Você está na página 1de 40

MANUAL PARA FORMATAÇÃO

DE MONOGRAFIAS - Direito

Sobral-CE
2017
EXPEDIENTE

Presidente da Mantenedora
Francisco Lúcio Pontes Feijão

Chanceleer da Faculdade Luciano Feijão


Prof. Francisco Luciano Feijão

Diretora Geral da Faculdade Luciano Feijão


Profa. Isabel de Aguiar Pontes

Coordenação do Curso de Direito


Profa. Renata Albuquerque Lima

Coordenadora Adjunta do Curso de Direito


Profa. Ysmênia de Aguiar Pontes

Realização: Setor de Publicações


Autoria: Comitê de Normas Técnicas (Fco. Hélio Monteiro Jr., Vanessa
Vasconcelos, Carlos Henrique Aragão, Ysmênia de Aguiar Pontes, Talita Silva
Bezerra)
Coordenação: Léo Mackellene
Diagramação: Gutier Albuquerque
Capa: 333 Propaganda e Saulus Otávio Ribeiro Cordeiro

2
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO ................................................................... 5

1 FORMATAÇÃO GERAL ...........................................................9


1.1 LAUDA ...............................................................................9
1.2 FONTE ...............................................................................10
1.3 ESPAÇAMENTO ................................................................10
1.4 PAGINAÇÃO .......................................................................10

2 ESTRUTURA GERAL ........................................................11


2.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS ..........................................11
2.2 ELEMENTOS TEXTUAIS ...................................................12
2.2.1 Introdução ....................................................................12
2.2.2 Desenvolvimento ...........................................................12
2.2.3 Conclusão .....................................................................13
2.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS ...........................................13
2.3.1 Referências ...................................................................13
2.3.2 Anexo (s) .....................................................................14

3 COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA .......................................15


3.1 PARTE PRELIMINAR OU PRÉ-TEXTUAL ........................15
3.1.1 Capa .............................................................................15
3.1.2 Folha de rosto ...............................................................15
3.1.3 Folha de aprovação .......................................................16
3.1.4 Adendos ........................................................................18
3.1.5 Resumo ........................................................................19
3.1.6 Palavras-chave .............................................................20
3.1.7 Listas ............................................................................21
3.1.8 Sumário ........................................................................22
3.2 PARTE TEXTUAL ..............................................................23
3.2.1 Introdução ....................................................................23
3.2.2 Desenvolvimento ...........................................................24
3.2.2.1 Indicativos de seção ......................................................24
3
3.2.2.1.1 Numeração progressiva ...............................................25
3.2.2.2 Das citações ..................................................................26
3.2.2.2.1 Citações diretas .............................................................27
3.2.2.2.1.1 Citação Direta Longa (mais de 3 linhas) ..................27
3.2.2.2.1.2 Citação Direta Curta (menos de 3 linhas) ................28
3.2.2.2.2 Citações indiretas ..........................................................28
3.2.2.2.3 Citação de citação ..........................................................29
3.2.2.3 Das notas de rodapé ......................................................30
3.2.2.3.1 Notas de referência .......................................................31
3.2.2.3.2 Notas explicativas .........................................................31

4 DAS REFERÊNCIAS ...............................................................32


4.1 Regras gerais ...............................................................32
4.1.1 Livro ...................................................................................33
4.1.2 Capítulo de livro .................................................................34
4.1.3 Teses, dissertações e monografias ....................................35
4.1.4 Artigo de revista ................................................................35
4.1.5 Trabalho apresentado em evento em mídia papel .............36
4.1.6 Artigo e/ou matéria de revista,
boletim, eventos etc. em meio eletrônico ...........................36
4.1.7 Documentos jurídicos .........................................................37
4.1.7.1 Jurisprudência ..............................................................38
4.1.8 Documentos jurídicos em meio eletrônico ........................38

5 CONCLUSÃO ...........................................................................39

4
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

APRESENTAÇÃO

São vários os gêneros textuais acadêmicos com os quais o estudante


do Ensino Superior tem de lidar cotidianamente, seja lendo os textos
recomendados pelos professores das disciplinas, seja escrevendo textos exigidos
por eles. Dentre estes gêneros textuais acadêmicos, podemos citar como aqueles
com os quais o estudante mais se depara 1) o projeto de pesquisa, 2) o artigo
científico, 3) a monografia, 4) o pôster, e 5) o resumo expandido; além da
modalidade oral do “Seminário”.
São muitas as dificuldades que mesmo os alunos de semestres mais
avançados apresentam tanto quando se trata de compreender textos mais
complexos quanto quando se trata de escrever tais textos; por vezes, até os mais
simples.
Pensando nisso foi que a Faculdade Luciano Feijão resolveu publicar,
através do Setor de Publicações, um Manual Prático para Escrita de Textos
Acadêmicos. A ideia é publicar periodicamente, de acordo com a necessidade,
um manual sobre cada um dos gêneros textuais acadêmicos citados acima por
vez. O primeiro limitou-se ao Resumo Expandido, já que, à época, havia uma
demanda significativa para o gênero, por ocasião da implementação, a partir do
semestre 2013.2, dos “Seminários Temáticos”, que acontecem em sábados
letivos previamente combinados e que envolvem todos os cursos da faculdade.
Diferente dos outros manuais para escrita de textos acadêmicos já
publicados pelo Setor de publicações, no entanto, este, em específico, não vem
5
ensinando o passo a passo da escrita. Para isso, outro manual está sendo
desenvolvido.
O presente volume do Manual Prático para a Escrita de Textos
Acadêmicos concentra-se, dessa vez, em estabelecer as normas para
padronização da estrutura das Monografias a serem apresentadas como
exigência parcial para obtenção do grau de bacharel em Direito. As normas aqui
dispostas foram definidas pelo Comitê de Normas Técnicas da instituição,
normatizado pelos art. 25 e art. 26 do Regulamento do Setor de Publicações.
O artigo 27 do Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso já
dispõe sobre a estrutura mínima da Monografia: capa, folha de rosto, folha de
aprovação metodológica, resumo em língua vernácula, resumo em língua
estrangeira, sumário, introdução, desenvolvimento, conclusão, referências.
Contudo, não explicita normas de formatação específicas para a escrita da
Monografia. Isto é papel deste Manual.
Esperamos que essa seja mais uma ferramenta que a Faculdade
Luciano Feijão oferece à sua comunidade acadêmica no intuito de incentivar e
facilitar a escrita científica junto a discentes e docentes, firmando-se, passo a
passo, como um centro de referência na produção do conhecimento no estado do
Ceará.

