Você está na página 1de 30

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO

LICENCIATURA EM CONTABILIDADE E AUDITORIA

Custo da aquisição das matéria-prima, produto acabado, custo comercial e a sua margem
de venda, demonstração de resultados referente a 1º semestre de 2019.

Gervásio Rafael Tazama

Nipepe, 1 de Abril de 2020


INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO

LICENCIATURA EM CONTABILIDADE E AUDITORIA

´´Custo da aquisição das matéria-prima, produto acabado, custo comercial e a sua


margem de venda, demonstração de resultados referente a 1º semestre de 2019``

Trabalho de Campo submetido ao Curso de Contabilidade e Auditoria /Departamento


de Economia e Gestão, como requisito para obtenção do grau académico de licenciatura
Contabilidade e Auditoria

Nipepe, 01 de Abril de 2020

Página 2 de 30
AGRADECIMENTO

É de agradecer a Deus e aos meus Pais pela vida e bênção assim como a proteção que
incansavelmente tem me acompanhado em booms e maus momento (Sempre).

Au Instituto Superior de Ciências e Educação a Distancia (ISED), pelo acolhimento e


integração como estudante do curso de Contabilidade e Auditoria, no âmbito da
aprendizagem ou desenvolvimento do conhecimento solido, e pelo esforço que a
instituição tem feito de modo a dar o seu contributo no cumprimento do percurso na Mídia
de forma eficiente e manter o estudante atualizado.

Au tutor da presente cadeira, apesar de não ter-se identificado no presente trabalho, e pela
oportunidade da composição da pesquisa, que foi desenvolvido por me de acordo as
recomendações debuçadas no instrumento de seguimento, que por sua vez devera apreciar
e avaliar de modo a obter a minha classificação que é a parte integrante teste trabalho.

Página 3 de 30
SUMÁRIO

Neste trabalho consiste em desenvolver de forma resumida e clara Custo da aquisição das
matéria-prima, produto acabado, custo comercial e a sua margem de venda, demonstração
de resultados referente a 1º semestre de 2019

Com base nestes tópicos, trará a conhecer o âmbito da aplicação da contabilidade de


gestão, bem como as diferentes terminologias de custos de modo que possa permitir a
saber calcular a produção das organizações e apurar o resultado do exercício, utilizando
diferentes métodos de custeio (absorção, total, variável e padrão) e ainda atendendo e
considerando o sistema de custeio implementado pelas organizações, isto é, se é sistema
de custeio por ordem de produção ou sistema de custeio por processo.

Página 4 de 30
Índice

Sumário
LISTA DE TABELAS: ................................................................................................................. 6
LISTA DE APÊNDICE OU ANEXOS ........................................................................................ 7
LISTA DE SIGLAS ...................................................................................................................... 8
GLOSSÁRIO .............................................................................................................................. 10
INTRODUÇÃO .......................................................................................................................... 11
OBJECTIVO ESPECIFICO............................................................................................................... 11
INDÚSTRIA MOAGEIRO DE MILHO .................................................................................... 12
LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS MOAGEIRA............... 12
PEQUENA EMPRESA INDUSTRIAL ...................................................................................... 14
Exia Moageira Lda. ..................................................................................................................... 14
CARACTERISTICAS TECNICAS DA INDOSTRIA MOAGEIRA ........................................ 14
Processos de Produção ................................................................................................................ 15
Principais Problemas que Afetam estas Industrias. ..................................................................... 16
Organigrama funcional das empresas industriais ........................................................................ 16
CUSTO DA AQUISIÇÃO DAS MATÉRIA-PRIMA, PRODUTO ACABADO, CUSTO
COMERCIAL E A SUA MARGEM DE VENDA, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS
REFERENTE A 1º SEMESTRE DE 2019. ................................................................................ 17
CUSTO DA AQUISIÇÃO DA MATÉRIA-PRIMA(CMP) ....................................................... 19
O CUSTO INDUSTRIAL DA PRODUÇÃO ACABADA (CIPA).. .......................................... 19
CUSTO INDUSTRIAL DA PRODUÇÃO ................................................................................. 20
CUSTO COMERCIAL E A SUA MARGEM DE VENDA ....................................................... 21
PREÇO DE VENDA................................................................................................................... 22
VENDA DA EMPRESA INDUSTRIAL MOAGEIRA ............................................................. 23
DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO REFERENTE A 1º SEMESTRE
DE 2019. ..................................................................................................................................... 24
CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES .................................................................................... 25
Anexo nº1 ................................................................................................................................ 26
Anexo Nº2 ............................................................................................................................... 26
Anexo nº3 ................................................................................................................................ 27
REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA ............................................................................................ 30

