Você está na página 1de 20

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO,

GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS


RESOLUÇÃO ANP Nº 18, DE 18.6.2009 - DOU 19.6.2009

O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL


E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso de suas atribuições, tendo em vista as
disposições da Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, e a Resolução de Diretoria
nº 526, de 9 de junho de 2009, e considerando que compete à ANP regular as
atividades relativas ao abastecimento nacional de petróleo, gás natural, seus
derivados e biocombustíveis, definido pela Lei nº 9.847, de 26 de outubro de
1999, como de utilidade pública, o que se exerce, entre outros, por meio do
sistema de outorga de autorizações;

Considerando a necessidade de estabelecer requisitos mínimos, de caráter


técnico, econômico, contábil, financeiro e de controle de qualidade para o
exercício da atividade de produção de óleo lubrificante acabado;

Considerando a necessidade de atualizar os dados cadastrais das pessoas


jurídicas que já exercem a atividade de produção de óleo lubrificante acabado;

Considerando a necessidade de aprimorar os mecanismos de controle e de


acompanhamento da comercialização e da movimentação de óleo lubrificante
básico, acabado e usado ou contaminado; e

Considerando a necessidade de destinar o óleo lubrificante usado ou


contaminado, gerado a partir da utilização do óleo lubrificante acabado, nos
termos do art. 3º da Resolução CONAMA nº 362, de 23 de junho de 2005, torna
público o seguinte ato:

Das Disposições Gerais

Art. 1º Ficam estabelecidos, pela presente Resolução, os requisitos necessários à


autorização para o exercício da atividade de produção de óleo lubrificante
acabado, e a sua regulação.

Parágrafo único. A atividade de produção de óleo lubrificante acabado é


considerada de utilidade pública e compreende aquisição de óleo lubrificante
básico e de aditivos, armazenamento, produção de óleo lubrificante acabado em
instalação própria ou de terceiros, controle de qualidade, transporte,
comercialização e assistência técnica ao consumidor.

Das Definições

Art. 2º Para os fins desta Resolução, ficam estabelecidas as seguintes definições:


I - base de distribuição de óleo lubrificante: estabelecimento matriz ou filial que
comercializa óleo lubrificante acabado contendo tancagem de armazenamento ou
depósito com carga seca;

II - coleta: atividade que compreende a retirada do óleo lubrificante usado ou


contaminado do seu local de recolhimento, o transporte, a armazenagem e a
alienação de óleo lubrificante usado ou contaminado para a destinação
ambientalmente adequada;

III - coletor: empresa responsável pela atividade de retirada de óleo lubrificante


usado ou contaminado, autorizada pela ANP e licenciada pelo órgão ambiental
competente;

IV - consumidor: pessoa física ou jurídica que adquire óleo lubrificante sem


comercializá-lo;

V - graxa: combinação semi-sólida de produtos derivados de petróleo e um sabão


ou mistura de sabões, adequada para certos tipos de lubrificação;

VI - importador de óleo lubrificante básico: pessoa jurídica cadastrada na ANP


para o exercício da atividade de importação de óleo lubrificante básico.

VII - instalação administrativa: estabelecimento matriz ou filial que não realiza


movimentação física de óleo lubrificante;

VIII - instalação de produção de óleo lubrificante acabado:

instalação que compreende o armazenamento de óleo lubrificante básico,


tancagem e equipamentos para a formulação de óleo lubrificante acabado e,
quando couber, o armazenamento do óleo lubrificante acabado;

IX- óleo lubrificante acabado: produto formulado a partir de óleo lubrificante básico
ou de mistura de óleos lubrificantes básicos, podendo ou não conter aditivos;

X - óleo lubrificante básico: principal constituinte do óleo lubrificante acabado,


devendo ser classificado em um dos seis grupos definidos como parâmetros da
classificação de óleos básicos;

XI - óleo lubrificante básico rerrefinado: óleo básico obtido através do processo de


rerrefino, que atenda à especificação técnica, de acordo com a Portaria ANP nº
130, de 30 de julho de 1999, ou outra que venha a substituí-la;

XII - óleo lubrificante usado ou contaminado: óleo lubrificante que, em decorrência


de seu uso normal ou por motivo de contaminação, tenha se tornado inadequado
à sua finalidade original;

XIII - produtor de óleo lubrificante básico: pessoa jurídica cadastrada na ANP para
o exercício da atividade de produção de óleo lubrificante básico;
XIV - rerrefino: categoria de processos industriais de remoção de contaminantes,
produtos de degradação e aditivos dos óleos lubrificantes usados ou
contaminados, conferindo-lhes características de óleos lubrificantes básicos,
conforme legislação específica;

XV - revendedor de óleos lubrificantes: pessoa jurídica que comercializa óleo


lubrificante acabado no atacado ou no varejo;

XVI - revendedor varejista de combustíveis automotivos: pessoa jurídica


autorizada pela ANP para o exercício da atividade de revenda varejista de
combustível automotivo; e

XVII - transportador-revendedor-retalhista (TRR): pessoa jurídica autorizada pela


ANP para o exercício da atividade de transporte e revenda retalhista de
combustíveis e de óleos lubrificantes e graxas envasados, exceto gasolinas
automotivas, gás liquefeito de petróleo (GLP), combustíveis de aviação e álcool
combustível.

Da Autorização para o Exercício da Atividade de Produção de Óleo


Lubrificante Acabado

Art. 3º A atividade de produção de óleo lubrificante acabado somente poderá ser


exercida por pessoa jurídica, constituída sob as leis brasileiras, que possuir
autorização da ANP.

