Você está na página 1de 4

TESTE ESCRITO DE PORTUGUÊS – 7º ANO Domínios Avaliação global

Nome: _________________________________________ Leitura


Número: ______ Turma: _______ Data: ___/ ___/ 2015 Gramática
Escrita
Encarregado de Educação: ________________________ Professora:

Lê, atentamente, este excerto do conto analisado nas aulas “Mestre Finezas” de Manuel da
Fonseca.

Grupo I – Educação Literária

Agora entro, sento-me de perna cruzada, puxo um cigarro, e à


pergunta de sempre respondo soprando o fumo:
- Só a barba.
Ora é de há pouco este meu à-vontade diante de Mestre Ilídio
5 Finezas.
Lembro-me muito bem de como tudo se passava. Minha mãe
tinha que fingir-se zangada. Eu saía de casa, rente à parede, sentindo que
aquilo era pior do que ir para a escola.
Mestre Finezas puxava um banquinho para o meio da loja e enrolava-me numa enorme
10 toalha. Só me ficava a cabeça de fora.
Como o tempo corria devagar!
A tesoura tinia e cortava junto das minhas orelhas. Eu não podia mexer-me, não podia
bocejar sequer. – “Está quieto, menino” –, repetia Mestre Finezas segurando-me a cabeça entre as
pontas duras dos dedos: - “Assim quieto!” - Os pedacitos de cabelo espalhados pelo pescoço, pela
15 cara, faziam comichão e não me era permitido coçar. Por entre as madeixas caídas para os olhos via-
lhe, no espelho, as pernas esguias, o carão severo de magro, o corpo alto, curvado. Via-lhe os braços
compridos, arqueados como duas garras sobre a minha cabeça. Lembrava uma aranha.
E eu – sumido na toalha, tolhido numa posição tão incómoda que todo o corpo me doía – era
para ali uma pobre criatura indefesa nas mãos de Mestre Ilídio Finezas.
20 Nesse tempo tinha-lhe medo. Medo e admiração. O medo resultava do que acabo de contar.
A admiração vinha das récitas dos amadores dramáticos da vila.
Era pelo Inverno. Jantávamos à pressa e nessas noites minha mãe penteava-me com cuidado.
Calçava uns sapatos rebrilhantes e umas peúgas de seda que me enregelavam os pés. Saíamos. E, no
negrume da noite que afogava as ruas da vila, eu conhecia pela voz famílias que caminhavam na
25 nossa frente e outras que vinham para trás. Depois, ao entrar no teatro, sentia-me perplexo no meio
de tanta luz e gente silenciosa. Mas todos pareciam corados de satisfação.
Daí a pouco, entrava num mundo diferente. Que coisas estranhas aconteciam! Ninguém ali
falava como eu ouvia cá fora. E mesmo quando calados tinham outro aspeto; constantemente a
mexerem os braços. Mestre Finezas era o que mais se destacava. E nunca, que me recorde, o pano
30 desceu, no último ato, com Mestre Finezas ainda vivo. Quase sempre mesmo quando a cortina
principiava a descer e, na plateia, as senhoras soluçavam alto.

Prof. Maria José Oliveira


Aquelas desgraças aconteciam-lhe porque era justo e tomava, de gosto, o partido dos fracos.
E, para que os fracos vencessem, Mestre Finezas não tinha medo de nada nem de ninguém.
Heroicamente, de peito aberto, e com grandes falas, ia ao encontro da morte.
35 Eu arrepiava-me todo. Uma noite Mestre Finezas morreu logo no primeiro ato. Foi um
desapontamento. Todos criticaram pelo corredor, no intervalo. –“O melhor artista morrer mal entra
em cena!... Não está certo! Agora vamos gramar quatro atos só com canastrões!1” – dizia o doutor
delegado a meu pai.
Mas a cena tinha sido tão viva e a sua morte tão notada durante o resto do espetáculo que,
40 no outro dia, me surpreendi ao vê-lo caminhando em direção à loja.
Ora havia também um outro motivo para a minha admiração. Era o violino. Mestre Finezas,
quando não tinha fregueses, o que era frequente durante a maior parte do dia, tocava violino. E
muita vez aconteceu eu abandonar os companheiros e os jogos e quedar-me, suspenso, a ouvi-lo, de
longe.
45 Era bem bonito. Uma melodia suave saía da loja e enchia a vila de triste

Manuel da Fonseca, “Mestre Finezas” in Aldeia Nova

 Agora, responde de forma clara e completa ao questionário.

1. “Ora é de há pouco este meu à-vontade diante de Mestre Ilídio Finezas.” (l. 4)
1.1 Onde se encontra o narrador? Justifica, ilustrando a resposta com uma expressão do
texto.
1.2 Em que consiste esse seu “à-vontade”?