Prof. Me. Léo Mackellene


Editor de Publicações da Faculdade Luciano Feijão

6
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

7
8
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

1 FORMATAÇÃO GERAL

É muito comum confundirem-se “folha”, “página” e “lauda”. No


ambiente acadêmico, trata-se de três coisas diferentes.

A folha é uma folha de papel em branco (dos dois lados), que a maioria
de nós conhece como folha de papel ofício ou de papel sulfite ou,
simplesmente, folha A4.

A página é uma folha de papel manuscrita ou impressa/digitada em


qualquer formatação, sem exigência alguma de tamanho ou tipo de
fonte, margens etc.

A lauda é algo mais específico: trata-se de uma página digitada sob


determinada formatação.

A formatação descrita a seguir servirá como orientação para a


formatação das Monografias a serem apresentada, a priori, no final do
Curso de Direito da Faculdade Luciano Feijão.

1.1 LAUDA

Os trabalhos devem ser digitados em papel branco A4 (210 mm x 297


mm), em uma só face da folha.
Margens superior e esquerda: 3,0 cm
Margens inferior e direita: 2,0 cm

Obs.: a monografia pode ser impressa em papel A4 reciclado.

9
1.2 FONTE

Tipo da Fonte: Times New Roman ou Arial


Tamanho da Fonte: 12 para o corpo do texto, 10 para citações com mais
de três linhas, para notas de rodapé, a paginação e para legendas de
ilustrações e tabelas.

1.3 ESPAÇAMENTO

Espaçamento entre linhas 1,5 para o corpo do texto e espaçamento


simples para citações com mais de três linhas, notas de rodapé,
paginação e legendas das ilustrações e tabelas.
Deslocamento de parágrafo: somente primeira linha com 1,25 cm
Distância entre os parágrafos: 6pt antes e depois

Obs.: As citações com mais de três linhas (citações longas) não têm
recuo de primeira linha.

1.4 PAGINAÇÃO

O número das páginas deve vir sempre no canto superior direito da


folha, com números cardinais e a partir da segunda página da Parte
Textual.

Obs.: Contar a partir da Folha de Rosto, entretanto, somente mostrar a


numeração a partir da segunda folha da Introdução.

10
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

2 ESTRUTURA GERAL

A estrutura de uma monografia compreende as seguintes partes: a)


elementos pré-textuais; b) elementos textuais; c) elementos pós-
textuais.

2.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

São chamados elementos pré-textuais todos os elementos que contém


informações e ajudam na identificação e na utilização da monografia e
que vêm antes do texto monográfico propriamente dito.

São considerados elementos pré-textuais de uma monografia e devem


seguir a seguinte ordem:

− Capa (obrigatório)
− Folha de rosto (obrigatório)
− Folha de Aprovação (obrigatório)
− Dedicatória (opcional)
− Agradecimentos (opcional)
− Epígrafe (opcional)
− Resumo em Língua Vernácula (obrigatório)
− Resumo em Língua Estrangeira (obrigatório)
− Lista de Ilustrações (opcional)
− Lista de Tabelas (opcional)
− Lista de abreviaturas e siglas (opcional)
− Lista de símbolos (opcional)
− Sumário (obrigatório)

11
Obs.: Apesar das listas constarem como item opcional, uma vez que
sua monografia tenha 5 (cinco) ou mais ilustrações, tabelas, símbolos,
abreviaturas ou siglas, deve-se então obrigatoriamente apresentar as
listas dos itens utilizados.

2.2 ELEMENTOS TEXTUAIS

Essa é a parte do trabalho em que é exposto o conteúdo da monografia.


Sua organização é determinada pela natureza do trabalho. São
considerados fundamentais os seguintes elementos:

2.2.1 Introdução

É a apresentação sucinta e objetiva do trabalho, fornecendo


informações sobre sua natureza, sua importância e sobre como foi
elaborado: objetivo, métodos e procedimentos seguidos;

2.2.2 Desenvolvimento

É a parte principal do texto, descrevendo com detalhes a pesquisa e


como foi desenvolvida. Pode ser dividida em quantos capítulos se
fizerem necessários. Isso é algo que deve ser acordado ao longo da
escrita da monografia entre o orientando e o orientador de conteúdo
e/ou de metodologia.

É natural que, dependendo do seu objeto de pesquisa (vide “Unidade I”


do Manual Prático para a Escrita de Textos Acadêmicos 2 – Projeto de
Pesquisa, disponível em
http://www.faculdade.flucianofeijao.com.br/site_novo/npe/servico/Ma
nual_Pratico_II_Projeto_de_Pesquisa.pdf.), e em acordo com

12
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

seu(s)/sua(s) orientador(es)(as), outros professores ou especialistas


sejam consultados eventualmente.

