Você está na página 1de 12

ISSN 1982-3541

Campinas-SP
2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91

Contexto como determinante de


comportamentos verbais públicos

Context as a determinant of public verbal behavior

Lorismário E. Simonassi1
Marcileyde Tizo2
Ueliton dos Santos Gomes
Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUCGO
Lenny Francis Campos de Alvarenga
Universidade de Rio Verde - FESURV

Resumo
O presente estudo verificou como contextos verbais (instruções), e não verbais (objetos), exercem
controle sobre respostas verbais em um episódio verbal total. Participaram desse estudo 10 alunos
universitários com idades entre 19 e 26 anos. Os participantes foram expostos a quatro condições
experimentais em um delineamento de sujeito como seu próprio controle. Nas Condições 1, 2 e 3
foi apresentada a instrução “Queime logo esta ponta aí.”, sendo que, nas Condições 2 e 3, também
foram apresentados estímulos não verbais. Na Condição 4, foi apresentada a instrução “Queime
logo esta ponta aí. Calma senhor, senão acabo estragando a roupa”. Os participantes, a cada
condição, foram solicitados a apresentarem por escrito suas respostas. Verificou-se que as variáveis
manipuladas como contexto controlaram as respostas verbais dos participantes, isto é, estes
passaram a emitir respostas verbais relacionadas aos estímulos verbais e não verbais apresentados
a cada condição experimental. Explicações do controle contextual levaram em consideração os
princípios de discriminação, generalização e relações condicionais arbitrárias.
Palavras-chave: Contextos verbais e não verbais; Comportamento verbal; Episódio verbal.

1 Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC GOIAS Goiânia, GO, Brasil. Rua Fortaleza, nº. 355 Apt. 104 Ed. Fernanda.
Bairro/Setor: Alto da Glória. CEP: 74810-120, Goiânia, GO. Telefone: (xxx-62) 3246-4817. E-maisl: lorismario@ucg.br –
lorismario@gmail.com – lorismario@pq.cnpq.br
2 Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC GOIAS Goiânia, GO, Brasil. Endereço para correspondencia: SRCN, Quadra 408
Norte, Bloco E, Apt. 214, 70856-550, Brasília, DF. Telefone: (xxx-61) 9694-2352. E-mail: marcileydetizo@yahoo.com.br

Agradecimento: Agradecemos os colegas do LAEC Cláudio Herbert Nina e Silva, Flávio da Silva Borges e Luiz Carlos do Nascimento
Jr pela ajuda indispensável na coleta e análise de dados do presente artigo e ao amigo Cristiano Coelho, pelas valiosas considerações
finais. Agradecimentos ao CNPq processo nº. 301881-88-0 – PQ do primeiro autor.

Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91
Lorismário E. Simonassi - Marcileyde Tizo - Ueliton dos Santos Gomes - Lenny Francis Campos de Alvarenga

Abstract
The present study ascertained how verbal contexts (instructions) and non-verbal contexts (objects)
exert control over verbal responses in a total verbal episode. Participants consisted of 10
undergraduate students (19 to 26 years old). Four experimental conditions were employed by using
subjects as their own control (within-subjects design). In the first three conditions, the instruction
“Burn this tip now” was given, but in the second and third conditions, non-verbal stimuli were also
shown. In the fourth condition, the instruction “Burn this tip now. Calm down, sir, or I will end up
damaging your clothes” was given. For each condition, the participants were required to submit
written answers. It was found that manipulated variables such as context controlled the
participants' verbal responses in each experimental condition. Explanations of contextual control
took into consideration principles of discrimination, generalization and arbitrary conditional
relations.
Keywords: Verbal and non-verbal contexts; Verbal behavior; Verbal episode.