Art. 4º A autorização para produzir óleo lubrificante acabado será diferenciada de


acordo com a modalidade da atividade, conforme indicada a seguir:

I - produção de óleos lubrificantes acabados industriais;

II - produção de óleos lubrificantes acabados automotivos; ou

III - produção de óleos lubrificantes acabados industriais e automotivos.

Art. 5º O processo de autorização para o exercício da atividade de produção de


óleo lubrificante acabado consistirá das seguintes fases:

I - habilitação; e

II - outorga da autorização.

Da Habilitação

Art. 6º A fase de habilitação terá início com requerimento de autorização


formulado pela pessoa jurídica interessada, instruído com os documentos
relativos à:

I - qualificação jurídica e regularidade fiscal;

II - qualificação econômico-financeira; e
III - projeto de instalações.

Parágrafo único. Ainda que o requerimento tenha sido registrado em protocolo, o


não encaminhamento de quaisquer documentos relacionados com a qualificação
jurídica, econômico-financeira ou com a regularidade fiscal acarretará seu
indeferimento, por meio de despacho fundamentado.

Art. 7º A comprovação da qualificação jurídica e regularidade fiscal será realizada


com o encaminhamento, à ANP, dos seguintes documentos:

I - requerimento de autorização da pessoa jurídica interessada, assinado por


representante legal ou preposto, acompanhado de cópia do documento de
identificação do firmatário e, em se tratando de preposto, também de cópia de
instrumento de procuração;

II - ficha cadastral preenchida conforme modelo disponível no endereço eletrônico


www.anp.gov.br, assinada por representante legal ou preposto, acompanhada de
cópia do documento de identificação do firmatário e, em se tratando de preposto,
também de cópia de instrumento de procuração;

III - comprovante de inscrição e de situação cadastral no Cadastro Nacional de


Pessoa Jurídica (CNPJ) da matriz e filiais, que contemple a atividade de produção
de óleo lubrificante acabado.

IV - cópias dos atos constitutivos da pessoa jurídica interessada e de todas as


alterações realizadas nos últimos dois anos, registrados e arquivados na Junta
Comercial, que contemplem a atividade de produção de óleo lubrificante acabado;

V - certidão da Junta Comercial, contendo histórico de todas as alterações dos


atos constitutivos da pessoa jurídica;

VI - comprovação de cadastramento obrigatório perante o Sistema de


Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF), constando todas as
certidões, no prazo de validade, da matriz e filiais, que contemple a atividade de
produção de óleo lubrificante acabado; e

VII - certidão simplificada da Junta Comercial da qual conste o capital social de,
no mínimo:

a) R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) caso pretenda produzir óleos lubrificantes


acabados industriais; ou

b) R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) caso pretenda produzir óleos lubrificantes


acabados automotivos; ou

c) R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) caso pretenda produzir óleos lubrificantes


acabados automotivos e industriais.

§ 1º A comprovação do capital social será complementada mediante a


apresentação dos documentos discriminados nos incisos IV e V deste artigo.
§ 2º Quando o capital social for integralizado, total ou parcialmente, em bens,
deverão ser encaminhadas cópias dos respectivos laudos de avaliação,
elaborados por pessoa física ou pessoa jurídica especializada independente, com
registro no órgão competente.

§ 3º A ANP poderá solicitar, a qualquer tempo, cópias dos documentos


comprobatórios apresentados à Junta Comercial, utilizados na integralização do
capital social, ou qualquer outro documento que julgar necessário à comprovação
da origem dos recursos financeiros para a referida integralização.

§ 4º A comprovação do capital social integralizado deverá ser feita sempre que


houver alteração do capital social ou do quadro de acionistas ou de sócios.

§ 5º A ANP indeferirá, por meio de despacho fundamentado, o requerimento


apresentado, quando não comprovada a qualificação jurídica ou a regularidade
fiscal.

Art. 8º Para a comprovação da qualificação econômico-financeira, a pessoa


jurídica interessada deverá encaminhar à ANP:

I - Demonstrativo de Resultados do Exercício referente ao último exercício,


conforme modelo disponível no endereço eletrônico www.anp.gov.br;

II - Balanço Patrimonial ; e

III - estudo do empreendimento contemplando a projeção mensal do volume de


produção de óleo lubrificante acabado, com a indicação da logística de
suprimentos e de distribuição, por 24 (vinte e quatro) meses a contar da data de
envio do requerimento de autorização, indicando a(s) região(ões) geográfica(s)
onde pretende atuar, conforme modelo disponível no endereço eletrônico
www.anp.gov.br.

§ 1º Os demonstrativos referidos nos incisos I e II deverão ser subscritos pelo


responsável pela elaboração da escrituração contábil-fiscal e pelo responsável
legal pela pessoa jurídica ou preposto.

§ 2º A análise do Demonstrativo de Resultados do Exercício e do Balanço


Patrimonial consistirá no mínimo da avaliação da estrutura de capital e dos
índices de endividamento e rentabilidade do empreendimento.

§ 3º A análise do estudo do empreendimento consistirá, no mínimo, da avaliação


dos seguintes itens:

a) adequação do porte econômico-financeiro do empreendimento frente à


produção pretendida; e

b) adequação da capacidade de produção ao volume mensal pretendido, de


comercialização e de prestação de serviços de produção para terceiros,
respeitada a capacidade mínima estabelecida no art. 9º desta Resolução e
compatível com a capacidade de tancagem do produtor.
§ 4º Os dados contidos no Demonstrativo de Resultados do Exercício, no Balanço
Patrimonial e no estudo do empreendimento são confidenciais.

