Você está na página 1de 6

2018.04.

26 Considerações neurobiológicas e psicológicas sobre o


envelhecimento humano
Psiquiatria
P2

Introdução

Como classificar o idoso?


✓ Grupo etário: Idoso jovem 60-69 a ​Brasil​; 65-74 a ​Internacional
Idoso idoso 70-79 a; 75-84 a
Idoso muito idoso ≥ 80 a; ≥ 85 a

✓ Clínico-Funcional ​(conforme realização de AVDs) é mais imptt


o Idoso robusto
o Idoso em risco de fragilização ​(com doença crônica controlada, por ex, DM,
cardiopatia, osteopenia sem osteoporose)
o Idoso frágil ​(acima de 70 a, independente de doença; com demência
presente)
Intervenções (saúde primária, terciária, campanhas prevenção, conscientização,
cuidados) são diferentes conf classe funcional

Aspectos psicológicos e sociais do envelhecimento

Envelhecer é, em si, um processo patológico?


Alguns processos do envelhecimento são fisiológicos
✓ Senescência: alterações fisiológicas relacionadas ao tempo, sem mecanismo de doença
reconhecido, não encurtam a vida. Ex: cabelos brancos, presbiopia ​(​distúrbio da
visão, que ocorre aprox. aos 45 anos, em que, por perda da elasticidade e do
poder de acomodação do cristalino, o indivíduo não percebe mais com nitidez
os objetos próximos; vista cansada, presbiopsia, presbitia, presbitismo)​,​ rugas
✓ Senilidade: condições mórbidas, comprometem QV, não condicionado ao
envelhecimento. Ex: osteoartrose, depressão, DM
Doenças que o fator de risco é o envelhecimento
Mudanças fisiológicas no SNC com o envelhecimento

Capacidade de recuperação rápida de uma cça devido à gde qtde de reservas


fisiológicas
No envelhecimento, há diminuição da homeostase que leva a um aumento de
vulnerabilidades => consequência: mais doenças
✓ Redução da coordenação motora fina, da sensibilidade vibratória; aumento do tempo
para resposta motora: marcha senil / maior risco de quedas
✓ Mudanças no padrão do sono
✓ Aumento do risco para incidência de transtornos depressivos, demência e doença de
Parkinson
✓ Estrutural: redução volumétrica difusa
✓ Vascular: redução do fluxo sanguíneo e aumento da resistência vascular cerebral
Gráfico: redução da subst. cinzenta e aumento do líquor (CSF – líq céfalo-raquidiano)

Gráficos comparativos: segundo gráf – atualmente consideram as funções cognitivas


cristalizadas mais estáveis
✓ Funções cognitivas fluidas ​(são as que estão mais afetadas – declínio rápido no
gráfico)​: memória episódica; velocidade de processamento; atenção e funções
executivas ​(ex: cozinhar; exige memória de trabalho, muito afetada nos idosos)​;
habilidades visuoespaciais.
Maturidade: 30 anos
✓ Funções cognitivas cristalizadas: memória semântica ​(significados)​; linguagem
(sotaque, dialeto, lg materna – país de origem)​; memória implícita
(procedimento: sabe executar, mas não sabe explicar)
✓ Gráfico: Mudanças cognitivas associadas ao envelhecimento normal ​– vocabulário
aumenta
Fx corte 39 a

Cognição e envelhecimento
Gráfico: associação entre emergência de alterações neuropatológicas da demência, sua
expressão clínica, e a reserva cognitiva
Prevenção: aquisição de reserva cognitiva – aquisição cultural, seja em qq área
/ incremento vocabulário – estoque, “gordura”, excesso para qdo a demência se
instalar, não causar tanto estrago

Hendrikje(“Henny”) van Andel-Schippermade


✓ Em maio/2004, aos 113a e 10m:
o MEEM 26/30
o Cognitive screening test: 20/20
o Fluência verbal: 16 animais/min
Estudo com idosa de 113 a: minimental enqto viva com bons resultados; exame
histopatológico depois de morta em tecido cerebral não revelou alterações patológicas
(somente alterações fisiológicas condizentes da idade)
✓ Apesar do declínio em algumas funções cognitivas, não é de se esperar, no processo
natural de envelhecimento:
o declínio desproporcional ao esperado para a idade
o prejuízo funcional e cotidiano na vida do idoso (AVDs: avançadas /
instrumentais / básicas)

Domínios de saúde no idoso


Saúde => Funcionalidade global Autonomia (capacidade individual de decisão e
comando sobre as ações): Cognição / Humor
Independência (capacidade de executar algo com os próprios meios): Mobilidade /
Comunicação

Hierarquia das AVDs


A demência afeta das mais complexas às mais simples, em sequência
Cognição e envelhecimento
Continuum de manifestação de déficits cognitivos
Envelhecimento normal => Comprometimento cognitivo leve => Demência

CCL – Comprometimento Cognitivo Leve


Transtorno neurocognitivo menor (DSM-5)
Uso de testes mais complexos para poder aferir alterações sutis – feitos por
psicoterapeutas
Critérios:
1. Queixa consistente de déficit cognitivo: confirmada por familiar ou pessoa próxima
2. Evidência ‘objetiva’ de comprometimento de memória ou de outras fç cognitivas: teste
neuropsicológico
3. AVDs preservadas (ou tarefas complexas minimamente alteradas)
4. Preservação das fç cognitivas globais
5. Ausência de alterações suficientes para o diag de demência
6. Não ocorrem exclusivamente no contexto de delirium
7. Não são mais bem explicados por outro transtorno mental (depressão maior,
esquizofrenia)

Progressão de CCL para Demência


Há chances
✓ Progressão para demência em 1 a:
o Em torno de 12% dos indivíduos com CCL
o 1 a 2% dos indivíduos sem CCL
✓ Em estudo de coorte: acompanhamento de 2 a de indivíduos com CCL amnéstico +
declínio de linguagem
o 21,8% converteram para demência (DA)
o 47% mantiveram-se estáveis (com CCL)
o 31% retornaram à condição de normalidade
Conclusão
✓ Envelhecimento compreende mudanças fisiológicas e psicossociais, não
necessariamente atreladas a doenças
✓ A saúde do idoso está estritamente relacionada com a sua funcionalidade
✓ Déficits cognitivos associados ao envelhecimento devem ser pesquisados e
diferenciados de condições como comprometimento cognitivo leve e quadros
demenciais

FIM