Você está na página 1de 13

1. ENSINAVA A PRIMITIVA IGREJA QUE DEUS É UMA TRINDADE - PARTE 3?

Sumário
Ensinava a Primitiva Igreja Que Deus É Uma Trindade - parte 3?..................1

1. Ensinavam os apologistas a doutrina da Trindade?..............................1

2. “O Filho É Subordinado”........................................................................2

3. Reflexo do Ensino do Primeiro Século..................................................4

4. O Que Justino, o Mártir, Ensinava.........................................................5

5. O Que Clemente Ensinava....................................................................7

6. A Teologia de Tertuliano........................................................................8

7. Não Há Trindade..................................................................................10

8. Referências:.........................................................................................11

1. Ensinavam os apologistas a doutrina da Trindade?


Os artigos anteriores mostraram que a doutrina da Trindade não foi ensinada
por Jesus e seus discípulos, nem pelos Pais Apostólicos no fim do primeiro século e
princípio do segundo século EC. Será que os eclesiásticos, mais adiante no segundo
século, a ensinavam?

DE APROXIMADAMENTE meados até o fim do segundo século da Era


Comum, surgiram eclesiásticos que são hoje conhecidos por apologistas.
Escreveram para defender o cristianismo, que eles conheciam, das filosofias hostis
prevalecentes no mundo romano daquela época. Sua obra apareceu perto do fim, e
depois, do período dos escritos dos Pais Apostólicos.

Justino, o Mártir, Taciano, Atenágoras, Teófilo e Clemente, de Alexandria,


estavam entre os apologistas que escreveram em grego. Tertuliano foi um
apologista que escreveu em latim. Será que ensinavam a Trindade da cristandade
de hoje — três pessoas co-iguais (Pai, Filho e Espírito Santo) numa Divindade, cada
pessoa um Deus verdadeiro, sem que haja, contudo, três Deuses, mas apenas um
Deus?

2. “O Filho É Subordinado”

O Dr. H. R. Boer, em sua obra A Short History of the Early Church (Breve
História da Primitiva Igreja), comenta o objetivo principal do ensino dos apologistas:

Justino [o Mártir] ensinou que antes da criação do mundo Deus


estava sozinho e não existia nenhum Filho. (...) Quando Deus
desejou criar o mundo, (...) gerou outro ser divino para criar o mundo
para ele. Esse ser divino foi chamado (...) Filho, porque nasceu; foi
chamado Logos, porque foi tomado da Razão ou Mente de Deus.

Justino e os outros apologistas, portanto, ensinavam que o Filho é


uma criatura. Ele é uma criatura elevada, uma criatura
suficientemente poderosa para criar o mundo, mas, não obstante,
uma criatura. Na teologia, esta relação do Filho com o Pai se chama
subordinacionismo. O Filho é subordinado, isto é, secundário ao Pai,
dependente dele e causado por ele. Os apologistas eram
subordinacionistas. [1]

A respeito do entendimento mais antigo sobre a relação do Filho com Deus, o


Dr. Martin Werner, em sua obra The Formation of Christian Dogma (A Formação do
Dogma Cristão), diz o seguinte:
Essa relação foi entendida inequivocamente como de ‘subordinação’,
i.e., no sentido de subordinação de Cristo a Deus. Toda vez que no
Novo Testamento se considera a relação de Jesus com Deus, o Pai,
(...) ela é imaginada e representada categoricamente como
subordinação. E o mais decisivo subordinacionista do Novo
Testamento, segundo o relato sinóptico, foi o próprio Jesus. (...) Essa
posição original, firme e manifesta como era, pôde ser mantida por
muito tempo. ‘Todos os grandes teólogos pré-Nicéia representaram a
subordinação do Logos a Deus.’ [2]

Concordando com isso, R. P. C. Hanson, na obra The Search for the Christian
Doctrine of God (A Busca da Doutrina Cristã Sobre Deus), declara: “Não há teólogo
na Igreja Oriental ou Ocidental antes da erupção [no quarto século] da Controvérsia
Ariana que de algum modo não considere o Filho subordinado ao Pai.” [3]

