Você está na página 1de 96

Manual de Tronco Comum

1º Ano

Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação


Código: ISCED11-TECFCFG001
TOTAL HORAS/1o SEMSTRE: 75
CRÉDITOS (SNATCA): 3
Número de Temas: 7

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ISCED


ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação1

Direitos de autor (copyright)

Este manual é propriedade do Instituto Superior de Ciências e Educação a Distância (ISCED),


e contém todos os direitos reservados. É proibida a duplicação ou reprodução parcial ou
total deste manual, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (electrónicos, mecânico,
gravação, fotocópia ou outros), sem permissão expressa de entidade editora (Instituto
Superior de Ciências e Educação a Distância (ISCED).

A não observância do acima estipulado o infrator é passível a aplicação de processos judiciais


em vigor no País.

Instituto Superior de Ciências e Educação a Distância (ISCED)


Direcção Acadêmica
Rua Dr. Lancerda de Almeida no 211, Ponta - Gea
Beira – Moçambique
Telefone: 23 323501
Cel: +258 823055839

E-mail: infoisced@isced.ac.mz
Website: www.isced.ac.mz
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação2

Agradecimentos

O Instituto Superior de Ciências e Educação a Distância (ISCED) e o autor do presente manual


agradecem a colaboração dos seguintes indivíduos e instituições na elaboração deste
manual:

Pela Coordenação Direção Académica do ISCED

Pelo design Direção de Qualidade e Avaliação do ISCED

Financiamento e Logística Instituto Africano de Promoção da Educação


a Distancia (IAPED)

Dra. Carmen Salato


Pela Revisão

Elaborado Por:

Dr. Celestino Alexandre Pempe – Mestre em Tecnologias de Informação pela Universidade


Católica de Moçambique (UCM)
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicaçãoi

Índice

Visão geral 1
Benvindo ao Módulo de Tecnologias de Informação e Comunicação ............................. 1
Objectivos do Módulo ................................................................................................... 1
Quem deveria estudar este módulo .............................................................................. 1
Como está estruturado este módulo ............................................................................. 2
Ícones de actividades .................................................................................................... 4
Habilidades de estudo ................................................................................................... 4
Precisa de apoio? .......................................................................................................... 7
Tarefas (avaliação e auto-avaliação) .............................................................................. 8
Avaliação ....................................................................................................................... 8

TEMA – I: A Era da Informação Digital 11


UNIDADE Temática 1.1. Conceito de Dados ................................................................. 11
Introdução ................................................................................................................... 11
Sumário ....................................................................................................................... 12
Exercícios .................................................................................................................... 12
UNIDADE Temática 1.2. Conceito de Informação ......................................................... 13
Introdução ................................................................................................................... 13
Sumário ....................................................................................................................... 15
Exercícios .................................................................................................................... 15
UNIDADE Temática 1.3. Conceito de Sistema de Informação ....................................... 15
Introdução ................................................................................................................... 15
Sumário ....................................................................................................................... 20
Exercícios de Auto-Avaliação ....................................................................................... 21
Exercícios .................................................................................................................... 21

TEMA – II: INTRODUÇÃO AO COMPUTADOR 22


UNIDADE Temática 2.1. Introdução ao Computador .................................................... 22
Introdução.......................................................................................................... 22
Sumário ....................................................................................................................... 24
Exercícios .................................................................................................................... 24
UNIDADE Temática 2.2. História do Computador......................................................... 25
Introdução.......................................................................................................... 25
Sumário ....................................................................................................................... 29
Exercícios .................................................................................................................... 30
UNIDADE Temática 2.3. Componentes do Computador ............................................... 30
Introdução.......................................................................................................... 30
Sumário ....................................................................................................................... 37
Exercícios .................................................................................................................... 38
UNIDADE Temática 2.4. Unidade de Medição nos Computadores ............................... 38
Introdução.......................................................................................................... 38

i
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicaçãoii

Sumário ....................................................................................................................... 39
Exercícios .................................................................................................................... 40
UNIDADE Temática 2.5. Sistemas Operativos de Computadores .................................. 40
Introdução.......................................................................................................... 40
Sumário ....................................................................................................................... 42
Exercícios de Auto-Avaliação ....................................................................................... 43
Exercícios .................................................................................................................... 43

TEMA - III: Sistemas de Informação 44


UNIDADE Temática 3.1. Sistemas de Informação nos Negócios .................................. 44
Introdução.......................................................................................................... 44
Sumário ....................................................................................................................... 46
Exercícios .................................................................................................................... 46
UNIDADE Temática 3.2. Processos de Desenvolvimento de Sistemas de Infrmação ..... 47
Introdução.......................................................................................................... 47
Sumário ....................................................................................................................... 52
Exercícios .................................................................................................................... 53
UNIDADE Temática 3.3. Gestão de um Sistemas de Informação .................................. 53
Introdução.......................................................................................................... 53
Sumário ....................................................................................................................... 55
Exercícios de Auto-Avaliação ....................................................................................... 56
Exercícios .................................................................................................................... 56

TEMA - VI: Tipos de Sistemas de Informação 58


UNIDADE Temática 4.1. Tipos de Sistemas de informação ........................................... 58
Introdução.......................................................................................................... 58
Sumário ....................................................................................................................... 64
Exercícios de Auto-Avaliação ....................................................................................... 64
Exercícios .................................................................................................................... 65

TEMA - V: Comércio Electrónico 66


UNIDADE Temática 5.1. Conceito de Comercio Electrónico ......................................... 66
Introdução.......................................................................................................... 66
Sumário ....................................................................................................................... 67
Exercícios .................................................................................................................... 68
UNIDADE Temática 5.2. Tipos de Comércio Electrónico ............................................... 68
Introdução.......................................................................................................... 68
Sumário ....................................................................................................................... 71
Exercícios .................................................................................................................... 71
UNIDADE Temática 5.3. Vantagens e Desvantagens de Comércio Electrónico ............. 72
Introdução.......................................................................................................... 72

ii
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicaçãoiii

Sumário ....................................................................................................................... 74
Exercícios de Auto-Avaliação ....................................................................................... 74
Exercícios .................................................................................................................... 74

TEMA - VI: A Internet 76


UNIDADE Temática 6.1. Introdução a Internet ............................................................. 76
Introdução.......................................................................................................... 76
Sumário ....................................................................................................................... 78
Exercícios .................................................................................................................... 78
UNIDADE Temática 6.2. Cuidados a ter na Internet ..................................................... 79
Introdução.......................................................................................................... 79
Sumário ....................................................................................................................... 83
Exercícios .................................................................................................................... 83
UNIDADE Temática 6.3. Motores de Busca .................................................................. 84
Introdução.......................................................................................................... 84
Exercícios de Auto-Avaliação ....................................................................................... 87
Sumário ....................................................................................................................... 87
Exercícios .................................................................................................................... 87

Bibliografia 89

iii
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação1

Visão geral

Benvindo ao Módulo de Tecnologias de Informação e


Comunicação

Objectivos do Módulo

Ao terminar o estudo deste módulo de Contabilidade Geral


deverás ser capaz de:

 Abordar uma perspectiva teórica e prática dos diversos usos de


Sistemas de Informação na empresa e a aplicação de seus
princípios ao gerenciamento de negócios.
Objectivos
Específicos  Apresentar um quadro conceitual enfocando o conhecimento
necessário à utilização eficaz de SI na Organização.

 Traçar um referencial teórico que organiza o conhecimento


necessário ao gerente usuário de Sistemas de Informação em
seis áreas principais: Conceitos Básicos, Tecnologia, Processos
de Desenvolvimento, Aplicações Comerciais e Estratégias
Gerenciais.

Quem deveria estudar este


módulo
Este Módulo foi concebido para estudantes do 1º ano do curso de
licenciatura em Contabilida e Auditoria do ISCED e outros como
Gestão de Recursos Humanos, Administração, etc. Poderá ocorrer,
contudo, que haja leitores que queiram se actualizar e consolidar
seus conhecimentos nessa disciplina, esses serão bem-vindos, não
sendo necessário para tal se inscrever. Mas poderá adquirir o
manual.

1
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação2

Como está estruturado este


módulo
Este módulo de Tecnologias de informação e Comunicação, para
estudantes do 1º ano do curso de licenciatura em Contabilidade e
Auditoria, à semelhança dos restantes do ISCED, está estruturado
como se segue:

Páginas introdutórias

 Um índice completo.

 Uma visão geral detalhada dos conteúdos do módulo,


resumindo os aspectos-chave que você precisa conhecer para
melhor estudar. Recomendamos vivamente que leia esta
secção com atenção antes de começar o seu estudo, como
componente de habilidades de estudos.

Conteúdo desta Disciplina / módulo

Este módulo está estruturado em Temas. Cada tema, por sua vez
comporta certo número de unidades temáticas visualizadas por
um sumário. Cada unidade temática se caracteriza por conter uma
introdução, objectivos, conteúdos. No final de cada unidade temática
ou do próprio tema, são incorporados antes exercícios de auto-
avaliação, só depois é que aparecem os de avaliação. Os exercícios
de avaliação têm as seguintes características: Puros exercícios
teóricos, Problemas não resolvidos e actividades práticas algumas
incluindo estudo de casos.

2
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação3

Outros recursos

A equipa dos académicos e pedagogos do ISCED pensando em si,


num cantinho, mesmo o recôndito deste nosso vasto Moçambique
e cheio de dúvidas e limitações no seu processo de aprendizagem,
apresenta uma lista de recursos didáticos adicionais ao seu
módulo para você explorar. Para tal o ISCED disponibiliza na
biblioteca do seu centro de recursos mais material de estudos
relacionado com o seu curso como: Livros e/ou módulos, CD, CD-
ROOM, DVD. Para além deste material físico ou electrónico
disponível na biblioteca, pode ter acesso a Plataforma digital
moodle para alargar mais ainda as possibilidades dos seus
estudos.

Auto-avaliação e Tarefas de avaliação

Tarefas de auto-avaliação para este módulo encontram-se no final


de cada unidade temática e de cada tema. As tarefas dos
exercícios de auto-avaliação apresentam duas características:
primeiro apresentam exercícios resolvidos com detalhes. Segundo,
exercícios que mostram apenas respostas.

Tarefas de avaliação devem ser semelhantes às de auto-avaliação


mas sem mostrar os passos e devem obedecer o grau crescente de
dificuldades do processo de aprendizagem, umas a seguir a outras.
Parte das tarefas de avaliação será objecto dos trabalhos de
campo a serem entregues aos tutores/docentes para efeitos de
correção e subsequentemente nota. Também constará do exame
do fim do módulo. Pelo que, caro estudante, fazer todos os
exercícios de avaliação é uma grande vantagem.

3
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação4

Comentários e sugestões

Use este espaço para dar sugestões valiosas, sobre determinados


aspectos, quer de natureza científica, quer de natureza didático-
Pedagógica, etc. deveriam ser ou estar apresentadas. Pode ser que
graças as suas observações, o próximo módulo venha a ser melhorada.

Ícones de actividades
Ao longo deste manual irá encontrar uma série de ícones nas
margens das folhas. Estes ícones servem para identificar
diferentes partes do processo de aprendizagem. Podem indicar
uma parcela específica de texto, uma nova actividade ou tarefa,
uma mudança de actividade, etc.

Habilidades de estudo
O principal objectivo deste capítulo é o de ensinar aprender a
aprender. Aprender aprende-se.

Durante a formação e desenvolvimento de competências, para


facilitar a aprendizagem e alcançar melhores resultados, implicará
empenho, dedicação e disciplina no estudo. Isto é, os bons
resultados apenas se conseguem com estratégias eficientes e
eficazes. Por isso é importante saber como, onde e quando
estudar. Apresentamos algumas sugestões com as quais esperamos
que caro estudante possa rentabilizar o tempo dedicado aos
estudos, procedendo como se segue:

1º Praticar a leitura. Aprender a Distância exige alto domínio de


leitura.

2º Fazer leitura diagonal aos conteúdos (leitura corrida).

4
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação5

3º Voltar a fazer leitura, desta vez para a compreensão e


assimilação crítica dos conteúdos (ESTUDAR).

4º Fazer seminário (debate em grupos), para comprovar se a sua


aprendizagem confere ou não com a dos colegas e com o padrão.

5º Fazer TC (Trabalho de Campo), algumas actividades práticas ou


as de estudo de caso se existir.

IMPORTANTE: Em observância ao triângulo modo-espaço-tempo,


respectivamente como, onde e quando, estudar como foi referido
no início deste item, antes de organizar os seus momentos de
estudo reflicta sobre o ambiente de estudo que seria ideal para si:
Estudo melhor em casa/biblioteca/café/outro lugar? Estudo
melhor à noite/de manhã/de tarde/fins-de-semana/ao longo da
semana? Estudo melhor com música/num sítio sossegado/num
sítio barulhento!? Preciso de intervalo em cada 30 minutos, em
cada hora, etc.

É impossível estudar numa noite tudo o que devia ter sido


estudado durante um determinado período de tempo; Deve
estudar cada ponto da matéria em profundidade e passar só ao
seguinte quando achar que já domina bem o anterior.

Privilegia-se saber bem (com profundidade) o pouco que puder ler


e estudar, que saber tudo superficialmente! Mas a melhor opção é
juntar o útil ao agradável: Saber com profundidade todos
conteúdos de cada tema, no módulo.

Dica importante: não recomendamos estudar seguidamente por


tempo superior a uma hora. Estudar por tempo de uma hora
intercalado por 10 (dez) a 15 (quinze) minutos de descanso
(chama-se descanso à mudança de actividades). Ou seja que
durante o intervalo não se continuar a tratar dos mesmos assuntos
das actividades obrigatórias.

5
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação6

Uma longa exposição aos estudos ou ao trabalho intelectual


obrigatório, pode conduzir ao efeito contrário: baixar o rendimento
da aprendizagem. Por que o estudante acumula um elevado
volume de trabalho, em termos de estudos, em pouco tempo,
criando interferência entre os conhecimentos, perde sequência
lógica, por fim ao perceber que estuda tanto mas não aprende, cai
em insegurança, depressão e desespero, por se achar injustamente
incapaz!

