Você está na página 1de 7

CONTRATO CELEBRADO EXCLUSIVAMENTE ATRAVÉS DE

CANAL DIGITAL E NÃO SUJEITO A ASSINATURA EM PAPEL

LIMITE CRÉDITO:
DATA DE CELEBRAÇÃO DO CONTRATO:

CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO


CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO
I - PROPRIEDADE
O Cartão Plano, adiante designado por Cartão, é um instrumento de pagamento sob a modalidade de Cartão de Crédito e é
propriedade do Banco Santander Totta, S.A., com sede na Rua do Ouro n.º 88, em Lisboa, matriculado na Conservatória do Registo
Comercial de Lisboa sob o n.º 500844321 de pessoa colectiva com o capital social de 1.256.723.284,00 €, aqui designado por Banco,
e está subordinado às normas do direito português, às Condições Gerais de Abertura da Conta de Depósitos à Ordem associada ao
Cartão e às presentes Condições de Utilização e é um Cartão emitido no âmbito dos sistemas MasterCard e Multibanco.
II - TITULARIDADE
1. Titular do Cartão, ou simplesmente Titular, é a pessoa singular que contrata com o Banco a emissão de um Cartão e que se
responsabiliza pelos débitos ou responsabilidades da respectiva utilização.
2. O Cartão é de uso exclusivo do Titular e é intransmissível.
3. O Titular obriga-se a utilizar o Cartão no estrito cumprimento destas condições, tomando todas as medidas razoáveis, em especial
ao receber o Cartão, para preservar a eficácia dos dispositivos de segurança personalizados que receba do Banco.
III - CELEBRAÇÃO, MODIFICAÇÃO E CESSAÇÃO DO CONTRATO
1. O presente contrato de crédito sob a forma de utilização de Cartão considera-se celebrado quando o Titular receber o Cartão e a
cópia destas Condições Gerais e Particulares de Utilização que lhe são entregues no acto da sua assinatura.
2. O Cartão tem o prazo de validade indicado nas Condições Particulares e que está gravado no próprio cartão e que limita a licitude
da respectiva utilização. No fim do prazo o Banco poderá ou não renovar o Cartão, em conformidade com os respectivos critérios
comerciais.
3. Por cada cartão emitido, o Banco poderá cobrar em cada mês uma comissão de disponibilização de cartão de crédito, ficando
autorizado a debitar o respectivo valor na Conta Cartão. O valor da comissão de disponibilização de cartão de crédito é o fixado no
Anexo II a estas Condições Gerais.
4. O período de reflexão é de 14 (catorze) dias de calendário a contar da data de assinatura deste contrato. Durante este período o
Titular poderá revogar a sua Proposta de Adesão por meio de declaração em papel ou noutro suporte duradouro colocado à sua
disposição pelo Banco e ao qual aquele possa aceder, a ser expedida naquele prazo, nos seguintes termos, em qualquer dos casos:
“Serve a presente para expressamente revogar o contrato de crédito sob a forma de utilização de Cartão celebrado com esse Banco,
balcão de (Nome do Balcão), em (Data).”
4.1. O Titular que exercer o direito de revogação fica obrigado a pagar ao Banco o capital e os juros vencidos, calculados à taxa
nominal estipulada no presente contrato a que corresponde o juro diário previsto no Anexo II a estas Condições Gerais, a contar da
data da utilização do crédito até à data de pagamento do capital, sem atrasos indevidos, e eventuais despesas não reembolsáveis
pagas pelo Banco a qualquer entidade da administração pública, em prazo não superior a 30 (trinta) dias contados da data de
expedição da comunicação de revogação da sua declaração negocial.
5. O Banco poderá propor alterações às presentes Condições de Utilização, através de comunicação dirigida ao Titular, em suporte de
papel ou noutro suporte duradouro, incluindo em extracto da Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão, com, pelo menos, 2
(dois) meses de antecedência relativamente à data proposta para a sua entrada em vigor, considerando-se que tais alterações foram
aceites se, até esta data, o Titular não tiver comunicado ao Banco, por escrito, que não as aceita. No caso de o Titular não aceitar as
alterações, tem ainda o direito de, até à data proposta para a sua entrada em vigor, resolver o contrato, com efeitos imediatos e sem
quaisquer encargos.
6. A utilização do Cartão antes de decorrido o prazo referido no número anterior constitui presunção de aceitação das alterações
contratuais em causa.
7. O direito de utilização do Cartão caduca no último dia do prazo de validade nele inscrito, bem como por morte, interdição ou
inabilitação do Titular, devendo, nestes casos, os respectivos herdeiros ou representantes proceder de imediato à restituição do
Cartão ao Banco.
8. O Titular compromete-se a informar, por escrito, o Banco de qualquer eventual mudança ou modificação no endereço postal ou
electrónico que tenha comunicado ao Banco como sendo o seu.
9. O presente contrato é celebrado por tempo indeterminado, podendo qualquer uma das partes, de modo livre e sem encargos,
denunciá-lo quando lhe aprouver, mediante declaração escrita dirigida à parte contrária, com a antecedência mínima de 3 (três) ou 60
(sessenta) dias, consoante a denúncia seja, respectivamente, da iniciativa do Titular ou do Banco. A denúncia do contrato pelo Titular
terá, porém, efeitos imediatos se for acompanhada da devolução do Cartão.
10. O Banco poderá resolver o contrato com efeitos imediatos, verificando-se uma das situações seguintes:
a) o Titular ter sido declarado insolvente;
b) ter sido ordenada a penhora do saldo da Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão;
c) ter sido decretada qualquer outra medida que impeça o movimento da Conta de Depósitos à Ordem como está contratado;
d) o Titular ter sido declarado interdito ou incapaz, ou inibido do uso de cheques;
e) ter ocorrido uso abusivo do cartão;
f) terem sido prestadas informações falsas ou incorretas na Proposta de Adesão;
g) o titular ter violado qualquer disposição das presentes Condições de Utilização;
h) o Titular ter comunicado que não aceita as alterações propostas pelo Banco às presentes Condições de Utilização nos termos da
Cláusula III - 5, sem ter exercido o direito de resolução do contrato com fundamento em tais alterações.
10.1. O Banco pode invocar a perda do beneficio do prazo e exigir ao Titular o pagamento integral e imediato de tudo quanto lhe for
devido em consequência das obrigações assumidas pelo Titular no âmbito destas Condições de Utilização, ou resolver o presente
contrato caso ocorram, cumulativamente, as circunstâncias seguintes:

MOD. 085 - 01/10/2019 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO Pág. 1/7


a) o Titular deixar de pagar ao Banco 2 (duas) prestações sucessivas cujo valor exceda 10% do crédito utilizado em restituição;
b) ter o Banco, sem sucesso, concedido ao Titular um prazo suplementar de 15 (quinze) dias para proceder ao pagamento das
prestações em atraso e respectivos juros de mora e encargos emergentes do incumprimento, com expressa advertência dos efeitos
da perda do benefício do prazo ou da resolução do contrato.
11. A cessação de vigência do contrato fundada no incumprimento pelo Banco das obrigações assumidas nos termos destas
Condições de Utilização ou da Lei, ou se promovida pelo Titular nos termos das Cláusulas III – 4, dará lugar ao reembolso da
comissão de disponibilização de cartão de crédito vencida. Nos demais casos de cessação de vigência do contrato promovida pelo
Titular ou pelo Banco, nomeadamente no termos das Cláusulas III-5, III-9, III-10, III-10.1 ou III-18, o Titular tem o direito de reaver a
comissão de disponibilização de cartão de crédito paga, na parte proporcional ao período ainda não decorrido.
12. Extinto o contrato por qualquer causa, o Titular deverá proceder, de imediato, à restituição do Cartão. O Titular será, no entanto,
responsável por todas as dívidas e encargos resultantes da utilização do Cartão, nos mesmos termos em que o era anteriormente.
13. O Banco pode exigir a restituição do Cartão por razões de segurança ou protecção do Titular, sem que tal implique a denúncia ou
a resolução do Contrato.
14. O Banco pode bloquear o Cartão por motivos objectivamente fundamentados que se relacionem com: (i) a segurança do Cartão;
(ii) a suspeita de utilização não autorizada ou fraudulenta do Cartão; (iii) o aumento significativo do risco de o Titular não poder cumprir
as suas responsabilidades.
15. O Banco comunicará ao Titular, por contacto telefónico ou por escrito, o bloqueio do Cartão e respectiva justificação, se possível
antes de o efectuar ou, o mais tardar, imediatamente após o bloqueio, salvo se tal informação não puder ser prestada por razões de
segurança ou for proibida por Lei. O Titular deve promover a devolução do Cartão ao Banco logo que o bloqueio lhe seja comunicado.
O Cartão será desbloqueado ou substituído por outro logo que cessem os motivos que tenham determinado o bloqueio.
16. Em caso de utilização abusiva ou por funcionamento automático dos mecanismos de segurança do sistema operativo, cessa a
possibilidade de utilização do Cartão, que poderá ser retido em qualquer equipamento do sistema. O Titular tem o direito de conhecer
os procedimentos necessários a operar com o Cartão, assim como os respectivos mecanismos automáticos de segurança, estando o
Banco inteiramente ao dispor para, em qualquer momento, prestar esses esclarecimentos.
17. Este contrato é celebrado pelo Banco e pelo Titular subordinado à condição resolutiva do cancelamento da Conta de Depósitos à
Ordem do Titular identificada na Proposta de Adesão associada ao Cartão ou da denúncia ou cessação de vigência do contrato
quadro de prestação de serviços de pagamento constante das Condições Gerais de Abertura da Conta de Depósitos à Ordem
associada ao Cartão. Assim, verificado o cancelamento desta conta ou a cessação do contrato de prestação de serviços de
pagamento, o presente contrato deixa de produzir quaisquer efeitos.
18. Sem prejuízo dos casos especificadamente previstos nos números anteriores, este contrato pode ser resolvido nos termos gerais
de direito.
19. Os procedimentos a adoptar para a extinção do contrato são os seguintes:
19.1. O Titular goza do direito de pôr termo ao presente contrato, mediante denúncia prevista na Cláusula III - 9 ou resolução fundada
na lei geral ou na violação pelo Banco destas Condições de Utilização, através de declaração escrita dirigida ao Banco, desde que
acompanhada da restituição ao Banco do Cartão e de tudo quanto, nesse momento, constituir o seu crédito e seja emergente do
presente contrato.
19.2. O Banco goza do direito de pôr termo ao presente contrato mediante denúncia prevista na Cláusula III - 9 ou resolução fundada
na lei geral, na violação pelo Titular destas Condições de Utilização, ou na verificação de alguma das situações previstas na Cláusula
III - 10.
IV - UTILIZAÇÃO E SEGURANÇA
1. A cada Cartão será atribuído um Código Pessoal Secreto (PIN). Este Código deverá ser do exclusivo conhecimento do Titular e,
conjuntamente com o respectivo Cartão, possibilitará o acesso aos Caixas Automáticos (ATM) ou Terminais de Pagamento
Automático (TPA) das Redes MasterCard e Multibanco.
2. Na utilização do Cartão no âmbito da prestação de serviço de pagamento de bens ou serviços, o Titular deverá:
- Apresentar o Cartão devidamente assinado;
- Conferir o valor do pagamento e digitar o PIN. Em alternativa e apenas quando tal solicitado, assinar o comprovativo da transacção;
- Confirmar a sua identidade por exibição do Bilhete de Identidade, ou outro documento de identificação, quando para tal solicitado.
3. O cartão poderá também ser utilizado, sem necessidade de apresentação física, para aquisição de bens e serviços nas seguintes
situações:
- Em Ambientes Abertos (Internet, Wap, Televisão Interactiva), introduzindo o nome, número do cartão, data de validade e Código de
Segurança (três últimos dígitos impressos no painel de assinatura). Para o efeito, é obrigatória a prévia adesão a um dos serviços de
segurança disponibilizados pelo Banco, como o serviço MB Net, o serviço 3D Secure ou outro que à data seja disponibilizado. Em
particular, o serviço 3D Secure é de utilização obrigatória nas transacções em sítios na Internet seguros (comerciantes aderentes aos
sistemas Verified by Visa e/ou MasterCard Secure Code), requerendo uma validação adicional através da inserção de um código
gerado ao momento e enviado para o número de telemóvel do Titular registado para o efeito. Todas e quaisquer transacções em
Ambientes Abertos que não sejam efectuadas com recurso a estes serviços poderão ser recusadas pelo Banco e, a realizarem-se,
são da exclusiva responsabilidade do Titular;
- Ordens de pagamento escritas e assinadas pelo Titular (mail orders) indicando o nome, número do cartão, data de validade e Código
de Segurança;
- Através do telefone ou de correio normal ou eletrónico, devendo o Titular comunicar o nome, número do cartão, data de validade e
Código de Segurança.
4. A introdução do PIN, a assinatura do comprovativo da transacção ou a validação por introdução do Código de Segurança constitui a
confirmação da transacção realizada e o consentimento para a execução da operação de pagamento até ao limite convencionado
entre o Titular e o Banco no presente contrato.
5. O Titular poderá ainda utilizar o Cartão sem introdução do PIN nas operações designadas de “baixo valor” (v.g., pagamentos em
portagens e em cabines telefónicas), considerando-se autorizadas as operações realizadas com a utilização do Cartão, nos termos do
número anterior.
6. Não é admitida ao Titular a revogação de instrução que tenha sido dada mediante a utilização do Cartão.
7. O Cartão pode ser utilizado, no âmbito da prestação de serviços de pagamento, para as finalidades constantes das Condições
Particulares.