2.2.3 Conclusão

É a síntese dos resultados do trabalho e tem por finalidade recapitular


sinteticamente os resultados da pesquisa elaborada. Deve mencionar
todos os assuntos abordados no trabalho, de forma sintética, porém
estruturada, coerente e interligada. Não se devem introduzir novos
argumentos, novos assuntos não abordados no texto e nem fazer
citações.

2.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

São os elementos que têm relação com o texto, mas que, para torná-lo
menos denso e não prejudicar o desenvolvimento do raciocínio do texto,
costumam vir apresentados após a parte textual.

Dentre os elementos pós-textuais temos:

− Referências (obrigatório)
− Glossário (opcional)
− Apêndice (opcional)
− Anexo(s) (opcional)

13
Dentre os elementos pós-textuais, destacam-se:

2.3.1 Referências

Elemento obrigatório.

Conjunto padronizado de elementos descritivos retirados de


documentos, de forma a permitir sua identificação individual. As
referências das monografias devem seguir o padrão NBR 6023, que
fixa a ordem dos elementos das referências e estabelece convenções
para transcrição e apresentação da informação originada do
documento e/ou outras fontes de informação. Logo mais adiante,
apresentaremos algumas destas normas principais.

2.3.2 Anexo(s)

Elemento opcional.

É um texto não-elaborado pelo autor que serve de fundamentação,


comprovação ou ilustração para a monografia. Em monografias
jurídicas, por exemplo, pode-se colocar uma lei ou qualquer texto
jurídico de importância fundamental para o entendimento do texto.

Obs.: De acordo com o inciso III do art. 43 do Regulamento de TCC,


“o projeto de pesquisa da disciplina de Projeto de Pesquisa deverá
constar como um dos anexos na versão final da Monografia”.

14
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

3 COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA

3.1 PARTE PRELIMINAR OU PRÉ-TEXTUAL

3.1.1 Capa

Uma única página na qual são apresentados, centralizados e na


seguinte ordem:

No alto:
- Nome da Instituição (FACULDADE LUCIANO FEIJÃO)
- Nome do Curso (CURSO DE DIREITO)

No centro:
- Título − e subtítulo, se houver − em LETRAS MAIÚSCULAS E
NEGRITO. Fonte 14.
- Nome completo do autor em LETRAS MAIÚSCULAS E NEGRITO.
Fonte 14.

Na parte de baixo:
- Local (cidade e estado) em Caixa Baixa
- Ano de depósito (entrega)

3.1.2 Folha de Rosto

Uma única página na qual são apresentados, centralizados e na


seguinte ordem:

15
No alto da folha de rosto:
- Nome completo do autor em LETRAS MAIÚSCULAS E SEM
NEGRITO
- Título − e subtítulo, se houver − em LETRAS MAIÚSCULAS E SEM
NEGRITO

No centro da folha, com recuo esquerdo de 8 cm e alinhamento


justificado:
- Natureza do trabalho (monografia de término de curso). O texto deve
ser:

Monografia apresentada como


exigência parcial para obtenção do
grau de bacharel em Direito, sob a
orientação de conteúdo do(a)
professor(a) (Titulação e nome
completo do orientador de
conteúdo sem itálico e sem
negrito) e orientação metodológica
do(a) professor(a) (Titulação e
nome completo do orientador
metodológico sem itálico e sem
negrito)”.

Na parte de baixo:
- Local (cidade e estado) em Caixa Baixa e alinhamento centralizado;
- Ano de depósito (entrega). Alinhamento centalizado.

16
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

3.1.3 Folha de aprovação

No alto da página e centralizado:


- Título − e subtítulo, se houver − em LETRAS MAIÚSCULAS E SEM
NEGRITO;
- Nome completo do autor em LETRAS MAIÚSCULAS E SEM
NEGRITO.

No centro da folha, com recuo esquerdo de 8 cm e alinhamento


justificado

- Natureza do trabalho (monografia de término de curso). O texto deve


ser:

Monografia apresentada como


exigência parcial para obtenção do
grau de bacharel em Direito, sob a
orientação de conteúdo do(a)
professor(a) (Titulação e nome
completo do orientador de
conteúdo sem itálico e sem
negrito) e orientação metodológica
do(a) professor(a) (Titulação e
nome completo do orientador
metodológico sem itálico e sem
negrito)”.

Logo abaixo da explanação da natureza do trabalho, com o espaço de


um enter (1 parágrafo) e recuo de 8 cm, com alinhamento à direita, a
data da apresentação da monografia com o seguinte texto:

Monografia apresentada em
___/___/___.

17
Listar (em alinhamento centralizado e com espaço para assinatura)
titulação e nome completo do orientador e dos participantes da banca,
com o nome da IES que vinculado logo abaixo do nome.

Exemplo:

_____________________________________
Orientador: Prof. Me. André Luíz Tabosa de Oliveira
Faculdade Luciano Feijão (FLF)

_____________________________________
1º Examinador: Prof. Dr. Lenio Luiz Streck Rocha
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

_____________________________________
2º Examinador: Prof. Dr. Regnoberto Marques de Melo Júnior
Universidade Federal de Ceará (UFC)

Obs.: A data de aprovação e as assinaturas dos membros componentes


da banca examinadora devem ser colocadas somente após a aprovação
do trabalho.

3.1.4 Adendos

Esta seção é opcional. Geralmente é utilizada como página de


dedicatória ou agradecimentos. Se esta for sua opção, não se alongue
muito no texto. Não é necessário agradecer a absolutamente todos,
mantenha o foco naqueles que o ajudaram efetivamente no trabalho.
18
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

Tanto o título DEDICATÓRIA quanto o título AGRADECIMENTO


devem vir no alto da página, centralizados e em negrito.

