ligamentos laterais.
 Rotação – são nulos quando a perna se encontra em extensão. A rotação interna é
limitada pelos ligamentos cruzados e a rotação externa pelos ligamentos laterais.
 Lateralidade – movimento pouco extenso.

364
Articulação Tíbio-Peroneal Superior

Classificação – artrodia.

Superfícies articulares – faceta articular da tíbia e faceta articular do perónio.

Faceta articular da tíbia:

Situa-se na porção póstero-externa da tuberosidade externa da tíbia e é


praticamente plana. Está coberta por cartilagem.

Faceta articular do perónio:

Situa-se na extremidade superior do perónio, internamente à apófise estiloideia.


É ligeiramente plana. Também está coberta por cartilagem.

Meios de união – cápsula articular e ligamentos.

Cápsula articular: insere-se no contorno das superfícies articulares.

Ligamentos tíbio-peroneais:

São em número de dois, um anterior e outro posterior, sendo que são formados por
feixes oblíquos, que se estendem desde a tíbia até ao perónio.

Sinovial – existe.

Movimentos – executa movimentos de deslizamento de pouca extensão.

365
Articulação Tíbio-Peroneal Inferior

Classificação – é uma anfiartrose, mais propriamente uma sindesmose, pois as


superfícies articulares unem-se por tecido fibroso, formando um ligamento interósseo.

Superfícies articulares – superfície articular da tíbia e superfície articular do perónio,


sendo que estas superfícies são apenas cobertas por periósteo.

Superfície articular da tíbia:

Ocupa a face externa da extremidade inferior da tíbia.

Superfície articular do perónio:

Geralmente é convexa.

Meios de união – ligamento interósseo, ligamento anterior e ligamento posterior.

Ligamento tíbio-peroneal interósseo:

É formado por feixes curtos, sendo que uns são transversais, outros descem do
perónio até à tíbia e os outros estendem-se da tíbia até ao perónio.

Ligamento tíbio-peroneal anterior:

As suas fibras estendem-se desde o bordo anterior da superfície tibial e da porção


vizinha da face anterior da tíbia até ao bordo anterior do maléolo externo.

Ligamento tíbio-peroneal posterior:

É composto por fibras oblíquas, que se inserem no bordo posterior da superfície


tibial e na face posterior da tíbia. Esta inserção prolonga-se até ao maléolo
interno. Acaba inserindo-se no bordo posterior do maléolo externo.

Sinovial – existe.

Movimentos – executa pequenos movimentos transversais, afastando ou


aproximando o maléolo externo da tíbia. Estes movimentos relacionam-se com a
articulação do tornozelo.

366
Membrana Interóssea ou Ligamento Interósseo da Perna

É formada por fibras que se estendem desde o bordo externo ou interósseo da tíbia
até ao bordo interósseo do perónio, sendo reforçada por fibras do músculo tibial
posterior.
Na sua porção superior, confere passagem à artéria tibial anterior e inferiormente à
artéria peroneal anterior.
A sua face anterior confere inserção aos músculos tibial anterior, extensor próprio
do 1º dedo e extensor comum dos dedos.
A sua face posterior insere os músculos tibial posterior e longo flexor do 1º dedo.
A sua extremidade inferior continua-se com o ligamento interósseo da articulação
tíbio-peroneal inferior.

367
Articulação do Tornozelo ou Tíbio-Társica

Esta articulação une os 2 ossos da perna (a tíbia e o perónio) ao astrágalo.

Classificação: trocleartrose.

Superfícies articulares:

 Superfície articular tíbio-peroneal


As extremidades inferiores dos ossos da perna formam um encaixe alongado
transversalmente, que se articula com o corpo do astrágalo.

Apresenta 3 paredes articulares:

 uma parede superior/tibial (côncava e apresenta na parte média uma saliência


em relação com a garganta da roldana astragaliana)

 Superfície maleolar interna (vertical, plana e triangular)

 Superfície maleolar externa (também triangular. Está separada da superfície


maleolar superior por uma franja sinovial, que preenche a estreita abertura da
articulação tíbio-peroneal inferior).

O encaixe tíbio-peroneal é completado, anterior e posteriormente, pelos ligamentos


tíbio-peroneais anterior e posterior da articulação tíbio-peroneal inferior.

368
 Superfície astragaliana
O astrágalo opõe às 3 paredes do encaixe tíbio-peroneal, 3 facetas articulares (uma
superior e duas laterais).

A faceta superior constitui a roldana astragaliana, que se dirige obliquamente para a


frente e para fora (o que explica o desvio habitual do pé nessa direção).

A faceta lateral interna articula-se com o maléolo interno da tíbia.

A faceta lateral externa articula-se com o maléolo externo do perónio.

Meios de união: uma cápsula articular e dois ligamentos laterais muito fortes (externo
e interno).

 Cápsula articular

Insere-se superior e inferiormente no contorno das superfícies articulares.

Na parte anterior é reforçada por algumas lâminas fibrosas, destacando-se uma


delas: o ligamento anterior, que se estende obliquamente desde a tíbia até à
face externa do colo do astrágalo.

Externamente é bastante espessada pelos ligamentos laterais.

Posteriormente é forrada por grandes novelos adiposos e reforçada por alguns


feixes fibrosos que se estendem desde a tíbia até ao maléolo externo.

 Ligamento lateral externo


Apresenta 3 feixes que divergem do maléolo externo e terminam no astrágalo e
no calcâneo.

- O feixe anterior/perónio-astragaliano anterior insere-se superiormente na parte


média do bordo anterior do maléolo externo e, na sua outra extremidade, no
astrágalo.

369
- O feixe médio/perónio-calcaneano insere-se no bordo anterior do maléolo externo
e termina numa saliência da face externa do calcâneo.

- O feixe posterior/perónio-astragaliano posterior é espesso e muito resistente;


insere-se no maléolo externo e na face posterior do astrágalo.

 Ligamento lateral interno/deltoideu


É constituído por 2 camadas (uma superficial e uma profunda).

- A camada superficial insere-se no bordo anterior e no vértice do maléolo interno.


Daí, as fibras terminam, de anterior para posterior:
-face superior do escafoide
-face interna do colo do astrágalo
-ligamento calcâneo-escafoideu inferior
-sustentaculum tali.

- A camada profunda é coberta pela camada superficial. Insere-se superiormente no


vértice do maléolo externo e inferiormente numa superfície rugosa e deprimida do
astrágalo.

370
 Ligamento perónio-astrágalo-calcaneano
É inconstante. Resulta do espessamento da aponevrose da perna, causado pelas
trações existentes nesta região durante a flexão do pé.

Nasce do maléolo externo, dividindo-se em 2 lâminas:

 uma lâmina interna/perónio-astragaliana que termina no tubérculo externo da


apófise posterior do astrágalo

 uma lâmina externa/perónio-calcaneana que se fixa na face superior do


calcâneo.

Sinovial: reveste a face profunda da cápsula articular. É bastante laxa e distende-


se com facilidade.

Mecanismo da articulação:

Sendo uma trocleartrose, esta articulação executa apenas movimentos de


flexão/dorsiflexão e de extensão/flexão plantar.

371
Dorsiflexão – aproxima a face dorsal do pé da face anterior da perna. É limitado
pela tensão dos feixes posteriores dos ligamentos laterais bem como do músculo
tricípede crural.

A parte anterior da roldana astragaliana penetra no encaixe tíbio-peroneal,


afastando a tíbia do maléolo externo e fazendo com que a franja sinovial preencha o
espaço compreendido entre os dois ossos.

Extensão/flexão plantar – afasta a face dorsal do pé da face anterior da perna. É


limitado pela tensão dos feixes anteriores dos ligamentos laterais.

372
Articulações do Pé

As articulações do pé compreendem:

• Articulações entre os ossos da 1ª fileira do tarso ou protársicas


• Articulações entre as duas fileiras do tarso, pró-mesotársicas, médio-társica ou de
Chopart
• Articulações entre os ossos da 2ª fileira do tarso ou mesotársicas
• Articulações meso-metatársicas ou de Lisfranc
• Articulações intermetatársicas
• Articulações metatársico-falângicas
• Articulações interfalângicas

Articulações entre os ossos da 1ª fileira do tarso/protársicas

O astrágalo e o calcâneo estão unidos por duas articulações (separadas entre si pelo
seio do tarso):
-uma posterior e independente;
-uma anterior e que comunica largamente com a articulação astrágalo-escafoideia.

 Articulação astrágalo-calcaneana posterior/sub-astragaliana

Classificação: Trocartrose

Superfícies articulares:

-Astragaliana: corresponde à faceta póstero-externa da face inferior do


astrágalo. Encontra-se escavada em forma de cilindro.

-Calcaneana: representa um segmento de cilindro que se adapta à


concavidade da faceta astragaliana.

Meios de união:

Consistem numa cápsula articular e 3 ligamentos.

A cápsula insere-se no contorno da cartilagem de revestimento das


superfícies articulares, exceto na parte póstero-externa, onde se insere o
calcâneo.
Os ligamentos são os ligamentos astrágalo-calcaneanos externo (desde a

373
apófise externa do astrágalo até à face externa do calcâneo), posterior (desde
o tubérculo externo da face posterior do astrágalo até à face superior do
calcâneo) e interósseo (comum às duas articulações astrágalo-calcaneanas,
ocupandoo seio do tarso, encontra-se desde o sulco astragaliano até ao
sulcocalcaneano.

A sinovial reveste a face profunda da cápsula articular.

 Articulação astrágalo-calcaneana anterior

Faz parte da articulação astrágalo-calcâneo-escafoideia, sendo descrita com a


articulação de Chopart.

Articulações entre as duas fileiras do tarso/pró-mesotársicas/ médio-


társica/de Chopart

Une a primeira fileira do tarso à segunda e é formada por duas articulações distintas e
justapostas:
-a articulação astrágalo-calcâneo-escafoideia, que é interna;
-a articulação calcâneo-cuboideia, que é externa.