Página 5 de 30
LISTA DE TABELAS:
Tabela nº 1 …………………….Demostração dos resultados do exercício pag nº23

Página 6 de 30
LISTA DE APÊNDICE OU ANEXOS
• Localização Geográfica da industria Moageira ……………..Anexo nº1.pag nº12

• Anexo nº1 ....................................................................................................................... 26


• Anexo Nº2 ...................................................................................................................... 26
• Anexo nº3 ....................................................................................................................... 27

Página 7 de 30
Custo de Produção ………………(CP);
LISTA DE SIGLAS
Reconstrução Social …………….(RS) Estoque Final de produtos em elaboração
……………………………….(EFPE).
Imposto de importação…………. (Inp)
Custo Total ……………………(CT);
Gastos com armazenagem ……(Arzm)
Quantidade da produção…………(QP);
Gasto com transporte ……………(GT)
Matéria prima ………………….(MP);
não
recuperável……………………….(IPI) Mão de Obra Directa……….. (MOD);

Gastos com Seguros……………. (GS) Energia consumida ……..………..(E);

Estoque inicial …………………..(EI). Remuneração do supervisor ………(R);

Compras de matéria primas…..(CMP). Comissão do colaboradores.……(CC);

Estoque Final ……………………(EF). Aluguer …………………………(A);

Custo de material Diverso ……(CMD); Depreciação ……………………….(D);

Mão de obra directo …………..(MOD); Demostração do Resultado de


Exercícios…………………….…(DRE)
Custo indireto de Fabricação……(CIF).

Estoque Inicial de produto em


elaboração ..................................(EIPE);

Página 8 de 30
Página 9 de 30
GLOSSÁRIO

• Mídia…….. Se relaciona com a comunicação; qualquer meio através do qual há


difusão de informação, os meios de comunicação.
• Moagem ……….Ação de moer no moinho ou no engenho, moedura
• Sorgo…………… Espécie de milho originário da africa, India e da China

Página 10 de 30
INTRODUÇÃO
O presente trabalho desenvolve o custo da aquisição das matéria-prima, produto acabado,
custo comercial e a sua margem de venda, demonstração de resultados referente a 1º
semestre de 2019.

OBJECTIVO GERAL; No âmbito de conhecer o âmbito da aplicação da contabilidade


de gestão, bem como as diferentes terminologias de custos de modo que possa permitir a
saber calcular a produção das organizações e apurar o resultado do exercício, utilizando
diferentes métodos de custeio (absorção, total, variável e padrão) e ainda atendendo e
considerando o sistema de custeio implementado pelas organizações, isto é, se é sistema
de custeio por ordem de produção ou sistema de custeio por processo.

OBJECTIVO ESPECIFICO
• Compreender as várias classificações de custos inerentes ao cálculo de custos e à
tomada de decisão;
• Relacionar os conceitos de compras de matérias-primas, matérias-primas
consumidas, custo industrial, custo industrial da produção acabada, gasto
industrial dos produtos vendidos, resultado bruto, resultado operacional, resultado
antes de impostos e resultado líquido do período;
• Elaborar a Demonstração de Resultados por Funções de acordo com o Decreto
70/ 2009 que aprova o Sistema de Contabilidade para o Sector Empresarial Em
Moçambique baseado nas NIRF’s;
• Distinguir custeio por processo e custeio por ordem de produção e identificar as
situações em que se deve adoptar cada um deles;
• Elaborar, em custeio por ordem de produção, quadros de resumo das encomendas
produzidas e vendidas e dos resultados por encomenda;
• Calcular, em custeio por processo, a produção do período em unidades
equivalentes, utilizando os diferentes critérios de valorização de saídas de
inventários, e o custo de produção acabada e em vias de fabrico.
DELIMITAÇÕES DA PESQUISA
Calculo do custo da aquisição das matéria-prima, produto acabado, custo comercial e a
sua margem de venda, demonstração de resultados referente a 1º semestre de 2019. E esta
estruturado de seguinte forma; Titulo, desenvolvimento, significado das siglas, anexos e
tabelas.

