Você está na página 1de 71

SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS

Defensoria Pública

1 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

e. É ilegítima a publicação em sítio eletrônico man-


DIREITO CONSTITUCIONAL tido pela Administração Pública dos nomes dos
(Luciano Dutra) seus servidores e do valor dos correspondentes
vencimentos e vantagens pecuniárias.
1. Acerca da defesa do estado e das instituições de-
mocráticas na Constituição Federal de 1988, é incor- 3. À luz dos direitos e deveres individuais e coletivos
reto afirmar: presentes no art. 5º da Constituição Federal vigente, e
a. Na vigência do Estado de Defesa, poderá haver da jurisprudência do STF, assinale a alternativa errada:
restrições ao direito de reunião, desde que realiza- a. A pena será cumprida em estabelecimentos distin-
da fora da sede das associações, e ao sigilo das tos, de acordo com a natureza do delito, a idade e
comunicações telegráficas e telefônicas. o sexo do apenado.
b. Na decretação do Estado de Defesa, poderá haver b. Segundo a Constituição Federal, não haverá pri-
restrições ao sigilo de correspondência. são civil por dívida, salvo a do responsável pelo
c. Na vigência do Estado de Defesa, poderá haver inadimplemento voluntário e inescusável de obri-
ocupação e uso temporário de bens e de servi- gação alimentícia e a do depositário infiel.
ços públicos, na hipótese de calamidade pública, c. A competência constitucional do Tribunal do Júri
respondendo a União pelos danos e custos decor- prevalece sobre o foro por prerrogativa de função
rentes. estabelecido exclusivamente pela constituição es-
d. Na vigência do Estado de Sítio, em virtude de tadual.
comoção grave de repercussão nacional, poderá d. A falta de estabelecimento penal adequado autori-
haver obrigação de permanência em localidade za a manutenção do condenado em regime prisio-
determinada. nal mais gravoso.
e. Na vigência do Estado de Sítio, em virtude da e. É direito do defensor, no interesse do representa-
ocorrência de fatos que comprovem a ineficácia do, ter acesso amplo aos elementos de prova que,
de medida tomada durante o Estado de Defesa, já documentados em procedimento investigatório
poderá haver requisição de bens. realizado por órgão com competência de polícia
judiciária, digam respeito ao exercício do direito de
2. Acerca das normas constitucionais afetas à Admi- defesa.
nistração Pública e da jurisprudência do STF, marque
a alternativa certa: 4. Julgue os itens a seguir à luz da Constituição Fe-
a. O teto remuneratório do funcionalismo não se deral e da jurisprudência do STF e assinale a alterna-
aplica às empresas públicas e às sociedades de tiva errada:
economia mista e suas subsidiárias, independen- a. A fixação por lei estadual de condições de elegibi-
temente de receberem recursos da União, dos es- lidade em relação aos candidatos a Juiz de Paz,
tados, do Distrito Federal ou dos municípios para além das constitucionalmente previstas no art. 14,
pagamento de despesas de pessoal ou de custeio § 3º, invade a competência da União para legis-
em geral. lar sobre direito eleitoral, definida no art. 22, I, da
b. Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a Constituição do Brasil.
habilitação de candidato a cargo público. b. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a
c. A nomeação de cônjuge, companheiro ou paren- Justiça Eleitoral no prazo de 15 dias, contado da
te, em linha reta, colateral ou por afinidade, até o diplomação, instruída a ação com provas de abu-
segundo grau, inclusive, da autoridade nomeante so do poder econômico, corrupção ou fraude.
ou de servidor da mesma pessoa jurídica, investi- c. A ação de impugnação de mandato tramitará em
do em cargo de direção, chefia ou assessoramen- segredo de justiça, respondendo o autor, na forma
to, para o exercício de cargo em comissão ou de da lei, se temerária ou de manifesta má-fé.
confiança, ou, ainda, de função gratificada na Ad- d. Somente terão direito a recursos do fundo partidá-
ministração Pública direta e indireta, em qualquer rio e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na for-
dos Poderes da União, dos estados, do Distrito ma da lei, os partidos políticos que alternativamen-
Federal e dos municípios, compreendido o ajuste te: I – obtiverem, nas eleições para a Câmara dos
mediante designações recíprocas, viola a Consti- Deputados, no mínimo, três por cento dos votos
tuição Federal. válidos, distribuídos em pelo menos um terço das
d. A Administração Pública não pode declarar a nuli- unidades da Federação, com um mínimo de dois
dade dos seus próprios atos. por cento dos votos válidos em cada uma delas;

2 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

ou II – tiverem elegido pelo menos 15 Deputados ração de inquérito policial em face de pessoas en-
Federais distribuídos em pelo menos um terço das volvidas nos fatos apurados.
unidades da Federação. b. É possível o investigado, convocado para depor
e. A dissolução da sociedade ou do vínculo conjugal, perante CPI, permanecer em silêncio, evitando-se
no curso do mandato, afasta a inelegibilidade pre- a autoincriminação, além de ter assegurado o di-
vista no § 7º do art. 14 da Constituição Federal. reito de ser assistido por advogado e de comuni-
car-se com este durante a sua inquirição.
5. À luz da Constituição Federal de 1988 e da juris- c. A extinção da CPI prejudica o conhecimento do
prudência do Supremo Tribunal Federal, marque a al- habeas corpus impetrado contra as eventuais ile-
ternativa errada: galidades de seu relatório final, notadamente por
a. A imunidade parlamentar não se estende ao cor- não mais existir legitimidade passiva do órgão im-
réu sem essa prerrogativa. petrado.
b. A cláusula de inviolabilidade constitucional, que d. Não podem as CPIs estaduais requerer quebra de
impede a responsabilização penal e/ou civil do sigilo de dados bancários, com base no art. 58, §
membro do Congresso Nacional por suas pala- 3º, da Constituição Federal.
vras, opiniões e votos, também abrange, sob seu e. A duração do inquérito parlamentar tem seu termo
manto protetor, as entrevistas jornalísticas, a trans- final na legislatura em que foi constituída.
missão, para a imprensa, do conteúdo de pronun-
ciamentos ou de relatórios produzidos nas Casas 7. Os intérpretes e os aplicadores da Constituição
Legislativas e as declarações feitas aos meios de não podem chegar a resultados que maculem o siste-
comunicação social. Tais manifestações – desde ma organizatório-funcional nela estabelecido, a exem-
que vinculadas ao desempenho do mandato – plo da separação de poderes. A afirmação anterior diz
qualificam-se como natural projeção do exercício respeito ao princípio:
das atividades parlamentares. a. da eficiência.
c. A prerrogativa de foro conferida aos membros do b. da correção funcional.
Congresso Nacional, vinculada à liberdade máxi- c. da concordância prática.
ma necessária ao bom desempenho do ofício le- d. do efeito integrador.
gislativo, estende-se ao suplente respectivo, mes- e. da supremacia.
mo durante o período em que este permanecer
fora do efetivo exercício da atividade parlamentar. 8. No que concerne à hermenêutica constitucional e
d. Desde a expedição do diploma, os membros do à aplicação das normas constitucionais, assinale a op-
Congresso Nacional não poderão ser presos, sal- ção correta:
vo em flagrante de crime inafiançável. Nesse caso, a. Quando uma norma infraconstitucional contar com
os autos serão remetidos dentro de vinte e quatro mais de uma interpretação possível, uma, no mí-
horas à Casa respectiva, para que, pelo voto da nimo, pela constitucionalidade e outra ou outras
maioria de seus membros, resolva sobre a prisão.. pela inconstitucionalidade, adota-se a técnica da
e. Norma estadual que atribui à Defensoria Pública interpretação conforme para, sem redução do
do Estado a defesa judicial de servidores públicos texto, escolher aquela ou aquelas que melhor se
estaduais processados civil ou criminalmente em conforme(m) à Constituição, afastando-se, conse-
razão do regular exercício do cargo extrapola o quentemente, as demais.
modelo da Constituição Federal, o qual restringe b. De acordo com o princípio da supremacia da
as atribuições da Defensoria Pública à assistência Constituição, a interpretação constitucional deve
jurídica integral e gratuita aos que comprovarem ser realizada de forma a evitar contradição entre
insuficiência de recursos. suas normas.
c. De acordo com o método tópico-problemático, a
6. Acerca das Comissões Parlamentares de Inqué- interpretação da Constituição é concretização,
rito (CPIs) e à luz da jurisprudência do STF, marque a criando-se um processo unitário entre aplicação e
alternativa errada: interpretação, com primazia do texto sobre o pro-
a. As CPIs possuem permissão legal para encami- blema.
nhar relatório circunstanciado não só ao Ministério d. No método normativo-estruturante, busca-se a
Público e à Advocacia-Geral da União, mas, tam- interpretação da Constituição como um conjunto,
bém, a outros órgãos públicos, podendo veicular, em um processo de integração comunitária.
inclusive, documentação que possibilite a instau-

3 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

e. De acordo com o método científico-espiritual, de-


ve-se priorizar a concretização em detrimento da
DIREITO ADMINISTRATIVO
interpretação, que é apenas uma etapa da con- (Keity Satiko)
cretização, visto ser impossível isolar a norma da
realidade. 11. Meio de intervenção estatal na propriedade me-
diante o qual é estabelecido um direito real de uso so-
9. Considerando o entendimento do STF, Deputado bre a propriedade alheia, em favor do Poder Público ou
Federal que não queira participar de votação de projeto de seus delegatários, de modo a garantir a execução
de lei que considere inconstitucional por violar o devido de um serviço público ou de obras públicas de interes-
processo legislativo, se coletivo.
a. poderá ajuizar uma arguição de descumprimento a. Ocupação temporária.
de preceito fundamental contra o projeto de lei. b. Desapropriação.
b. poderá impetrar um mandado de segurança pre- c. Requisição administrativa.
ventivo para impedir a tramitação. d. Servidão administrativa.
c. nada poderá fazer, a não ser tentar obstruir a vo- e. Limitação administrativa
tação em Plenário.
d. somente poderá abster-se de votar, mas não pode 12. Qual entidade da Administração Pública indireta
tomar qualquer medida judicial. deve ser constituída obrigatoriamente com personali-
e. deve solicitar à Advocacia-Geral da União que dade jurídica de direito público?
tome as medidas legais cabíveis. a. Empresa pública.
b. Fundação pública.
10. Acerca do controle de constitucionalidade, assina- c. Serviços sociais autônomos.
le a alternativa errada: d. Autarquia.
a. A Administração Pública indireta, assim como a e. Sociedade de economia mista.
direta, nas esferas federal, estadual e municipal,
fica vinculada às decisões definitivas de mérito 13. Quanto aos serviços sociais autônomos, assinale
proferidas pelo STF nas ações diretas de incons- a opção incorreta.
titucionalidade e nas ações declaratórias de cons- a. Não têm fins lucrativos.
titucionalidade. b. Devem ser criados mediante autorização por lei.
b. Em razão do princípio da subsidiariedade, a argui- c. Sujeitam-se ao controle do Tribunal de Contas.
ção de descumprimento de preceito fundamental d. Possuem personalidade jurídica de direito privado.
somente será cabível se ficar provada a inexistên- e. Estão obrigados a realizar procedimentos licitató-
cia de qualquer meio eficaz para afastar a lesão no rios.
âmbito judicial.
c. É possível controle de constitucionalidade do di- 14. Possibilidade de controle pelo Judiciário da legiti-
reito estadual e do direito municipal no processo midade do ato praticado pela Administração Pública é
de arguição de descumprimento de preceito fun- decorrência da
damental. a. autotutela.
d. São legitimados para propor ação direta de in- b. moralidade administrativa.
constitucionalidade interventiva os mesmos que c. indisponibilidade do interesse público.
têm legitimação para propor ação direta de incons- d. supremacia do interesse público.
titucionalidade genérica. e. sindicabilidade.
e. Entre os pressupostos do controle de constitucio-
nalidade, destacam-se a supremacia CF e a rigi- 15. Sobre a concessão de serviço público, é correto
dez constitucional. afirmar que:
a. Deve ser feita mediante licitação na modalidade
concorrência.
b. Em decorrência da concessão de serviço públi-
co, a Administração poderá celebrar contrato com
pessoa física ou consórcio de empresa.
c. Concessão é fruto de contrato administrativo, com
natureza precária.

4 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

d. Trata-se de modalidade outorga de serviço público moralidade, de publicidade, de eficiência e de pro-


ao lado da permissão. porcionalidade.
e. A concessão de serviço público poderá ser por b. A investidura em cargo ou emprego público de-
prazo indeterminado, desde que mais vantajosa pende de aprovação prévia em concurso público
para a Administração Pública. de provas ou de provas e títulos, de acordo com a
natureza e a complexidade do cargo ou emprego,
16. Qual espécie de ato administrativo pode ser revo- na forma prevista em lei, ressalvadas as nomea-
gada? ções para o cargo em comissão declarado em lei
a. Atos vinculados. de livre nomeação e exoneração.
b. Atos que não exauriram seus efeitos. c. As pessoas jurídicas de direito público e as de
c. Atos cuja competência se exauriu relativamente direito privado prestadoras de serviços públicos
ao objeto do ato. responderão pelos danos que seus agentes, nes-
d. Atos que sejam meramente administrativos. sa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o
e. Atos que geram direitos adquiridos. direito de regresso contra o responsável somente
nos casos de culpa.
d. A Administração fazendária e seus servidores fis-
17. Nos termos da Lei n. 8.987/1995, são cláusulas cais terão, dentro de suas áreas de competência
e jurisdição, precedência sobre os demais setores
essenciais do contrato de concessão as relativas, EX-
administrativos, desde que isso tenha previsão em
CETO UMA:
Lei Complementar.
a. Aos direitos e deveres dos usuários para obtenção
e. A publicidade dos atos, dos programas, das obras,
e utilização do serviço.
dos serviços e das campanhas dos órgãos públi-
b. Ao objeto, à área e ao prazo de concessão.
cos deverá ter caráter educativo, informativo ou de
c. Ao foro e ao modo amigável de solução das diver-
orientação social, dela podendo constar nomes,
gências contratuais.
símbolos ou imagens que caracterizem promoção
d. À obrigatoriedade, à forma e à periodicidade da
pessoal de autoridades ou servidores públicos.
prestação de contas do concedente ao poder da
Concessionária.
e. Às condições para prorrogação do contrato. 20. Ação de ressarcimento decorrente de ato de im-
probidade administrativa praticada com dolo tem o pra-
18. Um servidor público efetivo estadual indicado para zo prescricional de:
a. 20 anos.
cargo em comissão foi exonerado ad nutum sob a jus-
b. três anos.
tificativa de ter conduta escandalosa no exercício da
c. 10 anos.
função. Posteriormente, a Administração reconheceu a
d. não tem prazo, por ser imprescritível.
inexistência da prática da conduta escandalosa, mas
e. cinco anos.
manteve a exoneração do servidor, por se tratar de
ato administrativo discricionário. Diante do cenário, o
servidor acionou o Poder Judiciário para anular sua DIREITO CIVIL
demissão. Qual teoria o servidor deverá utilizar para (Holden Macedo)
fundamentar seu pleito?
a. Teoria do fato consumado. 21. Almeida Participações S/A (locador) e Suqueria
b. Teoria dos motivos determinantes. Vende Mais Ltda. (locatário) firmaram contrato de lo-
c. Teoria da boa-fé objetiva. cação, para fins comerciais, de imóvel urbano locali-
d. Teoria da vinculação do objeto. zado em Shopping Center de grande circulação, para
e. Teoria do desvio de função. a instalação de loja de alimentos. Em março de 2020,
foi decretado estado de calamidade pública em virtude
19. Assinale a assertiva CORRETA, com base nas nor- da pandemia do coronavírus CODIV-19. A loja, desde
mas constitucionais acerca da Administração Pública: então, está fechada, há mais de dois meses, experi-
a. A Administração Pública direta e indireta de qual-
mentando, durante o período, redução total de seu fa-
quer dos Poderes da União, dos estados, do
turamento bruto mensal, apesar dos esforços de venda
Distrito Federal e dos municípios obedecerá aos
por aplicativos e internet. Com base nessa situação hi-
princípios de legalidade, de impessoalidade, de
potética, pode-se afirmar que a parte locatária:

5 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

a. pode pleitear a resolução do contrato, com base de Dados Pessoais – LGPD", que entrará em vigor, na
na teoria do rompimento da base objetiva do ne- sua totalidade, em 14/08/2020. Com base nessas pre-
gócio jurídico. missas, assinale a afirmativa correta:
b. pode pleitear a resilição unilateral do contrato, a. Dada a inexistência de uma norma regulamenta-
com base na teoria da imprevisão. dora vigente sobre a proteção de dados pessoais
c. pode deixar de pagar o valor do aluguel mensal, no Brasil, a sua tutela judicial, no âmbito das rela-
até a reabertura normal do Shopping Center, por ções subjetivas privadas, ainda se mostra inviável.
aplicação da teoria da exceptio non adimpleti b. Para fins da proteção dos dados pessoais, estes
contractus. são considerados de titularidade de quem os cole-
d. pode deixar de pagar o valor do aluguel mensal, ta, e não da pessoa natural aos quais se referem.
pela aplicação da teoria do fato do príncipe. c. Como o Código Civil não tratou, em sua "Parte
e. deve cumprir o contrato, por aplicação dos princí- Geral", no capítulo específico dos "Direitos da Per-
pios da boa-fé objetiva e do pacta sunt servanda. sonalidade", do tema da proteção de dados pesso-
ais, pode-se afirmar que esta não pode ser qualifi-
22. Recentemente, o art. 50 do Código Civil foi altera- cada como um direito da personalidade.
do e acrescido em alguns parágrafos pela Lei da Liber- d. A proteção de dados pessoais não pode ser objeto
dade Econômica (Lei n. 13.874, de 2019). A finalidade de limitação voluntária pelo seu titular.
desses acréscimos e alterações foi: e. É dispensada a exigência do consentimento para
a. dar uma interpretação autêntica aos conceitos de o tratamento dos dados tornados manifestamente
desvio de finalidade e confusão patrimonial, como públicos por seu titular, resguardados os seus di-
requisitos necessários para que o Juiz possa des- reitos e os princípios previstos na LGPD.
considerar a personalidade jurídica.
b. tornar indene de dúvidas a aplicação na teoria me- 25. Acerca dos contratos de plano de saúde, assinale
nor da desconsideração da personalidade jurídica, a alternativa correta, de acordo com a lei e a diretriz
nas relações privadas paritárias. jurisprudencial do STJ:
c. tornar indene de dúvidas a aplicação na teoria a. Aplica-se o Código de Defesa do Consumidor aos
maior da desconsideração da personalidade jurí- contratos de plano de saúde, mesmo aqueles ad-
dica, nas relações privadas não-paritárias. ministrados por entidades de autogestão.
d. prever em um texto legal, de forma inédita, a des- b. A operadora de plano de saúde tem responsabili-
consideração inversa da personalidade jurídica. dade solidária por defeito na prestação de serviço
e. prever que a desconsideração da personalidade médico quando o presta por meio de hospital
jurídica pelo Juiz ensejará a sua dissolução total. próprio e médicos contratados, ou por meio de
médicos e hospitais credenciados.
23. Manoel pactua com Joaquim a entrega de uma c. Muito embora a negativa injustificada de cobertura
das vacas do seu rebanho leiteiro, que ocorrerá no pri- em contrato de plano de saúde seja contrária ao
meiro dia do ano subsequente, competindo a escolha Direito, não gerará dano moral indenizável, sendo
a Joaquim. Com base nesta situação hipotética, o con- classificada como mero inadimplemento contratual.
teúdo obrigacional do negócio jurídico tem a seguinte d. O contrato de plano de saúde pode ser classifica-
do como comutativo, uma vez que é certa a qua-
classificação doutrinária:
lidade e a quantidade da prestação do fornecedor
a. obrigação de fazer fungível.
do serviço.
b. obrigação de fazer infungível.
e. É lícita a cláusula que limita no tempo a internação
c. obrigação de dar coisa certa.
hospitalar do segurado, em respeito ao equilíbrio
d. obrigação genérica.
econômico-financeiro do contrato.
e. obrigação acessória.

24. A proteção de dados pessoais para atender às


crescentes exigências do mercado de novas tecnolo-
gias, aos interesses públicos dos Estados soberanos e
à gestão pública, vem ganhando importância cada vez
maior nos dias de hoje. Por isto, o Brasil editou a Lei n.
13.709/2018, conhecida como "Lei Geral de Proteção

6 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

a. de cinco anos, por aplicação do artigo 27 do Códi-


DIREITO CIVIL go de Defesa do Consumidor.
(Thiago Deienno) b. três anos, haja vista tratar-se de pretensão de res-
sarcimento de enriquecimento sem causa.
26. Dora celebrou promessa de compra e venda de c. de 20 anos; eis que não há previsão específica no
imóvel com “Construtora Picareta Ltda.”. Esta, por sua Código Civil para prescrição desse tipo de ação,
vez, ofereceu o bem em garantia, por meio de aliena- aplicando-se o prazo supletivo do artigo 205.
ção fiduciária a “Banco Age e Ota S.A.”, agente finan- d. de 10 anos; eis que não há previsão específica no
ciador do empreendimento. De acordo com o Superior Código Civil para prescrição de ação de repetição
de indébito, aplicando-se o prazo supletivo do ar-
Tribunal de Justiça, não pago o débito contraído pela
tigo 205.
construtora perante o agente financiador,
e. Nenhuma das anteriores.
a. a garantia não terá eficácia perante Dora, desde
que seja posterior à celebração da promessa de
compra e venda. 29. A respeito da multipropriedade, assinale a alterna-
b. deverá ser dada oportunidade para que Dora pur- tiva incorreta:
gue a mora da construtora ao agente financiador, a. A multipropriedade é um regime de condomínio.
mesmo que já tenha sido ajuizada ação para to- b. Cada multiproprietário é titular de uma fração de
mada do bem. tempo, a qual corresponde à faculdade de uso e
c. antes de operada a consolidação da posse do gozo da totalidade do imóvel, com exclusividade,
bem em favor do credor fiduciário, deverá ser dada da totalidade do imóvel objeto da multipropriedade.
oportunidade para que Dora pague a respectiva c. A fração de tempo que cada multiproprietário titu-
cota-parte da dívida ao agente financiador. lariza não pode ser inferior a sete dias.
d. a alienação fiduciária não terá eficácia perante d. Todos os multiproprietários terão direito a uma
Dora, mesmo que seja anterior à celebração da mesma quantidade mínima de dias seguidos du-
promessa de compra e venda. rante o ano, podendo haver a aquisição de frações
e. nenhuma das anteriores. maiores que a mínima, com o correspondente di-
reito ao uso por períodos também maiores.
e. O imóvel objeto da multipropriedade é divisível,
27. Não depende da outorga uxória, segundo o Códi-
sujeitando-se à ação de divisão e de extinção de
go Civil:
condomínio.
a. a alienação de imóvel adquirido por um dos côn-
juges após o casamento celebrado no regime da
comunhão parcial de bens. 30. São situações nas quais os Tribunais Superiores
b. a aquisição de imóvel por um dos cônjuges após entendem que há configurado o dano moral presumido
o casamento celebrado no regime da comunhão ou dano moral in re ipsa:
parcial de bens. a. Inclusão de consumidor em cadastro de inadim-
c. a prestação de fiança em contrato de aluguel resi- plentes.
dencial de parente até o quarto grau, por um dos b. Negativa, por parte de operadora de plano de saú-
cônjuges, após o casamento celebrado no regime de, de cobertura de tratamento.
da comunhão universal de bens. c. Criação de banco de dados o qual contenha in-
d. a prestação de garantia real de hipoteca por cônju- formações de titular de dados pessoais sem que
ge, no caso de casamento celebrado sob o regime este tenha ciência, bem como uso indevido des-
da comunhão parcial de bens. ses dados.
e. nenhuma das anteriores. d. Inadimplemento contratual, sem consequências
fáticas que levem a sofrimento psicológico.
28. Segundo a jurisprudência do Superior Tribunal de e. Nenhuma das anteriores.
Justiça, a prescrição da pretensão de repetição de in-
débito por cobrança indevida de valores referentes a
serviços não contratados de telefonia fixa, ou seja, no
caso em que o lesado é cliente da companhia de tele-
fonia, mas não contratou determinado serviço que lhe
está sendo cobrado, é de:

7 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

contrário de tratados internacionais e acordos bi-


DIREITO PROCESSUAL CIVIL laterais em vigor no Brasil. A pendência de causa
(Fabio Levino) perante a jurisdição brasileira impede a homologa-
ção de sentença judicial estrangeira quando exigi-
31. José ajuizou ação de cobrança contra JPKY Cons- da para produzir efeitos no Brasil.
truções Ltda., requerendo, na própria petição inicial, a e. compete privativamente à autoridade brasileira conhe-
desconsideração da sua personalidade jurídica, com a cer de ações relativas a imóveis situados no Brasil.
demonstração preliminar do preenchimento dos pres-
supostos legais específicos. Nesse caso, de acordo 33. A tutela provisória
com o Código de Processo Civil, a. da evidência será concedida sempre e unicamente
a. deverá ser determinada a instauração do inciden- quando caracterizado o abuso do direito de defesa
te de desconsideração da personalidade jurídica, ou o manifesto propósito protelatório da parte.
com a suspensão do processo. b. observará o rol taxativo previsto na norma proces-
b. deverá ser determinada a instauração do inciden- sual.
te de desconsideração da personalidade jurídica, c. conserva sua eficácia na pendência do processo,
sem a suspensão do processo. mas pode, a qualquer tempo, ser modificada, em-
c. dispensa-se a instauração do incidente de descon- bora não revogada.
sideração da personalidade jurídica, e o processo d. urgência de natureza antecipada só poderá ser
não será suspenso. concedida após justificação prévia.
d. dispensa-se a instauração do incidente de des- e. urgência de natureza cautelar pode ser efetivada me-
consideração da personalidade jurídica, mas o diante arresto, sequestro, arrolamento de bens, regis-
processo deverá permanecer suspenso até a de- tro de protesto contra alienação de bem e qualquer
cisão desse requerimento. outra medida idônea para asseguração do direito.
e. o requerimento deverá ser liminarmente rejeitado,
pois o incidente de desconsideração da persona- 34. Pedro ajuizou demanda, pelo procedimento co-
lidade jurídica só pode ser instaurado na fase de mum, com pedido único de natureza patrimonial dis-
cumprimento de sentença. ponível que versava sobre questão de direito local. Ao
receber a petição inicial, o Magistrado julgou liminar-
32. Segundo as normas que definem os limites da ju- mente improcedente o pedido formulado pelo autor,
risdição em nosso ordenamento processual civil, pode- sem observar a ordem cronológica de julgamento. Em
-se afirmar que: sua decisão, o Juiz consignou que o pedido contraria-
a. compete à autoridade judiciária brasileira proces- va expressamente enunciado de súmula do Tribunal
sar e julgar as ações de alimentos quando o réu de Justiça sobre a matéria e que a causa dispensava
mantiver vínculos no Brasil, tais como posse ou instrução probatória. Nessa situação hipotética, o Ma-
propriedade de bens, recebimento de renda ou ob- gistrado
tenção de benefícios econômicos. a. deveria, obrigatoriamente, ter dado ao réu a opor-
b. compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira tunidade de se manifestar, antes de realizar o exa-
processar e julgar as ações em que o réu, qual- me do mérito do processo.
quer que seja a sua nacionalidade, estiver domi- b. desrespeitou norma fundamental referente à or-
ciliado no Brasil, sendo que, no caso de pessoa dem cronológica de conclusão e julgamento, o que
jurídica, considera-se domiciliada no Brasil aquela configura grave falha funcional sujeita a controle
que nele tiver sua sede principal. correcional pelo Poder Judiciário.
c. compete subsidiariamente à autoridade judiciária c. prolatou decisão que não se sujeita aos efeitos da
brasileira conhecer de ações relativas a divórcio, coisa julgada material.
separação judicial ou dissolução de união estável d. agiu em conformidade com o CPC para julgar li-
e proceder à partilha de bens situados no Brasil minarmente improcedente o pedido, cabendo ao
quando o titular seja de nacionalidade estrangeira autor interpor recurso de apelação caso deseje re-
ou tenha domicílio fora do território nacional. formar a decisão.
d. a ação proposta perante tribunal estrangeiro induz e. estará dispensado de comunicar ao réu o resulta-
litispendência e obsta a que a autoridade judiciá- do do julgamento, caso não seja interposto recur-
ria brasileira conheça da mesma causa e das que so pelo autor.
lhe são conexas, ressalvadas as disposições em

8 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

35. Acerca do processo de conhecimento no âmbito b. configura-se em sentença, sendo, portanto, ape-
do Código de Processo Civil, assinale a alternativa lável.
incorreta: c. é passível de cumprimento provisório, mesmo que
a. O indeferimento da petição inicial é decisão que, tenha sido julgado em definitivo o recurso dele in-
não admitindo o processamento da demanda terposto.
apresentada, põe fim liminarmente ao processo, d. pode ser executado, independentemente de cau-
sem resolução de mérito. Entretanto, somente se ção, ainda que esteja pendente de julgamento re-
admite tal decisão se restar inviabilizada a tutela curso contra ele interposto.
jurisdicional, ou seja, se não for possível a corre- e. deve reconhecer a existência de obrigação líqui-
ção do vício ou se o autor, previamente intimado da, não sendo cabível sua prévia liquidação.
para saná-lo, não atendeu à determinação judicial.
Ainda, nada impede que o indeferimento da pe- 37. De acordo com o entendimento do STJ, é correto
tição inicial seja parcial, oportunidade em que a afirmar que o rol de cabimento de agravo de instrumen-
demanda prosseguirá em relação à parte admitida to previsto no Código de Processo Civil (CPC)
da peça inaugural. a. é de taxatividade mitigada, admitindo-se a inter-
b. O Código de Processo Civil, em homenagem aos posição desse recurso quando verificada urgência
princípios da economia processual e da instru- decorrente da inutilidade do julgamento da ques-
mentalidade das formas, eliminou as exceções tão no recurso de apelação.
instrumentais (de incompetência relativa) e as b. é exaustivo, não sendo admitida interpretação ex-
impugnações em apartado (ao valor da causa e tensiva ou analógica.
à gratuidade da justiça), inserindo-as todas como c. é meramente exemplificativo, admitindo-se a in-
preliminares de contestação. A reconvenção tam- terposição desse recurso contra outras decisões
bém passou a ser exercida no bojo da contesta- interlocutórias.
ção, mantendo-se, porém, a regra da inadmissibi- d. não prevê a interposição desse recurso contra de-
lidade da reconvenção subjetivamente ampliativa, cisões interlocutórias proferidas na fase de liquida-
prevista no Código de Processo Civil de 1973. ção de sentença ou de cumprimento de sentença.
c. Caso o réu alegue na contestação ser parte ilegí- e. não contempla outras hipóteses de cabimento
tima ou não ser o responsável pelo prejuízo invo- desse recurso previstas em lei.
cado, o juiz facultará ao autor, em 15 dias, a alte-
ração da petição inicial para substituição do réu. 38. Tendo transitado em julgado sentença que conde-
Trata-se, portanto, de uma forma de modificação nara o réu a pagar ao autor determinada soma pecuni-
dos elementos da demanda mesmo após a cita-
ária, este requereu, a juízo situado em foro diverso do
ção do réu e sem que seja necessário o seu con-
da condenação, o cumprimento do julgado.
sentimento específico, sendo esta uma exceção
Sem que tivesse satisfeito voluntariamente a obriga-
ao regime de estabilização progressiva delimitado
ção, o réu, pretendendo arguir a incompetência relativa
pelo art. 329 do CPC.
d. Para ser apresentada, a reconvenção pressupõe do foro em que a execução foi deflagrada, deve ofertar:
uma causa pendente, porém, uma vez veiculada, a. Embargos à execução.
ela adquire autonomia. Dessa forma, a desistência b. Exceção de incompetência relativa no juízo do
da ação ou a ocorrência de causa extintiva que cumprimento de sentença ou no juízo do local em
impeça o exame de seu mérito não obsta o pros- que o executado entende ser o foro competente.
seguimento do processo quanto à reconvenção. c. Impugnação ao cumprimento de sentença, inde-
e. No curso de ação cível, é defeso ao Juiz conhecer pendente de penhora ou nova intimação.
de ofício a convenção de arbitragem e a incompe- d. Objeção de pré-executividade, pois não se trata de
tência relativa. mérito e não há necessidade de garantir o juízo.
e. Contestação, como preliminar de mérito.
36. No que diz respeito ao julgamento antecipado par-
39. Em relação às ações reguladas por procedimen-
cial de mérito, é correto afirmar que o respectivo pro-
tos especiais, é correto afirmar:
nunciamento judicial
a. No caso de ação possessória em que figure no
a. deve ser objeto de confirmação quando da prola-
polo passivo grande número de pessoas, serão
ção da futura sentença, por se tratar de decisão de
feitas a citação pessoal dos ocupantes que forem
natureza provisória.
encontrados no local e a citação por edital dos de-

9 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

mais, determinando-se, ainda, a intimação do Mi-


nistério Público e, se envolver pessoas em situa-
DIREITO PENAL
ção de hipossuficiência econômica, da Defensoria (Túlio Max)
Pública.
b. No tocante à ação de consignação em pagamento, 41. Julgue os itens abaixo como C (CERTO) ou E
será o depósito requerido no lugar do pagamento, (ERRADO) e assinale a opção que contém a sequência
cessando para o devedor, à data do depósito, os de respostas.
juros e os riscos da mora, ainda que a demanda I – Na hipótese de condenação por infrações às
seja ao depois julgada improcedente, por sua de- quais a lei comine pena máxima superior a 6
monstração tempestiva de boa-fé objetiva. (seis) anos de reclusão, poderá ser decretada
c. A ação de dissolução parcial de sociedade tem por a perda, como produto ou proveito do crime,
objeto único a resolução da sociedade empresária dos bens correspondentes à diferença entre
contratual ou simples em relação ao sócio faleci- o valor do patrimônio do condenado e aque-
do, excluído o que exerceu o direito de retirada ou le que seja compatível com o seu rendimento
recesso. lícito.
d. A ação monitória será proposta por aquele que II – A importação de pouca quantidade de semen-
afirmar, com base em prova oral ou escrita sem tes de maconha não caracteriza o crime tráfico
exequibilidade, ter direito de exigir do devedor ca- previsto no art. 33 da Lei de Drogas.
paz o pagamento de valor em dinheiro ou a en- III – O princípio da irrelevância penal do fato não
trega de coisa fungível ou infungível, ou de bem se confunde com o princípio da insignificância,
móvel ou imóvel. sendo que o primeiro ambienta-se na teoria
e. A oposição é manifestada por aquele que, denun- geral da pena, enquanto que o segundo se si-
ciado da lide ou chamado ao processo, impugna tua na teoria do delito.
sua condição de responsável pela obrigação con- IV – O princípio da bagatela imprópria encontra
tratual ou extracontratual. previsão expressa no Código Penal, enquanto
que o princípio da bagatela própria é fruto de
40. À luz da jurisprudência do Superior Tribunal de construção teórica e jurisprudencial.
justiça, marque a opção incorreta. V – A reincidência por si só não obsta a aplicação
a. O credor pode optar pela remessa dos autos ao do princípio da insignificância, devendo ser
foro de domicílio do executado, mesmo após o iní- analisados outros elementos.
cio do cumprimento de sentença. a. E, E, E, E, E.
b. A fixação de determinado valor a ser recebido b. C, C, C, C, C.
mensalmente pelo herdeiro a título de adianta- c. E, C, C, E, C.
mento de herança não configura negócio jurídico d. C, E, E, C, C.
processual atípico na forma do art. 190, caput, do e. E, E, C, E, E.
CPC/2015.
c. Em se tratando de embargos de declaração opos- 42. Acerca da continuidade delitiva, julgue os itens
tos contra acórdão que julga agravo de instrumen- abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a
to, a aplicação da técnica de julgamento ampliado opção que contém a sequência de respostas:
somente ocorrerá se os embargos de declaração I – Adota-se a teoria da ficção jurídica, o que au-
forem acolhidos para modificar o julgamento origi- toriza tomar cada um dos delitos como crime
nário do magistrado de primeiro grau que houver parcelar.
proferido decisão parcial de mérito. II – O crime de latrocínio é classificado como cri-
d. O procedimento de distinção (distinguishing) pre- me agravado ou qualificado pelo resultado,
visto no art. 1.037, § § 9º e 13, do CPC/2015, sendo, pois, desdobramento do delito de rou-
aplica-se também ao incidente de resolução de bo, razão pela qual se mostra possível o re-
demandas repetitivas – IRDR. conhecimento de continuidade delitiva entre
e. O acórdão que admite ou inadmite o Incidente de roubo e latrocínio.
Resolução de Demandas Repetitivas – IRDR é re- III – O crime continuado homogêneo refere-se
corrível. às hipóteses em que são praticados crimes
idênticos, enquanto o crime continuado hete-
rogêneo relaciona-se aos casos em que são

10 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

praticados crimes constantes de tipos legais pelas características da autonomia e da substitu-


diversos embora unidos pela unidade de de- tividade.
sígnios e pelas mesmas condições de tempo, c. A reincidência compõe óbice para a substituição
lugar e modo de execução. da pena privativa de liberdade por restritiva de
IV – De acordo com a teoria mista, os requisitos direitos.
para a continuidade delitiva são de natureza d. Os elevados custos da atuação estatal e o
tanto objetiva quanto subjetiva. enriquecimento ilícito advindo do delito não
V – O somatório ou incidência de fração de au- autorizam a exasperação da pena-base a título de
mento são considerados para fins de cabimen- consequências do delito.
to da suspensão condicional do processo. e. A incidência da atenuante da confissão espontâ-
a. E, E, E, E, E. nea no crime de tráfico ilícito de entorpecentes exi-
b. C, C, C, C, C. ge o reconhecimento da traficância pelo acusado,
c. E, C, C, E, C. não bastando a mera admissão da posse ou pro-
d. C, E, E, C, C. priedade para uso próprio.
e. E, E, C, E, E.
45. Acerca da continuidade delitiva, julgue os itens
43. Assinale a opção certa. abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a
a. Diante de duas condenações transitadas em jul- opção que contém a sequência de respostas:
gado, anteriores ao fato apurado nos autos e não I – O complemento da norma penal em branco
alcançadas pelo período depurador, admite-se considerada em sentido lato também chama-
a utilização de uma delas a título de agravante da de norma penal em branco própria provém
genérica da reincidência e da outra para fins de da mesma fonte formal, ao passo que o da
exasperar a pena na primeira fase em relação à norma penal em branco considerada em senti-
circunstância judicial da conduta social. do estrito ou norma penal em branco imprópria
b. Diante de duas condenações transitadas em jul- provém de fonte formal diversa.
gado, anteriores ao fato apurado nos autos e não II – As denominadas normas secundariamente re-
alcançadas pelo período depurador, admite-se metidas somente são admitidas caso o com-
a utilização de uma delas a título de agravante plemento conste de lei em sentido estrito.
genérica da reincidência e da outra para fins de III – O princípio da estrita legalidade e da reserva
exasperar a pena na primeira fase em relação à legal não importa a inconstitucionalidade de
circunstância judicial da personalidade. norma penal em branco, quando a norma penal
c. Para efeito de reincidência, não prevalece a con- revela diretrizes suficientes de criminalização.
denação anterior, se entre a data da infração an- IV – Não se admite normas duplamente incompletas.
terior e a infração posterior tiver decorrido período V – Os crimes contra a Administração Pública de-
de tempo superior a 5 (cinco) anos. mandam a complementação do conceito de
d. A folha de antecedentes criminais é documento in- funcionário público o qual é extraído do pró-
suficiente a comprovar os maus antecedentes e a prio Código Penal, razão pela qual constituem
reincidência. exemplo de norma penal em branco homogê-
e. Se o agente comete novo crime após o trânsito nea homovitelina.
em julgado de condenação por crime anterior mas a. E, E, E, E, E.
antes da extinção da pena, trata-se de hipótese de b. C, C, C, C, C.
reincidência ficta. c. E, C, C, E, C.
d. C, E, E, C, C.
44. Assinale a opção ERRADA. e. E, E, C, E, E.
a. Somente é possível a substituição da pena priva-
tiva de liberdade por restritiva de direitos, para réu 46. Em relação aos crimes contra a vida, assinale a
reincidente condenado pelo crime de receptação opção correta:
com pena de 1 ano, caso estejam presentes boas a. A qualificadora do feminicídio associa-se à condi-
circunstâncias no artigo 59 do Código Penal, a ção pessoal da vítima, possuindo natureza subje-
reincidência seja não específica e a medida reve- tiva, sendo que, de acordo com a jurisprudência
lar-se socialmente recomendável. do Superior Tribunal de Justiça, é possível a sua
b. As penas restritivas de direitos são guarnecidas cumulação com qualificadoras de ordem objetiva.