 Articulação astrágalo-calcâneo-escafoideia

Classificação: Enartrose

Superfícies articulares:

-Astragaliana: constituída pela cabeça do astrágalo, que se continua antero -


internamente;
-Calcaneana: faceta antero-interna da face superior do osso;
-Escafoideia: corresponde à cavidade glenoideia, que é aumentada inferiormente
por uma fibrocartilagem.

Meios de união:

Uma cápsula articular e ligamentos.

Os ligamentos são o ligamento astrágalo-escafoideu superior(desde a face


superior do colo do astrágalo até ao bordo superior do osso escafóide), o ligamento
calcâneo-escafoideu inferior(desde a pequena apófise do calcâneo até ao bordo inferior
e à extremidade interna do osso escafóide), o ligamento astrágalo-calcaneano

374
interósseo (localiza-se atrás da articulação astrágalo-calcaneana anterior) e o ligamento
calcâneo escafoideu externo (faz parte do ligamento em Y. Insere-se posteriormente na
face dorsal da grande apófise do calcâneo e divide-se em dois feixes: um feixe externo
que se insere no osso cuboide e um feixe interno que se insere ao longo da superfície
articular do osso escafóide)

A sinovial é distinta da sinovial da articulação calcâneo-cuboideia, mas comum à


astrágalo-calcaneana anterior.

 Articulação calcâneo-cuboideia

Classificação:Efipiartrose

Superfícies articulares:

-Calcaneana: encontra-se na face anterior. É convexa no sentido transversal; no


sentido vertical é côncava em cima e convexa em baixo.
-Cuboideia: Encontra-se na face posterior. Adapta-se à superfície articular do
calcâneo.

Meios de união:

A cápsula articular é mais laxa externa do que internamente e é reforçada por 3


ligamentos.
Ligamento calcâneo-cuboideu superior (desde a face superior da grande apófise
do calcâneo até à face lateral do osso cuboide), ligamento calcâneo-cuboideu
inferior(desde a face inferior do calcâneo até ao osso cubóide e aos quatro últimos
ossos metatársicos) e ligamento calcâneo-cuboideu interno (é o feixe externo do
ligamento em Y).

A sinovial é independente da articulação astrágalo-calcâneo-escafoideia, da qual


está separada pelo ligamento em Y.

Mecanismo das articulações astrágalo-calcaneanas e de Chopart

Movimentos de torção do pé para dentro e para fora, que são executados segundo um
eixo oblíquo, dirigido para trás, fora e baixo e que se estende desde o colo do astrágalo
até à tuberosidade externa do calcâneo.

O movimento de torção interna do pé, ou inversão, resulta na face plantar do pé a


olhar para dentro, para baixo e um pouco para trás.

375
O movimento de torção externa do pé, ou eversão, resulta na face plantar do pé a
olhar para fora, para baixo e para trás.

Articulações entre os ossos da 2ª fileira do tarso ou mesotársicas

Os cinco ossos da 2ª fileira do tarso estão unidos pelas articulações mesotársicas.

Todas estas articulações são artrodias.

 Articulações escáfo-cuboideias

As superfícies articulares são facetas que se encontram na extremidade externa do


escafóide e na face interna do cuboide.

Os meios de união consistem numa cápsula articular reforçada por 3 ligamentos. O


ligamento dorsal (desde a face dorsal do osso escafóide até à face dorsal do osso
cuboide), o ligamento plantar (une a face plantar do osso escafóide à face plantar do
osso cuboide) e o ligamento interósseo (estende-se entre os dois ossos, posteriormente
às superfíces articulares).

A sinovial é um prolongamento da sinovial das articulações escáfo-cuneanas.

 Articulações escáfo-cuneanas

As superfícies articulares são 3 facetas articulares que se encontram na face anterior do


escafóide e as facetas existentes na face posterior de cada um dos 3 cuneiformes.

Os meios de união compreendem uma cápsula articular fina e reforçada por ligamentos
dorsais (que se inserem no bordo superior do escafóide até aos 3 ossos cuneiformes) e
plantares (que se inserem no tubérculo do escafóide e na sua face plantar até à face
plantar dos ossos cuneiformes).

Existe apenas uma sinovial para estas 3 articulações.

 Articulações intercuneanas

Superfícies articulares:

- O 1º e o 2º cuneiformes articulam-se por meio de duas facetas perto dos bordos


postero-superiores destes ossos;

376
-O 2º e o 3º ossos cuneiformes articulam-se por meio de duas facetas verticais.

Meios de união:

À cápsula articular juntam-se dois ligamentos dorsais (que se estendem


transversalmente entre os ossos cuneiformes), um ligamento plantar (que une o 1º
cuneiforme ao 2º) e dois ligamentos interósseos (muito curtos e resistentes, inserindo-
se na parte não articular das suas face contíguas).

A sinovial de cada uma destas articulações intercuneanas é um prolongamento anterior


da sinovial das articulações escafo-cuneanas.

 Articulações cuboido-ectocuneanas

Superfícies articulares:

- O 3º osso cuneiforme e o osso cuboide articulam-se por meio de duas facetas


situadas uma na pare póstero-externa do 3º osso cuneiforme e outra na parte
correspondente da face interna do osso cuboide.

377
Meios de união:

Os dois ossos estão unidos por um ligamento dorsal, um plantar e um interósseo que
reforçam a cápsula articular.

A sinovial é um prolongamento da sinovial das articulações escafo-cuneanas.

Mecanismo das articulações mesotársicas

Realizam apenas movimentos muito limitados de deslizamento.

Articulações meso-metatársicas ou de Lisfranc

Uma série de artródias pelas quais as duas arcadas társica e metatársica se unem uma
à outra.

Superfícies articulares:

A arcada metatársica apresenta as facetas articulares posteriores dos 5 ossos


metatársicos, cuja forma se molda sobre a das faces correspondentes da arcada társica.
O 1º metatársico articula-se com o 1º cuneiforme.

O 2º metatársico articula-se com os 3 ossos cuneiformes.


O 3º metatársico articula-se com o 3º cuneiforme.
O 4 e 5º metatársicos articulam-se com as duas facetas do osso cuboide.

A interlinha articular estende-se desde a parte média do bordo interno do pé até à linha
média do bordo externo do pé. Descreve uma curvatura convexa anteriormente, mas
muito irregular devido ao encaixe das arcadas társica e metatársica.

Meios de união:

Compreendem 3 cápsulas articulares e ligamentos dorsais (são 7. O primeiro une o 1º


cuneiforme ao 1º metatársico. Os 3 seguintes divergem do 2º metatársico até aos 3
cuneiformes. Os 3 últimos estendem-se desde o 3º osso cuneiforme e o cuboide aos 3
últimos metatársicos), plantares e interósseos (são 3. Entre o 1º osso cuneiforme e o
2º metatársico. Entre o 2º e o 3º cuneiformes e os 2º e 3º metatársicos. Entre o 3º
cuneiforme e o 3º metatársico).

378
Sinoviais:

Cada uma das 3 articulações que constituem a articulação de Lisfranc possui uma
sinovial que reveste a face profunda das cápsulas articulares.

Mecanismo da articulação de Lisfranc

O 1º, 4º e 5º ossos metatársicos são os mais móveis e podem executar movimentos


pouco extensos de flexão, extensão e lateralidade.

Articulações intermetatársicas

São articulações entre as extremidades posteriores dos quatro últimos metatársicos (o


primeiro metatársico é independente).

Classificação: artrodias

Superfícies articulares:

O 2º metatársico articula-se com o 3º por meio por meio de duas facetas articulares,
uma superior e uma inferior. O 3º metatársico articula-se com o 4º por meio de uma
faceta ovalar. O 4º e o 5º metatársicos articulam-se por uma faceta triangular.

Meios de união:

Cada uma destas articulações intermetatársicas possui uma cápsula articular, um


ligamento dorsal, um plantar e um interósseo.

A sinovial de cada uma das articulações reveste a face profunda das cápsulas
articulares.

Articulações metatársico-falângicas e interfalângicas

São análogas às articulações metacárpico-falângicas e interfalângicas da mão.

379
5.3. Miologia do Membro Inferior

380
Músculos da Bacia

Os músculos da bacia estão repartidos em 2 regiões: a região pélvica e a região


glútea, estendendo-se desde a bacia até ao fémur.

Músculos da Região Pélvica

Músculo Psoas-ilíaco

Constituído pelo músculo psoas e pelo músculo ilíaco.

- psoas: insere-se nas vértebras torácicas e lombares de T12 a L5 e no pequeno


trocânter do fémur.

- ilíaco: insere-se na crista e na fossa ilíaca interna e no pequeno trocânter.

Permite a flexão da coxa sobre a bacia e a sua rotação externa. Se tomar como ponto
fixo o fémur, permite a flexão da coluna vertebral e da bacia e a rotação externa do
tronco.

Músculos da Região Glútea

Dispõem-se em 3 planos: um plano profundo, um plano médio e um plano superficial.

PLANO PROFUNDO:

Músculo Pequeno Glúteo: insere-se na fossa ilíaca externa e no grande


trocânter do fémur.

Permite a abdução, rotação interna e externa da coxa e a inclinação da bacia.

381
Músculo Piramidal: insere-se na face anterior do sacro e no grande trocânter
do fémur. Permite a abdução e rotação externa da coxa.

Músculo Obturador Interno: insere-se na membrana obturadora (face interna),


na face interna do ramo isquio-púbico e no grande trocânter do fémur. Permite a
rotação externa da coxa.

Músculo Gémeo Superior e Gémeo Inferior (acessórios do músculo obturador


interno): inserem-se acima e abaixo do obturador interno, respetivamente. O gémeo
superior insere-se na espinha ciática e o gémeo inferior insere-se na tuberosidade
isquiática. Terrminam no grande trocânter do fémur, juntamente com o músculo
obturador interno.

