Você está na página 1de 18

TRABALHO DO CAMPO DO MÓDULO DE MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO

CIENTIFICA, REFERENTES AS ACTIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDA SOBRE O


SEGUINTE TEMA:

______________________________________________

Fundamental __
TEMA: DOENÇA TRANSMITIDA ATRAVÉS DA PICADA DO MOSQUITO
(MALÁRIA)

Trabalho de Campo da cadeira de Estatística, sob a


orientação do Tutor Joaquim Júlio Motechone Gano

CAPA
Gervásio Rafael Tazama
Serie: 1º ano, turma A, Curso: Gestão Ambiental

Nipepe Março de 2019

Instituto Superior de Ciências e Educação a Distancia (ISCED)


Modulo: Estatística.
TRABALHO DO CAMPO DO MÓDULO DE MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO
CIENTIFICA, REFERENTES AS ACTIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDA SOBRE O
SEGUINTE TEMA:

______________________________________________

Fundamental __
TEMA: DOENÇA TRANSMITIDA ATRAVÉS DA PICADA DO MOSQUITO
(MALÁRIA)

Trabalho de Campo da cadeira de Estatística, sob a


orientação do Tutor Joaquim Júlio Motechone Gano

CAPA

Gervásio Rafael Tazama


Serie: 1º ano, turma A, Curso: Gestão Ambiental

Nipepe Março de 2019

Pág. 2
Índice
INTRODUÇÃO .................................................................................................................................... 4
TÉCNICA DE COLECTA DE DADOS .............................................................................................. 5
DOENÇA TRANSMITIDA ATRAVÉS DA PICADA DO MOSQUITO (MALÁRIA) .................... 5
PROBLEMATIZAÇÃO. ...................................................................................................................... 5
RELATÓRIO DO INQUÉRITO .......................................................................................................... 5
Oque é a Malaria? ................................................................................................................................. 6
Quais são os sintomas da Malária? ....................................................................................................... 6
Quais são as complicações da malária? ................................................................................................ 6
Como é feito o diagnóstico da malária? ................................................................................................ 7
Como é feito o tratamento da malária? ................................................................................................. 7
Objetivos do tratamento contra a malária: ............................................................................................ 7
Orientações param o tratamento ........................................................................................................... 8
Esquemas de tratamento........................................................................................................................ 8
Controle de cura ................................................................................................................................. 9
FACTORES QUE INFLUENCIAM NA DISTRIBUIÇÃO DA MALÁRIA ...................................... 9
Quais são os factores que Influenciam na Distribuição da Malária? .................................................... 9
MEDIDAS DE PREVENÇÃO CONTRA A MALARIA ................................................................ 9
Quais são os métodos de prevenir contra a malaria? ............................................................................ 9
DADOS OBTIDOS ............................................................................................................................ 10
Legenda:.............................................................................................................................................. 10
Objetivos Geral: .................................................................................................................................. 11
Específicos: ......................................................................................................................................... 11
ORGANIZAÇÃO DE DADOS E FREQUÊNCIA RELATIVA ACUMULADA E AMPLITUDE . 11
Representação da tabela de Frequência absoluta e relativa ................................................................ 12
Moda ................................................................................................................................................... 14
MEDIA ............................................................................................................................................... 14
MEDIANA .......................................................................................................................................... 14
Calculando a frequência Relativa, Absoluta acumulada ascendente e discedente. ............................. 14
PODEMOS RESUMIR DE SEGUINTE FORMA; ............................................................................ 15
Representação gráfica segundo a idade .............................................................................................. 15
RECOMENDAÇÕES ......................................................................................................................... 16
CONCLUSÃO: ................................................................................................................................... 17
BIBLIOGRAFIA ................................................................................................................................ 18