11 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

b. A Lei n. 13.104/2015 acrescentou um sexto inciso II – Submetem-se ao procedimento trifásico de


ao rol do § 2º para tratar do feminicídio, estabele- dosimetria da pena as penas privativas de li-
cendo, expressamente, pena de doze a trinta anos berdade, bem como a pena pecuniária.
para homicídio praticado contra a mulher por ra- III – A análise devidamente fundamentada das cir-
zões da condição de gênero feminino, ou seja, por cunstâncias judiciais do artigo 59 do Código
motivo de desprezo em razão da sua condição de Penal impele a exasperação da pena.
mulher. IV – As agravantes genéricas (artigos 61 e 62) in-
c. A qualificadora do meio cruel não é compatível cidem apenas em relação aos crimes dolosos,
com o dolo eventual. exceto a reincidência que incide para crimes
d. A pena do feminicídio é aumentada de 1/3 (um ter- dolosos e culposos.
ço) até a metade se o crime for praticado durante V – As atenuantes encontram-se prescritas em rol
a gestação ou nos 2 (dois) meses posteriores ao exemplificativo.
parto. a. Existe apenas 1 alternativa correta.
e. O crime de homicídio é classificado como crime de b. Existem apenas 2 alternativas corretas.
concurso eventual. c. Existem apenas 3 alternativas corretas.
d. Existem apenas 4 alternativas corretas.
47. Em relação aos crimes contra a vida, julgue os e. Todas as alternativas estão corretas.
itens abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e as-
sinale a opção que contém a sequência de respostas: 49. Em relação à aplicação da pena, julgue os itens
I – O induzimento, instigação ou auxílio material abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a
a suicídio frustrado (não ocorrência de morte) opção que contém a sequência de respostas:
com lesão corporal simples ou sequer lesões I – De acordo com a teoria unitária adotada pelo
tipifica o delito do art. 122, caput, do Código Código Penal em relação à pena, a pena pos-
Penal. sui as finalidades de retribuição, prevenção e
II – O induzimento, instigação ou auxílio material a ressocialização.
automutilação da qual deriva lesão simples ou II – Em razão do resguardo a intimidade da vítima,
escoriações tipifica o delito do art. 122, caput, o crime de estupro submete-se à ação públi-
do Código Penal. ca condicionada à representação da vítima,
III – O delito do art. 122 do Código Penal é classifi- enquanto que a ação penal para estupro de
cado como condicional. vulnerável é pública incondicionada.
IV – Se o delito do art. 122 do Código Penal for III – A tipicidade faz presumir a ilicitude, ou seja,
praticado por motivo egoístico incide causa a tipicidade figura como ratio essendi da ilici-
de aumento, enquanto que incidirá agravante tude.
genérica caso seja praticado por motivo torpe. IV – Na aplicação do art. 97 do Código Penal não
V – Se a vítima induzida a praticar suicídio tenha deve ser considerada simplesmente a natu-
16 anos, o agente responderá pelo crime de reza da pena privativa de liberdade aplicável,
homicídio. mas sim a periculosidade do agente, cabendo
a. Existe apenas 1 alternativa errada. ao julgador a faculdade de optar pelo trata-
b. Existem apenas 2 alternativas erradas. mento que melhor se adapte ao inimputável.
c. Existem apenas 3 alternativas erradas. V – São aceitáveis estabelecimentos que não se
d. Existem apenas 4 alternativas erradas. qualifiquem como “colônia agrícola, industrial”
e. Todas as alternativas estão erradas. (regime semiaberto) ou “casa de albergado ou
estabelecimento adequado” (regime aberto)
48. Em relação à aplicação da pena, julgue os itens (art. 33, § 1º, alíneas “b” e “c”).
abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a a. Existe apenas 1 alternativa errada.
opção que contém a sequência de respostas: b. Existem apenas 2 alternativas erradas.
I – A individualização da pena revela-se como ga- c. Existem apenas 3 alternativas erradas.
rantia fundamental, sendo que, de acordo com d. Existem apenas 4 alternativas erradas.
a doutrina, deve ser observada não somente e. Todas as alternativas estão erradas.
pelo Judiciário, mas também pelo Legislativo
e Executivo. 50. Em relação aos crimes contra a Administração
Pública, julgue os itens abaixo como C (CERTO) ou E

12 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

(ERRADO) e assinale a opção que contém a sequên- acusado.


cia de respostas: d. O princípio do contraditório não se aplica ao in-
I – Nos crimes funcionais, a condição de funcio- quérito policial, que tem caráter inquisitivo. Não
nário público emerge como essencial, de tal obstante, é facultado ao Defensor Público o aces-
sorte que, na hipótese de crime funcional pró- so aos elementos já documentados nos autos do
prio, o afastamento da referida elementar im- inquérito.
pele a atipicidade absoluta da conduta. e. A sustentação oral no Plenário do Tribunal de Júri
II – O depositário fiel, a quem cabe a guarda de realizada em apenas sete minutos caracteriza, por
bens penhorados em processo de execução, si só, deficiência de defesa, ensejando a nulidade
não se equipara a funcionário público para fins absoluta do julgamento.
de imputação do crime de peculato.
III – A Fazenda Pública autoriza, acaso o débito 52. Sobre provas em Processo Penal, é correto afirmar:
não supere determinado valor, o não ajuiza- a. A prova testemunhal tem baixo valor probatório,
mento de execução fiscal. Nesse cenário, a não podendo se sobrepor à prova pericial, se hou-
despeito da independência das esferas cível ver nos autos.
e criminal, é possível considerar esse valor b. O princípio da identidade física do Juiz prevê que
como parâmetro para a incidência do princípio o Juiz que presidir a instrução sempre deverá pro-
da insignificância para os crimes de descami- ferir a sentença, não comportando exceções.
nho e contra a ordem tributária. c. O Juiz das Garantias, figura inserida no ordena-
IV – O administrador que desconta valores da folha mento jurídico processual penal com o chamado
de pagamento dos servidores públicos para Pacote Anticrime, é o responsável por autorizar
quitação de empréstimo consignado e não os meios de obtenção da prova que restrinjam direi-
repassa a instituição financeira pratica pecula- tos fundamentais do investigado. É nova espécie
to-desvio, sendo desnecessária a demonstra- de competência funcional, que atualmente está
ção de obtenção de proveito próprio ou alheio, com eficácia suspensa por decisão liminar conce-
bastando a mera vontade de realizar o núcleo dida pelo Supremo Tribunal Federal.
do tipo. d. O réu deve comparecer ao interrogatório, sob
V – O pagamento de remuneração a funcionários pena de ser decretada sua prisão preventiva, para
fantasmas não configura apropriação ou des- garantir a aplicação da lei penal.
vio de verba pública, previstos pelo art. 1º, in- e. As declarações do ofendido são obrigatórias, não
ciso I, do Decreto-Lei n. 201/1967. podendo, em hipótese alguma, ser dispensadas
a. Existe apenas 1 alternativa correta. ou supridas por outros elementos.
b. Existem apenas 2 alternativas corretas.
c. Existem apenas 3 alternativas corretas. 53. São princípios que regem a ação penal pública,
d. Existem apenas 4 alternativas corretas. EXCETO:
e. Todas as alternativas estão corretas. a. Intranscendência.
b. Obrigatoriedade.
c. Conveniência/Oportunidade.
DIREITO PROCESSUAL PENAL d. Indisponibilidade.
e. Oficialidade.
(Mayara Tachy)
54. São características do sistema acusatório, exceto:
51. Sobre os princípios do Direito Processual Penal a. A gestão das provas nas mãos das partes.
e as normas de direitos humanos, marque a resposta b. O contraditório.
INCORRETA: c. A oralidade.
a. O princípio nemo tenetur se detegere é de ordem d. A paridade de armas.
constitucional e convencional. e. O Juiz espectador.
b. A prisão após a condenação em segunda instân-
cia viola o princípio da presunção de inocência. 55. O inquérito policial é o meio de investigação por
c. O direito ao silêncio abrange a falta do alerta sobre
excelência, mas outras autoridades também podem
o direito ao silêncio, constituindo-se em nulidade
investigar. Sobre os meios de investigação criminal, é
relativa, devendo ser comprovado o prejuízo ao
incorreto afirmar:

13 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

a. O inquérito policial somente será presidido pela ternativa correta:


autoridade policial. a. O rol do Recurso em Sentido Estrito é taxativo,
b. Não há, atualmente, a possibilidade de ação penal não admitindo interpretação extensiva.
sem demanda. b. Da decisão de desclassificação no rito especial do
c. A competência do Juiz das Garantias cessa com o Tribunal do Júri, cabe apelação.
recebimento da denúncia, nos termos do art. 3º-B, c. O Ministério Público pode desistir do recurso inter-
XIV, do CPP. posto, em respeito a sua independência funcional.
d. Não se admite a instauração do inquérito com d. Cabe recurso em sentido estrito da decisão que
base em denúncia anônima. recusar homologação à proposta de acordo de
e. No procedimento investigatório conduzido pelo não persecução penal.
Ministério Público, não precisam ser observadas e. É admitida a piora da situação do acusado quan-
as mesmas garantias asseguradas à defesa no in- do o recurso interposto for exclusivo da defesa, no
quérito policial, pois as investigações são conduzi- caso de reconhecimento de nulidades absolutas
das diretamente pelo titular da ação penal. pelo Tribunal.

56. Sobre as medidas cautelares diversas da prisão, 59. Acerca das interceptações telefônicas, julgue as
assinale a alternativa incorreta. assertivas abaixo, indicando a incorreta:
a. A fiança pode ser fixada pela autoridade policial, a. É matéria de reserva de jurisdição.
sempre que a pena máxima prevista para o crime b. A interceptação telefônica será autorizada apenas
não ultrapassar quatro anos, desde que não se para investigar crime punido com reclusão.
trate de crimes inafiançáveis. c. Deve haver degravação integral dos áudios captu-
b. A prisão preventiva não pode ser substituída por rados, a fim de se assegurar ampla defesa e con-
monitoramento eletrônico nos crimes que envol- traditório.
vam violência doméstica e familiar contra a mulher. d. A interceptação telefônica não pode ser determi-
c. O monitoramento eletrônico pode ser utilizado nada com base em denúncia anônima.
como meio de fiscalização pelo Juiz quando au- e. Não será deferida se houver outros meios de pro-
torizar a saída temporária no regime semiaberto. duzir a prova.
d. No caso de inimputabilidade do acusado, é admi-
tida a internação provisória como medida cautelar 60. Sobre os aspectos processuais penais da Lei Ma-
corporal. ria da Penha, marque a alternativa correta:
e. A lei processual penal não define a periodicidade a. Admite-se a suspensão condicional do processo
do comparecimento em juízo como medida caute- e a transação penal nos crimes que envolvam vio-
lar, devendo ser fixada pelo magistrado. lência doméstica e familiar contra a mulher, desde
que preenchidos os requisitos legais.
57. Sobre as prisões em processo penal, assinale a b. Nos delitos praticados em ambiente doméstico e
alternativa incorreta: familiar, geralmente praticados à clandestinidade,
a. A prisão temporária pode ser decretada apenas na sem a presença de testemunhas, a palavra da ví-
fase inquisitorial. tima possui especial relevância, tornando-se des-
b. A prisão preventiva deve ser idoneamente funda- necessário que seja corroborada por outros ele-
mentada em elementos concretos e contemporâ- mentos probatórios.
neos. c. Poderá ser decretada a prisão preventiva do acu-
c. A prisão temporária, nos crimes hediondos, po- sado para assegurar o cumprimento das medidas
derá ser decretada por 30 dias, prorrogáveis por protetivas.
igual período. d. A aplicação da Lei Maria da Penha exige a coabi-
d. Admite-se a prorrogação da prisão em flagrante tação.
na Lei de Drogas, aguardando o melhor momento e. A medida protetiva somente poderá ser concedida
para identificar e responsabilizar maior número de pela autoridade judicial.
integrantes de operações de tráfico.
e. A prisão preventiva pode ser decretada de ofício
pelo magistrado, quando no curso da ação penal.

58. Sobre recursos em processo penal, marque a al-

14 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

a. As operadoras de planos de saúde não estão


DIREITO DO CONSUMIDOR obrigadas a fornecer medicamento não registrado
(Keity Satiko) pela ANVISA.
b. Companhia aérea não é civilmente responsável
por não promover condições dignas de acessibi-
61. Quanto aos bancos de dados nas relações de con-
lidade de pessoa cadeirante ao interior da aero-
sumo, assinale a alternativa incorreta:
nave. A obrigação de acessibilidade deverá ser
a. Os cadastros e dados de consumidores devem
garantida pela ANAC, não podendo haver transfe-
ser objetivos, claros, verdadeiros e em linguagem
rência de responsabilidade.
de fácil compreensão, não podendo conter infor-
c. É abusiva a prática da companhia aérea que can-
mações negativas referentes a período superior a
cela automaticamente o voo de volta em razão de
cinco anos.
“no show” na ida.
b. O consumidor, sempre que encontrar inexatidão
d. A decadência do artigo 26 do CDC não é aplicável
nos seus dados e cadastros, poderá exigir sua
à prestação de contas para obter esclarecimentos
imediata correção, devendo o arquivista, no prazo
sobre cobrança de taxas, tarifas e encargos ban-
de cinco dias, comunicar a alteração aos eventu-
cários.
ais destinatários das informações incorretas.
e. Não configura dano moral in re ipsa a simples re-
c. Os bancos de dados e cadastros relativos a con-
messa de fatura de cartão de crédito para a resi-
sumidores, os serviços de proteção ao crédito e
dência do consumidor com cobrança indevida, ou
congêneres são considerados entidades de cará-
seja, fatura com valores diversos daqueles gastos
ter público.
pelo consumidor.
d. Consumada a prescrição relativa à cobrança de
débitos do consumidor, não serão fornecidas, pe-
los respectivos Sistemas de Proteção ao Crédito, 64. Todas as assertivas estão de acordo com enun-
quaisquer informações que possam impedir ou ciados sumulados do Superior Tribunal de Justiça, EX-
dificultar novo acesso ao crédito junto aos forne- CETO:
cedores a. Aplica-se o Código de Defesa do Consumidor aos
e. A abertura de cadastro, ficha, registro e dados contratos de plano de saúde, salvo os administra-
pessoais e de consumo deverá ser comunicada dos por entidades de autogestão.
por escrito ao consumidor, quando não solicitada b. O Código de Defesa do Consumidor é aplicável
por ele. aos empreendimentos habitacionais promovidos
pelas sociedades cooperativas.
62. No que tange aos contratos de adesão, assinale a c. O Banco do Brasil, na condição de gestor do Ca-
dastro de Emitentes de Cheques sem Fundos
alternativa INCORRETA:
(CCF), não tem a responsabilidade de notificar
a. A inserção de cláusula no formulário não desfigura
previamente o devedor acerca da sua inscrição no
a natureza de adesão do contrato.
aludido cadastro, tampouco legitimidade passiva
b. Não se admite cláusula resolutória nos contratos
para as ações de reparação de danos fundadas na
de adesão.
ausência de prévia comunicação.
c. As cláusulas que implicarem limitação a direito do
d. É vedado ao banco mutuante reter, em qualquer
consumidor deverão ser redigidas com destaque.
extensão, os salários, vencimentos e/ou proventos
d. Os contratos de adesão escritos serão redigidos
de correntista para adimplir o mútuo (comum) con-
em termos claros e com caracteres ostensivos e
traído, ainda que haja cláusula contratual autoriza-
legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior
tiva, excluído o empréstimo garantido por margem
ao corpo doze.
salarial consignável, com desconto em folha de
e. Contrato de adesão é aquele cujas cláusulas te-
pagamento, que possui regramento legal especí-
nham sido aprovadas pela autoridade competente
fico e admite a retenção de percentual.
ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor
e. O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às
de produtos ou serviços, sem que o consumidor
entidades abertas de previdência complementar,
possa discutir ou modificar substancialmente seu
não incidindo nos contratos previdenciários cele-
conteúdo.
brados com entidades fechadas.
63. Segundo posicionamento do STJ, assinale o item
65. Caso o vício de um produto não for sanado ou re-
incorreto:

15 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

parado no prazo máximo de 30 dias, caberá ao consu- do serviço, é correto afirmar:


midor: a. A responsabilidade pessoal dos profissionais libe-
a. no prazo de sete dias, postular a substituição do rais será apurada independentemente de culpa.
produto por um outro qualquer, à escolha do forne- b. O médico responde objetivamente pelos danos
cedor, em perfeitas condições de uso. causados nos pacientes em decorrência de cirur-
b. poderá exigir a restituição imediata da quantia gia estética embelezadora.
paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo c. O serviço não é considerado defeituoso pela ado-
de eventuais perdas e danos. ção de novas técnicas.
c. requererá apenas a substituição por outro da mes- d. O fornecedor será responsável mesmo em caso
ma espécie ou a restituição da quantia, com preju- de culpa exclusiva de terceiro.
ízo de eventuais perdas e danos. e. O fornecedor será responsável mesmo em caso
d. negociará a restituição da quantia paga, sem atua- de culpa exclusiva do consumidor.
lização monetária, com prejuízo de eventuais per-
das e danos. 69. Segundo o entendimento do STJ, o CDC aplica-se
e. somente requererá o abatimento proporcional do a. em relação contratual entre paciente e médico
preço. b. em relação contratual entre cliente e advogado.
c. a contrato de plano de saúde administrado por en-
66. Conforme o CDC, o comerciante tem regramentos tidade de autogestão.
próprios de responsabilidade para fato do produto. As- d. a contratos de previdência complementar celebra-
sinale a opção certa. dos com entidades fechadas.
a. Nunca o comerciante do respectivo produto pode- e. entre o cooperado e a cooperativa.
rá ser responsabilizado pelo FATO.
b. O comerciante responderá mesmo que o fabrican- 70. Assinale a alternativa correta:
te, o construtor, o produtor ou o importador pude- a. Produto é qualquer atividade fornecida no merca-
rem ser identificados. do de consumo, mediante remuneração, inclusive
c. O comerciante responderá se o produto for for- as de natureza bancária, financeira, de crédito e
necido com identificação clara do seu fabricante, securitária, salvo as decorrentes das relações de
produtor, construtor ou importador. caráter trabalhista.
d. O comerciante responderá caso não conservar b. Equipara-se a consumidor a coletividade de pes-
adequadamente os produtos perecíveis. soas, ainda que indetermináveis, que haja inter-
e. O comerciante responde subjetivamente. vindo nas relações de consumo.
c. A pessoa jurídica de direito público não pode ser
67. São direitos básicos do consumidor, EXCETO: considerada fornecedora de produto ou serviço.
a. A educação e divulgação sobre o consumo ade- d. Entes despersonalizados não podem ser conside-
quado dos produtos e serviços, asseguradas a rados fornecedores de produto ou serviço.
liberdade de escolha e a igualdade nas contrata- e. Serviço é qualquer atividade fornecida no merca-
ções. do de consumo, mediante remuneração direta,
b. A instituição de Promotorias de Justiça de Defesa inclusive as de natureza bancária, financeira, de
do Consumidor, no âmbito do Ministério Público. crédito e securitária, salvo as decorrentes das re-
c. A informação adequada e clara sobre os diferen- lações de caráter trabalhista.
tes produtos e serviços, com especificação correta
de quantidade, características, composição, quali- DIREITOS DIFUSOS E COLETIVOS
dade, tributos incidentes e preço, bem como sobre
os riscos que apresentem. (Karoline Leal)
d. A modificação das cláusulas contratuais que es-
tabeleçam prestações desproporcionais ou sua 71. Acerca dos direitos difusos, coletivos e individuais
revisão em razão de fatos supervenientes que as homogêneos, assinale a alternativa correta:
tornem excessivamente onerosas. a. Os direitos difusos compreendem interesses que
e. Adequada e eficaz prestação dos serviços públi- não encontram apoio em uma relação-base bem
cos em geral. definida, reduzindo-se o vínculo entre as pessoas
a fatores conjunturais ou extremamente genéricos,
68. Quanto à responsabilidade pelo fato do produto e a dados de fato frequentemente acidentais ou mu-

16 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

táveis. São direitos transindividuais, indivisíveis (a positura de ação civil pública em ordem a promo-
tutela será uniforme entre todos os interessados), ver a tutela judicial de direitos difusos e coletivos
titularizados por pessoas indeterminadas ligadas de que sejam titulares, em tese, as pessoas ne-
por circunstância comum. cessitadas economicamente.
b. Os direitos coletivos, estrito senso, são interesses e. Não se exige da Defensoria Pública, no ajuiza-
e direitos transindividuais, de natureza indivisível mento das ações civis públicas, a comprovação da
de que seja titular grupo, categoria ou classe de pertinência temática. Contudo, faz indispensável
pessoas ligadas, apenas, entre si. analisar se a ação guarda relação com a função
c. Os direitos individuais homogêneos são direitos institucional prevista na Constituição Federal.
materialmente coletivos. O vínculo entre os titula-
res decorre de origem comum, que pode ser fática 74. Acerca da interface entre a demanda coletiva e os
ou jurídica. processos individuais, analise os seguintes itens:
d. São exemplos de vínculos de direitos coletivos es- I – Se há o trânsito em julgado da sentença co-
trito senso as relações-base entre associados de letiva antes de propositura da ação individual,
uma determinada associação, entre os acionistas basta que o autor individual promova a liquida-
de uma sociedade ou entre pessoas que conso- ção e execução do título. Porém, é facultado
mem o mesmo produto. que ajuíze nova ação em vez de promover a
e. Nos direitos individuais homogêneos, o grupo é liquidação e execução.
formado após a lesão, diferenciando dos direitos II – Se já houver uma ação individual e no curso
coletivos estrito senso, que têm sua conformação for ajuizada uma ação coletiva, o interessado
surgida de maneira pretérita, a partir da relação deverá requerer, no prazo de 30 dias, a con-
jurídica base. tar da ciência da existência da ação coletiva,
a suspensão do seu processo individual para
72. Figuram como legitimados expressos na Lei da que a coisa julgada coletiva in utilibus favoreça
Ação Civil Pública, exceto: o autor individual.
a. Ministério Público e Defensoria Pública. III – Se houver o trânsito em julgado da sentença
b. Ordem dos Advogados do Brasil. individual antes da sentença coletiva, o autor
c. União, Estados, DF e municípios. da ação individual não será beneficiado pela
d. Autarquias, empresas públicas, sociedades de futura coisa julgada coletiva.
economia mista. a. Apenas o item I está certo.
e. Associações constituídas há pelo menos 1 ano e b. Apenas o item II está certo.
com finalidades institucionais condizentes com os c. Apenas o item III está certo.
direitos salvaguardados na Lei da Ação Civil Pú- d. Os itens I e II são corretos.
blica. e. Os itens II e III são corretos.

73. A respeito da legitimidade da Defensoria Pública 75. Acerca do Inquérito civil, assinale o item correto:
para as ações civis públicas, indique o item correto: a. O inquérito civil tem previsão legal na Lei da Ação
a. A Defensoria Pública consta no rol dos legitimados Civil Pública, mas não tem previsão constitucional.
ativos para a defesa dos interesses dos consumi- b. O inquérito civil figura como procedimento prepa-
dores em juízo ratório para a coleta de dados que permita ao re-
b. Originalmente, a Defensoria Pública não constava presentante da Defensoria Pública a formação da
entre os legitimados para propor a Ação Civil Pú- convicção para o ajuizamento da ACP.
blica. Por tal razão, somente a partir da edição da c. O inquérito civil é um procedimento administrativo.
Lei n. 11.448/07, que alterou a Lei da Ação Civil Em regra, não há interferência do judiciário. Trata-
Pública, a Defensoria Pública pode ajuizar ações -se de um instituto não obrigatório, sigiloso, não
coletivas. inquisitorial e de titularidade dos legitimados para
c. A alteração da Lei da Ação Civil Pública para in- a Ação Civil Pública.
cluir expressamente a legitimidade da Defensoria d. Por se tratar de um procedimento preparatório,
Pública teve a constitucionalidade questionada no não há necessidade de observância do enunciado
Supremo Tribunal Federal, por meio da Ação de sumular vinculante n. 14.
Descumprimento de Preceito Fundamental. e. O inquérito civil possui prazo de um ano, podendo
d. A Defensoria Pública tem legitimidade para a pro- ser prorrogado.

17 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

76. A respeito da Ação Popular, assinale a alternativa Constituição Federal de 1988.


incorreta: e. A indisponibilidade dos bens pode ser decretada
a. A Ação Popular é um mecanismo constitucional sem ouvir o réu. Ademais, a indisponibilidade pode
de controle da legalidade e lesividade dos atos recair sobre bens adquiridos tanto antes quanto
administrativos em geral. A ação garante o direito depois da prática do ato de improbidade.
subjetivo a um governo honesto, por isso, pode-se
dizer que a ação popular é uma ação de caráter 78. A respeito do Mandado de Segurança Coletivo,
cívico administrativo. assinale a alternativa incorreta:
b. A Ação Popular tem por objeto a tutela preventiva, a. O mandado de segurança figura como garantia
repressiva ou ressarcitória do patrimônio público, para proteção do direito coletivo de direito líquido
da moralidade administrativa, do meio ambiente e e certo, não amparado por Habeas Corpus ou
do patrimônio histórico cultural. Habeas Data.
c. A legitimidade extraordinária é do cidadão, com- b. Conforme a Lei do Mandado de Segurança, os di-
preendido como aquele que pode votar. O maior reitos protegidos pelo instituto podem ser difusos,
de 16 anos pode oferecer ação popular sem assis- coletivos e individuais homogêneos.
tência dos pais. A capacidade é comprovada por c. O Mandado de Segurança Coletivo pode ser im-
meio do título eleitoral ou documento equivalente. petrado por partido político com representação
d. É possível que haja litisconsórcio entre cidadãos. no Congresso Nacional, na defesa de seus inte-
Tal litisconsórcio será passivo, facultativo, inicial resses legítimos relativos a seus integrantes ou
ou ulterior e unitário, porque a decisão deve ser à finalidade partidária, ou por organização sindi-
idêntica, tendo em vista que o objeto é indivisível, cal, entidade de classe ou associação legalmente
por se tratar de direito difuso. constituída e em funcionamento há, pelo menos, 1
e. O Ministério Público, na Ação Popular, figura como (um) ano, em defesa de direitos líquidos e certos
fiscal da ordem jurídica, como órgão ativador da da totalidade, ou de parte, dos seus membros ou
prova, auxiliando o autor para facilitar e acelerar associados, na forma dos seus estatutos e desde
a prova, podendo fazer requerimento de provas. que pertinentes às suas finalidades, dispensada,
Atua também como sucessor do autor na hipótese para tanto, autorização especial.
de abandono ou de desistência, pode interpor re- d. Não se concederá Mandado de Segurança quan-
cursos e deve promover a execução em 30 dias, do se tratar de ato do qual caiba recurso adminis-
sob pena de falta grave, caso o autor não o faça trativo com efeito suspensivo, independentemente
em 60 dias do trânsito em julgado. de caução. Também não se admite mandado de
segurança de decisão judicial da qual caiba re-
77. Acerca da orientação dos Tribunais Superiores so- curso com efeito suspensivo e de decisão judicial
bre a Ação de Improbidade Administrativa, assinale a transitada em julgado. 
alternativa incorreta: e. Não será concedida medida liminar que tenha por
a. A indisponibilidade prevista na Lei de Improbida- objeto a compensação de créditos tributários, a
de Administrativa não pode recair sobre bens de entrega de mercadorias e bens provenientes do
família. exterior, a reclassificação ou equiparação de servi-
b. A condenação pela Justiça Eleitoral ao pagamento dores públicos e a concessão de aumento ou a ex-
de multa por infringência às disposições contidas tensão de vantagens ou pagamento de qualquer
na Lei das Eleições não impede a imposição natureza. 
de nenhuma das sanções previstas na Lei de
Improbidade Administrativa, inclusive da multa 79. Acerca da tutela da pessoa com deficiência, assi-
civil, pelo ato de improbidade decorrente da nale o item verdadeiro:
mesma conduta. a. A pessoa com deficiência pode ser obrigada a se
c. São imprescritíveis as ações de ressarcimento ao submeter a intervenção clínica ou cirúrgica, trata-
erário fundadas na prática de ato doloso tipificado mento ou institucionalização forçada.
na Lei de Improbidade Administrativa. b. Em caso de pessoa com deficiência em situação
d. É pacífico o entendimento do STJ no sentido de de curatela, basta a manifestação do curador para
que a Lei n. 8.429/92 não pode ser aplicada re- a realização do procedimento cirúrgico.
troativamente para alcançar fatos anteriores a sua c. A PCD somente será atendida sem seu consenti-
vigência, ainda que ocorridos após a edição da mento prévio, livre e esclarecido em casos de risco

18 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

de morte e de emergência em saúde, resguardado


seu superior interesse e adotadas as salvaguar-
DIREITOS HUMANOS
das legais cabíveis. (Karoline Leal)
d. Não é possível a participação da pessoa com defi-
ciência em pesquisa científica. 81. Acerca das teorias que apresentam a justificativa
e. É assegurado 5% (cinco por cento) das vagas de ou a fonte legitimadora dos Direitos Humanos, assinale
estacionamento nas áreas de estacionamento a assertiva incorreta:
aberto ao público, de uso público ou privado de a. A teoria negacionista, que possui como expoente
uso coletivo e em vias públicas às pessoas com Norberto Bobbio, apregoa que é impossível en-
deficiência. contrar um fundamento único ou absoluto para os
direitos humanos.
80. A respeito da tutela do direito dos idosos, assinale b. Segundo a teoria jusnaturalista, o ser humano
o item incorreto: possui direitos naturais, anteriores e superiores ao
a. As ações coletivas de proteção judicial dos inte- Estado.
resses difusos, coletivos e individuais indisponí- c. Segundo a teoria jusnaturalista, fundada na Esco-
veis ou homogêneos serão propostas no foro do la de Direito Natural de Razão Divina, os direitos
domicílio do idoso, cujo juízo terá competência humanos são oriundos de Deus. Já para a Escola
absoluta para processar a causa, ressalvadas as de Direito Natural Moderno, os direitos humanos
competências da Justiça Federal e a competência são oriundos da natureza inerente do ser humano.
originária dos Tribunais Superiores. d. Consoante à teoria positivista, não há que se falar
b. Para as ações coletivas acerca do direito do idoso, em direito natural, anterior e superior ao Estado,
figuram como legitimados o Ministério Público, a de modo que a fundamentação dos direitos huma-
Defensoria Pública, a União, os Estados, o Distrito nos deve ser encontrada no ordenamento jurídico
Federal e os Municípios, a Ordem dos Advogados internacional, nos tratados, convenções, declara-
do Brasil e as associações legalmente constitu- ções.
ídas há, pelo menos, 1 (um) ano e que incluam e. A teoria positivista é adotada por parcela majoritá-
entre os fins institucionais a defesa dos interesses ria da doutrina internacional, não havendo funda-
e direitos da pessoa idosa, dispensada a autoriza- das críticas à referida teoria.
ção da assembleia se houver prévia autorização
estatutária. 82. A respeito do costume internacional no estudo dos
c. É garantida a gratuidade nos coletivos urbanos e Direitos Humanos, assinale o item incorreto:
semiurbanos aos maiores de 65 anos, bastando a. Constitui prática generalizada dos Estados, de
apresentação de documento de identidade. Os modo que o costume internacional passa a ser
ônibus devem ainda possuir 10% (dez por cento) norma. É compreendido como prova de uma práti-
dos assentos reservados para os idosos, devida- ca geral aceita como sendo o direito.
mente identificados com a placa de reservado pre- b. Do ponto de vista doutrinário, há corrente que as-
ferencialmente para idosos. sinala que o conceito de costume internacional
d. A gratuidade entre 60 (sessenta) e 65 (sessenta se funda em dois elementos: o primeiro que é um
e cinco) anos ficará a critério da legislação local. elemento material, isto é, a prática generalizada;
Com relação ao transporte coletivo interestadual, o segundo que é um elemento subjetivo, isto é, a
haverá a reserva de 2 (duas) vagas gratuitas por crença de que esta prática é obrigatória.
veículo para idosos com renda igual ou inferior a c. Diferentemente dos tratados, o costume interna-
2 (dois) salários-mínimos; desconto de 50% (cin- cional obriga os Estados tacitamente, sem exigir
quenta por cento), no mínimo, no valor das pas- uma manifestação explícita de aceitação nem uma
sagens, para os idosos que excederem as vagas incorporação formal na ordem jurídica interna.
gratuitas, com renda igual ou inferior a 2 (dois) d. Não se admite que um Estado deixe de observar
salários-mínimos. um costume internacional.
e. Há reserva, para os idosos, nos termos da lei lo- e. Ao lado das convenções internacionais, dos prin-
cal, de 5% (cinco por cento) das vagas nos esta- cípios gerais de direito, das decisões judiciais e
cionamentos públicos e privados, as quais deve- da doutrina dos publicistas, os costumes figuram
rão ser posicionadas de forma a garantir a melhor como fonte de direitos humanos.
comodidade ao idoso.