Se você tiver alguma frase, pensamento de um autor que tenha ligação


com o conteúdo do trabalho, coloque-o como epígrafe numa folha à
parte, no canto inferior direito, apenas com a indicação do autor. Não é
necessário que seja especificamente algo teórico. Pode ser o trecho de
um romance, um poema, de letra de música, de fala de personagem de
filme etc. A folha de epígrafe não deve ter título.

Obs.: Podem também constar epígrafes nas páginas de abertura de


cada capítulo de sua monografia. Nesse caso, devem vir logo abaixo do
título do capítulo, com alinhamento à direita, fonte 10.

3.1.5 Resumo

O Resumo é elemento obrigatório da Monografia.

Deve ser escrito em língua vernácula (português) e em uma língua


estrangeira (inglês, francês ou espanhol):

a) Em inglês, chama-se “Abstract”


b) Em espanhol, “Resumen”
c) Em francês, “Résumé”

O título RESUMO (e seu respectivo em língua estrangeira) deve vir no


alto da página, centralizado e em negrito.
Obs.: Resumo e seu respectivo em língua estrangeira devem vir em
folhas separadas, do lado da frente da folha, seu frente-e-verso.

19
O resumo (e sua tradução para uma língua estrangeira) deve ser
constituído de uma sequência de frases concisas e objetivas
(afirmativas e não de enumeração de tópicos), para dar ao leitor uma
ideia geral do seu trabalho, permitindo avaliar se a leitura é ou não do
interesse do pesquisador que pretende ler o seu texto.

Deve ser escrito em parágrafo único, sem recuo de primeira linha,


justificado, fonte 10, espaçamento simples e deve conter até 500
palavras; bem como o resumo em língua estrangeira.

Deve-se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular.

Evite usar a ferramenta do Google Tradutor. Ele faz traduções literais


que nunca consideram o contexto discursivo da frase e do texto,
produzindo frases incorretas e incompreensíveis em língua
estrangeira. Isso pode pegar mal em bancas muit exigentes.

O resumo (bem como a versão em língua estrangeira) deve vir


acompanhado das “palavras-chave”.

3.1.6 Palavras-chave

As palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo, com espaço


de um enter, antecedidas pela expressão “Palavras-chave:” e devem
ser, no mínimo, 3 palavras e, no máximo, 5 palavras separadas entre
si por ponto e finalizadas também por ponto.

Obs.: as “palavras-chave”, apesar de chamarem-se “palavras” não


são necessariamente “palavras”, podem ser expressões com mais de
uma palavra.
20
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

Exemplo:

Palavras-chave: Democracia. Críticas à democracia brasileira. Aplicação


moderna da democracia.

Os respectivos em língua estrangeira são o Keyword (inglês), Most-


clés (francês) ou Resumen (espanhol) e devem seguir a mesma
formatação das palavras-chave.

Lembrando: evite usar a ferramenta do Google Translator. Se tiver


dificuldade em fazer você mesmo(a) a tradução, procure alguém que
possa fazê-lo. Em geral, existem profissionais muito bons no mercado
e que não cobram muito caro.

Obs.: o resumo não deverá conter citações.

3.1.7 Listas

Ao longo do trabalho, é possível que você tenha usado figuras, tabelas,


quadros, infográficos etc. É necessário, então, que esses elementos
não-textuais apareçam elencados − com as respectivas páginas onde
aparecem – antes do Sumário da monografia.

Quando possível, recomenda-se a elaboração de lista própria para cada


tipo de ilustração (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias,
gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros).

21
A lista de abreviaturas ou de símbolos utilizados – caso haja –
obviamente não precisam vir com indicações das páginas onde
aparecem.

A lista de abreviaturas consiste na relação alfabética das abreviaturas


e siglas utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões
correspondentes grafadas por extenso. Recomenda-se a elaboração de
lista própria para cada tipo.

Na lista de símbolos, cada símbolo deverá vir acompanhado de seu


devido significado.

3.1.8 Sumário

Elemento obrigatório.
Um sumário consiste na enumeração das divisões, seções e outras
partes de um trabalho, na mesma ordem e grafia em que se
apresentam ao longo da monografia.
A palavra “Sumário” deve vir no alto da página e centralizada.

Obs: os títulos e subtítulos das seções e subseções que devem constar


tanto ao longo da monografia quanto no sumário devem vir alinhados
à esquerda seguindo a seguinte hierarquia e formatação:

1ª SEÇÃO (CAIXA ALTA E NEGRITO) – TÍTULO 1


2ª SEÇÃO (CAIXA ALTA SEM NEGRITO) – TÍTULO 2
3ª Seção (Caixa Baixa com negrito) – Título 3
4ª Seção (Caixa Baixa com itálico e sem negrito) – Título 4
5ª Seção (Caixa Baixa Normal) – Titulo 5

22
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

Os elementos pré-textuais (folha de rosto, folha de aprovação, epígrafe


– caso haja − e agradecimentos) não devem constar no sumário.

Obs. 1: os títulos sem indicativo numérico são: agradecimentos,


resumo, sumário, referências, apêndice e anexos.

Obs. 2: os elementos sem título e sem indicativo numérico são: folha


de rosto, folha de aprovação, dedicatória e epígrafe.

