Você está na página 1de 11

1- A psicologia na actividade docente é de estrema importância porque permite ao professor

conhecer as particularidades individuais dos alunos para melhor planificar e administrar as


aulas, identificar e resolver os problemas de aprendizagem segundo o desenvolvimento dos
alunos e fazer uma avaliação do processo de ensino e aprendizagem. Fazendo com que o
processo de ensino e aprendizagem seja mais eficaz tanto para o professor como para os
alunos no sentido de modificar comportamentos desajustado na sala de aula. A vida na
Sociedade, para uma melhor cooperação, exige dos seus intervenientes a compreensão mútua,
no contexto educacional, essa compreensão é muito necessária para a direcção do processo de
Ensino Aprendizagem. Ninguém pode ensinar melhor se não conhece os seus alunos.

2- A psicologia sendo o estudo da alma humana, aqui entende-se alma como “mente”. Esta
nomenclatura deve sua origem a um momento histórico em que os filósofos (gregos)
acreditavam haver no ser humano duas essências, uma material (soma ou corpo) e uma
imaterial (psique ou alma). Se a filosofia busca os porquês mais íntimos da relação homem-
mundo, então, a partir do conhecimento destes princípios, ela é fundamental, como base, para
que a psicologia possa descobrir as mais variadas formas de pensamento e comportamento
humano.
A psicologia possui, também, uma raiz biológica na fisiologia, que estudava a correlação
entre os processos corporais (cérebro, sistema nervoso, harmónios) e os processos mentais.
Porque o ser humano é composto de biológico, psíquico, social, cultural e daí por diante, a
psicologia precisa entender o ser humano em um olhar holístico para ajudá-lo em problemas
psicológicos que na grande maioria das vezes vem associado.
3- Se dermos a palavra a um psicólogo comportamentalista, ele dirstudo da Psicologia é o
comportamento hum ano”. Se a palavra for dada a um psicólogo psicanalista, ele dirá: "O
objecto de estudo da Psicologia é o inconsciente”. Outros dirão que é a consciência humana, e
outros, ainda, a personalidade.

A psicologia científica, despojada da especulação e da metafísica, nasceu no século XIX.


Com a psicofísica, que visa medir o mental de forma quantitativa e procura estabelecer uma
ligação entre o físico e o psicológico (já que a mente e o corpo estão sempre interagindo), a
psicologia passou a fazer parte das ciências objectivas. Por meio da psicologia científica é
possível validar os resultados das investigações psiquiátricas. Como resultado, a psicologia
científica contribui para que as pessoas encontrem novas formas de viverem e se
desenvolverem num mundo enigmático. Por isso trata-se de uma ciência muito importante
para a humanidade. O primeiro laboratório de psicologia científica foi estabelecido por
Wilhelm Wundt em Leipzig (Alemanha). Desde então, a psicologia tem vindo a conquistar
incessantemente progressos no conhecimento empírico dos processos mentais e no
comportamento.

4- Max Wertheimer considera Wundt ter levado a Psicologia por água abaixo ao tentar
produzir a sua perfeita tabela atômica organizada da psicologia, com ela perdera de vista a
realidade da experiência humana, ao analisar a experiência em suas partes ínfimas, tinha de
facto destruído a noção da experiência como totalidade. Max considera “o todo é maior do
que a soma das partes” Por isso, é preciso estudar o todo, a totalidade, a configuração inteira,
a gestalt.
5- A psicanálise promove a consciência de padrões de emoções e comportamentos
inconscientes, desadaptativos e habitualmente recorrentes. Isso permite que aspectos
anteriormente inconscientes da self se integrem e promovam um óptimo funcionamento da
mente, cura e expressão criativa.  A psicanálise ajuda as pessoas a se entenderem, explorando
os impulsos que muitas vezes não reconhecem porque estão escondidos no inconsciente. 

6- A estrutura do sistema nervoso é um conjunto de estruturas neurológicas e de órgãos que,


constituindo uma complexa rede de células nervosas, regula todas as actividades do nosso
organismo, das mais simples às mais complexas, assegurando o nosso equilíbrio interno e
externo, bem como a orientação e integração do nosso organismo ao meio envolvente.
6.1 Sistema nervoso central é constituído pelo encéfalo (situado no cérebro) e pela espinal
medula. Desempenhando várias funções, tem a seu cargo tarefas associadas à condução de
informações para o cérebro (medula espinal), processamento e coordenação de informações
mais complexas e detalhadas (cérebro). Encéfalo Está protegido pela caixa craniana, e por 3
membranas – as meninges; coordena os movimentos voluntários e involuntários. É
constituído pelo cérebro (controla as actividades sensoriais e intelectuais), bolbo raquidiano
(coordena os reflexos e os movimentos involuntários), cerebelo (coordena os movimentos
voluntários e o equilíbrio do corpo) e hipotálamo. Espinal Medula Está protegida pela coluna
vertebral é responsável pelos actos reflexos (reacções involuntárias).Os circuitos de
informação são mais curto e consequentemente mais rápido e eficazes.