Não estude na última da hora; quando se trate de fazer alguma


avaliação. Aprenda a ser estudante de facto (aquele que estuda
sistematicamente), não estudar apenas para responder a questões
de alguma avaliação, mas sim estude para a vida, sobre tudo,
estude pensando na sua utilidade como futuro profissional, na área
em que está a se formar.

Organize na sua agenda um horário onde define a que horas e que


matérias deve estudar durante a semana; Face ao tempo livre que
resta, deve decidir como o utilizar produtivamente, decidindo
quanto tempo será dedicado ao estudo e a outras actividades.

É importante identificar as ideias principais de um texto, pois será


uma necessidade para o estudo das diversas matérias que
compõem o curso: A colocação de notas nas margens pode ajudar
a estruturar a matéria de modo que seja mais fácil identificar as
partes que está a estudar e Pode escrever conclusões, exemplos,
vantagens, definições, datas, nomes, pode também utilizar a
margem para colocar comentários seus relacionados com o que
está a ler; a melhor altura para sublinhar é imediatamente a seguir
à compreensão do texto e não depois de uma primeira leitura;
Utilizar o dicionário sempre que surja um conceito cujo significado
não conhece ou não lhe é familiar;

6
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação7

Precisa de apoio?
Caro estudante, temos a certeza que por uma ou por outra razão, o
material de estudos impresso, lhe pode suscitar algumas dúvidas
como falta de clareza, alguns erros de concordância, prováveis
erros ortográficos, falta de clareza, fraca visibilidade, página
trocada ou invertidas, etc.). Nestes casos, contacte os serviços de
atendimento e apoio ao estudante do seu Centro de Recursos (CR),
via telefone, SMS, Correio electrónico, se tiver tempo, escreva
mesmo uma carta participando a preocupação.

Uma das atribuições dos Gestores dos CR e seus assistentes


(Pedagógico e Administrativo), é a de monitorar e garantir a sua
aprendizagem com qualidade e sucesso. Dai a relevância da
comunicação no Ensino a Distância (EAD), onde o recurso as TIC se
torna incontornável: entre estudantes, estudante – Tutor,
estudante – CR, etc.

As sessões presenciais são um momento em que você caro


estudante, tem a oportunidade de interagir fisicamente com staff
do seu CR, com tutores ou com parte da equipa central do ISCED
indigitada para acompanhar as sua sessões presenciais. Neste
período pode apresentar dúvidas, tratar assuntos de natureza
pedagógica e/ou administrativa.

O estudo em grupo, que está estimado para ocupar cerca de 30%


do tempo de estudos a distância, é muita importância, na medida
em que permite-lhe situar, em termos do grau de aprendizagem
com relação aos outros colegas. Desta maneira ficará a saber se
precisa de apoio ou precisa de apoiar aos colegas. Desenvolver
hábito de debater assuntos relacionados com os conteúdos
programáticos, constantes nos diferentes temas e unidade
temática, no módulo.

7
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação8

Tarefas (avaliação e auto-


avaliação)
O estudante deve realizar todas as tarefas (exercícios, actividades e
autoavaliação), contudo nem todas deverão ser entregues, mas é
importante que sejam realizadas. As tarefas devem ser entregues
duas semanas antes das sessões presenciais seguintes.

Para cada tarefa serão estabelecidos prazos de entrega, e o não


cumprimento dos prazos de entrega, implica a não classificação do
estudante. Tenha sempre presente que a nota dos trabalhos de
campo conta e é decisiva para ser admitido ao exame final da
disciplina/módulo.

Os trabalhos devem ser entregues ao Centro de Recursos (CR) e os


mesmos devem ser dirigidos ao tutor/docente.

Podem ser utilizadas diferentes fontes e materiais de pesquisa,


contudo os mesmos devem ser devidamente referenciados,
respeitando os direitos do autor.

O plágio1 é uma violação do direito intelectual do (s) autor (es).


Uma transcrição à letra de mais de 8 (oito) palavras do testo de um
autor, sem o citar é considerado plágio. A honestidade, humildade
científica e o respeito pelos direitos autorais devem caracterizar a
realização dos trabalhos e seu autor (estudante do ISCED).

Avaliação
Muitos perguntam: Com é possível avaliar estudantes à distância,
estando eles fisicamente separados e muito distantes do
docente/tutor!? Nós dissemos: Sim é muito possível, talvez seja
uma avaliação mais fiável e consistente.

1 Plágio - copiar ou assinar parcial ou totalmente uma obra literária, propriedade


intelectual de outras pessoas, sem prévia autorização.

8
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação9

Você será avaliado durante os estudos à distância que contam com


um mínimo de 90% do total de tempo que precisa de estudar os
conteúdos do seu módulo. Quando o tempo de contacto presencial
conta com um máximo de 10%) do total de tempo do módulo. A
avaliação do estudante consta detalhada do regulamentado de
avaliação.

Os trabalhos de campo por si realizados, durante estudos e


aprendizagem no campo, pesam 25% e servem para a nota de
frequência para ir aos exames.

Os exames são realizados no final da cadeira disciplina ou modulo e


decorrem durante as sessões presenciais. Os exames pesam no
mínimo 75%, o que adicionado aos 25% da média de frequência,
determinam a nota final com a qual o estudante conclui a cadeira.

A nota de 10 (dez) valores é a nota mínima de conclusão da


cadeira.

Nesta cadeira o estudante deverá realizar pelo menos 2 (dois)


trabalhos e 1 (um) (exame).

Algumas actividades práticas, relatórios e reflexões serão utilizados


como ferramentas de avaliação formativa.

Durante a realização das avaliações, os estudantes devem ter em


consideração a apresentação, a coerência textual, o grau de
cientificidade, a forma de conclusão dos assuntos, as
recomendações, a identificação das referências bibliográficas
utilizadas, o respeito pelos direitos do autor, entre outros.

Os objectivos e critérios de avaliação constam do Regulamento de Avaliação.

9
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação11

TEMA – I: A Era da Informação Digital


UNIDADE Temática 1.1. Conceitos de Dados
UNIDADE Temática 1.2. Conceito de Informação
UNIDADE Temática 1.3. Conceito de Sistemas de Informação

UNIDADE Temática 1.1. Conceito de Dados

Introdução
Dados não são coisas que não merecem atenção de qualquer
académico, mas sim merece sim máxima atenção no seu
entendimento e percepção. Nesta unidade temática que o estudante
seja capaz de saber aspectos acerca de dados que são a origem de
informação.

Ao completar esta unidade, o estudante será capaz de:

 Saber oque são dados,

 Saber os tipos de dados;


Objectivos 

1.1.1. Conceito de Dados


“Não existe informação sem que antes sejam adquiridos dados”.
Depois desta afirmação podemos já questionar oque são dados?
Diversos foram os autores que definiram por si só o seu pensamento
em relação a este termo que é curioso quando começamos a estudar
tecnologias de informação e comunicação.
Platão (428 – 348 a.C.) definiu o conceito de dado como sendo factos
no seu estado primário, antes de sofrer qualquer alteração.
Já o Davenport (1998) diz que dados são observações sobre o estado
do mundo.

11
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação12

Laudon (2004), continua com mais uma definição, dizendo que dados
são factos brutos que representam eventos que estão ocorrendo nas
organizações ou no ambiente físico, antes de terem sido organizados
e arranjados de forma que as pessoas possam entendê-los e usá-los.

1.1.2. Tipos de Dados


Dentre os diferentes tipos de classificações de dados apresentadas
por diferentes autores, vamo-nos focalizar nos seguintes:
 Dados Quantitativos: são os que expressam quantidade, e
geralmente servem de princípio de cálculos aritméticos, como
por exemplo nota de testes dos estudantes, número de horas
de trabalhadores, etc.
 Dados Classificativos: são os que descrevem ou especificam
os elementos envolvidos e quantificados. Estes tipos de dados
servem de complemento aos dados quantitativos, e servem
para identificar pessoas, objectos, situações, como por
exemplo o nome de um aluno ou trabalhador duma empresa,
nome da empresa, etc.
 Dados Referenciais: são dados que permitem controlar e ou
referenciar os elementos tratados, como por exemplo o ano
lectivo do aluno, o número de identificação do trabalhador, a
turma do aluno, etc.

Sumário
Nesta Unidade temática estudamos e discutimos conteúdos
introdutórios de dados. Dados vão nos ajudar a perceber melhor o
conceito de informação que é a próxima unidade temática.

Exercícios
1. Se claramente percebeste, oque são dados, defina dados em

12
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação13

suas próprias palavras.


2. Diferencie os tipos de dados com exemplos concretos
diferentemente dos apresentados anteriormente.
3. Oque Laudon pretendia quando dizia que dados são factos
brutos que representam eventos…?
4. Que impactos têm os dados na construção de uma
informação?
5. Dê exemplos concretos de cada um dos tipos de dados.

UNIDADE Temática 1.2. Conceito de


Informação

Introdução
Dados são sem dúvidas a origem de qualquer informação, dai que nos
carece entendimento de como na verdade esses dados são
transformados em informação, assim sendo, nesta unidade temática
vamos discutir aspectos que claramente nos indicam como se faz de
um dado uma informação.

 Saber oque é informação

 Saber como a informação é originada,

 Saber as características da informação

Objectivos

1.2.1. Conceito de Informação


A palavra informação provem do latim informare que significa
“forma”.
Laudon (2004) define a informação como sendo dados apresentados

13
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação14

em uma forma significativa e útil para os seres humanos.


Stair (1998) dá o seu contributo na definição da informação, dizendo
que é o conjunto de factos organizados de tal forma a agregarem
valor adicional além do valor do facto em si.
Informação é todo conjunto de dados devidamente ordenados e
organizados de modo a terem significado. A informação também pode
ser o conhecimento produzido como resultado do processamento de
dados.

1.2.2. Características da Informação


A informação tem de possuir um conjunto de características que
garantam a sua qualidade. Assim, a informação deve ser:
 Precisa: não pode conter erros;
 Completa: contém todos os fatos importantes;
 Econômica: valor da informação e custo de produção;
 Flexível: pode ser usada para diversas finalidades;
 Confiável: dependente do método de colecta de dados;
 Relevante: é importante para tomador de decisões;
 Simples: sobrecarga de informações, prejudicial para a tomada
de decisões;
 Verificável: pode ser verificada para saber se está correta por
meio de outras fontes.

1.2.3. Conceito de Conhecimento


Tal como dados e informações mereceram atenção de certos autores,
o mesmo acontece com o conhecimento.

Davenport (1998) define o conhecimento como uma síntese de


múltiplas fontes de informação. Com tais conhecimentos, surge a
capacidade de resolver problemas, inovar e aprender baseando-se em
experiências prévias.

Este autor continua ainda mais ao afirmar que “adquirir conhecimento


não é reter informação, mas utilizar estas para desvendar o novo e
avançar”.

O conhecimento é um conjunto de informação armazenada por


intermédio da experiência ou da aprendizagem. No sentido mais lato
do termo, trata-se da posse de múltiplos dados interrelacionados que,
por si só, têm um menor valor qualitativo.

14
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação15

Sumário
Esta Unidade temática dedicamos a atenção aos fundamentais
conceitos de informação e os aspectos que caracterizam a informação.
É importante termos todos estes conceitos em mente pois através
deles criamos um alicerce de tudo quanto precisaremos ao longo
desta cadeira.

Exercícios
1. Qual é o tipo de relação predominante entre dados e
informação?
2. “Podemos sim ter informação sem que precisemos antes de
dados”. Argumente a frase dada.
3. Quando é que podemos afirmar que uma informação é
confiável?
4. Oque se deve fazer para que uma informação seja precisa?
5. Quando é que podemos ter certeza que temos conhecimento
de um determinado assunto?
6. Porque é que não se processa um conhecimento?

UNIDADE Temática 1.3. Conceito de Sistema de


Informação

Introdução
A informação existe desde o tempo dos nossos antepassados, mas
essa informação era gerada de maneiras consideradas difíceis. Com o
avanço tecnológico, surgem critérios de que facilitam as maneiras de
geração de informação. Nesta unidade temática queremos que o
estudante seja capaz de saber os aspectos relevantes acerca de
sistemas de informação.

 Saber oque é um sistema e seus tipos

15
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação16

 Saber oque é um sistema de informação

 Saber oque é uma tecnologia de informação

 Saber oque é um sistema de informação

 Saber oque é uma tecnologia de informação

Objectivos

1.3.1. Conceito de Sistema


Podemos reparar para o conceito de sistema de duas aproximadas
vertentes.
Sistema é um grupo de elementos interrelacionados ou em interação
que formam um todo unificado, como por exemplo:
 Sistema solar
 Sistema tecnológico que refina óleos
 Sistema biológico, o corpo humano

Numa abordagem mais ampliada da anterior definição, podemos


dizer que sistema é um grupo de componentes inter-relacionados
que coletam, manipulam e armazenam, disseminam os dados e
informações e fornecem um mecanismo de feedback2.

1.3.2. Classificação de Sistemas


Os sistemas podem ser classificados das seguintes e distintas
maneiras:
 Sistemas Simples: são aqueles que geralmente apresentam
poucos componentes ou elementos que o compõem e a
interação e ou relação desses componentes é descomplicada,
com o por exemplo a fábrica de bolos.

2
Retorno em espécie de relatório de como esta funcionar o sistema.
16
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação17

 Sistemas Complexos: são os que apresentam muitos


componentes (observa-se a presença de pessoas e maquinas)
e o relacionamento ou interação desses componentes são
mais complicados em relação ao sistema anterior, como por
exemplo a fábrica de automóveis.
 Sistemas Abertos: são os que na sua generalidade interagem
com o meio no qual estão inseridos. Como exemplo podemos
citar empresas e universidade, onde numa empresa entra a
matéria-prima e saem bens e serviços.
 Sistemas Fechados: são sistemas que na sua generalidade não
interagem com o ambiente no qual esta inserido e
apresentam um comportamento totalmente determinado e
programado, como por exemplo os carros e maquinas
motoras.
 Sistemas Estáveis: são os que sofrem pouca influência do
ambiente no qual estão inseridos. Se existem mudanças no
ambiente de inserção, pouca ou nenhuma mudança é notória
no sistema. Se por exemplo uma empresa produz brinquedos
de madeira pode ser bastante estável, desde que a fonte de
matéria-prima e as preferências tenham-se mantido.
 Sistemas Dinâmicos: Sofrem constantes modificações devido
às mudanças ocorridas no ambiente que estão inseridos. Por
exemplo a fábrica de computadores muda frequentemente as
linhagens de produção pois as necessidades dos utentes
mudam com frequência.
 Sistemas Permanentes: são os que por muito tempo. Como
exemplo podemos referenciar as grandes empresas e
universidades.
 Sistemas Temporários: são os que existem em pouco tempo.

