Você está na página 1de 24

Nutrição em Questões para

Concursos
Obesidade, Síndrome
Metabólica e Dislipidemias
Profª Drª - Ana Lúcia Salomon
Etiologia Neuro-
endócrinas
e
Interação hormonais Imunológicas
entre corpo (processo
e mente inflamatório)

Estruturais da Desequilíbrio
membrana Nutricional Gastrointestinais
celular do (digestão e
músculo absorção)
esquelético
Metabolismo Hereditariedade
energético e e
sistema
antioxidante Interação gênica (Alter Ther Health Med;
14(4): 10-4, 2008)
Tecido adiposo: Órgão endócrino
HSD
Cortisona Cortisol

Estrogênio
PPAR
Resistna
Cortisol Visfatina

Adrenalina
Leptina
Insulina IL-6 IL-8 TNFα
GH Adiponectina
IGF PAI-1
Angiotensinogênio
Triglicerídeos AGL

Lipase lipoprotéica
AGL
núcleo arqueado do hipotálamo
•A leptina e a insulina
agem diretamente em seus
receptores estimulando os
neurônios de primeira
ordem que produzem
POMC.
Estimulantes
Inibidores
•A clivagem dessa proteína
promove a liberação de
melanocortina alfa-MSH,
que no neurônio de
segunda ordem, por
sinalização dos receptores
Mc4r e Mc3r, reduz a
ingestão alimentar e
aumenta o gasto
energético e a lipólise.
POMC- proopiomelanocortina
Cart-cocaine and anphetamine regulated
transcript
FGV – 2016 – SEE/PE
32 Assinale a opção que indica a adipocitocina secretada pelo tecido adiposo, que está correlacionada ao
percentual de gordura corporal.

(A) Adiponectina.

(B) Neuropeptídeo Y.

(C) Grelina.

(D) Leptina.

(E) Estrogênio.
VUNESP – 2015
34. Qual é a perda de peso recomendada por semana, considerada saudável para pacientes adultos
obesos?

(A) De 100 a 150 g.

(B) De 200 a 350 g.

(C) De 250 a 400 g.

(D) De 300 a 400 g.

(E) De 500 a 1000 g


VUNESP – 2015
34. Qual é a perda de peso recomendada por semana, considerada saudável para pacientes adultos
obesos?

(A) De 100 a 150 g.

(B) De 200 a 350 g.

(C) De 250 a 400 g.

(D) De 300 a 400 g.

(E) De 500 a 1000 g


FUMARC – 2013
43. Quanto à distribuição de macronutrientes na dieta de um indivíduo obeso, é CORRETO afirmar que, na maioria
dos casos, as dietas devem
(A) ser severamente restritas em carboidratos e liberais em proteínas e lipídeos, não havendo preocupação
específica com o tipo de lipídeo.
(B) conter cerca de 55% de carboidratos, 20% de proteínas, complementando-se com lipídeos, sem preocupação
específica com o tipo, exceto com o teor de colesterol, que não deverá ultrapassar 300 mg/dia.
(C) conter cerca de 55 a 60% de carboidratos, 15 a 20% de proteínas e 20 a 25% de lipídeos, podendo estes chegar
até 30%, que compreenderão: 10% de gordura saturada, 10% de poli-insaturada e 10% de monoinsaturada, devendo
o colesterol não ultrapassar 200 mg/dia.
(D) conter cerca de 55 a 60% de carboidratos, 15 a 20% de proteínas e 20 a 25% de lipídeos, podendo estes chegar
até 30%, que compreenderão: 7% de gordura saturada, 10% de poli-insaturada e 13% de monoinsaturada, devendo
o colesterol não ultrapassar 300 mg/dia.
FCC – 2018
66. A Síndrome Metabólica é uma desordem complexa caracterizada por um conjunto de fatores de risco
cardiovasculares diretamente relacionados ao acúmulo de gordura central e à resistência à insulina. Com o aumento
do peso, ocorre o agravo do distúrbio metabólico.

Para o diagnóstico da Síndrome Metabólica são necessárias pelo menos 3 condições, dentre elas,

(A) Níveis de creatinina sérica 0,6 a 1,2 mg/dL.

(B) Glicemia pós prandial >140 mg/dL.

(C) Circunferência abdominal para homens >102 cm e mulheres >88 cm.

(D) Colesterol total ≥200 mg/dL.

(E) IMC >30 kg/m2.


Circunferência Abdominal / Cintura
FCC – 2018
66. A Síndrome Metabólica é uma desordem complexa caracterizada por um conjunto de fatores de risco
cardiovasculares diretamente relacionados ao acúmulo de gordura central e à resistência à insulina. Com o aumento
do peso, ocorre o agravo do distúrbio metabólico.

Para o diagnóstico da Síndrome Metabólica são necessárias pelo menos 3 condições, dentre elas,

(A) Níveis de creatinina sérica 0,6 a 1,2 mg/dL.

(B) Glicemia pós prandial >140 mg/dL.

(C) Circunferência abdominal para homens >102 cm e mulheres >88 cm.

(D) Colesterol total ≥200 mg/dL.

(E) IMC >30 kg/m2.


