Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO)

Trabalho Final
Disciplina: Psicologia e educação
Curso: Licenciatura em música. Segundo Período
Aluna: Larissa de Almeida Torres

A motivação :

A aprendizagem nada mas é que, a mudança de um estado inicial para um estado final, do
aluno tornando-o capaz de realizar uma atividade ou uma tarefa que até então não podia ou não
sabia fazer. Na aprendizagem existem duas coordenadas, o processo de realização (aprendizagem
por recepção, por descobrimento guiado e por descobrimento autônomo) e o resultado, mas
idependente da via de acesso o produto representará na aprendizagem a sua qualidade.
Um conjunto de variáveis que ativam a conduta e orientam o aluno para poder alcançar um
objetivo, este é o conceito da palavra motivação, uma pré-disposição para a aprendizagem. As
quatro grandes classes da motivação para a coduta humana e para a aprendizagem são: a motivação
intrínseca, em que a própria matéria desperta no aluno o interesse em se aprofundar e vencer
obstáculos que se encontram ao longo de processo de aprendizagem, a motivação relacionada ao eu
e a auto-estima, incluem-se aspectos afetivos e relacionais como auto confiança e uma auto-estima
positiva, motivação através da valorização social, o aluno procura a aceitação dos outros, o aplauso
e a aprovação de pessoas ou grupos que considera superiores, motivação pela conquista de
recompensas externas, o indivíduo se interessa pela atividade no intuito de receber dinheiro,
prêmios, presentes ou qualquer coisa do tipo, quando os objetivos são conquistados.
Um exemplo de motivação pela conquista de recompensas externas pode ser observado no
filme Mentes Perigosas quando a professora desafia a turma para participar de um concuso de
poemas, onde os grupos teriam que interpretar uma poesia e a equipe que conseguisse alcançar o
objetivo ganharia ingressos para jantarem em um restaurante famoso da cidade. Com isso a
professora conseguiu motivar a turma e conquistar os objetivos e efetuando assim a aprendizagem.
O professor tem um papel crucial na motivação de seus alunos. A influência dele aos alunos
é de relevância, deve está sempre motivado para exercer a sua profissão de forma satisfatória, pois a
comunicação com os alunos e o sentimento de despertar para a realização das tarefas escolares será
muito mais difícil se o próprio professor estiver desinteressado. A formação inicial dos professores
não é adequada para o exercício da profissão, pescebe-se que os professores estam despreparados
conhecimentos relacionados a psicopedagogia estam escassos e uma formação adequada é muito
importante para que esses sejam capazes de trazer a motivação aos alunos. Além disso a devida
valorização ao professor tornará tudo mais simples.
Interação entre alunos e aprendizagem escolar

Por muito tempo atribuiu-se a ideia que o professor era o agente educativo por excelência,
capaz de transmitir o conhecimento e os alunos, os detinatários, a capacidade de assimilação. Porém
este postulado entrou em crise e deu lugar ao construtivismo, através de um complexo processo
interativo que intervêm três elementos: o próprio aluno, o conteúdo da aprendizagem e o professor
que atua como mediador, o aluno constrói seu próprio conhecimento. Nesta perspectiva os próprios
alunos também podem influênciar os amigos, exercendo assim o papel de mediador.
O valor educativo da interação entre alunos é signicativo, pois permite o desenvolvimento de
competências e destrezas sociais como o controle de impulsos agressivos, o grau de adaptação às
normas estabelecidas, a superação do egocentrismo, a relativização progressiva do ponto de vista
próprio, o nível de aspiração, o rendimento escolar e o processso de socialização em geral (Johnson,
1981b). Um exemplo, no filme Mentes Perigosas a professora propõe a classe um concurso de
poesias. A atividade deveria acontecer em grupos, na qual, trabalhavam juntos ajudando uns aos
outros, em busca de uma recompensa. A cooperação entre eles colaborou para o desenvolvimento
dos alunos, além disso para o rendimento escolar daqueles jovens.
A organização grupal das atividades de aprendizagem na aula no sentido de atingir e
realizar os objetivos, são abordados três tipos de estruturas de meta a cooperativa (o trabalho em
conjunto do grupo caracteriza a recompensa de casa participante recebe), a competitiva (somente
um participante do grupo receberá a recompensa máxima e os outros recebem recompensas
menores) e a individualista (independente do trabalho dos demais o aluno será recompensado
sobre abase do seu próprio trabalho. Dentre estas as experiências de aprendizagem cooperativa,
favorecem as relações entre alunos caracterizadas pela simpatia, a atenção, a cortezia e o respeito
mútuo, e sentimentos de obrigação e de ajuda, a cooperação demonstra também superioridade
referente ao rendimento e a produtividade dos participantes. Trabalhando conjuntamente e
cooperativamente os alunos podem estruturar da melhor forma suas atividades atingindo um
maior índice de elaboração correção e igualdade.
Nas atividades cooperativas em que ocorre a discussão e o planejamento conjuntos,
distribuição de papéis e responsabilidades e se limita a divisão do trabalho entre os membros ,os
percentuais de mutualidade (o grau de conexão, profundidade e bidirecionalidade das transações
comunicativas) são mais altos.
Indisciplina:

Indiciplina um dos temas mais falados entre pais e professores na atualidade e tem gerado
uma grande preocupação entre os educadores. Pode ser associada a tirania, "todas as regras e
normas existentes na escola devem ser subvertidas, abolidas e ignoradas. Sendo assim, apresentar
condutas indisciplinadas poder ser entendido como uma virtude, já que pressupõe a "coragem de
ousar", de desafiar os padrões vigentes, de se opor à tirania muitas vezes presentes no contexto
escolar." (REGO, 1996). Portanto ela pode ser vista de outra forma, as regras da escola são
necessárias para um convívio harmônico entre os indivíduos, neste sentido a indisciplina passa a ser
vista como uma atitude de respeito.
O indisciplinado pode ser interpretado de formas distintas pelas diferentes visões sobre as
causas do mau comportamento de professores, pais e alunos. Uma das causas pode ser vista como
resultado do meio social em que os alunos vivem de violência e pobreza. Um exemplo está no filme
Mentes perigosas, professores e diretores atribuíam a indisciplina dos jovens a realidade social
moradores de áreas carentes, periferias e comunidades. Além disso, outras causas associadas são a
educação recebida da família e o aluno sem limites é responsabilizado.
Mais um outro aspecto, a indisciplina é atribuida a responsabilidade do professor e está
associada a falta de imposição e autoridade do professor. Os alunos entendem que a indisciplina está
ligada a escola e ao sistema desta.
Outra maneira de justificar a indisciplina á traços inerentes, porém a responsabilidade é
atribuída ao professor, sendo assim, a indisciplina está relacionada á falta de autoridade do
professor. Do ponto de vista do aluno a indisciplina é bem diferente eles dirigem suas críticas ao
sistema escolar.
Vygotsky afirma que as caracteísticas do funcionamento psicológico humano, são contruídos
ao longo da vida por meio de um processo de interação e a educação recebida por familiares, pela
sociedade e escola é de igual importãncia para o desenvolvimento do indivíduo. Ou seja, a conduta
indisciplinada é aprendida. Podemos sintetizar, portanto, que a indisciplina não deve ser entendida
como comportamento alheio a família, muito menos á escola. Pois são os maiores agentes
educativos da sociedade.