Pág. 3
INTRODUÇÃO

Neste trabalho, tem como objectivo de Elevar o conhecimento na população sobre a Malária para
conseguir diminuir a incidência no Distrito de Nipepe. Irei abordar sobre o seguinte tema; Doença
transmitida através da picada do Mosquito (Malária), a partir dos dados da população do distrito
de Nipepe recolhido numa instituição governamental especificamente no Centro de Saúde de
Nipepe Sede sendo a instituição mãe, foi obtido um tamanho da amostra de 6.533 mil da população
residente neste Distrito, duma forma probabilística ou aleatório através do inquérito declarado pelo
responsável da unidade sanitária. Isto porque, se desloca-se atras dos dados primários, passando a
cada unidade sanitária periférica, levaria muito tempo assim como as obrigações financeiras.
Embora os dados sejam segundarias, as informações sobre a população referente ao modo de vida,
encontra-se em jogo precisando da atenção, ao sector da saúde no âmbito das intervenções através
do programa de saúde e a comunidade assim como o envolvimento comunitário. Unidos seremos
invencíveis.
No entanto, o estudo da Estatística, com fundamentação matemática, só se conseguiria com a
criação do Cálculo das Probabilidades e a sua aplicação aos fenómenos sociais. A estatística deixa
de ser, então, um amontoado de dados para se transformar num instrumento de análise, de síntese
e previsão das soluções nos casos mais diversos.
O presente trabalho esta estruturada de Capa, folha de rosto, índice, introdução, justificativa, Tema
de abordagem, desenvolvimento, imagem icónicas (Tabelas, Gráficos e sua interpretação)

Pág. 4
TÉCNICA DE COLECTA DE DADOS
A observação directa devido a facilidade que nele possui em ceder os pesquisadores e avaliar os
factos com clareza e registo dos dados fiáveis e não favorecerá cooperação de quem é observado.
Questionário misto devido a facilidade que este instrumento possui em questionar e observar e dar
comentários que não estavam previstos no guião, mas que sejam importantes para o estudo, e
também tem a capacidade da flexibilidade das respostas e pode esclarecer as possíveis dúvidas.

DOENÇA TRANSMITIDA ATRAVÉS DA PICADA DO MOSQUITO (MALÁRIA)


PROBLEMATIZAÇÃO.
A Deficiências da realização de saneamento do meio ambiental, sobretudo no que respeita á
deposição de dejetos humanos em más condições higiénicas (Falta da destruição dos resíduos
sólidos, eliminação de charcos, agua estagnada, capim em volta da casa entre outras), contribui
essencialmente para a reprodução e disseminação da Malaria. Visto que a época em estudo
verifica-se o enchimento dos charcos, resíduos sólidos não destruídos, capim entre outra, numa
forma vulnerável, Com isso poderá ser a influência do aumento de casos de Malaria.
O Núcleo de Estatística na área de saúde de Nipepe revelou que o Distrito de Nipepe no mês de
Fevereiro, houve cerca de 6.533 casos positivos e registados atinente a população do distrito de
Nipepe afetada pela pandemia da Malaria, por sua vês deram o devidos seguimentos de tratamento,
e estão curado, sem nenhum óbito, apesar de não se registar óbito é um caso de saúde pública,
facto que preocupa os moradores e população em geral.
A malária é endémica em regiões tropicais e subtropicais devido à chuva abundante, temperatura
quente e grande quantidade de água estagnada, o que proporciona habitats ideais para as larvas do
mosquito. Ao longo de uma larga faixa em redor do equador que inclui grande parte da Africa.
Na sequência destas questões.

1. Oque é a Malária?
2. Quais são os sintomas da Malária?
3. Quais são as complicações da
malária?
4. Como é feito o diagnóstico da
malária?
5. Como é feito o tratamento da
malária?
6. Quais são os factores que
Influenciam na Distribuição da
Malária?
7. Quais são os métodos de prevenir
contra a malaria?
RELATÓRIO DO INQUÉRITO
Apos a identificação do problema e análise da pandemia da Malária, antes das respostas das
questões colocadas acima, o inquerido, enalteceu e louvo a iniciativa e gostaria que a população