19 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

83. A respeito da classificação dos direitos humanos cana de Direitos Humanos.


em gerações, idealizada por Karel Vasak, assinale a c. No Subsistema da OEA, a Corte Interamericana
alternativa verdadeira: de Direitos Humanos atua como órgão de prote-
a. Os Direitos de Primeira Geração envolvem os di- ção. O Subsistema da OEA aplica-se a todos os
reitos de liberdade, como exemplo o direito à livre Estados membros da OEA.
locomoção e acesso ao trabalho digno. d. O Subsistema da Convenção Americana sobre
b. Os Direitos de Segunda Geração envolvem direi- Direitos Humanos se baseia nesta e se aplica so-
tos de igualdade, como exemplo o direito à educa- mente para os Estados que a tenham ratificado.
ção, saúde e de resistência. e. O Subsistema da Convenção Americana de Direi-
c. Os Direitos de Terceira Geração envolvem os tos Humanos tem como órgãos de proteção a Co-
direitos de fraternidade ou solidariedade, como missão Interamericana de Direitos Humanos e a
exemplo o direito ao meio ambiente equilibrado e Corte Interamericana de Direitos Humanos.
os direitos culturais.
d. Os Direitos de Quarta Geração envolvem o con- 86. Acerca da composição da Comissão Interamerica-
ceito de globalização política, como por exemplo o na de Direitos Humanos (CIDH), assinale a alternativa
direito à democracia. correta:
e. Os Direitos de Quinta Geração envolvem os direi- a. A CIDH compõe-se de 9 membros.
tos difusos e coletivos. b. Os comissários devem ser pessoas de alta auto-
ridade moral e reconhecido saber em matéria de
84. Acerca da Declaração Universal dos Direitos Hu- Direitos Humanos.
manos, assinale a alternativa certa. c. Os comissários devem ter formação jurídica.
a. A Declaração Universal dos Direitos Humanos d. Não há óbice a que dois nacionais do mesmo Es-
(DUDH) foi aprovada em 10.12.1968 pela Assem- tado componham a CIDH.
bleia-Geral da ONU. e. Os Comissários são eleitos para representar os
b. A DUDH, além de ser o grande marco da univer- Estados de sua nacionalidade.
salidade e inerência dos direitos humanos, repre-
senta o primeiro instrumento internacional que 87. Acerca da Corte Interamericana de Direitos Huma-
protege tanto direitos civis e políticos quanto di- nos (Corte IDH), assinale a opção incorreta:
reitos econômicos, sociais e culturais, servindo de a. A Corte IDH é uma instituição judicial autônoma
modelo ou paradigma para a proteção dos direitos do sistema interamericano que tem, dentre ou-
fundamentais nas Constituições e leis dos países. tras funções, o objetivo de aplicar e interpretar a
c. No que diz respeito à natureza jurídica da Decla- Convenção Americana sobre Direitos Humanos
ração Universal, ela foi adotada como uma con- (CADH).
venção. b. A Corte IDH, no exercício da sua competência
d. Não há dúvida de que a grande maioria dos Es- consultiva, pode expandir a atividade interpretati-
tados Membros da ONU, ao votarem a favor da va para outros tratados concernentes à proteção
DUDH, assim o fizeram levando em consideração dos direitos humanos nos Estados americanos.
que estavam aderindo a um texto de natureza vin- c. A natureza jurídica de instituição judicial autôno-
culante. ma da Corte IDH, a coloca como órgão da própria
e. A DUDH possui, expressamente, natureza vincu- Convenção Americana, não integrando – diferen-
lante. temente da Comissão Interamericana – a estrutura
da Organização dos Estados Americanos (OEA).
85. Acerca do Sistema Interamericano de Direitos Hu- d. A Corte IDH foi editada, inicialmente, como Reso-
manos, assinale a alternativa incorreta. lução, mas em pouco tempo foi editada a Conven-
a. O Sistema Interamericano de Direitos Humanos, ção Americana de Direitos Humanos.
como resultado da evolução histórica, é dividido e. Os primeiros casos apreciados pela Corte IDH fo-
em dois subsistemas: subsistema da OEA e sub- ram casos consultivos, e não contenciosos.
sistema da Convenção Americana de Direitos Hu-
manos. 88. A respeito da competência contenciosa da Corte
b. O Subsistema da OEA baseia-se na Carta da OEA, IDH, assinale o item incorreto:
na Declaração Americana dos Direitos e Deveres a. É indispensável que o Estado Parte, para aderir
do Homem e no Estatuto da Comissão Interameri- à competência contenciosa da Corte IDH, celebre

20 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

convenção especial assumindo tal obrigação. III – O Caso Escher e outros vs. Brasil (2009) ver-
b. A adesão à competência contenciosa da Corte sou sobre interceptação telefônica arbitrária
IDH pode ser feita incondicionalmente, ou sob contra integrantes de organizações comunitá-
condição de reciprocidade, por prazo determinado rias que mantinham relação com o MST sob o
ou para casos específicos. argumento de que estavam associados para a
c. A Corte IDH tem competência para conhecer de prática de crimes.
qualquer caso relativo à interpretação e aplicação a. Somente o item I é certo.
desta Convenção que lhe seja submetido, desde b. Somente o item II é certo.
que os Estados Partes no caso tenham reconheci- c. Somente o item III é certo.
do ou reconheçam a referida competência. d. Somente os itens I e II são corretos.
d. A competência contenciosa consiste em cláusula e. Todos os itens são corretos.
facultativa, podendo os Estados a aceitarem ou
não. Se decidirem aceitar a competência conten-
ciosa da Corte IDH, os Estados assim podem pro-
FILOSOFIA E SOCIOLOGIA
ceder tanto no momento do depósito de ratificação (Juliano Alves)
quanto em qualquer momento posterior.
e. A aceitação da competência da Corte IDH, de 91. Em sua tentativa de demonstrar o caráter cientí-
acordo Pacto de San José da Costa Rica, pode fico do Direito, Hans Kelsen formulou sua Teoria Pura
ser feita incondicionalmente, sob condição de re- do Direito que, em última instância, buscava afastar o
ciprocidade, por prazo determinado e para casos caráter metafísico do Direito, bem como as ideologias.
específicos, não sendo possível que os Estados Seu projeto consistiu em criar uma Ciência jurídica
criem outras hipóteses para além das elencadas. pura, livre de influências externas, em especial, livre
de ideologias. Assentado nos teóricos que tratam do
89. Acerca do Incidente de Deslocamento de Compe- tema, assinale a alternativa incorreta:
tência (IDC), assinale o item correto: a. O termo ideologia tem origem no final do século
a. O IDC é analisado pelo STF. XVIII, elaborado por filósofos franceses conheci-
b. O IDC pode ser ajuizado pelo Procurador Geral da dos como "ideólogos". Desse modo, ideologia sig-
República e pelo Defensor Público-Geral Federal. nificava o estudo da origem e formação da ideia.
c. Caberá o IDC nas hipóteses de grave violação a di- b. Auguste Comte, em uma visão marxista, também
reitos humanos; para assegurar o cumprimento de se referiu à ideologia, reiterando a ideia original,
obrigações decorrentes de tratados internacionais mas acrescentando-lhe um segundo significado,
ou na hipótese de incapacidade – oriunda de inércia, um sentido mais amplo, em que a ideologia pas-
negligência, falta de vontade política, de condições sou a significar um conjunto de ideias, princípios
pessoais, materiais etc. – de o Estado-membro, por e valores que refletem uma determinada visão de
suas instituições e autoridades, levar a cabo, em mundo, orientando uma forma de ação, sobretudo
toda a sua extensão, a persecução criminal. uma prática política.
d. O IDC somente é cabível para casos de natureza c. O termo "ideologia" passou a ser utilizado ampla-
penal. mente por influência do pensamento de Karl Marx,
e. o IDC somente pode ser manejado se já houver significando o processo de racionalização – um
processo em trâmite. autêntico mecanismo de defesa – dos interesses
de uma classe ou grupo dominante.
90. A respeito dos casos brasileiros perante a Corte d. Uma das principais consequências do positivismo
Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH), jul- jurídico foi elaborar a ideia de que a ciência jurí-
gue os itens. dica deve ser neutra, isenta de construções ide-
I – O Caso Ximenes Lopes vs. Brasil (2006): versou ológicas. O paradigma moderno da cientificidade
sobre maus tratos e morte de paciente em clíni- tentou opor o senso comum da ciência estabele-
ca privada de saúde mental vinculada ao SUS. cendo um modelo de conhecimento científico que
II – O Caso Nogueira de Carvalho e outro vs. Bra- possui natureza coerente, organizado, objetivo,
sil (2006) versou sobre falha do Estado na sistemático, metódico, e conceitual de enunciados
investigação e punição de autores do assas- verdadeiros.
sinato do advogado Gilson Nogueira de Car- e. O positivismo, como metodologia que influenciou
valho, ativista de direitos humanos. marcadamente as ciências sociais, constrói um

21 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

sistema racional que abandona a metafísica, en- as várias normas e microssistemas, especiais e
quanto esforço por se conhecer a existência, e se gerais, ao mesmo tempo, se observados os seus
dedica ao conhecimento dos fatos pela via da ex- campos de aplicação material e subjetivos.
periência em que os sentidos devem ser utilizados d. O Código de Processo Civil aplica-se nas ações
para perceber o real. de consumo, mas tem apenas uma única menção
ao consumidor, que está no capítulo sobre os limi-
92. Relativamente à análise feita por Norberto Bobbio tes da jurisdição nacional e competência da auto-
acerca da justiça, na obra Teoria da norma jurídica, é ridade judiciária brasileira.
correto afirmar que a justiça e. Na “ordenação” do transporte aéreo internacional,
a. é totalmente dependente da eficácia, porém não o STF, promovendo o denominado diálogo das
da validade. fontes, dá prevalência ao CDC em detrimento às
b. é totalmente dependente da validade, porém não normas de convenções internacionais sobre trans-
da eficácia. porte aéreo.
c. remete à questão da correspondência entre o que
é real e o que é ideal. 95. Para Kelsen, o conceito central da ciência jurídica
d. constitui o único critério de valoração para a teoria é o de “regra jurídica”. Ele considera dois aspectos: a
da norma jurídica. regra jurídica como norma criada pela autoridade jurí-
e. é dependente tanto da validade como da eficácia. dica para regular a conduta humana e como instrumen-
to usado pela ciência jurídica para descrever o Direito
93. Na obra Ciência e política: duas vocações, Max positivo. Outro(s) conceito(s) fundamental(is) é(são)
Weber define o Estado contemporâneo como uma co- o(s) de:
munidade humana que, dentro dos limites de um terri- a. direitos civis e políticos.
tório, reivindica b. o sistema estático e o sistema dinâmico de nor-
a. o monopólio do uso legítimo da violência simbó- mas.
lica. c. sanção, delito, dever jurídico, direito jurídico, pes-
b. uma parcela do uso legítimo da violência simbó- soa jurídica e ordem jurídica.
lica. d. norma fundamental de uma ordem jurídica.
c. o monopólio da capacidade de exprimir o que é e. validade e eficácia.
justo por natureza.   
d. uma parcela do uso legítimo da violência física. 96. Émile Durkheim, na obra "da divisão do trabalho
e. o monopólio do uso legítimo da violência física. social" insiste, várias vezes ao longo do livro, sobre
o estado em que se encontrava a vida econômica da
94. De acordo com a professora Claudia Lima Mar- época. Durkheim se refere:
ques, o método do diálogo das fontes, criado por Erik a. direito ideológico gerador de conflitos sociais.
Jayme, em seu curso de Haia de 1995, tem sua base b. ao desemprego vigente e embates de classe.
no fenômeno comum das sociedades de consumo, c. ao estado de anomia jurídica e moral causado
na pós-modernidade, do crescente pluralismo de leis, pela divisão do trabalho.
gerais e especiais, para enfrentar a complexidade dos d. ao regime corporativo capaz de conter os egoís-
casos de nossa vida atual e, como fim, restabelecer a mos individuais.
coerência e a unidade de valores e finalidades (cons- e. ao estado de anomia jurídica e moral.
titucionalmente sinalizados) do ordenamento jurídico.
Sobre o tema, é INCORRETO afirmar: 97. José Eduardo Faria, em suas teorias sobre a rela-
a. O STF e o STJ admitem a teoria do diálogo das ção entre o direito e a globalização econômica, apre-
fontes. senta algumas tendências representando as novas for-
b. Diante da força da doutrina do transconstituciona- mas e funções do direito. A esse respeito, analise as
lismo, a respeito do diálogo das fontes, a teoria afirmativas abaixo e assinale a que NÃO representa o
vem sendo utilizada, de forma generalizada, em pensamento do autor:
vários países. a. reafirmação dos contratos como a forma jurídica
c. Superando a ideia de conflito entre normas, esta mais adequada à transmissão da propriedade.
teoria de Erik Jayme traz à luz a ideia de unidade b. hegemonia inglesa e americana no sistema finan-
do ordenamento e restauração da coerência entre ceiro da economia globalizada.

22 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

c. excesso de formalismo dos tribunais e excessiva IV – O fato de o Direito ser uma ordem da condu-
burocratização dos mecanismos processuais. ta humana não significa que a ordem jurídica
d. redução do grau de imperatividade do direito po- diga respeito apenas à conduta humana, que
sitivo. nada além da conduta humana faça parte do
e. formalização nos tradicionais procedimentos de conteúdo das regras jurídicas.
elaboração legislativa, especialmente nas ques- Assinale a alternativa correta a respeito do pensa-
tões mais técnicas de caráter interdisciplinar. mento de Hans Kelsen:
a. apenas a III.
98. Ronald Dworkin, ao tratar dos denominados hard b. apenas a I e a III.
cases e desafios à aplicação do Direito, apresenta os c. todas são verdadeiras.
argumentos de princípio e argumentos de política. So- d. apenas a I, II e IV.
bre esse tema, analise as seguintes alternativas: e. todas são falsas.
I – A aplicação de um princípio a um caso concre-
to, especialmente em hard cases, demanda do 100.  Assinale a alternativa verdadeira:
julgador o uso não de critérios fixos (estes que a. Em Hans Kelsen, para se conhecer a natureza do
são inexistentes), mas um balanceamento, em Direito, deve-se restringir a atenção de forma ob-
que se ressalta a ideia de "peso" de um prin- jetiva e sem influências ideológicas às regras iso-
cípio. ladas do sistema.
II – Não há nada no pensamento de Dworkin que b. Na visão kelseniana de política, o problema do Di-
autorize a identificar qualquer tipo de hierar- reito seria um problema de técnica social, e não
quia entre os próprios princípios. um problema de moral.
III – Os princípios conferem liberdade ao juiz, o c. Kelsen destaca que a filosofia do Direito elabora
que faria de cada sentenciador, nos casos um conceito de Direito de modo a corresponder a
concretos, alguém livre para iniciar uma nova um ideal específico de justiça.
proposta normativa, em atitude semelhante à d. Kelsen destaca que, a despeito da “justiça” estar
liberdade criadora do legislador. fora do seu campo de análise, a filosofia do direito
IV – Dworkin, a partir de uma analogia com a ideia tenta estudar o tema a partir de uma ideia racional
de escritura de um romance compartilhada e sujeita à cognição objetiva.
entre vários autores não acredita que os juí- e. Para Kelsen, o Direito é um fim, um fim social es-
zes, mesmo em casos difíceis (hard cases), pecífico, e não um meio.
estejam autorizados a criar direito novo, na
medida em que ao agirem, o fazem de acordo
com uma tradição, pois tomam o romance já
pré-escrito, em parte, com a tarefa de dar-lhe
continuidade ou dar acabamento definitivo.
Assinale a alternativa Certa.
a. Apenas as assertivas I e II estão corretas.
b. Apenas as assertivas III e IV estão corretas.
c. Apenas a assertiva I está certa.
d. Apenas as assertivas I, II e IV estão corretas.
e. Todas as assertivas estão corretas.

99. Analise as seguintes afirmações sobre o conceito


de Direito em Hans Kelsen:
I – O Direito é uma ordem da conduta humana.
Uma "ordem" é um sistema de regras;
II – O Direito não é, como às vezes se diz, uma
regra. É um conjunto de regras que possui o
tipo de unidade que entendemos por sistema;
III – É possível conhecer a natureza do Direito se
restringirmos a atenção a uma regra isolada;

23 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública
GABARITO
1. a 51. e
2. b 52. c
3. d 53. c
4. e 54. c
5. c 55. e
6. d 56. b
7. b 57. e
8. a 58. d
9. b 59. c
10. d 60. c
11. d 61. b
12. d 62. b
13. e 63. b
14. e 64. d
15. a 65. b
16. b 66. d
17. d 67. b
18. b 68. c
19. b 69. a
20. d 70. b
21. c 71. e
22. a 72. b
23. d 73. e
24. e 74. c
25. b 75. e
26. d 76. d
27. b 77. a
28. d 78. b
29. e 79. c
30. c 80. b
31. c 81. e
32. a 82. d
33. e 83. d
34. d 84. b
35. b 85. c
36. d 86. b
37. a 87. d
38. c 88. a
39. a 89. c
40. e 90. e
41. b 91. b
42. d 92. c
43. e 93. e
44. c 94. e
45. c 95. c
46. e 96. e
47. c 97. e
48. c 98. d
49. b 99. d
50. e 100. c

24 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

25 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

GABARITO COMENTADO

dos Poderes da União, dos estados, do Distrito


DIREITO CONSTITUCIONAL Federal e dos municípios, compreendido o ajuste
(Luciano Dutra) mediante designações recíprocas, viola a Consti-
tuição Federal.
1. Acerca da defesa do estado e das instituições de- d. A Administração Pública não pode declarar a nuli-
mocráticas na Constituição Federal de 1988, é incor- dade dos seus próprios atos.
reto afirmar: e. É ilegítima a publicação em sítio eletrônico man-
a. Na vigência do Estado de Defesa, poderá haver tido pela Administração Pública dos nomes dos
restrições ao direito de reunião, desde que realiza- seus servidores e do valor dos correspondentes
da fora da sede das associações, e ao sigilo das vencimentos e vantagens pecuniárias.
comunicações telegráficas e telefônicas.
b. Na decretação do Estado de Defesa, poderá haver Letra b.
restrições ao sigilo de correspondência. Súmula Vinculante n. 44.
c. Na vigência do Estado de Defesa, poderá haver
ocupação e uso temporário de bens e de servi- 3. À luz dos direitos e deveres individuais e coletivos
ços públicos, na hipótese de calamidade pública, presentes no art. 5º da Constituição Federal vigente, e
respondendo a União pelos danos e custos decor- da jurisprudência do STF, assinale a alternativa errada:
rentes. a. A pena será cumprida em estabelecimentos distin-
d. Na vigência do Estado de Sítio, em virtude de tos, de acordo com a natureza do delito, a idade e
comoção grave de repercussão nacional, poderá o sexo do apenado.
haver obrigação de permanência em localidade b. Segundo a Constituição Federal, não haverá pri-
determinada. são civil por dívida, salvo a do responsável pelo
e. Na vigência do Estado de Sítio, em virtude da inadimplemento voluntário e inescusável de obri-
ocorrência de fatos que comprovem a ineficácia gação alimentícia e a do depositário infiel.
de medida tomada durante o Estado de Defesa, c. A competência constitucional do Tribunal do Júri
poderá haver requisição de bens. prevalece sobre o foro por prerrogativa de função
estabelecido exclusivamente pela constituição es-
Letra a. tadual.
Art. 136, § 1º, I, a. d. A falta de estabelecimento penal adequado autori-
za a manutenção do condenado em regime prisio-
2. Acerca das normas constitucionais afetas à Admi- nal mais gravoso.
nistração Pública e da jurisprudência do STF, marque e. É direito do defensor, no interesse do representa-
a alternativa certa: do, ter acesso amplo aos elementos de prova que,
a. O teto remuneratório do funcionalismo não se já documentados em procedimento investigatório
aplica às empresas públicas e às sociedades de realizado por órgão com competência de polícia
economia mista e suas subsidiárias, independen- judiciária, digam respeito ao exercício do direito de
temente de receberem recursos da União, dos es- defesa.
tados, do Distrito Federal ou dos municípios para
pagamento de despesas de pessoal ou de custeio Letra d.
em geral. Súmula Vinculante n. 56.
b. Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a
habilitação de candidato a cargo público. 4. Julgue os itens a seguir à luz da Constituição Fe-
c. A nomeação de cônjuge, companheiro ou paren- deral e da jurisprudência do STF e assinale a alterna-
te, em linha reta, colateral ou por afinidade, até o tiva errada:
segundo grau, inclusive, da autoridade nomeante a. A fixação por lei estadual de condições de elegibi-
ou de servidor da mesma pessoa jurídica, investi- lidade em relação aos candidatos a Juiz de Paz,
do em cargo de direção, chefia ou assessoramen- além das constitucionalmente previstas no art. 14,
to, para o exercício de cargo em comissão ou de § 3º, invade a competência da União para legis-
confiança, ou, ainda, de função gratificada na Ad- lar sobre direito eleitoral, definida no art. 22, I, da
ministração Pública direta e indireta, em qualquer Constituição do Brasil.

26 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

b. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a maioria de seus membros, resolva sobre a prisão..
Justiça Eleitoral no prazo de 15 dias, contado da e. Norma estadual que atribui à Defensoria Pública
diplomação, instruída a ação com provas de abu- do Estado a defesa judicial de servidores públicos
so do poder econômico, corrupção ou fraude. estaduais processados civil ou criminalmente em
c. A ação de impugnação de mandato tramitará em razão do regular exercício do cargo extrapola o
segredo de justiça, respondendo o autor, na forma modelo da Constituição Federal, o qual restringe
da lei, se temerária ou de manifesta má-fé. as atribuições da Defensoria Pública à assistência
d. Somente terão direito a recursos do fundo partidá- jurídica integral e gratuita aos que comprovarem
rio e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na for- insuficiência de recursos.
ma da lei, os partidos políticos que alternativamen-
te: I – obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Letra c.
Deputados, no mínimo, três por cento dos votos Segundo o STF, “A prerrogativa de foro conferida
válidos, distribuídos em pelo menos um terço das aos membros do Congresso Nacional, vinculada à
unidades da Federação, com um mínimo de dois liberdade máxima necessária ao bom desempenho
por cento dos votos válidos em cada uma delas; do ofício legislativo, estende-se ao suplente
ou II – tiverem elegido pelo menos 15 Deputados respectivo apenas durante o período em que este
Federais distribuídos em pelo menos um terço das permanecer no efetivo exercício da atividade
unidades da Federação. parlamentar. Assim, o retorno do Deputado ou
e. A dissolução da sociedade ou do vínculo conjugal, do Senador titular às funções normais implica a
no curso do mandato, afasta a inelegibilidade pre- perda, pelo suplente, do direito de ser investigado,
vista no § 7º do art. 14 da Constituição Federal. processado e julgado no STF”. Inq 2.421 AgR, rel.
min. Menezes Direito, j. 14-2-2008, P, DJE de 4-4-
Letra e. 2008. Inq 3.341, rel. min. Celso de Mello, j. 25-4-
Súmula Vinculante n. 18. 2012, dec. monocrática, DJE de 3-5-2012.

5. À luz da Constituição Federal de 1988 e da juris- 6. Acerca das Comissões Parlamentares de Inqué-
prudência do Supremo Tribunal Federal, marque a al- rito (CPIs) e à luz da jurisprudência do STF, marque a
ternativa errada: alternativa errada:
a. A imunidade parlamentar não se estende ao cor- a. As CPIs possuem permissão legal para encami-
réu sem essa prerrogativa. nhar relatório circunstanciado não só ao Ministério
b. A cláusula de inviolabilidade constitucional, que Público e à Advocacia-Geral da União, mas, tam-
impede a responsabilização penal e/ou civil do bém, a outros órgãos públicos, podendo veicular,
membro do Congresso Nacional por suas pala- inclusive, documentação que possibilite a instau-
vras, opiniões e votos, também abrange, sob seu ração de inquérito policial em face de pessoas en-
manto protetor, as entrevistas jornalísticas, a trans- volvidas nos fatos apurados.
missão, para a imprensa, do conteúdo de pronun- b. É possível o investigado, convocado para depor
ciamentos ou de relatórios produzidos nas Casas perante CPI, permanecer em silêncio, evitando-se
Legislativas e as declarações feitas aos meios de a autoincriminação, além de ter assegurado o di-
comunicação social. Tais manifestações – desde reito de ser assistido por advogado e de comuni-
que vinculadas ao desempenho do mandato – car-se com este durante a sua inquirição.
qualificam-se como natural projeção do exercício c. A extinção da CPI prejudica o conhecimento do
das atividades parlamentares. habeas corpus impetrado contra as eventuais ile-
c. A prerrogativa de foro conferida aos membros do galidades de seu relatório final, notadamente por
Congresso Nacional, vinculada à liberdade máxi- não mais existir legitimidade passiva do órgão im-
ma necessária ao bom desempenho do ofício le- petrado.
gislativo, estende-se ao suplente respectivo, mes- d. Não podem as CPIs estaduais requerer quebra de
mo durante o período em que este permanecer sigilo de dados bancários, com base no art. 58, §
fora do efetivo exercício da atividade parlamentar. 3º, da Constituição Federal.
d. Desde a expedição do diploma, os membros do e. A duração do inquérito parlamentar tem seu termo
Congresso Nacional não poderão ser presos, sal- final na legislatura em que foi constituída.
vo em flagrante de crime inafiançável. Nesse caso,
os autos serão remetidos dentro de vinte e quatro Letra d.
horas à Casa respectiva, para que, pelo voto da

27 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

De acordo com o STF, ainda que seja omissa a LC e. De acordo com o método científico-espiritual, de-
n. 105/2001, podem essas comissões estaduais ve-se priorizar a concretização em detrimento da
requerer quebra de sigilo de dados bancários, com interpretação, que é apenas uma etapa da con-
base no art. 58, § 3º, da Constituição. ACO 730, rel. cretização, visto ser impossível isolar a norma da
min. Joaquim Barbosa, j. 22-9-2004, P, DJ de 11-11- realidade.
2005.
Letra a.
7. Os intérpretes e os aplicadores da Constituição Cuida-se do princípio informador da hermenêutica
não podem chegar a resultados que maculem o siste- constitucional denominado “interpretação conforme
ma organizatório-funcional nela estabelecido, a exem- a Constituição”. Decorre da máxima da presunção
plo da separação de poderes. A afirmação anterior diz de constitucionalidade das leis e dos atos
respeito ao princípio: normativos. O princípio da interpretação conforme
a. da eficiência. a Constituição determina que, em se tratando de
b. da correção funcional. normas que admitem mais de uma interpretação
c. da concordância prática. (normas polissêmicas ou plurissignificativas), deve-
d. do efeito integrador. se dar preferência à interpretação legal a qual
e. da supremacia. lhe dê um sentido conforme a Constituição. Vale
dizer, quando uma norma infraconstitucional contar
Letra b. com mais de uma interpretação possível, uma, no
Segundo o princípio da justeza ou da conformidade mínimo, pela constitucionalidade e outra ou outras
funcional ou, ainda, da correção funcional, na pela inconstitucionalidade, adota-se a técnica da
interpretação constitucional, não pode o intérprete interpretação conforme para, sem redução do
alterar a repartição de funções estabelecida pela texto, escolher aquela ou aquelas que melhor
Constituição. Cada órgão criado pela Constituição se conforme(m) à Constituição, afastando-se,
tem sua competência bem delineada, de tal maneira consequentemente, as demais.
que um órgão não pode exercer, via de regra,
funções de outro. Vale dizer, cada poder e cada 9. Considerando o entendimento do STF, Deputado
órgão com assento constitucional tem sua função Federal que não queira participar de votação de projeto
principal bem planejada pela Constituição Federal. de lei que considere inconstitucional por violar o devido
processo legislativo,
8. No que concerne à hermenêutica constitucional e a. poderá ajuizar uma arguição de descumprimento
à aplicação das normas constitucionais, assinale a op- de preceito fundamental contra o projeto de lei.
ção correta: b. poderá impetrar um mandado de segurança pre-
a. Quando uma norma infraconstitucional contar com ventivo para impedir a tramitação.
mais de uma interpretação possível, uma, no mí- c. nada poderá fazer, a não ser tentar obstruir a vo-
nimo, pela constitucionalidade e outra ou outras tação em Plenário.
pela inconstitucionalidade, adota-se a técnica da d. somente poderá abster-se de votar, mas não pode
interpretação conforme para, sem redução do tomar qualquer medida judicial.
texto, escolher aquela ou aquelas que melhor se e. deve solicitar à Advocacia-Geral da União que
conforme(m) à Constituição, afastando-se, conse- tome as medidas legais cabíveis.
quentemente, as demais.
b. De acordo com o princípio da supremacia da Letra b.
Constituição, a interpretação constitucional deve Conforme entendimento do STF, essa é a única
ser realizada de forma a evitar contradição entre hipótese de controle preventivo realizada pelo
suas normas. Poder Judiciário, qual seja, mandado de segurança
c. De acordo com o método tópico-problemático, a preventivo impetrado por parlamentar no STF
interpretação da Constituição é concretização, por desrespeito ao devido processo legislativo
criando-se um processo unitário entre aplicação e constitucional.
interpretação, com primazia do texto sobre o pro-
blema. 10. Acerca do controle de constitucionalidade, assina-
d. No método normativo-estruturante, busca-se a le a alternativa errada:
interpretação da Constituição como um conjunto, a. A Administração Pública indireta, assim como a
em um processo de integração comunitária. direta, nas esferas federal, estadual e municipal,

28 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

fica vinculada às decisões definitivas de mérito públicos ou privados; objetiva atender a uma
proferidas pelo STF nas ações diretas de incons- finalidade pública; o titular do direito real é o Poder
titucionalidade e nas ações declaratórias de cons- Público (União, estados, municípios, Distrito Federal
titucionalidade. e territórios) ou seus delegados (pessoas jurídicas
b. Em razão do princípio da subsidiariedade, a argui- públicas ou privadas autorizadas por lei ou contrato);
ção de descumprimento de preceito fundamental podem implicar não apenas uma obrigação de
somente será cabível se ficar provada a inexistên- deixar de fazer (negativa), mas também uma
cia de qualquer meio eficaz para afastar a lesão no obrigação de fazer (positiva); em regra, não dão
âmbito judicial. direito à indenização, exceto se causarem prejuízos
c. É possível controle de constitucionalidade do di- (indenizados previamente); observam o princípio da
reito estadual e do direito municipal no processo indivisibilidade; tendem à perpetuidade, mas, em
de arguição de descumprimento de preceito fun- algumas situações, podem ser extintas; inexistência
damental. de autoexecutoriedade, dependendo a sua
d. São legitimados para propor ação direta de in- instituição de acordo com decisão judicial (exceto
constitucionalidade interventiva os mesmos que nas servidões instituídas por lei); não se extinguem
têm legitimação para propor ação direta de incons- pela prescrição (ou seja, não se extinguem pelo não
titucionalidade genérica. uso); a utilização da servidão deve ser feita de forma
e. Entre os pressupostos do controle de constitucio- moderada e não se presumem, necessitando ser
nalidade, destacam-se a supremacia CF e a rigi- assentadas no Registro de Imóveis para produzirem
dez constitucional. efeitos erga omnes (exceto as servidões instituídas
por lei).
Letra d.
Só o Procurador-Geral da República tem legitimidade 12. Qual entidade da Administração Pública indireta
para propor a ação direta de inconstitucionalidade deve ser constituída obrigatoriamente com personali-
interventiva. dade jurídica de direito público?
a. Empresa pública.
DIREITO ADMINISTRATIVO b. Fundação pública.
c. Serviços sociais autônomos.
(Keity Satiko) d. Autarquia.
e. Sociedade de economia mista.
11. Meio de intervenção estatal na propriedade me-
diante o qual é estabelecido um direito real de uso so- Letra d.
bre a propriedade alheia, em favor do Poder Público ou As autarquias são pessoas jurídicas de direito
de seus delegatários, de modo a garantir a execução público, integrantes da Administração indireta,
de um serviço público ou de obras públicas de interes- criadas por lei específica, que possuem capacidade
se coletivo. de autoadministração, sendo encarregadas do
a. Ocupação temporária. desempenho descentralizado de atividades
b. Desapropriação. administrativas típicas do Poder Público, sujeitando-
c. Requisição administrativa. se a controle pelo ente criador.
d. Servidão administrativa. As demais ostentam personalidade jurídica de
e. Limitação administrativa direito privado. É certo que a fundação pública ora
ostentará personalidade jurídica de direito público
Letra d. ora de direito privado.
Servidão Administrativa tem natureza de direito
real público o qual autoriza o poder público a usar 13. Quanto aos serviços sociais autônomos, assinale
a propriedade imóvel para permitir que haja a a opção incorreta.
execução de obras ou de serviços que sejam de a. Não têm fins lucrativos.
interesse público. Essa modalidade de intervenção b. Devem ser criados mediante autorização por lei.
do Estado atinge o caráter exclusivo da propriedade. c. Sujeitam-se ao controle do Tribunal de Contas.
Ex.: colocar no muro de uma propriedade privada o d. Possuem personalidade jurídica de direito privado.
nome da rua. e. Estão obrigados a realizar procedimentos licitató-
Principais características: natureza de direito real rios.
sobre coisa alheia; incide sobre bens imóveis,

29 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Letra e. serviço público de sua titularidade. Por outro


Os serviços sociais autônomos não estão obrigados lado, a permissão de serviço público também é
a seguir rigorosamente os termos do estatuto das forma de delegação de serviço público, em que o
licitações e dos contratos (Lei n. 8.666/1993), permissionário pode ser pessoa física ou jurídica.
devendo, contudo, observar os princípios Note: concessão – pessoa jurídica ou consórcio de
constitucionais relativos à Administração Pública. empresa; permissão – pessoa jurídica ou pessoa
física.
14. Possibilidade de controle pelo Judiciário da legiti- c. Errado. A concessão de serviço público exige a
midade do ato praticado pela Administração Pública é realização de licitação na modalidade concorrência.
decorrência da A concessão tem natureza contratual, ou seja, sem
a. autotutela. natureza precária.
b. moralidade administrativa. d. Errado. Para outorga de serviço público, também
c. indisponibilidade do interesse público. conhecida por delegação legal, há transferência
d. supremacia do interesse público. da titularidade do serviço público. Delegação
e. sindicabilidade. negocial tem como espécie: concessão, permissão
e autorização. Na delegação de serviço, há
Letra e. transferência apenas da execução do serviço
Sindicabilidade: diz respeito à possibilidade público.
jurídica de submeter qualquer lesão ou ameaça e. Errado. A concessão comum de serviço público
de direitos ao Judiciário. Segundo o professor é espécie de contrato administrativo pelo qual a
Alexandre Mazza, essa possibilidade de controle Administração Pública delega a pessoa jurídica ou
pelo Judiciário da legitimidade do ato praticado pela consórcio de empresas a execução de determinado
Administração Pública é denominado de princípio da serviço público de sua titularidade, por prazo
sindicabilidade. determinado. Vide- art. 2º, II, da Lei n. 8.987/1995.