Página 11 de 30
INDÚSTRIA MOAGEIRO DE MILHO
Cesar Francisco et al (2000): A industria moageira de milho em Moçambique pode ser
classificada como: pequenas moagem, média moagens e grande moagem.

Nesta classificação devem ser consideradas não apenas as capacidades nominais de


produção, mas também as características grais da instalação, o grau de complexidade
do processo, os tipos de produtos colaborados e ate a articulação destes moagens
com os canais de comercialização vigentes no pais.

A pequena moagem e de natureza essencialmente artesanal e caracterizada por um regime


de produção descontinua e normalmente realizada na zona rural. O processo destas
pequenas moagens consiste basicamente de uma operação que visa reduzir o grão de
milho, acondicionado ou seco, em farinha ou farinha integral

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DAS EMPRESAS


INDUSTRIAIS MOAGEIRA
As pequenas moagens da zona rural de Moçambique, encontra-se, como foi dito,
amplamente distribuídas pelo território, principalmente no centro e norte do pais,
principalmente nas províncias de Tete, Manica, Zambezia e Niassa. Estas regiões
concentra-se por volta de 84% das 873 unidades registradas como pequenas moagens.

A estrutura de propriedade destes moinhos e também variada; a maioria deles, quase


70%, são de particulares e as restante pertence a aldeias comunais e cooperativas.

Página 12 de 30
No presente trabalho atendendo e considerando as orientações descritas no instrumento
de seguimento da modulo de Contabilidade de Gestão, no âmbito da materialização das
actividades obrigatórias (Trabalho de Campo), será debruçado sobre a pequena empresa
industrial particular que operam na província do Niassa, concretamente no Distrito de
Nipepe.

Página 13 de 30
PEQUENA EMPRESA INDUSTRIAL

Exia Moageira Lda.


É uma pequena empresa industrial particular, pertencente ao senhor José Bernabé Exia,
localizado no Distrito de Nipepe, composta por três trabalhadores que operam no
processamento de farinha de milho, em pó.

Processamento de farinha

De acordo com as informações obtidas, através duma entrevista declarada pelo senhor
José. A farinha é obtida a partir de milho, sorgo, trigo e outras culturas de cereais, tais
como; batata doce, mandioca e outras plantas de tubérculo. Após a imersão e moagem,
resultante da produção substâncias em farinha, como proteína, gordura e celulose são
separadas e removidas. Quando a farinha é processada a partir do milho, a farinha não
obtida, como a proteína e o óleo de milho, tem um alto valor, de modo que a indústria da
farinha de milho se desenvolve rapidamente. Depois de desenvolver o processamento
técnico em farinha para preparar açúcares de farinha e derivados de farinha, várias
aplicações de farinha foram exploradas.

A farinha é um carboidrato granular branco naturalmente sintetizado pelas plantas


através da fotossíntese, encontrado em sementes de plantas (como milho, trigo, arroz,
sorgo e feijão), raízes (como inhame, mandioca) e tubérculos (como batatas). Sendo o
teor de farinha nas sementes, raízes e caules de várias plantas, a morfologia e a estrutura
das partículas variam com a variedade, clima, cultura do solo e outras condições de
crescimento.

CARACTERISTICAS TECNICAS DA INDOSTRIA


MOAGEIRA
De acordo com o mesmo autor, a Exia Moageira, é uma pequena .Moageira rural devido
a localização desta moageira à dificuldade de locomoção da área rural. A pequena
moageira é tradicionalmente estalada numa casa, diretamente sobre o solo, e sem as
fixações recomendadas, para este tipo de instalação. A falta de cuidados em obedecer as
normas e instruções do fabricante do moinho e generalizada, sendo comum a existência
de problemas no alinhamento entre as polias de transmissão e na relação adequada entre
os seus diâmetros.

Página 14 de 30
Equipamentos

O equipamento básico deste moagem é o moinho de martelo, que executa a transformação


do milho em farinha e demais serreais integral, são utilizados moinhos de diversas
procedências em marcas, de entra as quais podem ser mencionados as seguintes:

Tramangal (Portugal), Nogueira (Brasil), Angola Moçambique, Cometa (Moçambique).