Pág. 5
deveria ter a mesma curiosidade de saber como lidar com as doenças predominantes no distrito.
Para começar respondeu a prime questão.
Oque é a Malaria?
Malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea
infectada do mosquito Anopheles. Toda pessoa pode contrair a malária. Indivíduos que tiveram
vários episódios de malária podem atingir um estado de imunidade parcial, apresentando poucos
ou mesmo nenhum sintoma no caso de uma nova infecção.
A malária não é uma doença contagiosa. Uma pessoa doente não é capaz de transmitir a doença
diretamente a outra pessoa, é necessária a participação de um vetor, que no caso é a fêmea do
mosquito Anopheles (mosquito prego), infectada por Plasmodium, um tipo de protozoário. Estes
mosquitos são mais abundantes nos horários crepusculares, ao entardecer e ao amanhecer.
Todavia, são encontrados picando durante todo o período noturno.
A cura é possível se a doença for tratada em tempo oportuno e de forma adequada. Contudo, a
malária pode evoluir para forma grave e para óbito.
Quais são os sintomas da Malária?
Os sinais e sintomas da malária manifestam-se geralmente entre 8 a 25 dias após a infecção. No
entanto, podem-se manifestar mais tarde em indivíduos que tenham tomado medicação anti
malárica de prevenção. As manifestações iniciais da doença, iguais em todas as espécies de
malária, são semelhantes aos sintomas da gripe, podendo ainda ser semelhantes aos de outras
doenças virais e condições clínicas como sepse ou gastroenterite. Entre os sinais incluem-se febre,
calafrios, dores nas articulações, vómitos, anemia, hemolítica, iterícia, hemoglobina na urina
lesões na retina e convulsões.
O sintoma clássico da malária são ataque paroxísticos, a ocorrência cíclica de uma sensação súbita
de frio intenso seguido por calafrios e posteriormente por febre e sudação.

Quais são as complicações da malária?


A malária grave caracteriza-se por um ou mais desses sinais e sintomas:

 Prostração;
Pág. 6
 Alteração da consciência;
 Dispneia ou hiperventilação;
 Convulsões;
 Hipotensão arterial ou choque;
 Hemorragias.

Como é feito o diagnóstico da malária?


O diagnóstico correto da infecção malárica só é possível pela demonstração do parasito, ou de
antígenos relacionados, no sangue periférico do paciente, pelos métodos diagnósticos
especificados a seguir:

 Gota espessa
 Esfregaço delgado
 Testes rápidos
 Técnicas moleculares
 Malária mista
Diagnóstico diferencial da malária
O diagnóstico diferencial da malária é feito com a febre tifoide, febre-amarela, leptospirose,
hepatite infecciosa, leishmaniose visceral, doença de Chagas aguda e outros processos febris. Na
fase inicial, principalmente na criança, a malária confunde-se com outras doenças infeciosas dos
tratos respiratório, urinário e digestivo, quer de etiologia viral ou bacteriana. No período de febre
intermitente, as principais doenças que se confundem com a malária são as infeções urinárias,
tuberculose miliar, salmoneloses septicêmicas, leishmaniose visceral, endocardite bacteriana e
as leucoses. Todas apresentam febre e, em geral, esplenomegalia. Algumas delas apresentam
anemia e hepatomegalia.

Como é feito o tratamento da malária?


No geral, após a confirmação da malária, o paciente recebe o tratamento em regime ambulatório,
com comprimidos que são fornecidos gratuitamente em unidades do Sistema Único de Saúde
(SUS). Somente os casos graves deverão ser hospitalizados de imediato.

O tratamento indicado depende de alguns fatores, como a espécie do protozoário infectante; a


idade do paciente; condições associadas, tais como gravidez e outros problemas de saúde; além
da gravidade da doença.

Quando realizado de maneira correta, o tratamento da malária garante a cura da doença.


Objetivos do tratamento contra a malária:
O diagnóstico oportuno seguido, imediatamente, de tratamento correto são os meios mais
adequados para reduzir a gravidade e a letalidade por malária. O tratamento da malária visa
atingir ao parasito em pontos-chave de seu ciclo evolutivo, que podem ser didaticamente
resumidos.

Pág. 7
 a) Interrupção da esquizogonia sanguínea, responsável pela patogenia e manifestações
clínicas da infecção;

 b) Destruição de formas latentes do parasito no ciclo tecidual (hipnozoítos) das espécies P.


vivax e P. ovale, evitando assim as recaídas tardias;
 c) Interrupção da transmissão do parasito, pelo uso de drogas que impedem o
desenvolvimento de formas sexuadas dos parasitos (gametócitos).