17
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação18

1.3.3. Conceito de Sistemas de Informação


Temos uma ampla noção do conceito de sistemas e seus respectivos
tipos, assim como os conceitos em volta de informação. A questão
que coloca-se agora é: oque é sistema de informação?
Numa simples definição, podemos dizer que, Sistema de Informação
é um conjunto organizado de pessoas, hardware3, software4, redes
de comunicações e recursos de dados que coleta, transforma e
dissemina informações em uma organização.

Os componentes mais influentes de qualquer sistema de informação


são:

 Entrada: este componente em qualquer Sistema de


Informação (S.I) é o responsável pela entrada de dados no
sistema para posterior processamento. Como exemplo desse
elemento temos os teclados dos computadores, telefones,
máquinas calculadores; os ratos dos computadores, etc.

 Processamento: este componente é um dos mais


fundamentais, pois é este que converte os dados em
informação útil para os humanos. Como exemplo temos o
Unidade Central de Processamento, que vem incorporado em
computadores, celulares, máquinas calculadoras, etc.

 Saída: este componente, diferentemente ao de entrada, é


oque dissemina, disponibiliza a informação apos o seu
processamento. Como exemplo temos os ecrãs dos
computadores, celulares máquinas de calcular; colunas,
impressoras, etc.

Os componentes de sistemas de informação estendem-se ainda mais


em dois que geralmente tornam qualquer sistema de informação
auto-monitorado e auto-regulado, tais componentes são:

3 Hardware é a parte física, tangível de um sistema de informação


4
Software é a parte logica ou melhor os programas incorporados em sistemas de
informação
18
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação19

 Feedback: este componente é responsável por disponibilizar


informação relacionada ao funcionamento do S.I.
 Controle: este componente se responsabiliza pela
monitoração e avaliação do feedback para determinar se o
sistema se desempenha a fim de seus objectivos.

Figura 1.3.3. Exemplo de Sistema de Informação e seus Componentes

1.3.4. Conceito de Tecnologias de Informação


Os termos sistemas de informação e tecnologias de informação são
bastante confundidos, apesar de por vezes serem usados para o
mesmo propósito.
Numa definição mais simples, dizemos que tecnologias de
informação são recursos tecnológicos que transformam recursos de
dados em produtos de informação.
Actualmente existem muitas tecnologias de informação disponíveis
no mercado, como por exemplo, base de dados compartilhados,
redes de computadores, Notebook, comunicação via satélite, etc.
O principal benefício que as tecnologias de informação traz para as
organizações é a sua capacidade de melhorar a qualidade e a
disponibilidade de informações e conhecimentos importantes para a

19
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação20

empresa, seus clientes e fornecedores; aperfeiçoa ou adiciona


eficiência a uma dada tarefa.

A tecnologia é um facilitador, um componente, ela não cria


directamente a satisfação.

Diversas são as vantagens que as tecnologias trazem para o mercado:

 Vantagens competitivas
 Melhoramento na prestação de serviços
 Menor quantidade de erros
 Maior precisão
 Productos de melhor qualidade
 Maior productividade
 Administração com eficiência e eficácia
 Automatização de tarefas rotineiras
 Custos reduzidos
 Maior e melhor controlo sobre processos e operações em
organizações
 Melhores tomadas de decisões

Sumário
Nesta unidade temática aprendemos e discutimos os diferentes
conceitos em volta de sistemas, sistemas de informação assim como
tecnologias de informação. Esses três grupos de conceitos são o
alicerce para a continuação deste módulo de tecnologias de
informação e comunicação.

20
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação21

Exercícios de Auto-Avaliação
1. Será possível nos dias de hoje, implementarmos qualquer
organização ou empresa sem o uso de TICs?

2. Cria um relatório, olhando para a organização onde trabalhas,


descrevendo todas TICs existentes e como cada uma delas é
usada.

Exercícios
1. Diferencie os tipos de sistemas que conheces, apresentando
exemplos claros.
2. Que relação existe entre sistemas e informação?
3. “A informação depende de Sistemas de informação para que
não tenha erro”. Argumente a afirmação.
4. Dê exemplo concreto de um sistema de automação.
5. Como é que as TICs a dado passo reduzem custos no processo
de mão de obras e productividade?
6. Se trabalhas, dê no mínimo 5 exemplos de TICs em uso na sua
empresa.
7. Qual é o impacto de “feedback” em sistemas de informação?
8. De exemplos de cada um dos componentes de um sistema, entrada,
processamento e saída.
9. Existe alguma diferença entre sistemas de informação e tecnologias
de informação? Argumente a sua resposta
10. Dê exemplo de um sistema simples e complexo, de acordo com a sua
percepção dos conceitos de cada um dos sistemas.

21
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação22

TEMA – II: INTRODUÇÃO AO


COMPUTADOR
UNIDADE Temática 2.1. Introdução ao Computador
UNIDADE Temática 2.2. História do Computador
UNIDADE Temática 2.3. Componentes do Computador
UNIDADE Temática 2.4. Unidades de Medição do Computador
UNIDADE Temática 2.5. Sistemas Operativos do Computador

UNIDADE Temática 2.1.


Introdução ao Computador
Introdução
Esta unidade pretende espelhar aspectos introdutórios do
computador, uma das maiores invenções do homem.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber oque é um computador.

 Saber a importância do computador


Objectivos

2.1.1. Introdução

O computador é a ferramenta mais elaborada que o homem já


inventou. Uma das suas características fundamentais é servir para
desenvolver outras ferramentas, actuando como meta-ferramenta e
aumentado de forma exponencial o ritmo de desenvolvimento da
sociedade.
Partindo deste principio, podemos afirmar que o computador de
forma muito diferente do que uma pessoa, ele processa dados
produzindo assim informação. O computador consegue fazer isso de

22
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação23

maneira mais rápida, mais fiável e com maiores capacidades de


processamento e de memória. Na práctica oque um computador faz é
simular o comportamento de uma ou mais pessoas.
Um computador consegue facilmente processar muitas tarefas que
antes da sua existência era processado por um batalhão de gente.
O processamento de informação pressupõe a existência de um
algoritmo (conjunto de passos elementares para se atingir um dado
objectivo), que num computador é implementado por um programa e
no caso de uma pessoa se traduz por um manual de procedimentos.

2.1.2. Importância dos Computadores

Antes da genesi dos computadores, quase que tudo era manual, com
mão-de-obra elevada. As empresas nos seus departamentos andavam
cheios de funcionários que gastavam seu tempo organizando e
processando informação. O computador veio mudar todo esse
sofrimento. Dentre muitas descrevemos as mais essenciais
importâncias do computador:

 Automação: O computador executa tarefas repetitivas de


forma autónoma sem se cansar, mesmo trabalhando 24 horas
por dia.
 Capacidade de Memória de Processamento: permite
memorizar enciclopédias com a maior facilidade e efectuar
cálculos mais complexos.
 Rapidez: um computador consegue executar operações
simples milhares de milhões de vezes mais rápido que um ser
humano.
 Fiabilidade: a possibilidade de um computador cometer um
erro fortuito, é na ordem de biliões de vezes mais baixa do que
um ser humano (não contando com os erros de programação
que é da responsabilidade dos programadores...)

23
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação24

 Custo: um computador pode trabalhar continuamente sem


contestar as ordens, sem receber qualquer ordenado, sem
pedir aumentos e sem fazer greves. É o empregado ideal!...
Apesar de o computador apresentar inúmeras e admiráveis vantagens,
este em momento algum ultrapassa as capacidades humanas, dai que
os humanos gozam também de certas vantagens como:

 Inteligência: as capacidades de raciocínio de um computador


são ainda demasiado primitivas em comparação com o ser
humano. O computador não é inteligente!
 Criatividade: o expoente máximo da natureza do ser humano e
em termos prácticos totalmente fora do alcance das
capacidades de um computador actual;
 Trabalho Físico Especializado: apesar dos avanços tecnológicos
na área robótica, em termos de sensores artificiais, de
actuadores de eletromecânicos de precisão e de programas de
controlo e decisão, ainda nada consegue substituir os
trabalhadores humanos nas operações que envolvam
intervenção física não repetitiva.

Sumário
O computador é uma das maiores invenções que o homem já
criou. Este aparelho surge para de uma forma directa
dinamizar as actividades humanas. Oque era feito por um
número elevado de homens e em período de tempo
considerado longo, agora através do computador é feito por
uma pessoa e em tempo muito curto. Não faz sentido ser um
utilizador de computadores sem que o conheça perfeitamente.

Exercícios
1. Oque é um computador?

24
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação25

2. Quais são as características fundamentais de um


computador?
3. Porque se afirma que o computador não é inteligente se ele
faz oque muitos homens não conseguem fazer?
4. Quem realmente faz as coisas, é o computador ou o
homem?
5. Oque significa a sigla PC?
6. Como é que o computador economiza custos em uma
organização?

UNIDADE Temática 2.2. História do


Computador

Introdução
Esta unidade pretende dotar aos estudantes uma breve introdução a
história de invenção do computador.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber a origem do computador

 Saber a evolução do computador


Objectivos

6.2.1. História do Computador

Como a maioria das descobertas tecnológicas, os computadores foram


construídos inicialmente para fins militares. O interesse pela
construção do primeiro computador foi grande. Alemanha e E.U.A.
disputavam essa grande corrida contra o tempo.

Durante a 2ª Guerra Mundial tiveram início os projectos para a sua


construção, motivados principalmente pela necessidade de agilizar o
processo utilizado para codificar e decodificar as mensagens trocadas

25
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação26

durante a Guerra.

Logo depois, foi construído o primeiro computador eletromecânico,


que possuía gigantescas dimensões. Ele funcionava a base de válvulas
a vácuo e armazenava dados através de cartão perfurado.

Porém, foi somente a partir de meados dos anos setenta que os


computadores ganharam fama. Nesse período, avanços tecnológicos
e pesquisas científicas foram capazes de produzir circuitos elétricos
cada vez mais aperfeiçoados, possibilitando miniaturizar os
computadores tornando-o mais barato e acessível.

A partir desses avanços chegamos ao que é hoje conhecido como o


Microcomputador, ou PC (Personal Computer). Umas máquinas
pequenas, capazes de desenvolver os mais sofisticados trabalhos, e
que se aperfeiçoa cada vez mais.

Actualmente, a Informática está presente em quase tudo que nos


cerca. Está em um forno micro-ondas, por exemplo, quando
programamos o tempo de aquecimento de um alimento, ou ainda em
um caixa eletrônico quando efectuamos um levantamento no banco
24 horas.

2.2.2 Evolução do Computador

Época Evento

Manual

2000 A.C. Ábaco


1610/1617 Napier’s Bonés (réguas móveis para multiplicar)
1621 Oughtred (régua de cálculo circular)
Mecânica

1642/1647 Pascal (calculadora mecânica - adição e subtração)


1671/1673 Leibniz (calculadora mecânica - adição,
subtração, multiplicação e divisão)

1750 Início da Revolução Industrial


1801/1805 Jacquard (placa perfurada; programação
tecelagem)

26
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação27

1820 Arithmometer de Colmar / Calculadora tem


Sucesso
1823/1871 Babbage (máquina diferencial e máquina analítica)
1880/1890 Hollerith (cartão perfurado e máquina de
tabulação)
Eletrônica Válvula (1ª geração de computadores)

1937/1939 ABC (protótipo de computador eletrônico digital)

1937/1944 Mark I (computador eletromecânico - Harvard /


IBM)

1940/1941 Z3 (computador eletrônico digital - Alemanha)

1943/1946 ENIAC (primeiro grande computador eletrônico)

1945/1950 Von Neumann (arquitetura lógica e conceitos


binários)

1951 Univac I (primeiro computador produzido


comercialmente)

Transístor (2ª geração de computadores)

1961 IBM 19401

1962 IBM 7094 (totalmente transistorizado)

Circuito Integrado (3ª geração de computadores)

1965 IBM 360


1963/1968 Minicomputadores (PDP-8 da DEC e outros)
1969/1971 LSI (Large Scale of Integration / início da 4ª
geração)
1969/1975 Início da Revolução da Informaçã006F

27
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação28

1971 Intel 4004 (primeiro computador 4 bits)

1975 Mits Altair 8800 (primeiro microcomputador)


1975 VLSI (Very Large Scale of Integration)

1975/1976 Cray-1 (primeiro supercomputador)


1977 Apple II
1980/1981 Primeiros micros nacionais / Primeiro protótipo de
RISC / IBM 801
1981 IBM PC

1983/1984 Lisa e Macintosh da Apple e IBM AT


1986 Compaq 386
1986 Novos modelos de Macintosh e IBM PS/2
1988/1989 Cinoaq 486 / CD-ROM e CD-EPROM
1990 ULSI (Ultra Large Scale of Integration)
1990/1993 Diversos modelos RISC são lançados
1993 Pentium (586)
1995 Pentium Pro (686)
1997 Pentium II / K6
1998 Pentium III / Atlhon
2000 Pentium IV / Duron

28
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação29

Figura 2.2. Calculadora Abacos

Figura 2.2.1. Computador ENIAC

Sumário
O computador foi claramente uma das grandes invenções do homem.
Esta máquina electrónica trouxe grandes avanções em quase todos
ramos de actividades no mundo inteiro. Hoje vemos e sentimos a
presença do computador, na saúde, educação, entretenimento,

29
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação30

comercio, etc..

Exercícios
1. Como se chamou o primeiro computador electrónico?
2. Oque significa IBM?
3. Oque impulsionou a invenção do computador?
4. Em que pais foi criado o primeiro considerado computador na
história do mesmo?
5. Como funcionava o primeiro computador electrónico?

