Você está na página 1de 88

www.professordeodatoneto.com.

br

COMPREENSÃO TEXTUAL. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL.


Leia atentamente o texto para responder às questões de 1 a 3
Cacófatos
No início do século passado, antes da Primeira Grande Guerra, o estudo da língua portuguesa no Brasil era dominado
por um bando de corvos barulhentos de pouca ou nenhuma ciência, que passavam o tempo à procura de “defeitos” na
linguagem dos outros, e a acusá-los, com o dedo em riste, como se fossem criminosos hediondos. “Galicismos!”, bradava
um. “Errou a mesóclise”, gritava outro; e a vítima, o autor desses “erros”, tinha de vir a público fazer sua defesa, apoiar-se
nos clássicos, invocar a autores consagrados que lhe avaliassem a frase suspeita. Nem Machado escapou desses abutres.
Só Camões passou livre por essa gentalha: escreveu “Alma minha gentil que te partiste” bem na entrada de seu
maravilhoso soneto, e não veio nenhum desses pigmeus apontar-lhe o dedo a gritar “Fora! Falou maminha”!
Foi um tempo de trevas para os estudos do português. [...]
Pois uma das preocupações desses censores eram os cacófatos – palavras torpes, obscenas ou ridículas (esta é a
adjetivação da época) formadas por encontros casuais das sílabas finais de um vocábulo com as iniciais de outro. “Não
pense nunca nisso!” – pronto! Falou caniço. “Já que tinha resolvido...” – pronto! Falou jaquetinha. Sou obrigado a
reconhecer, nesses fanáticos, uma imaginação exacerbada e uma extrema sensibilidade para o mau vocábulo. [...] O
leitor normal (principalmente na leitura usual, silenciosa) sequer enxerga essas preciosidades, e precisamos apontá-las com
o dedo, sublinhá-las até, para que ele finalmente se dê conta de que elas podem estar ali.
Por causa do cacófato chegaram a propor o uso do apóstrofo (na escrita!) em expressões como “u’a mão”, para
evitar o som /umamão/, (na fala!) que poderia ser segmentado como “um mamão”. É de fazer chorar! [...]
Hoje só se admite certa preocupação com os cacófatos no caso da TV e do rádio, e, mesmo assim, dificilmente o
ouvinte vai fazer essas segmentações tendenciosas. [...] Fora disso, tenho visto é aquele uso maroto do cacófato, que o
autor faz questão de sinalizar para que todos percebam. Parece que encontraram o verdadeiro tratamento que o
cacófato merece, diferente daquela visão repressiva, obscurantista, do Brasil de antigamente: ele é um jogo criativo com
a linguagem, safado, moleque, presente nas brincadeiras verbais do colégio e nas piadas de humoristas.
MORENO, Cláudio. Disponível em: http://educaterra.terra.com.br/sualingua. (Com adaptações).
1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.1) Pela leitura global do texto, pode-se afirmar que:
a) a definição de cacófato aparece nas entrelinhas.
b) devemos nos preocupar com o cacófato na linguagem escrita em qualquer situação.
c) os cacófatos são pouco utilizados porque as pessoas cuidam da linguagem oral.
d) como o cacófato causa mau impacto sonoro, a preocupação por parte do interlocutor deve ser maior quanto à
linguagem oral.
e) antigamente, muitos críticos da língua portuguesa viam com bons olhos o emprego da cacofonia.
2. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.2) A respeito do texto, conclui-se que:
a) atualmente, o cacófato utilizado no humor já é admitido sem o rigor do passado.
b) Camões e Machado de Assis foram autores criticados pelo uso indevido do cacófato.
c) o “erro” de Camões, cometido no verso “Alma minha gentil que te partiste”, foi maior quanto à colocação do pronome
oblíquo.
d) o início do século XX foi um momento histórico importante porque muitos se preocuparam com a adequação e
correção da língua portuguesa.
e) o leitor, ao detectar o cacófato, sublinha-o para poder fazer uma releitura mais compreensível e evitá-lo oralmente.
3. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.3) Ainda sobre o texto, assinale a alternativa que contém a
afirmação correta.
a) O autor considera que os preocupados com a perfeição da linguagem têm razão.
b) Ao criticar o mau uso da mesóclise, o autor se referiu à colocação de pronome intercalado no verbo.
c) Se Camões tivesse escrito “Alma minha gentil que te partiste-te”, ele teria abolido o cacófato desse verso.
d) Antigamente, a adjetivação “torpe”, “obscenas” e “ridículas” era apropriada à cacofonia, ocorrendo ainda hoje
essa visão.
e) A perseguição ao cacófato, no passado, foi tão grande que os gramáticos criaram a regra do “apóstrofo” na escrita,
para que fosse possível pronunciar letras, de forma camuflada, que causariam som repetitivo na fala.
4. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.7) Os pronomes desempenham importante papel na coesão
textual. Esta faz com que se estabeleça uma série de relações entre as ideias já expressas e as que virão. Com base nessa
afirmação, leia este fragmento de texto:
O Brasil é possivelmente o último país do mundo – ou um dos últimos – a ainda abrigar em seu território grupos humanos
desconhecidos. Acredita-se que em 53 locais (sendo 38 deles na Amazônia) viveriam tribos sem contato com nossa cultura.
Porém esse quadro pode vir a sofrer alterações significativas nos próximos meses, como resultado de uma expedição
destinada a captar novos dados sobre povos isolados, embora sem fazer contato com eles.
Revista Terra.
Conclui-se que o(s) pronome(s):
a) possessivo, na expressão “nossa cultura” (2ª frase), faz referência à cultura dos índios.
b) “nossa” (2ª frase) e “esse” (3ª frase) retomam a presença de grupos humanos isolados e a Amazônia.
c) “seu” (1ª frase) estabelece uma coesão com o substantivo “mundo” (1ª frase).
d) pessoal “eles” (última frase) dá harmonia ao texto ao substituir a palavra “isolados” (última frase).
e) demonstrativo, em “esse quadro” (última frase), refere-se a grupos humanos desconhecidos que vivem sem contato
com o homem branco.
5. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.10) Leia estas frases, analisando a coerência textual.
I - Quando se trabalhou intelectualmente a vida inteira, a gente se adapta facilmente ao trabalho físico.
II - Nosso crítico elogiou o filme que estreou ontem e que foi considerado de curta duração pela crítica de outras revistas.
III - Os alunos protestaram em alto e bom som contra os resultados da prova até que o professor lhes solicitou que parassem
com os resmungos.
www.professordeodatoneto.com.br
Apresenta(m) incoerência:
a) I, II e III.
b) I e II, somente.
c) II e III, somente
d) I somente.
e) II somente.
Leia este poema para responder à questão 6.
A LÍNGUA MÃE
Não sinto o mesmo gosto nas palavras:
oiseau e pássaro.
Embora elas tenham o mesmo sentido.
Será pelo gosto que vem de mãe? de língua mãe?
Seria porque eu não tenho amor pela língua de Flaubert?
Mas eu tenho.
(Faço este registro porque tenho a estupefação
de não sentir com a mesma riqueza as palavras oiseau e pássaro.)
Penso que seja porque a palavra pássaro em mim repercute a infância
E oiseau não repercute.
Penso que a palavra pássaro carrega até hoje nela o menino que ia de tarde
pra debaixo das árvores a ouvir os pássaros.
Nas folhas daquelas árvores não tinha oiseaux
Só tinha pássaros.
É o que me ocorre sobre língua mãe.
Manoel de Barros. O fazedor de amanhecer.
Vocabulário: oiseau (pronuncia-se uasô) significa pássaro, em francês; o plural é oiseaux. Flaubert, citado no poema, é
um renomado escritor francês.
6. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.17) Sobre as ideias transmitidas no poema, infere-se que o poeta:
a) tem amor pelas línguas francesa e portuguesa.
b) no final, não encontra a explicação para o fato de não sentir o mesmo gosto pelas palavras em francês e em português.
c) considera que tanto a palavra pássaro como oiseau trazem lembranças de sua infância.
d) deduz que as palavras pássaro e oiseau, na verdade, têm o mesmo sentido para ele.
e) sente com a mesma riqueza as palavras em português e em francês.

Leia os textos a seguir para responder às questões de 7 e 8.

Texto I Texto II
Alfabeto Interjeição é uma espécie de grito com que
AH – Interjeição. Usada para indicar espanto, traduzimos de modo vivo nossas emoções.
admiração, medo. Curiosamente também são as inicias A mesma reação emotiva pode ser expressa por
de Alfred Hitchcock. [...] mais de uma interjeição. Inversamente, uma só
AI – Interjeição. Denota dor, apreensão ou êxtase, como interjeição pode corresponder a sentimentos variados
em “Ai que bom, ai que bom”.[...] e, até opostos. O valor de cada forma interjectiva
AI, AI – Expressão sarcástica, de troça. O mesmo que depende fundamentalmente do contexto e da
“Como nós estamos sensíveis hoje, hein, Juvenal?” entoação. [...]
AI, AI, AI – Expressão de mau pressentimento, de que em CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. L. Nova Gramática do Português
Contemporâneo .
boa coisa isto não pode dar, de “olhem lá o que vocês
vão fazer, gente”.
AI, AI, AI, AI, AI – O mesmo que “Ai, ai, ai”, mas com mais
dados sobre a gravidade da situação.
Geralmente precede uma reprimenda ou uma fuga.
[...]
VERÍSSIMO, Luís Fernando.

7. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.22) No texto I, o autor:


a) comenta sobre interjeição, embora não a defina.
b) faz uma relação convencional, exatamente como aparece no dicionário, justificando o emprego do título.
c) mostra que as repetições da interjeição pouco interferem na criação do humor.
d) faz uma apresentação das interjeições sem associar ao alfabeto tradicional.
e) define interjeição, valendo-se de enunciados ou expressões engraçadas que exemplificam cada caso.
8. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.23) Comparando os textos I e II, é INCORRETO afirmar que:
a) as três últimas definições apresentadas no texto I estão de acordo com as afirmações feitas no segundo parágrafo do
texto II.
b) o autor do texto I, ao repetir a interjeição, associa enunciados que conotariam diferentes sentimentos.
c) o autor do texto I comprova a afirmação de que “uma só interjeição pode corresponder a sentimentos variados e, até,
opostos”.
d) a quantidade de vezes que a interjeição é repetida pouco interfere na língua oral, e mantém sua significação.
e) Veríssimo confirma que “o valor de cada forma interjectiva depende do contexto e da entoação”.
www.professordeodatoneto.com.br
Leia o seguinte texto, para responder às questões 9 a 15.
INQUILINOS
Luís Fernando Veríssimo
Ninguém é responsável pelo funcionamento do mundo. Nenhum de nós precisa acordar cedo para acender as
caldeiras e checar se a Terra está girando em torno do seu próprio eixo na velocidade apropriada, e em torno do Sol de
modo a garantir a correta sucessão das estações. Como num prédio bem administrado, os serviços básicos do planeta
são providenciados sem que se enxergue o síndico – e sem taxa de administração. Imagine se coubesse à humanidade,
com sua conhecida tendência ao desleixo e à improvisação, manter a Terra na sua órbita e nos seus horários, ou se –
coroando o mais delirante dos sonhos liberais – sua gerência fosse entregue a uma empresa privada, com poderes para
remanejar os ventos e suprimir correntes marítimas, encurtar ou alongar dias e noites e até mudar de galáxia, conforme as
conveniências de mercado, e ainda por cima sujeita a decisões catastróficas, fraudes e falência.
É verdade que, mesmo sob o atual regime impessoal, o mundo apresenta falhas na distribuição dos seus benefícios,
favorecendo alguns andares do prédio metafórico e martirizando outros, tudo devido ao que só pode ser chamado de
incompetência administrativa. Mas a responsabilidade não é nossa. A infraestrutura já estava pronta quando nós
chegamos. Apesar de tentativas como a construção de grandes obras que afetam o clima e redistribuem as águas, há
pouco que podemos fazer para alterar as regras do seu funcionamento.
Podemos, isto sim, é colaborar na manutenção da Terra. Todos os argumentos conservacionistas e ambientalistas
teriam mais força se conseguissem nos convencer de que somos inquilinos no mundo. E que temos as mesmas obrigações
de qualquer inquilino, inclusive a de prestar contas por cada arranhão no fim do contrato. A escatologia cristã deveria
substituir o Salvador que virá pela segunda vez para nos julgar por um Proprietário que chegará para retomar seu imóvel.
E o Juízo Final, por um cuidadoso inventário em que todos os estragos que fizemos no mundo seriam contabilizados e
cobrados.
– Cadê a floresta que estava aqui? – perguntaria o Proprietário. – Valia uma fortuna.
E:
– Este rio não está como eu deixei...
E, depois de uma contagem minuciosa.
– Estão faltando cento e dezessete espécies.
A Humanidade poderia tentar negociar. Apontar as benfeitorias – monumentos, parques, áreas férteis onde outrora
existiam desertos – para compensar a devastação. O Proprietário não se impressionaria.
– Para que eu quero o Taj Mahal? Sete Quedas era muito mais bonita.
E a catedral de Chartres? Fomos nós que construímos. Aumentou o valor do terreno em...
– Fiquei com todas as suas catedrais, represas, cidades e shoppings. Quero o mundo como eu o entreguei.
Não precisamos de uma mentalidade ecológica. Precisamos de uma mentalidade de locadores. E do terror da
indenização.
http://antesqueanaturezamorra.blogspot.com.br/2010/06/inquilinos-luis-fernando-verissimo.html. Acesso em: 10/11/2013.
9. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.1) Leia o seguinte enunciado,
correspondente ao período inicial da introdução do texto.
“Ninguém é responsável pelo funcionamento do mundo. Nenhum de nós precisa acordar cedo para acender as
caldeiras e checar se a Terra está girando em torno do seu próprio eixo na velocidade apropriada, e em torno do Sol de
modo a garantir a correta sucessão das estações (§1 – segmento 1).
Assinale a alternativa que apreseta a classificação correta desse enunciado:
a) Interrogação – questionamento.
b) Declaração inicial – uma afirmação.
c) Suspense – omissão de informações.
d) Definição – identificação de um termo.
e) Alusão histórica – referência a um fato histórico.

10. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.2) Analise o seguinte


enunciado, apresentado na sequência da introdução.
“Como num prédio bem administrado, os serviços básicos do planeta são providenciados sem que se enxergue o
síndico – e sem taxa de administração.” (§ 1 – segmento 3).
Considerando a estrutura e as palavras utilizadas, é correto afirmar que tal enunciado introduz uma:
a) proposição – declaração de intenções a serem expostas no texto.
b) provocação – proposta de um problema a ser solucionado no texto.
c) comparação – apresentação de relações de semelhança entre duas situações ao longo do texto.
d) divisão – organização do texto em partes ou porções a serem analisadas.
e) citação – transcrição de um pensamento alheio a ser analisado no texto.
11. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.3) A seguir, verifique a parte
final da introdução:
“Imagine se coubesse à humanidade, com sua conhecida tendência ao desleixo e à improvisação, manter a Terra
na sua órbita e nos seus horários, ou se – coroando o mais delirantes dos sonhos liberais – sua gerência fosse entregue a
uma empresa privada, com poderes para remanejar os ventos e suprimir correntes marítimas, encurtar ou alongar dias e
noites e até mudar de galáxia, conforme as conveniências de mercado, e ainda por cima sujeita a decisões catastróficas,
fraudes e falência.”. (§ 1 – segmento 3).
Nesse enunciado, levando em, conta os tempos e modos verbais utilizados, é correto afirmar que o autor apresenta uma:
a) hipótese – possibilidade de tratar os serviços básicos do planeta tal como os de um prédio bem administrado.
b) instituição – apresentação, caracterizada especialmente pela presença do modo imperativo, de administrar os serviços
básicos do planeta.
c) descrição – reprodução detalhada de características do Sol.
d) narração – exposição de uma série de acontecimentos sobre a órbita da Terra.
e) dissertação – exposição de descobertas relevantes sobre a Terra e o Sol.
www.professordeodatoneto.com.br
12. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.4) Considerando o título e a
introdução (§ 1), é correto afirmar que o texto de Veríssimo possibilita:
a) provocar o questionamento daquilo em que as pessoas acreditam.
b) analisar o comportamento do seu humano contemporâneo por meio de sua visão irônica.
c) estimular a reivindicação de direitos por meio de manifestações coletivas.
d) questionar a hierarquia de poder na sociedade, que prejudica a preservação do meio ambiente.
e) refletir sobre o funcionamento do mundo, comparando os seres humanos a inquilinos do planeta Terra, tal como ocorre
num prédio residencial.
13. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.5) No parágrafo 3 do texto,
Veríssimo:
I – Representa os seres humanos como inquilinos do planeta.
II – Afirma que, como inquilinos, deveriam prestar contas a respeito das destruições ocorridas por qualquer motivo.
III – Supõe que, com a morte, o Salvador viria para retomar seu “imóvel” e faria um inventário de tudo que foi estragado
pelo homem.
Pode-se afirmar que está(ão) correto(s) o(s) item(ns)
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.

14. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.6) No diálogo (parágrafos 4


a 12) com os “inquilinos”, o Salvador (“Proprietário”):
a) Consentiria em receber o mundo tal como ele se configura atualmente.
b) cobraria a devolução dos bens instaurados inicialmente, após a contagem de todos os estragos ocorridos.
c) negociaria com a Humanidade várias possibilidades de troca.
d) aceitaria trocar o Taj Mahal e a Catedral de Chartres pelos bens avariados.
e) levaria em conta todas as benfeitorias feitas no mundo pelos “inquilinos”.
15. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.7) Assinale a alternativa que
apresenta a proposta com a qual Veríssimo conclui o texto(§ 13).
a) Reflexão sobre a possibilidade de mudar o modo de o homem viver no planeta.
b) Diálogo sobre a concepção de mentalidade ecológica da população.
c) Discussão sobre a necessidade de preservar o meio ambiente.
d) Questionamento sobre as ações do homem para transformar a natureza.
e) Indicação das benfeitorias – monumentos, parques, áreas férteis onde outrora existiam desertos – para compensar a
devastação.
Leia, a seguir, o Texto 1 e o Texto 2, para resolver a questão 16.
Texto 1
“É incrível ver como uma espécie tão reservada pode desempenhar um papel tão importante dentro da comunidade
ecológica”, disse o coordenador do projeto “Tatu Canastra”, Arnaud Desbiez, do Royal Zoological Society da Escócia. Ele
espera que a revelação sobre o papel fundamental desses animais nos ecossistemas resulte em uma maior proteção da
espécie.” (§ 8). (Com adaptações).
http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/tatu-canastra-o-engenheiro-do-ecossistema.html. Acesso em 3/11/2013.
Texto 2
Uma fato muito interessante apontado pelo pesquisador (Arnaud Desbiez) é que nestes três anos de projeto foi
descoberto que o tatu-canastra é um engenheiro do ecossistema, isto é, ele é um organismo que cria ou modifica seus
habitats.
“Nossos estudos mostram que as tocas do tatu-canastra são abrigos importantes e refúgios termais para uma grande
variedade de espécies (mais de 25), desde pequenas lagartixas a grandes catetos”, disse o pesquisador.
[...]
“O projeto é realizado com parceria da organização não governamental (ONG) escocesa Royal Zoological Society
of Scotland, a ONG brasileira Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) e outras instituições em vários países.”. (Com
adaptações).
Disponível em http://anda.jusbrasil.com.br/noticias/100567995/projeto-que-estuda-e-preserva-o-tatu-canastra-completa-3-anos-no-mato-grosso-do-sul. Acesso em 4/11/2013.
16. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.16) Assinale a alternativa em
que, nos parênteses, está indicado corretamente o texto em que a informação é apresentada.
a) O tatu-canastra é descrito como uma espécie rara de ser vista e que contribui indiretamente para a preservação de
outros animais. (Texto 2).
b) Duas ONGs foram parceiras no Projeto Tatu-Canastra: uma brasileira e uma escocesa, além de ouras instituições em
vários países. (Texto 1).
c) O coordenador do projeto, Arnaud Desbiez, espera que a revelação sobre o papel fundamental dos tatus-canastras
nos ecossistemas implique a preservação da espécie. (Texto 2)
d) As tocas do tatu-canastra são abrigos importantes e refúgios termais para uma grande variedade de espécies (mais de
25), desde pequenas lagartixas a grandes catetos. (Texto 2).
e) O tatu-canastra é “um engenheiro do ecossistema, isto é, ele é um organismo que cria ou modifica seus habitats.” (Texto 1).

Leia o texto atentamente para responder às questões de 17 e 18.


DEFESA SANITÁRIA ANIMAL E VEGETAL
A história da agricultura e da pecuária no mundo é uma história de luta. Desde quando aprendeu a cultivar alimentos
e a domesticar animais, há mais de 10 mil anos, o homem vem desenvolvendo técnicas cada vez mais evoluídas para
fazer frente a pragas e doenças em suas lavouras e rebanhos – ameaças à produtividade e à saúde humana que,
www.professordeodatoneto.com.br
infelizmente, também evoluem. A sobrevivência da nossa espécie até hoje, portanto, é a prova de que, nessa luta
permanente, ainda somos os vencedores.
A Defesa Sanitária Animal e Vegetal é um dos campos científicos que mais têm contribuído para isso. Para cada
epidemia de febre aftosa em rebanhos, para cada surto de ferrugem em culturas agrícolas, para cada suspeita de que
os insumos utilizados em lavouras e criações trazem efeitos nocivos ao ser humano, a ciência entra em campo com novos
estudos, novas vacinas, novas variedades de plantas, novas recomendações de prevenção e contenção de doenças.
No Brasil, um dos maiores exportadores de alimentos do planeta, a Defesa Sanitária Animal e Vegetal tem uma história
para se orgulhar.
Foi assim no final dos anos 1930 e durante os anos 1940, quando os laranjaIs paulistas foram acometidos pelo vírus da
Tristeza dos Citros, que atacava as laranjeiras através dos porta-enxertos. Até que se descobrisse essa natureza virótica e
se substituísse a laranja-azeda pelo limão-cravo como porta-enxerto, quase 90% das lavouras de São Paulo foram
destruídas, em mais de uma década de pesquisas que, ao final, resultaram vitoriosas. Hoje, o Brasil é o principal exportador
mundial de suco de laranja.
Foi assim, também, em 2005, quando um foco de febre aftosa foi identificado no Mato Grosso do Sul, principal produtor
de bois do País. Mais de 50 países pararam de importar a carne brasileira, até que a vacinação e medidas sanitárias mais
rigorosas tranquilizassem o mundo novamente. Hoje, 30% da carne bovina exportada no mundo é brasileira.
Se aumentar a produtividade agropecuária é um dos objetivos a que se propõe a Defesa Sanitária Animal e Vegetal,
outro de igual importância é o cuidado com saúde humana. No mundo inteiro, cada vez mais a ciência vem se
debruçando sobre possíveis efeitos nocivos dos insumos agropecuários – como defensivos agrícolas, hormônios e
antibióticos veterinários – na saúde do homem, sem falar nos impactos ambientais deles.
“Um dos desafios dessa ciência consiste na legitimação dos produtos utilizados”, diz Roberto Rodrigues, ex-ministro da
Agricultura. “É preciso a articulação de órgãos como a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o IBAMA
(Instituo Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), em parceria com o Ministério, para haver o
equilíbrio entre a produtividade e a saúde humana.”
E esse é um desafio que vai além das fronteiras de um país. A própria OMC (Organização Mundial do Comércio) tem
marcos regulatórios para a questão. O Acordo sobre a Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da OMC
estabelece normas específicas relacionadas à segurança alimentar e à sanidade animal e vegetal, mas, para além dessas
regras básicas, os países são livres para estabelecer níveis de proteção ainda mais rigorosos.
O nível da pesquisa, no Brasil, está em alta com o mundo contemporâneo, o suficiente para contribuir para o
crescimento espantosos do agronegócio brasileiro. O maior desafio é que a pesquisa chegue ao produtor, bem como se
apliquem os programas de defesa sanitária. Mas, se a lentidão e a burocracia persistirem quanto à validação de novos
produtos contra pragas, segundo a CNA (Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas, da Confederação da
Agricultura e Pecuária do Brasil), a produção agrícola – safra 2013/2014 – poderá ser afetada.
O papel da ciência é criar mecanismos de prevenção a doenças e pragas, desenvolver tecnologias, variedades
resistentes, produtos veterinários e agrícolas que não deixem resíduos nocivos. Cabe aos governos, porém, sistematizar a
informação produzida e regular sua aplicação nas lavouras e pastagens, para que o Brasil continue à frente de uma luta
da qual depende a sobrevivência de um estado, de um país e de toda a humanidade.
Disponível em: www.fundacaobunge.org.br (texto com adaptações).
17. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.1) De acordo
com o texto:
a) as técnicas da Defesa Sanitária Animal e Vegetal são consideradas as mais eficazes e insubstituíveis para acabar com
as pragas e doenças.
b) o ser humano, até então, demonstrou competência ao enfrentar as adversidades e conseguiu extinguir as pragas das
lavouras e rebanhos.
c) os homens e as pragas evoluem na mesma proporção.
d) a ciência tem conseguido equilibrar o avanço de pragas e doenças no meio rural.
e) hoje, o Brasil é um grande exportador graças aos países ricos, que elaboram regras rigorosas.

18. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola )-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.2) Ainda sobre
o texto, infere-se que:
a) em São Paulo, o limão-cravo usado como porta-enxerto foi um vilão nas décadas de 30 e 40.
b) os estrangeiros confiam nas medias sanitárias brasileiras, tanto que importam a maior parte de carne bovina do Brasil.
c) como produtividade e saúde caminham juntas, os insumos agropecuários estão sendo fabricados sem substâncias
nocivas ao homem e ao meio ambiente.
d) os órgãos competentes atuam em parceria e em harmonia, trazendo equilíbrio entre produtividade e saúde humana.
e) a ciência cria, a OMC fiscaliza, mas a lentidão dos governos atrasa a aplicação de novas pesquisas na agropecuária.
19. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.17) Sabendo
que a coesão se preocupa mais com arte visível do texto e a coerência vai mais longe, preocupando-se com o que se
deduz da leitura, leia este texto:
“Os problemas de um povo têm de ser resolvidos pelo presidente. Este deve ter ideais muito elevados. Esses ideais se
concretizarão durante a vigência de seu mandato. O seu mandato deve ser respeitado por todos.”
Pode-se afirmar que:
a) falta coesão a esse parágrafo.
b) embora tenha coesão, não tem coerência.
c) estão presentes coesão e coerência.
d) a coesão pode funcionar sem a preocupação de se ater ao que se vai escrever, mas ao que foi escrito.
e) ao retomar, a cada frase, palavra(s) da frase anterior, ocorre total estabilidade ao parágrafo.
Leia este poema para responder às questões de 20 a 21.
Poética
De manhã escuro Outros que contem
De dia tardo Passo por passo:
De tarde anoiteço Eu morro ontem
www.professordeodatoneto.com.br
De noite ardo.
Nasço amanhã
A oeste a morte Ando onde há espaço
Contra quem vivo – Meu tempo é quando.
Do sul cativo
O este é meu norte. Vinícius de Moraes
20. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.23) O eixo do
poema é (são):
a) as locuções adverbiais.
b) os verbos.
c) os substantivos vida e morte.
d) o pontos cardeais.
e) o tempo passado.
21. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.24) Sobre o
poema, assinale a alternativa INCORRETA.
a) A passagem natural do tempo aparece como uma sucessão de contrastes e atitudes que privilegiam a circunstância.
b) “Arder” indica claridade, opondo-se a “noite”. “De noite ardo” pode sugerir “arder de paixão”.
c) O papel dos pontos cardeais é marcar, de forma conotativa, a presença da vida e da morte.
d) O fato de “morrer ontem” e “nascer amanhã” subverte a ordem natural das coisa.
e) O último verso privilegia a disponibilidade do instante futuro, para que seja inteiramente vivido.

Leia o seguinte texto, para responder às questões 22 a 26.


O calor e o frio dos outros
Marta Medeiiros
Mantenho correspondência por e-mail com algumas pessoas que moram fora de Porto Alegre e fora do Brasil. Não há
um único e-mail, de ida ou de volta, em que não se fale rapidamente do tempo. “Aqui está um calor dos infernos.” “Pois
choveu o dia inteiro e refrescou.”
Uma conversa mundana que eu achava típica de pessoas mundanas como eu, mas quando li o livro que traz as
cartas que Clarice Lispector trocava com alguns de seus amigos, reparei que 90% delas também continham observações
meteorológicas. Por mais filosófico ou intelectual que fosse o teor da carta, sempre havia um momento para falar do sol
ou do nublado lá fora.
Fico pensando o que significa isso. Que me importa sem em Paris está chovendo ou se no Rio faz 42 graus à sombra,
já que não estou de passagem marcada para lá? O que importa para meus amigos forasteiros se em Porto Alegre choveu
muito em 2001? Todos os dias chove ou faz sol, está frio ou quente, úmido ou seco, e a cada manhã nos parece um
fenômeno sobrenatural e espantoso.
Creio que compartilhar as condições climáticas do ligar em que se está é um recurso de aproximação. É uma maneira
de nos situar geograficamente, de preparar um cenário “visível” para quem não está nos enxergando. Lá no hemisfério
norte a pessoa está encarangada, congelada, e no entanto pode nos imaginar bronzeadas e suando, vestindo uma leve
blusinha de alças. E talvez seja também uma maneira de justificar nosso humor: temos nossas próprias variações de
temperatura, somos pessoas nubladas ou ensolaradas, gélidas ou quentes. A meteorologia nos influencia tanto quanto a
posição dos astros, e se não estamos muito pra conversa, vai ver é porque tem uma ventania lá fora que está perturbando
por dentro também.
Não sei se você está lendo este texto na beira da praia ou embrulhado num cobertor. Não sei onde você está. Não
sei se há um temporal se armando ou se está um daqueles dias cinzentos que provocam melancolia na gente. Se eu
soubesse, talvez soubesse um pouco de você. É um mistério que a natureza não explica: nossa necessidade de localizar
o outro climaticamente.
Relutamos em perguntar: você está deprimido hoje? chorando muito? com vontade de cometer uma loucura? com
saudades de alguém? Em vez disso, é tão mais fácil: como é que está o tempo aí?
Aqui, agora, chove, mas acho que vai abrir.
http://www1.folha.uol.com.br/livrariadafolha/10128891-martha-medeiros-ivestigativo-de-falarmos-tanto-do-clima-leia-cronica.shtml. Acesso em: 14.10.2013.
22. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.1) Julgue os itens
seguintes, referentes à estrutura do texto.
I – O título não sinaliza adequadamente o conteúdo do texto.
II – Nos dois primeiros parágrafos, a autora apresenta situações, cotidianas ou não, em que as pessoas falam com muita
frequência sobre o tempo.
III – No terceiro parágrafo, ela se questiona sobre o significado de tais falas.
IV – No quarto parágrafo, responde a esse questionamento, explicando por que as falas sobre variação climática ocorrem
com tanta frequência.
V – Nos três últimos parágrafos, argumenta no sentido de comprovar suas explicações.
Estão corretos apenas os itens.
a) I e V.
b) II e III.
c) II, III e IV.
d) II, III, IV e V.
e) I, II, III e IV.

23. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.2) Em “Fico pensando o


que significa isso.” (§ 3), o pronome demonstrativo “isso” tem a função textual de:
I – retomar as ideias expressas nos dois primeiros parágrafos estabelecendo com eles uma relação coesiva de referência.
II – enfatizar a enumeração de fatos, apresentada no parágrafo 1.
www.professordeodatoneto.com.br
III – reforçar as informações explícitas no parágrafo.
É correto o que se afirma:
a) apenas em I.
b) apenas em II.
c) apenas em III.
d) apenas em I e II.
e) em I, II e III.
24. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.5) Observando os
substantivos, os adjetivos e os verbos presentes no texto é correto afirmar que eles têm em comum o fato de se referirem:
a) à correspondência por e-mail entre a autora e sues amigos estrangeiros.
b) às cartas trocadas entre intelectuais e Clarice Lispector.
c) às falas das pessoas em geral sobre as variações climáticas.
d) às falas sobre o clima como forma de interação com o outro.
e) ao clima como um fenômeno sobrenatural e espantoso.
25. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.6) No texto “O calor e o
frio dos outros”, do livro “Montanha-Russa” (2009), Martha Medeiros:
a) busca investigar por que conversarmos tanto sobre o clima.
b) afirma que apenas em encontros casuais conversamos sobre o clima.
c) observa que os intelectuais não dialogam sobre variações climáticas.
d) tenta compartilhar suas preocupações com as mudanças climáticas.
e) descreve sensações de calor e de frio que experimentamos no dia a dia.
26. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.7) Analise as seguintes
afirmações sobre o texto.
A autora defende que as falas sobre a variação climática ocorrem com muita frequência porque:
I – constituem um fator de aproximação com o outro.
II – servem como referência para localização geográfica.
III – aludem aos nossos sentimentos sem necessariamente falar deles.
IV – refletem o interesse das pessoas sobre as previsões do tempo.
V – justificam as variações de temperatura do ambiente.
Estão corretas apenas:
a) I e II.
b) I e III.
c) I, II e III.
d) IV e V.
e) III, IV e V.

Leia o texto atentamente para responder às questões de 27 e 28.


Agricultura familiar e o mundo que vem por aí
Um dos desdobramentos mais encorajadores da crise alimentar e financeira é ter impulsionado a comunidade
internacional para uma mudança de paradigma sobre a agricultura e a segurança familiar.
Sob a pressão da inflação alimentar e da perda de emprego e renda, mais de 200 milhões de pessoas desprotegidas
ingressaram no exército da pobreza mundial, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e
Alimentação (FAO). Ao mesmo tempo, o aumento dos preços não beneficiou os agricultores familiares, que produzem a
grande maioria dos alimentos consumidos e exportados no mundo todo.
A novidade é que a crise está gerando uma inflexão e lapidando uma nova agenda internacional. Os países
desenvolvidos estão ameaçados pela combinação de desemprego, migrações e fundamentalismos. Por isso, estão
compreendendo que é preciso recolocar o Estado no centro da vida econômica e social e, mais do que isso, que sua
própria segurança está relacionada ao direito dos países em desenvolvimento de terem estratégias nacionais de
desenvolvimento. Estratégias de desenvolvimento sustentável que erradiquem pela raiz o flagelo da fome e da pobreza
e gerem emprego e renda no meio rural.
Até a antiga retórica da ajuda alimentar – na maioria das vezes, uma forma de escoamento dos excedentes de
produção do complexo agroalimentar – foi substituída pela ajuda internacional na estruturação da produção local da
agricultura familiar como forma de prover alimentos.
As declarações do G8 e do G5 materializam essa mudança histórica: direitos e estratégias nacionais agrícolas e de
segurança alimentar; políticas públicas para a agricultura familiar; suporte às mulheres agricultoras; e disciplina
internacional dos investimentos estrangeiros para compra de terras. Esses são os elementos que dão a tônica dessa
inflexão.
Essas novas diretrizes refletem, em grande parte, estes objetivos: políticas públicas para a agricultura familiar e um
conjunto de ações específicas para o aumento da produção de alimentos e a estabilização dos preços. Em 2008, houve
uma reação à crise dos preços dos alimentos” com a implementação do programa Mais Alimentos, que, no primeiro ano,
propiciou aumento de 7,8 milhões de toneladas na produção de leite, mandioca, milho, feijão, café, arroz e trigo.
Em meio à crise econômica mundial, a agricultura familiar produziu mais alimentos e, com isso, contribuiu para o
controle da inflação e a garantia de empregos e renda no campo e nas cidades. Além disso, foi criado o Fundo da
Agricultura Familiar do MERCOSUL, que apoiará os países da região na implementação de políticas nacionais e regionais
de fortalecimento da agricultura familiar e de aumento da produção de alimentos. Tudo com a participação direta da
sociedade civil e das organizações sociais e sindicais.
Há um reconhecimento internacional não só de que este é o rumo certo. Hoje, o Brasil é referência em
desenvolvimento rural nas discussões a respeito do novo mundo que vem aí.
Essa nova agenda está alicerçada em três elementos centrais: novo olhar sobre o papel do Estado como articulador
do desenvolvimento por meio de políticas públicas nacionais; maior equilíbrio de poder entre os países desenvolvidos e os
www.professordeodatoneto.com.br
países emergentes; e espaço central da agricultura de base familiar como produtora de alimentos e de estabilidade
econômica e social.
Essa é a agenda nova, a agenda de futuro. Essa é a agenda que, com seu início em 2003, agora mostra os seus
resultados: mais produção de alimentos, mais empregos, mais estabilidade econômica e maior capacidade do Brasil de
participar de forma decisiva na nova governança global.
CASSEL, Guilherme. MULLER, Laudemir. Disponível em: debates@uol.com.br. (texto adaptado).
27. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.1) A respeito do assunto
tratado no texto, pode-se afirmar que:
a) os estrangeiros ainda não se deram conta de que a crise alimentar precisa de novas atividades para amenizar os
problemas da humanidade.
b) o empobrecimento de uma grande parte das pessoas é consequência de um regime com ideais tradicionais voltados
para a ditadura.
c) países desenvolvidos estão adotando uma nova política de ajuda aos países emergentes no que tange à estruturação
da produção alimentar agrícola.
d) agricultores têm prejuízos quanto à exportação porque os países internacionais fecharam as portas ao Brasil.
e) os países ricos têm distribuído sobras de sua produção alimentar para auxiliar a agricultura familiar.

28. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.2) Pela leitura global do texto,
é INCORRETO concluir que:
a) o Brasil adota várias formas para conter a alta dos preços, dentre elas, a produção de alimentos.
b) países ricos investem em agricultura e segurança alimentar.
c) países latinos, organizações e sociedade atuam em políticas para solidificar as atividades agrícolas.
d) o programa citado conseguiu extirpar a crise dos preços e a inflação.
e) as políticas públicas nacionais visam ao equilíbrio de poder entre as nações desenvolvidas e emergentes.
Leia este texto para responder às questões 29 e 30.
Crucial: a palavra veio do latim crux, “cruz”. Mas não a cruz de Jesus no Calvário, e sim a cruz de “cruzamento” ou
“encruzilhada”. Quando duas estradas se cruzavam e um viajante não sabia qual era o melhor caminho a seguir nem
havia alguém por perto para informar, ele tinha de tomar a “decisão crucial”.
GEHRINGER, Max.
29. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.12) Assinale a alternativa que
contém a afirmação INCORRETA sobre a palavra crucial.
a) Tem origem na palavra latina crux.
b) Pela definição apresentada, relaciona-se à palavra cruz.
c) Veio do latim crux e está relacionada aos substantivos derivados cruzamento e crucifixo.
d) Tem relação com parte deste fato: entre duas estradas, o viajante via-se num dilema.
e) É uma palavra que apresenta afinidade com encruzilhada, mas não são sinônimas nem antônimas.
30. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.13) Sobre a coesão
empregada no texto, as conjunções “Mas”, “Quando” e “nem” estabelecem, respectivamente, relações de:
a) oposição / consequência / soma.
b) contradição / tempo / explicação.
c) conclusão / finalidade / alternância.
d) advertência / tempo / adição.
e) causa / tempo / conclusão.
Leia o texto a seguir para responder às questões de 31 a 33.
A redescoberta do Aquífero Guarani
O megarreservatório hídrico subterrâneo da América do Sul não é o “mar de água doce” que se pensava existir.
Novos estudos sobre sua diversidade geológica revelam que, em espaços de algumas centenas de quilômetros, sua
potencialidade pode variar drasticamente. Enquanto algumas áreas são excelentes, em outras a água é inacessível,
escassa ou não potável.
José Luiz Flores Machado
Maio de 1996. Em um workshop em Curitiba, o geólogo uruguaio Danilo Anton propôs o nome Guarani a uma
camada aquífera que, imaginava-se, seria transfronteiriça entre os quatro países que então formavam o bloco econômico
do Mercosul. Esse aquífero chegou a ser considerado e divulgado na imprensa como o maior do mundo e seria constituído
de um megarreservatório de água subterrânea doce e potável. Suas reservas estratégicas poderiam abastecer a
população brasileira por cerca de 2.500 anos. De fato, diante desse cenário seria possível excluir de nossas preocupações
uma futura crise da água, pois a Natureza nos teria presenteado com uma fonte de água subterrânea de boa qualidade
e quase inesgotável.
Mas esses dados, em grande proporção fantasiosos, têm sido revistos por pesquisas com rigor científico que, em vez
de diminuir sua importância para o futuro do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, procuram avaliar de forma mais realista
sua ocorrência. A divulgação da existência de um grande aquífero, entretanto, foi extremamente importante, pois, além
de colocar em discussão o papel das águas subterrâneas no abastecimento futuro desses países, atraiu também o
interesse do público leigo pelo tema.
Ainda não existem estudos detalhados sobre toda a área de ocorrência do Aquífero Guarani no Brasil e nos outros países
do Mercosul. Entretanto, teria sido melhor denominá-lo “Sistema Aquífero Guarani”, já que se trata de um conjunto
heterogêneo de “unidades hidroestratigráficas” que podem conter muita, pouca ou nenhuma água. Sinteticamente,
essas unidades poderiam ser descritas como formações geológicas portadoras de água, em maior ou menor
quantidade. Algumas delas, exploradas há mais de cem anos, já foram estudadas por pesquisadores dos países do
Mercosul.

