Você está na página 1de 129

MANUAL

São Paulo, a cidade


amiga do empreendedor
INTRODUÇÃO
Este Manual tem o objetivo de auxiliar o empreendedor paulistano com o preenchimento das etapas
percorridas para a abertura e licenciamento de empresas no município, diante do projeto Empreenda Fácil.

O grande foco é a desburocratização do processo, com a redução do tempo de abertura de empresas.


Para isso, o empreendedor passa por seis etapas em plataformas que ligam sistemas federal, estadual
e municipal, que se conectam através de número de protocolosAliado a esse objetivo, as atividades
econômicas no município passam a ser divididas de acordo com o risco que geram, de acordo com os
Decretos Municipais 57.298/16 e 57.299/16, em duas categorias:

• Baixo risco: atividades com baixo potencial de riscos em que o empreendedor se responsabiliza
pelo seu controle, de forma auto declaratória. O poder público mantém seu papel de fiscalização,
depois da emissão da licença.

• Alto risco: atividades geradoras de riscos que precisam ser avaliadas pelo poder público antes da
emissão da licença.

O fluxo abaixo resume o processo de abertura e licenciamento de empresas que passará a ser realizado no
Munícipio de São Paulo para as empresas consideradas de baixo risco. As empresas classificadas como
alto risco passarão pelos mesmos trâmites que já ocorrem atualmente e serão incorporadas ao sistema em
etapas posteriores.

1. Análise de 2. Inscrição na 3. Registro na 4. Registro no 5. Licenciamento 6. Licenças


Viabilidade Receita Federal Junta Comercial Município Municipal* Estaduais
1. Plataforma: RLE 1. Plataforma: Coletor 1. Plataforma: VRE (Via 1. Plataforma: CCM (Cadastro 1. Plataforma: RLE (Sistema 1. Plataforma: VRE (Via
(Sistema de Registro Nacional. Rápida Empresa). de Contribuintes Mobiliários). de Registro e Licenciamento Rápida Empresa)
e Licenciamento de 2. Requisitos necessários: de Empresas). 2. Objetivo: Detalhamento
Empresas). das informações
• Protocolo REDESIM 2. Requisitos necessários: 2. Requisitos necessários:
(resultado da etapa 1). 2. Requisitos necessários: preenchidas para obtenção
• Número de Telefone e e-mail do de licenças específicas do
2. Requisitos necessários: • Identificação da PJ Identificação e o contribuinte. CNPJ ou NIRE (resultados da estado.
• Dados do solicitante (Nome e Capital Recibo etapa 3). Impressão, assinatura
Telefone do contador.
(Nome, CPF, endereço, Social) e digitalização da declaração
• Identificação da PJ
telefone, e-mail). • Objeto Social. (Nome, Atividade de responsabilidade. Essa seção não está
• Dados do Econômica, Objeto e 3. Resultado: Caso a análise detalhada neste arquivo,
• Endereço da PJ. mas há uma indicação para
estabelecimento (CEP, Capital Social). seja deferida, o CCM é
• Telefone e e-mail para desbloqueado. 3. Resultado: Caso o consulta ao canal específico
endereço, inscrição • Dados do processo esteja devidamente
imobiliária). contato. da Junta Comercial do
estabelecimento (CEP, finalizado, é emitido o Auto de Estado de São Paulo
• Atividade econômica • Dados do endereço, inscrição Licença de Funcionamento, (JUCESP) no detalhamento.
pretendida. representante e dos imobiliária). que permite a atuação da
sócios da empresa. empresa.
• Dados do
• Porte da empresa. representante e dos
3. Resultado: Caso a *Para empresas de baixo risco.
análise ofereça resultado • Para casos sócios da empresa.
passível ou não executado específicos: dados do • Pagamento de DARF
e seja aceita, é gerado o contabilista e licença e DARE.
protocolo REDESIM. CETESB.

3. Resultado: Caso a 3. Resultado: Caso a


análise seja deferida, são análise seja deferida, são
gerados o Número de gerados o CNPJ e o NIRE.
Identificação e o Recibo.

2
SUMÁRIO GERAL
SEÇÃO 1 – ANÁLISE DE VIABILIDADE 4

SEÇÃO 2 – INSCRIÇÃO NA RECEITA FEDERAL 37

SEÇÃO 3 – REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL 63

SEÇÃO 4 – REGISTRO NO MUNICÍPIO 86

SEÇÃO 5 – LICENCIAMENTO MUNICIPAL 99

SEÇÃO 6 – LICENÇAS ESTADUAIS 122

GLOSSÁRIO, LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 125

3
MANUAL

Seção 1
ANÁLISE DE VIABILIDADE
ANÁLISE DE VIABILIDADE
Objetivo: Ao final dessa etapa, espera-se que a análise sobre a possibilidade de exercer as atividades
econômicas pretendidas no local desejado esteja concluída. Em caso positivo, é possível dar sequência no
processo digitalmente, prosseguindo para a etapa de Inscrição na Receita Federal.

Como acessar: O acesso é feito pelo Sistema de Registro e Licenciamento de Empresas (RLE — https://rle.
empresasimples.gov.br/rle/). No sistema, será preciso realizar um cadastro na seção “Primeiro Acesso”.

Etapas preenchidas: É preciso preencher as informações sobre dados da empresa (atividades econômicas;
classificação entre produtivas e/ou auxiliares); e sobre o estabelecimento (CEP e inscrição imobiliária). Caso
seja necessário reescrever algum dado, é possível refazer a solicitação.

O sistema leva poucos minutos para processar a análise de viabilidade, indicando se o resultado foi passível,
não passível ou não executado. Caso tenha sido passível ou não executado, pode-se prosseguir para a
etapa seguinte.

Resultado: Caso a análise ofereça resultado passível ou não executado e seja aceita, é gerado o protocolo
REDESIM.

Página inicial do sistema RLE

5
SUMÁRIO
1. O processo no Munícipio de São Paulo: Análise da Viabilidade de Localização (uso do solo)  7

1.2.1. UF 10

1.2.2. Dados da Empresa  11

1.2.3. Caso a Resposta seja Não  14

1.2.4. Caso a resposta seja sim - Dados do Estabelecimento 16

1.2.5. Confirmação dos Dados para remeter à Consulta de Viabilidade 22

1.2.6. Pendências 23

2. Aguardando Retorno da Análise de Viabilidade de Localização 32

3. Cancelando Solicitação 34

1. Coletor Nacional 40

6
1. O processo no Munícipio de São Paulo:
Análise da Viabilidade de Localização
(uso do solo)

1.1. Primeiro acesso ao sistema RLE (Cadastro do usuário)

Para utilizar o Sistema de Registro e Licenciamento de Empresas (RLE), basta acessar o link:
https://rle.empresasimples.gov.br/rle/.
Para realizar o cadastro inicial no sistema, mantenha a opção “Cidadão” selecionada e clique em “Primeiro
Acesso”, opção localizada no canto direito inferior:

Ao clicar na opção “Primeiro Acesso”, o sistema apresentará um quadro para a coleta das informações
pessoais:

Preencha todos os campos do quadro, e por motivo de segurança, os dados são conferidos com a base
de dados da Receita Federal. Observe que os campos com o asterisco (*) são de preenchimento obrigatório
e o símbolo de “?” ao lado pode auxiliar no entendimento.

7
IMPORTANTE:

O campo ‘Nome da Mãe’ não possui o símbolo que indica o preenchimento obrigatório. Porém,
caso conste no Cadastro da Pessoa Física (CPF) do usuário, o preenchimento desse campo no
RLE passa a ser obrigatório.

Após o preenchimento das informações, clique em ‘Salvar’.


O sistema o redirecionará à página inicial do RLE. Uma mensagem indicará que o cadastro foi realizado com sucesso.
Em próximos acessos, uma vez que o cadastro inicial foi realizado e concluído, basta inserir login e senha e
acessar o sistema que poderá ocorrer de duas formas: Número do CPF ou Certificado Digital.

a. Número do CPF:
Nesse caso, basta digitar CPF e senha informados no cadastro inicial, com a opção ‘Cidadão’
selecionada.

b. Certificado Digital:
Nesse caso, clique em “Use seu certificado digital”, também com a opção “Cidadão” selecionada.

8
Em seguida, digite o respectivo “PIN”, e após em “OK”. Em caso de dúvida, consulte o Guia de Uso
de Certificado Digital na página inicial do RLE.

1.2. Preenchimento

Para iniciar o processo de abertura de empresas, é preciso fornecer alguns dados para que o processo de
viabilidade envie uma consulta às regras de uso e ocupação do solo automatizadas pela Prefeitura de São Paulo.

IMPORTANTE:

É na fase de viabilidade que a Prefeitura permitirá que se prossiga no sistema para a etapa seguinte
de registro e inscrições da empresa. Atente-se aos dados informados: a omissão destes ou
declarações falsas pode levar à negação da viabilidade pela administração pública, impedindo a
continuidade do processo..

Para iniciar o pedido, clique no menu localizado no canto esquerdo superior (“Solicitar”) e em seguida
em “Abertura de Empresa”.

9
Feito isso, será redirecionado à tela “Abrir empresa”, onde deve clicar em “Nova Solicitação”, no lado
esquerdo superior da página.

IMPORTANTE:

O sistema apresenta dois blocos: “Meus rascunhos” e “Minhas solicitações em andamento”. O


primeiro contém os processos já iniciados e não finalizados pelo cidadão. Se, durante o processo, o
cidadão fechar a janela, perder sua conexão, ou, por qualquer outro motivo sair do sistema, tudo o
que preencheu será salvo automaticamente. Dessa forma, basta acessar novamente o sistema,
clicar no último rascunho feito e continuar o preenchimento de onde parou.

O bloco “Minhas solicitações em andamento” contém os processos finalizados pelo usuário, mas
está aguardando resposta de algum órgão. O ícone permite que se consulte o andamento da
solicitação. Já o ícone permite que o cidadão edite as informações do pedido.

1.2.1. UF

Ao iniciar uma “Nova Solicitação” habilitará uma caixa para seleção da Unidade Federativa (UF) aparecerá
no centro da tela. Nesse caso, selecione “SP” e clique em “Confirmar”.

10
1.2.2. Dados da Empresa

As primeiras informações a serem inseridas no sistema referem-se ao responsável pela solicitação


de abertura da empresa. Observe que o responsável pode ser um contador ou outro representante do
empresário e é quem deve fornecer os dados para cadastro: telefone e e-mail para contato.
É necessário selecionar a declaração que atesta que a consulta de viabilidade se destina, exclusivamente,
à abertura de empresa, selecionando a caixa com essa frase.

