Você está na página 1de 8

Universidade Federal da Paraíba

Centro de Comunicações, Turismo e Artes.


Departamento de Música – Licenciatura em música

Estruturação e Análise IV

Prof. Marcílio Onofre


Fabíola Santos de Araújo
Ailma Ribeiro
Este trabalho é fruto da disciplina de Análise Musical IV. Que consiste numa análise da
peça para piano “China Gates” de John Adams. O trabalho aborda e apresenta como
está estruturada a peça.

Palavra chave: China Gates, Análise, Retrógado

“John Adams nasceu e foi educado até à idade adulta em New England. Estudou música
desde cedo. Como instrumentista era clarinetista, mas sempre se dedicou à composição.
Estudou na Universidade de Harvard, onde recebeu uma sólida formação da tradição
das correntes modernistas e de vanguarda europeias. No entanto, a intenção deliberada
em mudar-se para o estado da Califórnia, após terminar o curso, correspondeu a uma
forte determinação em seguir outras correntes musicais. Adams pretendia escrever uma
música que fosse, de certa forma, mais acessível ao grande público e até mesmo às
pessoas que ouviam música popular. De certa forma, seguiu uma linha muito próxima à
dos minimalistas de Nova Iorque, uma geração de compositores ligeiramente mais velha
que trabalhou a partir da repetição exaustiva de padrões rítmicos e melódicos muito
curtos, os quais eram sobrepostos criando estruturas desfasadas”(MÙSICA, 2017).

China Gates é uma peça pós-minimalista, no qual o seu significado segundo


Adams, “trata-se dos momentos em que os modos mudam subitamente e sem aviso”
(Adams, 2014). A peça divide-se em três seções (A/B/A’). A seção (A) inicia no
primeiro compasso da peça até ao final do compasso 78. A seção (B) estende-se desde o
compasso 79 até ao final do compasso 112. A seção (A’) vai desde o compasso 113 até
ao final da peça. A seção (A) constitui um crescendo, e a frequente mudança dos modos
ou nota pedal vai progressivamente aumentando. A seção (B) é mais turbulenta, e os
modos mudam muito frequentemente. E na secção (A’) essas mudanças diminuem
prolongando as mesmas. A existência de notas pedais no baixo sinalizam as secções
A/A’.
Figura 1. Compasso 93 ao compasso 105 da seção (B) no qual mostra essa frequente
mudança que acontece entre os modos.

Na mão direita do piano as células rítmicas mantém o padrão 3 (do ré mib)contra 4 (do
reb mib láb, o ritmo constante em colcheias. Na mão esquerda do piano as figurações
rítmicas são mais irregulares e sujeitas à mudança como mostra na (Fig.2) abaixo.

Fig. 2

Também é possível perceber o uso de palíndromos rítmicos. Que pode ser observado
entre os segmentos das seções A e A’. Para exemplificar o retrógrado vejamos o trecho dos
compassos 1 e 2 e compassos 29 e 30, onde o último trecho imita o primeiro de trás pra frente,
com movimento melódico invertido, o que configura um palíndromo invertido no contorno
melódico da mão esquerda. Isso ocorre em diversos outros momentos da peça.

Fig. 3. Exemplo de movimento retrógrado invertido (comp. 1 e 2 e 29 e 30).


Segundo SANCHEZ, “a mudança de seções acompanham as mudanças na armadura de clave,
que são representadas pela mudança abrupta dos modos. Adams utiliza dois modos contrastantes: lá
bemol mixolídio e sol sustenido eólio. Os ostinatos foram utilizados como ferramentas comp osicionais
para conectar as seções.O uso de pedais que faz com que a passagem entre seções seja fluida,
funcionando como uma espécie de imitação da modulação por nota comum, em contextos tonais. Quanto
à textura, China Gates combina 2 ostinatos: o primeiro não varia em seu aspecto rítmico enquanto o outro
muda, encurtando-se e enlarguecendo em sua duração”(2012, p.24-25).

seção Mão direita Mão esquerda

A Comp. 1- 12 mão direita mantém m.e. há um deslocamento rítmico em


o padrão 3 (do ré relação a m.d. e as notas réb dó e láb
mib)contra 4 (do reb se distribuem em semínima,
mib láb. Ritmo semínima pontuada e semínima até o
constante de compasso 6, depois do 7-9 semínimas
colcheia. e depois (10 ao 12) semínimas e
mínimas.