No Brasil, oito estados abrigam partes do Aquífero Guarani. Estudos realizados em quase todos indicaram grande
descontinuidade na estruturação geológica. Isso ocorre, por exemplo, no Arco de Ponta Grossa (Paraná), onde as
www.professordeodatoneto.com.br
estruturas geológicas e as intrusões vulcânicas dividem o sistema aquífero em diversos fluxos independentes e limitados ao
Brasil. (Trecho)
31. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.1) Considerando as informações do texto e o seu próprio
conhecimento de mundo, numere adequadamente a segunda coluna de acordo com a primeira.
http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/a redescoberta do aquífero guarani.html. Acesso em 5/10/2013.

(1) workshop () “formações geológicas portadoras


de água, em maior ou menor
quantidade”.

(2) Mercosul () nome dado ao aquífero por Danilo


Anton, geólogo uruguaio em 1996.

(3) “unidades hidroestratigráficas” () Mercado Comum do Sul: bloco


econômico formado, em 1991, por
Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

(4) “Sistema Aquífero Guarani” () “seminário ou curso intensivo, de


curta duração, em que técnicas,
habilidades, saberes, artes etc. são
demonstrados e aplicados; oficina,
laboratório.”

(5) Guarani () “conjunto heterogêneo de


“unidades hidroestratigráficas” que
podem conter muita, pouca ou
nenhuma água.”

A sequência numérica correta é:


a) 3-5-2-1-4.
b) 5-3-4-1-2.
c) 2-4-1-5-3.
d) 4-3-5-4-2.
e) 1-2-4-3-5.
32. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.2) Fundamentado em estudos recentes, o objetivo do texto é mostrar
que o Aquífero Guarani:
a) é mesmo o “mar de água doce” que se pensava existir, conforme estudos feitos em maio de 1996.
b) ocorre no Brasil e nos outros países do Mercosul, segundo estudos mais detalhados já existente sobre toda essa área.
c) tem áreas excelentes, portadoras de água, ao lado de outras em que a água é inacessível, escassa ou não-potável.
d) possui reservas estratégicas que podem abastecer a população brasileira por cerca de 2.500 anos.
e) não é importante para o futuro dos países membros do Mercosul, segundo pesquisas científicas recentes.
33. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.3) Observe que as informações apresentadas, a seguir, estão fora da
ordem em que ocorrem no texto. Preencha os parênteses com o número do parágrafo correspondente a cada uma das
informações, conforme a ordem em que ocorrem no texto.
( ) Informa que, no Arco de Ponta Grossa (Paraná), as estruturas geológicas e as massas eruptivas vulcânicas dividem o
sistema aquífero em diversos fluxos independentes e limitados ao Brasil.
( ) Apresenta o argumento segundo o qual o nome “Sistema Aquífero Guarani” teria sido melhor do que Aquífero Guarani,
embora ainda não existiam estudos detalhados sobre isso.
( ) O operador argumentativo mas introduz argumentos que se contrapõem aos dados apresentados no primeiro
parágrafo.
( ) Apresenta dados de 1996 referentes ao Aquífero Guarani.
A sequência numérica correta para preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é:
a) 2-1-3-4.
b) 4-3-2-1.
c) 3-4-2-1.
d) 1-2-4-3.
e) 2-3-4-1.

Leia o texto para responder à questão 34.


Duas “Cobras” olhando o céu, numa noite estrelada:
– Como nós somos insignificantes.
– Você e quem?
(Luiz Fernando Veríssimo)
34. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.10) Há ambiguidade no texto porque:
a) as “Cobras” estão brigando para ver o céu.
b) uma “Cobra” usa o pronome “nós” ao referir-se a ela mesma.
c) a outra “Cobra” acha a noite insignificante, apenas para si mesma.
d) uma “Cobra” entende que o pronome “nós” refere-se a ela e a ninguém mais.
e) uma “Cobra” se exclui e pensa que o pronome “nós” refere-se a outra “Cobra” e a alguém que não ela.
Leia o texto a seguir para responder às questões de 35 a 43.
O brasileiro não lê
A história de uma frase feita, e uma sugestão para quem insiste em repeti-la.
www.professordeodatoneto.com.br
Danilo Venticinque
O brasileiro não lê. Ao menos é isso que eu tenho escutado. Por obrigação profissional e por obsessão nas horas vagas,
costumo conversar muito sobre livros. Com uma frequência incômoda, não importa qual é a formação de quem fala
comigo, essa frase se repete. Amigos, taxistas, colegas jornalistas, escritores e até executivos de editoras já me disseram
que o brasileiro não lê.
Quando temos dificuldade para entender uma frase, um boa técnica de aprendizado é repeti-la várias vezes. Um dos
meus primeiros professores de inglês me ensinou isso. Nunca pensei que fosse usar esse truque com uma frase em português.
Mas, depois de ouvir tantas vezes que o brasileiro não lê, e de discordar tanto dos que dizem isso, resolvi tentar fazer esse
exercício. Talvez enfim eu os entenda. Ou talvez eu me faça entender.
O brasileiro não lê, mas a quantidade de livros produzidos no Brasil só cresceu nos últimos anos. Na pesquisa mais
recente da Câmara Brasileira do Livro, a produção anual se aproximava dos 500 milhões de exemplares. Seriam
aproximadamente 2,5 livros para cada brasileiro, se o brasileiro lesse.
O brasileiro não lê, mas o país é o nono maior mercado editorial do mundo, com um faturamento de R$ 6,2 bilhões.
Editoras estrangeiras têm desembarcado no país para investir na publicação de livros para os brasileiros que não leem.
Uma das primeiras foi a gigante espanhola Planeta, em 2003. Naquela época, imagino, os brasileiros já não liam. Outras
editoras vieram depois, no mesmo movimento incompreensível.
[...]
Na pesquisa Retratos da Leitura divulgada no ano passado, metade dos brasileiros com mais de 5 anos disse não ter
lido nenhum livro nos últimos três meses. É compreensível, num país em que há poucas livrarias, as bibliotecas públicas
estão abandonadas e 20% das pessoas entre 15 e 49 anos são analfabetas funcionais. Mas há outra metade. São 88,2
milhões de leitores. Alguns se dedicam mais à leitura; outros, provavelmente a maior parte deles, são leitores ocasionais.
Há um enorme potencial para crescimento, mas já é um número animador.
Os brasileiros começaram a ler. Falta começar a mudar o discurso. Em vez de reclamar dos brasileiros que não leem,
os brasileiros que leem deveriam se esforçar para espalhar o hábito da leitura. Espalhar clichês pessimistas não vai fazer
ninguém abrir um livro.
Eu poderia ter repetido tudo isso para cada pessoa de quem ouvi a mesma frase feita. Mas resolvi escrever, porque
acredito que o brasileiro lê.
(Com supressão de parágrafos).
http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/danilo-venticinque/index.hatml. Acesso em 18/9/2013.
35. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.1) A “frase feita” referida no texto é
aquela que:
a) se repete abusivamente e que perde, por isso, o valor expressivo.
b) pode ser formada por uma ou mais palavras variáveis.
c) se constrói com ou sem verbo, ou com uma ou mais orações.
d) encerra várias orações, coordenadas e/ou subordinadas.
e) se encaixa numa oração subordinada, ou na oração principal.

36. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.2) O autor do texto diz que tem escutado
a frase “O brasileiro não lê” com uma “frequência incômoda”, ao conversar sobre livros, por:
a) desenvolver pesquisa sobre frases.
b) cumprir preceito religioso e legal.
c) dever de ofício e motivação irresistível.
d) ser estudioso compulsivo da linguagem.
e) ser um profissional da área de linguagens.
37. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.3) Segundo o texto, para tentar entender
a frase “O brasileiro não lê”, o autor:
a) consultou a pesquisa Retratos da Leitura.
b) usou saber já explorado por ex-professor.
c) baseou-se na própria experiência, somente.
d) concordou com todos os que a repetiam.
e) discordou da opinião de todos, apenas.
38. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.4) O texto aponta um “movimento
incompreensível” entre a afirmação “O brasileiro não lê” e:
a) a quantidade de livros produzidos no Brasil nos últimos anos.
b) o resultado da pesquisa mais recente da Câmara Brasileira do Livro.
c) o fato de o país ser o nono maior mercado editorial do mundo.
d) o fato de dados estatísticos indicarem o sentido contrário.
e) o fato de editoras estrangeiras investirem na publicação de livros no Brasil.
39. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.5) Considerando o que consta no texto,
analise as seguintes afirmações sobre a pesquisa Retratos da Leitura.
I – 20% das pessoas entre 15 e 49 anos são alfabetizadas, ou seja, sabem ler e escrever, mas não conseguem interpretar os
textos lidos.
II – A maior parte dos 88,2 milhões de leitores leem eventualmente.
III – Há muitas livrarias, assim como bibliotecas públicas bem aparelhadas.
IV – O resultado da pesquisa mostrou que o número de leitores pode crescer.
Estão corretas apenas:
a) I e II.
b) II e III.
c) III e IV.
d) I, II e III.
e) I, II e IV.
www.professordeodatoneto.com.br
40. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.6) O ponto de vista a partir do qual o
autor analisa a frase feita “O brasileiro não lê”, ao longo do texto, revela um tom:
a) pessimista.
b) otimista.
c) realista.
d) desanimador.
e) radical.
41. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.7) Da leitura do texto, conclui-se que:
a) o autor resolveu escrevê-lo, porque está convencido de que o brasileiro lê.
b) à competência de saber ler corresponde a de saber escrever.
c) o autor crê que o brasileiro lê e escreve, normalmente.
d) o autor quer divulgar o clichê otimista sobre o qual pesquisou.
e) o autor preferia falar a cada pessoa de quem ouviu o clichê pessimista.

42. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.8) Para quem insiste em repetir que o


brasileiro não lê, o autor sugere:
a) frequentar as bibliotecas públicas.
b) visitar as grandes livrarias da cidade.
c) promover a divulgação do hábito da leitura.
d) ensinar os analfabetos funcionais a ler.
e) difundir conhecimentos produtivos.
43. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.10) Em “Eu poderia ter repetido tudo isso
para cada pessoa de quem ouvi a mesma frase feita”, a expressão “tudo isso” refere-se a/ao:
a) tudo o que foi dito no texto inteiro.
b) que foi discutido apenas no parágrafo 6.
c) que foi anunciado na introdução do texto, apenas.
d) que foi apresentado no segundo parágrafo.
e) que foi concluído no fechamento do texto.
Leia o texto abaixo para responder às questões de 44 e 45.
Homens-heróis
Bombeiros são profissionais treinados que possuem equipamento necessário para apagar incêndios, resgatar
pessoas, salvar bens materiais e fornecer assistência nos desastres naturais e nos incêndios causados pelo homem. A
denominação da palavra bombeiro surgiu a partir da utilização das bombas d’água por esses profissionais.
Antes mesmo de o corpo de bombeiros existir a população já se preocupava com a organização de métodos e
treinamento de pessoas para atender a casos de calamidade. As primeiras organizações contra incêndio surgiram a partir
da necessidade de evitá-los, porém, devido aos precários recursos disponíveis, era quase impossível conseguir apagar
incêndios de grandes proporções, por isso a melhor solução era a prevenção.
Um agrupamento destinado ao combate de incêndios veio a existir, segundo registros, na China, em 564 a.C.
Entretanto, o primeiro corpo de bombeiros militar do mundo surgiu 30 anos mais tarde, em Roma, composto por 8 mil
legionários bombeiros. Em 1851, foi criado o primeiro corpo de bombeiros profissional, em Berlim, na Alemanha.
Esses profissionais podem ser civis, voluntários ou funcionários municipais, entretanto o serviço de bombeiro mais conhecido
no Brasil é o dos militares. O corpo de bombeiros é autônomo em grande parte dos estados brasileiros, mas também pode ser
vinculado administrativamente ao Comando da Polícia Militar e à Secretaria Estadual de Segurança Pública, como nos estados
de São Paulo, Paraná, Bahia e Rio Grande do Sul. Já no estado do Rio de Janeiro, o Corpo de Bombeiros Militar é vinculado à
Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil.
No Brasil, a primeira corporação de bombeiros foi criada em 1856 pelo imperador D. Pedro II. Essa corporação
ganhou caráter militar a partir de 1880 e, após a Proclamação da República, os estados passaram a possuir melhores
condições financeiras e puderam constituir seu próprio corpo de bombeiros.
Quando pensam em bombeiros, as pessoas logo associam palavra ao combate de incêndios, entretanto essa deixou de
ser a única missão desses profissionais, que podem executar outras especialidades, como guarda-vidas, combate a incêndios
florestais, resgate em altura e montanhas, intervenção em incidentes com produtos perigosos, vistorias técnicas das condições
de segurança em edificações, estádios, ou locais de grande concentração de público, e ainda serviço de atendimento pré-
hospitalar. Esses guerreiros estão dentre os profissionais mais confiáveis.
O Corpo de Bombeiro Militar tem a missão de executar atividades da defesa civil, como prevenção e combate a
incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos no âmbito de suas unidades federativas. Os bombeiros também são
considerados força auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, que integram o sistema de segurança pública e defesa social
do Brasil.
Para Ivan Campos, presidente do Conselho Nacional de Bombeiros Civis, “a expansão da profissão de bombeiro civil
despertou um sentimento equivocado em alguns oficiais de corporações militares que tentam extinguir a profissão,
quando deveriam apoiar, pois onde há o bombeiro civil, assim como o militar, há a preservação da vida em todas as suas
formas, do meio ambiente, das moradias e dos meios de trabalho, cultura e lazer.
A Assessoria Parlamentar do Comando do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, em 2011, articulou um Projeto de
Lei com o objetivo de mudar o nome da profissão de bombeiro civil para brigadista particular, situação que iria extinguir a
profissão, pois fora do Distrito Federal já existe a figura do brigadista, que é um funcionário da empresa para outra atividade e
também é voluntário para brigada de incêndio, assim as empresas já possuem brigadistas e os bombeiros civis perderiam seus
empregos.”. (cnbc.org.br 12/11/11)
Segundo Rosa Guerrera, o que realmente importa à população é que “o bombeiro, civil ou militar, salva vidas, nada
o faz recuar no instante em que alguém pede a sua presença, que é um bálsamo a aliviar o desespero daqueles que
necessitam de ajuda, mesmo que muitas vezes esse socorro venha lhe custar própria vida. Sua farda e o seu cinturão
vermelho trazem o pó, o resíduo ou a água do trabalho realizado e da missão cumprida.”.
www.sppert.com.br/Artigos/Brasil/Urbanismo/Segurança Pública. Adaptado.

44. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.1) De acordo com o texto:


www.professordeodatoneto.com.br
a) ao bombeiros, como são treinados e têm equipamento apropriado, resolvem, com eficiência e sem demora, os casos
de calamidade.
b) bombeiros e organizações preocupadas com incêndios recorrentes surgiram concomitantemente, pois tinham em
mente o mesmo objetivo.
c) nos dias atuais, “polivalente” e “abrangente” são adjetivos ideais para caracterizar a profissão de bombeiro.
d) antigamente, devido à prevenção e aos recursos existentes, as pessoas tinham tranquilidade em caso de incêndios de
grandes proporções.
e) tem-se a informação de que o primeiro corpo de bombeiros amador originou-se na Era Cristã, em Roma.
45. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.2) A respeito do texto, é INCORRETO afirmar que:
a) nos estados brasileiros, o corpo de bombeiros pode ser autônomo ou vinculado a entidades públicas específicas.
b) antes da Era Republicana, surgiu a corporação de bombeiros militar e, após, cada estado teve, economicamente,
condições para formar seu corpo de bombeiros.
c) houve um projeto que propôs a extinção da profissão de bombeiro civil, trazendo preocupação a esses trabalhadores.
d) a profissão de bombeiro surgiu porque a população organizou formas práticas eficientes para socorro em casos
iminentes.
e) o autor utiliza parcialmente o sentido figurado para explicar e tornar mais real a importância dos bombeiros à
população.
Leia o texto abaixo para responder às questões de 46 a 49.
Um rio do Éden
29 de agosto de 2013 \ 2h 19.
Luiz Fernando Veríssimo – O Estado de S. Paulo.
O meu relógio biológico é um Rolex. Não, brincadeira. Nós todos temos um relógio dentro de nós que sempre “sabe”
exatamente que horas são, embora nem todo mundo saiba que ele sabe, ou confie nele. O relógio biológico funciona
mais ou menos como uma portaria de hotel, à qual você pede para ser acordado a certa hora. Ou como um despertador,
que você marca para acordá-lo. O relógio interior pode falhar – as portarias de hotel e os despertadores também falham
-, mas sempre que não acreditei no meu me arrependi. O que aconteceu mais de uma vez foi que o relógio biológico me
acordou fiquei na cama, aflito para saber se a portaria iria se lembrar ou o despertador funcionar, e acabei me atrasando.
E minha tese é que quando o relógio biológico não nos acorda é porque, no fundo, não queremos acordar. Algum outro
instrumento instintivo que carregamos sem saber prevaleceu e neutralizou o relógio.
É fascinante essa ideia de que trazemos nos genes recursos, impulsos, fobias e encargos dos quais não nos damos
conta, como relógios embutidos ligados a alguma fonte inimaginavelmente precisa de tempo certo. Somos portadores
de mensagens cifradas que não conhecemos, e não entenderíamos se conhecêssemos. Há uma teoria segundo a qual
o pavor universal de cobras vem de um resquício do passado reptiliano que ficou num dos cantos primitivos do nosso
cérebro. E a mais nobre e misteriosa missão que nossos genes realizam à nossa revelia é a de trazer nosso DNA desde as
origens da espécie humana até agora. Ninguém nos contratou, mas nossa função no mundo é transportar DNA.
O famoso biólogo darwinista Richard Dawkins deu um título poético a um dos seus livros: River Out of Eden. Tirado de
Gênese 2:10 “E saía um rio do Éden para regar o jardim, e dali se dividia”. O rio do Éden de Dawkins e de DNA, e passa
por todos nós.
Disponível em http://www.estadao.com.br/notícias/impresso,um-rio-do-eden-,1069085,0.htm. Acesso em 6/9/2013.

46. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM- () sigla que abrevia o termo ácido


PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.1) desoxirribonucleico (ADN, em
Considerando o uso das palavras no texto, português).
numere a segunda coluna de acordo com a
primeira. (1) Rolex

(2) gene () que está de acordo com a teoria


evolucionista do naturalista inglês
Charles Robert Darwin (1809-1822).

(3) DNA () marca de relógio suíço de luxo,


considerado, por muitos, um símbolo
de status.

(4) darwinista () menos usado que Gênesis: é o


primeiro livro tanto da Bíblia Hebraica
como da Bíblia Cristã.

(5) Gênese () jardim em que Adão e Eva viveram;


paraíso.

(6) Éden () unidade fundamental, física e


funcional da hereditariedade.

A sequência numérica correta é:


a) 5-3-2-4-6-1.
b) 1-2-4-3-6-5.
c) 2-1-3-5-4-6.
d) 4-3-5-1-2-6.
e) 3-4-1-5-6-2.
www.professordeodatoneto.com.br
47. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.2) No início do segundo parágrafo,
Veríssimo afirma: “É fascinante essa ideia de que trazemos nos genes recursos, impulsos, fobias e encargos dos quais não
nos damos conta, como relógios embutidos ligados a alguma fonte inimaginavelmente precisa de tempo certo”.
Nessa afirmação, a expressão destacada “essa ideia” foi utilizada para:
I – retornar algo já mencionado no primeiro parágrafo.
II – detalhar melhor os aspectos apresentados no primeiro parágrafo.
III – manter o tema e, ao mesmo tempo, acrescentar informações novas.
IV – fazer o texto progredir sequencialmente.
V – introduzir apenas informações completamente novas.
Estão corretas apenas:
a) I e II.
b) II e III.
c) III e IV.
d) I, II, III e IV.
e) II, III, IV e V.
48. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.3) Ao justificar por que “a mais nobre e
misteriosa missão que nossos genes realizam à nossa revelia é a de trazer nosso DNA desde as origens da espécie humana
até agora” (§2), Veríssimo:
a) defende que “quando o relógio biológico não nos acorda é porque, no fundo, não queremos acordar.”.
b) alega que “trazemos nos genes, recursos, impulsos, fobias e encargos dos quais não nos damos conta”.
c) afirma que somos “portadores de mensagens cifradas que não conhecemos, e não entenderíamos se
conhecêssemos”.
d) compara essa missão à de um rio que saía do Éden “para regar o jardim, e dali se dividia”.
e) argumenta que existe “uma teoria segundo a qual o pavor universal de cobras vem de um resquício do passado
reptiliano”.
49. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.4) Na crônica de Veríssimo, predominam
as sequências dissertativo-argumentativas, pois o autor:
a) relata um episódio causado pela falha do seu próprio relógio biológico.
b) defende um ponto de vista sobre o funcionamento do relógio biológico.
c) retrata o que observou sobre a nossa função de transportar o DNA.
d) orienta sobre como se deve entender o funcionamento dos genes.
e) conceitua os termos relógio biológico, genes e DNA, detalhadamente.

Leia o texto para responder às questões de 50 a 52.


Felicidade Clandestina
A literatura é um grande diálogo em que se tem de enfrentar vozes. A Clarice Lispector tomava muito cuidado com
as palavras porque sabia que engendram vidas.
Por Menalton Braff
A gente tenta resistir, se esforça, mas a literatura é um grande diálogo em que se tem de enfrentar vozes, muitas vozes,
remotas ou recentes, um emaranhado de vozes onde tentamos distinguir alguns dos interlocutores. Os temas nos chegam
da vida e dos livros. Capitulamos para acabar refazendo o que está feito. Não é a primeira vez que a realidade me traz
de volta a ficção como se fora esta cópia daquela. A Clarice Lispector tomava muito cuidado com as palavras porque
ela sabia que as palavras engendram vidas. Mas a Clarice era maga, ela fabricava coisas.
Confesso que a princípio me assustei. Chegou aquele bando em revoada, invadindo tudo, tomando conta do
espaço, expulsando-nos dali. Um dos meninos era da cor da terra, trajava uma camiseta parda e usava uma bermudinha
sem cor. Me parece que era meio igual aos outros todos.
Escolhi um ponto estratégico, de onde pude observar aquela batalha, que, apesar do susto, me interessava. De onde
me abriguei, pude ver os vendedores do estande, o cabelo de alguns literalmente de pé (que agora é moda), o cabelo
de todos eletrizado, assim como seus olhos. Tinham ordens para não interferir, a não ser que o prejuízo se tornasse iminente.
Durante uns quinze minutos não tiveram sossego.
Uns quinze minutos. Esse foi o tempo necessário para que o bando chegasse, olhasse, visse e saísse. Em seu rastro, sinal
de destruição nenhum.
Além dos vendedores, conseguir focalizar um dos meninos que acabavam de chegar. Foi direto a uma prateleira, não
levou mais de quinze segundos para escolher um livro, sentou-se ali mesmo, no chão, pois não dava mais para esperar.
Abriu o livro, com aquelas duas mãozinhas quase impossíveis, e se pôs a ler a história, a ver as figuras, não sei. De onde
estava, apenas via que seus lábios se moviam e que seus olhos brilhavam. Um brilho tão intenso que tudo em volta
começou a flutuar ao ritmo de uma sinfonia ilimitada. O rostinho terroso, então, começou a se transfigurar, assumindo uma
expressão gloriosa.
Eu estava com pressa, pois havia uma multidão de umas duas ou três pessoas à espera de um autógrafo alguns
estandes adiante. Quem disse que eu conseguia sair do lugar? Naquele instante, o mundo em volta perdeu inteiramente
o significado: só aquele menino e seu livro pulsavam em meus sentidos. Ele ria, me parece que falava, não sei se lambia
ou cheirava o livro. De repente ele o fechou e olhou para cima, cismarento. Tentei acompanhar seu olhar. Para onde
estaria ele viajando agora?
Quando o menino reabriu o livro, percebi em seu rosto sinais de concentração. Voltou à leitura com o cuidado de um
soldado estudando o terreno. Acho que havia, finalmente, resolvido algum mistério ou, pelo menos, havia-se deparado
com algum, que era preciso desvendar.
Seus colegas dispersaram-se pelos estandes vizinhos, onde outros vendedores puseram cabelos e olhos de pé, mas
sem interferir, como lhes fora ensinado. Relanceei o olhar pelo recinto da feira e imaginei o Brasil todo ali dentro e achei
que aquilo era uma luz... vá que seja... no fim do túnel.
Olhei de volta para onde estivera o menino e vi apenas um livro aberto com as folhas movendo-se. Se não me engano,
ouvi uma voz de criança, que vinha de lá de dentro. O menino resolvera penetrar em seu mistério.
www.professordeodatoneto.com.br
http://www.cartacapital.com.br/cultura/felicidade-clandestina-5044.html. Acesso em agosto/2013.
50. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.1) Sobre o segundo parágrafo, são
corretas as afirmações a seguir, EXCETO:
a) O período “Confesso que a princípio me assustei” retoma “Não é a primeira vez que a realidade me traz de volta à
ficção como se fora esta cópia daquela”, informação introduzida no primeiro parágrafo.
b) A crônica é narrada em primeira pessoa por um narrador personagem.
c) Embora não lhe seja atribuído um nome, o menino da cor da terra, de camiseta parda e bermudinha sem cor, é a outra
personagem da crônica introduzida nessa parágrafo.
d) O menino, segundo a primeira impressão do narrador, era parecido com todos os outros.
e) O local onde ocorre o evento narrado na crônica é uma escola no horário de entrada dos alunos.

51. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.2) Analise estes itens sobre o texto.
I – As características do local onde ocorre o fato narrado.
II – As sensações do cronista em relação ao menino leitor.
III – As demonstrações de felicidade de um menino fruindo os prazeres da leitura, observadas pelo cronista.
IV – Um enunciado que representa, em linguagem figurada, o mistério da leitura.
V – Dados sobre o tempo exato em que o narrador observou o menino lendo.
É correto afirmar que o item apresentado em:
a) I está descrito no parágrafo 3 apenas.
b) II está explícito no parágrafo 2 apenas.
c) III consta no parágrafo 5 apenas.
d) IV ocorre no parágrafo 9.
e) V está descrito no parágrafo 4.
52. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.3) A felicidade clandestina referida no
título da crônica é como se fosse uma felicidade:
a) “brilhante” e tão intensa que tudo em volta do menino leitor começou a flutuar ao ritmo de uma sinfonia ilimitada.
b) “falsa”, porque o menino leitor desfrutou o prazer da leitura, embora o livro nem fosse dele.
c) “transfiguradora” que fez o rostinho terroso do menino leitor assumir uma expressão gloriosa.
d) “misteriosa” que instigava o menino a tentar desvendar algo secreto.
e) “compensadora”, pois há muito tempo o menino desejava ter um livro para ler.
Leia o texto para responder à questão 53.
O Mundo da Medicina
Estados Unidos – Um aparelho que prevê infartos do miocárdio.
Do tamanho de uma moeda de um real, o AngelMed Guardian – implante colocado debaixo da pele, perto do
ombro esquerdo – monitora padrões incomuns de atividade elétrica do coração e ajuda a identificar um infarto do
miocárdio de forma bem rápida, possivelmente antes que o usuário sinta algum sintoma. Ao detectar algum problema, o
implante produz uma vibração e um bipe portátil dá o alarme que faz uma luz de alerta piscar. A venda do aparelho no
Brasil já foi aprovada pela Anvisa.
Revista seleções, agosto/2013, p.36.
53. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.6) O objetivo central do texto é:
a) tratar de assuntos relativos às novidades dos Estados Unidos.
b) contar como os aparelhos são importantes para a medicina.
c) informar sobre o implante que ajuda a identificar um infarto.
d) demonstrar a relevância da venda aparelho portátil.
e) explicar por que as pessoas enfartam.
Leia o texto para responder à questão 54.
Ao pé da letra
O menino vai à escola e aprende que é possível saber a idade da árvore contando os anéis do tronco. À noite, volta
para casa e vê um rocambole sobre a mesa.
– Eu não vou comer isso! – reclama com a mãe. – Já tem cinco anos!
http://www.selecoes.com.br/Jokes. Acesso em agosto/2013.
54. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.15) Pelo título “Ao pé da letra”, é correto
afirmar que o menino:
a) interpretou a aula de forma equivocada.
b) entendeu a importância de cuidar de uma árvore.
c) compreendeu a explicação pela reclamação feita.
d) conseguiu entender o que quer dizer ao pé da letra.
e) explicou facilmente o que quer dizer a expressão rocambole.

Leia o texto abaixo para responder às questões 55 e 56.

Habitação Saudável
www.professordeodatoneto.com.br
01 Evidências científicas apontam que a saúde está diretamente ligada ao modo de viver das pessoas e
02 sua relação com o meio ambiente, e não somente a determinismos biológicos e genéticos. Neste cenário,
03 a habitação traduz-se como um dos primeiros e mais vulneráveis espaços de promoção da saúde.
04 A habitação saudável é hoje um dos fundamentos para a garantia do bem-estar e da qualidade de
05 vida, mas para isso dois campos de ação necessitam ser trabalhados: a criação de ambientes favoráveis à
06 saúde e a implementação de políticas públicas saudáveis.
07 Em formações sociais com alta desigualdade sociossanitária, é importante que sejam mostrados
08 movimentos que concretizem, por meio de fundamentos e práticas, a ideia da promoção da saúde.
09 A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS)
10 consideram que o conceito de ambiente e entorno saudável incorporam a necessidade de se ter
11 equipamentos urbanos com saneamento básico, espaços físicos limpos e estruturalmente adequados, além
12 de redes de apoio para se conseguir hábitos psicossociais sãos e seguros. Ressaltam também que a carência
13 e as deficiências na habitação e a falta de saneamento são questões diretamente relacionadas aos níveis
14 de pobreza.
15 Analogamente, o conceito de município saudável é uma proposta de promoção da saúde que só é viável
16 se houver uma política de habitação saudável. Segundo a OPAS, o município saudável é uma estratégia que
1 permite fortalecer a execução das atividades de saúde como a mais alta prioridade em uma agenda política
18 local, desenvolvendo planos de ação pautados em princípios de saúde para todos.
19 No âmbito das políticas públicas saudáveis, no Brasil, a situação está em contínuo processo de
20 degradação, marcada por péssimos índices de morbimortabilidade, que é a relação entre o número de
21 doentes e o número de pessoas que morrem em um determinado local e época. Esta condição bem como
22 a ocorrência de doenças infecto-parasitárias ocorrem devido à falta de infra-estrutura e à ausência de
23 saneamento básico, principalmente. A precariedade habitacional, a deterioração da qualidade de vida, o
24 impacto na saúde de ambientes e o distanciamento da comunidade científica da realidade – pela falta de
25 estudos e incentivos a pesquisas nessa área – comprovam a necessidade de aumentar a eficiência das
26 políticas públicas de saúde.
27 O saneamento básico é um problema que só poderia ser solucionado com a cooperação entre
28 diversos atores sociais como as instituições acadêmicas, ONGs, movimentos sociais e governamentais que
29 interajam na intenção de implementar um conceito abrangente de políticas para a habitação saudável. O
30 grande desafio está na intervenção sobre os fatores que são determinantes para a saúde e o bem-estar,
31 onde biologia humana, meio ambiente e estilos de vida têm a mesma importância e interferência para a
32 garantia da qualidade de vida. A ausência desses fatores se traduz, no entanto, nas principais causas de
33 enfermidade e morte.
34 Diante deste cenário preocupante, e com a falta de investimentos em políticas públicas e saneamento
35 e desenvolvimento, a implementação de espaços saudáveis faz-se cada vez mais urgente. É necessário o
6 estabelecimento de alianças e propostas estratégicas para concentrar esforços e recurso a partir das
37 potencialidades das instituições acadêmicas e públicas envolvidas com as questões sociais da saúde e da
38 habitação.
39 Enfim, o que se propõe é incentivar a promoção da saúde, enquanto estratégia que ultrapassa o setor
40 da saúde, contemplando as questões ambientais e habitacionais dentro dos determinantes sociais da saúde
41 e da qualidade de vida. Uma estratégia que busca, junto à diversidade de atores e sujeitos, um diálogo
42 democrático, participativo e intersetorial, em prol de múltiplas ações de melhoria da qualidade de vida e
43 de mudança social.
COHEN, Simone Synamon, Arquiteta e pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP)
44 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Disponível em: www.tratabrasil.com.br/novo. (Com adaptações).
45
46
47
48
49
50
51
52

55. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.1) De acordo com o texto:


a) há muitas hipóteses que apontam saúde e habitação como fundamentos essenciais para o bem-estar das
pessoas.
b) a criação de ambientes favoráveis à saúde depende de vontade política, o que não se vê no Brasil.
c) em sociedades em que a falta de saneamento básico é enorme, práticas e projetos já atuam com eficácia.
d) para se ter hábitos psicossociais saudáveis, não depende necessariamente de espaços estruturados.
e) há, no Brasil, total implementação de políticas saudáveis.
56. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.2) A expressão que resume o tema do
texto é:
a) Saneamento Básico.
b) Promoção de Saúde.
c) Habitação Saudável.
d) Qualidade de Vida.
e) Políticas Públicas.
www.professordeodatoneto.com.br
57. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.22) Sabendo que é necessário saber
construir as ideias para que ocorra clareza no conjunto elaborado, analise este texto: “São oito horas. Não vou digitar
esta notícia, pois já cumpri meu horário.”.
Analisando a coesão e a coerência, conclui-se que:
a) houve mau emprego da conjunção “pois”, afetando a coesão sequencial.
b) esta sequência de palavras e frases pode ser considerada um texto coeso e coerente.
c) o ideal seria fazer uma única frase para impor maior ritmo ao pensamento.
d) ocorreu confusão dos tempos verbais. O verbo ser deveria estar flexionado “eram”.
e) haveria coerência e coesão perfeitas se a conjunção “pois” fosse substituída por “portanto”.
Leia atentamente o texto a seguir para responder à questão 58.
{E SE...}
Não existisse esgoto?
Seríamos criaturas sujas e pestilentas, vivendo menos, trabalhando menos...
E até com uma internet menos rápida.
Texto Nathan Fernandes
O mundo cheiraria a Londres do século 19, já que a principal cidade do planeta na época não tinha rede de coleta de esgoto.
Os londrinos jogavam seus dejetos nas valas das ruas que serviam para escoar água da chuva. Tudo ia parar no rio Tâmisa, que, no
verão de 1958, ganhou o apelido “Big Stink” (“grande fedor”, em inglês). A situação ficou impraticável, até que o engenheiro urbano
Joseph Bazalgette entrou em cena. Ele desenvolveu uma rede pensando no futuro. Em vez de canos finos sob regiões pouco
povoadas e grossos em áreas densas, Bazalgette pensou no crescimento da cidade e concebeu uma rede com canos largos em
todo subterrâneo londrino. Enquanto isso, no Brasil, escravos jogam tonéis com dejetos pelas ruas sem a menor preocupação. E até
hoje a situação é triste. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), só 54,9% dos domicílios brasileiros têm sistema
de coleta de esgoto, o que pode ser fatal. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), 88% das mortes por diarreia
no mundo são causadas por sistema impróprio. Ou seja, em um mundo sem esgoto, diarreia, hepatite A, febre amarela e malária
reinariam. E quem fica doente não trabalha. Um estudo do Instituto Trata Brasil com a Fundação Getúlio Vargas revelou que, em
2009, 217 mil brasileiros se afastaram do trabalho devido a problemas gastrointestinais ligados à falta de saneamento. Isso significa
toda uma Divinópolis (MG) de molho em casa com dor de barriga.
Na teoria, mesmo onde há saneamento não deveria existir o esgoto fedorento que polui. O que acontece é que
ligações clandestinas se conectam ao sistema de coleta de água de chuva e, assim, canos que deveriam levar só o
aguaceiro de temporal aos rios acabam carregando esgoto não tratado. Assim temos o Tietê hoje, igual ao Tâmisa
do século 19.
O sistema de esgoto londrino inspira até hoje. Em 2011, o então secretário de cultura da cidade inglesa, Jeremy
Hunt, disse que o país só teria uma internet super-rápida se seguisse o exemplo de sua rede de esgoto. Bazalgette
pensou no futuro e previu o aumento do fluxo de dejetos. O fluxo de dados online também só vai crescer, mas,
para isso, a internet precisa de uma rede que dê conta do recado. É pensando nesse futuro que gigantes da
internet estão investindo mais em data centers, e usando o sistema de esgoto a seu favor. Desde 2012, a meta do
centro de dados do Google na Geórgia, Estados Unidos, é que 100% da água de resfriamento de suas máquinas
seja de reuso. Ou seja, o sistema de esgoto resfria os data centers. Facebook e Microsoft também estão tomando
medidas parecidas. Na falta dele, poluiríamos mais ao ver online um filme das Tartarugas Ninjas – que, aliás, sem
esgoto não teriam nem casa para pedir aquela pizza.

58. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.1) Qual o tema principal do texto?


a) O mundo sem esgoto no século XX.
b) O cheiro de Londres no século XIX.
c) E se não existisse sistema de esgoto?
d) Sem saneamento não há sistema de esgoto.
e) O esgoto é um sistema que já existe no mudo todo.
Leia o trecho para responder às questões 59 e 60.
“O mundo cheiraria a Londres do século 19, já que a principal cidade do planeta na época não tinha rede de
coleta de esgoto. Os londrinos jogavam seus dejetos nas valas das ruas que serviam para escoar água da chuva.”
59. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.7) A expressão “a principal cidade de planeta” retoma a
palavra:
a) século.
b) mundo.
c) Londres.
d) planeta.
e) ruas.
60. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.8) A expressão JÁ QUE pode ser substituída, sem alteração de
sentido por:
a) uma vez que.
b) apenas que.
c) apenas por que.
d) exatamente que.
e) em nenhuma vez que.
Leia atentamente o texto a seguir para responder à questão 61.
Naquele Tempo...
De 1890 até o início da década de 30, o Código Penal Brasileiro criminalizou a capoeira, punindo com rigor quem a
praticasse.
www.professordeodatoneto.com.br
Misto de luta e dança, a capoeira, hoje é tão difundida no Brasil – até as crianças podem aprendê-la na escola
– que é difícil imaginá-la como algo proibido ou criminoso. Mas por mais de quarenta anos – de 1890 até o início da
década de trinta – o Código Penal Brasileiro criminalizou a capoeira, punindo com rigor quem a praticasse. O ano
de 1904, no Rio de Janeiro, foi de intensa repressão e muitos praticantes foram deportados para outras regiões do
país.
Introduzida no Brasil pelos negros africanos, a capoeira expressava rebeldia e resistência à escravidão. Nas fugas,
era praticada como forma de ataque ou defesa.
No período de 1904 a 1910, a capoeira continuava a ser uma forma de resistência. Não mais à escravidão – que
já não existia – mas a uma sociedade preconceituosa que excluía o negro ex-escravo da vida social e econômica
do país.[...]
Sozinhos ou organizados em bandos (as chamadas maltas), os capoeiras utilizam-se de um conjunto de recursos
físicos para agredir e ferir as pessoas, muitas vezes com uma navalha. Em festas e eventos públicos envolviam-se em
confusão com as maltas rivais.
Nas ruas, os capoeiras participavam de apostas e desafios, nos quais sempre ganhavam algum dinheiro. Mas a
habilidade na luta corporal, a destreza e a rapidez com que praticavam a violência qualificavam-nos para um
serviço ainda mais específico: desorganizar comícios em função dos interesses eleitorais daqueles que os
empregavam e protegiam. Ironicamente, acabavam servindo aos grupos dominantes que os excluíam. [...].
Associada à baderna, à violência e à vadiagem, a prática da capoeira desafiava claramente as regras de
ordem pública. Foi preciso criminalizá-la para poder contê-la. Apesar da repressão e da criminalização, a capoeira
sobreviveu ao tempo, mantendo viva a cultura negra. [Com adaptações].
Rosane Bardanachvi
(Graduada em História [UFF] e mestre em História da Cultura [PUC/RJ]).
Disponível em http://tvg.globo.com/novelas/lado-a-lado.

61. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.2) O primeiro parágrafo começa caracterizando a


capoeira na atualidade. Em seguida, apresenta um argumento que se contrapõe a essa caracterização e que será
desenvolvido ao longo do texto. Esse argumento é:
a) O ano de 1904 foi de intensa repressão aos capoeiras cariocas.
b) Muitos capoeiras foram deportados para várias regiões do país.
c) O Código Penal Brasileiro criminalizou a capoeira por mais de 40 anos.
d) A capoeira era um crime punido com rigor.
e) Hoje é difícil conceber a capoeira como um crime.
Texto para responder às questões de 62 a 64.
O Corvo e o Pavão
(Fábula de Esopo, recontada por Monteiro Lobato).
O pavão, de roda aberta em forma de leque, dizia com desprezo ao corvo:
─ Repare como sou belo! Que cauda, hein? Que cores, que maravilhosa plumagem! ─ Sou das aves a mais
formosa, a mais perfeita, não?
─ Não há dúvida que você é o mais belo bicho ─ disse o corvo. Mas, perfeito? Alto lá!
─ Quem quer criticar-me! Um bicho preto, capenga, desengonçado e, além disso, ave de mau agouro... Que
falha você vê em mim, ó tição de penas?
O corvo respondeu:
─ Noto que para abater o orgulho dos pavões a natureza lhes deu um par de patas que, faça-me o favor,
envergonharia até a um pobre diabo como eu...
O pavão, que nunca tinha reparado nos próprios pés, abaixou-se e contemplou-os longamente. E, desapontado,
foi andando o seu caminho sem replicar coisa nenhuma.
Tinha razão o corvo: não há beleza sem senão.
http://alacazum.blogspot.com.br/2010/09/o-corvo-e-o-pavao.htm.
62. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.1) Assinale a alternativa que apresenta uma análise
correta do texto:
a) O narrador não é um mero observador, pois participa dos fatos.
b) A fábula apresentada foi criada originalmente por Monteiro Lobato.
c) A sequência dos fatos é marcada por expressões adverbiais temporais.
d) Os diálogos predominam e proporcionam dinamismo e narrativa.
e) Os personagens praticam ações que são características essenciais de animais.

63. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.2) Sobre a estruturação global do enredo da história,


numere a segunda coluna de acordo com a primeira. (1) Situação inicial

() O pavão, que nunca tinha reparado


nos próprios pés, [...] contemplou-os
longamente.
(2) Quebra da situação inicial () E desapontado, foi andando o seu
caminho sem replicar coisa
nenhuma.

(3) Estabelecimento de um conflito () O pavão, de roda aberta [...] a mais


perfeita, não?
www.professordeodatoneto.com.br
(4) Desenvolvimento () ─ Não há dúvida [...] Mas, perfeito?
Alto lá!

(5) Clímax () Quem quer criticar-me! Um bicho


preto, capenga. [...] ó tição de
penas?

(6) Conclusão () O corvo respondeu [...]


envergonharia até a um pobre
diabo como eu...

Assinale a alternativa que indica o preenchimento correto dos parênteses, de cima para baixo:
a) 2, 1, 6, 4, 5, 2
b) 1, 2, 3, 4, 6, 5
c) 5, 4, 2, 2, 1, 6
d) 6, 1, 2, 2, 4, 5
e) 5, 6, 1, 2, 3, 4

64. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.3) Sobre a fábula O corvo e o pavão, julgue os seguintes
itens.
I – O corvo e o pavão são animais que representam, de forma simbólica, os traços de caráter negativo e/ou positivo
dos seres humanos
II – Embora reconheça a beleza do pavão, o corvo não a considera perfeita.
III – O pavão exalta a perfeição de sua própria beleza e demonstra desprezo pelo corvo em quem só vê defeitos.
IV – O corvo faz o pavão observar os próprios pés para reconhecer a imperfeição da sua beleza.
V – A moral “Não há beleza sem senão” não reitera o significado da história narrada.
Os itens corretos são apenas:
a) I, II, III e IV.
b) II, III, IV e V.
c) I, II e III.
d) I, III e IV.
e) I, II, III e V.
Texto para responder à questão 65.

65. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.7) Sobre as ideias e os aspectos gramaticais do texto,


assinale a alternativa correta.
a) Chico Bento e Zé Lelé apresentam a mesma expressão facial de seriedade.
b) A locução coesiva “Essa aí” (1º quadro) refere-se a “Di goiaba””.
c) Depreende-se das falas das personagens e das imagens uma crítica ao desmatamento.
d) O autor, Maurício de Souza, mostra como os moradores das áreas rurais escrevem.
e) A resposta de Chico Bento era esperada, tendo em vista a pergunta feita por Zé Lelé (1º quadro).
Leia atentamente o texto a seguir para responder às questões de 66 a 71.
ZAP
Não faz muito que temos esta nova TV com controle remoto, mas devo dizer que se trata agora de um
instrumento sem o qual eu não saberia viver. Passo os dias sentado na velha poltrona, mudando de um canal para
outro – uma tarefa que antes exigia certa movimentação, mas que agora ficou muito fácil. Estou num canal, não
gosto – zap, mudo para outro. Não gosto de novo – zap, mudo de novo. Eu gostaria de ganhar em dólar num mês o
número de vezes que você troca de canal em uma hora, diz minha mãe. Trata-se de uma pretensão fantasiosa, mas
pelo menos indica disposição para o humor, admirável nessa mulher.
Sofre, minha mãe. Sempre sofreu: infância carente, pai cruel etc. Mas o seu sofrimento aumentou muito quando meu pai a deixou. Já faz
tempo; foi log depois que nasci, e estou agora com treze anos. Uma idade em que se vê muita televisão, e em que se muda de canal
constantemente, ainda que minha mãe ache isso um absurdo. Da tela, uma moça sorridente pergunta se o caro telespectador já conhece
certo novo sabão em pó. Não conheço nem quero conhecer, de modo que – zap – mudo de canal. “Não me abandone, Mariana, não me
abandone!” Abandono, sim. Não tenho o menor remorso, em se tratando de novelas: zap, e agora é um desenho, que eu já vi duzentas
www.professordeodatoneto.com.br
vezes, e – zap – um homem falando. Um homem abraçado à guitarra elétrica, fala a uma entrevistadora. É um roqueiro. Aliás, é o que está
dizendo, que é um roqueiro que sempre foi e sempre será um roqueiro. Tal veemência se justifica, porque ele não parece um roqueiro. É
meio velho, tem cabelos grisalhos, rugas, falta-lhe um dente. É o meu pai.

É sobre mim que fala. Você tem um filho, não tem?, pergunta a apresentadora, e ele, meio constrangido –
situação pouco admissível para um roqueiro de verdade –, diz que sim, que tem um filho, só que não o vê há muito
tempo. Hesita um pouco e acrescenta: você sabe, eu tinha de fazer uma opção, era a família ou o rock. A
entrevistadora, porém, insiste (é chata, ela): mas o seu filho gosta de rock? Que você saiba, seu filho gosta de rock?
Ele se mexe na cadeira; o microfone, preso à desbotada camisa, roça-lhe o peito, produzindo uma desagradável
e bem audível rascar. Sua angústia é compreensível: aí está, num programa local e de baixíssima audiência – e ainda
tem de passar pelo vexame de uma pergunta que o embaraça e à qual não sabe responder. E então ele me olha.
Vocês dirão que não, que é para a câmera que ele olha; aparentemente é isso, aparentemente ele está olhando
para a câmera, como lhe disseram para fazer; mas na realidade é a mim que ele olha, sabe que em algum lugar,
diante de uma tevê, estou a fitar seu rosto atormentado, as lágrimas me correndo pelo rosto; e no meu olhar ele
procura a resposta à pergunta da apresentadora: você gosta de rock? Você gosta de mim? Você me perdoa? –
mas aí comete um erro, um engano mortal: insensivelmente, automaticamente, seus dedos começam a dedilhar as
cordas da guitarra, é o vício do velho roqueiro, do qual ele não pode se livrar nunca, nunca. Seu rosto se ilumina –
refletores que se ascendem? – e ele vai dizer que sim, que seu filho ama o rock tanto quanto ele, mas nesse momento
zap – aciono o controle remoto e ele some. Em seu lugar, uma bela e sorridente jovem que está – à exceção do
pequeno relógio que usa no pulso – nua, completamente nua.
Moacyr Scliar. In: Os Cem Melhores Contos do Século. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001. p. 555-556.
66. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.1) O tema central do texto é sobre:
a) o uso da nova TV com controle remoto.
b) a vida de um roqueiro em decadência.
c) a dor de uma mulher sofrida pela infância pobre.
d) o fato de um menino ver seu pai na TV e se sentir importante.
e) o filho de um roqueiro, que como o pai, também ama guitarra e rock.
67. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.2) No texto, predominam as sequências:
a) argumentativas.
b) dissertativas.
c)expositivas.
d) injuntivas.
e) narrativas.
68. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.3) De acordo com o texto, o pai do menino fez uma
escolha. Essa escolha:
a) foi a causa do seu sucesso como roqueiro.
b) trouxe ao filho alegria e satisfação.
c) fez dele um profissional decadente.
d) causou a união entre pai e filho.
e) uniu toda a família do garoto.
69. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.4) A pergunta que a entrevistadora fez ao pai do
menino deixou-o:
a) angustiado e constrangido.
b) sem graça e tímido.
c) feliz e satisfeito.
d) tímido e alegre.
e) orgulhoso e feliz.

70. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.5) Ao mudar de canal, o menino observa que, num dos
canais, está seu pai sendo entrevistado. Como ele reage à presença de seu pai no programa?
a) Sente-se feliz, pois sempre quis ver seu pai na TV e enviar um recado a ele.
b) Fica encabulado, porque seu pai vai falar que, pelo rock, abandonou a família.
c) Sente-se tocado por aquele olhar que parece querer estabelecer contato com ele e pedir-lhe perdão.
d) Fica nervoso com aquela situação e quer ouvir da boca de seu pai que ele é um pai presente.
e) Sente-se alegre, porque sempre seu pai vai a programas televisivos e fala sobre ser pai.
71. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.6) No texto, a última ação do menino mostra que ele
quis se livrar de uma cena forte demais. Essa cena pode ser interpretada como ver o pai:
a) mentindo, dizendo que o filho gostava de rock como ele.
b) nervoso por não saber o que dizer à entrevistadora.
c) alegre em saber que ele estaria em frente à TV.
d) feliz por entender que o filho já o havia perdoado.
e) mentindo sobre o amor que sentia pelo filho.

Leia o trecho, a seguir, para responder às questões 72 e 73. “Não faz muito que temos esta nova TV com
controle remoto, mas devo dizer que se trata agora de um instrumento sem o qual eu não saberia viver”. (§1)

72. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.7) A palavra destacada no período refere-se a:


www.professordeodatoneto.com.br
a) “controle remoto”.
b) “esta nova TV”.
c) “ao mesmo zap”.
d) “mas devo dizer”.
e) “não faz muito”.
73. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.8) A expressão “Não faz muito” deixa subentendida a
noção de:
a) finalidade.
b) espaço.
c) tempo.
d) lugar.
e) modo.
Leia o texto para responder à questão 74.
Recarregue Aqui
Como vários estabelecimentos oferecem a opção de colocar créditos no celular, o rapaz chega à farmácia de
uma cidade do interior e pergunta alto:
– Tem crédito para OI?
O atendente então responde:
– Para oi só colírio.
Revista Seleções, fevereiro de 2013, p. 69.
74. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.25) O efeito de humor no texto ocorre pela:
a) falta de atenção do atendente.
b) rapidez com que o cliente perguntou.
c) maneira como o atendente respondeu.
d) confusão entre o sentido OI e olho.
e) vida pacata da cidade do interior do Brasil.

Leia o texto ”Aumente o poder do cérebro com exercícios” para responder à questão 75.
Pesquisas revelam que a atividade física melhora a concentração, a memória, a aprendizagem e até estimula
o nascimento de neurônios.
Por Mônica Tarantino e Monique Oliveira
Não é segredo que a atividade física produz inúmeros benefícios para o corpo, mas agora a ciência reuniu
provas suficientes para adicionar um novo e poderoso efeito à sua lista de ações positivas: o aprimoramento do
cérebro. As mais recentes descobertas indicam que a prática regular de exercícios ajuda a pensar com mais clareza,
melhora a memória e proporciona um grande ganho na aprendizagem. Novos estudos sugerem que as mudanças
podem ser ainda maiores, alterando a própria estrutura do órgão ao incentivar o nascimento e o desenvolvimento
de neurônios.
Essas conclusões são de uma ampla revisão de pesquisas que acaba de ser divulgada nos Estados Unidos por
uma das mais renomadas cientistas no campo da neurogênese. Henriette van Praag (Ph.D), do Laboratório de
Neurociências do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos. Henriette e seus colaboradores afirmam que há
maior produção de neurônios e um aumento das substâncias que atuam na nutrição e desenvolvimento dessas
células em animais submetidos a exercícios regulares. O trabalho foi publicado pela revista “Current Topics in
Behavioral Neurosciences”. A cientista detectou ainda que o exercício aumenta a capacidade do cérebro de se
adaptar e criar novas conexões, a chamada neuroplasticidade. Em estudos com ressonância magnética feitos em
indivíduos foi possível também observar que quem se exercita regularmente produz uma intensa atividade no
hipocampo. Essa região cerebral está relacionada à memória e à aprendizagem, e lá estão armazenadas as células-
tronco que darão origem aos novos neurônios.
IstoÉ, Edição n. 2.237, 26/09/2012, p. 70-72. Adaptado.
75. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.1) De acordo com o primeiro parágrafo do texto, a atividade
física tem como objetivo básico:
a) a prática regular de atividade física.
b) a memorização de leituras diversas.
c) o aprimoramento do cérebro.
d) o cuidado pessoal.
e) a vida social.
Leia o texto para responder às questões de 76 a 83.
Ficar desempregado é melhor do que sofrer no trabalho
Estudo feito com 7.155 pessoas revela: para quem tem um emprego ruim, a rua traz mais felicidade do que o
escritório.
Por Fernando Badô e Bruno Garattoni.
Sabe aquele seu vizinho que não trabalha, mas vive sorrindo? A explicação pode estar num estudo realizado
por cientistas australianos, que acompanharam 7.155 homens e mulheres entre 20 e 55 anos de idade e concluíram:
ficar desempregado, seja por vontade própria, seja por demissão, pode aumentar o nível de felicidade das pessoas.
Ao longo de 7 anos, os pesquisadores aplicaram questionários para medir o grau de felicidade dos voluntários,
cujos empregos também foram analisados em 4 aspectos: nível de desafio, grau de autonomia, salário e perspectivas
de carreira. O objetivo era determinar quais empregos eram bons ou ruins.
As pessoas que estavam trabalhando, em bons empregos, eram sempre mais felizes – marcando em média
75,1 pontos na escala criada pelos cientistas. Em seguida vinham os desempregados e os trabalhadores com
empregos ruins, ambos com 68,5 pontos. Empate, então desemprego é a mesma coisa que emprego ruim, certo?
www.professordeodatoneto.com.br
Errado: o desemprego é melhor. Ao longo do estudo, quem trocou o desemprego por um emprego ruim viu
sua felicidade cair mais ainda, perdendo 6 pontos a cada ano. Já quem continuou sem fazer nada perdeu apenas
1 ponto.
Ou seja: ficar sem emprego é ruim, mas sofrer no trabalho é ainda pior. “O emprego ruim faz a pessoa perder
a saúde mental”, diz Peter Butterworth, psiquiatra da Universidade Nacional da Austrália e coordenador da pesquisa.
(Superinteressante n. 294, ago. 2011, p. 22. Disponível em: http://super.abril.com.br/saude/ficar-desempregado-melhor-sofrer-trabalho-638115.shtml. Acesso em 15.10.2011.)

76. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.1) Levando em conta o texto em sua totalidade, é


correto afirmar que:
a) sofrer no emprego é pior do que ficar desempregado.
b) ser desempregado é algo melhor que ter de trabalhar.
c) ter bom emprego traz cansaço e felicidade em dobro.
d) trabalhar é sempre bom em qualquer situação.
e) estar sem emprego é sempre tão ruim.
77. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.2) No subtítulo “Estudo feito com 7.155 pessoas revela:
para quem tem um emprego ruim, a rua traz mais felicidade do que o escritório.”, o sentido da palavra grifada é:
a) trabalhar ao ar livre.
b) trabalhar fora do escritório.
c) trabalhar fora de casa.
d) trabalhar no escritório.
e) ficar sem trabalho.
78. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.3) Os itens, a seguir, apresentam ocorrências presentes
no texto lido e que o configuram como uma notícia, EXCETO:
a) A linguagem é clara, objetiva e proporciona rápida compreensão ao leitor.
b) As sequências textuais predominantes são expositivas.
c) O primeiro parágrafo sintetiza os traços peculiares referentes ao fato noticiado.
d) As informações mais detalhadas encontram-se nos parágrafos dois a cinco.
e) O tratamento das informações revela traços de intensa subjetividade.
79. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.4) De acordo com a pesquisa divulgada no texto:
I – Ficar desempregado, seja por vontade própria, seja por demissão, pode aumentar o nível de felicidade das
pessoas.
II – Pessoas que estavam trabalhando, em bons empregos, nem sempre eram mais felizes.
III – Quem trocou o desemprego por um emprego ruim viu sua felicidade cair mais ainda.
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas a afirmativa I está correta.
b) Apenas as afirmativas I e II estão corretas.
c) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
d) Todas as afirmativas estão corretas.
e) Todas as afirmativas estão erradas.
80. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.5) Assinale a alternativa em que a palavra grifada é um
conector de oposição.
a) Sabe aquele seu vizinho que não trabalha, mas vive sorrindo?
b) A explicação pode estar num estudo realizado por cientistas australianos.
c) As pessoas que estavam em bons empregos, eram sempre mais felizes.
d) Então desemprego é a mesma coisa que emprego ruim, certo?
e) O objetivo era determinar quais empregos eram bons ou ruins.
Leia o trecho para responder as questões 81 e 82.
“A explicação pode estar num estudo realizado por cientistas australianos, que acompanharam 7.155 homens
e mulheres entre 20 e 55 anos de idade e concluíram: ficar desempregado, seja por vontade própria, seja por
demissão, pode aumentar o nível de felicidade das pessoas.”
81. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.6) O conector QUE retoma:
a) cientistas australianos.
b) homens e mulheres.
c) desempregado.
d) estudo.
e) pessoas.

82. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.7) No enunciado “...seja por vontade própria, seja por
demissão...” fica explícita a ideia de:
a) adversidade.
b) conclusão.
c) explicação.
d) alternância.
e) adição.
83. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.9) Assinale a afirmação FALSA sobre as expressões,
seguidas de dois pontos, “Errado:” (início do quinto parágrafo) e “Ou seja:” (início do sexto parágrafo).
a) As duas expressões funcionam como conectores de explicitação/particularização.
b) “Errado:” introduz, no quinto parágrafo, resposta à pergunta feita no quarto parágrafo.
www.professordeodatoneto.com.br
c) “Ou seja:” introduz, no sexto parágrafo, explicação do que foi afirmado no quinto parágrafo.
d) “Errado:” (quinto parágrafo) estabelece relação de interdependência com o quarto e o sexto parágrafos.
e) “Ou seja:” (sexto parágrafo) estabelece relações de sentido apenas com o que foi afirmado no quinto parágrafo.
84. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.17) Leia o texto.
Você melhor.
O mundo melhor.
Para celebrar os bons momentos da vida e se inspirar, compartilhando ideias e lições, mais de 1.300.000 pessoas
leem Seleções todos os meses. Porque Seleções, que está entre as cinco maiores revistas do Brasil, é a única cujo
conteúdo celebra o espírito humano, sem perder o senso de humor.
(Seleções Reader’s Digest. Agosto 2011).
Na construção das relações de sentido nesse anúncio publicitário, assinale a função do conectivo “porque”.
a) Explicar o fato de Seleções se uma das cinco revistas mais lidas.
b) Acrescentar o substantivo “Seleções” ao substantivo “Brasil”.
c) Substituir sinal de pontuação na estrutura sintática.
d) Exercer a mesma função de uma preposição.
e) Introduzir a justificativa para se ler Seleções.
Leia o texto, a seguir, para responder às questões 85 a 89.
A contiguidade cria novos sentidos
Um exemplo é a palavra sucesso, que até o século XIX significava apenas acontecimento.
Antônio Suárez Abreu. Linguista, Professor Livre-Docente da USP e Titular da UNESP.
Uma das características da linguagem é integrar o significado de uma palavra a outra, em razão de aparecerem
frequentemente juntas, contíguas. Por esse motivo é que dizemos celular em vez de telefone celular, uma vez que o
significado de telefone já foi integrado na palavra celular. O mesmo ocorre quando, vendo um jogo de futebol,
alguém diz que um jogador bateu bem o lateral usando lateral por arremesso lateral. Mas, se quisermos ser pouco
econômicos e empregar as expressões inteiras, também podemos fazê-lo, dizendo meu telefone celular tocou ou ele
bateu bem o arremesso lateral. Isso acontece porque os adjetivos celular e lateral continuam a ser empregados em
outras circunstâncias, como: envelhecimento celular da pele ou apoio lateral de um braço.
Há palavras, contudo, que, depois de terem sofrido a agregação do significado vindo de outra palavra contígua,
tornam-se especializadas nesse novo sentido e, por essa razão, não são mais empregadas em suas expressões
anteriores inteiras. Esse é o caso da palavra sucesso. Até o século XIX, sucesso significava apenas um
acontecimento, aquilo que sucede. Para dizer se era um acontecimento positivo ou negativo, havia sempre a
necessidade de um adjetivo, como podemos ver nos exemplos: “Assegurai à casadinha um bom sucesso!” (Athur
Azevedo); “...não havia de querer voltar para o reino com tão mau sucesso...”(Joaquim N. S. Silva). Aliás, existe no
Rio de Janeiro um bairro chamado Bonsucesso, nome que provém de uma capela lá construída em louvor a Nossa
Senhora do Bom Sucesso. O nome original, em Portugal, era Nossa Senhora do Bom Sucesso dos Agonizantes, uma
variante de Nossa Senhora da Boa Morte, que assegurava aos que morriam um desenlace sem sofrimento.

Com o hábito de empregar mais vezes o adjetivo bom à palavra sucesso, esse adjetivo acabou, no século XIX,
incorporado à palavra sucesso, por contiguidade, de tal modo que essa palavra nos dias de hoje somente se
emprega nesse novo sentido como em” ...mas na verdade ninguém explica a química do sucesso ou do fracasso”
(Agildo Ribeiro); “agora mesmo, em Buenos Aires, há um musical de sucesso.” (Mario Benedetti). Dada essa
especialização da palavra sucesso, ela não mais se emprega no sentido de acontecimento. Ninguém diz mais, por
exemplo, que o jornal aborda os sucessos que construíram o Brasil, mas o jornal aborda os acontecimentos que
construíram o Brasil.
(Recorte do texto original que tem mais dois parágrafos).
Fonte: Ave, Palavra. Linguagem. Carta na Escola. Agosto de 2011, n. 58, p. 35.
85. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.1) O objetivo central do texto lido é
mostrar:
a) por que o significado da palavra sucesso não é mais acontecimento.
b) que se pode dizer “celular e vez de telefone celular, uma vez que o significado de telefone já foi integrado na
palavra celular”.
c) que, “vendo um jogo de futebol, alguém diz que um jogador bateu bem o lateral usando lateral por arremesso
lateral.”
d) que “os adjetivos celular e lateral continuam a ser empregados em outras circunstâncias, como: envelhecimento
celular da pele ou apoio lateral de um braço”.
e) que as palavras celular e telefone celular têm significados diferentes assim como lateral e arremesso lateral.
86. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.2) Considerando a sequência de
informações apresentadas anteriormente no primeiro parágrafo, a ocorrência do operador argumentativo “mas”
indica o acréscimo de argumentos que sinalizam a ideia de:
a) comparação.
b) conclusão.
c) comprovação.
d) contraste.
e) conformidade.
87. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.3) observe: “Isso acontece porque
os adjetivos celular e lateral continuam a ser empregados em outras circunstâncias, como: envelhecimento celular
da pele ou apoio lateral de um braço”.
Nesse recorte, os articuladores “porque” e “como” indicam encadeamento de enunciados sucessivos,
respectivamente, por:
www.professordeodatoneto.com.br
a) condicionalidade e modo.
b) temporalidade e conformidade.
c) finalidade e comparação.
d) oposição e conclusão.
e) causalidade e exemplificação.
88. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.4) Julgue as seguintes afirmações e,
a seguir, assinale a alternativa correta.
A – O articulador “contudo” sinaliza, nesse início do segundo parágrafo, que nele serão introduzidas informações
diferentes das apresentadas no primeiro parágrafo.
B – Em “Há palavras, contudo, que”, a forma verbal “há” é impessoal e em sentido de “existir”; o articulador “que” é
um pronome relativo que se refere a “palavras”.
C – Existem palavras que, após terem sofrido a agregação do significado vindo de outra palavra vizinha, tornam-se
especializadas nesse novo sentido.
D – Palavras que se tornam especializadas continuam a ser empregadas em suas expressões anteriores inteiras.
Estão corretas:
a) A e C apenas.
b) B e C apenas.
c) A, B e C apenas.
d) B e D apenas.
e) D apenas.

89. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.6) Considerando o sentido global


do texto, é correto afirmar que, atualmente, a palavra sucesso tem o sentido de:
a) acontecimento.
b) fato.
c) ocorrência.
d) evento.
e) êxito.
Leia o recorte a seguir, para responder à questão 90.
“O Mal de Alzheimer deteriora algumas regiões do cérebro, que alteram o comportamento físico, mental, a
linguagem, entre outros, levando à demência.
90. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.15) O pronome relativo “que” em
“que alteram” retoma:
a) “em todo mundo”.
b) “milhões de portadores”.
c) “conjunto de doenças”.
d) “população geriátrica”.
e) “algumas regiões do cérebro”.
Para responder às questões 91 a 96, leia o texto a seguir.
Quem vê carro quer ver coração
Luís Antônio Giron
Por que os adesivos na traseira dos veículos substituem as relações humanas – e povoam a solidão do trânsito.
[...]
De um templo para cá, noto que os carros e até os caminhões andam exibindo bonequinhos que representam
um grupo de pessoas. São figurinhas simples, quase desprovidas de senso artístico que começaram a povoar todo
tipo de veículo. Elas não estão ali apenas para fins de decoração, como anos atrás acontecia com Bart Simpson,
Pink e o Cérebro e outros personagens de desenho animado. Não: as novas imagens têm um sentido específico, elas
representam quem está dentro do carro, ou melhor, quem o ocupa habitualmente: há conjuntos com pai, mulher e
filhos; outros já trazem o gato e o cão; há os que incluem até a sogra no alegre grupo de passageiros. A moda pegou.
Trata-se de uma nova forma de afetividade. É também uma forma de informar que dentro do carro tem gente, tem
muita gente. E também de parecer inofensivo aos outros motoristas. Alguns especialistas chegam a dizer que as
“familinhas” põem os passageiros em perigo, pois assim os bandidos podem detectar facilmente que está dentro do
veículo que pretendem assaltar. É um pouco de paranoia desses experts.
Não vejo perigo nem desdouro nos adesivos de identidade. Eles são veículos de proteção e de aproximação,
formas de expressão de credo, origem, profissão e vínculo. Nada mais. Aqui do meu carro lento, suponho que o
problema não seja o que desejam dizer, mas o que evitam dizer: as figurinhas passaram a servir como substitutos das
relações humanas reais. Funcionam como uma anestesia à solidão que, apesar de toda a nova iconografia, insiste
em existir. Quem vê carro quer ver coração. Mas acaba por enxergar o vazio que quer se ocultar sob a aparência
de algum sentido.
(Recorte do artigo Quem vê carro quer ver coração. Época, 29/3/2011. Com adaptações). Disponível em:
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI221806-15230,00.html. Acesso em 15/4/2011.
91. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.1) Ao longo do texto, o termo
bonequinhos É retomado pelas expressões:
a) carros, caminhões, veículos.
b) figurinhas simples, novas imagens, “familinhas”.
c) personagens, motoristas, especialistas.
d) bandidos, passageiros, experts.
e) formas, outros motoristas, pessoas.
www.professordeodatoneto.com.br
92. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.2) Assinale o enunciado do texto
em que não há referência “a qualquer meio usado para transportar ou conduzir pessoas, animais ou coisas, de um
lugar para outro”:
a) [...] os carros e até os caminhões andam exibindo bonequinhos que representam um grupo de pessoas.
b) São figurinhas simples quase desprovidas de senso artístico que começaram a povoar todo tipo de veículo.
c) [...] as novas imagens têm um sentido específico, elas representam quem está dentro do carro [...].
d) Aqui do meu carro lento, suponho que o problema não seja o que desejam dizer, mas o que evitam dizer [...].
e) Eles [os adesivos] são veículos de proteção e de aproximação, formas de expressão de credo, origem, profissão e
vínculo.
93. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.3) Assinale a opção correta a
respeito da organização das ideias no texto.
a) O desenvolvimento da argumentação sugere que o autor tem uma posição contrária ao uso de adesivos na
traseira dos veículos.
b) Pelo emprego de verbos e pronomes no texto, o autor não inclui o leitor na argumentação do texto.
c) Depreende-se da argumentação do texto que, na conclusão, o autor confirma o que anunciou no título.
d) A questão em torno da qual se organiza a argumentação do texto é a solidariedade no trânsito.
e) Pelo emprego de verbos e pronomes no texto, o autor se inclui na argumentação do texto, assim como o leitor.
94. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.4) O enunciado que apresenta
uma síntese dos principais tópicos desenvolvidos no texto é:
a) “Por que os adesivos na traseira dos veículos substituem as relações humanas – e povoam a solidão do trânsito.”
b) “São figurinhas simples, quase desprovidas de senso artístico que começaram a povoar todo tipo de veículo.”
c) “Não: as novas imagens têm um sentido específico.”
d) “Não vejo perigo nem desdouro nos adesivos de identidade.”
e) “Trata-se de ma nova forma e afetividade.”
95. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.5) Considerando o contexto em
que a expressão Quem vê carro quer ver coração foi empregada, entende-se que, com ela, o autor parafraseia o
provérbio Quem vê cara não vê coração, para:
a) expor e discutir o cotidiano do trânsito.
b) produzir um texto mais objetivo e coeso.
c) criar e manter suspense a respeito do assunto focalizado.
d) explicar o título e introduzir a conclusão do texto.
e) apresentar e desenvolver um argumento secundário
96. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.6) Assinale o enunciado com o
qual o autor NÃO confirma a expectativa criada pelo título do texto:
a) “Elas não estão ali apenas para fins de decoração..”.
b) “É um pouco de paranoia desses experts”.
c) “Eles são veículos de proteção e de aproximação...”.
d) “(os adesivos são) formas de expressão de credo, origem, profissão e vínculo. Nada mais.
e) “Mas acaba por enxergar o vazio que quer se ocultar sob a aparência de algum sentido”.
Leia o texto abaixo para responder à questão 97.
Fórmula 1 fora da lei
por Fernando Badô
Melhor engenheiro da F-1 imagina como as corridas seriam se não existisse regulamento – e inventa um carro
capaz de chegar a 400 km/h.
O inglês Adrian Newey é considerado o maior gênio da F-1 – inventou vários carros revolucionários, que
ganharam muitas corridas para Williams, McLaren e Red Bull. Parte do talento dele está em explorar brechas no
regulamento (projetou a Red Bull deste ano com um aerofólio flexível, o que em tese é proibido). Mas, agora, Newey
teve liberdade total para ousar: criou um carro que ignora completamente as regras. É o Red Bull X1, que tem quase
o dobro da potência de um Fórmula 1 e chega a 400 km/h. E não é preciso ser piloto profissional para guiá-lo: o carro
faz parte de Gran Turismo 5, game para PlayStation 3 cujo lançamento está previsto para este mês. O X1 é o prêmio
máximo do jogo, ou seja, é preciso vencer dezenas de corridas para ter acesso a ele. Mas dizem que vale a pena.
“É um carro fantástico”, afirma o piloto Sebastian Vettel, que pilotou virtualmente o X1 no circulo de Suzuka – onde
foi 11 segundos mais rápido do que um F-1 normal.
Fonte: Super Dezembro de 2010 – Supernovas (p.28). Disponível em: http://super.abril.com.br/esporte/formula-1-fora-lei-614273.shtml. Acesso em: 11/5/2011.

97. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.14) Qual alternativa melhor


justifica o título “Fórmula 1 fora da lei”?
a) Newey inventou vários carros revolucionários, que ganharam muitas corridas.
b) Parte do talento de Newey está em explorar brechas no regulamento.
c) Newey teve liberdade total para ousar: criou um carro que ignora completamente as regras.
d) Não é preciso ser piloto profissional para guiar o Red Bull X1.
e) O Red Bull X1 faz parte de Gran Turismo 5, game para PlayStation 3 cujo lançamento está previsto para este mês.
Para responder às questões de 98 a 101, leia o texto do jornalista Sérgio Rodrigues, transcrito do blog “Sobre Palavras”,
publicado em 1º/2/2011, às 16h32min.
O que o cálculo matemático tem a ver com o renal
Muita gente se espanta que a palavra cálculo seja usada para designar a popular pedra no rim. Como foi
acontecer de um termo da matemática se meter com aquilo? O que ocorre, porém, é o oposto. Cálculo vem do
latim calculus, diminutivo de calx, que quer dizer “pedra”. Pois é: cálculo é pedrinha, palavra perfeita para expressar
aquele acúmulo mineral que se forma em certos órgãos e que frequentemente tortura os que dele sofrem.
www.professordeodatoneto.com.br
A acepção de conta, operação ou conjunto de operações matemáticas é que precisou, para se firmar, de uma
dose de metonímia: na antiguidade, usavam-se pedrinhas para efetuar contas.
Disponível em: http://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/page/6/. Acesso em: 6/5/2011.
98. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.1) O título do texto poderia ser substituído, sem prejuízo
do sentido, por:
a) Cálculo matemático versus cálculo renal.
b) O cálculo matemático tem relação direta com o cálculo dos rins.
c) A relação de sentido entre as expressões cálculo matemático e cálculo renal.
d) O cálculo renal e o cálculo matemático?
e) Do cálculo matemático ao cálculo renal.
99. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.2) O objetivo central do texto é explicar que, na
acepção de “pedra”, a palavra cálculo:
a) designa a popular pedra no rim, mas é da área da matemática.
b) vem do latim calculus, diminutivo de calx, que quer dizer “pedra”.
c) refere-se a um acúmulo mineral formado na vesícula.
d) designa uma pedrinha formada por acúmulo mineral apenas nos rins.
e) é que designa a operação matemática em que, antigamente, usavam-se pedrinhas para fazer contas.
100. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.3) O uso de termos e expressões coloquiais é comum
em textos publicados em blog. Leia os seguintes enunciados transcritos do texto lido.
I – “Cálculo vem do latim calculus, diminutivo de calx, que quer dizer “pedra.”
II – “A acepção de conta, operação ou conjunto de operações matemáticas é que precisou, para se firmar, de uma
dose de metonímia.”
III – “Como foi acontecer de um termo da matemática se meter com aquilo?.”
É (são) marcado(s) por ocorrência de coloquialismo o(s) enunciado(s) lido(s) em:
a) I, II e III.
b) II e III apenas.
c) I e III apenas.
d) II apenas.
e) III apenas.

101. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.4) A palavra grifada no enunciado “O que ocorre,
porém, é o oposto.” pode ser substituída, sem prejuízo para o sentido, por:
a) contudo.
b) contanto.
c) conquanto.
d) por isso.
e) por conseguinte.
As questões de números 102 e 103 referem-se aos textos a seguir.
Texto 1
O Direito de Ir e Vir
Carlos Drummond de Andrade
Vamos trabalhar pela afirmação (ou reafirmação) da existência do pedestre, a mais antiga qualificação humana
do mundo. Da existência e dos direitos que lhe são próprios, tão simples, tão naturais, e que se condensam num só:
o direito de andar, de ir e vir, previsto em todas as constituições... o mais humilde e o mais desprezado de todos os
direitos do homem. Com licença: queremos passar.
(Crônica publicada em Jornal do Brasil de 9/5/82-Domingo. Com adaptações).
Disponível em: http://www.pedestre.org.br/. Acesso em 13/5/2001.
Texto 2
Pedestres somos todos nós que andamos a pé no espaço público. Também é pedestre o portador de deficiência
física. Ser pedestre é uma condição natural do ser humano. Com o objetivo de poupar sua energia muscular e de
dispor de maior conforto e mobilidade, especialmente em percursos longos, o homem, criou e desenvolveu tipos de
veículos e de sistemas de tração. A partir daí surgiram duas novas condições: a de passageiro e a de condutor. Estas
últimas, porém, não são naturais e sim criadas pelo homem. Somos pedestres. Estamos passageiros e condutores.
(São Paulo, agosto de 2000. Com adaptações). Disponível em: http://www.pedestre.org.br/. Acesso em 9/5/2011.
102. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.8) Os textos têm assunto comum, pois discutem:
a) os direitos e os deveres do pedestre no trânsito.
b) os deveres e os direitos do pedestre nas áreas urbanas.
c) a existência e a caracterização dos pedestres.
d) a configuração e os direitos do pedestre no espaço público.
e) os tipos de veículos e de sistemas de tração em percursos longos.
103. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.9) Embora muito distantes entre si na linha do tempo,
os textos aproxima-se, pois o ideal que ambos defendem é:
a) o direito de andar, de ir e vir, como a condição natural e a qualificação mais antiga do ser humano.
b) o sonho de uma vida mais simples e natural nos centros urbanos.
c) os direitos e os deveres básicos do pedestre nas vias públicas.
d) o respeito mútuo entre pedestres e motoristas no trânsito.
e) o respeito ao pedestre é questão de cidadania.
www.professordeodatoneto.com.br

SÍLABAS. ENCONTROS VOCÁLICOS E CONSONANTAIS.


DÍGRAFOS. TONICIDADE.
1. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.11) Assinale a alternativa
em que a palavra grifada NÃO apresenta hiato.
a) Ele saiu de casa cedo, ontem.
b) O bombeiro agiu com heroísmo.
c) Você pronunciou bem as palavras.
d) João indicou o caminho ao turista.
e) Toda criança precisa ter boa saúde.
2. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.18) Analise
as palavras a seguir, observando os encontros vocálico/consonantal e os dígrafos.
I. presidente II. concretizarão III. vigência
Deduz-se que:
a) todas têm dígrafo.
b) todas contêm encontro consonantal.
c) II e III apresentam ditongo decrescente.
d) I possui dois encontros consonantais.
e) I e II contêm mais de um encontro consonantal.
3. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.17) Faça a
correspondência adequada entre as palavras da primeira coluna e os elementos da segunda coluna: tonicidade,
número de sílabas e encontros vocálicos.

1. cheio ( ) monossílabo átono.

2. saúde ( ) paroxítona com ditongo


crescente.

3. memória ( ) dígrafo consonantal.

4. de ( ) hiato.

5. longevidade ( ) polissílabo.

Assinale a sequência que corresponde à classificação adequada.


a) 1 – 2 – 3 – 4 – 5.
b) 4 – 3 – 1 – 2 – 5.
c) 5 – 4 – 3 – 2 – 1.
d) 3 – 1 – 4 – 5 – 2.
e) 2 – 1 – 4 – 5 – 3.
4. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.20) Assinale a alternativa
que apresenta os dois itens com palavras separadas de forma INCORRETA.
I – i-de-ia / pres-cin-dir / em-xa-gu-em.
II – e-gíp-cio / ex-ce-ção/ sub-lo-car.
III – ru-im / pers-pi-cá-cia / nos-tal-gi-a.
IV – se-cção / a-pto / mag-ma.
a) II e IV.
b) II e III.
c) I e IV.
d) III e IV.
e) I e II.

5. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.21) Observe a seguinte frase:


“Entidade que reúne jornalistas, blogs e entidades que batalham uma mídia mais democrática no Brasil lança
campanha para ampliar sua atuação.”
Assinale as palavras incluídas nessa frase que apresentam, respectivamente, um hiato e um ditongo crescente:
a) reúne – mídia.
b) blogs – batalham.
c) Brasil – lança.
d) democrática – entidades.
e) ampliar – atuação.
www.professordeodatoneto.com.br
6. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.9) Quanto aos encontros consonantal, vocálico e
dígrafos, assinale a alternativa que contém a classificação INCORRETA da palavra do texto, respectivamente.
a) bombeiros: dígrafo e ditongo decrescente.
b) incêndios: dígrafo, dígrafo e ditongo crescente.
c) principais: encontro consonantal, dígrafo e ditongo decrescente.
d) intervenção: três encontros consonantais e ditongo decrescente.
e) conselho: dígrafo e dígrafo.
7. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.6) Analise as seguintes palavras do
texto, verificando os encontros vocálico / consonantal e os dígrafos.
I – Importância IV – Meio
II – Questões V – Que
III – Distanciamento VI – Concentrar
Conclui-se que:
a) ocorre dígrafo em I, II, III, V e VI.
b) o item IV contém tritongo.
c) não há encontro vocálico no item I.
d) em nenhum item está presente o hiato.
e) no item VI, há somente encontro consonantal.
8. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.9) Assinale a alternativa que contém
todas as palavras com a divisão silábica correta.
a) ga – i – o – la / ra – di – ou – vin – te / ex – ces – so.
b) sai – a / sa – í – a / a – fta / psi – co – lo – gia.
c) a – mné – sai / dis – pne – ia / ra – ci – o – cí – ni – o.
d) des – en – can – ta / rit – mo / pi – sci – na.
e) de – síg – nio / su – pers – ti – ção / goi – a – bei – ra.
9. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.9) Assinale a alternativa em que se tem numa mesma palavra
um encontro consonantal e um encontro vocálico.
a) Século.
b) Diarreia.
c) Instituto.
d) Secretário.
e) Saneamento.
10. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.10) Quanto ao acento gráfico, as palavras têm, século, tonéis
e Tietê são respectivamente:
a) monossílaba tônica, proparoxítona, oxítona, oxítona.
b) oxítona, monossílaba tônica, proparoxítona, oxítona.
c) proparoxítona, monossílaba tônica, paroxítona, oxítona.
d) monossílaba átona, monossílaba tônica, paroxítona, oxítona.
e) monossílaba átona, monossílaba tônica, oxítona, paroxítona.

11. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.11) Assinale a alternativa em que há um hiato em uma das
palavras.
a) “Os londrinos jogavam dejetos nas valas...”.
b) “[...] impraticável, até que o engenheiro entrou em cena.”.
c) “Assim temos o Tietê hoje, igual ao Tâmisa do século 19.”.
d) “[...] Divinópolis (MG) de molho em casa com dor de barriga.”.
e) “O que acontece é que ligações clandestinas se conectam [...]”.
12. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.17) Assinale a alternativa em que há dígrafo consonantal em
todas as palavras:
a) ninho – cresça – chapéu – telha.
b) manhã – guerra – quilo – campo.
c) táxi – prato – blusa – pássaro.
d) pêssego – santo – chave – prata.
e) exceção – tanto – malha – flama.
13. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.11) Assinale a alternativa que apresenta duas palavras
polissílabas proparoxítonas.
a) família – está.
b) você – número.
c) lágrimas – família.
d) elétrica – baixíssima.
e) compreensível – tevê.
14. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.12) Assinale a alternativa em que a separação silábica
está correta.
a) Telespectador: te-les-pec-ta-dor
b) Admirável: a-dmi-rá-vel
c) Fantasiosa: Fan-tas-io-sa
d) Admissível: adm-issí-vel
e) Dedilhar: de-dil-har
www.professordeodatoneto.com.br
15. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.21) Assinale a única alternativa que apresenta uma
palavra com dígrafo.
a) Táxi.
b) Mais.
c) Dados.
d) Famílias.
e) Carinhosas.
16. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.4) Marque a única sequência que apresenta encontros
consonantais nos três vocábulos.
a) segredo, aprimoramento, cérebro.
b) atividade, aprendizagem, lista.
c) pesquisas, nascimento, física.
d) dessas, provas, animais.
e) mais, até, poder.
17. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.20) Assinale a alternativa que apresenta duas palavras
trissílabas, paroxítonas.
a) também – prédio
b) caía – juízo
c) só – saguão
d) contrição – nuvem
e) aproximava – decidi

18. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.16) Em qual das alternativas abaixo as duas palavras
estão sujeitas à redução do ditongo, fenômeno frequente no português falado no Brasil?
a) “alguém” e “tem”
b) “aguardar” e “ riu”
c) “meu” e “sofreu-me”
d) “pois” e “pensei”
e) “louça” e “queijo”
19. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.10) Assinale a alternativa em que
todas as palavras têm o mesmo número de sílabas.
a) Noite, saíam, enchiam, dormiu.
b) Rasteiras, crescer, segundo, feitor.
c) Saudade, ainda, saúde, ruído.
d) Roupa, sua, surgiram, eram.
e) Leitura, loura, ouviam, sentia.
20. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.17) As palavras “manhã, madrugava, Clara e morria”,
contêm, respectivamente:
a) dígrafo, encontro vocálico, encontro consonantal e dígrafo.
b) dígrafo, encontro vocálico, encontro vocálico e dígrafo.
c) dígrafo, encontro consonantal, encontro consonantal e dígrafo.
d) dígrafo, dígrafo, encontro consonantal e dígrafo.
e) dígrafo, dígrafo, encontro vocálico e dígrafo.
21. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.11) Nas palavras tinha, passei e professor:
a) há dígrafo na primeira, mas não há nas duas últimas.
b) há dígrafo nas duas primeiras, mas não há na última.
c) não há dígrafo na primeira, mas sim nas duas últimas.
d) há dígrafo em todas as três.
e) concorda com a expressa.
22. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.18) Assinale a alternativa que apresenta apenas palavras
trissílabas:
a) época, sonho, habilidade, pés
b) monossílaba, integridade, motivo, público
c) gratuito, intuito, mascote, compasso
d) polissílaba, time, escola, vida
e) dissílaba, disciplina, suspeito, outras
23. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.8) Marque a única sequencia em que, nos três vocábulos, há
encontros consonantais.
a) professores – grupos – claramente.
b) isso – pesquisa – frustam.
c) deveriam – aprender – coisas.
d) sobre – aqueles – possibilidade.
e) mundo – não – ignorem.
24. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.2) Dadas as palavras:
1. pas – sos.
2. fa – cção.
3. bair – ros.
4. pa – í – ses.
www.professordeodatoneto.com.br
Constata-se que a separação silábica está correta apenas em:
a) 1, 3 e 4.
b) 2, 3 e 4.
c) 1, 2 e 3.
d) 2 e 4.
e) 1 e 4.

REFORMA ORTOGRÁFICA - 2009. ACENTUAÇÃO. PROSÓDIA.

ORTOGRAFIA

1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.9) Assinale a alternativa que contém o grupo de palavras
com a ortografia dentro das normas da variedade padrão.
a) trage – gengibre – majestoso – pequinez.
b) escassez – pretensão – obcecar – hombridade.
c) contensão – enxarcar – enfarto – confissionário.
d) curinga – incorporar – mantegueira – chipanzé.
e) enfarte – freiada – envólucro – explendido.
2. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.13) Leia as
frases a seguir, julgando o emprego das palavras sublinhadas.
I – Este é o ideal porque luto.
II – Esse porquê do problema está em você mesmo.
III – Sei por que ela não veio.
IV – Você procurou entender por quê?
Assinale a alternativa que contém justificativa correta.
a) I: deveria estar escrito “por que”, pois pode ser substituído por “pelo qual”.
b) II: o correto é sem acento; funciona como preposição: a causa do problema.
c) III: está incorreta; é uma conjunção explicativa.
d) IV: a colocação do acento está correta, mas deveria ser uma só palavra.
e) I e IV: já que funcionam como substantivo, a primeira deve ter acento e a segunda necessita do artigo.
3. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.19)
Algumas regras do hífen foram alteradas pelo Novo Acordo Ortográfico. Coloque (V) para a(s) afirmação(ões)
verdadeira(s) e (F) para a(s) falsa(s).
( ) Usa-se sempre hífen diante de palavra iniciada por “h”. Exemplo: co-herdeiro / sub-humano.
( ) Não se usa hífen quando o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que inicia o segundo elemento.
Exemplos: coautor / autoinstrução.
( ) Quando o prefixo termina por vogal, usa-se hífen se o segundo elemento começar pela mesma vogal. Exemplos:
semi-interno / co-obrigação.
( ) Não se usa hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por “r” e “s”; dobram-se essas
letras. Exemplos: semirreta / contrassenso.
( ) Quando o prefixo termina por consoante, usa-se hífen se o segundo elemento começar por vogal. Exemplos: super-
exigente / inter-estudantil.
A sequência correta é:
a) V – F – V – F – V.
b) F – V – F – V – F.
c) V – V – F – F – V.
d) F – F – V – F – V.
e) V – F – F – V – V.
4. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.11) Sabendo que
algumas regras do uso do hífen foram alteradas pelo Novo Acordo Ortográfico (ou se mantiveram), observe estes
grupos de palavras:
I. extraescolar / anteprojeto / antirracismo.
II. anti-imperialista / inter-racial / super-racista.
III. sub-raça / superproteção / coobrigação.
IV. manda-chuva / subárea / ultra-som.
Estão corretas somente as palavras dos itens:

a) I, II e IV.
b) II e III.
c) III e IV.
d) I, II e III.
e) I e II.
5. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.7) Considere os seguintes enunciados:
I – “E___igência para leilão de Confins e Galeão diminui”.
www.professordeodatoneto.com.br
II – “Cena de tubarões devorando carca___a de baleia surpreende turistas nos EUA”.
III – “Operação Parasitas prende 23 por esquema de extor___ão na Vigilância Sanitária”.
IV – “Cientistas dizem ter conseguido, pela primeira vez, criar um registro fonético de um antigo idioma falado por
nosso an___estrais há 4.000 anos”.
V – “Água radioativa va___a de usina nuclear de Fukushima, no Japão”.
a) x – ç – s – c – z.
b) x – ç – c – z – s.
c) z – s – ç – s – z.
d) x – c – s – s – s.
e) s – c – c – s – s.
6. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.24) No trecho “Os motivos pelos quais não veio são
desconhecidos.”, a expressão sublinhada pode ser substituída, sem prejuízo do sentido, pela forma:
a) por que.
b) por quê.
c) porquê.
d) porque.
e) o por quê.
7. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.25) Aponte o duplo erro ortográfico:
a) execução – ação.
b) contenção – detenção.
c) garagem – pajem.
d) lojista – sujo.
e) queigeiro – viageiro.
8. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.25) Assinale a alternativa que
apresenta palavras que NÃO são grafadas com a inicial H.
a) ___omem/___umor.
b) ___erval/___ornamental.
c) ___eroico/___esitar.
d) ___erói/___erdar.
e) ___eroísmo/___istória.
9. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.11) O grupo de palavras correto quanto à ortografia
está na alternativa:
a) mexirico – seringa – possue.
b) toráxico – reboliço – meteorologia.
c) borburinho – carangueijo – cutia.
d) aborígine – desperdício – seriema.
e) meretíssimo – prevenir – digladear.
10. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.9) Segundo o Acordo Ortográfico
da Língua Portuguesa (2009), não se usa hífen quando o prefixo ou falso prefixo termina em vogal e o segundo
elemento começa por vogal diferente ou consoante. Considerando essa regra, assinale a alternativa correta:
a) Extra-escolar
b) Supra-estrutura
c) Autoinstrução
d) Auto-pista
e) Contra-ordem

11. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.23) Complete as lacunas com o uso


adequado do porquê.
a) Avisei _________________ desejo o seu bem.
b) Todos sabem o ____________________ de sua alegria.
c) ___________________ você não veio à aula ontem?
d) Desconheço o motivo __________________ você não veio.
e) Você se atrasou _____________________ ?
A alternativa que indica a sequência correta para o preenchimento das lacunas é:
a) porque/porquê/por que/por que/por quê.
b) porquê/porquê/porque/por que/por quê.
c) por que/porquê/porque/porque/por quê.
d) porque/por quê/porque/por que/por que.
e) por quê/porquê/porquê/por que/por quê.
12. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.5) Segundo o Acordo Ortográfico
da Língua Portuguesa (2009), quando o prefixo ou falso prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por
r ou s não se usa mais o hífen e as consoantes r ou s são duplicadas. Considerando essa regra, assinale a alternativa
correta.
a) contra-regra
b) semi-reta
c) ultrassom
d) eco-sistema
e) mini-saia
www.professordeodatoneto.com.br
13. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.16) Segundo as regras ortográficas,
qual grupo de palavras está escrito corretamente?
a) rehaver – ultraje – avalizar.
b) rescisão – gazozo – deslizar.
c) quotidiano – xale – pretencioso.
d) ressuscitar – almoço – escassez.
e) richa – estender – abscesso.
14. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.13) De acordo com o Novo Acordo Ortográfico, em
qual dos termos seguintes está INCORRETO o uso do hífen?
a) Guarda-chuva
b) Bem-te-vi
c) Extra-humano
d) Inter-locução
e) Micro-ondas
15. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.14) Assinale a alternativa cujos vocábulos estão grafados
CORRETAMENTE e completam, respectivamente, as lacunas do texto a seguir:
A política de ____________ de gastos municipais fez com que se ____________ os trabalhos de ____________ em muitas
cidades
a) contensão – paralisasse – pesquiza.
b) contensão – paralizassem – pesquisa.
c) contenção – paralisassem – pesquisa.
d) contensão – paralizassem – pesquiza.
e) contenção – paralizasse – pesquiza.
16. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.16) Assinale a alternativa que preenche adequadamente as
lacunas das frases:
I) Ela não o procurou, __________?
II) Ninguém explicou o __________ da sua reação.
III) Desejo saber __________ ela não compareceu à audiêcia.
IV) __________ é sonhadora, ela cultiva ideais irrealizáveis.

a) por quê / porquê / por que / Porque.


b) por que / porque / porque / Por que.
c) por quê / porquê / porque / Por que.
d) porquê / por que / por que / Porque.
e) porque / porquê / porque / Porque.

ACENTUAÇÃO GRÁFICA

17. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.20) Assinale a


alternativa em que as palavras sublinhadas estão grafadas corretamente, considerando o emprego do acento
diferencial, conforme o Acordo Ortográfico (2009).
a) O Windows não pôde ser iniciado. Uma alteração recente de hardware ou software pode ter sido a causa do
problema.
b) Quando ele para para pensar, tem vontade de desistir de continuar estudando.
c) Por precaução, deve-se por pouco sal na comida das pessoas doentes.
d) Os garotos vem de longe e se alegram quando vêem seu time vencer.
e) Os motoristas tem obrigação de respeitar o trânsito, e o pedestre tem a mesma obrigação.
18. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.14) Todas
as palavras das sequências a seguir estão acentuadas segundo o Novo Acordo Ortográfico, EXCETO:
a) veem – vêm (plural) – pôr (verbo).
b) troféu – detém (singular) – enxáguam.
c) enxaguam – delinquem – dói.
d) sagui – alcateia – pôde (pretérito).
e) baiúca – tramóia – pólo.
19. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.9) Considerando o
Acordo Ortográfico (2009), observe as palavras nos seguintes itens:
I – anéis, herói(s), fiéis, anzóis.
II – idéia(s), jóia(s), geléia(s), tramóia(s).
III – vôo, dêem, enjôo, vêem.
Quanto à acentuação gráfica, assinale:
a) se apenas I está correta.
b) se apenas II está correta.
c) se apenas III está correta.
d) se apenas I e II estão corretas.
e) se I, II e III estão corretas.
20. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.10) Assinale a
alternativa correta quanto à ortografia e à acentuação gráfica dos verbos destacados.
www.professordeodatoneto.com.br
a) Quando você VER o resultado do concurso, verá que valeu a pena estudar.
b) Todos os dias os alunos TEM muitos textos para ler.
c) Os tios PROVÊM a casa com alimentos e frutas para os sobrinhos.
d) Aquelas caixas de laranjas PROVÊM do nosso sítio em Terenos.
e) “Os meninos VEM aqui para brincar no quintal e no jardim”.
21. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.14) O itens a seguir
contêm regras sobre as palavras que passaram (ou não) por mudanças segundo o Novo Acordo Ortográfico. Julgue-
as.
I – Não se usa mais acento agudo nos ditongos abertos. Exemplos: apoio, debiloide, heroi.
II – Caiu o acento das palavras paroxítonas com “i” e “u” tônicos após ditongo. Exemplos: bocaiuva, feiura.
III – Foram abolidos todos os acentos diferenciais. Exemplos: para (verbo e preposição), pelo *(substantivo e
preposição), por (verbo e preposição).
IV – Verbos terminados em “quir” admitem duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo. Exemplos:
Eu delínquo / Eu delinquo.
Estão corretos somente os itens:
a) II e IV.

b) I e II.
c) I, III e IV.
d) I, II e III.
e) III e IV.
22. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.16) As palavras juízo,
privilégio e árvores enquadram-se nas seguintes regras de acentuação, respectivamente:
a) paroxítona / paroxítona terminada em hiato / oxítona.
b) hiato / paroxítona terminada em ditongo / proparoxítona.
c) ditongo / proparoxítona / proparoxítona tônica.
d) hiato / proparoxítona / paroxítona terminada em “es”.
e) oxítona / proparoxítona / proparoxítona.
23. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.15) Considerando as novas regras de acentuação gráfica do
Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (2009), assinale a alternativa em que o acento da palavra em negrito NÃO
está de acordo com a nova ortografia.
a) “Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano”
b) “– ó delicioso vôo!”
c) “Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,”
d) “E em torno dela indagará o povo:”
e) “E ela lhes dirá”
24. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.20) Assinale a alternativa em que as palavras devem ser
acentuadas graficamente por serem oxítonas.
a) outrem, nuvem e constroem.
b) alguem, tambem, Belem.
c) comem, bebem, vivem.
d) lutem, falem, briguem.
e) somem, votem, cantem.
25. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.11) Assinale a alternativa em que
todas as palavras são acentuadas graficamente em obediência à mesma regra.
a) chapéu, heroico, obediência, próximo.
b) alguém, compreensível, açúcar, dígrafo.
c) faísca, egoísta, viúva, proteína.
d) agradável, dívida, vírus, parabéns.
e) poderá, bênção, cuíca, lápis.
26. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.8) As palavras água, já e âmbito, retiradas do texto,
são acentuadas pelas mesmas razões que justificam os acentos das seguintes palavras, também retiradas do texto,
respectivamente:
a) várias – porém – autônomos.
b) impossível – evitá-los – métodos.
c) necessário – pó – única.
d) disponíveis – à – pública.
e) caráter – pré – resíduo.
27. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.17) Avalie as palavras a seguir e assinale a alternativa
que contém a frase com a(s) palavra(s) acentuada(s) em DESACORDO com os princípios ortográficos do nosso
idioma.
a) Qual é a forma da fôrma do bolo?
b) Eu enxaguo as louças. Espero que eles enxáguem também.
c) Aqueles tuiuiús são mistura de beleza e feiúra; fazem voos baixos e mantém elegância desengonçada.
d) Vou pôr o livro na estante que foi feita por mim e, como sou bilíngue, depois o lerei.
e) Ontem ele não pôde sair mais cedo, mas hoje ele pode.
www.professordeodatoneto.com.br
28. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.24) Segundo o Acordo Ortográfico
da Língua Portuguesa (2009), o acento agudo foi eliminado nos ditongos abertos “ei” e “oi” das palavras paroxítonas,
mas permanece em oxítonas terminadas em “éu(s)”, “éi(s)” e “ói(s)”. Com base nessa regra, assinale a alternativa
em que o uso do acento agudo está correto.
a) Anéis
b) Idéias
c) Jóias
d) Apoio
e) Hebreia
29. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.7) As palavras “elétrica”,
“miocárdio”, “rápida”, “usuário” e “portátil” são, respectivamente:
a) proparoxítona, paroxítona, proparoxítona, paroxítona e paroxítona.
b) paroxítona, paroxítona, proparoxítona, paroxítona e paroxítona.
c) oxítona, paroxítona, proparoxítona, paroxítona e paroxítona.
d) proparoxítona, paroxítona, proparoxítona, oxítona e oxítona.
e) paroxítona, oxítona, paroxítona, paroxítona e paroxítona.
30. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.24) Considerando as regras de
acentuação vigentes, a palavra “vendíamos” é acentuada por conta de uma regra que não sofreu alteração no
Acordo Ortográfico/2009. Que regra é essa?
a) Acentua-se “vendíamos” devido à presença de um hiato.
b) Paroxítonas terminadas em consoantes que devem ser acentuadas.
c) Todas as proparoxítonas são acentuadas.
d) Acentua-se “vendíamos” devido ao timbre fechado da vogal tônica.
e) Todas as polissílabas são acentuadas.
31. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.25) Considerando que os acentos
circunflexos foram cortados dos hiatos “ee” e “oo”, mas, como acento diferencial, continuam valendo para sinalizar
o plural dos verbos ter e vir (Acordo Ortográfico/2009), assinale a alternativa em que a grafia da palavra está correta.
a) Elas vêm.
b) Eles tem.
c) Elas vêem.
d) Eles vem.
e) Ela têm.
32. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.5) A justificativa que contém a regra
de acentuação em DESACORDO com as palavras do texto está na alternativa:
a) científicas / físicos: acentuam-se as proparoxítonas.
b) está / só: respectivamente, oxítona terminada em a e monossílabo tônico terminado em o são sempre acentuados.
c) saúde: acentua-se o u tônico quando formar hiato, ficando em sílaba isolada.
d) evidências / vulneráveis: são acentuadas paroxítonas terminadas em ditongo, crescente ou decrescente.
e) cenário / ausência: recebem acento oxítonas terminadas em o e a (seguidas ou na de s).
33. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.14) Assinale a alternativa em que todas as palavras têm
acento gráfico de acordo com a mesma regra de acentuação.
a) Canário – lê – diárias.
b) Silêncio – intervém – também.
c) Ninguém – você – ímpeto.
d) Dicionário – dogmático – vá.
e) Vírus – caráter – táxi.
34. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.15) De acordo com o Acordo Ortográfico da Língua
Portuguesa (2009), assinale a alternativa em que a acentuação gráfica está correta.
a) O aluno não tinha idéia formada sore o assunto.
b) João e Maria têm muitas horas de voo.
c) A função dos pais não pára na educação dos filhos.
d) O professor argúi os alunos sobre a matéria dada.
e) O tuiuiú é a ave símbolo do Pantanal.

35. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.11) Assinale a alternativa em que todas as palavras são
acentuadas pela mesma regra.
a) é, escritório, concluíram.
b) escritório, já, própria.
c) salário, média, Austrália.
d) escritório, nível, já.
e) voluntários, escritório, concluíram.
36. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.7) De acordo com as novas regras
de acentuação gráfica da língua portuguesa, assinale a alternativa INCORRETA.
a) estréia, assembléia, platéia, idéia.
b) véu, dói, céu, léu.
c) sótão, jóquei, órfão, fáceis.
d) árabe, último, músico, dinâmico.
e) até, olé, pontapé, paletó.
www.professordeodatoneto.com.br
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS:
Sinonímia, Antonímia, Polissemia, Emprego de Parônimos e Homônimos, Denotação e
Conotação.

1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.13) Há muitos sinônimos para o verbo “dar” dependendo do
contexto. Relacione as colunas I e II, de acordo com o sentido em que ele foi empregado nas frases abaixo. (Na
coluna II, os verbos foram colocados no infinitivo.)
Coluna I Coluna II
(1) Eu não gosto de dar palpite no trabalho dos outros. ( ) publicar
(2) Quando dei por mim, estava diante de sua casa. ( ) soar
(3) Você viu o relógio dar oito horas? ( ) emitir
(4) Os jornais ainda não deram a notícia. ( ) sentir
(5) Dou-me muito bem aqui. ( ) perceber
A sequência correta para preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, está na alternativa:
a) 3 – 2 – 1 – 5 – 4.
b) 2 – 1 – 4 – 3 – 5.
c) 1 – 3 – 5 – 4 – 2.
d) 4 – 3 – 1 – 5 – 2.
e) 5 – 4 – 3 – 1 – 2.
2. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.15) Julgue, nas frases a seguir, o emprego das palavras mal
e mau.
I – Luís agiu mal.
II – Mal entrou na biblioteca, começou a ler em voz alta.
III – Ainda bem que é um mal que tem fim.
IV – Esse homem é realmente mau.
Morfologicamente, em:
a) I, é um adjetivo.
b) II, funciona como preposição.
c) III, exerce a função de advérbio.
d) III e IV, são substantivos.
e) I, é advérbio e, em II, conjunção.
3. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.16) Analise as particularidades léxicas e gramaticais das
palavras e/ou expressões sublinhadas e assinale a alternativa que contém o par de frases com o emprego dentro
das regras do nosso idioma.
a) Não vou dizer as razões porque deixei de vir à aula. / Muitos estavam na passeata sem saber o por quê.
b) A biblioteca municipal fica há duzentos metros de minha casa. / Chegou a tempo de fazer as malas.
c) A cidade onde moramos é muito tranquila. / A cidade aonde fomos é boa para morar.

d) Havia gente de mais ali. / Recebeu dinheiro demais.


e) Queria sair, mais ia esperar o tempo melhorar mais. / Pode ir até o clube, mas não demore.
Leia os textos a seguir para responder à questão 4.

Texto I Texto II
Alfabeto Interjeição é uma espécie de grito com que
AH – Interjeição. Usada para indicar espanto, admiração, traduzimos de modo vivo nossas emoções.
medo. Curiosamente também são as inicias de Alfred A mesma reação emotiva pode ser expressa por mais
Hitchcock. [...] de uma interjeição. Inversamente, uma só interjeição
AI – Interjeição. Denota dor, apreensão ou êxtase, como em pode corresponder a sentimentos variados e, até
“Ai que bom, ai que bom”.[...] opostos. O valor de cada forma interjectiva depende
AI, AI – Expressão sarcástica, de troça. O mesmo que “Como fundamentalmente do contexto e da entoação. [...]
nós estamos sensíveis hoje, hein, Juvenal?” CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. L. Nova Gramática do Português
Contemporâneo .
AI, AI, AI – Expressão de mau pressentimento, de que em boa
coisa isto não pode dar, de “olhem lá o que vocês vão fazer,
gente”.
AI, AI, AI, AI, AI – O mesmo que “Ai, ai, ai”, mas com mais dados
sobre a gravidade da situação.
Geralmente precede uma reprimenda ou uma fuga.
[...]
VERÍSSIMO, Luís Fernando.

4. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.25) Nos texto I e II, os advérbios “geralmente”,


“inversamente” e “fundamentalmente” podem ser substituídos, respectivamente, por:
a) especificamente / contrariamente / basicamente.
b) normalmente / diferentemente / comprovadamente.
www.professordeodatoneto.com.br
c) genericamente / opostamente / essencialmente.
d) logicamente / oponentemente / necessariamente.
e) universalmente / supostamente / firmemente.
5. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.12) Faça a correspondência entre a primeira
e a segunda coluna, de acordo com o sentido da palavra grifada em cada frase.

(1) Era uma pessoa negligente. ( ) incontestáveis


(2) Pedro é um rapaz sagaz. ( ) contradições
(3) Suas ideias são irrefutáveis. ( ) desleixado
(4) A vida é feita de paradoxos. ( ) perspicaz
a) 1 – 2 – 3 – 4.
b) 4 – 3 – 2 – 1.
c) 3 – 4 – 1 – 2.
d) 3 – 4 – 2 – 1.
e) 2 – 1 – 4 – 3.

6. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.17) Analise o significado


da palavra “espécie” nos seguintes enunciados. Numere os parênteses, de acordo com o seguinte código:
(1) Significado geral
(2) Significado específico
I – ( ) “[...] suas (dos tatus-canastras) tocas servem como hábitat e abrigo para outras espécies.”
II – ( ) “Os cientistas usaram câmeras sensíveis ao movimento, entre 2010 e 2012, e registraram 24 espécies diferentes”.
III – ( ) “No total, outras três espécies de tatu foram registradas usando a toca por períodos contínuos.”
IV – ( ) “É incrível ver como uma espécie tão reservada pode desempenhar um papel tão importante dentro da
comunidade ecológica”.
V – ( ) “Ele espera que a revelação sobre o papel fundamental desses animais nos ecossistemas resulte em uma
maior proteção da espécie.”

A sequência numérica correta é:


a) 1-1-2-2-2.
b) 1-2-1-2-2.
c) 2-2-1-1-2.
d) 2-2-2-1-1.
e) 2-1-2-1-2.
7. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.18) Analise a relação entre a palavra,
sublinhada na Coluna 1, e a respectiva definição, ou explicação, apresentada na Coluna 2. Assinale a alternativa em que essa relação está
INCORRETA.

a) “Tatu-canastra: o engenheiro do ecossistema”. “[...] conjunto formado pelo meio ambiente físico. [...]
mais a comunidade (formada por componentes bióticos
– seres vivos) que com o meio se relaciona.”.

b) “Entre as espécies, os pesquisadores registraram... “[...] conjunto de indivíduos semelhantes


(estruturalmente, funcionalmente e bioquimicamente)
que se reproduzem naturalmente, originando
descendentes férteis. Ex.: Homo sapiens.”

c) “[...] tocas cavadas por esses tatus se tornam hábitats e “[...] lugar específico onde uma espécie pode se
abrigos para outras espécies.”. encontrada, isto é, o seu “ENDEREÇO” dentro do
ecossistema. Exemplo: Uma planta pode ser o hábitat de
um inseto, o leão pode ser encontrado nas savanas
africanas.

d) “É incrível ver como uma espécie tão reservada pode “[...] conjunto de populações de diversas espécies que
desempenhar um papel tão importante dentro da comunidade habitam uma mesma região num determinado período
ecológica”. Ex.: seres de uma floresta, de um rio, de um lago, de um
brejo, dos campos, dos oceanos, etc.”.

e) “Os cientistas usaram câmeras sensíveis ao movimento, entre A aspas na palavra “casas” ressaltam o valor e o uso
2010 e 2012, e registraram 24 espécies diferentes, utilizando as dessa palavra em seu contexto habitual de “moradia de
“casas” dos tatus”. certas categorias de pessoas”.

Obs. As definições 1 a 4, transcritas na coluna da direita, estão disponíveis em: http://www.ufjf.br/cursinho/files/2012/05/Apotila-Ecologia-Pronta, 194.239.pdf. Acesso em:
5/11/2013.
www.professordeodatoneto.com.br
8. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.19) Assinale a alternativa
em que o enunciado tem sentido conotativo.
a) “Tatu-canastra: o engenheiro do ecossistema”.
b) “[...] tocas servem como hábitat e abrigo para outras espécies.”.
c) “[...] esses animais que gastam 75% de seu tempo no subsolo”.
d) “Os cientistas usaram câmeras sensíveis ao movimento, entre 2010 e 2012”.
e) “[...] os pesquisadores registraram mamíferos, entre eles o javali, o puma, o quati e a jaguatirica”.
9. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.9) Leia
estes trechos, retirados da revista Veja (14/10/2013). Todos têm linguagem conotativa, EXCETO:
a) A projeção de crescimento para 2014 caiu para 2,5%. Já sabemos qual é a doença de nossa economia.
b) Já nos céus da Inglaterra o piloto começou a passar mal, o suficiente para não conseguir controlar a aeronave.
Apertem os cintos, ele adoeceu.
c) O objetivo não é ser candidata a presidente. É ajudar o Brasil. O alfabeto tem mais letras do que A e B.
d) A evolução na expectativa de vida vem de alterações no ambiente. Para viver ainda mais, é preciso domar a
biologia.
e) Aqui estamos porque o Brasil espera de nós uma atitude que vá além do olhar eleitoral.

10. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.11) Leia


este fragmento de texto.
[...] – Então? Já posso fazer um contrato com os italianos?
O professor responde de maneira reticente: “Sim, o menino tem futuro, mas...”. O pai não quer saber de
ponderações: o seu rebento é o sucessor de Pelé e Garrincha e estamos conversados. [...]
SCLIAR, Moacyr. Os craques do futuro.
Considerando a significação das palavras e a situação apresentada, pode-se afirmar que:
a) no texto, estão ausentes palavras sinônimas.
b) ficaria apropriado ao professor usar a palavra “pivete” para substituir o substantivo “menino”.
c) o emprego da palavra “rapazinho”, para substituir “menino”, fugiria à intenção do professor.
d) o pai poderia se ofender caso as palavras “menino” e “rebento” fossem trocadas por “moleque” e “pivete”,
devido à adequação da linguagem.
e) a contextualização pouco interfere ao se trocar um sinônimo por outro, visto que a significação é a mesma.
11. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.16) Leia
sobre a significação da palavra “utopia”, dentre outros significados, segundo o Dicionário Houaiss.
1. qualquer descrição imaginativa de um sociedade ideal, fundamentada em leis justas e em instituições político-
econômicas verdadeiramente comprometidas com o bem-estar da coletividade. 2. Projeto de natureza irrealizável;
ideia generosa, porém impraticável; quimera; fantasia.
É correto afirmar que:
a) é impossível estabelecer relação entre os significados do verbete acima e o emprego da expressão “marchas das
utopias”, no título do poema.
b) a provável intenção do autor, ao escolher o título, indica que o caminho dos grandes sonhos e ideais é a
decepção.
c) apenas a primeira acepção pode-se encaixar no possível sentido com que o título é empregado no texto.
d) somente a segunda acepção atende aos objetivos pretendidos pelo autor.
e) o modelo de sociedade que o poeta idealiza realiza-se no plano concreto.
12. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.21)
Coloque os verbos entre parênteses de acordo com o contexto.

Os comerciantes _______ seus estabelecimentos . (sortir / surtir)

Os chefes _______-lhes castigos cruéis. (infligir / infringir)

O secretário _______ o meu requerimento. (diferir / deferir).

O cisne _______ a cabeça na água. (emergir / imergir)

Os verbos que preenchem corretamente as lacunas acima são:


a) surtiram – infligiram – diferiu – emergiu.
b) sortiram – infligiram – deferiu – imergiu.
c) sortiram – infringiram – deferiu – emergiu.
d) surtiram – infligiram – diferiu – imergiu.
e) sortiram – infringiram – deferiu – imergiu.
13. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.3) Assinale a
alternativa que apresenta um enunciado com sentido conotativo.
a) “Mantenho correspondência por e-mail com algumas pessoas”
b) “[...] somos pessoas nubladas ou ensolaradas, gélidas ou quentes”.
c) “[...] sempre havia um momento para falar do sol ou do nublado lá fora.”
d) “Não sei se há um temporal se armando”.
e) “Uma conversa mundana que eu achava típica de pessoas mundanas como eu”.

Leia o texto da página 17 atentamente para responder às questões 14 e 15.


www.professordeodatoneto.com.br
14. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.3) No 1º e 3º parágrafos,
os autores pretenderam dar às palavras paradigma e inflexão o sentido de, respectivamente:
a) padrão – cultivo.
b) hipótese – virada.
c) estratégia – resistência.
d) situação – proposta.
e) modelo – mudança.
15. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.5) Assinale o trecho do
texto que contém uma linguagem conotativa.
a) [...] mais de 200 milhões de pessoas desprotegidas ingressaram no exército da pobreza mundial [...].
b) Os países desenvolvidos estão ameaçados pela combinação de desemprego, migrações e fundamentalismos.
c) [...] a agricultura familiar produziu mais alimentos e, com isso, contribuiu para o controle da inflação [...].
d) Há um reconhecimento internacional não só de que este é o rumo certo.
e) [...] e maior capacidade do Brasil de participar de forma decisiva na nova governança global.
16. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.17) Em “Ela será encontrada miraculosamente incólume na
calçada...”, a palavra sublinhada poderá ser trocada, sem alteração do sentido, por:
a) machucada.
b) lesada.
c) ilesa.
d) violado.
e) afetada.
17. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.23) Faça a correspondência adequada quanto à grafia e quanto
ao sentido das palavras homônimas.
1. Este engenheiro é incipiente, logo tem pouca experiência. ( ) insipiente.
2. Esta sessão musical traduz todo o meu sentimento. ( ) iniciante.
3. Não discuta com esse rapaz, pois ele é muito ignorante. ( ) conserto.
4. Faça o reparo do carro e nós sairemos mais tarde. ( ) esperto.
5. Este menino é muito ativo e alegre. ( ) experto.
6. Este rapaz é perito em resolver os problemas policiais. ( ) concerto.
Assinale a sequência correta quanto à grafia e quanto ao sentido das palavras homônimas.
a) 1 – 2 – 3 – 4 – 5 – 6.
b) 5 – 4 – 6 – 3 – 2 – 1.
c) 3 – 1 – 4 – 5 – 6 – 2.
d) 4 – 3 – 1 – 6 – 2 – 5.
e) 6 – 2 – 1 – 4 – 5 – 3.
18. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.29) Analisando as seguintes orações, conclui-se que apenas em
uma oração NÃO se observa expressão denotativa. Qual é?
a) Uma andorinha só, não faz verão.
b) Trabalharei neste sábado, aliás, também neste domingo.
c) E então, o que vocês desejam comer no jantar?
d) Eu estudei Letras nos anos noventa, e você?
e) Este é o médico de quem lhe falei.

19. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.13) Observe que, nos enunciados da primeira coluna, o
verbo TER é empregado com uma série de significado distintos. Numere a segunda coluna, de acordo com a primeira, considerando o
verbo de significado mais específico que pode substituir o verbo TER nesses enunciados.

(1) Tinha um longo vestido na cerimônia. ( ) esboçou


(2) Tive uma sensação de bem-estar. ( ) usava, vestia
(3) Jonas tem a função de fiscal de trânsito. ( ) manter
(4) Paulo teve um gesto de surpresa. ( ) exerce
(5) Não é permitido ter animais no prédio. ( ) experimentei

A sequência numérica correta é:


a) 2-3-5-1-4.
b) 5-3-2-1-4.
c) 4-1-5-3-2.
d) 1-5-4-3-2.
e) 3-2-4-5-1.
Para a questão 20 observe as expressões sublinhadas no seguinte enunciado:
“A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) estima que em todo o mundo 870
milhões de pessoas passem fome todos os dias”.
www. istoe.com.br/assuntos/semana/detalhe/3242370+Planeta+do+desperdício+e+da+fome.
20. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.16) Nesse contexto, ESTIMA
significa:
a) tem apreço por alguém.
www.professordeodatoneto.com.br
b) regozija-se com alguém.
c) sente amizade por uma pessoa.
d) emociona-se com a outra pessoa.
e) avalia o valor de algo e/ou de alguém.
21. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.13) Levando em conta a conotação e a denotação,
leia este fragmento de texto e as definições a seguir.
Texto I – [...] Solidão é uma ilha com saudade de barco.
Vontade é um desejo que cisma que você é a casa dele. [...]
FALCÃO, Adriana. Mania de explicação.
Texto II – solidão: [...] estado de quem se acha ou se sente desacompanhado ou só; isolamento [...]
Vontade: faculdade que tem o ser humano de querer, de escolher, de livremente praticar ou deixar de praticar
certos atos [...]
HOUAISS, Antônio e VILLAR, Mauro de Sales. Dicionário Houaiss da língua portuguesa.
Assinale a alternativa que contém a afirmação correta.
a) Tanto em I quanto em II, ocorrem os sentidos próprio e figurado.
b) Em I, há uma observação sensível do cotidiano, marcada pela experiência do próprio sujeito, ocorrendo, então,
a denotação.
c) Tanto I como II definem solidão e vontade, com ênfase no código linguístico. Assim, há o predomínio da linguagem
denotativa.
d) Em II, há uma definição mais genérica e subjetiva. Portanto, está presente a denotação.
e) Em I, elabora-se outra definição para as palavras escolhidas, o que constitui um texto que provoca efeitos de
sentido em seu leitor, caracterizando a conotação.

22. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.14) Leia as frases a seguir, verificando o emprego dos


homônimos heterográficos, isto é, na linguagem oral qualquer incorreção não apareceria devido à igualdade na
pronúncia.
– A estagiária realizou o senso do IBGE com muito censo.
– O expectador assistia tranquilo ao concerto no paço municipal.
– Para fazer um bom conserto, é necessário coser e prezar bem a fivela do cinto.
Assinale a alternativa que contém a(s) frase(s) coerente(s), segundo sua ortografia.
a) Todas.
b) Somente a segunda.
c) Nenhuma.
d) Somente a última.
e) Somente a segunda e a terceira.
23. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.25) Levando em conta o conceito de polissemia, leia
estes significados da palavra “balanço”.
1. ato ou efeito de balançar.
2. movimento pendular.
3. nome de um brinquedo.
4. levantamento e exame de uma situação; análise.
5. resumo contábil do patrimônio de uma empresa.
Agora leia este poema.
Balanço
A pobreza do eu
a opulência do mundo
A opulência do eu
a pobreza do mundo
A pobreza de tudo
a opulência de tudo
A incerteza de tudo
na certeza de nada.
ANDRADE, Carlos Drummond. In: Balanço.
Assinale a alternativa que contém a afirmação INCORRETA.
a) A expressividade desse texto resulta de um jogo de antônimos.
b) Relacionando título e texto, a palavra “balanço” encaixa-se na acepção 2.
c) As acepções 1, 3 e 5 tornam-se inadequadas ao contexto do poema.
d) A polissemia usada como recurso ampliou a capacidade de compreensão dos jogos de significação do contexto.
e) É válido atribuir à palavra “balanço”, no poema, as acepções 1 e 4.
24. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.16) Assinale a alternativa em que
o significado apresentado na Coluna 2 NÃO, corresponde ao significado da palavra ou expressão destacada na
Coluna 1.