A próxima informação diz respeito às atividades econômicas pretendidas pela empresa de acordo com o
código de identificação denominado CNAE1. Indique qual(is) atividade(s) será(ão) exercida(s) pela empresa
clicando em “Editar CNAEs”.

Para selecionar as atividades da empresa, há dois filtros que podem ser utilizados como forma de auxiliar a
busca: por código CNAE ou palavra da descrição CNAE.

a. Por código CNAE:


Insira o número do código de acordo com a classificação do IBGE e em seguida clique em
“Consultar”. O quadro “lista de CNAEs” trará as respostas da busca. Uma vez encontrada(s) a(s)
CNAE(s) desejada(s), clique no ícone e em seguida em “Confirmar”.
Caso queira apagar alguma CNAE selecionada, clique no ícone .

1
Classificação Nacional de Atividades Econômicas, trata-se da classificação oficial adotada pelo Sistema Estatístico Nacional do Brasil.
Para mais informações acesse: http://concla.ibge.gov.br/concla-apresentacao

11
b. Por palavra da descrição CNAE:
Insira a palavra-chave da atividade a ser desenvolvida. O quadro “lista de CNAEs” trará as respostas
da busca. Uma vez encontrada(s) a(s) CNAE(s) desejada(s), clique no ícone e em seguida em
“Confirmar”.
Caso queira apagar alguma CNAE selecionada, clique no ícone .

IMPORTANTE:

CNAES com o final “99” não descrevem de maneira satisfatória a atividade pretendida. Caso seja
escolhida alguma atividade com o respectivo código, será aberto um novo campo para descrição
detalhada da atividade a ser exercida. Após o preenchimento da descrição, selecione “Concluir”.

12
O sistema apresentará um painel com todas as CNAEs selecionadas, inclusive as que exigiram maior
detalhamento e respectiva descrição complementar. Para prosseguir, clique em “Confirmar”.

Uma vez inserida(s) a(s) CNAE(s) da empresa, responda à pergunta que diz respeito ao local em que será
desenvolvida a atividade: A empresa vai ter estabelecimento?

a. Não. (No caso de a empresa não ter um estabelecimento):


Selecione a opção “Não” à pergunta “A empresa vai ter estabelecimento? ” e selecione qual(is)
opção(ões) melhor se encaixa(m) ao seu processo clicando nas caixas de escolha 1.2.3: Caso a
Resposta seja Não.

b. Sim. (No caso de a empresa ter um estabelecimento):


Isso significa que há um imóvel totalmente dedicado para realizar as operações da empresa.
Siga para a seção 1.2.4: Caso a resposta seja sim - Dados do Estabelecimento.

13
1.2.3. Caso a Resposta seja Não

Caso a atividade pretendida seja exercida em local público, será aberto um campo para selecionar declaração
de ciência quanto à obtenção de Permissão de Uso específica para o caso de espaço público junto à
Prefeitura Municipal, que deve ser selecionado para dar prosseguimento ao processo

O sistema coletará as informações referentes ao domicílio do sócio ou titular, com o objetivo de estabelecer
contato com o cidadão através do envio de correspondências. Todos os campos com asterisco (*) são de
preenchimento obrigatório.

IMPORTANTE:

Inclua os números da inscrição imobiliária (IPTU ou INCRA). Para isso, clique em “Editar inscrições”
e preencha as informações em nova janela.

Observe que ao digitar uma inscrição, é preciso acionar a opção “Incluir”. No caso de o
estabelecimento possuir mais de um cadastro imobiliário, poderá ser informado mais de um número
de inscrição. Vale reforçar que, nos casos de mais de uma inscrição, essas devem ser do mesmo
lote fiscal e com imóveis contíguos.

Caso seja necessário excluir alguma inscrição, clique no ícone .

14
O formato do SQL (número da inscrição imobiliária) deve ser respeitado, sendo composto de 11
algarismos. Não deverão ser inseridas letras ou caracteres especiais.

Após a inclusão da inscrição imobiliária, selecione “Confirmar” e, retornando à tela do sistema,


clique no ícone , selecionando a inscrição principal.

Na análise de viabilidade o endereço confirmado será de acordo com o IPTU fornecido, então vale salientar
que a indicação da inscrição imobiliária será o parâmetro do endereço a ser registrado para empresa.
Somente as solicitações com inscrição(s) de IPTU válida(s) serão enviadas para a próxima etapa.

Após a inserção dos dados do(s) cadastro(s) imobiliário(s), deve-se clicar em “Continuar”.

Com o preenchimento das informações concluído, uma página resumo trará as informações disponibilizadas.
Leia atentamente e, se estiver de acordo, selecione “Enviar para análise”. Caso contrário, selecione “Voltar”
e faça as alterações necessárias.

15
1.2.4. Caso a resposta seja sim - Dados do Estabelecimento

Selecione a opção “Sim” à pergunta “A empresa vai ter estabelecimento?” e, caso existam, selecione
qual(is)... opção(ões) melhor se encaixam ao seu processo clicando nas caixas de escolha. Em
seguida, clique em “Continuar”. Essas opções não são obrigatórias. Marque somente caso seja a
realidade do seu estabelecimento.

Caso a atividade pretendida seja exercida em local público, será aberto um campo para selecionar
declaração de ciência quanto à obtenção de Permissão de Uso específica para o caso de espaço público
junto à Prefeitura Municipal, que deve ser selecionado para dar prosseguimento ao processo.

16
A próxima etapa será para informar os dados do(s) estabelecimento(s) da empresa. Para isso, clique na
opção “Adicionar estabelecimento”.

Feito isso, o sistema direcionará para a página de preenchimento que se refere aos dados de endereço do
estabelecimento. Observe que os campos com o asterisco (*) são de preenchimento obrigatório e o símbolo
de “?” ao lado pode auxiliar no entendimento.

17
IMPORTANTE:

Ao preencher o campo “CEP”, o sistema trará os dados de “Munícipio”, “Tipo logradouro”,


“Logradouro” e “Bairro” automaticamente.

Caso não saiba o CEP do estabelecimento, clique sobre “Não sei meu CEP”.

Caso o preenchimento do campo “CEP” não traga as informações citadas, será possível escrevê-las
manualmente. Assim, evite abreviações como “Prof.” ou “Av.” para que não gere inconsistências na
consulta.

Vale salientar que a Prefeitura irá confirmar o seu endereço de acordo com a ‘Inscrição imobiliária’
informada como principal, por isso se o endereço fornecido for distinto do cadastro do imóvel que
estiver no IPTU, o sistema retornará o endereço completo para prosseguir ao cadastro da empresa.

IMPORTANTE:

Considere, como partes da “área do estabelecimento”, todas as áreas que compõem o


estabelecimento, incluindo estacionamento, garagem, depósitos, entre outros.

No caso de “Complemento”, clicando em “Adicionar Complemento”, uma caixa aparecerá na tela para
inclusão das informações, podendo ser incluídos no máximo 6 (seis) complementos. Após a escolha do
complemento e edição, clique em “Incluir” e em seguida “Confirmar”.

18
IMPORTANTE:

Inclua os números da inscrição imobiliária (IPTU ou INCRA). Para isso, clique em “Editar inscrições”
e preencha as informações em nova janela.

Observe que ao digitar uma inscrição, é preciso acionar a opção “Incluir”. No caso de o
estabelecimento possuir mais de um cadastro imobiliário, poderá ser informado mais de um número
de inscrição. Vale reforçar que, nos casos de mais de uma inscrição, essas devem ser do mesmo
lote fiscal e com imóveis contíguos.

Caso seja necessário excluir alguma inscrição, clique no ícone .

O formato do SQL (número da inscrição imobiliária) deve ser respeitado, sendo composto de 11
algarismos. Não deverão ser inseridas letras ou caracteres especiais.

Após a inclusão da inscrição imobiliária, selecione “Confirmar” e, retornando à tela do sistema,


clique no ícone , selecionando a inscrição principal.

Na análise de viabilidade o endereço confirmado será de acordo com o IPTU fornecido, então vale salientar
que a indicação da inscrição imobiliária será o parâmetro do endereço a ser registrado para empresa.
Somente as solicitações com inscrição(s) de IPTU válida(s) serão enviadas para a próxima etapa.

Na sequência, deve-se identificar como se classifica o estabelecimento entre: produtivo, auxiliar


ou ambos.

19
a. Tipo Produtivo: é o estabelecimento que desenvolve apenas as atividades econômicas no local e
estas representam aquelas que geram recursos financeiros e lucratividade à empresa.

Caso o estabelecimento se enquadre nessa categoria, deve-se indicar se a(s) atividade(s)


desenvolvida(s) no estabelecimento será(ão) a(s) mesma(s) indicada(s) para a empresa, respondendo
com ‘Sim’ à pergunta “As atividades do estabelecimento serão as mesmas da empresa?”

Porém, caso a(s) atividade(s) desenvolvida(s) no estabelecimento não seja(m) a(s) mesma(s), responda
“Não” e o sistema abrirá campo para indicar quais as atividades serão efetivamente exercidas no
estabelecimento. Após selecioná-las na caixa de opção, clique em “Confirmar”.

b. Tipo Auxiliar: é o estabelecimento que desenvolve apenas atividades auxiliares à(s) atividade(s)
produtiva(s) exercida(s) pela empresa. Nesse caso, selecione qual(is) será(ão) a(s) atividade(s) auxilir(es)
exercida(s) no estabelecimento, e na sequência clique em “Confirmar”.

Existindo dúvida sobre alguma atividade auxiliar, clique em “Mais informações” para obter melhor
detalhamento.

20
c. Tipo Produtivo e Auxiliar: é o estabelecimento que desenvolve atividade(s) produtiva(s) e de apoio.
Nesse caso, além da atividade produtiva, selecione qual(is) atividade(s) auxiliar(es) será(ão) exercida(s)
no estabelecimento, e na sequência clique em “Confirmar”.

Existindo dúvida sobre alguma atividade auxiliar, clique em “Mais informações” para obter melhor
detalhamento.

Em seguida, o sistema retornará para a tela da aba inicial de “Estabelecimentos”, com o resumo chamado
“Informações sobre estabelecimento(s)”.

Caso, além da matriz, a empresa venha a ter filiais, o procedimento descrito acima deverá ser repetido até
que todos os estabelecimentos sejam incluídos.

Ao terminar esse passo, clique em “Continuar” e prossiga para a próxima etapa.

21
1.2.5. Confirmação dos Dados para remeter à Consulta de Viabilidade

Preenchidas as informações, o sistema prosseguirá para a aba “Confirmação da Viabilidade”. Nesta fase,
apresenta-se o resumo de todas as informações preenchidas até o momento.