A capacidade nominal da produção deste moinho variam de 400 a 1.500Kg/h e eles são
caraterizados por uma construção simples e robusta com muita utilização, ainda
chumaceira com bronzinas como dispositivo de apoio para eixo de moinho, oque
simplifica bastante de manutenção, proporcionando menores custos.

Cerca de 65% deles utilizam com a força motriz, algumas com motores a óleo diesel,
também de diversas marcas e procedências. Aproximadamente a 70% dos motores são da
marca Lister, e os restantes são os fabricados pela Brown Bovcri (França), lotra
(Portugal), Siemens

(Africa do Sul), Nogueira (Brasil), e perguson & Gardner. As potencias destes motores
variam entre in e 40 HP e a rotação dos mesmos, entre 1.500 e 3.000 rpm.

Processos de Produção
As pequenas moagens foram instaladas em Moçambique em agosto de 2015, cendo posto
de comercialização e macharnbas particulares, nas regiões produtoras de milho e
mandioca.

Nesta unidade de moagem, o milho e transformado em farinha integral através do moinho


de martelo equipado com um ciclone que permite a coleta dos finos produzidos na
moagem. Este tipo de instalação substitui, assim, a operação de pelagem braçal pela qual
as mulheres, tradicionalmente, elaboravam a farinha, integral de milho e mandioca.

A matéria prima utilizada na moagem e trazida, pelos produtores, ate os moinhos, de


acordo com a necessidade de consumo de suas famílias, e consiste do milho em grão, seco
ou previamente acondicionado em agua. O acondicionarnento do milho em agua e feito
normalmente em pequena escala, a nível caseiro, com o objetivo de amolecer o grão e,
assim, facilitar o descasque nos pilões.

Após o descascamento, o milho ainda húmido e levado aos moinhos que, por simples
moagem, 0 transforma numa farinha húmida, a qual apresenta uma cor bem clara. Apos

Página 15 de 30
esta moagem, a farinha, ainda húmida, é levada de volta pelo produtor é submetida a uma
secagem rudimentar ao sol.

Durante o acondicionamento do grão e a secagem da farinha húmida; ocorre o


desenvolvirnento de microrganismos que, através de seus produtos de fermentação,
conferem ao produto um sabor acido com características próprias que o tornam de agrado
dos consumidores. A farinha de milho e consumida pela população local, apos cozimento
junto com carnes, peixes e outros alimentos.

Principais Problemas que Afetam estas Industrias.


Os principais problemas que afetam a pequena moagem são: muito variados e de
diferentes naturezas. Entretanto, cabe ressaltar que a ausência de peças de reposição,
especialmente no que se refere a peneiras, rolamentos, correias, chumaceiras e
casquilhos, aliada a falta de pessoal qualificado para operar os equipamentos, tem
comprometido seriamente o funcionamento desta moagem. As estimativas oficiais
indicam que uma percentagem elevada destes moinhos esta atualmente em estado que
impossibilita seu funcionamento.

Organigrama funcional das empresas industriais


O lucro na visão moderna, é consequência do processo produtivo ou de prestação de
serviço e o retorno esperados pelos investidores.

Drucker; explica que a empresa é um órgão social e que so pode prestar contribuições a
sociedade se for lucrativa. Seu propósito é geral lucros por meio da venda de produtos ou
de prestação de serviços.

O principal objetivo e produzir ou prestar serviços com qualidade ou menor custo


praticável e obter lucro justo e necessário sobre a venda.

Organigrama funcional Exia Moageira:

Página 16 de 30
CUSTO DA AQUISIÇÃO DAS MATÉRIA-PRIMA, PRODUTO
ACABADO, CUSTO COMERCIAL E A SUA MARGEM DE
VENDA, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS
REFERENTE A 1º SEMESTRE DE 2019.
A Empresa Exia Moageira Lda, é uma industria particular que opera no distrito no
distrito de Nipepe, composta por 3 trabalhador dos quais um deles é o proprietário da
moageira. Esta empresa dedicasse na transformação do milho em material integrada
(Farinha), durante o primeiro semestre do ano de 2019 a empresa incorreu os gasto
relativos aos seguinte itens;

Existência inicial Lda.