Para atingir esses objetivos, diversas drogas são utilizadas, cada uma delas agindo de forma
específica para impedir o desenvolvimento do parasito no hospedeiro.

Orientações param o tratamento


É da maior importância que todos os profissionais de saúde envolvidos no tratamento da malária,
desde o auxiliar de saúde da comunidade até o médico, orientem os pacientes, adequadamente e
com uma linguagem compreensível, quanto ao tipo de medicamento que está sendo oferecido, a
forma de ingeri-lo e os respectivos horários. Em diversos lugares, os responsáveis por distribuir
e orientar o uso dos medicamentos utilizam envelopes de cores diferentes para cada
medicamento.

Muitas vezes, os pacientes são pessoas que não dispõem nem mesmo de relógio para verificar as
horas. O uso de expressões mais simples, como manhã, tarde e noite, para a indicação do
momento da ingestão do remédio é recomendável. A expressão de 8 em 8 horas ou de 12 em 12
horas muitas vezes não ajuda o paciente a saber quando deve ingerir os medicamentos. Sempre
que possível, deve-se orientar os acompanhantes ou responsáveis, além dos próprios pacientes,
pois estes geralmente encontram-se desatentos, devido à febre, dor e mal-estar causados pela
doença.

Os medicamentos devem ser ingeridos, preferencialmente às refeições. No caso da combinação,


arteméter e lumefantrina deve ser preferencialmente ingerido com alimentos gordurosos. Caso
surja icterícia durante o tratamento, a primaquina deve ser suspensa.

Sempre que possível, deve-se optar pela supervisão das doses dos medicamentos para garantir
uma melhor adesão ao tratamento.

O paciente deve completar o tratamento conforme a recomendação, mesmo que os sintomas


desapareçam, pois a interrupção do tratamento pode levar a recidiva da doença ou agravamento
do quadro, além de manter o ciclo de transmissão da doença permitindo que outras pessoas
também adoeçam por malária.

Esquemas de tratamento
Para facilitar o trabalho dos profissionais de saúde das áreas endêmicas e garantir a padronização
dos procedimentos necessários para o tratamento da malária, o Guia Prático de Tratamento da
Malária no Brasil (2010) apresenta tabelas e quadros com todas as orientações relevantes sobre
a indicação e uso dos anti maláricos preconizados no Brasil de acordo com o grupo etário dos
pacientes.

Pág. 8
Embora as dosagens constantes nas tabelas levem em consideração o grupo etário do paciente, é
recomendável que, sempre que possível e para garantir boa eficácia e baixa toxicidade no
tratamento da malária, as doses dos medicamentos sejam fundamentalmente ajustadas ao peso
do paciente. Quando uma balança para verificação do peso não estiver disponível, recomenda-
se a utilização da relação peso/idade apresentada nas tabelas.

Controle de cura
Recomenda-se o controle de cura, por meio da lâmina de verificação de cura (LVC), para todos
os casos de malária, especialmente os casos de malária por P. falciparum. O controle de cura
tem como objetivo a observação da redução progressiva da parasitemia e da eficácia do
tratamento e a identificação oportuna de recaídas. Recomenda-se a realização de LVC da
seguinte forma:
P. falciparum
P. vivax ou mista
E ainda disse que no Distrito de Nipepe, a maioria dos casos de malária afecta a todas unidades
periférica nomeadamente, Uachila, Nveriua, Nipepe, Natil, Napalave, Muluco, Metarica Lurio,
Manlia, Cheia Cheia. Apesar das poucas notificações, a doença não pode ser negligenciada, pois
se observa uma de pacientes infetados mais elevada na Sede do que que nas periferias de acordo
a tabela abaixo;

FACTORES QUE INFLUENCIAM NA DISTRIBUIÇÃO DA MALÁRIA


Quais são os factores que Influenciam na Distribuição da Malária?
A intensidade de transmissão da malária vária de ano para ano e de região para região. Este facto,
deve-se à acção de determinados factores que influenciam na sua transmissão e distribuição. São
os seguintes:

 Factores ambientais
 Factores do hospedeiro
 Factores relacionados com o parasita e vector
Quanto maior for a temperatura, a humidade relativa do ar e a pluviosidade, maior será a
capacidade de transmissão da malária pelo aumento de criadores de mosquitos (charcos, águas
estagnadas) e aumento do tempo de vida do mosquito. Em relação à altitude, quanto maior for a
altitude, menor será a transmissão da malária, pois o aumento da altitude, faz baixar a temperatura
criando condições desfavoráveis para a sobrevivência do mosquito e do parasita.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO CONTRA A MALARIA


Quais são os métodos de prevenir contra a malaria?
 Uso regular de repelente. A indicação médica é para repelentes à base de DEET ou
licaridina (concentração acima de 30% para adultos e de até 10% para crianças).
 Uso de roupas apropriadas que protejam o corpo, como calça, sapatos e mangas compridas.
É indicado também o uso de roupas claras, já que as cores escuras atraem os insetos.

Pág. 9
 Pulverizar as paredes com a icetcida recomendado
 Evitar a reprodução dos mosquitos eliminando os charcos, agua estagnada, capim em volta
da casa e mais.
 Uso de mosqueteiros, tela de proteção e/ou ar condicionado sempre que possível.
 Reforçar as medidas preventivas acima ao amanhecer e ao anoitecer, pois nesses horários
os mosquitos estão mais ativos.
DADOS OBTIDOS
MAL - Casos
MAL - Casos de MAL - Casos
de malária MAL - Casos de
malária de malária
Organization confirmada malária tratados
confirmada tratados com
Period unit / Data (TDR com AL US, ≥5
(TDR positivos) AL US, <5
positivos) anos
US, ≥ 5 anos anos
US, <5 anos
CS Uachila 200 180 377 3

CS Nveriua 59 136 190 5

CS Nipepe 580 408 764 224

CS Natil 150 155 304 1

CS Napalave 228 145 371 2


Feb-19
CS Muluco 156 104 258 2

CS Metarica 5
190 145 330
Lurio
CS Manlia 40 45 80 5

CS Cheia 3
200 145 345
Cheia

Legenda:
CS= Centro de Saúde
TDR= Teste Rápido para o Diagnostico
Malaria confirmada através do Teste Rápido para o Diagnostico (TDR) positivos maiores de 5
anos é de 1.803 casos.
Malaria confirmada através do Teste Rápido para o Diagnostico (TDR) positivos menores de 5anos
é de 1463 casos
Casos de malaria tratado com anti maláricos Maiores de 5 anos de idade 3.019
Casos de malaria tratado com anti maláricos Menor ou iguais a 5 anos de idade 250

Pág. 10
Objetivos Geral:
Elevar conhecimento na população sobre a Malária para conseguir diminuir a incidência no
Distrito de Nipepe.
Específicos:
Identificar os fatores de riscos mais comuns associados aos pacientes diagnosticados com a
malária.
Aplicar o programa de intervenção educativa e comprovar a efetividade da intervenção

O tema Atividade Quem fara Quando Onde Recursos


Principais Palestra Doutor Quinta-feira Sede do distrito Notebook e
variáveis educativa 7/01/2019 8 de Nipepe data show.
epidemiológica horas da
s da Malária, manhã.
conceito,
etiologia e
quadro
clinicam.
Fatores de Propagandas Doutor e ACS. Sexta-feira 9, Escola, igreja e Folders
risco, gráficas 10, 11/01/2019 supermercado informativos.
características e periferias
do mosquito,
medidas de
controlo e
principais
complicações.
Principais Palestra Doutora ACS. Quinta-feira Unidades Notebook e
fatores de risco educativa 15, 16, Sanitárias data show.
e medidas de 17/01/2019, 9 periféricas
controlo da horas da
doença. manhã.
Tratamento Palestra Doutora. Terça-feira Escolas da Notebook e
farmacológico educativa 20/01/2019, 9 Sede data show
e horas da
complicações. manhã.

