Você está na página 1de 3

CONTRAPONTO

TONAL
TERCEIRA ESPÉCIE
Quatro notas contra nota

1. Começar o contraponto sempre com pausa de semínima. Após esta pausa, virá,
necessariamente, uma oitava, uníssono, ou uma quinta(apenas quando o CF estiver
na voz inferior). O último compasso conterá uma semibreve em cada voz.

2. O penúltimo compasso pode conter:
a) 4 semínimas;
b) 2 mínimas, de acordo com a segunda espécie (não pode haver suspensão);
c) 1 semibreve, de acordo com a primeira espécie.

3. Não é permitido repetir notas (seguidas) na voz do contraponto.

4. É permitido o cruzamento de vozes. Neste caso, sempre se conta o intervalo de
baixo para cima, mesmo que a voz mais aguda seja, por alguns instantes, a mais
grave.

5. Uníssono é permitido:
a) no primeiro compasso, após pausa de semínima, e no último compasso;
b) em qualquer tempo dos outros compassos que não seja o primeiro tempo.

6. A consonância é obrigatória no primeiro e terceiro tempos, ou seja, nos tempos
fortes.

7. A dissonância é permitida:
a) como Nota de Passagem, no tempo fraco (2º e 4º tempos);
b) como Bordadura Inferior ou Superior no tempo fraco.
BORDADURA INFERIOR (BI) ou SUPERIOR (BS): é uma dissonância ou nota
estranha ao acorde, em tempo fraco, precedida e seguida pela mesma nota
(consonante) por grau conjunto superior(BI) ou inferior (BS).


c) Como Bordadura Dupla.
BORDADURA DUPLA: é a combinação de uma Bordadura Superior com uma
Inferior. O primeiro e últimos tempos contêm a mesma nota do acorde, enquanto o
segundo e terceiro tempos são notas estranhas ao acorde, tendo a distância de
uma terça entre BS e a BI.


d) como Cambiata. Pode começar no primeiro ou terceiro tempo do compasso.
CAMBIATA: é composta por 5 notas: a primeira, terceira e quinta notas são
consonantes. A segunda nota é uma dissonância, e a quarta nota pode ser
consonante ou dissonante. Pode ser tanto ascendente quanto descendente.

Cambiata descendente: começa no tempo forte com uma consonância, segue a
dissonância por grau conjunto descendente. A dissonância é seguida por uma 3ª
descendente e dois graus conjuntos ascendentes.

Cambiata ascendente: começa no tempo forte com uma consonância, segue a
dissonância por grau conjunto ascendente. A dissonância é seguida por uma 3ª
ascendente e dois graus conjuntos descendentes.
Exemplos:


8. Saltos:
a) Dois saltos seguidos, em direções contrárias, são permitidos somente quando
precedidos e seguidos também por movimento contrário.

b) Não pode haver dois saltos seguidos na mesma direção.

c) Deve-se evitar o uso do salto de 6m nessa espécie. O arpejo melódico também não é
recomendável.

9. O primeiro tempo de dois compassos consecutivos não deve ser por consonâncias
perfeitas.

10. Quintas e oitavas paralelas:
a) Quintas e oitavas precisam estar separadas por, no mínimo, quatro semínimas.

b) As 8as podem estar separadas por apenas 3 semínimas na cadência final.

11. 8as ou 5as ocultas são permitidas conforme a primeira espécie.

12. As notas que formam o trítono não devem aparecer como primeira e terceira
semínima do compasso, ou como terceira nota de um compasso para a primeira do
compasso seguinte, tampouco como primeira e última nota do compasso numa
passagem. Exemplos:


13. As cadências na terceira espécie podem conter um salto antes da tônica, mas a
sensível precisa aparecer no penúltimo compasso.

14. Exemplos de cadências:

a) Tons maiores:




b) Tons menores








Referência:

CARVALHO, Any Raquel. Contraponto Tonal e Fuga: Manual Prático.
Porto Alegre: Editora Novak Multimedia, 2002.