6.2 O Sistema Nervoso Periférico é constituído pelo sistema nervoso autónomo e o sistema
nervoso somático. Liga o Sistema nervoso central ao resto do corpo. Sistema nervoso
autónomo é o sistema que não depende dos centros de coordenação nervosa presentes no
cérebro e controla algumas das nossas funções vitais, como o ritmo cardíaco, a respiração, a
transpiração, a produção de saliva, etc. Este subsistema está divido em duas secções: a divisão
simpática e a divisão parassimpática. A divisão simpática é responsável pelos mecanismos de
defesa. O funcionamento desta divisão caracteriza se por uma activação do nosso corpo que
visa preparar-nos para a acção. A divisão parassimpática é o oposto da divisão simpática, a
sua função é assegurar o relaxamento do organismo e garantir a eficácia do processo
digestivo. A acção desta divisão manifesta se por um abrandamento do corpo.

6.3 Sistema nervoso somático O sistema nervoso somático é uma pequena parte do sistema
nervoso. O sistema somático é composto basicamente pelos nervos e pelos neurónios, que
atuam como receptores das ordens enviadas pelo cérebro e transmitidas pela medula,
realizando todas as actividades chamadas voluntárias pelo sistema nervoso, como mexer os
braços ou pernas, piscar os olhos, entre outras que realizamos conscientemente. As acções
promovidas pelos sentidos também são decorrentes do sistema nervoso somático.
O sistema nervoso somático divide as áreas do cérebro em dois grandes grupos, sendo
denominados aferente e eferente. O componente aferente tem a função de enviar informações
ao sistema nervoso central sobre o ambiente em torno da pessoa, usando principalmente os
cinco sentidos para esta tarefa. Já o componente eferente cuida dos movimentos voluntários
do ser humano, recebe as ordens do cérebro por meio dos neurónios e estimula os músculos e
as glândulas para realizar esses movimentos. Todos estes sistemas e subsistemas dependem da
acção de um tipo muito particular de células, os neurónios.

7- O Papel da Hereditariedade e do Meio no desenvolvimento o organismo e o ambiente


fazem parte de um todo no qual são inter relacionados e em constante interacção. O meio
mobiliz favorece disposições hereditárias, mas por sua vez a acção do meio não é
independente dessas disposições. Por um lado, qualquer factor hereditário opera de modo
diferente quando as condições do meio ambiente variam. Por outro lado, a condições do meio
ambiente exercem diferentes influências sobre as características hereditárias.
7.1 A hereditariedade e importante no desenvolvimento humano e está atrelado ao processo
de funcionamento da herança biológica, onde o indivíduo herda as estruturas biológicas
podendo ser sensoriais ou neurológicas, as quais predeterminam a origem de estruturas
mentais, ou seja, nós herdamos um organismo que irá amadurecer de acordo com a interação
ao ambiente em que vivemos e essa interação trará como resultado estruturas cognitivas que
ao longo da vida funcionarão de forma parecida.

8 – Os processos sensoriais na construção do conhecimento tem um papel importante de


funcionar com receptor que através deles o indivíduo capta estímulos e informações do
ambiente que o cerca e do seu próprio corpo. Os estímulos são transmitidos na forma de
impulsos eléctricos até o sistema nervoso central. Por sua vez, o sistema nervoso central
processa as informações, traduzindo-as em sensações e gerando respostas.
9- A percepção é a capacidade de captar, processar e dar sentido de forma activa à informação
que alcança os nossos sentidos. Quer dizer, a percepção é o processo cognitivo que nos
permite interpretar o nosso meio-envolvente através dos estímulos que captamos através dos
órgãos sensórios. Esta capacidade cognitiva tem uma grande importância, porque a usamos
diariamente. Por sorte, podemos melhorar a percepção através do treino cognitivo. Isto é
assim porque a percepção é um processo activo.
 Exempo: Uma correcta percepção facilita que os trabalhadores possam realizar
eficientemente o seu trabalho. Os artistas são um claro exemplo da importância da percepção
no mundo profissional, mas qualquer posto de trabalho vai requerer em maior ou menor
medida algum tipo de percepção: varredores, taxistas, desenhadores, polícias, caixas de
supermercado, obreiros...