O Dr. Alvan Lamson, em The Church of the First Three Centuries (A Igreja
dos Primeiros Três Séculos), acrescenta este testemunho a respeito do ensino das
autoridades eclesiásticas antes do Concílio de Nicéia (325 EC):

A inferioridade do Filho foi geralmente, se não de modo uniforme,


afirmada pelos Pais Pré-Nicéia (...) Que eles consideravam o Filho
distinto do Pai é evidente do fato de que afirmavam claramente a
inferioridade dele. (...) Eles o consideravam separado e subordinado.
[4]

Da mesma forma, no livro Gods and the One God (Deuses e o Único Deus),
Robert M. Grant diz o seguinte sobre os apologistas:

A cristologia das apologias, como a do Novo Testamento, é


essencialmente subordinacionista. O Filho é sempre subordinado ao
Pai, que é o único Deus do Velho Testamento. (...) O que
encontramos nesses autores antigos, pois, não é uma doutrina da
Trindade. (...) Antes de Nicéia, a teologia cristã era quase
universalmente subordinacionista. [5]

A Trindade da cristandade ensina que o Filho é igual a Deus, o Pai, em


eternidade, poder, posição e sabedoria. Mas os apologistas diziam que o Filho não
era igual a Deus, o Pai. Eles consideravam o Filho subordinado. Este não é o ensino
da Trindade.
3. Reflexo do Ensino do Primeiro Século

Os apologistas e outros antigos Pais da Igreja refletiam em grande medida o


que os cristãos do primeiro século ensinavam sobre a relação entre o Pai e o Filho.
Note como isto é expresso no livro The Formation of Christian Dogma:

Na primitiva era cristã, não havia nenhum sinal de espécie alguma de


problema ou controvérsia trinitária, como a que mais tarde produziu
violentos conflitos na Igreja. A razão disso sem dúvida está em que,
para o cristianismo primitivo, Cristo era . . . um ser do elevado mundo
celestial de anjos, que foi criado e escolhido por Deus para a tarefa
de trazer, no fim das eras, . . . o Reino de Deus. [6]

Além disso, a respeito do ensino dos primitivos Pais da Igreja, The


International Standard Bible Encyclopedia (Enciclopédia Internacional da Bíblia
Padrão) admite:

No pensamento mais antigo da Igreja, a tendência, ao se falar sobre


Deus, o Pai, é entender que Ele é primeiro, não como o Pai de Jesus
Cristo, mas como a origem de todo ser. Assim, Deus, o Pai, é como
que Deus por excelência. A Ele pertencem descrições tais como sem
origem, imortal, imutável, inefável, invisível e incriado. Foi Ele quem
fez todas as coisas, incluindo a própria matéria da criação, a partir do
nada.

Isto pode parecer sugerir que o Pai é o único devidamente Deus, e


que o Filho e o Espírito o são apenas secundariamente. Muitas
afirmações antigas parecem apoiar isto. [7]

Embora esta enciclopédia passe a desacreditar essas verdades e a afirmar


que a doutrina da Trindade era aceita naquela época antiga, os fatos negam essa
afirmação. Considere as palavras do Cardeal John Henry Newman, famoso teólogo
católico:

Admitamos que todo o círculo de doutrinas, das quais nosso Senhor


é o tema, foi coerente e uniformemente confessado pela Primitiva
Igreja. (...) Mas certamente é diferente com a doutrina católica da
Trindade. Não vejo em que sentido se pode dizer que há um
consenso das primitivas [autoridades eclesiásticas] em seu favor (...)