Estoque inicial de matéria prima: ………………………………..50.000mt

Estoque inicial dos produtos em processo: ………………………80.000mt

Existência final

Estoque final da matéria prima: …………………………………40.000mt

Estoque Final dos produtos em processo: ………………………..25.000mt

Aquisição da Matéria-Prima

Página 17 de 30
Composição do Moinho e de mais equipamentos (MP)….………100.000mt

Custos da aquisição da matéria-prima

Desconto (RS) ……………………………………………...….15.000mt

Imposto de importação (Inp) ……………………………...…..….10.000mt

Gastos com armazenagem (Arzm) ………………………...….….15.000mt

Gasto com transporte (GT)………………………………………. 5.000mt

(IPI) não recuperável …………………………………….………..4.000mt

Gastos com Seguros (GS) …………….………………………...…3.000mt

Total ……………………………………………………………....152.000mt

Custos com pessoal:

Mão de Obra direta: ………………………………………………100.000mt

Remunerações do supervisor da fabrica ………………………….18.000mt

Ordenados e Comissões dos trabalhadores: …………………….....20.000mt

Outros custos

Contribuições tributarias de impostos. …………………………...1.200mt

Energia consumida pela moageira: ……………………………….35.000mt

Aluguer da área administrativa: …………………………………..10.000mt

Depreciação dos equipamentos industriais: ………………………60.000mt

Serviços realizados: ……………………………………………….438.000mt

Nota: Se por acaso o proprietário da industria queira revender a sua Matéria prima
(Moinho ou a empresa), gostaria que tivesse 30% de lucro do valor da aquisição.

Com base nessas informações, o Senhor José, proprietário da industria moageira pretende
determinar o custo da aquisição das matéria-prima, produto acabado, custo comercial e a
sua margem de venda, assim como a respectiva demonstração de resultados referente a 1º
semestre de 2019

Página 18 de 30
CUSTO DA AQUISIÇÃO DA MATÉRIA-PRIMA(CMP)
Matérias-Primas - são as matérias que concorrem diretamente na materialização do
produto final (produto acabado).

O consumo de matéria-prima constitui um custo directo do produto, cujo montante


dependerá da quantidade consumida e do respectivo custo unitário. Este custo unitário
poderá incluir o custo de aquisição – considerando-se como tal todos os custos suportados
até a chegada da matéria-prima – bem como eventuais custos que se verifiquem
internamente e que devam ser imputados às matérias antes de se regista a sua entrada em
armazém.

Onde teremos:

𝑪𝑴𝑷 = 𝑴𝑷 − 𝑹𝑺 + 𝑰𝒏𝒑 + 𝑨𝒓𝒛𝒎 + 𝑮𝑻 + 𝑰𝑷 + 𝑮𝑺

Substituindo:

𝑀𝑃 = 100.000 − 15.000 + 10.000 + 15.000 + 5.000 + 4.000 + 3.000

𝑀𝑃 = 122.000,00𝑚𝑡 𝑒𝑠𝑡𝑎 é 𝑜 𝑐𝑢𝑠𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑎𝑞𝑢𝑖𝑠𝑖çã𝑜 𝑑𝑎 𝑚𝑎𝑡𝑒𝑟𝑖𝑎 𝑝𝑟𝑖𝑚𝑎

O CUSTO INDUSTRIAL DA PRODUÇÃO ACABADA


(CIPA)..
O Custo Industrial da Produção Acabada (CIPA) corresponde ao custos industriais
que ocorreram durante o período (CIP), acrescentando o valor de produção não acabada
(PVF) existente no início do período e retirando o valor de produção não acabada do fim
do período.

O Custo industrial da Produção Vendida (CIPV) resulta de aos custos industriais


incorporados nos produtos (CIPA), acrescentarmos o valor de produção acabada (PA)
existente no início do período e retirando o valor de produção acabada do fim do período.

O Custo Complexivo obtém-se somando ao Custo industrial da Produção Vendida


(CIPV), os Custos Não Industriais: Custos de Distribuição, Custos Administrativos e
Custos Financeiros.

1º passo:

Página 19 de 30
Para o calculo do Custo Industrial da Produção Acabada primeiramente temos que saber
qual é o Custo de Material Diverso (CMD), para isso temos que usar a seguinte forma:

𝑀𝐷 = 𝐸𝐼 + 𝐶 − 𝐸𝐹

Onde:

Estoque inicial (EI).