15. Sobre a concessão de serviço público, é correto 16. Qual espécie de ato administrativo pode ser revo-
afirmar que: gada?
a. Deve ser feita mediante licitação na modalidade a. Atos vinculados.
concorrência. b. Atos que não exauriram seus efeitos.
b. Em decorrência da concessão de serviço públi- c. Atos cuja competência se exauriu relativamente
co, a Administração poderá celebrar contrato com ao objeto do ato.
pessoa física ou consórcio de empresa. d. Atos que sejam meramente administrativos.
c. Concessão é fruto de contrato administrativo, com e. Atos que geram direitos adquiridos.
natureza precária.
d. Trata-se de modalidade outorga de serviço público Letra b.
ao lado da permissão. Segundo a doutrina, os atos administrativos não
e. A concessão de serviço público poderá ser por possuem limite temporal para revogação, todavia,
prazo indeterminado, desde que mais vantajosa podem sofrer limite material para revogação. Assim,
para a Administração Pública. não podem ser revogados os atos, segundo Maria
Sylvia Di Pietro:
Letra a. • vinculados, porque estes não têm aspectos de
a. Certo. A concessão comum de serviço público mérito;
é espécie de contrato administrativo pelo qual a • que já exauriram seus efeitos;
Administração Pública delega a pessoa jurídica ou • cuja competência se exauriu relativamente ao
consórcio de empresas a execução de determinado objeto do ato;
serviço público de sua titularidade. Por sua vez, a • que sejam meros atos administrativos, porque
modalidade licitatória exigida para a concessão de seus efeitos decorrem da lei;
serviço público é a concorrência.
• que integram um procedimento;
b. Errado. A concessão comum de serviço público
e que geram direitos adquiridos (Súmula 473/STF).
é espécie de contrato administrativo pelo qual a
Administração Pública delega a pessoa jurídica ou
17. Nos termos da Lei n. 8.987/1995, são cláusulas
consórcio de empresas a execução de determinado
essenciais do contrato de concessão as relativas, EX-

30 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

CETO UMA: 19. Assinale a assertiva CORRETA, com base nas nor-
a. Aos direitos e deveres dos usuários para obtenção mas constitucionais acerca da Administração Pública:
e utilização do serviço. a. A Administração Pública direta e indireta de qual-
b. Ao objeto, à área e ao prazo de concessão. quer dos Poderes da União, dos estados, do
c. Ao foro e ao modo amigável de solução das diver- Distrito Federal e dos municípios obedecerá aos
gências contratuais. princípios de legalidade, de impessoalidade, de
d. À obrigatoriedade, à forma e à periodicidade da moralidade, de publicidade, de eficiência e de pro-
prestação de contas do concedente ao poder da porcionalidade.
Concessionária. b. A investidura em cargo ou emprego público de-
e. Às condições para prorrogação do contrato. pende de aprovação prévia em concurso público
de provas ou de provas e títulos, de acordo com a
Letra d. natureza e a complexidade do cargo ou emprego,
a. Certo. Art. 23, VI, da Lei n. 8.987/1995. na forma prevista em lei, ressalvadas as nomea-
b. Certo. Art. 23, I, da Lei n. 8.987/1995. ções para o cargo em comissão declarado em lei
c. Certo. Art. 23, XV, da Lei n. 8.987/1995. de livre nomeação e exoneração.
d. Errado. Art. 23, XIII, da Lei n. 8.987/1995. Quem c. As pessoas jurídicas de direito público e as de
presta contas é o concessionário. direito privado prestadoras de serviços públicos
e. Certo. Art. 23, XII, da Lei n. 8.987/1995. responderão pelos danos que seus agentes, nes-
sa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o
18. Um servidor público efetivo estadual indicado para direito de regresso contra o responsável somente
cargo em comissão foi exonerado ad nutum sob a jus- nos casos de culpa.
tificativa de ter conduta escandalosa no exercício da d. A Administração fazendária e seus servidores fis-
função. Posteriormente, a Administração reconheceu a cais terão, dentro de suas áreas de competência
e jurisdição, precedência sobre os demais setores
inexistência da prática da conduta escandalosa, mas
administrativos, desde que isso tenha previsão em
manteve a exoneração do servidor, por se tratar de
Lei Complementar.
ato administrativo discricionário. Diante do cenário, o
e. A publicidade dos atos, dos programas, das obras,
servidor acionou o Poder Judiciário para anular sua
dos serviços e das campanhas dos órgãos públi-
demissão. Qual teoria o servidor deverá utilizar para cos deverá ter caráter educativo, informativo ou de
fundamentar seu pleito? orientação social, dela podendo constar nomes,
a. Teoria do fato consumado. símbolos ou imagens que caracterizem promoção
b. Teoria dos motivos determinantes. pessoal de autoridades ou servidores públicos.
c. Teoria da boa-fé objetiva.
d. Teoria da vinculação do objeto. Letra b.
e. Teoria do desvio de função. a. Errado.
Art. 37 da CF/1988. A administração pública
Letra b. direta e indireta de qualquer dos Poderes da
“Consoante a teoria dos motivos determinantes, o União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
administrador vincula-se aos motivos elencados Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
para a prática do ato administrativo. Nesse impessoalidade, moralidade, publicidade e
contexto, há vício de legalidade não apenas quando eficiência.
inexistentes ou inverídicos os motivos suscitados Não há previsão expressa da proporcionalidade.
pela administração, mas também quando verificada b. Certo.
a falta de congruência entre as razões explicitadas Art. 37, II, da CF/1988. A investidura em cargo ou
no ato e o resultado nele contido" (STJ, MS 15.290/ emprego público depende de aprovação prévia em
DF, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, PRIMEIRA concurso público de provas ou de provas e títulos, de
SEÇÃO, DJe de 14/11/2011). acordo com a natureza e a complexidade do cargo
A despeito da exoneração de cargo comissionado ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas
ser ad nutum, uma vez fundamentado o motivo de as nomeações para cargo em comissão declarado
tal demissão, essa fundamentação integra o ato em lei de livre nomeação e exoneração;
administrativo e deverá ser verdadeira. c. Errado.

31 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Art. 37, § 6º, da CF/1988. As pessoas jurídicas de potética, pode-se afirmar que a parte locatária:
direito público e as de direito privado prestadoras a. pode pleitear a resolução do contrato, com base
de serviços públicos responderão pelos danos na teoria do rompimento da base objetiva do ne-
que seus agentes, nessa qualidade, causarem a gócio jurídico.
terceiros, assegurado o direito de regresso contra o b. pode pleitear a resilição unilateral do contrato,
responsável nos casos de dolo ou culpa. com base na teoria da imprevisão.
d. Errado. c. pode deixar de pagar o valor do aluguel mensal,
Art. 37, XVIII, da CF/1988. A administração fazendária até a reabertura normal do Shopping Center, por
e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas aplicação da teoria da exceptio non adimpleti
de competência e jurisdição, precedência sobre os contractus.
demais setores administrativos, na forma da lei. d. pode deixar de pagar o valor do aluguel mensal,
e. Errado. pela aplicação da teoria do fato do príncipe.
Art. 37, § 1º, da CF/1988. A publicidade dos atos, e. deve cumprir o contrato, por aplicação dos princí-
programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos pios da boa-fé objetiva e do pacta sunt servanda.
públicos deverá ter caráter educativo, informativo
ou de orientação social, dela não podendo constar Letra c.
nomes, símbolos ou imagens que caracterizem a. Errado. Não se aplica ao Direito Civil a teoria
promoção pessoal de autoridades ou servidores da base objetiva do negócio jurídico, de influência
públicos. alemã, que foi unicamente agasalhada pelo art. 6º,
V, do Código de Proteção e Defesa do Consumidor
20. Ação de ressarcimento decorrente de ato de im- (Lei n. 8.078/1990).
probidade administrativa praticada com dolo tem o pra- b. Errado. A teoria da imprevisão somente é
zo prescricional de: aplicável para a resolução dos contratos, não para
a. 20 anos. as hipóteses de resilição (extinção pelo exercício
b. três anos. de um direito potestativo previsto no instrumento
c. 10 anos. contratual ou na lei).
d. não tem prazo, por ser imprescritível. c. Certo. É obrigação do locador de assegurar a
e. cinco anos. utilidade comercial do imóvel, a teor analógico do
art. 248 do CC/2002 e, diante disso, não se justifica
Letra d. exigir do locatário o pagamento da contrapartida,
O STF fixou, em sede de repercussão geral, a por conta do rompimento (transitório) do sinalagma
seguinte tese: “São imprescritíveis as ações de funcional e da comutatividade do contrato, a ensejar
ressarcimento ao erário fundados na prática de ato a insubsistência da própria obrigação de pagar os
dolo praticado na Lei de improbidade administrativa. aluguéis.
STF, Plenário. RE 852475\SP. Relator Alexandre de d. Errado. A teoria do fato do príncipe tem aplicação
Moraes. Informativo 910, STF”. nas relações jurídico-administrativas e, no Direito
Civil, pode eventualmente equiparar-se ao caso
fortuito ou força maior, tão somente para afastar a
DIREITO CIVIL responsabilidade civil contratual, na forma do art.
(Holden Macedo) 393 do CC/2002.
e. Errado. Pois o adimplemento contratual esbarra
21. Almeida Participações S/A (locador) e Suqueria na justificativa constante no item “c”.
Vende Mais Ltda. (locatário) firmaram contrato de lo-
cação, para fins comerciais, de imóvel urbano locali- 22. Recentemente, o art. 50 do Código Civil foi altera-
zado em Shopping Center de grande circulação, para do e acrescido em alguns parágrafos pela Lei da Liber-
a instalação de loja de alimentos. Em março de 2020, dade Econômica (Lei n. 13.874, de 2019). A finalidade
foi decretado estado de calamidade pública em virtude desses acréscimos e alterações foi:
da pandemia do coronavírus CODIV-19. A loja, desde a. dar uma interpretação autêntica aos conceitos de
desvio de finalidade e confusão patrimonial, como
então, está fechada, há mais de dois meses, experi-
requisitos necessários para que o Juiz possa des-
mentando, durante o período, redução total de seu fa-
considerar a personalidade jurídica.
turamento bruto mensal, apesar dos esforços de venda
b. tornar indene de dúvidas a aplicação na teoria me-
por aplicativos e internet. Com base nessa situação hi-

32 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

nor da desconsideração da personalidade jurídica, d. obrigação genérica.


nas relações privadas paritárias. e. obrigação acessória.
c. tornar indene de dúvidas a aplicação na teoria
maior da desconsideração da personalidade jurí- Letra d.
dica, nas relações privadas não-paritárias. a. Errado. Não estamos diante de obrigação de
d. prever em um texto legal, de forma inédita, a des- fazer, que consiste no cumprimento de uma tarefa
consideração inversa da personalidade jurídica. ou atribuição por parte do devedor, mas de dar,
e. prever que a desconsideração da personalidade conforme item “d”.
jurídica pelo Juiz ensejará a sua dissolução total. b. Errado. Não estamos diante de obrigação de
fazer, que consiste no cumprimento de uma tarefa
Letra a. ou atribuição por parte do devedor, mas de dar,
a. Certo. É fato que a Lei da Liberdade Econômica conforme item “d”.
introduziu os § § 1º e 2º no art. 50 do CC/2002, c. Errado. Não estamos diante de uma obrigação
para definir o que considera desvio de finalidade e dar coisa certa, que consiste em entregar um objeto
confusão patrimonial para fins de desconsideração, determinado para o credor.
nas hipóteses previstas no caput do art. 50. Quando d. Certo. O termo "obrigação genérica", para a
a lei interpreta um conceito que ela própria já prevê, doutrina, também qualifica a definição legal de
a doutrina classifica como "interpretação autêntica". obrigação de dar coisa incerta, em que a coisa
b. Errado. A Lei da Liberdade Econômica não não é única, singular, exclusiva e preciosa como
objetivou aplicar a teoria menor à desconsideração na obrigação de dar coisa certa, mas sim genérica,
da personalidade jurídica prevista no Código Civil, determinável pelo gênero e pela quantidade.
pois continua exigindo o requisito abuso de direito, e. Errado. A classificação de obrigação acessória
em suas vertentes desvio de finalidade e confusão não se aplica à situação hipotética formulada.
patrimonial, típicos da teoria maior.
c. Errado. A Lei da Liberdade Econômica apenas 24. A proteção de dados pessoais para atender às
procedeu a acréscimos e alterações no sistema do crescentes exigências do mercado de novas tecnolo-
Código Civil para melhor explicitar a excepcionalidade gias, aos interesses públicos dos Estados soberanos e
da desconsideração e reduzir o arbítrio de Juízes à gestão pública, vem ganhando importância cada vez
na aplicação da disregard douctrine. Às relações
maior nos dias de hoje. Por isto, o Brasil editou a Lei n.
não-paritárias de direito privado, continua sendo
13.709/2018, conhecida como "Lei Geral de Proteção
aplicado, principalmente, o Código de Proteção e
de Dados Pessoais – LGPD", que entrará em vigor, na
Defesa do Consumidor.
sua totalidade, em 14/08/2020. Com base nessas pre-
d. Errado. O CPC/2015 foi a primeira lei a prever,
na esteira da diretriz jurisprudencial unânime, a missas, assinale a afirmativa correta:
desconsideração inversa da personalidade jurídica a. Dada a inexistência de uma norma regulamenta-
em seu art. 133, § 2º. dora vigente sobre a proteção de dados pessoais
e. Errado. Desde sempre, a desconsideração da no Brasil, a sua tutela judicial, no âmbito das rela-
personalidade jurídica é apenas a extensão dos ções subjetivas privadas, ainda se mostra inviável.
efeitos de certas e determinadas relações de b. Para fins da proteção dos dados pessoais, estes
obrigações aos bens particulares de administradores são considerados de titularidade de quem os cole-
ou de sócios da pessoa jurídica, e não a dissolução, ta, e não da pessoa natural aos quais se referem.
total ou parcial, desta. c. Como o Código Civil não tratou, em sua "Parte
Geral", no capítulo específico dos "Direitos da Per-
sonalidade", do tema da proteção de dados pesso-
23. Manoel pactua com Joaquim a entrega de uma
ais, pode-se afirmar que esta não pode ser qualifi-
das vacas do seu rebanho leiteiro, que ocorrerá no pri-
cada como um direito da personalidade.
meiro dia do ano subsequente, competindo a escolha
d. A proteção de dados pessoais não pode ser objeto
a Joaquim. Com base nesta situação hipotética, o con- de limitação voluntária pelo seu titular.
teúdo obrigacional do negócio jurídico tem a seguinte e. É dispensada a exigência do consentimento para
classificação doutrinária: o tratamento dos dados tornados manifestamente
a. obrigação de fazer fungível. públicos por seu titular, resguardados os seus di-
b. obrigação de fazer infungível. reitos e os princípios previstos na LGPD.
c. obrigação de dar coisa certa.

33 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Letra e. próprios e/ou credenciados, no qual a operadora


a. Errado. Os direitos da personalidade são capazes de plano de saúde mantém hospitais e emprega
de incidir em todas as situações, previstas ou não, médicos ou indica um rol de conveniados, não há
em que a personalidade seja o ponto de referência como afastar sua responsabilidade solidária pela
objetivo violado (característica da elasticidade), má prestação do serviço. 2. A operadora do plano
mesmo sem previsão legal específica. Os dados de saúde, na condição de fornecedora de serviço,
pessoais podem ser considerados um direito da responde perante o consumidor pelos defeitos em
personalidade e, assim, a sua tutela judicial, no sua prestação, seja quando os fornece por meio de
âmbito das relações subjetivas privadas, se mostra hospital próprio e médicos contratados ou por meio
plenamente inviável. de médicos e hospitais credenciados, nos termos
b. Errado. É o contrário, conforme art. 5º, I, da LGPD. dos arts. 2º, 3º, 14 e 34 do Código de Defesa do
c. Errado. Mesma justificativa do item “a”. Consumidor, art. 1.521, III, do Código Civil de 1916 e
d. Errado. Como um direito da personalidade, a art. 932, III, do Código Civil de 2002..." (STJ, AgInt no
proteção de dados pessoais pode sofrer limitação AREsp 1414776/SP, Rel. Ministro RAUL ARAÚJO,
voluntária, desde que não seja permanente, nem QUARTA TURMA, julgado em 11/02/2020, DJe
geral (Enunciado n. 4 da I Jornada de Direito Civil 04/03/2020).
do CEJ/CJF). c. Errado. O STJ tem decidido pacificamente que:
e. Certo. Por expressa previsão legal do § 4º do art. “...A recusa indevida pela operadora de plano de
7º da LGPD. saúde à cobertura de tratamento médico emergencial
ou de urgência constitui dano moral presumido [...]
25. Acerca dos contratos de plano de saúde, assinale não havendo que se falar em mero inadimplemento
a alternativa correta, de acordo com a lei e a diretriz contratual...” (STJ, AgInt no AREsp 936.352/RS, Rel.
jurisprudencial do STJ: Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, TERCEIRA
a. Aplica-se o Código de Defesa do Consumidor aos TURMA, julgado em 07/03/2017, DJe 13/03/2017).
contratos de plano de saúde, mesmo aqueles ad- d. Errado. O contrato é aleatório, pois segundo a Profª
ministrados por entidades de autogestão. Cláudia Lima Marques: "...Os contratos de seguro-
b. A operadora de plano de saúde tem responsabili- saúde são contratos aleatórios. A álea presente
dade solidária por defeito na prestação de serviço nestas relações refere-se, porém, à necessidade
médico quando o presta por meio de hospital ou não do prestar do fornecedor. Certa é, porém,
próprio e médicos contratados, ou por meio de a qualidade e a quantidade desta prestação do
médicos e hospitais credenciados. fornecedor...".
c. Muito embora a negativa injustificada de cobertura e. Errado. Ao contrário do afirmado, o enunciado da
em contrato de plano de saúde seja contrária ao Súmula 302/STJ diz que: “...É abusiva a cláusula
Direito, não gerará dano moral indenizável, sendo contratual de plano de saúde que limita no tempo a
classificada como mero inadimplemento contratual. internação hospitalar do segurado…”.
d. O contrato de plano de saúde pode ser classifica-
do como comutativo, uma vez que é certa a qua- DIREITO CIVIL
lidade e a quantidade da prestação do fornecedor
do serviço.
(Thiago Deienno)
e. É lícita a cláusula que limita no tempo a internação
hospitalar do segurado, em respeito ao equilíbrio 26. Dora celebrou promessa de compra e venda de
econômico-financeiro do contrato. imóvel com “Construtora Picareta Ltda.”. Esta, por sua
vez, ofereceu o bem em garantia, por meio de aliena-
Letra b. ção fiduciária a “Banco Age e Ota S.A.”, agente finan-
a. Errado. O enunciado da Súmula  608/STJ tem o ciador do empreendimento. De acordo com o Superior
seguinte teor: "...Aplica-se o Código de Defesa do Tribunal de Justiça, não pago o débito contraído pela
Consumidor aos contratos de plano de saúde, salvo construtora perante o agente financiador,
os administrados por entidades de autogestão...". a. a garantia não terá eficácia perante Dora, desde
b. Certo. É recente a fixação da diretriz que seja posterior à celebração da promessa de
jurisprudencial do STJ, conforme noticiado no compra e venda.
Informativo 666: "...1. Se o contrato é fundado na b. deverá ser dada oportunidade para que Dora pur-
prestação de serviços médicos e hospitalares gue a mora da construtora ao agente financiador,

34 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

mesmo que já tenha sido ajuizada ação para to- d. a prestação de garantia real de hipoteca por cônju-
mada do bem. ge, no caso de casamento celebrado sob o regime
c. antes de operada a consolidação da posse do da comunhão parcial de bens.
bem em favor do credor fiduciário, deverá ser dada e. nenhuma das anteriores.
oportunidade para que Dora pague a respectiva
cota-parte da dívida ao agente financiador. Letra b.
d. a alienação fiduciária não terá eficácia perante a. Nos termos do artigo 1647, I, do Código Civil,
Dora, mesmo que seja anterior à celebração da depende de autorização do outro cônjuge a alienação
promessa de compra e venda. de imóvel, ainda que este tenha sido adquirido
e. nenhuma das anteriores. por apenas um dos cônjuges, na constância do
casamento celebrado sob o regime da comunhão
Letra d. parcial de bens.
a. Segundo o Superior Tribunal de Justiça, em b. Alternativa certa. A hipótese de aquisição de
julgamento do Resp. 1576164 DF 2015/0324836-0, bem imóvel não está inserida no rol que trata das
“A alienação fiduciária firmada entre a construtora hipóteses de outorga marital, qual seja o rol do
e o agente financeiro não tem eficácia perante artigo 1647 do Código Civil, apenas a hipótese de
o adquirente do imóvel.”. Desse modo, o STJ alienação desse tipo de bem.
não condicionou a eficácia da garantia perante o c. Nos termos do artigo 1647, III, do Código Civil,
adquirente do imóvel ao momento em que essa depende de autorização do outro cônjuge a prestação
tenha sido constituída. de fiança. O Código Civil não traz exceções para
b. Segundo o Superior Tribunal de Justiça, em esse caso, muito menos em relação à pessoa em
julgamento do Resp. 1576164 DF 2015/0324836-0, favor de quem a fiança é prestada.
“A alienação fiduciária firmada entre a construtora d. Nos termos do artigo 1647, I, do Código Civil,
e o agente financeiro não tem eficácia perante o depende de autorização do outro cônjuge garantia de
adquirente do imóvel.”. Desse modo, Dora não ônus real imóvel, no caso de casamento celebrado
precisa purgar a mora em relação à dívida da sob o regime da comunhão parcial de bens.
construtora.
c. Segundo o Superior Tribunal de Justiça, em 28. Segundo a jurisprudência do Superior Tribunal de
julgamento do Resp. 1576164 DF 2015/0324836-0, Justiça, a prescrição da pretensão de repetição de in-
“A alienação fiduciária firmada entre a construtora débito por cobrança indevida de valores referentes a
e o agente financeiro não tem eficácia perante o serviços não contratados de telefonia fixa, ou seja, no
adquirente do imóvel.”. Desse modo, Dora não
caso em que o lesado é cliente da companhia de tele-
precisa purgar a mora em relação à dívida da
fonia, mas não contratou determinado serviço que lhe
construtora.
está sendo cobrado, é de:
d. Alternativa certa. Segundo o Superior Tribunal
a. de cinco anos, por aplicação do artigo 27 do Códi-
de Justiça, em julgamento do Resp. 1576164 DF
go de Defesa do Consumidor.
2015/0324836-0, “A alienação fiduciária firmada
b. três anos, haja vista tratar-se de pretensão de res-
entre a construtora e o agente financeiro não tem
sarcimento de enriquecimento sem causa.
eficácia perante o adquirente do imóvel.”.
c. de 20 anos; eis que não há previsão específica no
Código Civil para prescrição desse tipo de ação,
27. Não depende da outorga uxória, segundo o Códi-
aplicando-se o prazo supletivo do artigo 205.
go Civil: d. de 10 anos; eis que não há previsão específica no
a. a alienação de imóvel adquirido por um dos côn- Código Civil para prescrição de ação de repetição
juges após o casamento celebrado no regime da de indébito, aplicando-se o prazo supletivo do ar-
comunhão parcial de bens. tigo 205.
b. a aquisição de imóvel por um dos cônjuges após e. Nenhuma das anteriores.
o casamento celebrado no regime da comunhão
parcial de bens.
Letra d.
c. a prestação de fiança em contrato de aluguel resi-
a. No caso em tela, não se aplica o prazo do Código
dencial de parente até o quarto grau, por um dos
de Defesa do Consumidor, tendo em conta que o
cônjuges, após o casamento celebrado no regime
da comunhão universal de bens.

35 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

prazo previsto no artigo 27 daquele diploma legal a. O artigo 1538-B do Código Civil afirma
apenas se aplica para as pretensões de reparação expressamente que a multipropriedade é um regime
civil nascidas de fato do produto ou do serviço. de condomínio.
b. Segundo o STJ, no EAREsp 738.991-RS, o b. O artigo 1538-B do Código Civil afirma
caso não trata de pretensão de ressarcimento expressamente que a multipropriedade é um regime
por enriquecimento sem causa, mas sim ação de de condomínio no qual cada um dos proprietários
repetição de indébito. Para que seja aplicado o de um mesmo imóvel é titular de uma fração de
instituto do enriquecimento sem causa, não deve tempo, à qual corresponde a faculdade de uso e
existir uma relação jurídica anterior entre as partes gozo, com exclusividade, da totalidade do imóvel, a
litigantes. No caso em comento, há uma relação ser exercida pelos proprietários de forma alternada.
jurídica de base, que é um contrato prévio de c. O artigo 1538-E, § 1º, do Código Civil afirma
prestação de serviços de telefonia, ainda que haja expressamente que o período correspondente a
a cobrança indevida por um serviço não contratado. cada fração de tempo será de, no mínimo, sete dias,
c. O prazo supletivo de prescrição do artigo 205 do seguidos ou intercalados.
Código Civil é de 10 anos, e não de 20 anos. d. O artigo 1538-E, § 2º, do Código Civil afirma
d. Resposta certa. Segundo a jurisprudência do expressamente que todos os multiproprietários
Superior Tribunal de Justiça, consubstanciada no terão direito a uma mesma quantidade mínima
EAREsp 738.991-RS, julgado da Corte Especial, “A de dias seguidos durante o ano, podendo haver a
ação de repetição de indébito por cobrança indevida aquisição de frações maiores que a mínima, com o
de valores referentes a serviços não contratados de correspondente direito ao uso por períodos também
telefonia fixa tem prazo prescricional de 10 (dez) maiores.
anos”. Isso porque o STJ entendeu que no caso e. A alternativa é errada. Nos termos do artigo
deve ser aplicada analogicamente a Súmula 412 1358-D, I, do Código Civil, o imóvel objeto da
desse mesmo Tribunal Superior, a qual estabelece multipropriedade é indivisível, não se sujeitando à
que o prazo prescricional da pretensão de repetição ação de divisão ou de extinção de condomínio.
de indébito por cobrança indevida de tarifa de água
e esgoto deve ser regulada pelo Código Civil. Por 30. São situações nas quais os Tribunais Superiores
meio desse entendimento, o STJ afastou tanto o entendem que há configurado o dano moral presumido
prazo trienal da repetição de indébito quanto o prazo ou dano moral in re ipsa:
quinquenal do Código de Defesa do Consumidor. a. Inclusão de consumidor em cadastro de inadim-
plentes.
29. A respeito da multipropriedade, assinale a alterna- b. Negativa, por parte de operadora de plano de saú-
tiva incorreta: de, de cobertura de tratamento.
a. A multipropriedade é um regime de condomínio. c. Criação de banco de dados o qual contenha in-
b. Cada multiproprietário é titular de uma fração de formações de titular de dados pessoais sem que
tempo, a qual corresponde à faculdade de uso e este tenha ciência, bem como uso indevido des-
gozo da totalidade do imóvel, com exclusividade, ses dados.
da totalidade do imóvel objeto da multipropriedade. d. Inadimplemento contratual, sem consequências
c. A fração de tempo que cada multiproprietário titu- fáticas que levem a sofrimento psicológico.
lariza não pode ser inferior a sete dias. e. Nenhuma das anteriores.
d. Todos os multiproprietários terão direito a uma
mesma quantidade mínima de dias seguidos du- Letra c.
rante o ano, podendo haver a aquisição de frações a. Para o STJ (REsp n. 1.059.663/MS), apenas a
maiores que a mínima, com o correspondente di- inclusão indevida de consumidor em cadastro de
reito ao uso por períodos também maiores. inadimplentes gera dano moral presumido.
e. O imóvel objeto da multipropriedade é divisível, b. Conforme a jurisprudência do Superior Tribunal
sujeitando-se à ação de divisão e de extinção de de Justiça, (AgRg no REsp 1.569.212⁄SP), “A
condomínio. recusa da cobertura de tratamento por operadora
de plano de saúde, por si só, não configura dano
Letra e. moral, notadamente quando fundada em razoável
interpretação contratual.”. Para que seja configurado
o dano moral, a negativa deve ser ilícita.

36 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

c. Segundo o Superior Tribunal de Justiça, no REsp § 1º A instauração do incidente será imediatamente


1.758.799-MG, gera dano moral presumido ou in comunicada ao distribuidor para as anotações
re ipsa a criação de banco de dados que contenha devidas.
informações de dados pessoais de titular sem que § 2º Dispensa-se a instauração do incidente se
esse tenha ciência, bem como uso indevido desses a desconsideração da personalidade jurídica for
dados. requerida na petição inicial, hipótese em que será
d. Segundo a jurisprudência firme no STJ, o simples citado o sócio ou a pessoa jurídica.
inadimplemento contratual, sem consequências § 3º A instauração do incidente suspenderá o
fáticas que levem a sofrimento psicológico, não processo, salvo na hipótese do § 2º.
configura dano moral indenizável, muito menos
dano moral in re ipsa. 32. Segundo as normas que definem os limites da ju-
risdição em nosso ordenamento processual civil, pode-
DIREITO PROCESSUAL CIVIL -se afirmar que:
a. compete à autoridade judiciária brasileira proces-
(Fabio Levino) sar e julgar as ações de alimentos quando o réu
mantiver vínculos no Brasil, tais como posse ou
31. José ajuizou ação de cobrança contra JPKY Cons- propriedade de bens, recebimento de renda ou ob-
truções Ltda., requerendo, na própria petição inicial, a tenção de benefícios econômicos.
desconsideração da sua personalidade jurídica, com a b. compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira
demonstração preliminar do preenchimento dos pres- processar e julgar as ações em que o réu, qual-
supostos legais específicos. Nesse caso, de acordo quer que seja a sua nacionalidade, estiver domi-
com o Código de Processo Civil, ciliado no Brasil, sendo que, no caso de pessoa
a. deverá ser determinada a instauração do inciden- jurídica, considera-se domiciliada no Brasil aquela
te de desconsideração da personalidade jurídica, que nele tiver sua sede principal.
com a suspensão do processo. c. compete subsidiariamente à autoridade judiciária
b. deverá ser determinada a instauração do inciden- brasileira conhecer de ações relativas a divórcio,
te de desconsideração da personalidade jurídica, separação judicial ou dissolução de união estável
sem a suspensão do processo. e proceder à partilha de bens situados no Brasil
c. dispensa-se a instauração do incidente de descon- quando o titular seja de nacionalidade estrangeira
sideração da personalidade jurídica, e o processo ou tenha domicílio fora do território nacional.
não será suspenso. d. a ação proposta perante tribunal estrangeiro induz
d. dispensa-se a instauração do incidente de des- litispendência e obsta a que a autoridade judiciá-
consideração da personalidade jurídica, mas o ria brasileira conheça da mesma causa e das que
processo deverá permanecer suspenso até a de- lhe são conexas, ressalvadas as disposições em
cisão desse requerimento. contrário de tratados internacionais e acordos bi-
e. o requerimento deverá ser liminarmente rejeitado, laterais em vigor no Brasil. A pendência de causa
pois o incidente de desconsideração da persona- perante a jurisdição brasileira impede a homologa-
lidade jurídica só pode ser instaurado na fase de ção de sentença judicial estrangeira quando exigi-
cumprimento de sentença. da para produzir efeitos no Brasil.
e. compete privativamente à autoridade brasileira co-
Letra c. nhecer de ações relativas a imóveis situados no
Nos termos do artigo 134, § 2°, do CPC, se a Brasil.
desconsideração da personalidade jurídica for
requerida na petição inicial,  dispensa-se a Letra a.
instauração do incidente e o processo não será a. Certo.
suspenso. Art. 22. Compete, ainda, à autoridade judiciária
Art. 134. O incidente de desconsideração é cabível brasileira processar e julgar as ações:
em todas as fases do processo de conhecimento, no I – de alimentos, quando:
cumprimento de sentença e na execução fundada b) o réu mantiver vínculos no Brasil, tais como posse
em título executivo extrajudicial. ou propriedade de bens, recebimento de renda ou
obtenção de benefícios econômicos.
b. Errado.

