Você está na página 1de 4

Exercícios tipo-exame

Biologia e Geologia 11º ano

A taxa de dependência energética da União Europeia (UE) em 2017 foi de 55%, o que significa
que mais de metade da energia necessária nos 28 estados-membros teve de ser coberta por
importações. Destas, quase dois terços foram de petróleo e derivados, seguindo-se o gás
natural e o carvão. A Rússia tem um papel central no abastecimento energético da UE:
representa 30% das importações de petróleo, 39% das de gás natural e 40% das de carvão.
Embora o seu peso seja variável de país para país, em 2017, o petróleo e os seus derivados
representaram 41% do consumo final na UE, seguindo-se o gás natural (22%). As famílias
europeias são responsáveis por 25% do consumo energético, a indústria consome uma fatia
de 31% e os transportes, 28%. Aos serviços cabe 13% e à agricultura, 2%.
A produção de eletricidade na UE traduz realidades muito distintas, que estão traduzidas no
esquema abaixo. No conjunto, 44% da eletricidade produzida na UE, em 2017, resultou da
queima de combustíveis fósseis, 31% teve origem em fontes renováveis e 25% provieram de
centrais nucleares. Nas renováveis, a eólica contribuiu com 11%, a hídrica com 10%, a
biomassa com 6% e a solar com 4%.
A União Europeia tem metas globais para a percentagem de renováveis que devem entrar no
consumo final de energia e todos os estados-membros devem contribuir para as alcançar. A
meta de Portugal para 2020 é de 31% e para 2030 de 47%.
Fonte: https://www.publico.pt/2019/10/15/infografia/energia-europa-379 (adaptado)

Figura 1

1
1. Considere as seguintes afirmações relativas à origem e produção de energia na União
Europeia.
I – Os combustíveis fósseis já representam uma pequena parte de energia que é consumida
na União Europeia.
II – A Rússia possui jazigos de combustíveis fósseis, mas que não constituem reservas.
III – A energia elétrica na União Europeia é produzida a partir de diferentes fontes de energia primária.

(A) III é verdadeira, I e III são falsas


(B) I é verdadeira, II e III são falsas.
(C) I e III são verdadeiras, II é falsa.
(D) I e II são verdadeiras, III é falsa.
(Selecione a opção correta.)

2. Refira quais os estados-membros da UE que produzem mais de metade da sua energia


elétrica a partir de fontes renováveis.

3. Explicite as vantagens e limitações associadas à produção de energia elétrica a partir de


fontes renováveis.

4. Refira quais os dois estados-membros da UE com maior dependência dos combustíveis


fósseis para a produção de energia elétrica, e distinga-os em relação ao combustível
maioritariamente utilizado.

5. Refira qual o estado-membro da UE que se destaca pela produção de energia elétrica a


partir de energia nuclear e explicite as vantagens e as desvantagens da opção por este tipo
de energia.

6. Explicite o(s) objetivos(s) das metas globais da UE para a percentagem de renováveis que
devem entrar no consumo final de energia dos estados-membros para 2020 e 2030.

7. Comente as condições de Portugal para a produção de energias renováveis e até que ponto
terá facilidade, ou não, em alcançar as metas definidas.

2
Proposta de resolução

1. Opção (A). Os combustíveis fósseis representam uma grande parte da energia consumida
na Europa, o texto refere que 2/3 das importações de energia foram de combustíveis fósseis
e que 44% da eletricidade produzida na UE, em 2017, resultou da queima de combustíveis
fósseis (I – F). Os jazigos de combustíveis fósseis da Rússia constituem reservas, se a Rússia
exporta combustíveis fósseis para a UE fá-lo a partir de jazigos conhecidos e com
rentabilidade económica (II – F). A energia elétrica da UE é produzida a partir de diferentes
fontes de energia primária, que estão ilustradas na Figura 1 (III – V).

2. É possível observar na Figura 1 que a Áustria, a Dinamarca, a Letónia e a Suécia produzem


mais de 50% da energia elétrica a partir de fontes renováveis.

3. A produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis, como o sol, o vento ou a água,
tem as vantagens de não emitir poluentes para a atmosfera, nem contribuir para o aumento
da concentração de CO2, e permite poupar os combustíveis fósseis para outras utilizações.
Como limitações, podem referir-se a disponibilidade variável, de região para região e ao longo
do ano; o custo e a complexidade das infraestruturas que permitem o aproveitamento dessas
fontes de energia, o facto de serem energias de baixo rendimento (são necessárias muitas
horas de sol para produzir uma quantidade de energia equivalente à que é fornecida por um
barril de petróleo) e de ainda não conseguirem ser armazenadas.

4. São o Chipre a e Polónia. O Chipre produz eletricidade principalmente à custa de petróleo


e derivados e a Polónia de combustíveis fósseis sólidos.

5. É a França. A energia nuclear tem as vantagens de ser uma energia de elevado rendimento,
que não emite para a atmosfera gases com efeito de estufa e as reservas de urânio são, ainda,
abundantes. As desvantagens da energia nuclear são a produção de resíduos sólidos
radioativos difíceis de armazenar e de tratar, o risco de acidentes com fuga de radiações e a
poluição térmica da água.

6. As metas globais da UE têm como objetivos a redução da dependência dos estados-


-membros dos combustíveis fósseis, com consequente redução das emissões de CO 2, e de
outros gases com efeito de estufa, e o abrandamento das alterações climáticas.
Adicionalmente, contribui para aumentar a suficiência energética dos estados-membros,
reduzindo as necessidades de importação de fontes de energia primária a partir de países que
não pertencem à UE.

7. Portugal continental tem muito boas condições para a produção de energias renováveis. A
sua localização geográfica faz com que tenha muitas horas de sol por ano para a produção de
energia solar e uma linha de costa extensa que pode ser aproveitada para a produção de
energia das ondas e das marés. O relevo e as características físicas do território fazem com
que seja possível a produção de energia eólica em serras e de energia hidroelétrica nos rios.

3
No arquipélago dos Açores, a atividade vulcânica possibilita a produção de energia
geotérmica. Com estas condições, e decisões políticas adequadas, Portugal terá facilidade em
alcançar, ou pelo menos ficar muito perto, das metas definidas pela UE.