Você está na página 1de 8

Feridas são rupturas estruturais e fisiológicas dos segmentos que estimulam as respostas

reparadoras

Pode ser considerada superficial quando atinge somente a estrutura da superfície ou grave
Quando vasos sanguíneos mais calibrosos músculos nervos faciais tendões ligamentos e ossos
são atingidos

A pele é um órgão que está em constante renovação e possui diversas funções

Barreira imunológica de proteção contra agentes químicos físicos e biológicos sensorial


respiratória e secretória

Quando a barreira imunológica da pele rompida ou alterada podem ocorrer transmissão de


doenças sexualmente transmissíveis como AIDS sífilis tricomoníase hanseníase micoses entre
outros

A pele é composta por três camadas uma superficial a epiderme uma intermediária a Derme e
a mais profunda a hipoderme

Fisiologia da cicatrização

A reparação de feridas passa pelas seguintes fases inflamatória proliferativa e maturação

Fase inflamatória começa no momento da lesão as plaquetas hemácias e fibrina trazida pela
corrente sanguínea facilitam as trocas o coágulo protege a lesão da contaminação ocorre uma
vasodilatação que aumenta o fluxo sanguíneo eu casando em sinais flogisticos como calor e
rubor. Os primeiros componentes do sistema imune a chegar na ferida são os monócitos e
neutrófilos que são os responsáveis pela fagocitose de corpos estranhos

Fase proliferativa ocorre a formação do tecido de granulação composto por novos vasos
sanguíneos os fibroblastos produzem colágeno que são responsável pela consistência e força
da cicatriz formando a matriz celular o colágeno é o material responsável pela sustentação e
pela força tênsil da cicatriz

Fases de maturação ocorre o aumento da resistência no início da terceira semana há um


equilíbrio entre a produção e a degradação de fibras de colágenos caso ocorra um
desequilíbrio nessa fase formam-se cicatrizes queloideanas ou hipertróficas após um ano a
força tênsil é estabilizada mas essa fase permanece por todo período de existência da ferida

Tipos de cicatrização de feridas

Primeira intenção ocorre em feridas pequenas nas quais as bordas não são muito afastadas
sem infecção ou sem muito edema como as feridas operatórias

Segunda intenção ocorre grande perda de tecidos maior festa mento das bordas com ou sem
infecção as lesões devem ser mantidas abertas deixando-as se fecharem por meio de
epitelização e contração

Classificação das feridas

Feridas patológicas são causadas por fatores endógenos ou lesões secundárias a uma ou mais
doenças de base a cicatrização das feridas é difícil pois a maioria das vezes depende do
controle ou da cura da doença causal, um exemplo são as úlceras vasculogênicas conhecidas
como cera de perna resultam do comprometimento do sistema vascular que acomete as
extremidades a causa é a diabetes mellitus e a hipertensão arterial
Feridas cirúrgicas realizadas sobre condições assépticas comendo as possibilidades de
complicações

Feridas traumáticas são resultados de trauma violência acidente outras situações imprevisíveis
variam em tamanho gravidade forma e Depende das condições as quais foram produzidas,
podem ser causados por objetos cortantes perfurantes lacerante mordeduras golpes
contusões escoriações queimaduras entre outros

Feridas causadas por fatores externos são resultantes do contato da pele com substâncias
inflamáveis e também da pressão continuar exercida pelo peso do corpo sobre as
proeminências ósseas em superfícies rígidas

Tipos de tecidos encontrados nas feridas

Tecido de granulação é o tecido mais importante do processo de cicatrização tem coloração


rósea ou avermelhada aparência brilhante e úmida é rico em colágeno o que resulta da
proliferação das células endoteliais é formado basicamente por fibroblastos e vasos
sanguíneos novos que surgem como resultado do processo de angiogênese esses vasos
Confere o aspecto granuloso avermelhado ou tecido de granulação ele se localiza na superfície
da lesão é indolor porém sangra ao mínimo toque por isso durante a realização da limpeza da
ferida e do curativo esse tecido não pode ser flexionado removido ou trocado mas deve ser
protegido e mantido em meio úmido para proliferar preenchendo a cavidade até Finalmente
tornar-se uma cicatriz de tecido fibroso