37 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Art. 21. Compete à autoridade judiciária brasileira Art. 311. A tutela da evidência será concedida,
processar e julgar as ações em que: independentemente da demonstração de perigo
I – o réu, qualquer que seja a sua nacionalidade, de dano ou de risco ao resultado útil do processo,
estiver domiciliado no Brasil; quando:
Parágrafo único. Para o fim do disposto no inciso I – ficar caracterizado o abuso do direito de defesa
I, considera-se domiciliada no Brasil a pessoa ou o manifesto propósito protelatório da parte;
jurídica estrangeira que nele tiver agência, filial II – as alegações de fato puderem ser comprovadas
ou sucursal. (E não somente quando tiver sede apenas documentalmente e houver tese firmada
principal – observação nossa). em julgamento de casos repetitivos ou em súmula
c. Errado. vinculante;
Art. 23. Compete à autoridade judiciária brasileira, III – se tratar de pedido reipersecutório fundado em
com exclusão de qualquer outra: prova documental adequada do contrato de depósito,
III – em divórcio, separação judicial ou dissolução de caso em que será decretada a ordem de entrega do
união estável, proceder à partilha de bens situados objeto custodiado, sob cominação de multa;
no Brasil, ainda que o titular seja de nacionalidade IV – a petição inicial for instruída com prova
estrangeira ou tenha domicílio fora do território documental suficiente dos fatos constitutivos do
nacional. (Trata-se de competência exclusiva, e direito do autor, a que o réu não oponha prova capaz
não subsidiária – observação nossa). de gerar dúvida razoável.
d. Errado. Está contrária ao entendimento da lei. O abuso do direito de defesa ou o manifesto
Art. 24. A ação proposta perante tribunal estrangeiro propósito protelatório da parte são apenas algumas
não induz litispendência e não obsta a que a das possibilidades para a concessão da tutela de
autoridade judiciária brasileira conheça da mesma evidência. Existem outras possibilidades, conforme
causa e das que lhe são conexas, ressalvadas as descrito no artigo 311 e incisos.
disposições em contrário de tratados internacionais b. Errado.
e acordos bilaterais em vigor no Brasil. Art. 297. O juiz poderá determinar as medidas que
e. Errado. Trata-se de competência exclusiva, e não considerar adequadas para efetivação da tutela
privativa. provisória.
Art. 23. Compete à autoridade judiciária brasileira, Logo o rol é exemplificativo, e não taxativo.
com exclusão de qualquer outra: c. Errado.
I – conhecer de ações relativas a imóveis situados Art. 296. A tutela provisória conserva sua eficácia
no Brasil. na pendência do processo, mas pode, a qualquer
tempo, ser revogada ou modificada.
33. A tutela provisória d. Errado.
a. da evidência será concedida sempre e unicamente Art. 300. A tutela de urgência será concedida quando
quando caracterizado o abuso do direito de defesa houver elementos que evidenciem a probabilidade
ou o manifesto propósito protelatório da parte. do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado
b. observará o rol taxativo previsto na norma proces- útil do processo.
sual. § 2º A tutela de urgência pode ser concedida
c. conserva sua eficácia na pendência do processo, liminarmente ou após justificação prévia.
mas pode, a qualquer tempo, ser modificada, em- e. Certo.
bora não revogada. Art. 301. A tutela de urgência de natureza cautelar
d. urgência de natureza antecipada só poderá ser pode ser efetivada mediante arresto, sequestro,
concedida após justificação prévia. arrolamento de bens, registro de protesto contra
e. urgência de natureza cautelar pode ser efetivada alienação de bem e qualquer outra medida idônea
mediante arresto, sequestro, arrolamento de bens, para asseguração do direito.
registro de protesto contra alienação de bem e
qualquer outra medida idônea para asseguração 34. Pedro ajuizou demanda, pelo procedimento co-
do direito. mum, com pedido único de natureza patrimonial dis-
ponível que versava sobre questão de direito local. Ao
Letra e. receber a petição inicial, o Magistrado julgou liminar-
a. Errado. mente improcedente o pedido formulado pelo autor,
sem observar a ordem cronológica de julgamento. Em

38 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

sua decisão, o Juiz consignou que o pedido contraria- Art. 332, § 2º, do CPC. Não interposta a apelação,
va expressamente enunciado de súmula do Tribunal o réu será intimado do trânsito em julgado da
de Justiça sobre a matéria e que a causa dispensava sentença, nos termos do art. 241.
instrução probatória. Nessa situação hipotética, o Ma-
gistrado 35. Acerca do processo de conhecimento no âmbito
a. deveria, obrigatoriamente, ter dado ao réu a opor- do Código de Processo Civil, assinale a alternativa
tunidade de se manifestar, antes de realizar o exa- incorreta:
me do mérito do processo. a. O indeferimento da petição inicial é decisão que,
b. desrespeitou norma fundamental referente à or- não admitindo o processamento da demanda
dem cronológica de conclusão e julgamento, o que apresentada, põe fim liminarmente ao processo,
configura grave falha funcional sujeita a controle sem resolução de mérito. Entretanto, somente se
correcional pelo Poder Judiciário. admite tal decisão se restar inviabilizada a tutela
c. prolatou decisão que não se sujeita aos efeitos da jurisdicional, ou seja, se não for possível a corre-
coisa julgada material. ção do vício ou se o autor, previamente intimado
d. agiu em conformidade com o CPC para julgar li- para saná-lo, não atendeu à determinação judicial.
minarmente improcedente o pedido, cabendo ao Ainda, nada impede que o indeferimento da pe-
autor interpor recurso de apelação caso deseje re- tição inicial seja parcial, oportunidade em que a
formar a decisão. demanda prosseguirá em relação à parte admitida
e. estará dispensado de comunicar ao réu o resulta- da peça inaugural.
do do julgamento, caso não seja interposto recur- b. O Código de Processo Civil, em homenagem aos
so pelo autor. princípios da economia processual e da instru-
mentalidade das formas, eliminou as exceções
Letra d. instrumentais (de incompetência relativa) e as
Resposta contida no artigo 332, IV, § 2° impugnações em apartado (ao valor da causa e
a. Errado. à gratuidade da justiça), inserindo-as todas como
Art. 332, IV, do CPC. Nas causas que dispensem preliminares de contestação. A reconvenção tam-
a frase instrutória, o juiz, independentemente da bém passou a ser exercida no bojo da contesta-
citação do réu, julgará liminarmente improcedente ção, mantendo-se, porém, a regra da inadmissibi-
o pedido que contrariar: lidade da reconvenção subjetivamente ampliativa,
IV – enunciado de súmula de tribunal de justiça prevista no Código de Processo Civil de 1973.
sobre direito local. c. Caso o réu alegue na contestação ser parte ilegí-
b. Errado. tima ou não ser o responsável pelo prejuízo invo-
Art. 12, § 2°, I, segunda parte, do CPC. Estão cado, o juiz facultará ao autor, em 15 dias, a alte-
excluídos da regra do caput: as sentenças de ração da petição inicial para substituição do réu.
improcedência liminar do pedido. Trata-se, portanto, de uma forma de modificação
c. Errado. dos elementos da demanda mesmo após a cita-
Art. 487, I e II, do CPC. Haverá resolução de mérito: ção do réu e sem que seja necessário o seu con-
I. (...) rejeitar o pedido formulado na ação (...); sentimento específico, sendo esta uma exceção
II. decidir, de ofício ou a requerimento, sobre a ao regime de estabilização progressiva delimitado
ocorrência de decadência ou prescrição. pelo art. 329 do CPC.
d. Certo. d. Para ser apresentada, a reconvenção pressupõe
Art. 332, IV, § 2°, do CPC. Nas causas que dispensem uma causa pendente, porém, uma vez veiculada,
a fase instrutória, o juiz, independentemente da ela adquire autonomia. Dessa forma, a desistência
citação do réu, julgará liminarmente improcedente o da ação ou a ocorrência de causa extintiva que
pedido que contrariar: impeça o exame de seu mérito não obsta o pros-
IV – enunciado de súmula de tribunal de justiça seguimento do processo quanto à reconvenção.
sobre direito local. e. No curso de ação cível, é defeso ao Juiz conhecer
§ 2º Não interposta a apelação, o réu será de ofício a convenção de arbitragem e a incompe-
intimado do trânsito em julgado da sentença, tência relativa.
nos termos do art. 241.
e. Errado. Letra b.
a. Certo.

39 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Art. 321. O juiz, ao verificar que a petição inicial não IX – incapacidade da parte, defeito de representação
preenche os requisitos dos arts. 319 e 320 ou que ou falta de autorização;
apresenta defeitos e irregularidades capazes de X – convenção de arbitragem;
dificultar o julgamento de mérito, determinará que o XI – ausência de legitimidade ou de interesse
autor, no prazo de 15 (quinze) dias, a emende ou a processual;
complete, indicando com precisão o que deve ser XII – falta de caução ou de outra prestação que a lei
corrigido ou completado. exige como preliminar;
Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, XIII – indevida concessão do benefício de gratuidade
o juiz indeferirá a petição inicial. de justiça.
Art. 330. A petição inicial será indeferida quando: § 5º Excetuadas a convenção de arbitragem e a
I – for inepta; incompetência relativa, o juiz conhecerá de ofício
II – a parte for manifestamente ilegítima; das matérias enumeradas neste artigo.
III – o autor carecer de interesse processual;
IV – não atendidas as prescrições dos arts. 106 36. No que diz respeito ao julgamento antecipado par-
e 321. cial de mérito, é correto afirmar que o respectivo pro-
b. Errado! CPC, art. 343, § § 3º e 4°. nunciamento judicial
O CPC/2015 passou a admitir a ampliação objetiva a. deve ser objeto de confirmação quando da prola-
(pedido e causa de pedir) e subjetiva (partes) da ção da futura sentença, por se tratar de decisão de
demanda, bastando que a pretensão seja conexa natureza provisória.
com a ação principal ou com o fundamento da b. configura-se em sentença, sendo, portanto, ape-
defesa (art. 343 do CPC). lável.
Art. 337. Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, c. é passível de cumprimento provisório, mesmo que
alegar: tenha sido julgado em definitivo o recurso dele in-
II – incompetência absoluta e relativa; terposto.
III – incorreção do valor da causa; d. pode ser executado, independentemente de cau-
XIII – indevida concessão do benefício de gratuidade ção, ainda que esteja pendente de julgamento re-
de justiça. curso contra ele interposto.
Art. 343, § 3º. A reconvenção pode ser proposta e. deve reconhecer a existência de obrigação líqui-
contra o autor e terceiro. da, não sendo cabível sua prévia liquidação.
Art. 343, § 4º. A reconvenção pode ser proposta
pelo réu em litisconsórcio com terceiro. Letra d.
c. Certo. a. Errado. Art. 356, § § 2º e 3º do NCPC.
Art. 338, caput. Alegando o réu, na contestação, Art. 356. O juiz decidirá parcialmente o mérito
ser parte ilegítima ou não ser o responsável pelo quando um ou mais dos pedidos formulados ou
prejuízo invocado, o juiz facultará ao autor, em 15 parcela deles:
(quinze) dias, a alteração da petição inicial para § 2º A parte poderá liquidar ou executar, desde
substituição do réu. logo, a obrigação reconhecida na decisão que
d. Certo. julgar parcialmente o mérito, independentemente
Art. 343, § 2º. A desistência da ação ou a ocorrência de caução, ainda que haja recurso contra essa
de causa extintiva que impeça o exame de seu interposto.
mérito não obsta ao prosseguimento do processo § 3º Na hipótese do § 2º, se houver trânsito em
quanto à reconvenção. julgado da decisão, a execução será definitiva”.
e. Certo. CPC, art. 337, § 5º. b. Errado.
Art. 337. Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, Art. 356, § 5º, do NCPC. A decisão proferida com
alegar: base neste artigo é impugnável por agravo de
I – inexistência ou nulidade da citação; instrumento.
II – incompetência absoluta e relativa; c. Errado. Havendo sido julgado de forma definitiva
III – incorreção do valor da causa; o recurso interposto, será hipótese de cumprimento
IV – inépcia da petição inicial; definitivo da sentença, e não provisório.
V – perempção; Art. 356, § 3º, do CPC. Na hipótese do § 2º, se
VI – litispendência; houver trânsito em julgado da decisão, a execução
VII – coisa julgada; será definitiva.
VIII – conexão;

40 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

d. Certo. Sem que tivesse satisfeito voluntariamente a obriga-


Art. 356. O juiz decidirá parcialmente o mérito ção, o réu, pretendendo arguir a incompetência relativa
quando um ou mais dos pedidos formulados ou do foro em que a execução foi deflagrada, deve ofertar:
parcela deles: a. Embargos à execução.
I – mostrar-se incontroverso; b. Exceção de incompetência relativa no juízo do
II – estiver em condições de imediato julgamento, cumprimento de sentença ou no juízo do local em
nos termos do art. 355; que o executado entende ser o foro competente.
§ 1º A decisão que julgar parcialmente o mérito c. Impugnação ao cumprimento de sentença, inde-
poderá reconhecer a existência de obrigação líquida pendente de penhora ou nova intimação.
ou ilíquida. d. Objeção de pré-executividade, pois não se trata de
§ 2º A parte poderá liquidar ou executar, desde mérito e não há necessidade de garantir o juízo.
logo, a obrigação reconhecida na decisão que e. Contestação, como preliminar de mérito.
julgar parcialmente o mérito, independentemente
de caução, ainda que haja recurso contra essa Letra c.
interposto. Art. 525 do CPC. Transcorrido o prazo previsto no
e. Errado. art. 523 sem o pagamento voluntário, inicia-se o
Art. 356, § 1º A decisão que julgar parcialmente o prazo de 15 (quinze) dias para que o executado,
mérito poderá reconhecer a existência de obrigação independentemente de penhora ou nova intimação,
líquida ou ilíquida. apresente, nos próprios autos, sua impugnação.
§ 1º Na impugnação, o executado poderá alegar:
37. De acordo com o entendimento do STJ, é correto VI – incompetência absoluta ou relativa do juízo
afirmar que o rol de cabimento de agravo de instrumen- da execução;
to previsto no Código de Processo Civil (CPC)
a. é de taxatividade mitigada, admitindo-se a inter- 39. Em relação às ações reguladas por procedimen-
posição desse recurso quando verificada urgência tos especiais, é correto afirmar:
decorrente da inutilidade do julgamento da ques- a. No caso de ação possessória em que figure no
tão no recurso de apelação. polo passivo grande número de pessoas, serão
b. é exaustivo, não sendo admitida interpretação ex- feitas a citação pessoal dos ocupantes que forem
tensiva ou analógica. encontrados no local e a citação por edital dos de-
c. é meramente exemplificativo, admitindo-se a in- mais, determinando-se, ainda, a intimação do Mi-
terposição desse recurso contra outras decisões nistério Público e, se envolver pessoas em situa-
interlocutórias. ção de hipossuficiência econômica, da Defensoria
d. não prevê a interposição desse recurso contra de- Pública.
cisões interlocutórias proferidas na fase de liquida- b. No tocante à ação de consignação em pagamento,
ção de sentença ou de cumprimento de sentença. será o depósito requerido no lugar do pagamento,
e. não contempla outras hipóteses de cabimento cessando para o devedor, à data do depósito, os
desse recurso previstas em lei. juros e os riscos da mora, ainda que a demanda
seja ao depois julgada improcedente, por sua de-
Letra a. monstração tempestiva de boa-fé objetiva.
A jurisprudência do STJ tem se manifestado no c. A ação de dissolução parcial de sociedade tem por
sentido de que o rol do art. 1.015 do CPC é de objeto único a resolução da sociedade empresária
taxatividade mitigada, por isso admite a interposição contratual ou simples em relação ao sócio faleci-
de agravo de instrumento quando verificada a do, excluído o que exerceu o direito de retirada ou
urgência decorrente da inutilidade do julgamento recesso.
da questão no recurso de apelação. STJ. Corte d. A ação monitória será proposta por aquele que
Especial. REsp 1.704.520/MT, Rel. Min. Nancy afirmar, com base em prova oral ou escrita sem
Andrighi, DJe. 19/12/2018. exequibilidade, ter direito de exigir do devedor ca-
paz o pagamento de valor em dinheiro ou a en-
38. Tendo transitado em julgado sentença que conde- trega de coisa fungível ou infungível, ou de bem
nara o réu a pagar ao autor determinada soma pecuni- móvel ou imóvel.
ária, este requereu, a juízo situado em foro diverso do e. A oposição é manifestada por aquele que, denun-
da condenação, o cumprimento do julgado. ciado da lide ou chamado ao processo, impugna

41 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

sua condição de responsável pela obrigação con- CPC/2015.


tratual ou extracontratual. c. Em se tratando de embargos de declaração opos-
tos contra acórdão que julga agravo de instrumen-
Letra a. to, a aplicação da técnica de julgamento ampliado
a. Certo. somente ocorrerá se os embargos de declaração
Art. 554, § 1º No caso de ação possessória em que forem acolhidos para modificar o julgamento origi-
figure no polo passivo grande número de pessoas, nário do magistrado de primeiro grau que houver
serão feitas a citação pessoal dos ocupantes que proferido decisão parcial de mérito.
forem encontrados no local e a citação por edital d. O procedimento de distinção (distinguishing) pre-
dos demais, determinando-se, ainda, a intimação visto no art. 1.037, § § 9º e 13, do CPC/2015,
do Ministério Público e, se envolver pessoas aplica-se também ao incidente de resolução de
em situação de hipossuficiência econômica, da demandas repetitivas – IRDR.
Defensoria Pública. e. O acórdão que admite ou inadmite o Incidente de
b. Errado. Resolução de Demandas Repetitivas – IRDR é re-
Art. 540. Requerer-se-á a consignação no lugar do corrível.
pagamento, cessando para o devedor, à data do
depósito, os juros e os riscos, salvo se a demanda Letra e.
for julgada improcedente. a. Certo.
c. Errado. REsp 1.776.382-MT, Rel. Min. Nancy Andrighi,
Art. 599. A ação de dissolução parcial de sociedade Terceira Turma, por unanimidade, julgado em
pode ter por objeto: 03/12/2019, DJe 05/12/2019;
I – a resolução da sociedade empresária contratual b. Certo.
ou simples em relação ao sócio falecido, excluído ou REsp 1.738.656-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi,
que exerceu o direito de retirada ou recesso; e Terceira Turma, por unanimidade, julgado em
II – a apuração dos haveres do sócio falecido, 03/12/2019, DJe 05/12/2019;
excluído ou que exerceu o direito de retirada ou c. Certo.
recesso; ou REsp 1.841.584-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas
III – somente a resolução ou a apuração de haveres. Cueva, Terceira Turma, por unanimidade, julgado
d. Errado. em 10/12/2019, DJe 13/12/2019;
Art. 700. A ação monitória pode ser proposta por d. Certo.
aquele que afirmar, com base em prova escrita sem REsp 1.846.109-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi,
eficácia de título executivo, ter direito de exigir do Terceira Turma, por unanimidade, julgado em
devedor capaz. (Não cabe com base em prova oral 10/12/2019, DJe 13/12/2019;
– observação nossa). e. Errado.
e. Errado. REsp 1.631.846-DF, Rel. Min. Paulo de Tarso
Art. 682. Quem pretender, no todo ou em parte, a Sanseverino, Rel. Acd. Min. Nancy Andrighi, Terceira
coisa ou o direito sobre que controvertem autor e Turma, por maioria, julgado em 05/11/2019, DJe
réu poderá, até ser proferida a sentença, oferecer 22/11/2019
oposição contra ambos. Segundo precedente do STJ, retro mencionado,
Com o advento do CPC/2015, a OPOSIÇÃO deixou “É irrecorrível o acórdão que admite ou inadmite o
de ser modalidade de intervenção de terceiro típica Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas –
e passou para o rol dos procedimentos especiais. IRDR”.

40. À luz da jurisprudência do Superior Tribunal de DIREITO PENAL


justiça, marque a opção incorreta.
a. O credor pode optar pela remessa dos autos ao (Túlio Max)
foro de domicílio do executado, mesmo após o iní-
cio do cumprimento de sentença. 41. Julgue os itens abaixo como C (CERTO) ou E
b. A fixação de determinado valor a ser recebido (ERRADO) e assinale a opção que contém a sequência
mensalmente pelo herdeiro a título de adianta- de respostas.
mento de herança não configura negócio jurídico I – Na hipótese de condenação por infrações às
processual atípico na forma do art. 190, caput, do quais a lei comine pena máxima superior a 6

42 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

(seis) anos de reclusão, poderá ser decretada se de uma questão que, havendo divergência de
a perda, como produto ou proveito do crime, entendimento, é salutar abraçar o entendimento do
dos bens correspondentes à diferença entre Supremo Tribunal Federal.
o valor do patrimônio do condenado e aque- III. Certo. O princípio da insignificância (bagatela
le que seja compatível com o seu rendimento própria) é causa de exclusão da tipicidade material
lícito. do fato que já nasce sem nenhuma relevância
II – A importação de pouca quantidade de semen- penal. AFASTA O FATO TÍPICO – NÃO HÁ CRIME.
tes de maconha não caracteriza o crime tráfico O princípio da irrelevância penal do fato (bagatela
previsto no art. 33 da Lei de Drogas. imprópria) é causa excludente da punição concreta
III – O princípio da irrelevância penal do fato não do fato que não nasce irrelevante para o Direito
se confunde com o princípio da insignificância, Penal, mas depois verifica-se que a aplicação de
sendo que o primeiro ambienta-se na teoria sanção penal se mostra totalmente.
geral da pena, enquanto que o segundo se si- IV. Certo. O princípio da insignificância (bagatela
tua na teoria do delito. própria) não possui previsão expressa no Código
IV – O princípio da bagatela imprópria encontra Penal. É construção teórica e jurisprudencial a partir
previsão expressa no Código Penal, enquanto de princípios como a fragmentariedade intervenção
que o princípio da bagatela própria é fruto de mínima. Importa interpretação restritiva do tipo
construção teórica e jurisprudencial. penal. Quanto ao princípio da irrelevância penal do
V – A reincidência por si só não obsta a aplicação fato (bagatela imprópria) há previsão expressa no
do princípio da insignificância, devendo ser Código Penal (artigo 59 do CP).
analisados outros elementos. V. Certo. A reincidência por si só não basta para
a. E, E, E, E, E. obstar a aplicação do princípio da insignificância,
b. C, C, C, C, C. mas opera como vetor negativo para, na análise
c. E, C, C, E, C. do caso concreto, ser analisado o cabimento, ou
d. C, E, E, C, C. não, do princípio. No caso concreto examinado no
e. E, E, C, E, E. Informativo 911 do STF, houve furto de alimentos
e algumas galinhas, sendo que, a despeito de
Letra b. responder por outros processos por furto, foi
I. Certo. Trata-se da regra do art. 91-A do CP que reconhecida a insignificância pois o contexto
dispõe sobre novo V da condenação inserida pela indicava a ocorrência de furto famélico.
Lei n. 13.964, de 24 de dezembro de 2019.
II. Certo. Esse foi o entendimento do Supremo 42. Acerca da continuidade delitiva, julgue os itens
Tribunal Federal no Informativo 915. Trata-se abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a
de norma penal em branco sendo que o conceito opção que contém a sequência de respostas:
de droga é definido em Portaria do Ministério I – Adota-se a teoria da ficção jurídica, o que au-
da Saúde que dispõe, em relação à maconha, o toriza tomar cada um dos delitos como crime
tetraidrocanabinol com a substância considerada parcelar.
droga. A semente não possui eficácia psicotrópica II – O crime de latrocínio é classificado como cri-
por não possuir tetraidrocanabinol. Essa é a me agravado ou qualificado pelo resultado,
premissa para o afastamento do tipo penal de sendo, pois, desdobramento do delito de rou-
tráfico. Entretanto, importante registrar que o bo, razão pela qual se mostra possível o re-
semear caracterizaria tráfico, por ser núcleo do conhecimento de continuidade delitiva entre
tipo de tráfico. Contudo, importar semente é mero roubo e latrocínio.
ato preparatório. Poderia caracterizar contrabando, III – O crime continuado homogêneo refere-se
mas, sendo pequena quantidade, poderia, nesse às hipóteses em que são praticados crimes
caso, ser reconhecida a insignificância da conduta. idênticos, enquanto o crime continuado hete-
Vale anotar que o Superior Tribunal de Justiça rogêneo relaciona-se aos casos em que são
(STJ 5a Turma) entende que importar sementes praticados crimes constantes de tipos legais
de maconha caracteriza tráfico, enquanto o STJ 6a diversos embora unidos pela unidade de de-
Turma possui o entendimento de que importação de sígnios e pelas mesmas condições de tempo,
pequena quantidade de semestre de maconha não lugar e modo de execução.
caracteriza tráfico (mesma posição do STF). Trata-

43 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

IV – De acordo com a teoria mista, os requisitos 43. Assinale a opção certa.


para a continuidade delitiva são de natureza a. Diante de duas condenações transitadas em jul-
tanto objetiva quanto subjetiva. gado, anteriores ao fato apurado nos autos e não
V – O somatório ou incidência de fração de au- alcançadas pelo período depurador, admite-se
mento são considerados para fins de cabimen- a utilização de uma delas a título de agravante
to da suspensão condicional do processo. genérica da reincidência e da outra para fins de
a. E, E, E, E, E. exasperar a pena na primeira fase em relação à
b. C, C, C, C, C. circunstância judicial da conduta social.
c. E, C, C, E, C. b. Diante de duas condenações transitadas em jul-
d. C, E, E, C, C. gado, anteriores ao fato apurado nos autos e não
e. E, E, C, E, E. alcançadas pelo período depurador, admite-se
a utilização de uma delas a título de agravante
Letra d. genérica da reincidência e da outra para fins de
I. Certo. Teoria da ficção jurídica: cada uma das exasperar a pena na primeira fase em relação à
condutas praticadas constitui-se em uma infração circunstância judicial da personalidade.
penal diferente. No entanto, por ficção jurídica, c. Para efeito de reincidência, não prevalece a con-
esses diversos crimes são considerados, pela lei, denação anterior, se entre a data da infração an-
como crime único. O Brasil adotou a teoria da ficção terior e a infração posterior tiver decorrido período
jurídica. Com efeito, há unicidade entre os crimes de tempo superior a 5 (cinco) anos.
parcelares. d. A folha de antecedentes criminais é documento in-
II. Errado. Para que seja reconhecida a continuidade suficiente a comprovar os maus antecedentes e a
delitiva, é necessário que o agente pratique dois reincidência.
ou mais crimes idênticos. Entende-se por crime e. Se o agente comete novo crime após o trânsito
idênticos aqueles previstos no mesmo artigo (crimes em julgado de condenação por crime anterior mas
previstos no mesmo tipo penal, protegendo igual antes da extinção da pena, trata-se de hipótese de
bem jurídico). Embora o latrocínio esteja situado reincidência ficta.
também no art. 157 do CP, o entendimento caminho
no sentido de não ser possível o reconhecimento de Letra e.
continuidade delitiva entre os crimes de roubo e o a. Errado. A conduta social e a personalidade do
de latrocínio porquanto são de espécies diversas, agente não se confundem com os antecedentes
já que tutelam bens jurídicos diferentes (STJ. 5ª criminais, porquanto gozam de contornos próprios
Turma. AgInt no AREsp 908.786/PB, Rel. Min. Felix – referem-se ao modo de ser e agir do autor
Fischer, julgado em 06/12/2016). do delito –, os quais não podem ser deduzidos,
III. Errado. É requisito do crime continuado a prática de forma automática, da folha de antecedentes
de crimes da mesma espécie (mesmo tipo penal e criminais do réu. EAREsp 1.311.636-MS, Rel. Min.
mesmo bem jurídico). A classificação de homogêneo Reynaldo Soares Da Fonseca, Terceira Seção, por
e heterogêneo, com efeito, associa-se, de fato, ao maioria, julgado em 10/04/2019, DJe 26/04/2019 –
sistema da exasperação, segundo o qual o juiz Informativo 647 STJ.
aplica apenas uma pena se idênticas (CRIME b. Errado. A conduta social e a personalidade do
CONTINUADO HOMOGÊNEO) ou a maior (CRIME agente não se confundem com os antecedentes
CONTINUADO HETEROGÊNEO) (aumento de 1/6 criminais, porquanto gozam de contornos próprios
a 2/3). – referem-se ao modo de ser e agir do autor
IV. Certo. Teoria objetivo-subjetiva (também do delito –, os quais não podem ser deduzidos,
chamada de teoria mista): os requisitos para a de forma automática, da folha de antecedentes
continuidade delitiva são de natureza tanto objetiE criminais do réu. EAREsp 1.311.636-MS, Rel. Min.
Cva como subjetiva. Os requisitos objetivos estão Reynaldo Soares Da Fonseca, Terceira Seção, por
previstos no art. 71 (mesmas condições de tempo, maioria, julgado em 10/04/2019, DJe 26/04/2019 –
lugar e forma de execução). O requisito subjetivo, Informativo 647 STJ.
por sua vez, é a unidade de desígnio. Essa é a teoria c. Errado. O termo inicial do período depurador é
adotada pelo STJ e STF. a data do cumprimento ou da extinção da pena da
V. Certo. Teor das Súmula 243/STJ e Súmula 723/ primeira infração.
STF.

44 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

d. Errado. Súmula 636. A folha de antecedentes estar preenchidos os requisitos do inciso I e II (crime
criminais é documento suficiente a comprovar os sem violência ou grave ameaça e pena não superior
maus antecedentes e a reincidência. Terceira Seção, a 4 anos), assim como do inciso IV (a fixação da
julgado em 26/06/2019, DJe 27/06/2019. pena no mínimo legal revela a presença de boas
e. Certo. AGENTE COMETE NOVO CRIME ANTES circunstâncias no artigo 59 do Código Penal).
DO TRÂNSITO EM JULGADO DA CONDENAÇÃO b. Certo. Art. 44. As penas restritivas de direitos são
DO CRIME ANTERIOR – PRIMÁRIO; AGENTE autônomas e substituem as privativas de liberdade
COMETE NOVO CRIME APÓS O TRÂNSITO c. Errado. Somente a reincidência em crime doloso
EM JULGADO DA CONDENAÇÃO DO CRIME obsta a substituição. A reincidência em crime culposo
ANTERIOR MAS ANTES DA EXTINÇÃO DO não compõe óbice. A reincidência em crime doloso,
CUMPRIMENTO DA PENA – REINCIDÊNCIA acaso não específica, pode permitir a substituição
FICTA; AGENTE COMETE NOVO CRIME APÓS na hipótese do art. 44, § 3º, do CP.
O TRÂNSITO EM JULGADO DA CONDENAÇÃO d. Certo. São aspectos inseridos na gravidade em
DO CRIME ANTERIOR E APÓS A EXTINÇÃO DO abstrato do crime, não sendo reconhecidos como
CUMPRIMENTO DA PENA (ANTES DO PERÍODO fundamento idôneo para a exasperação da pena na
DEPURADOR) – REINCIDÊNCIA REAL; AGENTE primeira fase da dosimetria da pena.
COMETE NOVO CRIME APÓS O TRANSCURSO e. Certo. Súmula 630/STJ.
DO PERÍODO DEPURADOR EM RELAÇÃO
À CONDENAÇÃO DE CRIME ANTERIOR – 45. Acerca da continuidade delitiva, julgue os itens
PRIMÁRIO. abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a
opção que contém a sequência de respostas:
44. Assinale a opção ERRADA. I – O complemento da norma penal em branco
a. Somente é possível a substituição da pena priva- considerada em sentido lato também chama-
tiva de liberdade por restritiva de direitos, para réu da de norma penal em branco própria provém
reincidente condenado pelo crime de receptação da mesma fonte formal, ao passo que o da
com pena de 1 ano, caso estejam presentes boas norma penal em branco considerada em senti-
circunstâncias no artigo 59 do Código Penal, a do estrito ou norma penal em branco imprópria
reincidência seja não específica e a medida reve- provém de fonte formal diversa.
lar-se socialmente recomendável. II – As denominadas normas secundariamente re-
b. As penas restritivas de direitos são guarnecidas metidas somente são admitidas caso o com-
pelas características da autonomia e da substitu- plemento conste de lei em sentido estrito.
tividade. III – O princípio da estrita legalidade e da reserva
c. A reincidência compõe óbice para a substituição legal não importa a inconstitucionalidade de
da pena privativa de liberdade por restritiva de norma penal em branco, quando a norma pe-
direitos. nal revela diretrizes suficientes de criminaliza-
d. Os elevados custos da atuação estatal e o ção.
enriquecimento ilícito advindo do delito não IV – Não se admite normas duplamente incomple-
autorizam a exasperação da pena-base a título de tas.
consequências do delito. V – Os crimes contra a Administração Pública de-
e. A incidência da atenuante da confissão espontâ- mandam a complementação do conceito de
nea no crime de tráfico ilícito de entorpecentes exi- funcionário público o qual é extraído do pró-
ge o reconhecimento da traficância pelo acusado, prio Código Penal, razão pela qual constituem
não bastando a mera admissão da posse ou pro- exemplo de norma penal em branco homogê-
priedade para uso próprio. nea homovitelina.
a. E, E, E, E, E.
Letra c. b. C, C, C, C, C.
a. Certo. De acordo com o art. 44, II, do CP, a c. E, C, C, E, C.
reincidência, em regra, obsta a conversão da pena d. C, E, E, C, C.
privativa em restritiva de direitos. Se o réu for e. E, E, C, E, E.
reincidente não específico e a medida revelar-se
socialmente recomendável, é possível, na forma Letra c.
do art. 44, § 3º, do Código Penal. Igualmente, deve

45 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

I. Errado. O item fez confusão propositada com a ESTÁ NO MESMO DIPLOMA LEGAL. EX: Crimes
nomenclatura, muito exigida em provas. A NORMA contra a administração – conceito de funcionário
PENAL EM BRANCO são aquelas cujo PRECEITO público está no próprio CP.
PRIMÁRIO é INCOMPLETO, sendo, assim, normas
PRIMARIAMENTE REMETIDAS. Subdividem-se 46. Em relação aos crimes contra a vida, assinale a
em: opção correta:
1 – HETEROGÊNEA – PRÓPRIA – EM SENTIDO a. A qualificadora do feminicídio associa-se à condi-
ESTRITO: complemento NORMA DE STATUS ção pessoal da vítima, possuindo natureza subje-
NORMATIVO DISTINTO – emanado de OUTRA tiva, sendo que, de acordo com a jurisprudência
FONTE DE PRODUÇÃO do Superior Tribunal de Justiça, é possível a sua
EX: DROGAS – pois o complemento vem de cumulação com qualificadoras de ordem objetiva.
PORTARIA DO MIN. DA SAÚDE b. A Lei n. 13.104/2015 acrescentou um sexto inciso
2 – HOMOGÊNIA – IMPRÓPRIA – SENTIDO ao rol do § 2º para tratar do feminicídio, estabele-
AMPLO: complemento vem MESMO STATUS cendo, expressamente, pena de doze a trinta anos
NORMATIVO – emanado da MESMA FONTE DE para homicídio praticado contra a mulher por ra-
PRODUÇÃO zões da condição de gênero feminino, ou seja, por
1.1. HOMOVITELINA – complemento ESTÁ NO motivo de desprezo em razão da sua condição de
MESMO DIPLOMA LEGAL. EX: Crimes contra a mulher.
administração – conceito de funcionário público está c. A qualificadora do meio cruel não é compatível
no próprio CP com o dolo eventual.
1.2. HETEROBITELINO – complemento ESTÁ d. A pena do feminicídio é aumentada de 1/3 (um ter-
EM DIPLOMA LEGAL DIFERENTE. EX: crime de ço) até a metade se o crime for praticado durante
ocultação e impedimento para casamento – art. 236 a gestação ou nos 2 (dois) meses posteriores ao
CP – o conceito de casamento está no art. 1521 do parto.
CC e. O crime de homicídio é classificado como crime de
II. Certo. A NORMA PENAL EM BRANCO AO concurso eventual.
REVÉS, AO AVESSO OU INVERTIDA são espécie
de norma penal em branco. Nelas o PRECEITO Letra e.
SECUNDÁRIO É FIXADO EM OUTRA NORMA. a. Errado. O homicídio praticado contra a mulher
São normas SECUNDARIAMENTE REMETIDAS. com nuance de desprezo à vítima pela sua condição
EX: genocídio (lei 2.889/56) – sanção prevista a de mulher, ou seja, cometido pela razão de ser
de homicídio – art. 121, § 2º do CP. A SANÇÃO mulher (razão de gênero) compõe qualificadora de
necessariamente deve ser cominada em outra lei, natureza objetiva, sendo possível, assim, concorrer
não sendo possível outro instrumento normativo, qualificadoras de índole subjetiva (motivo torpe,
como Portaria etc. Trata-se de desdobramento da por exemplo) com a qualificadora do feminicídio
reserva constitucional de legalidade, segundo a qual (natureza objetiva). Não se considera, pois, bis in
somente lei pode cominar penas. idem. INFORMATVO 625/STJ.
III. Certo. Prevalece que a NORMA PENAL EM b. Errado. Embora a doutrina extraia dessa
BRANCO É CONSTITUCIONAL, se a norma penal qualificadora contexto de violação de gênero, a
contém as diretrizes e parâmetros incriminadores, redação expressa do inciso VI fala em “condições
ou seja, o núcleo essencial da conduta. Não fica de sexo feminino”, tendo a palavra sexo prevalecido
violado o ditame da legalidade. em relação ao termo da redação originária gênero
IV. Errado. A NORMA DUPLAMENTE INCOMPLETA dentro do procedimento legislativo, revelando, no
é aquela na qual tanto o preceito primário, quanto o ponto, resistência do Legislativo em trazer a questão
secundário são remetidos, sendo admitida. Exemplo: de gênero ao centro do debate em matéria penal.
Uso de documento falso (art. 304 do CP). Eis o disposto na lei:
V. Certo. HOMOGÊNIA – IMPRÓPRIA – SENTIDO VI – contra a mulher por razões da condição de sexo
AMPLO: complemento vem MESMO STATUS feminino.   
NORMATIVO – emanado da MESMA FONTE DE c. Errado. É compatível. REsp 1.829.601-PR, Rel.
PRODUÇÃO. Subdivide-se em HETEROVITELINA Min. Nefi Cordeiro, Sexta Turma, por unanimidade,
e HOMOVITELINA. HOMVITELINA: complemento julgado em 04/02/2020, DJe 12/02/2020