Coluna 1 Coluna 2

a) “...um campeão famoso pela Eficácia


eficiência...”
www.professordeodatoneto.com.br
b) “A história não registrou o nome do Anotou
bicho.”

c) “...longe de ser o único aspecto Obsoleto


antiquado...”

d) “Machado de Assis gostava de Ridicularizar


ironizar...”

e) “Além de ser demitido no ato...” exonerado

25. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.11) Leia este trecho da música
Proibida pra mim”, de Zeca Baleiro.
Eu vou fazer tudo que eu puder
Eu vou roubar essa mulher para mim
Posso te ligar a qualquer hora
Mas eu nem sei o seu nome
□ eu, quem vai fazer você feliz?
Assinale a alternativa que contém a justificativa correta para o emprego da palavra “senão” ou da expressão “se
não”, a ser utilizada no quadradinho (□) presente no último verso.
a) Se não. É o mesmo que “caso não”.
b) Senão. Significa “caso contrário”.
c) Senão. Funciona como substantivo, com o sentido de “dificuldade”. Exemplo: O senão.
d) Se não. É sinônimo de “de outro modo”.
e) Senão. Indica uma finalidade; é uma conjunção, podendo se substituída por “caso”.
26. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.15) Analise o emprego do diminutivo
nesta frase: “Não faria uma festa de aniversário. Iria somente fazer um almocinho para reunir alguns amigos.”.
De acordo com a frase, a palavra sublinhada:
a) tem conotação de tamanho.
b) indica afetividade.
c) transmite um sentido pejorativo.
d) diminui a intenção do acontecimento.
e) demonstra ironia.
27. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.17) Assinale a alternativa que contém
um par de parônimos.
a) censo / senso.
b) desamparo / hipocrisia.
c) falar / calar.
d) conversa / diálogo.
e) eminente / iminente.
28. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.21) Qual alternativa a seguir contém
a frase de acordo com as normas da Língua Portuguesa?
a) Mais não era essa a sua proposta inicial, a outra pareceu mais acessível, apesar das más condições de trabalho.
b) As ruas do meu bairro estão mau sinalizadas. Há mal gerenciamento da prefeitura.
c) Não sei por que ele agiu assim. Será que foi porque eu o critiquei?
d) Os alunos voltaram onde o professor de Química dava aula.
e) Luciana virá daqui há um ano, mas Júlio já chegou a dois meses.

29. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.2) Assinale a alternativa em que o significado apresentado na Coluna 2 NÃO
corresponde ao significado da palavra ou expressão destacada na Coluna 1.

Coluna 1 Coluna 2
a) “Os londrinos jogavam seus dejetos nas valas das ruas que resíduos
serviam para escoar água da chuva.”
b) “A situação ficou impraticável, [...]” irrealizável
c) “[...] até que o engenheiro urbano Joseph Bazalgette entrou Não se manifestou
em cena.
d) “O que acontece é que ligações clandestinas se conectam fora da legalidade
ao sistema de coleta de água de chuva, [...]”
e) “O sistema de esgoto londrino inspira até hoje.” ainda hoje

30. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.3) No trecho “Assim temos o Tietê hoje, igual ao Tâmisa do
século 19.” A expressão assim pode ser substituída, sem prejuízo do sentido, por:
a) talvez.
www.professordeodatoneto.com.br
b) todavia.
c) nem assim.

d) dessa forma.
e) mesmo assim.
31. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.8) Avalie o emprego da locução “com isso” nos trechos
a seguir.
I – “No curso de Sociologia, a proporção foi ainda menor: dos quase 50 mil estudantes, só 4.800 viraram professores.
Com isso, a Secretaria de Educação de São Paulo passa um sufoco todos os anos”.
II – “No imaginário do jovem hoje não está presente ‘eu quero ser professor’. Com isso, o professor perde esse espaço
de honra que deveria existir e sempre”.
http://g1.globo.com./jornal-hoje/noticia/2013/03/faltam-professores-de-materias-especificas-nas-salas-de-aulas-do-pais.html. Acesso em: 25/3/2013.
É correto afirmar que, nesses dois trechos, “com isso” corresponde a:
a) por isso.
b) visto que.
c) tal como.
d) além disso.
e) ainda que.
Texto para responder à questão 32.
Alta Velocidade
Edilson Rodrigues Silva
Já fazia um bom tempo que aquele policial estava de olho naquele motorista apressadinho. Ele pensou:
“Amanhã esse cara não vai me escapar. Vou pará-lo e lhe darei uma multa daquelas bem salgadas. O
engraçadinho não perde por esperar”.
No dia seguinte o policial fez o sinal para que o motorista infrator parasse. O motorista atendeu prontamente e
parou o veículo. Sem perder tempo o policial foi logo dizendo:
Hãm!...hãm! Bonito heim! Até que enfim nos encontramos. Por acaso o senhor sabia que já faz um bom tempo
que eu estava a sua espera?
─ Puxa vida, seu policial! Sinceramente, sinto muito! Eu juro que eu não sabia, só fiquei sabendo disso há alguns
minutos atrás e, como o senhor mesmo viu, eu vim o mais rápido que pude...
http://recantodacronica.blogspot.com.br/2011/01/alta-velocidade-cronicas-pequenas-e.html. Acesso em: 18/3/2013.
32. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.14) Depreende-se das informações do texto que o
efeito do sentido humorístico atinge sua maior intensidade quando
a) o policial diz estar “de olho naquele motorista apressadinho”. [§ 1].
b) o policial pensar que o “engraçadinho não perde por esperar”. [§ 1].
c) o motorista atende o sinal do guarda e, prontamente, para o veículo. [§ 2].
d) o policial pergunta se o motorista sabia que já o esperava havia um bom tempo. [§ 3].
e) o esperto motorista jura só ter ficado sabendo que o policial o esperava havia alguns minutos e, para atendê-lo,
tinha corrido.[§ 4].
33. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.9) Em “Sofre, minha mãe. Sempre sofreu: infância
carente, pai cruel etc.” (§2), a oração em destaque, sem prejuízo do sentido, pode ser reescrita da seguinte forma:
a) Sempre sofreu infância carente, pelo pai cruel etc.
b) Sempre sofreu pela infância carente, pai cruel etc.
c) Sempre sofreu, pois teve infância carente, pai cruel etc.
d) Sempre sofreu teve infância carente, pai cruel etc.
e) Sempre sofreu infância carente, pai cruel etc.
34. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.18) Observe as afirmações a seguir:
I – “[...] que as famílias de hoje são mais carinhosas do que as de antigamente “. (comparativo de superioridade).
II – “Além disso [...]”. (Expressão que pode ser trocada por “além do mais”).
III – “[...] os dados mostram que 69% das brasileiras sofrem a influência do sentimento contra 54% dos homens”. (a
expressão grifada pode ser trocada por “apontam”).
Assinale a alternativa correta.

a) Apenas I está correta.


b) Apenas II está correta.
c) Apenas III está correta.
d) Apenas I e II estão corretas.
e) I, II e III estão corretas.
35. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.20) A expressão “cerca de” indica valor:
a) certo.
b) incerto.
c) preciso.
d) qualitativo.
e) aproximado.
36. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.6) No trecho “A cientista detectou ainda que o exercício
aumenta a capacidade do cérebro de se adaptar e criar novas conexões, a chamada neuroplasticidade.” A
expressão ainda pode ser substituída, sem perder o sentido, por:
a) talvez.
b) mais.
www.professordeodatoneto.com.br
c) também.
d) ainda mais.
e) mais também.
37. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.16) Assinale a alternativa em que o sinônimo da palavra ou
expressão em destaque está INCORRETAMENTE apontado.
a) “O prédio de lata estava DESMORONANDO [...] (desabando).
b) “[...] pois seria SOTERRADO pela lataria em decomposição que acompanhava meu voo”. (enterrado).
c) [...] os caminhos não TOMADOS1 e as bebidas TOMADAS2 [...]. (1escolhidos; 2ingeridas).
d) “Talvez a morte fosse sempre PRECEDIDA de um sonho como aquele [...]” (seguida).
e) “No fim do sonho me ESPATIFEI no chão do saguão[...]”. (despedacei)
Leia o recorte a seguir, para responder à questão 38.
“O Mal de Alzheimer deteriora algumas regiões do cérebro, que alteram o comportamento físico, mental, a
linguagem, entre outros, levando à demência.
38. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.14) A forma verbal deteriora pode
ser substituída, sem prejuízo do sentido, por:
a) apodrece.
b) danifica.
c) estraga.
d) arruína.
e) desperdiça.
39. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.19) Em “70% do conjunto de
doenças que afetam a população geriátrica”, a expressão “afetam” tem o sentido de:
a) contraem.
b) acometem.
c) causam.
d) observam.
e) permitem.
40. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.20) Leia o poema:
A vida é uma só
A vida é uma só
a vida é uma ávida
a vida é uma ave
a vida é uma
a vida é
só uma
só.
(Geraldo Carneiro. In: Maria Amélia Mello, org. Poesia sempre. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2003, p. 54)

No poema, o sentido da palavra “ávida” é:


a) desejosa.
b) rápida.
c) alegre.
d) ativa.
e) atenciosa.
41. [Sargento-(NM)-PM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS).(Q.20) A frase em que a expressão grifada NÃO pode ser
substituída pela palavra entre parênteses é:
a) Foram punidos por terem transgredido a lei. (infringido).
b) As crianças mergulharam na piscina. (imergiram).
c) Deixaram a pátria depois da falência. (emigraram).
d) O daltônico não é capaz de distinguir as cores. (descriminar).
e) Desejo manter o que disse ontem. (ratificar).
42. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.6) Qual o sentido da palavra grifada na frase “Mais que
uma lição profissional, o episódio foi uma lição de vida, de integridade”?
a) Incidente realizado com uma ação principal.
b) História infantil sem grande relevância.
c) Fato fantasioso que ocorreu.
d) Situação engraçada e atemporal.
e) Acontecimento literário.
43. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.7) Assinale a alternativa que apresenta uma palavra
usada no sentido conotativo.
a) “Terminei o curso primário com 10 para 11 anos”.
b) “A maioria dos alunos estudava um ano para fazer a prova de admissão”.
c) “Era obrigado a cantar e a escrever todo o Hino Brasileiro”.
d) “Na matéria de trabalhos manuais, tinha de fazer cestas”.
e) “Não imaginava, com 11 anos de idade, que, cinco anos depois, estaria jogando no time principal da Raposa...”.
44. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.15) No trecho “Numa loja de animais, o vendedor
enaltece as qualidades de um papagaio a um cliente interessado em comprá-lo.”, a forma verbal grifada significa:
a) louva, engrandece, exalta.
b) agrada, exalta, briga.
www.professordeodatoneto.com.br
c) briga, louva, engrandece.
d) exalta, exala, enlouquece.
e) brinca, exalta, briga.
45. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.21) A palavra cumprimento não deve ser confundida
com comprimento, seu parônimo. Em que alternativa o par de vocábulos é exemplo de homonímia e não paronímia?
a) vultoso/vultuoso
b) flagrante/ fragrante
c) eminente/iminente
d) inflação/infração
e) sessão/cessão
46. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.5) É incorreta a sinonímia da palavra destacada em:
a)”... em um subúrbio, um sapateiro...” – bairro.
b) “... em que sua consorte erguia...” – esposa.
c) “... ao que retorquiu: ‘Deolinda’.” – acrescentou.
d) “... entregaram-se a fartas libações alcoólicas...” – bebedeiras.
e) “... uma coisa tão banal de que ninguém se lembra...” – corriqueira.

47. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.18) Assinale a alternativa em que as locuções em destaque


não foram substituídas adequadamente por um único vocábulo equivalente.
a) Comida com sabor/sem sabor. (saborosa/insípida)
b) Terreno com água/sem água. (úmido/árido)
c) Flor com cheiro/sem cheiro. (cheirosa/inodora)
d) Pintura com figuras/ sem figuras. (figurativa/desfigurativa)
e) Atitude com nexo/sem nexo. (racional/irracional)
48. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.13) Assinale a alternativa que preencha CORRETAMENTE as
lacunas das sentenças abaixo.
O professor apresentou-lhe ____________ pela excelente atuação em seu projeto de pesquisa.
Ao primeiro motorista, o juiz ____________ a pena de prestação de serviços sociais em uma comunidade.
Com essa lei, pretendia-se____________ o uso de certas drogas.
a) comprimentos – infligiu – discriminar.
b) cumprimentos - infringiu – discriminar.
c) comprimentos – inflingiu – descriminar.
d) cumprimentos – infligiu – descriminar.
e) cumprimentos – infrigiu – descriminar.

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS


Leia o texto da página 17 atentamente para responder à questão 1.
1. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.7) Muitas palavras do
nosso idioma derivam-se de outras, podem passar por uma mudança de classe gramatical dependendo do contexto
ou, ainda, terem várias flexões. A partir dessa informação, coloque (V) para a(s) afirmação(ões) verdadeira(s) e (F)
para a(s) falsa(s).
( ) A palavra agroalimentar é formada por aglutinação.
( ) No 9º parágrafo, na palavra olhar, ocorre a derivação imprópria.
( ) Estabilidade e intencional contêm, em sua estrutura, sufixo e prefixo.
( ) As palavras perda (2º parágrafo) e ajuda (4º parágrafo) passaram por uma derivação regressiva e funcionam
como substantivo abstrato.
( ) O verbo ingressaram contém vogal temática e as desinências modo-temporal e número-pessoal.
A sequência correta está na alternativa:
a) F – V – V – F – V.
b) V – F – V – F – V.
c) V – V – F – F – F.
d) F – V – F – V – V.
e) V – F – F – V – F.
Leia o texto da página 22 para responder à questão 2.
2. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.5) As palavras “combate” e “resgate” (6º parágrafo)
são substantivos abstratos que têm a seguinte formação:
a) composição por aglutinação.
b) derivação regressiva.
c) derivação prefixal.
d) composição por justaposição.
e) derivação sufixal.

Leia o texto da página 27 para responder à questão 3.


3. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.7) Levando em conta a estrutura e
formação das palavras do texto, assinale a alternativa que contém a afirmação correta.
a) O verbo apontam contem apenas radical, sem desinência.
www.professordeodatoneto.com.br
b) As palavras determinismos e intersetorial são formadas por prefixação.
c) O adjetivo vulnerável contém sufixo e não admite um prefixo que o torne antônimo.
d) Na palavra primeiros, está ausente a desinência de gênero.
e) Em “a falta” (linha 17), ocorre derivação regressiva.
4. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.8) Considerando os processos de formação de palavras,
relacione a segunda coluna de acordo com a primeira.
1) Derivação imprópria ( ) infeliz
2) Prefixação ( ) vandalismo
3) Parassintética ( ) anoitecer
4) Sufixação ( ) um não
5) Composição por aglutinação ( ) planalto
Assinale a alternativa que contenha a numeração, de cima para baixo, em sequência correta.
a) 2 – 4 – 3 – 5 – 1
b) 2 – 4 – 3 – 1 – 5
c) 3 – 4 – 2 – 1 – 5
d) 4 – 1 – 5 – 2 – 3
e) 4 – 1 – 5 – 3 – 2
5. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.10) DESEMPREGO é uma palavra formada por
derivação:
a) parassintética.
b) sufixal.
c) prefixal.
d) regressiva.
e) imprópria.
6. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.16) A forma verbal entristeço pertence ao verbo
entristecer, formado por derivação:
a) prefixal.
b) sufixal.
c) parassintética.
d) regressiva.
e) imprópria.
7. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.10) Qual o processo de formação do vocábulo
contentíssimo?
a) Composição por justaposição.
b) Composição por aglutinação.
c) Derivação por prefixação.
d) Derivação por sufixação.
e) Derivação parassintética.
8. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.19) As palavras empobrecer, resgate e manter foram
formadas, respectivamente, pelos processos de:
a) sufixação – prefixação – parassíntese.
b) sufixação – derivação regressiva – prefixação.
c) composição por aglutinação – prefixação – sufixação.
d) parassíntese – derivação regressiva – prefixação.
e) parassíntese – derivação imprópria – parassíntese.

9. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.7) Quanto ao processo de formação de palavras, o


exemplo que NÂO corresponde à afirmação é:
a) ilegal – derivação prefixal.
b) força-tarefa – composição por justaposição.
c) engatilhar – derivação parassintética.
d) desigualdade – derivação parassintética.
e) policial – derivação sufixal.

CLASSIFICAÇÃO E FLEXÃO DAS PALAVRAS.


PRONOMES: emprego, formas de tratamento, colocação.
EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS.
1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.5) Morfologicamente, assinale a alternativa que contém a
classificação correta da(s) palavra(s) sublinhada(s):
a) “aquele uso maroto” – pronome demonstrativo / verbo.
b) Nem Machado escapou” – conjunção adversativa.
c) “o verdadeiro tratamento” – adjetivo / substantivo.
d) “jogo criativo com a linguagem” – substantivo / preposição.
e) “Hoje só se admite” – adjetivo / pronome apassivador.
www.professordeodatoneto.com.br
2. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.14) Nas frases “Todos estariam junto a ele.” e “Sentiu muito a
falta das crianças.”, os verbos sublinhados estão no modo _______ e nos tempos _______ / _______, respectivamente.
A alternativa que preenche corretamente as lacunas é:
a) indicativo – futuro do pretérito / pretérito perfeito
b) subjuntivo – imperfeito / pretérito imperfeito
c) imperativo – afirmativo / afirmativo
d) indicativo – futuro do pretérito / pretérito imperfeito
e) subjuntivo – futuro do presente / imperfeito
3. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.19) Considerando as características semânticas dos artigos,
assinale a alternativa que analisa de forma INCORRETA o emprego dos artigos indefinido e definido nesta frase: “Eu
não havia encontrado um livro qualquer: aquele era o livro”.
a) O artigo definido foi usado para indicar o caráter único e singular do substantivo “livro”.
b) O artigo indefinido atribuiu ao livro um sentido indeterminado.
c) Em “o livro”, o artigo sublinhado passou a dar notoriedade ao ser.
d) A conclusão é que o livro encontrado é o melhor.
e) O artigo indefinido dá ideia de especificidade e o definido indica referência genérica de realce do ser.
4. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.20) Levando em conta que as preposições podem ter
conteúdo semântico (de sentido), relacione as colunas I e II, verificando as relações expressas pela preposição de
(ou pela contração da).
Coluna I Coluna II
(1)
qualidade ( ) Viagem de longe.
(2)
causa ( ) Morreu de tristeza.
(3)
matéria ( ) Coração de pedra.
(4)
origem ( ) Pernas de cadeira.
(5)
parte ( ) Pulseira de ouro.

A sequência correta para preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é:


a) 2 – 4 – 5 – 1 – 3.
b) 3 – 1 – 4 – 2 – 5.
c) 4 – 1 – 3 – 5 – 2.
d) 4 – 2 – 1 – 5 – 3.
e) 5 – 3 – 2 – 1 – 4.

5. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.21) Complete as frases com o pronome pessoal oblíquo
adequado.
- Para _____ passar no exame, tive que estudar muito.
- Já que entre _____ e _____ não há confiança, é melhor que _____ _____ prepares para viver sozinho _____.
Os pronomes que preenchem as lacunas corretamente estão na alternativa:
a) eu – mim – ti – tu – te – contigo.
b) mim – eu – você – tu – te – consigo.
c) eu – tu – eu – você – se – contigo.
d) eu – mim – ti – tu – te – contigo.
e) mim – você – eu – tu – te – contigo.
6. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.8) Assinale a única
alternativa em que o verbo grifado denota ordem.
a) Vai-se a primeira pomba despertada... (Raimundo Correia).
b) Por que foges assim, barco ligeiro? (Castro Alves).
c) Para com esse barulho, meu filho (...) (Fernando Sabino).
d) Talvez jantaremos no hotel mais próximo (...) (Machado de Assis).
e) É impossível que um dia não saia alguma coisa boa, talvez genial... (Mário Quintana).
7. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.10) Assinale a alternativa
em que o artigo grifado denota aproximação.
a) Você viu o Pedrinho? Mamãe quer falar com ele.
b) Ela é de uma inteligência tal, que todos a seguem.
c) Aquele documento era de um valor inestimável.
d) Sua fisionomia era suspeita, tinha um ar bem misterioso.
e) Pretendemos permanecer aqui mais umas três horas.
8. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.14) Em “Aqui se vive
muito bem.”, a palavra SE é:
a) índice de indeterminação do sujeito.
b) conjunção subordinativa integrante.
c) pronome pessoal oblíquo átono reflexivo.
d) partícula integrante do verbo.
www.professordeodatoneto.com.br
e) pronome apassivador.
9. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.21) Apesar de exprimir o
resultado de uma ação acabada, o particípio não indica por si mesmo se a ação em foco é presente, passado ou
futura. Apenas o contexto pode indicar tal relação temporal, como mostram os seguintes enunciados:
I – Plantada a roseira, somente nos faltará cultivá-la.
II – Plantada a roseira, somente nos falta cultivá-la.
III – Plantada a roseira, somente nos faltava cultivá-la.
Assinale a alternativa em que a relação temporal do particípio com a ação em foco expressa, respectivamente,
passado, presente e futuro.
a) I, II e III.
b) II, I e III.
c) III, II e I.
d) I, III e II.
e) III, I e II.
10. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.22) A correlação de
tempos e modos verbais está correta na alternativa:
a) Era provável que eles vinham hoje.
b) Caso estivesse realmente interessado, ele não deixava de falar.
c) É necessário que vocês verificassem se eles não se contradisseram durante o depoimento.
d) Se ela vir a nossa decoração de Natal, fará um elogio.
e) Se você não interferisse, ele faz o trabalho sozinho.

Leia o texto da página 13 atentamente para responder à questão 11.


11. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.7)
Quanto à colocação pronominal, leia estes trechos do texto:
I – Até que se descobrisse [...]
II – [...] a ciência vem se debruçando [...]
Conclui-se que, em:
a) II, é permitida a ênclise.
b) I, a regra admite a mesóclise.
c) II, não há outra possibilidade de colocação.
d) I, não se admite a ênclise devido ao cacófato “descobrisse-se”.
e) I e II, pode-se empregar a ênclise.
Leia este poema para responder à questão 12.
A marcha das utopias
Não era esta a independência que eu sonhava
Não era esta a república que eu sonhava
Não era este o socialismo que eu sonhava
Não era este o apocalipse que eu sonhava
PAES, José Paulo. Melhores poemas.
12. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.15)
Infere-se que os pronomes esta/este:
a) demarcam que os fatos a que se referem ocorrem no momento presente em relação à pessoa que fala.
b) repetidos, assim como os verbos, enfatizam o tempo histórico passado.
c) reiterados, pouco intensificam o sentimento de desilusão.
d) em todos os versos, indicam uma realidade que o poeta sempre imaginou para si.
e) poderiam ser substituídos por essa/esse sem alteração da significação do contexto.
13. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.20)
Assinale a alternativa que contém todos os substantivos no feminino segundo a norma culta, embora muitos falantes
os empreguem popularmente no masculino.
a) champanha – alface – comichão – omoplata.
b) gengibre – bacanal – entorse – personagem.
c) dó – cólera – ênfase – grafite.
d) usucapião – mascote – cal – agravante.
e) herpes – enzima – sentinela – xérox.
Leia este poema para responder à questão 14.
Poética
De manhã escuro Outros que contem
De dia tardo Passo por passo:
De tarde anoiteço Eu morro ontem
De noite ardo.
Nasço amanhã
A oeste a morte Ando onde há espaço
Contra quem vivo – Meu tempo é quando.
Do sul cativo
O este é meu norte. Vinícius de Moraes
www.professordeodatoneto.com.br
14. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.25)
Morfologicamente, a palavra que aparece classificada de forma INADEQUADA com o contexto é:
a) A / a (5º verso): preposição e artigo, respectivamente.
b) este / norte: substantivos.
c) meu: pronome possessivo.
d) quando: conjunção temporal.
e) Outros: pronome substantivo.
Leia o texto da página 15, para responder à questão 15.
15. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.4) Assinale a
alternativa em que as formas verbais estão flexionadas no modo subjuntivo.
a) Fico pensando o que significa isso. (§ 3).
b) Que me importa se em Paris está chovendo ou se no Rio faz 42 graus à sombra, já que não estou de passagem
marcada para lá? (§ 3).
c) Todos os dias chove ou faz sol, está frio ou quente, úmido ou seco, e a cada manhã isso nos parece um fenômeno
sobrenatural e espantoso. (§ 3).
d) Relutamos em perguntar: você está deprimido hoje? (§ 6).
e) Se eu soubesse, talvez soubesse um pouco de você. (§ 5).
Leia o seguinte texto para responder às questões 16 e 17.
“Se fôssemos brincar de traduzir em uma só palavra o que Vinícius e o funk estão dizendo, a palavra seria a
mesmíssima “vai”. Vai, vai sofrer, vai, vai viver, vai, vai, vai amar, que quando derem vez ao morro toda a cidade vai
cantar. Vai cantar, vai, vai cantar, vai, vai cantar. Vai, vai, vai, vai, vai.”.
Adriana Calcanhoto. http://oglobo.globo.com/cultura/vai-vai-vai-vai-vai-10440185. Acesso em: 20.10.2013.
16. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.11) Assinale a
alternativa correta.
a) A substituição de “Se fôssemos brincar de traduzir” por “Se brincássemos de traduzir” preserva a coerência e a
correção textual.
b) A forma verbal “seria” pode ser substituída por “será” sem prejuízo de sentido e da coerência.
c) A palavra “mesmíssima” constitui um advérbio no grau superlativo.
d) A forma verbal “derem” está flexionada no futuro do presente do indicativo.
e) Na primeira ocorrência, a forma verbal entre aspas “vai” está flexionada no futuro do presente do indicativo.
17. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.12) Nas formas “vai
sofrer”, “vai viver”, “vai amar”, “vai cantar”, o verbo “ir”, usado como auxiliar, seguindo de infinitivo, indica que a
ação:
a) poderia acontecer no futuro.
b) já se aproxima.
c) está para principiar.
d) acaba de se realizar.
e) ocorrerá no futuro.
18. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.19) Em qual
alternativa o pronome sublinhado na frase causa ambiguidade?
a) Madalena gosta de trabalhar na casa dela todos os dias da semana.
b) Pedro avisou que Maria estava trabalhando em seu escritório.
c) Paulo e Pedro devem ter seus trinta anos de idade.
d) Peço a Deus, pela sua felicidade.
e) Seu Antônio, pode entrar!

19. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.20) Quanto às


classes de palavras, analise o emprego da palavra que sublinhada nas seguintes frases:
I – Volte logo que estamos cansados.
II – Que maravilha sua casa nova! Amei!
III – Quê! Ainda não tomou banho para a festa?
IV – Ele tem que sair mais cedo da escola para viajar.
V – Esta é a estrada que o fiscal sugeriu a meu irmão, ontem
Nessas frases, a palavra que está empregada, respectivamente, como:
a) Conjunção, advérbio, interjeição, preposição, pronome.
b) Preposição, pronome, conjunção, conjunção, advérbio.
c) Advérbio, advérbio, pronome, conjunção, conjunção.
d) Pronome, advérbio, pronome, conjunção, conjunção.
e) Conjunção, conjunção, pronome, conjunção, conjunção.
Leia o texto da página 17 atentamente para responder à questão 20.
20. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.4) A respeito das classes
gramaticais, as quatro palavras que aparecem em “compra de” (5º parágrafo) e “novo olhar” (9º parágrafo)
exercem, respectivamente, as seguintes funções:
a) verbo – preposição / adjetivo – verbo.
b) verbo – substantivo / adjetivo – substantivo.
c) substantivo – conjunção / substantivo – verbo.
d)substantivo – preposição / adjetivo – substantivo.
e) substantivo – conjunção / adjetivo – substantivo.
www.professordeodatoneto.com.br
21. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.10) Verifique as relações
de sentido estabelecidas pelas preposições sublinhadas nas seguintes frases:
- Ali as coisas eram ditas a meia voz.
- Com a seca, o gado começou a morrer.
- A praça foi enfeitada para a festa.
- À chegada do campeão, todos ficaram de pé.
A sequência correta é:
a) causa – modo – condição – lugar.
b) modo – finalidade – causa – distância.
c) finalidade – modo – lugar – tempo.
d) lugar – instrumento – tempo – companhia.
e) modo – causa – finalidade – tempo.
22. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.17) A frase que está com
o emprego do pronome em DESACORDO com a variedade padrão da nossa língua portuguesa aparece na
alternativa:
a) Fiquei tão brava que o mandei sair do recinto.
b) Devo encontrar-me com você ainda hoje.
c) Quando saíres, avisa-nos que iremos com você.
d) Não vá, por favor, preciso falar com o senhor.
e) Quando Vossa Senhoria vier, traga consigo a informação pedida.
23. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.18) Analise o
comportamento dos verbos neste fragmento de texto, em que ocorre a descrição da morte da cachorra Baleia,
personagem em Vidas Secas, de Graciliano Ramos.
“Baleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo cheio de preás. E lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano
enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num chiqueiro enorme. O mundo
ficaria cheio de preás, gordos, enormes.
O tempo verbal empregado confere ao texto um(a):

a) sentido de sonho, fantasia.


b) certeza, por isso foi usado o modo indicativo.
c) sequência de ações encenadas no passado.
d) fato realizável em relação ao momento presente.
e) fato não concluído no momento passado.
Para responder à questão 24, leia com atenção o seguinte texto:
“Vai me ver
com outros olhos
ou com os olhos
dos outros?”.
( Leminski)
24. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.8) Sobre esse texto, analise as seguintes afirmações:
I – As palavras relacionais “com” e “ou” têm a mesma classe gramatical.
II – Em “outros olhos”, “outros” é pronome indefinido.
III – Em “outros olhos”, “outros” designa “algo” ou alguém, cuja referência indefinida se encontra fora do âmbito do
falante e do ouvinte”.
IV – Em “os olhos/dos outros?”, “outros” é substantivo
V – Em “os olhos/dos outros?”, “outros” designa “outra pessoa, fictícia ou então real, mas que não se sabe ou quer
designar”.
Estão corretas apenas as afirmações:
a) I, II e III.
b) II, III e IV.
c) III, IV e V.
d) II, III, IV e V.
e) I, III, IV e V.
25. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.14) Analise as seguintes afirmações sobre o adjetivo que designa
o lugar de origem de uma pessoa.
I – Cuiabano: de Cuiabá.
II – Brasiliense: de Brasília.
III – Sul-mato-grossense: de Mato Grosso do Sul.
IV – Sul mato grossense: de Mato Grosso do Sul.
Está(ão) correta(s):
a) apenas a afirmação I.
b) apenas a afirmação II.
c) apenas a afirmação III.
d) apenas as afirmações I, II e III.
e) apenas as afirmações I, II e IV.
www.professordeodatoneto.com.br
26. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.28) Em relação às funções da palavra SE, considere as
construções:
I – A bela modelo olha-se demoradamente no espelho. (Pronome pessoal oblíquo átono reflexivo).
II – Em Mato Grosso do Sul se vive muito bem. (Índice de indeterminação do sujeito).
III – O rapaz apaixonado suicidou-se em plena avenida mais movimenta de Campo Grande. (Partícula integrante de
verbo).
Está(ão) correta(s):
a) somente a I.
b) somente a II.
c) I, II e III.
d) somente II e III.
e) somente I e II.

27. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.17) Considerando o mesmo


contexto, observe as expressões transcritas a seguir:
I – “[...]. todo o mundo...”.
II – “[...]. todos os dias”.
Analise a alternativa correta.
a) Em I, todo é um adjetivo; em II, todo é um substantivo.
b) Em I, todo é um substantivo; em II, todo é um adjetivo.
c) Em I, todo é um advérbio; em II, todo é um substantivo.
d) Em I, todo é um adjetivo; em II, todo é um pronome.
e) Em I, todo é um adjetivo; em II, todo é um adjetivo.
28. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.21) Analise as afirmações a seguir.
I – “Não podemos mais nos omitir” – (NOS é pronome oblíquo).
II – “...declarou o diretor-geral da FAO...” – (DECLAROU expressa uma ação iniciada e concluída no passado, está no
futuro pretérito).
III – “... o brasileiro José Graziano da Silva.” – (O BRASILEIRO é um substantivo).
Está(ão) correta(s) a(s) afirmação(ões) apresentada(s) em:
a) I, apenas.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.
29. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.24) Assinale a oração em que a
palavra QUE é um pronome relativo.
a) O caminho que segui era o mais rápido.
b) Você tem um quê de doçura no olhar.
c) Não se preocupe que há outros piores.
d) Que resposta você espera dele?
e) Antônio alega que ajuda a família.
30. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.7) Assinale a alternativa cujo trecho do texto (ver
página 22) contém a classificação morfológica correta, respectivamente.
a) “puderam constituir seu”: locução verbal, pronome possessivo.
b) “por esses profissionais”: preposição, pronome demonstrativo, adjetivo.
c) “melhores condições financeiras”: advérbio, substantivo, adjetivo.
d) “segurança e defesa”: substantivo, adjetivo, conjunção, adjetivo.
e) “nada o faz”: pronome indefinido, artigo, verbo.
31. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.12) Leia esta frase, tendo em vista o contexto e a
morfologia da palavra sublinhada.
Seu amigo, apesar de rico, só almoça em restaurantes de segunda classe.
No contexto, a palavra destacada:
a) funciona como numeral ordinal.
b) não tem a forma de numeral ordinal.
c) ganha dois sentidos: o de contagem e o de caracterização.
d) não hierarquiza o estabelecimento comercial.
e) exerce a função de adjetivo.

32. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.15) Considerando a classe gramatical “preposição”,


leia estas frases:
I. Os feridos devem ser conduzidos ao veículo.
II. Os feridos devem ser conduzidos no veículo.
Assinale a alternativa INCORRETA.
a) Tanto em I quanto em II, as preposições estabelece relações de dependência e de sentido entre as palavras.
b) Na frase II, foi usada a variedade popular, como neste exemplo: “Fui na feira.”.
c) Em I, a palavra “ao” transmite noção de lugar.
d) Em I, a contração de a + o (ao), no contexto, tem o sentido de “para dentro do”.
www.professordeodatoneto.com.br
e) Em II, os feridos devem ser transportados de um lugar para o outro, usando o veículo.
33. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.16) Assinale a alternativa que contém a frase com a
flexão verbal dentro dos padrões da norma culta.
a) Temos certeza de que Vossa Senhoria nos avisará, em tempo hábil, quando pôr a situação às claras e ter provas
da transação ilícita.
b) As pessoas que vêm a nossa exposição e veem nossos produtos tem recebido boa impressão.
c) Se ele se dispor a vir a nossa loja, encontrará, sem dúvida, muitos produtos de seu interesse.
d) Nosso representante na região aconselha que não negoceemos com o referido fornecedor.
e) Embora ele não divirja da orientação oficial, sugiro que se previna, pois não convém criar atritos com a nova
diretoria.
34. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.18) Leia estes grupos de adjetivos compostos
sublinhados.
I – Olhos azuis-turquesa / camisas verde-bandeira / cabelos louro-acizentados.
II – Blusas brancas-amareladas / lenços brancos-gelo / sandálias furta-cores.
III – Meninos surdos-mudos / raios ultravioleta / mitologias greco-romanas.
IV – Gravatas azul-marinho / tons amarelo-esverdeados / escolas médico-cirúrgicas.
Estão corretos somente os seguintes grupos:
a) III e IV.
b) I, II e III.
c) II, III e IV.
d) I, III e IV.
e) II e III.
35. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.19) Considerando o emprego de formas do pronome
de tratamento, relacione as colunas I e II.

Coluna I Coluna II
(1) Vossa Eminência ( ) sacerdote; rabino
(2) Vossa Magnificência ( ) deputado; prefeito
(3) Vossa Reverendíssima ( ) cardeal
(4) Vossa Excelência ( ) oficial da Forças Armadas;
(5) Vossa Senhoria funcionários graduados
( ) reitor
A sequência correta, de cima para baixo, é:
a) 3 – 2 – 1 – 5 – 4.
b) 4 – 3 – 1 – 2 – 5.
c) 4 – 3 – 2 – 5 – 1.
d) 3 – 4 – 1 – 5 – 2.
e) 2 – 4 – 1 – 3 – 5.

36. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.24) Passando para a voz passiva a frase “O bombeiro


havia aplicado alguns jatos d’água sobre o fogo.”, a flexão verbal é a seguinte:
a) haviam aplicado.
b) estava sendo aplicados.
c) haviam sido aplicados.
d) seriam aplicados.
e) teriam sido aplicados.
37. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.8) Assinale a alternativa correta,
tendo em vista as regras de colocação de pronome oblíquo átonos, de acordo com norma culta.
a) A estátua que dedicaram-lhe é de pedra.
b) Estava decidido a convidá-lo para a festa.
c) Ivo cumprimentou o amigo, se retirando em seguida.
d) Tu não dever-te-ias calar diante de tal situação.
e) Nunca repita-me essa versão absurda dos fatos.
38. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.11) Assinale a alternativa em que a
partícula SE é índice de indeterminação de sujeito.
a) Ouviu-se um belo discurso.
b) Assiste-se a espetáculos degradantes.
c) Não se ouvia o sino.
d) Perdeu-se um cão de estimação.
e) Proibiram-se as aulas.
Leia o texto para responder à questões 39.
Aviação Civil
Livre Uso
As empresas aéreas vão juntas reivindicar mudanças nos protocolos da Anatel. Muitos são inutilidades da
burocracia estatal. Um dos pleitos será pela liberação do uso de celulares durante os voos. Comprovadamente, o
conforto, que vigora, em vários países, não oferece risco algum à navegação aérea – exceto nos momentos de
pouso e decolagem.
IstoÉ, ano 37, n. 2.281, agosto/2013, p. 35.
www.professordeodatoneto.com.br
39. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.9) Assinale a alternativa em que há
ERRO na identificação da classe da palavra destacada.
a) “As empresas AÉREAS vão juntas [...]”, [adjetivo].
b) “[...] REIVINDICAR mudanças nos protocolos da Anatel.”. [advérbio].
c) “MUITOS são inutilidades da burocracia [...]”. [pronome indefinido].
d) “[...] uso de CELULARES durante os voos.”. [substantivo].
e) “COMPROVADAMENTE, o conforto, que vigora [...]”. [advérbio].
40. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.13) Assinale a alternativa em que
se deve preencher a lacuna da frase com um particípio irregular.
a) Beatriz vive _____ no chuveiro. (cantar)
b) Vou _____ questão de comparecer à festa. (fazer)
c) A confiança estava _____, pois houve muita decepção. (perder)
d) Está _____ o dia de sabermos o resultado do concurso. (chegar)
e) Avise-me se a janela da casa ficou _____. (abrir)
41. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.14) O particípio verbal está
corretamente empregado nas frases, EXCETO em:
a) Os manifestantes tinham chego às ruas às dez horas.
b) O porteiro já tinha aberto o parque quando chegamos.
c) O ladrão foi pego em flagrante.
d) Pedro foi aceito como auxiliar de escritório.
e) Maria não tinha aceitado a proposta de trabalho.

42. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.18) A palavra “que” exerce a


função de preposição na alternativa:
a) É necessário que se esclareça a questão.
b) A melodia que compôs para a festa foi um sucesso.
c) Que bela estava aquela noite!
d) Você tem que dizer toda a verdade.
e) Espere um pouco que o doutor já vem.
43. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.19) A que categoria pertence o
pronome “você”?
a) Possessivo.
b) Demonstrativo.
c) De tratamento.
d) Relativo.
e) Indefinido.
44. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.20) Sobre as seguintes orações, é
correto afirmar que todas empregam advérbio terminado em “- mente” com a mesma função semântica (indicando
modo), EXCETO:
a) João entrou silenciosamente na biblioteca.
b) Possivelmente, Eva irá telefonar amanhã.
c) Educadamente, José retirou-se após o jantar.
d) Ana folheou delicadamente as páginas do diário da avó.
e) Use as palavras adequadamente no relatório.
45. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.21) Assinale a alternativa em que
a palavra “qual” NÃO exerce a função de pronome interrogativo.
a) É este o poema do qual lhe falei.
b) Qual é o seu e-mail?
c) Conte qual foi a sua nota na prova.
d) Diga qual horário você prefere.
e) Marque qual é a resposta correta.B
46. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.22) A palavra “a” NÃO exerce a
função de pronome pessoal oblíquo, mas a de preposição na alternativa:
a) – A Lara? Deixei-a no restaurante para jantar com os amigos.
b) Eu a vi ontem no teatro, Maria.
c) Para que Edna não se preocupasse, avisei-me sobre a mudança de horários do voo..
d) Foi quando a vi passar de carro, indo na mesma direção que eu.
e) Ao encontrá-la, entreguei as chaves do apartamento a ela.
47. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.14) Observe o nome deste
estabelecimento comercial, colocado numa placa: “Lanchonete 2 Irmões”.
Agora, leia este poema.
Ao entrar na lanchonete
Expliquei pros dois irmões
Que o plural estava errado
Meus esforços foram vões
Vi que não adiantava
E lavei as minhas mões
O Brasil das placas. Revista Abril, 3.
Assinale a alternativa que contém a afirmação INCORRETA.
www.professordeodatoneto.com.br
a) Segundo a norma culta, a placa apresenta uma inadequação quanto à flexão.
b) O uso de vões e mões, no poema, foi usado de forma bem-humorada. O que poderia explicar esse tipo de flexão
é que poucas palavras têm a terminação –ões.
c) O plural do substantivo irmão é obtido apenas por meio do acréscimo de –s à forma singular.

d) Os versos referem-se à inadequação identificada na placa.


e) O autor dos versos utilizou a mesma flexão inadequada de plural para as outras palavras terminadas em –ão.
48. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.19) Leia estas frases e analise as
palavras sublinhadas.
I – Dos meus amigos, um toca bateria.
II – Um dia, ela resolveu aparecer.
A palavra um, em I, é __________ e, em II, é __________.
Na sequência, as classes de palavras que preenchem corretamente os espaços acima são:
a) artigo indefinido / numeral.
b) artigo indefinido / artigo definido.
c) numeral / numeral.
d) artigo definido / numeral.
e) numeral / artigo indefinido.
49. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.25) Complete as lacunas das frases
com a forma verbal entre parênteses.