UNIDADE Temática 2.3.


Componentes do Computador

Introdução
Esta unidade pretende mostrar aos estudantes, de maneira clara e
simples os componentes funcionais e não funcionais de um
computador pessoal, assim como os externos e internos.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber oque é um teclado

 Saber oque é a unidade central de processamento


Objectivos
 Saber oque é um monitor

 Saber oque é um disco duro

 Saber oque é uma memória

 Saber oque é uma unidade CD/DVD

30
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação31

2.3.1 Componentes Externos do Computador

Um computador é uma máquina composta de um conjunto de partes


eletrônicas e eletromecânicas, com capacidade de coletar, armazenar
e manipular dados, além de fornecer informações, tudo isso de forma
automática.

As partes ou componentes externos do computador são:

Monitor: É o mais importante dispositivo de entrada e saída de dados


do PC. Ele dá a você a situação imediata do que está acontecendo no
computador.

A informação que necessita ser apresentada visualmente é enviada ao


monitor através da placa de vídeo que converte os sinais elétricos da
CPU para minúsculos pontos de cor chamados: Pixels, eles formam a
imagem na tela.

Figura 2.3.1. Exemplo de um monitor

Teclado: É um periférico de entrada de dados, ou seja, através dele as


informações são inseridas no PC. É conhecido também como console;
Nos teclados mais antigos existe uma chave que seleciona as opções:
AT ou XT. Existem vários padrões de teclado, entre eles o teclado
padrão IBM/PC, que possui 101 teclas que se dividem em quatro

31
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação32

grupos: alfanumérico, numérico, controle de tela e funções.

Figura 2.3.2. Exemplo de um teclado

Mouse (Rato): É um periférico de entrada de dados. Funciona como


um ponteiro na tela que chama-se: cursor. Antigamente o rato era
conectado a uma porta serial, mas hoje em dia já foi praticamente
substituído pelas portas USB ou PS/2. O rato de "bolinha" também
está sendo substituído pelo rato óptico, que além de ter uma precisão
maior ainda acumula uma quantidade menor de sujeira; Outra coisa
interessante nesses novos modelos é a roda no meio (wheel), que
permite a rolagem sobre as páginas.

Figura 2.3.3. Exemplo de um rato

Gabinete: É a estrutura onde são montados todos os componentes do


micro: Fonte, placa-mãe, drivers, disco rígido, CD-ROM, etc.
Geralmente o gabinete é confundido com a CPU- Central Processing
Unit (Unidade Central de Processamento); CPU é apenas o

32
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação33

Processador e no gabinete ficam guardados os componentes internos


do micro computador.

Figura 2.3.4. Exemplo de um gabinete

2.3.2 Componentes Internos do Computador

Placa mãe: Acopla todos os componentes de um computador, ou seja,


é onde todos os equipamentos se encaixam. É uma placa de circuitos
composta de caminhos de dados (barramentos) e lacunas para
encaixar os equipamentos (slots).

Processador: É o "cérebro" do computador. Ele também é chamado


de micro processador ou CPU e é responsável por processar as
informações do PC. OS grandes fabricantes de processador são: Intel e
AMD. A Frequência "velocidade" do processador chama-se: Clock.

Figura 2.3.5. Exemplo de um processador

33
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação34

Memória: a função da memória é armazenar dados. Existem diversos


tipos de memórias: memórias permanentes e virtuais, cada uma com
função definida:
 Principal (RAM e ROM)
 Auxiliar (Virtual e Cache)
 Secundária (HD, Floppy, CD/DVD-ROM, etc.)

Figura 2.3.6. Exemplo de uma memória RAM

 Memória RAM- (Memória de Acesso Aleatório) é a mais


importante. Só funciona com o computador ligado, por isso, é
chamada de volátil. A CPU é que mais utiliza esse tipo de
memória. O processador processa as informações, mas quem
executa é a memória RAM. Ela também é chamada de " pente
de memória" e pode ter diferentes capacidades: 64MB
(Megabyte), 128MB, 256MB, 512MB, 1GB (Gigabyte), 2GB,
etc.
 Memória ROM- (Memória somente para Leitura) Armazena
dados importantes do fabricante do equipamento e não
podem ser utilizadas pelo usuário. Nela estão todos os dados
básicos para o PC funcionar. Ao conjunto formado pelas
memórias RAM e ROM dá-se o nome de Memória Principal.
 Memória Cache- Encontra-se no processador e trabalha em
sincronia com a RAM, porém ela armazena dados mais rápido,
é um tipo de RAM estática: é uma SRAM. Sua função é
armazenar os dados mais recentes requisitados pela RAM
principal. Funciona assim: Quando a CPU requisita um dado à
RAM, ele é copiado para a Cache para que, se for solicitado
novamente, não seja necessário buscar na RAM outra vez. Sua
desvantagem é que ela é muito menor que a RAM.

34
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação35

Fonte de Alimentação: É o módulo que fornece energia elétrica ao


micro. As fontes de alimentação utilizadas hoje em dia são do tipo
chaveada (aumenta o rendimento e torna a fonte mais compacta).

Figura 2.3.7. Exemplo de uma fonte de alimentação

HD- Disco Rígido: É o local onde se instala o Sistema Operacional


(Windows, Linux), e onde armazenamos nossos arquivos (word, Excel,
pastas, fotos, vídeos, etc.). Nele se cria uma memória virtual quando
necessário. Pode também ser chamado de Winchester.

Figura 2.3.8. Exemplo de disco duro

Unidade de CD/ DVD: Faz a leitura e/ou gravação de mídias de cd e


dvd. A capacidade de armazenamento do CD foi originalmente
definida em 650MB, mas hoje é 700MB. Já o DVD tem uma capacidade
de 4,7GB (gigabyte), ou seja, quase 07 vezes a capacidade de um CD.
Os tipos mais comuns de CDs e DVDs são:

 CD/DVD-ROM: disco que já vem gravado com informações de


fábrica. É um cd/dvd somente para leitura.
 CD/DVD-R: é o cd/dvd virgem. Só pode ser gravado uma vez e

35
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação36

significa cd/dvd gravável.


 CD/DVD-RW: é um cd/dvd regravável. Pode ser gravado
sucessivas vezes.

Figura 2.3.9. Exemplo de unidade CD/DVD

Placa de Rede: É um dispositivo de entrada e saída de dados e permite


a comunicação através da estrutura de cabeamentos. É também
conhecida como: Adaptador de rede, NIC (Placa de Interface de Rede)
ou Placa Ethernet (por causa da arquitetura usada).

Figura 2.3.10. Exemplo de uma placa de rede

Placa de Som: É um dispositivo de entrada e saída de informações que


permite transformar as informações digitais dos programas e jogos em
som stereo através das caixas de som. Sem ela não seria possível ouvir
os sons de jogos e programas, nem tão pouco ouvir músicas, ouvir o
áudio de filmes, etc.

36
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação37

Figura 2.3.11. Exemplo de uma placa de som

Placa de Vídeo: É um dispositivo de saída de dados que permite que


os dados apareçam no monitor de vídeo do computador. Todos os
dados que saem da CPU em direção ao monitor passam pela Placa de
Vídeo, que converte os sinais elétricos digitais em sinais RGB (cores
primárias). Existem também as placas de vídeo 3D (conhecidas como:
Placas Aceleradoras), elas trazem um processador próprio que realiza
cálculos de ambientes tridimensionais. Todas as placas de vídeo
possuem memória, a chamada Memória de Vídeo, que nada mais é
que a memória DRAM utilizada apenas para armazenar os dados de
imagem (pixels e suas cores). Quanto mais memória de vídeo maior a
sua resolução e mais cores a imagem do computador pode apresentar.

Figura 2.3.12. Exemplo de uma placa de vídeo

Sumário
Nesta unidade temática falamos de componentes externos e internos
de um computador dos nossos dias. O conhecer desses componentes
cria uma estabilidade nos conhecimentos básicos de informática,
admitindo que o mais básico em tecnologias de informática pode ser

37
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação38

consumido por qualquer académico, deixando assim o mais profundo


de tecnologias de informação para os especialistas nesta área.

Exercícios
1. Que componentes fariam com que o computador não
funciona-se totalmente?
2. Que componentes podem ser removidos mas o computador
pode ainda funcionar, mas com algumas falhas?
3. Entre os elementos externos e internos, onde encontramos os
periféricos de saída e entrada?
4. Qual é o componente que guarda toda informação do
computador incluindo o sistema operativo e outros
programas?
5. Qual é a diferença entre os ratos com as terminais USB e PS/2?

UNIDADE Temática 2.4. Unidade


de Medição nos Computadores
Introdução
Depois de conhecermos os componentes externos e internos de um
computador, vamos nesta unidade temática conhecer como são
medidas as informações armazenadas em computadores pessoais.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber oque é uma unidade de medição do computador.

 Saber quais são as unidades de medição do computador


Objectivos

38
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação39

2.4.1. Unidades de Medição

As unidades de informação: bit e byte.


Em computadores é muito importante considerar a capacidade de
armazenamento, já que quando se faz algo no computador, trabalha-
se com arquivos que podem ser guardados para uso posterior, e
quando se armazena algo ocupa um certo espaço.

Os dados de um computador são medidos em bits e bytes. Cada valor


do código binário foi denominado "bit" (binary digit), que é a menor
unidade de medição no computador.

Cada conjunto de 8 bits forma o byte, o qual corresponde a um


caracter, seguindo o código binário.

Com esse raciocínio agora podemos entender a seguinte tabela:

Unidade de medida Número de Espaço


caracteres

1 byte 1 8 bits

1 Kilobyte (Kb) 1.024 1024 bytes

1 Megabyte (Mb) 1.048.576 1024 Kb

1 Gigabyte (Gb) 1.073.741.824 1024 Mb

1 Terabyte (Tb) 1,099511628 x e12 1024 Gb

Sumário
Nesta unidade temática abordamos os aspectos concernentes a
unidades de medições nos computadores. É importante destacar que
os computadores armazenam informação digital e isso ocupa
determinado espaço. Sabendo as unidades de medição, deixa o

39
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação40

utilizador com possibilidades de decisão em termos de seleção de


dispositivos de armazenamento.

Exercícios
1. Quantos Kilobytes existem em 512MB?
2. Quantos megabytes existem em 1GB?
3. Quantos Gigabytes existem em 1TB?
4. Quantos bits existem em 201MB?
5. Como poderás fazer gestão de espaço num dispositivo de
armazenamento de informação digital?

UNIDADE Temática 2.5. Sistemas


Operativos de Computadores
Introdução
O computador é uma máquina electrónica que se classifica de
complexa pelo número se elementos que o compõem, desde da parte
logica até a física. Nesta unidade temática, vamos falar da parte logica
que combina com a parte logica para que o computador funcione
devidamente; e essa parte logica chama-se sistema operativo.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber oque é um sistema operativo.

 Saber os diferentes tipos de sistemas operativos


Objectivos
 Saber a importância do sistema operativo

2.5.1. Conceito de Sistemas Operativos

Para sistemas operativos, temos várias definições:

40
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação41

Sistema Operativo é um conjunto de programas e dados concebidos


especificamente para gerir os recursos de Hardware e facilitar a
criação e execução de Software.

Sistema Operativo é o software fundamental que controla todos os


recursos de hardware (parte física do computador) e faz com que
outros softwares possam ser executado.

E ainda podemos defini-lo como sendo o interface entre hardware,


software e utilizador.

Figura 2.5.1. Exemplo de um sistema Operativo

2.5.1. Funções de Sistemas Operativos

Das inúmeras funções de um sistema operativo podemos destacar as


seguintes:

 Coordenar e comandar de forma adequada todo o hardware


solicitado a desempenhar uma determinada acção a partir dos
programas de aplicação;

 Oferecer as funções indispensáveis para a gestão do acesso aos


diferentes periféricos, tais como teclado, rato, monitor, etc.;

 Gerir de forma eficaz todos os recursos do computador,


nomeadamente da sua memória interna, especialmente em

41
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação42

aplicações que requerem grande capacidade de memória


como, por exemplo, a multimédia;

 Tornar possível o acesso de vários utilizadores em simultâneo


aos recursos do computador;

 Proteção de dados, controlo de acessos, etc.;

 Fornecer informação aos utilizadores que seja relevante para o


correcto funcionamento da máquina, nomeadamente
mensagens de erro, apoio sobre o comando solicitado, etc..

Entre vários tipos de sistemas operativos no mundo, eis os mais


usados:

1. Microsoft Windows, cuja versão mais recente é a Windows 8,


criado pela famosa empresa Microsoft Corporation.
Actualmente mais de 400 milhões de pessoas usam este
sistema operativo no mundo.

2. OS X, cuja versão mais recente é a OS X v10.9 "Mavericks",


criada pela empresa Apple, e actualmente é usada 22.5
milhões de pessoas no mundo.

3. Linux (nas diferentes distribuições), criado pela fundação Linus


Benedict Torvalds, cuja última versão exibe o Linux Kernel 3.12,
e é usado por 8.5 milhões de pessoas no mundo.

Sumário
Conhecer o computador como super utilizador, não significa apenas
teclar e imprimir qualquer documento, vai para além disso. Conhecer
o sistema operativo que corre num determinado computador é
fundamental para qualquer ser humano, pois os computadores fazem
parte do nosso dia-a-dia.

42
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação43

Exercícios de Auto-Avaliação
1. Utilizas computador no seu dia-a-dia?

2. Que sistema operativo já utilizaste e mais dominas?

3. Cria uma proposta de utilização de um sistema operativo,


detalhando no máximo as razões da sua utilização, sem se
esquecer de mencionar quais as possíveis desvantagens que
esse sistema operativo apresenta.

Exercícios
1. O computador é composto por duas partes importantes, quais
são elas?