46 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

d. Errado. § 7o A pena do feminicídio é aumentada IV. Errado. A redação dada pela Lei n. 13.968, de
de 1/3 (um terço) até a metade se o crime for 26 de dezembro de 2019 (VIGÊNCIA desde a data
praticado: (Incluído pela Lei n. 13.104, de 2015) I – de publicação – 26-12-2019) incluiu, ao lado da
durante a gestação ou nos 3 (três) meses posteriores hipótese já prevista de crime praticado por motivo
ao parto; (Incluído pela Lei n. 13.104, de 2015) egoístico, o motivo torpe ou fútil como causas de
e. Certo. Crime de concurso eventual é aquele aumento de pena.
que pode ser praticado por uma ou mais pessoas. V. Errado. A pessoa deve possuir condições mínimas
O crime de concurso necessário por outro lado de discernimento acerca do suicídio, sob pena de
somente pode ser praticado por várias pessoas. a instigação, induzimento ou auxílio caracterizar
homicídio. Em relação à idade o legislador elegeu sob
47. Em relação aos crimes contra a vida, julgue os o mesmo parâmetro dos crimes contra a dignidade
itens abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e as- sexual o parâmetro de 14 anos. Foi incluído o § 7º
sinale a opção que contém a sequência de respostas: pela Lei n. 13.968, de 26 de dezembro de 2019: "Se
I – O induzimento, instigação ou auxílio material o crime de que trata o § 2º deste artigo é cometido
a suicídio frustrado (não ocorrência de morte) contra menor de 14 (quatorze) anos ou contra quem
com lesão corporal simples ou sequer lesões não tem o necessário discernimento para a prática
tipifica o delito do art. 122, caput, do Código do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode
Penal. oferecer resistência, responde o agente pelo crime
II – O induzimento, instigação ou auxílio material a de homicídio, nos termos do art. 121 deste Código".
automutilação da qual deriva lesão simples ou
escoriações tipifica o delito do art. 122, caput, 48. Em relação à aplicação da pena, julgue os itens
do Código Penal. abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a
III – O delito do art. 122 do Código Penal é classifi- opção que contém a sequência de respostas:
cado como condicional. I – A individualização da pena revela-se como ga-
IV – Se o delito do art. 122 do Código Penal for rantia fundamental, sendo que, de acordo com
praticado por motivo egoístico incide causa a doutrina, deve ser observada não somente
de aumento, enquanto que incidirá agravante pelo Judiciário, mas também pelo Legislativo
genérica caso seja praticado por motivo torpe. e Executivo.
V – Se a vítima induzida a praticar suicídio tenha II – Submetem-se ao procedimento trifásico de
16 anos, o agente responderá pelo crime de dosimetria da pena as penas privativas de li-
homicídio. berdade, bem como a pena pecuniária.
a. Existe apenas 1 alternativa errada. III – A análise devidamente fundamentada das cir-
b. Existem apenas 2 alternativas erradas. cunstâncias judiciais do artigo 59 do Código
c. Existem apenas 3 alternativas erradas. Penal impele a exasperação da pena.
d. Existem apenas 4 alternativas erradas. IV – As agravantes genéricas (artigos 61 e 62) in-
e. Todas as alternativas estão erradas. cidem apenas em relação aos crimes dolosos,
exceto a reincidência que incide para crimes
Letra c. dolosos e culposos.
I. Certo. DEPOIS DA Lei n. 13.968, de 26 de V – As atenuantes encontram-se prescritas em rol
dezembro de 2019 – forma simples e formas exemplificativo.
qualificadas, sendo que os resultados naturalísticos a. Existe apenas 1 alternativa correta.
lesão grave, gravíssima, morte antes necessárias b. Existem apenas 2 alternativas corretas.
para a tipificação da conduta agora qualificam o c. Existem apenas 3 alternativas corretas.
delito. d. Existem apenas 4 alternativas corretas.
II. Certo. A redação dada pela Lei n. 13.968, de 26 e. Todas as alternativas estão corretas.
de dezembro de 2019 (VIGÊNCIA desde a data de
publicação – 26-12-2019) incluiu a automutilação. Letra c.
III. Errado. O delito deixou de ser crime I. Certo. A individualização da pena é consectário
condicionado (sob a anterior redação, dependia, da garantia fundamental prevista no art. 5º, XLVI da
para a consumação, da ocorrência de resultado CF. Presente na fase de COMINAÇÃO DA PENA
naturalístico). (na seleção de bens que serão tutelados – 1ª FASE:
pena abstrata – legislador – fase de cominação), de

47 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

APLICAÇÃO DA PENA (fixação da pena pelo sistema (regime semiaberto) ou “casa de albergado ou
trifásico – 2ª FASE: pena concreta – judiciário – fase estabelecimento adequado” (regime aberto)
de aplicação (dosimetria da pena) e da EXECUÇÃO (art. 33, § 1º, alíneas “b” e “c”).
DA PENA (as características pessoais implicam nos a. Existe apenas 1 alternativa errada.
benefícios, progressão – 3ª FASE: execução da b. Existem apenas 2 alternativas erradas.
pena – executivo – fase de execução). c. Existem apenas 3 alternativas erradas.
II. Errado. Apenas as penas privativas de liberdade d. Existem apenas 4 alternativas erradas.
(reclusão e detenção) submetem-se ao sistema e. Todas as alternativas estão erradas.
trifásico da dosimetria da pena, enquanto a multa
(pena pecuniária) sujeita-se ao sistema bifásico. Letra b.
III. Errado. Em regra, as circunstâncias judiciais I. Certo. Em relação às FINALIDADES DA PENA,
ao serem valoradas concretamente mediante cumpre destacar as seguintes teorias: 1) TEORIA
fundamentação idônea diversa da gravidade em ABSOLUTA – FINALIDADE DE RETRIBUIÇÃO:
abstrato do delito implicam a exasperação da pena na impor reprimenda, castigo diante do crime
primeira fase. Contudo, em relação à circunstância praticado – A pena não possui fim socialmente útil.
judicial do comportamento da vítima, essa não pode Kant e Hegel; 2) TEORIA RELATIVA (preventiva
ser apreciada desfavoravelmente ao agente. Se a ou utilitária) – FINALIDADE DE PREVENÇÃO
vítima nada contribui, a circunstância neutra. Se a – INTIMIDAR A SOCIEDADE; e 3) TEORIA
vítima contribui, a análise será favorável ao acusado. UNIFICADORA, UNITÁRIA, ECLÉTICA OU
IV. Certo. As agravantes revelam circunstâncias no MISTA: tentativa de conciliar as teorias absolutas
inciso II que ilustram juízo de reprovação referente e relativas. RETRIBUIÇÃO – PREVENÇÃO –
ao dolo do agente, enquanto o inciso I do art. 61 do RESSOCIALIZAÇÃO. Teoria adotada pelo CP.
CP dispõe sobre a reincidência, situação indiferente II. Errado. Alteração legislativa. Com a redação da
em relação ao dolo do agente. Lei n. 13.718/18, de 24-9-2018, os crimes contra
V. Certo. As atenuantes encontram-se prescritas a dignidade sexual submetem-se à ação pública
em rol exemplificativo, tanto que o artigo 66 do incondicionada (sempre).
CP (atenuante genérica inominada) admite outras Art. 225.  Nos crimes definidos nos Capítulos I e
hipótese não previstas expressamente em lei. II deste Título, procede-se mediante ação penal
pública incondicionada. (Redação dada pela Lei n.
49. Em relação à aplicação da pena, julgue os itens 13.718, de 2018)
abaixo como C (CERTO) ou E (ERRADO) e assinale a Parágrafo único.  (Revogado). (Redação dada pela
opção que contém a sequência de respostas: Lei n. 13.718, de 2018)
I – De acordo com a teoria unitária adotada pelo Alteração de 24 de setembro de 2018. Superação
Código Penal em relação à pena, a pena pos- do entendimento do Info 605.
sui as finalidades de retribuição, prevenção e III. Errado. TEORIA DOS ELEMENTOS NEGATIVOS
ressocialização. DO TIPO: assume por premissa a TIPICIDADE
II – Em razão do resguardo a intimidade da vítima, COMO A RATIO ESSENDI DA ILICITUDE. A
o crime de estupro submete-se à ação públi- função indiciária alude à ratio cognoscendi, em
ca condicionada à representação da vítima, que se analisa a tipicidade e a ilicitude AO MESMO
enquanto que a ação penal para estupro de MOMENTO. Existe assim um TIPO TOTAL
vulnerável é pública incondicionada. DE INJUSTO, contendo elementos positivos
III – A tipicidade faz presumir a ilicitude, ou seja, (relacionados ao fato típico) e elementos negativos
a tipicidade figura como ratio essendi da ilici- (ausência de excludentes de ilicitude).
tude. IV. Certo. A despeito da literalidade do art. 97 do
IV – Na aplicação do art. 97 do Código Penal não Código Penal, o STJ pacificou o entendimento no
deve ser considerada simplesmente a natu- sentido de que não é a natureza da pena privativa
reza da pena privativa de liberdade aplicável, que deve ser analisada, e sim a periculosidade do
mas sim a periculosidade do agente, cabendo agente. Assim, ainda que o inimputável pratique fato
ao julgador a faculdade de optar pelo trata- que se amolda a delito que possua pena de reclusão, é
mento que melhor se adapte ao inimputável. possível a substituição da internação por tratamento
V – São aceitáveis estabelecimentos que não se ambulatorial. EREsp 998.128-MG, Rel. Min. Ribeiro
qualifiquem como “colônia agrícola, industrial” Dantas, Terceira Seção, por unanimidade, julgado
em 27/11/2019, DJe 18/12/2019 – INFORMATIVO

48 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

662 – art. 97 do Código Penal. Inimputabilidade do d. Existem apenas 4 alternativas corretas.


réu. Crime punido com pena de reclusão. Sentença e. Todas as alternativas estão corretas.
absolutória imprópria. Medida de segurança.
Internação em manicômio judiciário. Substituição Letra e.
por tratamento ambulatorial. Possibilidade. I. Certo. Nos crimes funcionais (crime praticados por
V. Certo. A falta de estabelecimento penal adequado funcionário público contra a Administração Pública),
não autoriza a manutenção do condenado em fala-se em CRIMES FUNCIONAIS PRÓPRIOS: se
regime prisional mais gravoso, devendo-se não for funcionário público – atipicidade absoluta
observar, nessa hipótese, os parâmetros fixados no (exemplo prevaricação – art. 319 do CP); e CRIMES
RE 641.320/RS (SV 56). Entre as diretrizes, vigora a FUNCIONAIS IMPRÓPRIOS: se não foi funcionário
seguinte: são aceitáveis estabelecimentos que não público – atipicidade relativa – desclassificação da
se qualifiquem como “colônia agrícola, industrial” conduta para outro tipo (exemplo crime de peculato
(regime semiaberto) ou “casa de albergado ou – art. 312 do CP; o afastamento da elementar
estabelecimento adequado” (regime aberto) (art. 33, funcionário público, acarreta a atipicidade relativa
§ 1º, alíneas “b” e “c”). podendo a conduta ser desclassificada para furto ou
apropriação indébita).
50. Em relação aos crimes contra a Administração Pena – reclusão, de dois a doze anos, e multa.
Pública, julgue os itens abaixo como C (CERTO) ou E § 1º – Aplica-se a mesma pena, se o funcionário
(ERRADO) e assinale a opção que contém a sequên- público, embora não tendo a posse do dinheiro,
cia de respostas: valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja
I – Nos crimes funcionais, a condição de funcio- subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-
nário público emerge como essencial, de tal se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de
sorte que, na hipótese de crime funcional pró- funcionário.
prio, o afastamento da referida elementar im- II. Certo. O depositário fiel de bens penhorados
pele a atipicidade absoluta da conduta. em processo de execução figura como auxiliar da
II – O depositário fiel, a quem cabe a guarda de Justiça para fins processuais. Para fins penais, não
bens penhorados em processo de execução, é equiparado a funcionário público, não podendo,
não se equipara a funcionário público para fins assim, responder por peculato. O depositário que
de imputação do crime de peculato. vende os bens penhorados não responde por crime
III – A Fazenda Pública autoriza, acaso o débito de peculato, podendo, a depender da hipótese,
não supere determinado valor, o não ajuiza- responder por apropriação indébita, fraude à
mento de execução fiscal. Nesse cenário, a execução, estelionato. INFO 623/STJ. Peculato.
despeito da independência das esferas cível III. Certo. De acordo com o enunciado 599 da
e criminal, é possível considerar esse valor Súmula da Jurisprudência do STJ, não se admite a
como parâmetro para a incidência do princípio aplicação do princípio da insignificância nos crimes
da insignificância para os crimes de descami- contra a Administração Pública. Contudo, essa regra
nho e contra a ordem tributária. é excepcionada no caso do descaminho (art. 334 do
IV – O administrador que desconta valores da folha CP), desde que o valor seja igual ou inferior a 20 mil
de pagamento dos servidores públicos para reais (Portaria do Ministério da Fazenda, segundo
quitação de empréstimo consignado e não os a qual não deve ser ajuizada execução acaso a
repassa a instituição financeira pratica pecula- dívida seja inferior a 20 mil reais). Se a União não
to-desvio, sendo desnecessária a demonstra- tem interesse em executar a dívida, não se pode o
ção de obtenção de proveito próprio ou alheio, direito penal que é subsidiário tomar por relevante
bastando a mera vontade de realizar o núcleo tal ofensa ao bem jurídico. Informativo STF 898.
do tipo. IV. Certo. No delito de peculato, o valor ou outro
V – O pagamento de remuneração a funcionários bem móvel deve ter EXPRESSÃO ECONÔMICA,
fantasmas não configura apropriação ou des- ou seja, a Administração Pública deve ter sofrido
vio de verba pública, previstos pelo art. 1º, in- prejuízo. Contudo, a obtenção de lucro ou vantagem
ciso I, do Decreto-Lei n. 201/1967. pelo agente não é exigida, de modo que, acaso
a. Existe apenas 1 alternativa correta. obtenha lucro, trata-se de exaurimento. APn 814-
b. Existem apenas 2 alternativas corretas. DF, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Rel. Acd.
c. Existem apenas 3 alternativas corretas. Min. João Otávio de Noronha, Corte Especial, por
maioria, julgado em 06/11/2019, DJe 04/02/2020.

49 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

V. Certo. O pagamento de remuneração a 6ª Turma, HC 244.977/SC, Rel. Min. Sebastião Reis


funcionários fantasmas não configura apropriação Júnior, j. 25/09/2012. Há decisão do STF, todavia,
ou desvio de verba pública, previstos pelo art. 1º, entendendo que esse dever de alerta é destinado
inciso I, do Decreto-Lei n. 201/1967. AgRg no AREsp apenas ao Poder Público.
1.162.086-SP, Rel. Min. Nefi Cordeiro, Sexta Turma, d. Certo. Conforme Súmula Vinculante 14 do STF.
por unanimidade, julgado em 05/03/2020, DJe e. Errado. Conforme decidido recentemente pelo
09/03/2020 O pagamento de salário não configura STJ no HC 365.008-PB, Rel. Min. Sebastião Reis
apropriação ou desvio de verba pública, pois a Júnior, Rel. Acd. Min. Rogerio Schietti Cruz, por
remuneração é devida, ainda que questionável a maioria, julgado em 17/04/2018, DJe 21/05/2018.
contratação de parentes do Prefeito. A forma de
provimento, direcionada ou não, em fraude ou não, 52. Sobre provas em Processo Penal, é correto afirmar:
é questão diversa, passível inclusive de sanções a. A prova testemunhal tem baixo valor probatório,
administrativas ou civis, mas não de sanção penal. A não podendo se sobrepor à prova pericial, se hou-
não prestação de serviços por servidor não configura ver nos autos.
o crime discutido. É passível de responsabilização b. O princípio da identidade física do Juiz prevê que
funcional e até demissão. o Juiz que presidir a instrução sempre deverá pro-
ferir a sentença, não comportando exceções.
DIREITO PROCESSUAL PENAL c. O Juiz das Garantias, figura inserida no ordena-
mento jurídico processual penal com o chamado
(Mayara Tachy) Pacote Anticrime, é o responsável por autorizar
meios de obtenção da prova que restrinjam direi-
51. Sobre os princípios do Direito Processual Penal tos fundamentais do investigado. É nova espécie
e as normas de direitos humanos, marque a resposta de competência funcional, que atualmente está
INCORRETA: com eficácia suspensa por decisão liminar conce-
a. O princípio nemo tenetur se detegere é de ordem dida pelo Supremo Tribunal Federal.
constitucional e convencional. d. O réu deve comparecer ao interrogatório, sob
b. A prisão após a condenação em segunda instân- pena de ser decretada sua prisão preventiva, para
cia viola o princípio da presunção de inocência. garantir a aplicação da lei penal.
c. O direito ao silêncio abrange a falta do alerta sobre e. As declarações do ofendido são obrigatórias, não
o direito ao silêncio, constituindo-se em nulidade podendo, em hipótese alguma, ser dispensadas
relativa, devendo ser comprovado o prejuízo ao ou supridas por outros elementos.
acusado.
d. O princípio do contraditório não se aplica ao in- Letra c.
quérito policial, que tem caráter inquisitivo. Não a. Errado. O sistema adotado no Brasil é o do livre
obstante, é facultado ao Defensor Público o aces- convencimento motivado, em que todas as provas
so aos elementos já documentados nos autos do têm igual valor para formar o convencimento do
inquérito. magistrado.
e. A sustentação oral no Plenário do Tribunal de Júri b. Errado. O princípio da identidade física do Juiz
realizada em apenas sete minutos caracteriza, por está previsto no art. 399, § 2º, do CPP, porém, há
si só, deficiência de defesa, ensejando a nulidade hipóteses em que outro Juiz proferirá sentença,
absoluta do julgamento. como é o caso de aposentadoria, licença, vacância,
promoção ou outras hipóteses em que haja a
Letra e. impossibilidade de o mesmo magistrado proferi-la.
a. Certo. O referido princípio se encontra previsto no c. Certo. É o que prevê o art. 3º-B, XI, e, do CPP. A
artigo 5º, LXIII, da CF/1988, e nos artigos 8.2.g e 8.3 norma está suspensa por liminar na ADI n. 6.305.
da Convenção Americana de Direitos Humanos. d. Errado. O interrogatório do réu é uma faculdade,
b. Certo. Retratando a decisão nas ADIs 43, 44 e 54. podendo ele optar por não ofertar sua versão
c. Certo. O direito ao silêncio também abrange o acerca dos fatos, ocasião em que a jurisprudência
alerta sobre esse direito, chamado de Aviso de tem entendido por declará-lo revel. Assim, não
Miranda ou Miranda warnings. Precedentes: STF, pode a prisão preventiva ser aplicada única e
1ª Turma, HC 80.949/RJ, Rel. Min. Sepúlveda exclusivamente por esse motivo.
Pertence, DJ 14/12/2001. No mesmo sentido: STJ,

50 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

e. Errado. O art. 201 prevê que o ofendido será ouvido d. Errado. A paridade de armas é característica que
sempre que possível. Assim, a materialidade do fato garante a imparcialidade do Juiz, pois ambas as
e suas circunstâncias podem ser comprovadas de partes litigam em igualdade de condições.
outra forma. e. Errado. No sistema acusatório, o Juiz atua como
mero espectador, não devendo influir na condução
53. São princípios que regem a ação penal pública, do processo. Seu papel é de garante das regras,
EXCETO: devendo, ao final, julgar de acordo com seu livre
a. Intranscendência. convencimento, diante das provas produzidas pelos
b. Obrigatoriedade. atores processuais.
c. Conveniência/Oportunidade.
d. Indisponibilidade. 55. O inquérito policial é o meio de investigação por
e. Oficialidade. excelência, mas outras autoridades também podem
investigar. Sobre os meios de investigação criminal, é
Letra c. incorreto afirmar:
a. Errado. A intranscendência diz respeito à a. O inquérito policial somente será presidido pela
pessoalidade da pena e atinge todas as espécies de autoridade policial.
ação penal. b. Não há, atualmente, a possibilidade de ação penal
b. Errado. A obrigatoriedade é característica da sem demanda.
ação penal pública, sendo obrigatório ao Ministério c. A competência do Juiz das Garantias cessa com o
Público ingressar com a ação sempre que tiver recebimento da denúncia, nos termos do art. 3º-B,
conhecimento de um crime e indícios de sua autoria. XIV, do CPP.
c. Certo. A conveniência e a oportunidade são d. Não se admite a instauração do inquérito com
vinculadas à ação privada, em que o ofendido decide base em denúncia anônima.
se deseja ou não a persecução penal. e. No procedimento investigatório conduzido pelo
d. Errado. Pois a indisponibilidade é ligada à ação Ministério Público, não precisam ser observadas
penal pública, sendo vedado ao Ministério Público as mesmas garantias asseguradas à defesa no in-
desistir da ação penal. quérito policial, pois as investigações são conduzi-
e. Errado. Pois a ação penal pública é de titularidade das diretamente pelo titular da ação penal.
oficial do Estado, por meio do Ministério Público,
conforme art. 129, I, da CF/1988. Letra e.
a. Certo. o inquérito policial será presidido pela
54. São características do sistema acusatório, exceto: autoridade policial, o que não impede que o Ministério
a. A gestão das provas nas mãos das partes. Público realize investigações próprias, por meio do
b. O contraditório. procedimento investigatório criminal.
c. A oralidade. b. Certo. Com a adoção do sistema acusatório,
d. A paridade de armas. passou-se a entender que a previsão de instauração
e. O Juiz espectador. de inquérito por requisição judicial não foi
recepcionada pela Constituição. Adota-se, agora,
Letra c. o princípio ne procedat iudex officio, segundo o
a. Errado. A gestão das provas nas mãos das partes qual o procedimento penal não será iniciado sem
é da essência do sistema acusatório, no qual o provocação do seu titular.
magistrado deve se manter equidistante, sem intervir c. Certo. o inquérito somente acompanhará a
no processo penal. denúncia se servir de base a ela, nos termos do art.
b. Errado. o contraditório assegura a regularidade 12 do CPP. Pode ser que a denúncia seja instruída
dos jogos processuais, em que ambas as com peças de informação distintas.
partes possuem as mesmas possibilidades de d. Certo. Recebida a denúncia anônima, deve a
convencimento do julgador. autoridade policial realizar averiguações preliminares
c. Certo. A oralidade tem relação com o sistema a fim de verificar a plausibilidade dela. Somente se
inquisitório, pois o único destinatário da prova era confirmando as informações, instaura-se o IP.
o magistrado, não havendo necessidade de registro e. Errado. O STF admitiu o poder investigatório
dos atos. do MP no RE n. 593.727, com repercussão geral,
fixando alguns critérios. Dentre esses critérios,

51 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

assegurou que os direitos assegurados à defesa no Letra e.


inquérito policial deveriam ser observados também a. Certo. A prisão temporária só é admitida na fase
nas investigações conduzidas pelo MP. de inquérito, conforme art. 1º da Lei n. 7.960/1989.
b. Certo. Não se admite que a prisão preventiva seja
56. Sobre as medidas cautelares diversas da prisão, fundamentada na gravidade em abstrato da conduta,
assinale a alternativa incorreta. mas sim em sua gravidade concreta. STF, HC 138850
a. A fiança pode ser fixada pela autoridade policial, / PR, DJ 09/03/2018. STJ, HC 450671 / SP, DJ de
sempre que a pena máxima prevista para o crime 09/08/2018. Além disso, o artigo 315, § 1º, do CPP,
não ultrapassar quatro anos, desde que não se passou a exigir o requisito da contemporaneidade
trate de crimes inafiançáveis. para a fundamentação da decretação da prisão.
b. A prisão preventiva não pode ser substituída por c. Certo. É o previsto no art. 2º, § 4º, da Lei n.
monitoramento eletrônico nos crimes que envol- 8.072/1990.
vam violência doméstica e familiar contra a mulher. d. Certo. É o que prevê o art. 53, II, da Lei de Drogas.
c. O monitoramento eletrônico pode ser utilizado e. Errado. O CPP foi alterado para impedir a
como meio de fiscalização pelo Juiz quando au- decretação de prisão preventiva de ofício pelo
torizar a saída temporária no regime semiaberto. magistrado, em qualquer fase, conforme art. 311
d. No caso de inimputabilidade do acusado, é admi- do CPP. Essa alteração teve o condão de reforçar
tida a internação provisória como medida cautelar o sistema acusatório, segundo o qual o magistrado
corporal. não deve agir de ofício.
e. A lei processual penal não define a periodicidade
do comparecimento em juízo como medida caute- 58. Sobre recursos em processo penal, marque a al-
lar, devendo ser fixada pelo magistrado. ternativa correta:
a. O rol do Recurso em Sentido Estrito é taxativo,
Letra b. não admitindo interpretação extensiva.
a. Certo. É o disposto no art. 322 do CPP. b. Da decisão de desclassificação no rito especial do
b. Errado. Não há qualquer vedação dessa espécie. Tribunal do Júri, cabe apelação.
O magistrado definirá a distância da residência da c. O Ministério Público pode desistir do recurso inter-
vítima a qual o acusado não poderá se aproximar, posto, em respeito a sua independência funcional.
ficando registrado para fins de monitoramento. d. Cabe recurso em sentido estrito da decisão que
c. Certo. Está previsto no art. 146-B, II, da LEP. recusar homologação à proposta de acordo de
d. Certo. conforme art. 319, VII, do CPP. não persecução penal.
e. Certo. O art. 319, I, do CPP, prevê apenas o e. É admitida a piora da situação do acusado quan-
comparecimento periódico em juízo, no prazo e nas do o recurso interposto for exclusivo da defesa, no
condições fixadas pelo Juiz. caso de reconhecimento de nulidades absolutas
pelo Tribunal.
57. Sobre as prisões em processo penal, assinale a
alternativa incorreta: Letra d.
a. A prisão temporária pode ser decretada apenas na a. Errado. O entendimento do STJ é de que esse rol
fase inquisitorial. comporta interpretação extensiva.
b. A prisão preventiva deve ser idoneamente funda- b. Errado. Cabe recurso em sentido estrito, nos
mentada em elementos concretos e contemporâ- termos do art. 581, II, do CPP.
neos. c. Errado. É o princípio da indisponibilidade recursal,
c. A prisão temporária, nos crimes hediondos, po- que se aplica ao Ministério Público.
derá ser decretada por 30 dias, prorrogáveis por d. Certo. É o previsto no art. 581, XXV, do CPP,
igual período. inserido pela Lei n. 13.964/2019.
d. Admite-se a prorrogação da prisão em flagrante e. Errado. O princípio ne reformatio in pejus impede
na Lei de Drogas, aguardando o melhor momento o reconhecimento de nulidades absolutas não
para identificar e responsabilizar maior número de suscitadas pela acusação, não podendo haver seu
integrantes de operações de tráfico. reconhecimento de ofício em recurso exclusivo da
e. A prisão preventiva pode ser decretada de ofício defesa.
pelo magistrado, quando no curso da ação penal.
59. Acerca das interceptações telefônicas, julgue as

52 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

assertivas abaixo, indicando a incorreta: a. Errado. O artigo 41 da Lei Maria da Penha


a. É matéria de reserva de jurisdição. afasta a aplicação da Lei n. 9.099/1995 aos crimes
b. A interceptação telefônica será autorizada apenas praticados nesse contexto.
para investigar crime punido com reclusão. b. Errado. O entendimento do STJ não afasta a
c. Deve haver degravação integral dos áudios captu- necessidade de corroboração com outros elementos
rados, a fim de se assegurar ampla defesa e con- do processo. AgRg nos EDcl no AREsp 1256178/
traditório. RS, Rel. Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS
d. A interceptação telefônica não pode ser determi- MOURA, SEXTA TURMA, julgado em 22/05/2018,
nada com base em denúncia anônima. DJe 04/06/2018; AgRg no AREsp 1225082/MS, Rel.
e. Não será deferida se houver outros meios de pro- Ministro JORGE MUSSI, QUINTA TURMA, julgado
duzir a prova. em 03/05/2018, DJe 11/05/2018.
c. Certo. Esse fundamento para a prisão está
Letra c. previsto no art. 313, IV, do CPP.
a. Certo. É o que prevê o art. 5º, XII, da CF/1988. d. Errado. A violência doméstica abrange qualquer
b. Certo. O art. 2º, III, da Lei de Interceptações relação íntima de afeto, dispensada a coabitação.
Telefônicas (Lei n. 9.296/1996) não admite STJ, HC 280082/RS, Rel. Ministro JORGE MUSSI,
interceptação para investigar infração penal que QUINTA TURMA, julgado em 12/02/2015, DJe
seja punida com, no máximo, pena de detenção. 25/02/2015.
c. Errado. As partes não têm direito à degravação da e. Errado. A Lei n. 13.827/2019 passou a prever
integralidade dos áudios captados, mas devem ter expressamente a possibilidade excepcional de
acesso às mídias integrais das gravações, sob pena concessão de medida protetiva pela autoridade
de ilicitude da medida (STJ, HC 160662). policial, inserindo essa previsão no art. 12-C da Lei
d. Errado. Se a denúncia anônima sequer pode Maria da Penha.
embasar a instauração de inquérito, menos ainda a
interceptação telefônica, que é medida excepcional e
subsidiária. Além disso, a lei exige indícios razoáveis
DIREITO DO CONSUMIDOR
de autoria para sua admissão. (Keity Satiko)
e. Certo. O inciso II do art. 2º exige a subsidiariedade
da medida. 61. Quanto aos bancos de dados nas relações de con-
sumo, assinale a alternativa incorreta:
60. Sobre os aspectos processuais penais da Lei Ma- a. Os cadastros e dados de consumidores devem
ria da Penha, marque a alternativa correta: ser objetivos, claros, verdadeiros e em linguagem
a. Admite-se a suspensão condicional do processo de fácil compreensão, não podendo conter infor-
e a transação penal nos crimes que envolvam vio- mações negativas referentes a período superior a
lência doméstica e familiar contra a mulher, desde cinco anos.
que preenchidos os requisitos legais. b. O consumidor, sempre que encontrar inexatidão
b. Nos delitos praticados em ambiente doméstico e nos seus dados e cadastros, poderá exigir sua
familiar, geralmente praticados à clandestinidade, imediata correção, devendo o arquivista, no prazo
sem a presença de testemunhas, a palavra da ví- de cinco dias, comunicar a alteração aos eventu-
tima possui especial relevância, tornando-se des- ais destinatários das informações incorretas.
necessário que seja corroborada por outros ele- c. Os bancos de dados e cadastros relativos a con-
mentos probatórios. sumidores, os serviços de proteção ao crédito e
c. Poderá ser decretada a prisão preventiva do acu- congêneres são considerados entidades de cará-
sado para assegurar o cumprimento das medidas ter público.
protetivas. d. Consumada a prescrição relativa à cobrança de
d. A aplicação da Lei Maria da Penha exige a coabi- débitos do consumidor, não serão fornecidas, pe-
tação. los respectivos Sistemas de Proteção ao Crédito,
e. A medida protetiva somente poderá ser concedida quaisquer informações que possam impedir ou
pela autoridade judicial. dificultar novo acesso ao crédito junto aos forne-
cedores
Letra c. e. A abertura de cadastro, ficha, registro e dados
pessoais e de consumo deverá ser comunicada

53 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

por escrito ao consumidor, quando não solicitada à prestação de contas para obter esclarecimentos
por ele. sobre cobrança de taxas, tarifas e encargos ban-
cários.
Letra b. e. Não configura dano moral in re ipsa a simples re-
a. Certo. Art. 43, § 1º, do CDC. messa de fatura de cartão de crédito para a resi-
b. Errado. Art. 43, § 3º, do CDC. O prazo é de 5 dias dência do consumidor com cobrança indevida, ou
úteis. seja, fatura com valores diversos daqueles gastos
c. Certo. Art. 43, § 4º, do CDC. pelo consumidor.
d. Certo. Art. 43, § 5º, do CDC.
e. Certo. Art. 43, § 2º, do CDC. Letra b.
a. Certo. STJ. 2ª Seção. REsp 1.712.163-SP, Rel.
62. No que tange aos contratos de adesão, assinale a Min. Moura Ribeiro, julgado em 08/11/2018 (recurso
alternativa INCORRETA: repetitivo) (Info 638).
a. A inserção de cláusula no formulário não desfigura b. Errado. STJ. 4ª Turma. REsp 1.611.915-RS, Rel.
a natureza de adesão do contrato. Min. Marco Buzzi, julgado em 06/12/2018 (Info 642).
b. Não se admite cláusula resolutória nos contratos c. Certo. STJ. 4ª Turma. REsp 1.595.731-RO, Rel.
de adesão. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 14/11/2017
c. As cláusulas que implicarem limitação a direito do (Info 618)
consumidor deverão ser redigidas com destaque. d. Certo. Súmula 477/STJ.
d. Os contratos de adesão escritos serão redigidos e. Certo. STJ. 4ª Turma. REsp 1.550.509-RJ, Rel.
em termos claros e com caracteres ostensivos e Min. Maria Isabel Gallotti, julgado em 3/3/2016 (Info
legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior 579).
ao corpo doze.
e. Contrato de adesão é aquele cujas cláusulas te- 64. Todas as assertivas estão de acordo com enun-
nham sido aprovadas pela autoridade competente ciados sumulados do Superior Tribunal de Justiça, EX-
ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor CETO:
de produtos ou serviços, sem que o consumidor a. Aplica-se o Código de Defesa do Consumidor aos
possa discutir ou modificar substancialmente seu contratos de plano de saúde, salvo os administra-
conteúdo. dos por entidades de autogestão.
b. O Código de Defesa do Consumidor é aplicável
Letra b. aos empreendimentos habitacionais promovidos
a. Certo. Art. 54, § 1º, do CDC. pelas sociedades cooperativas.
b. Errado. Art. 54, § 2º, do CDC. c. O Banco do Brasil, na condição de gestor do Ca-
c. Certo. Art. 54, § 4º, do CDC. dastro de Emitentes de Cheques sem Fundos
d. Certo. Art. 54, § 3º, do CDC. (CCF), não tem a responsabilidade de notificar
e. Certo. Art. 54, caput, do CDC. previamente o devedor acerca da sua inscrição no
aludido cadastro, tampouco legitimidade passiva
63. Segundo posicionamento do STJ, assinale o item para as ações de reparação de danos fundadas na
incorreto: ausência de prévia comunicação.
a. As operadoras de planos de saúde não estão d. É vedado ao banco mutuante reter, em qualquer
obrigadas a fornecer medicamento não registrado extensão, os salários, vencimentos e/ou proventos
pela ANVISA. de correntista para adimplir o mútuo (comum) con-
b. Companhia aérea não é civilmente responsável traído, ainda que haja cláusula contratual autoriza-
por não promover condições dignas de acessibi- tiva, excluído o empréstimo garantido por margem
lidade de pessoa cadeirante ao interior da aero- salarial consignável, com desconto em folha de
nave. A obrigação de acessibilidade deverá ser pagamento, que possui regramento legal especí-
garantida pela ANAC, não podendo haver transfe- fico e admite a retenção de percentual.
rência de responsabilidade. e. O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às
c. É abusiva a prática da companhia aérea que can- entidades abertas de previdência complementar,
cela automaticamente o voo de volta em razão de não incidindo nos contratos previdenciários cele-
“no show” na ida. brados com entidades fechadas.
d. A decadência do artigo 26 do CDC não é aplicável

54 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Letra d. sinale a opção certa.


a. Certo. Súmula 608. a. Nunca o comerciante do respectivo produto pode-
b. Certo. Súmula 602. rá ser responsabilizado pelo FATO.
c. Certo. Súmula 572. b. O comerciante responderá mesmo que o fabrican-
d. Errado. A Súmula 603 foi cancelada. te, o construtor, o produtor ou o importador pude-
e. Certo. Súmula 563. rem ser identificados.
c. O comerciante responderá se o produto for for-
65. Caso o vício de um produto não for sanado ou re- necido com identificação clara do seu fabricante,
parado no prazo máximo de 30 dias, caberá ao consu- produtor, construtor ou importador.
midor: d. O comerciante responderá caso não conservar
a. no prazo de sete dias, postular a substituição do adequadamente os produtos perecíveis.
produto por um outro qualquer, à escolha do forne- e. O comerciante responde subjetivamente.
cedor, em perfeitas condições de uso.
b. poderá exigir a restituição imediata da quantia Letra d.
paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo a. Errado. Art. 13 do CDC.
de eventuais perdas e danos. b. Errado. Art. 13 do CDC.
c. requererá apenas a substituição por outro da mes- c. Errado. Art. 13 do CDC
ma espécie ou a restituição da quantia, com preju- d. Certo. Art. 13 do CDC.
ízo de eventuais perdas e danos. e. Errado. A responsabilidade do comerciante é
d. negociará a restituição da quantia paga, sem atua- objetiva.
lização monetária, com prejuízo de eventuais per-
das e danos. 67. São direitos básicos do consumidor, EXCETO:
e. somente requererá o abatimento proporcional do a. A educação e divulgação sobre o consumo ade-
preço. quado dos produtos e serviços, asseguradas a
liberdade de escolha e a igualdade nas contrata-
Letra b. ções.
Conforme o art. 18. Os fornecedores de produtos b. A instituição de Promotorias de Justiça de Defesa
de consumo duráveis ou não duráveis respondem do Consumidor, no âmbito do Ministério Público.
solidariamente pelos vícios de qualidade c. A informação adequada e clara sobre os diferen-
ou quantidade que os tornem impróprios ou tes produtos e serviços, com especificação correta
inadequados ao consumo a que se destinam ou de quantidade, características, composição, quali-
lhes diminuam o valor, assim como por aqueles dade, tributos incidentes e preço, bem como sobre
decorrentes da disparidade, com a indicações os riscos que apresentem.
constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem d. A modificação das cláusulas contratuais que es-
ou mensagem publicitária, respeitadas as variações tabeleçam prestações desproporcionais ou sua
decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor revisão em razão de fatos supervenientes que as
exigir a substituição das partes viciadas.   § 1° Não tornem excessivamente onerosas.
sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta e. Adequada e eficaz prestação dos serviços públi-
dias, pode o consumidor exigir, alternativamente cos em geral.
e à sua escolha: I – a substituição do produto por
outro da mesma espécie, em perfeitas condições Letra b.
de uso; II – a restituição imediata da quantia a. Certo. Art. 6º, inciso II, do CDC.
paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo b. Errado. Art. 5 º do CDC.
de eventuais perdas e danos;  III – o abatimento c. Certo. Art. 6º, inciso III, do CDC.
proporcional do preço. d. Certo. Art. 6º, inciso V, do CDC.
a. Errado. Conforme art. 18 do CDC. e. Certo. Art. 6º, inciso X, do CDC.
c. Errado. Conforme art. 18 do CDC.
d. Errado. Conforme art. 18 do CDC. 68. Quanto à responsabilidade pelo fato do produto e
e. Errado. Conforme art. 18 do CDC. do serviço, é correto afirmar:
a. A responsabilidade pessoal dos profissionais libe-
66. Conforme o CDC, o comerciante tem regramentos rais será apurada independentemente de culpa.
próprios de responsabilidade para fato do produto. As- b. O médico responde objetivamente pelos danos

55 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

causados nos pacientes em decorrência de cirur- considerada fornecedora de produto ou serviço.


gia estética embelezadora. d. Entes despersonalizados não podem ser conside-
c. O serviço não é considerado defeituoso pela ado- rados fornecedores de produto ou serviço.
ção de novas técnicas. e. Serviço é qualquer atividade fornecida no merca-
d. O fornecedor será responsável mesmo em caso do de consumo, mediante remuneração direta,
de culpa exclusiva de terceiro. inclusive as de natureza bancária, financeira, de
e. O fornecedor será responsável mesmo em caso crédito e securitária, salvo as decorrentes das re-
de culpa exclusiva do consumidor. lações de caráter trabalhista.

Letra c. Letra b.
a. Errado. Art. 14, § 4° A responsabilidade pessoal a. Errado. Art. 3º, § 2º, do CDC.
dos  profissionais liberais  será  apurada mediante a b. Certo. Art. 2º, parágrafo único, do CDC.
verificação de culpa. c. Errado. Art. 3º do CDC.
b. Errado. Art. 14, § 4° A responsabilidade pessoal d. Errado. Art. 3º do CDC.
dos  profissionais liberais  será  apurada mediante e. Errado. A remuneração do serviço pode ser direta
a verificação de culpa. Ademais, registra-se que ou indireta.
a culpa é presumida em caso de cirurgia estética
embelezadora.
c. Certo. Art. 12, § 2° O produto não é considerado
DIREITOS DIFUSOS E COLETIVOS
defeituoso pelo fato de outro de melhor qualidade ter (Karoline Leal)
sido colocado no mercado.
d. Errado. Art. 12, § 3°, do CDC. 71. Acerca dos direitos difusos, coletivos e individuais
e. Errado. Art. 12, § 3°, do CDC. homogêneos, assinale a alternativa correta:
a. Os direitos difusos compreendem interesses que
69. Segundo o entendimento do STJ, o CDC aplica-se não encontram apoio em uma relação-base bem
a. em relação contratual entre paciente e médico definida, reduzindo-se o vínculo entre as pessoas
b. em relação contratual entre cliente e advogado. a fatores conjunturais ou extremamente genéricos,
c. a contrato de plano de saúde administrado por en- a dados de fato frequentemente acidentais ou mu-
tidade de autogestão. táveis. São direitos transindividuais, indivisíveis (a
d. a contratos de previdência complementar celebra- tutela será uniforme entre todos os interessados),
dos com entidades fechadas. titularizados por pessoas indeterminadas ligadas
e. entre o cooperado e a cooperativa. por circunstância comum.
b. Os direitos coletivos, estrito senso, são interesses
Letra a. e direitos transindividuais, de natureza indivisível
a. Certo. Aplica-se o CDC. de que seja titular grupo, categoria ou classe de
b. Errado. Não se aplica o CDC na relação contratual pessoas ligadas, apenas, entre si.
entre cliente e advogado, conforme posição do STJ. c. Os direitos individuais homogêneos são direitos
c. Errado. Súmula 608/STJ. materialmente coletivos. O vínculo entre os titula-
d. Errado. Súmula 563/STJ. res decorre de origem comum, que pode ser fática
e. Errado. Não se aplica o CDC ente cooperado e ou jurídica.
cooperativa, conforme posição do STJ. d. São exemplos de vínculos de direitos coletivos es-
trito senso as relações-base entre associados de
70. Assinale a alternativa correta: uma determinada associação, entre os acionistas
a. Produto é qualquer atividade fornecida no merca- de uma sociedade ou entre pessoas que conso-
do de consumo, mediante remuneração, inclusive mem o mesmo produto.
as de natureza bancária, financeira, de crédito e e. Nos direitos individuais homogêneos, o grupo é
securitária, salvo as decorrentes das relações de formado após a lesão, diferenciando dos direitos
caráter trabalhista. coletivos estrito senso, que têm sua conformação
b. Equipara-se a consumidor a coletividade de pes- surgida de maneira pretérita, a partir da relação
soas, ainda que indetermináveis, que haja inter- jurídica base.
vindo nas relações de consumo.
c. A pessoa jurídica de direito público não pode ser Letra e.

56 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

a. Errado. O único erro da alternativa é a última mento das ações civis públicas, a comprovação da
palavra: não se trata do vínculo por uma circunstância pertinência temática. Contudo, faz indispensável
comum, mas por uma circunstância de fato. Vide art. analisar se a ação guarda relação com a função
81 do CDC. institucional prevista na Constituição Federal.
b. Errado. O erro também está na parte final: o
vínculo pode ser entre os titulares ou entre eles e a Letra e.
parte contrária. De fato, as ações civis públicas ajuizadas pela
c. Errado. Trata-se de categoria de direito Defensoria Pública devem guardar relação com as
formalmente ou acidentalmente coletivo. funções institucionais.
d. Errado. O erro está na parte final: em regra, não há a. Errado. O artigo 82 do CDC, que trata da
um vínculo jurídico entre as pessoas que consomem legitimidade para ACP, não contempla a Defensoria
um determinado produto. Pública.
e. Certo. Exatamente! b. Errado. Antes mesmo da Lei n. 11.418/2007, que
incluiu expressamente a Defensoria Pública como
72. Figuram como legitimados expressos na Lei da legitimada na Lei da Ação Civil Pública, a instituição
Ação Civil Pública, exceto: já se valia da previsão do artigo 82, inciso III, do
a. Ministério Público e Defensoria Pública. CDC, que contempla os entes públicos, para ajuizar
b. Ordem dos Advogados do Brasil. ACP.
c. União, Estados, DF e municípios. c. Errado. O questionamento ocorreu por meio da
d. Autarquias, empresas públicas, sociedades de ADI 3943, e não ADPF.
economia mista. d. Errado. O erro está na indicação dos necessitados
e. Associações constituídas há pelo menos 1 ano e econômicos. Segundo o STF: A Defensoria Pública
com finalidades institucionais condizentes com os tem legitimidade para a propositura de ação civil
direitos salvaguardados na Lei da Ação Civil Pú- pública em ordem a promover a tutela judicial de
blica. direitos difusos e coletivos de que sejam titulares,
em tese, as pessoas necessitadas. STF. Plenário.
Letra b. RE 733433/MG, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado
Não figura como legitimado expresso na LACP a em 4/11/2015 (repercussão geral) (Info 806). De
Ordem dos Advogados do Brasil. maneira complementar, o STJ definiu que “a atuação
primordial da defensoria pública, sem dúvida, é a
73. A respeito da legitimidade da Defensoria Pública assistência jurídica e a defesa dos necessitados
econômicos. Entretanto, também exerce suas
para as ações civis públicas, indique o item correto:
atividades em auxílio a necessitados jurídicos, não
a. A Defensoria Pública consta no rol dos legitimados
necessariamente carentes de recursos econômicos.
ativos para a defesa dos interesses dos consumi-
A expressão "necessitados" prevista no art. 134,
dores em juízo
caput, da CF/88, que qualifica e orienta a atuação
b. Originalmente, a Defensoria Pública não constava
da defensoria pública, deve ser entendida, no
entre os legitimados para propor a Ação Civil Pú-
campo da ação civil pública, em sentido amplo.
blica. Por tal razão, somente a partir da edição da
Assim, a defensoria pode atuar tanto em favor dos
Lei n. 11.448/07, que alterou a Lei da Ação Civil
carentes de recursos financeiros como também
Pública, a Defensoria Pública pode ajuizar ações
em prol do necessitado organizacional (que são
coletivas.
os "hipervulneráveis). STJ. Corte especial. Eresp
c. A alteração da Lei da Ação Civil Pública para in-
1192577-RS, rel. Min. Laurita Vaz, julgado em
cluir expressamente a legitimidade da Defensoria
21/10/2015 (info 573).
Pública teve a constitucionalidade questionada no
Supremo Tribunal Federal, por meio da Ação de
Descumprimento de Preceito Fundamental. 74. Acerca da interface entre a demanda coletiva e os
d. A Defensoria Pública tem legitimidade para a pro- processos individuais, analise os seguintes itens:
positura de ação civil pública em ordem a promo- I – Se há o trânsito em julgado da sentença co-
ver a tutela judicial de direitos difusos e coletivos letiva antes de propositura da ação individual,
de que sejam titulares, em tese, as pessoas ne- basta que o autor individual promova a liquida-
cessitadas economicamente.
e. Não se exige da Defensoria Pública, no ajuiza-

57 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

ção e execução do título. Porém, é facultado sumular vinculante n. 14.


que ajuíze nova ação em vez de promover a e. O inquérito civil possui prazo de um ano, podendo
liquidação e execução. ser prorrogado.
II – Se já houver uma ação individual e no curso
for ajuizada uma ação coletiva, o interessado Letra e.
deverá requerer, no prazo de 30 dias, a con- A Resolução do MP prevê o prazo de 1 ano, que pode
tar da ciência da existência da ação coletiva, ser prorrogado. Trata-se do artigo 9º da Resolução
a suspensão do seu processo individual para 23 de 2007: O inquérito civil deverá ser concluído
que a coisa julgada coletiva in utilibus favoreça no prazo de um ano, prorrogável pelo mesmo
o autor individual. prazo e quantas vezes forem necessárias, por
III – Se houver o trânsito em julgado da sentença decisão fundamentada de seu presidente, à vista da
individual antes da sentença coletiva, o autor imprescindibilidade da realização ou conclusão de
da ação individual não será beneficiado pela diligências, dando-se ciência ao Conselho Superior
futura coisa julgada coletiva. do Ministério Público, à Câmara de Coordenação e
a. Apenas o item I está certo. Revisão ou à Procuradoria Federal dos Direitos do
b. Apenas o item II está certo. Cidadão. Parágrafo único. Cada Ministério Público,
c. Apenas o item III está certo. no âmbito de sua competência administrativa,
d. Os itens I e II são corretos. poderá estabelecer prazo inferior, bem como limitar
e. Os itens II e III são corretos. a prorrogação mediante ato administrativo do Órgão
da Administração Superior competente.
Letra c. a. Errado. O inquérito civil tem previsão legal em
I. Errado. A primeira parte está certa. Porém, dois dispositivos da Lei de Ação Civil Pública: art. 8º,
a segunda parte, que trata da possibilidade de § 1º, e art. 9º. A CF também prevê o inquérito civil
ajuizamento de nova ação individual, é errada. O (art. 129, III).
autor individual não possuirá interesse jurídico em b. Errado. O inquérito civil é um instituto exclusivo do
ajuizar nova ação, pois já há um título executivo a Ministério Público.
seu favor. c. Errado. O inquérito civil é um procedimento não
II. Errado. Esta é a previsão do artigo 94 do CDC. obrigatório, em regra, público, inquisitorial e de
O autor da ação individual poderá promover o OPT titularidade do Ministério Público.
IN, que é esse ingresso como litisconsorte. Após d. Errado. Deve ser assegurada a garantia prevista na
ingressar como litisconsorte, o autor individual se Súmula vinculante 14 do STF (É direito do defensor,
submeterá ao regime da coisa julgada pro et contra, no interesse do representado, ter acesso amplo
quer dizer, para beneficiar ou para prejudicar. aos elementos de prova que, já documentados em
III. Certo. Transitada em julgado a ação individual, procedimento investigatório realizado por órgão com
esta não pode ser rescindida pela superveniência do competência de polícia judiciária, digam respeito ao
trânsito em julgado da ação coletiva, ainda que a exercício do direito de defesa).
coisa julgada coletiva seja mais benéfica.
76. A respeito da Ação Popular, assinale a alternativa
75. Acerca do Inquérito civil, assinale o item correto: incorreta:
a. O inquérito civil tem previsão legal na Lei da Ação a. A Ação Popular é um mecanismo constitucional
Civil Pública, mas não tem previsão constitucional. de controle da legalidade e lesividade dos atos
b. O inquérito civil figura como procedimento prepa- administrativos em geral. A ação garante o direito
ratório para a coleta de dados que permita ao re- subjetivo a um governo honesto, por isso, pode-se
presentante da Defensoria Pública a formação da dizer que a ação popular é uma ação de caráter
convicção para o ajuizamento da ACP. cívico administrativo.
c. O inquérito civil é um procedimento administrativo. b. A Ação Popular tem por objeto a tutela preventiva,
Em regra, não há interferência do judiciário. Trata- repressiva ou ressarcitória do patrimônio público,
-se de um instituto não obrigatório, sigiloso, não da moralidade administrativa, do meio ambiente e
inquisitorial e de titularidade dos legitimados para do patrimônio histórico cultural.
a Ação Civil Pública. c. A legitimidade extraordinária é do cidadão, com-
d. Por se tratar de um procedimento preparatório, preendido como aquele que pode votar. O maior
não há necessidade de observância do enunciado de 16 anos pode oferecer ação popular sem assis-

58 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

tência dos pais. A capacidade é comprovada por recair sobre bens adquiridos tanto antes quanto
meio do título eleitoral ou documento equivalente. depois da prática do ato de improbidade.
d. É possível que haja litisconsórcio entre cidadãos.
Tal litisconsórcio será passivo, facultativo, inicial Letra a.
ou ulterior e unitário, porque a decisão deve ser A indisponibilidade pode recair sobre bem de família.
idêntica, tendo em vista que o objeto é indivisível, STJ. 1ª Turma. AgInt no REsp 1670672/RJ, Rel. Min.
por se tratar de direito difuso. Benedito Gonçalves, julgado em 30/11/2017. STJ.
e. O Ministério Público, na Ação Popular, figura como 2ª Turma. EDcl no AgRg no REsp 1351825/BA, Rel.
fiscal da ordem jurídica, como órgão ativador da Min. Og Fernandes, julgado em 22/09/2015.
prova, auxiliando o autor para facilitar e acelerar b. Certo. STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 606.352-
a prova, podendo fazer requerimento de provas. SP, Rel. Min. Assusete Magalhães, julgado em
Atua também como sucessor do autor na hipótese 15/12/2015 (Info 576).
de abandono ou de desistência, pode interpor re- c. Certo. STF. Plenário. RE 852475/SP, Rel. orig.
cursos e deve promover a execução em 30 dias, Min. Alexandre de Moraes, Rel. para acórdão Min.
sob pena de falta grave, caso o autor não o faça Edson Fachin, julgado em 08/08/2018 (repercussão
em 60 dias do trânsito em julgado. geral) (Info 910).
d. Certo. STJ. REsp 1129121/GO, Rel. p/ Acórdão
Letra d. Min. Castro Meira, julgado em 03/05/2012.
O erro está apenas no litisconsórcio passivo. O e. Certo. A indisponibilidade dos bens pode ser
correto é litisconsórcio ativo. decretada sem ouvir o réu. STJ. 1ª Turma. AgRg no
a. Certo. Exatamente. A doutrina de Hely Lopes AREsp 671281/BA, Rel. Min. Olindo Menezes (Des.
Meireles trata com maestria acerca dessa questão. Conv. do TRF 1ª Região), julgado em 03/09/2015.
b. Certo. Vide artigo 1º da LAP. Ademais, a indisponibilidade pode recair sobre bens
c. Certo. Existia uma controvérsia se o legitimado adquiridos tanto antes quanto depois da prática do
seria aquele que possui capacidade para votar e ser ato de improbidade. STJ. 1ª Turma. REsp 1301695/
votado. A jurisprudência já sedimentou que basta a RS, Rel. Min. Olindo Menezes (Des. Conv. TRF 1ª
capacidade de votar para ser autor da Ação Popular. Região), julgado em 06/10/2015.
e. Certo. Exatamente!
78. A respeito do Mandado de Segurança Coletivo,
77. Acerca da orientação dos Tribunais Superiores so- assinale a alternativa incorreta:
bre a Ação de Improbidade Administrativa, assinale a a. O mandado de segurança figura como garantia
alternativa incorreta: para proteção do direito coletivo de direito líquido
a. A indisponibilidade prevista na Lei de Improbida- e certo, não amparado por Habeas Corpus ou
de Administrativa não pode recair sobre bens de Habeas Data.
família. b. Conforme a Lei do Mandado de Segurança, os di-
b. A condenação pela Justiça Eleitoral ao pagamento reitos protegidos pelo instituto podem ser difusos,
de multa por infringência às disposições contidas coletivos e individuais homogêneos.
na Lei das Eleições não impede a imposição c. O Mandado de Segurança Coletivo pode ser im-
de nenhuma das sanções previstas na Lei de petrado por partido político com representação
Improbidade Administrativa, inclusive da multa no Congresso Nacional, na defesa de seus inte-
civil, pelo ato de improbidade decorrente da resses legítimos relativos a seus integrantes ou
mesma conduta. à finalidade partidária, ou por organização sindi-
c. São imprescritíveis as ações de ressarcimento ao cal, entidade de classe ou associação legalmente
erário fundadas na prática de ato doloso tipificado constituída e em funcionamento há, pelo menos, 1
na Lei de Improbidade Administrativa. (um) ano, em defesa de direitos líquidos e certos
d. É pacífico o entendimento do STJ no sentido de da totalidade, ou de parte, dos seus membros ou
que a Lei n. 8.429/92 não pode ser aplicada re- associados, na forma dos seus estatutos e desde
troativamente para alcançar fatos anteriores a sua que pertinentes às suas finalidades, dispensada,
vigência, ainda que ocorridos após a edição da para tanto, autorização especial.
Constituição Federal de 1988. d. Não se concederá Mandado de Segurança quan-
e. A indisponibilidade dos bens pode ser decretada do se tratar de ato do qual caiba recurso adminis-
sem ouvir o réu. Ademais, a indisponibilidade pode trativo com efeito suspensivo, independentemente

59 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

de caução. Também não se admite mandado de d. Errado. É possível, excepcionalmente, a pesquisa


segurança de decisão judicial da qual caiba re- científica envolvendo PCD curatelada. Vide artigo 13
curso com efeito suspensivo e de decisão judicial da LBI.
transitada em julgado.  e. Errado. São 2% (dois por cento) das vagas. Vide
e. Não será concedida medida liminar que tenha por artigo 47, § 1º, da LBI.
objeto a compensação de créditos tributários, a
entrega de mercadorias e bens provenientes do 80. A respeito da tutela do direito dos idosos, assinale
exterior, a reclassificação ou equiparação de servi- o item incorreto:
dores públicos e a concessão de aumento ou a ex- a. As ações coletivas de proteção judicial dos inte-
tensão de vantagens ou pagamento de qualquer resses difusos, coletivos e individuais indisponí-
natureza.  veis ou homogêneos serão propostas no foro do
domicílio do idoso, cujo juízo terá competência
Letra b. absoluta para processar a causa, ressalvadas as
Os direitos individuais homogêneos não constam competências da Justiça Federal e a competência
expressamente como objeto do mandado de originária dos Tribunais Superiores.
segurança coletivo do artigo 21, parágrafo único, Lei b. Para as ações coletivas acerca do direito do idoso,
do MS. figuram como legitimados o Ministério Público, a
a. Certo. Vide artigo 1º da Lei do MS. Defensoria Pública, a União, os Estados, o Distrito
c. Certo. Vide artigo 21 da Lei do MS. Federal e os Municípios, a Ordem dos Advogados
d. Certo. Vide artigo 5º da Lei do MS. do Brasil e as associações legalmente constitu-
e. Certo. Vide artigo 7º, § 2º, da Lei do MS. ídas há, pelo menos, 1 (um) ano e que incluam
entre os fins institucionais a defesa dos interesses
79. Acerca da tutela da pessoa com deficiência, assi- e direitos da pessoa idosa, dispensada a autoriza-
nale o item verdadeiro: ção da assembleia se houver prévia autorização
a. A pessoa com deficiência pode ser obrigada a se estatutária.
submeter a intervenção clínica ou cirúrgica, trata- c. É garantida a gratuidade nos coletivos urbanos e
mento ou institucionalização forçada. semiurbanos aos maiores de 65 anos, bastando
b. Em caso de pessoa com deficiência em situação apresentação de documento de identidade. Os
de curatela, basta a manifestação do curador para ônibus devem ainda possuir 10% (dez por cento)
a realização do procedimento cirúrgico. dos assentos reservados para os idosos, devida-
c. A PCD somente será atendida sem seu consenti- mente identificados com a placa de reservado pre-
mento prévio, livre e esclarecido em casos de risco ferencialmente para idosos.
de morte e de emergência em saúde, resguardado d. A gratuidade entre 60 (sessenta) e 65 (sessenta
seu superior interesse e adotadas as salvaguar- e cinco) anos ficará a critério da legislação local.
das legais cabíveis. Com relação ao transporte coletivo interestadual,
d. Não é possível a participação da pessoa com defi- haverá a reserva de 2 (duas) vagas gratuitas por
ciência em pesquisa científica. veículo para idosos com renda igual ou inferior a
e. É assegurado 5% (cinco por cento) das vagas de 2 (dois) salários-mínimos; desconto de 50% (cin-
estacionamento nas áreas de estacionamento quenta por cento), no mínimo, no valor das pas-
aberto ao público, de uso público ou privado de sagens, para os idosos que excederem as vagas
uso coletivo e em vias públicas às pessoas com gratuitas, com renda igual ou inferior a 2 (dois)
deficiência. salários-mínimos.
e. Há reserva, para os idosos, nos termos da lei lo-
Letra c. cal, de 5% (cinco por cento) das vagas nos esta-
Vide artigo 13 da LBI. cionamentos públicos e privados, as quais deve-
a. Errado. A PCD não pode ser obrigada a ser rão ser posicionadas de forma a garantir a melhor
submetida a intervenção clínica cirúrgica, tratamento comodidade ao idoso.
ou institucionalização forçada. Vide artigo 11 da Lei
Brasileira de Inclusão. Letra b.
b. Errado. Deve ser assegurada à PCD curatelada a. Certo. Vide artigo 80 do Estatuto do Idoso.
o máximo de participação possível. Vide artigo 12,
1º, da LBI.

60 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

b. Errado. A Defensoria Pública não possui, em explicar a imutabilidade dos direitos naturais em
expressamente, legitimidade. Vide artigo 81 do razão da constante alteração do conteúdo de direitos
Estatuto do Idoso. essenciais ao indivíduo ao longo dos séculos.
c. Certo. Vide artigo 39 a 42 do Estatuto do Idoso. d. Certo. Exatamente! A teoria positivista
d. Certo. Vide artigo 39 a 42 do Estatuto do Idoso. fundamenta a existência dos direitos humanos na
e. Certo. Vide artigo 39 a 42 do Estatuto do Idoso. ordem normativa, enquanto legítima manifestação
da soberania popular.
e. Errado. Há críticas contundentes à teoria
DIREITOS HUMANOS positivista. Para parcela da doutrina, a teoria aceita,
(Karoline Leal) sem maiores questionamentos, a não observância
das normas internacionais de direitos humanos se
81. Acerca das teorias que apresentam a justificativa não houver a aceitação ou incorporação da norma
ou a fonte legitimadora dos Direitos Humanos, assinale pela ordem interna de um Estado.
a assertiva incorreta:
a. A teoria negacionista, que possui como expoente 82. A respeito do costume internacional no estudo dos
Norberto Bobbio, apregoa que é impossível en- Direitos Humanos, assinale o item incorreto:
contrar um fundamento único ou absoluto para os a. Constitui prática generalizada dos Estados, de
direitos humanos. modo que o costume internacional passa a ser
b. Segundo a teoria jusnaturalista, o ser humano norma. É compreendido como prova de uma práti-
possui direitos naturais, anteriores e superiores ao ca geral aceita como sendo o direito.
Estado. b. Do ponto de vista doutrinário, há corrente que as-
c. Segundo a teoria jusnaturalista, fundada na Esco- sinala que o conceito de costume internacional
la de Direito Natural de Razão Divina, os direitos se funda em dois elementos: o primeiro que é um
humanos são oriundos de Deus. Já para a Escola elemento material, isto é, a prática generalizada;
de Direito Natural Moderno, os direitos humanos o segundo que é um elemento subjetivo, isto é, a
são oriundos da natureza inerente do ser humano. crença de que esta prática é obrigatória.
d. Consoante à teoria positivista, não há que se falar c. Diferentemente dos tratados, o costume interna-
em direito natural, anterior e superior ao Estado, cional obriga os Estados tacitamente, sem exigir
de modo que a fundamentação dos direitos huma- uma manifestação explícita de aceitação nem uma
nos deve ser encontrada no ordenamento jurídico incorporação formal na ordem jurídica interna.
internacional, nos tratados, convenções, declara- d. Não se admite que um Estado deixe de observar
ções. um costume internacional.
e. A teoria positivista é adotada por parcela majoritá- e. Ao lado das convenções internacionais, dos prin-
ria da doutrina internacional, não havendo funda- cípios gerais de direito, das decisões judiciais e
das críticas à referida teoria. da doutrina dos publicistas, os costumes figuram
como fonte de direitos humanos.
Letra e.
a. Certo. Para a teoria, a expressão “direitos Letra d.
humanos” é muito vaga e desprovida de consenso a. Certo. Isso mesmo. Vide os termos do art.
quanto ao seu significado. Ademais, trata-se de 38.1.b do Estatuto da Corte Internacional de
uma categoria que varia conforme a sua evolução Justiça: “A Corte, cuja função é decidir de acordo
histórica e forma uma categoria heterogênea. Por com o direito internacional as controvérsias que
isso, Bobbio afirma que “o problema grave do nosso lhe forem submetidas, aplicará: a. as convenções
tempo, com relação aos direitos humanos, não é internacionais, quer gerais, quer especiais, que
mais o de fundamentá-los, e sim o de protegê-los”. estabeleçam regras expressamente reconhecidas
b e c. Corretas. Exatamente! Segundo a teoria pelos Estados litigantes; b. o costume internacional,
jusnaturalista, os direitos humanos encontram como prova de uma prática geral aceita como
fundamento anterior e superior ao Estado. A doutrina sendo o direito; c. os princípios gerais de direito,
aponta a fragilidade da teoria jusnaturalista, sob reconhecidos pelas nações civilizadas; d. sob
os seguintes argumentos: a) não há possibilidade ressalva da disposição do Artigo 59, as decisões
de comprovação empírica ou mesmo teórica dos
direitos naturais; e b) há uma grande dificuldade

61 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

judiciárias e a doutrina dos juristas mais qualificados geração seriam aqueles resultantes da globalização.
das diferentes nações, como meio auxiliar para a Figuram como exemplos o direito à democracia, à
determinação das regras de direito”. informação e ao pluralismo.
b. Certo. Há corrente doutrinária que considera que a. Errado. Acesso a trabalho digno figura como direito
o costume deve ter dois elementos: a prática do de segunda geração/dimensão. Enquanto os direitos
Estado e a opinio juris. A prática do Estado refere- de primeira geração (direitos civis e políticos) – que
se a uma prática geral e consistente por parte dos compreendem as liberdades clássicas, negativas
Estados, enquanto a opinio juris significa que essa ou formais – realçam o princípio da liberdade e os
prática é seguida da crença de ser ela legalmente direitos de segunda geração (direitos econômicos,
obrigatória. sociais e culturais) – que se identificam com as
c. Certo. Trata-se de norma consuetudinária, não liberdades positivas, reais ou concretas – acentuam
exigindo a formalização para a incorporação ao o princípio da igualdade.
ordenamento jurídico. b. Errado. O direito de resistência figura como direito
d. Errado. Aceita-se, majoritariamente, que um de primeira geração/dimensão.
Estado somente pode deixar de cumprir um costume c. Errado. Os direitos culturais figuram como direitos
internacional quando tenha se comportado como de segunda geração/dimensão.
um “objetor persistente”, comportamento este que e. Errado. Os direitos difusos e coletivos são
deve ocorrer durante o processo de formação dos direito de terceira geração/dimensão. Os direitos
costumes internacionais, mediante manifestações de terceira geração, que materializam poderes de
permanentes e inequívocas de sua objeção a serem titularidade coletiva atribuídos genericamente a
obrigados pelo respectivo costume. todas as formações sociais, consagram o princípio
e. Certo. Isso mesmo. Vide os termos do art. 38.1.b da solidariedade e constituem um momento
do Estatuto da Corte Internacional de Justiça. importante no processo de desenvolvimento,
expansão e reconhecimento dos direitos
83. A respeito da classificação dos direitos humanos humanos, caracterizados, enquanto valores
em gerações, idealizada por Karel Vasak, assinale a fundamentais indisponíveis, pela nota de uma
alternativa verdadeira: essencial inexauribilidade. Paulo Bonavides
a. Os Direitos de Primeira Geração envolvem os di- também desenvolve sua quinta geração de
reitos de liberdade, como exemplo o direito à livre direitos fundamentais, tendo como destaque o
locomoção e acesso ao trabalho digno. reconhecimento da normatividade do direito à paz.
b. Os Direitos de Segunda Geração envolvem direi-
tos de igualdade, como exemplo o direito à educa- 84. Acerca da Declaração Universal dos Direitos Hu-
ção, saúde e de resistência. manos, assinale a alternativa certa.
c. Os Direitos de Terceira Geração envolvem os a. A Declaração Universal dos Direitos Humanos
direitos de fraternidade ou solidariedade, como (DUDH) foi aprovada em 10.12.1968 pela Assem-
exemplo o direito ao meio ambiente equilibrado e bleia-Geral da ONU.
os direitos culturais. b. A DUDH, além de ser o grande marco da univer-
d. Os Direitos de Quarta Geração envolvem o con- salidade e inerência dos direitos humanos, repre-
ceito de globalização política, como por exemplo o senta o primeiro instrumento internacional que
direito à democracia. protege tanto direitos civis e políticos quanto di-
e. Os Direitos de Quinta Geração envolvem os direi- reitos econômicos, sociais e culturais, servindo de
tos difusos e coletivos. modelo ou paradigma para a proteção dos direitos
fundamentais nas Constituições e leis dos países.
Letra d. c. No que diz respeito à natureza jurídica da Decla-
Para além das 3 gerações inicialmente idealizadas ração Universal, ela foi adotada como uma con-
por Karel Vasak, diversos autores hoje desenvolvem venção.
os conceitos de quarta, quinta e até sexta geração d. Não há dúvida de que a grande maioria dos Es-
dos direitos fundamentais. Após a terceira, contudo, tados Membros da ONU, ao votarem a favor da
não há mais unanimidade doutrinária. Segundo DUDH, assim o fizeram levando em consideração
Paulo Bonavides, os direitos fundamentais de quarta que estavam aderindo a um texto de natureza vin-
culante.
e. A DUDH possui, expressamente, natureza vincu-
lante.

