Você está na página 1de 3

Ficha de Trabalho pg 295 ECONOMIA A

N4 Bin Wang 11.5


1.1 CECA:Livre comércio do carvão e do aço
CEE:União aduaneira(livre comércio e pauta aduaneira comum)
CE:Mercado único(livre circulação de bens, pessoas, capitais e serviço
UE:União económica
UEM:Moeda Única
UE:Prémio Nobel da Paz
1.2 Desde as configurações econômicas, políticas, culturais e de segurança de
diferentes organizações para aprimorar a integração

1.3 1957 -Alemanha Bélgica Luxemburgo França Itália Holanda


1973- Dinamarca Reino Unido Irlanda
1981-Grécia
1986- Espanha Portugal
1995- Suécia Finlândia Áustria
2004-Chipre Estônia Letônia Lituânia Polônia República Checa
Eslováquia Hungria Malta Eslovênia
2007-Romênia Bulgária
2008- Croácia

2.1 No mercado único europeu (por vezes também chamado «mercado interno»), as
pessoas, os bens, os serviços e os capitais podem circular livremente. Os cidadãos
europeus podem estudar, viver, fazer compras, trabalhar e reformar-se em qualquer
país da UE e usufruir de produtos provenientes de toda a Europa.

2.2 ·Mercado mais justo


·Fluxo livre de mercadorias

2.3 A legislação da concorrência da UE inclui principalmente quatro partes:


antitruste, fusões e aquisições, liberalização e subsídios estatais. A Comissão
Europeia é a principal agência legislativa e de execução da política de concorrência
da UE.

3.1 O mercado único é uma das grandes realizações da Europa. Proporciona


benefícios concertos às pessoas e funciona como um motor para construir uma
economia europeia mais forte e mais justa. Ao permitir que as pessoas, os bens, os
serviços e os capitais circulem mais livremente, o mercado único abre novas
oportunidade para os cidadão os trabalhadores, as empresas e os consumidores, e
contribui para parar p emprego e o. Crescimento de que o Europa carece
urgentemente .

3.2 Consolidar a posição interna da UE


Faça a economia crescer mais rápido

3.3 Parlamento Europeu:


atua junto com o Conselho como o poder legislativo
partilha com o Conselho o poder orçamental e decide em última instância sobre o
orçamento geral da União Europeia
Conselho Europeu:
dá o impulso necessário para o desenvolvimento e define os objectivos e as
prioridades gerais
Conselho da União Europeia:
atua junto com o Parlamento como poder legislativo
exerce, juntamente com o Parlamento, o poder orçamental
Comissão Europeia:
apresenta propostas de novas legislações ao Parlamento e ao Conselho
implementa a política da UE e administra o orçamento
garante a conformidade com Lei da UE
negocia tratados internacionais
Tribunal de Justiça da União Europeia:
garante uniformidade de intepretação da Lei da UE
tem o poder de decidir disputas legais entre os Estados-membros, instituições,
empresas e indivíduos da UE
Tribunal de Contas Europeu:
examina o uso adequado das receitas e despesas das instituições da UE
Banco Central Europeu:
forma em conjunto com os bancos centrais nacionais o Sistema Europeu de Bancos
Centrais e determina, assim, a política monetária da UE

4.1 A adoção do euro pelos estados membros da UE é o significado da identidade


dos estados membros da UE

4.2 A adoção de uma moeda única é um passo fundamental no desenvolvimento


econômico de um país como um Estado membro da UE. Sua taxa de câmbio será
fixada irreversivelmente e a política monetária será de responsabilidade do Banco
Central Europeu responsável pela política monetária em toda a área do euro. O
objetivo das condições de acesso econômico é garantir que as economias membros
estejam totalmente preparadas para a adoção de uma moeda única e possam se
integrar facilmente ao sistema monetário da zona do euro, sem o risco de colapso dos
países membros ou de toda a zona do euro. Em suma, os padrões de acesso
econômico são projetados para garantir a convergência econômica - eles são
chamados de "padrões de convergência" (ou "padrões de Maastricht") e receberam a
UE em 1991 como parte dos preparativos para a introdução do euro. Adoção pelos
Estados membros.
Além de atender aos critérios de convergência econômica, os países candidatos na
área do euro também devem modificar suas próprias leis e regulamentos,
especialmente aqueles relativos ao banco central nacional e outras questões
monetárias, a fim de alinhar essas leis e regulamentos com Maastricht O Tratado de
Hutt. Em particular, os bancos centrais devem ser independentes para que a política
monetária determinada pelo Banco Central Europeu também seja independente.