Você está na página 1de 11

.,.

1 OLin·n1l;1l)111·
tl 33
.}..:...
--· . ----- ---·-·-·------------· -- · ·-··------ }.'
,, J

Desperlo de duas horas de rnau sono- sern- 1 Tentam $..Onsp~~car-me e ouve-se pelos cantos
prL' :t ver-le, sempre a suplicar e, sempre, coma 1 das. ruas, nos coios da gente de alma canalha, a
11111a Slllllbra, a Iugires a minha retina, a minha .: aria da calunia. Estou perdido no teu conceito -
.
ausrosa '-"VOC<lc.·ao. '._1 ouviste a aria.
Oue dizia cu ontern ? Que anelara
por uma ~ Nao zurzi hoje o *** porque e um velho e tal-
vida que tnda a gente poder ter. Que me sentia t _vez seja doido. Mas reconstruo a scena corno eu
1\llll· l 0 :;O,
. , scm lar sern afectos e ideaiizara um
L '
;.' a suponho : Eu mostrei-te o bilhete. Riste enleiada
- <':

It attu: pCLl"ndoI para e\e a Bencao cle Deus. Tam


L •
le disseste : «Deus me livre» -estribilho muito teu.
,,
-;·:
\.

ualural, tam humano este deseio, .este sonho. :i Depois ouviste talvez alguern dizer muito mal de ff
Oue ? 2- Pois toda a gente pode ter essa parcela ~ mirn - esse apontoado de rniserias e asneiras que ~i'.
de ~ienlura na terra, s6 eu SOLi 0 proscrito banido ·:; de rnim dizern. E esses cantos ter-te hiam feito de- ··~i
da cslera oudc esse desejo e possivel e se realiza? ~.sistir_ de. ir a casa da *** porque sabias que eu .la i~
jusl os Ceus- para um tam honesto deseiar, 0 k
,.
,j
dcse11~adear· furioso de urna -tempes t a d e que nao
-
-~ iria, para te ver apenas, porque a minha alma s6
Il.! em ti pensa.

. if. 1
,.4
r.: .unaiua. Basta, meu Deus! Se e em desconto dos -~ No domingo nao resporrdeste, nern ao menos I
~~-'
mcus pecados sinto que penei dernais, porque, ~ por delicadeza, ao bilhete qu~mandei ~ _tia pergun- l!
t'· 1 -1 a-o ' causa
ncrccu do ·rneu tormento-nunca :: t d o ·pel a t ua_sau'de . A' saida
fiz -~an da rnissa evitaste
c ' L<

nd ,; ningw~m, nao tenho no meu balance crimes ~ate dar os bons dias que nada custam .. Na Polana
• v L<-

·I
on inju~ias. ~ Iugiste de mim, ao jantar foste de uma mudez de i I
Toda via, hoje, ap6s urua grande excitacao ner- l estatua, Mas, sempre n~ulher no fim de contas, · ;ij
vosa, sin lo-me um tanto ·acalrnado. t E lassidao l
percebendo que me torturavas, uzaste de um novo -H
de nerves ou passivi~<:~de conformada -~()S _d_e_?_f_:- {instrumento desuplicio.' Caiifaste-pefa prirneira ve~! '~I
i~11ios da Fatali~i~-ci~·? Tudo e nada ou tudo [unto. h
eu baboso julgava que na tua alma havia urna -l~
l~1

Co111ecei a perceber que .em roda do rneu nome ~imagem para· quem erguias a melodia da tua voz.
., a en tenebrcce-lo esta uma rodela de lama. _~Como depois castigaste· a min ha vaidade ! ... ~1J:'!~:·- -~ ~
Jz.j;i .. -.-
,j
I
11
1 ,r7-/~
~/
- '-:, .. ~1 ..

.. 4
I
! - -~ •'
~- . . ,.1_•;:._1.lC~ ;~
I
I 1 )
··\.
"\";\
~ .
;~
\\.. ··;i
••
·1~·,,
11
. f \~ ~
.. '.it .:~-- ~~~. "'\,~~- ... a 1 .t\ ·ri ti