382
Músculo Obturador Externo: insere-se no púbis, no ísquion e na fosseta
trocânterica do fémur.

Os músculos obturador interno, gémeos superior e inferior e obturador


externo são rotadores externos da coxa.

Músculo Quadrado Crural: insere-se na tuberosidade isquiática e na linha


intertrocanteriana posterior. É um abdutor e rotador interno da coxa.

PLANO MÉDIO:

Músculo Médio Glúteo: insere-se na fossa ilíaca externa, na crista ilíaca e no


grande trocânter do fémur. Recobre o músculo pequeno glúteo. Permite abdução,
rotação interna e externa da coxa e inclinação da bacia.

383
PLANO SUPERFICIAL:

Músculo Grande Glúteo: insere-se na fossa ilíaca externa, na crista ilíaca, na


crista sagrada e nos tubérculos sagrados póstero-externos, nos bordos
laterais do sacro e do cóccix e na linha áspera do fémur. Recobre o médio e o
pequeno glúteo.

Permite extensão da coxa, sua rotação externa, adução e abdução, inclinação e rotação
do tronco.

Músculo Tensor da Fascia Lata: insere-se na crista ilíaca, na espinha ilíaca


ântero-superior, no fémur, na face externa da tíbia e na rótula. Permite a
extensão da perna e a abdução e rotação interna da coxa.

Fita de Maissat ou fita ílio-tibial: lâmina


aponevrótica que parte da crista ilíaca, cobrindo a
porção anterior do músculo médio glúteo,
passando externamente ao grande trocânter e
estendendo-se desde a face externa da coxa até à
tíbia. É constituída, em cima, pela aponevrose
glútea e, em baixo, pela fascia lata.

384
Músculos da Coxa

Os músculos da coxa encontram-se distribuídos por 3 grupos:

 Grupo anterior – extensores


 Grupo interno – adutores
 Grupo posterior – flexores

GRUPO ANTERIOR:

Músculo Quadricípede Crural: envolve o corpo do fémur quase por completo e é


constituído por 4 feixes, daí o seu nome.

Crural Vasto Interno

Encurvado em goteira, as suas Lâmina muscular situada internamente ao


concavidades rodeiam as faces anterior e músculo crural, cobrindo-o parcialmente e
externa do fémur. rodeando a face interna do fémur (que
permanece livre de qualquer inserção).
Nasce por fibras musculares das faces
anterior e externa e dos bordos Nasce do lábio interno da linha áspera
interno e externo do fémur. e do ramo interno de trifurcação superior
dessa linha, desde a extremidaxde inferior
Internamente, as inserções terminam no da crista intertrocanteriana anterior
limite anterior da face interna do até à bifurcação da linha áspera.
corpo do femur.
Os feixes deste músculo terminam numa
Externamente, estendem-se até ao lábio lâmina tendinosa ao nível do bordo
externo da linha lateral da rótula.
áspera.

Os seus feixes musculares


vão terminar na base da
rótula.

385
Vasto Externo Reto Anterior
Situa-se externamente ao músculo Situa-se na parte anterior e média da
crural, cobrindo-o em grande parte. coxa, anteriormente aos anteriores,
desde o ilíaco até à rótula.
Nasce de uma ampla linha de inserção,
formada de cima para baixo pela: Insere-se por dois tendões:
. crista rugosa que limita interna e . Tendão direto - insere-se na espinha
inferiormente a face anterior do grande ilíaca ântero-inferior
trocânter;
. Tendão refletido - insere-se na goteira
. crista que limita inferiormente a face situada acima do rebordo cotiloideu
externa do grande trocânter;
Estes dois tendões unem-se por uma
lâmina tendinosa.
. lábio externo da crista do grande glúteo;
A inserção inferior dá-se
. lábio externo da por uma lâmina
linha áspera tendinosa que vai
(em toda a formar os feixes
extensão da superficiais do
mesma) ligamento rotuliano

O músculo
termina numa
aponevrose
tendinosa ao
nível do bordo
lateral da rótula.

O músculo quadricípede crural é um extensor da perna, possibilitando por ação do reto


anterior, a flexão da coxa sobre a bacia.

Músculo Sub-Crural: é um músculo inconstante, que se


insere inferiormente na bolsa serosa infra-quadricipital,
quando esta existe.

As bolsas serosas são pequenas formações saculares que se


encontram repletas de líquido produzido pela camada de tecido

386
sinovial que reveste o interior destas bolsas. A sua função é diminuir o atrito entre
os elementos entre os quais se encontra e amortecer os traumatismos
externos.

O músculo sub-crural contrai-se juntamente com o quadricípede crural e eleva a bolsa


serosa infra-quadricipital durante a extensão da perna sobre a coxa.

Músculo Costureiro: superiormente, insere-se na face externa da espinha ilíaca


ântero-superior e na vizinhança da chanfradura subjacente.

O tendão terminal chega ao nível da tuberosidade interna da


tíbia.

Deve o seu nome à acção que permite: cruzar as pernas. Esta é


tradicionalmente a posição preferida pelos costureiros/alfaiates por
lhes permitir segurar no colo a sua peça de vestuário para a coserem
à mão.

Quanto à sua acção, é um flexor da perna sobre a coxa, um adutor


da perna (ponto fixo torna-se a inserção superior, na face externa da
espinha ilíaca ântero-superior) e um flexor da coxa sobre a bacia
(inserção fixa é a superior).

Permite também a abdução da coxa e a sua rotação externa - cruzar


as pernas com o pé sobre o outro joelho.

Triângulo de Scarpa

O bordo interno do músculo costureiro vai


limitar o triângulo de Scarpa. Este triângulo
é uma zona de palpação da artéria femoral.

Este triângulo é, então, limitado:

 ínfero-externamente pelo músculo


costureiro;
 superiormente pelo ligamento
inguinal;
 internamente pelo músculo médio
adutor.

387
O triângulo de Scarpa dá passagem aos vasos femorais, de externo para interno:

 nervo femoral
 artéria femoral
 veia femoral

PATA DE GANSO

É formada pelos tendões terminais de 3 músculos da coxa, que se inserem na face


interna da extremidade superior da tibia. De anterior para posterior:

-Costureiro

-Recto Interno

-Semitendinoso

Mnemónica: CRIST (Costureiro, Recto Interno e Semi-Tendinoso)

GRUPO INTERNO:

Este grupo é composto por 5 músculos, dispostos em 3 planos.

No plano profundo, temos o músculo grande adutor ou 3º adutor. No plano


médio, temos o músculo pequeno adutor ou 2º adutor. No plano superficial, o
músculo pectíneo, o músculo médio adutor e o reto interno.

PLANO PROFUNDO:

Músculo Grande Adutor:

Os feixes musculares formam uma massa muscular que se divide em duas


porções:

• Porção interna ou inferior - bordo interno do músculo, insere-se em cima


na tuberosidade isquiática e termina, inferiormente no tubérculo do
grande adutor.

388
• Porção externa - forma triangular, o seu vértice insere-se no ramo ísquio-
púbico e a sua base a toda a altura da linha áspera do femur.

A porção interna e a externa separam-se inferiormente uma da outra, sendo que o


espaço formada entre as duas e o fémur, o anel do grande adutor, é atravessado pelos
vasos femorais (de fora para dentro: veia e artéria femorais).

PLANO MÉDIO:

Músculo Pequeno Adutor: Insere-se superiormente à frente e acima do músculo


grande adutor, na lâmina quadrilátera do púbis e na parte contígua do ramo
ísquio-púbico.

Cobre a parte superior do grande adutor.

Termina no fémur por dois feixes:

• Feixe superior: ramo de trifurcação médio da linha áspera e


também externamente a este, determinando nalguns casos,
a formação da crista do pequeno adutor

• Feixe inferior: parte superior do interstício da linha áspera do


fémur

PLANO SUPERFICIAL:

Músculo Médio Adutor: Situa-se anteriormente aos músculos pequeno e grande


adutor. Superiormente, insere-se no ângulo do púbis e na face inferior da espinha
púbica.

Este tendão ultrapassa internamente o limite interno do


púbis e confunde-se anteriormente à sínfise púbica com
os elementos tendinosos dos músculos vizinhos para
formar a massa tendinosa pré-púbica.

Inferiormente, insere-se na parte média da linha


áspera, ao longo do seu lábio interno.

O seu bordo superior contacta com o bordo inferior do


músculo pectíneo ou pode afastar-se progressivamente
deste de cima para baixo, aparecendo no intervalo criado
entre os dois, o músculo pequeno adutor.

389
Músculo Pectíneo:

Superiormente, insere-se por dois planos de fibras:

• Plano superficial: nasce da crista pectínea (desde a


eminência ílio-pectínea até à espinha do púbis) e do
ligamento de Cooper

• Plano profundo: insere-se no lábio anterior da


goteira infra-púbica

Estas duas linhas de inserção unem-se internamente na face


externa da espinha do púbis.

O corpo muscular cobre o feixe superior do músculo pequeno


adutor.

Inferiormente, insere-se por uma lâmina tendinosa no


ramo médio da trifurcação superior da linha áspera - a crista pectínea.

Os músculos adutores da coxa e o pectíneo possibilitam a adução e a rotação externa


da coxa. O músculo pectíneo, o pequeno adutor e o médio adutor são também flexores
da coxa.

Goteira Femoral: é a goteira que dá passagem aos vasos femorais, no nível médio da
coxa. Nela está contido o segmento médio do canal femoral.

A sua vertente póstero-interna é constituída pelos músculos pectíneo e pelos


músculos adutores da coxa; a vertente ântero-externa é formada pelo músculo
psoas, em cima; e pelo músculo vasto interno, em baixo.

Este canal apresenta também orifício para os ramos perfurantes da artéria femoral
profunda.