13-30 Melodia muda para Faz a melodia dos compassos 1-12


um arpejo de sol retrógrada invertida
sustenido menor
(sol#-si-ré#). Ritmo
constante.

31-42 Melodia de 3 (dó A cada 2 compassos muda a


mib-láb)contra 4 configuração rítmica utilizando as
(dó-mib, láb, sib). contraposições de figuras dos
Ritmo constante. compassos 1-12
43-54 Melodia é o arpejo Melodia da seção anterior retrógrada
de si maior com invertida.
sétima menor,
sempre em grupos
de 4 notas. Ritmo
constante.

55-63 Grupos de 3 notas só Comp. 55-57 alargamento do ritmo.


mib sib. Ritmo Comp. 58-62 a melodia vai
constante. encurtando o padrão que vai da
repetição de padrão de 4 notas (sib,
do, réb, mib), depois 3 e 3 notas.

63-70 Melodia de 3 notas: Melodia da seção anterior retrógrada


si-fá#-si(8ªacima). invertida
Ritmo constante

71-74 Melodia de 3(dó, láb, Melodia simples, em semínimas, com


réb) contra 4 dó, lá, melodia que começa da repetição de
réb mib) notas. notas que vão se distanciando
melodicamente.

75-78 Melodia de 3(ré#, Melodia retrógrada da seção


sol#, fá#) contra 4ré, anterior.
sol#, dó#, fá#) notas.
B 79-92

Seção movimentada. As mãos começam juntas, com mesmo


contorno melódico, mas logo ocorre a defasagem em termo
de altura de nota ocasionada pela contraposição de grupos
de 3 contra 4 notas, e assim vão variando. O ritmo é
constante.

A’ 93-96 Mesmos materiais melódicos da seção


dos compassos 71-74, retrógrada
invertidaa com pouca variação

97-100 Mesmos materiais melódicos da seção


dos compassos 93-96, retrógrada
invertida com pouca variação

101-108(transição) Melodia de 3 notas: Varia melodia com ritmos mostrados


fá, mib, solb em outras seções da peça

109- Melodia permanece Mesma seção anterior (101-108)


116(Transição) a mesma dos comp. retrógrada invertida
101-108.
117-128 Expansão melódica Expansão melódica 3(láb, solb, fá),
2(solb, láb), 3(fá, 4(láb, solb, fá, mib) e 5(láb, solb, fá,
solb, láb) e 4(fá, solb, mib, réb) notas.
láb, sib) notas.

129-140 Padrão de 3 notas Retrógrado invertido da seção


(dó mi si). Ritmo anterior (comp. 117-128)
constante)

141-155 Padrão de 3 notas utilizar recursos de expansão e


(dób-solb-réb) compressão rítmica da seça A.

156-167 Padrão de 3 notas Retrógrado invertido da seção


(si- fá-dó) anterior (comp. 141-155)

No gráfico abaixo percebemos quatro modos que correspondem I corresponde a Láb


Mixolídio , II Sol#m seria Eólio, III Fá Lídio e a IV Fá Lócrio.

Fig. 4

Como também nessas mesmas estruturas pode se observar o uso da retrógada, no


qual é visto nas estruturas I, II, III, e IV e que ocorre em relação aos intervalos. Ou seja,
a ordem ascendente dos intervalos da estrutura I é igual à ordem descendente dos
intervalos da estrutura II, e o mesmo acontece com as estruturas III e IV (fig. 5).
Fig. Os 4 modos, e os intervalos correspondentes. Verifica-se a existência de um
palíndromo a nível dos intervalos utilizados.

Referências

MÚSICA, Casa da. JOHN ADMS. 2017. Disponível em:


<http://www.casadamusica.com/pt/artistas-e-obras/compositores/a/adams-
john/?lang=pt#tab=0>. Acesso em: 4 nov. 2017.