Você está na página 1de 3

Politica como vocação

Política- termo amplo, Weber trata da pol[itica o sentido de agrupamento político denomiado Estado
ESTADO – se define pelos seus meios, qual seja, a coação fisica, ou o monopolio da violência
legítima
Líder carismático- Demagogo, possui a vocação política
a dominaçao organizada necessita de um estado-maior administrativo e de meis materiais de gestão
O Estado moderno surge do desejo do principe em expropriar os poderes privados independentes
que detêm forças administrativa, todos os proprietarios de gestão de recursos financeitos,
instumentos militares ou outros bens de uso político. Assim como a empresa moderna que pouco a
pouco dominou os produtores independentes
“o Estado moderno é um agrupamento de dominação que apresenta caráter institucional e que
procurou (com êxito) monopolizar, nos limites de um território, a violência física legítima como
instrumento de domínio e que, tendo esse objetivo, reuniu nas mãos dos dirigentes os meios
materiais de gestão. Equivale isso a dizer que o Estado moderno expropriou todos os funcionários
que, segundo o princípio dos “Estados” dispunham outrora, por direito próprio, de meios de gestão,
substituindo-se a tais funcionários, inclusive no topo da hierarquia.”p45
neste estado moderno surgem os políticos profissionais, não querem ser chefes, mas ascessorar na
gestão do poder, foram os instrumentos mais importante no processo de expropriação do poder
privado

Viver para a política x Viver dá política


não são excludentes
quando um estado recruta homens que vivem exclusivamente para a politica forma-se um Estado
plutocratico, ou seja, só aqueles que já possuem bens materiais podem participar da vida políticaj, o
que não exclui que essa camada viva também dá política, fazendo da política uma forma de
beneficio de seus interesses economicos
assim, o recrutamento não plutocratico do pessoal politico exige que a politica tenha ganhos e
rendimentos garantidos, caso contrário a política só será exercida por pessoas com fortuna pessoal
junto ao crescimento do político profissional, surge a carreira do técnico burocrata a
uma carreira necessária às complexidades da organização do estado

OS POLÍTICOS PROFISSIONAIS
Surgem da necessidade do principe em centralizar o poder.
Derivam do clero, dada a capacidade tecnica de saberem ler e escrever
como pertenciam a outro estado, não tinham interesses em ocupar o lugar do principe Por sua
condiçao o sacerdote estava privado dos meios de gestão, sendo um aliado do princie
Segue-se os letrados com formação humanistica, formação de uma elite qualificada
China- mandarins – letrado com educação humanistica, tinham grande influência na política e se
impunham como uma verdadeira casta.

Nobreza da corte- funções políticas de uma antiga ordem militar, guerreiros tornaram-se cortesãos
patriarcado inglês- baroes e condes que conservaram seus posyos se aliadno ao principe
preservando a Inglaterra da burocratização
advogados e juristas- só no Ocidente tornaram-se uma casta. Os advogados estao vinculados ao
poder já que trabalham com argumentos, com as palavras falada e escrita

Politica moderna
O demagogo, aquele que usa da palavra, esta representado no jornalista
Jornais podem ser propagadores da indiferença poolítica

A politica como empresa


Político tornou-se um empreendedor.
Sua eleição significa a distribuição de cargos no partido
Do ponto de vista psicológico, uma das mais importantes forças motoras com que possa contar o
partido político reside na satisfação que o homem experimenta por trabalhar com a devoção de um
crente em favor do êxito da causa de uma personalidade, e não apenas em favor das abstratas
mediocridades contidas num programa. É exatamente nisso que consiste o poder “carismático” do
chefe.
O desenvolvimento do capitalismo faz surgir o boss, empresário discreto lobbysta, não busca o
poder pela vaidade, mas o poder como fonte de riqueza. Nao possui ideologia, apenas busca de
votos

A politica como vocacao


O que motiva aquele vive para a política? O poder, a vontade de colocar os dedos no raio da roda da
história.
Paixão, senso de proporcao e responsabilidade.
Ter paixao por uma causa e responsabilidade.
Vaidade- inimiga de qualquer causa, porém o traço mais comum num político
O pol[itico deve saber que qualquer que seja sua acao inicial, os resultados são incontroláveis
Existe uma ética especifica para política?
A ética do evangelho? Do sermao da montanha? É a ética do tudo ou nada,
Dar a outra face- ou se é um santo ou se é um verme
A ética religiosa diz- não resista o mal pela força, o político diz, se não resistir o mal pela força será
o responsável pelo triunfo do mal.
A ética do evangelho não serve à política, é uma ética da convicção, mas não da responsabilidade
sobre os atos
uma ética absoluta não se preocupa com as consequências
A ética da convicção busca justificar seus meios pelos fins
acredita que o bem sempre gera o bem e o mal sempre gera o mal, o que uma simples observação
cotidiana demonstra estar errado,
A etica da convicacao é religiosa\
a convicçao justifica acoes violentas pela corrupção do mundo, é uma ética revolucionária