390
Músculo Reto Interno:

Situa-se na parte mais interna da coxa, internamente aos


adutores.

Insere-se, superiormente, na lâmina quadrilátera do púbis, ao


longo da sínfise púbica e no ramo descendente do pubis.
Inferiormente, insere-se na parte superior da face interna da
tibia.

No terço inferior da coxa, continua-se por um tendão que rodeia


posteriormente o côndilo interno do fémur.

Faz parte da pata de ganso.

É um flexor e adutor da perna.

GRUPO POSTERIOR:

É composto por 3 músculos: semi-tendinoso, semi-membranoso e bicípede crural.

Músculo Semi-Membranoso

Superiormente, insere-se na parte externa da tuberosidade isquiática, por um


tendão (que é continuado por uma membrana tendinosa) que se prolonga até à zona
média da coxa.

Inferiormente, está inserido na tíbia por um tendão que se


divide em 3 feixes:

• Tendão directo - parte posterior da tuberosidade


interna da tíbia;

• Tendão reflectido - extremidade anterior da goteira


horizontal da tuberosidade interna da tíbia

• Tendão recorrente - distribui-se na cápsula condiliana


interna da articulação do joelho

Quanto à sua acção, é um flexor da perna. Uma vez realizada


esta acção, estende a coxa sobre a bacia e imprime à perna
um movimento de rotação interna.

391
Músculo Semi-Tendinoso

Nasce do ísquion por um tendão comum ao da longa porção do


músculo bicípede crural. Cobre o músculo semi-membranoso.

Ao chegar ao terço inferior da coxa continua-se por um tendão, que


passa atrás do côndilo interno do fémur e que proporciona fibras à
aponevrose da perna.

Insere-se na parte superior da face interna da tíbia, e faz parte


da pata de ganso.

A ação do músculo semi-tendinoso é idêntica à do músculo semi-


membranoso (flexor da perna - estende a coxa sobre a bacia e
imprime à perna um movimento de rotação interna).

Músculo Bicípede Crural

Formado por duas porções:

• Porção isquiática ou longa porção

• Porção femoral ou pequena porção

A longa porção ou porção isquiática insere-se superiormente na face posterior da


tuberosidade isquiática, juntamente com o músculo semi-
tendinoso.

Inicialmente, esta porção é contígua ao músculo semi-me


mbranoso, mas separa-se dele inferiormente, limitando com este
o triângulo superior do escavado popliteu.

A curta porção ou porção femoral nasce da linha áspera do fémur.

Ambas as porções se inserem inferiormente por uma inserção


comum nos ossos da perna. Este tendão de terminação passa
posteriormente ao côndilo externo do fémur e insere-se:

• Na apófise estiloideia do peróneo e na cabeça deste osso

• Na tuberosidade externa da tíbia

• Na aponevrose da perna

392
Quanto à sua ação, é um músculo flexor da perna. Quando esta está fletida, converte-
se em extensor da coxa sobre a bacia e rotador externo da perna.

Escavado Popliteu:

É limitado:

Ant – parte posterior da articulação do joelho e músculo popliteu

Sup-ext – longa porção do músculo bicípede crural

Sup-int – músculo semi-membranoso e músculo semi-tendinoso

Inf-int – músculo gémeo interno

Inf-ext – músculo gémeo externo e músculo estreito plantar

Atravessado por ( de Interno para Externo ):

 Artéria popliteu
 Veia popliteia
 Nervo ciático popliteu interno
 Nervo ciático popliteu externo

393
Músculos da Perna

Os músculos da perna dividem-se em 3 grupos: anterior, externo e posterior.

Estes 3 grupos separam-se entre si pelo esqueleto da perna, pelo ligamento


interósseo e pelos septos intermusculares anterior e posterior da perna. Os
septos estendem-se desde a face profunda da aponevrose da perna até aos bordos
anterior e posterior do perónio.

GRUPO ANTERIOR:

Situam-se, internamente, entre a face externa da tíbia, externamente, entre o perónio e


o septo intermuscular anterior e posteriormente, e ntre o ligamento interósseo da perna

Compreende 4 músculos, justapostos de interno para externo, pela seguinte ordem:

 músculo tibial anterior


 músculo extensor próprio do 1º dedo
 músculo extensor comum dos dedos
 músculo peroneal anterior

Coletivamente, fazem a flexão dorsal do pé


na articulação do tornozelo, estendem os
dedos dos pés e permitem a inversão do pé
(combinação da extensão com a supinação
(planta do pé olha medialmente), e com a
adução (a ponta do pé dirige-se
medialmente).

Os tendões dos músculos extensores e o tendão do músculo tibial anterior estão


envoltos, no tornozelo, por bainhas ósteo-fibrosas e bainhas serosas.

Músculo Tibial Anterior

É um músculo longo, espesso, com a forma de um prima triangular. É o mais interno


dos músculos do grupo anterior. Estende-se ao longo da face externa da tíbia até ao
bordo interno do pé.

As fibras musculares partem:

• Do tubérculo de Gerd y e da crista oblíqua (que parte do tubérculo de Gerdy e


delimita externamente a tuberosidade anterior da tíbia).

394
• Da tuberosidade externa e da face externa da tíbia (até ao 1/3
inferior do osso)

• Da parte súpero-interna do ligamento interósseo

• Da face profunda da aponevrose da perna (1/4 superior)

• Do septo fibroso que separa o tibial anterior do músculo extensor


comum dos dedos.

Segue-se um tendão (que aparece no início do terço inferior da perna)


que se torna completamente livre de fibras musculares no tornozelo e
passa por um desdobramento do ligamento anular anterior do tarso.

O tendão segue no sentido inferior, interno e anterior até ao bordo


interno do pé onde se insere na face interna do 1º cuneiforme e na
parte ínfero-interna da base do 1º osso metatársico.

Quanto à sua ação, flexiona o pé e imprime-lhe um movimento de adução


e rotação interna.

Músculo Extensor Próprio do 1ºDedo

É um músculo fino, aplanado transversalmente, situado externamente ao músculo


tibial anterior. Estende-se desde o perónio até à 2ª falange do 1º dedo. Insere-se,
superiormente, na parte média da face interna do perónio e no ligamento
interósseo.

Daí dirige-se obliquamente sobre a face dorsal do pé


para a frente e para dentro em direção ao 1º dedo
passando sobre as articulações cuneo-metatársica e
metatársico-falângica com o auxílio de bolsas
sinoviais.

No 1º dedo origina duas expansões laterais que se


fixam sobre os bordos laterias da 1ª falange e
termina na base da 2ª falange.

Permite a extensão da 2ªfalange sobre a 1ªfalange


do 1ºdedo e esta sobre o metatársico. Permite ainda
a flexão do pé sobre a perna, provocando-lhe um
movimento de rotação interna.

395
Músculo Extensor Comum dos Dedos

É um músculo longo e aplanado transversalmente, situando-se externamente ao


músculo tibial anterior e ao músculo extensor comum do 1ºdedo.

Estende-se desde os ossos da perna até aos 4 últimos dedos.

Nasce diretamente por fibras musculares:

• Da tuberosidade externa da tíbia

• Dos 2/3 terços superiores da face interna do perónio

• Da parte externa do ligamento interósseo da perna

• Da parte superior da face profunda da aponevrose da perna

• Dos septos fibrosos que o separam do músculo longo peroneal lateral,


externamente, e do músculo tibial anterior, internamente

O tendão principal isola-se do corpo muscular no tornozelo e divide-se em 4 tendões


secundários que se dirigem anteriormente sobre a face dorsal do pé e divergem até
aos quatro últimos dedos.

Cada um dos 4 tendões subdivide-se em 3 na face


dorsal da 1ª falange: um médio para a parte
posterior da 2ª falange e dois laterais que se unem
na dorsal da 2ª falange e se inserem na
extremidade posterior da 3ª falange.

Na perna - o músculo extensor comum dos dedos


é externo ao tibial anterior, superiormente, e ao
extensor do 1º dedo, inferiormente. Externamente,
é separado dos músculos peroniais laterais
pelo septo intermuscular anterior da perna.

No pé - os tendões do músculo extensor comum


dos dedos cobrem o músculo pedioso.

Permite a extensão dos dedos e a flexão dos dedos,


imprimindo-lhe um movimento de abdução e
rotação externa.

396
Músculo Peroneal Anterior ou 3ºPeroneal

É um músculo inconstante, estreito e aplanado


transversalmente, situado externamente à porção
inferior do músculo extensor comum dos dedos.

Estende-se desde o 1/3 inferior do perónio até ao


5º metatársico.

Nasce, superiormente, através de fibras do 1/3 inferior


da face interna do perónio, do ligamento
interósseo e do septo intermuscular anterior.
Inferiormente insere-se na face dorsal da base do
5º metatarso.

O tendão passa sobre o ligamento anular anterior


do tarso e dirige-se anteriormente, externamente e
inferiormente para o ponto de inserção do 5º
metatarso.

Flexiona o pé e efetua adbução e rotação externa.

GRUPO EXTERNO:

Compreende 2 músculos sobrepostos sobre a face externa do perónio, entre os


septos intermusculares anterior e externo da perna.

Dispõem-se em 2 planos:

 plano profundo: músculo curto peroneal lateral


 plano superficial: músculo longo peroneal lateral

Plano Profundo:

Músculo Curto Peroneal Lateral:

É um músculo aplanado, muscular superiormente e tendinoso inferiormente.


Localiza-se na parte externa da perna e do pé. Estende-se desde a face externa do
perónio até ao 5º metatársico.

397
Nasce por fibras musculares:

• Nos 2/3 inferiores da face externa do perónio

• Dos septos intermusculares anterior e


externo

Desce sobre a face externa do perónio e continua por


um tendão aplanado que desliza posteriormente ao
maléolo externo por uma bainha ósteo-fibrosa, comum
ao músculo longo peroneal lateral. O tendão reflete-se em
ângulo obtuso e segue para baixo e para a frente
passando acima do tubérculo dos peroneais, na face
externa do calcâneo e terminando no 5º metatarso.