Compras de matéria primas (C).

Estoque Final (EF).

Usando a formula teremos:

𝑀𝐷 = 50.000 + 122.000 − 40.000

𝑀𝐷 = 132.000 𝑒𝑠𝑡𝑎 é 𝑜 𝐶𝑢𝑠𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝑀𝑎𝑡𝑒𝑟𝑖𝑎𝑙 𝐷𝑖𝑣𝑒𝑟𝑠𝑜𝑠

2º Passo:

CUSTO INDUSTRIAL DA PRODUÇÃO


O Custo Industrial de Produção (CIP) é constituído por 3 principais componentes:
Matéria-prima, Mão-de-Obra Directa e Gastos Gerais de Fabrico.

• Matéria-Prima (MP): EiMP + (Compras + Custos de compras – Devoluções –


Descontos Comerciais) – EfMP
• Mão-de-Obra Directa (MOD): Salários dos Operários + Custos Sociais
• Gastos Gerais de Fabrico (GGF): Ei Materiais Indirectos + Compras Materiais
Indirectos – Ef Materiais Indirectos + MOI + Outros custos de produção indirectos
(energia eléctrica, amortizações dos equipamentos, das máquinas e do edifício
industriais, etc.)
• NOTA: Materiais Indirectos inclui Matérias Subsidiárias e/ou Materiais Diversos

Que e dada de seguinte formula;

𝐶𝐼𝑃 = 𝑀𝐷 + 𝑀𝑂𝐷 + 𝐶𝐼𝐹(𝐸 + 𝑅 + 𝐷)

Onde:

Custo de material Diverso (CMD);

Página 20 de 30
Mão de obra directo (MOD);

Custo indireto de Fabricação (CIF).

Somando temos:

𝐶𝑃𝐼 = 132.000 + 100.000 + (35.000 + 18.000 + 60.000)

𝐶𝐼𝑃 = 132.000 + 100.000 + 113.000

𝐶𝐼𝑃 = 345.000 𝑒𝑠𝑡𝑎 é 𝑜 𝐶𝑢𝑠𝑡𝑜 𝐼𝑛𝑑𝑢𝑠𝑡𝑟𝑖𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑃𝑟𝑜𝑑𝑢çã𝑜

3º Passo:

𝐶𝐼𝑃𝐴 = 𝐸𝐼𝑃𝐸 + 𝐶𝑃 − 𝐸𝐹𝑃𝐸

Onde:

Estoque Inicial de produto em elaboração (EIPE);

Custo de Produção (CP);

Estoque Final de produtos em elaboração (EFPE).

Substituindo temos:

𝐶𝐼𝑃𝐴 = 80.000 + 345.000 − 25.000

𝐶𝐼𝑃𝐴 = 400.000 𝑒𝑠𝑡𝑒 é 𝑜 𝐶𝑢𝑠𝑡𝑜 𝐼𝑛𝑑𝑢𝑠𝑡𝑟𝑖𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑃𝑟𝑜𝑑𝑢çã𝑜 𝐴𝑐𝑎𝑏𝑎𝑑𝑎

CUSTO COMERCIAL E A SUA MARGEM DE VENDA


MARGEM – é a diferença entre o valor de venda e os valores das despesas e dos custos
específicos desta venda

CONTRIBUIÇÃO – representa em quanto o valor das vendas contribui para o


pagamento das despesa fixas para gerar lucro.

Para encontrar a margem de contribuição é necessário calculara os seguintes elementos

Como Calculando o Custo unitário da Produção (CUP)

𝑪𝑻
𝑪𝑼𝑷 =
𝑸𝑷

Página 21 de 30
𝑀𝑃 + 𝑀𝑂𝐷 + 𝐸 + 𝑅 + 𝐶𝐶 + 𝐴 + 𝐷 + 𝐼𝑇
𝐶𝑈𝑃 =
𝑄𝑃

Onde:

Custo Total (CT);

Quantidade da produção (QP);

Matéria prima (MP);

Mão de Obra Directa (MOD);

Energia consumida (E);

Remuneração do supervisor (R);

Comissão do cobrador (CC);

Aluguer (A);

Depreciação (D);

Logo;