Comportamento verbal é um tipo feito Hayes e Hayes (1989). No trabalho


especial de comportamento operante de Simonassi e Cameschi, foi analisado o
selecionado e mantido por reforçamento episódio verbal buscando identificar as
mediado por outra pessoa, o ouvinte variáveis controladoras da relação
(1957/1978). Ele é definido pelo efeito falante/ouvinte e expandir a análise, para
sobre o comportamento do outro e pelo incluir a possibilidade de tal processo
seu caráter relacional, uma relação social. comportamental ocorrer envolvendo uma
única pessoa. Portanto, mostraram-se a
Na proposta que Skinner
(1957/1978) faz para análise do possibilidade da análise operante do

comportamento verbal, um dos pontos processo de resolução de problemas, onde


uma ou mais pessoas desempenham
assinalados é de se fazer tal análise,
funções de falante e de ouvinte de
olhando-se para as variáveis
controladoras que ocorrem no que ele maneira alternada. Finalmente,
argumentaram que, com base em eventos
chamou de episódio verbal total. Esse
públicos, pode-se inferir ocorrências de
episódio ocorre quando há troca de
comportamentos verbais privados que
papéis entre falante e ouvinte, isto é, o
possibilitem investigações empíricas
falante se torna ouvinte e o ouvinte,
confirmadoras.
falante. No mesmo caminho Skinneriano,
Simonassi e Cameschi (2003) tentaram São poucos os trabalhos
especificar conceitualmente algumas empíricos com este tipo de visão,
destas relações, bem como já o haviam destacando-se, entre eles, o trabalho de

Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91 81
Contexto como determinante de comportamentos verbais públicos

Leigland (1996), que analisa a interação Nessa mesma linha de análise


verbal falante-ouvinte identificando no conceitual, Carrara e Gonzales (1996),
episódio verbal total, quais são as afirmam que “o comportamento será
variáveis controladoras do comporta- sempre, um comportamento no contexto
mento do ouvinte que mantém o e não pode ser compreendido com apelo a
comportamento do falante. ações isoladas das partes envolvidas na
interação (...) e para dimensionar o
Outro ponto de destaque feito
tamanho de qualquer parte do contexto
por Skinner em sua proposta é o contexto.
que possa ser analisado, sem se perder de
Ou seja, existe um conjunto de condições,
vista a idéia de significado, parece ser
todas de natureza física, química,
imprescindível a idéia de funcionalidade
biológica ou social, que servem de
(...)” (p. 212).
moldura para a ocorrência do
O significado, como descreve
comportamento. Nessa perspectiva, está
Skinner (1974/2006), não é corretamente
sempre presente a idéia de classe de
respostas e de multideterminação. Uma visto como uma propriedade da resposta

Análise Comportamental Contextual ou da situação, mas sim como uma

implica em analisar o estar fazendo, o propriedade das contingências

estar realizando, o estar agindo, o que responsáveis pela topografia do

representa uma característica dinâmica, comportamento e do controle exercido

em contrapartida a um ato dado como pelos estímulos. Tecnicamente,

pronto e estático (Carrara, 2004). Desta significado deve ser encontrado entre as

forma, é possível realizar uma análise variáveis independentes em uma

relacional e, por isso, contextual (quem descrição funcional, e não nas

vai, vai a algum lugar; quem realiza, propriedades da variável dependente.

realiza algo; quem verbaliza, verbaliza Dessa forma, se um rato aciona uma

sobre). Assim como Skinner (1957/1978) alavanca para obter comida quando

e Carrara (2004) fizeram análises faminto, enquanto outro faz o mesmo

conceituais sobre contexto, Catania para obter água quando sedento, as

(1998/1999) e Baum (2005/2006) topografias de seus comportamentos

também o fizeram. Estes enfatizam em podem ser indistinguíveis, mas podemos

suas análises sobre a importância do dizer que diferem no significado: para um

contexto na determinação de eventos dos ratos, acionar a alavanca “significa”

comportamentais. comida; para o outro “significa” água.


Estes são aspectos das contingências que

82 Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91
Lorismário E. Simonassi - Marcileyde Tizo - Ueliton dos Santos Gomes - Lenny Francis Campos de Alvarenga