Produz movimentos de abdução e rotação externa do pé.

Plano Superficial:

Músculo Longo Peroneal Lateral

É muscular e espesso superiormente e tendinoso e delgado inferiormente.


Localiza-se na parte externa da perna e do pé, externamente ao músculo curto
peroneal lateral, recobrindo-o.

Estende-se desde a parte súpero-externa


da perna até à face plantar do 1º
metatársico.

Nasce por fibras musculares da:

• Tuberosidade externa da tíbia

• Faces anteriores e externa da cabeça


do perónio

• 1/3 superior da face externa do


corpo do perónio

• Nos septos intermusculares anterior e externo

398
Entre as inserções da cabeça e do corpo do perónio há um espaço livre, onde se
encontra o nervo ciático popliteu externo e o nervo tibial anterior.

A inserção sobre o corpo do perónio é dividida em duas porções, uma anterior e outra
posterior, por uma banda óssea livre de inserções que corresponde ao nervo músculo
cutâneo.

Possibilita a extensão, a abdução e a rotação externa. Arrasta a base do 1º metatársico


para trás e para fora e aumenta a concavidade da arcada plantar.

GRUPO POSTERIOR:

Compreende 8 músculos, situados posteriormente ao esqueleto ósseo da perna, ao


esqueleto interósseo e a septo intermuscular externo, que o separa dos músculos
peroneais laterais.

Dispõem-se em 2 planos:

 Plano profundo: músculo popliteu, músculo longo flexor comum dos dedos,
músculos lumbricais, músculo tibial posterior e músculo longo flexor próprio do
1ºdedo.
 Plano superficial: músculo tricípede sural e músculo estreito plantar.

Plano Profundo:

Músculo Popliteu

É um músculo curto, aplanado e triangular,


situado posteriormente à articulação do
Joelho

Estende-se desde o côndilo externo do


fémur até à porção superior da tíbia.
Insere-se numa fosseta óssea, posterior e
inferior à tuberosidade externa do fémur, por
um tendão que é coberto pelo ligamento
popliteu arqueado.

A face profunda do tendão relaciona-se com o


prolongamento popliteu da sinovial da
articulação do joelho (na face interna da

399
parede lateral externa da membrana sinovial).

O músculo dirige-se, inferior e interiormente culminando na face posterior da tíbia


acima da linha do músculo solhar (linha oblíqua) e sobre o lábio superior desta
linha.

Permite movimento de flexão da perna e de rotação interna.

Músculo Longo Flexor Comum dos Dedos

É um músculo longo e divide-se inferiormente em 4 tendões. É o mais interno dos


músculos do grupo posterior

Estende-se desde a tíbia até à face plantar dos 4 últimos dedos.

Insere-se na parte interna do lábio inferior da linha do músculo solhar (linha


oblíqua); no 1/3 médio da face posterior da tíbia, inferiormente à linha oblíqua e
internamente a uma crista
longitudinal; e num septo fibroso
que o separa do músculo tibial
posterior.

As fibras musculares terminam num


tendão que desliza posteriormente
ao maléolo interno numa bainha
ósteo-fibrosa. Contorna depois a
goteira do calcâneo (no seu vértice
da pequena apófise) e penetra na
região plantar.

Na região plantar, dirige-se externa


e anteriormente, cruza o tendão do
músculo longo flexor próprio do 1º
dedo e ramifica-se em 4 tendões
que se inserem na extremidade
posterior da terceira falange dos
últimos 4 dedos. Estes tendões são
tendões perfurantes que
atravessam o tendão
correspondente do músculo curto flexor plantar.

Flexiona os dedos e estende o pé sobre a perna.

400
Músculos Lumbricais ou Lumbricóides

São pequenos feixes fusiformes, anexos aos tendões do músculo longo flexor
comum dos dedos. O 1º é o mais interno e o 4º é o mais externo.

Situam-se na região plantar entre os tendões do músculo, terminando nos tendões


extensores dos últimos quatro dedos.

Nascem do ângulo de divisão dos tendões do músculo longo flexor comum dos dedos,
inserindo-se nos dois tendões que delimitam esse ângulo (o 1º lumbrical pode inserir-se
só no bordo interno do tendão do 2º dedo). Alcançam o lado interno da articulação
metatársico-falângica correspondente, onde continuam por pequenos tendões que
se fixam na face interna da base da 1ª falange.

Flexiona a 1ª falange e estende as outras duas.

Músculo Tibial Posterior

É um músculo aplanado, muscular em cima e tendinoso em baixo. Situa-se


externamente ao músculo longo flexor comum dos dedos e internamente ao
músculo longo flexor do 1º dedo.

Estende-se desde os dois ossos da perna até ao bordo interno do pé.

401
Insere-se nos 2/3 superiores da face posterior
da tíbia, na parte externa do lábio inferior da
crista oblíqua da tíbia; nos 2/3 superiores da face
interna do perónio; no ligamento interósseo
e nos septos fibrosos que o separam dos músculos
longos flexores.

O tendão terminal insere-se na tuberosidade do


escafóide, nos 3 ossos cuneiformes, no
cubóide e na base do 2º, 3º e 4º metatársicos.

Permite a adução e rotação interna do pé.

Músculo Longo Flexor Próprio do 1ºDedo

É um músculo comprido e espesso, muscular superiormente e tendinoso


inferiormente. É o mais externo dos músculos da perna. Situa-se entre o músculo tibial
posterior e os músculos peroneais laterais.

Estende-se desde o perónio até ao 1º dedo.

Nasce:

 dos 3/4 inferiores da face posterior


do perónio
 de septos fibrosos que o separam,
internamente do músculo tibial posterior e
externamente dos músculos peroneais
laterais
 da parte inferior do ligamento
interósseo da perna

Penetra na bainha ósteo-fibrosa do 1º dedo


e insere-se na extremidade posterior da
2ª falange.

Flexiona a 2ª falange sobre a 1ª e esta sobre


o 1º osso metatársico.

402
Plano Superficial:

Músculo Tricípede Sural

É uma massa muscular volumosa que forma o volume da barriga da perna. É formado
por 3 massas musculares que se inserem através de um tendão comum, o tendão
de Aquiles.

O tendão de Aquilles é o tendão mais volumoso do organismo.

Os músculos dispõem-se na parte superior em 2 camadas distintas: uma profunda,


constituída pelo músculo solhar, e uma superficial constituída pelos músculos gémeos.

Solhar

É um músculo largo e volumoso. Situa-se posteriormente ao plano profundo dos


músculos posteriores da perna. Desloca-se inferiormente desde os ossos da perna até
ao tendão de Aquiles.

Apresenta 2 feixes:

. Um peroneal que nasce da face posterior da


cabeça do perónio; por fibras aponevróticas,
do quarto superior d a face posterior do perónio,
do terço superior do bordo externo desse osso e
da parte contígua do septo intermuscular
externo da perna (que separa os posteriores
dos laterais, do músculo longo peroneal lateral)

. Um tibial no lábio inferior da metade


inferior da linha oblíqua e no 1/3 médio do
bordo interno da tíbia.

Os dois feixes fundem-se num só e na união


dos dois feixes surge a arcada tendinosa do
músculo solhar.

403
Gémeos

São 2: um interno e um externo.

São massas musculares, longas, aplanadas e espessas, de forma ovalar, separadas


superiormente e unidas inferiormente.

São as mais posteriores e superficiais do grupo posterior dos músculos da perna.

Estendem-se desde os côndilos femorais ao tendão de Aquiles.

Gémeo interno insere-se:

 numa depressão póstero-superior ao côndilo interno do fémur e inferior e


posterior ao tubérculo do grande adutor.
 no tubérculo supra-condiliano interno e na cápsula condiliana interna
do joelho.

Gémeo externo insere-se:

 na fosseta posterior ao epicôndilo externo do fémur, superiormente


à fosseta de inserção do músculo popliteu.
 no tubérculo supra-condiliano externo e na cápsula condiliana
externa do joelho.

No seu conjunto, o músculo tricípede sural permite a extensão, adução e rotação


interna do pé.

404
Músculo Estreito Plantar

É um músculo comprido e tendinoso em quase todo o seu comprimento, vestigial no ser


humano, situado entre os músculos gémeos e o músculo solhar.

Estende-se desde o côndilo externo do fémur até ao calcâneo.

Nasce por curtas fibras tendinosas do côndilo externo do fémur e da cápsula


condiliana supero-internamente ao músculo gémeo externo. Na parte inferior da
perna adere ao bordo interno do tendão de Aquiles e fixa-se na face posterior do
calcâneo.

Auxilia o músculo tricípede sural.

405
Músculos do Pé

REGIÃO DORSAL

Músculo Pedioso ou Curto Extensor dos Dedos

Insere-se na face superior do calcâneo, no ligamento anular anterior do tarso e


na 1ªfalange dos 4 primeiros dedos. Permite a extensão das 1ªas falanges e a sua
inclinação interna.

REGIÃO PLANTAR

Compreende vários músculos dispostos em 3 grupos: médio, interno e externo.

GRUPO MÉDIO

Os músculos dispõem-se em 3 planos: profundo, médio e superficial.

406
Plano Profundo:

Músculos Interósseos Dorsais: inserem-se nos espaços intermetatársicos do 2º


e 4ºdedos e na 1ª falange dos 2º ao 4ºdedos. Permite a flexão da 1ªfalange e o
afastamento dos dedos dos pés.

Músculos Interósseos Plantares: inserem-se nos 3 últimos metatarsos e na


1ªfalange. Permite a flexão da 1ªfalange e a aproximação dos dedos dos pés.