3.2 PARTE TEXTUAL

3.2.1 Introdução

A introdução é a apresentação sucinta e objetiva do trabalho, que


fornece informações sobre sua natureza, sua importância e sobre como
foi elaborado: objetivo, métodos e procedimentos seguidos – podem-se
recuperar os elementos do projeto, em forma de texto e conferir uma
ideia geral das seções primárias da monografia.

A introdução de um texto pretende esclarecer o trabalho desenvolvido,


bem como explicar como é feita a divisão do texto em capítulos, seções
e subseções.

Lendo a introdução, o leitor deve sentir-se esclarecido a respeito do


tema do trabalho, bem como do raciocínio a ser desenvolvido nele. É
um texto descritivo-dissertativo de todo o trabalho e é a última parte a
ser escrita (embora, paradoxalmente, seja a que vem primeiro). Deve
ser feita com o tempo do verbo no presente.

Na introdução não cabem citações.


23
Para dicas sobre como elaborar sua introdução, consulte a 1ª parte do
Manual Prático para Escrita de Textos Acadêmicos I, “O que deve ter
uma introdução?”, no link
http://www.faculdade.flucianofeijao.com.br/site_novo/npe/servico/Ma
nual_pratico_para_escrita_de_textos.pdf.

3.2.2 Desenvolvimento

O “desenvolvimento” é a parte principal da monografia, é o corpo do


texto propriamente dito, onde você expõe o seu trabalho, suas ideias,
sua pesquisa. O desenvolvimento de uma monografia é orientado, na
FLF, por, pelo menos, dois professores, um de conteúdo, outro de
metodologia. Para organizar o processo de orientação da monografia,
foi elaborado um Regulamento do TCC (Trabalho de Conclusão de
Curso), onde constam informações sobre número mínimo de encontros,
deveres e direitos do orientando e do orientador etc. Consulte-o no link
(http://flucianofeijao.com.br/novo/wp-
content/uploads/2016/01/Regulamntacao_TCC_final_20_Abril_2017.
pdf).

O texto do desenvolvimento deve seguir as orientações do item 1


(Formatação Geral) deste documento.

O desenvolvimento comporta, no corpo do texto, citações (diretas e


indiretas) de textos de outrem, inserções de tabelas, figuras, fotos,
gráficos etc. elementos diversos que possam ilustrar ou contribuir para
a discussão que a monografia aborda.

24
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

3.2.2.1 Indicativos de seção

O desenvolvimento pode ter quantos capítulos e seções se fizerem


necessários; a depender do que for acordado entre orientando e
orientador(es) – de conteúdo e metodológico − durante o processo de
orientação da monografia.

Um capítulo pode ser dividido em quantas seções se fizerem


necessárias, a depender do que for acordado entre orientando e
orientador durante o processo de orientação da monografia.

Uma seção é uma parte do capítulo, geralmente indicada por um título


com uma formatação específica a cada seção dentro de outra seção. A
uma seção dentro de uma seção de capítulo damos o nome de
“subseção”.

O indicativo numérico de uma seção precede seu título, alinhado à


esquerda, separado pelo espaço de um caractere e sem ponto
separando o título e a numeração. Observe a numeração e os títulos e
subtítulos deste manual.

Obs.: Títulos que ocupem mais de uma linha devem ser, a partir da
segunda linha, alinhados abaixo da primeira letra da primeira palavra
do título.

3.2.2.1.1 Numeração Progressiva

Para evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho, deve-se


adotar a numeração progressiva para as seções do texto. Os títulos das
seções primárias, por serem as principais divisões de um texto, devem

25
iniciar em folha distinta. Destacam-se gradativamente os títulos das
seções, utilizando-se os recursos de negrito, caixa alta ou itálico.

Exemplo Descrição
1 1ª SEÇÃO - PRIMÁRIA (CAIXA
ALTA E NEGRITO)
1.1 2ª SEÇÃO (CAIXA ALTA SEM
NEGRITO)
1.1.1 3ª Seção (Caixa Baixa com
negrito)
1.1.1.1 4ª Seção (Caixa Baixa com itálico
e sem negrito)
1.1.1.1.1 5ª Seção (Caixa Baixa Normal,
sem itálico e sem negrito)

Obs: Os títulos e subtítulos das seções e subseções que aparecem ao


longo da monografia devem seguir a mesma formatação no Sumário.

Na numeração das seções de um trabalho, devem ser utilizados


algarismos arábicos, sem subdividir demasiadamente as seções
(orienta-se que o máximo da subdivisão da seção vá até a quinta parte,
tal como exemplificamos acima).
27
Não se utilizam ponto, dois pontos, hífen, travessão ou qualquer sinal
após o indicativo de seção ou de seu título.

26
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

3.2.2.2 Das citações

Esta seção aborda o assunto das citações, que tratam da menção, no


corpo do texto ou em nota de rodapé, de uma informação extraída de
outra fonte.

O autor utiliza-se de um texto original para extrair a citação, podendo


reproduzi-lo literalmente (citação direta), interpretá-lo, resumi-lo ou
traduzi-lo (citação indireta), ou extrair uma informação de uma fonte
intermediária (citação de citação).

3.2.2.2.1 Citações diretas

3.2.2.2.1.1 Citação Direta Longa (mais de 3 linhas)

Citações diretas com mais de três linhas (citação longa) devem ser
destacadas com o recuo de 4 cm da margem esquerda, com letra
tamanho 10, sem aspas (duplas ou simples) e sem itálico (a não ser
que haja necessidade de destacar alguma palavra, expressão ou trecho
dentro do trecho citado. Neste caso, ao final da referência, deve-se
colocar a expressão “Grifo nosso”).