§ 5º Eventuais alterações do empreendimento deverão ser informadas à ANP,


acompanhadas de justificativa, e poderão implicar o reexame do requerimento
para obtenção da autorização para o exercício da atividade de produção de óleo
lubrificante acabado.

§ 6º A ANP, por meio de despacho fundamentado, indeferirá o requerimento de


autorização apresentado quando não comprovada a qualificação econômico-
financeira.

§ 7º A pessoa jurídica registrada como micro empresa, empresa de pequeno porte


ou de lucro presumido está dispensada da comprovação constante do inciso II
deste artigo.

Art. 9º Para os fins do inciso III, art. 5º, desta Resolução, a pessoa jurídica deverá
encaminhar, com vistas à autorização pela ANP, projeto(s) de instalação de
produção de óleo lubrificante acabado referente(s) à matriz e filial(is) relacionadas
com a atividade, de acordo com as normas específicas, observada a tancagem
compatível com o volume de comercialização, conforme disposto no § 3º do art.
7º desta Resolução, assegurada a capacidade total mínima: i) 80 (oitenta) m³ para
produtor de óleos lubrificantes acabados industriais; ii) 120 (cento e vinte) m³ para
produtor de óleos lubrificantes acabados automotivos; e 120(cento e vinte) m³
para produtor de óleos lubrificantes acabados industriais e automotivos.

§ 1º O requerente poderá encaminhar o(s) projeto(s) de instalação de que trata o


caput deste artigo concomitantemente com os documentos relacionados com às
qualificações jurídica e econômico-financeira e com a regularidade fiscal ou após
a aprovação desses documentos pela ANP.

§ 2º Para fins de análise de projeto de instalação de produção o óleo lubrificante


acabado deverá ser classificado como líquido combustível classe III B nos termos
da norma ABNT NBR 17505-1 ou outra que venha a substituí-la.

§ 3º A ANP, por meio de despacho fundamentado, indeferirá o requerimento de


autorização apresentado, no caso de não aprovação do(s) projeto(s) de
instalação, quando da análise para concessão da autorização de construção da
instalação de produção de óleo lubrificante acabado.

Art. 10. Poderão ser solicitados documentos ou informações de forma a


comprovar os requisitos referentes à fase de habilitação, relacionados nos arts.
7º, 8º e 9º desta Resolução, indicando o motivo ao requerente.

Art. 11. Será indeferido o requerimento de habilitação:

I - que não atender aos requisitos previstos nos arts. 7º , 8º e 9º desta Resolução;

II - que tiver sido instruído com declaração falsa ou inexata ou com documento
falso ou inidôneo, sem prejuízo das penalidades cabíveis;
III - de pessoa jurídica:

a) que estiver com a inscrição no CNPJ enquadrada como suspensa, inapta ou


cancelada;

b) que estiver com seus dados cadastrais em desacordo com os registrados no


CNPJ;

c) que funcionar em imóvel utilizado como moradia ou residência particular e


desse não possuir separação física e acesso independente, observado o disposto
na(s) norma(s) técnica(s) aplicável(eis);

d) de cujo quadro societário, ou de administradores, tome parte sócio, acionista


ou administrador que tenha participado das deliberações sociais de pessoa
jurídica que, nos últimos 5 (anos) anos, anteriores ao requerimento, tenha estado
em débito decorrente do exercício de atividade regulada pela ANP, de acordo
com a Lei nº 9.847, de 26 de outubro de 1999; e

e) que teve autorização para o exercício de atividade regulada pela ANP cassada
em decorrência de penalidade aplicada em processo com decisão definitiva, nos
termos do art. 10 da Lei nº 9.847, de 26 de outubro de 1999.

Parágrafo único. O disposto nas alíneas d e e do inciso III deste artigo aplica-se
inclusive às pessoa jurídicas coligadas ou controladoras da que requereu
autorização.

Da Outorga da Autorização

Art. 12. A fase de outorga da autorização para o exercício da atividade de


produção de óleo lubrificante acabado inicia-se com a publicação da declaração
de habilitação da pessoa jurídica e da autorização de construção da instalação de
produção de óleo lubrificante acabado.

Parágrafo único. A pessoa jurídica que adquirir instalação de óleo lubrificante


acabado construída com autorização da ANP fica dispensada da obtenção da
autorização de construção de que trata o caput deste artigo.

Art. 13. Após a declaração a que se refere o artigo anterior, a outorga da


autorização dependerá da apresentação, pela pessoa jurídica habilitada, em
consonância com o estudo técnico-econômico do empreendimento, dos seguintes
itens:

I - comprovação de que possui instalação de produção de óleo lubrificante


acabado, autorizada pela ANP a operar, observada tancagem compatível com o
volume de comercialização, conforme disposto no § 3º do art. 7º desta Resolução,
e assegurada a capacidade total mínima de: i) 80 (oitenta) m³ para produtor de
óleos lubrificantes acabados industriais; ii) 120 (cento e vinte) m³ para produtor de
óleos lubrificantes acabados automotivos; e 120 (cento e vinte) m³ para produtor
de óleos lubrificantes acabados industriais e automotivos;
II - comprovação de que possui laboratório próprio para controle de qualidade dos
óleos lubrificantes acabados, que disponha dos seguintes equipamentos,
calibrados e em perfeito estado de funcionamento e que atendam às normas de
ensaio estabelecidas pela ANP, para realização de testes mínimos estabelecidos,
conforme o caso:

i) produtor de óleos lubrificantes acabados automotivos: cor, viscosidade


cinemática a 40ºC, viscosidade cinemática a 100ºC, densidade, ponto de fulgor,
ponto de fluidez, teor de elementos, TBN, corrosão em lâmina de cobre,
termômetros específicos para os métodos, balança analítica, estufa, chapa de
aquecimento e vidrarias.