puseram o comportamento sob controle De acordo com essas descrições


da conjuntura atual. O “significado” do basicamente conceituais sobre contexto
comportamento verbal está em seu uso, que o presente estudo foi elaborado.
suas conseqüências, dentro do contexto Nota-se uma escassez de dados, estudos
(Baum, 2005/2006). Assim, perguntar empíricos na literatura que mostrem
qual o significado de um termo é experimentalmente a interação entre
perguntar qual o contexto e quais as contexto verbal e não verbal sobre
consequências de sua ocorrência. comportamento; como eventos
contextuais podem determinar eventos
A mesma forma de análise
comportamentais. Desta forma, o
contextual, feita por Skinner (1974/2006)
presente estudo se propôs a verificar
com ratos, foi feita por Baum
como contextos verbais (instruções) e não
(2005/2006), em relação ao
verbais (um pedaço de barbante, ¾ de
comportamento verbal. De acordo com
uma vela, e uma caixa de fósforos)
Skinner (1957), verbalizações estrutu-
exercem controle sobre respostas verbais
ralmente semelhantes podem pertencer a
em um episódio verbal total.
operantes verbais diferentes, dependendo
do contexto. A manipulação deste pode
determinar as variações estruturais do Método
operante, que provavelmente ocorrerão.
Participantes
Ao se falar de contexto, pode-se
Participaram do estudo 10
especificar estruturalmente dois tipos: (1)
estudantes universitários com idades
os verbais (falado, escrito ou gesticulado)
entre 19 e 26 anos, de ambos os sexos,
e (2) os não verbais (objetos ou coisas).
que não eram alunos de psicologia e não
Tanto um como o outro, deve entrar na
possuíam história experimental. Os
análise funcional do episódio verbal total.
participantes foram recrutados na
Segundo Moore (2000), que
universidade, através de convite verbal
conceitualmente especifica a diferença
vocal feito pelos experimentadores. A
entre palavras e coisas, denomina os
única informação dada durante o convite
estímulos não verbais de objetos. Esses
era a de que o participante faria parte de
estímulos não verbais, assim como os
um estudo em Psicologia, com duração
verbais, como parte do contexto, podem
média de 40 minutos. Ao aceitar
controlar o comportamento do falante no
participar do estudo, foram solicitados a
episódio verbal total.
assinar o Termo de Consentimento Livre

Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91 83
Contexto como determinante de comportamentos verbais públicos

e Esclarecido, submetido e aprovado pelo Procedimento


Comitê de Ética e Pesquisa da Pontifícia Cada participante foi conduzido à
Universidade Católica de Goiás, PUC-Go. sala experimental e solicitado a sentar-se
em uma cadeira, próxima à mesa. Sobre a
Situação e materiais mesa havia papel, uma caneta

O experimento foi realizado no esferográfica e uma urna lacrada. Esta

Laboratório de Análise Experimental do última foi usada por cada participante

Comportamento (LAEC), da Pontifícia para depósito das respostas verbais

Universidade Católica de Goiás, em uma escritas emitidas por eles a cada condição

sala de aproximadamente 4 m², com experimental.

temperatura e iluminação artificial, Os participantes foram expostos


contendo uma mesa e duas cadeiras. a quatro condições experimentais em um

Para a realização do delineamento de sujeito como seu próprio

experimento, foram produzidos três controle. Essas condições foram

cartões de 10x10 cm. Em um dos cartões apresentadas em uma mesma sequência a

havia a instrução: “Queime logo esta todos os participantes, isto é, Condições 1,

ponta aí”, que foi usada nas condições 2, 3 e 4. Estas foram realizadas em uma

experimentais 1, 2 e 3. Um outro cartão única sessão com cada participante, com

foi usado na Condição 4, contendo a duração média de 10 minutos cada

instrução “Queime logo esta ponta aí! condição.

Calma senhor, senão acabo estragando a O participante permanecia na


roupa”. Em um terceiro cartão havia a sala experimental durante todo o
seguinte pergunta: “Em qual contexto experimento, já o experimentador se
você acha que está frase foi dita?”, esta foi retirava a cada condição para que o
usada em todas as condições participante respondesse livremente.
experimentais (1, 2, 3 e 4).

Condição 1
Foram utilizados também alguns
objetos, como ¾ de uma vela, um pedaço Nesta condição experimental

de barbante, uma caixa de fósforos, uma com o participante sentado próximo à

bandeja, papel sulfite, caneta mesa, o experimentador entregava-lhe

esferográfica e uma urna lacrada. Todas um cartão com a seguinte instrução:

as sessões foram filmadas. “Queime logo esta ponta ai”. Em seguida,


o experimentador entregava outro cartão

84 Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91
Lorismário E. Simonassi - Marcileyde Tizo - Ueliton dos Santos Gomes - Lenny Francis Campos de Alvarenga

