Você está na página 1de 10

Colocação Pronominal

Trata-se da adequada posição dos pronomes oblíquos átonos (POA)


junto aos verbos:
próclise (POA antes do verbo),
mesóclise (POA no meio do verbo) e
ênclise (POA depois do verbo).

Pronomes oblíquos átonos (POAs):


• O, a, os, as (que viram -lo, -la, -los, -las diante de verbos terminados
em -r, -s e-z ou viram -no, -na, -nos, -nas diante de verbos terminados
em ditongo nasal (exceto os verbos no futuro do indicativo).
Ex.: Comprei uma casa. (Comprei-a.) /
Vou comprar uma casa (Vou comprá-la.) /
Eles compraram uma casa. (Eles compraram-na.) /
Eles comprarão a casa. (Eles comprarão-na. – INADEQUADO).

Próclise
É o nome que se dá à colocação pronominal antes do verbo. É usada
nestes casos:
1) Palavra de sentido negativo antes do verbo*
– Não se esqueça de mim.
* não, nunca, nada, ninguém, nem, jamais, tampouco, sequer etc.

Obs.: Após pausa (vírgula, ponto e vírgula... entre qualquer palavra


atrativa e o verbo), usa-se ênclise:
Ex.: Não; esqueça-se de mim!

2) Advérbio ou palavra denotativa antes do verbo*


– Agora se negam a depor.
* já, talvez, só, somente, apenas, ainda, sempre, talvez, também, até,
inclusive, mesmo, exclusive, aqui, hoje, provavelmente, por que, onde,
como, quando etc.
Obs.: Se houver pausa (vírgula, ponto e vírgula...) após o advérbio, usa-
se a ênclise:
“Agora, negam-se a depor”.

Segundo o gramático Rocha Lima, se houver repetição de pronomes


átonos após pausas, em estrutura de coordenação, pode-se usar a próclise
(ou a ênclise):
“Ele se ajeitou, se concentrou, se arrumou e se despediu.”

Quando o pronome tem funções sintáticas diferentes ou quando se quer


dar ênfase, a repetição é obrigatória:
“Eu o examinei e lhe receitei um remédio.”

3) Conjunções e locuções subordinativas antes do verbo*


– Soube que me negariam.
* que, se, como, quando, assim que, para que, à medida que, já que,
embora, consoante etc.

Cuidado!!!
1) Ainda que a conjunção esteja oculta, haverá próclise:
“Como não o achei, pedi-lhe (que) me procurasse.”

2) Informação que cabe para qualquer caso de próclise: ignora-se a


expressão intercalada, colocando o POA antes do verbo, pois seu
antecedente ainda é uma palavra atrativa:
“Mesmo quem, diante de situações precárias, se encontra calmo,
padece.”

Pergunta: Após vírgula, pode o pronome ficar antes ou depois do verbo


quando há distanciamento do termo atrativo ou do termo que permite o
facultar da posição do clítico?
Exemplos: “Os homens, a quem muito amei, me eram (eram-me) leais.”
ou “Nunca, mesmo depois da separação, me comuniquei (comuniquei-
me) com ela.”.
Ambas as posições (próclise ou ênclise) estão certas?
Resposta: Prezado, ambos corretos, pode empregar a próclise ou a
ênclise nos seus exemplos.
4) Pronomes relativos antes do verbo*
– Identificaram-se duas pessoas que se encontravam desaparecidas.
* que, o qual (e variações), cujo, quem, quanto (e variações), onde,
como, quando.

5) Pronomes indefinidos antes do verbo*


– Poucos te deram a oportunidade.
* alguns, todos, tudo, alguém, qualquer, outro, outrem etc.

6) Pronomes interrogativos antes do verbo*


– Quem te fez a encomenda?
* que, quem, qual, quanto.

7) Entre a preposição em e o verbo no gerúndio


– Em se plantando tudo dá.

Obs.: O POA virá antes do gerúndio também se estiver modificado por


um advérbio:
“João não era ligado a dinheiro, pouco se importando com o conforto
advindo dele.”

8) Com certas conjunções coordenativas aditivas e certas


alternativas antes do verbo*
– Ora me ajuda, ora não me ajuda.
– Não foi nem se lembrou de ir.
* nem, não só/apenas/somente... mas/como (também/ainda/senão)...,
tanto... quanto/como..., que, ou... ou, ora...ora, quer... quer..., já... já...

9) Orações exclamativas e optativas (exprimem desejo)


– Quanto se ofendem por nada, rapazes!
– Deus te proteja, meu filho, e que bons ventos o tragam logo.

10) Com o infinitivo flexionado precedido de preposição


– Foram ajudados por nos trazerem até aqui.

11) Com formas verbais proparoxítonas


– Nós lhes desobedecíamos sempre.
12) Com o numeral ambos
– Ambos te abraçaram com cuidado.

Ênclise

É o nome que se dá à colocação pronominal depois do verbo; ela é


basicamente usada quando não há fator de próclise; veja:

1) Verbo no início da oração sem palavra atrativa


– Vou-me embora daqui!
Obs.: Com palavra atrativa: “Já me vou embora daqui!”

2) Pausa antes do verbo sem palavra atrativa


– Se eu ganho na loteria, mudo-me hoje mesmo.
Obs.: Com palavra atrativa: “Se eu ganho na loteria, tão logo me mudo.”

3) Verbo no imperativo afirmativo sem palavra atrativa


– Quando eu der o sinal, silenciem-se todos.
Obs.: Com palavra atrativa: “Enquanto eu não avisar, jamais vos
silenciem.”