10- Teorias da Motivação existem várias teorias motivacionais que amparam o


comportamento humano, mas nenhum delas possui todas as respostas ou explicações sobre a
motivação. Cada teoria tem um objectivo específico para uma meta.
10.1 Teoria de Maslow
Segundo a teoria de motivação de Maslow as necessidades humanas estão organizadas em
uma hierarquia de necessidades, formando uma espécie de pirâmide de necessidades.
Necessidades Fisiológicas – são as necessidades básicas das necessidades humanas. São
necessidades dizem respeito à sobrevivência do indivíduo e da espécie, e constituem pressões
fisiológicas que levam o indivíduo a buscar ciclicamente a sua satisfação.
Necessidades de Segurança: São as necessidades relacionadas como a protecção e
estabilidade. Necessidades sociais: São as necessidades relacionadas com a vida associativa
do indivíduo com outras pessoas.
Necessidades de estima: São as necessidades relacionadas com auto-avaliação e auto-estima
dos indivíduos. A satisfação das necessidades de estima conduz a sentimentos de
autoconfiança, auto-apreciação, reputação, reconhecimento, amor-próprio, prestígio, status,
valor, poder, capacidade e utilidade.
Necessidade de auto-realização: São as necessidades relacionadas com o desejo de cumprir a
tendência que cada indivíduo tem de realizar o seu potencial, autodesenvolvimento,
crescimento.
10.2 Teoria de Herzberg
A obra de Maslow move-se no âmbito geral da psicologia individual sem referência específica
à empresa. Herzberg formula a sua teoria – frequentemente chamada da higiene-motivação –
sobre os motivos que influem no trabalho dos homens nas empresas. A teoria inclui muitos
elementos comentados na teoria de Maslow, já que propõem 2 tipos de factores que influem
na motivação – os factores de higiene e os factores motivadores. Ambos afectam a satisfação
das necessidades de hierarquia inferior (higiénicos) ou superior (motivadores). Entre os
factores de higiene: salário, supervisão técnica, condições de trabalho, regulamentação e
modo de operar a empresa, relação pessoal com o supervisor. Os motivadores aparecem
elementos como: possibilidade êxito pessoal, reconhecimento pelo êxito, natureza da própria
tarefa, responsabilidade, possibilidades de promoção, capacidade de auto-satisfação.

A motivação interna nada mais é quando a pessoa possui uma vontade imensa de mudar de
comportamento para conseguir um certo objectivo. Geralmente ela parte da pessoa quando
está se questiona muito ao seu respeito. Isso acontece muito em igrejas doutrinadas, por
exemplo, as quais impõem aos fiéis algumas regras para serem seguidas em prol de algo ou de
algum êxito futuro, atingido por sacrifícios a certos comportamentos.
Na vida pessoal ou no trabalho, a motivação interna ajuda as pessoas a terem auto controle
sobre si mesmas e a traçar metas. Na verdade, a motivação interna é uma das atitudes mais
difíceis de ser tomada, pois exige do indivíduo determinação e auto-suficiência para saber o
que quer e fazer suas próprias escolhas.
A motivação externa parte deliberadamente do ambiente em que estamos inseridos. No
trabalho, ela se torna perfeita, pois o ambiente de trabalho nos torna mais propícios a enfrentar
desafios para conseguir atingir metas e sair da zona de conforto. Enquanto na motivação
interna o indivíduo precisa ter um sentido de vida para se sentir motivado, na motivação
externa, o indivíduo só precisa estar em um ambiente que estimule isso. Mas, dependendo da
pessoa isso não é o suficiente, se ela não conhece a si mesma. Quando estamos em um
ambiente motivador, é fácil se sentir motivado, mas e quando estamos fora dele? Talvez seja
um bom motivo para buscarmos uma reflexão.
11- Inteligência Seguindo uma visão tradicionalista, Travassos (2001) afirma que a
inteligência já foi conceituada como uma capacidade inata do indivíduo, um atributo do qual o
ser humano dispõe para responder a testes de inteligência, como o Q.I. (“Quociente
Intelectual”), criado por Alfred Binet, por volta de 1900, na França, com a finalidade de
responder a indagações sobre a possibilidade de evidenciar o sucesso ou fracasso escolar de
crianças da época que frequentavam as séries iniciais, funcionando como um mensurador.

