Você está na página 1de 20

Diferença de energia entre duas orbitas

EINSTEIN

E = energia
m = massa
c = velocidade da luz
h = Constant de plank
lambda = comprimento de onda
p = momentum linear

 Efeito fotoelétrico
 Einstein atribui propriedades corpusculares a luz, em vez de olha-la
unicamente como uma onda (fóton)
De Broglie

 O elétron pode ser representado por uma onda circulando e sendo


atraída pelo núcleo
 Tem que ter obrigatoriamente números de comprimentos de ondas
inteiros (6, no exemplo acima), porque a onda “tem que se encontrar”.
Número fracionário a onda não se fecharia
 Conclusão: A concepção de que o elétron assume o formato de uma
onda, ele chega a mesma condição de quantização de energia de Borh.
 Ganhou premio Nobel ao ser provado que o elétron pode ser difratado
(difração é uma propriedade típica de onda) através de um cristal de
níquel (1927)
 Abriu caminho para uma nova física, a mecânica quântica.

Funções de Onda para o Elétron

 Ondas podem ser descritas por funções matemáticas


 Schrodinger propôs uma descrição  Mecânica Ondulatória
 Werner Heisenberg propôs uma descrição baseada para o elétron
baseada na mecânica quântica  Mecânica Matricial (baseada em
matrizes).
 As duas teorias são concordantes
 A de Heisenberg, capz de fazer muito mais coisas que a de Schrodinger,
é muito mais complicada. Muito mais difícil para os físicos. Por isso ela
geralmente é só citada nos livros e se é trabalhado com a de
Schrodinger
 Quando o elétron é tratado como uma onda, a quantização é natural.

FUNÇÃO DE ONDA:

Convenientemente, sistema estacionário, parado  Independente do


tempo.

Não pode ser qualquer função. Tem que atender algumas características.
função bem comportada

 Tudo que queremos saber sobre o elétron está presente na função de


Onda
 A função em si não tem significado físico
 O quadrado da função de onda indica a probabilidade de se encontrar o
elétron, em uma determinada distância do núcleo (por isso função deve
ser quadraticamente integrável, por que o quadrado dela é importante).
 A forma de resolver a função de onda  Equação de Schrodinger

Operador (por exemplo: H, operador Hamiltoniano), é uma entidade


matemática que vai trabalhar a função de onda e ele devolve a mesma
função porem junto com um alto valor, também chamado de observável,
que é uma característica física que pode ser medida (nesse caso
específico, a Energia, E)
“Cara” das funções de onda:

Uso de coordenadas esféricas


 Função de onda dividida em um produto de duas funções, cada
função da informações diferentes a respeito da função de onda e,
consequentemente, do comportamento do elétron
 Parte Angular  Formato do Orbital
 Parte Radial  Extensão do Orbital (nível de energia do orbital)
 1s, 2s 3s  Esférico harmônico desses três orbitais é exatamente o
mesmo. Muda a parte Radial.

FORMATO DOS ORBITAIS (PARTE ANGULAR)


Nenhuma variável em teta ou fi  Pode assumir todos os valores de teta (0 a
180°) e de fi (0 a 360°)  Como não apresentam restrições, são esféricos.

Existe valores em que essa função zere, dependendo do valor de teta? Existe!
Relação com o cosseno de teta.

Gráfico do cosseno de um ângulo:

Teta 90°  0
Como não tem nenhuma dependência em fi, essa figura pode rotacionar 360°
em todno do eixo Z, gerando o formato do orbital “p”, com um plano nodal
(devido ao ângulo de 90°, nó angular)

Solução da função de onda = 3 orbitais degenerados

Pz = orbital p0

Px (p+1) e Py (p-1) = Números imaginários (complexos)  não consigo fazer


figura geométrica para ela.

Combinação matemática dessas funções permite obter duas novas funções,


que possuem apenas números reais. (combinação linear das funções também
são soluções para essas funções).
DUAS REGIÕES NODAIS DO TIPO ANGULAR
EXTENSÃO DO ORBITAL (PARTE RADIAL)

 1s não apresenta nenhum nó radial


 2s  1 nó (r = 2a0) (a0 = raio 1° orbita de Bohr)
 2s  2 nós
 Todos tendem a zero no infinito

Quadrado da função de onda:


(qadrado)

 Área próxima ao núcleo: 3s>3p>3d


 Orbital s (para mesmo nível) sofre mais influência do núcleo do que o
p e do que o d.
 Orbital s é mais atraído pelo núcleo que o p e do que o s.
Números Quânticos

 Na resolução das funções de onda com a base na mecânica


quântica, naturalmente surgem alguns números, algumas constantes
que implicam a função a assumir apenas valores específicos
(números quânticos)
 Função de onda que depende agora de 3 números quânticos (três
restrições): n, l e m1
 n: índica o nível de energia. Para que a função de energia faça
sentido (tenha soluções reais), n só pode assumir valores de
números inteiros. Energia possível para os elétrons é apenas um
múltiplo desse N. Restrição dos níveis de energia
 l: números inteiros até no máximo n-1. Indica o momentum angular.
Momentum angular não pode assumir qualquer valor. Operador para
momentum angular = L^2 (ver imagem). Momentum angular = L =
sqrt(l(l+1)) + h
 ml: diz para onde o momento angular (vetor) vai apontar. Restrição:
momentum angular não pode assumir qualquer direção.
DESCRIÇÃO INFORMAL DOS N° QUÂNTICOS
Momentum Angular Orbital

Projeção em Z: Z = 1
Projeção em x: z = 0

Projeção em y: z = -1

As projeções em si não são exatamente importante, mas elas mostram as


limitações das projeções espaciais, momentum angular não pode assumir
direções quaisquer.