MOD. 085 - 01/10/2019 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO Pág. 2/7


8. As transferências de fundos realizadas em Caixas Automáticos realizar-se-ão sob a exclusiva responsabilidade do Titular, no que se
refere à correcta digitação dos elementos de identificação da conta para onde deseja transferir os fundos e do respectivo montante.
9. Nas operações de depósito efectuadas em Caixas Automáticos da Rede Multibanco deverá o Titular certificar-se de que o valor
digitado corresponde exactamente ao montante, em numerário ou em valores, introduzido no envelope utilizado para o efeito.
10. A abertura dos envelopes e a conferência dos valores depositados será feita por dois empregados do Banco. Havendo divergência
entre os valores conferidos e os digitados o ónus da prova é do depositante.
11. Relativamente ao depósito de valores compete ao depositante certificar-se de que os mesmos se encontram em condições
formais e substantivas para serem cobrados e creditados em conta. Considera-se como data de apresentação ao Banco para
cobrança o primeiro dia útil que suceder ao do depósito.
12. O crédito de valores fica pendente da sua boa cobrança, só estando disponível após esta.
13. Com carácter geral e por razões de segurança do Titular e do próprio sistema, o Banco poderá estabelecer limites confidenciais
para os número e valor máximo de operações possíveis de realizar em cada dia, com qualquer dos Cartões que estejam emitidos.
14. Com excepção da prévia autorização por escrito do Banco, em nenhuma outra circunstância poderá o Titular realizar operações
que, mesmo só parcialmente, ultrapassem o limite máximo estabelecido. O momento de verificação do saldo autorizado (diferença
entre o limite de crédito e o valor das operações, juros, impostos e eventuais encargos) é o da realização do movimento do Cartão e
não o evidenciado no Extracto de Conta Cartão, o mesmo sucedendo quando da liquidação de dívida que automaticamente renova o
crédito em quantia igual à paga.
15. O Banco é responsável pelos prejuízos directos causados ao Titular em consequência da inexecução ou execução defeituosa de
uma operação devido ao mau funcionamento da máquina ou terminal no qual o Cartão for utilizado. O Banco não pode ser
considerado responsável por qualquer prejuízo causado por uma falha técnica do sistema, se desta tiver sido dado conhecimento ao
Titular através de uma mensagem escrita no visor do aparelho, ou desde que ela se torne óbvia por qualquer outra forma.
16. O Titular obriga-se a tomar todas as medidas adequadas para permitir a segurança do Cartão e a não permitir a sua utilização por
terceiros, sendo suas obrigações específicas assinar o Cartão logo que o receber, não registar o PIN sob forma que possa ser
inteligível ou acessível a terceiros, nem registá-lo no Cartão ou em algo que normalmente guarde ou transporte junto com este, e
verificar eficazmente a efectiva posse do Cartão.
17. Em caso de perda, extravio, falsificação, apropriação indevida, roubo, furto ou indevida, incorrecta ou não autorizada utilização do
Cartão, registos no Extracto de Conta Cartão ou na Conta de Depósitos à Ordem de transacções não autorizadas, ou de quaisquer
outros erros ou irregularidades na sua utilização, logo que de tais factos tome conhecimento e sem atrasos injustificados, deverá o seu
Titular comunicar ao Banco a ocorrência e transmitir todas as informações que possua e que possam, de qualquer modo, ser
utilizadas pelo Banco no apuramento dos factos e na regularização das respectivas situações, por via telefónica ou outra mais
expedita. A comunicação a que se refere o parágrafo anterior deverá ser efectuada para qualquer Balcão do Banco, permitindo assim
que se adoptem as medidas para impedir o uso indevido do Cartão. Fora das horas de expediente normal do Banco, bem como aos