ii) produtor de óleos lubrificantes acabados industriais: cor, viscosidade


cinemática a 40ºC, viscosidade cinemática a 100ºC, densidade, ponto de fulgor,
ponto de fluidez, teor de elementos, TAN, corrosão em lâmina de cobre e
demulsibilidade termômetros específicos para os métodos, balança analítica,
estufa, chapa de aquecimento e vidrarias.

iii) produtor de óleos lubrificantes acabados industriais e automotivos: cor,


viscosidade cinemática a 40ºC, viscosidade cinemática a 100ºC, densidade, ponto
de fulgor, ponto de fluidez, teor de elementos, TBN, corrosão em lâmina de cobre,
TAN, demulsibilidade, termômetros específicos para os métodos, balança
analítica, estufa, chapa de aquecimento e vidrarias.

III - cópia do Alvará de Funcionamento expedido pela Prefeitura Municipal relativo


à instalação de produção de óleo lubrificante acabado, contemplando a descrição
da atividade de produção de óleo lubrificante acabado;

IV - comprovação de habilitação parcial perante o Sistema de Cadastramento


Unificado de Fornecedores (SICAF), constando todas as certidões no prazo de
validade, da matriz e das filiais, contemplando a atividade de produção de óleo
lubrificante acabado;

V - comprovante da regular inscrição estadual da matriz e das filiais, que


contemple a atividade de produção de óleo lubrificante acabado ou de produtos
químicos, bem como das filiais relacionadas com a atividade de comercialização
de óleos lubrificantes;

VI - cópia da Licença de Operação emitida por órgão ambiental competente


relativa à instalação de produção de óleo lubrificante acabado, contemplando a
descrição da atividade de produção de óleo lubrificante acabado;

VII - cópia da certidão de vistoria das instalações, expedida por Corpo de


Bombeiros competente, contemplando a descrição da atividade de produção de
óleo lubrificante acabado;

VIII - Certidão Simplificada da Junta Comercial da qual conste o capital social


integralizado de, no mínimo: i) R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), quando se
tratar de produtor de óleos lubrificantes acabados industriais; ii) R$ 300.000,00
(trezentos mil reais), quando se tratar de produtor de óleos lubrificantes acabados
automotivos;

e iii) R$ 300.000,00 (trezentos mil reais), quando se tratar de produtor de óleos


lubrificantes acabados industriais e automotivos;

IX - cópia do(s) contrato(s) de coleta com coletore(s) autorizado( s) pela ANP para
o exercício da atividade, com interveniência do(s) responsável(is) pela destinação
adequada, conforme art. 3º da Resolução CONAMA nº 362, de 23 de junho de
2005, ou outra que venha a substitui-la, exceto quando o produtor possuir
autorização para o exercício da atividade de coleta, ou nos casos em que o
produto fabricado não seja passível de coleta, conforme §§ 1º e 2º, art. 24, desta
Resolução; e

X - cópia do(s) contrato(s) de produção de óleo lubrificante acabado com pessoa


jurídica(s) autorizada(s) para o exercício da atividade de produção de óleo
lubrificante acabado com instalação própria, quando se tratar de produtor cuja
produção seja realizada somente em instalação de terceiros.

§ 1º O produtor de óleo lubrificante acabado cuja fabricação efetuar-se somente


em instalação de outro produtor de óleo lubrificante acabado autorizado pela ANP
estará dispensado de apresentar os documentos previstos nos incisos I, II, III, VI e
VII deste artigo;

§ 2º O terreno onde se encontrar a instalação de produção de óleo lubrificante


acabado de que trata o inciso I deste artigo poderá ser próprio, locado ou
arrendado, comprovado mediante cópia da certidão de registro de imóveis ou do
contrato de locação ou de arrendamento registrado em Cartório de Títulos e
Documentos.

§ 3º O contrato de locação ou de arrendamento, deverá ter prazo igual ou superior


a 5 (cinco) anos com expressa previsão de renovação, registrado em cartório,
podendo ser apresentado em forma de extrato.

§ 4º A instalação de produção de óleo lubrificante acabado de que trata o inciso I


deste artigo deverá ser própria, locada ou arrendada, comprovada mediante cópia
da certidão de registro de imóveis ou do contrato de locação ou de arrendamento
registrado em Cartório de Títulos e Documentos.

§ 5º Para comprovação do inciso II deste artigo, deverá ser apresentada


declaração assinada por profissional com registro no Conselho Regional de
Química - CRQ, informando que a pessoa jurídica interessada dispõe de
laboratório próprio com infraestrutura, vidrarias e equipamentos necessários para
a realização dos ensaios e testes para controle da qualidade de óleo lubrificante
acabado, conforme Anexo I.

§ 6º A comprovação do capital social integralizado de que trata o inciso VIII deste


artigo será complementada mediante a apresentação dos documentos previstos
nos incisos IV e V do art. 7º desta Resolução.
§ 7º Quando o capital social for integralizado, total ou parcialmente, em bens,
deverão ser encaminhados à ANP os respectivos laudos de avaliação, elaborados
por pessoa física ou jurídica com registro no órgão competente.

§ 8º O(s) contrato(s) de produção de que trata o inciso X deste artigo deverá(ão)


discriminar o óleo lubrificante acabado a ser produzido em terceiros e o respectivo
volume, e implicará(ao) o reexame da capacidade de produção do produtor de
óleo lubrificante acabado autorizado pela ANP que estiver realizando a fabricação
de óleo lubrificante para terceiros.