𝐶𝑈𝑃
122.000 + 100.000 + 35.000 + 18.000 + 20.000 + 10.000 + 60.000 + 1.200
=
338.000

366.200
𝐶𝑈𝑃 =
338.000

𝑪𝑼𝑷 = 𝟏, 𝟎𝟖𝒎𝒕/𝒌𝒈

Este é o preço cobrado de cada Kg de milho para a transformação em farinha

PREÇO DE VENDA
Se o senhor José pretender revender o seu moinho ou a matéria-prima tendo em
consideração que deseja ter 30% de lucro sobre o custo da aquisição da mesma teremos;

𝑀𝑃
𝑃𝑉 =
100% − %𝑀𝐶

Página 22 de 30
122.000
𝑃𝑉 = [ ] ∗ 100
(100% − 30%)

122.000
𝑃𝑉 = [ ] ∗ 100
70%

𝑃𝑉 = 1.742,85 ∗ 100

𝑷𝑽 = 𝟏𝟕𝟒. 𝟐𝟖𝟓, 𝟕𝟏𝒎𝒕


𝑒𝑠𝑡𝑒 é 𝑜 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑞𝑢𝑒 𝑜 𝑠𝑒𝑛ℎ𝑜𝑟 𝐽𝑢𝑠é 𝑡𝑒𝑟𝑎 𝑑𝑒 𝑣𝑒𝑛𝑑𝑒𝑟 𝑜 𝑠𝑒𝑢 𝑚𝑜𝑖𝑛ℎ𝑜

MARGEM TOTAL:

𝑽𝑻 − 𝑮𝑽 = 𝑴𝑻

𝑀𝑇 = 438.000 − 355.000

𝑴𝑻 = 𝟖𝟑. 𝟎𝟎𝟎 𝑬𝒔𝒕𝒂 é 𝒂 𝒎𝒂𝒓𝒈𝒆𝒎 𝑻𝒐𝒕𝒂𝒍

Tendo a margem total podemos calculando o lucro de seguinte forma

Lucro:

𝑴𝑻 − 𝑮𝑭 = 𝑳𝒖𝒄𝒓𝒐

𝐿 = 83.000 − (10.000 + 1.200)

