Você está na página 1de 4

Aula 04- 05.01.

2011
Teorema: R é não enumerável (∄ f:N→R, sobrejetora)

Corolário: Todo intervalo não degenerado de R é não enumerável.

Demo: Todo intervalo I⊂R contém um intervalo do tipo ( a,b) onde a<b.

Mostremos que (a,b) é não enumerável. Considere f tal que

: (−1,1) → (
, )

→ ( −
) + (
+ ) 


Observe que é bijetora. Mostremos agora que (-1,1) não é enumerável


 
Tomemos g:R→ (-1,1) tal que ( ) = || ; g admite inversa h: (-1,1) → R tal que ℎ( ) = || .

De fato g o f (x) = f o g (x) = x. Segue que g e h são bijeções.

Como R é não enumerável temos (-1,1) não enumerável. Como f é bijeção, (a,b) é não enumerável. Logo I é não
enumerável.█

Teorema: Todo intervalo degenerado de R contém racionais e irracionais.

Demo: I contém irracionais. Caso contrário, teríamos I ⊂ Q como Q é enumerável, I seria enumerável. Pelo corolário,
isso não pode acontecer.

Tome [a;b] ⊂ I ( a<b)

Se a∈ Q ou b ∈ Q, não há o que mostrar.

Suponha a,b não racionais



Tome n∈ N tal que < −
. [Tome n∈N,  > ]
 

! !
Observe: Seja Im= ;  # , m ∈ Z.


!$ !$ 
Um∈Z Im=R. Logo ∃ m0 ∈ Z tal que a ∈ Imo. Daí temos <
<
 

!$  !$ 
Mas −
>  e 

< . Logo
< 
<

Sequências
Def: Uma sequência é uma função f:N→R.

Notação xn ≐ f(n)

Notação (xn)n∈N

Notação (xn)

Notação ( x1,x2,…,xn,…)

Chamamos xn o n-ésimo termo da sequência.

Obs: (x1,x2,…,xn) ≠ { x1,x2,…,xn,…}. Exemplo: (1,1,1,…) ≠{1,1,1,…}={1}


Def: Dizemos que (xn)n∈N é limitada superiormente e inferiormente se ∃ x∈ R tal que c≥ xn, ∀ n∈ N (c≤xn). Xn é dita
limitada se for limitada superiormente e inferiormente.

(xn) é limitada se e somente se se k ∈ R tal que |xn| ≤ k, ∀ n ∈ N.

Ex1. Se a>1, a sequência xn=an é limitada inferiormente mas não superiormente.

a>1⇒ an+1>na

Logo an >a, ∀ n ∈ N

(xn) é limitada inferiormente

Bernoulli (1+d)n≥1+nd

Seja d tal que a=1+d (d>0)

Daí temos an≥ 1+nd


(
Dado c∈p tome n0 tal que c<1+n0d [ ' > ]
)

Para n> n0 temos an≥ 1+nd> c

Logo (xn) não é limitada superiormente █

Def: Dada uma sequência (xn)n∈N uma sequência de (xn) é a restrição da sequência a um subconjunto
infinito N´⊂N, onde N´={ n1<n2<n3<…<nk<…}

x´ = (xn)n∈N´ = (xn1,xn2,xn3,…)=(xnk)k∈N

Obs: N´⊂ N é infinito ⇔N´ é não limitado

Ex2: Seja a<-1. Tome (xn) tal que xn=an

Sejam N´={n∈N | n é par} e N´´={n∈N | n é impar} temos :

(xn) n∈N não é limitada superiormente nem inferiormente.

(xn)n∈N´ é limitada inferiormente e não superiormente

(xn)n∈N´´ e limitada superiormente e não inferiormente █

Def: a∈ R é o limite da sequência (xn)n∈N se ∀ ε>0, ∃ n0 ∈ N tal que |xn –a| < ε

Notação: lim xn = a

Notação: xn → a

Notação: lim→/  =

Def: Se ∃ a ∈ R tal que lim xn =a dizemos que a sequência (xn) é convergente caso contrário ela é
divergente

Teorema 1 ( unicidade): Uma sequência (xn)n∈N não pode convergir a dois valores distintos

Demo: Suponha limite xn=a e seja b≠a. Mostraremos que xn ↛ b.


||
Seja ε>0 tal que I = (a-ε ; a+ε ) e J = (b-ε ; b+ε ) sejam disjuntos. Tomo ε = 

Como lim xn = a, ∃ n0 ∈ N tal que n> n0 ⇒ xn ∈ (a-ε;a+ε)=I

|xn-a|<ε ⇒ -ε < xn-a<ε ⇒ a-ε <xn< a+ε

Daí para n> n0 temos que xn ∉ J pois I ⋂ J = ∅. Assim lim xn ≠ b █

Teorema 2: Seja (xn) sequência tal que lim xn=a. Então toda subseqüência de (xn)n∈N converge para a.
Demo: Seja (xnk)k∈N subseqüência de (xn)

Como xn→a, ∃ n0 ∈ N tal que n> n0 ⇒ xn∈ (c-ε ; c+ε)

{n1,n2,…,nn,…} ⊂ N

Seja k0 tal que nk0 ≥ n0

Para k>k0 vale que nk> nk0≥ n0 daí temos xnk ∈ (a- ε, a+ ε)

Teorema 3: Toda sequência (xn) convergente é limitada.

Demo: Suponha lim xn=a.

Tome ε=1. ∃ n0 ∈ N tal que n> n0 ⇒ xn∈( a - ε ; a+ ε)

Tome b= min { x1,x2,…, xn0, a - ε} e c= max { x1,x2,…, xn0, a - ε}

b é cota inferior de {x1,x2,…,xn0, a+ε} e c é cota superior de { x1,x2,…, xn0, a - ε}

Vemos que xn ≤ c, ∀ n ∈ N, de onde temos que (xn) é limitada superiormente e xn≥b, ∀n ∈N de onde temos
que xn é limitada inferiormente. █

Ex3. Seja (xn) tal que xn=1+(-1)n+1

x=(2,0,2,0,2,0,…)

x é limitado superiormente por 2 e limitada inferiormente por 0. Mas (xn) não converge.

Suponha xn→ a

Pelo teorema 2 toda subseqüência de (xn) deve convergir para a.

Mas ( xn)n ímpar converge para 2, logo a=2.

Já (xn)n par converge para 0, daí a= 0


Absurdo.█

Ex4. A sequência (xn) com xn=n, x=(1,2,3,…) não converge pois não é limitada (Teorema 3)

Def: (xn) é monótona se xn ≤ xn+1 ou se xn≥ xn+1, ∀n ∈ N

a) xn+1≥ xn diz-se monótona não decrescente


b) xn+1 ≤ xn diz-se monótona não crescente
c) xn+1 > xn diz-se monótona crescente
d) xn+1< xn diz-se monótona decrescente
Proposição: toda sequência (xn) monótona não decrescente (ou não crescente) é limitada inferiormente
(ou superiormente)

Demo: Seja (xn) não decrescente. xn+1≥xn, ∀n∈N, Logo x≤xn, ∀n∈N

Desse modo temos que (xn) é limitada inferiormente.█

Teorema 4: Toda sequência monótona limitada é convergente.

Demo: Seja (xn) monótona não decrescente (limitda superiormente). Sejam X={x1,…,xn,…} e a = Sup X.

Afirmamos lim xn=a

Seja ε> 0. Como a=sup X, ∃ n0∈N tal que a-ε<xn0

Como a sequência é não-decrescente, temos xn+1≥xn, ∀n ∈ N.

Por outro lado a é cota superior de X.

Conclusão, para n> n0 temos a - ε < x0≤xn≤a≤a + ε

Logo xn ∈ ( a - ε, a+ε ), ∀ n > n0 . Portanto lim xn=a █

(Caso não-crescente é análogo lim xn=inf x )

Teorema de Bolzano-Weierstrass

Toda sequência limitada possui uma subseqüência convergente.

Demo: Basta provar que toda sequência (xn) limitada admite subsequência monótona.

⦁Construindo uma subseqüência decrescente

x9 x7 x8 x6 x2 x4 x5 x3 x1

xn é destacado na sequência se ∀ m>n, temos xn>xm.

Suponho que a sequência de índices destacados é infinita. Seja n1<n2<n3<…<nj<… os índices destacados
segue que xn1> xn2> …> xnj >…

Assim (xnj) é sequência monótona decrescente (e limitada) e então (xnj) é convergente.

⦁ Suponha destacarmos finitos índices

Seja N o maior índice destacado. Para n> N temos que xn não foi destacado.

Tome n1= N +1, n1 não fio destacado, logo ∃ n2 > n1 tal que xn2≥ xn1

Novamente n2 não foi destacado. Tome n3> n2 tal que xn3 ≥ xn2

Fazendo isso indutivamente construímos uma subseqüência (xnj)j∈N tal que xn1≤xn2≤…≤xnj≤… que é
monótona não decrescente. Logo (xnj)j∈N converge.

(Observe que (xnj)j∈N é de fato sequência, isto é, tem infinitos índices █