ao participante com o estímulo verbal: segundo cartão fosse apresentado ao


“Em qual contexto você acha que esta participante. No segundo cartão havia a
frase foi dita?”. O participante emitia a pergunta: “Em qual contexto, você acha
resposta verbal por escrito, depositava o que esta frase foi dita?” Após a
papel na urna que se encontrava ao seu apresentação dos cartões e dos objetos, o
lado. Após o depósito na urna, finalizava- experimentador se retirava da sala. O
se a condição e iniciava-se a Condição 2. participante emitia a resposta por escrito
e depositava na urna.
A cada instrução apresentado ao
participante, este era solicitado a ler a
Condição 3
instrução e, ao terminar a leitura, era
solicitado a avisar ao experimentador (ex: Esta condição foi idêntica à
dizer “pronto”, “terminei”). Após a Condição 2, porém o objeto barbante foi
apresentação dos cartões, o substituído por ¾ de uma vela.
experimentador se retirava da sala. O
Condição 4
participante emitia a resposta por escrito
e depositava na urna. De forma Nesta última condição não foram
semelhante foram conduzidas as demais apresentados estímulos não verbais
condições (2, 3 e 4). (objetos) ao participante, e o tipo de
instrução apresentada inicialmente foi

Condição 2 alterado, para esta condição: “Queime


logo esta ponta aí! Calma senhor, senão
Esta condição foi semelhante à
acabo estragando a roupa”. Em seguida,
Condição 1, sendo que, além da
foi apresentado o cartão com a pergunta:
apresentação da instrução “Queime logo
“Em qual contexto você acha que esta
esta ponta aí”, o experimentador
frase foi dita?” O participante novamente
apresentava os seguintes estímulos não
emitia a resposta verbal escrita em um
verbais (objetos): uma bandeja com uma
papel e depositava na urna. Após o
caixa de fósforos e um pedaço de
depósito, o experimentador agradecia ao
barbante. Nenhuma informação ou
participante pela sua colaboração e o
instrução adicional era apresentada pelo
experimento era encerrado. Os
experimentador ao participante. O
participantes não foram remunerados ou
experimentador aguardava o participante
receberam qualquer outro tipo de
olhar em direção aos objetos
recompensa pela participação no
apresentados na bandeja, para que o
experimento.

Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91 85
Contexto como determinante de comportamentos verbais públicos

Resultados Condição 1; a palavra


barbante/cordão, assim como, a
Os resultados foram analisados
palavra queimar, na Condição 2. Na
da seguinte forma: foi feita uma
Condição 3, temos a palavra vela,
categorização das respostas verbais
assim como acender. Na Condição 4,
emitidas pelos participantes em cada
temos a palavra roupa/calça e também
condição experimental (Tabela 1). Depois,
a palavra queimar. Todas estas
baseada nessa categorização, foi realizada
palavras relativas a objetos ou ações
a contagem das respostas relativas a
contextuais descritas neste parágrafo
objetos contextuais, assim como, as
foram emitidas por quatro, seis, sete
respostas relativas às ações contextuais,
ou nove participantes em uma mesma
separadamente para facilitar a
condição experimental.
compreensão e análise dos dados. Estes
dados foram apresentados em Como pode observar na Tabela 1,
porcentagem na Tabela 2 (verbais dentre essas palavras descritas no
emitidos relativos a objetos contextuais) e parágrafo anterior, várias outras
na Tabela 3 (verbais emitidos relativos a palavras relacionadas também foram
ações contextuais). O cálculo para a emitidas pelos participantes, sendo
obtenção da porcentagem foi realizado da estas com menor frequência pelos
seguinte forma: calculou-se a frequência participantes na condição. Esses dados
com que cada palavra foi emitida em cada foram apresentados mais especi-
condição experimental pelos ficamente nas Tabelas 2 e 3.
participantes, multiplicou-se essa
frequência por 100 e, depois, dividiu-se A Tabela 2 apresenta em
pelo total de participantes. porcentagem a frequência em que
De forma geral, observa-se na palavras relacionadas a objetos foram
Tabela 1 a categorização das respostas emitidas pelos participantes em cada
emitidas pelos participantes nas condição. Destaca-se que um mesmo
diferentes condições experimentais. participante pode ter emitido de
Nessa tabela, pode-se verificar que um a quatro objetos contextuais
algumas palavras foram emitidas em uma mesma condição
frequentemente pelos participantes em experimental. Isto também é válido
uma mesma condição como as palavras para as ações contextuais apresentadas
rapaz/pessoa e droga/maconha, na na Tabela 3.