Para correção de dados, clique em “Voltar” e corrija eventuais necessidades. Caso os dados estejam em
conformidade, clique em “Enviar para análise”.

22
1.2.6. Pendências

Caso existam campos que não estejam em preenchidos, a aba “Pendências” listará eventuais dados não
informados ou incompatíveis com as regras do sistema. Havendo pendências, clique em “Voltar” e corrija
as informações indicadas na aba correspondente. O ícone permite editar os campos novamente.

Quando não houver mais pendências, ao clicar em “Enviar para análise”, o sistema exibirá uma mensagem
confirmando o envio da solicitação, gerando um número de protocolo. Nesse momento a prefeitura receberá
o pedido de análise da Viabilidade.

23
Leia atentamente as informações, registre o número do protocolo em segurança e acompanhe o processo
através do seu painel de solicitações na página inicial.

Para consultar o status da sua solicitação imediatamente, clique no ícone “Consultar Solicitação”. Como a
análise de viabilidade (uso e ocupação do solo) é automatizada, verifique antes de sair do sistema se já não
houve retorno para sua solicitação.

Em seguida, clique no ícone “Acompanhar viabilidade”.

24
Para entendimento do status, siga para a seção 1.3 Acompanhando Análise.

1.3. Acompanhando Análise


O sistema direcionará para um painel com o status da(s) análise(s) de viabilidade que poderá apresentar as
seguintes informações:

Em andamento: aguarde o resultado consultando periodicamente o sistema. A consulta apresenta


situação “Em andamento” da análise de Viabilidade, ou seja, não terá nada habilitado para a tomada
de decisão.

IMPORTANTE:

Lembre-se que a análise de viabilidade ocorre de forma automatizada na Prefeitura de São Paulo
(sem interação manual). Dessa maneira, o retorno será dado pelo próprio sistema.

Assim, o usuário poderá recebê-la imediatamente ou dentro de alguns minutos, então recomenda-se
que o mesmo aguarde ou retorne ao sistema posteriormente.

Reprovada – Não Passível: fica a critério do cidadão iniciar nova solicitação de viabilidade, desde que
os dados a serem analisados não sejam idênticos aos da solicitação anterior. Para isso, é preciso voltar e
recomeçar desde o princípio, mas neste caso o sistema permite que os dados da situação anterior sejam
utilizados, facilitando as alterações. Para isso, selecione “Refazer Viabilidade”.

25
É possível entender os motivos da reprovação. Ao clicar em “Ver motivos”, o sistema apresentará um
quadro com as razões da negativa. Clique no “X” para fechar a caixa.

Não executada: Não houve ainda uma análise conclusiva sobre o caso. Nesse caso, é recomendado
verificar pessoalmente na Prefeitura Regional relacionada ao SQL pretendido (o endereço das
Prefeituras Regionais pode ser encontrado aqui). Antes de prosseguir e depois refazer a solicitação.
É possível ver as justificativas por trás da não execução: para isso, clique em “Ver justificativas”.

26
IMPORTANTE:

Se o retorno da Prefeitura sugerir, dentro do campo “endereço confirmado” um endereço diferente


do “indicado”, este estará destacado na cor laranja para fácil visualização, cabendo ao empreendedor
aceitar ou não a análise. No caso de aceitar a alteração, o endereço sugerido no campo “endereço
confirmado” será o considerado para registro da empresa.

Mesmo a análise não sendo executada, é possível seguir com a aceitação da mesma. Para isso, siga para
a seção 1.4 “Aceitando Análise”.

Ao mesmo tempo, é possível refazer a viabilidade, preenchendo as informações complementares e clicando


no ícone “Refazer viabilidade”. Para isso, siga para a seção 1.5. “Refazendo Viabilidade”.

Aprovada - Passível: Se desejar prosseguir para a etapa de registro, avance para a seção 1.4
“Aceitando Análise”.

27
IMPORTANTE:

Se o retorno da Prefeitura sugerir um endereço diferente, este estará destacado na cor laranja para fácil
visualização do empreendedor ou seu representante, cabendo ao mesmo aceitar ou não a análise. No
caso de aceitar a alteração, o endereço sugerido será o considerado para registro da empresa.

Aprovada com Restrição de Operação (notas explicativas): a atividade pode ser exercida no local
pretendido, porém deverá cumprir determinadas regras, como o horário de funcionamento específico
naquela localidade.

Para avaliar as regras a serem cumpridas, clique em “Ver restrições”, e uma caixa saltará à tela. Ao
aceitar as restrições, o cidadão terá ciência de que deverá cumprir determinadas regras ao instalar a
atividade no local indicado.

28
IMPORTANTE:

Se desejar prosseguir para a etapa de registro, feche a tela de restrições clicando no “X” e avance para
a seção 1.4: “Aceitando Análise”.

IMPORTANTE:

Se o retorno da Prefeitura sugerir um endereço diferente, este estará destacado na cor laranja para fácil
visualização do empreendedor ou seu representante, cabendo ao mesmo aceitar ou não a análise. No
caso de aceitar a alteração, o endereço sugerido será o considerado para registro da empresa.

O exemplo abaixo traz um caso em que algumas atividades foram aprovadas enquanto outras foram
reprovadas. Nesse caso, é possível aceitar a análise ou refazer a viabilidade.

29
a. Aceitar Análise: Caso concorde com o parecer e opte por aceitar a análise, mesmo havendo
restrições e atividades indeferidas na solicitação. Siga para a 1.4. “Aceitando Análise”.

b. Refazer a Viabilidade: Caso não concorde com a alteração de endereço ou mesmo com os resultados
de cada atividade, poderá optar por refazer a Viabilidade. Siga para a seção 1.5. “Refazendo
Viabilidade”.

1.4. Aceitando Análise

IMPORTANTE:

Após aceitar a análise, não será mais possível cancelar a solicitação. Caso queira cancelar alguma
solicitação antes do aceite da análise, siga para a seção 3. Cancelando Solicitação

Para aceitar análise, é preciso preencher as “Informações complementares para o registro”, com a Natureza Jurídica
da Empresa e a atividade principal da mesma. É preciso também clicar no ícone dentro da coluna “Matriz”.

Em seguida, clique em “Aceitar Análise”.

Uma caixa irá surgir na tela confirmando o aceite. Para prosseguir, clique em “Sim”.

Uma página com o resumo da solicitação estará disponível, já com o link para a etapa 2. Inscrição na Receita
Federal – onde está destacado Coletor Nacional.

30
1.5. Refazendo Viabilidade

Preencha as “Informações complementares para o registro”, com a Natureza Jurídica da Empresa e sua
atividade principal. É preciso também clicar no ícone dentro da coluna “Matriz”.

Em seguida, clique em “Refazer Viabilidade”.

Duas caixas de confirmação aparecerão na tela, em sequência. Para prosseguir, clique em “Sim” em ambas.

O sistema o redirecionará para a primeira tela do sistema, com os mesmos dados já preenchidos. Nesse
caso, é importante seguir com as alterações para refazer a viabilidade, conforme passo-a-passo na seção
1.2.2. Dados da Empresa.

31
2. Aguardando Retorno da Análise de
Viabilidade de Localização

Em próximos acessos, o resultado do pedido de Viabilidade de Localização pode ser conferido de duas formas:
menu “Consultar” ou menu “Solicitar”.

a. Menu Consultar:

Em seguida, informe o número de protocolo e clique em “Consultar”.

Após os dados serem apresentados, clique em “Acompanhar viabilidade”.

32
b. Menu “Solicitar”:

Verifique o bloco localizado à direita “Minhas Solicitações em Andamento”. Para acompanhar uma delas,
basta clicar no ícone . Em seguida, clique na opção “Acompanhar Viabilidade”.

IMPORTANTE:

Lembre-se que a análise de viabilidade ocorre de forma automatizada na Prefeitura de São Paulo (sem
interação manual). Dessa maneira, o retorno será dado pelo próprio sistema.

Assim, o usuário poderá recebê-la imediatamente ou dentro de alguns minutos, então recomenda-se que
o mesmo aguarde ou retorne ao sistema posteriormente.

33
3. Cancelando Solicitação

É possível cancelar solicitações antes do aceite das mesmas. Para isso, acesse o sistema através de um
dos modos de busca, descritos na seção 2. Aguardando Retorno da Análise de Viabilidade de Localização,
com um Protocolo RLE. Como a análise ainda não foi aceita pelo empreendedor, haverá a opção “Cancelar
Solicitação”. Clique nela.

IMPORTANTE:

Caso não tenha anotado o seu Protocolo, é possível acessar as solicitações armazenadas pelo sistema
no menu “Consultar” e seção “Solicitações”.

34
Em seguida, uma caixa irá aparecer confirmando o cancelamento. Para confirmar, clique em “Sim”. Caso
clique em “Não”, a tela anterior se repetirá.

Uma nova caixa de confirmação aparecerá, pois é possível realizar uma nova solicitação aproveitando as informações
usadas. Se for o caso, clique em “Não”. Caso clique em “Sim”, siga para a seção 3.1 Copiando Solicitação.

O sistema o reconduzirá à página de preenchimento dos dados da empresa, com os mesmos dados
preenchidos anteriormente para alteração, conforme passo-a-passo da seção 1.2.2. Dados da Empresa.

35
3.1. Copiando solicitação

Caso tenha clicado em “Sim” quando questionado sobre as cópias dos dados, a tela anterior aparecerá com
o ícone “Copiar Solicitação”. Clique nele.

O sistema o reconduzirá à página de preenchimento dos dados da empresa. Prossiga com o preenchimento
dos dados, como descrito a partir da seção 1.2.2: Dados da Empresa.

36
MANUAL

Seção 2
INSCRIÇÃO NA
RECEITA FEDERAL
INSCRIÇÃO NA RECEITA FEDERAL
Objetivo: Ao final desta etapa, é esperado que sejam gerados o Número de Identificação e Recibo, úteis
para o processo seguinte no sistema de registro da Junta Comercial.

Como acessar: O acesso é feito pelo link “Coletor Nacional”, direcionado dentro do sistema RLE, na página
seguinte ao acompanhamento da viabilidade. Já na página ‘Coletor Nacional’, da Receita Federal, selecione
a opção “Já possuo protocolo de viabilidade”.

Etapas preenchidas: As informações solicitadas pela Receita Federal variam de acordo com o tipo de
atividade econômica e natureza jurídica da empresa e estarão destacadas na coluna à esquerda da tela. No
geral, as seções solicitadas são: “FCPJ” (Ficha Cadastral da Pessoa Jurídica); “Quadro de Sócios”; “Estado”
e “Estado/Município”.