FUMARC/2013
44. Paciente do sexo feminino, artista plástica, 48 anos, brasileira, natural e procedente de Contagem. Foi
encaminhada pela clínica médica com diagnóstico de diabetes mellitus, hipotireoidismo compensado, hipertensão
arterial e dislipidemia tipo IIa (hipercolesterolemia familiar). Pratica caminhadas 1 hora/dia de segunda a sexta-feira.
Tabagista de 8 a 10 cigarros ao dia. Dorme de 6 a 7 horas ao dia. Ciclos menstruais regulares. TGI: azia frequente,
função intestinal normal. Peso: 56 kg. Estatura: 159 cm. Hábitos alimentares: ingere pouca água. Nega alergias ou
intolerâncias alimentares. Aversão a feijão. Pouca preferência por frutas. Seus exames bioquímicos revelaram
colesterol de jejum = 284 mg/dl e trigliceridemia de jejum = 185 mg/dl; HDL = 32; VLDL = 37; LDL = 215 mg/dl.
São condutas nutricionais para o planejamento dietético a ser adotado para a paciente:
(A) carboidratos: 45 a 60% do VET, proteínas: 15 a 20%, lipídeos: até 30%, sacarose: até 10%, gordura saturada: até
7%, colesterol: até 200 mg/dia.
(B) carboidratos: 50% do VET, proteínas: 20%, lipídeos: 30%, sacarose e frutose: isentos na dieta, gordura saturada:
até 7%, colesterol: até 200 mg/dia.
(C) carboidratos: 45 a 60% do VET, proteínas: 15 a 20%, lipídeos: até 30%, frutose: até 10%, gordura saturada: até
7%, colesterol: até 200 mg/dia;
(D) carboidratos: 50% do VET, proteínas: 20%, lipídeos: 30%, sacarose: isenta na dieta, gordura saturada: até 7%,
colesterol: até 200 mg/dia.
VUNESP – 2015
42. Com relação às dislipidemias, assinale a alternativa correta.
(A) A hipercolesterolemia isolada é definida como a elevação isolada do colesterol da lipoproteína de alta
densidade – HDL-c (≥160 mg/dL).
(B) A hiperlipidemia mista é definida como a elevação da lipoproteína de baixa densidade LDL-c (≥160
mg/dL) e triglicérides (≥150 mg/dL).
(C) A hipercolesterolemia isolada é definida como a elevação isolada do colesterol da lipoproteína de alta
densidade – HDL-c (≥119 mg/dL).
(D) A hiperlipidemia mista é definida como a diminuição da lipoproteína de baixa densidade LDL-c (≤160
mg/dL) e triglicérides (≤150 mg/dL).
(E) A hipertrigliceridemia isolada é definida como a elevação isolada de triglicérides e elevação da
lipoproteína de alta densidade – HDL-c (≥160 mg/dL).
VUNESP – 2013
55. Atualmente, está claro que diferentes padrões dietéticos modulam diferentes aspectos do processo aterosclerótico e fatores
de risco cardiovasculares, como níveis lipídicos no plasma, resistência à insulina e metabolismo glicídico, pressão arterial,
fenômenos oxidativos, função endotelial e inflamação vascular.
De acordo com a I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular, que estabelece orientações sobre o consumo de
gorduras na prevenção de tratamento de doenças cardiovasculares, é correto afirmar que
(A) a resposta da colesterolemia decorrente do consumo de colesterol alimentar é variável em animais e humanos, e as razões
para diferenças interpessoais ainda não estão totalmente esclarecidas.
(B) atualmente, recomenda-se o consumo moderado de ovo, de até 2 por dia, para população em geral.
(C) o consumo de ácidos graxos saturados, além do recomendado, está relacionado com alteração no perfil lipídico, caracterizado
pela diminuição dos níveis de LDL e aumento de HDL.
(D) o consumo de óleo de palma ou de alimentos contendo grande quantidade desse óleo é recomendado para indivíduos com
dislipidemia ou na prevenção da dislipidemia e das doenças cardiovasculares.
(E) suplementação com ômega-3 marinho (1g/dia) deve ser recomendada para hipertrigliceridemia grave (>300 mg/dL), com
risco de pancreatite, refratária a medidas não farmacológicas e tratamento medicamentoso.
VUNESP – 2013
55. Atualmente, está claro que diferentes padrões dietéticos modulam diferentes aspectos do processo aterosclerótico e fatores
de risco cardiovasculares, como níveis lipídicos no plasma, resistência à insulina e metabolismo glicídico, pressão arterial,
fenômenos oxidativos, função endotelial e inflamação vascular.
De acordo com a I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular, que estabelece orientações sobre o consumo de
gorduras na prevenção de tratamento de doenças cardiovasculares, é correto afirmar que
(A) a resposta da colesterolemia decorrente do consumo de colesterol alimentar é variável em animais e humanos, e as razões
para diferenças interpessoais ainda não estão totalmente esclarecidas.
(B) atualmente, recomenda-se o consumo moderado de ovo, de até 2 por dia, para população em geral.
(C) o consumo de ácidos graxos saturados, além do recomendado, está relacionado com alteração no perfil lipídico, caracterizado
pela diminuição dos níveis de LDL e aumento de HDL.
(D) o consumo de óleo de palma ou de alimentos contendo grande quantidade desse óleo é recomendado para indivíduos com
dislipidemia ou na prevenção da dislipidemia e das doenças cardiovasculares.
(E) suplementação com ômega-3 marinho (1g/dia) deve ser recomendada para hipertrigliceridemia grave (>300 mg/dL), com
risco de pancreatite, refratária a medidas não farmacológicas e tratamento medicamentoso.
Obrigada!
@anasalomon