11.1Tipos de Inteligências
Inteligência Linguística as pessoas que possuem este tipo de inteligência tem grande facilidade
de se expressar, tanto oralmente como na forma escrita. Além da grande expressividade, também
têm um alto grau de atenção e sensibilidade para entender pontos de vista alheios. É uma
inteligência fortemente relacionada ao lado esquerdo do cérebro é uma das mais comuns. A
inteligência linguística também implica na facilidade em entender o significado de palavras e
discursos, sejam escritos ou falados.

Um indivíduo possui alta inteligência linguística quando:


 Possui um vocabulário rico e sabe quando e como usar as palavras para transmitir sua
mensagem ou atingir seu objectivo;
 Gosta de ler muito;
 Consegue persuadir ou convencer pessoas com facilidade;
 Possui facilidade em aprender idiomas;
 São atraídos por palavras-cruzadas e outros jogos similares.

Inteligência Lógica pessoas com esse perfil de inteligência têm uma alta capacidade de memória
e um grande talento para lidar com matemática e lógica em geral. Elas têm facilidade para
encontrar solução de problemas complexos, com a capacidade de quebrar estes problemas em
problemas menores e ir resolvendo cada um deles até chegar à resposta final. São pessoas
organizadas e disciplinadas. É uma inteligência fortemente relacionada ao lado direito do cérebro.

Inteligências Motora pessoas com este tipo de inteligência possuem um grande talento em
expressão corporal e têm uma noção espantosa de espaço, distância e profundidade. Têm um
controle sobre o corpo maior que o normal, sendo capazes de realizar movimentos complexos,
graciosos ou  fortes com enorme precisão e facilidade. É uma inteligência relacionada ao cerebelo,
que é a porção do cérebro que controla os movimentos voluntários do corpo. Presente em
esportistas olímpicos e de alta performance, é um tipo de inteligência directamente relacionado à
coordenação e capacidade motoras.

Inteligência Musical é um dos tipos mais raros de inteligência. Pessoas com este perfil têm uma
grande facilidade para escutar músicas ou sons em geral e identificar diferentes padrões e notas
musicais. Eles conseguem ouvir e processar sons além do que a maioria das pessoas consegue,
sendo capazes também de criar novas músicas e harmonias inéditas. É como se conseguissem
“enxergar” através dos sons. Algumas pessoas têm esta inteligência tão evoluída que são capazes
de aprender a tocar instrumentos musicais sozinhas. Assim como a inteligência espacial, este é um
dos tipos de inteligência fortemente relacionados à criatividade.
Um indivíduo possui alta inteligência musical quando:
 É sensível a sons em geral;
 Consegue discernir tons, timbres e ritmos;
 Aprecia música e gosta de compor, cantar ou tocar;

Inteligência Interpessoal é um tipo de inteligência ligada à capacidade natural de liderança.


Pessoas com este perfil de inteligência são extremamente activas e em geral causam uma grande
admiração nos outros. São os líderes práticos, aqueles que chamam a responsabilidade para si. Eles
são calmos, directos e têm uma enorme capacidade para convencer o outro a fazer tudo o que
acharem conveniente. São capazes também de identificar as qualidades das pessoas e extrair o
melhor delas, organizando equipes e coordenando trabalho em conjunto.
Um indivíduo possui alta inteligência interpessoal quando:
 Possui aptidão para liderança;
 É sensível ao humor e sentimentos de outros;
 Possui grande número de amigos;
 Tem facilidade para analisar questões através de diversos pontos de vista;
 Consegue entender pessoas com facilidade, incluindo suas tendências e características
sutis.

Inteligência Intrapessoal é um tipo raro de inteligência também relacionado à liderança. Quem


desenvolve a inteligência intrapessoal tem uma enorme facilidade para entender o que as pessoas
pensam, sentem e desejam. Ao contrário dos líderes interpessoais, que são activos, os líderes
intrapessoais são mais reservados, exercendo a liderança de um modo mais indirecto, através do
carisma, e influenciando as pessoas através de ideias e não de acções.
Conclusão
Referências Bibliográficas

BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma


introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978.
BENJAMIN JR., L. T Uma Breve
História da Psicologia Moderna, LTC,
2009
SCHULTZ, D. P.; SCHULTZ, S. E.
História da psicologia moderna. Cengage
Learning, São Paulo, 2009.
BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma
introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978
BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma
introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978
BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma
introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978
BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma
introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978
BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma
introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978
BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma
introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978
BOCK, Ana Maria. Psicologias: uma
introdução ao estudo da psicologia.
13ed.São Paulo: Saraiva, 1999.
BONOW, Iva. Elementos de Psicologia.
16ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978