2. O texto permite a identificação de dois tempos associados a duas fases de vida.


2.1. Identifica-os, referindo também as expressões que introduzem a alternância entre esses
dois momentos.
2.2. Como designas o processo narrativo, em termos do tempo do discurso?

3. “ A tesoura tinia e cortava junto das minhas orelhas” (l.12)


3.1 Para além dos incómodos, próprios do corte de cabelo, também a figura de Mestre
Finezas perturbava o narrador. Traça o retrato físico e psicológico do Mestre.

4. Mestre Finezas despertava no narrador sentimentos contraditórios. Comprova a veracidade


desta afirmação.

5. Além de barbeiro, Mestre Finezas era também ator e a ida ao teatro revestia-se de uma
solenidade especial. Indica de que forma se traduzia essa solenidade a nível:
a) do vestuário do rapazinho;
b) das atitudes da mãe;
c) das atitudes das outras pessoas.

6. Enquanto ator, indica as emoções despertadas no público pela atuação do Mestre Finezas e
explica-as.

7.“Ora havia também um outro motivo para a minha admiração.” (l.41)


7.1 Qual é esse motivo?
7.2 Refere o significado que atribuis à confissão do narrador “E muita vez aconteceu eu
abandonar os companheiros e os jogos e quedar-me, suspenso, a ouvi-lo, de longe.”

Prof. Maria José Oliveira


8. Classifica o narrador quanto à presença. Justifica.

9. Identifica e explica o recurso expressivo utilizado na seguinte expressão: “Lembrava uma


aranha.” (l. 17)

Grupo II – Gramática

1. Nesse tempo, a minha admiração vinha da sua representação teatral.


1.1 Identifica as funções sintáticas desta frase, colocando os grupos frásicos na respetiva coluna
do quadro.
Sujeito Complemento Predicado Modificador
simples composto subentendido direto indireto oblíquo

2.
2.1 Identifica as frases simples e as complexas.
a)“Aquelas desgraças aconteciam-lhe porque era justo e tomava, de gosto, o partido dos
fracos.”
b) “ Uma noite Mestre Finezas morreu logo no primeiro ato.”
c) “Eu arrepiava-me todo.”
c) “Uma melodia suave saía da loja e enchia a vila de triste.”

2.2 Escolhe uma frase complexa do exercício anterior e explica por que razão a consideraste
complexa.

3. Das três frases complexas seguintes, só numa não se encontra a expressão de tempo. Identifica-a
a) Mal viu Mestre finezas, o narrador lembrou-se do passado.
b) Como a navalha podia magoar o menino, Mestre Finezas tinha muito cuidado.
c) Fumava um cigarro, enquanto o barbeiro lhe cortava o cabelo.

4. “Eu saía de casa, rente à parede, sentindo que aquilo era pior do que ir para a escola.”
a) Em que grau se encontra o adjetivo presente na expressão sublinhada?
b) Indica-o no grau normal.

5. Completa o texto que se segue, conjugando os verbos nos tempos e modos indicados entre
parênteses.

Certo dia, o Carlitos __________________ (chegar, pretérito perfeito do indicativo) a casa


enquanto ainda ________________ (ver, pretérito imperfeito do indicativo) alguém sair
sorrateiramente pela porta das traseiras. “___________________ (ser, futuro do indicativo) um
ladrão?” – pensou o rapaz. Como ele ___________________ (gostar, condicional) que nada
__________________ (ter, pretérito imperfeito do conjuntivo) acontecido. Mas__________________
(ter, pretérito imperfeito do indicativo). À medida que ia _______________ (avançar, gerúndio) pela
casa _________________ (perceber, pretérito imperfeito do indicativo) que tudo estava revirado!
“Não acredito que me _______________ (estar, presente do conjuntivo) a acontecer isto! Quando eu
______________ (ser, futuro do conjuntivo) adulto, ________________ (ir, presente do indicativo)
inscrever-me na polícia para lutar contra a criminalidade.

Prof. Maria José Oliveira


Grupo III – Escrita

Racista, eu?!, Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias

 Escreve um texto bem estruturado e com um registo de língua cuidado entre 18 a 22


linhas, tendo em conta os seguintes aspetos.

 Introdução
- Descrição da imagem.
 Desenvolvimento
- Os idosos são discriminados no nosso país?
- São considerados inúteis (ou úteis), quer pela sociedade em geral, quer pela própria
família?
- Vivem sempre na solidão e em sofrimento?
 Conclusão
- A partir da imagem e das questões anteriores, faz uma reflexão e emite a tua opinião
devidamente fundamentada.

Prof. Maria José Oliveira

Você também pode gostar