Os Credos daquela época primeva não fazem menção (...) da


[Trindade] de forma alguma. Fazem menção, sim, de um Três; mas
quanto a existir algum mistério na doutrina, que os Três são Um, que
Eles são co-iguais, co-eternos, todos incriados, todos onipotentes,
todos incompreensíveis, não está declarado e jamais se poderia
deduzir deles. [8]

4. O Que Justino, o Mártir, Ensinava

Um dos mais antigos apologistas foi Justino, o Mártir, que viveu de cerca de
110 a 165 EC. Nenhum de seus escritos existentes menciona três pessoas co-iguais
em um só Deus.

Por exemplo, segundo A Bíblia de Jerusalém, uma versão católica, Provérbios


8:22-30 diz a respeito do pré-humano Jesus: “Iahweh me criou, primícias de sua
obra, de seus feitos mais antigos. (...) Quando os abismos não existiam, eu fui
gerada . . . Antes das colinas, eu fui gerada . . . Eu estava junto com ele [Deus]
como mestre-de-obras.” Considerando estes versículos, Justino diz no seu Diálogo
com Trífon: “A Escritura declara que essa Prole foi gerada pelo Pai antes de serem
criadas todas as outras coisas; e que aquilo que é gerado é numericamente distinto
daquele que gera, isso qualquer pessoa admitirá.” [9]

Visto que o Filho nasceu de Deus, Justino usa, de fato, a expressão “Deus”
com relação ao Filho. Ele declara na sua Primeira Apologia: “O Pai do universo tem
um Filho; que, também, sendo o primogênito Verbo de Deus, é Deus mesmo.” [10] A
Bíblia também se refere ao Filho de Deus pelo título de “Deus”. Em Isaías 9:6, ele é
chamado “Deus Poderoso”. Mas, na Bíblia, anjos, humanos, deuses falsos e
Satanás também são chamados “deuses”. (Anjos: Salmo 8:5; compare com Hebreus
2:6, 7. Humanos: Salmo 82:6. Deuses falsos: Êxodo 12:12; 1 Coríntios 8:5. Satanás:
2 Coríntios 4:4.) Nas Escrituras Hebraicas, a palavra para “Deus”, ʼEl, simplesmente
significa “Poderoso” ou “Forte”. Nas Escrituras Gregas, o equivalente é the·ós.
Além disso, o termo hebraico usado em Isaías 9:6 mostra uma distinção
definida entre o Filho e Deus. Ali, o Filho é chamado “Deus Poderoso”, ʼEl Gib·bóhr,
não “Deus Todo-Poderoso”. Esse termo em hebraico é ʼEl Shad·daí, e aplica-se
unicamente a Jeová Deus.

Note, porém, que, ao passo que Justino chama de “Deus” ao Filho, nunca diz
que o Filho seja um de três pessoas iguais, sendo cada um deles Deus, mas
formando os três apenas um Deus. Em vez disso, ele diz em seu Diálogo com
Trífon:

Há (...) outro Deus e Senhor [o pré-humano Jesus] sujeito ao Criador


de todas as coisas [Deus Todo-Poderoso]; que [o Filho] é chamado
também de Anjo, porque Ele [o Filho] anuncia aos homens o que
quer que o Criador de todas as coisas — acima de quem não há
outro Deus — deseja que lhes anuncie.

[O Filho] é distinto Daquele que fez todas as coisas, —


numericamente, quero dizer, não [distinto] na vontade. [11]

Há uma passagem interessante na Primeira Apologia de Justino, no capítulo


6, em que ele faz uma defesa contra a acusação da parte dos pagãos de que os
cristãos são ateístas. Ele escreve: “Tanto Ele [Deus] como o Filho (que se originou
Dele e nos ensinou estas coisas, e a hoste de outros anjos bons que o seguem e
são feitos semelhantes a Ele), e o Espírito profético, veneramos e adoramos.” [12]

Um tradutor desta passagem, Bernhard Lohse, comenta: “Como se não


bastasse que nesta enumeração os anjos sejam mencionados como seres honrados
e adorados por cristãos, Justino não hesita em citar anjos antes de mencionar o
Espírito Santo”. [13] — Veja também An Essay on the Development of Christian
Doctrine (Ensaio Sobre o Desenvolvimento da Doutrina Cristã). [14]

