Você está na página 1de 35

NOVOS DESAFIOS

Pedro Pereira Leite, março 2017


Roteiro
 17º MINOM Amazónia
 3 desafios para a pratica museologia social
 Instrumentos da educação popular patrimonial
17º MINOM amazónia
Vidas e Silêncios
Porquê a Nazaré ?
 Lugares com Aura, Lugares com Memória
 Programa UNIR
 Minhas Raízes
Espaço
 Comunidade beradeira
Patrimónios
Floresta
 um
beradeiro
conhece
o
outro
pela
batida
do
remo
 quem
faz
som
de
água
é
adulto
 quem
raspa
no
casco
é
pequeno
Sabores, Odores e sonoridades
Chegam as melancias, as mais doces
do Brasil. Também um tempo para o
mergulho no Igarapé, sempre após o
almoço, no meio da tarde, para se
refrescar do calor e se preparar para
nova jornada.

Contigo aprendi a confrontar meus


medos, você causa emoção de cara,
permite reconhecer que nada será
como antes. Quando atraquei em seu
barranco eu sabia que não poderia
mais retornar do mesmo jeito que
cheguei. Que alegria! O seu território,
guarda sabores, cores e sons, que só
vivem aí.
Desenraizamento
 As pessoas estão a ser
afastados de suas
tradições e das suas
historias de vida, dos
seus antepassados
 Projetos económicos
 Mercantilização da vida
Bem – Viver – alternativas possíveis
 Um novo processo
 Com base na natureza
 Na relação com o eu e
com o outro
 Relações de vizinhança

 Economia social

 Património popular
3 desafios
A memória acesa
Dialogando com a Memória Acesa
 Ultrapassar a clivagem natureza/ cultura
 Trata-seduma construção social destinada a capturar e a
dominar a natureza
 É necessário reconhecer a incompletude do saber
O conhecimento como processo
 O conhecimento como justiça

 Memória acesa
 Ativar os pontos de cultura (satisfatores sinergéticos)
 ações que através do seu potencial arrastam outras ações
A declaração da Nazaré
 Afirmação da Dignidade Humana
 Justiça cognitiva
 Direito cultural

 Direitos coletivos

 Inclusão social e pacífica

 Lugar do afeto

 Participação

 Direitos da natureza

 Processos em rede
3 desafios para a museologia
 Criar Lugares de Encontro
 Construir pontes e diálogos
 Ligar Pessoas
 Reconhecer o eu e o outro
 Tornar as pessoas mais felizes
 Criar inovação e alternativas
Que instrumentos ?
 Educação Popular Patrimonial
Recursos da educação patrimonial
Território – Comunidade - Fratrimónio
Instrumentos da Educação Popular Patrimonial

 Território e Comunidade
 Comunidade
 Círculos do património, de memória,
 Participação cidadã
 Saberes Locais
 Tradições
 Técnicas
 Calendários Locais
 Território
 Paisagem
 Patrimónios Locais
 Escolas, Centros Culturais, Centros Saúde, bibliotecas, Arquivos
Fratrimónio
Conhecer Nazaré me mudou, me transformou inteira.
Agora consigo realizar palavras, sentimentos, conceitos
que eram pura abstração. Aqui na urbanidade da vida a
gente se esquece muito facilmente que um equilíbrio entre
homem e natureza é possível. Fica parecendo uma utopia
tola. (Inês Gouveia)
Poética
menino da água

menino da água doce que encanta


envereda nessa mata ao norte desse país
América gente mais linda
América gente mais índia.

banhar nos igarapés da Amazônia


qual flor desse araçá
que a corrente leva a brincar
pras margens do grande rio... pras margens do grande rio

terra onde se terá


coisas de mais brincar

Maria a me esperar
ardendo em febre na rede
Memória acesa
Assumindo os desafios
Educação popular e direitos à cultura
 Como construir uma educação popular no património
A ação permite tornar os objetos do direito em sujeitos do
direito
principio da adequabilidade
 Os processos dependem dos contextos em que são
aplicados
 Conhecer o território e a comunidade
 Atuar como mediador de processos
Museu a Ceu aberto
Um museu a céu aberto, que tem por musa a
liberdade. Liberdade de escolher os seus próprios
valores, de receber e dar flores, de ser movido por
influxos de amores, de estar onde coexistam seres
iluminados do rio e sábios doutores do mundo
Direitos culturais

 O que são e para que servem os Direitos Culturais ?