2. Quem inventou o sistema operativo LINUX?

3. Quando foi inventado o sistema operativo Windows e quem


inventou?
4. Um computador novo com todos componentes físicos
montados correctamente, mas sem sistema operativo esta
funcional. Argumente a frase anterior.
5. Quais são as diferentes distribuições do sistema operativo
Linux?
6. Quais são as diferentes linhagens do sistema operativo
Microsoft Windows?
7. Qual é a diferença entre Windows Vista e Windows 7.
8. Qual é a diferença entre Linux Ubuntu e Linux RedHat?
9. Porque é que o sistema operativo Windows é o mais usado em
Moçambique em relação ao Linux?
10. Que cuidados deve ter um simples utilizador, no manuseio de
sistemas operativos?

43
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação44

TEMA - III: Sistemas de Informação


UNIDADE 3.1. Sistemas de Informação no Negócio
UNIDADE 3.2. Processos de Desenvolvimento de S.I
UNIDADE 3.3. Gestão de um Sistema de Informação

UNIDADE Temática 3.1. Sistemas


de Informação nos Negócios

Introdução
Os sistemas de informação fazem parte de qualquer ramo de
actividade hoje em dia, pois estes surgem para dinamizar as
actividades diárias nas empresas. Desta maneira nesta unidade
temática vamos falar essencialmente de sistemas de informação em
empresas de diferentes tipos de actividades.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Vantagens de sistemas de informação nas organizações

Objectivos

10.1.1 Sistema de Informação nos Negócios

A Gestão de Informação é essencial, um aspecto fundamental para as


organizações actuais, onde a informação é a base do processo de
tomada de decisões de forma eficaz. Actualmente os sistemas de
informação desempenham três papéis vitais nas empresas:

 Os processos empresariais;

44
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação45

 A tomada de decisão empresarial;

 A vantagem competitiva estratégica.

O uso de um sistema de informação permite que o administrador use


de melhor maneira suas informações, agrupando-os, comparando-os,
filtrando-os, usando-os de acordo com o cenário empresarial em que
está inserido e com suas necessidades de informação. Quando a
informação é difundida por um sistema de informação eficiente, ela
altera a organização tradicional da empresa, modificando sua
estrutura vertical hierárquica. Durante este processo complexo e
abrangente, um processo de mudança é iniciado e envolve:

 Mudança da estrutura organizacional e do perfil dos recursos


humanos;

 Alterações na estrutura de poder dentro da organização;

 Gestão participativa e horizontalizada, sendo dinâmica e


integrada;

 Diminuição crescente da chamada gerência intermediária


(achatamento da pirâmide organizacional).

Sintetizando, um sistema de informação pode ser utilizado para:

 Melhorar o atendimento dos serviços de atendimento ao


público interno e externo;

 Optimizar o funcionamento dos departamentos;

 Buscar a economia de recursos e a de investimento, através da


maior disponibilização das informações entre os
departamentos nas organizações;

 Compartilhar dados/informação desde a geração até o uso;

 Articular e coordenar acções e recursos, para evitar


duplicidade, paralelismo e superposição;

 Estruturar a informação, buscando: padronização semântica

45
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação46

dos dados, forma de geração, produção e veiculação;

 Usar de forma integrada os dados provenientes de várias


fontes.

Sumário
Sistemas de informação vão para além dos computadores, apesar de o
computador ser um dos maiores. A implementação de um sistema de
informação numa organização deve ser vista como catalisador
principal do sucesso dessa organização, dai que os administradores e
gestores das organizações devem conhecer com profundeza os
impactos de sistemas de informação em diferentes ramos de
actividades.

Exercícios
1. Oque entendes por processos empresariais que são
aprimorados pelos sistemas de informação?
2. De um exemplo concreto, onde um SI melhora o atendimento
numa empresa que vende productos ou serviços.
3. Oque se quer dizer com “os SI dinamizam o processo de
competitividade em negócios”?
4. Como é que um sistema de informação pode apoiar gestores
de empresas no processo de tomada de decisão?
5. Oque os gestores de empresas devem saber para fazerem o
melhor uso de sistemas de informação em suas organizações?

46
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação47

UNIDADE Temática 3.2. Processos


de Desenvolvimento de Sistemas
de Infrmação

Introdução
Se o gestor sabe quais são os impactos de implementação de um
sistema de informação em sua organização, nesta unidade temática
iremos discutir processos que devem ser em práctica para que esse
mesmo sistema de informação seja concebido e criado para posterior
uso na organização.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber o porque de desenvolver um sistema de informação

 Saber os processos de desenvolvimento de um sistema de


Objectivos
informação

 Saber oque é prototipagem

3.2.1 Motivações de Desenvolvimento de Sistemas de


Informação

Os Sistemas de Informação (SI’s) são criados com o objectivo de,


directa ou indirectamente, servirem a estratégia de negócio da
organização da qual fazem parte, transmitindo aos seus
colaboradores informação adequada, em tempo útil e de forma
eficiente. Para tal, é necessário que os SI’s estejam devidamente
enquadrados na organização, alinhados com os objectivos de
negócio e sejam adequados ao tipo de utilizadores que
potencialmente irão servir.

47
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação48

Não é possível compreender um SI sem compreender a


organização de que ele é parte integrante, pois as organizações e
os seus SI’s são indissociáveis. Como consequência, um SI terá
necessariamente reflexos a nível organizacional e o fracasso de um
projecto deste tipo pode conduzir a custos elevados e até ao
próprio fracasso de desempenho da organização portadora do
mesmo.

É frequente o fracasso em projectos de desenvolvimento de SI´s.


Geralmente estes projectos fracassam pelo facto de não estarem
devidamente contextualizados na cultura e práticas sociais da
organização, assim como no propósito da sua existência.

Na maior parte das vezes, a causa destes resultados inesperados e


desagradáveis deve-se à falta de planeamento ou ao uso de
processos, técnicas e metodologias inadequadas à situação. O
mesmo é dizer, falhas cometidas ao longo do Processo de
Desenvolvimento do Sistema de Informação, tratando-se do tipo
de erros mais fáceis de cometer e, consequentemente, mais
difíceis de recuperar, uma vez serem detectados numa fase onde o
custo de recuperação de erro tem o seu valor máximo.

A introdução de um SI numa organização é um processo que


requer muito cuidado e cujo sucesso de implementação é, em
muitos casos, resultado do sucesso obtido nas várias etapas que
compõem o Processo de Desenvolvimento do Sistema de
Informação.

48
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação49

3.2.2 Estrutura de Desenvolvimento e Equipa do Projecto de um


SI

O desenvolvimento de SI´s corresponde a projectos de grande


dimensão, envolve a participação de vários grupos de stakeholders
(técnicos e não técnicos), agrega várias componentes e tecnologias na
sua estrutura (dados, processo e interfaces) e faz uso de várias
técnicas e metodologias para apoiar o desenvolvimento das etapas
que compõem o processo.

Hoje em dia grande parte dos SI’s suportam uma estrutura em torno
de três componentes diferentes:

1. Dados - componente que corresponde à camada mais


profunda de um SI e é nela que se armazena todo o material
potencialmente informativo (em bruto);

2. Processo - componente que corresponde à camada intermédia


onde é colocada toda a lógica aplicacional de modo a permitir
uma correcta passagem de dados/informação com a máxima
garantia de segurança;

3. Interface - componente que corresponde à camada onde são


estabelecidos os principais pontos de contacto entre o sistema
e o exterior, quer para inputs de dados, quer para outputs de
informação.

49
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação50

Figura 3.2.1: Estrutura de construção de um SI

O desenvolvimento de SI’s é efectuado ao longo de várias etapas,


contando com a participação de vários stakeholders. Os stakeholders
técnicos que colaboram directamente no desenvolvimento da
solução, tais como:

1. Analista de sistemas - tem como função principal coordenar os


esforços dos restantes elementos participantes, desempenhando
o papel de facilitador ao longo do processo. Geralmente está
presente em todas as fases de desenvolvimento com importância
especial nas fases inicias.

2. Projectistas - geralmente especialistas tecnológicos que traduzem


os requisitos descritos na especificação para soluções técnicas
utilizando, para tal, uma linguagem de modelização adequada.

3. Programadores - os especialistas tecnológicos, que trabalham no


último elo da cadeia de desenvolvimento, com a responsabilidade
de converter todo o trabalho resultante da etapa anterior para
uma linguagem interpretável e executável pelo computador,
assim como instalar e acompanhar a fase de arranque do novo
sistema.

50
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação51

Os stakeholders não técnicos, embora não integrando directamente a


equipa de projecto, contribuem (de forma muito importante) para o
sucesso do resultado final, através das suas propostas e sugestões a
nível de requisitos funcionais e não- funcionais do sistema.

4. Utilizadores – são todas as pessoas que irão interagir com o


sistema, tendo um papel fundamental na identificação dos
requisitos (funcionais e alguns requisitos não-funcionais);
5. Proprietários do sistema - um dos principais beneficiários com a
integração do novo sistema, é também o principal responsável
pelo financiamento do projecto, podendo tratar- se do
proprietário da organização do qual o sistema irá fazer parte ou,
simplesmente, de sócios ou administradores da mesma. O seu
contributo para o desenvolvimento do sistema é muito
importante, uma vez que se trata do principal detentor do
conhecimento do negócio, missão da organização e consequente
alinhamento dos objectivos pretendidos com o sistema.

3.2.3 Processos de Desenvolvimento de um SI

O Processo de Desenvolvimento de um SI define as etapas e


actividades necessárias para percorrer o caminho de desenvolvimento
de um SI, desde a fase em que se tem conhecimento da existência do
problema, até à instalação da solução desejada.

De uma maneira geral existem quatro principais etapas: (1) Análise do


Problema; (2) Análise de Requisitos; (3) Modelização do Sistema; e, (4)
Implementação.

1. Análise do problema- nesta etapa o analista reúne com o


proprietário (ou outro responsável da organização) para
clarificar o problema e discutir propostas de resolução. As
técnicas utilizadas para a recolha de dados são, basicamente,

51
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação52

reuniões, técnicas de observação directa e análise da


documentação existente.
2. Análise de Requisitos - A análise de requisitos é a fase que tem
como objectivo validar o resultado da etapa anterior junto dos
potenciais utilizadores do sistema, através da especificação dos
requisitos.
3. Modelização do Sistema - A modelização do sistema representa a
etapa onde toda a informação textual descrita na especificação é
convertida para uma linguagem gráfica, de maneira a facilitar a
comunicação entre os diferentes membros da equipa de projecto,
nomeadamente os programadores que irão trabalhar sobre os
modelos. Ainda que o analista esteja envolvido nesta etapa, a sua
participação é menos activa, uma vez que esta tarefa é da
responsabilidade directa do projectista. É nesta fase que se faz a
‘ponte’ entre a solução descrita na especificação e a implementação
dessa solução, fazendo uso de uma determinada linguagem gráfica
(metodologia).
4. Implementação - A fase da implementação é da responsabilidade dos
construtores ou programadores, tendo estes que interpretar a
informação contida nos modelos e convertê-la para uma linguagem
executável pelo computador. É nesta fase que se faz a escolha da
tecnologia mais apropriada, podendo-se recorrer à ajuda dos
vendedores ou consultores tecnológicos. Qualquer SI,
independentemente do tipo, necessita de futuras intervenções a nível
de manutenção de conteúdos; por esta razão, no momento da
implementação esse facto deve ser compreendido em toda a sua
extensão e para que o problema possa ser devidamente enfrentado.

Sumário
Os sistemas de informação são vitais para qualquer organização, dai
que os gestores das mesmas devem ter conhecimentos acerca desta

52
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação53

matéria. É por isso que nesta unidade temática discutimos a


importância de um gestor saber como deve ser implementado um
sistema de informação em sua organização, quem são os diferentes
intervenientes no processo de desenvolvimento e quais são as suas
responsabilidades.

Exercícios
1. Quem deve ser o líder da equipe de desenvolvimento de um SI
2. Quantas pessoas no máximo devem compor a equipe do
projecto de desenvolvimento de um SI?
3. Quem financia directamente um projecto de desenvolvimento
de um SI?
4. Qual será o impacto de um mau levantamento do problema
que fara com que se crie um sistema de informação?
5. Como é que o utilizador pode contribuir para a boa
funcionalidade do sistema ora criado?

UNIDADE Temática 3.3. Gestão de


um Sistemas de Informação

Introdução
A implementação de um sistema de informação não é tarefa fácil, mas
acreditamos que com tempo e repetição dessas prácticas tornamo-nos
peritos na área. Desta maneira, vamos alargar o raio de acção até as
prácticas de gestão de sistemas de informação.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

53
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação54

 Saber quem gere um sistema de informação

 Saber quais as actividades envolvidas na gestão de um sistema de


Objectivos informação

5.3.1 Como Fazer a Gestão de um Sistemas de Informação

Tal como a implementação de um SI, a sua gestão também não é


tarefa fácil. Mas concluímos que se correctamente implementares um
sistema de informação, a possibilidade de correctamente fazer a sua
gestão é maior.

A pessoa que se responsabiliza na gestão de um SI chama-se Gestor de


Sistema de Informação ou Administrador de Sistema de informação.

De uma forma geral, a função do gestor é conhecer a visão global do


Sistema de Informação e cuidar para que os sistemas instalados
sempre estejam alinhados com os objectivos da empresa.

É o gestor de SI quem faz a conexão entre a administração da empresa


e o pessoal do suporte e desenvolvimento de sistemas.

