Você está na página 1de 8

Dinâmicas de valores

1Escala de valores

 Objetivo: Reconhecer os próprios valores;


 Idade: Acima de 13 anos;

 Material: Papel, lápis, quadro.

Essa atividade consiste em uma dinâmica para estabelecer uma


escala de valores e comparar com os valores que os indivíduos
possuíam quando criança.
O primeiro passo é entregar um papel para cada um dos participantes
e pedir para que eles dividam a folha em um lado direito e outro
esquerdo.
Após isso, deve ser escrito no quadro algumas frases que expressam
atitudes ou valores, como:
“Ir a festa é mais importante do que passar um tempo com meus
pais”.
“Prefiro gastar todas as minhas economias com roupas, do que
guardar para algo mais relevante”.
“É mais importante: sair com meu namorado; estudar; almoçar com a
família; ir a uma festa; comprar roupas; etc.”.
Em seguida, peça para que os participantes escrevam do lado direito o
que acham mais importante para suas vidas, em ordem de maior para
menor importância.
Do lado esquerdo da folha, eles devem ser orientados para escrever o
que era mais importante para cada um deles quando crianças.
Após tudo isso, peça para que eles mostrem e reflitam o que
escreveram com os colegas que estão próximos.
Devem ser orientados a comparar a importância de certas atitudes
quando eram pequenos e como é atualmente.
Assim, cada um deve refletir sobre suas escolhas e valores, se as
alterações dos valores é como imaginavam e se desejam continuar
com os mesmos valores.
Caso a dinâmica seja feita com pessoas mais velhas, como em um
ambiente de trabalho, os valores do quadro devem ser alterados para
alguns que combinem com a empresa.
Assim, poderá ser analisado se os participantes possuem valores
semelhantes aos da empresa.
2Defeitos e virtudes

 Objetivo: Incorporar a ideia de equilíbrio;


 Idade: Acima de 10 anos;

 Material: Bexigas.

A finalidade dessa brincadeira é demonstrar a potencialidade dos


sentimentos, assim como refletir acerca da necessidade do equilíbrio
na vida pessoal de todos.
Para realizar a dinâmica, uma bexiga deve ser distribuída para cada
integrante.
Em seguida, oriente o grupo a encher a bexiga o máximo que
conseguir. Porém, não devem segurar o ar, nem estourá-las.
Após um tempo, muitas bexigas terão estourado. Por isso, inicie a
reflexão de que se alguém não encheu a bexiga, ficou com o medo de
estourar e se contentou com um pequeno balão. Já quem encheu
demais, a bexiga estourou, como excesso de raiva, expectativas, etc., e
errou.
A partir disso, o resultado da dinâmica deve ser que não se pode ficar
com medo e se contentar com algo pequeno, nem extrapolar de raiva e
outros sentimento e errar, estourando.
Assim, a solução é o equilíbrio, encher e deixar esvaziar, controlando a
situação.
3Construindo

 Objetivo: Valor as conquistas e lado criativo;


 Idade: Todas as idades;

 Material: Páginas de jornais.

Durante a vida, muitas pessoas deixam algumas atitudes e valores de


lado para focarem em muitas obrigação da vida. Com isso, muitas
vezes, o lado criativo e “vivo” se perde em um local escuro da
personalidade.
Porém, essa dinâmica busca reverter isso. Para realizá-la, cada
participante deve receber uma página de jornal. Com ela, eles podem
fazer o que quiserem, construindo algo que vier em suas mentes.
Após isso, cada um deve explicar o que fez e seu resultado, cada obra
deve ser valorizada. Assim, deve-se mostrar a importância e a
presença da criatividade em cada um.
4Alfabeto da amizade

 Objetivo: Conhecer os colegas;


 Idade: Todas;

 Material: Folhas e lápis.

Para desenvolver essa dinâmica, cada um dos integrantes devem


receber uma folha. Em seguida, oriente os participantes para
escreverem palavras que remetem a bons valores e atitudes que se
refiram e façam parte das amizades. Além disso, eles devem escrever
ao lado de cada palavra o que aquilo signifique para eles.
Após isso, eles devem trocar com os colegas e ler o que cada um
recebeu.
Ao fim, deve ser estabelecido um momento para eles falarem o que
descobriram com o alfabeto do colega e os valores absorvidos.
5Conhecimento próprio

 Objetivo: Reconhecer sentimentos;


 Idade: Todas;

 Material: Folha de papel sulfite.