sábados, domingos e feriados, deverá ser contactada a SIBS 808 201 251 e 217 918 780 (atendimento personalizado 24h/dia),
indicando, no mínimo, o número do Cartão perdido ou roubado.
Todas as comunicações telefónicas efectuadas nos termos do parágrafo anterior devem ser objecto de confirmação escrita e
detalhada nas 48 (quarenta e oito) horas seguintes junto do Banco. Todos os casos de falsificação, roubo ou furto do Cartão deverão
ser prontamente participados às autoridades policiais competentes, devendo o Titular apresentar ao emitente a respectiva
comprovação.
18. No caso de execução de operação de pagamento não autorizada resultante de perda, roubo ou apropriação abusiva do Cartão
com quebra de confidencialidade dos dispositivos de segurança personalizados imputável ao Titular, este suportará as perdas
relativas a essas operações dentro do limite de crédito do Cartão ou do saldo autorizado da Conta de Depósitos à Ordem associada
ao Cartão, até ao máximo de 150,00€.
19. Não será aplicável o limite de 150,00€ à responsabilidade do Titular, respondendo este pela totalidade das perdas resultantes da
operação de pagamento não autorizada, caso esta seja devida a actuação fraudulenta ou ao incumprimento deliberado do Titular de
alguma das suas obrigações de utilizar o Cartão de acordo com as presentes condições que regem a sua emissão e utilização e das
obrigações de comunicar ao Banco ou a entidade que este tenha designado, sem atrasos injustificados e logo que tenha
conhecimento, a perda, roubo, apropriação abusiva ou qualquer operação não autorizada mediante a utilização do Cartão.
20. Em caso de actuação fraudulenta, o Titular suportará todas as perdas e consequências financeiras resultantes da utilização do
Cartão perdido, roubado ou abusivamente apropriado, após ter procedido à comunicação destes factos.
21. Em caso de negligência grave do Titular, este é responsável pelas perdas resultantes de operações de pagamento não
autorizadas até ao limite de crédito do Cartão ou ao saldo autorizado da Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão, ainda que
superiores a 150,00€, dependendo da natureza do dispositivo de segurança personalizado do Cartão e das circunstâncias da sua
perda, roubo ou apropriação abusiva.
22. Com excepção dos casos em que as ocorrências indevidas sejam devidas a culpa ou negligência do Banco e dos débitos por uso
abusivo ou fraudulento do Cartão, que sejam posteriores à recepção pelo Banco da comunicação que é prevista nos números
anteriores ou, se anteriores, que ultrapassem o limite de responsabilidade fixado nas Cláusulas IV – 17 e 20, o Titular assume-se
como devedor perante o Banco de todas as importâncias levantadas ou transferidas em Caixas Automáticos ou levantadas em
Bancos, das importâncias resultantes da aquisição de bens e serviços em estabelecimentos comerciais aderentes às Redes
MasterCard e Multibanco, bem como das transacções efectuadas nos termos previstos na Cláusula IV – 3 e 5.
23. O ónus da prova da comunicação dos avisos a que se referem os números anteriores cabe ao Titular, sendo admissível qualquer
meio de prova admitido em direito.
24. A responsabilidade do Titular por utilizações devidas a furto, roubo, perda ou falsificação cessa no momento em que tiver sido
recebido pelo Banco a comunicação do incidente, efectuada em conformidade com os procedimentos estabelecidos nos números
anteriores.
V - REGISTO E PAGAMENTO
1. Os débitos pela utilização do Cartão relativos a operações de adiantamento a crédito ou de pagamento de bens e serviços, com
excepção das operações de Baixo Valor, são escriturados na Conta Cartão aberta em nome do Titular no Banco. Os restantes
movimentos são de imediato escriturados a débito na Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão.

MOD. 085 - 01/10/2019 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO Pág. 3/7