Nós __________ os produtos roubados. (reavemos – reouvemos)

O funcionário __________ o documento. (requis – requereu – requiz)

Quando ele __________ a escola, avise-nos. (vier – vir – ver)

Quando Maria __________ à prefeitura, solicite-lhe o alvará. (ver – vir – vier)

Os verbos que preenchem corretamente as lacunas acima são:


a) reouvemos – requereu – vier – vir.
b) reavemos – requiz – ver – vir.
c) reouvemos – requereu – vir – vier.
d) reouvemos – requereu – ver – vier.
e) reavemos – requis – vir – ver.
50. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.13) Assinale a alternativa em que a forma verbal no infinitivo
equivale a uma forma verbal no gerúndio.
a) “Acabou de comer como um abade.”.
b) “Dona Bernadina, sua esposa, está muito entretida a limpar a gaiola de um canário belga.”.
c) “– Mas, homem de Deus, para que você não há de confessar que não sabe?”.
d) “Não é nenhuma vergonha ignorar qualquer palavra.”.
e) “Não dou o braço a torcer!”.
51. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.15) Assinale a alternativa em que a correlação das formas
verbais é própria da língua falada coloquial.
a) Quando ele interveio, a briga já havia acabado.
b) Pagarão as contas se reouverem o dinheiro.
c) As tensões diminuirão quando atenderem as reivindicações.
d) “– Se soubesse, não perguntava.”
e) Se vierem aqui e virem os estragos, tomarão providências.
52. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.16) Assinale a alternativa em que a expressão destacada com
negrito é um substantivo.
a) Os afins não foram lembrando no testamento. [parentes].
b) Economizaram dinheiro durante muitos anos a fim de comprar um sítio. (para – indica finalidade).
c) O professor pediu silêncio aos alunos a fim de que todos pudesse ouvi-lo. (para que – indica finalidade).
d) Mariana estava a fim de ir ao teatro. (tinha vontade de – no sentido de “com intenção de”).
e) A profissão de Ana é afim com a de Laura.(A profissão de Ana tem afinidade com a de Laura).

53. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.3) Analise as ações designadas pelas formas verbais


sublinhadas nos parágrafos 2 e 3 do texto (ver página 29) .
“Introduzida no Brasil pelos negros africanos, a capoeira expressava rebeldia e resistência à escravidão. Nas
fugas, era praticada como forma de ataque ou defesa.
No período de 1904 a 1910, a capoeira continuava a ser uma forma de resistência. Não mais à escravidão – que
já não existia – mas a uma sociedade preconceituosa que excluía o negro ex-escravo da vida social e econômica
do país. (...)”.
As formas verbais sublinhadas revelam que essas ações:
a) estão totalmente concluídas.
b) podiam ser realizadas em certo tempo.
c) eram rotineiras e, portanto, repetiam-se por muitas vezes.
www.professordeodatoneto.com.br
d) não se realizaram ainda, mas poderão realizar-se.
e) ainda podiam ser realizadas.
54. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.10) Analise as frases (I) e (II) e assinale a alternativa
INCORRETA.
I – Com a Eva ele vai sair.
II – Com Ivo ele não vai sair.
a) A frase II, não tendo o artigo definido diante do nome próprio, está errada.
b) A frase I traz um artigo definido, no feminino e no singular, pois antecede um nome próprio com as mesmas
características morfológicas.
c) Na comparação entre a frase I e a frase II pode-se observar a relevância da estilística no artigo.
d) A frase II, dispensando o artigo diante do nome próprio, marca o distanciamento entre o referente e o emissor.
e) A frase I apresenta um artigo definido, no singular e no feminino, que semanticamente torna Eva mais próxima.
55. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.13) Tendo em vista o emprego das palavras nos texto
(ver página 60, questão 32), numere a segunda coluna de acordo com a primeira.

(1) “aquele” e “naquele” [§ 1] () é uma forma equivalente a “senho


(tratamento respeitoso), empregad
diante de palavra designativa d
profissão (“policial”).

(2) “apressadinho” [§ 1] () é um substantivo masculino qu


designa um indivíduo qualquer.

(3) “cara” [§ 1] () referem-se a pessoas genericament


mencionadas.

(4) “seu” [§ 4] () traduz sentimento de espanto, d


surpresa diante de algo inesperado

(5) “puxa vida” [§ 4] (interjeição) () palavra formada por adjetivo mais


sufixo –inho, com valor intensificado
Assinale a alternativa que indica a sequência correta de numeração da coluna 2, de cima para baixo.
a) 4, 5, 2, 3, 1
b) 1, 3, 4, 5, 2
c) 5, 2, 1, 3, 4
d) 4, 3, 1, 5, 2
e) 1,5, 2, 4, 3
56. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.16) Assinale a frase que admite a transposição para a
voz passiva.
a) Os operários derrubaram o velho prédio.
b) As folhas caem no inverno.
c) As pessoas precisam de respeito.
d) O aluno permaneceu calado.
e) O avião desapareceu no horizonte.

57. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.17) Assinale a alternativa correta quanto ao emprego
do pronome pessoal.
a) O problema deve ser resolvido por eu e você.
b) Para mim, estudar é muito interessante.
c) Esta é uma tarefa para mim fazer.
d) Este fato é uma alegria para eu.
e) Quando voltei a si, assustei.
Leia o texto para responder à questão 58.
Carinhoso
Segundo uma pesquisa do IBOPE, 62% da população brasileira diz que carinho é importante para sua vida. Entre
as pessoas ouvidas, cerca de um terço considera que as famílias de hoje são mais carinhosas do que as de
antigamente. Além disso, os dados mostram que 69% das brasileiras sofrem a influência do sentimento contra 54% dos
homens.
Revista Seleções, fevereiro/2013, p.14.
58. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.22) Observe as afirmativas sobre as orações.
I – “[...] população brasileira diz que carinho é importante para sua vida”. (DIZ – verbo de ação/ É – verbo de ligação).
II – “Entre as pessoas ouvidas [...]” (ENTRE – preposição que designa relação de situação em meio de).
III – “Além disso, os dados mostram que 69% das brasileiras [...]” (DADOS – adjetivo masculino, singular).
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas I está correta.
b) Apenas II está correta.
c) Apenas III estão correta.
d) Apenas I e II estão corretas.
e) Apenas II e III estão corretas.
www.professordeodatoneto.com.br
59. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.13) Assinale a alternativa em que a palavra destacada NÃO
é pronome relativo.
a) “[...] como um super-herói QUE esqueceu como voar”.
b) “[...] para o saguão do prédio, QUE se aproximava rapidamente”.
c) “[...] todas as escolhas erradas QUE tinham me levado àquele momento”.
d) “[...] mas acho QUE ouvi o ascensorista fantasma dizer”.
e) “[...] É uma das maneiras QUE a morte nos pega”.
60. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.17) Assinale a alternativa em que há ERRO na identificação
da classe da palavra destacada.
a) “[...] o ascensorista abri a porta e anunciava: “Lingerie”, “adereços FEMININOS” etc”. [adjetivo].
b) “Meu corpo não me pertencia MAIS [...]. [conjunção].
c) “Eu nunca saberia por que meu sonho terminal fora AQUELE [...]”. [pronome demonstrativo].
d) “Mas nossas EXPLICAÇÕES morrem com a gente”. [substantivo].
e) “E eu NÃO disse para ninguém que deveria está morto”. [advérbio].
61. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.19) Assinale a alternativa que apresenta um verbo
conjugado na primeira pessoa do singular do imperfeito do subjuntivo, correlacionado com outro verbo conjugado
na primeira pessoa do singular do futuro do pretérito do indicativo.
a) O prédio de lata estava desmoronando e eu estava dentro dele, desmoronando também.
b) Se eu me espatifasse no saguão, certamente morreria [...].
c) O sonho me oferecia alternativas para a morte, se eu fizesse a escolha certa.
d) “Desce aqui e salva a tua alma.”
e) Decidi me resignar.

62. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.8) Observe as palavras grifadas nas frases.


I – Sabe aquele seu vizinho que não trabalha, mas vive sorrindo?
II – As pessoas que estavam trabalhando, em bons empregos, eram sempre mais felizes.
III – Ao longo do estudo, quem trocou o desemprego por um emprego ruim viu sua felicidade cair mais ainda.
Essas formas verbais estão flexionadas nos seguintes tempos e modos, respectivamente:
a) futuro do subjuntivo; imperativo afirmativo, futuro do presente do indicativo.
b) presente do indicativo; pretérito imperfeito do indicativo; pretérito perfeito do indicativo.
c) pretérito do subjuntivo; presente do indicativo; presente do pretérito do indicativo.
d) presente do indicativo; pretérito do subjuntivo; futuro do presente do indicativo.
e) futuro do pretérito do indicativo; pretérito imperfeito do subjuntivo; presente do indicativo.
63. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.18) Na oração “Nosso carro e o de Margarida são
novos.”, a palavra grifada é classificada como:
a) pronome pessoal do caso oblíquo.
b) pronome pessoal do caso reto.
c) pronome possessivo.
d) pronome demonstrativo.
e) artigo definido.
64. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.20) Assinale a alternativa em que a conjunção “e” está
sendo usada com valor adversativo.
a) Tenho encontrado alunos que estudam demais e são reprovados.
b) Para diminuir a violência e aumentar a paz proibimos o uso de armas.
c) Comprou frutas e legumes frescos.
d) Iniciei o estudo das leis e fiz as provas.
e) Perdemos tempo e dinheiro com esta festa.
65. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.11) Assinale a alternativa em que,
conforme a norma culta, o emprego do infinitivo está INCORRETO.
a) Disse ser falsas aquelas assinaturas.
b) Eles pareciam estar mais conformados.
c) De hoje a dois meses podes voltar aqui.
d) Viam-se brilhar as primeiras estrelas.
e) Deixei-os sair, mas procurei orientá-los.
66. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.12) Assinale a alternativa em que
está INCORRETA a flexão no modo imperativo dos verbos dos parênteses, de acordo com a pessoa indicada.
a) Não deponhas a favor do réu. (depor, tu).
b) Não frija os ovos na manteiga. (frigir, você).
c) Construamos uma empresa neste lugar. (construir, nós).
d) Não caíamos nesse engano, peçamos isso a Deus. (cair, nós) (pedir, nós).
e) Fuja bem rápido e vai em busca de ajuda. (fugir, tu) (ir, tu).
67. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.13) Quanto à correlação dos
tempos verbais, de acordo com a norma culta, assinale a alternativa correta.
a) Caso me desentendesse com ela, deixarei os livros com sua secretária.
b) Seria melhor que eles examinassem os documentos com o devido cuidado.
c) Se todos estiverem de acordo, elas deixariam a reunião para o dia seguinte.
d) Logo que você perceber o clima de tensão, não teria agido dessa daquela forma.
e) Quero que você dirige a atenção aos mais necessitados.
www.professordeodatoneto.com.br
68. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.17) A expressão MAL, em “O Mal de
Alzheimer”, funciona como:
a) substantivo.
b) adjetivo.
c) advérbio.
d) conjunção.
e) artigo.
69. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.18) No recorte “Ele atinge pessoas
a partir dos 50 anos de idade, porém é mais comum depois dos 60”, a conjunção “porém” pode, sem prejuízo do
sentido, ser substituída por:
a) portanto.
b) assim.
c) todavia.
d) porque.
e) pois.
Leia o recorte, a seguir, para responder às questões 70 e 71.
“Com o avanço da doença, a pessoa torna-se dependente como um bebê.”
70. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.22) Quanto à classe de palavras, a
expressão grifada, “como”, é:
a) interjeição.
b) preposição.
c) substantivo comum.
d) advérbio de identidade.
e) conjunção comparativa.
71. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.23) A expressão “como” pode ser
substituída, sem mudança de sentido, por:
a) por mais.
b) tal qual.
c) pelo menos.
d) com qualquer.
e) mesmo sendo.
72. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.25) Assinale a alternativa em que a
expressão MEIO funciona como advérbio.
a) A mulher comprou meio quilo de carne.
b) Já sei o meio para alcançar sucesso.
c) A criança quase foi atropelada no meio da avenida.
d) Cortei dois metros e meio de tecido.
e) A doença deixou João meio fraco.
73. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.7) Conforme a norma culta da
língua portuguesa escrita, a opção que mostra uma correlação INADEQUADA entre os tempos verbais é:
a) “Se prestava atenção, a redação de guias editoriais não perpetraria tolices”.
b) “Se prestar atenção, a redação de guias editoriais não perpetrará tolices”.
c) “Se prestou atenção, a redação de guias editoriais não cometeu tolices”.
d) “Se tivesse prestado atenção, a redação de guias editoriais não teria perpetrado tolices”.
e) “Se prestasse atenção, a redação de guias editoriais não perpetraria tolices”.

74. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.8) Após observar as frases


seguintes, assinale a única opção INCORRETA:
I – Com a Marina José vai casar.
II – Com Ana Fred não vai discutir.
a) Na frase I, há um artigo definido, no feminino e no singular, pois antecede um nome próprio que apresenta as
mesmas características morfológicas.
b) Na frase I, há m artigo definido, no feminino e no singular, que semanticamente torna “Marina” mais próxima do
emissor.
c) Na comparação entre a frase I e a frase II, observa-se a importância do uso do artigo para definir com objetividade
o que se quer expressar.
d) A frase II, dispensando o artigo diante d nome próprio, marca o distanciamento entre o referente e o emissor.
e) A frase II, não contendo o artigo definido diante do nome próprio, está errada.
75. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.9) Assinale a forma afirmativa
correspondente a:
“Não estudes! Não leias! Não progridas!”
a) Estuda! Lê! Progrida!
b) Estude! Lê! Progrida!
c) Estuda! Leia! Progride!
d) Estuda! Lê! Progride!
e) Estude! Leia! Progrida!
76. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.10) Assinale a opção que
apresenta a transposição da oração para a voz ativa:
www.professordeodatoneto.com.br
No início do baile, seriam executados pela orquestra um tango e um samba,
a) No início do baile, a orquestra executaria um tango e um samba.
b) No início do baile, a orquestra executará um tango e um samba.
c) No início do baile, a orquestra executou um tango e um samba.
d) No início do baile, a orquestra executava um tango e um samba.
e) No início do baile, a orquestra executara um tango e um samba.
77. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.18) A conjugação verbal de
entre em “Entre no meu carro” é
a) pretérito imperfeito do indicativo.
b) pretérito perfeito do indicativo.
c) pretérito imperfeito do subjuntivo.
d) presente do indicativo.
e) imperativo afirmativo.
78. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.7) A opção que apresenta apenas verbos regulares
é:
a) mediar, copiar, sair.
b) perder, caber, estar.
c) amar, vender, partir.
d) medir, estudar, cantar.
e) lavar, beber, sorrir.
79. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.11) No enunciado “Da existência e dos direitos que
lhe são próprios, tão simples, tão naturais”, extraído do Texto 1 (ver página 41), a palavra “que” é:
a) pronome relativo.
b) conjunção integrante.
c) advérbio.
d) preposição.
e) partícula expletiva.

80. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.12) A oração “Paula olhou-se no espelho do salão”
apresenta um verbo na voz:
a) ativa.
b) passiva analítica.
c) passiva pronominal.
d) reflexiva recíproca.
e) reflexiva.
81. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.15) Assinale a única alternativa que apresenta ênclise.
a) “[...] se nós mesmos não nos conscientizarmos”.
b) “[...] porém me surpreendi”.
c) “[...] foi apenas para se sentir superior”.
d) “Enganei-me, não são apenas jovens”.
e) “Quem sou eu para me meter nas atitudes dele?”
Leia o trecho da letra de “Clara”, de Caetano Veloso, para responder à questão 82:
Quando a manhã madrugava
calma
alta
clara
Clara morria de amor.
(In: O melhor de Caetano Veloso. São Paulo, Polygram, 1997.)
82. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.16) As expressões “clara” [L. 4] e “Clara” [L. 5], no
trecho lido, correspondem respectivamente a:
a) verbo e substantivo.
b) adjetivo e substantivo.
c) adjetivo e advérbio.
d) substantivo e substantivo.
e) substantivo e adjetivo.
83. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.18) Assinale a alternativa em que a palavra “meio”
funciona como advérbio:
a) Ele só comprou meio quilo de feijão.
b) Eu encontrei o meio de acertar minha dívida.
c) O homem estacionou o veículo no meio da estrada.
d) A costureira comprou um metro e meio de tecido.
e) Achei-o meio chateado ontem na festa de aniversário.
84. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.8) Observe os verbos grifados nas orações abaixo:
I - Terminei o curso primário com 10 para 11 anos, na escola Silviano Brandão...
II – Por morar perto, tinha mais um motivo para estudar no Colégio Municipal.
III – Minha habilidade era muito maior com os pés do que com as mãos.
a) Os três verbos estão no pretérito imperfeito do indicativo.
b) Os três verbos estão no pretérito perfeito do indicativo.
www.professordeodatoneto.com.br
c) O primeiro verbo está no pretérito; o segundo e o terceiro, no pretérito imperfeito do indicativo.
d) Os dois primeiros estão no pretérito imperfeito e o último no futuro do indicativo.
e) Os três estão no futuro do pretérito do indicativo.
85. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.19) Em qual alternativa o gerúndio está mal empregado?
a) Falando sobre assuntos polêmicos, o professor atraiu a atenção de todos.
b) Abrindo a janela, deixou-se acariciar pela brisa.
c) Estava trabalhando no escritório.
d) O avião caiu, sendo encontrado dois dias depois.
e) Aprendeu francês, repetindo diariamente as lições.

86. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.24) Na frase “É imprescindível que você verifique o


resultado da prova”, a palavra que é:
a) conjunção integrante.
b) pronome relativo.
c) conjunção consecutiva.
d) preposição.
e) conjunção explicativa.
87. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.8) Assinale a alternativa na qual o que é uma locução
denotativa de realce.
a) “Meu amigo lança fora o jornal que está lendo...”.
b) “Os jornais é que falsificam a imagem do mundo.”.
c) “... em um subúrbio um sapateiro matou a mulher que o traía.”.
d) “Eu não afirmo que isso seja mentira.”
e) “Depois de várias rodadas, Joca declarou que pagaria toda a despesa.”
88. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.9) Em qual alternativa podemos encontrar duas formas
verbais que, se estivessem acentuadas como paroxítona e como proparoxítona, respectivamente, deixariam de ser
verbos?
a) "apareceu Joca de tal...”
b) “Se um repórter redigir essas duas notas e levá-las a um secretário de redação, será chamado de louco.”.
c) “Houve em desastre de trem na França, um acidente de mina na Inglaterra, um surto de peste na Índia.”.
d) “Mas acontece que o jornal escolhe os fatos que noticia. (...) O jornal nunca publica uma nota...”.
e) “Porque os jornais noticiam tudo, tudo, menos uma coisa tão banal de que ninguém se lembra: a vida...”.
89. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.12) Assinale a alternativa em que o termo meio funciona
como advérbio.
a) Encontrei-o meio triste em casa.
b) Ele só quer meio quilo de carne.
c) Nós achamos o meio de aceitar.
d) Parou no meio do caminho.
e) Mediu um metro e meio de tecido.
90. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.16) No trecho “Três décadas se passaram da divisão do
antigo Mato Grosso e criação do Mato Grosso do Sul.”, as palavras grifadas são:
a) três locuções adjetivas.
b) três substantivos.
c) dois substantivos, uma locução adjetiva.
d) um substantivo, duas locuções adjetivas.
e) um substantivo, um adjetivo e um pronome.
91. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.4) No enunciado “... com discussões com grupo de
professores, coordenadores e diretores de ensino médio de rede pública da capital paulista e cujo relatório está
disponível no site”, a expressão cujo é:
a) pronome indefinido.
b) pronome pessoal.
c) pronome relativo.
d) pronome de tratamento.
e) pronome demonstrativo.
92. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.5) Analise as afirmações a seguir, sobre classes de palavras,
e assinale a alternativa CORRETA.
a) Em “Quando se conversa com jovens do ensino médio...”, a forma verbal conversa está no modo subjuntivo.
b) Em “... mesmo quando suas atitudes parecem dizer exatamente o contrário...”. a palavra exatamente é um
adjetivo.
c) Em “... ali há pessoas, cada uma delas com a sua particularidade...”, a expressão cada uma delas retoma o
substantivo pessoas.
d) Em “Conforme sugere o resultado da pequisa...”, a palavra conforme é um advérbio.
e) Em “[...] os estudantes querem possibilidade de diálogo... “, os é um artigo indefinido.

93. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.11) Analise os enunciados, a seguir, e assinale a alternativa


na qual a palavra que é um pronome relativo.
a) “[..] esperam que o adulto à frente deles na sala de aula saiba impor o seu lugar...”
b) “[...] desde as mudanças físicas ao ganho de autonomia que acompanham a passagem do ensino fundamental
ao ensino médio”.
www.professordeodatoneto.com.br
c) “Percebem também que devem ser colocar como adulto...”
d) “[...] isso significa criar condições para que a escola exerça sua missão primordial como espaço de educação...”.
e) “[...] reconhecem que nem sempre é fácil manter o controle da situação...”.
94. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.15) Indique a alternativa que completa CORRETAMENTE,
pela ordem, o período abaixo:
Quem ............... o meu irmão, ou, pelo menos, ............... falar com ele, ...............-o em meu nome.
a) ver – poder – advirta.
b) vir – puder – adverta.
c) vir – puder – advirta.
d) ver – puder – adverta.
e) vir – poder – advirta.
95. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.3)
(...) Foram cuidados adotados depois que ele, de trás das grades, comandou uma rebelião que terminou com quatro
mortos, inclusive o líder de uma facção rival, e ordenou uma série de ataques no Rio de Janeiro, em 2003, cujo saldo
foram 55 ônibus incendiados e lojas fechadas em vinte bairros. Achava-se que assim ele estaria fora de combate. No
último ano e meio, no entanto, os policiais seguiram seus passos e descobriram que ele não apenas continuava a
liderar sua quadrilha como se articulou com traficantes de outros países.
BARTOLOTI, Marcelo. Veja. 28/11/2007.
(...) os policiais seguiram seus passos (...) (último período)
A transformação passiva da frase acima é:
a) ... seus passos estavam sendo seguidos pelos policiais...
b) ... seus passos foram seguidos pelos policiais.
c) ... os policiais tinham seguido seus passos...
d) ... os policiais vão seguir seus passos...
e) ... seus passos tinham sido seguidos pelos policiais.
96. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.9) A voz passiva sintética está presente em todas as
alternativas, EXCETO em:
a) Exigem-se dinamismo e persistência para o exercício dessa profissão.
b) Arrisca-se a vida em cada operação na favela.
c) Arriscam-se vidas no combate ao tráfico de drogas.
d) Imagina-se uma solução para a crise.
e) Trata-se de nova estratégia de combate ao crime.
97. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.10) “É preciso evitar que guerrilheiros das Farc colombianas
ou paramilitares venezuelanos entrem no Brasil e usem a Amazônia como refúgio.”
Veja. 28/11/2007.
No período acima, o complemento grifado está corretamente substituído pelo pronome correspondente em:
a) usem-la.
b) usem-a.
c) usem-na.
d) usem-lhe.
e) usem-nas.

98. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.13) O verbo grifado está corretamente flexionado na frase:


a) Se mantivermos as crianças e adolescentes na escola, contribuiremos para a prevenção de homicídios.
b) Os jornalistas obtiveram permissão para realizar a reportagem no morro.
c) Os estudiosos do assunto proporam novos meios para ajudar a conter os homicídios.
d) Quando o policial ver o traficante sair da favela, poderá iniciar sua ação de combate.
e) Os bandidos não reteram sua violência mesmo sob a mira das armas.

TERMOS ESSENCIAIS, INTEGRANTES E ACESSÓRIOS DA ORAÇÃO.


VOCATIVO.
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO.
PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO.
Leia os textos a seguir para responder à questão 1.
www.professordeodatoneto.com.br
Texto I Texto II
Alfabeto Interjeição é uma espécie de grito com que
AH – Interjeição. Usada para indicar espanto, admiração, traduzimos de modo vivo nossas emoções.
medo. Curiosamente também são as inicias de Alfred A mesma reação emotiva pode ser expressa por mais
Hitchcock. [...] de uma interjeição. Inversamente, uma só interjeição
AI – Interjeição. Denota dor, apreensão ou êxtase, como em pode corresponder a sentimentos variados e, até
“Ai que bom, ai que bom”.[...] opostos. O valor de cada forma interjectiva depende
AI, AI – Expressão sarcástica, de troça. O mesmo que “Como fundamentalmente do contexto e da entoação. [...]
nós estamos sensíveis hoje, hein, Juvenal?” CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. L. Nova Gramática do Português
Contemporâneo .
AI, AI, AI – Expressão de mau pressentimento, de que em boa
coisa isto não pode dar, de “olhem lá o que vocês vão fazer,
gente”.
AI, AI, AI, AI, AI – O mesmo que “Ai, ai, ai”, mas com mais dados
sobre a gravidade da situação.
Geralmente precede uma reprimenda ou uma fuga.
[...]
VERÍSSIMO, Luís Fernando.
1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.24) Quanto à sintaxe dos textos I e II, assinale a alternativa
que contém a classificação correta dos termos da oração.
a) I – A segunda frase do segundo parágrafo contém sujeito indeterminado.
b) II – O termo “espécie” é o núcleo do predicativo do sujeito.
c) I – O vocábulo “gente” é um termo acessório que exerce a função de aposto.
d) II – A última frase contém predicado verbo-nominal.
e) I – As palavras “espanto, admiração, medo” são termos essenciais da oração.
2. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.9) Faça a correspondência adequada quanto
à classificação das orações destacadas.

1 – Oração absoluta ( ) É indispensável que conquistemos o mundo. (Éric


Veríssimo).

2 – Oração coordenada assindética ( ) Apressou-se, contudo não chegou a tempo. (Jorg


Amado).

3 – Oração coordenada sindética ( ) Meu pensamento é um rio subterrâneo. (Fernand


Pessoa).

4 – Oração Subordinada ( ) No alto da figueira estava, no alto da figueira fique


(José Cândido de Carvalho).

Assinale a sequência que corresponde à classificação adequada.


a) 1 – 2 – 3 – 4.
b) 4 – 3 – 2 – 1.
c) 4 – 3 – 1 – 2.
d) 3 – 1 – 4 – 2.
e) 2 – 1 – 4 – 3.

3. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.15) Falhou a análise


sintática em:
a) A professora indicou os livros. (objeto direto)
b) As mãos ofertam rosas. (sujeito composto)
c) O homem necessita de dinheiro. (objeto indireto)
d) O tribunal julgou o réu inocente. (predicado verbo-nominal)
e) O povo tem necessidade de alimentos e arte. (complemento nominal)
4. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.23) Analise o seguinte
período:
“O secretário do Meio Ambiente de Minas Gerais, Adriano Chaves, afirma que, no ano passado, o Estado realizou
2.500 ações de fiscalização nos municípios com maior taxas de desmate.”.
A análise, apresentada nas alternativas, está correta, EXCETO em:
a) Período composto por subordinação.
b) “O secretário do Meio Ambiente de Minas Gerais” (sujeito)
c) “Adriano Chaves” (aposto)
d) “o Estado realizou 2.500 ações de fiscalização.” (oração subordinada substantiva objetiva direta).
e) “nos municípios com maiores taxas de desmate.” (adjunto adnominal).
5. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.24) Assinale a alternativa
em que a oração subordinada adverbial expressa uma consequência.
a) O orador foi mais brilhante do que profundo.
b) Sua fome era tanta que comeu dois pães inteiros.
c) As ruas ficaram alagadas porque a chuva foi muito forte.
www.professordeodatoneto.com.br
d) Uma vez que todos aceitem a proposta, assinaremos o contrato.
e) Embora fizesse calor levei agasalho.
6. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.25) Assinale a alternativa
em que as palavras da frase estão na ordem direta.
a) “O velho porteiro do palácio chega em casa, trêmulo.”.
b) “Às vezes rola um bêbedo pela escadaria.”.
c) “Aconteceu alguma coisa no baile?”
d) “De repente, chega a maior carruagem que eu á vi.”.
e) “De dentro da carruagem, salta uma dona.”.
Leia o texto da página 13 atentamente para responder às questões de 7 a 10.
7. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.4)
Sintaticamente, a 1ª frase do 1º parágrafo:
a) é um período composto.
b) prova que nem todo período é uma frase.
c) é um período de uma oração.
d) mostra que qualquer frase é uma oração.
e) é uma oração, porque toda oração tem sentido completo.
8. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.5) No 4º e
5º parágrafos, as orações subordinadas adverbiais “Até que se descobrisse essa natureza virótica [...]” e “[...] até que
a vacinação e medidas sanitárias mais rigorosas tranquilizassem o mundo novamente.” classificam-se como:
a) concessivas.
b) causais.
c) finais.
d) condicionais.
e) temporais.

9. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.6) No 9º


parágrafo, a oração “[...] bem como se apliquem os programas de defesa sanitária.” é:
a) subordinada e traduz uma noção de consequência.
b) coordenada sindética, cujo objetivo é o acréscimo do pensamento.
c) coordenada sindética, pretende advertir sobre a ideia anterior.
d) subordinada, para completar a oração anterior, que está desvinculada da principal.
e) coordenada assindética, pois vem após a vírgula e é independente.
10. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.8) A
respeito dos termos da oração, assinale a alternativa que contém a classificação correta da(s) palavra(s)
sublinhada(s).
a) A Defesa Sanitária Animal e Vegetal [...] (2º parágrafo) – adjunto adnominal.
b) [...] somos os vencedores. (1º parágrafo) – sujeito.
c) [...] pelo vírus da Tristeza dos Citros [...] (4º parágrafo) – agente da passiva.
d) [...] ameaças à produtividade e à saúde humana [...] (1º parágrafo) – objeto indireto.
e) E esse é um desafio que [...] (8º parágrafo) – núcleo do predicativo do objeto.
11. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.15) Observando a
estrutura das seguintes frases, assinale a alternativa que apresenta um período simples.
a) “O título lhe foi dado por Carlos Nobre, presidente do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC),
órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) que concentra as pesquisas do tema e do qual Suzana é vice-
presidente.”
b) “A carioca, que é uma das maiores sumidades do país em questões de sustentabilidade, também está à frente
da Subsecretaria de Economia Verde do Rio de Janeiro, a primeira pasta do gênero do pais.”
c) “A situação é grave, apesar de evoluir lentamente.”
d) “No mês passado, a divulgação de um relatório inédito sobre as mudanças climáticas no Brasil, com previsões
catastróficas, a deixou especialmente apreensiva.”
e) “Em 50 anos, diz o documento, as temperaturas devem subir até 3ºC.”
In: Cláudia n. 10, ano 52. out. 2013 p. 46 [trecho].
12. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.16) Assinale a
alternativa que apresenta uma oração subordinada adjetiva reduzida de infinitivo.
a) Via os pássaros a passar pela janela.
b) Convém entregar a nota fiscal ao vendedor.
c) Não foi à festa, por estar muito cansada e doente.
d) Ergueu a taça ao ganhar o troféu de futebol de salão.
e) O barulho estava tão alto a ponto de acordar a criança.
13. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.6) Assinale a alternativa
que contém o trecho sublinhado classificado de acordo com os termos da oração.
a) As declarações do G8 e do G5 materializam essa mudança histórica [...] – sujeito composto.
b) Há um reconhecimento internacional, não só de que [...] – sujeito simples.
c) Essa é a agenda nova, a agenda do futuro. – vocativo.
d) Esses são os elementos que dão a tônica dessa inflexão. – objetos diretos.
e) [...] o aumento dos preços não beneficiou os agricultores familiares [...] – complemento nominal.
www.professordeodatoneto.com.br
14. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.19) Sabendo que o
pronome relativo é extremamente eficaz na coesão e coerência textual, empregue-o para transformar as duas frases
em um período composto. Faça as adaptações necessárias.
- Estrangeiros invadiram as terras. Elas pertencem aos índios.
- Estrangeiros invadiram as terras. Os índios moram nelas.
- Estrangeiros invadiram as terras. Os donos delas são os índios.
- Estrangeiros invadiram as terras. Os índios foram expulsos delas.
Respectivamente, os pronomes que estabelecem a adequada coesão são:
a) que / as quais / que / das quais.
b) as quais / em que / cujos / de onde.
c) as quais / nas quais / cujos / nas quais.
d) a qual / em que / cujos / das quais.
e) que / nas quais / que / a quem.

15. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.4) Sobre o trecho “Em um workshop em Curitiba, o geólogo


uruguaio Danilo Anton propôs o nome Guarani a uma camada aquífera que, imaginava-se, seria transfronteiriça
entre os quatro países que então formavam o bloco econômico do Mercosul.”, é correto afirmar:
a) É um período composto por coordenação.
b) Inicia-se com um adjunto adverbial de tempo.
c) Nas duas ocorrências, a palavra que é conjunção integrante.
d) A forma verbal “imaginava-se” constitui uma oração intercalada.
e) A palavra “então” poderia ser substituída por “daí”.
16. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.5) O trecho “Novos estudos sobre sua diversidade geológica
revelam que, em espaços de algumas centenas de quilômetros, sua potencialidade pode variar drasticamente.”
constitui um período:
a) simples e uma oração absoluta.
b) simples e uma oração interferente.
c) composto por subordinação.
d) composto por coordenação.
e) composto por coordenação e subordinação.
17. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.6) Observe as expressões sublinhadas nos seguintes enunciados
e, a seguir, avalie as afirmações sobre elas.
I – “O megarreservatório hídrico subterrâneo da América do Sul não é o “mar de água doce” que se pensava existir.”
II – “Ainda não existem estudos detalhados sobre toda a área de ocorrência do Aquífero Guarani no Brasil e nos
outros países do Mercosul.
III – “Entretanto, teria sido melhor denominá-lo “Sistema Aquífero Guarani”.
IV – “[...] já que se trata de um conjunto heterogêneo de “unidades hidroestratigráficas”.
V – “[...] as estruturas geológicas e as intrusões vulcânicas dividem o sistema aquífero”.
Assinale a afirmação INCORRETA.
a) Em I, “mar de água doce” é um predicativo do sujeito.
b) Em II, “ainda” é um advérbio e significa “até agora, até este momento (presente)”.
c) Em III, “entretanto” é uma conjunção designativa de oposição, restrição.
d) Em IV, “já que” é uma locução conjuntiva e significa “dado que”, “visto que”.
e) Em V, o sujeito é simples, pois tem apenas um núcleo.
18. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.9) Observe as orações:
I – Obedece-se aos pais nesta região.
II – Havia tempo suficiente para tudo na vida.
III – Considero-o importante para a resolução deste caso.
Há oração sem sujeito:
a) somente em I.
b) somente em II.
c) somente em III.
d) em I, II e III.
e) em II e III.
19. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.11) Em “Encontraram o seu carro naquela cidade do interior”,
ocorre a oração:
a) sem sujeito.
b) com sujeito oculto.
c) com sujeito composto.
d) com sujeito indeterminado.
e) com sujeito simples e expresso.

20. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.18) Em “– Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?”, a


expressão sublinhada constitui, sintaticamente, um:
a) sujeito simples.
b) sujeito composto.
www.professordeodatoneto.com.br
c) predicativo.
d) vocativo.
e) aposto.
21. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.22) Assinale a única alternativa em que o termo destacado é
classificado como complemento nominal.
a) Ele era devotado aos romances.
b) Ao líder do time de futebol, ninguém lhe deu atenção.
c) Já me esqueci daquele rapaz, mesmo que o queira lembrar.
d) Aos sábados havia na fazenda uma pequena reunião de amigos.
e) Aquelas histórias românticas, eu as tinha guardadas em meu coração.
22. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.30) Assinale a alternativa em que a palavra COMO exerce a
função de adjunto adverbial de intensidade.
a) Como é linda a miss Brasil 2013.
b) Veja o jeitinho como ela me olha.
c) Como não havia recebido, não quis comprar pizza.
d) Minha mãe é delicada como uma flor desabrochando.
e) A professora de português resolveu analisar o pronome como.
23. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.9) Analise os seguintes períodos,
transcritos do texto (ver página 20).
I – “Amigos, taxistas, colegas jornalistas, escritores e até executivos de editoras já me disseram que o brasileiro não lê”.
II – “O brasileiro não lê, mas a quantidade de livros produzidos no Brasil só cresceu nos últimos anos”.
III – “O brasileiro não lê, mas o país é o nono maior mercado editorial do mundo”.
IV – “Na pesquisa mais recente da Câmara Brasileira do Livro, a produção anual se aproximava dos 500 milhões de
exemplares”.
V – “Há um enorme potencial para crescimento, mas já é um número animador”.
Tendo em vista a análise realizada, é correto afirmar que:
a) I e II são períodos compostos por subordinação.
b) III e IV são períodos compostos por coordenação.
c) V é um período composto por subordinação.
d) I e IV são períodos simples com orações absolutas.
e) II, III e V são períodos compostos por coordenação.
24. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.15) Assinale a alternativa em que
há uma oração subordinada adjetiva.
a) Entendo que tudo isso tem uma riqueza incalculável.
b) A forte luminosidade que iluminava o terreno recaia sobre as flores.
c) O que acontece aos nossos filhos depois que se despedem de nós?
d) Muitas pessoas dizem que o sapoti e o cambucá são frutas deliciosas.
e) É bom que aprendas a cultivar flores no jardim da tua casa.
Considere o trecho a seguir para responder à questão 25.
"Na semana passada,veio outro dado impactante revelado também pela ONU: um terço de toda a alimentação
produzida pelo homem é desperdiçada pelo próprio homem."
www. istoe.com.br/assuntos/semana/detalhe/3242370+Planeta+do+desperdício+e+da+fome.
25. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.18) A expressão NA SEMANA
PASSADA, nesse trecho, é classificada como:
a) adjunto adverbial de tempo.
b) adjunto adverbial de lugar.
c) predicativo do sujeito.

d) predicativo do objeto.
e) adjunto adnominal.
Leia o trecho a seguir para responder à questão 26.
“Não podemos mais nos omitir”, declarou o diretor geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva.”
www. istoe.com.br/assuntos/semana/detalhe/3242370+ Planeta+do+desperdicio+e+da+fome.
26. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.20) O sujeito de “Não podemos
mais nos omitir”, é:
a) sujeito simples.
b) sujeito composto.
c) sujeito indeterminado.
d) sujeito oculto ou desinencial.
e) oração sem sujeito.
Leia o texto da página 22 para responder àquestão 27.
27. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.4) Considerando que o verbo haver tem suas
particularidades, se, no 8º parágrafo, no trecho “[...] há preservação da vida em todas as suas formas [...]”, ele fosse
substituído por “existe”, o sujeito seria:
a) inexistente.
b) elíptico.
c) indeterminado.
d) simples.
www.professordeodatoneto.com.br
e) composto.
Leia este texto para responder à questão 28.
No vaivém de vários destinos, a eficiência da atuação dos bombeiros é tão grande que, por várias vezes, os
jornais televisivos mostraram salvamentos feitos através do telefone. Com muita tática profissional, eles mantêm a
pessoa que está do outro lado da linha tranquila, dando-lhes condições de agir e fazer os primeiros socorros, se
necessário.
BARROS, Jussara. In: Dia do bombeiro.
28. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.21) As palavras sublinhadas, em “os jornais televisivos”,
exercem, sintaticamente a função de:
a) adjunto adnominal e complemento nominal, respectivamente.
b) termos acessórios da oração.
c) artigo e adjetivo, respectivamente.
d) termos essenciais, porque fazem parte do sujeito.
e) termos integrantes, cujo núcleo é a palavra “jornais”.
29. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.23) Transforme em uma única frase os períodos de
cada item, utilizando o pronome relativo adequado e fazendo as adaptações necessárias.
– Este é o cirurgião. Os procedimentos dele são eficientes.
– Não machucaram o bicho. Por esse bicho a jovem foi mordida.
– Eles conhecem a professora. Você está falando dela.
Na sequência, os pronomes relativos que se encaixam em cada frase reescrita são:
a) em cujos / o qual / da qual.
b) o qual / que / de que.
c) cujos / pelo qual / de quem.
d) a cujos / por quem / para quem.
e) que / pelo qual / em quem.

30. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.10) Em “Na juventude, muitos fatos


lhe haviam acontecido”, ocorre oração com:
a) sujeito composto.
b) sujeito oculto.
c) sujeito indeterminado.
d) sem sujeito.
e) sujeito simples e expresso.
31. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.12) “Espere, Maria, que o João não
deve demorar.”, a oração destacada é corretamente classificada como:
a) coordenada concessiva.
b) subordinada adverbial temporal.
c) coordenada explicativa.
d) subordinada substantiva objetiva direta.
e) coordenada consecutiva.
32. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.13) A oração sublinhada em “Todos
comentavam que Ana era orgulhosa e injusta.” classifica-se como:
a) subordinada substantiva objetiva direta.
b) subordinada adverbial comparativa.
c) subordinada substantiva subjetiva.
d) coordenada sindética adversativa.
e) principal.
33. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.14) Em “Mariana não fala comigo,
e eu sei que ela me escuta.”, o conectivo “e” pode ser substituído, sem prejuízo do sentido, por:
a) ou.
b) mas.
c) porque.
d) porquanto.
e) nem.
Leia o trecho a seguir para responder à questão 34.
Melissa, dizem que esse galo cantou no Rio de Janeiro colonial, provavelmente numa madrugada da segunda
metade do século XVIII.
34. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.15) A expressão MELISSA, no trecho,
é classificada como:
a) aposto.
b) adjunto.
c) vocativo.
d) predicativo.
e) predicado.
35. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.18) Analise as afirmações a seguir.
I – “Adoro a sua coluna...” – (Sujeito oculto EU).
II – “Um dia o campeão de rinha ...” – (Um dia é adjunto adverbial de tempo).
III – “...mas não sei onde.” – (mas dá a ideia de oposição, adversidade).
www.professordeodatoneto.com.br
Está(ão) correta(s) a(s) afirmação(ões) apresentada(s) em:
a) I, apenas.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III, apenas.

36. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.10) Na frase “As empresas aéreas
vão juntas reivindicar mudanças nos protocolos da Anatel.”, a expressão EMPRESAS AÉREAS tem a função sintática
de:
a) núcleo do sujeito.
b) predicativo do objeto.
c) predicativo do sujeito.
d) adjunto adnominal do sujeito.
e) adjunto adverbial do predicado.
37. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.16) “O menino vai à escola”. Nesse
período, o sujeito é:
a) oculto.
b) inexistente.
c) indeterminado.
d) simples.
e) composto.
38. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.23) Na frase “A moça, que tinha
chegado há pouco tempo, incomodou-se com o barulho da sala”, a palavra “que” é pronome relativo. Assinale a
justificativa correta para essa classificação.
a) A oração entre vírgulas identifica o modo como a moça se sentiu.
b) Trata-se de uma oração adjetiva restritiva, referindo-se ao barulho da sala.
c) Trata-se de uma oração adjetiva restritiva, referindo-se à moça recém-chegada.
d) A oração entre vírgulas enfatiza o barulho que incomodou a moça.
e) Trata-se de uma oração adjetiva explicativa, referindo-se à menina.
39. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.23) Leia esta mensagem que aparece
em um outdoor de Campo Grade – MS.
A força de Campo Grande está na sua gente. Parabéns, campo-grandenses.
O texto sublinhado exerce a função de:
a) sujeito. Atua como agente na voz ativa.
b) sujeito. Tem independência sintática na frase.
c) aposto. É sempre antecedido por vírgula.
d) substantivo composto. Substitui o termo Campo Grande e faz um chamamento.
e) vocativo. Estabelece um vínculo explícito com o contexto discursivo.
40. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.4) Analise as afirmações a seguir.
I – A situação ficou impraticável, - ficou é verbo de ligação.
II – E até hoje a situação é triste. – triste é predicativo do sujeito.
III – Ele desenvolveu uma rede pensando no futuro. – ele é sujeito composto.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmação(ões) apresentada(s) apenas em:
a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.

41. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.5) Observe o trecho.


“Em 2011, o então secretário de cultura da cidade inglesa, Jeremy Hunt, disse que o país só teria uma internet
super-rápida se seguisse o exemplo de sua rede de esgoto.”
I – Jeremy Hunt é um aposto.
II – Em 2011 é um indicador de tempo.
III – “...da cidade inglesa” indica local.
Assinale a alternativa que apresenta a(s) afirmação(ões) correta(s).
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e II.
e) I, II e III estão corretas.
42. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.6) Escolha a única alternativa que apresenta um período
simples.
a) Os londrinos jogavam seus dejetos nas valas das ruas que serviam para escoar água da chuva.
b) A situação ficou impraticável, até que o engenheiro urbano Joseph Bazalgette entrou em cena.
c) Enquanto isso, no Brasil, escravos jogavam tonéis com dejetos pelas ruas sem a menor preocupação.
www.professordeodatoneto.com.br
d) Segundo O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), só 54,9% dos domicílios brasileiros têm sistema de
coleta de esgoto, o que pode ser fatal.
e) Na teoria, mesmo onde há saneamento não deveria existir o esgoto fedorento que polui.
43. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.12) A frase que apresenta sujeito composto é:
a) “A cena passa-se em 1890”.
b) “Os pequenos são dois, um menino e uma menina”.
c) “– Ó seu Rodrigues, Manduca está lhe chamando. Não durma depois do jantar, que lhe faz mal”.
d) – Eu queria que papai me dissesse o que é plebiscito”.
e) “A mulher e os filhos aproximam-se dele”.
44. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.4) Assinale a alternativa que apresenta um período
composto e contém uma oração subordinada adverbial consecutiva.
a) “Misto de luta e dança, a capoeira, hoje, é tão difundida no Brasil – até as crianças podem aprendê-la na escola
– que é difícil imaginá-la como algo proibido ou criminoso”.
b) “O ano de 1904, no Rio de Janeiro, foi de intensa repressão e muitos praticantes foram deportados para outras
regiões do país”.
c) “Introduzida no Brasil pelos negros africanos, a capoeira expressava rebeldia e resistência à escravidão”.
d) “No período de 1904 a 1910, a capoeira continuava a ser uma forma de resistência”.
e) “Nas ruas, os capoeiras participavam de apostas e desafios, nos quais sempre ganhavam algum dinheiro”.
45. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.10) Assinale o período em que a oração sublinhada é
uma subordinada adverbial consecutiva.
a) “O Brasil vem formando menos professores para dar aulas em matérias específicas, como Biologia”.
b) “No curso de Sociologia, a proporção foi ainda menor: dos quase 50 mil estudantes, só 4.800 viraram professores”.
c) “A escola particular precisou convencer o professor de Geografia que já havia sido sondado por uma empresa”.
d) “Há alunos na capital que nunca tiveram aulas com um professor de Física especificamente formado”.
e) “Em Natal, a falta de professores é um problema tão sério que, em cinco escolas estaduais, os alunos se revezam
para ter aulas”.
http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2013/03/faltam-professores-de-materias-especificas-nas-salas-de-aulas-do-pais.html. Acesso em 25/3/2013.
46. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.11) Considerando a entonação que a frase expressa e
que, na escrita, é representada pela pontuação, assinale a alternativa que apresenta frase declarativa negativa.
a) O engraçadinho não perde por esperar.
b) Vou pará-lo e lhe darei uma multa daquelas bem salgadas.
c) O motorista atendeu prontamente e parou o veículo.
d) Por acaso o senhor sabia que já faz um bom tempo que eu estava a sua espera?
e) Sinceramente, sinto muito!

47. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.12) Observando o modo de construção da frase,


preencha os parênteses com: (1) Frase nominal. (2) Frase Verbal.
( ) “Ele pensou:”
( ) “─ Hãm!...hãm! Bonito heim!”
( ) “Até que enfim nos encontramos”
( ) “Puxa vida, seu policial!”
( ) “Sinceramente, sinto muito!”
Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.
a) 1, 2, 2, 1, 2.
b) 2, 2, ,1 ,1, 2.
c) 1, 1, 2, 2, 2.
d) 2, 2, 2, 1, 1.
e) 2, 1, 2, 1, 2.
48. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.19) Na oração “... carinho é importante para sua vida.”,
a expressão CARINHO é:
a) sujeito simples.
b) sujeito composto.
c) objeto direto.
d) objeto indireto.
e) agente da passiva.
49. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.8) Analise a classificação das orações sublinhadas nos versos
a seguir.
I – Quando não tinha nada, eu quis. (Oração subordinada temporal).
II – Quando tudo era ausência, esperei. (Oração subordinada temporal).
III – Quando tive frio, tremi. (Oração subordinada adversativa).
Está correta a classificação apresentada apenas em:
a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.
Leia o poema “O bicho”, de Manuel Bandeira, para responder às questões 50 a 52.
www.professordeodatoneto.com.br
O bicho
Vi ontem um bicho
Na imundice do pátio
Catando comida entre os detritos
Quando achava alguma coisa;
Não examinava nem cheirava:
Engolia com verocidade
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
BANDEIRA, Manuel. Tudo é linguagem. Rio de Janeiro. 27/12/1947. Ed. Ática.
50. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.9) Analise as afirmações a seguir.
I – Vi ontem um bicho – Vi é verbo de ligação.
II – Na imundice do pátio – do pátio é locução adverbial de lugar.
III – Catando comida entre os detritos – Catando é um verbo no gerúndio.

Está(ão) correta (s) a(s) afirmação(ões) apresentada(s) apenas em:


a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.
51 [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.10) No verso “O bicho, meu Deus, era um homem.”, a
expressão meu Deus é:
a) vocativo.
b) aposto.
c) sujeito.
d) adjunto.
e) predicado.
52. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.11) No verso “Não examinava nem cheirava”, a conjunção
NEM dá ideia de:
a) exclusão.
b) ligação.
c) subtração.
d) interação.
e) adição.
53. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.14) Assinale a alternativa em que a classificação do
predicado está INCORRETA.
a) “O fim do sonho seria o meu fim também”. (nominal)
b) “Mas queda era interrompida”. (nominal)
c) “[...] esperei que o prédio caísse nas minhas costas”. (verbal)
d) “Não posso afirmar com certeza”. (verbo-nominal)
e) “Mas nossas explicações morrem com a gente”. (verbal)
54. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.15) “Lá juntaram as minhas partes, me espanaram e me
mandaram para casa”. Nesse período, o sujeito é:
a) oculto.
b) inexistente.
c) indeterminado.
d) simples.
e) composto.
55. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.15) Em cada um dos períodos a seguir, observe as
relações de sentido, indicadas entre parênteses, que a oração em destaque estabelece com a primeira oração.
I – João casou-se e teve duas filhas. (Adição)
II – Vamos voltar, que é tarde. (Explicação)
III – Minha moto está em péssimas condições, portanto não sairei com ela. (conclusão)
IV – Ela é uma pessoa milionária, porém não paga as contas. (adversidade)
A classificação dessas relações está correta em:
a) I, II e III apenas.
b) I, III e IV apenas.
c) I, II e IV apenas.
d) II, III e IV apenas.
e) I, II, III e IV.

56. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.19) Leia o texto a seguir.


Aposto
O apóstata da gramática.
www.professordeodatoneto.com.br
Longe de ter alguma relação direta com os conceitos de adjetivo ou advérbio, o aposto prefere se afastar dos
outros elementos que compõem a classe dos termos acessórios da oração para se atar aos substantivos.
(Por Maurício Silva. Revista Língua Portuguesa – Conhecimento Prático. n. 17, p. 38).
Assinale a única alternativa que NÃO apresenta aposto.
a) Pedro, homem honesto, estava bem alegre e feliz.
b) Há duas ideias relevantes: o amor e a paciência.
c) O aluno chegou tarde ontem na aula, situação que não pode se repetir.
d) Esta é a cidade de Campo Grande, onde fica o Parque dos Poderes.
e) Acadêmicos, peço que façam silêncio!
57. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.24) Considere os períodos e, a
seguir, assinale a alternativa CORRETA.
I – Atualmente, em todo o mundo existem entre 17 e 25 milhões de portadores de Alzheimer.
II – Ele atinge pessoas a partir dos 50 anos de idade porém é mais comum depois dos 60.
III – Com o avanço da doença, a pessoa torna-se dependente como um bebê.
a) Apenas em I há período simples.
b) Apenas em II há período simples.
c) Apenas em III há período simples.
d) Apenas em I e em III há período simples.
e) Apenas em II e em III há período simples.
58. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.15) A opção que apresenta uma
oração subordinada substantiva objetiva direta é:
a) Newey inventou vários carros revolucionários, que ganharam muitas corridas.
b) [...] criou um carro que ignora completamente as regras.
c) É o Red Bull X1, que tem quase o dobro da potência de um Fórmula 1 e chega a 400 km/h
d) [...] dizem que vale a pena.
e) Afirma o piloto SebastianVettel, que pilotou virtualmente o X1 no circuito de Suzuka.
59. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.19) O verbo “precisar” em
“Preciso de ajuda!”, é:
a) intransitivo.
b) transitivo direto.
c) transitivo indireto.
d) transitivo direto e indireto.
e) de ligação.
60. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.10) “Com o objetivo de poupar sua energia muscular
e de dispor de maior conforto e mobilidade, especialmente em percursos longos, o homem criou e desenvolveu tipos
de veículos e de sistemas de tração.”
No período acima, transcrito do Texto 2 (ver página 41), há:
I – quatro orações.
II – três orações.
III – duas orações.
Está (estão) correta(s) a(s) afirmação(ões):
a) II apenas.
b) I apenas.
c) I, II e III apenas.
d) II e III apenas.
e) I e III apenas.

61. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.14) Assinale a frase em que ocorre um adjunto
adverbial de lugar:
a) De repente, tudo foi resolvido.
b) O ônibus virou à direita.
c) Com certeza, viajarei amanhã.
d) Ele pensava na vida com humildade.
e) Os candidatos devem fazer a prova com calma.
62. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.12) Assinale a alternativa que apresenta um período
composto por subordinação.
a) “Chorei, confessei o crime e fui reprovado”.
b) “Era muito difícil conseguir uma vaga”.
c) “Modéstia à parte, passei a ser bom aluno”.
d) “Não imaginava, com 11 anos de idade, que, cinco anos depois, estaria jogando no time principal da Raposa...”.
e) “Mais que uma lição profissional, o episódio foi uma lição de vida, de integridade”.
63. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.14) O ‘se’, do período “Se o senhor puxar o fio amarrado
ao pé direito, ele fala francês”, é uma conjunção:
a) subordinada condicional.
b) subordinativa comparativa.
c) subordinativa causal.
d) subordinativa final.
e) subordinativa concessiva.
www.professordeodatoneto.com.br
64. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.22) Na oração “Sei que ainda há muitos descontentes”,
o sujeito do verbo haver é:
a) Inexistente.
b) Oculto.
c) Descontentes.
d) Ainda.
e) Indeterminado
65. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.25) Na frase “Deus é a força que me impele, a asa que
me levanta, a voz que me chama para Ele”, a palavra grifada é:
a) objeto direto.
b) predicativo do sujeito.
c) objeto indireto.
d) agente da passiva.
e) adjunto adnominal.
66. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.6)
"Se um repórter redigir essas duas notas e levá-las a um secretário de redação, será chamado de louco. Porque
os jornais noticiam tudo, tudo, menos uma coisa tão banal de que ninguém se lembra: a vida..." (último parágrafo)
(In: BRAGA, Ruben. A borboleta amarela. Rio de Janeiro: Record.1980, p. 74-76).
Observe os seguintes fragmentos retirados do último parágrafo do texto “Os jornais”, de Ruben Braga:
I – “... será chamado de louco.”
II – “Porque os jornais noticiam tudo, menos uma coisa tão banal de que ninguém se lembra: a vida...”
O segundo fragmento em relação ao primeiro expressa um circunstância de:
a) causa.
b) condição.
c) conseqüência.
d) tempo.
e) lugar.

67. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.7) Não há adjunto adverbial em:


a)”Meu amigo lança fora, alegremente, o jornal que está lendo...”.
b) “Veja por exemplo aqui: em um subúrbio, um sapateiro matou a mulher que o traia.”.
c) “Ontem, cerca de 10 horas da noite, o indivíduo Ananias Fonseca, de 28 anos, pedreiro residente à Rua Chiquinha,
sem número, no Encantado...”
d) “Eu não afirmo que isso seja mentira.”.
e) “Você acredita nisso que os jornais dizem?”.
68. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.13) A oração reduzida está corretamente desenvolvida em
todas as alternativas, exceto em:
a) Estando ele alegre, o dia era dos melhores.
Quando ele estava alegre, o dia era dos melhores.
b) Mesmo correndo muito, não alcançara o ônibus da meia-noite.
Se correres muito, não alcançarás o ônibus da meia-noite.
c) Chegando a seca, não se colheria um só fruto.
Quando chegasse a seca, não se colheria um só fruto.
d) No principio, querendo impor-se, adotava atitudes negativas.
No principio, porque queria impor-se, adotava atitudes negativas.
e) Assentando-te aqui, não verás os atletas.
Se te assentares aqui, não verás os atletas.
69. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.20) Todas as oração abaixo são subordinadas substantivas,
EXCETO:
a) Todos desejam que seu futuro seja brilhante.
b) Foi afirmado que o jovem subornou o guarda.
c) É necessário que cumpramos nossas funções.
d) A garota com quem simpatizei está à sua procura.
e) Lembro-me de você que me entregou um envelope.
70. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.6) Examine as três frases abaixo.
I. Tropa de Elite é o filme mais quento do ano.
II. Nenhum filme brasileiro despertou tamanho interesse antes da estréia.
III. Alguns espectadores aplaudiram eufóricos.
MENDONÇA, Martha. Época. 24/9/2007 (com adaptações).
Os predicados assinalados nas três frases são:
a) nominal, verbal e verbo-nominal, respectivamente.
b) verbal, nominal e verbo-nominal respectivamente.
c) verbo-nominal, nominal e verbal respectivamente.
d) todos nominais.
e) todos verbais.
71. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.12) “Desde 1989, o Ibope mede o prestígio dos militares.
Nas pesquisas iniciais, cerca de 50% dos pesquisados diziam confiar nos militares.”
Veja. 28/11/2007.
www.professordeodatoneto.com.br
Os temos destacados têm, respectivamente, as funções sintáticas de:
a) adjunto adverbial, objeto direto, objeto indireto.
b) adjunto adnominal, objeto indireto, objeto direto.
c) objeto direto, sujeito, objeto indireto.
d) objeto direto, objeto indireto, objeto indireto.
e) adjunto adverbial, sujeito, complemento nominal.

As questões 72 e 73 referem-se ao poema “Carta”, de Carlos Drummond de Andrade.


Há muito tempo, sim, que não te escrevo.
Ficaram velhas todas as notícias.
Eu mesmo envelheci: olha, em relevo,
Estes sinais em mim, não das carícias
(tão leves) que fazias no meu rosto:
são golpes, são espinhos, são lembranças
da vida e teu menino, que ao sol-posto
perde a sabedoria das crianças
A falta que fazes não é tanto
À hora de dormir, quando dizias
“Deus te abençoe”, e a noite abria em sonho
É quando, ao despertar, revejo a um canto
a noite acumulada de meus dias,
e sinto que estou vivo, e que não sonho.
72. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.19) As expressões em relevo, em mim e em sonho exercem
no poema as funções sintáticas de:
a) objeto indireto – adjunto adnominal – adjunto adverbial de modo.
b) complemento nominal – complemento nominal - adjunto adnominal.
c) adjunto adverbial de lugar – adjunto adverbial de lugar – adjunto adverbial de modo.
d) adjunto adverbial de lugar – adjunto adnominal – objeto indireto.
e) adjunto adnominal – adjunto adverbial de lugar – adjunto adverbial de modo.
73. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.20) Ficaram velhas todas as notícias.
A classificação sintática dos termos destacados é, respectivamente:
a) predicativo do sujeito e adjunto adnominal.
b) objeto direto e sujeito.
c) complemento nominal e adjunto adnominal.
d) adjunto adnominal e adjunto adnominal.
e) predicativo do objeto e objeto indireto.

CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL

1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.11) Julgue estes pares de frases, aplicando as regras da
concordância nominal.
- Senti sujas as mãos e o rosto.
Sentia sujo o rosto e as mãos.
- Desconfiados, o zelador e a mulher abandonaram o recinto.
Desconfiados , o zelador a mulher abandonaram o recinto.
- É proibida a saída durante a palestra.
É proibido saída durante a palestra.
Está(ão) correto(s), (a):
a) apenas os dois últimos pares.
b) apenas os dois primeiros pares.
c) todos os pares.
d) apenas a primeira frase de cada par.
e) apenas a segunda frase de cada par.

2. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.10) Julgue


estas frases quanto à concordância verbal:
I – Bateram agora mesmo duas horas. Ou será que bateu meio-dia e meia?
II – Faz dez dias que estou em férias.
III – Alagoas é um estado do Nordeste. As Minas Gerais são cheias de estradas sinuosas.
IV – Não se deve dar murros em ponta de faca.
Estão corretas somente as frases dos seguintes itens:
a) II e IV.
b) II, III e IV.
c) I e III.
d) I, II e III.
www.professordeodatoneto.com.br
e) I, II e IV.
3. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.22)
Assinale a alternativa que contém a frase de acordo com as regras da concordância nominal.
a) As jovens estavam meio chateadas, porque as provas foram bastantes difíceis.
b) A água mineral é bom para a saúde.
c) Suas respostas com meias palavras causaram bastantes reações negativas.
d) O juiz considerou o recibo e a escritura falsa.
e) Visitei uma hidrelétrica e um castelo medievais.
4. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.13) Indique a
alternativa que preenche corretamente a lacuna.
Aqueles jovens sentirão a mudança de comportamento que ___________________.
a) lhe está sendo imposto.
b) lhes estão sendo impostas.
c) lhe estão sendo impostas.
d) lhes está sendo imposta.
e) lhe está sendo imposta.
5. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.8) Leia estas frases,
observando a concordância nominal.
- Os textos seguem “em anexo” (ou anexos).
- A estudante ficou meia cansada.
- Eles são filhos e filhas estudiosos (ou estudiosas).
- Há emprego e trabalho bom (ou bons).
Está(ão) correta(s) somente:
a) uma delas.
b) a primeira e as duas últimas.
c) as três primeiras.
d) a segunda e a última.
e) a primeira e a segunda.
6. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.15) Leia esta frase,
estampada em um anúncio para concurso de chargistas do Estado de Minas Gerais.
Procuram-se pessoas que gostam de fazer graça durante o expediente.”
Analisando a concordância dos verbo procuram-se, deduz-se que:
a) houve erro na flexão verbal, que deveria estar no singular.
b) a partícula ‘se” confere passividade ao verbo, que é transitivo indireto.
c) se o anunciante tivesse optado por empregar o verbo precisar, a flexão seria “precisam-se de”.
d) pessoas é o sujeito; sendo assim, o verbo deve concordar com essa palavra.
e) se fosse usado o verbo precisar, ele seria transitivo indireto e não haveria indeterminação do sujeito.

7. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.12) Em relação à concordância, de acordo com a norma culta,


todas as alternativas estão corretas, EXCETO:
a) Os Estados Unidos são uma grande potência.
b) Já estudei o primeiro e o segundo livros.
c) Vendem-se alguns apartamentos.
d) Minha mãe está meio exausta.
e) Ela mesmo veio até aqui.
8. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.10) Avalie a concordância verbal na seguinte frase:
Os bombeiros irão para suas casas após apagar aquele incêndio e os moradores ficaremos aqui agradecidos.
a) na terceira oração, o falante quis incluir os bombeiros, os moradores e ele próprio no contexto.
b) esse tipo de construção é correto na norma culta, mas não houve a concordância com a forma gramatical.
c) o uso do verbo “ficaremos” não é aceito pela norma culta nesse tipo de construção frasal.
d) a concordância está correta parcialmente, segundo a norma padrão, pois o falante se incluiu mentalmente no
contexto.
e) o falante se valeu apenas da concordância da primeira pessoa do plural.
9. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.5) Numere a segunda coluna pela primeira,
considerando a concordância nominal (adjetivo proposto), de acordo com a norma culta.

( ) saia e bulsa............................
(1) novos
(2) novas ( ) sapato e blusa.......................

( ) calça e camisa......................

( ) chapéu e casaco..................

( ) boné e camisa........................
A sequência numérica correta, de cima para baixo, é:
a) 2-1-2-1-1.
b) 1-1-2-1-2.
www.professordeodatoneto.com.br
c) 2-2-1-1-1.
d) 1-1-1-2-2-.
e) 1-2-1-2-1.
10. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.6) Assinale a alternativa correta, no
que se refere à concordância verbal, de acordo com a norma culta.
a) Deve existir problemas nos seus documentos.
b) Deve haver bons motivos para a sua recusa.
c) Haviam muitos candidatos esperando a hora da prova.
d) Choveu pedaços de granizo na fazenda.
e) Fazem mais de cem anos que a Lei Áurea foi assinada.
11. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.8) Segundo as regras da
concordância nominal, a expressão sublinhada na frase “O livro ficou meio amarelado.”:
a) não admite como sinônimo a expressão “um pouco amarelado”.
b) tem a palavra meio como adjetivo, morfologicamente.
c) iria para o feminino se o substantivo da frase fosse feminino.
d) contém um advérbio, que permanece invariável também em outros contextos.
e) estaria no plural se o sujeito da frase fosse composto.

12. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.12) Considerando a concordância


verbal, leia estas frases:
I – Obedeceram-se aos severos regulamentos.
II – Deve haver meios para que se realize os cálculos de modo mais simples.
III – Se existissem pessoas mais honestas, não haveriam tantas brigas na justiça.
IV – Os meninos parece gostarem dos presentes.
Está(ão) correta(s) somente a(s) frase(s):
a) I e II.
b) II e III.
c) I, II e III.
d) IV.
e) II, III e IV.
13. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.20) Assinale a alternativa em que a concordância verbal está
correta:
a) Sabe quantos meses fazem que não vou ao cinema?
b) Dessa forma, mantém-se todas as proposições que se fez no decorrer do seminário.
c) Já faziam algumas semanas que não acontecia tais crimes em Porto Alegre.
d) O diretor passou por aqui há poucos instantes.
e) Haja visto os dois decretos assinados ontem pelo governo.
14. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.18) Tendo em vista a concordância verbal, conforme a
norma culta na modalidade escrita, assinale a alternativa correta.
a) Uma das maneiras mais odiosas de desconcentrar um ator em cena surgem quando toca um celular na plateia.
b) Como o toque de celular e a tosse de alguém pode acontecer na plateia, os atores percebem, nesses momentos,
que o teatro é uma experiência coletiva.
c) Não se observam, entre a maioria das pessoas da plateia, qualquer preocupação no sentido de desligar os
celulares.
d) O teatro é mesmo uma rara experiência coletiva na qual atores, equipe e público agem sob uma espécie de
pacto oculto.
e) O prazer de envolver-se num evento teatral, sobretudo com atores que amam o que fazem, manifestam-se
quando eles estão em cena.
15. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.2) Releia o primeiro parágrafo do texto (ver página 34) e
observe a frase abaixo para responder à questão.
“Novos estudos sugerem que as mudanças podem ser ainda maiores, alterando a própria estrutura do órgão
ao incentivar o nascimento e o desenvolvimento de neurônios.”
A forma verbal SUGEREM concorda com:
a) novos estudos.
b) ainda maiores.
c) mudanças.
d) neurônios.
e) órgãos.

16. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.13) Assinale a opção INCORRETA


quanto à concordância nominal.
a) Ela mesma fará o almoço.
b) Os candidatos estavam insatisfeitos.
c) Seguem anexas as provas do processo.
d) Ela disse ao marido: muito obrigado, querido!
e) As malas e as mochilas estavam pesadas.
17. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.6) A opção em que ocorre concordância com o
sujeito da oração é:
www.professordeodatoneto.com.br
a) Havia muitas surpresas programadas cuidadosamente.
b) Os alunos haviam preparado a festa a semana inteira.
c) Houve necessidade de comprar muitas flores.
d) Sobre a mesa, há convites para as mães.
e) Na escola, haverá festas no Dia das Mães.
18. [Sargento-(NM)-PM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.17) A frase, a seguir, que está de acordo com as normas
do padrão culto no nível da concordância verbal ou nominal, sobretudo na escrita, é:
a) Não costumava haver discussões sobre esse regra.
b) Sabem Vossas Excelências das suas responsabilidades?
c) Paramos durante duas horas, pois ela estava meia cansada.
d) São meio-dia e meio e eles ainda não vieram almoçar.
e) Fiquem tranqüilos que há bastante lugares para todos.
19. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.10) Na oração “A maioria dos alunos estudava um ano
para fazer a prova de admissão, que era muito difícil.”, a forma verbal estudava está no singular porque:
a) concorda com a expressão alunos.
b) concorda com a expressão admissão.
c) concorda com a expressão prova.
d) concorda com a expressão difícil.
e) concorda com a expressão maioria.
20. [Oficial-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.11) Assinale a alternativa correta quanto à concordância,
na norma padrão.
a) Fazem meses que não te vejo.
b) Devem haver crianças felizes aqui.
c) João ou Pedro será escolhido para a direção.
d) Aspiro a um salário maior.
e) Custou-o a compreender o que eu dizia.
21. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.12) A concordância está correta na frase:
a) O cruzamento das pesquisas, cotejando a opinião de civis e militares, trazem revelações curiosas.
b) Os civis são esmagadoramente favoráveis ao emprego do Exército na luta contra o crime (...).
c) Ainda no campo da criminalidade urbana, a pesquisa mostra que metade dos civis não aceita o recurso dos
maus-tratos contra criminosos para obtenção de informações (...).
d) (...) e só 35,4% dos militares tem a mesma opinião.
e) O Congresso dos Estados Unidos estudam a aprovação de leis que permite o uso de métodos não ortodoxos para obter informações
cruciais.

REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL

1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.8) Considerando a regência verbal sobre os verbos “lembrar”
e “esquecer”, assinale a alternativa que contém a frase em DESACORDO com as regras da língua portuguesa.
a) Lembrei a resposta do problema.
b) Lembraram-me daqueles dias felizes do nosso relacionamento.
c) Esqueceram-me os livros.
d) Lembrei da situação, mas me esqueci o que falei.
e) Esqueci-me desses detalhes sobre a excursão.
2. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.26) Assinale a única alternativa cuja regência verbal esta
INCORRETA.
a) Perdoamos os débitos aos devedores.
b) Nas férias, vou nas praias do Sul.
c) Prefiro o futebol ao basquete.
d) Devemos obedecer às leis.
e) João namora a Márcia.
3. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.7) Nas relações de regência, um
termo regente, quer seja nome quer seja verbo, pode ter mais de um termo regido. Observe as frases a seguir:
A – Ela sempre gostou de conquistar, de sobressair, de dominar.
B – Na época, demonstrava interesse por sapatos, por livros e por chapéus.
C – Fazia jus a ser criticada, porém não a sofrer discriminação.
Pode-se afirmar que:
I – Em A, as expressões sublinhadas são regidas pelo mesmo verbo: gostar.
II – Em B, os termos sublinhados estão sob a regência do verbo demonstrar.
III – Em C, as orações sublinhadas estão regidas pelo substantivo jus.
Está correto o que se afirma em:
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I e III, apenas.
e) I, II e III.
www.professordeodatoneto.com.br
4. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.20) De acordo com a norma culta
da língua portuguesa, assinale a alternativa em que a regência da forma verbal sublinhada está correta.
a) Às vezes, se deve obedecer os ditames do coração.
b) A pessoa que ela sucederia já tinha sido avisado.
c) Todos lembravam a gentileza com que nos recebera.
d) Era uma moça simpática cujo nome não me lembro.
e) Perdoar os que nos fazem mal é preceito bíblico.
5. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.21) Observe, nos períodos a seguir, a
regência dos verbos e dos nomes.
I – Os funcionários procederam a contagem dos pontos.
II – A decisão de Ana implicava em prejuízos futuros.
III – Seu comportamento é incompatível com o ambiente escolar.
IV – Eva prefere ficar em casa a ir a um show.
V – Todos aspiram à liberdade de expressão.
Assinale a sequência que corresponde apenas ao períodos corretos.
a) I, II, III.
b) I, II, IV.
c) III, IV, V.
d) II, IV, V.
e) I, IV, V.

6. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.13) Assinale a alternativa que contém


a frase com DESVIO relativo à regência verbal vigente na língua culta.
a) Perdoo os teus erros, pois os considero humanos.
b) Fomos implicados no movimento grevista.
c) Há pessoas que preferem mais negociar do que trabalhar.
d) Vim informá-los de que as caixas de remédio chegaram.
e) Lembro-me de que tais eram as suas palavras.
7. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.18) Considerando as regras de regência nominal da norma
culta, assinale a alternativa em que NÃO se usa a preposição “a”.
a) Estou ansiosa.....boas notícias.
b) Este poema é agradável.....alma.
c) O respeito é imprescindível.....boa convivência.
d) Mostraram-se indiferentes.....tudo.
e) O filme é proibido.....menores de dezoito anos.
8. [Técnico em TI-(NM)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.19) Considerando as regras de regência verbal da norma culta,
a preposição “de” preenche corretamente a lacuna da alternativa.
a) A peça..........que assisti foi premiada durante o festival do ano passado.
b) Você está lutando para conquistar o cargo..........que aspira.
c) Passada a tempestade, esta é a cidade..........que chegamos.
d) Aquela é a moça..........quem muito simpatizei.
e) Por favor, toque a música..........que mais gosto.
9. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.17) Assinale a alternativa em que o verbo está
empregado com a mesma regência do verbo sublinhado em “Joana esqueceu o livro de Matemática”.
a) Informamos ao policial o acidente.
b) Os motoristas devem obedecer às leis de trânsito.
c) Teresa lembrou o nome da autora do romance.
d) O homem do campo precisa de terra para trabalhar.
e) Não interessava a João aquele terreno.
10. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.15) Observe o emprego adequado dos pronomes relativos, numerando a
segunda coluna de acordo com a primeira.

1. através da qual () Ter pessoas ......... acreditar é


importante.

2. de cujo () Nos momentos ..... os caminhos


parecem difíceis, é necessário
manter a calma.

3. por que () São várias as experiências .....


aprendizado podemos nos valer.

4. em quem () A paciência é a lente ..... você


pode ver a vida com mais
clareza.
www.professordeodatoneto.com.br
5. em que () As dores ..... passou são
oportunidades de melhoria
interior.
Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.
a) 4, 3, 5, 2, 1.
b) 2, 3, 1, 4, 5.
c) 1, 2, 3, 4, 5.
d) 4, 5, 2, 1, 3.
e) 4, 5, 3, 2, 1.
11. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.16) Quanto à regência verbal, assinale a única
alternativa correta.
a) Lembro do mês que você nasceu.
b) João namora com Rosa.
c) Saber ajudar implica em saber trabalhar.
d) Prefiro mais doces do que salgados.
e) Prefiro estudar a brincar.

12. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.13) Em relação à regência verbal, marque a alternativa


que contraria a norma culta da língua portuguesa escrita.
a) O maus alunos não obedecem aos professores.
b) A vítima perdoou ao criminoso durante o júri.
c) Simpatizo muito com este professor de Arte.
d) Todo empresário visa a bons lucros.
e) A decisão poderia implicar em prejuízos futuros.
13. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.11) Assinale a opção que
apresenta regência nominal INCORRETA.
a) Ninguém está imune a doenças.
b) Era suspeito de ter assaltado um posto.
c) Eva revela vocação com as letras.
d) Hugo tinha consideração pelos avós.
e) Beatriz está apta para dirigir motos.
14. [Sargento-(NM)-PM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.9)
Texto 3
Jornalista revisita cotidiano brasileiro dos anos 60 e 70 em livro de memórias.
Onde Foi Parar Nosso Tempo?
1ª edição, 2010.
Alberto Villas.
Editora Globo.
SINOPSE
Era uma vez, num lugar não muito distante, e há não muito tempo, as salas de visitas. E, curiosamente, esses cômodos
serviam para receber visitas em casa. Sim, amigos que chegavam de surpresa e eram bem-vindos, mesmo que
ficassem para o jantar sem avisar. Para os indesejáveis, de toda forma, restava um último recurso: colocar atrás da
porta uma vassoura de cabeça para baixo. Esse lugar era o Brasil, mais especificamente Minas Gerais, e esse tempo
era os anos 60 e 70.
Claro, se compararmos com os dias de avanços técnicos de hoje, havia naquela época graves problemas. O Toddy,
por exemplo, por exemplo, demorava muito para desempelotar no leite, e as massas de bolo (que não era comprado
pronto) precisavam ficar um tempo descansando. Lata de azeite só se abria com um preguinho, e as fradas de pano
precisavam ser lavadas. Tamanhas preocupações eram compensadas com goles de Crush e com a alegria de
colecionar insetos pregados em um pedaço de isopor...
Disponível em: http://livraria. Folha.com.br/catalogo/1152553/onde-foi-parar-nosso-tempo. 21/09/2010 19:14.
A explicação das relações de regência verbal, no texto, de acordo com a norma do padrão culto da língua
portuguesa, está correta em:
a) “e há não muito tempo, as salas de visitas”: o verbo haver é intransitivo.
b) “esses cômodos serviam para receber visitas em casa”: o verbo servir é transitivo direto.
c) “amigos que chegavam de surpresa e eram bem-vindos”: o verbo chegar é transitivo direto.
d) “colocar arás da porta uma vassoura de cabeça para baixo”: o verbo colocar é transitivo direto.
e) “de toda forma, restava um último recurso”: o verbo restar é intransitivo.
15. [Sargento-(NM)-PM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.18) A frase, a seguir, que está de acordo com as normas
do padrão culto no nível da regência verbal ou nominal, sobretudo na escrita, é:
a) O seu pai chamou-lhe e você não ouviu.
b) Prefiro mais cinema do que televisão.
c) Li e gostei muito do romance que você me emprestou.
d) Fiquei assustado e ansioso por saber mais notícias.
e) Ansioso nas notícias, não parava de roer as unhas.

16. [Soldado-(NM)-CBM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.23) Assinale a alternativa que completa corretamente as


lacunas da frase abaixo:
Obedeceu ___ instruções ___ tratam as normas.
a) a – que.
www.professordeodatoneto.com.br
b) às – que.
c) a – de que.
d) à – de que.
e) às – de que
17. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS](Q.14) A regência, vigente na língua culta, está INCORRETA na
frase:
a) O filme Tropa de Elite tornou-se um fenômeno antes mesmo de chegar nos cinemas.
b) Quem viu a cópia pirata, assistirá à mesma história no cinema.
c) Seu grande mérito é atribuir a devida responsabilidade à classe média e às ONGs sobre a violência e o tráfico de
drogas.
d) Espectadores indignaram-se com a demonstração de apoio à violência.
e) O Rio precisa de uma repressão forte e eficiente ao tráfico.

CRASE
Leia atentamente o texto da página 7 para responder à questão 1.
1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.4) Observando o trecho “[...] que passavam o tempo à
procura de ‘defeitos’ na linguagem dos outros [...]”, assinale a alternativa que comenta o emprego do acento grave
de acordo com as exigências da norma padrão do nosso idioma.
a) Houve falha quanto à colocação do acento, pois não ocorre crase antes de verbo.
b) Trecho correto, porque está presente uma locução prepositiva feminina.
c) Ocorre o processo de crase diante de todas as palavras femininas.
d) Deveria estar como no trecho “Sou obrigado a reconhecer [...]” (3º parágrafo) e “[...] que chegaram a propor [...]”
(4º parágrafo).
e) Emprego de acordo com a norma culta. Outros exemplos semelhantes: à cata de / à respeito de / à busca de.
2. [Gestor Est. Agrop.-(Ciênc. Contábeis)-(NS)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.13) Considerando que o
verbo IR pede preposição A, assinale a única alternativa em que o uso da crase está INCORRETO.
a) Vou à Roma do Papa.
b) Vou à Santa Catarina.
c) Vou à Brasília dos candangos.
d) Vou à Bahia.
e) Vou à China.
3. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.18) Assinale a
alternativa que completa corretamente as frases:
I – O papai _____ vezes sonha em ser fazendeiro.
II – João anda _____ procura de emprego com bom salário.
III – Na fazenda, durante o verão, esfriava _____ medida que chovia.
IV – O menino estava doente e tomava todo o remédio gota _____ gota.
V – Em Brasília, a neta da minha irmã estava sempre _____ brincar com boneca.
a) às – à – à – a – a.
b) às – a – à – à – a.
c) as – à – à – à – à.
d) as – a – à – à – a.
e) as – a – a – à – a.