Exemplo:

O sistema proporcional, por sua vez, foi concebido para


refletir os diversos pensamentos e tendências existentes nas
casas Legislativas, tornando equânime a disputa pelo poder.
Por isso, não considera somente o número de votos atribuídos
ao candidato, como majoritário. Pretende, antes, assegurar a
presença no Parlamento do maior número de grupos e
correntes que integram o eleitorado. As maiorias tem suas

27
ideias e valores representados no parlamento.(LIMA;
SALES, 2014, p. 135. Grifo nosso)1

Na lista de referências no final da monografia, deverá constar a


referência completa da obra onde está originalmente o trecho citado,
seguindo as normas relativas a referências que veremos mais adiante.

3.2.2.2.1.2 Citação Direta Curta (menos de 3 linhas)

Citações diretas de até três linhas (citação curta) devem estar contidas
entre aspas duplas e devem vir no corpo do texto, dentro do parágrafo,
sem recuo de 4 cm na margem esquerda. As aspas simples são
utilizadas para destacar alguma palavra, expressão ou trecho no
interior da citação curta. O itálico ou negrito também podem ser usados
para destacar alguma palavra, expressão ou trecho no interior da
citação; neste último caso, acrescentamos a expressão “Grifo nosso”.

Exemplo:

Apesar de os cristãos renegarem essa semelhança aos


não-cristãos, Ingo Wolfgang Sarlet (2004, p. 30. Grifo nosso)
lembra que “o ser humano – e não apenas os cristãos – é dotado
de valor próprio e que lhe é intrínseco, não podendo ser
transformado em mero objeto ou instrumento”

1
Observe que quando há mais de um autor no livro referido, os últimos nomes dos autores são separados por ponto-
e-vírgula.
28
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

3.2.2.2.2 Citações indiretas

Citações indiretas (ou livres) são a reprodução de algumas ideias, sem


que haja transcrição literal das palavras do autor consultado. Apesar
de ser livre, deve-se ser fiel ao sentido original do texto. Não necessita
de aspas.

Exemplo:

A prisão, como uma instituição social, pode ser


observada como uma “sociedade em miniatura” que possui uma
estrutura, indivíduos, cultura próprias etc. No entanto, mesmo
contando com padrões organizatórios específicos, que regulam
sua capacidade de atender aos fins e às necessidades sociais que
dão sentido à sua existência, seus ritmos e suas transformações
são determinadas também pelas condições, fatores e influências
que a projetam no cenário mais amplo das ações e das relações
humanas (FERNANDES, 1989).

Conforme visto supra, nas referências das citações indiretas,


diferentemente das citações diretas, não é necessário colocar o número
da página do texto donde o trecho foi parafraseado. A paráfrase é uma
figura de linguagem caracterizada pelo “dizer com suas próprias
palavras” o que um autor disse.

29
3.2.2.2.3 Citação de citação

A citação de citação é a citação de um texto a que não se teve acesso


direto. Isto é, uma citação de um texto a que não se teve acesso senão
por intermédio de uma terceira obra que cita esta segunda, ou seja, é
quando você tira o trecho de um texto a partir da citação que outro texto
fez dele e não da obra original. Para referenciar uma citação nestas
condições, utiliza-se a expressão “apud”.

Exemplo:
ATIENZA, 2000, p. 19 apud RODRIGUEZ, 2015,
p. 5.

sendo a obra intermediária a de Rodriguez e o trecho citado, a obra de


Atienza. Rodriguez citou Atienza na página 5 de seu livro. O trecho
citado do livro de Atienza está na página 19 do livro dele. A expressão
apud (do latim “junto a”; ”em”) quer dizer “citado por, conforme,
segundo”. E indica a fonte de uma citação indireta. É usado para
referenciar um autor (a cuja obra o pesquisador NÃO teve acesso
SENÃO ATRAVÉS DE UM TERCEIRO AUTOR) indicado num livro
ao qual o pesquisador TEVE acesso.

Obs.: a citação de citação só deve ser utilizada quando o pesquisador


exauriu todas as possibilidades de acesso ao documento original.

3.2.2.3 Das Notas de rodapé

As notas devem ter espaço simples entre linhas e fonte 10.

30
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

As notas têm caráter explicativo, visando aprofundar/explicar algum


dado, alguma informação, um termo científico, jurídico etc. que
apareça no corpo do texto. São itens de aprofundamento,
desdobramento de certos tópicos ou de ilustrações de determinados
trechos do texto monográfico. Por exemplo: é possível, numa nota de
rodapé, comentar alguma lei ou artigo que apareça no corpo do texto;
uma citação complementar (não muito longa); a explanação sobre um
determinado termo (técnico ou não) usado no texto; referências.

Existem, assim:

3.2.2.3.1 Notas de referência

São notas onde aparecem as referências completas de determinada


citação (direta ou indireta). Contudo, a Faculdade Luciano Feijão, em
reunião com os membros do Comitê de Normas Técnicas da instituição2
realizada no dia 04 de abril de 2017, decidiu por não utilizar as notas
de referência completa, optando, como forma de referência, o sistema
(AUTOR, data, página) para citação direta e (AUTOR, data) para
citação indireta, ambas no próprio corpo do texto.

3.2.2.3.2 Notas explicativas

Servem para que o autor possa fazer comentários-extra acerca de


algum pormenor da discussão geral de texto. A nota explicativa
geralmente é utilizada como forma de não quebrar a linha de raciocínio
do texto, justamente por esmiuçar, espeficar ou explicar determinada
ideia presente no corpo do texto. São esclarecimentos ou considerações

2
Regulamentado pelos art. 25 e art. 26 do Regulamento do Setor de Publicações.
31
complementares que não podem ser incluídas no texto, devendo ser
breves, sucintas e claras. Sua numeração é feita em algarismos
arábicos, únicos e consecutivos e não se inicia a numeração a cada
página.