Após a conclusão do preenchimento, clique sobre “Verificar Pendências”, na barra superior. Essa seção irá
trazer a lista de itens que precisam ser inseridos e/ou corrigidos. Os destacados com ícone amarelo dizem
respeito a itens opcionais. Aqueles destacados com ícone vermelho devem, obrigatoriamente, ser corrigidos
para finalizar a solicitação.

Resultado: Caso a análise seja deferida, são gerados o Número de Identificação e o Recibo.

Página inicial do sistema REDESIM

38
SUMÁRIO
1. Coletor Nacional 40

1.1. Login 40

1.2. Seção FCPJ  41

1.3. Seção Quadro de Sócios  54

1.4. Seção Estado 56

1.5. Seção Estado/Município 59

39
1. Coletor Nacional

1.1. Login
Já na página ‘Coletor Nacional’, da Receita Federal, selecione a opção “Já possuo protocolo de viabilidade
(Estados AL, MG, PA e município de São Paulo)”.

Dentro do campo “Protocolo de viabilidade”, digite o protocolo REDESIM, gerado dentro do ambiente
‘RLE’ e formado pelas letras SPP e dez algarismos. Clique em “Validar”.

Digite o CPF do responsável pelo registro da empresa no campo “CPF do Representante”. Em seguida,
clique em “Iniciar”.

40
A próxima tela trará dois números que farão parte da sua chave de acesso. Assim, anote-os e mantenha-os
em segurança. Observe que eles também estão aparentes na parte superior da tela.

IMPORTANTE:

Caso perca-os, acesse novamente o sistema RLE, procure pelo seu processo e protocolo REDESIM.
Em seguida, clique no link do Coletor Nacional.

1.2. Seção FCPJ


Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Eventos”.

Na seção “Eventos”, a opção “101 – Inscrição de primeiro estabelecimento” já estará preenchida


automaticamente. Na segunda e terceira barras de opção, selecione:

41
• Indicação de Preposto (Facultativo): Preposto é a pessoa física que pode ser indicada
pelo responsável perante o CNPJ, com a finalidade de assinar o DBE (Documento Básico de
Entrada). A indicação do preposto é de inteira e exclusiva responsabilidade do representante
da empresa no CNPJ e este pode ou não ser integrante do QSA (Quadro de Sócios).
A indicação de preposto não impede o exercício da competência originária do representante
da entidade no CNPJ ou de seu procurador. Mesmo havendo preposto, o representante
da entidade manterá seus direitos e responsabilidades perante o CNPJ que será emitido.
Para mais detalhes, clique aqui e leia o Artigo 7º, § 3º.

• Equiparação, por opção, a estabelecimento industrial: Ocorre quando há um


nivelamento da atividade realizada à uma produção industrial. Esta equiparação é para
fins tributários e está disciplinada no Decreto 7.212/2010 pelo Regulamento do IPI.
Acesse o Decreto clicando aqui.

• Inscrição no Estado: Sendo a atividade econômica de interesse da Secretária da Fazenda do Estado de


São Paulo, a Inscrição Estadual será concedida juntamente com a inscrição no CNPJ.

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Identificação”.

Uma caixa com pergunta de confirmação irá saltar à tela. Clique em “Não”, indicando que o seu pedido
ainda não foi encaminhado à Junta Comercial.

42
Preencha somente os campos com fundo branco: “Nome Empresarial (firma ou denominação)”, “Título
do Estabelecimento (nome de fantasia)” e “Capital Social”.

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Datas dos Eventos”.

É necessário preencher as datas de três eventos: ‘Inscrição de primeiro estabelecimento’; ‘Indicação


de Preposto’; e ‘Equiparação’, por opção, a estabelecimento industrial. Para isso, clique sobre o ícone do
calendário .

43
O sistema apresentará uma página de calendário para que você selecione a data dos eventos. Refaça esse
passo para todos os três eventos.

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Atividade Econômica”.

Essa seção terá as informações levantadas a partir da base do RLE preenchida anteriormente. Não é
necessário preencher nenhuma delas, mas vale confirmar se os dados estão corretos. Em caso de erros,
retorne ao sistema ‘RLE’ e altere o seu cadastro: Seção 1.2.2. Dados da Empresa.

44
IMPORTANTE:

Em caso de erro no código “CNAE”, retorne ao sistema ‘RLE’ e altere o seu cadastro: Seção 1.2.3.
Caso a Resposta Seja Não. Em seguida, retorne ao Coletor Nacional e refaça o preenchimento.

IMPORTANTE:

O campo “Forma de Atuação” vem preenchido conforme cadastro prévio na seção 1. Análise de
Viabilidade, dentro da seção Dados do Estabelecimento.

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Objeto Social”.

45
É preciso fornecer uma descrição do Objeto Social da empresa, com informações sobre as atividades a serem
desenvolvidas pelo empreendedor. Por favor, preencha com detalhes sobre a(s) atividade(s) a ser(em) realizada(s),
com o objetivo de fornecer a descrição exata da(s) mesma(s). Considere que estas devem ser coerentes com a
escolha do CNAE para que não tenham rejeição na análise da Junta Comercial.

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Endereço da Pessoa Jurídica”.

Essa seção terá as mesmas informações preenchidas anteriormente na seção “Viabilidade-RLE” e são
referentes ao endereço do estabelecimento.

IMPORTANTE:

É necessário preencher o campo de referência e vale confirmar se os outros dados estão


corretos. Em caso de erros, retorne ao sistema ‘RLE’ e altere o seu cadastro: Seção 1.2.3.
Caso a Resposta Seja Não. Em seguida, retorne ao Coletor Nacional e refaça o preenchimento.

46
Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Dados para Contato”.

É obrigatório o preenchimento de ao menos um número de telefone nos campos “DDD” e “Telefone 1” e


do seu e-mail em “correio eletrônico”. Em caso de necessidade, esses serão os canais através dos quais
a Receita Federal do Brasil entrará em contato.

47
Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Representante/Preposto”.

Selecione qual pessoa terá seus dados preenchidos: Representante ou Preposto. Faça isso clicando no
ícone ao lado do nome.

No caso de escolher “Representante”, é preciso preencher somente o nome completo e sua qualificação:

No caso de escolher “Preposto”, é preciso preencher somente o nome do Preposto e seu CPF.

48
Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Endereço do Representante da Pessoa Jurídica”.

Preencha somente o campo “CEP”. As informações de logradouro, bairro, distrito, munícipio e UF serão
preenchidas automaticamente. É preciso preencher também os campos “Número” e “Complemento”.
Além disso, preencha também o “DDD”, “Telefone” e “Correio Eletrônico”. Caso possua, preencha
também “DDD” e “FAX”.

49
IMPORTANTE:

Quando houver complemento no estabelecimento, é preciso preencher esse campo. Para


isso, clique no ícone , ao lado do campo de mesmo nome.

Uma caixa será aberta, onde deverá(ão) ser selecionado(s) o(s) tipo(s) e a(s) respectiva(s)
descrição(ões).

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Porte da Empresa”.

50
Selecione o “Porte da Empresa”, clicando no ícone correspondente à opção desejada: ‘Microempresa’;
‘Empresa de Pequeno Porte’; ou ‘Demais’ de acordo com a Lei Complementar 123/06 - Art. 3º - Lei
Geral da MPE.

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Contabilista”.

Inicie o preenchimento digitando o “CPF/CNPJ” do Contabilista.

51
Os outros campos referentes ao Contabilista ficarão liberados para preenchimento. Preencha-os de
acordo com as informações do mesmo.

Após o preenchimento das informações do Contabilista, uma nova seção estará disponível para
preenchimento. Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Endereço do Contabilista –
Pessoa Jurídica”.

52
Preencha somente o campo “CEP”. As informações de logradouro, bairro, distrito, munícipio e UF
serão preenchidas automaticamente. É preciso preencher também os campos “Número”. Além disso,
preencha também o “DDD”, “Telefone” e “Correio Eletrônico”. Caso possua, preencha também
“Complemento”, “DDD” e “FAX”.

53
IMPORTANTE:

Quando houver complemento no estabelecimento, é preciso preencher esse campo. Para


isso, clique no ícone , ao lado do campo de mesmo nome.

Uma caixa será aberta, onde deverá(ão) ser selecionado(s) o(s) tipo(s) e a(s) respectiva(s)
descrição(ões).

1.3. Seção Quadro de Sócios


Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Quadro de Sócios”.

Clique sobre o CPF preenchido automaticamente pelo sistema (o mesmo do cadastro inicial).

54
Em seguida, clique sobre a seção “Dados do Sócio”.

Preencha com a “Natureza do Evento”, “Data do Evento do Sócio”, “Nome”, “CPF/CNPJ” e a


“Qualificação do Sócio/Administrador”.

Após a conclusão do preenchimento da Identificação, é preciso preencher os dados de Endereço do Sócio.


Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Quadro de Sócios”, e em seguida em “Endereço do Sócio”.

Em seguida, preencha com o CEP do endereço de residência do Sócio. O resto dos campos será preenchido
automaticamente pelo sistema, mas é preciso digitar o número e o complemento, caso haja.
Além disso, preencha os dados para contato, com ao menos o DDD+Telefone e o e-mail, no campo correio eletrônico,

55
Repita os dois passos anteriores para todos os sócios/administradores do negócio (caso haja mais de um).
Para isso, clique em “Novo Sócio/Administrador”.

1.4. Seção Estado


Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Dados da Fazenda Estadual”.

Selecione o “Regime de Apuração no Estado” e preencha os números de Protocolo e Licença da


CETESB, bem como suas datas de obtenção.

56
IMPORTANTE:

Há uma resolução conjunta entre a Secretaria Estadual de Fazenda e da Secretaria Estadual


do Meio Ambiente de que, para emissão da Inscrição Estadual e inscrição no ICMS, precisa-
se da Licença de Instalação da CETESB para as atividades que constam na resolução. Ela
pode ser acessada clicando aqui.

Para atividades que não constam nessa resolução, não é necessário o preenchimento dos
campos relacionados à Licença.

Para informações sobre como obter a Licença da CETESB, clique aqui.

Na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Procurador no Estado”.

Na tela central, clique em “Novo Procurador”.

57
Preencha as informações referentes ao “Procurador no Estado”: “Data de Início da Validade”; “Indicador
do Prazo”; “Nome”; “CPF” e “CEP”.
Ao preencher o CEP, as informações de logradouro, bairro, distrito, munícipio e UF serão preenchidas
automaticamente. É preciso preencher os campos “Número” e “Complemento”.
Insira também os dados para contato: “DDD” e “Telefone” e “Correio Eletrônico”.
Ao concluir, clique em “Ir para a lista de Procurador”.