4. [Téc. Desenv. Rural-(Téc. Agropec.)-(NM)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.9) Leia este par de frases,


observando a ocorrência (ou não) do processo da crase.
I. Os trabalhadores correm a cidade para procurar emprego.
II. Os trabalhadores correm à cidade para procurar emprego.
Pode-se afirmar que, em:
a) I, o verbo transitivo direto “correm” não admite acento grave no “a”. Esse verbo tem como sinônimo vasculham.
b) II, o verbo correm significa dirigem-se e o objeto é uma locução adverbial.
c) II, a locução prepositiva “à cidade” exige a fusão de a + a.
d) I e II, há duplo sentido, por emprego incorreto do processo da crase.
e) I e II, a preposição para poderia ser substituída por “à”.
5. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.13) Considerando o uso da crase, numere a segunda coluna, de
acordo com a primeira.
1 – Expressão adverbial de tempo. ( ) Anda à procura de amor.
2 – Expressão adverbial de modo. ( ) Caminhavam às pressas.
3 – Expressão adverbial de lugar. ( ) A casa fica à esquerda da rua.
4 – Expressão adverbial de fim. ( ) Chegaram à tarde.
( ) Estava à direita da casa.
( ) Chegaram à noite.
A sequência numérica correta é:
a) 3-1-2-4-2-2.
b) 4-2-3-1-3-1.
www.professordeodatoneto.com.br
c) 2-1-3-2-2-4.
d) 3-3-2-4-3-2.
e) 1-3-2-1-4-4.
6. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.23) Assinale a alternativa que
completa corretamente as frases.
I – Os adversários ficaram frente ____ frente.
II – Na fazenda todos andavam ____ cavalo.
III – O aniversariante ficou ____ vontade na festa.
IV – A professora saiu ____ seis horas.
V – O meu tio deu um presente ____ ela.
a) a – a – à – às – à.
b) à – a – à – às – a.
c) a – à – à – às – à.
d) a – a – à – às – a.
e) a – a – a – às – a.
7. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.6) Levando em conta o comportamento das palavras
no texto (ver página 22) quanto ao processo da crase, julgue as afirmações a seguir, colocando (V) para verdadeira
e (F) para falsa.
( ) No 3º parágrafo, no trecho “[...] veio a existir [...], não ocorre fusão de a + a porque a regra é: “Não se usa crase
diante de verbo.”
( ) A expressão “devidos aos” (2º parágrafo) ficaria “devido às” se a palavra “precários” fosse feminina.
( ) Em “combate a incêndios” (7º parágrafo), se houvesse troca para “queimadas”, seria necessário ocorrência de
crase.
( ) No 4º parágrafo, a palavra “Secretaria” está precedida de “à” por ser uma palavra feminina.
( ) No último parágrafo, em “a lhe custar”, o acento grave torna-se facultativo diante de pronome oblíquo.
Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo.

a) V – V – V – F – V.
b) V – F – V – V – F.
c) V – V – F – V – F.
d) F – V – F – F – F.
e) F – V – F – V – V.
Leia os trechos para responder à questão 8.
“...sua dedicação à invenção de neologismos...”
“Mas voltemos à história do galo de Malaquias.”
8. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.19) Assinale a alternativa que
justifique o uso da crase nessa ocorrência.
a) O termo regente exige complemento regido pela preposição “a”, e o termo regido admite o artigo definido
feminino “a”.
b) O termo regente é um nome geográfico modificado por um adjunto adnominal.
c) Trata-se de uma locução adverbial que obriga a presença de artigo mais a preposição.
d) Ocorre a presença de uma locução adverbial e de uma locução adjetiva.
e) O termo regido apresenta uma locução prepositiva e o regente não.
9. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.17) Em relação ao uso da crase,
observe as palavras grifadas nas frases,
I – “O menino vai à escola...”
II – “À noite, volta para casa...”
a) Em ambas as frases, ocorre a crase nas palavras grifadas pela mesma regra, isto é, antes do termo feminino.
b) Na frase I, ocorre crase na palavra grifada, pois ESCOLA está no feminino e o verbo IR exige a preposição “a”; na
frase II ocorre crase por se tratar de uma locução adverbial.
c) Na frase I, ocorre crase, pois ESCOLA está no feminino e na frase II ocorre crase por se tratar de uma locução
adjetiva (à noite).
d) Na frase I, ocorre crase (à escola) por se tratar de uma locução adjetiva feminina.
e) Na frase II, ocorre crase (à noite) por se tratar de uma locução adjetiva feminina.
10. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.3) Assinale a alternativa que contém
o trecho com o comentário correto quanto ao processo da crase.
a) [...] a determinismos [...] – Neste caso, o substantivo é masculino. Se fosse feminino plural, também não ocorreria a
crase.
b) [...] devido à falta de [...] – Usa-se acento grave antes de verbo.
c) [...] favoráveis à saúde [...] – Emprega-se acento grave após adjetivo no plural (favoráveis).
d) [...] incentivos a pesquisas [...] – Não se usa acento grave antes de palavra feminina.
e) [...] busca, junto à diversidade de atores [...] – A locução prepositiva “junto à” exige sempre a fusão a+a.
11. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.6) Assinale a alternativa que preenche corretamente as
lacunas.
____ semana passada, Alexandre estava ____ observar ____ loja de importados do Shopping, quando ____ lembrança
de Maria veio-lhe ____ mente.
www.professordeodatoneto.com.br
a) A, à, a, a, a.
b) À, a, a, a, a.
c) À, a, a, à, à.
d) À, a, à, à, à.
e) A, a, a, a, à.

12. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.24) Observe as orientações relativas às normas de


trânsito:
I – Proibido virar a direita.
II – Lombada à 100 m.
III – Obedeça à sinalização.
Quanto ao uso da crase está(ão) correta(s):
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e II.
e) Apenas II e III.
13. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.5) Observe a ocorrência da crase no trecho a seguir:
“Essa região cerebral está relacionada à memória e à aprendizagem, e lá estão armazenadas as células-tronco que
darão origem aos novos neurônios.”
Assinale a alternativa que justifica o uso da crase.
a) Ocorrerá a crase sempre que houver um termo que exija a preposição a e outro termo que aceite o artigo a.
b) Ocorrerá a crase só quando houver um verbo que exija a preposição a e outro verbo que aceite o artigo a.
c) Toda palavra feminina leva obrigatoriamente crase, pois aceita o artigo a e preposição a.
d) A crase é usada em substantivos próprios, pois eles sempre exigem a preposição a.
e) As palavras memória e aprendizagem estão no singular, logo exigem crase na frente do artigo a e do pronome a.
14. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.14) Assinale a alternativa cujas formas completam
corretamente, obedecendo à ordem, os espaços das proposições a seguir.
I – Refiro-me _____ festas de antigamente.
II – Esta história é semelhante _____ que a tia Maria contava.
III – O concurso não pode ser feito _____ lápis.
IV – Os adversários ficaram frente _____ frente.
V – Começou _____ chover de repente.
VI – O avião partiu _____ vinte horas.
a) às, as, a, a, a, as.
b) às, às, à, a, a, às.
c) às, às, a, a, a, as.
d) às, as, a, a, a, às.
e) as, às, a, a, a, às.
15. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.9) Assinale a alternativa correta
quanto ao uso da crase.
a) Entregamos os processos àquele senhor.
b) Compraram as passagens à prazo.
c) Agradeceu à Deus as bênçãos recebidas.
d) Queremos enviar muitas flores à ela.
e) Esta estrada liga São Paulo à Curitiba.
16. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.16) Justifica-se a ocorrência da
crase em “levando à demência”, pois o termo:
a) regente “demência” admite o artigo definido feminino “a”, e o regido “levando”, a preposição “a”.
b) regente “levando” exige a preposição “a”, e o termo regido “demência” aceita o artigo definido feminino singular
“a”.
c) regente “levando” exige a preposição “a” para relacionar-se com o regido “demência”.
d) regente “demência” exerce a função de objeto indireto da forma verbal “levando” e, por isso, exige a preposição
“a”.
e) regente “levando” exige a preposição “a” para relacionar-se com seu complemento, ou seja, o substantivo “demência”.

17. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.12) Assinale a opção em que a


crase é obrigatória.
a) O avião decolou de Campo Grande as 14 horas.
b) Este ano muitos irão a Brasília.
c) Ana não precisa ir a casa na hora do almoço.
d) O funcionário comunicou a V. Ex.ª o fato ocorrido?
e) Foi a ela que revelaste a senha do cofre.
18. [Sargento-(NM)-PM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.16) De acordo com a ortografia da língua portuguesa,
deve-se usar acento grave na palavra a, quando ele resulta de fusão da preposição a, mais o artigo feminino a(s).
Entre as frases, a seguir, extraídas de uma revista feminina, aquela em que o a destacado apresenta tais condições
é:
www.professordeodatoneto.com.br
a) Se ficarmos atentas ao corpo e a alimentação, poderemos viver melhor.
b) O que vale é ser fiel a si mesma.
c) Agora me sinto preparada para me submeter a uma abdominoplastia.
d) O que leva alguém a precisar da admiração de terceiros?
e) É hora de agir, e rápido, para não deixar a situação piorar.
19. [Oficial-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.9) Observe as palavras grifadas nos enunciados abaixo e
assinale a alternativa que justifica a ocorrência da crase.

“... características de contestação e de afirmação inerentes à fase que estão vivendo...”.

“... quando aqueles com quem deveriam aprender coisas sobre o mundo sucumbem ao descaso, à agressividade
e ao desequilíbrio.”

a) Com a palavra feminina que aceite o artigo a ocorre obrigatoriamente crase.


b) A crase ocorre com substantivos abstratos, pois eles exigem a preposição a.
c) Quando o verbo se liga ao objeto por meio da preposição a, ocorre crase.
d) Ocorre a crase quando há um verbo que exige a preposição a, ocorre crase.
e) Ocorre a crase quando há um verbo que exija a preposição a e outro verbo que aceite o artigo a.
20. [Soldado-(NM)-PM-MS/2008-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.4) Assinale a alternativa que, na seqüência, preenche
corretamente as lacunas existentes nas frases.

Investir na escolaridade ajuda ..... reduzir ..... estatísticas de violência.

No Texas, o Estado menos escolarizado, ..... taxa de crimes violentos é 13% superior ..... média.

A freqüência ..... escola tem mais efeito sobre a taxa de homicídios do que os gastos com segurança.

Houve diminuição da taxa de mortalidade por agressões entre jovens de 15 ..... 19 anos, do sexo masculino, na
cidade de São Paulo.

AZEVEDO, Solange. Época. 24/9/2007 (com adaptações)


a) à, as, a, à, à, à.
b) à, as, a, a, à, á.
c) a, às, a, à, a, à.
d) à, as, a, a, à, a.
e) a, as, a, à, à, a

PONTUAÇÃO

1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.6) Sobre a pontuação empregada no texto (ver página 7),
conclui-se que:
a) no primeiro parágrafo, as aspas podem ser substituídas por travessão na fala do locutor.
b) houve emprego indevido das aspas no trecho “Alma minha gentil que te partiste”.
c) na última frase do 3º parágrafo, os parênteses não poderiam ser substituídos por vírgulas.
d) as reticências entre colchetes indicam que o autor interrompeu o pensamento para refletir.
e) a primeira vírgula do texto separa somente um adjunto adverbial de tempo.

2. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.12) A pontuação da frase está correta na alternativa:


a) Têm-se apontado muitas razões para a demora na evolução do país; pouco, porém, fala-se na manutenção de
privilégios.
b) O álcool combustível é uma fonte renovável de energia, deve ter seu uso ampliado e estimulado portanto.
c) Hoje, Ricardo aquele “gênio”, interrompeu a aula e depois ficou “surfando” na internet.
d) “Era um restaurante francês (tão francês que ficava na França) e perto da nossa mesa almoçava sozinho, um
homem ruivo”. (Luís Fernando Veríssimo).
e) E o ladrão perguntei eu: – foi condenado ou não?
3. [Gestor Sócio-Organiz. Rural-(Contador)-(NS)-AGRAER-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.8) Assinale a
alternativa em que a vírgula está sendo usada pela mesma razão que é empregada no seguinte trecho:
“Por mais filosófico ou intelectual que fosse o teor da carta, sempre havia um momento para falar do sol ou do
nublado lá fora.”.
a) Os cariocas preferem praia; os paulistas, shopping.
b) Ao deixar o governo, o governador voltará a dar aulas na universidade.
c) O acordo não será renovado, portanto os empregos serão mantidos.
d) “Fifa pune Maradona, e Pelé recebe prêmio”.
e) Adalberto, traga meus documentos até aqui!
4. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.27) Assinale a alternativa em que o uso da vírgula apresentado na Coluna 2 NÃO
corresponde à regra destacada na Coluna 1.
www.professordeodatoneto.com.br
Coluna 1 Coluna 2

a) Aposto explicativo. Brasília, capital do Brasil, sediará os jogos olímpicos


de 2016.

b) Vocativo. Maria, ontem o seu médico lhe fez elogios.

c) Termos coordenados. Mamãe coleciona selos, revistas, jornais, álbuns de


fotos antigas.

d) Adjunto adnominal deslocado. A Seleção Brasileira poderá ser campeã, hoje.

e) Oração intercalada. A alegria, disse ela, encontramo-la dentro de nós


mesmos.
5. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.12) Analise a pontuação dos
seguintes períodos:
I – Ele era metódico, portanto não deixaria de telefonar.
II – Não estudou e, fez a prova muito bem.
III – Meu irmão comprou uma casa, um carro e vários móveis; por isso, está endividado.
Está/estão correto(s):
a) apenas o período I.
b) apenas o período II.
c) apenas o período III.
d) apenas o período I e III.
e) apenas o período I, II e III.
6. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.22) Considerando seus conhecimentos sobre o
emprego da vírgula e sabendo que ela tem função sintática e semântica, assinale a alternativa que contém a frase
com a pontuação correta.
a) Tranquilos, dizem sempre menos do que escondem; irados, cortam o coração com os rigores.
b) Eram frustrados, insatisfeitos, além disso seus conhecimentos eram duvidosos.
c) Eles esperavam irrequietos, os resultados do pedido.
d) Eu, como creio no bem não sou daqueles que negam o mal.
e) Os melhores anos da minha vida passei-os na fazenda de meu avô.

7. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.22) Relacione as regras referentes ao


emprego da vírgula às frases a seguir:
I – Usa-se a vírgula para marcar a supressão do verbo.
II – Usa-se a vírgula para separar o aposto explicativo.
III – Separa-se por vírgula o objeto pleonástico.
IV – Usa-se a vírgula para separar as datas das localidades.
( ) Campo Grande, 13 de setembro de 2013.
( ) Machado de Assis, autor de Dom Casmurro, foi um ótimo escritor.
( ) No mar, os peixes.
( ) O caderno, guarda-o na pasta da escola.
A sequência correta é:
a) IV – III – II – I.
b) IV – II – I – III.
c) II – IV – I – III.
d) III – II – I – IV.
e) I – II – IV – III.
8. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.10) Na frase “Os lírios desabrocharam
nos jardins; as madressilvas, nos campos.”, justifica-se o emprego da vírgula porque:
a) há omissão de uma palavra já utilizada na frase.
b) é importante isolar termos que se repetem.
c) se separam elementos que exercem a mesma função.
d) é regra dar pausa em palavras repetidas.
e) foi usado o ponto-e-vírgula anteriormente.
Leia atentamente o texto da página 29 para responder à questão 9.
9. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.1) O recurso gráfico [...], reticências entre colchetes,
utilizado no final do terceiro e do quinto parágrafos foi empregado para:
a) marcar uma pausa entre parágrafos.
b) indicar supressão de partes do texto original.
c) marcar a separação de orações interferentes.
d) assinalar a separação de parágrafos.
e) indicar uma sequência enumerativa.
10. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.5) Assinale a alternativa em que a pontuação está
INCORRETA, conforme a norma culta da língua escrita.
a) Os candidatos, esperavam ansiosos, o resultado do concurso.
www.professordeodatoneto.com.br
b) Os candidatos, ansiosos, esperavam o resultado do concurso.
c) Ansiosos, os candidatos esperavam o resultado do concurso.
d) Os candidatos esperavam, ansiosos, o resultado do concurso.
e) Os candidatos ansiosos esperavam o resultado do concurso.
11. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.10) A função das aspas no trecho “Não me abandone,
Mariana, não me abandone!” delimita:
a) citação direta.
b) citação indireta.
c) discurso direto.
d) discurso indireto.
e) título.

12. [3º Sargento-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.23) Em “Mesmo a mãe implorando, o filho ficou
irredutível.”, a vírgula usada serve para:
a) separar a oração reduzida de gerúndio que inicia o período.
b) separar orações com o mesmo sujeito.
c) indicar uma relação coordenativa.
d) indicar uma pausa enfática.
e) separar o verbo do artigo.
13. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.18) Assinale a alternativa em que a vírgula e usada para
separar os elementos de uma enumeração.
a) “Caia de bruços como um super-herói que esqueceu de voar, com a cara virada para o chão, ou para o saguão
do prédio, que se aproximava rapidamente”.
b) “O sonho me oferecia alternativas para a morte, se eu fizesse a escolha certa”.
c) “[...] eu tinham me levado [...] à morte certa: os exageros, os caminhos não tomados e as bebidas tomadas, as
decisões equivocadas [...]”.
d) “As paradas não eram para diminuir o terror, as paradas eram parte do terror!”
e) “Em vez disso, ouvi a voz do dr. Alberto Augusto Rosa me perguntando se eu sabia onde estava”.
Leia o recorte, a seguir, para responder às questões 14 e 15.
“O Mal de Alzheimer possui três fases: a fase inicial, a intermediária (que se divide em leve e grave) e a terminal.”
14. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.20) O uso de dois pontos (:) indica
uma:
a) citação alheia ou própria.
b) enumeração de dados.
c) explicação de causa.
d) sequência de descrições.
e) introdução de contradições.
15. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.21) Os parênteses usados em “a
intermediária (que se divide em leve e grave)” servem para:
a) indicar a supressão de termos.
b) encerrar uma citação.
c) introduzir uma explicação.
d) separar uma reflexão.
e) isolar termos estrangeiros.
16. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.17) As aspas, empregadas na
frase “É um carro fantástico” (afirma o piloto), indicam:
a) presença de estrangeirismos.
b) ênfase em uma palavra ou locução.
c) mudança de interlocutor no diálogo.
d) citação da fala de uma pessoa.
e) interrupção do pensamento.

Para responder à questão 17, leia o texto a seguir.


As Curvas da Estrada e Santos
Composição: Roberto Carlos/Erasmo Carlos
Se você pretende
Saber quem eu sou,
Eu posso lhe dizer.
Entre no meu carro
E na estrada de Santos
Você vai me conhecer.
Você vai pensar que eu
Não gosto nem mesmo de mim
E que na minha idade
Só a velocidade
Anda junto a mim.
Só ando sozinho
E no meu caminho
O tempo é cada vez menor...
www.professordeodatoneto.com.br
Preciso de ajuda!
Por favor me acuda!
Eu vivo muito só...
Disponível em: http//letras.terra.com.br/roberto-carlos/48559/.
Acesso em 11/5/2011.
17. [Gestor Ativ. Organiz.-(Adm.-Cont.-Econ.)-(NS)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.20) O uso de reticências em “Eu
vivo muito só...”, indica:
a) movimento contínuo.
b) interrupção do pensamento.
c) hesitação por descontrole.
d) prolongamento da ideia.
e) corte de termos que não interessam.
18. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.13) Assinale a opção em que ocorre ERRO no
emprego da vírgula:
a) Os jovens, retiraram-se do recinto.
b) A maioria dos adolescentes, durante as férias, viaja.
c) Os meus pais, sempre os respeito.
d) Maria, traga meus documentos até aqui!
e) Os candidatos, porém, não respeitaram a lei.
19. [Sargento-(NM)-PM-MS/2010-SAD-ESCOLAGOV-MS].(Q.19) A frase a seguir, em que as vírgulas delimitam uma
oração subordinada adjetiva explicativa, é:
a) Os alunos, que são seres humanos, merecem respeito.
b) Mariana, temporariamente, recusou a proposta.
c) Havia, contudo, interesses de terceiros em jogo.
d) Os alunos que foram aprovados viajarão antes.
e) O tempo, mestre paciente, não nos trairá.

QUESTÕES MISTAS (VÁRIOS PONTOS DA APOSTILA)


1. [Assist. Ativ. Educ.-(NM)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.18) A respeito da gramática do texto (ver página 8), assinale
a alternativa que contém a afirmação correta.
a) As palavras “oiseau” e “pássaro” podem ser consideradas sinônimas porque têm a mesma origem.
b) Quanto à coesão, a conjunção “embora” indica uma concessão em relação ao que foi dito anteriormente.
c) Nos versos em que aparece a palavra “porque”, não há a causa expressa.
d) Ao usar os verbos “será” (4º verso) e “seria” (5º verso), no tempo futuro, o autor procura indagar sobre certezas que
vão dentro dele.
e) A contração “nela” (11º verso) estabelece coesão com a palavra “pássaro” (9º verso).
2. [Agente Fiscal Agrop.-(Téc. Agropec.-Téc. Agrícola)-(NM)-IAGRO-MS/2013-SAD-SEPROTUR-GOV. MS].(Q.3)
Analisando a gramática presente no texto (ver página13), pode-se afirmar que a(s) palavra(s):
a) defesa é formada por parassíntese.
b) Fitossanitárias obedece à regra do Novo Acordo Ortográfico.
c) porta-enxertos deveria ter o “s” no final do primeiro termo.
d) laranja-azeda e limão-cravo devem ser escritas sem hífen.
e) têm (2º parágrafo) deve ficar no singular, como o verbo consiste (7º parágrafo).
Para responder à questão 3, leia o texto “Esperança”, de Mário Quintana.
Esperança
Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
– ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
– O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...
Texto extraído do livro “Nova Antologia Poética”, Editora Globo – São Paulo, 1998, pág. 118.
3. [Advogado-(NS)-SANESUL/2013-FAPEMS. MS].(Q.16) Analise as afirmações sobre as seguintes palavras presentes no
texto:
I – SERÁ e INDAGARÁ são proparoxítonas.
II – DÉCIMO e INCÓLUME são polissílabas.
III – LÁ e DEVAGARINHO são advérbios de lugar e modo, respectivamente.
IV – LOUCA e CHAMADA apresentam encontro vocálico e dígrafo, respectivamente.
www.professordeodatoneto.com.br
Estão corretas apenas:
a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) II e IV.
e) III e IV.

Leia o seguinte poema para responder à questão 4.


Dois vocativos
A maravilha dá de três cores:
branca, lilás e amarela.
Seu outro nome é bonina.
Eu sou de três jeitos:
Alegre, triste e mofina,
Meu outro nome eu não sei.
Ó mistério profundo!
Ó amor!
(Adélia Prado)
4. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.14) Estão corretas as seguintes
afirmações sobre o poema, EXCETO:
a) O título se refere aos vocativos que o poema apresenta.
b) Esses vocativos são: Ó mistério profundo! e Ó amor!
c) Maravilha e bonina são nomes de flores.
d) O vocativo é um termo usado para chamamento.
e) O vocativo é um termo integrante ligado ao sujeito.
Leia o trecho abaixo para responder à questão 5.
“O relatório aponta que 54% da comida desperdiçada ocorre na colheita, manipulação e armazenagem. Os
outros 46% acontecem na fase de processamento, distribuição e consumo nesse último ponto cabe já a ação
individual responsável: não pôr comida no prato, por exemplo, além do apetite e acompanhar constantemente o
prazo de validade dos alimentos estocados.”
www. istoe.com.br/assuntos/semana/detalhe/3242370+ Planeta+do+desperdicio+e+da+fome.
5. [Agente-(Escrivão e Investigador)-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.22) A relação entre o trecho
destacado e a explicação ao seu lado está correta em todas as alternativas, EXCETO em:
a) “Os outros 46% acontecem...” – A expressão “outros”, remete à comida desperdiçada.
b) “...distribuição e consumo...” – O conector “e” expressa a ideia de adição.
c) “...nesse último ponto cabe...” – Da expressão “nesse último ponto”, infere-se que já houve outro ponto.
d) “...ação individual responsável:” – O uso dos dois pontos indica que haverá uma explicação na sequência.
e) “...acompanhar constantemente...” – Constantemente é um adjetivo.
Leia este texto para responder à questão 6.
No vaivém de vários destinos, a eficiência da atuação dos bombeiros é tão grande que, por várias vezes, os
jornais televisivos mostraram salvamentos feitos através do telefone. Com muita tática profissional, eles mantêm a
pessoa que está do outro lado da linha tranquila, dando-lhes condições de agir e fazer os primeiros socorros, se
necessário.
BARROS, Jussara. In: Dia do bombeiro.
6. [Oficial-(NM)-CFO-CBM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.20) Considerando a significação e as normas
gramaticais, assinale a alternativa que contém a afirmação INCORRETA.
a) A palavra “primeiros socorros” e “vaivém” estão de acordo com a norma culta. A segunda permite também a
grafia “vai-e-vem” e “vai-vem”.
b) Na primeira frase, há uma relação de causa e consequência.
c) Na segunda frase, houve posicionamento inadequado de uma palavra, o que causou ambiguidade.
d) O verbo “dar” aparece com dupla transitividade.
e) A última oração do período indica uma circunstância de condição à situação apresentada.

7. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.17) Analise as afirmações seguintes.


I – As expressões SALÁRIO e APLICÁVEL são paroxítonas.
II – As expressões OLÁ e SÉRGIO são oxítona e paroxítona, respectivamente.
III – Nas expressões MELISSA e BRASILEIRO, temos dígrafo, encontro consonantal e encontro vocálico,
respectivamente.
IV – As expressões PROVÉRBIO e HISTÓRIA são paroxítonas terminadas em ditongos abertos.
Assinale a alternativa que apresenta a(s) afirmação(ões) correta(s).
a) I e II, apenas.
b) II e III, apenas.
c) I, II e III, apenas.
d) I, II e IV, apenas.
e) I, II, III e IV.
8. [Soldado BM e Soldado PM-(NM)-CBM-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV. MS].(Q.25) Assinale a alternativa em que
todas as palavras são substantivos e estão corretamente separadas em sílabas.
a) in-dig-na-do; a-do-les-cên-cia; ad-mi-nis-tra-dor.
b) a-tro-pe-la-men-to; res-sar-ci-men-to; pro-i-bir.
www.professordeodatoneto.com.br
c) pa-dri-nho; ni-ve-la-men-to; con-fir-ma-ção.
d) ir-res-pon-sa-bi-li-da-de; rép-til; ab-di-car.
e) tra-ba-lho; im-pos-sí-vel; in-dig-ni-da-de.
9. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.4) Analise as seguintes afirmativas:
I – A morfologia flexional e derivacional cria novas palavras com novos significados lexicais.
II – “Aluno versus aluna” é um exemplo de flexão nominal.
III – A derivação é processo pelo qual se originam vocábulos uns de outros, mediante a inserção ou extração de afixo.
IV – Exemplo de derivação: Lei (substantivo); legal (adjetivo); legalmente (advérbio).
Estão corretas:
a) apenas I e II.
b) apenas II e III.
c) apenas III e IV.
d) apenas II, III e IV.
e) I, II III e IV.
Leia a declaração de Steve Jobs para responder à questão 10.
“Computador para mim é a ferramenta mais marcante que já inventamos. É a bicicleta da mente...” Steve Jobs
Revista Literatura, n. 38, outubro/2011.
10. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.8) Numere a segunda coluna de acordo com a
primeira.

(1) Sentido denotativo ( ) “[...] ferramenta mais


marcante...”

(2) Monossílabas tônicas ( ) “Computador para mim...”

(3) Expressão metafórica ( ) “é” e “já”.

(4) Forma verbal ( ) “É a bicicleta da mente.”

(5) Ideia de intensidade ( ) “[...] inventamos.”


Assinale a alternativa em que a numeração da segunda coluna, de cima para baixo, está correta.
a) 5 - 1 - 2 - 3 - 4
b) 3 - 1 - 4 - 5 - 2
c) 1 - 2 - 3 - 4 - 5
d) 5 - 4 - 3 - 2 - 1
e) 1 - 3 - 2 - 4 – 5

11. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.11) No período “Se tivesse tido
tempo, teria ido ao cinema”, estão correlacionados os tempos:
a) Futuro do subjuntivo (oração subordinada) e futuro do presente (oração principal)
b) Imperfeito do subjuntivo (oração subordinada) e futuro do pretérito (oração principal).
c) Mais-que-perfeito do subjuntivo composto (oração subordinada) e futuro do pretérito composto (oração
principal).
d) Presente do Indicativo (oração subordinada) e presente do indicativo (oração principal).
e) Presente do subjuntivo (oração subordinada) e presente do subjuntivo (oração principal).
12. [Gestor Serv. Organiz.-(Anal. Contábil)-(NS)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.12) Analise as hipóteses, indicadas
entre parênteses, expressas nos seguintes períodos com oração subordinada adverbial condicional.
I – Se tenho tempo, vou ao cinema. (hábito).
II – Se tiver tempo, irei ao cinema. (provável no futuro).
III – Se tivesse tido tempo, teria ido ao cinema. (hipótese no passado).
IV – Se tivesse tempo, iria ao cinema. (não provável no futuro).
Estão corretas:
a) I, II, III e IV.
b) I, II e III apenas.
c) I e II apenas.
d) II e III apenas.
e) III e IV apenas.
13. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.4) Quanto à gramática do texto (ver
página 27), pode-se afirmar que:
a) as palavras psicossociais, infra-estrutura, intersetorial, sociossanitária e psicossociais atendem às exigências do Novo
Acordo Ortográfico.
b) há erro quanto à ortografia na palavra “entorno” (linha 13), visto que, pelo contexto, deveria ser “em torno”, por
ser uma locução prepositiva.
c) no quinto parágrafo, no trecho “[...] que só é viável se [...]” (linha 20), as palavras sublinhadas são advérbio e
conjunção condicional, respectivamente.
d) de acordo om o contexto, as palavras evidências (linha 01), implementação (linha 42) e pautados (linha 23) têm
como sinônimos: comprovações, execução, descriminados.
e) no último parágrafo (linha 50), o substantivo diálogo, sintaticamente, exerce a função de núcleo do objeto indireto
www.professordeodatoneto.com.br
14. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.18) Leia esta frase.
Por traz da fadiga excessiva podem existir maus hábitos e até problemas de saúde.
Segundo a gramática, pode-se dizer que:
a) há dois erros ortográficos.
b) o verbo “podem” deveria estar no singular.
c) o redator equivocou-se ao escrever “traz”, porque não se referiu ao verbo “trazer”.
d) o substantivo “maus hábitos” deveria estar escrito com hífen.
e) a palavra “até” traduz uma noção de exclusão.
15. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.20) Observe a sílaba tônica das
palavras nas frases abaixo. O(s) acento(s) de algumas delas foi(foram) omitido(s). Coloque-o(s).

Guardar magoa alimenta ressentimentos.

Quem sempre magoa as pessoas não merece amizades sinceras.

O contagio da dengue pode ser evitado.

Contagio meus filhos com a felicidade que estou sentido.

O que a mudança de posição da sílaba tônica provocou em algumas palavras?


a) Nada. As palavras permaneceram iguais em todos os aspectos.
b) Algumas receberam acento gráfico, sem alteração na pronúncia.
c) A mudança da sílaba tônica mudou as palavras apenas quanto à pronúncia.
d) Houve mudança de significado.
e) Três dessas frases contêm palavras que deveriam ser acentuadas.

16. [Téc. Serv. Organiz.-(Téc. Contábil)-(NM)-AGEHAB-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.24) Leia este texto e assinale a
alternativa correta.
Aprenda uma profissão. Trabalhe.
a) Os dois verbos são da mesma conjugação.
b) Neles está ausente a pessoa verbal.
c) Para concordar com o segundo, o primeiro verbo deveria estar flexionado aprende.
d) Se a flexão fosse trabalha, o primeiro verbo seria aprende.
e) O primeiro sujeito é elíptico e, na segunda frase, é inexistente.
17. [Delegado-(NS)-PC-MS/2013-SAD-SEJUSP-GOV.MS].(Q.7) Analise as afirmações a seguir.
I – Em 1) des-a-ter-rar; 2) sub-es-ti-mar; 3) trans-tor-nar, contatamos que a separação silábica está correta apenas em
3).
II – Em “águia – queijo – quatro – quero” apenas um dos vocábulos não possui dígrafo.
III – Em “O motorista foi multado porque .................................... ([1]) infligiu, [2] infringiu) as regras de trânsito”, a lacuna
deve ser preenchida corretamente com [1].
IV – Em “cérebro – próximo – lágrima”, as três palavras são acentuadas de acordo com a mesma regra.
Está correto o que se afirma apenas em:
a) I e II.
b) II e III.
c) I, II e III.
d) II, III e IV.
e) I, II e IV.
Texto da página 30 para responder às questões 18 e 19.
18. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.4) Sobre as ideias e os aspectos gramaticais do texto,
assinale a alternativa correta.
a) Em “Não há beleza sem senão”, a palavra “senão” é uma conjunção e significa “de outro modo”; “do contrário”.
b) “Alto lá!” é uma locução interjectiva e significa “siga”, “continue”.
c) O período “O pavão, que estava acostumado a andar com a cabeça empinada, reparou pela primeira vez em
suas patas.” constitui um discurso direto.
d) O elemento coesivo “lhes” (§ 6) refere-se ao antecedente “pavões”.
e) A forma verbal do pretérito mais-que-perfeito do indicativo ”tinha reparado” (§ 7) corresponde à forma verbal
simples “reparou”.
19. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.5) Assinale a alternativa correta.
a) O sentido com o qual o termo “roda” está sendo empregado no parágrafo 1 está sendo explicado em: “O pavão
tem o instinto de desdobrar aquela cauda linda, formando aquela roda, e de passear, exibindo-a”.
b) Nos enunciados “Coma, senão ficará de castigo” e “Não há beleza sem senão, a palavra “senão” tem a mesma
classe gramatical.
c) A palavra “desengraçado” é formada por sufixação.
d) O termo “ó tição de penas” exerce a função sintática de aposto.
e) O período “O pavão, que nunca tinha reparado nos próprios pés, abaixou-se”, contém uma oração subordinada
adjetiva restritiva.
Texto para responder à questão 20.
www.professordeodatoneto.com.br

20. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.6) No primeiro quadradinho, a forma verbal


“prantando”:
a) não tem sujeito.
b) não precisa de complemento.
c) indica ação não concluída.
d) é irregular.
e) indica ação momentânea.
21. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.9) Avalie as seguintes afirmativas:
I – Em “Dos 52 mil formados em 2011, menos da metade fizeram licenciatura para dar aulas”, o verbo “fazer”
concorda com a expressão “menos da metade”.
II – Em “O principal motivo dessa falta de profissionais são os baixos salários”, o verbo “ser” concorda com o sujeito.
III – Em “[...] as empresas estão atrás de matemáticos, físicos e biólogos”, a locução “atrás de” significa “à procura
de”.
IV – Em “[...] a Secretaria de Educação de São Paulo passa um sufoco todos os anos”, a palavra “sufoco” caracteriza
um uso formal da linguagem.
V – Em “No imaginário do jovem de hoje não está presente ‘eu quero ser professor’ [...]”, as aspas simples, na
expressão sublinhada, delimitam o início e o fim de uma citação dentro de outra citação.
http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2013/03/faltam-professores-de-materias-especificas-nas-salas-de-aulas-do-pais.html. Acesso em: 25/3/2013.
As alternativas corretas são apenas:
a) I e II.
b) II, IV e V.
c) III e V.
d) III e IV.
e) I, II e IV.
Texto para responder às questões 22 e 23.
Canarinho da Terra
Sabem por que o nosso canarinho é da terra?
Pois é uma contraposição ao Canário-do-reino (Serinus canaria), importado de Portugal. Então, o canário
brasileiro virou o canário-da-terra. O Canário-do-reino é originário dos Açores, da Ilha da Madeira e das Ilhas Canárias.
Daí seu nome, canário, das Canárias.
www.curvasdeminas.com. Acesso em: 13/3/2013.
22. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.19) Após analisar as ideias e os aspectos gramaticais do
texto, marque, nos parênteses, C, caso julgue o item certo, e com E, caso julgue o item errado.
I – A expressão “canarinho da terra” é uma variante de “canário-da-terra”.
II – A pergunta do texto é retórica, sem objetivo de receber uma resposta.
III – Depreende-se das informações do texto que o canário existe apenas no Brasil.
IV – O pronome “nosso” (linha 1) insere no texto o autor e todos os brasileiros.
V – “Canário-do-reino” e “canário-da-terra” são palavras formadas pelo processo de composição.
Os itens corretos são apenas:
a) I, II e III.
b) II, III e IV.
c) I, II, IV e V.
d) I, IV e V.
e) III, IV e V.
23. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2013-FAPEMS. MS].(Q.20) Assinale a alternativa correta.
a) Açores, Ilha da Madeira e Ilhas Canárias são substantivos próprios.
b) Em “Então o canário brasileiro virou o canário-da-terra”, o verbo “virar” é intransitivo.
c) A substituição de “por que” (linha 1) pela forma “porque não prejudica a correção gramatical do período.
d) As palavras “canário” e “daí” recebem acento gráfico com base na mesma regra de acentuação gráfica.
e) Os elementos coesivos “pois” (linha 2), “então” (linha 3) e “daí” (linha 4) pertencem à mesma classe gramatical.

24. [Oficial-(NM)-PM-MS/2013-SAD-SEJUSP- GOV. MS].(Q.12) Observe as informações sobre o período a seguir:


“Eu nunca saberia por que meu sonho terminal fora aquele, eu desmoronando junto com um prédio de lata”.
I – A forma verbal “fora” está conjugada na 3ª pessoa do singular do pretérito mais-que-perfeito do indicativo.
II – “Fora” é uma forma verbal simples correspondente à forma composta “tinha sido” (ou havia sido).
www.professordeodatoneto.com.br
III – Nesse período, há uma oração subordinada substantiva objetiva direta.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmação(ões):
a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e II apenas.
e) I, II e III.
25. [Professor-(Ár. História)-(NS)-SED-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.12) Relacione as duas colunas de acordo com a
classificação morfossintática das palavras que constituem a primeira oração do período a seguir:
“O emprego ruim faz a pessoa perder a saúde mental”.
1) O ( ) artigo, substantivo – objeto direto.
2) emprego ( ) artigo – adjunto adnominal
3) ruim ( ) substantivo – núcleo do sujeito
4) faz ( ) verbo – núcleo do predicado verbal
5) a pessoa ( ) adjetivo – adjunto adnominal
a) 5, 3, 1, 2, 4
b) 4, 2, 3, 1, 5
c) 2, 5, 3, 4, 1
d) 5, 1, 2, 4, 3
e) 3, 5, 1, 4, 2
26. [Auditor Serv. Saúde-(Anál. Sistemas)-(NS)-HR-MS/2011-SAD-SES-GOV. MS].(Q.8) Assinale a alternativa em que o
verbo chamar tem sentido de qualificar e o período é construído com objeto direto mais predicativo.
a) Leonardo é alto, mas é reinador nenhum chamou-o para jogar.
b) Era a mãe a chamar pelo filho que estava na rua brincando.
c) Alguns feirantes chamam-no de fiscal.
d) Chamei pelo colega em voz alta.
e) Os adversários chama-lhe de traidor.
27. [Assist. Ativ. Trânsito-(NM)-DETRAN-MS/2011-FAPEMS. MS].(Q.5) “A Anvisa suspendeu a comercialização de um
fitoterápico vendido pela internet. A suspensão vale também para a manipulação desse remédio.”
(ABREU, Antônio S. Ave palavra. In: Carta na escola. São Paulo: Editora Confiança Ltda, n 55, abril de 2011, p. 61).
Sobre a palavra suspensão, grifada no trecho acima citado, a afirmação INCORRETA é:
a) Trata-se de um substantivo abstrato.
b) É um substantivo derivado de “suspender”.
c) Recupera todo o período anterior.
d) Promove a coesão textual.
e) Denomina seres que existem por si próprios.
www.professordeodatoneto.com.br
www.professordeodatoneto.com.br
www.professordeodatoneto.com.br

Você também pode gostar