A amostra (n=3.269) foi composta por pacientes de idades entre 0 a 5 e 5 a 70 anos de idade.
ORGANIZAÇÃO DE DADOS E FREQUÊNCIA RELATIVA ACUMULADA E AMPLITUDE
1.1 Num inquérito, feito a nível do distrito sobre os casos de malária confirmada (TDR positivos)
maior de 5 Considerando a tabela podemos responder as seguintes questões:
a) Construa uma tabela de frequência absoluta, Relativa e acumulada
b) Represente o respetivos gráfico.
c) Determine a amplitude dos pacientes Maiores de 5 anos tratados e represente graficamente

Pág. 11
Representação da tabela de Frequência absoluta e relativa
U.S F(ab) Fr F(r%) F(acumulada)
CS Uachila 200 0,11 11 11
CS Nveriua 59 0,03 3 14
CS Nipepe 580 0,32 32 46
CS Natil 150 0,08 8 54
CS Napalave 228 0,12 12 66
CS Muluco 156 0,08 8 74
CS Metarica Lurio 190 0,10 10 84
CS Manlia 40 0,2 2 86
CS Cheia Cheia 200 0,11 11 97
Total. 1 803 100% - -

B) Representação gráfica da frequência absoluta e Relativa

MAL - Casos de malária confirmada (TDR positivos) US, <5


anos

600
500
400
300
200
F(r%)
100
F(ab)
0

F(ab) Fr F(r%) F(acumulada)


C)
Representação da tabela de Frequência Relativa e amplitude e o respectivos gráfico
U.S Fr F(r%) Amplitude do Sector
CS Uachila 200 11 3,6X11=39°
CS Nveriua 59 3 3,6X3=10°
CS Nipepe 580 32 3,6X32=115°
CS Natil 150 8 3,6X8=28°

Pág. 12
CS Napalave 228 12 3,6X12=42°
CS Muluco 156 8 3,6X8=28°
CS Metarica Lurio 190 10 3,6X10=36°
CS Manlia 40 2 3,6X2=7°
CS Cheia Cheia 200 11 3,6X11=39°
Total. 1 803 360°

Amplitude do Sector
CS Cheia Cheia
CS Uachila
CS Manlia CS Nveriua
CS Metarica Lurio
CS Muluco
CS Nipepe
CS Napalave
CS Natil

CS Uachila CS Nveriua CS Nipepe


CS Natil CS Napalave CS Muluco
CS Metarica Lurio CS Manlia CS Cheia Cheia

Neste caso veremos que o Centro de Saúde de Nipepe Sede regista o maior número da população
afetada pela pandemia da Malaia. Nesta perfectiva qualquer leitor poderá se questionar o
seguinte;
Será que não há o cumprimento das medidas preventivas na disseminação da Malaria?
Com estes dados podemos calcular a Moda, Media, e mediana.

U.S N° de pacientes que Frequência fi.fac


positivaram (fi) acumulada
CS Uachila 380 380 144400
CS Nveriua 195 575 112125
CS Nipepe 988 1563 1544244
CS Natil 305 1868 569740
CS Napalave 373 2241 835893
CS Muluco 260 2501 650260
CS Metarica Lurio 335 2836 950060
CS Manlia 85 2921 248285
CS Cheia Cheia 348 3269 1137612
Total. N=∑fi=3269 - 6192619

Pág. 13
Moda
Mo=3269+373-305/(373-305)-(373-260).2=3269+68/68+113.2=275 Aproximadamente a 300
com tudo indica ao Centro de Saúde de Natil

MEDIA
X=∑fi.facm/n=6192619/3269=1687,82 casos confirmados, se for a identificar esta mais para o
centro de saúde de Natil

MEDIANA
Sendo N/2=3269/2=1634.5 a mediana está na CS correspondente a primeira frequência
acumulada superior a 1634.5, que é o CS de Natil.
UC de Fevereiro
Natil
Moda 300
Media 16887.82
Mediana 16334.5

Fevereiro de 2019

20000

15000

10000

5000
Fevereiro
0
Moda Media Mediana

Calculando a frequência Relativa, Absoluta acumulada ascendente e discedente.