𝐿 = 83.000 − 11.200

𝑳 = 𝟕𝟏. 𝟖𝟎𝟎 é𝒔𝒕𝒆 é 𝒐 𝒍𝒖𝒄𝒓𝒐 𝑳𝒊𝒒𝒖𝒊𝒅𝒂 𝒅𝒂 𝒆𝒎𝒑𝒓𝒆𝒔𝒂 𝒅𝒖𝒓𝒂𝒏𝒕𝒆 𝒐 𝒆𝒙𝒆𝒓𝒄𝒊𝒄𝒊𝒐

VENDA DA EMPRESA INDUSTRIAL MOAGEIRA


No caso enque o proprietário da industria ter que vender a empresa teremos

𝐶𝑇
𝑃𝑉 =
1−𝐿

366.200
𝑃𝑉 =
1 − 30%

366.200
𝑃𝑉 =
1 − 0,30

Página 23 de 30
366.200
𝑃𝑉 =
0,70

𝑷𝑽 = 𝟓𝟐𝟑. 𝟏𝟒𝟐, 𝟖𝟔𝒎𝒕 𝒆𝒔𝒕𝒆 é 𝒒𝒖𝒆 𝒔𝒆𝒓𝒊𝒂 𝒐 𝒑𝒓𝒆ç𝒐 𝒅𝒆 𝒗𝒆𝒏𝒅𝒂 𝒅𝒂 𝒆𝒎𝒑𝒓𝒆𝒔𝒂

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO


REFERENTE A 1º SEMESTRE DE 2019.
Designação Valor em (MT)
Receita Operacional Bruta (ROB) 𝑹𝑶𝑩 = 𝟒𝟑𝟖. 𝟎𝟎𝟎
Aquisição da Matéria – prima (MP). 122.000
Imposto.
Contribuições Tributaria (CT). 1.200mt
𝑹𝑶𝑳 = 𝑹𝑶𝑩 − (𝑴𝑷 − 𝑪𝑻)
𝑹𝑶𝑳 = 𝟒𝟑𝟖. 𝟎𝟎𝟎 − 𝟏𝟐𝟐. 𝟎𝟎𝟎 − 𝟏𝟐𝟎𝟎
Receita operacional Liquida 𝑹𝑶𝑳 = 𝟑𝟏𝟒. 𝟖𝟎𝟎
Custo de prestação de serviço
Mão-de-obra-directa (MOD) 100.000
Energia consumida pela fabrica (ECF) 35.000
Comissões dos trabalhadores (CT) 20.000
Remuneração do supervisor (R) 18.000
LB=ROL-(MOD-ECF-CT-R)
𝑳𝑩 = 𝟑𝟏𝟒. 𝟎𝟎𝟎 − 𝟏𝟎𝟎. 𝟎𝟎𝟎
− 𝟑𝟓. 𝟎𝟎𝟎 − 𝟐𝟎. 𝟎𝟎𝟎
− 𝟏𝟖. 𝟎𝟎𝟎
Lucro Bruto 𝑳𝑩 = 𝟏𝟒𝟏. 𝟖𝟎𝟎𝟎
Despesas administrativas com equipamento
Depreciação de equipamentos (D) 60.000
Aluguer da área de instalações (A) 10.000
L/P= 𝑳𝑩 − (𝑫 − 𝑨)
Lucro ou prejuízo operacional L/P= 𝟕𝟏. 𝟖𝟎𝟎
Lucro Liquida 𝑳𝑳 = 𝟕𝟏. 𝟖𝟎𝟎

Página 24 de 30
CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES
Chegando a este ponto conclui o seguinte:

Se o seu preço ser diferente dos preços de concorrentes existem algumas explicações
como:

• Os valores pagos aos fornecedores podem ser maiores


• A margem que você estabeleceu para o produto pode estar muito alta ou baixa;
• Pode ser também que o seu concorrente tenha Prestado serviços em grande
quantidade, e isso pode gerar impacto no preço que pratica;
• Outra questão pode ser que a percepção que o cliente tem do valor dos seus
serviços (a qualidade dos serviços prestados).

Se você já calculou o preço de venda do seu produto, conhece a margem media praticada
e sabe os gastos fixos é importante estimar quanto deve vender para não ficar no prejuízo:
Tem que gerar em suas vendas a margem de contribuição suficiente para cobrir os gastos
fixos do seu negocio. Essa margem de contribuição deve permitir a cobertura das suas
despesas de modo que aja um equilíbrio. É importante ressaltar que quanto maior a
margem de contribuição menor é o volume de venda que você precisa para chegar ao
equilíbrio.

Recomendações:

Uma vês verificada que a dificuldade do pessoal qualificado que possa operar, assim
como para a reformação ou depreciação dos equipamentos, deve-se levar acabo as
seguinte ações;

a) Organizar e promover a implantação de um Centro Nacional de Treinamento de


Recursos Humanos, pura treinar pessoal em atividades na área de gerenciamento,
Operação e Manutenção das medias e pequenas moagens.
b) Organizar e promover a implantação, de um centro a nível regional, um Núcleo
de Assistência Técnica devidamente implementado em pessoal e equipamentos,
para executar um programa de recuperação, manutenção e para colocar em marcha
os moinhos. Este Núcleo deverão também, exercer as funções de coordenação da
assistência, efetuar um levantamento técnico da situação das moagens, organizar e
manter atualizado um arquivo técnico destas, e preparar as bases partir do núcleo, expandir
as actividades para outras regiões.

Página 25 de 30
Anexo nº1

Anexo Nº2
Página 26 de 30
Anexo nº3

Página 27 de 30
Anexo nº4

Página 28 de 30
Anexo: nº5

Anexo nº 6

Página 29 de 30
REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA
• Cesar Francisco Ciacco, Ramon, Leonardo, inojcsa Gutierrez (1980)
REHABILITATION, MODERNIZATION AND EXPANSION OF SMALL
AND MEDIUM-SCALE MILLING PLANTS
• Edilton Alfândega (2º ano Isced) Manual de Gestão I
• GARRISON, R. H. & NOREEN, E. W. (2000). Contabilidade Gerencial,
(tradução da 9. Ed.), LTC Editora, Rio de Janeiro;
• DO NASCIMENTO, J. M. (2001). Custos, Planejamento, Controle e Gestão na
Economia Globalizada. Atlas, 2. ed.
• CAIADO, A. C. P. (2012). Contabilidade Analítica e de Gestão. Áreas editora,
7.ed.

Página 30 de 30

Você também pode gostar