IMPORTANTE:

Quando houver complemento no estabelecimento, é preciso preencher esse campo. Para


isso, clique no ícone , ao lado do campo de mesmo nome.

Uma caixa será aberta, onde deverá(ão) ser selecionado(s) o(s) tipo(s) e a(s) respectiva(s)
descrição(ões).

58
Caso haja mais de um Procurador, repita o procedimento de inclusão quantas vezes for necessário. Caso
contrário, na coluna à esquerda da tela, clique na opção “Endereço para Correspondência”.

1.5. Seção Estado/Município

59
Preencha as informações para confirmar o endereço para correspondências.

Caso o endereço seja o mesmo que o do estabelecimento basta selecionar a caixa e o próprio
sistema preenche os campos automaticamente. É necessário preencher também os campos
“Número” e “Referência”.

Caso o endereço não seja o mesmo que o do estabelecimento, informe o CEP. As informações de
logradouro, bairro, distrito, munícipio e UF serão preenchidas automaticamente. É preciso preencher
os campos “Número” e “Referência”.

Insira também os dados para contato: “DDD” e “Telefone” e “Correio Eletrônico”.

IMPORTANTE:

Quando houver complemento no estabelecimento, é preciso preencher esse campo. Para


isso, clique no ícone , ao lado do campo de mesmo nome.

Uma caixa será aberta, onde deverá(ão) ser selecionado(s) o(s) tipo(s) e a(s) respectiva(s)
descrição(ões).

60
Após a conclusão do preenchimento, clique sobre “Verificar Pendências”, na barra superior. Essa
seção irá trazer a lista de itens que precisam ser inseridos e/ou corrigidos. Os destacados com
ícone dizem respeito a itens opcionais. Aqueles destacados com ícone devem obrigatoriamente
ser corrigidos para finalizar a solicitação.

Para corrigi-los, clique sobre o item e o sistema o redirecionará à página adequada. Repita o
procedimento de clicar sobre “Verificar Pendências” novamente até que, ao menos todas com
ícone , estejam solucionadas.

Em seguida, clique sobre “Finalizar Preenchimento”. Uma tela de confirmação da transmissão do


cadastro será destacada. Sobre ela, clique em “Transmitir”.

61
A tela seguinte trará dois números: um de recibo e outro de identificação. Anote-os e mantenha-os
em segurança. Eles serão essenciais para o prosseguimento da sua solicitação na Junta Comercial
do Estado de São Paulo (JUCESP).

IMPORTANTE:

• Se o pedido não for finalizado, o soliciante pode recuperá-lo através da funcionalidade


“Recuperar Solicitação”.

• Se o pedido for indeferido, o solicitante pode refazê-lo (sem precisar voltar desde a Análise
de Viabilidade).

62
MANUAL

Seção 3
REGISTRO NA
JUNTA COMERCIAL
REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL
Objetivo: Ao final dessa etapa, é esperado que sejam gerados o CNPJ e o NIRE.

Como acessar: O acesso é feito pelo site da Junta Comercial do Estado de São Paulo (JUCESP), clicando
no ícone “Via Rápida Empresa 2”. Para acessá-lo, é preciso usar o Certificado Digital ou informar o CPF e a
senha do solicitante, já cadastrados no site da Nota Fiscal Paulista.

Etapas preenchidas: Crie um novo processo de abertura de empresas e escolha o tipo jurídico disponível.
Siga para a Constituição (abertura de empresa). Em seguida, confirme as “Atividades da Empresa”,
informações sobre o “Estabelecimento”, preencha os números de Recibo e de Identificação oriundos da
Receita Federal e cadastre os “Dados da empresa” e informações sobre os “Sócios”.

É preciso emitir e pagar os boletos de DARF e DARE, bem como fazer o upload dos comprovantes de
pagamento. Os documentos necessários para o Contrato Social estão disponíveis para download, podendo
ser impressos e entregues pessoalmente na JUCESP.

O acompanhamento do status pode ser feito pelo mesmo sistema: clique em “Obter Certidão” para acessar
a Certidão de Inteiro Teor. É possível prosseguir para o licenciamento, mas é recomendado que antes seja
feito o desbloqueio do CCM.

Resultado: Caso a análise seja deferida, são gerados o CNPJ e o NIRE.

Página inicial do sistema Via Rápida Empresa

64
SUMÁRIO
1. Acesso ao Sistema 66

2. Atividades da Empresa 69

3. Estabelecimentos 70

4. Dados Integração DBE 71

5. Dados da Empresa 72

6. Sócios/Administradores 73

7. Finalização 74

8. VRE2 Digital – Autenticação Eletrônica 79

8.1. Acesso para o v da Aplicação VRE2Digital 79

8.2. Assinar Documentos 81

9. Obter Certidão – Jucesp OnLine 85

65
1. Acesso ao Sistema

Após o preenchimento do sistema Coletor Nacional, da RFB, o próximo passo é acessar o sistema Via
Rápida Empresa 2, da JUCESP, para informar os dados específicos e obrigatórios ao registro empresarial.
Para isso, acesse o site http://www.jucesp.sp.gov.br.

Clique na opção Via Rápida Empresa 2 e informe os dados relacionados a nome empresarial, atividade
econômica e endereço da matriz (e filiais, se houver). Os dados desses campos devem ser os mesmos
preenchidos no cadastro do RLE e RFB.

O acesso ao sistema poderá ser realizado utilizando o cadastro da Nota Fiscal Paulista ou via
Certificado Digital:

66
Em seguida, na barra à esquerda, clique sobre “Novo Protocolo” ou, se preferir utilizar o menu
central, clique sobre “Criar um novo Processo de abertura de empresa”.

Uma tela com as opções dos tipos jurídicos disponíveis (LTDA, EI ou EIRELI) será apresentada.

67
Após escolher o tipo jurídico desejado, será apresentada uma tela para seleção do ato de
“Constituição (abertura de empresa)”.

Informe um e-mail de contato para receber o número do seu protocolo, em seguida, clique em
“Prosseguir”, conforme abaixo:

68
2. Atividades da Empresa

Informe o “Nome Empresarial” e o “CNAE” relativo à(s) atividade(s) exercida(s) pela empresa. Os dados
digitados deverão ser os mesmos informados na Viabilidade Municipal realizada no sistema RLE.

69
3. Estabelecimentos

Os dados do estabelecimento matriz deverão ser iguais aos dados informados no sistema RLE, no momento
da Viabilidade Municipal. Caso haja divergência, os campos poderão ser alterados. Confirme-os e, caso
queira promover alguma alteração, clique sobre “Alterar Matriz”.

Caso o estabelecimento possua alguma filial, clique sobre “Incluir Filiais” e preencha com os dados
necessários. Em seguida, clique em “Próximo”.

70
4. Dados Integração DBE

Nesta etapa, é obrigatório ter os números do Documento Básico de Entrada – DBE, obtidos no sistema
Coletor Nacional. Depois de informados os números de Recibo e de Identificação, clique no botão “Próximo”.
Caso haja inconsistência entre os dados informados no sistema e os provenientes do DBE, é possível alterá-
los clicando no botão “Editar” e preencher com os mesmos dados do DBE. Ao final, clique em “Próximo”.

71
5. Dados da Empresa

Confirme os dados dentro da seção “Dados Integrados DBE”. Cabe ressaltar que os campos não editáveis
são provenientes do DBE.

IMPORTANTE:

Caso haja dados incorretos relativo à atividade econômica ou dados do estabelecimento,


refaça a análise de Viabilidade no sistema RLE.

Caso haja dados incorretos relativo ao registro da empresa, quadro societário ou


contadores, refaça a inscrição na Receita Federal, no sistema Coletor Nacional.

Preencha os dados identificados como obrigatórios(*) para a JUCESP. Esses dados não são informados no
momento do preenchimento do DBE.

72
6. Sócios/Administradores

Complemente os dados dos sócios/titulares com informações adicionais que não são solicitadas no
preenchimento do DBE. Isso fará com que o status de cada sócio/titular passe para “Cadastro Finalizado”,
o que permite ao usuário prosseguir com o preenchimento.

Caso tenham sido informados Procuradores no preenchimento do DBE, eles estarão registrados na tela
abaixo. Caso deseje adicionar um procurador para um dos sócios nesse momento – independentemente de
haver sido informado no DBE –, clique em “Incluir Procurador” e preencha os dados necessários.

73
7. Finalização

Escolha a forma de entrega da documentação, ressaltando que para entrega em modo eletrônico é necessário
que os sócios/titulares possuam certificado digital. Em seguida, selecione quem será o responsável pelo
pagamento das guias DARE e DARF, bem como pela assinatura dos requerimentos.

Emita as guias de pagamento DARE e DARF, clicando nos botões correspondentes. Após realizar o
pagamento, aguarde aproximadamente 15 minutos e atualize o status do pagamento. O comprovante de
pagamento do DARF deverá ser entregue à JUCESP (respeitando a forma de entrega dos documentos, seja
presencial ou eletronicamente). Em seguida, clique em “Salvar/Prosseguir”.

Pode-se utilizar o “Contrato Social Padrão” (gerado pelo sistema) ou utilizar seu próprio contrato social.
Caso tenha escolhido o Contrato Social Padrão, é possível visualizá-lo previamente. Também pode-se fazer
o “Download”, para poder imprimi-lo (em caso de entrega presencial) ou para assiná-lo digitalmente (em
caso de entrega eletrônica).

74
Em seguida, clique sobre os ícones ao lado de cada documento para baixá-los. Caso tenha optado pela
entrega eletrônica, os documentos deverão ser assinados através do certificado digital; caso tenha optado
pela entrega presencial, os documentos deverão ser impressos e entregues na JUCESP.

Faça o “upload” do comprovante de pagamento do DARF, em formato .PDF, e clique em “Enviar Documento”.

O procedimento de assinatura dos documentos para entrega em formato eletrônico deverá ser feito no
aplicativo VRE2Digital conforme explicado no Capítulo 8. Após a assinatura dos documentos, confirme que
todos os sócios estejam com “Status Assinatura” assinados. Em caso afirmativo, clique em “Finalizar”.