Assim, ao passo que Justino, o Mártir, parece ter-se desviado da doutrina


pura da Bíblia na questão sobre quem deve ser objeto de adoração por parte do
cristão, ele claramente não considerava o Filho igual ao Pai, assim como os anjos
não eram considerados iguais a Ele. A respeito de Justino, citamos de novo da obra
de Lamson, The Church of First Three Centuries:
“Justino considerava o Filho distinto de Deus, e inferior a ele: distinto,
não no sentido moderno, como se formasse uma das três hipóstases,
ou pessoas, (...) mas distinto na essência e na natureza; com
subsistência real, substancial, distinta de Deus, de quem ele derivou
todos os seus poderes e títulos; constituído debaixo dele, e sujeito à
vontade dele em todas as coisas. O Pai é supremo; o Filho é
subordinado: o Pai é a fonte do poder; o Filho, o recipiente: o Pai
origina; o Filho, como seu ministro ou instrumento, executa. Eles são
dois em número, mas concordam, ou são um, na vontade; a vontade
do Pai sempre prevalece sobre a do Filho.” [15]

Além disso, em parte alguma diz Justino que o espírito santo seja uma
pessoa igual ao Pai e ao Filho. Portanto, em nenhum sentido se pode dizer
honestamente que Justino ensinava a Trindade da atual cristandade.

5. O Que Clemente Ensinava

Clemente, de Alexandria, (c. 150 a 215 EC) também chama o Filho de “Deus”.
Ele até mesmo o chama de “Criador”, um termo nunca usado na Bíblia com
referência a Jesus. Queria ele dizer que o Filho era igual em todos os sentidos ao
todo-poderoso Criador? Não. Clemente referia-se evidentemente a João 1:3, onde
diz a respeito do Filho: “Todas as coisas vieram à existência por intermédio dele.”
[16] Deus usou o Filho como agente nas Suas obras criativas. — Colossenses 1:15-
17.

Clemente chama o Supremo Deus de “o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus”,


[17] e diz que “o Senhor é o Filho do Criador”. [18] Ele diz também: “O Deus de
todos é apenas um Criador bom e justo, e o Filho [está] no Pai.” [19] Portanto, ele
escreveu que o Filho tem um Deus acima dele.

Clemente fala a respeito de Deus como o “primeiro e único provedor da vida


eterna, que o Filho, que a recebeu Dele [Deus], nos dá.” [20] O Doador da vida
eterna é claramente superior àquele que, por assim dizer, é o transmissor. Assim,
Clemente diz que Deus “é o primeiro, e o mais elevado”. [21] Além do mais, ele diz
que o Filho “está mais próximo Daquele que é unicamente o Todo-Poderoso” e que
o Filho “pede todas as coisas em harmonia com a vontade do Pai”. [22] Vez após
vez, Clemente mostra a supremacia do Deus Todo-Poderoso sobre o Filho.

A respeito de Clemente, de Alexandria, lemos o seguinte em The Church of


the First Three Centuries:

Poderíamos citar numerosas passagens de Clemente em que a


inferioridade do Filho é distintamente afirmada (...)

Ficamos espantados de que qualquer pessoa que leia Clemente com


atenção normal possa imaginar por um único instante que ele
considerasse o Filho numericamente idêntico — um — com o Pai.
Sua natureza dependente e inferior, conforme se parece a nós, é
reconhecida em toda a parte. Clemente acreditava que Deus e o
Filho eram numericamente distintos; em outras palavras, dois seres
— um supremo, o outro subordinado. [23]

Além disso, pode-se dizer de novo: mesmo que às vezes Clemente pareça ir
além daquilo que a Bíblia diz a respeito de Jesus, em parte alguma fala de uma
Trindade composta de três pessoas iguais em um só Deus. Apologistas como
Taciano, Teófilo e Atenágoras, que viveram entre a época de Justino e a de
Clemente, tinham conceitos similares. Lamson diz que “não eram melhores
trinitaristas do que o próprio Justino; isto é, não acreditavam num Três indivisível,
co-igual, mas ensinavam uma doutrina totalmente inconciliável com essa crença”.
[24]

