Você está na página 1de 2

Conceito e origem da psicolinguistica

A psicolinguistica é o ramo de estudo da psicologia que estuda o comportamento humano e dá


ênfase especial à análise de aprendizagem da linguagem.

Não se trata unicamente de analisar a comunicação oral, mas também a comunicação escrita.
Esta disciplina cientifica estuda como o ser humano tem a capacidade de compreender a
mensagem de um interlocutor e se aprofunda na causa que potencializa o uso da linguagem.

a psicolinguística mostra a conexão direta que existe entre a mensagem e a mente, uma vez que a
palavra é uma expressão do pensamento.

A Psicolinguística estuda os processos através dos quais as intenções dos falantes são
transformadas em sinais no código culturalmente aceite e através do qual estes sinais são
transformados em interpretações pelos ouvintes, ou seja, a Psicolinguística trata directamente do
processo de codificação e descodificação, enquanto relacionam o estado das mensagens aos
estados dos comunicadores.

Origem da psicolinguística

O termo Psicolinguística surgiu pela primeira vez no artigo de Proncko citado em TITONE
(1971), sugerindo que se tratasse de um campo interdisciplinar, isto é, colaborando a Psicologia e
a Linguística; durante a interacção entre esses campos científicos conclui-se que era Psicologia
de Linguagem e abordavam uma questão nuclear à Psicologia e à Linguística: o relacionamento
entre o pensamento (comportamento) e a linguagem.

Historia da psicologia linguística

Ao longo dos tempos, existiram várias correntes que procuraram estudar a Psicolinguística. Estas
avançaram várias ideias ao longo das décadas 50 à 90.Nos anos 50 surge a Psicolinguística como
ciência autónoma com a publicação da obra Verbal Behavior de SKINNER na qual se
estabeleceu uma relação entre a psicologia e a linguagem de uma forma mais sofisticada,
argumentando que a tarefa da psicologia da linguagem era dupla:

Descrever os tipos de expressões verbais e Explicar a sua ocorrência.


O psicólogo SKINNER explicava a aquisição da linguagem da mesma forma que a aquisição de
outros tipos de comportamentos. Reduzindo a linguagem a aspectos secundários; um conjunto de
respostas verbais à situações.

Nos anos 60, sob influência da teoria Chomskyana, os psicólogos concentram-se


fundamentalmente nas variáveis sintácticas do processo das orações.

Nos anos 70, a Psicolinguística vai marcar alguma distanciação em relação à Linguística
Generativa. A distinção reflecte-se no seguinte:

Concentração nos estudos dos processos propriamente psicolinguísticos e renunciam a uma


teoria única, no papel da estrutura da Linguística.

Nos anos 80, ressurgiu o interesse no papel da estrutura da Linguística. A Psicolinguística


beneficiou-se do desenvolvimento da linguística computacional e da cognitiva.

Nos anos 90, os estudiosos são mais variados e focam aspectos o da L1, da L2, do bilinguismo,
produção e compreensão do discurso, aspectos não verbais da comunicação, semiótica, distúrbios
da linguagem, tradução e análise de textos literários, comunicação dos mass medias
(comunicação das massas), tecnologia do discurso e modelos de comunicação humana.

Você também pode gostar