§ 9. A ANP, a seu critério, poderá realizar, a qualquer tempo, vistoria das


instalações para verificação das condições de segurança e atestar as informações
prestadas.

§ 10. Poderão ser solicitados documentos ou informações de forma a comprovar


os requisitos referentes à fase de outorga, relacionados no art.12 desta
Resolução, indicando o motivo ao requerente.

Art. 14. A ANP, independentemente do atendimento ao que dispõe o art. 13 desta


Resolução, poderá obstar o ingresso e a permanência de agente econômico na
atividade de produção de óleo lubrificante acabado caso presentes fundadas
razões de interesse público apuradas em processo administrativo, garantidos o
contraditório e a ampla defesa.

Art. 15. A pessoa jurídica interessada somente poderá iniciar a produção de óleo
lubrificante acabado após a publicação no Diário Oficial da União da autorização
para o exercício da atividade, conjuntamente com a autorização de operação da
instalação, sob pena de aplicação das sanções cabíveis.

§ 1º Quando da publicação da autorização para o exercício da atividade de


produção de óleo lubrificante acabado no Diário Oficial da União, a pessoa
jurídica interessada deverá atender a todos os requisitos das fases de habilitação
e de outorga da autorização.

§ 2º A autorização terá validade em todo o território nacional.

Das Alterações Cadastrais

Art. 16. Deverão ser informadas à ANP, mediante encaminhamento de nova ficha
cadastral, no prazo máximo de 30 (trinta) dias a contar da efetivação do ato, as
alterações ocorridas, acompanhadas da documentação comprobatória, referentes
aos itens a seguir:

i) dados cadastrais da pessoa jurídica;

ii) mudança de endereço de matriz ou de filial(is) que contemple a atividade de


produção de óleo lubrificante acabado;
iii) capacidade de instalação de produção de óleo lubrificante acabado e de
armazenamento de óleo lubrificante básico e, quando couber, de armazenamento
de óleo lubrificante acabado;

iv) quadro societário;

v) inclusão ou exclusão de filial(is), que contemple a atividade de produção de


óleo lubrificante acabado;

vi) capital social;

vii) licenciamento ambiental; e

viii) alterações ocorridas que comprometam as informações encaminhadas à ANP


quando do cadastramento de matriz e de filial(is) que operem como base de
distribuição de óleo lubrificante ou como instalação administrativa.

Parágrafo único. As alterações de que trata o caput deste artigo poderão implicar
o indeferimento do requerimento, quando o processo encontrar-se em fase de
análise ou, se for o caso, o reexame da autorização outorgada.

Art. 17. No caso de inclusão de filial(is) relacionada(s) com a movimentação dos


óleos lubrificantes acabados produzidos, deverá(ao) ser encaminhados à ANP,
para fins de cadastramento, os documentos, relativos a este(s)
estabelecimento(s), de acordo com as características da instalação previstos nas
alíneas i, ii e iii:

i) no caso de instalação de produção de óleo lubrificante acabado encaminhar os


previstos nos incisos I a V do art. 7º e nos incisos III, V, VI e VII do art.13,
incluindo a planta baixa de situação do estabelecimento, contendo a tancagem da
filial, que não precisará atender a tancagem mínima estabelecida;

ii) no caso de base de distribuição de óleo lubrificante encaminhar os previstos


nos incisos I ao V do art. 7º e nos incisos III, V e VII do art. 13, bem como cópia
da licença de operação emitida por órgão ambiental competente, contendo a
descrição da atividade do estabelecimento, quando couber;

iii) no caso de instalação administrativa encaminhar os previstos nos incisos I ao


V do art. 7º e nos incisos III e V do art. 13;

§ 1º A(s) filial(is) de que trata(m) os parágrafos anteriores somente poderá(ão)


iniciar sua operação após seu cadastramento na ANP.

§ 2º A filial terá seu cadastramento cancelado quando deixar de atender aos


requisitos de cadastramento, inclusive nos casos em que o CNPJ ou a inscrição
estadual se apresentar em situação irregular, ficando impedida de operar.

Da Aquisição de Óleo Básico


Art. 18. O produtor de óleo lubrificante acabado somente poderá adquirir óleos
básicos:

I - de produtor nacional de óleo básico, cadastrado na ANP;

II - de importador de óleo básico, cadastrado na ANP;

III - de rerrefinador autorizado pela ANP;

IV- de outro produtor de óleo lubrificante acabado, autorizado pela ANP; e

V - diretamente no mercado externo, quando encontrar-se cadastrado para o


exercício da atividade de importação de óleo lubrificante básico pela ANP.

Art. 19. Todo óleo lubrificante básico comercializado pelo produtor de óleo
lubrificante acabado diretamente com o consumidor será considerado óleo
lubrificante acabado para fins desta Resolução.

Art. 20. Não será permitido ao produtor de óleo lubrificante acabado autorizado
pela ANP utilizar óleo lubrificante usado ou contaminado na formulação de óleos
lubrificantes e na produção de graxas lubrificantes.

Da Comercialização de Óleo Lubrificante Acabado

Art. 21. O produtor somente poderá comercializar óleo lubrificante acabado com:

I - produtor de óleo lubrificante acabado, autorizado pela ANP;

II - transportador-revendedor-retalhista (TRR);

II - revendedor de óleos lubrificantes;

IV - consumidor; e

V - diretamente para o mercado externo.