Gerir ou administrar um sistema de informação implica, entre outras


coisas:

 Participar do processo de planificação estratégica da


organização, mostrando como a informação e a tecnologia de
informação podem contribuir para a redução de custos, o
aumento da produtividade, a melhoria da qualidade, o
desenvolvimento de novos produtos e serviços, a exploração
de novos nichos de mercado, e, assim, para a maior
competitividade da organização;
 Participar do processo de definição dos dados corporativos da
organização e assumir responsabilidade pela sua
administração, segurança, integridade e confiabilidade;

54
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação55

 Desenvolver, propor e negociar a implantação de normas e


padrões que possam evitar o caos causado pela aquisição
descentralizada e distribuída de recursos de informática, e pelo
desenvolvimento de aplicativos pelos usuários, quando não
existem normas e padrões;
 Administrar a rede de telecomunicações da organização que,
daqui para frente, vai fornecer infraestrutura não só para a
transmissão de dados, mas, também, para outras tarefas de
comunicação interna e externa: correio eletrônico, fax, PABX
digital, e, dentro em breve, em redes de faixa larga,
transmissões de voz/som e vídeo, em circuitos internos, e de
sinais externos de rádio e televisão;
 Lidar com executivos, gerentes, pessoal técnico e profissional
altamente especializado e, frequentemente, com grande
conhecimento de princípios e técnicas gerenciais e com mais
do que razoável domínio da tecnologia;
 Dar suporte a usuários (“clientes internos”), frequentemente
localizados nas chamadas “ilhas de tecnologia”, que estão
usando, ou pretendem usar, sistemas altamente
especializados, como, por exemplo, na área de apoio à decisão,
gerenciamento de projetos, computação gráfica, editoração
eletrônica, multimídia, etc.;
 Administrar conflitos causados pelo facto de que outros
gerentes, ou mesmo executivos, frequentemente se sentem
ameaçados pela expansão aparentemente inelutável da área
de informática e temem que o responsável pelo gerenciamento
de sistemas de informação esteja invadindo, ou venha invadir,
áreas sob sua jurisdição.

Sumário
A organização como um sistema precisa de um gestor sénior que serve
de volante da mesma, é imprescindível que que o sistema que apoia o

55
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação56

gestor em todo esse um processo de gestão da organização não tenha


quem vele por ele.
A gestão de um SI é fundamental, pois se essa práctica não é notória, o
SI por mais que seja implementado pode não ir ao encontro dos
objectivos da organização.

Exercícios de Auto-Avaliação
1. Trabalhas? Se sim repara para organização onde trabalhas e
detecta um problema que só pode ser ultrapassado com a
implementação de um sistema de informação. A partir dai, crie
uma espécie de projecto onde apresentaras o problema
existente, justificativa que é um problema, sugestão de
implementação de um sistema de informação que solucionará
o problema em causa.

2. Se não trabalhas, repare para o seu ambiente caseiro e detecta


um problema que só pode ser ultrapassado com a
implementação de um sistema de informação. A partir dai, crie
uma espécie de projecto onde apresentaras o problema
existente, justificativa que é um problema, sugestão de
implementação de um sistema de informação que solucionará
o problema em causa.

Exercícios
1. Oque significa gerir um SI?
2. Que habilidades deve ter a pessoa que gere um SI?
3. Porque é necessário gerir um SI?
4. Quais são as actividades que estão por detrás de uma gestão
eficaz de um SI?
5. Oque achas que pode ser a durabilidade de um SI, se este não
for devidamente gerido?

56
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação57

6. Oque entendes por ciclo vital de um S:I numa dada


organização?
7. Um programador é especialista em criar S.Is, mas este não
conhece os modos operacionais das diferentes
organizações. Poderá este criar um S.I sem que tenha antes
um prévio encontro com os gestores das organizações que
necessitam de S.I?
8. Redes de computadores fazem parte de S.I?
9. Oque podemos entender quando se fala de S.I? Podemos
simplesmente falar de hardwares de computadores,
simplesmente de softwares, ou ambos?

57
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação58

TEMA - VI: Tipos de Sistemas de


Informação
UNIDADE 4.1. Tipos de Sistemas de Informação

UNIDADE Temática 4.1. Tipos de


Sistemas de informação

Introdução
Vários tipos de SI’s podem ser utilizados nas organizações.

Os sistemas foram classificados de acordo com seus objetivos e tipos


de informações que manipulam, mas nada impede que um mesmo SI,
encontrado em alguma organização, esteja classificado em mais de um
tipo.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber os diferentes tipos de sistemas de informação

 Saber a utilidade e ou vantagem de cada tipo de sistema de


Objectivos
informação

4.1.1 Sistemas de Informação Rotineiros ou Transacionais

Os SI’s Rotineiros são os mais simples e os mais comuns nas


organizações. Eles apoiam as funções operacionais da organização,
aquelas realizadas no dia-a-dia. Por isto, são facilmente identificados
no nível operacional da organização.
Geralmente, são os primeiros a serem implantados, apesar de esta
não ser necessariamente uma regra.

58
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação59

A razão é que são os mais fáceis e baratos de serem implementados


(ou adquiridos), além de darem origem aos sistemas mais avançados
(gerenciais e de apoio à decisão).
Os Rotineiros têm por objetivo processar dados, isto é, fazer cálculos,
armazenar e recuperar dados (consultas simples), ordenar e
apresentar de forma simples dados para os usuários
Seu benefício principal é a agilização nas rotinas e tarefas, incluindo
documentação rápida e eficiente, busca acelerada de informações e
cálculos rápidos e precisos.
Entre os Rotineiros, incluem-se:
 Sistemas de cadastro em geral (inclusão, exclusão, alteração e
consulta), como de clientes, produtos e fornecedores;
 Os sistemas de contabilidade (contas a pagar e a receber,
balanços, fluxo de caixa, etc);
 Sistemas de vendas e distribuição (pedidos, entregas),
 Folha de pagamento, controle de estoque
Dois casos especiais de SI’s Rotineiros são:
1. Os sistemas de gestão empresarial (ERP): responsáveis por
administrar, automatizar ou apoiar todos os processos de uma
organização de forma integrada.
2. Os sistemas de automação comercial: que incluem apoio às
vendas, estoque e contabilidade, com uso de terminais ponto-
de-venda (PDV) e centrais automatizadas, como se vê em
supermercados e lojas em geral.

59
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação60

Figura 4.1.1. Relógio de Ponto biométrico, exemplo de sistema de


informação rotineiro

4.1.2 Sistemas de Gestão Empresarial Integrada (SGEI) ou ERP


(Enterprise Resource Planning)

São sistemas que unem e integram os diversos sistemas rotineiros ou


transacionais de uma organização. Permitem integrar os
departamentos, de forma a agilizar processos e ainda gerar o Just-in-
Time (produção por demanda, sem estoques).

Por exemplo, quando uma venda é feita, a entrada é dada no sistema


rotineiro de Vendas, mas o sistema de produção e o sistema de
compras já ficam sabendo o que terão que fazer.

60
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação61

Figura 4.1.2. Ilustração de um Sistemas de Gestão Empresarial


Integrada

4.1.3 Sistemas de Gestão de Suprimentos

O principal objectivo deste sistema é de controlar produtos, peças,


matérias-primas, materiais, composição, aquisição e fluxo de materiais
por toda a cadeia productiva, incluindo deste modo, os seguintes
sistemas:

 Component and Supplier Management: classificação de itens +


itens internos da empresa + bibliotecas de componentes +
métodos de uso + fornecedores.

 Cadeia de Suprimentos: recuperação de peças aprovadas,


padrões e substitutos aceitáveis, relatórios de uso dos
produtos (componentes) nos produtos

4.1.4 Sistemas de Informação Gerencial ou SIG´s / MIS

61
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação62

(Management Information System)

Como o próprio nome diz, os SIG’s surgiram com o intuito de auxiliar


gerentes em suas funções. Com o passar do tempo, este tipo de
sistema acabou sendo usado por qualquer funcionário que toma
decisões.

O objetivo de um SIG é fornecer informações para a tomada de


decisões, ou seja, são sistemas que fornecem relatórios. O usuário
deve solicitar de alguma forma (escolha por menus, uso de comandos,
etc.) a informação que necessita, e o SIG procura em seus registros tal
informação e a apresenta da melhor maneira possível ao usuário. As
informações podem ser textuais (relatórios descritivos), por planilhas
ou de modo gráfico. Este último caso é o preferido pelos
administradores, pois oferece mais informações em menor espaço
(“uma figura vale por mil palavras”).

Os SIG’s aparecem nos 3 níveis da pirâmide administrativa


(estratégico, tático e operacional), sempre que houver alguma decisão
sendo tomada. Um caso especial de SIG são os EIS (Executive
Information Systems), que possibilitam diferentes visões dos dados de
uma organização.

4.1.5 Sistema de Apoio a Decisão (SAD) ou DSS (Decision


Support System)

Um SAD recebe como entrada alternativas para solução de um


problema e devolve as consequências para cada alternativa. Assim o
administrador pode avaliar qual é a melhor alternativa.

O SAD não decide qual é a melhor decisão, nem indica que alternativas
existem. A diferença para o SIG é que um SAD é interativo (usuário
pode entrar com várias alternativas) e ainda avalia as alternativas
através de técnicas de what-if (= e se eu fizer isto, o que acontecerá

62
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação63

…), tais como projeção e regressão.

5.1.6. Sistemas de Simulação

O principal objectivo deste tipo de sistemas é de apoiar decisões como


no SAD, mas tendo o fator tempo associado.

Um SAD pode ser atemporal, mas os sistemas de simulação avaliam as


consequências das decisões durante um certo período de tempo.

5.1.7 Sistema de Informação Geográfica (SIG)

O objectivo principal deste tipo de sistemas é de integrar mapas e


base de dados mas permitindo o geo processamento de imagens
(cálculo de distâncias, localizar entidades no mapa, identificar que
entidade corresponde a certos objetos no mapa).

Os sistemas geográficos possuem como particularidade o


armazenamento de entidades geográficas, contendo informações
descritivas (como em base de dados) integradas com informações
gráficas, sejam pictóricas ou espaciais.

Além disto, existe a possibilidade de análise e manipulação espacial


destes dados georreferenciados.

Figura 5.1.7. GPS, exemplo de Sistema de informação geográfica

63
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação64

5.1.8 Sistema de Gestão Electrónica de Documentos (SGED)

O principal objectivo deste tipo de sistemas é de armazenar e


recuperar documentos, utilizando base de dados. A recuperação é
feita por atributos do documento.

Exemplo: encontre o contrato feito com a empresa XYZ no ano de


2002.

Figura 5.1.8. Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos da CDMAX

Sumário
A implementação e gestão de sistemas de informação não aparecem
por acaso. Se pretendemos implementar um sistema de informação
devemos no entanto saber que tipo de sistema de informação
pretendemos desenvolver. Dessa maneira falamos nesta unidade
temática dos principais tipos de sistemas de informação.

Exercícios de Auto-Avaliação
1. Olhe para a realidade nacional e sobretudo na sua organização.
Procure saber qual é o grau de percepção por parte dos
gestores da sua organização, na matéria de sistemas de

64
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação65

informação. Se estes poucos percebem, cria uma espécie de


um plano de capacitação, onde o objectivo principal do plano é
convencer ao seu gestor que existem diferentes tipos de
sistemas de informação que podem de certa maneira mudar a
maneira de gestão dos processos da organização.

Exercícios
1. Porque achas que há necessidade de implementar um SGEI
numa organização?
2. Em que circunstâncias se usam sistemas de simulação?
3. De exemplo concreto de um SIG.
4. Conheces algum sistema que podemos classificar de rotineiro?
Se sim, detalhe-o.
5. Quando é que um gestor pode decidir a implementação de um
SGEI?
6. Existe alguma relação entre os sistemas rotineiros e SGEI?
Justifique a sua resposta.
7. Olhando para a sociedade moçambicana, qual é o grau de
necessidade de implementação de SGED nas organizações
públicas e privadas?
8. Como se relacionam os SAD e sistemas de simulação?
9. Oque entendes por geo processamento?
10. Dê exemplo de sistemas de informação geográfico que
conheces.

65
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação66

TEMA - V: Comércio Electrónico


UNIDADE 5.1. Conceito de Comercio Electronico
UNIDADE 5.2. Tipos de Comercio Electronico
UNIDADE 5.3. Vantagens e Desvantagens de Comercio Electronico

UNIDADE Temática 5.1. Conceito


de Comercio Electrónico

Introdução
Vários são os novos termos que surgiram em quase todos os
dicionários de todas as línguas depois do surgimento da internet. Um
dos novos termos que surgiu com o surgimento da internet é o
comércio electrónico. Termo este que vamos discutir nesta unidade
temática.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber o conceito de comércio electrónico


Objectivos

5.1.1 Conceito de Comercio Electrónico

Nos dias de hoje, é cada vez mais comum ouvir falar de


“comércio electrónico”, “dinheiro digital”, “transações
on-line”, “banca on-line”, etc. A cada uma destas
expressões associam-se outros tantos factores de
inovação tão característicos da sociedade actual, os
quais, têm vindo a transformar a forma como
orientamos as nossas vidas ou gerimos os nossos
negócios.

66
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação67

Chama-se "Comércio eletrônico" (ou e-Comércio) à utilização de meios


eletrônicos para a realização de transações comerciais. Na maior parte
do tempo, trata-se da venda de produtos através da rede Internet,
mas o termo "e-Comércio" engloba também os mecanismos de
compra por Internet.

5.1.1.1 Lojas Virtuais

A maior parte dos websites de e-Comércio são lojas virtuais que


compreendem, no mínimo, os seguintes elementos a nível do usuário:

 Um catálogo eletrônico virtual, apresentando o conjunto dos


produtos disponíveis para venda, o preço e, às vezes, sua
disponibilidade (produto em estoque ou prazo de entrega);
 Um motor de busca para encontrar facilmente um produto
com a ajuda de critérios de busca (marca, gama de preços e
palavra-chave);
 Um sistema carrinho de compras virtual (chamado por vezes,
"cesto de compras" virtual): trata-se do coração do sistema de
e-Comércio. O carrinho de compras virtual conserva o registro
das compras do cliente ao longo de todo o seu percurso e
altera as quantidades para cada referência;
 O pagamento protegido em linha (accounting) é
frequentemente assegurado por um terceiro, de confiança (um
banco) através de uma transação protegida;

Sumário
O avanço tecnológico trouxe consigo muitas mudanças e uma delas é
o comércio electrónico. O comércio electrónico surge para impulsionar
o processo de compra e venda através de TICs a que nos dependemos

67
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação68

actualmente. Apesar da dependência as TICs para fazer este tipo de


comércio, grandes vantagens temos como por exemplo a poupança de
tempo, a não mobilidade para as lojas físicas, etc.

Exercícios
1. Existem lojas virtuais no seu país? Se sim liste pelo menos 5.
2. Já alguma vez fizeste um pagamento online? Se sim como lhe
foi garantida a segurança?
3. Fazer transferências bancaria usando online banking pode ser
considerado como comércio electrónico? Justifique a sua
resposta.
4. Será justo afirmar que qualquer website pode ser uma loja
virtual?
5. Oque entendes por dinheiro digital?

