Você está na página 1de 13

Elementos de Máquinas I

Parafusos e Uniões
Aula 4 – Fixadores pré-carregados

Prof.ª Lays Gama


Departamento de Engenharia Mecânica – DEM
Universidade Estadual de Maringá – UEM
Pré-carga de junções em tração
2
 Parafusos e porcas são aplicados, geralmente, para juntar
peças em situações tais que as cargas aplicadas os colocam
em tração.
 É prática comum pré-carregar a junta apertando os parafusos
com suficiente torque para criar cargas de tração que se
aproximam às respectivas resistências de prova.
 Para montagens carregadas de forma estática, uma pré-carga que gera
uma tensão no parafuso de até 90% da resistência de prova é utilizada
alguma vezes.
 Para juntas carregadas
dinamicamente (carga
de fadiga), uma pré-
carga de 75% ou mais
da resistência de prova
é comumente utilizada.

Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
Pré-carga de junções em tração
3

E POR QUE UMA PRÉ-CARGA TÃO ELEVADA?


 Altas pré-cargas tornam pouco provável que os
parafusos se rompam em serviço se eles não quebrarem
enquanto estão sendo tracionados (apertados).
 Isso porque, em tração, o material apresenta, geralmente, maior
rigidez que o parafuso (uma vez que sua área de seção transversal é
em geral maior), então o material suporta a maior carga em serviço
e o parafuso sente pouca carga a mais que a carga de pré-
carregamento inicial.

Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
Qualquer que seja o material sujeitado, este
terá uma constante de mola e irá comprimir-se quando o parafuso for
4 apertado, de mesmo modo, o parafuso irá se estender.
 Montagem parafusada em tração.
 comprimento de zona sujeitada (da
junta a ser unida);
 comprimento de rosca do parafuso;
  comprimento total do parafuso;
 = −  comprimento do
pedaço sem rosca;
 = −  comprimento de rosca dentro
da junta (zona de sujeição).

 Representação
esquemática do
comportamento
de uma junta
parafusada em
tração.
Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
 Ao examinar as cargas, deflexões e tensões no parafuso e no material
da junta, sob pré-carga, e depois, quando uma carga externa é
5 aplicada, tem-se que a constante de mola de uma barra em tração é:

 Para um parafuso, a constante de mola é:

D  diâmetro do material sujeitado;


e  comprimento do material 1 e do
material 2 da junta, respectivamente;
d  diâmetro do parafuso;
área total de seção transversal do parafuso;
área sob tração do parafuso;
Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
6
 O comprimento da porção rosqueada é padronizado
como o dobro do diâmetro do parafuso mais 1/4 in
para parafusos de até 6 in de comprimento.

 Um adicional de 1/4 in de rosca é fornecido para


parafusos mais longos.

 Parafusos mais curtos do que os comprimentos


padronizados de rosca são rosqueados tão próximo à
cabeça quanto possível.

Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
 A constante de mola do material é dada por:

 são as áreas efetivas dos materiais sujeitados;


 Se os materiais sendo sujeitados forem idênticos:

 Se o material tiver geometria cilíndrica, a constante de mola pode


ser dada por:

Se os materiais
sujeitados forem
idênticos.
 são os diâmetros efetivos daquelas áreas.
Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
8
Parafusos Pré-Carregados sob Carga Estática

Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
 A carga aplicada P é dividida em duas componentes, uma
9 (Pm) absorvida pelo material e outra (Pb) absorvida pelo
parafuso:

 A carga compressiva Fm no material é:

 A carga de tração Fb no parafuso se torna:

 Sendo Fi a pré-carga dada à junta.


Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
 A variação da deflexão Δδ devida à carga aplicada, P, é
10

 Assim:

 C  constante de rigidez da junta constante da junta. C é em geral < 1, e se


kb for pequeno quando comparado a km, C será uma pequena fração. Isso
confirma o fato de que o parafuso verá apenas uma parte da carga
aplicada.
 Da mesma forma:

Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
 Cargas no parafuso e material em termos da carga aplicada, P:
11

 A Equação pode ser resolvida para a pré-carga Fi, necessária para


qualquer combinação de carga aplicada P e máxima carga
permissível (prova) do parafuso, desde que a constante de junta C
seja conhecida.
 A carga Po requerida para separar a junta é:

 O coeficiente de segurança à falha por separação de junta é:

Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
12 Observações:
 Se o material for mais rígido que o parafuso:
 Então o material suporta a maior parte da carga aplicada e o
parafuso sente pouca carga mais que a carga de pré-
carregamento inicial.
 Se a carga aplicada, P, é grande o suficiente para fazer com
que a componente Pm exceda a pré-carga Fi, então a junta
irá se separar e o parafuso irá suportar o valor integral da
carga aplicada, P.
 O material não poderá mais contribuir no suporte da carga
se a junta for separada. Esta é uma razão pela qual as pré-
cargas constituem uma porcentagem tão elevada da
resistência de prova do parafuso.
Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM
13 Obrigada!

Até a próxima aula...


Prof.ª Lays Gama – Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Mecânica – Universidade Estadual de Maringá - UEM