Art. 22. A comercialização de óleo lubrificante acabado está condicionada ao


prévio registro do produto nos termos da Resolução ANP nº 10, de 7 de março de
2007, ou ato que venha a substituí-la.

Da Coleta de Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado

Art. 23. O produtor de óleo lubrificante acabado fica obrigado a coletar ou a


garantir a coleta de óleo lubrificante usado ou contaminado na proporção do
volume total de óleo lubrificante acabado que comercializar, assim como destiná-
lo para rerrefino ou qualquer outra utilização licenciada por órgão ambiental
competente, conforme art. 3º da Resolução CONAMA nº 362, de 23 de junho de
2005, ou legislação que venha a substituí-la.
§ 1º Para cumprimento da obrigação prevista no caput deste artigo, o produtor de
óleo lubrificante acabado poderá: i) celebrar contrato com pessoa jurídica
autorizada pela ANP para o exercício da atividade de coleta de óleo lubrificante
usado ou contaminado; ou ii) obter autorização da ANP para o exercício da
atividade de coleta de óleo lubrificante usado ou contaminado.

§ 2º O percentual mínimo de óleo lubrificante usado ou contaminado a ser


coletado está determinado na Portaria Interministerial do Ministério de Minas e
Energia e do Ministério de Meio Ambiente, nº 464, de 29 de agosto de 2007, ou
outra que venha a substituí-la.

§ 3º Para fins de comprovação de coleta e correta destinação do óleo lubrificante


usado ou contaminado coletado, o produtor deverá exigir do coletor contratado os
certificados de recebimento de óleo lubrificante usado ou contaminado emitidos
pelo rerrefinador.

§ 4º Caso o destino do óleo lubrificante usado ou contaminado esteja enquadrado


na exceção prevista no § 3º, art. 3º, da Resolução CONAMA nº 362, de 23 de
junho de 2005, o produtor de óleo lubrificante acabado deverá exigir do coletor
contratado cópia da licença expedida pelo órgão ambiental competente em nome
do destinatário autorizando essa destinação, bem como toda a documentação
fiscal que a comprove.

§ 5º A contratação com coletor terceirizado não exonera o produtor da


responsabilidade pela coleta e destinação legal do óleo lubrificante usado ou
contaminado, respondendo o produtor, solidariamente, pelas ações e omissões
dos coletores com quem contratar.

Art. 24. Para o cálculo do volume mensal mínimo de óleo lubrificante usado ou
contaminado a ser coletado, será utilizado o volume médio de comercialização de
óleo lubrificante acabado verificado no trimestre anterior ao do mês de
competência, descontado o volume de comercialização de óleo lubrificante
acabado dispensado de coleta, que não integra a base de cálculo.

Art. 25. Serão considerados óleos lubrificantes acabados, para o envio de dados
de movimentação, de acordo com o art. 27 desta Resolução, os óleos destinados
às seguintes finalidades:

a) motores do ciclo Otto ou Diesel;

b) engrenagem automotiva, diferencial e transmissões;

c) engrenagens em geral;

d) equipamentos agrícolas;

e) sistemas hidráulicos e turbinas;

f) compressores;
g) equipamentos pneumáticos, máquinas operatrizes e têxteis;

h) tratamento térmico;

i) óleo de corte integral com teor de óleo básico acima de 70%;

j) trocador de calor;

k) proteção temporária;

l) pulverização agrícola;

m) correntes de motosserra;

n) indústrias onde o óleo lubrificante integre o produto final ou o processo, não


gerando resíduo;

o) estampagem;

p) motores de dois tempos;

q) sistemas selados que não exijam troca ou que impliquem perda total do óleo;

r) solúveis;

s) fabricação de óleos lubrificantes a base de asfalto; e

t) exportação, incluindo aqueles incorporados em máquinas e equipamentos


destinados à exportação.

§ 1º Não integrarão a base de cálculo para apuração do volume de óleo


lubrificante usado ou contaminado a ser coletado os óleos lubrificantes
discriminados nas alíneas k a t e os óleos lubrificantes básicos ou acabados
comercializados entre produtores, entre importadores ou entre produtores e
importadores autorizados pela ANP, devendo esse volume ser reportado à ANP
como produzido, comercializado e posteriormente dispensado de coleta de acordo
com o art. 27 desta Resolução.

§ 2º O volume de óleo lubrificante básico comercializado diretamente com o


consumidor não integrará a base de cálculo para apuração do volume de óleo
lubrificante usado ou contaminado a ser coletado se destinado para as finalidades
discriminadas nas alíneas k a t, devendo esse volume ser reportado à ANP como
produzido, comercializado e posteriormente dispensado de coleta de acordo com
o art. 27 desta Resolução.

Das Obrigações do Produtor de Óleo Lubrificante Acabado

Art. 26. O produtor de óleo lubrificante acabado obriga-se a:


I - manter atualizados os documentos das fases de habilitação e de outorga da
autorização para o exercício da atividade de produção de óleo lubrificante
acabado, à exceção do inciso VI do art. 7º e do inciso VIII do art. 13;

II - informar previamente à ANP as alterações que pretenda efetuar em suas


instalações, quanto à capacidade de produção e armazenamento, encaminhando
projeto(s) de ampliação ou de modificação para fins de obtenção de autorização
de construção ou de operação, apenas nos casos onde a produção for realizada
em instalação própria;

III - enviar à ANP, mensalmente por meio de arquivo eletrônico, até o dia 15
(quinze) do mês subseqüente ao de competência, os dados de movimentação
conforme o art. 27 desta Resolução;

IV - manter contrato celebrado com pelo menos 1 (um) coletor de óleo lubrificante
usado ou contaminado autorizado pela ANP, à exceção do disposto no inciso IX,
art. 13, parte final, desta Resolução;

V - enviar à ANP cópia da rescisão de contrato de coleta que mantenha com


coletor autorizado pela ANP, no prazo máximo de 15 (quinze) dias após o ato,
bem como cópia de cada novo contrato de coleta;

VI - informar à ANP, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, o término de


contrato que mantenha com outro produtor, para a produção de óleo lubrificante
acabado, no caso em que a produção seja realizada apenas em instalação de
terceiros, bem como cópia de novo contrato de produção;

VII - realizar as análises físico-químicas do produto, mencionadas no inciso II do


art. 13, em laboratório próprio que disponha dos equipamentos necessários para
atender aos métodos de ensaio previstos nas especificações da ANP.