Explique para cada participante que os sentimentos podem ser


traduzidos em uma folha. No mesmo momento, entregue uma folha de
papel sulfite para cada um dos integrantes.
Após isso, eles devem ser orientados a aproximar o papel perto do
ouvido e balançá-la. Os barulhos resultantes do balançar das folhas
devem ser associados ao barulhos emitidos quando as pessoas estão
cheias de sentimentos ruins, como o estresse ou cansaço.
Peça que eles amassem essas folhas como se fossem sentimentos
ruins, pensando no bem.
Em seguida, eles devem ser orientados a desamassarem as folhas e
balançarem mais uma vez perto dos ouvidos. Com isso, a folha não
deve fazer barulho como anteriormente.
A reflexão final deve ser que todos temos sentimentos ruins, como a
raiva, que faz serem ditas palavras não desejadas e deve existir uma
precaução para isso. A solução é “amassar” esses sentimento,
reconhecê-los e suprimi-los para não afetar a si mesmo e ninguém a
nossa volta.
6Conhecimento mútuo

 Objetivo: Conhecer e valorizar os colegas;


 Idade: Todas;

 Material: Folhas e canetas.

Essa dinâmica é bastante interessante e trabalha com a possibilidade


de descobrir valores e particularidades nos colegas.
Para inciar deve ser entregue uma folha e caneta para cada
participante.
Cada um deve escrever na folha características próprias, sem se
identificar.
Em seguida, as folhas devem ser recolhidas e entregues
aleatoriamente para os participantes. Cada um deverá ler a folha que
pegou e tentar descobrir quem possui aquela qualidade. Assim, cada
um conhecerá e lembrará de algo dos colegas que convive.
Esse exercício é interessante para conhecer as pessoas e reconhecer
as virtudes de cada um.
7O indivíduo

 Objetivo: Reconhecer a responsabilidade do outro;


 Idade: Todas;

 Material: Folha e canetas de cores diferentes.


Essa dinâmica deve ser feita com um grupo pequeno de pessoas.
Caso sejam muitas, elas devem ser dividas em grupos. Uma folha e
algumas canetas devem ser entregues para cada grupo.
Após isso, cada integrante deverá desenhar na folha alguma parte do
corpo humano, como o olho, nariz, orelha, cabelo, sobrancelha, etc, e
juntos completarem uma figura.
Após isso, o orientador deve mostrar a folha a todos e perguntar quais
as sensações aquilo desperta em cada um.
Em seguida, estabeleça a reflexão de que cada indivíduo da sociedade
é construção do mundo em que vive.
Cada pessoa convive com várias outras pessoas, e cada uma delas
tem uma influência na vida pessoal de alguém.
Assim, essa dinâmica busca despertar o reconhecimento da
responsabilidade que cada um tem na vida do outro.
8Importância do grupo

 Objetivo: Despertar a proximidade e relação com o outro;


 Idade: Todas;

 Material: Papeis e canetas.

Devem ser distribuídas quatro folhas para cada participante e uma


caneta. Em cada uma das folhas, os participantes deverão desenhar
uma mão, um pé, uma cabeça e um coração.
Eles devem ser orientados a escreverem na mão o que eles podem
oferecer ao grupo e no pé o que ele aprendeu na caminhada até o
momento, junto a todos. Já na cabeça, as ideias que surgiram durante
a presença do grupo e no coração, o que ele sente em relação a todos.
Essa dinâmica serve para despertar uma proximidade com o grupo e
conhecer quais valores expressamos e esperamos dos outros.
9União

 Objetivo: Perceber e se unir com que está ao seu lado;


 Idade: Todas;

 Material: Nenhum.
Muitas vezes, no dia a dia, as pessoas que estão presentes os dias
passam despercebidas. Assim, acontece de não nos darmos conta de
quem está ao nosso lado.
A dinâmica da união serve para tentar mudar e refletir sobre esse fato.
Primeiramente, os participantes devem ficar em círculos. Cada um
deve observar quem está do seu lado direito e esquerdo. Após isso,
todos devem começar a caminhas de forma aleatória pelo espaço que
estão.
Em um momento, o orientador deve pedir para todos pararem na
posição que estão e tentar encontrar, com os olhos, os participantes
que estavam ao seu lado no inicio da atividades.
10A vida pode ser colorida

 Objetivo: Dar valor na vida e respeitar o tempo;


 Idade: Crianças e adolescentes;

 Material: Papel de seda de várias cores.

Para realizar essa dinâmica é necessário cortar o papel de seda ao


meio e distribuir um pedaço para cada um, com cores diferentes.
A partir disso, o orientador deve comparar aquele pedaço de papel
com a vida de cada um que segura o papel. Eles devem ser guiados a
notar que um lado da folha é liso e outro é um pouco áspero. Ou seja,
a vida também tem essa variança, em que alguns momentos, pode ser
tranquilha e, no outro, mais áspera, difícil.
Além disso, a vida vibra e pode ser bastante alegre e movimentada,
como esses pedaços de papel quando balançados. Porém, pode ter
momentos em que a nossa alegria e vibração diminui. É como se algo
“matasse” um pedaço da nossa alegria. Muitos fatores podem causar
esse problema.
Deve ser inciada a reflexão acerca do que pode “matar” nossa vida, o
que pode diminuir nossa alegria e vibração, como inveja, ciúme,
violência, etc. A cada palavra negativa dessas os participantes devem
amassar o papel, até eles estarem totalmente amassados.
Após isso, deve ser inciada a reflexão sobre o que devemos fazer com
esse papel amassado. Assim, deve surgir a ideia de jogar fora, mas
não podemos jogar nossa vida fora. Por isso, devem ser orientados a
desamassar o a papel, enquanto falam boas palavras sobre a vida.
Ele vai estar todo amarrotado, cheio de rugas e não tão bonito e sua
vibração será bem menor que antes.
Porém, ainda vibra e esse é o resultado do tempo que traz muitas
experiências e boas lembranças.
A partir disso, eles devem cortar o papel em quatro partes e trocar
com os colegas até ter um pedaço de cada cor. Isso significa que a
vida pode ser difícil, mas no fim será colorida e cheia de experiências.
11Peixes no aquário

 Objetivo: Entender as diversidades;


 Idade: Crianças;

 Material: Durex, papel sulfite, lápis de cores e tesoura.

Antes de realizar a dinâmica um papel sulfite deve ser pregado na


parede, no quadro, porta, etc., para simbolizar um aquário.
A partir disso, devem ser entregues as crianças alguns pedaços de
papel (1/4 da folha sulfite) para cada participante. Eles devem ser
orientados a desenhar um peixinho da forma que quiserem nesse
papelzinho.
Depois que terminarem, devem grudar o peixe no “aquário”.
Após isso, deve ser feita uma reflexão sobre os peixinhos. Eles não
são todos iguais, cada um tem uma cor, um jeito, um tamanho, uma
característica diferente. Da mesma forma somos nós, todos diferentes
e com características próprias. Além disso, cada um está indo para
um lado, ou seja, cada um tem seu caminho, seus sonhos, seus
desejos, etc.
O aquário é o mundo onde vivemos e os peixinhos são todos nós,
cheios de diferenças.
12Árvore da vida

 Objetivo: Desejar o bem;


 Idade: Todas ;

 Material: Lousa ou cartolina, papel, envelopes.


Essa dinâmica pode ser feita com pessoas de todas as idades, seja na
classe, na reunião de pais, no trabalho, na família ou na igreja.
Para realizá-la, os participantes devem ser divididos em dois grupos.
Cada um deles terá um árvore desenhada em uma lousa ou em uma
cartolina.
Após isso, devem ser distribuídos pequenos pedações de papel, do
tamanho do envelope.
Cada participante deverá escrever algo no papel, boas ações que
realizaram na vida e outras que deseja alcançar.
Após isso, eles deverão ser colocador nos envelopes e pregados na
árvore. Alguns dias após esse momento, estarão livres para escolher
algum envelope da árvore diferente da que colocou o bilhete.
Assim, a pessoa lerá sobre esperanças e boas atitudes que poderá
absorver para a própria vida e seguir com esses princípios.
A árvore sera como uma cultivadora do bem

Fonte: https://escolaeducacao.com.br/dinamicas-para-trabalhar-valores/

Você também pode gostar