UNIDADE Temática 5.2. Tipos de


Comércio Electrónico

Introdução
O comércio electrónico surge com grande impacto na vida dos
humanos, independentemente se tem desvantagens ou não. Mas
porque existem diferentes modalidades de negócios no modelo
tradicional de o fazer, surge a necessidade de se modelar no
panorama electrónico, desta maneira vamos nesta unidade temática
discutir os diferentes tipos de comércio electrónico e suas
características.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

68
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação69

 Saber os diferentes tipos de comércio electrónico

Objectivos

5.2.1. Tipos de Comercio Electrónico

Atendendo às definições avançadas, podemos ainda


identificar dois tipos de actividades distintas dentro do
comércio electrónico: uma directa, outra indirecta.

 O comércio electrónico directo consiste na


encomenda, pagamento e entrega on-line de produtos
ou serviços. Este tipo de comércio electrónico permite
a existência de transações electrónicas sem quaisquer
interrupções ou barreiras geográficas, permitindo
dessa forma explorar todo o potencial dos mercados
electrónicos mundiais.

 O comércio electrónico indirecto consiste na


encomenda electrónica de produtos que, pela sua
natureza tangível, continuam a ter de ser entregues
fisicamente, utilizando para esse efeito os tradicionais
canais de distribuição.

Os principais tipos de comércio electrónico são:

a) Business-to-Business (B2B) ou Comércio-para-


Comercio: O comércio Business-to-Business (B2B)
engloba todas as transações eletrónicas bens ou
serviços efetuadas entre empresas. Neste tipo de
comércio eletrónico atuam normalmente os
produtores e grossistas no comércio tradicional.

b) Business-to-Consumer (B2C) ou Comércio-para-


Consumidor: O tipo de comércio eletrónico Business-

69
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação70

to-Consumer distingue-se pelo estabelecimento de


relações comerciais eletrónicas entre as empresas e os
consumidores finais. Corresponde à secção de retalho
do comércio eletrónico, onde operam normalmente os
retalhistas no comércio tradicional. Este tipo de
comércio tem-se desenvolvido bastante devido ao
advento da web, existindo já várias lojas virtuais e
centros comerciais na Internet que comercializam todo
o tipo de bens de consumo, tais como computadores,
software, livros, CDs, automóveis, produtos
alimentares, produtos financeiros, publicações digitais,
etc.

c) Consumer-to-Consumer (C2C) ou Consumidor-para-


Consumidor: O comércio eletrónico do tipo Consumer-
to-Consumer (C2C), engloba todas as transações
eletrónicas bens ou serviços efetuadas entre
consumidores. Geralmente estas trocas são realizadas
através de uma terceira entidade, que disponibiliza a
plataforma informática onde se realizam as
transações.

d) Consumer-to-Business (C2B) ou Consumidor-para-


Comércio: No C2B existe uma inversão completa do
sentido tradicional da troca de bens. Este tipo de
comércio eletrónico é muito frequente em projetos
baseados em crowdsourcing5. Um número de
indivíduos coloca os seus serviços ou produtos à
disposição para serem comprados por empresas que
procuram esse tipo de bem.

5 Crowdsourcing é o processo de obtenção de serviços, idéias ou conteúdo


necessários solicitando contribuições de um grupo variado de pessoas e,
especialmente, a partir de uma comunidade on-line, ao invés de usar fornecedores
tradicionais como uma equipe de funcionários contratados.
70
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação71

e) Business-to-Administration (B2A) ou Comercio-para-


Administração Pública: Esta parte do comércio
electrónico engloba todas as transações realizadas on-
line entre as empresas e a Administração Pública. Esta
é uma área que envolve uma grande quantidade e
diversidade de serviços, designadamente nas áreas
fiscal, da segurança social, do emprego, dos registos e
notariado, etc. O tipo de serviços tem vindo a
aumentar consideravelmente nos últimos anos com os
investimentos feitos em e-government.

Sumário
Actualmente nas nossas sociedades sem saber vivemos esses todos
tipos de comércio electrónico sem por vezes saber que nos estamos a
deparar com eles. Como membros de qualquer sociedade, a partir
deste momento podemos saber de que maneiras podemos lidar com
qualquer deles, assim como podemos saber decidir qual deles existem
ou qual deles implementar em suas organizações.

Exercícios
1. Qual destes tipos de comercio electrónico se practica na
sociedade em que te inseres.
2. Dê exemplos claros dos tipos referidos na alínea anterior.
3. Oque entendes por e-government?
4. Existem políticas que velam por algum dos tipos de comércio
electrónico apresentado?
5. Como classifica o povo moçambicano a respeito do nível de
aderência do comércio electrónico a níveis nacional e
internacional?

71
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação72

UNIDADE Temática 5.3. Vantagens


e Desvantagens de Comércio
Electrónico

Introdução
Pela logica natural das coisas, onde há vantagens há desvantagens.
Desta maneira pretendemos saber quais os prós e cons deste
fenómeno que é o resultado do avanço tecnológico, que de imediato
parece não apresentar nenhuma desvantagem e só apresenta
vantagens.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber as vantagens e desvantagens de comércio electrónico

Objectivos

5.3.1 Vantagens de Comercio Electrónico

 A principal vantagem do comércio eletrónico é a sua


capacidade atingir um mercado à escala global, sem que isso
implique, necessariamente, um grande esforço financeiro. Os
limites deste tipo de comércio não são definidos
geograficamente, o que permite aos consumidores proceder a
uma escolha global, obter a informação necessária e comparar
as ofertas de todos os potenciais fornecedores,
independentemente das suas localizações.

 Ao permitir a interação direta com o consumidor final, o


comércio eletrónico permite diminuir o comprimento da
cadeia de distribuição dos produtos, ou mesmo, por vezes,

72
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação73

eliminá-la completamente. Cria-se desta forma um canal direto


entre o produtor ou prestador de serviços e o consumidor final,
permitindo oferecer produtos e serviços que se adequem às
preferências individuais do mercado-alvo.

 O comércio eletrónico permite aos fornecedores estarem mais


próximos dos seus clientes, traduzindo-se em ganhos de
produtividade e competitividade para as empresas; como
consequência, o consumidor sai beneficiado com a melhoria na
qualidade do serviço, resultante da maior proximidade e de um
suporte pré e pós-venda mais eficiente. Com as novas formas
de comércio eletrónico, os consumidores passam a dispor de
lojas virtuais abertas 24 horas por dia.

 A redução de custos é outra das vantagens muito importantes,


normalmente associada ao comércio eletrónico. Quanto mais
trivial for um determinado processo comercial, maior será a
probabilidade do seu êxito, resultando numa significativa
redução dos custos de transação e, logicamente, dos preços
praticados aos clientes.

5.3.2 Desvantagens de Comercio Electrónico

As principais desvantagens associadas ao comércio eletrónico são as


seguintes:

 Forte dependência das tecnologias da informação e da


comunicação (TIC);
 Insuficiência de legislação que regule adequadamente as novas
atividades do comércio eletrónico, quer ao nível nacional, quer
ao nível internacional;
 Cultura de mercado avessa às formas eletrónicas de comércio
(os clientes não poderem tocar ou experimentar os produtos);
 A perda de privacidade dos utilizadores, a perda de identidade

73
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação74

cultural e económica das regiões e países;


 Insegurança na realização das transações comerciais.

Sumário
A implementação de qualquer tecnologia de informação e
comunicação acarreta custos, pois quando se pensa na sua
implementação pretende-se atingir algum objectivo. Mas é sempre
melhor conhecer as suas vantagens e desvantagens, pois só assim a
decisão será sabia e sempre existirão planos alternativos caso as
desvantagens comecem a se fazer sentir. Deste modo saberão decidir
se vale a pena implementar o comércio electrónico em vossas
organizações ou não.

Exercícios de Auto-Avaliação
1. Como moçambicano que és, crie uma espécie de artigo, onde
fala do perigo de falta de legislação contra crimes cibernéticos,
e as possíveis soluções que devem ser tomas em consideração
para estancar esse mal.

Exercícios
1. Uma das grandes desvantagens é “Forte dependência das
tecnologias da informação e da comunicação”. Na sua
opinião oque se pode fazer para que isto não seja
desvantagem?
2. Como fazer com que os compradores e vendedores do
comercio electrónico se sintam seguros a quando das suas
transações financeiras?
3. Oque se fazer para que haja legislação contra problemas em
volta de comercio electrónico?

74
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação75

4. Podemos dizer que o pagamento de qualquer operação


comercial através de cartões bancários, é comércio
electrónico?
5. Porque é que, geralmente se aconselha a não disponibilizar
qualquer código secreto de tudo que envolve dinheiro?
6. Oque entendes por crimes cibernéticos?
7. Quem deve se preocupar mais com a segurança no comércio
electrónico, o comprador ou o vendedor.
8. “No comércio electrónico, quem sofre mais com a falta de
segurança é o comprador e não o vendedor”. Argumente a
frase dada.
9. “A falta de practica no manuseamento de TICs é um factor que
influencia a falta de segurança nos compradores de bens e
serviços no comércio electrónico”. Argumente a frase dada.

75
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação76

TEMA - VI: A Internet


UNIDADE 6.1. Introdução a Internet
UNIDADE 6.2. Cuidados a ter na Internet
UNIDADE 6.3. Motores de Busca
UNIDADE 6.4. Redes Sociais

UNIDADE Temática 6.1.


Introdução a Internet

Introdução
A internet é, como o computador, um grande avanço tecnológico.
Aliais é graças ao surgimento do computador que surge a internet.
Nesta unidade temática vamos resumidamente saber oque é a
internet e seus componentes.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Ter uma noção básica do que é internet.

Objectivos

6.1.1. Introdução a Internet

Internet ("Entre-rede") é uma rede de computadores, capaz de


interligar todos os computadores do mundo através de várias redes de
computadores interligadas. Cada rede de computadores6 individual é

6 As redes de computadores são formadas quando os computadores são ligados entre


si, normalmente através de um cabo, de modo a poderem comunicar e trocar
informação.
76
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação77

administrada, mantida e sustentada em separado por instituições


educacionais particulares e por outras organizações.
Por outro lado podemos também dizer que a internet consiste num
conjunto de servidores ligados entre si aos quais qualquer pessoa se
pode ligar por modo a aceder à informação existente em qualquer um
deles. Por vezes costuma-se dizer que é uma rede de redes.

Para aceder à internet precisa de ter um sistema com capacidade de


estabelecer uma ligação através de um fornecedor que já esteja ligado
à internet. Pode ainda ter um servidor dedicado com uma linha
dedicada e nesse caso já está na internet.
O programa usado para aceder à internet chama-se de browser ou
navegador. Existem muitos tipos de navegadores hoje no mercado,
dos mais usados são: Internet Explorer, Mozilla Firefox, Google
Chrome e Opera.
A Internet tem uma vasta comunidade de utilizadores com uma média
de adesões mensais superior a 2 milhões de utilizadores, e uma
população actual superior a 30 milhões.
A diversidade e a quantidade de utilizadores da Internet é tradução
directa das suas vantagens relativamente a sistemas similares. Essa
listagem de vantagens pode-se resumir a cinco principais aspectos:

 O facto de existirem aplicações uniformes em toda a rede,


independentemente do local, do País ou do computador que se
utilize;
 A total conectividade que se consegue estabelecer;
 O facto da tecnologia utilizada estar já muito testada, o que a
tornou de grande confiança e robustez;
 Os custos reduzidos - normalmente nulos para aceder à
informação (se excluirmos os custos das telecomunicações);
 Vastos recursos de informação sobre quase qualquer assunto

77
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação78

imaginável.
A internet é composta por mais de 20 milhões de servidores nos quais
estão alojadas as páginas e quase tudo o que é possível encontrar na
Internet. Cada servidor pode ter um ou mais domínios alojados e cada
domínio pode ser composto por um número variável de páginas e
informação. A informação contida nas páginas faz muitas vezes
referência a informação de outras páginas.

Sumário
A internet não é um milagre, mas sim um avanço tecnológico. Esta
ferramenta ajuda a todos a se comunicarem não localmente mas com
o mundo em geral. Actualmente se pode fazer uso da internet através
de computadores, celulares, iPads, etc.

Exercícios
1. Defina internet em suas próprias palavras.
2. Oque é preciso para aceder a internet?
3. Quem controla a internet?
4. Qual é a característica de cada um dos navegadores que
conheces?
5. Qual é a última versão do navegador Internet Explorer?

78
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação79

UNIDADE Temática 6.2. Cuidados a


ter na Internet

Introdução
O surgimento da internet mudou o mundo e trouxe os humanos mais
próximos uns dos outros. Mas como as pessoas nem todas pensam e
agem da mesma boa maneira, surgem acções malignas nesse
panorama, onde determinadas pessoas fazem uso da internet para
prejudicar os outros. Desta maneira, levamos os estudantes a discutir
alguns perigos e cuidados a ter na internet.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber que perigos existem na internet

 Saber que cuidados ter na internet


Objectivos

6.1.2. Cuidados Básicos na Internet

Na internet, é igualmente importante colocar em prática alguns


procedimentos de segurança, já que golpes, espionagem e roubo de
arquivos ou senhas são apenas alguns dos problemas que as pessoas
podem ter.

1. Saia usando as opções Logout, Sair ou equivalente

Ao acessar seu webmail, sua conta em um site de comércio


eletrônico, sua página no Yahoo, Gmail, sua pagina do banco ou
qualquer outro serviço que exige que você forneça um nome de
usuário e uma senha, clique em um botão ou link de nome Logout,
Logoff, Sair, Desconectar ou equivalente para sair do site. Pode
parecer óbvio, mas muita gente simplesmente sai do website

79
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação80

fechando a janela do navegador de internet ou entrando em outro


endereço. Isso é arriscado, pois o site não recebeu a instrução de
encerrar seu acesso naquele momento e alguém mal-intencionado
pode abrir o navegador e acessar as informações de sua conta,
caso esta realmente não tenha sido fechada devidamente.