62 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

b. Certo. Isso mesmo. O eixo estrutural do Subsistema


Letra b. da OEA é a Carta da OEA, na Declaração Americana
Exatamente! A DUDH também contempla direitos dos Direitos e Deveres do Homem e no Estatuto da
econômicos, sociais e culturais. Comissão Interamericana de Direitos Humanos.
a. Errado. A DUDH foi aprovada em 10/12/1948. d. Certo. Exato! Temos dois subsistemas: um dos
c. Errado. A DUDH foi adotada pela resolução da Estados da OEA e outro dos Estados que tenham
Assembleia-Geral da ONU, não possuindo, portanto, ratificado a Convenção Americana de Direitos
a natureza de tratado ou convenção, daí decorrendo Humanos (Pacto de San José).
a discussão sobre o seu valor jurídico, se possui e. Certo. Os órgãos de monitoramento e os
natureza vinculante ou não. documentos de regência dos dois subsistemas são
d. Errado. Não há dúvida de que a grande maioria distintos.
dos Estados Membros da ONU, ao votarem a favor
da DUDH, assim o fizeram levando em consideração 86. Acerca da composição da Comissão Interamerica-
que NÃO estavam aderindo a um texto de natureza na de Direitos Humanos (CIDH), assinale a alternativa
vinculante. correta:
e. Errado. Há discussão doutrinária acerca da a. A CIDH compõe-se de 9 membros.
DUDH ter natureza vinculante ou não. Porém, não b. Os comissários devem ser pessoas de alta auto-
há previsão expressa acerca da natureza vinculante. ridade moral e reconhecido saber em matéria de
Direitos Humanos.
85. Acerca do Sistema Interamericano de Direitos Hu- c. Os comissários devem ter formação jurídica.
manos, assinale a alternativa incorreta. d. Não há óbice a que dois nacionais do mesmo Es-
a. O Sistema Interamericano de Direitos Humanos, tado componham a CIDH.
como resultado da evolução histórica, é dividido e. Os Comissários são eleitos para representar os
em dois subsistemas: subsistema da OEA e sub- Estados de sua nacionalidade.
sistema da Convenção Americana de Direitos Hu-
manos. Letra b.
b. O Subsistema da OEA baseia-se na Carta da OEA, A CIDH compõe-se de sete membros – chamados
na Declaração Americana dos Direitos e Deveres de comissários ou comissionados –, que devem ser
do Homem e no Estatuto da Comissão Interameri- pessoas de alta autoridade moral e de reconhecido
cana de Direitos Humanos. saber em matéria de direitos humanos (CADH, art.
c. No Subsistema da OEA, a Corte Interamericana 34; Estatuto da CIDH, art. 2.1; e Regulamento da
de Direitos Humanos atua como órgão de prote- CIDH, art. 1.3).
ção. O Subsistema da OEA aplica-se a todos os a. Errado. A CIDH é composta por 7 membros.
Estados membros da OEA. c. Errado. Ao contrário do que se exige para ser
d. O Subsistema da Convenção Americana sobre juiz da Corte Interamericana (ser jurista), para
Direitos Humanos se baseia nesta e se aplica so- integrar a Comissão Interamericana não se exige
mente para os Estados que a tenham ratificado. sequer formação jurídica, o que me parece estar em
e. O Subsistema da Convenção Americana de Direi- conformidade com a dimensão também política da
tos Humanos tem como órgãos de proteção a Co- atuação exercida pela CIDH.
missão Interamericana de Direitos Humanos e a d. Errado. Não pode fazer parte da CIDH mais
Corte Interamericana de Direitos Humanos. de um nacional do mesmo país (CADH, art. 37.2;
Estatuto, art. 7º), o que contribui para uma maior
Letra c. representatividade geográfica na Comissão.
A Comissão, e não a Corte Interamericana de e. Errado. Os membros da CIDH são eleitos a título
Direitos Humanos, é o órgão de monitoramento do pessoal – e não como representantes dos seus
Subsistema da OEA. Estados de origem (art. 36 da CADH).
a. Certo. Exatamente! Há dois subsistemas no
âmbito do Sistema Interamericano de Direitos 87. Acerca da Corte Interamericana de Direitos Huma-
Humanos. nos (Corte IDH), assinale a opção incorreta:
a. A Corte IDH é uma instituição judicial autônoma
do sistema interamericano que tem, dentre ou-
tras funções, o objetivo de aplicar e interpretar a

63 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Convenção Americana sobre Direitos Humanos b. A adesão à competência contenciosa da Corte


(CADH). IDH pode ser feita incondicionalmente, ou sob
b. A Corte IDH, no exercício da sua competência condição de reciprocidade, por prazo determinado
consultiva, pode expandir a atividade interpretati- ou para casos específicos.
va para outros tratados concernentes à proteção c. A Corte IDH tem competência para conhecer de
dos direitos humanos nos Estados americanos. qualquer caso relativo à interpretação e aplicação
c. A natureza jurídica de instituição judicial autôno- desta Convenção que lhe seja submetido, desde
ma da Corte IDH, a coloca como órgão da própria que os Estados Partes no caso tenham reconheci-
Convenção Americana, não integrando – diferen- do ou reconheçam a referida competência.
temente da Comissão Interamericana – a estrutura d. A competência contenciosa consiste em cláusula
da Organização dos Estados Americanos (OEA). facultativa, podendo os Estados a aceitarem ou
d. A Corte IDH foi editada, inicialmente, como Reso- não. Se decidirem aceitar a competência conten-
lução, mas em pouco tempo foi editada a Conven- ciosa da Corte IDH, os Estados assim podem pro-
ção Americana de Direitos Humanos. ceder tanto no momento do depósito de ratificação
e. Os primeiros casos apreciados pela Corte IDH fo- quanto em qualquer momento posterior.
ram casos consultivos, e não contenciosos. e. A aceitação da competência da Corte IDH, de
acordo Pacto de San José da Costa Rica, pode
Letra d. ser feita incondicionalmente, sob condição de re-
A CIDH foi criada por meio de resolução de Reunião ciprocidade, por prazo determinado e para casos
de Consulta de Ministros de Relações Exteriores, específicos, não sendo possível que os Estados
vindo a integrar formalmente a estrutura de um criem outras hipóteses para além das elencadas.
tratado – a Carta da OEA – somente anos mais
tarde, com o Protocolo de Buenos Aires (1967). A Letra a.
Corte IDH já nasceu com base convencional, pois foi Veja o art. 62 da CADH: 1. Todo Estado Parte pode,
criada pela Convenção Americana (1969). no momento do depósito do seu instrumento de
a. Certo. A Corte IDH é uma instituição judicial ratificação desta Convenção ou de adesão a ela,
autônoma do sistema interamericano que tem como ou em qualquer momento posterior, declarar que
objetivo aplicar e interpretar a Convenção Americana reconhece como obrigatória, de pleno direito e sem
sobre Direitos Humanos (CADH). convenção especial, a competência da Corte em
b. Certo. A Corte IDH pode também, no exercício da todos os casos relativos à interpretação ou aplicação
sua competência consultiva, expandir a atividade desta Convenção. Quando a CADH estabelece que
interpretativa para outros tratados concernentes não se exige “convenção especial” para se declarar
à proteção dos direitos humanos nos Estados a aceitação da competência contenciosa da Corte
americanos. IDH, ela quer dizer que não exige a celebração de
c. Certo. A Corte IDH é uma instituição judicial um novo tratado – como ocorre, por exemplo, no
autônoma. Ela não integra o subsistema da OEA. sistema global, por meio dos protocolos facultativos
e. Certo. Ainda que devidamente instalada e com o –, mas apenas a manifestação formal do Estado.
seu regime jurídico em vigor, a Corte levou alguns b. Certo. Veja o art. 62 da CADH.
anos para exercer a sua função contenciosa, vindo c. Certo. Veja o art. 62 da CADH.
a proferir a primeira sentença de mérito somente e. Certo. O rol do art. 62.2 da CADH é taxativo. A
em julho de 1988 – Caso Velásquez Rodríguez propósito, a Corte IDH, no julgamento do Caso Hilaire,
vs. Honduras. Assim, os primeiros anos da Corte Constantine e outros vs. Trinidad e Tobago, rejeitou
IDH foram marcados pelo exercício exclusivo da a exceção preliminar arguida por Trinidad e Tobago
competência consultiva, tendo emitido nove delas no sentido de que a aceitação da competência
até o ano em que proferiu a primeira sentença de contenciosa da Corte por este Estado teria sido feita
mérito (1988). ressalvando atos ou práticas em conformidade com
a Constituição nacional.
88. A respeito da competência contenciosa da Corte
IDH, assinale o item incorreto: 89. Acerca do Incidente de Deslocamento de Compe-
a. É indispensável que o Estado Parte, para aderir tência (IDC), assinale o item correto:
à competência contenciosa da Corte IDH, celebre a. O IDC é analisado pelo STF.
convenção especial assumindo tal obrigação. b. O IDC pode ser ajuizado pelo Procurador Geral da

64 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

República e pelo Defensor Público-Geral Federal. rias que mantinham relação com o MST sob o
c. Caberá o IDC nas hipóteses de grave violação a argumento de que estavam associados para a
direitos humanos; para assegurar o cumprimento prática de crimes.
de obrigações decorrentes de tratados internacio- a. Somente o item I é certo.
nais ou na hipótese de incapacidade – oriunda de b. Somente o item II é certo.
inércia, negligência, falta de vontade política, de c. Somente o item III é certo.
condições pessoais, materiais etc. – de o Estado- d. Somente os itens I e II são corretos.
-membro, por suas instituições e autoridades, le- e. Todos os itens são corretos.
var a cabo, em toda a sua extensão, a persecução
criminal. Letra e.
d. O IDC somente é cabível para casos de natureza I. Certo. Foi a primeira condenação do Brasil na
penal. Corte, além do primeiro caso envolvendo violação
e. o IDC somente pode ser manejado se já houver de direitos humanos de pessoa com deficiência
processo em trâmite. mental.
II. Certo. Foi a primeira absolvição do Brasil na
Letra c. Corte. Discutiu-se os limites da atuação da Corte
O STJ estabeleceu os requisitos para cabimento do para determinar que o Estado investigue, processe e
IDC no primeiro incidente de deslocamento julgado puna responsáveis por violação de direitos humanos
(IDC nº 1/PA), sendo eles os seguintes: (caso de absolvição pelo tribunal do júri). Foi o
• grave violação a direitos humanos; primeiro caso sobre o tema “violação de direitos
• assegurar o cumprimento de obrigações decorren- humanos contra defensores de direitos humanos”.
tes de tratados internacionais; III. Certo. Discutiu acerca da proteção do sigilo das
• incapacidade – oriunda de inércia, negligência, comunicações telefônicas pela CADH e a vedação
falta de vontade política, de condições pessoais, da divulgação de conversas telefônicas.
materiais etc. – de o Estado-membro, por suas
instituições e autoridades, levar a cabo, em toda a FILOSOFIA E SOCIOLOGIA
sua extensão, a persecução criminal. (Juliano Alves)
a. Errado. A CF atribuiu ao STJ a competência
para julgar o IDC. E o STJ, por sua vez, mediante
91. Em sua tentativa de demonstrar o caráter cientí-
a Resolução n. 6, conferiu esta competência à sua
fico do Direito, Hans Kelsen formulou sua Teoria Pura
3ª Seção.
do Direito que, em última instância, buscava afastar o
b. Errado. O legitimado é o PGR. Há algumas PECs
ampliando ao Defensor Público-Geral Federal. caráter metafísico do Direito, bem como as ideologias.
'd.' e 'e.' Incorretas. O IDC pode ser ajuizado em Seu projeto consistiu em criar uma Ciência jurídica
qualquer momento, mesmo se o fato ainda estiver pura, livre de influências externas, em especial, livre
sob investigação (penal ou cível). de ideologias. Assentado nos teóricos que tratam do
tema, assinale a alternativa incorreta:
90. A respeito dos casos brasileiros perante a Corte a. O termo ideologia tem origem no final do século
Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH), jul- XVIII, elaborado por filósofos franceses conheci-
gue os itens. dos como "ideólogos". Desse modo, ideologia sig-
I – O Caso Ximenes Lopes vs. Brasil (2006): ver- nificava o estudo da origem e formação da ideia.
sou sobre maus tratos e morte de paciente em b. Auguste Comte, em uma visão marxista, também
clínica privada de saúde mental vinculada ao se referiu à ideologia, reiterando a ideia original,
SUS. mas acrescentando-lhe um segundo significado,
II – O Caso Nogueira de Carvalho e outro vs. Bra- um sentido mais amplo, em que a ideologia pas-
sil (2006) versou sobre falha do Estado na sou a significar um conjunto de ideias, princípios
investigação e punição de autores do assas- e valores que refletem uma determinada visão de
sinato do advogado Gilson Nogueira de Car- mundo, orientando uma forma de ação, sobretudo
valho, ativista de direitos humanos. uma prática política.
III – O Caso Escher e outros vs. Brasil (2009) ver- c. O termo "ideologia" passou a ser utilizado ampla-
sou sobre interceptação telefônica arbitrária mente por influência do pensamento de Karl Marx,
contra integrantes de organizações comunitá- significando o processo de racionalização – um

65 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

autêntico mecanismo de defesa – dos interesses ciência estabelecendo um modelo de conhecimento


de uma classe ou grupo dominante. científico que possui natureza coerente, organizado,
d. Uma das principais consequências do positivismo objetivo, sistemático, metódico, e conceitual de
jurídico foi elaborar a ideia de que a ciência jurí- enunciados verdadeiros.
dica deve ser neutra, isenta de construções ide- e. Certo. O positivismo como metodologia que
ológicas. O paradigma moderno da cientificidade influenciou marcadamente as ciências sociais
tentou opor o senso comum da ciência estabele- constrói um sistema racional que abandona a
cendo um modelo de conhecimento científico que metafísica, enquanto esforço por se conhecer a
possui natureza coerente, organizado, objetivo, existência, e se dedica ao conhecimento dos fatos
sistemático, metódico, e conceitual de enunciados pela via da experiência em que os sentidos devem
verdadeiros. ser utilizados para perceber o real.
e. O positivismo, como metodologia que influenciou
marcadamente as ciências sociais, constrói um 92. Relativamente à análise feita por Norberto Bobbio
sistema racional que abandona a metafísica, en- acerca da justiça, na obra Teoria da norma jurídica, é
quanto esforço por se conhecer a existência, e se correto afirmar que a justiça
dedica ao conhecimento dos fatos pela via da ex- a. é totalmente dependente da eficácia, porém não
periência em que os sentidos devem ser utilizados da validade.
para perceber o real. b. é totalmente dependente da validade, porém não
da eficácia.
Letra b. c. remete à questão da correspondência entre o que
Comte não é marxista, mas positivista. Até porque, é real e o que é ideal.
cronologicamente, ele vem antes de MARX. d. constitui o único critério de valoração para a teoria
Texto base de onde foi formulada a questão: LIMA, da norma jurídica.
Renata Albuquerque; MAGALHAES, Átila de Alencar e. é dependente tanto da validade como da eficácia.
Araripe; AGUIAR JUNIOR, Carlos Augusto M. de. O
Caráter Anti-ideológico da Teoria Pura do Direito. Letra c.
Sequência (Florianópolis), Florianópolis, n. 72, p. O problema se uma norma é justa ou não é um
169-192, Apr. 2016. aspecto do contraste entre o mundo ideal e mundo
a. Certo. O termo ideologia tem origem no final real, entre o que deve ser e o que é: norma justa
do século XVIII, elaborado por filósofos franceses é aquela que deve ser, norma injusta é aquela que
(Destutt de Tracy, Canabis, dentre outros) conhecidos não deveria ser. Pensar sobre o problema da justiça
como "ideólogos". Desse modo, ideologia significava ou não de uma norma equivale a pensar sobre o
o estudo da origem e formação da ideia. problema da correspondência entre o que é real e
b. Errado. Auguste Comte, em uma visão positivista, o que é ideal. Por isso, o problema da justiça se
também se referiu à ideologia, reiterando a ideia denomina comumente de problema deontológico
original de Destutt de Tracy, mas acrescentando-lhe do direito (BOBBIO, Norberto. Teoria da Norma
um segundo significado, um sentido mais amplo, Jurídica. Edipro, 5ª Edição 2014, p. 48).
em que a ideologia passou a significar um conjunto
de ideias, princípios e valores que refletem uma
93. Na obra Ciência e política: duas vocações, Max
determinada visão de mundo, orientando uma forma
Weber define o Estado contemporâneo como uma co-
de ação, sobretudo uma prática política (CHAUÍ,
munidade humana que, dentro dos limites de um terri-
2004).
tório, reivindica
c. Certo. Contudo, "ideologia" é um termo
a. o monopólio do uso legítimo da violência simbó-
amplamente utilizado, sobretudo por influência do
lica.
pensamento de Karl Marx, significando o processo
b. uma parcela do uso legítimo da violência simbó-
de racionalização – um autêntico mecanismo de
lica.
defesa – dos interesses de uma classe ou grupo
c. o monopólio da capacidade de exprimir o que é
dominante. (…)
justo por natureza.
d. Certo. Uma das principais consequências do
d. uma parcela do uso legítimo da violência física.
positivismo jurídico foi elaborar a ideia de que
e. o monopólio do uso legítimo da violência física.
a ciência jurídica deve ser neutra, isenta de
construções ideológicas. O paradigma moderno
da cientificidade tentou opor o senso comum da Letra e.

66 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

Max Weber (1864-1920) afirma que “devemos de proteção do consumidor" (MARQUES, Claudia
conceber o Estado contemporâneo como uma Lima; Miragem, Bruno. Novo Código de Processo
comunidade humana que, dentro dos limites de Civil e o diálogo das fontes para a proteção do
determinado território […], reivindica o monopólio do consumidor. In: Marques, Claudia Lima. Diálogos
uso legítimo da violência física” (Weber, Ciência e entre o direito do consumidor e o novo CPC. Claudia
Política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 2006, Lima Marques, Luis Alberto Reichelt. São Paulo:
p. 56). Revista dos Tribunais, 2017).
b. Certo. “É claro que nos países onde a Constituição
94. De acordo com a professora Claudia Lima Mar- já estabelece explicitamente qual é a hierarquia que
ques, o método do diálogo das fontes, criado por Erik deverão ter os tratados dentro dos ordenamentos
Jayme, em seu curso de Haia de 1995, tem sua base jurídicos, por exemplo, a Argentina, não há espaço
no fenômeno comum das sociedades de consumo, para a aplicação dessa teoria [do diálogo das
fontes]. Isso ocorre porque a estrutura do sistema
na pós-modernidade, do crescente pluralismo de leis,
foi desenhada a priori, não deixando ao Judiciário
gerais e especiais, para enfrentar a complexidade dos
uma ampla margem de decisão. Assim, os juízes,
casos de nossa vida atual e, como fim, restabelecer a
nesses países, deverão seguir a ordem explícita
coerência e a unidade de valores e finalidades (cons-
que os constituintes estabeleceram na Constituição,
titucionalmente sinalizados) do ordenamento jurídico. ou seja: os tratados têm hierarquia supralegal"
Sobre o tema, é INCORRETO afirmar: (MAFFEI, Brenda Luciana. Fontes internacionais
a. O STF e o STJ admitem a teoria do diálogo das no direito contratual brasileiro na era da desordem:
fontes. uma possível solução dos conflitos pelo diálogo
b. Diante da força da doutrina do transconstituciona- das fontes? In: Diálogo das fontes: Do conflito
lismo, a respeito do diálogo das fontes, a teoria à coordenação de normas do direito brasileiro.
vem sendo utilizada, de forma generalizada, em Coordenação: Cláudia Lima Marques. São Paulo:
vários países. Editora Revista dos Tribunais, 2012)
c. Superando a ideia de conflito entre normas, esta c. Certo. Superando a ideia de conflito entre
teoria de Erik Jayme traz à luz a ideia de unidade normas, esta teoria de Erik Jayme traz à luz a
do ordenamento e restauração da coerência entre ideia de unidade do ordenamento e restauração da
as várias normas e microssistemas, especiais e coerência entre as várias normas e microssistemas,
gerais, ao mesmo tempo, se observados os seus especiais e gerais, ao mesmo tempo, se observados
campos de aplicação material e subjetivos. os seus campos de aplicação material e subjetivos.
d. O Código de Processo Civil aplica-se nas ações Assim, por exemplo, o novo Código de Processo
de consumo, mas tem apenas uma única menção Civil é lei geral em matéria de processo, enquanto
ao consumidor, que está no capítulo sobre os limi- o Código de Defesa do Consumidor é lei especial
tes da jurisdição nacional e competência da auto- subjetivamente em relação às relações de consumo,
ridade judiciária brasileira. mas para a efetiva defesa do consumidor, seja no
e. Na “ordenação” do transporte aéreo internacional, que pertine o acesso à justiça (individual e coletivo),
o STF, promovendo o denominado diálogo das quanto à facilitação de sua defesa, as duas fontes
fontes, dá prevalência ao CDC em detrimento às devem atuar conjuntamente, sob o mandamento
normas de convenções internacionais sobre trans- constitucional de acesso à justiça (Art 5º da CF/1988)
porte aéreo. e defesa do consumidor (art. 5º, XXXII, da CF/1988).
d. Certo. O Diálogo entre o Código de Defesa do
Letra e. Consumidor (CDC) e o novo Código de Processo
a. Certo. "(...)foi o Supremo Tribunal Federal, na Civil é o nosso tema. O NCPC aplica-se nas ações
famosa ADIN dos Bancos, ADIN 2591, o primeiro de consumo, mas tem apenas uma única menção
tribunal superior a aceitar o diálogo das fontes, ao consumidor, que está no capítulo sobre os limites
em 2006. A expressão “diálogo das fontes”, aceita da jurisdição nacional e competência da autoridade
também pelo Superior Tribunal de Justiça (REsp judiciária brasileira. No art. 22 do NCPC, há regra
1037759/RJ), é hoje utilizada fortemente pelos expressa sobre a competência (internacional) do
Tribunais superiores, estaduais e nos Juizados juiz brasileiro para casos envolvendo consumidor
Especiais para indicar a aplicação simultânea do domiciliado ou residente no Brasil, seja ele réu
CDC com mais de uma lei geral ou especial, de forma ou autor. Supera-se assim qualquer dúvida sobre
ordenada e coerente com o valor constitucional

67 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

a aplicação do art. 101 do CDC para casos de jurisprudência. Outros conceitos fundamentais são
consumo internacional. Trata-se de saudável e feliz os de sanção, delito, dever jurídico, direito jurídico,
novidade. pessoa jurídica e ordem jurídica (p. 71).
e. Errado. "2. Extravio de bagagem. Dano material.  
Limitação. Antinomia. Convenção de Varsóvia. 96. Émile Durkheim, na obra "da divisão do trabalho
Código de Defesa do Consumidor. 3. Julgamento de social" insiste, várias vezes ao longo do livro, sobre
mérito. É aplicável o limite indenizatório estabelecido o estado em que se encontrava a vida econômica da
na Convenção de Varsóvia e demais acordos época. Durkheim se refere:
internacionais subscritos pelo Brasil, em relação a. direito ideológico gerador de conflitos sociais.
às condenações por dano material decorrente de b. ao desemprego vigente e embates de classe.
extravio de bagagem, em voos internacionais. 5. c. ao estado de anomia jurídica e moral causado
Repercussão geral. Tema 210. Fixação da tese: "Nos pela divisão do trabalho.
termos do art. 178 da Constituição da República, d. ao regime corporativo capaz de conter os egoís-
as normas e os tratados internacionais limitadores mos individuais.
da responsabilidade das transportadoras aéreas e. ao estado de anomia jurídica e moral.
de passageiros, especialmente as Convenções de
Varsóvia e Montreal, têm prevalência em relação
Letra e.
ao Código de Defesa do Consumidor". 6. Caso
Insistimos várias vezes, ao longo deste livro, sobre
concreto. Acórdão que aplicou o Código de Defesa
o estado de anomia jurídica e moral em que se
do Consumidor. Indenização superior ao limite
encontra atualmente a vida econômica (p. VI)
previsto no art. 22 da Convenção de Varsóvia, com as
É a esse estado de anomia que devem ser atribuídos,
modificações efetuadas pelos acordos internacionais
como mostraremos, os conflitos incessantemente
posteriores. Decisão recorrida reformada, para
renascentes e as desordens de todo tipo de que o
reduzir o valor da condenação por danos materiais,
mundo econômico nos dá o triste espetáculo (p. VII).
limitando-o ao patamar estabelecido na legislação
No corpo desta obra, dedicamo-nos sobretudo a
internacional" (RE 636331, Relator: Min. GILMAR
mostrar que a divisão do trabalho não poderia ser
MENDES, Tribunal Pleno, julgado em 25/05/2017,
responsabilizada por essa situação, como foi, por
PROCESSO ELETRÔNICO REPERCUSSÃO
vezes, injustamente acusada; que ela não produz
GERAL – MÉRITO DJe-257 DIVULG 10-11-2017
necessariamente a dispersão e a incoerência, mas
PUBLIC 13-11-2017).
que as funções, quando estão suficientemente em
contato umas com as outras, tendem por si mesmas
95. Para Kelsen, o conceito central da ciência jurídica a se equilibrar e a se ajustar (p. IX).
é o de “regra jurídica”. Ele considera dois aspectos: a
regra jurídica como norma criada pela autoridade jurí- 97. José Eduardo Faria, em suas teorias sobre a rela-
dica para regular a conduta humana e como instrumen- ção entre o direito e a globalização econômica, apre-
to usado pela ciência jurídica para descrever o Direito senta algumas tendências representando as novas for-
positivo. Outro(s) conceito(s) fundamental(is) é(são) mas e funções do direito. A esse respeito, analise as
o(s) de: afirmativas abaixo e assinale a que NÃO representa o
a. direitos civis e políticos. pensamento do autor:
b. o sistema estático e o sistema dinâmico de nor- a. reafirmação dos contratos como a forma jurídica
mas. mais adequada à transmissão da propriedade.
c. sanção, delito, dever jurídico, direito jurídico, pes- b. hegemonia inglesa e americana no sistema finan-
soa jurídica e ordem jurídica. ceiro da economia globalizada.
d. norma fundamental de uma ordem jurídica. c. excesso de formalismo dos tribunais e excessiva
e. validade e eficácia. burocratização dos mecanismos processuais.
  d. redução do grau de imperatividade do direito po-
Letra c. sitivo.
O conceito de regra jurídica em seus dois e. formalização nos tradicionais procedimentos de
aspectos – a regra jurídica como norma criada pela elaboração legislativa, especialmente nas ques-
autoridade jurídica para regular a conduta humana tões mais técnicas de caráter interdisciplinar.
e como instrumento usado pela ciência jurídica para
descrever o Direito positivo – é o conceito central da Letra e.

68 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

a. Certo. A quinta tendência é de alargamento público-privadas e auto-responsabilização; pela


do alcance das normas de livre contratação ou ênfase à regulação negociada; pela renúncia a
de expansão dos campos de ‘contratualização’. qualquer "função promocional" ou "dirigente";
vistos como espaços de liberdade juridicamente pela ênfase antes à eficácia da negociação das
reconhecida para a criação de direitos subjetivos deliberações dela decorrentes do que à legitimidade
pelos próprios agentes econômicos. Em outras de princípio (pp. 73-74).
palavras, trata-se da reafirmação dos contratos e. Errado. A primeira tendência é de alargamento e
como a forma jurídica mais adequada à transmissão desformalização nos tradicionais procedimentos de
da propriedade, à funcionalização das relações elaboração legislativa, especialmente nas questões
de compra e venda e à previsibilidade, enquanto mais técnicas de caráter interdisciplinar e situadas
condição básica para o cálculo racional (p. 86). nas fronteiras do conhecimento, ou seja, de abertura
b. Certo. A quarta tendência também está de espaço para que setores interessados possam
relacionada com a hegemonia inglesa e americana intervir na elaboração de decisões normativas
no sistema financeiro da economia globalizada. O que lhes dizem respeito. Quanto maiores são a
capital financeiro global, como é sabido, opera a complexidade e os riscos das matérias a serem
partir de Londres e Nova York – as maiores cidades convertidas em leis, menos as instituições políticas
dos dois países de língua inglesa com longa história formalmente encarregadas de concebê-las sob a
de bolsas de valores e instituições bancárias. forma de projetos, de votá-las e de sancioná-las
Elas se constituem, hoje, nos centros financeiros manifestam-se dispostas a assumir, no exercício de
internacionais dominantes no mundo inteiro, suas prerrogativas funcionais, a responsabilidade
impondo sua lógica e disciplina a todo o mercado exclusiva por elas (p. 71).
(p. 80). 
c. Certo. A terceira tendência está relacionada ao 98. Ronald Dworkin, ao tratar dos denominados hard
excesso de formalismo dos tribunais e à excessiva cases e desafios à aplicação do Direito, apresenta os
burocratização dos mecanismos processuais. argumentos de princípio e argumentos de política. So-
Trata-se da reformulação paradigmática do direito bre esse tema, analise as seguintes alternativas:
processual civil e penal, com a simplificação I – A aplicação de um princípio a um caso concre-
dos procedimentos de citação e das provas to, especialmente em hard cases, demanda do
periciais, a abolição de parte das formalidades julgador o uso não de critérios fixos (estes que
nos procedimentos especiais, o enxugamento do são inexistentes), mas um balanceamento, em
procedimento ordinário, a redução drástica do que se ressalta a ideia de "peso" de um prin-
número de recursos judiciais, a desburocratização cípio.
dos agravos, a ênfase ao princípio da oralidade, II – Não há nada no pensamento de Dworkin que
a agilização do trâmite de processos em que já autorize a identificar qualquer tipo de hierar-
existe jurisprudência estabelecida, conversão dos quia entre os próprios princípios.
tribunais inferiores em instâncias terminativas para III – Os princípios conferem liberdade ao juiz, o
determinados tipos de conflitos, a valorização da que faria de cada sentenciador, nos casos
jurisprudência por meio da adoção de súmulas concretos, alguém livre para iniciar uma nova
vinculantes, a conversão da última instância judicial proposta normativa, em atitude semelhante à
em corte exclusivamente constitucional etc. (p. 76). liberdade criadora do legislador.
d. Certo. A segunda tendência é a de uma progressiva IV – Dworkin, a partir de uma analogia com a ideia
redução do grau de imperatividade do direito positivo. de escritura de um romance compartilhada
Com os programas de flexibilização", deslegalização entre vários autores não acredita que os juí-
e desconstitucionalização, por um lado, e com a zes, mesmo em casos difíceis (hard cases),
superposição de novas esferas de poder, por outro, estejam autorizados a criar direito novo, na
muitas de suas normas já não mais se destacam medida em que ao agirem, o fazem de acordo
por seu enforcement, ou seja, por sua capacidade com uma tradição, pois tomam o romance já
de atuar como um comando incontrastado. Ao pré-escrito, em parte, com a tarefa de dar-lhe
contrário, elas se caracterizam, justamente, por seu continuidade ou dar acabamento definitivo.
baixo grau de coercibilidade; pela abdicação das
Assinale a alternativa Certa.
soluções heterônomas; por práticas mais flexíveis de
a. Apenas as assertivas I e II estão corretas.
enquadramento de comportamentos; pelo estímulo
b. Apenas as assertivas III e IV estão corretas.
aos mecanismos de gestão delegada, parcerias

69 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

c. Apenas a assertiva I está certa. IV – O fato de o Direito ser uma ordem da condu-
d. Apenas as assertivas I, II e IV estão corretas. ta humana não significa que a ordem jurídica
e. Todas as assertivas estão corretas. diga respeito apenas à conduta humana, que
nada além da conduta humana faça parte do
Letra d. conteúdo das regras jurídicas.
I – Certa. A aplicação de um princípio a um caso Assinale a alternativa correta a respeito do pensa-
concreto, especialmente em hard cases, demanda mento de Hans Kelsen:
do julgador o uso não de critérios fixos (estes que são a. apenas a III.
inexistentes), mas um balanceamento, em que se b. apenas a I e a III.
ressalta a ideia de "peso" de um princípio (BITTAR, c. todas são verdadeiras.
Eduardo Carlos Bianca; ALMEIDA, Guilherme Assis d. apenas a I, II e IV.
de. Curso de filosofia do direito. São Paulo: Atlas, e. todas são falsas.
2019, p. 534).
II – Certa. Não somente inexistem estes critérios fixos Letra d.
que consintam a formulação de uma racionalidade I – Certa. O Direito é uma ordem da conduta humana.
abstrata sobre os princípios, como também não Uma "ordem" é um sistema de regras (p. 5).
há nada no pensamento de Dworkin que autorize II – Certa. O Direito não é, como às vezes se diz,
a identificar qualquer tipo de hierarquia entre os uma regra. É um conjunto de regras que possui o
próprios princípios (BITTAR, Eduardo Carlos Bianca; tipo de unidade que entendemos por sistema (p. 5).
ALMEIDA, Guilherme Assis de. Curso de filosofia do III – Errada. É impossível conhecermos a natureza
direito. São Paulo: Atlas, 2019, p. 534). do Direito se restringirmos nossa atenção a uma
III – Errada. (...)os princípios não querem dizer regra isolada (p. 5).
livre opção de julgar pelo juiz, o que faria de cada IV – Certa. O fato de o Direito ser uma ordem da
sentenciador, nos casos concretos, alguém livre conduta humana não significa que a ordem jurídica
para iniciar uma nova proposta normativa, em atitude diga respeito apenas à conduta humana, que nada
semelhante à liberdade criadora do legislador" além da conduta humana faça parte do conteúdo
(BITTAR, Eduardo Carlos Bianca; ALMEIDA, das regras jurídicas (p. 5).
Guilherme Assis de. Curso de filosofia do direito.
São Paulo: Atlas, 2019, p. 534). 100.  Assinale a alternativa verdadeira:
IV – Certa. Dworkin, a partir de uma analogia com a. Em Hans Kelsen, para se conhecer a natureza do
a ideia de escritura de um romance compartilhada Direito, deve-se restringir a atenção de forma ob-
entre vários autores não acredita que os juízes, jetiva e sem influências ideológicas às regras iso-
mesmo em casos difíceis (hard cases), estejam ladas do sistema.
autorizados a criar, e simplesmente criar, direito b. Na visão kelseniana de política, o problema do Di-
novo, na medida em que ao agirem, o fazem de reito seria um problema de técnica social, e não
acordo com uma tradição, pois tomam o romance um problema de moral.
já pré-escrito, em parte, com a tarefa de dar-lhe c. Kelsen destaca que a filosofia do Direito elabora
continuidade ou dar acabamento definitivo (BITTAR, um conceito de Direito de modo a corresponder a
Eduardo Carlos Bianca; ALMEIDA, Guilherme Assis um ideal específico de justiça.
de. Curso de filosofia do direito. São Paulo: Atlas, d. Kelsen destaca que, a despeito da “justiça” estar
2019, p. 535). fora do seu campo de análise, a filosofia do direito
tenta estudar o tema a partir de uma ideia racional
99. Analise as seguintes afirmações sobre o conceito e sujeita à cognição objetiva.
de Direito em Hans Kelsen: e. Para Kelsen, o Direito é um fim, um fim social es-
I – O Direito é uma ordem da conduta humana. pecífico, e não um meio.
Uma "ordem" é um sistema de regras;
II – O Direito não é, como às vezes se diz, uma Letra c.
regra. É um conjunto de regras que possui o a. Errado. O Direito é uma ordem da conduta
tipo de unidade que entendemos por sistema; humana. Uma "ordem" é um sistema de regras. O
III – É possível conhecer a natureza do Direito se Direito não é, como às vezes se diz, uma regra. É um
restringirmos a atenção a uma regra isolada; conjunto de regras que possui o tipo de unidade que

70 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO DE CARREIRAS JURÍDICAS
Defensoria Pública

entendemos por sistema. É impossível conhecermos


a natureza do Direito se restringirmos nossa atenção
a uma regra isolada.
b. Errado. O problema do Direito, na condição de
problema científico, é um problema de técnica social,
não um problema de moral (p. 8)
c. Certo. (...)o conceito acima mencionado – o qual
de fato se encontra em obras recentes de filosofia
do Direito – também mostra como um viés político
pode influenciar a definição de Direito. O conceito
de Direito, neste caso, é elaborado de modo a
corresponder a um ideal específico de justiça, isto é,
o da democracia e do liberalismo (p. 8)
d. Errado. A justiça é uma ideia irracional. Por mais
indispensável que seja para a volição e a ação dos
homens, não está sujeita à cognição (p. 19).
e. Errado. Ao mesmo tempo em que reconhecemos
o Direito como uma técnica social específica de
uma ordem coercitiva, podemos colocá-lo em nítido
contraste com outras ordens sociais que perseguem,
em parte, os mesmos propósitos que o Direito, mas
através de métodos bem diversos. Além disso, o
Direito é um meio, um meio social específico, e não
um fim (p. 28).

71 www.grancursosonline.com.br