6. A Teologia de Tertuliano

Tertuliano (c. 160 a 230 EC) foi o primeiro a usar a palavra latina trinitas.
Conforme observado por Henry Chadwick, Tertuliano propôs que Deus é ‘uma
substância que consiste em três pessoas’. [25] Isto não significa, porém, que tivesse
em mente três pessoas co-iguais e co-eternas. Entretanto, suas idéias foram usadas
como ponto de partida por escritores posteriores que elaboravam a doutrina da
Trindade.

O conceito de Tertuliano sobre Pai, Filho e espírito santo era bem diferente da
Trindade da cristandade, pois ele era subordinacionista. Ele considerava o Filho
subordinado ao Pai. Na obra Against Hermogenes (Contra Hermógenes), ele
escreveu:

“Não devemos supor que haja algum outro ser, exceto unicamente
Deus, que seja não gerado e incriado. (...) Como pode algo, exceto o
Pai, ser mais velho, e por isso deveras mais nobre, do que o Filho de
Deus, o Verbo unigênito e primogênito? (...) Esse [Deus] que não
precisou de um Criador para lhe dar existência, será muito mais
elevado em categoria do que [o Filho] que teve um autor que o trouxe
à existência.” [26]

Também, na obra Against Praxeas, ele mostra que o Filho é diferente do


Todo-Poderoso Deus e é subordinado a ele, ao dizer:

“O Pai é a inteira substância, mas o Filho é uma derivação e parcela


do todo, conforme Ele Próprio reconhece: ‘Meu Pai é maior do que
eu.’ (...) Assim, o Pai é distinto do Filho, sendo maior do que o Filho,
visto que um é Aquele que o gera e outro Aquele que é gerado;
também, um é Aquele que envia, e outro Aquele que é enviado; e,
além disso, Aquele que cria é um, e Aquele por meio de quem a
coisa é feita é outro.” [27]

Tertuliano, em Against Hermogenes, declara além disso que houve tempo em


que o Filho não existia como pessoa, mostrando que ele não considerava o Filho um
ser eterno no mesmo sentido que Deus era. [28] O Cardeal Newman disse:
“Tertuliano deve ser considerado heterodoxo [crente em doutrinas não ortodoxas] na
doutrina sobre a geração eterna de nosso Senhor.” [29] A respeito de Tertuliano,
Lamson declara:

Essa razão, ou o Logos, como foi chamado pelos gregos, foi mais
tarde, segundo acreditava Tertuliano, mudado para o Verbo, o Filho,
isto é, um ser real, tendo existido desde a eternidade apenas como
um atributo do Pai. Tertuliano atribuiu a ele, porém, uma categoria
subordinada ao Pai (...)
A julgar por qualquer explicação geralmente aceita da Trindade da
atualidade, seria inútil tentar salvar Tertuliano da condenação [como
herege]. Ele não suportaria o teste nem sequer um momento. [30]

7. Não Há Trindade

Se lesse todas as palavras dos apologistas, descobriria que, embora se


tenham desviado em alguns pontos dos ensinos da Bíblia, nenhum deles ensinava
que o Pai, o Filho e o espírito santo eram co-iguais em eternidade, poder, posição e
sabedoria.