VIII - manter no laboratório próprio documentação que comprove que, por ocasião
do desenvolvimento do produto, de acordo com a periodicidade indicada pelo
produtor em seu manual de qualidade, foram realizadas as seguintes análises em
laboratório próprio ou contratado: i) para produtores de óleos industriais: a) tinken
ou four ball; b) determinação da viscosidade a baixa temperatura brookfield; e c)
espectroscopia a baixa temperatura, e ii) para produtores de óleos automotivos: a)
determinação da viscosidade a baixa temperatura brookfield; b) viscosidade
dinâmica pelo simulador de partida a frio; e c) espectroscopia de infravermelho.

IX - garantir as especificações técnicas quanto à qualidade do óleo lubrificante


acabado produzido, conforme os registros na ANP e de acordo com a
regulamentação em vigor, mesmo quando o óleo lubrificante acabado for
produzido por terceiros;

X - treinar seus empregados ou terceiros contratados em relação a todas as


etapas da atividade, em conformidade com a legislação pertinente, bem como
manter plano de ação para situações de emergência e de mitigação de acidentes;
XI - transportar óleo lubrificante básico ou acabado de acordo com as exigências
estabelecidas por órgão competente para esse tipo de carga;

XII - manter, em sua instalação, e disponibilizá-la pelo prazo de 5 (cinco) anos e


tornar disponível aos funcionários da ANP ou de órgãos conveniados, todos os
registros de movimentação de óleo lubrificante básico e de óleo lubrificante
acabado escriturados e atualizados, bem como as notas fiscais relativas à
aquisição de óleo lubrificante básico e aditivos, comercialização de óleo
lubrificante básico e de óleo lubrificante acabado, certificado de recebimento de
óleo usado, e de qualquer outro destino do óleo lubrificante usado ou
contaminado, na hipótese do § 3º, art. 3º da Resolução CONAMA nº 362, de 23
de junho de 2005;

XIII - observar as demais obrigações prescritas pela Resolução CONAMA nº 362,


de 23 de junho de 2005; e

XIV - cumprir as normas que regem a ordem econômica, a segurança do


consumidor e a preservação do meio ambiente.

Do Envio de Dados de Movimentação

Art. 27. O produtor de óleo lubrificante acabado deverá enviar à ANP,


mensalmente, por meio de arquivo eletrônico, até o dia 15 (quinze) do mês
subseqüente ao de competência, relatórios de movimentação, discriminando, por
mês, por instalação e unidade federativa, no mínimo, as seguintes informações:

a) estoques iniciais e finais dos óleos básicos;

b) movimentações, operacionais e comerciais, dos óleos básicos;

c) estoques iniciais e finais dos óleos básicos rerrefinados;

d) movimentações, operacionais e comerciais, dos óleos básicos rerrefinados;

e) estoques iniciais e finais dos óleos lubrificantes acabados;

f) produção dos óleos lubrificantes acabados;

g) movimentações, operacionais e comerciais, dos óleos lubrificantes acabados;

h) volumes de óleos lubrificantes acabados comercializados e dispensados de


coleta;

i) volumes de óleos lubrificantes usados ou contaminados a serem coletados, por


coletor; e

j) exportação de óleos lubrificantes acabados.

§ 1º Deverão ser mantidos os atuais procedimentos para encaminhamento à ANP


dos dados trimestrais, por meio do Sistema Interativo, até o dia 15 (quinze) do
mês subseqüente ao trimestre de competência, até a implementação do
Demonstrativo de Produção e Movimentação de Produtos - DPMP, para atender
ao setor de lubrificantes, de acordo com a Resolução ANP nº 17 de 31 de agosto
de 2004.

§ 2º O produtor de óleo lubrificante acabado autorizado, com instalação própria de


produção, fica responsável pela coleta e pelo envio dos dados previstos nas
alíneas a a j deste artigo de toda a sua linha de óleos lubrificantes, mesmo que
parte dela tenha sido fabricada em unidade de produção de terceiros.

§ 3º O produtor de óleo lubrificante acabado autorizado pela ANP a fabricar óleos


lubrificantes em instalação de outro produtor autorizado fica responsável pela
coleta e pelo envio dos dados previstos nas alíneas a a j deste artigo de toda a
sua linha de óleos lubrificantes.

§ 4º O produtor de óleo lubrificante acabado autorizado, com instalação própria de


produção, que fabricar óleo lubrificante para pessoa jurídica que possua apenas o
registro do produto na ANP, não sendo autorizada como produtor de óleo
lubrificante acabado, nos termos desta Resolução, fica responsável pela coleta e
pelo envio dos dados previstos nas alíneas a a j relativos a todos os produtos que
fabricar para terceiros.