Bullying:
O Bullying é um tipo de violência conceituado como um conjunto de comportamentos
agressivos, físicos ou psicológicos, como chutar, apelidar, excluir e discriminar. Essa violência é um
grave problema social que está presente além do ambiente escolar, como trabalho, casa da família,
clubes, prisões e asilos.. Pessoas com características mais evidentes são alvos de bullying,
estrangeiros, ciganos, artistas de circo, alunos acima do peso, os de baixa estatura e homossexuais.
Bullying é um nome inglês surgido na década de 1970 na Noruega, ele pode acontecer várias vezes
e sem motivação aparente, é caracterizado quando um grupo de alunos ou somente uma pessoa,
vitimiza um outro mais fraco sem chances de defesa.
São três os tipos de bullying:
• diretos e físicos, como agressões físicas, roubo ou danificação de objetos, realização
de atividades servis, exortação de dinheiro;
• diretos verbais, insultar apelidar, fazer cometários racistas;
• e indiretos, realização de fofocas, ameaça de exclusão do grupo para obter
favorecimento ou manipulação da vida social da vítima.
O agressor ao praticar bullying procura obter superioridade, popularidade e poder, age com
dois objetivos, primeiro seria de demonstrar poder e o segundo de conseguir uma afiliação aos
demais alunos. Para que o bullying possa ocorrer é necessário a existência de três indivíduos, o
intimidador, a vítima e o não participante os telespectadores.
Esta situação pode ser observada no filme Mentes Perigosas, o bullying acontece por parte
dos alunos contra a professora, ao chegar na sala pela primeira vez, ela é intimidada pelos alunos.
Neste caso a vítima é a própria professora, o íntimidador são os alunos e os não participantes os
demais alunos que ficaram rindo ou somente observando mas que também alimentavam o bullying.
Levando para a parte da educação, pode se afirmar que ela é o caminho para a superação da
barbárie, porém ela carrega momentos repressivos da cultura, não avançando com ideais de um
individuo autônomo e emancipado. Não pode ser ignorado movimento contínuo de adaptação e
ajustamento que é exigido para se viver em sociedade , pois caso contrário a educação continuará
realizando um papel de impotente e ideológico. Fica claro, portanto, que não basta paz somente pela
educação, se educar consiste no mesmo adestramento vigente nesta sociedade, e é nesse sentido que
a educação não pode ser exata para a individualidade, mas deve ser voltada para a recuperação de
viver nas diversas relações sociais.

A inteligência:

Este termo inteligência é sem dúvida um dos conceitos mais discutidos entre psicólogos e
entre as pessoas em geral. Como seria possível a sobrevivência de seres tão frágilizados, como os
seres humanos, em um mundo de dentes e garras? A explicação encontra-se, na habilidade da nossa
espécie para avaliar situações novas, aprender com os erros do passado, e criar estratégias e novos
padrões de pensamento, a capacidade de adaptação a novas situações e transmição de aprendizagem
ás novas gerações.
Gardner conseguiu perceber dete tipos de inteligência:
1- linguística;
2- lógico matemática;
3- espacial
4- musical;
5- corporal-cistenética;
6- interpessoal (como lidar com as pessoas);
7- intrapessoal (conhecimento sobre si próprio).

Os primeiros testes de QI foram desenvolvidos por Sir Francis Galton, para ela a inteligência
é resultado de equipamento sensorial de cada indivíduo, e que é resultado da hereditaredade. Os
testes de QI predizem o rendimento acadêmico, os alunos com sucesso e QI elevados possuem egos
fortes, são capazes de adiar o prazer, não se distraem com facilidade e são em geral mais capazes de
se dedicar as tarefas organizadamente; o sucesso na vida, em testes de adaptação emocional as
crianças sobredotadas apresentaram resultados melhores, são também socialmente mais adaptáveis e
têm maior probabilidade de se tornarem líderes entre os seus pares, ganham mais dinheiro e
apresentam uma taxa de divórcio inferior.
O comportamento inteligente, é fruto da hereditariedade em interação com o meio e com o
tempo. A iteligência possui um componete genético, esse fator contribui na determinação do QI,
quanto mais próxima é a relação genética, mais elevados os valores das correlações demonstradas.
Referênte ao meio, quanto mais elevada a qualidade do meio familiar, mais elevado é também o QI
da criança. Exitem aspectos importantíssimos e fundamentais da aprendizagem do bebê que devem
ocorrer no momento próprio para que tenham o seu inteiro valor como base para a aprendizagem
posterior, a experiência precoce tem uma forte influência no desenvolvimento cognitivo da criança.

Referências:
-Interação entre alunos e aprendizagem escolar (COLL, Cézar; COLOMBINA, Rosa.
Interação entre alunos e aprendizagem escolar. Desenvolvimento Psicológico e Educação
Psicologia da Educação. Vol. 2. Ed Artmed).
-Indisciplina (REGO, T.C.R. (1996) A Indisciplina e o processo educativo: uma análise na
perspectiva Vygotskiana. 11°. ed. São Paulo. Sammus Editorial).
-Bullying (ANTUNES, Deborah; ZUIN, Antônio. Do Bullying ao Preconceito: os
desafios da bárbárie à educação. Psicologia e Sociedade. 2008)
-A motivação (TEPIO, Jesus; FITA, Enrique. A motivação em sala de aula o que é, como
se faz. Ed. Ceyola. 1888).