2. As operações de adiantamento de numerário a crédito (cash advance) consistem na retirada (levantamento) de numerário a crédito,
mediante a utilização do Cartão nas modalidades seguintes:
- Adiantamento de numerário a crédito (cash advance) efectuados aos Balcões dos Bancos aderentes à Rede MasterCard;
- Adiantamento de numerário a crédito (cash advance) efectuados em Caixas Automáticos da Rede MasterCard;
- Adiantamento de numerário a crédito (cash advance) efectuados em Caixas Automáticos da Rede Multibanco.
Por cada operação de adiantamento de numerário a crédito (cash advance), como remuneração pela prestação dos serviços de
concessão imediata de crédito em numerário e como retribuição do crédito concedido, o Titular será debitado pelas comissões e
encargos mencionados no Anexo II a estas Condições Gerais.
3. Para cada Conta Cartão é previamente estabelecido entre o Banco e o Titular um limite máximo de crédito, entendendo-se por tal o
valor total que, em cada momento, o Titular está autorizado a dever ao Banco pelo uso do(s) Cartão(ões) que esteja(m) associado(s) à
Conta Cartão, incluindo-se os juros, impostos, comissões e demais encargos inerentes a movimentos realizados ou à adopção de
modalidades de reembolso.
4. Os movimentos efectuados com o Cartão escriturados na Conta Cartão serão evidenciados em extracto autónomo – “Extracto de
Conta Cartão”, com periodicidade mensal, que é remetido em formato digital para o endereço indicado pelo Titular, se o formato em
papel não tiver sido expressamente escolhido pelo Titular, caso em que lhe será remetido por via postal. Os movimentos
imediatamente escriturados e debitados na Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão são evidenciados no extracto dessa
conta, que é remetido ao Titular com a periodicidade em vigor no Banco.
5. As transacções efectuadas em moeda estrangeira serão debitadas em Euro, sendo sempre indicado no Extracto de Conta Cartão o
seu valor original em moeda estrangeira, a taxa de câmbio e o contravalor em Euro e, se for caso disso, as comissões e outros
encargos aplicados. Esta conversão é efectuada pela MasterCard Internacional, utilizando a taxa de câmbio em vigor na data do
processamento da transacção.
6. O Titular fica obrigado a controlar o adequado uso do Cartão pela análise imediata e sistemática dos extractos de conta que o
Banco for remetendo e que conterão a menção das operações realizadas com o Cartão, assim como o registo do débito da comissão
de disponibilização de cartão de crédito referida na Cláusula III – 3.
7. O Extracto de Conta Cartão indicará o valor total que o Titular deverá pagar ao Banco pelas operações nele escrituradas.
8. O Titular deve pagar a quantia indicada no Extracto de Conta-cartão, calculada de acordo com a modalidade acordada com o
Banco, no prazo referido nas Condições Particulares. Se efectuar o pagamento parcial do saldo em dívida, o remanescente da dívida
vencerá juros à taxa definida no Anexo II a estas Condições Gerais, calculados e contabilizados desde a data de fecho de extracto. O
valor dos juros vencidos será debitado mensalmente na Conta-cartão, fazendo parte integrante da dívida.
9. O pagamento parcial, que tenha sido acordado com o Banco, tem por limite mínimo a percentagem e o montante igual ou superior
ao fixado nas Condições Particulares.
10. Não recebendo por outro meio o pagamento da quantia indicada no Extracto de Conta Cartão, o Banco está, desde já e em
respeito do disposto nas condições anteriores, autorizado a debitar a Conta de Depósitos à Ordem do Titular pelos movimentos e
operações efectuados com o Cartão, obrigando-se correlativamente o Titular a manter essa conta devida e previamente provisionada.
A falta de provisão na conta na data do débito pelo Banco constitui o Titular em mora, sem necessidade de interpelação.
11. Na hipótese de falta de pagamento das responsabilidades decorrentes do uso do Cartão, o Titular será responsável perante o
Banco pela totalidade da dívida, juros e demais encargos legais.
12. Em caso de mora no pagamento ao Banco das quantias devidas pela utilização do Cartão serão devidos juros moratórios,
contados dia a dia e calculados sobre a quantia em dívida desde a data da constituição em mora, à taxa de juro contratual acrescida
da sobretaxa máxima legal referida no Anexo II a estas Condições Gerais.
13. O Banco fica desde já autorizado a debitar a Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão, bem como quaisquer outras
contas de que o Titular seja o único titular junto do Banco, pelas importâncias não pagas nos respetivos vencimentos, compensando o
respetivo montante com débitos de igual valor.
14. O Banco comunicará à Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal as responsabilidades em nome do Titular,
decorrentes do presente contrato de crédito.
VI - PROCEDIMENTOS EXTRAJUDICIAIS DE RECLAMAÇÃO
1. Sem prejuízo do acesso aos meios judiciais competentes, o Titular goza do direito de aceder a meios extrajudiciais de reparação de
litígios emergentes da prestação de serviços de pagamento de valor igual ou inferior à alçada dos tribunais de 1.ª Instância.
2. A resolução de eventuais litígios emergentes da prestação de serviços de pagamento de valor igual ou inferior à alçada dos
tribunais de 1.ª Instância que o Titular pretenda submeter a meios extrajudiciais de reparação de litígios, deverá ser cometida à
decisão de árbitro único designado pelo Centro de Arbitragem da Universidade Católica Portuguesa, com sede nas instalações da
Universidade Católica Portuguesa - Palma de Cima em Lisboa ou, no que respeita à resolução extrajudicial de litígios transfronteiras,
pelo Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa com sede na Rua dos Douradores n.º 108, 2.º e 3.º em Lisboa,
consoante aquele a que recorra o Titular.
3. O local de funcionamento do tribunal arbitral, o processo de arbitragem e a remuneração dos árbitros encontra-se sujeita ao
regulamento emanado pelos referidos Centros de Arbitragem.
4. O Titular pode ainda apresentar reclamações através da Superlinha - 707 21 24 24, em qualquer balcão do Banco, no Livro de
Reclamações também aí disponível e acessível, ou directamente à autoridade de supervisão, que é o Banco de Portugal, com sede
na Rua do Ouro 27, 1100-150 Lisboa, através de formulário disponível em www.bportugal.pt.
VII - DISPOSIÇÕES FINAIS
1. O Titular pode contactar o Banco dentro do horário de funcionamento. Fora das horas de expediente normal do Banco, bem como
aos sábados, domingos e feriados, deverá ser contactada a SIBS 808 201 251 e 217 918 790 (atendimento personalizado 24h/dia).
2. Está acessível ao Titular procedimento extrajudicial de reclamações através da Superlinha 707 21 24 24 (atendimento
personalizado das 24h). As reclamações relativas à rectificação de operações de pagamento não autorizadas ou incorrectamente
executadas correspondentes a movimentos efectuados com o Cartão deverão ser apresentadas, por escrito, ao Banco, sem atraso
injustificado e dentro de um prazo nunca superior a 13 (treze) meses a contar da data do débito, prazo a partir do qual se consideram
aceites e validadas.
3. Em caso de divergência sobre o sucedimento do conhecimento pelo Titular, o ónus da prova é do Banco, constituindo, porém,
presunção elidível desse conhecimento a prova da expedição por via digital ou postal, consoante o que for aplicável, para o endereço
do Titular de extracto que evidencie a operação.