Plano Médio:

Músculos Lumbricóides (descritos na secção Músculos da Perna)

407
Músculo Acessório do Longo Flexor: insere-se no calcâneo e no tendão do
longo flexor comum dos dedos. É acessório na flexão dos 4 últimos dedos.

Plano Superficial:

Músculo Curto Flexor Plantar: insere-se no calcâneo e na 2ªfalange dos últimos


4 dedos. Permite a flexão dos 4 últimos dedos.

408
GRUPO INTERNO

Os músculos dispõem-se em 2 planos: profundo e superficial.

Plano Profundo:

Músculo Curto Flexor do 1ºDedo: insere-se no 2º e 3º cuneiformes, no cubóide,


na 1ªfalange e nos ossos sesamóideis do 1ºdedo. Permite a flexão do 1ºdedo.

Músculo Abdutor do 1ºDedo: insere-se no cubóide, no 3ºcuneiforme, no 3º e


4ºmetatarso e na face dorsal do 1ºdedo. Permite a flexão e abdução do 1ºdedo.

Plano Superficial:

Músculo Adutor do 1ºDedo: insere-se no calcâneo e no 1ºdedo.


Permite a flexão e abdução do 1ºdedo.

409
GRUPO EXTERNO

Os músculos dispõem-se em 2 planos: profundo e superficial.

Plano Profundo:
Músculo Curto Flexor do 5ºDedo: insere-se no 5ºmetatarso e na 1ª falange do
5ºdedo. Permite a flexão do 5ºdedo.

Músculo Oponente do 5ºDedo: insere-se na fileira anterior do tarso e no


5ºmetatársico. Movimenta o 5ºmetatarso para dentro.

Plano Superficial:

Músculo Abdutor do 5ºDedo: insere-se no


calcâneo, no 5ºmetatarso e na 1ªfalange
do 5ºdedo. Permite a flexão e abdução do
5ºdedo.

410
Aponevroses do Membro Inferior

Aponevroses da Região Glútea

Reveste os músculos da região glútea. Insere-se na crista ilíaca, no sacro e no


cóccix, continuando-se com a aponevrose femoral.

Aponevroses da Coxa

APONEVROSE FEMORAL

A aponevrose femoral envolve a coxa numa bainha completa.

Anterior, interna e posteriormente é uma bainha fina, mas externamente torna-se


bastante espessa, designando-se fascia lata.

Une-se ao fémur por dois septos intermusculares:

• Septo intermuscular externo: separa as regiões anterior e posterior dos músculos


da coxa;

• Septo intermuscular interno: divide a região anterior em 2 locas: loca ântero-


externa (contém o músculo quadricípede crural) e loca póstero-interna (contém
os músculos adutores da coxa, o reto interno e os vasos femorais).

A aponevrose femoral emite, pela sua face profunda, expansões que envolvem cada um
dos músculos da coxa.

411
CANAL FEMORAL

A aponevrose femoral forma, ainda, uma bainha fibrosa em torno dos vasos femorais,
constituindo o canal femoral.

Este canal é constituído:

• Pelo revestimento aponevrótico dos músculos que constituem a goteira femoral


(adutores, pectíneo, psoas e vasto interno);

• Por uma lâmina que reúne os dois bordos da goteira femoral, passando
anteriormente aos vasos femorais.

O orifício superior do canal femoral designa-se anel crural e


estabelece a comunicação entre a cavidade abdominal e a região do
Triângulo de Scarpa. É limitado:

• Ântero-superiormente, pelo ligamento inguinal;

• Externamente, pela fita ílio-pectínea;

• Internamente, pelo ligamento de Gimbernat;

• Póstero-inferiormente, pelo ligamento pectíneo de Cooper.

É atravessado ( de EXT para INT ) por:

 Ramo femoral do nervo genitor-crural


 Artéria femoral
 Veia femoral
 Gânglio de Cloquet

Na porção externa do triângulo femoral, passam os nervos femoral e o femoral


cutâneo, que não estão envolvidos pelo canal femoral.

412
O orifício inferior do canal femoral é o anel do grande adutor, que se encontra
entre os feixes médio e inferior do músculo grande adutor.

O canal femoral possui 3 segmentos:

1) Segmento superior, o canal crural;


2) Segmento médio;
3) Segmento inferior, o canal de Hunter.

1) CANAL CRURAL: inicia-se no anel crural e termina no ponto de confluência da


veia safena interna na veia femoral.

Nele os vasos femorais estão recobertos anterior e posteriormente, pelos folhetos


respetivos em que se desdobra a aponevrose do músculo costureiro.

Internamente, no folheto superficial encontramos vários orifícios, que são atravessados


pelos ramos vasculares e nervosos.

A esta porção interna da parede anterior do canal crural, chamamos fascia


cribiformis.

Ao limite mais espesso da fascia cribiformis, que contacta com a aponevrose femoral,
chamamos ligamento de Allan Burns, que permite a passagem da veia safena
interna, sem, por isso, se tratar de um orifício, uma vez que a fascia cribiformis adere
à túnica exterior da veia safena interna, prolongando-se sobre esta.

413
De INT para EXT, passam no canal crural:

. artéria femoral

. veia femoral

. vasos linfáticos

2) SEGMENTO MÉDIO: apresenta 3 paredes, constituídas por:

• Parede externa - aponevrose do músculo vasto interno

• Parede interna - aponevrose do músculo médio adutor

• Parede anterior - aponevrose do músculo costureiro

É atravessado pela artéria femoral e pela veia femoral (póstero-interna à


artéria).

3) SEGMENTO INFERIOR ou CANAL DE HUNTER: Como o canal femoral apresenta


uma torção sobre o seu eixo, o canal de Hunter apresenta:

• Parede ântero-externa: septo intermuscular interno e músculo vasto interno;

• Parede posterior: aponevrose do músculo grande adutor;

• Parede interna: lâmina fibrosa que vai do tendão do grande adutor até à
aponevrose do vasto interno = lâmina fibrosa de Hunter, que é atravessada por
um ramo da artéria grande anastomótica, pelo nervo safeno interno e pelo ramo
femoral do nervo acessório do safeno interno.

Aponevroses da Perna

A perna é envolvida por uma bainha aponevrótica. A aponevrose profunda da perna


estende-se, inferiormente, de um músculo gémeo ao outro e, superiormente, desde a
face posterior do músculo semimembranoso à face anterior do bicípede crural. Entre a
aponevrose superficial e profunda, passam o ramo cutâneo do nervo pequeno
ciático e a veia safena interna.

414
Aponevroses do Pé

Aponevroses dorsais do pé: são 3: a aponevrose dorsal superficial, a aponevrose do


pedioso e a aponevrose profunda.

Aponevroses plantares: são 2: a superficial (que apresenta, 1 média e 2 laterais) e a


profunda.

Canal Társico: é um canal localizado internamente à articulação tíbio-társica, cujos


limites são:

 Internamente: ligamento anular interno


 Externamente: goteira calcaneana
 Anteriormente: maléolo interno da tíbia
 Posteriormente: calcâneo

É constituído por (de ANT para POST):

 Músculo tibial posterior


 Músculo longo flexor comum dos dedos
 Veia, artéria e nervo tibial posterior
 Musculo longo flexor do 1ºdedo

415
Bainhas Ósteo-fibrosas e Serosas dos Tendões do Tornozelo e do Pé

Bainhas Fibrosas e Ósteo-fibrosas dos tendões dos músculos da perna na


região do tornozelo:

 Ligamento Anular Anterior do Tarso: estende-se desde um bordo ao outro


da face anterior do tornozelo. As suas fibras inserem-se no escavado
astrágalo-calcaneano, na face superior da grande apófise do calcâneo e no
seio do tarso. Daqui, desdobra-se em 2 folhetos: um superficial e um
profundo. O superficial envolve o tendão do músculo tibial anterior. O profundo
envolve os tendões dos músculos extensores dos dedos.
 Ligamento Anular Externo do Tarso: estende-se entre a goteira maleolar
do perónio e o calcâneo. Recobre os tendões dos músculos peroneais laterais.
 Ligamento Anular Interno do Tarso: apresenta 2 lâminas: uma superficial
e uma profunda. Ambas se inserem anterioremente ao bordo posterior e ao
vértice do maléolo interno. Da face profunda do ligamento anular interno do
tarso, partem septos que dividem o espaço em 3 bainhas ósteo-fibrosas (de
ANT para POST):
- bainha do tendão do músculo tibial posterior
- bainha do tendão do músculo longo flexor comum dos dedos
- bainha do tendão do músculo longo flexor próprio do 1ºdedo

Bainhas Serosas dos tendões dos músculos da perna e do tornozelo

A cada bainha ósteo-fibrosa corresponde uma bainha serosa que assegura o


deslizamento dos tendões nas bainhas fibrosas.

416
5.4. Angiologia do Membro Inferior

417
ARTÉRIAS DO MEMBRO INFERIOR

Ramos Extra-pélvicos da Artéria Ilíaca Interna


A artéria ilíaca interna é o ramo de bifurcação interna da artéria ilíaca primitiva.

Nasce ao nível da asa do sacro, desce anteriormente à articulação sacro-ilíaca e termina


por cima da grande chanfradura ciática, onde dá 12 ramos, divididos em 3 grupos:
ramos viscerais, os ramos parietais intra-pélvicos e os ramos parietais extra-
pélvicos.

Os ramos parietais extra-pélvicos são:

 Artéria Obturadora: aplica-se sobre a parede externa da bacia, até ao buraco


ísqui-púbico, no qual se introduz para penetrar na coxa e se divide nos seus 2
ramos: um anterior e um posterior.
O ramo anterior fornece ramos aos músculos obturador externo, adutores, reto
interno, bolsas escrotais e grandes lábios.
O ramo posterior cruza a face profunda da fita infra-púbica de Testut
(superior e anterior à memebrana obturadora) e segue o rebordo do buraco
ísquio-púbico. Dá um ramo intra-pélvico, um ramo acetabular e alguns ramos
musculares para os músculos obturador externo e adutores.