86 Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91
Lorismário E. Simonassi - Marcileyde Tizo - Ueliton dos Santos Gomes - Lenny Francis Campos de Alvarenga

Tabela 1. Respostas verbais emitidas por cada participante Observa-se na Condição 1, que as
nas diferentes condições.
Verbais emitidos palavras rapaz/pessoa e droga/
*Pp Relativos a objetos Relativos a ações
**C maconha foram emitidas com
contextuais contextuais
1 1 Rapaz/Cigarro Fumar/Acabar/Sobrar
percentual igual a 40% cada, a palavra
2 Barbante Queimar
3 Vela Acender cigarro 30%, 10% a palavra mangueira
4 Roupa/Linha Cortar/Acabar e 10% corresponde à não emissão pelos
2 1 - Indicar
2 Cordão Mostrar/Queimar
participantes de palavras relacionadas
3 Vela Queimar/Acender/Clar a objeto contextual nesta condição.
ear
4 Roupa Queimar
3 1 Pessoa/Drogas Usar Tabela 2. Percentagem da frequência de respostas verbais
(maconha) relativas a objetos contextuais emitidas pelos
participantes em cada condição experimental.
2 Barbante Queimar
3 Escuridão/Vela/Luz Clarear Condições Experimentais
Objetos Contextuais
4 Pessoa/Roupa/Fio Pedir/Queimar
1 2 3 4
4 1 Cigarro Queimar
Rapaz/Pessoa 40% 10% - 50%
2 Cordão Queimar
3 - Queimar/Pedir Cigarro 30% - - -

4 Roupa/Linha Queimar Droga/Maconha 40% - - -


5 1 Pessoa Fumar
Mangueira 10% - - -
2 Linha/Trabalhos Arrumar
Manuais
Barbante/Cordão - 70% - -
3 Luz/Energia Acender
Linha - 10% - 70%
4 Roupa/Linha /Fogo Fazer/Acabar/Utilizar
6 1 Drogas (maconha) Experimentar Trabalhos Manuais - 10% - -
2 Barbante Queimar Fósforo - 10% - -
3 Vela Acender
Decoração - 10% - -
4 Linha/Roupa Haver
Festa Infantil - 10% - -
7 1 Droga Usar
Escola - 10% - -
2 Barbante Queimar
Vela - - 60% -
3 - Acender
Luz - - 20% -
4 Roupa/Fio/Pessoa Queimar
8 1 Pessoa/Drogas Utilizar/Urgir Escuridão - - 10% -

2 Barbante/fósforo Queimar/Mostrar Energia - - 10% -


3 Vela Queimar Igreja - - 10% -
4 Pessoa/Fio/Roupa/ Queimar
Altar - - 10% -
Linha
9 1 Mangueira Queimar Roupa/calça - - - 90%
2 Pessoa/Decoração/F Preparar/Compor Fogo - - - 10%
esta infantil/Escola
3 Igreja/Vela/Altar Acender Não Relatou 10% 10% 20% -

4 Linha/Pessoa Queimar
10 1 Cigarro Fumar/Pedir/Acabar
Na Condição 2, a palavra
2 - Chamar
3 Barbante Queimar barbante/cordão foi emitida com
4 Calça (pessoa) Queimar
/linha
percentual igual a 70%, as palavras
* Participantes; ** Condições. rapaz/pessoa, linha, trabalhos manuais,

Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91 87
Contexto como determinante de comportamentos verbais públicos

fósforo, decoração, festa infantil e escola arrumar, preparar, compor e chamar


foram emitidas 10% cada. Apenas um foram emitidas com percentual igual a
participante não emitiu resposta 10% cada.
relacionada a objetos contextuais nesta
condição. Tabela 3. Percentagem da frequência de respostas verbais
relativas a ações contextuais emitidas pelos
participantes em cada condição experimental.