Exemplo:

_____________________
1
Veja-se como exemplo desse tipo de abordagem o estudo de Netzer (1976).
2
Pensador e filósofo do século XIX seguidor da teoria utilitária e crente de que
havia respostas para as críticas ao utilitarismo de Bentham, sua filosofia baseou-
se em transformar o pensamento de Bentham em uma doutrina mais humana e
menos calculista.

Obs.: Não há recomendação expressa na ABNT quanto a um número-


limite de notas presentes em um texto de qualquer que seja a extensão
(resumo expandido, artigo científico, monografia, dissertação, tese,
livro etc.), mas é importante notar que as notas explicativas interferem
no fluxo de leitura do texto, quebrando, muitas vezes, a linha de
raciocínio da lógica do texto. Assim, é de bom tom evitar inserir muitas
notas bem como evitar que as notas explicativas sejam muito grandes.

Obs.: As notas de rodapé são numeradas de forma contínua até o final


da monografia. Não se inicia a numeração nem a cada página, nem a
cada capítulo ou seção.

4 DAS REFERÊNCIAS

Elemento obrigatório e imprescindível da monografia. Elaborado de


acordo com a NBR 6023.

32
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

Entende-se por referências o conjunto padronizado de elementos


descritivos, retirados de documentos, de forma a permitir sua
identificação individual. As referências podem ser identificadas por
duas categorias de componentes: elementos essenciais e elementos
complementares.

4.1 Regras gerais

a) As referências são alinhadas somente à esquerda do texto e de


forma a se identificar individualmente cada documento, em
espaço simples e separadas entre si por espaço duplo;
b) As referências deverão ser apresentadas em ordem alfabética de
organização;
c) Os modelos de referências estão exemplificados na NBR 6023. A
seguir, alguns exemplos de referências usadas mais comumente.
d) Quando não houver referência à editora, data ou local da
publicação, devem-se usar os símbolos:
:
[S.I.] = sem local
[s.n.] = sem editora
[s.d.] = sem data
[S.n.t.] = sem notas tipográficas (sem local, sem editora,
sem ano)

4.1.1 Livro

• SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes do autor por extenso e


intermediários abreviados. Título: subtítulo. Edição. Local de
publicação: Editora, ano.

33
Exemplo:

HOLANDA, Marcus Mauricius. Análise constitucional do acesso ao


trabalho digno, como instrumento do desenvolvimento econômico
e social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.

GOMES, Olívia Maria Cardoso. Violência doméstica e migrações:


estudo comparado das legislações portuguesa, brasileira e espanhola
sobre violência doméstica em comunidades de imigrantes. Curitiba:
Juruá, 2012.

4.1.2 Capítulo de Livro

SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes (por extenso).Título do capítulo.


In: SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes (Org.). Título da obra.
Edição. Local de publicação: Editora, ano. Página inicial-final do
capítulo.

Exemplo:

LIMA, Renata Albuquerque; BESSA, Aline Sousa; SALES, Francisco


Thiago de Oliveira Sales. Sistema Eleitoral e voto. In: FALCÃO
SOBRINHO, José; SOUZA, Ana Paula Marques (Orgs.). Direito e
Cidadania. Sobral: Expressão Gráfica, 2014, p. 291-303.

MACHADO, Maíra Rocha; MACHADO, Marta Rodrigues de Assis.


Do fato ao crime, do crime à pena: o estudo conjunto de direito penal
e direito processual penal. In: GHIRARDI, José Garcez;
VANZELLA, Rafael Domingos Faiardo (Orgs.). Ensino jurídico
participativo: construção de programas, experiências didáticas. São
Paulo: Saraiva, 2009, p. 3-26.

34
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

Obs.: Caso o artigo citado e a obra onde o artigo se encontra sejam do


mesmo autor, pode-se utilizar a indicação “idem” (ou “Id.”), conforme
orientação do item 3.4.1 acima descrito.

Exemplo:

CAVALCANTI NUTO, João Vianney. Autoria, teoria, poesia. In:


Idem (Org.) Personas Autorais. Brasília: Siglaviva, 2016.

4.1.3 Teses, dissertações e monografias

SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes (por extenso). Título. Ano da


defesa. Número de folhas. Tese, Dissertação, Monografia, TCC e
outros – Instituição, local, ano de entrega.

Exemplo:

VASCONCELOS, Vanessa Lopes. A participação do Brasil no


Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas: Enfoque na
reforma das Nações Unidas e do judiciário brasileiro. Lisboa, FDUL,
2012, 156f. Dissertação (Mestrado em Direito). Faculdade de Direito,
Universidade de Lisboa, 2012.

4.1.4 Artigo de revista

SOBRENOME DO AUTOR DO ARTIGO, Prenomes por extenso (outros


sobrenomes abreviados). Título da parte, artigo ou matéria. In: Título
da publicação, local da publicação, numeração correspondente ao
volume e/ou ano, fascículo ou número, paginação inicial e final do

35
artigo, quando se tratar de artigo ou matéria, data ou intervalo de
publicação e particularidades que identificam a obra (se houver).

Exemplo:

GURGEL, C. Reforma do Estado e segurança pública. In: Política e


Administração, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 15-21, set. 1997.

CARVALHO, Robson Augusto Mata. Percursos Metodológicos de


uma pesquisa na prisão. In: Scientia, Sobral, n. 1, 2. ed., p. 341 – 356,
nov 2013 – jun. 2013.