4) Verbo no infinitivo não flexionado sem palavra atrativa


– Machucar-te não era minha intenção.
Obs.: Os POAs “-lo, -la, -los, -las” virão sempre enclíticos aos
infinitivos não flexionados antecedidos da preposição a:
“Estou inclinado a perdoá-lo. /
Apesar de tudo, continuo disposto a ajudá-la.”

5) Verbo no gerúndio sem palavra atrativa


– Recusou a proposta, fazendo-se de desentendida.
Obs.: Com palavra atrativa: “Recusou a proposta, não se fazendo de
desentendida.”

Mesóclise
É o nome que se dá à colocação pronominal no meio do verbo
(extremamente formal); ela é usada nos seguintes casos:

1) Verbo no futuro do presente do indicativo sem palavra atrativa


– Realizar-se-á, na próxima semana, um grande evento em prol da paz
no mundo.

Obs.: O POA sempre ficará entre o r do verbo e a terminação do verbo:


“Daremos um beijo no teu rosto. = Dar-te-emos um beijo no rosto.”

Com palavra atrativa, a próclise é obrigatória: “Talvez se realizará, na


próxima semana, um grande evento.”

2) Verbo no futuro do pretérito do indicativo sem palavra atrativa


– Não fosse o meu compromisso, acompanhá-la-ia nesta viagem.

Obs.: Com palavra atrativa: “Mesmo não havendo compromisso, nunca


te acompanharia nesta viagem.”

Casos Facultativos

1) Pronomes demonstrativos antes do verbo sem palavra atrativa.*


– Aquilo me deixou triste / Aquilo deixou-me triste.
* este (e variações), isto; esse (e variações), isso; aquele (e variações),
aquilo.

2) Conjunções coordenativas (exceto aquelas mencionadas nos casos


de próclise) antes do verbo sem palavra atrativa.
– Ele chegou e dirigiu-se a mim. / Ele chegou e se dirigiu a mim.
– Corri atrás da bola, mas me escapou. / Corri atrás da bola, mas
escapou-me.

3) Sujeito explícito com núcleo pronominal (pronome pessoal reto e


de tratamento) antes do verbo sem palavra atrativa.
– Ele se retirou. / Ele retirou-se.
– Eu te considerarei. / Eu considerar-te-ei.
– Sua Excelência se queixou de você. / Sua Excelência queixou-se de
você.
Obs.: Com verbos monossilábicos, a eufonia ordena que se use a
próclise, segundo bem nos lembra Manoel Pinto Ribeiro: “Eu a vi ontem,
e não Eu vi-a ontem.”

4) Sujeito explícito com núcleo substantivo (ou numeral) antes do


verbo sem palavra atrativa.
– Camila te ama ou Camila ama-te. / Os três se amam ou Os três amam-
se.

5) Infinitivo não flexionado precedido de “palavras atrativas” ou das


preposições “para, em, por, sem, de, até, a”.
– Meu desejo era não o incomodar. / Meu desejo era não incomodá-lo.
– Calei-me para não contrariá-lo. / Calei-me para não o contrariar.
– Corri para o defender. / Corri para defendê-lo.
– Acabou de se quebrar o painel. / Acabou de quebrar-se o painel.
– Sem lhe dar de comer, ele passará mal. / Sem dar-lhe de comer, ele
passará mal.
– Até se formar, vai demorar muito. / Até formar-se, vai demorar muito.
– Erro agora em lhe permitir sair? / Erro agora em permitir-lhe sair?

Nas Locuções Verbais

1) Quando o verbo principal for constituído por um particípio, o


pronome oblíquo virá depois do verbo auxiliar.
– Haviam-me convidado para a festa.

Se, antes do “tempo composto” (locução verbal formada por


“ter/haver + particípio”), houver palavra atrativa, o pronome
oblíquo ficará antes do verbo auxiliar.
– Não me haviam convidado para a festa.

Obs.: Se houver fator de próclise e depois uma intercalação, o pronome


pode ficar antes ou depois do verbo auxiliar. Veja uma questão sobre
isso:
26. (FUNDEP – MP/MG – Oficial – 2012) “Alega a vítima que Fulano de tal, o agressor, seu ex-
amásio, a tem perseguido de forma constrangedora em via pública[...]” (linhas 16-17)
O trecho sublinhado pode ser corretamente substituído por:
a) tem perseguido-a;
b) lhe tem perseguido;
c) tem perseguido ela;
d) tem-na perseguido. (Gabarito!)

Se o verbo auxiliar estiver no futuro do presente ou no futuro do


pretérito, ocorrerá a mesóclise, desde que não haja antes dele
palavra atrativa.
– Haver-me-iam convidado para a festa?

2) Quando o verbo principal for constituído por um infinitivo ou um


gerúndio, se não houver palavra atrativa, o pronome oblíquo virá
depois do verbo auxiliar (com hífen), antes do principal (sem hífen)
ou depois do verbo principal (com hífen).

– Devo-lhe esclarecer o ocorrido. /


Devo lhe esclarecer o ocorrido. /
Devo esclarecer-lhe o ocorrido.

– Estavam-me chamando pelo rádio. /


Estavam me chamando pelo rádio. /
Estavam chamando-me pelo rádio.

Havendo palavra atrativa, o pronome poderá ser colocado antes do


verbo auxiliar ou depois do verbo principal.
– Não posso esclarecer-lhe o ocorrido. /
Não lhe posso esclarecer mais nada.

– Não estavam chamando-me. /


Não me estavam chamando.

Obs.: Os casos facultativos permitem diferentes colocações pronominais


com as locuções verbais:
“Ele te vai xingar muito.” ou “Ele vai(-)te xingar muito.” ou “Ele vai
xingar-te muito.”.