 Os direitos culturais têm o objetivo de garantir a cada um


e a uma comunidade, a liberdade de viver a sua identidade
cultural
 “o conjunto de referências culturais através das quais uma
pessoa, individual ou coletiva, se define, se constitui,
comunica e se sente reconhecida na sua dignidade”.
 (Declaração de Friburgo sobre Direitos Culturais, 2007)
Definição de direito cultural
 6 Domínios
O Património cultural é parta integrante do processo de
formação de identidade (individual e coletiva)
 O património cultural exprime-se através das comunidades
(culturais)
 Todos devem ter acesso á participação na vida cultural

 Todos devem ter acesso à educação e a formação cultural

 A informação e a comunicação sobre questões culturais

 A cooperação cultural
O exercício dos direitos culturais faz-se

 Através dos princípios de governação


 Mecanismos de participação
 Na sua inserção na economia
 Economia criativa
 Na responsabilidade dos atores públicos
 Políticas públicas
 Na responsabilidade das organizações internacionais
 Convenções , Declarações e Recomendações da UNESCO
 Outras organizações internacionais (Conselho da Europa,
Organização de Estados Iberoamericanos, CPLP)
Recursos do território
 Ambiente e sua bio diversidade
 Estruturas publicas:
 museus, bibliotecas, arquivos,
 espaços culturais, (teatros, galerias, centros culturais)

 Escolas

 Espaços de sociabilidade (equipamentos sociais)

 Espaço públicos e seus patrimónios


 Comunidades locais e seus visitantes
Recursos da comunidade
 Pessoas e suas formas de estar, de ser e de fazer
 Grupos sociais
 Organização social

 Saberes locais

 Fazeres locais

 Formas de usar o espaço


Como construir ação
 Processos Participativos  Processos de Mercado
 Os ecomuseus  A economia de mercado
 Economia social  Gentrificação das cidade

 Associativismo  Turismo de massa


 Cooperativismo  Há que ter uma
 Mutualidades consciência crítica sobre
 Economias de proximidade processos de hegemonia.
 Hortas urbanas, bancos de
serviços, comercio justo,
 Slow food, circulos de
sementes
Que Direitos queremos na cultura
 A cultura é sinónimo de educação
 Acontece ao longo da via
 A educação popular e a cultura (património) não pode ser uma
mercadoria
 a aprendizagem acontece ao longo da vida
 É um processo contínuo e permanente, sem um momento certo para
ocorrer.
 Ensinar e aprender exigem a consciência de que somos seres inacabados e
incompletos, curiosos, que sabemos escutar, que temos abertura e
aceitamos o novo, que refletimos criticamente sobre a
 É uma prática de cultura
 rejeitamos toda e qualquer forma de discriminação.
 Obriga à disponibilidade para o diálogo, a humildade, a generosidade
 Gera a alegria de ensinar
Instrumentos de educação patrimonial popular

Criar fatrimónios
Instrumentos
 Redes de Patrimónios
 Inventariação dos recursos (inventario participativo)
 Saberes, memorias, tradições, festas (património cultural)
 Patrimonio natural
 Património económico
 Escuta ativa da comunidade – investigação-processo

 Construção do compromisso na ação


 processosde educação e comunicação participada.
 Economia criativa
Objetivos da educação patrimonial
 Favorecer a criação de identidades locais e de afetos,
com o território e entre a comunidade
 Reconhecimento de si e do outro
 Despertar a capacidade de iniciativa e de criatividade
da comunidade no uso dos seus recursos
 Dar instrumentos de produção e negociação sobre os
patrimónios locais