75
Há 3 possibilidades de status para o processo: deferido, sofrido exigência ou indeferido.
a. Caso o processo tenha sido deferido, será possível obter a Certidão de Inteiro Teor Online e iniciar
o Processo de Licenciamento Estadual, clicando nos ícones referentes. Para obter o Licenciamento
Municipal, retorne ao sistema RLE.

b. Caso o processo tenha sofrido exigência, é necessário corrigir os dados informados de acordo com
as instruções abaixo:

• Dados relacionados à atividade econômica (CNAE) e/ou endereço do estabelecimento: é necessário


refazer o processo desde a etapa de viabilidade, acessando o sistema RLE.

• Dados relacionados a nome, natureza, capital: é necessário refazer o processo a partir da seção
“Registro na Junta Comercial” da RFB .

76
c. Caso o protocolo tenha sido indeferido, clique em Consulta de Processo e insira o número do
protocolo para verificar o motivo.

77
78
8. VRE2 Digital – Autenticação Eletrônica

O caminho abaixo será realizado quando se fizer necessário assinar eletronicamente os documentos. Para
acessá-lo é preciso ter o aplicativo VRE2Digital instalado em sua máquina.

8.1. Acesso para o v da Aplicação VRE2Digital

Escolha a opção “Clique Aqui” da página, conforme a figura abaixo. Baixe o instalador VRE2_Digital.exe.

A janela VRE2Digital – Programa de Instalação é exibida. Siga os passos abaixo:

79
80
Clique em “Concluir”.

8.2. Assinar Documentos

Clique em “Assinar Documentos” na Janela VRE2 Digital. A janela Assinatura de Documentos é exibida.

Insira o número do protocolo e escolha a opção Pesquisar da Janela Assinatura de Documentos.


O campo “Tipo do Documento” é habilitado. Adicione o mesmo na lista, obrigatoriamente com
extensão .pdf.

81
Escolha a opção “Detalhes” da Janela Assinatura de Documentos. A janela pop up Detalhe do
documento é exibida.

82
Escolha a opção “Assinar/Enviar” da Janela Assinatura de Documentos. Após a confirmação de
assinatura dos documentos, estes serão enviados automaticamente para a JUCESP.

Em seguida, selecione uma pasta para salvar os documentos assinados que foram enviados à JUCESP.

83
84
9. Obter Certidão – Jucesp OnLine

Esse é um caminho alternativo para a obtenção da Certidão. Para acessá-lo entre no site
https://www.jucesponline.sp.gov.br/ e clique sobre “Certidão de Inteiro Teor”.

85
MANUAL

Seção 4
REGISTRO NO MUNICÍPIO
REGISTRO NO MUNICÍPIO
Objetivo: Ao final dessa etapa, é esperado que o Cadastro de Contribuintes Mobiliários (CCM) seja
desbloqueado.

Como acessar: O acesso é feito pelo endereço https://ccm.prefeitura.sp.gov.br. É preciso entrar no sistema
da Prefeitura com o CNPJ obtido na etapa anterior.

Etapas preenchidas: Vale reforçar que já existe um número de CCM para o seu Cadastro Nacional de
Pessoa Jurídica (CNPJ), destacado no campo “CCM Bloqueado”. Para prosseguir com o desbloqueio,
confirme as “Informações do contribuinte”, “Endereço do estabelecimento” (preenchendo as informações
solicitadas), “Tipo de Unidade” (produtiva ou auxiliar) e “Código CNAE”.

Avalie a necessidade da empresa efetuar o pagamento de TRSS (Taxa para Resíduos Sólidos de Serviços
de Saúde) e TFA (Taxa de Fiscalização de Anúncios). Confirme também o quadro societário e quem será o
responsável pela declaração. Prossiga para a inscrição na “Senha Web”, emita o protocolo de atendimento
e agendamento na Praça de Atendimento para a conclusão do processo.

Resultado: É esperado que seja emitido um protocolo de atendimento em que constarão informações para
o empreendedor prosseguir com o processo presencialmente na Praça de Atendimento.

Página inicial do sistema CCM

87
SUMÁRIO
1. Cadastro de Contribuintes Mobiliários (CCM) 89

1.1. Login 89

1.2. Informações do Contribuinte 90

1.3. Endereço do Estabelecimento 91

1.4. Tipo de Unidade 92

1.5. Código CNAE 93

1.6. Código para Taxa de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde - TRSS93

1.7. Código para anúncios – TFA 95

1.8. Sócios, titulares ou diretores / responsáveis, se for o caso 96

1.9. Responsável pela declaração 96

1.10. Senha Web 97

1.11. Próximos Passos 97

88
1. Cadastro de Contribuintes Mobiliários
(CCM)

1.1. Login

Há duas maneiras para acessar o Cadastro de Contribuintes Mobiliários (CCM):

1. Via site da Prefeitura Municipal de São Paulo:


Acesse o site do CCM diretamente no seu navegador: https://ccm.prefeitura.sp.gov.br/login/
contribuinte?tipo=I
Preencha com o CNPJ da empresa solicitada ou CPF do solicitante, além do texto da imagem de
confirmação. Em seguida, clique em “Entrar”.

2. Via sistema RLE:


Para utilizar o Sistema de Registro e Licenciamento de Empresas (RLE), acesse o link: https://rle.
empresasimples.gov.br/rle/. Digite o CPF e senha informados no cadastro inicial, com a opção
‘Cidadão’ selecionada e clique em “Entrar”.

89
Clique em “Abertura de Empresa”, dentro do menu “Solicitar”. Dento da tabela “Minhas Solicitações em
Andamento”, busque a solicitação que está tratando pelo número do Protocolo RLE, obtido na seção 1.
Análise de Viabilidade. Clique sobre a lupa.

Clique no link sugerido dentro da seção “Orientações” do protocolo (aquele gerado na seção 1. RLE –
Análise de Viabilidade).

1.2. Informações do Contribuinte

A primeira seção, “Informações do Contribuinte”, traz automaticamente as informações de CNPJ, CCM


Bloqueado, Nome empresarial, Data de início de funcionamento, Órgão de registro e Junta Comercial (Nire),
de acordo com o que foi preenchido anteriormente. Não é possível alterar nenhum campo. Caso encontre
alguma inconsistência nesta primeira fase do projeto, será necessário reiniciar o processo no Sistema RLE.

Vale reforçar que já existe um número de CCM para o seu Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ),
destacado no campo “CCM Bloqueado”.

90
1.3. Endereço do Estabelecimento

A segunda seção, “Endereço do Estabelecimento”, traz automaticamente as informações de acordo com


o que foi preenchido anteriormente. Nesse momento, é preciso preencher novamente os campos “Telefone
do contribuinte”, “Telefone do contador” e “E-mail” (do contribuinte).

IMPORTANTE:

Não há problema caso o sistema não traga as informações automaticamente. Caso isso
aconteça, inicie com o preenchimento com o “Número do contribuinte de IPTU” e do
“CEP” e complemente com as informações restantes.

91
1.4. Tipo de Unidade

A terceira seção, “Tipo de Unidade”, traz automaticamente as informações de acordo com o que foi
preenchido anteriormente. Há duas possibilidades para esse caso: se a unidade for Produtiva ou Auxiliar:

a. No caso de a unidade ser produtiva:


A opção “Produtiva” estará selecionada. Siga para a próxima seção: 6.5. Código CNAE.

b. No caso de a unidade ser auxiliar:


Selecione qual tipo de atividade auxiliar será exercida na mesma, clicando no ícone da linha
correspondente.

92
1.5. Código CNAE

A quarta seção, “Código CNAE”, traz automaticamente as informações de acordo com o que foi preenchido
anteriormente. Não é possível alterar nenhum campo. Caso encontre falhas nas informações, retorne ao
sistema ‘RLE – Viabilidade’ para corrigi-las e reiniciar o processo.

1.6. Código para Taxa de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde - TRSS

Na quinta seção, “Código para Taxa de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde - TRSS” é preciso
responder se haverá geração de resíduo sólido de saúde. Para obter detalhes sobre a legislação
vigente, clique no ícone .

a. Caso o contribuinte gere resíduo sólido de saúde:


Responda “Sim” à pergunta clicando no ícone correspondente.

93
É possível escolher somente um tipo de código TRSS. Clique na seta e selecione o referente à sua empresa
e em seguida clique em “Incluir código”.

Caso tenha incluído um código errado, é possível refazer a seleção. Clique em “Excluir” e refaça o
passo anterior.

b. Caso o contribuinte não gere resíduo sólido de saúde:


Responda “Não” à pergunta clicando no ícone correspondente e siga para a próxima seção.

94
1.7. Código para anúncios – TFA

Na seção “Código para Anúncios – TFA”, insira as informações referentes à existência e quantidade de
eventuais anúncios susceptíveis de incidência da Taxa de Fiscalização de Anúncios (TFA).

a. Caso o contribuinte possua anúncio(s)


Responda “Sim” à pergunta clicando no ícone correspondente.

Clique na seta da seção “Selecione o Código TFA” e escreva a “Data de Início” e “Quantidade” (de
anúncios). Em seguida, clique em “Incluir código TFA”.

Repita esse procedimento para todos os tipos de códigos que forem cabíveis à sua situação.

b. Caso o contribuinte não utilize anúncios:


Responda “Não” à pergunta clicando no ícone correspondente e siga para a próxima seção.

95
1.8. Sócios, titulares ou diretores / responsáveis, se for o caso

Essa seção traz automaticamente as informações de acordo com o que foi preenchido anteriormente. Não
é possível alterar nenhum campo. Caso encontre falhas nas informações, retorne ao sistema RLE para
reiniciar o processo.

1.9. Responsável pela declaração

Nessa seção, é preciso destacar o “Responsável pela declaração”. Para isso, há dois caminhos:

a. Caso seja o próprio responsável:


O responsável é aquele declarado junto ao sistema ‘Coletor Nacional – RFB’ e destacado na seção
anterior com um ‘S’ na coluna ‘Responsável’.

Selecione “Repetir o nome e o CPF do responsável” e o próprio sistema preencherá os campos


“Nome” e o “CPF”.

b. Caso seja um procurador:


Caso o responsável pela declaração seja um procurador, selecione “Informar o nome e o CPF do
procurador” e digite o “Nome” e “CPF” do mesmo.

96
1.10. Senha Web

Digite uma senha de sua preferência para futuros acessos ao sistema. Faça isso nos campos “Senha” e
“Confirmação de senha” para evitar conflitos. Por favor, respeite as condições de ser com no mínimo 8
caracteres, obrigatoriamente com letras, números e caracteres especiais.

1.11. Próximos Passos

Após concluir todos os passos supracitados, clique em “Enviar”.

Em seguida, um resumo do “Requerimento da inscrição do CCM (Pessoa Jurídica)” será apresentado.


Leia-o com atenção e ao final, clique em “Confirmar” para prosseguir ou “Voltar” para corrigir alguma falha.