Tecido de epitelização aparece na ferida como um novo tecido rosa ou brilhante que se
desenvolve a partir das bordas ou como Ilhas nas superfícies das lesões quando o tecido
conjuntivo acaba de preencher o ferimento resta apenas uma pequena porção da superfície
ainda das cobertas é esse processo de revitalização que descer ao acabamento ou arremate
final após esse processo e rapidamente as células epiteliais crescem garantindo a continuidade
do revestimento a princípio a camada epitelial de revestimento é extremamente fina e deixa
transparecer o tecido conjuntivo que é avermelhado e mais denso com o passar do tempo o
epitélio torna-se mais espesso sedimentando o processo

Tecido necrótico a cruz e o resultado da Morte celular e tecidual com consequente perda da
função orgânica e do metabolismo celular de forma Irreversível tendo como característica um
tecido de coloração preta marrom ou acastanhada Além disso os tecidos necróticos podem
esconder grandes quantidades de dados purulento sobre seu manto evidenciando uma ferida
infectada

A classificação da necrose é baseada na forma que o tecido adquire com a morte celular os
principais tipos de necrose incidentes nas feridas são as seguintes

Esfacelo necrose de liquefação e liquefativa é o tipo de necrose que acomete a lesão composta
de bactérias leucócitos fragmentos celulares estudados fibrina elastina e colágeno sua
aparência é de um tecido fibrinoso ou minuncioso de consistência amolecida semifluida com
coloração amarelada marrom acinzentado ou acastanhada que tanto pode estar firmemente
aderido a ferida como também frouxamente aderida a ela geralmente é associada a infecção
bacteriana que se forma a partir do processo de invasão leucocitario e enzimáticas ambas
ocorrem como reação imunológica do organismo
Escara refere-se a um tipo determinado de tecido necrótico tem como causa principal a
isquemia local é uma necrose coagulativa que se refere ao aspecto físico semelhante Albumina
coagulada que o tecido assume após a morte celular de vida desnaturação de proteínas
citoplasmáticas e a perda de água com a desidratação a célula necrótica passa do estado
líquido para o sólido dando origem a um tecido morto que se apresenta opaco Turbo seco e
com coloração que vai do Amarelo pálido ao acinzentado

Maceração o tecido macerado é um tecido esbranquiçado que surge nos bordos da lesão 10
pregas cutâneas e das fístulas quando acesso de umidade da Ferida por aumento da exsudação
a permanência de curativos por longo tempo sem substituição contribui para a umidade
excessiva portanto ao ser observado que a cobertura está extremamente saturada deve-se
aumentar a frequência da limpeza e a troca do curativo para evitar que a pele fique macerada

Feridas contaminadas

São todas as lesões acidentais que permanecem abertas por tempo superior a 6 horas entre
trauma e o atendimento apresentam elementos contaminantes e sonhos Adidas por
microbiota bacteriana considerável da mesma maneira as feridas cirúrgicas apresentam risco
de contaminação quando a técnica asséptica não foi observada ou quando a cirurgia
ultrapassar esse limite de tempo com a cavidade aberta

Feridas colonizadas

Nesse caso a superfície da ferida apresenta micro-organismos que se multiplicam mas não
chegam a produzir infecção ou seja apesar de existir uma relação de dependência metabólica
entre hospedeiro e a formação de colônias essas lesões Esse fato não desencadeia uma reação
Clínica imunológica importante que se traduzem infecção desse modo a a possibilidade de
existir uma alta carga bacteriana letra da ferida sem que haja infecção no entanto a
colonização certamente pode atrasar cicatrização