Na Condição 3, a palavra vela


Ações Condições Experimentais
teve frequência igual a 60%, a palavra luz Contextuais 1 2 3 4
teve frequência de 20% e outros 20% Fumar 30% - - -
Acabar 20% - - 20%
correspondem à não emissão de palavras
Sobrar 10% - - -
relacionadas a objetos nesta condição. As Queimar 20% 70% 40% 70%
palavras escuridão, energia, igreja e altar Mostrar - 20% - -

foram emitidas 10% cada. Por último, na Indicar 10% - - -


Usar/Utilizar 30% - - 10%
Condição 4, a palavra roupa/calça foi
Experimentar 10% - - -
emitida pelos participantes com Urgir 10% - - -
frequência igual a 90%, a palavra linha foi Pedir 10% - 10% 10%
Arrumar - 10% - -
emitida 70%, a palavra rapaz/pessoa foi
Preparar - 10% - -
emitida 50% e a palavra fogo foi emitida Compor - 10% - -
10% nesta condição. Chamar - 10% - -
Acender - - 60% -
Na Tabela 3, apresenta-se a Clarear - - 20% -
Cortar - - - 10%
porcentagem das emissões de palavras
Mandar - - - 10%
relativas a ações contextuais a cada Perceber - - - 10%
condição. Fazer - - - 10%
Haver - - - 10%
Na Condição 1, as palavras fumar
e usar/utilizar foram emitidas 30% cada,
Na Condição 3, a palavra clarear
as palavras acabar e queimar foram
foi emitida 60%, queimar 40%, clarear
emitidas 20% cada e as palavras sobrar,
20% e pedir 10% pelos participantes.
indicar, experimentar, urgir e pedir foram
emitidas 10% cada. Por último, na Condição 4, os
Na Condição 2, a palavra queimar percentuais obtidos foram: queimar com
foi emitida com um percentual igual a 70%; acabar com 20%; usar/utilizar,
70%, a palavra mostrar foi emitida com pedir, cortar, mandar, perceber, fazer e
frequência igual a 20% e as palavras haver com 10% cada.

88 Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91
Lorismário E. Simonassi - Marcileyde Tizo - Ueliton dos Santos Gomes - Lenny Francis Campos de Alvarenga

Nestas condições, uma palavra ter influenciado o comportamento de


que, de certa forma, foi emitida com alta outro participante, pois o estudo foi
freqüência em quase todas as condições, realizado individualmente e em diferentes
foi “queimar”. momentos. Uma explicação plausível a
essa semelhança é que as variáveis
manipuladas (instruções e objetos)
Discussão
eram as mesmas para todos os
O presente estudo verificou como participantes e, por isso, observou-se
contextos verbais e não verbais exerceram uma repetição de palavras como:
controle sobre respostas verbais, em um barbante/cordão na Condição 2; vela na
episódio verbal total. Condição 3; roupa/calça na Condição 4.
Desta forma, pode-se dizer que àquela
Com os dados obtidos neste
instrução ou objeto apresentado
estudo, pôde-se verificar que variáveis
especificamente em uma condição e
como estímulos verbais e não verbais
não em outra, passou a exercer maior
funcionam como determinante para o que
controle sobre as respostas dos
Skinner chamou de episódio verbal total,
participantes na condição em que o
isto é, as instruções verbais e os estímulos
mesmo foi apresentado. Já na Condição
não verbais adquiriram funções
1, observa-se que não houve diferença
determinantes do comportamento do
significativa entre as respostas dos
ouvinte. Skinner (1957/1978) e Simonassi
participantes, talvez porque não
e Cameschi (2006) sugerem que o
estavam familiarizados com a situação
comportamento do falante, ao estabelecer
experimental.
ocasião para o comportamento do
ouvinte, torna-se estímulo discriminativo Outro dado importante para

importante em um episódio verbal total. essa discussão é referente à palavra

Os resultados do presente experimento “queimar”. Esta foi emitida em todas as

fortalecem empiricamente tais sugestões. condições experimentais por duas,


quatro ou sete vezes em uma mesma
Nota-se, ao descrever os dados, condição. A emissão dessa palavra em
uma semelhança no responder dos todas as condições por duas ou mais
participantes em uma condição e/ou nas vezes se deve à apresentação da
diferentes condições experimentais. Isto instrução “Queime logo esta ponta aí”,
não pode ser explicada dizendo-se que o que foi apresentada em todas as
comportamento de um participante pode condições, do início ao final do estudo.

Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91 89
Contexto como determinante de comportamentos verbais públicos

Portanto, contexto verbal e não diretamente ao contexto e outros objetos,


verbal controlaram as emissões das que possivelmente, fazem parte da
respostas verbais relativas, tanto a mesma classe de estímulos.
estímulos não verbais, como verbais, em
situações contextuais. Quando foi Nestes casos, propriedades dos
alterado o contexto, seja verbal ou não estímulos emitidos no contexto
verbal, verificou-se a alteração nas apresentado controlaram as demais
respostas verbais escritas dos respostas emitidas, pois os estímulos
participantes. Como afirmou Carrara e objetos podem partilhar de propriedades
Gonzales (1996), “o comportamento será físicas ou arbitrárias dos outros objetos
sempre, um comportamento no contexto descritos. Por exemplo, na Condição 3, ao
e não pode ser compreendido com apelo a se introduzir o objeto vela e a resposta
ações isoladas das partes envolvidas na correspondente ser emitida, também
interação. Assim como Skinner foram emitidos luz, escuridão, energia,
(1974/2006, p. 79) descreveu: “o igreja e altar. Todos estes objetos
significado de uma resposta não está em partilham propriedades de estímulos
sua topografia ou forma, (...) deve ser físicos ou arbitrários em comum com o
buscado em sua história antecedente” objeto vela, o que deu oportunidade de
(Skinner, 1974/2006, p. 80). Acrescente- serem emitidos. Resta-nos saber quais
se à história antecedente o controle foram por generalização e quais foram
contextual como demonstrado no por relações arbitrárias. Apesar de ambas
presente experimento, especialmente às certamente estarem presentes, este
respostas emitidas aos objetos estímulo experimento não permitiu afirmar a
introduzidos e que estavam relacionados extensão de cada uma delas.

Referências

Baum, William M.(2006). Compreender o Behaviorismo: comportamento, cultura e


evolução. Porto Alegre: Artmed.

Carrara, K., e Gonzalez, M. H. (1996). Contextualismo e mecanicismo: implicações


conceituais para uma análise da Análise do Comportamento. Didática, 31, 208-212.

90 Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91
Lorismário E. Simonassi - Marcileyde Tizo - Ueliton dos Santos Gomes - Lenny Francis Campos de Alvarenga

Carrara, K. (2004). Causalidade, relações funcionais e contextualismo: algumas indagações


a partir do Behaviorismo Radical. Interações, IX, 29-54.

Catania, A. C. (1999). Aprendizagem: Comportamento, Linguagem e Cognição. Porto


Alegre: ArtMed.

Hayes, S. C., & Hayes, L. J. (1989). The verbal action of the listener as a basis for rule-
governance. In S. C. Hayes (Org.), Rule-governed behavior: cognition, contingencies
and instructional control (pp. 153-190). Nova York: Plenum Press.

Leigland, S. (1996). An experimental analysis of ongoing verbal behavior: Reinforcement,


verbal operants and superstitious behavior. The Analysis of Verbal Behavior. 13, 79-
104.

Moore, J. (2002). Words are not things. The Analysis of Verbal Behavior, 17, 143-160.

Peterson, N. (1978). An introduction to verbal behavior. Ottawa, NW: Behavior Associates


Inc.

Simonassi, L. E. Cameschi, C. E. (2003). O episódio verbal e a análise de


comportamentos verbais privados. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e
Cognitiva, 5, 105-119.

Simonassi, L. E., Nalini, L.E.G., Barreto, M.Q., Motta, H.L. (1998). Conteúdo
Instrucional. Estudos, 13, 71-79.

Skinner. B. F. (1978). Comportamento verbal. Tradução de M. da P. Villalobos. São


Paulo: Cultrix. (Original publicado em 1957).

Skinner, B. F. (2006). Sobre o Behaviorismo. Tradução de M. da P. Villalobos. São Paulo:


Cultrix. (Original publicado em 1974).

Recebido em: 13/08/2008


Aceito para publicação em: 16/06/2010

Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., Campinas-SP, 2010, Vol. XII, nº 1/2, 80-91 91

Você também pode gostar