4.1.5 Trabalho apresentado em evento em mídia papel

Autor(es). “Título do trabalho apresentado”. In: NOME DO EVENTO,


numeração do evento (se houver), ano e local (cidade) de realização.
Título do documento (anais, atas, tópico temático, entre outros), local,
editora, data de publicação e página inicial e final da parte
referenciada.

Exemplo:

RENAUX, Douglas P. B.; STRAUHS, Faimara do Rocio; ABREU,


Aline França; BECKER, Leandro G. Biss.” Gestão do Conhecimento
de um Laboratório de Pesquisa: uma Abordagem Prática”. In:
SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DO
CONHECIMENTO / GESTÃO DE DOCUMENTOS, 4., 2001,
Curitiba. Anais... Curitiba: Editora Universitária Champagnat, 2001.
p. 195-208.

36
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

4.1.6 Artigo e/ou matéria de revista, boletim, eventos etc. em meio


eletrônico:

Todas as referências em meio eletrônico, informar elementos básicos


como autor, título, editora e ano. Acrescentar o endereço eletrônico
entre os sinais < >, precedido da expressão “Disponível em:” e a data
de acesso ao documento precedido da expressão “Acesso em:”

Exemplos:

MARQUES, Renata Ribeiro. “Aspectos do comércio eletrônico


aplicados ao Direito Brasileiro”. In: Jus Navigandi, Teresina, nov.
2001. a. 6, n. 52, Disponível em:
<http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=2467>. Acesso em: 20
set. 2003.

HOLANDA, Marcus Maurícius; MAGALHÃES, Átila de Alencar


Araripe. “Renda e trabalho dignos como agentes transformadores do
desenvolvimento econômico e social no Brasil”. In: CONSELHO
NACIONAL DE PESQUISA E POS-GRADUAÇÃO EM DIREITO,
23., 2014, João Pessoa. Anais Eletrônicos... João Pessoa: UFPB,
2014. Disponível em:
<http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=331bd2a196c2bb42>
. Acesso em: 10 fev. 2015.

ARRAIS, Amauri. Justiça de Minas Gerais culpa jovem que teve


imagens íntimas divulgadas na internet por se expor. Marie Claire,
[S.I.], 14 jul. 2014. Disponível em:
<http://revistamarieclaire.globo.com/Mulheres-do-
Mundo/noticia/2014/07/justica-de-minas-gerais-culpa-jovem-que-
teve-imagens-intimas-divulgadas-na-internet-por-se-expor.html>.
Acesso em: 06 jan. 2015.

37
Obs.: Os meses do ano devem ser abreviados da seguinte forma: jan.,
fev., mar., abr., maio, jun., jul., ago., set., out., nov., dez.

4.1.7 Documentos jurídicos

Elementos essenciais: Jurisdição (ou cabeçalho da entidade, no caso


de tratar de normas), título, numeração, data e dados da publicação.

Exemplos:

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República


Federativa do Brasil, Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos


para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos
termos do §8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção
sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra
as Mulheres e a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir
e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação
dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher;
altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de
Execução Penal; e dá outras providências.. Brasília, DF: Senado,
2006.

4.1.7.1 Jurisprudência

Elementos essenciais são: Jurisdição e órgão judiciário competente,


título (natureza da decisão ou emenda) e número, partes envolvidas
(se houver), relator, local, data e dados da publicação.

38
MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE MONOGRAFIAS - Direito

Exemplo:

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas-corpus nº 181.636-1,


da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo,
Brasília, DF, 6 de dezembro de 1994. Lex: jurisprudência do STJ e
Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v.10, n.103, p. 236-240,
mar.1998.

4.1.8 Documentos jurídicos em meio eletrônico

As referências devem seguir o padrão indicado para modelo jurídico,


acrescida das expressões “Disponível em:” e “Acesso em:”.

Exemplos:

BRASIL. Lei 7.716, de 5 de janeiro de 1989: Define os crimes


resultantes de preconceito de raça ou de cor. Disponível em: <http:
www.planalto.gov.br>. Acesso em: 10 jan. 2015.

BRASIL. Lei n. 12.737, de 30 de novembro de 2012. Dispõe sobre a


tipificação criminal de delitos informáticos; altera o Decreto-Lei
no 2.848, de 07 de dezembro de 1940 - Código Penal; e dá outras
providências. Disponível em: <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-
2014/2012/lei/l12737.htm>. Acesso em 10 jan. 2015.

Obs.: Como nossa legislação muda muito, é interessante fazer pesquisa


online para ter certeza de que a legislação usada está atualizada.
3
Obs.: Outra dica importante é que a página da internet onde o
documento referido está disponível deve aparecer na íntegra. No
exemplo acima, observe que, após a indicação da página
39
“www.planalto.gov.br” há a especificação da página onde o documento
está. Observe sempre a barra de endereços e copie e cole a descrição
completa do mesmo.

5 CONCLUSÃO

Parte final do texto na qual se apresentam conclusões correspondentes


aos objetivos e hipóteses. Em outras palavras, a conclusão é a síntese
dos resultados da monografia. Tem por finalidade recapitular
sinteticamente os resultados da pesquisa elaborada.

O autor poderá manifestar seu ponto de vista sobre os resultados


obtidos, bem como sobre o seu alcance, sugerindo novas abordagens a
serem consideradas em trabalhos semelhantes. Na conclusão, o autor
deve apresentar os resultados mais importantes e enfatizar a
contribuição do trabalho para o tema aos objetivos e à hipótese
apresentada.

Obs: É opcional apresentar os desdobramentos relativos à importância,


síntese, projeção, repercussão, encaminhamento e outros. Não deverão
existir citações na conclusão.

40