Feridas infectadas

A lesão está infectada quando quando apresenta mais de 100.000 colônias por grama de
tecido quando existem sinais Claros de infecção local ou generalizada essas feridas são
potencialmente colonizadas ou contaminadas por detritos ou por microrganismos como
parasitas bactérias vírus fungos em razão de as defesas imunológicas do organismo estarem
diminuídos essas lesões apresentam evidências de processo infeccioso como tecido
desvitalizado exsudação purulenta e odor característico

Feridas não infectadas e limpas

São as feridas cirúrgicas criadas sobre condições assépticas e por isso considerada não
infectada por que durante o ato cirúrgico realizado os microorganismos são impedidos de
penetrar incisão as feridas não infectadas portanto são livre de micro-organismos patogênicos
que são lesões produzidas sem falhas técnicas por incisão em tecidos estéreis ou difícil
descontaminação os índices de sinais flogisticos

Desbridamento

Desbridamento autolítico é o desbridamento promovido pelo próprio organismo de forma


natural através de um processo biológico de reparação e cicatrização denominado autólise
atua desintegrando-as células degeneradas por meio de ações leucocitárias e enzimática para
acelerar a atualização da mental que o leito da ferida seja mantido úmido o que pode ser
obtida com a irrigação de soro fisiológico de coberturas primárias que promovem o meio
úmido adequado estimulam a migração leucocitária e ação das proteases e colagenases sobre
a necrose é considerado um método mais lento embora deve ser estimulado em todos os tipos
de feridas coberturas que retém a umidade como firme transparência hidrocoloides Extra finas
e gases em bebê tecido sem ácidos graxos essenciais hidrogel e alginato de cálcio ajuda a
promover o desenvolvimento autolítico

Desbridamento cirúrgico

Consiste na remoção completa do tecido necrótico desvitalizado por meio do procedimento


cirúrgico é indicado para grandes lesões como implica a remoção do tecido necrotico que
parte do tecido saudável pode provocar hemorragia é realizado no centro cirúrgico com
anestesia ou sedação

Desbridamento instrumental

O tecido desvitalizado vai sendo gradativamente removido de forma seletiva em diferentes


seções até o nível de tecido viável é rotineiramente feito pelo enfermeiro à beira do leito na
sala de curativos com material esterilizado técnica asséptica e medidas de biossegurança o
equipamento essencial E inclui material cortante como bisturi e tesouras pisos e coberturas
hemostáticos é uma técnica rápida e seletiva que permite a combinação com outros métodos
como Mc Mágico e o autolitico é indicada para tecidos necrosados ou desvitalizados com
exsudação abundante com suspeita de alta carga bacteriana dos sinais clínicos de infecção

Desbridamento enzimático

É um método seletivo que atua em tempo menor que o método autolítico é maior que o
instrumental consiste na aplicação tópica de substâncias enzimáticas que atuam como
desbridar diretamente sobre o tecido necrótico facilitando sua remoção a escolha depende do
tipo de tecido e que se quer desgrudar e deve ser aplicada somente nas áreas de necrose é
recomendável proteger a pele perilesional devido o risco de maceração

Desbridamento mecânico

É traumático e consiste na aplicação de força mecânica como fricção com gás Esponja jatos de
água diretamente sobre o tecido necrótico a fim de facilitar sua remoção esse processo pode
prejudicar o tecido de granulação ou de epitelização além de causar dor, é uma técnica em
desuso devido à existência de alternativas menos traumáticas que trazem menos riscos ao
leito da ferida

Coberturas e curativos

Para serem efetivas as coberturas precisam ser compatíveis com a fisiologia de reparação
tecidual além de atender às finalidades dos curativos que são as seguintes promover
isolamento térmico proteger a ferida De traumas mecânicos e invasão bacteriana remover
tecidos necróticos e corpos estranhos eliminar processos infecciosos absorver esxudados e
principalmente manter a umidade no leito da ferida

Tipos de coberturas

O tipo de cobertura a ser escolhido depende especificadamente do curativo que variam


conforme a localização dimensões fases da cicatrização características do tecido natureza da
lesão em certos casos pode ser necessária uma cobertura compreensiva em outros uma que
possua propriedades absorvente algumas têm prioridade para aquelas que neutralizam odor
elas também podem variar quanto ao tamanho mas todas as dimensões deverão ter a
propriedade de proteger não somente a lesão mas também a pele perilesional e os bordos da
ferida

Entende-se como cobertura primária aquela que se aplica diretamente sobre a lesão
preenchendo ou cobrindo e secundária aqui é colocada sobre a cobertura primária com o
objetivo de proteção e fixação algumas coberturas destinam-se atuar como curativo
secundário outras requerem a utilização de outro tipo de cobertura secundária ainda existe
aquelas que foram aperfeiçoados para realizar as duas funções

Os produtos utilizados nas coberturas normalmente são classificados como agentes tópicos e
curativos os agentes tópicos são utilizados como cobertura primária e isto é são aplicados
diretamente sobre o leito da ferida ou destinados a limpeza e a proteção da área perilesional
curativo também denominado cobertura é o material que cobre a ferida algumas vezes o
agente tópico com o objetivo de favorecer o processo de cicatrização e protegê-la contra
agressões externas mantendo a umidade e promovendo a cicatrização e preservar a sua
integridade

Especificações das coberturas

Ácidos graxos essenciais

São compostos como os ácidos linoleicos e alfa-linolênico usados para tratamento e prevenção
de feridas eles favorecem a cicatrização o desbridamento e o alívio da dor age na hidratação
preventiva por isso são indicados para aplicação na pele íntegra evitando o aparecimento de
feridas e lesões possuem propriedades emolientes que protegem a pele são disponíveis em
diferentes formulações isolados ou combinados há outros ácidos e vitaminas sua apresentação
é na forma oleosa e são comumente utilizados em Associação a outros produtos e
tratamentos. Na literatura são comuns relatos do uso de produtos à base de age na prática
clínica para tratamento de queimaduras e feridas abertas limpeza infectadas absorção do óleo
pelo wi-fi feridas sugere-se que ele seja aplicado a cada 12 horas não existem contraindicações
para o uso do produto a menos que haja histórico de hipersensibilidade algum dos
componentes da sua formulação o tecido que entra em contato com o produto não pode ser
exposto à luz solar

Alginato de cálcio

São coberturas biodegradáveis de polissacarídeos complexos altamente absorvente extraídos


de algas marinhas encontradas nos mares da Noruega Escócia e Holanda essa cobertura é
estéril e pode estar na forma de placa ou de cordão devendo ser associada a uma cobertura
secundária geralmente é utilizada a gaze estéril associada a atadura adesivo microporoso
esparadrapo antialérgico ou alguma cobertura impermeável para ocluir fixar a cobertura
secundária a opção de usar o ginásio de cálcio em forma de placa ou a diesel em forma de
cordão dependerá da profundidade da ferida em feridas planas é indicado o uso de placa e
aprofunda seu cavitários uso de cordão na falta destes a placa poderá ser utilizada Desde Que
preencha a cavidade da ferida mas para isso indica a sua aplicação em forma de canudo
rodinato de cálcio auxilia o desbridamento autolítico Além de reduzir o tempo de cicatrização
e ser mais fácil de aplicar e remover a finalidade principal dessa cobertura é absorção portanto
ao entrar em contato com o ex soldado as fibras serão imediatamente solidificadas esse
produto permanece na Ferida por até 5 dias sem ser trocado ou até atingir sua saturação o
período definido de acordo com o volume do Xbox presente na ferida os alginatos não aderem
ao leito da ferida portanto podem causar danos no tecido epitelial Ao serem removidos da
ferida com pouco exsudato essa cobertura pode ser indicada para feridas com muito exsudato
moderado infectado não sendo recomendado para feridas infectadas alginato de cálcio com
prata superficiais ou Profundas sangramento tecido necrótico das ciências cirúrgicas outras
venosas por pressão neutroficas. em feridas com pouco exsudato ou escara o alginato é contra
indicado

Bota de unna

É composta de bandagem impregnada com pasta de óxido de zinco a 10% glicerinada


petrolatos e agente antissépticos estimulante da cicatrização é indicada para o uso em úlceras
venosas dos membros inferiores e em linfedema mas é contra indicado para úlceras arteriais e
arteriovenosas está disponível para uso imediato ou por manipulação reflexiva adaptando-os o
contorno das pernas e pode permanecer instalada por até 7 dias dependendo da apresentação
sinais de infecção que devem ser monitoradas necessita de cobertura secundária com
bandagem elástica compressiva existe no mercado de vários tipos de bandagem para
compressão continuar dos membros inferiores sendo mais comuns as meias e as faixas
elásticas

Carvão ativado

O carvão ativado é uma cobertura absorvente pelo fato de possuir uma camada de alginato de
cálcio e hidrofibra ele não necessita da utilização de uma cobertura secundária ao contrário da
cobertura de carvão ativado com prata trata-se de uma cobertura estéril por isso é necessário
utilizar luvas e materiais estéreis para manipulação mas a cobertura não pode ser recortada
porque esse ato pode fragmentar as camadas que compõem ela pode permanecer no leito da
Ferida por até cinco dias dependendo da quantidade do ex-soldado o carvão ativado é contra
indicado para feridas com pouco exsudato ou para aquelas cobertas por escaras sua principal
indicação é para feridas com forte odor feridas com muita ou moderada quantidade de
soldados superficiais ou Profundas infectadas ou não com os em tecido necrotico

Carvão ativado com prata

É uma cobertura estéreo composta de tecido de carvão ativado impregnado com prata em
volta externamente por uma película de nylon as camadas que não é de tecido proporcionar
um fluxo de ex-soldado para o tecido de carvão ativado que retém as bactérias as quais são
inativados pela ação da Prata o carvão ativado elimina odores desagradáveis porque tem a
capacidade de filtrar os melhorando a qualidade de vida dos pacientes essa cobertura não tem
a capacidade de absorção significativa necessitando de uma cobertura secundária absorvente
quando for utilizado em feridas exsudativas essa cobertura necessita de materiais e luvas
estéreis para manipulação não pode ser recortada porque provoca a liberação de prata no
leito da ferida ocasionando queimaduras nos tecidos necessita de cobertura secundária que
pode ser feita com gases estéril ou gaze comum Stereo a qual pode ser trocada uma ou duas
vezes ao dia e para oclusão da cobertura secundária pode-se utilizar atadura esparadrapo
hipoalergênico alguma cobertura impermeável a periodicidade de troca é de 5 dias ou até a
sua casa coração dependendo da quantidade de exsudato é indicado para feridas infectadas
Profundas com tecido necrótico ou do acentuado drenagem de exsudato moderado e
abundantes os três tipos de criminosos por pressão ou não placas ou indecência cirúrgicos é
contra indicado para feridas poucos e curativos são grandes comprida tecidual superficial ou
quando recobertas por escaras
Filme transparente semipermeável

Cobertura estéril semipermeável de filme transparente de poliuretano sobre forma de película


adesiva elástica e distensível com espessura de 2 milímetros moldável aos contornos corporais
é permeável a vapor e a gás oxigênio e gás carbônico mas forma barreira aos micro-
organismos e líquidos adere somente a pele íntegra permitindo a troca sem agredir o leito da
ferida sou tecido lesados é indicado para tratamento de feridas superficiais poucos exsudativa
como ceras por pressão estágio 1 feridas cirúrgicas limpas queimaduras de grau e feridas com
perda tecidual superficial fixação de cateter afim de proteger a pele prevenindo as úlceras por
pressão para proteção de feridas cirúrgicas sem complicações em áreas doadoras de enxerto é
contra indicada para feridas e curativos e feridas com infecção atua na redução da dor
mantém o meio úmido e promove a cicatrização pode ser causada como cobertura primária ou
secundária pelo fato de ser transparente permite a visualização da lesão ou do local de
inserção de cateter facilitam o acompanhamento do procedimento e da cicatrização

Hidrocoloide

A placa de hidrocoloide é uma cobertura composta por carboximetilcelulose sódica gelatina e


pectina em sua camada interna é espuma de poliuretano na camada externa as partículas de
celulose se expandem e absorvem o excesso de exsudato conservando o meio úmido em torno
de 37 graus ideal para o crescimento celular o que desencadeia a ação de enzimas na remoção
do tecido necrótico ao manter as terminações nervosas úmidas essa cobertura alivia a dor e
diminui o risco de trauma mecanismo no momento de sua remoção

O hidrocoloide altamente aderente a pele não aderindo diretamente envolvidos da ferida essa
cobertura deve ser aplicada diretamente a ferida vivendo sempre assegurar a margem de 2 a 3
cm para uma perfeita adesão à pele perilesional inteiro essa cobertura pode ser recortada não
sendo necessário o uso de terceira estéreo pelo fato de as bordas da cobertura não estar em
contato direto com letra da ferida as placas possuem tamanho e forma variados e específicos
de acordo com a região do corpo em que são aplicadas a periodicidade de troca da placa
hidrocoloide varia de acordo com a evolução de dados que é ferida apresente em qualquer
troca de 3 a 5 dias ou sempre que o Vectra vazamento do gel ou descolamento das Margens
da cobertura é indicado para feridas superficiais com quantidade de exsudato mínima
moderada Independente de ter ou não tecido necrótico é para as feridas de diferentes
etiologias sem contra-indicação é para feridas infectadas ou altamente exsudativa

Hidrogel

É um composto transparente e incolor formado por água e carboximetilcelulose e


propilenoglicol essa cobertura entrar em contato com o estudado aumenta o volume porém
não se dissolve é uma cobertura não aderente necessitando portanto de uma cobertura
secundária é indicada para feridas com perda tecidual superficial ou profunda parcial feridas
com tecido necrotico áreas doadoras de pele queimadura de primeiro e segundo grau
radiodermites e dermoabrasão sem contra-indicação são feitos para cirurgia de fechadas
feridas com muito exsudato pelo fato de não ter capacidade de absorção e feridas colonizadas
por fungos também não é recomendado a sua aplicação sobre a pele íntegra

Papaína

Substância enzimática com amplo aspecto de especificidade proveniente do látex do mamão


compostos de enzimas proteolíticas esteres e amidas peptídeo-c peroxidases atua como
desbridante químico de tecido necrosado e de liquefação através da digestão enzimática de
restos deciduais fibrina e material genético das células mortas remove exsudativa formatori
estimula precocemente a cicatrização sem afetar o tecido íntegro pérolas jornal possui eficácia
e de baixo custo é bastante utilizada como desbridante em lesões crônicas e agudas como
ceras por pressão úlceras venosas queimaduras úlceras em pés de pacientes diabéticos
ferimentos pós-operatórios traumas ou infectadas e a indecência de sutura sua ação
bacteriostática bactericida e anti-inflamatório proporcionar alinhamento das fibras de anjo
promovendo o crescimento tecidual não possuindo ação seletiva e atua como coadjuvantes de
antibiótico terapia sistêmica em pacientes infectados

Sulfadiazina de prata um por cento

Wind prata um veículo cremoso causa precipitação de proteínas e as diretamente na


membrana citoplasmática das células bacterianas exercendo ação bactericida imediatamente e
ação bacteriostática residual promovida pela liberação gradativa de pequenas quantidades de
prata iônica é indicado para queimaduras em geral para prevenir a colonização e também para
as lesões Crônicas de natureza vascular