U.S N° Casos de ˃5 e ˂5 Fr Fa (↓) Fa (↑) Fra (↓) Fra (↑)
positivos (fi)
CS Uachila 380 0,11 380 3269 0,11 0,98
CS Nveriua 195 0,05 575 2889 0,16 0,87
CS Nipepe 988 0,30 1563 2694 0,46 0,82
CS Natil 305 0,09 1868 1706 0,55 0,52
CS Napalave 373 0,11 2241 1401 0,66 0,43
CS Muluco 260 0,10 2501 1028 0,76 0,32
CS Metarica Lurio 335 0,10 2836 768 0,86 0,22
CS Manlia 85 0,02 2921 433 0,88 0,12
CS Cheia Cheia 348 0,10 3269 348 0,98 0,10
Total. 3269 0,98

Pág. 14
Título do Gráfico
3500
3000
2500
2000
1500
1000
500
0

Fa (↓) Fra (↓)

PODEMOS RESUMIR DE SEGUINTE FORMA;

Através desta tabela podemos obter respostas rápidas das perguntas sobre as frequências acumulas
seguindo a idades:
 A Frequência absoluta dos Pacientes que tiveram resultados positivos com Idade inferiores
a 85 (˃85) anos é de 2836 casos da malaria com uma percentagem de 86%;
 A frequência absoluta dos pacientes que tiveram resultado positivo aproximadamente 195
(≈195) anos de idade é de 575 Casos com uma percentagem de 16%.
 A frequência relativa dos pacientes que positivaram com idade inferior ou igual a 85 (˃85)
anos de idade é 86%
 A Percentagem dos pacientes que tiveram resultado positivo com idade aproximadamente
a 195 (≈195) anos de idade é de 16%
Representação gráfica segundo a idade

Título do Gráfico

1000
500
0 N° Casos de ˃5 e ˂5 positivos (fi)

N° Casos de ˃5 e ˂5 positivos (fi) Fr

Pág. 15
Neste ponto de vista podemos observar que a malária do mês em análise, afectou um número
elevado das populações menores de 85 anos duque aos Maiores de idade. Com tudo há necessidade
de saber aqui se deve?
RECOMENDAÇÕES
Que se redobre o esforço nas realizações de palestra nas seguintes temas:
Saneamento do meio, destruição dos resíduos solidas, eliminação dos charcos e água estagnada,
uso coreto da rede mosquiteira, repelentes, pulverização entre outras

Pág. 16
CONCLUSÃO:

Entre os métodos de prevenção da malária estão a erradicação dos mosquitos, a prevenção de


picadas e medicação. A presença de malária numa dada região pressupõe a conjugação de vários
factores: elevada densidade populacional humana, elevada densidade populacional de mosquitos
‘’anopheles’’ e elevada taxa de transmissão entre humanos e mosquito e vice-versa. Quando algum
destes factores é reduzido de forma significativa, o parasita irá eventualmente desaparecer dessa
região a prevenção da malária é capaz de representar uma maior relação custo-benefício do que o
tratamento da doença. No entanto, as regiões mais pobres e afetadas não dispõem de capital
financeiro. Há diferenças significativas entre os custos de controlo (isto é, manter a endemicidade
baixa) e os programas de erradicação.
Com todas essas hipóteses podemos concluir que Não existe vacina contra a malária. Algumas
substâncias capazes de gerar imunidade foram desenvolvidas e estudadas, mas os resultados
encontrados ainda não são satisfatórios para a implantação da vacinação.

Pág. 17
BIBLIOGRAFIA
PALESTRA DE ESTATÍSTICA DE ISCED 1º Ano,
MANUAL DE ESTATÍSITICA DE ISCED 1º Ano,
Maria de Andrade Marconi, Eva Maria Lakatos. Fundamentos de Metodologia Científica,
5ª Edição.
World Malaria Report 2017 (PDF)
https://pt.m.Wikipedia.org./Wiki/Ficheiro:Anoppheles_Stephensi

Pág. 18

Você também pode gostar