MOD. 085 - 01/10/2019 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO Pág. 4/7


4. Na falta de disposição em contrário, em caso de diferendo entre o Banco e o Titular, o ónus da prova cabe a quem invocar o facto a
seu favor, obrigando-se a outra parte a prestar a sua melhor colaboração, designadamente facultando as informações e a
documentação que lhe forem solicitadas relativamente ao diferendo em causa.
5. Verificando-se o incumprimento das obrigações assumidas pelo Titular, poderá o Banco ceder a terceiro o crédito emergente do
presente contrato, caso em que o Titular consente que o Banco entregue ao cessionário os documentos e outros meios probatórios do
crédito que estejam na sua posse e autoriza o Banco a revelar ao terceiro cessionário as informações, elementos e factos respeitantes
às relações do Titular com o Banco respeitantes ao crédito cedido.
6. O Banco, ao abrigo da Instrução do Banco de Portugal n.º 7/2012, pode constituir sobre o crédito emergente do presente contrato
penhor financeiro a favor do Banco de Portugal. Na eventualidade de o crédito emergente deste contrato ser efectivamente oferecido
em penhor financeiro ao Banco de Portugal, o Titular declara:
a) autorizar que o Banco entregue ao Banco de Portugal os documentos e outros meios probatórios do crédito que estejam na sua
posse e revele as informações, elementos e factos respeitantes às relações do Titular com o Banco relativos ao presente contrato;
b) renunciar ao exercício do direito de compensação perante o Banco e o Banco de Portugal.
7. Para todas as questões emergentes deste contrato é competente o foro do domicílio do Titular, com exclusão de qualquer outro.
VIII - DADOS PESSOAIS
1. Para efeitos do disposto no presente contrato, o Banco procede ao tratamento dos dados pessoais nos termos previstos na Cl.ª 30.ª
das Condições Gerais de Abertura de Conta em vigor, as quais estão disponíveis para consulta em www.santandertotta.pt ou em
qualquer um dos balcões do Banco.
CONDIÇÕES PARTICULARES DE UTILIZAÇÃO
1. O Cartão pode ser utilizado, no âmbito da prestação de serviços de pagamento, para realizar as actividades seguintes:
- Pagamentos de bens e serviços (compras) em estabelecimentos comerciais aderentes às Redes MasterCard e Multibanco;
- Adiantamento de numerário a crédito (cash advance) aos Balcões dos Bancos aderentes à Rede MasterCard;
- Adiantamento de numerário a crédito (cash advance) em Caixas Automáticos das Redes MasterCard e Multibanco;
- Pagamentos de Serviços a crédito em Caixas Automáticos da Rede Multibanco;
- Transferências no NetBanco, na Superlinha, em qualquer Balcão Santander Totta ou Caixa Automático da Rede Multibanco, de parte
ou da totalidade, com um valor mínimo de 50,00 € por cada utilização, do limite de crédito disponível para a Conta de Depósitos à
Ordem associada ao Cartão.

2. Condições específicas de utilização da tecnologia Contactless:


2.1. O Cartão incorpora a funcionalidade Contactless que permite ao Titular realizar operações de pagamento sem contacto, por
aproximação do Cartão do leitor Contactless em TPA que disponham desta tecnologia, sendo dispensada a introdução do PIN até ao
montante unitário de 20,00 €.
2.2. O Cartão é enviado ao Titular com a funcionalidade Contactless inactiva. Esta será activada após a realização da primeira
transacção com introdução do PIN num ATM ou TPA.
2.3. Sempre que o montante acumulado de operações de pagamento realizadas através da funcionalidade Contactless exceder 60,00
€, será exigido ao Titular a realização de uma operação de pagamento com introdução de PIN, para que possa voltar a utilizar o
Cartão nesta funcionalidade.
3. O período de validade do Cartão é de 3 (três) anos, podendo na renovação ser alterado pelo Banco, se a alteração não acarretar
encargos adicionais para o Titular.
4. Pagamentos:
a) Tipo de pagamento: O pagamento é processado por débito na Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão. Em alternativa, o
Titular pode optar por efectuar o pagamento em Caixa Automático da Rede Multibanco, até 48 (quarenta e oito) horas úteis antes da
data limite de pagamento indicada no Extracto de Conta Cartão.
b) Montante de pagamento: Pagamento minímo obrigatório de pelo menos 5% do saldo mensal em dívida, com o mínimo de 25 até ao
efectivo e integral pagamento, sem prejuízo de escolha de outra opção de pagamento pelo Titular. Sempre que o saldo em dívida for
inferior a 25 o valor do pagamento corresponderá à liquidação integral da dívida. As opções de pagamento mensal possíveis são 5%,
15%, 25%, 50%, 75% ou 100% do saldo em dívida.
c) Número de pagamentos: Variável, em função da opção de pagamento escolhida pelo Titular.
d) Periodicidade de pagamento: Mensalmente é emitido o Extracto de Conta Cartão. A data de pagamento das quantias devidas
ocorre 20 (vinte) dias após a data de fecho e emissão do Extracto de Conta Cartão.
O Titular poderá igualmente optar pelo pagamento de compras de valor unitário igual ou superior a 100,00 €, selecionadas por si,
através da modalidade “PagaSIMPLES”, nos termos e condições constantes do Anexo I.
5 O Titular goza do direito de receber a seu pedido e sem qualquer encargo, a todo o tempo e ao longo do período de vigência do
contrato, uma cópia do quadro da amortização do limite de crédito utilizado.
6. Limite de Crédito: O indicado na 1ª página.

