Você está na página 1de 4

Escola Básica e Secundária Dificuldades detetadas:

da Bemposta 1
Compreensão/ Educação Literária ____;
¨2 ¨
Gramática _____;
3
Expressão Escrita:

organização do texto _____; erros ortográficos ____; vocabulário

pobre e / ou inadequado _____; construção frásica _____; regras

de concordância_____ ; pontuação ____; caligrafia _____;


4
Deve rever :

Categorias da Narrativa _____; Conteúdos Gramaticais______.

Depois de ter terminado a minha ficha formativa, senti dificuldades _________________________________________


_________________________________________________________________________________________________
__________________________porque ________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________
GRUPO I

Lê, o seguinte texto, com muita atenção.

TEXTO

Ora uma noite, noite de silêncio e de


escuridão, indo ela a adormecer, já despida,
no seu catre, entre os seus dois meninos,
adivinhou, mais que sentiu, um curto rumor
de ferro e de briga, longe, à entrada dos
vergéis reais. Embrulhada à pressa num
pano, atirando os cabelos para trás, escutou
ansiosamente. Na terra areada, entre os
jasmineiros, corriam passos pesados e rudes.
Depois houve um gemido, um corpo tombando molemente, sobre lajes, como um
fardo. Descerrou violentamente a cortina. E além, ao fundo da galeria, avistou
homens, um clarão de lanternas, brilhos de armas... Num relance tudo
compreendeu: o palácio surpreendido, o bastardo cruel vindo roubar, matar o seu
príncipe! Então, rapidamente, sem uma vacilação, uma dúvida, arrebatou o príncipe
do seu berço de marfim, atirou-o para o pobre berço de verga, e, tirando o seu filho
do berço servil, entre beijos desesperados, deitou-o no berço real que cobriu com um
brocado.
Bruscamente um homem enorme, de face flamejante, com um manto negro sobre
a cota de malha, surgiu à porta da câmara, entre outros, que erguiam lanternas.
Olhou, correu o berço de marfim onde os brocados luziam, arrancou a criança como
se arranca uma bolsa de oiro, e, abafando os seus gritos no manto, abalou
furiosamente.
O príncipe dormia no seu novo berço. A ama ficara imóvel no silêncio e na treva.
Mas brados de alarme atroaram, de repente, o palácio. Pelas janelas perpassou o
longo flamejar das tochas. Os pátios ressoavam com o bater das armas. E
desgrenhada, quase nua, a rainha invadiu a câmara, entre as aias, gritando pelo seu
filho! Ao avistar o berço de marfim, com as roupas desmanchadas, vazio, caiu sobre
as lajes num choro, despedaçada. Então, calada, muito lenta, muito pálida, a ama
descobriu o pobre berço de verga... O príncipe lá estava quieto, adormecido, num
sonho que o fazia sorrir, lhe iluminava toda a face entre os seus cabelos de oiro. A
mãe caiu sobre o berço, com um suspiro, como cai um corpo morto.

Eça de Queirós, «A Aia», in Contos

1
Responde, agora, de forma completa e correta às questões apresentadas.

1. Situa este excerto na estrutura do conto a que pertence, justificando a resposta, por palavras
tuas.

2. Atenta nas personagens presentes nos segmentos textuais que se seguem:


“Bruscamente um homem enorme … surgiu à porta da câmara… “ e “A ama ficara imóvel no
silêncio e na treva.”, classificando - as quanto ao relevo.

3. Apoiando-te nos seguintes segmentos textuais ”… a rainha invadiu a câmara, … ,


gritando pelo seu filho! " e “A mãe caiu sobre o berço, com um suspiro, como cai um corpo
morto.”:

3.1.Caracteriza a rainha, psicologicamente, recorrendo a dois adjetivos à tua escolha.

3.1.1. Indica o processo de caracterização que utilizaste e justifica a tua resposta.

4. Explica, por palavras tuas, o sentido da frase “ A mãe caiu sobre o berço, com um suspiro,
como cai um corpo morto”.

5. Localiza a ação no tempo cronológico e no espaço físico, recorrendo a expressões textuais.

6. Caracteriza o espaço social, onde a ação se desenrola.

7. Atenta no seguinte extrato do texto: “ Mas brados de alarme atroaram, de repente, o


palácio. Pelas janelas perpassou o longo flamejar das tochas. Os pátios ressoavam com o

2
bater das armas. E desgrenhada, quase nua, a rainha invadiu a câmara, entre as aias,
gritando pelo seu filho! Ao avistar o berço de marfim, com as roupas desmanchadas, vazio,
caiu sobre as lajes num choro, despedaçada. Então, calada, muito lenta, muito pálida, a
ama descobriu o pobre berço de verga... O príncipe lá estava quieto, adormecido…”

7.1. Diz se se trata de um momento de descrição ou narração, apresentando dois argumentos


que ilustrem a tua resposta.

8. Atenta nas seguintes transcrições:


a) «passos pesados e rudes”(linha 5)
b) «um corpo tombando molemente, sobre lajes, como um fardo.» (l. 6)

8.1. Identifica os recursos estilístico/expressivo presente em cada uma das frases.

8.2. Explica o seu valor expressivo.

GRUPO II

1. Lê as seguintes frases:

a) A aia foi uma heroína.

b) O malvado bastardo roubou o bebé.

1.1.Faz a análise sintática das frases.

2. Atenta na seguinte frase: “A Aia arrebata o príncipe do seu berço de marfim.”

2.1. Reescreve-a na voz passiva.

3
3. Passa para o discurso indireto a seguinte fala da rainha:
- Onde está o meu filho que dormia, neste berço?

GRUPO III

O conto «A Aia» de Eça de Queirós termina de uma forma trágica e inesperada…

Produz um texto narrativo, com um mínimo de 70 e um máximo de 100 palavras, criando um


desfecho diferente.

Observações relativas ao item 1 do Grupo III:

Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo
quando esta integre elementos ligados por hífen (ex.: /di-lo-ei/). Qualquer número conta como uma única palavra,
independentemente dos algarismos que o constituam (ex.: /2008/).

Relativamente ao desvio dos limites de extensão indicados - um mínimo de 70 e um máximo de 100 palavras -, há que
atender ao seguinte:

- a um texto com extensão inferior a 23 palavras é atribuída a classificação de 0 (zero) pontos;

- nos outros casos, um desvio dos limites de extensão requeridos implica uma desvalorização parcial (até um ponto) do
texto produzido.