 Artéria Glútea Superior: atravessa o plexo sagrado entre o tronco lombo-sagrado


e o primeiro nervo saradi. Sai da bacia pela grande chandrafura ciática,
superiormente ao músculo piramidal. Divide-se aí em 2 ramos terminais: um
superficial, essencialmente para o músculo grande glúteo, e um profundo, para o
tensor da fascia lata, o osso ilíaco e a articulação coxo-femoral.

418
 Artéria Glútea Inferior: sai da bacia pela parte inferior da grande chanfradura
ciática, inferiormente ao músculo piramidal e internamente à artéria pudenda
interna. Dá um ramo ascendente inconstante, um ramo terminal inferior e
externo, para o músculo grande glúteo e um ramo terminal ínfero-interno
descendente.

 Artéria Pudenda Interna: pertence à região glútea numa pequena parte do seu
trajeto. Sai da bacia pela grande chanfradura ciática, inferiormente ao
músculo piramidal e externamente à artéria glútea inferior. De seguida passa na
fossa ísquio-retal pela pequena chanfradura ciática. Dá ramos para os
músculos gémeos, piramidal e obturador interno.

419
Artéria Femoral
ORIGEM, TRAJETO e RELAÇÕES:

A artéria femoral continua a artéria ilíaca externa. Situas-se na parte ântero-


interna da coxa e estende-se desde a arcada cural até ao anel do grande adutor.

Superiormente, encontra-se na região do triângulo de Scarpa. Inferiormente ao anel


do grande adutor, passa a chamar-se artéria popliteia.

Percorre toda a extensão do canal femoral.

Na porção do canal femoral situada no triângulo de Scarpa, distinguem-se 2


segmentos de acordo com o local onde a veia safena interna drena na veia femoral:

 O segmento superior, denominado canal crural, contém a artéria femoral, a


veia femoral, os vasos ilíacos profundos e os gânglios inguinais profundos, de
externo para interno.
 O segmento inferior contém a artéria e a veia femorais, a artéria e veia
femorais profundas, o local de origem da artéria femoral profunda e as suas
veias satélites.

420
A artéria femoral é anterior à veia femoral, na porção superior do canal femoral, e
interna na porção inferior do canal.

RAMOS COLATERAIS: dá 6 ramos colaterais principais.

 Artéria epigástrica superior: nasce da face anterior da artéria femoral, atravessa


a fascia cribiformis e torna-se superficial. Anastomosa-se com a artéria
epigástrica e a artéria circunflexa ilíaca superficial.

 Artéria circunflexa ilíaca superficial: nasce ao mesmo nível que a epigástrica


superior. Atravessa a fascia cribiformis e destina-se aos tegumentos da parede
abdominal.

 Artéria pudenda externa superior: nasce na face interna da artéria femoral.


Atravessa a fascia cribiformis e destina-se aos tegumentos da região púbica,
escroto no homem e grandes lábios na mulher.

 Artéria pudenda externa inferior: nasce inferiormente à pudenda externa


superior. Primeiro atravessa a face anterior da veia femoral, perfura a bacia e
distribui-se no escroto ou grandes lábios.

421
 Artéria profunda da coxa: nasce da face posterior da artéria femoral.
Atravessa o músculo grande adutor e dá vários ramos: artéria do músculo
quadricípede cural, artéria circunflexa interna, artéria circunflexa da coxa e
artérias perfurantes.

 Artéria descendente do joelho: separa-se da artéria femoral ao nível do anel do


grande adutor. Divide-se em 3 ramos: um superficial, um profundo e
articular e um profundo e muscular.

422
Artéria Popliteia
ORIGEM e TRAJETO: a artéria popliteia continua a artéria femoral. Estende-se desde
o anel do grande adutor até à arcada tendinosa do músculo solhar, onde se
divide na artéria tibial anterior e o troco tíbio-peroneal.

RELAÇÕES: caminha de superior para inferior, atrás do fémur, do plano fibroso


posterior da articulação do joelho e do músculo popliteu. É recoberto, de superior para
inferior, pelo semimembranoso, pelo escavado popliteu e pelos gémeos. A artéria
popliteia é acompanhada pela veia popliteia, póstero-externa à artéria, e pelo nervo
tibial, póstero-externo à veia.

RAMOS COLATERAIS: dá vários ramos colaterais dos quais se distinguem: 2 artérias


superiores do joelho, 1 média do joelho, 2 artérias inferiores do joelho e 2
musculares, as artérias gémeas.

 Artérias superiores do joelho: são 2, uma interna e uma externa. Nascem da


face anterior da artéria popliteia, superiormente ao bordo dos côndilos.
A artéria superior externa divide-se num ramo muscular para o quadricípede
crural e num ramo articular que faz parte da rede peri-rotuliana.
A artéria superior interna divide-se sobre o bordo externo do fémur num ramo
profundo para o vasto interno e num ramo superficial para as faces externa e
anterior e do joelho.

423
 Artéria média do joelho: nasce da face anterior da artéria popliteia. Distribui-
se pelos elementos adiposos e ligamentos do espaço inter-condiliano.

 Artérias inferiores do joelho: são 2, uma interna e uma externa. Nascem da


artéria popliteia ao nível da interlinha articular.
A artéria inferior interna ramifica-se na parte ântero-interna da articulação do
joelho. A artéria inferior externa ramifica-se na parte ântero-externa da mesma.

 Artérias gémeas: são 2, uma interna e uma externa. Nascem da face posterior
da artéria popliteiam ao nível da interlinha articular. Dirigem-se para os
músculos gémeos correspondentes.

REDE PERI-ROTULIANA:

As 2 artérias superiores do joelho e as 2 artérias inferiores do joelho anastomosam-se


entre si, na face anterior do joelho e formam uma rede arterial denominada rede peri-
rotuliana. As artérias recorrente tibial anterior (ramo da tibial anterior),
recorrentes peroneais anterior e posterior (também ramos da tibial anterior)
fazem ainda parte da constituição da rede. A artéria tibial interna (ramo do tronco
tíbio-peroneal) faz indiretamente parte da rede, ao se anastomosar com a artéria
inferiore interna do joelho.

424
Artéria Tibial Anterior
ORIGEM e TRAJETO: é o ramo de bifurcação anterior da artéria popliteia.
Atravessa o orifício compreendido entre a tíbia, o perónio e o bordo superior da
membrana interóssea. Depois, alcança o retinaculum dos extensores, onde passa a
chamar-se artéria dorsal do pé.

RELAÇÕES:

Na perna, caminha entre o músculo tibial anterior, internamente e os músculos


extensores, externamente.

Na região do tornozelo, passa posteriormente ao retinaculum dos músculos


extensores que a separam do tendão do músculo longo extensor do 1ºdedo. Este
tendão é primeiro externo à artéria, passando depois a ser interno a ela.

A artéria tibial anterior é acompanhada ao longo do seu trajeto pelo nervo tibial
anterior, que cruza a sua face anterior, de superior para inferior, e de fora para dentro.

RAMOS COLATERAIS: dá ramos musculares e 5 ramos principais que são:

 Artéria recorrente peroneal posterior: inconstante. Nasce atrás da membrana


interóssea da perna, contorna o colo do perónio e termina na face anterior da
articulação tíbio-peroneal superior.

425
 Artéria recorrente tibial anterior: nasce da artéria tibial anterior depois de ela
atravessar o espaço interósseo. Dá vários ramos que constituem a rede peri-
rotuliana.

 Artéria recorrente peroneal anterior: inconstante. Nasce da artéria tibial anterior


anteriormente à membrana interóssea. Ramifica-se na face externa do joelho.

 Artéria maleolar ântero-interna: nasce superiormente ao retinaculum dos


extensores. Termina sobre o maléolo onde dá ramos cutâneos e articulares.

 Artéria maleolar ântero-externa: nasce da tibial anterior ao mesmo nível que a


artéria maleolar ântero-interna. Dá ramos ramos cutâneos, ramos articulares e
ramos calcaneanos.

426
Artéria Dorsal do Pé
ORIGEM e TRAJETO: estende-se desde o bordo infeiror do retinaculum dos
extensores, onde continua a artéria tibial anterior até à extremidade posterior do
1ºespaço interósseo.

RELAÇÕES: a artéria dorsal do pé repousa sobre os ossos do tarso e as suas


articulações. É recoberta pela aponevrose do músculo pedioso e por um feixe deste
músculo.

RAMOS COLATERAIS: emite 5 ramos colaterais principais:

 Artéria társica: nasce da artéria dorsal do pé perto do bordo inferior do retinaculum


dos extensores. Termina no bordo externo do pé. Dá ramos aos ossos, articulações
e músculo pedioso.

 Artéria do seio do tarso: nasce da artéria dorsal do pé, da artéria társica ou da


artéria malelolar ântero-externa.

 Artéria társica interna: caminha ao longo do bordo interno do pé.

 Artéria arqueada: nasce da artéria dorsal do pé, posteriormente ao primeiro espaço


interósseo. Termina sobre o bordo externo do pé.

 Artéria interóssea do 1ºespaço: nasce da artéria dorsal do pé, onde esta muda de
direlão para atravessar o primeiro espaço interósseo. Divide-se em 2 ramos um
interno e um externo.

427
Tronco Tíbio-Peroneal
ORIGEM e TRAJETO: é o ramo de bifurcação posterior da artéria popliteia.
Estende-se desde o arco tendinoso do músculo solhar, e termina após ¾ cm de trajeto,
ao se dividir nos seus 2 ramos: artérias peroneal e tibial posterior.

RELAÇÕES: é posterior ao músculo tibial posterior.

RAMOS COLATERAIS: dá 2 ramos:

 Artéria recorrente tibial interna: anastomosa-se com a artéria inferior do joelho.