O mesmo se dá também com respeito a outros escritores do segundo e


terceiro séculos, tais como Irineu, Hipólito, Orígenes, Cipriano e Novaciano. Embora
alguns tenham igualado o Pai e o Filho em certos respeitos, em outros eles
consideravam o Filho subordinado a Deus, o Pai. E nenhum deles sequer especulou
que o espírito santo fosse igual ao Pai e ao Filho. Por exemplo, Orígenes (c. 185 a
254 EC) declara que o Filho de Deus é “o Primogênito de toda a criação” e que as
Escrituras “conhecem a Ele como a mais antiga das obras de criação”. [31]

Uma leitura objetiva dessas antigas autoridades eclesiásticas mostra que a


doutrina da Trindade, ensinada pela cristandade, não existia no seu tempo.
Conforme diz a obra The Church of the First Three Centuries:

A moderna doutrina popular da Trindade (...) não deriva apoio da


linguagem de Justino: e esta observação pode ser estendida a todos
os Pais Pré-Nicéia; isto é, a todos os escritores cristãos durante três
séculos após o nascimento de Cristo. É verdade que falam do Pai,
do Filho e do Espírito profético ou santo, mas não como co-iguais,
não como uma só essência numérica, não como Três em Um,
sentidos hoje aceitos pelos trinitaristas. O diametralmente oposto é a
realidade. A doutrina da Trindade, segundo explicada por esses Pais,
era essencialmente diferente da doutrina moderna. Isto afirmamos
como fato tão irrefutável como qualquer fato da história das opiniões
humanas. [32]

Na realidade, antes de Tertuliano, a Trindade nem sequer era mencionada. E


a Trindade “heterodoxa” de Tertuliano era muito diferente daquilo que se crê hoje.
Como, então, se desenvolveu a doutrina da Trindade, segundo se entende hoje? Foi
no Concílio de Nicéia, em 325 EC? Examinaremos estas perguntas na Parte 4 desta
série.

8. Referências:

1. A Short History of the Early Church, de Harry R. Boer, 1976, página 110.
Também ver a Historia De La Iglesia Primitiva página 73 do mesmo autor. Ver
Diálogo com Trifon capítulo 61 no site católico www.newadvent.org. Confira a
citação na obra Patrística Volume 3 - Justino de Roma da editora Paulus.

2. The Formation of Christian Dogma, de Martin Werner, 1957, página 125.

3. The Search for the Christian Doctrine of God, de R. P. C. Hanson, 1988,


página 64.

4. The Church of the First Three Centuries, de Alvan Lamson, 1869, páginas
70-1.

5. Gods and the One God, de Robert M. Grant, 1986, páginas 109, 156, 160.

6. The Formation of Christian Dogma, páginas 122, 125.

7. The International Standard Bible Encyclopedia, 1982, Volume 2, página


513.

8. An Essay on the Development of Christian Doctrine, do Cardeal John Henry


Newman, Sexta Edição, 1989, páginas 14-18.

9. The Ante-Nicene Fathers, editado por Alexander Roberts e James


Donaldson, Reimpressão Americana da Edição de Edimburgo, 1885, Volume I,
página 264.

10. Ibid., página 184.

11. Ibid., página 223.

12. Ibid., página 164.


13. A Short History of Christian Doctrine, de Bernhard Lohse, traduzido do
alemão para o inglês por F. Ernest Stoeffler, 1963, segunda edição em brochura,
1980, página 43.

14. An Essay on the Development of Christian Doctrine, página 20.

15. The Church of the First Three Centuries, páginas 73-4, 76.

16. The Ante-Nicene Fathers, Volume II, página 234.

17. Ibid., página 227.

18. Ibid., página 228.

19. Ibid.

20. Ibid., página 593.

21. Ibid.

22. Ibid., página 524.

23. The Church of the First Three Centuries, páginas 124-5.

24. Ibid., página 95.

25. The Early Church, de Henry Chadwick, impressão de 1980, página 89.

26. The Ante-Nicene Fathers, Volume III, página 487.

27. Ibid., páginas 603-4.

28. Ibid., página 478. (Contra Hermogenes Cap III)

29. An Essay on the Development of Christian Doctrine, páginas 19, 20.

30. The Church of the First Three Centuries, páginas 108-9.


31. The Ante-Nicene Fathers, Volume IV, página 560. (Ver Orígines contra
Celso no Livro 5 Capítulo XXXVII)

32. The Church of the First Three Centuries, páginas 75-6.