ANEXO I - Condições Específicas da Modalidade PagaSIMPLES


1. O PagaSIMPLES consiste numa modalidade de pagamento através da qual o Titular do Cartão poderá proceder ao pagamento ao
Banco das compras de valor unitário igual ou superior a 100,00€, selecionadas por si e resultantes da utilização do Cartão de Crédito,
em prestações mensais, iguais e sucessivas de capital, juros e impostos, nos termos de um plano PagaSIMPLES.
2. O Titular poderá optar por fracionar o pagamento de uma compra até à data de fecho do Extrato de Conta Cartão em aberto, pelo
prazo de pagamento escolhido e à Taxa Anual Nominal (TAN) acordada em função das condições que estiverem em vigor em cada
momento.
3. Não poderão, no entanto, ser selecionadas compras com data-valor posterior ao dia referido no número 2, ainda que as mesmas
tenham sido realizadas em data anterior.
4. A constituição efetiva do plano PagaSIMPLES ocorre na data de fecho do Extrato de Conta Cartão. O Titular poderá até à referida
data alterar o prazo ou anular a sua instrução de constituição do Plano PagaSIMPLES, sem incorrer em qualquer encargo.
5. Após a constituição efetiva de um plano PagaSIMPLES, as prestações estabelecidas constarão do Extrato de Conta Cartão, emitido
com periodicidade mensal, sendo aplicada a Taxa Anual Nominal (TAN) correspondente ao prazo de pagamento escolhido.
6. A cada compra selecionada pelo Titular para ser paga nesta modalidade corresponderá um plano PagaSIMPLES.

MOD. 085 - 01/10/2019 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO Pág. 5/7


7. Cada Conta Cartão só poderá ter a decorrer em simultâneo no máximo 10 (dez) planos PagaSIMPLES.
8. O valor de cada prestação a pagar pelo Titular no âmbito do plano PagaSIMPLES será adicionado ao montante do pagamento
mínimo ou da prestação fixa (quando aplicável), consoante a modalidade de pagamento do saldo do Extracto de Conta Cartão que
tenha sido escolhida pelo Titular.
9. No decurso de um plano PagaSIMPLES, o Titular poderá alterar o prazo de pagamento escolhido, incrementando ou reduzindo o
número de meses, até ao limite do prazo máximo disponível a cada momento. No caso de aumento do prazo de pagamento poderá
haver lugar à cobrança adicional de Imposto do Selo sobre Utilização de Crédito (ISUC).
10. O Titular pode, a qualquer momento, cancelar o plano PagaSIMPLES, caso em que a instrução será agendada para a data de
fecho do Extrato de Conta Cartão em aberto, ocorrendo o débito em Conta Cartão da prestação a decorrer e do capital em dívida
remanescente, que passará a integrar o Extracto de Conta Cartão seguinte, sendo pago ao Banco nas condições nele estabelecidas.
11. O Titular poderá ainda optar por reembolsar antecipadamente um plano PagaSIMPLES, caso em que a instrução será executada
de imediato, por débito na Conta de Depósitos à Ordem associada à Conta Cartão do capital em dívida remanescente, acrescido de
juros diários, contados desde o dia de vencimento da última prestação, e do respetivo Imposto do Selo.
12. Se o Titular não efectuar o pontual pagamento das importâncias inscritas para pagamento no Extracto de Conta Cartão, poderá o
Banco declarar o vencimento antecipado da totalidade das prestações vincendas do plano PagaSIMPLES, caso existam.
13. A constituição, consulta, alteração, cancelamento ou reembolso antecipado de planos PagaSIMPLES podem ser efectuados
através da App Santander Totta, do Netbanco Particulares ou em qualquer Balcão Santander Totta.
14. Em tudo o que for omisso nas condições que antecedem aplicar-se-ão as Condições de Utilização do respectivo Cartão de
Crédito.
Preçário aplicável
1. Planos PagaSIMPLES:
Prazo (meses) Montante mínimo TAN (1) 2. Comissão de constituição de plano: 0,5%
3 100,00€ 5,50% 3. Comissão mensal de processamento: Isento
6 250,00€ 5,50% 4. Comissão de alteração do prazo de pagamento: 7,50€
9 250,00€ 5,50% 5. Comissão de cancelamento / reembolso antecipado do
12 250,00€ 5,50% plano: Se o prazo vincendo for superior a 1 ano, 0,5%; caso
24 500,00€ 5,50% contrário, 0,25%
36 750,00€ 5,50%
(1) Taxa Anual Nominal (Convenção de cálculo 30/360) Ao valor das Comissões acresce o Imposto do Selo à taxa legal
em vigor de 4% (TGIS 17.3.4).
Os planos PagaSIMPLES estão sujeitos a Imposto do Selo sobre Utilização de Crédito (ISUC), cobrado no momento da sua
constituição, de acordo com as taxas legais em vigor:
- Prazo < 1 ano – 0,192% por cada mês (TGIS 17.2.1)
- Prazo ≥ 1 ano – 2,40% (TGIS 17.2.2)
ANEXO II - Encargos devidos pela utilização do Cartão
1. Adiantamentos a crédito (1):
Por cada operação de adiantamento de numerário a crédito (cash advance), nos termos estabelecidos na Cláusula V – 2 das
Condições Gerais, e nos casos de adiantamento a crédito por transferência para a Conta de Depósitos à Ordem associada ao Cartão,
como remuneração pela prestação dos serviços de concessão imediata de crédito em numerário e como retribuição do crédito
concedido, serão debitadas ao Titular as seguintes comissões e encargos por operação (as percentagens incidem sobre o valor da
operação):
Adiantamento de numerário a crédito Espaço Económico Europeu (EEE)
Resto do Mundo
(cash advance): em Euro, Coroa sueca e Leu romeno
Caixas Automáticos 2,50% + 2,50€ 2,50% + 2,50€
Balcões dos Bancos 2,50% + 3,00€ 2,50% + 3,00€
Transferência da Conta Cartão para a Conta de Depósitos à Ordem: 2,50% + 2,50€
2. Comissão sobre operações de pagamento de bens e serviços efectuadas no EEE em Euros, Coroa sueca e Leu romeno(1): Isento.
3. Comissão de processamento de transacções efectuadas no Resto do Mundo sobre operações de pagamento de bens e serviços e
adiantamento de numerário a crédito (cash advance)(1): 2,00%
4. Comissão de Câmbio em operações de pagamento de bens e serviços e adiantamento de numerário a crédito (cash advance) em
moedas diferentes de Euro, Coroa Sueca e Leu Romeno(1): 1% sobre o valor da operação ou levantamento.
5. Comissão de disponibilização de cartão de crédito (1): 1.º Titular - 5,40€; Outro(s) Titular(es) - 5,40€
Cobrada em prestações mensais no valor de 0,45€.
6. Taxa de Juro (Convenção de cálculo de juros: 30/360)
Taxa Anual Nominal (TAN) (1): 9,90%
Limite Crédito 500 € 750 € 1 000 €
TAEG (a) 13,4% 12,6% 12,3%
Juro diário (b) 0,14€ 0,21€ 0,28€
Montante total imputado
.534,50€ .798,96€ 1.063,42€
ao Titular (c)

(a) Exemplo para uma utilização do limite de crédito com reembolso em 12 (doze) pagamentos mensais, incluindo os encargos
aplicáveis e os impostos legais em vigor
(b) Considerando uma utilização total do limite de crédito
(c) O montante total imputado ao Titular, previsto na alínea g) do n.º 3 do Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009
7. Taxa de Juro de Mora (1): Taxa remuneratória acrescida da sobretaxa máxima legal, que neste momento é de 3%.

MOD. 085 - 01/10/2019 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO Pág. 6/7


8. Outras Comissões e Encargos
- Recuperação de Valores em Dívida(1): 4% sobre - 2.ª via Extracto Conta Cartão(1): 10,00 €
a prestação devida e não paga com o mínimo de - 2.ª via Factura / Descritivo Movimento Rede MB(4): 15,00 €
12,00 € e o máximo de 150,00 € - Listagem de Movimentos Rede Multibanco(4):
- Correcção de Pagamento(1): 15,00 € Movimentos com antiguidade até 90 dias: 15,00 €
- Limite de Crédito Excedido (1): 2,50 € por ocorrência; Movimentos com antiguidade de 91 a 365 dias: 30,00 €
valor máximo de cobrança de 5,00 € por extracto. Movimentos com antiguidade superior a 365 dias: 60,00 €
- Substituição de Cartão (1)(2): 20,00 € - Serviços de Emergência no Estrangeiro Select (1)(3):
- Cancelamento de Cartão (Lista Negra)(1): N/A Substituição do Cartão: 50,00 €
- Desvio de Cartão e PIN(1): 10,00 € Adiantamento de dinheiro: 150,00 €
- Reatribuição de PIN: 9,50 €

(1) Acresce o Imposto do Selo sobre a utilização de crédito, juros e comissões às taxas legais em vigor. (2) Não aplicável nos casos
em que a substituição do cartão resultar de qualquer uma das situações seguintes: (i) Bloqueio do cartão por iniciativa do Banco,
designadamente por motivos relacionados com: a) a segurança do cartão; b) a suspeita de utilização não autorizada ou fraudulenta do
cartão; c) o aumento significativo do risco de o titular não poder cumprir as suas obrigações, caso o cartão tenha um limite de crédito
associado; (ii) Captura do cartão em Caixa Automático Multibanco ou Terminal de Pagamento Automático; (iii) Não recepção pelo
titular do cartão enviado pelo Banco; (iv) Razão não imputável ao Cliente, nomeadamente devida a falha ou avaria do sistema ou por
defeito ou anomalia do cartão. (3) Disponível apenas para Clientes Select. (4) Acresce IVA à taxa legal em vigor.

MOD. 085 - 01/10/2019 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PLANO Pág. 7/7

Você também pode gostar