Você está na página 1de 4

Relatório de atividade laboratorial de Física e Química A

10.º Ano de escolaridade | Data: 19 / 05 / 2020


Nome: | N.º: | Turma: 10.ºA
Professora: Isabel Pereira

ATIVIDADE LABORATORIAL
AL 2.1 (FÍSICA) – CARACTERÍSTICAS DE UMA PILHA

● OBJETIVO GERAL
Determinar as características de uma pilha a partir da sua curva característica.

● INTRODUÇÃO TEÓRICA
Os geradores são dispositivos capazes de manter entre os seus terminais uma tensão ou diferença de potencial elétrico.

As características de um gerador de corrente são a sua força eletromotriz, , e a sua resistência interna, r.

A força eletromotriz, , de um gerador é a energia que o gerador transforma em energia cinética, por unidade de carga que
o atravessa.

A energia fornecida por um gerador ao circuito exterior, 𝐸𝑢, é inferior à energia que ele transforma em energia elétrica, 𝐸𝑔,
pois parte desta energia é dissipada, 𝐸𝑑, no próprio gerador, por efeito Joule, devido à sua resistência interna, r.
𝐸𝑔 = 𝐸𝑢 +𝐸𝑑
A diferença de potencial, U, entre os terminais de um gerador de força eletromotriz, , com a resistência elétrica, r, quando
atravessado pela corrente, I, é dada pela expressão:

𝑈 = 𝜀−𝑟𝐼
Como se pode verificar:

• Em circuito aberto, é I=0. Então, U = , isto é, a tensão nos terminais do gerador


é igual à sua força eletromotriz.

• Em circuito fechado, como I 0, tem-se U< , isto é, a tensão nos terminais


de um gerador é inferior à sua força eletromotriz. Sendo a força eletromotriz,
, e a resistência interna, r, características de um gerador, a expressão
anterior, U=f(I), é uma função linear, como se pode ver no gráfico. Esta
função linear designa-se por curva característica do gerador.
• O valor máximo da diferença de potencial nos extremos de um gerador corresponde à sai força eletromotriz,
.

● VÍDEO DA ATIVIDADE

Visualiza o vídeo da atividade na escola virtual, seguindo os passos indicados:


• Após fazeres login, seleciona o separador Física A 10.º ano;
• Seleciona o tema “Energia e fenómenos elétricos”; No separador Experiências, seleciona
“AL 2.1 Características de uma pilha”.

Página 1 de 4
● MATERIAL

Pilha 9V;Amperimetro;Voltimetro;Interruptor;Reostáto; fios de ligação e crocodilos

● PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
• Faça a montagem experimental de acordo com a figura.
• Meça a tensão nos terminais da pilha (força eletromotriz), antes de a
intercalar no circuito. Registe na tabela 2.
• Monte o circuito elétrico de acordo com o esquema da figura.
• Antes de ligar o amperímetro ao circuito, calcule, aproximadamente, o valor
da corrente elétrica que espera obter, de modo a escolher adequadamente
a escala, sem danificar o aparelho.
• Registe a incerteza dos aparelhos de medida utilizados (tabela 1).

• Ligue o circuito.

• Varie o valor da resistência elétrica, R com o cursor do reóstato e meça,


para cada caso, o valor da diferença de potencial elétrico nos terminais da
pilha e a corrente elétrica que percorre o circuito. Evitar que R seja nulo
(curto-circuito) o que produziria uma corrente muito elevada e eventual
destruição da pilha.
• Registe, na tabela 2 a), os valores da diferença de potencial e da corrente
elétrica medidos.
• Desligue o circuito, utilizando o interruptor.
• Retire a pilha do circuito e meça, novamente, a tensão nos terminais

(força eletromotriz). Registe na tabela 2.

● REGISTOS DAS OBSERVAÇÕES / MEDIÇÕES E TRATAMENTO DE DADOS


TABELA 1 – CARACTERÍSTICAS DOS INSTRUMENTOS DE MEDIDA
Instrumentos de medida Menor divisão da escala Incerteza absoluta de leitura
Voltímetro 0.01 V ± 0.01 V
Amperímetro 0.1 mA ± 0.1 mA

TABELA 2 – MEDIÇÕES E TRATAMENTO DE DADOS

Força eletromotriz da pilha antes dos ensaios:


= (6,85 ± 0.01 ) V
Força eletromotriz da pilha depois dos ensaios:
= (6,65 ± 0.01) V

a) Registe os valores da diferença de potencial e da intensidade de corrente elétrica. Determine o valor da


resistência exterior e da potência fornecida pela pilha (apresente um exemplo dos cálculos efetuados).
Diferença de
potencial nos Intensidade da Resistência exterior Potência fornecida
Intensidade da
terminais da pilha corrente elétrica pela pilha
corrente elétrica R/Ω Pu/W
U/V I/mA
I/A
5,18 22,9 0.0229 226 0.119
5,07 23,9 0.0239 212 0.121
4,94 25,4 0.0254 194 0.125
4,78 27,0 0.0270 177 0.129
4,67 28,2 0.0282 166 0.132
4,56 29,1 0.0291 157 0.133
4,35 31,6 0.0316 138 0.137

Página 2 de 4
4,16 33,6 0.0336 124 0.140
3,95 36,0 0.0360 110 0.142
3,66 39,5 0.0395 92.7 0.145
3,38 42,4 0.0424 79.7 0.143
2,80 49,8 0.0498 56.2 0.139
2,54 52,4 0.0524 48.5 0.133
2,13 57,7 0.0577 36.9 0.122
1,51 66,8 0.0668 22.6 0.101

EXEMPLO DE CÁLCULO:

𝑈 1.51
𝑅= <=> 𝑅 = = 22.6 Ω
𝐼 0.0668

𝑃 = 𝑈 × 𝐼 <=> 𝑃 = 1.51 × 0.0668 = 0.101 W

b) Utilize a calculadora gráfica para construir o gráfico da diferença de potencial elétrico nos terminais da
pilha em função da corrente elétrica [U = f (I)]. Faça um esboço do gráfico e determine a equação da reta
por regressão linear na máquina gráfica.

y = -85,0× I + 7.06 (V)

Página 3 de 4
c) Determine a força eletromotriz e a resistência interna da pilha a partir da equação da reta de regressão
linear.
Força eletromotriz : U = ὲ- rI , então obtemos : ὲ = 7.06 V e r = 85,0 Ω

d) Compare a força eletromotriz e a resistência interna da pilha nova com a força eletromotriz e a resistência
interna da pilha depois de usada.
Verifica-se que no inicio da atividade o valor da força eletromotriz da pilha é de 6.85 V e no final verifica-
se que desceu para 6.65 V este decréscimo deve-se ao facto de a pilha ,no seu interior, oferecer
resistência ao fluxo de eletrões, originando por isso alguma perda de energia por efeito Joule e também
ao facto de esta estar ligada a um circuito elétrico exterior gera uma corrente elétrica, em que ao fim de
algum tempo provoca uma diminuição na diferença de potencial da pilha, ou seja, quando mais tempo
esta pilha estiver ligada ao circuito exterior, maior será a resistência interna da pilha.

e) Indique possíveis causas de erros durante a realização do trabalho laboratorial.


Nesta atividade laboratorial, as possíveis causas de erro poderão estar associadas às características dos
amperímetros e voltímetros utilizados, nomeadamente o facto de se desprezar a resistência interna dos
aparelhos.
● QUESTÕES PÓS-LABORATORIAIS

1. Na atividade que realizou, porque utilizou um reóstato?

Nesta atividade utilizou-se um reóstato com o fim de fazer variar a resistência no circuito, controlando assim a
corrente elétrica máxima e simulando um circuito exterior alimentado pela pilha.
2. Ao deslocar o cursor do reóstato intercalado no circuito, que outras grandezas fez variar?

Ao deslocar o cursor do reóstato fez-se variar a diferença de potencial e a corrente elétrica.


3. Como determinou o valor da força eletromotriz da pilha? E o valor da sua resistência interna?

O valor da força eletromotriz da pilha foi determinado graficamente assim como a sua resistência. O módulo do
declive corresponde à resistência interna e a ordenada na origem corresponde ao valor da força eletromotriz.
4. Compare o valor da força eletromotriz obtido através da equação da reta que melhor se ajusta aos dados
experimentais com o valor da força eletromotriz da pilha, medido diretamente num voltímetro, no final da
experiência.

𝐼 6.65 – 7.06 𝐼
Sr = x 100 = 6.2 %
6.65

O valor da força eletromotriz obtido graficamente e o valor da força eletromotriz da pilha medido diretamente num
voltímetro são muito próximos.

5. Como varia a resistência interna de uma pilha com o seu uso?

A resistência interna aumenta com o seu uso.

Página 4 de 4

Você também pode gostar