Da Desativação da Instalação de Produção de Óleo Lubrificante Acabado

Art. 28. Quando da desativação da instalação de produção de óleo lubrificante


acabado, o produtor deverá encaminhar à ANP, no prazo máximo de 90 (noventa)
dias:

a) requerimento de cancelamento da autorização de operação da instalação de


produção de óleo lubrificante acabado;

b) cópia do requerimento de cancelamento dos registros de produtos concedidos


pela ANP nos termos da Resolução ANP nº 10, de 7 de março de 2007, ou outra
que venha a substituí-la.

c) cópia do requerimento de desativação da instalação de produção de óleo


lubrificante acabado, protocolado em órgão ambiental competente; e

d) cópia do documento de baixa da inscrição estadual relativa ao estabelecimento


ou outro documento expedido pela Prefeitura Municipal, informando o
encerramento de atividade ou baixa de ofício.

Parágrafo único. A ANP publicará no Diário Oficial da União o cancelamento da


autorização de operação da instalação de produção de óleo lubrificante acabado
de que trata o caput deste artigo.

Das Disposições Transitórias

Art. 29. O produtor de óleo lubrificante acabado autorizado pela ANP e em


operação terá o prazo de 360 (trezentos e sessenta) dias, contados a partir da
data de publicação desta Resolução, para atender ao disposto nos arts. 7º, exceto
inciso VI, 8º, 9º e 13, exceto inciso IV.

Parágrafo único. A ANP republicará no Diário Oficial da União autorização das


pessoas jurídicas em operação para o exercício da atividade de produção de óleo
lubrificante acabado que cumprirem o disposto nesta Resolução e revogará a
autorização dos que não o cumprirem, assim como os registros de produtos que
constarem sob sua responsabilidade, conforme a Resolução ANP nº 10, de 7 de
março de 2007, ou outra que venha a substituí-la, assegurando-se o contraditório
e a ampla defesa.

Do Cancelamento e da Revogação da Autorização

Art. 30. A autorização para o exercício da atividade de produção de óleo


lubrificante acabado é outorgada em caráter precário e será:

I - cancelada nos seguintes casos:

a) extinção da pessoa jurídica, judicial ou extrajudicialmente;

b) por decretação de falência da pessoa jurídica; ou

c) por requerimento do produtor de óleo lubrificante acabado;

II - revogada, a qualquer tempo, mediante declaração expressa da ANP, quando


comprovado em processo administrativo, com garantia do contraditório e ampla
defesa:

a) que o exercício da atividade de produção de óleo lubrificante acabado não foi


iniciada após 180 (cento e oitenta) dias após a data de publicação da autorização
para o exercício da atividade e do registro do produto no Diário Oficial da União;

b) que houve paralisação injustificada da atividade de produção de óleo


lubrificante acabado, não tendo sido apresentada comercialização de óleo
lubrificante acabado ou prestação de serviços de produção desse produto para
terceiros no prazo de 180 (cento e oitenta) dias;

c) que há fundadas razões de interesse público, justificadas pela autoridade


competente;

d) que deixou de atender aos requisitos referentes às fases de habilitação e de


outorga da autorização que condicionaram a concessão da autorização, à
exceção do inciso VI do art. 7º e do inciso IV do art. 13; ou

e) que o CNPJ ou a inscrição estadual encontra-se em situação irregular;

f) que a atividade está sendo executada em desacordo com a legislação vigente,


expressamente indicada pela ANP; ou

g) que não foi atendido o disposto no art. 29 desta Resolução.


Das Disposições Finais

Art. 31. Caberá à ANP adotar procedimentos, no âmbito de suas atribuições


legais, para a solução de conflitos entre agentes econômicos e entre esses e
usuários e consumidores, com ênfase na conciliação e no arbitramento.

Art. 32. A ANP instituirá e coordenará Fórum de Lubrificantes, composto por


representantes de produtores, importadores, coletores, rerrefinadores,
revendedores, entidades de classe, órgãos públicos e demais agentes
econômicos do setor de lubrificantes, para fins de acompanhamento do mercado
desses produtos e do cumprimento dos dispositivos desta Resolução.

Art. 33. Os funcionários da ANP e de órgãos conveniados, devidamente


identificados, terão livre acesso às instalações do produtor de óleo lubrificante
acabado, respeitado os procedimentos gerais de segurança.

Art. 34. O não atendimento às disposições desta Resolução sujeita o infrator às


penalidades previstas na Lei nº 9.847, de 26 de outubro de 1999, e no Decreto nº
2.953, de 28 de janeiro de 1999, sem prejuízo das demais sanções cabíveis.

Art. 35. A presente Resolução não se aplica às graxas lubrificantes.

Art. 36. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 37. Ficam revogadas as Portarias ANP nºs 125 e 126, de 30 de julho de
1999.

HAROLDO BORGES RODRIGUES LIMA

ANEXO I

MODELO DE DECLARAÇÃO DE LABORATÓRIO PRÓPRIO

A pessoa jurídica......................................................, inscrita no CNPJ sob o nº


..............................., por intermédio de seu responsável técnico, Sr(a)
................................................................, inscrição no órgão de classe nº
................................................ e CPF nº ............................., DECLARA, para fins
do disposto no § 5º e no inciso II, art. 12, desta Resolução, que o laboratório
localizado ................................................................ possui infraestrutura, vidrarias
e equipamentos aferidos e em perfeito estado de funcionamento, conforme
relação abaixo:
Ensaio Equipamento/Vidrarias Fabricante Número de
Série

______________________________

Responsável pelo preenchimento (Nome, Assinatura e nº de inscrição no CRQ ou carimbo


com o nº do CRQ)

_____________________________

Data

imprimir

"Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União"