Você está na página 1de 2

IFTM – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro

Curso de Engenharia de Computação


Física Geral e Experimental II

Estudo dirigido

Nome:__________________________________________________________________________________

Na física chamamos de solenoide todo fio condutor longo e enrolado de forma que se
pareça com um tubo formado por espiras circulares igualmente espaçadas. Este condutor
também pode ser chamado de bobina chata. Portanto, ao se deparar com ambos os
nomes, lembre-se que eles são sinônimos, pois nos dois casos temos um agrupamento de
espiras.
O enrolamento de um fio sobre um tubo de caneta, por exemplo, é um solenoide.
Configuramos um solenoide a partir da reunião das configurações das linhas de campo
magnético produzidas por cada uma das espiras. Para fazermos um solenoide basta
enrolarmos um fio longo sobre um tubo de caneta, por exemplo. A figura abaixo nos mostra
um solenoide percorrido por uma corrente elétrica i e de comprimento L.

No interior do solenoide consideramos o


campo magnético como sendo uniforme,
portanto, as linhas de indução são
paralelas entre si. Quanto mais
comprido for o solenoide, mais uniforme
será o campo magnético interno e mais
fraco o campo magnético externo.

O módulo, isto é, a intensidade do campo magnético no interior de um solenoide é obtido


através da seguinte equação:

Onde: μ é a permeabilidade magnética do meio no interior do solenoide e N/L representa o


número de espiras por unidade de comprimento do solenoide.

A direção do vetor indução magnética é retilínea e paralela ao eixo do solenoide.

O sentido é obtido através da regra da mão direita.

Como existe um campo magnético no interior do solenoide, podemos dizer que as


extremidades de um solenoide são seus polos.
IFTM – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro
Curso de Engenharia de Computação
Física Geral e Experimental II

Exercícios
1. Um solenóide de 1 metro de comprimento contém 500 espiras e é percorrido por uma
corrente de 2A. Determinar a intensidade do vetor campo magnético no interior do
solenóide. Adote m0 = 4p.10-7 T.m/A.

2. No interior de um solenóide de comprimento 0,16m, registra-se um campo magnético


de intensidade 5 p.10-4 T, quando ele é percorrido por uma corrente de 8A. Quantas
espiras tem esse solenóide?

3. Considere um solenóide de 0,16m de comprimento com 50 espiras. Sabendo que o


solenóide é percorrido por uma corrente de 20A, determine a intensidade do campo
magnético no seu interior.

4. Um solenóide ideal, de comprimento 50 cm e raio 1,5 cm, contém 2000 espiras e é


percorrido por uma corrente elétrica de 3,0 A. O campo de indução magnética B é
paralelo ao eixo do solenóide e sua intensidade é dada por B = µ0 . n . i, onde n é o
número de espiras por unidade de comprimento e i é a corrente elétrica. Qual é o valor
de B ao longo do eixo do solenóide?

5. Um solenóide de 1 metro de comprimento contém 1000 espiras e é percorrido por uma


corrente de i. Sabendo que o vetor campo magnético no seu interior vale 8π .10-4 T,
determine i. O solenóide está no vácuo.

6. Explique o princípio de funcionamento de uma campainha.

7. O que é um eletroímã? Como ele funciona?

8. Um aluno estava usando uma bússola para orientar-se no interior da sala de


laboratório. Num certo momento, a agulha mudou repentinamente de posição. Como se
explicaria esse movimento da agulha?

9. Os eletroímãs sãos utilizados em disjuntores, reles, chaves de controle, etc. Explique


qual o seu princípio de funcionamento nessas aplicações.

Você também pode gostar