2. Crie senhas difíceis de serem descobertas

Não utilize senhas fáceis de serem descobertas, como nome de


parentes, data de aniversário, placa do carro, etc. Dê preferência a
sequências que misturam letras, números e até mesmo símbolos
especiais. Além disso, não use como senha uma combinação que
tenha menos que 6 caracteres. O mais importante: não guarde
suas senhas em arquivos do Word ou de qualquer outro programa.
Se necessitar guardar uma senha em papel (em casos extremos),
destrua-o assim que decorar a sequência. Além disso, evite usar a
mesma senha para vários serviços.

3. Mude a sua senha periodicamente

Além de criar senhas difíceis de serem descobertas, é essencial


mudá-las periodicamente, a cada três meses, pelo menos. Isso
porque, se alguém conseguir descobrir a senha do seu correio
electrónico, por exemplo, poderá acessar as suas mensagens sem
que você saiba, apenas para espioná-lo. Ao alterar sua senha, o tal
espião não vai mais conseguir acessar as suas informações.

4. Use navegadores actuais

Usar navegadores de internet atuais garante não só que você


consiga acessar tecnologias novas para a internet, como HTML5,
mas também conte com recursos de segurança que combatem
perigos mais recentes, como websites falsos que se passam por
páginas de banco, por exemplo. Além disso, navegadores

80
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação81

atualizados geralmente contam com correções contra falhas de


segurança exploradas em versões anteriores. Por isso, sempre
utilize a última versão disponível para o seu navegador. Se você
não tem paciência para isso, verifique se o seu navegador possui
atualização automática, recurso existente no Firefox e no Google
Chrome.

5. Cuidado com downloads

Se você usa programas de compartilhamento ou costuma obter


arquivos de websites especializados em downloads, fique atento
ao que baixar. Ao término do download, verifique se o arquivo
possui alguma característica estranha, por exemplo, mais de uma
extensão (como cazuza.mp3.exe), tamanho muito pequeno ou
informações de descrição suspeitas, pois muitas pragas digitais se
passam por arquivos de áudio, vídeo, foto, aplicativos e outros
para enganar o usuário. Além disso, sempre examine o arquivo
baixado com um antivírus. Também tome cuidado com websites
que pedem para você instalar programas para continuar a navegar
ou para usufruir de algum serviço. Ainda, desconfie de ofertas de
softwares "milagrosos", capazes de dobrar a velocidade de seu
computador ou de melhorar sua performance.
6. Cuidado com e-mails falsos
Recebeu um e-mail dizendo que você tem uma dívida com uma
empresa de telefonia ou afirmando que um de seus documentos
está ilegal, como mostra a imagem abaixo? Ou, ainda, a
mensagem te oferece prêmios ou cartões virtuais de amor? Te
intima para uma audiência judicial? Contém uma suposta notícia
importante sobre uma personalidade famosa? Pede para você
atualizar seus dados bancários? É provável que se trate de um
scam, ou seja, um e-mail falso. Se a mensagem tiver textos com
erros ortográficos e gramaticais, fizer ofertas tentadoras ou

81
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação82

informar um link diferente do indicado (para verificar o link


verdadeiro, basta passar o cursor do mouse por cima dele, mas
sem clicar), desconfie imediatamente. Na dúvida, entre em
contato com a empresa cujo nome foi envolvido no e-mail.
7. Evite websites de conteúdo duvidoso
Muitos websites contêm em suas páginas scripts capazes de
explorar falhas do navegador de internet. Por isso, evite navegar
em websites pornográficos, de conteúdo hacker ou que tenham
qualquer conteúdo duvidoso, a não ser que você tenha certeza de
estar navegando em um ambiente seguro.
8. Cuidado com anexos de e-mail
Essa é uma das instruções mais antigas, mesmo assim, o e-mail
ainda é uma das principais formas de disseminação de malwares7.
Tome cuidado ao receber mensagens que te pedem para abrir o
arquivo anexo (supostas fotos, por exemplo), principalmente se o
e-mail veio de alguém que você não conhece.
9. Actualize seu antivírus
Muita gente pensa que basta instalar um antivírus para o seu
computador estar protegido, mas não é bem assim. É necessário
atualizá-lo regularmente, do contrário, o antivírus não saberá da
existência de vírus novos. Practicamente todos os antivírus
disponíveis permitem configurar atualizações automáticas.
Verifique nos arquivos de ajuda do software ou no site do
desenvolvedor como realizar as atualizações.
10. Não revele informações importantes sobre si
Em sites de bate-papo (chat), no Facebook, no Twitter ou em
qualquer serviço onde um desconhecido pode acessar suas
informações, evite dar detalhes da escola ou da faculdade que
você estuda, do lugar onde você trabalha e principalmente de
onde você mora. Evite também disponibilizar dados ou fotos que
7Malware é um nome abreviado para “software malicioso” Malware é qualquer tipo
de software indesejado, instalado sem o seu devido consentimento. Vírus, worms e
cavalos de troia são exemplos de software mal-intencionado que com frequência são
agrupados e chamados, coletivamente, de malware.
82
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação83

forneçam qualquer detalhe relevante sobre si, por exemplo,


imagens em que aparecem a fachada da sua casa ou a placa do seu
carro. Nunca divulgue seu número de telefone por esses meios,
nem informe o local em que você estará nas próximas horas ou um
lugar que você frequenta regularmente. Caso esses dados sejam
direcionados aos seus amigos, avise-os de maneira particular, pois
toda e qualquer informação relevante sobre você pode ser usada
indevidamente por pessoas mal-intencionadas, inclusive para te
localizar.

Sumário
Muitas vezes as pessoas pensam que a internet é um paraíso virtual,
sem saber que por detrás de todas essas tecnologias estão pessoas e
pessoas que nem todas são bondosas. Depois de discutirmos todos
perigos e medidas de precaução e segurança, vamos todos por em
practica para o nosso bem e dos outros que nos são caros.

Exercícios
1. Qual dos perigos acima listados é mais comuns na sua
sociedade?
2. Oque poderá acontecer, se por alguma razão, não saíste da sua
conta de email ou facebook através da opção sair ou
Logout?
3. Que tipos de imagens pessoais deve-se publicar na internet?
4. Será seguro aceitar qualquer amizade em redes sociais?
5. Como podemo-nos manter íntegros na internet?

83
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação84

UNIDADE Temática 6.3. Motores


de Busca

Introdução
Existem muitas pessoas hoje em dia procurando por informações na
internet, pois já se sabe qua na internet se encontra quase todo tipo
de informação. Académicos, negociantes, turistas, desportistas, etc.,
todo mundo navega na internet buscando informação, mas nem
sempre sabe como e onde procurar essas informações. Deste modo
levamos o estudante a discutir aspectos de como pesquisar
correctamente na internet através de motores de busca.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber oque é um motor de busca

 Saber os tipos de motores de busca


Objectivos
 Saber como pesquisar através de motores de busca

6.3.1 Conceitos de Motores de Busca


Os motores de busca utilizam software conhecido como ''aranhas'' ou
"robots" que percorrem "toda" a Internet em busca da informação
(documentos ou endereços de páginas web) que se pretende. Os
dados são recolhidos para o index dos motores de busca, que cria uma
base de dados com essa informação.
A forma como a informação é indexada depende de cada motor de
busca, podendo ser feita por palavras, títulos, URL's ou por directorios.

Assim, sempre que se introduz uma palavra ou um conjunto de


palavras que se pretende pesquisar, as bases de dados são percorridas
em busca de documentos ou websites que lhe correspondam. O

84
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação85

resultado da busca é mostrado em links, podendo clicar-se em cada


uma das entradas para aceder à informação.
Na internet encontramos centenas de motores de busca. Alguns deles
são acessíveis a partir desta página, que os distingue
entre directórios, indexantes e meta pesquisadores.

Uma mesma pesquisa efectuada nestes diversos motores de busca


terá resultados muito diferentes. Mesmo pesquisas efectuadas num
mesmo instrumento (motor de busca) poderão dar resultados muito
diferentes de um dia para o outro.

Uma pesquisa traduz uma boa performance quando permite


encontrar os documentos pesquisados e apenas os documentos
pesquisados. De acordo com este critério, a pesquisa na internet
revela uma grande taxa de silêncio (os documentos pertinentes não
são encontrados) ou de ruído (encontramos frequentemente um vasto
conjunto de documentos não pertinentes). Por isso, só muito
dificilmente podemos efectuar uma pesquisa na internet que permita
uma boa performance.
O investimento em tempo exigido para efectuar a pesquisa e o exame
e análise dos resultados obtidos são frequentemente exigentes e
morosos considerando os benefícios que se retiram da pesquisa.

6.3.2 Tipos de Motores de Busca


Existem dois tipos de motores de busca: os que indexam, por título e
URL, toda a informação onde encontram a palavra ou o conjunto de
palavras que pediu, conhecidos como ''webcrawlers'' (como é o caso
do Google) e aqueles que funcionam com base em directórios (o mais
conhecido é o Yahoo).
Enquanto os primeiros devem ser utilizados para pesquisas mais
específicas, os motores de busca baseados em directórios deverão ser

85
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação86

utilizados para encontrar informação mais genérica, dado que os


resultados da pesquisa são um conjunto de websites onde se poderá
encontrar o que se pretende. Por exemplo, se o objectivo é encontrar
o website do Sport Lisboa e Benfica deve utilizar-se o Yahoo mas se
pretende encontrar a biografia do Eusébio será mais fácil pesquisar
no Google.

6.3.3 Como Pesquisar em Motores de Busca

Em primeiro lugar, antes de efectuar a pesquisa deverá adicionar os


vários motores de busca ao menú Favoritos.
Após esta etapa, tente ser o mais conciso possível relativamente às
palavras que vai utilizar. Para facilitar a pesquisa pode utilizar
operadores booleanos, tais como o AND, OR e NOT ou usar parêntesis,
efectuando pesquisas booleanas mais complexas (pesquisa avançada).
Um exemplo poderia ser uma pesquisa por (Estádio da Luz AND
Eusébio), que resultava em informação relacionada com o Estádio da
Luz e Eusébio.
Os operadores booleanos podem ser utilizados em simultâneo
(Estádio da Luz AND NOT Eusébio) - resultava em informação
relacionada com Estádio da Luz excluindo o Ex-jogador Eusébio - ou
substituídos por sinais ''-'' ou ''+'' (+estádio da luz -eusébio). Para
confirmar estas situações, deve ler-se com atenção as ajudas dadas
pelos motores de busca, dado que cada motor de busca tem a sua
linguagem específica para pesquisas avançadas.

Outra recomendação é a utilização de mais do que um motor de


busca. É impossível que apenas um tenha toda a informação
disponível na Internet. Assim, pesquisar em vários aumenta as
possibilidades de encontrar o que se procura. Neste caso dever-se-á
utilizar os meta pesquisadores, motores de busca que procuram

86
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação87

directórios e indexes a partir de outros motores de busca.

Exercícios de Auto-Avaliação
1. Como estudante do ensino superior, achas que seria viável
conduzir uma pesquisa só com fontes da internet?
2. Porque é que muitas pessoas mesmo usando motores de busca
na internet não encontram informações que procuram?
3. Elabore um guião que pode ser usado por qualquer pessoa que
necessite encontrar informações credíveis na internet através
de motores de busca.

Sumário
Pesquisar na Internet não é tão fácil como parece. Mas conferindo
alguma atenção às ajudas dadas pelos motores de busca, ser capaz de
aprender com as pesquisas efectuadas e, sobretudo, não desistir,
ajuda a encontrar a informação exacta que se pretende.

Exercícios
1. Que motores de busca conheces?
2. Dos que conheces quais se baseiam em indexes e os que se
baseiam em directórios?
3. Qual é a diferença entre buscas simples e avançadas?
4. Oque são operadores booleanos?
5. Como podemos usar operadores booleanos em motores de
buscas.
6. Oque se deve evitar no processo de pesquisas utilizando
motores de busca.
7. Apesar de usar motores de buscas em pesquisas, como
podemos fazer da pesquisa um sucesso?
8. Será correcto afirmar que a internet possui todo tipo de

87
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação88

informação? Justifique a sua resposta.

88
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação89

Bibliografia
 ANACOM. (2014, March 03). O Comercio electronico em
Portugal.
 Boateng, R. (2010). Management Information system, Global
Business and e-Business. Pretice Hall.
 Bonilha, B. P. (2014, Janeiro 22). 7 Cuidados especiais que
devemos ter nas redes sociais. Retrieved from familia:
http://familia.com.br/7-cuidados-especiais-que-devemos-ter-
nas-redes-sociais
 Carvalho, J. A. (2010). O Processo de Desenvolvimento de
sistemas de Informação.
 George M. Marakas, J. A. (2013). Introduction to Information
system, 16th Edition. United States: Library of Congress
Cataloging-.
 Learning, J. &. (2012). Fundamentals of Information System
Security. Canada.
 Maletzke, A. G. (2012). Desenho e Implementação de Sistemas
de Informações.
 Maletzke, A. G. (2013). Sistema de Informação nas
Organizações. Unioeste.
 Nicacio, J. (2009, Setembro 13). O que faz um gestor de
Sistemas de Informação? Retrieved from jalvesnicacio:
http://jalvesnicacio.wordpress.com/2009/09/13/o-que-faz-um-
gestor-de-sistemas-de-informacao/
 Oz, E. (2012). Management Information System Sixth Edition.
 Peixoto, P. (2010). Motores de Busca. Retrieved from fe.uc:
http://www4.fe.uc.pt/fontes/pesquisa_na_internet/motores_b
usca/motores_de_busca.htm

89
ISCED Disciplina: Tecnologias De Informação e Comunicação90

 Rodrigues, E. (2012, Julho 07). quais os cuidados basicos que


devemos. Retrieved from intenert blogspot:
http://intenert.blogspot.com/2012/07/quais-os-cuidados-
basicos-que-devemos.html
 Santos, P. (2012). Introdução a Internet V.2.
 Soares, A. L. (2010). Sistemas de Informação. Portugal.
 Soflyy. (2009, Abril 23). Cuidados a Ter Na Internet. Retrieved
from scribd: http://www.scribd.com/doc/14567477/Cuidados-
a-Ter-Na-Internet

90