Faça o download do seu protocolo de inscrição.

97
Acesse a pasta do seu computador onde os downloads são armazenados. Nela, estará um arquivo em
formato .pdf com o “Protocolo de Inscrição no Cadastro de Contribuintes Mobiliários Pessoa Jurídica”.
Na primeira página, estará o resumo da solicitação e na segunda, instruções para próximos passos.

O procurador ou representante legal da empresa deve agendar o atendimento na praça de atendimento


através do site e comparecer no horário e local definidos com os documentos listados no protocolo.

98
MANUAL

Seção 5
LICENCIAMENTO MUNICIPAL
LICENCIAMENTO MUNICIPAL
Objetivo: Ao final dessa etapa, é esperado que se tenha o Auto de Licença de Funcionamento (caso seja o
tipo de atividade econômica que permita a emissão desse documento).

Como acessar: O acesso é feito pelo sistema “RLE” no endereço https://rle.empresasimples.gov.br/rle/. No


sistema, é preciso entrar com o login de um dos sócios. Porém, para recuperar as informações, é necessário
ter em mãos os números de CNPJ e/ou NIRE obtidos no registro na Junta Comercial.

Etapas preenchidas: É possível realizar uma consulta de classificação de risco anterior ao preenchimento
da solicitação de licenciamento. Para isso, dentro do menu “Consultar”, clique em “Regras de Licenciamento
por Atividade” e selecione a CNAE desejada.

Para prosseguir com o preenchimento da solicitação, dentro do menu “Consultar”, selecione “Licenciamento
da Empresa”. Prossiga com o preenchimento do CNPJ e/ou NIRE e siga com o licenciamento das atividades
disponíveis.

Após a seleção das atividades, é imprescindível que as declarações que atestem a responsabilidade dos
sócios pelas informações prestadas sejam assinadas e submetidas via sistema. Ao final do processo, emita
a sua Licença pelo “Painel de Licenças”.

Resultado: É esperado que seja emitido e impresso o Auto de Licença de Funcionamento (ALF), destacado
na página seguinte.

IMPORTANTE:

Neste momento, apenas empresas com as seguintes características podem ser licenciadas
pelo passo a passo a seguir:

• Empresas abertas pela plataforma RLE no município de São Paulo.

• Empresas cuja atividade(s) econômica(s) é(são) considerada(s) de baixo risco.

• Empresas que não sofreram alteração contratual.

• Empresas com natureza jurídica de registro em Junta Comercial, isto é, empresas com
o NIRE.

100
SUMÁRIO
1. Login e Consulta de Risco 102

1.1. Login no sistema RLE  102

1.2. Consulta de classificação de risco  103

2. Licenciamento da empresa  108

2.1. Consulta do CNPJ e risco  108

2.2. Sócios e Declarações 113

2.3. Impressão da Licença 115

3. Consulta ao andamento da solicitação 118

4. Painel de Licenças 119

101
1. Login e Consulta de Risco

1.1. Login no sistema RLE

Para utilizar o Sistema de Registro e Licenciamento de Empresas (RLE), basta acessar o link: https://rle.
empresasimples.gov.br/rle/.

Há duas opções para realizar o login no sistema:

a. Login:
Com a opção “Cidadão” selecionada, preencha com os seus dados de CPF de usuário e senha,
os mesmos utilizados no “Cadastro do Cidadão” realizado na etapa 1. Análise de Viabilidade. Em
seguida, clique em “Entrar”.

IMPORTANTE:

O cidadão que efetuar o login deve ser um dos sócios da empresa, presente no
Quadro Societário.

102
b. Certificado Digital:
Nesse caso, clique em “Use seu certificado digital”, também com a opção “Cidadão” selecionada.

Em seguida, digite o respectivo “PIN” e clique em “OK”. Em caso de dúvida, consulte o Guia de Uso de
Certificado Digital na página inicial do RLE.

1.2. Consulta de classificação de risco

No sistema, todas as atividades passíveis de licenciamento foram submetidas a uma classificação de risco
determinada pelos órgãos licenciadores conforme suas normas. As atividades foram classificadas como de
“baixo risco” ou “alto risco”.

Para as atividades consideradas de “baixo risco”, o sistema concederá automaticamente a licença relativa
ao exercício daquela atividade, após a assinatura da declaração pelo empreendedor. A declaração é o
comprometimento dele ao cumprimento de determinadas regras necessárias ao exercício da atividade.

103
As atividades consideradas de “alto risco” exigirão procedimentos específicos como entrega de documentos,
atendimento presencial e/ou vistorias prévias ao estabelecimento. Nesse caso, a licença não é emitida
dentro do ambiente RLE, e será concedida após o cumprimento das exigências dos órgãos licenciadores
pelo cidadão.

A consulta das regras de licenciamento disponível no RLE é pública e pode ser realizada antes mesmo da
abertura da empresa, para que o empreendedor tenha ciência das exigências dos órgãos licenciadores para
cada atividade pretendida.

No menu “Consultar”, clique em “Regras de Licenciamento por Atividade”.

Selecione a Unidade Federativa (UF) e o município desejados.

No campo “Atividade Econômica”, é possível buscar o CNAE inserindo o código ou escrevendo parte da
descrição da atividade.

104
Caso existam atividades auxiliares sendo exercidas no mesmo estabelecimento, selecione-as clicando
sobre o ícone ao lado do tipo de atividade.

A consulta pode ser realizada com diferentes CNAES ao mesmo tempo. Para isso, adicione-os e clique em
“Consultar”.

O sistema apresentará um painel contendo a classificação de risco para cada órgão licenciador, por cada
atividade (produtiva ou auxiliar) selecionada.

105
Existem atividades destacadas com “risco dependente de informação”. Para isso, todas as perguntas
que devem ser respondidas pelo solicitante estarão disponíveis, assim como as declarações que serão
assinadas.

Para as atividades consideradas de “baixo risco”, estará destacada a declaração de comprometimento


ao cumprimento de determinadas regras necessárias ao exercício da atividade. A informação do quadro
também apresenta o prazo de validade da licença.

Já para as atividades consideradas de “alto risco”, há indicação de orientação para prosseguimento da


solicitação da licença, sem a indicação do prazo de validade desta, já que as atividades classificadas como
alto risco terão prazos específicos conforme potencial de risco da atividade à sociedade, definido pelos
órgãos licenciadores.

106
IMPORTANTE:

O resultado dessa consulta não é definitivo. No momento do pedido do licenciamento,


outras características da empresa são levadas em consideração, o que pode alterar
o risco da atividade.

107
2. Licenciamento da empresa

2.1. Consulta do CNPJ e risco

Após a análise de viabilidade e as inscrições na Receita Federal, Junta Comercial e Inscrição Municipal
estarem ativas, o empreendedor deve realizar a etapa de Licenciamento. Para isso, clique em “Solicitar” e,
em seguida, “Licenciamento de Empresa”.

Feito isso, insira o número do NIRE ou CNPJ da empresa, obtidos nas etapas anteriores. Em seguida,
clique em “Consultar”.

108
IMPORTANTE:

Caso não tenha anotado o seu Protocolo, é possível acessar as solicitações armazenadas pelo sistema
no menu “Consultar” e seção “Solicitações”.

O sistema apresentará quais as atividades são passíveis de licenciamento.

Indique, clicando nos campos à frente da(s) respectiva(s) atividade(s) que efetivamente serão exercidas no
estabelecimento. Caso o empreendedor não for e/ou não queira exercer determinada atividade neste momento,
não é necessário indicá-la à solicitação de licenciamento. Após as indicações, clique em “Continuar”.

109
a. Para casos em que o risco é dependente de informação:
Para os casos em que o risco é “dependente de informação”, alguns órgãos elaboram perguntas
sobre alguma(s) atividade(s), e de acordo com a resposta, determinam o grau de risco. Isto
acontece porque a CNAE pode ser um tanto abrangente para questões específicas de interesse
do órgão e se faz necessária a coleta de informações adicionais. Caso o sistema as apresente,
leia atentamente as questões e responda conforme a sua realidade, clicando em “Sim” ou “Não”.
Em caso de dúvidas sobre a questão, clique em “Mais informações”, na frente da questão. Em
seguida, clique em “Continuar”.

IMPORTANTE:

Responda às questões corretamente: a veracidade nas informações é fundamental para


o prosseguimento no sistema e são de total responsabilidade do empreendedor, já que
definirão o risco da atividade econômica desejada e estarão sujeitas à medidas cabíveis
da fiscalização.

A próxima tela trará a classificação de risco dada pelo sistema: alto ou baixo. Na sequência, siga conforme
os passos ‘b’ (baixo risco) ou ‘c’ (alto risco).

b. Para casos de baixo risco:


As atividades de baixo risco independem de vistoria prévia dos órgãos licenciadores, mas não
estará isenta de receber fiscalização futura após início de operação. O órgão licenciador tem o
dever de fiscalizar o exercício da atividade, enquanto o cidadão tem o dever de cumprir o que
foi declarado por si, no sistema, sob pena de ser responsabilizado pela não veracidade das
informações prestadas.

Sendo assim, leia as declarações a serem assinadas atentamente e clique em “Continuar”. Siga
para seção 2.2. Sócios e Declarações.

110
c. Para casos de alto risco:
A atividade solicitada estará com o campo risco destacada para alto e com orientações sobre
como prosseguir no processo. Clique em “Iniciar Licenciamento”.

Uma mensagem de confirmação saltará à tela. Prossiga clicando em “Confirmar”.

111
O sistema apresentará o(s) sócio(s) e/ou responsável(is) pela empresa constantes no registro da empresa.
Indique quem será o responsável pela solicitação da licença, clicando à frente do respectivo nome. Em
seguida, clique em “Iniciar Licenciamento”.

A próxima tela irá trazer o status atual do processo. De qualquer forma, siga conforme as instruções trazidas
em passos anteriores de procurar a Prefeitura Regional da localidade do estabelecimento.

É fundamental registrar e manter o número de protocolo em segurança para usos futuros, em caso de
necessidade.

IMPORTANTE:

Os próximos passos só estarão disponíveis para processos em que as empresas são


consideradas de baixo risco.

112
2.2. Sócios e Declarações

O sistema apresentará o(s) sócio(s) e/ou responsável(is) pela empresa constantes no registro da empresa.
Indique quem será o responsável pela solicitação da licença, clicando à frente do respectivo nome. Em
seguida, clique em “Iniciar Licenciamento”.

Uma mensagem de confirmação saltará à tela. Clique em “Confirmar”.

Clique sobre o ícone para fazer o download do arquivo que deve ser assinado.