 Artéria nutritiva da tíbia: penetra no buraco nutritivo da tíbia.

428
Artéria Peroneal
Estende-se desde a terminação do tronco tíbio-peroneal até à extremidade inferior da
membrana interóssea onde se divide em 2 ramos terminais: a artéria peroneal anterior
e a artéria peroneal posterior.

RELAÇÕES: a artéria desloca-se entre o músculo tibial posterior e o músculo flexor


próprio do 1ºdedo. Alcança a face psoterior da membrana interóssea da perna.

RAMOS COLATERAIS: dá ramos musculares e a artéria nutritiva do perónio.

RAMOS TERMINAIS:

 Artéria peroneal anterior: anastomosa-se com a artéria maleolar ântero-externa.

 Artéria peroneal posterior: anastomosa-se com as artérias peroneal anterior,


maleolar ântero-externa, társica e plantar externa.

429
Artéria Tibial Posterior

ORIGEM e TRAJETO: é o ramo de bifurcação interno do tronco tíbio-peroneal.


Desce obliquamente até à entrada do canal calcaneano. A artéria tibial posterior
inflecte-se para se introduzir nesse canal, onde termina dividindo-se nas artérias
plantares interna e externa.

RELAÇÕES: é recoberta pelo músculo solhar e pela aponevrose profunda da perna

Relaciona-se:

 Anteriormente - com o músculo tibial posterior, superiormente, e com o


músculo flexor comum dos dedos, inferiormente.
 O nervo tibial posterior é externo à artéria.

Ao nível do maléolo interno, a artéria passa pelo canal társico*, juntamente com as
veias satélites e o nervo tibial posterior, constituindo o feixe vásculo-nervoso tibial
posterior.

*ver Aponevroses do Membro Inferior

RAMOS COLATERAIS: a artéria tibial posterior fornece: ramos


musculares para os músculos vizinhos; um ramo anastomótico
transversal; um ramo maleolar interno e ramos calcaneanos.

430
Artérias Plantares
A artéria tibial posterior divide-se no canal társico em 2 ramos terminais: as artérias
plantares externa e interna.

Artéria Plantar Externa

Mais volumosa que a interna, parece ser o prolongamento da artéria tibial posterior.
Estende-se até ao bordo externo da parte plantar do pé. Aplica-se sobre o músculo
acessório do longo flexor, e é recoberta sucessivamente pelos músculos abdutor do 1º
dedo e curto flexor dos dedos. Depois, introduz-se sob os tendões do flexor comum,
passa sobre a base dos metatársicos e sobre a extremidade posterior dos músculos
interósseos. Termina na extremidade posterior do 1º espaço interósseo.

RAMOS COLATERAIS: dá ramos aos músculos, aos ossos e às articulaçõe adjacentes


e alguns ramos prinipais: as artérias perfurantes posteriores, a artéria
perfurante do 1ºespaço, as artérias interósseas plantares dos 2º, 3º e 4º
espaços. A artéria termina dando origem à artéria colateral plantar interna do
1ºdedo.

Artéria Plantar Interna

Muito mais pequena que a externa. É recoberta pelo músculo abdutor do 1º dedo e
cruza a face inferior do tendão do longo flexor comum. Passa ao longo do lado interno
do tendão do longo flexor próprio do 1º dedo. Termina ao formar a colateral interna
do 1o dedo, ou ao se dividir em 2 ramos: um interno e um externo.

431
VEIAS DO MEMBRO INFERIOR
Dividem-se em 2 grupo: as veias tributárias da veia ilíaca interna, e as veias
propriamente ditas do membro inferior, tributárias da veia ilíaca externa.

VEIAS TRIBUTÁRIAS DA VEIA ILÍACA INTERNA

São as veias obturadora, glútea superior, glútea inferior e pudenda interna.

 Veia glútea superior: é formada pela reunião, ao nível do bordo superior da


grande chanfradura ciática, das veias satélites dos ramos da artéria glútea
superior.

 Veia glútea inferior: acompanha a artéria glútea inferior e recobre-a quando


atravessa a grande chanfradura ciática.

 Veia pudenda interna: surge quando a veia contorna a espinha ciática para
passar da pequena chanfradura para a grande chanfradura ciática. É externa ao
nervo, tal como a artéria.

 Veia obturadora: forma-se pela reunião das veias satélites dos ramos da artéria.
No buraco ísquio-púbico é interna ao nervo.

432
VEIAS TRIBUTÁRIAS DA VEIA ILÍACA EXTERNA

Dividem-se em veias profundas e em veias superficiais.

Veias Profundas: são 2 por artéria, com exceção do tronco venoso tíbio-peroneal, da
veia popliteia e da veia femoral. Têm o nome da artéria que acompanham.

 Tronco tíbio-peroneal: é interno ao nervo tibial. Às vezes é substituído por 2


veias que bordejam lateralmente o tronco arterial.

 Veia popliteia: resulta da reunião do tronco tíbio-peroneal com as veias


tibiais anteriores. Inferiormente, a veia é póstero-interna à artéria.
Superiormente, é externa à artéria.
 Veia femoral: continua a veia popliteia e estende-se até ao anel crural ao se
enrolar em espiral em torno da artéria femoral. No anel do grande adutor, a veia
é externa à artéria, tornando-se depois interna à artéria, no anel crural. Recebe
a veia safena interna. Os seus colaterais são os mesmos que os da artéria, à
exceção das veias epigástrica superficial, circunflexa ilíaca superficial e pudendas

Veias Superficiais: salientam-se 2 troncos: a veia safena interna e a veia safena


externa.

 Rede Venosa Dorsal do Pé: destaca-se uma arcada venosa dorsal que cruza a
região metatársica e continua pelas veias marginais interna e externa.
Recebe o sangue venoso da rede superficial
dorsal, as veias dorsais dos dedos e as veias
interdigitais.

 Rede Venosa Plantar do Pé: rica rede


subcutânea, denominada sola venosa
formada por pequenas veias. De cada lado,
destacam-se troncos coletores que terminam
na veia marginal dorsal correspondente.

 Veia Safena Interna: continua a veia


marginal interna e passa anteriormente ao
maléolo interno. A partir do maléolo interno,
sobe sobre a face interna da perna e depois

433
contorna o côndilo interno do fémur. Ao chegar à coxa, atravessa a fascia
cribiformis.
Na sua extremidade superior, descreve uma curva, a crossa da veia safena
interna. Drena na veia femoral.
Recebe: veias posteriores da rede dorsal do pé; veias superficiais da parte
ântero-interna da perna; as veias subcutâneas da coxa, as veias pudendas
externas, epigástrica superficial, circunflexa ilíaca superficial e dorsal superficial
do pénis ou clítoris.
Anastomosa-se com:
. veias dorsais do pé e plantares internas
. veias tibiais anteriores
. veias tibiais anteriores e posteriores
. veias articulares ínfero-internas
. veia femoral
. veia safena externa

 Veia Safena Externa: continua a veia marginal externa e passa


posteriormente ao maléolo externo. Na parte média da perna, ascende entre os
gémeos, posteriormente ao nervo cutâneo gémeo inferior que recobre. Drena na
face posterior da veia popliteia.
Recebe ramos venosos superficiais da região plantar externa, do tornozelo e das
faces posterior e externa da perna.
Anastomosa-se com:
. veia plantar externa
. veias peroneais
. veia safana interna.

434
LINFÁTICOS DO MEMBRO INFERIOR
O membro inferior apresenta 2 sistemas de drenagem linfática: superficial e
profundo.

Sistema Superficial:

Os capilares linfáticos confluem e formam troncos coletores:

 Troncos coletores internos: seguem o trajeto da veia safena interna.

 Troncos coletores externos: cruzam a face anterior da perna e da coxa e


terminam nos troncos colectores internos.

 Troncos coletores posteriores da perna: seguem o trajeto da veia safena externa


atingindo o gânglio safeno externo. Drenam nos gânglios inguinais superficiais.

Os 8 a 12 gânglios linfáticos superficiais localizam-se na região inguinal constituindo o


grupo ganglionar inguinal superficial. Situam-se no triângulo de Scarpa sobre a
fáscia cribiformis.

Encontram-se distribuídos em 4 quadrantes, formados pelo cruzamento de 2 linhas,


uma vertical e uma horizontal, ao nível da crossa da veia safena interna.

Quadrante Súpero-Externo Quadrante Súpero-Interno

Linfáticos da porção externa da região Linfáticos superficiais dos órgãos


glútea e da parte externa da parede genitais externos, períneo e ânus, da
abdominal inferior. parte interna da região glútea e da
porção interna da parede abdominal
inferior

Linfa Superficial do Membro Inferior

Quadrantes Inferiores

435
Dos gânglios inguinais superficiais, a linfa segue para os gânglios inguinais
profundos e para os gânglios ilíacos externos, atravessando a fascia cribiformes.

Sistema Profundo

Os gânglios profundos dividem-se em 3 grupos:

 Tibial anterior - recebe os linfáticos profundos tibiais anteriores e drena para


os gânglios popliteus.

 Popliteu – são 3 a 6 e agrupam-se em 3 subgrupos: um subgrupo anterior


formado pelo gânglio articular situado anteriormente aos vasos popliteus e
posteriormente ao plano fibroso posterior da articulação do joelho; um subgrupo
médio que compreende os gânglios diretamente relacionados com a artéria e a
veia popliteias; um subgrupo posterior formado pelo gânglio safeno externo
localizado externamente à veia safena externa. Recebem os eferentes do gânglio
tibial anterior

 Inguinal profundo – são 2 ou 3 gânglios, internos à veia femoral. O mais


superior denomina-se gânglio de Cloquet. Recebem a linfa proveninente dos
gânglios popliteus e, ainda, a linfa da glande ou do clítoris e do grupo
inguinal superficial. Os seus vasos eferentes dirigem-se para os gânglios
ilíacos externos.

436