Após imprimar, assinar e digitalizar o documento, salve em formato .pdf para anexar ao sistema, clique em
“+ Declarações de licenciamento assinadas” para fazer o upload do documento assinado. O sistema
aceita apenas upload de um único arquivo, em .pdf e de no máximo 10MB.

113
Ao localizar o documento, clique sobre o mesmo, e em seguida em “Abrir”.

Após carregar o arquivo, clique em “Confirmar”.

Uma caixa de confirmação saltará à tela, informando que após o envio do documento não será possível
promover alterações. Caso concorde com envio, clique em “Sim”.

Em seguida, será apresentada mensagem de carga realizada com sucesso e o número de protocolo
RLE referente à solicitação de licenciamento, que já está concluída. Para acesso à licença, siga para
a seção 2.3. Impressão da Licença.

114
2.3. Impressão da Licença

Acesse o menu “Consultar”, campo “Painel de Licenças”.

Escreva o seu número de “NIRE” ou “CNPJ”.

115
Em seguida, será apresentada a seção para assinatura de declarações. O sistema disponibilizará um
único documento em formato .pdf para impressão, contendo todas as licenças pendentes de declaração.
Para isso, clique em “Assinar declarações”.

O certificado de licenciamento e o ALF estarão disponíveis na pasta “Downloads” do seu navegador.

O sistema trará os dados da empresa e a situação das licenças do estabelecimento. Clique em

“Imprimir Certificado de Licenciamento” para fazer o download do Certificado de Licenciamento, que é a


garantia de que o licenciamento foi realizado dentro do sistema RLE.

Para imprimir o Auto de Licença de Funcionamento, clique em “Acessar sua licença”. Este é o documento
obrigatório para o pleno funcionamento da empresa, passível de ser fiscalizado pelos órgãos responsáveis.

116
IMPORTANTE:

O ALF é o documento oficial que garante a autorização de funcionamento do


estabelecimento.

O status “Aguardando emissão da licença pelo Órgão” indica que o processo de emissão
do ALF ainda está sendo realizado pelo município. Aguarde alguns minutos e acesse o
sistema novamente.

O status “pendente” indica que a atividade relacionada ainda necessita ter sua solicitação
de licenciamento efetuada pelo empreendedor.

117
3. Consulta ao andamento da solicitação

Após solicitação de licenciamento concluída, consulte o andamento da solicitação desejada. Acesse o menu
“Consultar” e selecione “Solicitações”.

Em seguida, será possível consultar as solicitações de licenciamento de várias formas. Basta inserir algum
dado para realizar a busca, e em seguida clicar em “Consultar”. Verifique a situação do protocolo clicando
em “Consultar Protocolo”.

118
4. Painel de Licenças

O painel de licenças disponibilizado pelo sistema RLE é o extrato da situação real de cada licença emitida.
É de consulta pública e poderá ser visualizado por terceiros, e inclusive pelos órgãos fiscalizadores a fim de
obterem o status das licenças e teor das declarações emitidas e assinadas no sistema para o exercício da(s)
atividade(s). Para encontrá-lo, acesse o menu “Consultar” e selecione “Painel de Licenças”.

Insira o número do “NIRE” ou “CNPJ” e em seguida clique em “Consultar”.

O sistema disponibilizará um quadro com a situação das licenças no momento da consulta, podendo
apresentar as seguintes situações:

Ativa: licença aprovada e vigente;

Em andamento: sob a análise do órgão;

Pendente: aguarda manifestação do cidadão no cumprimento das exigências;

Indeferida: solicitação foi indeferida, podendo ser regularizada a situação com deferimento
posterior;

Cassada: licença sem efeito, o órgão licenciador cassou a licença de determinada atividade após
instauração do respectivo processo administrativo por descumprimento de obrigações;

119
Revogada: licença sem efeito, a regra da classificação de risco sofreu alteração ou foi
identificada alguma irregularidade nas regras de emissão de licença. O cidadão deverá
solicitar nova licença.

Para obter mais informações sobre as ações necessárias a cada licença, clique em “Detalhar”, à frente de
cada atividade. Um quadro explicativo surgirá para verificação da situação com detalhes.

IMPORTANTE:

O status “Aguardando Envio para Análise do Órgão” indica que os dados estão
em processo de envio para o sistema interno do município. O empreendedor deverá
comparecer à Prefeitura Regional da localidade do estabelecimento para iniciar o
processo de licenciamento presencialmente.

Estando todas as atividades efetivamente exercidas com suas respectivas licenças ativas, a empresa está
apta a operar, observando às exigências legais existentes para seu exercício até que expire o prazo de
validade. Ao expirar o prazo, a licença ficará invalidada e será preciso renovar a licença através do sistema
seguindo os mesmos trâmites apresentados.

120
IMPORTANTE:

Empresas que passam por pelo menos uma das situações abaixo representam casos
que elevam a classificação de risco da atividade econômica para ‘alto’. Assim, pede-se
que o empreendedor ou seu representante legal compareça à Prefeitura Regional da
localidade da empresa para realizar os trâmites presencialmente:

• Caso a área do estabelecimento seja maior a 500 m² e/ou área construída maior a 1.500 m²
faz com que a empresa seja considerada de alto risco.

• Caso o local da empresa esteja próximo a áreas consideradas contaminadas pelo Sistema de
Gerenciamento de Áreas Contaminadas (SIGAC) da Secretaria Municipal do Verde e do Meio
Ambiente (SVMA), ela também será considerada de alto risco.

• Caso a análise de viabilidade não tenha sido executada, o sistema não trará uma resposta
conclusiva sobre o tema. Assim, é obrigatório que sejam seguidos os trâmites tradicionais, de
forma presencial na Prefeitura Regional de localidade do estabelecimento.

IMPORTANTE:

A licença municipal não exclui a obrigatoriedade do empreender solicitar e realizar o


processo de obtenção de licenças estaduais, como é o caso daquelas emitidas pela
CETESB, CVS e/ou Corpo de Bombeiros.

121
MANUAL

Seção 6
LICENÇAS ESTADUAIS
SUMÁRIO
LICENÇAS ESTADUAIS 124

123
LICENÇAS ESTADUAIS
Plataforma: VRE (Via Rápida Empresa)

Objetivo: Detalhamento das informações preenchidas para obtenção de licenças específicas do estado.

A conclusão do licenciamento municipal não tira a necessidade de obtenção das Licenças Estaduais para
as atividades econômicas que as exigem.

Para isso, será preciso acessar o sistema Via Rápida Empresa, da Junta Comercial do Estado de São Paulo,
disponível no seguinte link: http://www.institucional.jucesp.sp.gov.br/empresas_via-rapida.php

O manual para apoiá-lo no preenchimento está disponível no mesmo endereço.

124
MANUAL

GLOSSÁRIO, LEGISLAÇÃO
E DOCUMENTOS DE
REFERÊNCIA
SUMÁRIO
1. Glossário 127

2. Legislação e documentos de referência 128

126
1. Glossário

ALF Auto de Licença de Funcionamento


CADSINC Cadastro Sincronizado Nacional
CCM Cadastro de Contribuintes Mobiliários
CEP Código de Endereçamento Postal
CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo
CIT Cadastro de Imóveis Tombados
CNAE Classificação Nacional de Atividades Econômicas
CNPJ Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica
CPF Cadastro de Pessoa Física
CRC Conselho Regional de Contabilidade
CVS Centro de Vigilância Sanitária – Secretaria Estadual de Saúde
DBE Documento Básico de Entrada
DDD Discagem Direta a Distância
DECONT Departamento de Áreas Contaminadas de SVMA
DOC Diário Oficial da Cidade de São Paulo
DOE Diário Oficial do Estado
DOU Diário Oficial da União
FCPJ Ficha Cadastral da Pessoa Jurídica
ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços
IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano
JUCESP Junta Comercial do Estado de São Paulo
NIRE Número de Identificação do Registro de Empresas
nR(s) Atividade(s) Não Residencial(ais)
PMSP Prefeitura do Município de São Paulo
PRODAM Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo
REDESIM Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios
RFB Receita Federal do Brasil
RLE Sistema de Registro e Licenciamento de Empresas
SEMPE Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa – Governo Federal

SERPRO Serviço Federal de Processamento de Dados


SF Secretaria Municipal da Fazenda
SIGAC Sistema de Gerenciamento de Áreas Contaminadas
SLEA Sistema de Licenciamento Eletrônico de Atividades
SMPR Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais
SMS Secretaria Municipal de Saúde
SMUL Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento
SVMA Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente
SPN São Paulo Negócios
SQL Setor – Quadra – Lote
TFA Taxa de Fiscalização de Anúncios
TRSS Taxa de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde
VRE Via Rápida Empresa

127
2. Legislação e documentos de referência

A legislação de referência para o processo integrado de abertura e legalização de empresas no Município de


São Paulo dispõe de um arcabouço legal amplo: para este momento, traremos as principais envolvidas para
contextualizar esta iniciativa de desburocratização e integração de processo no âmbito municipal, sendo
elas:

• Lei Complementar Federal nº 123, de 14 de dezembro de 2006, com as alterações introduzidas pela
Lei Complementar Federal 147, de 07 de agosto de 2014;

• Lei Federal nº 11.598, de 3 de dezembro de 2007;

• Decreto Municipal nº 49.969, de 28 de agosto de 2008;

• Resolução CGSIM nº 22, de 22 de junho de 2010;

• Resolução CGSIM nº 25, de 18 de outubro de 2011;

• Instrução normativa DREI nº 12, de 5 de dezembro de 2013;

• Protocolo de Intenções celebrado entre a União, o Estado de São Paulo, a Junta Comercial do
Estado de São Paulo e a Prefeitura do Município de São Paulo com vista à implantação e operação
do processo unificado de abertura e legalização de empresas no Município, assinado no dia 09 de
junho de 2014;

• Lei Municipal nº 16.050, de 31 de julho de 2014;

• Instrução normativa DREI nº 29, de 7 de outubro de 2014;

• Resolução CGSIM nº 35, de 1º de julho de 2015;

• Instrução normativa DREI nº 32 de 25 de novembro de 2015;

• Lei Municipal nº 16.402, de 22 de março de 2016;

• Decreto Municipal nº 57.298, de 08 de setembro de 2016;

• Decreto Municipal nº 57.299, de 08 de setembro de 2016;

• Decreto Municipal nº 57.378, de 13 de outubro de 2016;

• Decreto Municipal nº 57.521, de 09 de dezembro de 2016;

• Decreto Municipal nº 57.558, de 21 de dezembro de 2016.

128
COM A PARTICIPAÇÃO DE: