Você está na página 1de 150

PUC/SP

FACULDADE DE FILOSOFIA COMUNICAÇÃO


LETRAS E ARTES

CINEMA E QUADRINHOS:
a evolução da arte sequencial de Will Eisner e Frank Miller através
do fenômeno noir

Lucas Fonseca de Araújo

SÃO PAULO
2011
Lucas Fonseca de Araújo

CINEMA E QUADRINHOS:
a evolução da arte sequencial de Will Eisner e Frank Miller através
do fenômeno noir

Monografia apresentada para a


conclusão da disciplina “Projeto em
Multimeios II” do curso de:
Comunicação e Multimeios FAFICLA
PUC/SP.

Orientador: Marcelo Prioste

SÃO PAULO
2011
BANCA EXAMINADORA

_______________________________________________
Orientador: Prof. Dr. Marcelo Vieira Prioste

_______________________________________________
Prof.ª Dra. Ane Shyrlei de Araújo

_______________________________________________
Prof. Francisco C. Camêlo
Dedico esta obra a minha namorada, que, graças a minha perseverança, se
tornou uma leitora e apreciadora das obras em quadrinhos.

Que esta arte continue por muitos anos, sempre em constante evolução
AGRADECIMENTOS

Aos meus pais, que me incentivaram na leitura e na formação da minha


arte, mesmo sendo obrigados a aturar pilhas de quadrinhos pela casa.
Ao meu irmão, que incentiva até hoje o desbloqueio e a evolução do
meu traço, sempre apresentando novos projetos para me dedicar.
Ao orientador Marcelo Prioste, pelo incentivo, competência, paciência e
as diversas boas referências apresentadas.
Aos meus velhos amigos, pelo amor incondicional e a amizade, que
sempre incentivaram a minha arte, participando na elaboração das minhas
primeiras histórias em quadrinhos, acompanhando, por sete anos, cada etapa
de minha aprendizagem, como pessoa e como pseudo-artista.
Aos meus novos velhos amigos, que fizeram como que estes quatro
anos passassem de forma rápida e proveitosa. Quatro marcantes anos que
farão falta pelo resto de nossas vidas.
E por último, agradeço ao maior bem que poderia ter ocorrido em todos
estes quatro anos de história: a amizade inicial e o amor verdadeiro na figura
de Tamyris Müzel. Agradeço pela dedicação e pelo carinho que sempre provou
ter por mim, pelos puxões de orelha por eu não me empenhar tanto em minha
arte, pela paciência em me aturar e pelas certezas que me passa. Agradeço
pelas horas, dias e anos que estamos juntos, por ser quem você é e por ser
perfeita para mim. Te amo. Cross my heart.
RESUMO

Pretende-se estudar a evolução dos quadrinhos através do olhar do


cinema, principalmente a influência estética e narrativa herdada pelo
movimento noir, do início dos anos 1940 até 1950, que serviu de inspiração
para os mais diversos artistas e comunicadores do período, que ajudaram a
estabelecer aquele fenômeno em um gênero único, cultuado e perpetuado por
gerações. Estabelecida esta relação de influências, esta monografia pretende
demonstrar o impacto feito pelo artista Will Eisner, que, após criar uma releitura
gráfica do cinema policial de 1940, a obra de quadrinhos The Spirit, consolidou
uma nova forma de ser narrar quadrinhos, concebendo um híbrido entre o
cinema e as narrativas gráficas, a arte sequencial, dando, assim, o primeiro
grande passo para a construção das graphic novels, que elevaram os
quadrinhos ao grau de entretenimento adulto, influenciando, pelo seu estilo, o
autor e desenhista Frank Miller, que difundiu o neo-noir em narrativas clássicas
do quadrinho, tais como Batman – Ano Um e Sin City, e que continuam,
através do tempo, a evoluir e homenagear este gênero, hoje já estabelecido,
criando novas formas de ser realizar a arte sequencial.

Palavra-chave: Filme Noir. Quadrinhos. Arte Sequencial. Will Eisner.


Hibridismo
ABSTRACT

This paper aims to study the evolution of comics through cinematic view,
especially by the narrative and aesthetics influences inherited by noir
movement, that began in the early 1940s until the 1950s, inspiring various
artists and communicators of its time. These intellectuals helped establish the
phenomenon into a unique genre, worshiped and perpetuated by generations.
Once the relations between influences era established, this paper aims to
demonstrate the impact of artist Will Eisner, after creating a graphic
reinterpretation of 1940s police film (the graphic novel The Spirit). Eisner
consolidated a new perspective of comic´s narrative, creating a hybrid between
the cinema and the graphic storytelling, called sequential art, determining the
graphics novel beginning and establishing comics as adult entertainment. Will
Eisner also influenced the author and artist Frank Miller, who spread the genre
neo-noir through classic comics’ narratives such as Batman: Year One and Sin
City. Those influences still evolve and honor the genre, already established
nowadays, creating new ways of crafting sequential art.
Keywords: Film Noir, Comics, Sequential Art, Will Eisner, Hybridity
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Figuras pictóricas e simbólicas, que, representadas na parede de


uma caverna, retratam um meio de vida rupestre. (Fonte: Desvendando os
Quadrinhos). ............................................................................................. 17
Figura 2 - Figura 2: Exemplo de comunicação escrita por meio de imagens
familiares. (Fonte: Quadrinhos e arte sequencial). .................................... 17
Figura 3 ............................................................................................................ 18
Figura 4: As figuras 3 e 4 mostram a utilização iconográfica da forma humana
nos frisos egípcios. (Fonte: Quadrinhos e arte sequencial). ..................... 18
Figura 5 - Figura 5: Imagem representada por McCloud, com o fim de ser
reproduzida em preto e branco. (Fonte: Desvendando os quadrinhos). ... 19
Figura 6 - Figura 6: narrativa épica sobre o herói “8-Cervos”. (Fonte:
Desvendando os quadrinhos). .................................................................. 20
Figura 7 - Tapeçaria inglesa datada de 1066, que desenvolve a construção de
uma direção visual da “Conquista normanda". (McCLOUD 1993, p.12).
(Fonte: Desvendando os quadrinhos). ...................................................... 21
Figura 8 - A série de figuras que servem como narrativa para a obra As torturas
de Santo Erasmo (1460), detalhando cada um de seus sortilégios. (Fonte:
Desvendando os quadrinhos). .................................................................. 22
Figura 9 - Ppintura da série Adão e Eva (séc. XVI), que retrata a passagem da
bíblia através de outros quadros postos em sequência. (Fonte:
http://www.gazetadopovo.com.br) ............................................................. 23
Figura 10 - Frontal do retábulo de Cranach na igreja de São Wolfgang. (Fonte:
http://pt.wikipedia.org) .............................................................................. 24
Figura 11 - Vitral na Catedral de Chartres (séc XIII). (Fonte:
http://pt.wikipedia.org). .............................................................................. 24
Figura 12 - A segunda gravura – de um total de seis - da obra “O progresso de
uma prostituta” (1731). (Fonte: http://it.wahooart.com). ............................ 25
Figura 13 - O almálgama entre figura e texto, de Gillray (1972). (Fonte:
http://upload.wikimedia.org). ..................................................................... 26
Figura 14 - Vista da janela em Le Gras (1826), primeiro registro fotográfico da
história. (Fonte: http://upload.wikimedia.org)............................................. 27
Figura 15 - O trote do cavalo captado por Muybridge (1878). (Fonte:
http://gteans.blogs.com). ........................................................................... 28
Figura 16 - O cinematógrafo, considerado uma evolução do cinetoscópio, de
William Kennedy Laurie Dickson. (Fonte: http://upload.wikimedia.org) ..... 28
Figura 17 - O filme “Viagem à Lua” (1902), de George Mélies. (Fonte: Viagem à
Lua). .......................................................................................................... 29
Figura 18 - Cena do filme “O nascimento de uma nação” (1915), de Griffth.
(Fonte: O nascimento de uma nação). ...................................................... 30
Figura 19 - Página da obra Les Amours de monsieur Vieux-Bois. (Fonte:
http://gallica.bnf.fr) ..................................................................................... 31
Figura 20 - Página 25 da obra Les Amours de monsieur Vieux-Bois. (Fonte:
http://gallica.bnf.fr) ..................................................................................... 32
Figura 21 - Ilustração publicada no jornal alemão Fliegende Blätter, em 1859.
(Fonte: http://www.sagen.at) ..................................................................... 33
Figura 22 - Painel da obra “Juca e Chico”, de 1993. (Fonte:
http://www.sagen.at) ................................................................................. 33
Figura 23 - A personagem Nhô-Quim. (Fonte: http://www.universohq.com) .... 34
Figura 24 - Página de Zé Caipora. (Fonte: http://www.universohq.com) .......... 35
Figura 25 - quadro de The Little Bears. (Fonte:
http://lambiek.net/artists/s/swinnerton.htm) ............................................... 36
Figura 26 - The Yellow Kid. (Fonte: http://cartoons.osu.edu) ........................... 37
Figura 27 - cena da obra Katzenjammer Kids. (Fonte:
http://curiositedequalite.blogspot.com/2011/04/katzenjammer-kids.html) . 38
Figura 28 - Cena da obra Litte Nemo in Slumbersland .................................... 39
Figura 29 - Cena da obra Litte Nemo in Slumbersland .................................... 40
Figura 30 - Cena da obra Litte Nemo in Slumbersland. (Fonte:
http://asleiturasdopedro.blogspot.com/2010/10/little-nemo-in-
slumberland.html) ...................................................................................... 41
Figura 31 - Trecho da obra Flash Gordon. (Fonte:
http://madinkbeard.com/archives/flash-gordon-review) ............................. 42
Figura 32 - A obra brasileira Garra Cinzenta (Fonte:
http://hqquadrinhos.blogspot.com) ............................................................ 43
Figura 33 - A personagem Harry Carey, criada por Eisner para publicação na
revista WOW!, de 1936. (Fonte: http://www.willeisner.com/biography/) .... 47
Figura 34 - Spirit e comissário Dolan em uma cena de investigação. (Fonte:
Quadrinhos e arte sequencial) .................................................................. 51
Figura 35 - Quadro de Scott McCloud. (Fonte: Quadrinhos e arte sequencial) 53
Figura 36 - Passagem presente na graphic novel New York (1986). ............... 56
Figura 37 - Quadrinho do cartunista norueguês Jason. (Fonte: Quadrinhos e
arte sequencial) ......................................................................................... 57
Figura 38 - O uso das expressões faciais como “guia” dos sentimentos,
emoções e acontecimentos da breve narrativa, exemplificando o bom uso
da anatomia expressiva de Will Eisner. (Fonte: Desvendando os
quadrinhos) ............................................................................................... 57
Figura 39 - Cena do mangá Travel (2005), de Yuichi Yokoyama. (Fonte:
http://www.artnet.com) .............................................................................. 58
Figura 40 - Batman, o cavaleiro das trevas (1986)........................................... 67
Figura 41 - Batman, o cavaleiro das trevas (1986)........................................... 68
Figura 42 - Batman, o cavaleiro das trevas (1986)........................................... 69
Figura 43 - Batman, o cavaleiro das trevas (1986)........................................... 70
Figura 44 - Batman, o cavaleiro das trevas (1986)........................................... 71
Figura 45 - A arte de Juanjo Guarnido: uso de low-key profile na iluminação,
figuras antropomórficas e estética da década de 1950, aliada ao forte clima
noir. (Fonte: http://olhosacesos.blogspot.com/)......................................... 73
Figura 46 - Exemplo de utilização da iluminação low-key, realçando detalhes de
uma forma sutil. (Fonte: Metropolis). ......................................................... 78
Figura 47 - Empreitada noir de Fritz Lang (1944), demonstrando a utilização da
iluminação barroca, fruto da bagagem de sua origem no expressionismo
alemão. (Fonte: Quando Desceram as Trevas). ....................................... 80
Figura 48 - A utilização do hard ligth cria uma sombra bem definida na parede.
(Fonte: O Falcão Maltês)........................................................................... 81
Figura 49 - Neste misto de técnicas, podemos observar a o uso da highlighting
(luz de destaque) no rosto da personagem, criando uma imagem
atmosférica de claro e escuro. (Fonte: A Força do Mal)........................... 81
Figura 50 - O uso da top lighting (luz superior) resulta na imagem sombria e
misteriosa da silhueta, que pode, posteriormente, recair sobre a trama
como uma força maligna (Fonte: O Grande Golpe). ................................. 82
Figura 51 - O realce da imagem gerada pelo close-up de luz não difusa. (Fonte:
O Anjo Diabólico). ..................................................................................... 83
Figura 52 - Exemplo de storyboard para uma peça publicitária de tevê, com o
filme resultante abaixo. Fonte: Quadrinhos e arte sequencial................... 90
Figura 53 - A ausência de tons de cinza na obra Sin City, de Frank Miller.
(Fonte: Sin City – A Dama Fatal). ............................................................. 92
Figura 54 - exemplo de montagem cena-a-cena. (Fonte: Blacksad - Em algum
lugar entre as sombras). ........................................................................... 93
Figura 55 - A. mise-en-scène carregada de informações da arte de Geof
Darrow. (Fonte: Hard Boiled). ................................................................... 93
Figura 56 - A sempre constante movimentação do Coringa, realçando sua
frieza em um plano aproximado que, a cada quadro, como em uma ação
de zoom in, nos deixa mais intimidados com a sua quieta presença.
(Fonte: Batman, o cavaleiro das trevas).................................................... 95
Figura 57 - Visão em plongée, oferecendo uma panorâmica do ambiente em
que o detetive Blacksad se encontra. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar
entre as sombras). .................................................................................... 96
Figura 58 - A ação do plano e contra plano ocorre nos dois últimos quadros da
cena. (Fonte: Sin City – A cidade do pecado). .......................................... 97
Figura 59 - A estréia de Batman, na edição #27 da Detective Comics (1939).
(Fonte: http://www.dc.wikia.com/) ............................................................. 99
Figura 60 - Frame retirado do filme The Bat (1926). (Fonte: The Bat) ........... 100
Figura 61 - Momento em que evidencia alguns dos utensílios carregados na
bolsa do criminoso. (Fonte: http://www.headinjurytheater.com). ............. 101
Figura 62 - Passagem do filme em que o criminoso avisa e desafia a polícia
sobre seu próximo roubo, se identificando como “o Morcego”. (Fonte:
http://www.headinjurytheater.com). ......................................................... 102
Figura 63 - Edição #28 da Detective Comics. Fonte:
http://www.headinjurytheater.com ........................................................... 102
Figura 64 - O coringa de Bob Kane ................................................................ 103
Figura 65 - O ator Conrad Veidt, no filme O Homem que Ri (1928) ............... 104
Figura 66 - O “ornitóptero”, de Leonardo Da Vinci. (Fonte:
http://100grana.wordpress.com).............................................................. 105
Figura 67 - Projetos originais para a capa da personagem Batman, amplamente
inspirados na criação de Da Vinci. (Fonte: http://www.dc.wikia.com/) .... 105
Figura 68 - O rosto marcado da personagem Marv. (Fonte: Sin City – A cidade
do pecado) .............................................................................................. 107
Figura 69 - Cena de desolação e desespero, com a personagem Dwight.
(Fonte: Sin City – A cidade do pecado) ................................................... 107
Figura 70 - A figura do tentente, na obra Sin City. (Fonte: Sin City – A cidade do
pecado) ................................................................................................... 108
Figura 71 - Na imagem acima podemos ver um dos antagonistas de Sin City, o
pedófilo e psicopata Roark Junior (That yellow bastard, 1996). (Fonte: Sin
City – Aquele bastardo amarelo) ............................................................. 108
Figura 72 - alguns jovens lagartos sentados em uma escadaria, em frente ao
bar. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as sombras) .................... 110
Figura 73 - Dois capangas ladeando o detetive Blacksad. (Fonte: Blacksad -
Em algum lugar entre as sombras) ......................................................... 110
Figura 74 - A raposa demonstra o raciocínio rápido, a astúcia e a “esperteza”
do tenente. (Fonte Blacksad - Em algum lugar entre as sombras) ......... 111
Figura 75 - O dono do bar onde Blacksad busca por informação. (Fonte:
Blacksad - Em algum lugar entre as sombras)........................................ 112
Figura 76 - A camareira é representada como uma pequena rata, que se
intromete em assuntos e locais alheios. (Fonte: Blacksad - Em algum
lugar entre as sombras) .......................................................................... 113
Figura 77 - A utilização das onomatopéias de forma expressionista, guiando o
leitor através da ação. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as
sombras) ................................................................................................. 114
Figura 78 - Ângulo holandês em contra-plongeé e uso de contraluz. (Fonte: The
Spirit - Hildie). .......................................................................................... 115
Figura 79 - Plano de conjunto com a presença da luz dura, que constrói
sombras fortes e bem desenhadas. (Fonte: The Spirit - Hildie). ............. 116
Figura 80 - O uso da contraluz por David Mazuchelli. (Fonte: Batman – Ano um)
................................................................................................................ 117
Figura 81 - A movimentação da personagem Batman. (Fonte Batman – Ano
um) .......................................................................................................... 117
Figura 82 - Mazuchelli cria esta iluminação atmosférica de alto contraste (high-
contrast lighting). (Fonte: Batman – Ano um) .......................................... 118
Figura 83 - luz chave em alto contraste em uma cena de contextualização.
(este tipo de tomada é chamada de establishing shot). (Fonte: Batman –
Ano um)................................................................................................... 119
Figura 84 - A cena da tragédia que marcou a vida de Bruce Wayne. (Fonte:
Batman – Ano um) .................................................................................. 119
Figura 85 - Guarnido se utiliza do plano médio, da câmera subjetiva e do plano
americano. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as sombras) ......... 120
Figura 86 - Miller inicia está cena com um plano médio com voice over . (Fonte:
Batman, o cavaleiro das trevas). ............................................................. 120
Figura 87 - a divisão das luzes: o contraste entre Spirit (a ação fora da lei) e o
comissário Dolan (a lei e a justiça em sua legalidade). (Fonte: Quem é The
Spirit?) ..................................................................................................... 121
Figura 88 - presença de uma divisão moral na face de Marv. (Fonte: Sin City –
A cidade do pecado). .............................................................................. 122
Figura 89 - iluminação dura e atmosférica, que passa da representação
iconográfica de silhuetas puras para a iluminação direta e dura, com realce
para a sombra de Marv. (Fonte: Sin City – A cidade do pecado) ............ 123
Figura 90 - o assassinato dos pais do jovem Bruce. (Fonte: Batman – Ano um)
................................................................................................................ 124
Figura 91 - o acontecimento que inicia toda a narrativa da história: o
assassinato de Goldie. (Fonte: Sin City – A cidade do pecado).............. 125
Figura 92 - o assassinato de um antigo amor de Blacksad marca as primeiras
páginas de sua primeira história. (Fonte: Sin City – A cidade do pecado).
................................................................................................................ 126
Figura 93 - o clima fatalista de Blacksad. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar
entre as sombras). .................................................................................. 127
Figura 94 - a volta de Bruce a Gotham, enquanto caminha pela sujeira, rodeado
por prostituição infantil, drogas e corrupção. (Fonte: Batman – Ano um).
................................................................................................................ 128
Figura 95 - a justiça fora da lei cometida por Blacksad. (Fonte: Blacksad - Em
algum lugar entre as sombras). ............................................................... 128
Figura 96 - o senso de justiça bruto de Marv. (Fonte: Sin City – A cidade do
pecado). .................................................................................................. 129
Figura 97 - a revelação do codinome The Spirit: ação por debaixo dos planos e
sem a presença direta da lei. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as
sombras). ................................................................................................ 129
Figura 98 - Dwight sofre forte represália pelo envolvimento amoroso com uma
femme fatale de seu passado. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as
sombras). ................................................................................................ 130
Figura 99 - Batman em seu início: sujeito a falhas e erros banais. (Fonte:
Batman – Ano um). ................................................................................. 131
Figura 100 - a corrupção e violência da polícia, presenciada por Gordon.
(Fonte: Batman – Ano um). ..................................................................... 131
Figura 101 – a primeira tentativa de boa ação de Bruce ocorre de maneira
errada e é frustrada pela polícia. (Fonte: Batman – Ano um).................. 131
Figura 102 - a represália e o castigo físico imposto ao tenente Gordon, como
um modo de botar o “bom” policial na linha. (Fonte: Batman – Ano um). 132
Figura 103 - a vingança fora da lei e por conta própria realizada por Gordon
contra seus agressores. (Fonte: Batman – Ano um). .............................. 132
Figura 104 – as mulheres fatais da Cidade do Pecado (Fonte: Sin City – A
dama fatal). ............................................................................................. 133
Figura 105 – a femme fatale mortal, que manipula e destrói o homem
protagonista (Fonte: Sin City – A dama fatal).......................................... 134
Figura 106 – os bares podem ser um reduto de malfeitores, informantes,
policiais corruptos e belas e perigosas mulheres. (Fonte: Blacksad – Em
algum lugar entre as sombras). ............................................................... 135
Figura 107 – a presença da Mulher-Gato no universo de Batman: a femme
fatale essencial, que representa, ao mesmo tempo, o perigo e o
relacionamento impossível. (Fonte: Batman – Ano um). ......................... 135
Figura 108 – o abatido detetive Blacksad, após confronto com malfeitores que
tentaram impedir sua investigação. (Fonte: Blacksad – Em algum lugar
entre as sombras). .................................................................................. 136
Figura 110 – a ação em plano e contra plano mais o enquadramento de
contextualização nos dão detalhes importantes do crime cometido, que
será desenvolvido com o andar da história. (Fonte: The Spirit – O retorno
de Satin) .................................................................................................. 136
Figura 111 – Marv solicita o casaco. (Fonte: Sin City – A cidade do pecado) 137
Figura 112 – a decupagem de cenas da sequência, revelando detalhes
importantes, em uma ação em diversos planos, com diveros ângulos, com
movimentação incessante e ritmo empolgante. ...................................... 138
Figura 113 – o caos urbano de Hard Boiled. (Fonte: Hard Boiled). ................ 139
Figura 114 – a construção de uma narrativa peculiar, que envolve a libertação
de robôs escravos sexuais e femme fatales metálicas, entre a ação
descontrolada e o violência explosiva. (Fonte: Hard Boiled). .................. 140
Figura 115 ...................................................................................................... 142
Figura 116 ...................................................................................................... 143
Figura 117 ...................................................................................................... 144
Figura 118 – Fontes: http://www.comicartfans.com........................................ 144
Figura 119 – arrojada subdivisão de acontecimentos da ação, esmiuçado em
mini acontecimentos (que acontecem em tempo real) separados por
quadros de espaço físico. (Fonte: http://www.bookalicious.net).............. 145
Figura 120 – a onomatopéia. A personificação dos quadrinhos (Fonte: Batman,
o cavaleiro das trevas) ............................................................................ 145
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO .............................................................................................. 15

2 A ARTE POSTA EM SEQUÊNCIA ............................................................... 16


2.1 A história dos quadrinhos ................................................................... 30

3 WILL EISNER ............................................................................................... 43


3.1 The Spirit ............................................................................................... 48
3.2 Arte Sequencial ..................................................................................... 52

4 LEGADO DE EISNER ................................................................................... 60


4.1 Frank Miller............................................................................................ 61
4.2 Canales e Guarnido .............................................................................. 72

5 film noir ........................................................................................................ 73


5.2 O cinema obscuro................................................................................. 74
5.3 Decifrando o noir: Estética .................................................................. 76
5.4 Narrativa ................................................................................................ 84
5.5 Decifrando o noir: Estereótipos .......................................................... 86
5.6 Consolidando o fenômeno noir ........................................................... 88

6 a conexÃo do cinema na arte sequencial ................................................. 89


6.1 A origem expressionista de Batman ................................................... 98
6.2 Identidade expressionista: Sin City e Blacksad ............................... 106
6.4 Reinterpretação estética .................................................................... 114
6.5 Reinterpretação da narrativa ............................................................. 123
6.6 Análise de estereótipos noir .............................................................. 132

7 Arte sequencial refinada ........................................................................... 137


7.1 A abordagem neo-noir de Frank Miller e o neo-clássico de Blacksad
.................................................................................................................... 138
7.2 A evolução da sequência ................................................................... 141

8 Considerações finais ......................................... Erro! Indicador não definido.

bibliografia ............................................................. Erro! Indicador não definido.


1 INTRODUÇÃO

Esta pesquisa visa analisar e estudar a importância do artista Will Eisner


na concepção da arte sequencial, assim como suas semelhanças com o
cinema noir, demarcando os passos que constituíram a evolução dos
quadrinhos ao estudar as referências artísticas e narrativas do autor, assim
como seu legado para o artista Frank Miller, que, juntos, se tornaram dois dos
maiores nomes da arte sequencial noir, estabelecendo uma ponte entre o
cinema e os quadrinhos, principalmente ao abordarem a relação da disposição
da narrativa nas páginas dos quadrinhos como uma adaptação da mise em
scène presente na linguagem cinematográfica.
No primeiro capítulo deste estudo, será possível vislumbrar o início da
representação da ação feita pelo homem, partindo do pressuposto de que o
imaginário é o principal propulsor para representação do que se vê, seja pelas
figuras rupestres do período paleolítico, ou pela “persistência da retina” e o
cinematógrafo. O que se destaca é que, inevitavelmente, o registro do
movimento sempre esteve presente na cultura, demonstrando que a arte
gráfica sempre esteve presente como forma de comunicação, assim como o
cinema. Em sua sequência, será abordado o início dos quadrinhos, passando
brevemente por suas origens com o fim de contextualizar a sua evolução futura
para a arte sequencial.
No segundo capítulo será feita uma breve biografia do artista Will Eisner,
destacando seu início de carreira e referências, assim como as inspirações que
tornaram possível a criação da obra The Spirit, passando pelo impacto da
personagem no cenário dos quadrinhos, fato que acabou por se transformar,
mais tarde, na arte sequencial, elevando a forma de se ler uma ação estática
disposta em quadros. Tal importância na indústria será salientada no capítulo
II, que tratará do legado garantido por Eisner, destacando os artistas Frank
Miller, Juan Díaz Canales e Juanjo Guarnido, em uma breve biografia do autor
de Sin City e da dupla responsável por Blacksad.
Estabelecido os alicerces desta pesquisa, o estudo seguirá para o
capítulo IV, que se propõe a exemplificar o cinema noir, passando por um
processo de decantação, com o fim de garantir uma linguagem concisa e
simples do que vem a ser o movimento noir, através dos tópicos: estética,

15
narrativa e estereótipos, garantindo, assim, a presença não só de um gênero
de cinema, mas um verdadeiro fenômeno cultural, responsável por diversas
obras multimidiáticas. Entre estas linguagens para qual o noir foi adaptado se
encontra o quadrinho, do qual o estudo se seguirá pela convergência de
mídias, constatando as similaridades entre o cinema e os quadrinhos, traçando
uma linha narrativa e visual nestes dois meios de comunicação diversificados,
que se tornaram, ao mesmo tempo, uma forma de arte e de entretenimento
para as massas. Será feito um estudo evolutivo destes meios, demonstrando
as diversas similaridades que dividem entre si, desde a raiz expressionista
encontrada na personagem Batman, até o trato do nanquim tal qual a
iluminação do cinema noir, além das similaridades narrativas partilhadas, entre
contos policiais e pulp fictions.
Por final, após todas as comparações técnicas terem sido devidamente
estabelecidas, tanto pela semelhança da luz, de personagens e
enquadramentos e ângulos cinematográficos, será feito um apanhado de
diversas obras de Frank Miller, as traduzindo em uma linguagem neo-noir, mais
aproximada do pop, enquanto o Blacksad se encontra em um meio clássico
noir. A conclusão levará para o caminho dos quadrinhos contemporâneos,
abordando a utilização e a importância do enquadramento na arte sequencial,
tal qual uma nova evolução desta linguagem, se estabelecendo como uma
forma de expressão única.

2 A ARTE POSTA EM SEQUÊNCIA

A fim de contextualizar a abrangência que engloba a arte sequencial, é


interessante voltarmos ao princípio das representações artísticas de nossos
ancestrais, seguindo um caminho exemplificado através das primeiras
representações figurativas do cotidiano, que contribuíram na construção da
própria palavra escrita. Segundo McCloud, (1993), “de acordo com a história,
as figuras antecedem em muito a palavra escrita.” (figura 1).

16
Figura 1 - Figuras pictóricas e simbólicas, que,
representadas na parede de uma caverna, retratam
um meio de vida rupestre. Esta peça, datada em 15
mil anos, demonstra o início da representação
humana através de uma linguagem iconográfica.
(Fonte: Desvendando os Quadrinhos).

A linguagem corporal do indivíduo logo se tornou uma ferramenta para


se decodificar signos figurativos que, quando justapostas, são capazes de
narrar uma sequência de acontecimentos.

O corpo humano, a estilização da sua forma, a codificação de seus


gestos de origem emocional e de posturas expressivas são
acumuladas e armazenadas na memória, formando um vocabulário
não verbal de gestos. (EISNER, 1989, p. 103)

Este “vocabulário não verbal de gestos” pode ser encontrado nas formas
figurativas realizadas nos primórdios, com o fim de decodificar a forma
humana. (figura 2).

Figura 2 - Exemplo de comunicação escrita por meio


de imagens familiares. (Fonte: Quadrinhos e arte
sequencial).

Esta decodificação se deve a forma do homem em “universalizar


imagens da experiência humana comum” (EISNER, 1989, p. 106), fato que
contribuiu na criação da primeira forma de linguagem escrita, baseada na
figuração estilizada. (figuras 3 e 4).
17
Figura 3

Figura 4: As figuras 3 e 4 mostram A utilização


iconográfica da forma humana nos frisos egípcios e
a construção dos hieróglifos, que “codificaram as
imagens em símbolos em repetição para formar uma
linguagem escrita viável”. (Eisner, 1989, p. 104).
(Fonte: Quadrinhos e arte sequencial).

Como apontado por McCloud, a imagem é instantânea, pois é uma


informação recebida, que não necessita de uma “educação formal” para ser
compreendida. Enquanto a escrita é “informação percebida”, que acarreta um
“conhecimento especializado para decodificar os símbolos abstratos da
linguagem”. (McCLOUD, 1993). O que temos então, na transição deste
período, em que figura se transforma em linguagem, é a concepção dos
“ícones não pictóricos”, que constituem um “significado fixo e absoluto. Sua
aparência não afeta seu significado porque representa idéias invisíveis”.
(McCLOUD, 1993).
O que ocorre é um “amálgama de imagem visual pura e símbolo
derivado uniforme”, elaborados “a partir de imagens que têm origem em formas
comuns, objetos, posturas e outros fenômenos reconhecíveis”. (EISNER,
1989). Quanto mais se refina a linguagem, mais abstrata a mesma se torna.
O símbolo acaba por se transformar em caligrafia, que, representada a
mão, evoca a sua origem artística e figurativa. Para Eisner, “a caligrafia
acrescentou outra dimensão ao uso do pictograma”, criando uma “certa
similaridade com a tira de quadrinhos moderna, se consideramos o efeito que o
estilo do desenhista tem sobre o caráter do produto total” (EISNER, 1989, p.8).
Porém, seguindo a lógica de McCloud, os hieróglifos não podem ser
considerados como o primórdio dos quadrinhos, mas sim da palavra escrita.

18
Embora exista uma “certa semelhança com os quadrinhos”, os grifos egípcios
representam sons - assim como nosso alfabeto -, não imagens.
Assim sendo, passando esta concepção da linguagem, encontramos
alguns antecessores que se aproximam, de uma forma muita mais direta, com
a arte sequencial em si. McCloud desvenda uma cena, pintada há 32 séculos
no Egito (figura 5), composta por imagens – mais aproximadas de uma
representação pictórica, - justapostas em sequência, que, quando lidas em
ziguezague e de baixo pra cima, são capazes de construir uma narrativa visual.

Figura 5 - Imagem representada por McCloud, com o


fim de ser reproduzida em preto e branco. (Fonte:
Desvendando os quadrinhos).

Na pintura acima, podemos compreender todo o processo da colheita do


trigo, o deslocamento do mesmo até a debulhadora local, a separação do trigo
e da palha, a supervisão do imperador e de seus escribas, - registrando a
produção em seus papiros -, a medição da terra e a representação de
fazendeiros sendo espancados por representantes do imperador. Nesta mesma
imagem é possível ver traços sociais (duas garotas brigando por pedaços de
trigo), faces do lazer (operários tocando flauta ao fundo) e de regimes políticos
(o imposto medido em trigo e a punição sofrida para aqueles com impostos
atrasados). Esta representação, que serve como uma antecessora primária das

19
histórias em quadrinho serve, além de tudo, como a compactação de toda a
cultura de um povo.
Estes traços culturais, porém, não são exclusivos de somente uma
nação. A construção de imagens como estas podem ser encontradas em
diversos momentos da história e em culturas extremamente diversificadas, tais
como na pintura épica “Garras de Tigre”, dos manuscritos pré-colombianos
(figura 6) e nas tapeçarias inglesas do século IX (figura 7).

Figura 6 - Narrativa épica sobre o herói “8-Cervos”.


(Fonte: Desvendando os quadrinhos).

20
Figura 7 - Tapeçaria inglesa datada de 1066, que
desenvolve a construção de uma direção visual da
“Conquista normanda”, através de “eventos da
conquista em ordem cronológica deliberada”.
(McCLOUD 1993, p.12). (Fonte: Desvendando os
quadrinhos).

Avançando no tempo, se alcança o período mais importante para as


histórias em quadrinho: a invenção da imprensa. (McCLOUD, 1993).

Com a invenção da imprensa, a forma de arte que servia aos ricos e


poderosos agora poderia ser desfrutada por todos. (McCLOUD, 1993,
p. 16)

Pela facilidade da reprodução, a imprensa tornou a arte um meio mais


social, viabilizando a expansão de outras formas de linguagem, como a série
“As torturas de Santo Erasmo” (figura 8), do ano 1460. Inclusive, “dizem que o
personagem (Santo Erasmo) era muito popular”. (McCLOUD, 1993, p. 16).
Talvez essa grande popularidade seja exatamente o “mal” relegado aos
quadrinhos. Em trecho retirado do livro Desvendando os Quadrinhos
(McCLOUD, 1993), o artista Rudolphe Topffer (1845) chega a comentar que as
obras de arte em sequência, que o mesmo produzia, “atraem sobretudo
crianças e as classes inferiores”. (McCLOUD, 1993, p. 201, apud TOPFFER,
1845). Tanto As torturas de Santo Erasmo, como Os amores do senhor
Jacarandá (1842), por terém caído em gosto popular, acabam por ser
relegadas a uma arte mais descartável e menos apreciada.

21
Contudo, como será destacado a seguir, a arte de se estabelecer uma
narrativa através do movimento e da sequência alçou vôos maiores, inclusive
chegando as “belas artes”, como no caso da obra Adão e Eva (figura 9) e o
altar de São Wolfgang (figura 10), ambos do pintor renascentista Lucas
Cranach (séc. XVI).

Figura 8 - A série de figuras que servem como


narrativa para a obra As torturas de Santo Erasmo
(1460), detalhando cada um de seus sortilégios.
(Fonte: Desvendando os quadrinhos).

Este tipo de representação sequencial foi amplamente utilizado pelas


igrejas católicas, que se apoiavam neste tipo de arte com o fim de informar e
catequizar a plebe, retratando passagens inteiras aos fiéis, com belos e
exuberantes vitrais (figura 11) e pinturas renascentistas, que, divididos entre si,
apresentavam uma leitura compreensível e abrangente para a população:

22
Os afrescos continuaram a ser utilizados como o principal ofício
pictográfico narrativo nas paredes de igrejas no sul da Europa como
continuação de antigas tradições cristãs e românicas.
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Pintura_do_gótico)

Figura 9 - Pintura da série Adão e Eva (séc. XVI), que


retrata a passagem da bíblia através de outros
quadros postos em sequência. (Fonte:
http://www.gazetadopovo.com.br)

23
Figura 10 - Frontal do Retábulo de Cranach na igreja
de São Wolfgang. As cinco pinturas postas em
conjunto, aliadas ao uso do texto guia, são capazes
de construir uma interessante narrativa visual e
literária, muito comum neste tipo de representação
sacra, onde passagens da bíblia são abordadas.
Fonte: http://pt.wikipedia.org

Figura 11 - Vitral na Catedral de Chartres (séc XIII).


(Fonte: http://pt.wikipedia.org).

Na Idade Média, quando a arte sequencial passou a se ocupar de


contos edificantes ou histórias religiosas sem muita profundidade ou
nuances, o público-alvo era aquele de pouca educação formal. Desta
forma, a arte sequencial se tornou uma espécie de taquigrafia, que se
valia de estereótipos para abordar as questões humanas. (EISNER,
2010, p. 149)

Em 1731 a “sofisticação da história com imagens atingiu seu apogeu nas


mãos de William Hogarth”. (McCLOUD, 1993, p. 16). Em sua série de gravuras,
“O progresso de uma prostituta” (figura 12), Hogarth conseguiu estabelecer

24
uma nova forma de leitura da bela arte, separando uma narrativa completa em
seis breves quadros. “Essas e outras séries de Hogarth são citadas por Will
Eisner como uma demonstração pioneira de arte sequencial”. (AZÊDO; UCHA,
2009, p. 4).

Apesar de ter poucos quadros, essas figuras contam uma história rica
em detalhes e motivada por fortes preocupações sociais (...). As
histórias de Hogarth foram mostradas pela primeira vez como uma
série de pinturas (...), que era para ser vistas lado a lado, em
sequência! “O progresso de uma prostituta” e sua continuação se
tornaram tão populares que novas leis de direitos autorais foram
criadas para proteger essas nova forma de arte. (McCLOUD, 1993)

Figura 12 - A segunda gravura – de um total de seis -


da obra “O progresso de uma prostituta” (1731). Seis
quadros diferentes, que, mesmo contendo momentos
únicos, são capazes de formar uma só narrativa se
expostos em conjunto. A separação das cenas do
quadro, através do espaço físico de sua moldura,
pode ser interpretada como o início do vazio de
leitura do “entrequadros” (McCLOUD, 1993), que
serve como a cola da ação, permitindo à imaginação
do leitor a função de conectar a narrativa. (Fonte:
http://it.wahooart.com).

Com o passar do tempo, a técnica da junção entre figura e texto


encontrou um parâmetro que é cultivado até hoje: o da charge política. Isto se
deve ao artista James Gillray, que, em 1972, criou a tira French Liberty, British
Slavery (figura 13), um retrato crítico social e político da relação entre França e
Inglaterra. O detalhe mais interessante desta obra, talvez, seja o uso de balões
de fala, uma linguagem extremamente característica dos quadrinhos. Ao que

25
tudo indica, Gillray seria o elo perdido definitivos dos quadrinhos. Bem, não
exatamente, pois, como citado por Amorim (2011):

A disposição das informações é semelhante à dos quadrinhos,


utilizando-se de quadros e balões, no entanto a charge não traz um
enredo, apenas remete a uma situação, satirizando-a. (AMORIM,
2011, p. 4)

Figura 13 - O almálgama entre figura e texto, de


Gillray (1972). (Fonte: http://upload.wikimedia.org).

Esta relação mais profunda seria encontrada alguns anos depois, com
Rodolphe Topffer, em 1827. Porém, esse assunto será melhor abordado no
próximo capítulo.
A fim de finalizar a busca humana pela “captura de movimento” entre os
séculos XIX e XX, temos uma etapa fundamental, dada em 1826 pelo francês
Joseph Nicéphore Niépce: o primeiro registro fotográfico da história (figura 14).

26
Figura 14 - Vista da janela em Le Gras (1826),
primeiro registro fotográfico da história. (Fonte:
http://upload.wikimedia.org).

Embora a técnica que envolve a fotografia já fosse utilizada desde o


sécuo XVI, foi com a “heliografia” (uma câmera exposta a oito horas de luz
solar) de Niépce que a fotografia veio ao mundo. Com a evolução do registro
fotográfico, pesquisas a cerca do movimento foram realizadas. Ao se registrar
uma ação em diversos fotogramas separados, conseguimos criar a ilusão do
movimento. Eadweard Muybridge foi o maior responsável pelos estudos
seqüenciais. Por motivos de uma dúvida da época, levantadas pelo governador
da Califórnia, Leland Stanford, Muybridge foi convocado a descobrir como se
dava o trote de um cavalo, já que os animais eram retratados, quando em
movimento, como cães: com suas quatro patas acima da chão enquanto
galopavam. Para isto, Muybridge desenvolveu uma série de grandes câmeras,
postas em linha e disparadas assim que o cavalo por elas passassem. O
resultado foi o “estágio intermediário entre fotografia e cinema” (Wikipédia –
Figura 15).

27
Figura 15 - O trote do cavalo captado por Muybridge
(1878). (Fonte: http://gteans.blogs.com).

Esta ilusão do movimento se dá através do efeito chamado “persistência


da retina”, que se consolidou, em 1895, pelas mãos dos irmãos Lumière e a
invenção do cinematógrafo (figura 16).

Figura 16 - O cinematógrafo, considerado uma


evolução do cinetoscópio, de William Kennedy
Laurie Dickson. (Fonte: http://upload.wikimedia.org)

Os filmes são feitos de uma série de imagens individuais chamadas


fotogramas. Quando essas imagens são projetadas de forma rápida e
sucessiva, o espectador tem a ilusão de que está ocorrendo
movimento. A cintilação entre os fotogramas não é percebida devido
a um efeito conhecido como persistência da visão, pelo qual o olho
humano retém uma imagem durante uma fração de segundo após a
fonte ter sido removida. Os espectadores têm a ilusão de movimento
devido a um efeito psicológico chamado movimento beta. (Wikipédia)

28
A partir do cinematógrafo, a ilusão do movimento foi se aprimorando
cada vez mais. Em grande parte ao envolvimento do mágico Georges Méliès,
que pretendia utilizar esta nova invenção para seus truques de mágica. Embora
sua tentativa de compra tenha sido refuta pelos irmãos Lumière (principalmente
pelo fato do cinematógrafo se tratar muito mais de um objeto cinetífico), Mélies
consegiu adquirir um aparelho parecido, vindo da Europa, criando, assim, o
início do cinema de entretenimento (figura 17).
Porém, a consolidação do cinema como o conhecemos hoje se deve a
figura de David W. Griffith, que, com o filme “O nascimento de uma nação”
(1915 – Figura 18), construiu a figura cinematográfica mais próxima do que
conhecemos hoje, com a adição da montagem em suas cenas. Griffith
construiu o cinema contemporâneo de uma forma mais certeira, alçando o
mesmo ao nível de arte que hoje conhecemos, com a captura de movimento
padronizada em 24 frames por segundo. Mas e quanto ao quadrinho? A quem
se deve a real criação desta arte?

Figura 17 - O filme “Viagem à Lua” (1902), de George


Mélies. Passo fundamental na criação dos “efeitos
visuais” do cinema. (Fonte: Viagem à Lua).

29
Figura 18 - Cena do filme “O nascimento de uma
nação” (1915), de Griffth. (Fonte: O nascimento de
uma nação).

2.1 A história dos quadrinhos

Como pôde ser observado, a humanidade criou diversas formas de se


representar o movimento, seja para fins narrativos, ilustrando uma passagem
bíblica em vitrais de igreja, ou para fins científicos e de estudo (transformados
em artísticos, posteriormente), que, através da evolução da fotografia,
acarretaram a invenção do próprio cinema, em 1895, com a criação do
cinematógrafo pelos irmãos Lumière.
Porém, embora todos os passos citados desempenhem uma importante
função de estudo na compreensão da arte posta em sequencia, nenhum deles
acaba por se fundamentar, verdadeiramente, como “quadrinho”. O primeiro
grande passo para a fundamentação da linguagem dos quadrinhos se deve ao
escritor, pedagogo e desenhista Rodolphe Topffer, que em 1827, na Suíça,
desenvolveu os primeiros elementos marcantes que estruturariam os
quadrinhos, com a obra Histoire de M. Vieux Bois (ou, como foi traduzido em
1842, Os amores do senhor Jacarandá), contando com elementos de
linguagem únicos (Figuras 19 e 20).

30
Esses elementos que tornam os Quadrinhos uma arte específica
foram reunidos pela primeira vez há exatos 180 anos, quando
Rodolphe Töpffer criou a obra ficcional Les Amours de Monsieur
Vieux-bois (Os Amores do Senhor Jacarandá em sua edição
brasileira). O que diferenciava a criação de Töpffer das outras era
uma narrativa visual em que imagens e palavras combinam-se no
espaço da página, mas possuem funções distintas. Em sua obra, as
imagens não são mera ilustração de um texto escrito, enquanto as
palavras não servem simplesmente para explicar os desenhos. Com
um traço bastante sintético e inovador para a época, em suas
“histoires des estampes” Töpffer inventou uma nova linguagem
artística, prontamente aclamada pelo poeta Johann Goethe como
uma revolucionária forma de comunicação. (SRBEK, online)

Figura 19 - Página da obra Les Amours de monsieur


Vieux-Bois. Importante notar o desenvolvimento de
personagem, com uma anatomia muito mais próxima
do estilo utilizado nos quadrinhos, expressão
simplificada e sensação de movimento, além da
incorporação do texto à imagem, em uma relação
mútua de linguagem: somente a junção do texto e da
ilustração são capazes de narrar o acontecimento da
forma correta. (Fonte: http://gallica.bnf.fr)

31
Figura 20 - Página 25 da obra Les Amours de
monsieur Vieux-Bois. Nesta imagem já é possível
visualizar uma concepção do movimento aprimorada,
oferecendo a história uma ritmo interessante, que
consegue até mesmo agir de forma independente ao
texto. (Fonte: http://gallica.bnf.fr)

Acompanhando os quadros acima, já é possível constatar o elemento


principal na construção dos quadrinhos, definido por Scott McCloud como um
apanhado de “imagens pictóricas e outras justapostas em seqüência deliberada
destinadas a transmitir informações e/ou a produzir uma resposta no
espectador”. (McCLOUD, 2003, p. 9). Estes elementos narrativos, unificados
nesta publicação de 1827, já podem ser identificados como o primórdio da arte
sequencial contemporânea, principalmente pela presença do texto e da
imagem em uma relação de sincronia e dependência pelo bem da narrativa,
que é expressa em um certo número de ações, representadas em quadros
separados, com a intenção de transmitir uma noção de conexão visual e
movimentação, gerando, assim a falsa impressão da ação contínua, tal qual
fotogramas justapostos no cinematógrafo.
Seguindo a ordem cronológica dos quadrinhos, outros artistas
desempenharam papéis importantes na história. Um deles foi Wilhelm Bush,
um poeta alemão nascido em 1832, que acabou por ganhar destaque em 1859
ao publicar, no jornal Fliegende Blätter, a série de charges Die kleinen
Honigdiebe (figura 21), que acabariam por se transformar, em 1865, na tirinha
Max and Mortiz (no Brasil, a obra foi traduzida pelo poeta Olavo Bilac,
ganhando o título de Juca e Chico – História de dois meninos em sete
travessuras – figura 22). Em suas histórias, Juca e Chico são dois meninos que

32
moram em uma pequena aldeia, e cujo maior passatempo é o de infernizar a
vida de seus moradores, aprontando, ao longo da narrativa, as sete
travessuras que dão nome ao título nacional. Por fim, a história é carrega pelo
humor das ilustrações (que cativava as crianças) e o cruel modo germânico de
apresentar lições de moral.

Figura 21 - Ilustração publicada no jornal alemão


Fliegende Blätter, em 1859. (Fonte:
http://www.sagen.at)

Figura 22 - painel da obra “Juca e Chico”, de 1993.


(Fonte: http://www.sagen.at)

Busch, assim como todos precursores, foi amplamente copiado e serviu


como inspiração para gerações futuras. Segundo trecho retirado do livro
História da Histórias em Quadrinhos (MOYA, 1993), o autor destaca uma crítica

33
feita por um profissional não identificado, do jornal francês Le Figaro: “Wihelm
Busch foi um dos maiores inventores da síntese cômica que já existiu (...)
muitos fazedores de desenhos ‘simplificados’ se inspiraram nele. Infelizmente,
não copiaram sua profundidade de observação”.
Poucos anos depois, aproximadamente em 1855, o Brasil ganhou seu
primeiro quadrinho: “Namoros, quadro ao vivo”. (SISSON, 1855). A arte foi
criada pelo francês radicado no Brasil, Sebastian August Sisson, que era
especialista em retratos e caricaturas, além de exímio litógrafo. (AZÊDO;
UCHA, 2009).
Porém, o nome nacional que merece um destaque muito maior é, com
certeza, o de Angelo Agostini. Foi em 1869, publicado na revista ilustrada “Vida
fluminense”, que a obra “As aventuras de Nhô-Quim” (figura 23) veio à tona.

Figura 23 - A personagem Nhô-Quim, que, em uma


caricatura bem humorada, demonstra sua
ingenuidade e “ignorância” ao brigar com a própria
imagem, refletida em um espelho. (Fonte:
http://www.universohq.com)

As trapalhadas aventuras da personagem simples e caipira, Nhô-Quim,


renderam a incorporação da sua data de publicação, dia 30 de janeiro, como o
“Dia do quadrinho nacional”. (AZÊDO; UCHA, 2009, p. 16).
Contudo, Agostini voltou a se destacar, mais uma vez. Em 1886, “Angelo
Agostini compila em fascículos as aventuras de Zé Caipora (...). Essa edição é
considerada a primeira revista com um personagem fixo publicada no Brasil”.
(AZÊDO; UCHA, 2009, p. 11). Ou seja, Agostini acaba por inventar, em 1886, o
primeiro gibi do mundo (figura 24).

Athos Eichler Cardoso vai ainda mais longe, ao afirmar que Angelo
Agostini foi também o inventor da revista de quadrinhos, pois, em
1886, relançou as aventuras de Zé Caipora em fascículos individuais,

34
com seis capítulos cada. "Nessa época, havia publicações parecidas,
mas que incluíam quadrinhos de personagens diversos, caricaturas,
contos e folhetins. Zé Caipora foi o primeiro personagem a ter uma
revista só sua. Isto só voltaria a acontecer na década de 1930"
(GUSMAN, online, apud ATHOS)

Athos continua seu texto, complementando o valor artístico e a


importância como documento histórico da obra de Agostini, principalmente pelo
traço realista do autor, que se utilizava de perspectiva e profundidade de
campo, retratando costumes, veículos e arquitetura daqueles dias. (GUSMAN,
online, apud ATHOS)

Figura 24 - Página de Zé Caipora, com diagramação


ousada para a época. É interessante se atentar a
utilização do enquadramento, que, com o intuito de
abordar a cena da descida, se estica, junto à
personagem. (Fonte: http://www.universohq.com)

35
Nos Estados Unidos, o “gibi”, tal qual realizado por Agostini, só veio a
aparecer em 1892, pelas mãos de James Swinnerton, com sua primeira série
diária de personagens fixos, publicada no jornal Examiner sob o nome de The
Little Bears (figura 25). Não tarda a aparecer, em 1895, uma nova peça
essencial e marcante para os quadrinhos mundiais. Richard Felton Outcault e
sua personagem Yellow Kid (figura 26) rapidamente conquistaram a
consagração, elevando o status do artista de quadrinhos. Em sua obra,
Outcault transforma um menino pobre, morador de uma favela, em
personagem principal, que utilizava a sua própria roupa como meio de
expressão, com falas e dizeres escritos na mesma. O interessante desta obra
foi a utilização experimental das cores, com foco no amarelo da vestimenta,
que tinha como intenção atrair um maior número de leitores. (AZÊDO; UCHA,
2009).

Figura 25 - O traço simplificado e a utilização de


balões de fala logo se tornaram “regras” do estilo.
(Fonte: http://lambiek.net/artists/s/swinnerton.htm)

36
Figura 26 - A utilização de cores presente em The
Yellow Kid evidencia uma preocupação em se criar
uma nova linguagem, transformando a cor amarela
em um componente essencial na construção da
personagem e pontuação do relevante para a
narrativa. (Fonte: http://cartoons.osu.edu)

Em 1896, o cartunista Rudolph Dirks lança outra série de quadrinhos,


uma que, desta vez, já continha todos os elementos de linguagem que são
característicos a este meio. Com a obra Katzenjammer kids (traduzida no Brasil
como “Os sobrinhos do capitão”), publicada em seu suplemento próprio de
quadrinhos coloridos, Dirks homenageia Busch (Juca e Chico) e estabelece
muitos dos elementos tradicionais desta arte, sendo, inclusive, “a mais antiga
história em quadrinhos em circulação”. (AZÊDO; UCHA, 2009, p. 14).

37
Figura 27 - Nesta página, do início do século XX,
podemos presenciar que a estrutura mais básica dos
quadrinhos (balões de fala, estruturação dos
quadros e recursos estilísticos) já estava presente,
forma esta que não sofreu grandes alterações com o
passar dos anos. (Fonte:
http://curiositedequalite.blogspot.com/2011/04/katzen
jammer-kids.html)

A partir de 1900, o mercado dos quadrinhos começou a engrenar de


uma forma marcante. Por se tratar de um período de enorme produção, a
abordagem completa da desta evolução exigiria de um estudo muito mais
detalhado. Com a proximidade da chamada “época de ouro dos quadrinhos”
(1920/1940), é interessante citar alguns autores importantes, que se
destacaram no período anterior a grande guinada dos super-heróis. Talvez um
dos maiores nomes para a narrativa sequencial seja o de Winsor McCay,
criado da “primeira obra prima dos quadrinhos, Litte Nemo in Slumbersland”.
(AZÊDO; UCHA, 2009, p. 17).

38
A arte de McCay é exuberante e fluída, com passagens que estavam à
frente do seu tempo, demonstrando um grande domínio da narrativa fantástica,
se utilizando fortemente da anatomia expressiva, termo que seria utilizado
somente décadas depois, por Will Eisner. Talvez o maior triunfo de McCay seja
o apreço aos detalhes, principalmente na preocupação do mesmo na
continuidade da ação e do movimento, sempre destilando, por diversos
quadros, os gestos e posturas de suas criaturas e personagens. (figuras 28, 29
e 30). Sua contribuição é essencial para o desenvolvimento da arte sequencial.

Figura 28

39
Figura 29

40
Figura 28 à figura 30 - Com histórias curtas, narradas
em apenas uma página, podemos encontrar a
personagem Nemo, uma criança que vive em meio a
seus sonhos. O lúdico universo de McCay está
sempre em constante movimento, seja pelos
persistentes flocos de neve, da figura 28, ou pelo
andar do elefante em direção ao leitor, que é
direcionado para dentro da boca do animal, na figura
29, ou pelo uso da perspectiva e da inversão de
ângulos da figura 30. A narrativa gráfica e visual de
McCay guia o leitor pela sonhar da criança, que,
assim como a mesma, é obrigado a terminar a
história, por cair da cama e acordar deste universo.
(Fonte:
http://asleiturasdopedro.blogspot.com/2010/10/little-
nemo-in-slumberland.html)

Terminada esta passagem essencial pelo universo de McCay, citarei


alguns autores importantes, que direcionaram o universo dos quadrinhos até a
nossa realidade contemporânea. Entre eles, podemos evidenciar a importância
nacional da obra “O Tico-Tico” (Luís Bartolomeu de Souza e Silva, 1905); A
primeira aventura da personagem Tarzan (1914) de Edgar Rice Burroughs;
Herge e sua criação máxima, Tintim (1929); a estréia de Mickey Mouse nas
tiras de quadrinho em 1930 (ocorrendo, assim, a transição de um personagem
animado famoso para sua contraparte estática nos quadrinhos); as primeiras

41
histórias policiais dos quadrinhos, com a personagem Dick Tracy (Chester
Gould, 1931) e a inauguração do gênero de ficção científica, com Flash Gordon
(Alex Raymond, 1934), guiando, também, a abordagem anatômica (posturas,
feições e biotipos) e de roteiro que seria utilizado nos próximos anos (figura
31).

Figura 31 - Trecho da obra Flash Gordon, na qual é


possível perceber o modelo anatômico utilizado na
série, recorrente até os dias de hoje. (Fonte:
http://madinkbeard.com/archives/flash-gordon-
review)

A partir deste momento, estamos consolidando a fase de ouro dos


quadrinhos, com roteiros leves, voltados para a aventura, com personagens
que mais heróicos, seguindo bons modelos de caráter e moral. Ocorre também
uma ramificação nos quadrinhos, desenvolvendo uma linguagem de
entretenimento advindo de romances clássicos (Tarzan), sci-fi (Flash Gordon) e
policiais pré-noir (Dick Tracy). Entre outros, deve-se destacar Mandrake e O
Fantasma, amos de Lee Falk (1934 e 1936, respectivamente). Ao que tudo
indicava, o mercado de quadrinhos se voltava cada vez mais para estas figuras

42
heróicas, tendo influenciado até mesmo no Brasil, com a criação da
personagem de terror, Garra Cinzenta, em 1937 (figura 32).

Figura 32 - Pelo fato da obra brasileira ter sido


influenciada pela vertente do terror, podemos
perceber a utilização de elementos do
expressionismo alemão - que seriam posteriormente
amalgamados ao gênero noir -, tal qual a utilização
da iluminação e a trama sombria. (Fonte:
http://hqquadrinhos.blogspot.com)

O auge foi alcançado, definitivamente, em 1938 e 1939, com a criação


das personagens Superman e Batman, frutos da época de pré Segunda
Guerra, iniciando, assim, todo o modelo de quadrinhos como conhecemos hoje.
Porém, esta intensa busca por figuras heróicas e sobre-humanas distanciou os
quadrinhos da realidade. Foi em 1940, influenciado pelo cinema policial da
época, que Will Eisner lançou sua personagem mais famosa: The Spirit.
Iniciava-se uma nova abordagem para os quadrinhos, mais séria e
humanizada, elevando-se a arte sequencial.

3 WILL EISNER

A vida e o trajeto profissional de Will Eisner se confundem com a própria


concepção e ascensão das histórias em quadrinho: das tirinhas semanais dos
jornais de sua infância até a criação das graphic novels, Eisner sempre esteve
presente em momentos crucias da nona arte, fosse como simples espectador
ou como principal responsável e criador de uma nova linguagem. Assim sendo,
é difícil se narrar a vida e obra de um artista desta magnitude sem, ao menos,
acompanhar o desenvolvimento da indústria de quadrinhos no século XX e

43
como a arte desempenhou, desde cedo, um papel fundamental no jovem
William Erwin Eisner.
Filho de imigrantes judeus, Will Eisner teve uma infância pobre no bairro
do Brooklyn. Nascido em 6 de março de 1917 e criado no gueto nova iorquino,
o jovem Eisner vivenciou os primeiros passos do que se tornaria a era de ouro
dos quadrinhos, uma época em que as famosas tirinhas e charges de jornais
norte americanos se encontravam em seu auge - tanto na qualidade de seus
artistas como na aceitação do público. Era exatamente nesta forma de
entretenimento lúdico que o pequeno Will Eisner se refugiava. Vivia-se numa
época interessante para aqueles que se aventuravam como cartunistas, já que
era ainda algo novo a ser explorado, com mentes criativas e talentosas por trás
de algumas das maiores obras do gênero. Eisner acompanhava avidamente
cada um deles, tanto que desde novo já pensava em se dedicar a área.
Tal ímpeto artístico devia-se muito a seu pai. Nascido em Vienna,
dedicava-se a arte como pintor de murais, com peças realizadas nas famosas
vaudeville do final do século XIX e em teatros judaicos. Eisner contava com o
apoio de seu pai, que prezava a criatividade de seu filho como algo a ser
cultivado. Porém, a aceitação não era bem vinda pela parte de sua mãe,
mulher simples, nascida no navio de imigração que a trouxe da Romenia. Era
pragmática e lamentava a escolha de seu filho, argumentando que o mesmo
estava sofrendo de “quixotismo” e que deveria voltar à razão de seus
pensamentos. Sua maior preocupação era o de retirar Eisner do caminho da
arte, já que a família vivia no cortiço do Brooklyn e necessitava de uma renda
extra para sobreviver. Para ajudar a família, Eisner passou um período de sua
infância com vendedor de jornais, o que, ironicamente, somente contribuiu para
o seu interesse nos quadrinhos. Foi neste período que Eisner passou a entrar
em contato diário com as tirinhas dos jornais, lendo constantemente todas as
publicações de todos os jornais de Nova York. Alguns dos maiores mestres do
gênero estavam em plena atividade, servindo como ícones e inspiração para
Will Eisner, tais como E.C Segar, criador do notório personagem Popeye, além
da dupla George Garriman e Lyman Young, que criaram a tirinha Tim Tyler’s
Luck. Embriagado com a possibilidade de se tornar um grande cartunista,
Eisner decidiu se dedicar a sua futura profissão - afinal de contas, alcançar a
notoriedade de um artista como Sidney Smith (criador da tirinha The Gump)

44
significava alcançar prestígio e riqueza, ambas oferecidas pelas grandes
editoras, que faziam de tudo para atrair novos talentos e artistas de grande
porte.
Eisner começou a desenvolver suas habilidades artísticas e de escrita
quando entrou na renomada DeWitt Clinton High School, uma das escolas
públicas mais reconhecidas dos Estados Unidos. Localizada no Brox, próximo
a Cozinha do Inferno, DeWitt foi de suma importância para o jovem Eisner, lhe
providenciando todos os meios possíveis para sua evolução artística. Não há
de se surpreender que tal instituição tenha servido, também, como berço de
outros grandes artistas e personalidades, com destaque para um dos grandes
colegas e amigos, além de primeiro colaborador de Eisner, o futuro criador da
personagem Batman, Bob Kane, apenas dois anos mais velho. Foi neste
período da juventude que Eisner se tornou responsável por diversas tiras em
quadrinhos, revistas de arte, ilustrações e até mesmo design de peças de
teatro, todas voltadas para a escola. Entre suas primeiras publicações, uma
que merece destaque foi a concebida com seu colega de classe, Ken Ginniger,
na intenção de se realizar uma revista literária mais intelectualizada, chamada
de The Lion and Unicorn. Recheada de versos, poesias, erotismo e ricas
ilustrações, além de fragmentos das obras dos escritores Marcel Proust e
Albert Camus, esta primeira publicação “importante” serviu para demonstrar o
desenvolvimento artístico pelo qual Eisner passava, tendo que, inclusive,
aprender gravura em madeira
Após sua passagem pela DeWitt Clinton High School, Eisner ingressou
na concorrida Art Students League, uma cara instituição de arte. Eisner
recebeu ajuda financeira de seus colegas, que contribuíram com a
mensalidade, incentivando o crescente talento do jovem rapaz. Este período
estabeleceu um passo importante para a vida profissional de Eisner, na qual o
mesmo teve a oportunidade de contar com alguns dos melhores professores de
sua época: George Bridgman e Robert Brachman, que lecionavam anatomia e
pintura, respectivamente.
Com 19 anos, Eisner entrou para o departamento de publicidade no
famoso jornal New York American. Eisner conta que utilizava suas horas de
almoço para observar o movimento das pessoas trabalhando, observando
personagens e aprendendo sobre luz e sombra (HEINTJES, online).

45
Por não apreciar inteiramente o ramo em que trabalhava, Eisner
começou a procurar por serviços de freelancer. Entre estes serviços, merece
destacar a sua primeira história em quadrinhos, realizado para uma empresa
de sabote líquido, no período de 1936. Esta primeira experiência em criar
quadrinhos de maneira “profissional” rendeu a Eisner algumas outras tentativas
na área, embora todas tenham sido rejeitadas pelo pressuposto principal de
que seu traço não combinava com as tiras de humor que reinavam nas revistas
especializadas. Pouco tempo depois, Eisner foi contratado como diretor de arte
da revista Eve, que tinha como alvo o público feminino judeu.
Porém, sua função não durou muito. Eisner utilizava a revista como
veículo de sua arte, com ilustrações de embates violentos entre pugilistas. Esta
“violência inapropriada” acabou custando a Eisner o seu emprego na revista.
O direcionamento rumo aos quadrinhos na vida de Eisner iniciou quando
o mesmo conheceu Samuel Maxwel “Jerry” Iger, seu futuro parceiro de
negócios. Iger era o editor chefe da revista Wow! What a magazine, que
publicava quadrinhos diversos. Eisner trabalhou como editor assistente e
realizador de algumas das histórias publicadas, sendo que, no período em que
a revista Wow! durou (quatro edições), Eisner publicou diversas de suas tiras,
com as personagens Harry Carey e The Flame, além de ter feito duas das
capas da revista (figura 33).
Após esta primeira parceria infrutífera, Iger e Eisner partiram para a
produção de material próprio. Assim nasceu o Eisner & Iger Studio.
Com uma produção maciça de tiras e quadrinhos, o Eisner & Iger Studio
ainda contava com a presença de ilustres e jovens talentos, como: Bob Kane
(criador do Batman), Lou Fine (um de melhores cartunistas de sua época), Jack
Kirby (co-criador de todo universo Marvel, junto de Stan Lee) e Mort Meskin
(importante artista das eras de ouro e prata dos quadrinhos).

46
Figura 33 - A personagem Harry Carey, criada por
Eisner para publicação na revista WOW!, de 1936.
(Fonte: http://www.willeisner.com/biography/)

Neste bem sucedido período, Eisner concebeu diversas personagens e


histórias importantes para os quadrinhos. Ente estes quadrinhos de aventura,
com super-heróis e personagens pulps, se destacam: Hawks of the Seas,
Sheena, Yarko the great, Dollman e Blackhawk.
Com apenas 22 anos, Will Eisner já havia conseguido alcançar o
sucesso que muitos de seus colegas tanto sonhavam e invejavam. O ano era
1939, os Estados Unidos ainda se recuperavam da Grande Depressão,
enquanto o jovem e promissor artista Will Eisner crescia cada vez mais no
mercado.
Mesmo com este crescente sucesso, o seu maior passo ainda estava
reservado para o ano seguinte: era o nascimento de um marco dos quadrinhos.

47
3.1 The Spirit

O ano de 1940 foi especialmente importante tanto para os quadrinhos


quanto para o cinema. Para os que vivenciaram esta época, crescendo com a
literatura pulp barata e o cinema policial de gênero, esta nova área “artística”
que surgia apresentava um leque de possibilidades tremendas. Entre os mais
importantes exemplos deste movimento (que seria reconhecido somente anos
depois, através do fenômeno noir) se encontra o livro “O Falcão Maltês”
(Dashiell Hammett, 1930) que ajudou a estabelecer algumas das idéias
principais que se repetiriam na caracterização do estilo noir: personagens
obscuros, que caminhassem em um tom “cinza”, sem a personificação do bem
e do mal, ladeados por intrigas policiais, mulheres fatais e crimes. Podemos
dizer que a influência foi tamanha que acabou por contribuir em outra indústria
que ganhava força na época, vivendo sua era de ouro: os quadrinhos.
Foi em 1940 que, concebido através das mãos e do imaginário fértil de
um jovem e bem sucedido cartunista, vindo de um caminho de sucessos nas
histórias em quadrinhos, que uma figura marcante do noir clássico foi criada.
Um detetive marcado por um acontecimento trágico, vivendo em um ambiente
urbano, ciente de suas próprias falhas e de suas limitações como humano,
agindo como um benfeitor com um senso próprio de justiça, mas, ao mesmo
tempo mais próximo ao povo (logo, ao público), sujeito a sangrar e sofrer como
um homem comum. Além do que, com uma preferência muito maior em utilizar
chapéu fedora e sobretudo do que capa e colante.
Tal descrição cairia muito bem para qualquer personagem de um
romance policial da época. Porém, Denny Colt não era interpretado por
nenhum ator nem descrito nas linhas de um livro, mas sim desenhado e
“interpretado” pelo futuro mestre da arte sequencial, Will Eisner. Em dois de
junho de 1940 nascia “The Spirit”, uma frutífera fusão entre literatura policial,
cinema pré-noir e quadrinhos.
De seus compatriotas super-humanos dos quadrinhos, Spirit herdou a
perseverança pela justiça e a máscara que contorna seus olhos (baseada no
design da máscara utilizada pela personagem de faroeste, Lone Ranger), mas
foi do cinema (e em parte da literatura) que saíram seus pontos principais.

48
A personagem Spirit surgiu em um momento de mudança do jovem
Eisner. Sua parceria de quadrinhos, a Eisner & Iger, foi quebrada, por escolha
do próprio Eisner, em prol de um novo caminho profissional mais pessoal.
Deslumbrado pela possibilidade de alcançar novos níveis criativos, Eisner
aceitou a proposta do empresário Everett M. Arnold, dono da Quality Comics,
uma das mais importantes empresas de quadrinho da época. No contrato
firmado, Eisner deveria desenvolver um novo tipo de narrativa: uma publicação
de quadrinhos semanal, com um total de 16 páginas, que alcançasse níveis
altos de qualidade, mesmo sendo altamente comerciável.
Alguns de seus “empregados”, da antiga Eisner & Iger, o
acompanharam, contribuindo na criação desta nova publicação, que seria
vinculada nos jornais da cidade. Foi em janeiro de 1941 quando a personagem
criada por Eisner, The Spirit, começou a ocupar metade desta publicação de
quadrinhos semanal. Com oito páginas semanais, Eisner fez algo inédito na
indústria: patenteou sua criação, demonstrando uma visão de mercado muito
maior do que a que cabia a maioria de seus parceiros.
Spirit, esta importante figura dos quadrinhos, é na realidade o alter-ego
do policial Danny Colt, dado como morto logo nas três primeiras páginas de
sua primeira história. Contudo, é revelado que Danny havia somente entrado
em um estado de animação suspensa causada por um de seus inimigos, o
cientista louco “Doutor Cobra”. Ao acordar dentro de um cemitério, Danny
descobre que foi dado como morto pelo departamento de polícia. Percebendo
na situação uma oportunidade de agir por fora do “sistema”, Danny decide
avisar seu amigo, o comissário Dolan, que havia sobrevivido ao ataque do Dr.
Cobra. Contudo, Danny decide permanecer no anonimato, encoberto pela falsa
notícia de sua morte e criando o disfarce perfeito para suas ações heróicas.
Como último passo do estabelecimento da figura heróica, Danny monta sua
base secreta no mesmo cemitério onde havia se recuperado de seu breve
coma, se transformando em um “espírito” protetor para a cidade.
O intuito de se criar a personagem veio pelo desejo de Eisner em
escrever histórias curtas, na qual o autor poderia desinibir sua criatividade, já
que estaria desenvolvendo quadrinhos para um público mais adulto. The Spirit
foi escolhido como uma figura coringa, um detetive que poderia se adaptar a
qualquer situação e aventura. (HEINTJES, online). Um dos conceitos pré-

49
estabelecidos, logo no início de sua criação, seria o fato do protagonista operar
por fora da lei, gerando, assim atrito com Dolan, o comissário de polícia e
parceiro de Spirit. (HEINTJES, online).
Porém, ao avisar seu empresário, Eisner não teve a melhor das reações.
Tanto o empresário quanto os empregadores (os jornais) esperavam por algum
tipo de abordagem mais fantasiosa, com personagens fantasiados que
lembrassem Batman e Superman, grandes sucessos da época. Foi neste
momento que Eisner fez algumas alterações na vestimenta de Spirit: a adição
da máscara e das luvas, combinadas com seu terno azul marcante.
Fortemente inspirado pelo movimento noir, The Spirit não abrangia arcos
de história sobre a salvação direta do planeta ou servia como propaganda
antinazista e bélica norte-americana, mas sim se envolvendo em pequenas
narrativas a cerca da fragilidade humana, enfrentando, muitas vezes, os
perigos presentes no cotidiano de um cidadão comum: furtos, extorsão,
sequestros e homicídios. Não existia somente uma inovação na narrativa:

As inovações introduzidas por Spirit estão em todos os aspectos. (...)


O aspecto noir das histórias, os enquadramentos inspirados no
cinema, o humor sutil e as técnicas narrativas refinadas garantem o
grande sucesso da série (...) (CENTRO DA CULTURA JUDAICA,
online)

Este aspecto cinematográfico é muito presente na obra de Eisner,


principalmente quanto ao refinamento técnico empregado em sua narrativa
gráfica. A figura a seguir (34) servirá como exemplo destes elementos:

50
Figura 34 - Spirit e o comissário Dolan em uma cena
de investigação. (Fonte: Quadrinhos e arte
sequencial)

Diversos pontos deste quadro podem ser destacados. “Expressões


faciais que afetam a narrativa exigem clouse-ups. A placa da porta e o chapéu
suspenso nas linhas do vácuo da velocidade são recursos narrativos. O relógio
na parede define o lapso de tempo”. (EISNER, 1989, p. 15).
Na área do cinema, podemos separar o uso do enquadramento presente
no sexto painel, que separa e evidencia uma cena chave para a trama, através
de um close que consegue, em um só quadro, compreender o objeto do crime
e a prova que o conecta. Outro enquadramento interessante, que demonstra o
compromisso de Eisner com os detalhes, ambientação e contextualização, é a
vista para o cemitério da janela de Spirit, revelando que o mesmo se encontra
em sua base de operações ou, ainda, o quinto e sétimo quadro, no qual, com
grande sutileza, é demarcado um tempo físico estabelecido na ação entre
quadros (o relógio pendurado na parede). Do ponto de vista estilístico, a arte
final desempenha um papel fundamental, com utilização de luz e sombra em

51
alto contraste, criando figuras obscuras e pontos focais característicos que,
somados a falta de diálogo, criam e ajudam a estabelecer um clima de
suspense a investigação. Por final, há ainda a própria linguagem dos
quadrinhos, com as já destacadas linhas de movimentação do terceiro quadro,
guiando a visão do leitor rumo à interpretação de que a personagem (Spirit)
passara em grande velocidade.
Estas técnicas todas levaram Eisner a conceber um novo conceito em
quadrinhos. Era a vez da “arte sequencial”.

3.2 Arte Sequencial

A HQ é uma narrativa essencialmente recreativa com um aspecto


informativo secundário e mais ou menos involuntário, com base
nessa finalidade lúdica, orientada para o humor, os americanos
batizaram o gênero inteiro de comics e funnies. (ANSELMO, 1975, p.
34).

Eisner foi, sem dúvida, um dos mais habilidosos e criativos artistas do


meio. Sua contribuição para os quadrinhos é sem precedentes. O merecido
destaque se dá, principalmente, pela criação da “arte sequencial”, que
aproximou a linguagem dos quadrinhos com o cinema de uma forma muito
mais abrangente, sendo copiada e repassada até os dias de hoje. Tanto o traço
de Eisner, como sua narrativa, eram diferenciados, da expressão de suas
personagens e a construção das cenas de ação até o uso do enquadramento e
da iluminação.
(...) como forma de ampliar a duração de uma cena, aumentando a
dramaticidade dela, Eisner abusa de um método bastante utilizado
pelos cineastas: a fixação por diversos quadros (ou quadrinhos) de
uma mesma imagem em vários momentos temporais seguidos, onde
o desespero, terror, espera, angústia e outros adjetivos similares são
reconhecidos e cada vez mais categorizados. (FEDEL, online)

O tempo é uma dimensão essencial nas histórias em quadrinhos: “O


tempo se combina com o espaço e som em uma composição de
interdependência, na qual as concepções, ações, movimentos e
deslocamentos possuem um significado e são medidos através da percepção
que temos da relação entre eles”. (EISNER, 1989, p. 23). Eisner explica que “é
essa dimensão da compreensão humana que nos torna capazes de reconhecer
e de compartilhar emocionalmente a surpresa, o humor, o terror e todo o
52
âmbito da experiência humana”. (EISNER, 1996, p. 26). A compreensão de
tempo na arte sequencial é o que torna a “ilusão” do movimento algo
satisfatório, pois, se existe uma linguagem bem estabelecida e demarcada na
ação entre os quadros (como a presença de sons e falas), a leitura
estabelecida flui de forma coerente, amarrando à narrativa e a figura. Para
McCloud, o tempo nos quadrinhos não pode ser visto apenas como a
representação de um único momento representado a cada painel. “A fotografia
condicionou a gente demais a perceber imagens únicas como momentos
únicos” (McCLOUD, 1993, p. 97). A introdução do som exige que haja o
movimento (já que uma fala inteira não pode se encontrar em momento único),
forçando, assim, a mente do leitor a completar a ação, que terá sua resolução
no próximo quadro.
McCloud vê a representação do enquadramento como um “indicador
geral de que o tempo ou espaço está sendo dividido”, embora a “duração do
tempo e as dimensões do espaço” sejam definidas mais pelo “conteúdo do
quadro do que pelo quadro em si”. (McCLOUD, 1993, p. 99). Esta leitura
essencial para compreensão da arte sequencial aparece, tanto em Eisner como
em McCloud, sob o título de “timing”. Enquanto o tempo pode ser considerado
uma ação simples, cujo resultado é imediato, o timing seria a prolongação
deste tempo, realçando o resultado pelo bem da emoção. “Para expressar o
timing (...), a disposição dos quadrinhos passa a ser elemento fundamental”
(EISNER, 1989, p. 23).

Figura 35 - A pausa feita na cena, utilizando a


extensão do quadro como demarcador de tempo,
fornece a narrativa uma linguagem direcionada e
uma quebra na leitura, construindo um uma situação
de respiro que demarca a movimentação da
passagem e, até mesmo, conexão emotiva. (Fonte:
Quadrinhos e arte sequencial)

Deste modo, a relação entre tempo e espaço torna-se relevante para


adentrar em uma arte híbrida como os quadrinhos que, além fundir
imagem e escrita, se utilizam de vários elementos a fim de fazer um

53
amálgama que interaja criativamente com a percepção do leitor. As
estruturas que mais caracterizam os quadrinhos, segundo Moacy
Cirne, os quadros e os balões de fala, evidenciam bem esse
amálgama (CIRNE, 1970, p.16). (AMORIM, 2011, apud, CIRNE,
1970)

Para Will Eisner, as histórias em quadrinhos não eram somente os


comics americanos, mas sim uma forma de expressão que necessitava do
conhecimento prévio tanto do emissor quanto do receptor, envolvendo a
compreensão de elementos como: anatomia, perspectiva, gramática e sintaxe,
que, quando montadas em harmonia com o fim de exercer uma função verbal e
visual, acabam por apurar a percepção estética do leitor, assim como a
recreação intelectual (CAMPOS, 2007). Logo, quadrinhos não poderiam ser
tratados, erroneamente, como uma simples distração e forma de
entretenimento barato, mas sim como uma forma de arte devidamente
respeitada.
Para Scott McCloud, a arte pode ser encontrada em qualquer forma de
“atividade humana que não se desenvolve a partir dos dois instintos da nossa
espécie: sobrevivência e reprodução”. (McCLOUD, 1993, p. 164). Além da
abrangência conceitual de McCloud, o quadrinho pode e deve ser considerado
arte, também, pelo ponto de vista das “belas artes”. Não é raro identificar os
quadrinhos como uma representação da arte menor, sofrendo o mal de toda
nova mídia, sendo julgado por padrões antigos. (McCLOUD, 1993).

Para criar uma história é preciso aperfeiçoar a observação dos


ambientes. Alguns elementos básicos de fenômenos e imagens
devem ser compreendidos, como a figura humana, perspectiva, luz e
sombra, objetos, mecanismos, gravidade, composição, balões e os
quadros.
Para desenhar a figura humana é preciso entendê-la e saber suas
limitações e movimentos (...).
O corpo humano, a estilização de suas formas, a codificação de sua
gesticulação emocional e suas posturas expressivas, tudo isso está
armazenado e registrado na memória, formando um repertório de
gestos. (CAMPOS, 2007, p. 27 e 28)

Seguido o texto de Campos (2007), compreende-se que, por trás de


toda história em quadrinho, existe um alto grau de técnica empregada,
abrangendo estudos diversos, como anatomia, composição de imagem,

54
literatura, luz e sombra, etc. Todos estes elementos observados são
carregados por simbolismos, que, quando juntos, desempenham a função
principal de comunicar, criando uma ponte entre as experiências comuns entre
artista e leitor. Para McCloud, os quadrinhos podem ser considerados como o
fruto da “colisão” entre a semelhança (a figura) e o significado (a palavra).
Ambas as partes, quando conectadas graficamente, principalmente através da
abordagem dos quadrinhos, geram um compartilhamento de experiências
comuns.

Não se sabe muito sobre o local ou o modo de armazenamento no


cérebro dos incontáveis fragmentos de lembrança que se tornam
compreensíveis quando dispostos em certa combinação. Mas é óbvio
que, quando uma imagem é habilidosamente retratada, ao ser
apresentada ela consegue deflagrar uma lembrança que evoca o
reconhecimento e os efeitos colaterais sobre a emoção. Trata-se,
obviamente, da memória comum da experiência. (EISNER, 1996, p.
100)

Talvez um dos maiores e mais importantes elementos da arte sequencial


de Will Eisner seja a presença deste reconhecimento da memória comum. “Se
a habilidade com que um ator finge uma emoção é, em grande parte, o critério
para avaliar seu desempenho, da mesma forma se avalia o trabalho do
desenhista, que fará o mesmo com seu personagem, porém, com tinta e
papel”. (CAMPOS, 2007). As personagens de Eisner não somente existiam,
mas se expressavam, comunicando através de sua postura corporal, gestos e
expressões faciais, transmitindo diversas impressões e emoções ao leitor, sem
que fosse necessário recorrer à utilização de cenários e detalhes
desnecessários. (CAMPOS, 2007 – Figuras 36, 37 e 38).

A ausência de diálogo do intuito de reforçar a ação serve para


demonstrar a viabilidade de imagens extraídas da experiência comum
(EISNER, 1989, p. 18)

Deste modo, não é exagero pensar em Eisner como um diretor, sendo


diretamente responsável pelas atuações necessárias na trama (e na
“construção” dos atores), assim como na direção de fotografia e na cenografia
de suas cenas, sendo, ao mesmo tempo, roteirista, câmera e editor. Na
realidade, boa parte das realizações contemporâneas dos quadrinhos exige o

55
emprego de técnicas e ramificações de trabalho parecidas com o cinema, com
cada parte responsável pelo encaminhamento de uma sequência. Quadrinhos
e cinema, afinal estão conectados. Porém, há produções que se destacam,
possibilitando uma autonomia criativa, na qual não é necessária o referencial
cinematográfico. (figura 39).

Figura 36 - Passagem presente na graphic novel New


York (1986), que, em uma história curta, estabelece
uma narrativa fluente e constante, se utilizando
somente da anatomia expressionista da personagem
para se construir a ação, sem recorrer ao texto.
(Fonte: http://pichaus.com)

56
Figura 37 - Neste quadrinho do cartunista norueguês
Jason, podemos perceber a poética da narrativa (a
fuga da morte) sem que seja necessário a presença
do texto, bastando o bom uso das imagens e da
experiência comum para que seja preenchida esta
lacuna da narrativa. (Fonte: Quadrinhos e arte
sequencial)

Figura 38 - o uso das expressões faciais como “guia”


dos sentimentos, emoções e acontecimentos da
breve narrativa, exemplificando o bom uso da
anatomia expressiva de Will Eisner. (Fonte:
Desvendando os quadrinhos)

57
Figura 39 - Cena do mangá Travel (2005), de Yuichi
Yokoyama. O traço estilizado e expressionista do
artista conta com o próprio meio do quadrinho para
estabelecer sua ligação com autor, usando a
separação dos quadros como um elemento de
comunicação iconográfica. Além disso, os traços
que demarcam o efeito de movimentação são
característicos da linguagem única dos quadrinhos.
(Fonte: http://www.artnet.com)

Segundo Eisner, a “arte sequencial é o ato de urdir um tecido”. (EISNER,


1989, p. 127). Nos quadrinhos, o responsável pela imaginação do leitor é o
próprio autor, já que “uma vez desenhada, a imagem torna-se um enunciado
preciso que permite pouca ou nenhuma interpretação adicional”. (EISNER,
1989, p. 127). De fato, este é mais um ponto no qual a arte sequencial se
equipara mais ainda com o cinema. De todas as comparações
cinematográficas estudadas, talvez o fato de que os quadrinhos entreguem
uma história “pronta” para o leitor seja a maior delas. Tanto quadrinho, como

58
cinema (e, obviamente, animação) trabalham com a concepção de que o leitor
deve aceitar aquela informação conforme lhe foi passada, não permitindo
devaneios pessoais a cerca da obra. Claro que existem ressalvas, pois,
embora o cinema e a arte sequencial se aproximem em entregar esta realidade
“pronta” a seu espectador, os dois estão completamente alheios as
interpretações de seu público. Porém, somente o quadrinho permite que a
criatividade do leitor interaja em absoluto com a obra. Sim, o cinema pode ser
sensorial e altamente interpretativo, mas, de uma maneira mais comum, a
única “suspensão de descrença” que cometemos está na assimilação da
realidade da tela como a realidade plausível. Já na arte sequencial, devemos
ler aquelas imagens como um todo, aprendendo que, entre o espaço vazio que
preenche a ação de um quadro para o outro, existiu um movimento, uma
resolução nos fatos. McCloud chama isto de “conclusão” (1993, p. 63). A leitura
dos quadrinhos sempre foi a partir da conclusão: nós concluímos que, por a+b,
c se torna plausível.
A grande graça da arte sequencial de Eisner, que guia nosso olhar se
espelhando em muitos momentos do cinema, utilizando da anatomia
expressiva, enquadramento e timing, é o refinamento que nos leva até o
caminho da conclusão entre a+b.
McCloud defende que a conclusão ocorre também no cinema,
“continuamente, vinte e quatro vezes por segundo – enquanto nossas mentes
transformar uma série de imagens paradas numa história em movimento
contínuo”. (McCLOUD, 1993, p. 65). A conclusão que tiramos durante a leitura
dos quadrinhos é, basicamente, a mesma do cinema. Enquanto o projetor nos
obriga a construir essa movimentação, nos mostrando a ação contínua, 24
vezes por segundo, o quadrinho permite que o leitor direcione esta leitura, em
um ritmo próprio.
Seguindo o raciocínio de McCLOUD, existem seis tipos de conclusões
que tiramos no espaço entrequadros:
1 – A transição quadro-a-quadro, na qual a ação é seguida a cada
detalhe do movimento. (No cinema, compara-se a projeção habitual, sem
cortes).
2 – Transição ação-para-ação, com “um único tema em progressão
distinta”. (McCLOUD, 1993, p. 70). (Em se tratando de cinema, esta transição

59
se aproximaria mais de uma montagem clipada, rápida. A sequência
permanece, mas o ritmo acelera).
3 – Transição tema-para-tema. Neste tipo de transição, exige-se do leitor
certo “grau de envolvimento” (McCLOUD, 1993, p. 71), já que a ação ocorre
dentro da mesma cena ou idéia, mas em situações e locais diferente. (A
linguagem que mais se aproxima com o cinema seria a edição de campo,
contracampo e plano geral ou ainda de plano detalhe, todos com a intenção de
ligar e contextualizar os temas submetidos).
4 – A transição cena-a-cena exige um certo “raciocínio dedutivo”, já que
as imagens “nos levam através de distâncias significativas de tempo e espaço”.
(McCLOUD, 1993, p. 71). (Esta transição é facilmente encontrada no cinema,
representando o momento em que o filme muda o tópico estabelecido, partindo
para outros acontecimentos. Basicamente, a transição entre cenas; assuntos, a
elipse cinematográfica).
5 – Um modelo mais abrangente de transição fica por conta do aspecto-
para-aspecto, que é responsável por fornecer um olhar atípico na narrativa,
passando informações da atmosfera, do ambiente e, de certo modo, dos
sentimentos envolvidos na cena. (Transição muito utilizada em obras
independentes, de arte e que prezam pela sutileza, principalmente produções
orientais. Transição que cadencia o ritmo da projeção).
6 – Por último, a transição non-sequitur, que não estabelece nenhuma
“sequência lógica entre os quadros”. (McCLOUD, 1993, p. 72). (Esta transição
é muito presente em obras experimentais, como projetos de vídeo-arte,
produções surrealistas e obras nonsense).

4 LEGADO DE EISNER

Todos estes conceitos estabelecidos por Will Eisner nos guiaram até o
quadrinho contemporâneo. Eisner foi o responsável por desenvolver e evoluir
os quadrinhos adultos, em um período no qual estas narrativas gráficas eram
essencialmente de entretenimento infantil e juvenil. A construção de
personagens mais humanas, capazes de sofrer com a derrota e de se ferir em
situações de ricos ofereceu novas oportunidades de abordagem, que não
dependiam mais da divina e perfeita figura do super-herói.

60
Quando Will Eisner começou a trabalhar em The Spirit em 1940, ele
já estava em terreno inexplorado. Seu trabalho (...) era enraizado em
um estilo realista, já mostrando sua inventividade e inovação da qual
ele seria reconhecido. Eisner recebeu a tarefa de criar um herói, em
uma indústria (...) onde era a única coisa valorizada. Não desejando
isso, ele simplesmente desenhou uma máscara e luvas no detetive
em que estava trabalhando, nomeado Denny Colt (...). Embora
ostensivamente um super-herói, Denny Colt era mesmo um detetive
(...), e, como era atípico de super heróis, essencialmente humano.
(THE COMICS CUBE, online)

Após o primeiro grande passo ter sido dado por Eisner, foram
necessárias duas décadas para que esta abordagem mais realista tenha sido
absorvida (de uma forma mais sutil) para dentro do mercado e do pensamento
das grandes editoras, realizando adaptações neste universo essencialmente
fantástico dos heróis. Temas como a desigualdade social (X-men, 1963), o
consumo de drogas (Arqueiro Verde, 1970) e até mesmo a identificação entre o
leitor e o herói (Homem-Aranha, 1968) começaram a se tornar algo recorrente
nos quadrinhos de sucesso.
Porém, não foi somente o impacto diante deste novo público adulto que
tornou Eisner uma influência para as gerações seguintes, mas também a
própria forma de se realizar quadrinhos, entregando obras que, mesmo
tratando de temas realistas, apresentavam um traço cartunizado, incorporando
o texto a sua arte em uma situação harmônica, agindo em conjunto com suas
anatomias expressivas e o ousado uso de enquadramentos.
Todos estes nuances se destacam quando incorporados a estética noir
de sua primeira criação, que serviu como base para importantes artistas, que
cresceram com este novo tipo de quadrinho. São eles Frank Miller, Díaz
Canales e Juanjo Guarnido.

4.1 Frank Miller

Assim como Will Eisner, Frank Miller também soube utilizar sua infância
simples como um atributo positivo para sua arte. Ambos os autores sempre
colocaram suas adversidades como um instrumento de superação e foco
criativo, possibilitando desenvolturas narrativas únicas baseadas no convívio
mais urbano e próximo da realidade pobre americana, transformando detalhes

61
reais de um início difícil em uma linguagem crível que transmitia sensações
únicas para os leitores dos quadrinhos adultos.
Frank Miller, filho de imigrantes irlandeses, nasceu em uma pequena
cidade rural de Maryland, chamada Olney, em 1957, mas logo se mudou com
seus pais para Montepelier, em Vermont, onde cresceu e passou a maior parte
de sua juventude. Seu pai era eletricista e carpinteiro, enquanto sua mãe
trabalhava como enfermeira no hospital local. Vermont era (e continua sendo)
um dos estados mais rurais dos Estados Unidos, local esse que não esbanjava
oportunidades para um jovem criativo interessado em romances noir e
aventuras pulps, mas com uma baixa renda familiar, que o impedia de almejar
o que desejava.
Miller, a princípio, não desejava ser um desenhista/roteirista de
quadrinhos de super-heróis propriamente ditos, mas sim transformar seus
heróis pessoais em personagens de quadrinhos. Tais como a personagem
criada pelo autor e roteirista noir Mickey Spillane, o detetive Mike Hammer,
protagonista de uma série de livros, rádio-novelas, filmes e adaptações
diversas. Com o intuito de realizas suas próprias adaptações noir para os
quadrinhos, Miller tomou a grande decisão de sua vida: deixar sua cidade natal
rural e partir para a cidade grande. Foi em 1975, como apenas 18 anos, que
Miller chegou em Nova York.
Jovem e morando sozinho, seu começou foi difícil na cidade. Enquanto
conhecia o ambiente mais urbano e depressivo de Nova York, (do qual ficaria
enraizado em seu estilo), Miller procura emprego em pequenas editoras. Seu
primeiro trabalho na cidade foi pela editora Gold Key Comics, na qual
desenhou a história “Royal Fest”, na edição #84 de 1978.
A partir deste ponto, o talento de Miller começou a ser reconhecido.
Ainda em 1978, Miller conheceu o diretor de arte Vinnie Colleta, da DC Comics,
que reconheceu seu talento e arranjou um pequeno trabalho como desenhista
em uma história em quadrinhos chamada “Deliver me from D-Day”, publicada
na revista Weird War Tales. Durante todo o período de 1978, Frank Miller
trabalhou exclusivamente nesta publicação, que tinha como tema a Segunda
Guerra Mundial, em histórias curtas que variavam entre duas e seis páginas.
O reconhecimento do talento de Miller veio no ano seguinte, quando
começou sua parceria com a editora Marvel Comics. Logo em sua estréia,

62
Miller teve a tarefa de trabalhar com a personagem mais rentável e conhecida
da editora, o Homem-Aranha, na revista Peter Parker, the Spectacular Spider-
Man. A frente das edições 27 e 28 desta publicação, Miller trabalhou pela
primeira vez com uma das personagens que mais marcariam sua carreira: O
Demolidor. Nesta época, Demolidor era somente um figurante na história, já
que suas revistas solo vendiam pouco e a personagem não era querida pelo
público. Porém, Miller gostou e se interessou pela personagem, tanto que
solicitou a seu editor chefe, Jim Shooter, se ele podia trabalhar no título regular
da série. Jim aceitou a proposta, encarregando Miller ao cargo de desenhista.

Quando cheguei pela primeira vez em Nova York, eu apareci como


um monte de quadrinhos e amostras de caras vestindo sobretudo e
carros antigos e coisas do tipo. E todos (editores de quadrinhos)
diziam “onde estão os caras de collant?”. Então tive que aprender a
fazer isso. (…) quando Gene Colan deixou Demolidor, eu percebi que
o segredo seria realizar histórias em quadrinhos de crime, mas com
super-heróis nela. (WIKIPEDIA, THE FREE ENCYCLOPEDIA, online,
apud SPIRIT GUIDE: FRANK MILLER ADAPTS WILL EISNER'S
CULT COMIC, online)

Com um início muito parecido com o de Will Eisner, podemos dizer,


inclusive, que Demolidor foi para Frank Miller o que The Spirit foi para Eisner. O
debute de Miller ocorreu na edição Daredevil #158 (maio de 1979), com roteiro
de Roger McKenzie. Embora ainda preso ao tradicionalismo das histórias em
quadrinho de heróis, o Demolidor de Frank Miller já apresentava alguns traços
da estética noir que o autor tanto almejava (falarei mais sobre no capítulo V),
gerando uma enorme resposta positiva da crítica.
Seguindo os conselhos do artista Neal Adams (amigo de Will Eisner e
um dos mais influentes representantes da arte sequencial), Miller decidiu se
aproximar mais da realidade nova yorkina, desenhando, por horas, os telhados
das casas, prédios e edifícios da cidade, com o fim de conseguir atingir uma
estética verossímil e autêntica para o principal ambiente de suas narrativas. O
sucesso a frente de Demolidor foi tão grande que logo se tornou o desenhista e
roteirista oficial de suas histórias, desempenhando uma das mais importantes
contribuições entre personagem e autor, com uma longa e aclamada parceria,
que durou de 1979 até 1983.

63
Em 1982, Frank Miller trabalhou em conjunto com o roteirista Chris
Claremont, produzindo a mini-série Wolverine, contando com o integrante
homônimo dos X-men como estrela principal. Com uma arte altamente
influenciada pelo estilo rápido dos quadrinhos japoneses, esta mini-série
ajudou a expandir os horizontes de Wolverine como personagem - base para o
grande sucesso do qual o mesmo é reconhecido atualmente -, garantindo a
Miller um posto de estrela na indústria dos quadrinhos.
A influência dos quadrinhos japoneses se mostrou ainda mais presente
em sua primeira série própria, de 1983, chamado Ronin. Esta narrativa híbrida
de cyber-punk em estilo oriental e quadrinhos europeus (como, por exemplo,
Moebius), com história centrada em um samurai que viaja ao futuro,
apresentou alguns relances da arte sequencial fluída, rápida e de ação, com
momentos cinematográficos. Esta publicação rendeu a Miller um convite feito
DC, que ofereceu a oportunidade de readaptar três grandes ícones da editora,
que seriam escolhidos a gosto do autor: Batman, Mulher Maravilha ou Super-
Homem. Mas, ao invés de aceitar a proposta, Miller decidiu, antes, voltar a
Marvel e realizar a edição #219 do Demolidor, toda baseada no filme Por um
punhado de dólares (Sergio Leone, 1973).
Porém, foi em 1986 que a carreira de Miller colidiu diretamente com a
personagem responsável pelo seu derradeiro estrelato, o marcando para
sempre como um dos nomes essenciais dos quadrinhos. Embora o seu
primeiro contato a frente de uma revista de Batman foi em um curto conto de
natal, chamado "Wanted: Santa Claus - Dead or Alive" (1980), roteirizado por
Denny O’Neil, foi somente com a obra “Batman, o cavaleiro das trevas” (1986)
que Frank Miller realmente abordou a personagem com sua visão própria, tanto
de estética quanto narrativa.

Embora O Cavaleiro das Trevas tenha causado muito impacto pela


brilhante história, o desenho caricatural até então inédito de Miller e
pelo subtexto político e social, a grande contribuição dessa mini-série
para as Histórias em Quadrinhos foram as novas fórmulas narrativas
que Miller apresentou naquelas página. (SOUZA, online).

A história trata da volta de Batman de sua aposentadoria, causada pela


morte de seu segundo Robin, sendo obrigado a enfrentar um futuro distópico,
de caos e violência. Este retorno de Batman também é simbólico, já que a

64
imagem do mesmo tinha caído com o passar dos anos, muito pelo livro “A
sedução do inocente” (Fredric Wertham, 1954), que apresentava a visão da
dupla Batman e Robin como um casal gay, um forte estigma que perdurou por
décadas, contribuído pela colorida série de TV da década de 1960.
Portando, mais uma vez, coube a Miller reerguer um importante
personagem dos quadrinhos, apresentando sua versão de um futuro Batman
de 55 anos, cansado, violento e sarcástico, confinado em um perturbante
universo de um futuro caótico, de clima tenso, sombrio e pesado. Sua
contribuição, assim como a de Eisner na época de The Spirit, foi a forte
influência passada para toda a indústria: logo após esta importante publicação,
ocorreu uma profusão de anti-heróis sombrios e violentos.

A seqüência do assassinato dos pais de Bruce Wayne até hoje é


copiada e recopiada nas HQs do Batman, tamanha sua força. Tudo
em “câmera lenta”, com em “O Encouraçado Potemkin”. Mas se os
quadrinhos já são estáticos, como podemos sabê-lo? Simplesmente
está lá! Miller criou a câmera lenta em quadrinhos! (SOUZA, online).

Entre outros trabalhos de destaque deste produtivo período de Miller,


estão: Demolidor: amor e guerra (Frank Miller, 1986), Daredevil and Born Again
(Frank Miller; David Mazzuchelli, 1986), Elektra: Assassina (Frank Miller, 1986)
Batman – Ano um (Frank Miller; David Mazzuchelli, 1987).
Com este glorioso passado, Frank Miller pôde, finalmente, se dedicar a
alguns projetos mais pessoais. Já consagrado pela indústria, Miller decidiu
investir completamente na narrativa noir. Embora seu estilo fosse
completamente impregnado por uma narrativa digna dos filmes policiais da
década de 1940 (principalmente quanto a onipresente narração em off e
constante aparição de mulheres fatais), nenhuma destas obras era realmente
parte do gênero conhecido como noir. Sua primeira realização no gênero
ocorreu em 1990, quando, em parceria com Geof Darrow (um dos mais
brilhantes e talentosos artistas dos quadrinhos) realizou um misto cyber punk
de Blade Runner, com uma dose tripla do humor negro caótico de Batman, o
cavaleiro das trevas, aliado com a ultraviolência e ação desenfreada dos filmes
de ação de John Woo. Este era Hardboiled, o primeiro experimento narrativo
de Miller no universo neo-noir concreto dos quadrinhos.

65
Miller se estabeleceu como um autor de quadrinhos adultos, sempre
carregados de sátira política, ironia e violência. A recepção de Hardboiled
rendeu a Miller importantes trabalhos, como Give me liberty (Frank Miller; Dave
Gibbons, 1990) e a roteirização dos filmes Robocop 2 (1990) e Robocop 3
(1993), que, infelizmente, não renderam um produto final bom, havendo uma
má recepção da crítica especializada (embora pouco do material original de
Miller tenha sido utilizado na produção dos filmes).
Sin City, o clássico neo-noir dos quadrinhos, foi realizado em 1991,
oferecendo uma homenagem estética aos clássicos dos 1940 e 1950. Feita
completamente em preto e branco – embora com a presença de uma outra cor
durante a edição, gerando contraste a imagem -, Sin City tomou grande parte
da carreira profissional do artista, resultando, mais uma vez, na revitalização do
gênero nos quadrinhos, como já havia sido feito anteriormente por Will Eisner,
em 1940, com The Spirit. Outros trabalhos de destaque ficam por conta da
história de origem do Demolidor, em Demolidor, o homem sem medo (Frank
Miller, 1995), a reencenação da batalhas das Termópilas na novela gráfica 300
(Frank Miller, 1998) e a continuação de uma de suas principais obras, com O
cavaleiro das trevas 2 (2001), muito mal recepcionado pela crítica.
Por fim, embora seus trabalhos recentes estejam em uma vertiginosa
queda de qualidade (entre eles, a mal sucedida adaptação cinematográfica da
obra The Spirit, de Will Eisner, da qual o mesmo foi diretor, em 2008), Miller já
está com o seu nome guardado na história da arte sequencial, principalmente
pela sua forte contribuição na relação entre quadrinhos e cinema,
principalmente quanto ao gênero noir.

66
Figura 40

67
Figura 41

68
Figura 42

69
Figura 43

70
Figura 44

Figura 40 à figura 44: A consagrada estética em câmera lenta criada


por Frank Miller, utilizada na HQ Batman, o cavaleiro das trevas (1986),
ressalta a importância do cinema na realização artística e narrativa do
autor, além de um brilhante refinamento do conceito de “timing”,
proposto por Will Eisner e Scott McCloud. A análise desta sequência é
repleta de detalhes: que vão da diagramação dos quadros até a
disposição do texto. Arte sequencial em seu melhor estado, com uma
imagem que não deve só ser lida, mas também “assistida”. (Fonte:
http://goodcomics.comicbookresources.com)

71
4.2 Canales e Guarnido

A dupla de artistas premiada é responsável pela obra de vanguarda,


Blacksad, uma graphic novel (ou novela gráfica, termo utilizado por Eisner na
definição de obras adultas, de tratamento diferenciado e histórias fechadas)
iniciado em 2005 e que conta, até o momento, com quatro edições publicadas
entre 2000 e 2010.
Nascido em Madri, na Espanha, em 1972, Juan Díaz Canales é o
roteirista e co-criador da série de noir Blacksad. Embora Canales tenha
mostrado interesse em quadrinhos desde cedo, sua principal vocação é a
animação, na qual o mesmo atua como diretor. Envolvido na área desde os 18
anos, Canales fundou, em 1996, em conjunto com outros três artistas, a
empresa Tridente Animation, realizando, em parceria com companhias norte-
americanas e européias, roteiros para quadrinhos e animações, além de dirigir
séries animadas para TV e filmes de animação;
Quando conheceu Guarnido, Canales já tinha em mente a base para a
sua história: uma narrativa antropomórfica em torno de um detetive particular
chamado Blacksad. Após contato feito com diversas editoras, a dupla fechou
com a francesa Dargaud, em novembro de 2000.
A primeira obra em conjunto da dupla foi Quelque part entre les ombres
(2000), o volume 1 da série Blacksad. Com uma recepção calorosa da crítica e
do público, a graphic novel foi agraciada com o prêmio Prix de la Découverte
do festival internacional de quadrinhos de Sierre, além do prêmio “Avenir”, no
festival de Lys-lez-Lannoy. Com o volume 2 publicado (Arctic Nation, 2003),
Guarnido e Canales já garantiam o seu espaço no nome dos quadrinhos
contemporâneos, recebendo, entre outras premiações, o Angoulême Audience
Award, no Festival Prize for Artwork, em 2004.
Esta reação não foi diferente com o penúltimo volume, chamado Âme
Rouge (Red Soul, 2005). Mais uma vez, a dupla levou uma vitória para casa: o
prêmio Angoulême, por melhor série. Publicado em 2010, o último (até então)
volume da série se chama The hell, the silence. Centrada no mundo do jazz de
New Orleans, The hell, the silence é mais uma obra prima da arte sequencial
contemporânea.

72
Muito deste sucesso de deve a arte de Juanjo Guarnido. Nascido em
Granada, na Espanha, em 1967, Guarnido é formado na Escola de Arte de
Granada. Entre seus primeiros trabalhos estão uma série de fanzines
produzidos em conjunto com a Marvel Comics.
Infelizmente, devido ao pouco espaço dos quadrinhos no mercado
espanhol, Guarnido foi obrigado a procurar outras fontes de renda. Em 1990 o
artista deixou sua cidade natal, Granada, e mudou-se para Madrid, onde
trabalhou em séries de TV por três anos, período este que acabou rendendo a
amizade e futura parceria entre Díaz Canales.
Muito do estilo de Guarnido vem do seu envolvimento com o Walt
Disney Studios - principalmente pela facilidade em criar personagens
antropomórficos extremamente expressivos -, onde trabalhou como animador
entre 1993 e 2000, no estúdio da Disney de Montreuil, na França. Entre seus
trabalhos de destaque está a desenho para o cinema Tarzan, de 1999.

Figura 45 - A arte de Juanjo Guarnido: uso de low-


key profile na iluminação, figuras antropomórficas e
estética da década de 1950, aliada ao forte clima noir.
(Fonte: http://olhosacesos.blogspot.com/)

5 Film noir

Segundo o francês Marc Vernet, em seu livro “Film noir on the edge of
doom”, o gênero noir vem sendo “regularmente resgatado e renovado por
sucessivas gerações”. Embora Marc Vernet faça parte de um seleto grupo de
acadêmicos céticos, que apontam o fim noir como um gênero inexistente, é

73
possível utilizar o trecho acima, retirado de um de seus livros, como um dos
fatores que mais contribuíram para o crescimento e criação, enfim, do gênero
aqui estudado.
O noir é um objeto de culto para diversos cinéfilos, estudiosos e artistas
que, seduzidos pela elegância e estética do cinema de suspense policial dos
anos 40, acabam por sempre reintroduzir o fascínio por estes contos para a
contemporaneidade, apresentado para as novas gerações modos diferentes de
se tratar o já clássico esquema exemplificado por Fernando Mascarello (2006,
p. 178), em seu livro História do Cinema Mundial, com “policiais dos anos 1940,
de luz expressionista, narrados em off (sic), com uma loira fatal e um detetive
durão ou um trouxa, cheios de violência e erotismo etc.” Tal reintrodução se
vale, também, para dois dos principais e mais importantes autores de
quadrinhos de todos os tempos, Will Eisner e Frank Miller, que contribuíram
diretamente para a divulgação do gênero que tanto apreciavam, principalmente
com as obras The Spirit (Will Eisner, 1940) e Sin City (Frank Miller, 1991),
abrindo, cada um a seu modo, um novo leque de possibilidades intermidiáticas
para o gênero.

5.2 O cinema obscuro

Antes de adentrarmos em algumas especificações desta mixagem de


mídias (quadrinhos e cinema), é importante compreender do que se trata o
filme noir. Assim como foi colocado no início deste capítulo, existe uma ala de
estudiosos e críticos que não entram em consenso sobre a criação do termo
aqui estudado, referenciando o noir como “o gênero que nunca existiu”. Film
Noir é, na realidade, uma expressão francesa que faz alusão a literaruta hard-
boiled, e que foi utilizada para identificar algumas das obras hollywoodianas
que chegaram à França após o fim da Segunda Guerra Mundial. Privados por
quase cinco anos do cinema norte-americano, os franceses perceberam uma
mudança estética admirável, tanto na narrativa como na fotografia destes
novos filmes. Ao perceber as semelhanças recorrentes em películas como
Relíquia Macabra (John Huston, 941), Pacto de Sangue (Billy Wilder, 1944) e
Um retrato de mulher (Fritz Lang, 1944), o crítico e cineasta Nino Frank, em
1946, utilizou pela primeira vez o termo film noir, que pode ser interpretado

74
como filme negro. De fato, a representação crítica e fatalista da sociedade
americana obscureceram a outrora estabilidade clássica de Hollywood, do qual
o mercado já havia se acostumado.
Foi somente em 1955, na França, que o termo noir começou a ganhar a
forma que conhecemos hoje. Escrito pelos críticos Raymonde Borde e Etienne
Chaumeton, o livro Panorama du film noir américain trazia uma interessante
exemplificação de sete elementos essenciais deste novo gênero do cinema.
Seriam eles:

- Um crime;
- A perspectiva dos criminosos, não da polícia;
- Uma visão Invertida das tradicionais fontes de autoridade, tal como a
corrupção policial;
- Alianças e lealdades instáveis;
- A femme fatale (fêmea fatal): a mulher que causa a ruína e/ou morte de
um bom homem;
- Violência bruta;
- Motivação e mudanças em complôs bizarros.

Contudo, a dificuldade de se estabelecer noir como um gênero é muito


mais complicado do que aparenta. Pelo menos do ponto de vista técnico.
Afinal, assim como colocado por Emerson Paubel, em seu artigo Film Noir,
“quantos elementos são necessários para se fazer um noir? (...) um noir pode
ter apenas um único elemento, enquanto que outro filme que possua três não
seja considerado um noir” (PAUBEL, online).
Por princípio, como destacado em História do Cinema Mundial, “noir
como gênero nunca existiu: sua criação foi retrospectiva (...) trata-se de uma
“categoria crítica”” (Neale 2000, p. 153). A realidade é que o termo só foi
utilizado nos Estados Unidos pela primeira vez no fim de 1960, sendo
referenciado primariamente como “Black cinema”. Não demorou muito para que
o conceito de noir começasse a ser abraçado por Hollywood, preferencialmente
após a crítica norte-americana receber de bom grado o elogio europeu,
aceitando o termo cunhado originalmente, mesmo que indo de encontro com
problemas teóricos a respeito do que era, de fato, o cinema noir, estabelecido

75
através de uma categoria francesa. Afinal, havia uma falta de precisão
categórica e acadêmica. Contudo, com a crescente popularização deste novo
termo cinematográfico, o conceito noir rapidamente ultrapassou qualquer
barreira estabelecida pela academia, tornando-se absolutamente popular entre
os cinéfilos da época.
Deste modo, com um terreno mais propício para a exploração, grandes
estúdios de Hollywood começaram a produzir obras de jovens cineastas que,
em busca de algo novo, revisitavam antigos clássicos na era noir, de 1941 a
1958. Jovens como Martin Scorsese e seu realista e sombrio estudo da
sociedade americana, em Taxi Driver (1976), ou a repaginação do período
clássico noir feito por Roman Polanski, com Chinatown (1974). Esse período se
estende até hoje, com formas diferentes de narrar o já conhecido, desde a
passagem cyber punk de Ridley Scott (Blade Runner, 1982) ou a criação de
uma linguagem mais pop, feita por Quentin Tarantino (Cães de Aluguel, 1992).
Assim sendo, encontramos um paradoxo: se o noir não existiu, como
exemplificar o aparecimento de um neo-noir? (MASCARELLO, 2006). Antes de
partirmos para uma definição de gênero mais refinada, tanto estética quanto
narrativa, é interessante notar que o noir não evoluiu somente no cinema, mas
que essa evolução de gênero também esteve presente em outra mídia. Neste
caso, o quadrinho. É possível decifrar The Spirit (1940) como o marco estético
e narrativo da arte sequencial noir clássica, Sin City (1991) como a
reestruturação do noir na contemporaneidade, abrindo as portas para o neo-
noir impresso e, finalmente, de um modo que estendeu ainda mais a relação
narrativa gráfica, cinema e estética noir, temos Blacksad (2005), de Juan Dias
Canales e Juanjo Guarnido, que garante com maestria um hibridismo de mídia,
juntando o melhor que o cinema de gênero e os quadrinhos têm a oferecer
(voltarei a falar mais desta obra nos próximos capítulos).

5.3 Decifrando o noir: Estética

Embora muitos ainda considerem o noir não como um gênero de


cinema, mas sim como um estilo visual, o noir está profundamente enraizado
em momentos mais “negros” da história americana e mundial.

76
Para o roteirista e cineasta Paul Schrader, o film noir existe somente em
um período específico – de 1941, iniciado pelo filme, O Falcão Maltês (dir.
Humphrey Bogart), até 1958, quando o gênero se encerra com A Marca da
Maldade (dir. Orson Welles). Ele argumenta que o noir é literalmente preto.
Cenas noturnas, iluminação de alto contraste e sombras fazem parte do estilo
noir. Além disso, o filme noir trabalha com tempo não-linear, disjuntivo.
(PAUBEL,online).
Muitos atribuem o fim do cinema noir a invenção da tv em cores, já que,
ao se colorir uma película, o gênero acaba por perder uma de suas mais
valiosas preciosidades estéticas: a iluminação preto e branca.
Quando necessário um estudo estético sobre o cinema noir, antes é
preciso se estender um pouco mais quanto à iluminação do mesmo. Para Alain
Silver e James Ursini (2004), em seu livro Film Noir, “a luz e a sombra
competem entre si tanto em ambientes interiores quanto em exteriores. Luzes
duras e marcantes mapeiam os contornos, dando ênfase a uma parte do rosto
e criam uma tensão darmática (...)”. Esta leitura, proporcionada pela utilização
da iluminação, normalmente cai muito bem para suspense. Ao escurecer uma
imagem, principalmente a ponto de deixar somente seu protagonista visível,
tudo se torna parte do perigo, criando a tensão perfeita em meio ao jogo de luz.
Para se compreender melhor esta estética de imersão e, até mesmo, de
sufocamento, devemos nos lembrar de dois termos, apresentados por Mattos
(2001): low-key e hard ligth (além de outros termos técnicos introduzidos por
Mattos, em seu livro O outro lado da noite – filme noir, que serão apresentados
futuramente).
Primeiramente, uma parte conscistente da realização do filme noir está
no modo conhecido como low-key, notoriamente utilizado pelo Expressionimos
Alemão (figura 46).

77
Figura 46 - Exemplo de utilização da iluminação low-
key, realçando detalhes de uma forma sutil. (Fonte:
Metropolis).

Assim como apontado por Campos (2009), havia uma iluminação bem
especial, bastante insólita, que estava atrelada à maquiagem, que
transformava o rosto dos atores em máscaras, cujo tratamento repleto de
exageros podia levar à caricatura e ao grotesco. O cinema expressionista
alemão é rebento de um momento entre guerras extremamente conturbado na
Alemanha, chegando a ser descrito como extremo, decadente e com doses
cavalares de violência, uma apologia ao nazismo que viria logo depois
(Campos, 2009). Embora com forte temática fantástica, personagens sombrios,
de cunho psicanalítico e com uma atmosfera opressora, o expressionismo
acabou por influenciar, esteticamente, o film noir. Este fato se deu,
principalmente, pelos motivos da guerra, que forçaram que uma grande massa
cultural ligada ao cinema alemão imigrasse em direção aos Estados Unidos da
América, entre eles os diretores Fritz Lang, Billy Wilder e Robert Siodmak, que
contribuíram na construção da estética noir, baseada na bagagem técnica que
desenvolveram em seu país de origem.
Entre estes novos meios de se realizar cinema, estava à utilização da
iluminação de baixo perfil, a low-key, que retirava o brilho excessivo da
película, trazendo a imagem um sutil ar barroco, cabendo muito bem a
profusão de sombras, empregada em diversas obras.

78
Tal definição cuidadosa sobre a iluminação empregada se deve ao forte
conteúdo estilístico do noir, sempre carregado de informações visuais e
estilísticas importantes, fruto de um dos seus principais criadores, o
Expressionismo Alemão:

"A sombra é a metáfora do inconsciente, do lado obscuro da mente,


do material reprimido. Ela é atributo daqueles personagens proscritos
pela lei, pela natureza e pelo Bem, obrigados a viver na
clandestinidade, nas trevas, num sono intermitente" (FEDEL, online,
apud NAZÁRIO, 1983, p. 25)

Embora considerado por alguns como uma prova consistente de que o


noir não seja, em si, um gênero de cinema, mas somente um modelo visual, é
impossível retratá-lo sem destacar seus pontos estilísticos mais importantes.
Entre todos estes merecidos destaques, que relacionam o noir e o
expressionismo alemão, acaba por faltar um de extrema importância para o
movimento vanguardista, tanto no cinema como em sua origem na arte: “a
distorção emotiva da forma” (MASCARELLO, 2006, p.59). O signo
expressionista ressalta as experiências emocionais do artista, convidando o
espectador a “experimentar um contato direto com o sentimento gerador da
obra” (CARDINAL, 1988, p.34). Tal simbolismo artístico se fez presente
também em sua versão cinematográfica, principalmente na obra O gabinete do
dr. Caligari (Robert Wiene, 1920), que contava com uma cenografia produzida
em painéis pintados ao estilo expressionista, evocando a fisionomia de um
mundo tortuoso e imprevisível, além do impacto visual gerado pelos
protagonistas, que atuavam com uma pesada maquiagem deformadora,
criando, assim, uma atmosfera que traduzia os conflitos emocionais
(MASCARELLO, 2006, p. 67). Por fim, esta abstração simbólica criada pelo
expressionismo, embora não se encontre tão aparente no noir, está mais do
que presente nos quadrinhos, que se utilizam das liberdade artística como um
modo de se enriquecer a narrativa:

(...) traduzir simbolicamente pelas linhas, formas e volumes, a


mentalidade dos personagens, seu estado de alma, sua
intencionalidade, onde a decoração se torna a tradução plástica de
seu drama. (EISNER, 1985)

79
Seguindo a continuidade, além da iluminação e da ambientação
noturna,o expressionismo alemão ofereceu algumas outras referências
importantes ao gênero noir, tal qual o emprego de lentes grande-angulares,
que deformam a perspectiva, causando um clima de estranheza, levando a
distorção da personagem ou do ambiente projetado. Entre outros movimentos
característicos do cinema noir, está o corte do big close-up para o plano geral
em plongeé e ângulo holandês, que é costumeiramente utilizado em um
contexto de estranheza e deslocamento. É importante observar que os
movimentos de câmera estão ligados a idéia soturna que envolve o noir,
sempre direcionando um caminho que se relaciona com o suspense, em um
clima paranóico e claustrofóbico. Além da forma estilística bem definida, há
ainda uma série de motivos iconográficos, tal qual exemplificados por
Mascarello (2006): espelhos, janelas, escadas e relógios, além da ambientação
urbana noturna, com ruas desertas e escuras.

Figura 47 - Empreitada noir de Fritz Lang (1944),


demonstrando a utilização da iluminação barroca,
fruto da bagagem de sua origem no expressionismo
alemão. (Fonte: Quando Desceram as Trevas).

Ainda quanto à iluminação, existem outros padrões adotados pelo estilo


noir. O bom uso da luz dura (hard light) é capaz de criar um clima de tensão
muito característico, ora pela estruturação da narrativa, escondendo fatos
sigilosos a trama pelo bem do suspense, ora como realce estilístico, definindo
contrastes e demarcando espaços no ambiente. (Figuras 48 e 49).

80
Figura 48 - A utilização do hard ligth cria uma sombra
bem definida na parede. (Fonte: O Falcão Maltês).

Figura 49 - Neste misto de técnicas, podemos


observar a o uso da highlighting (luz de destaque) no
rosto da personagem, criando uma imagem
atmosférica de claro e escuro. (Fonte: A Força do
Mal).

Esta demarcação de tons e ambientes pode ser chamada de


chiaroscuro - termo italiano que significa “claro-escuro” -, muito utilizado para a
“tonalização” da atmosfera noir e expressionista.
O clima de suspense e terror, herdados da iluminação expressionista
alemã, cabe ao alto contraste da contraluz, capaz de gerar silhuetas e
semblantes de estruturas, objetos e personagens, priorizando o suspense e
apreensão pelo que é desconhecido (figura 50).

81
O posicionamento das luzes na fotografia noir também tem suas
características, como o uso de “ariações no posicionamento da luz
chave (key light), atenuante (fill light) ou contra-luz (back light) para
produzir esquemas inusitados de luz e sombras adequados à criação
do clima de paranóia, delírio e ameaça (...) (MATTOS, 2001, p. 46).

Figura 50 - O uso da top lighting (luz superior) resulta


na imagem sombria e misteriosa da silhueta, que
pode, posteriormente, recair sobre a trama como
uma força maligna (Fonte: O Grande Golpe).

Além da iluminação, há de se destacar a utilização dos movimentos de


câmera e de ângulos, marcas registradas do fenômeno noir:

Para Mattos (2001), os ângulos exagerados, primeiríssimos planos,


câmera oblíqua e linhas horizontais cruzadas com verticais
aumentam a impressão de clausura psicológica e física. (FERREIRA,
ET AL, 2007, p. 50, apud MATTOS, 2001).

A experimentação de ângulos se deve a criação de uma estética de


clausura opressora. Entre os maiores destaques, temos a utilização do plongeé
(plano superior, que demonstra inferioridade ou trabalha através da revelação,
abrindo-se um plano de visão maior para o ambiente), contra-plogeé (plano que
gera a impressão de superioridade, espanto ou apreensão, dependendo de seu
contexto e da forma utilizada) e ângulo holandês (plano inclinado, que
transmite deslocamento, estranheza, desconforto e abalo psicológico).

82
Por outro lado, o cinema noir se revela sutil. A vasta utilização de planos
sequência e travelings demonstra um compromisso em se prender o
espectador através da expectativa do acontecimento. A chave do suspense: o
emprego de uma linguagem contínua e familiar a realidade, em demérito ao
uso exacerbado do corte cinematográfico.

No cinema noir a utilização de travellings, gruas e panorâmicas eram


bastante comuns. Aliado a um plano de longa duração, essa
qualidade de fluidez nos movimentos intensifica o suspense de forma
sutil. (FERREIRA, ET AL, 2007, p. 73, apud SILVER; URSINI, 2004)

Outra referência estética essencial está no uso dos close-ups. Uma


destas técnicas vinha na contramão do que era recorrente na época.
Pela justificativa do “glamour”, as atrizes principais de Hollywood
tendiam a ter uma iluminação difusa para os momentos de close-up, gerando
uma imagem suave e limpa, realçando a beleza de suas faces, quase
angelicais. Porém, na estética noir esta iluminação ocorria de forma contrária,
com close-ups de luz não difusa (luzes duras, capazes de produzir sombras
bem definidas e realçar detalhes – Figura 51).

Figura 51 - O realce da imagem gerada pelo close-up


de luz não difusa. (Fonte: O Anjo Diabólico).

83
Podemos encontrar ainda a utilização do foco profundo (deep focus),
que mantém, através da distância focal e da iluminação, dois objetos distintos
em um mesmo enfoque. A profundidade de campo é utilizada pelo noir,
principalmente, em ambientes onde ocorre mais de uma ação, sendo
preservados vários elementos desta mesma cena, mas em camadas diferentes
de informação.

5.4 Narrativa

Quando a expressão “cinema noir” vem à mente, não é raro de logo


ligarmos ao tema do crime, estipulado como elemento central da trama. Para
muitos autores, esta afeição ao crime deve-se ao resultado da crise econômica
norte-americana, impulsionado pelo mal-estar provocado pelo pós-guerra,
exercendo, assim, um papel simbólico que sintetiza a problematização social
do período (MASCARELLO, 2006).
Se nos mantivermos ainda mais nesta possível interpretação simbólica e
metafórica, o noir serviu como uma aparente denúncia da corrupção ética que
se manifesta nas relações entre indivíduos, permeadas por violência e
hipocrisia, introduzindo o crime da obra noir como uma representação fatalista
da desestruturação do indivíduo (tanto social como psicologicamente), causada
por um poder maior que o próprio. Ao seguirmos por esta lógica, o crime cria
um espaço simbólico que serve como uma manifestação metafórica do clima
de pós-guerra.
Porém, do ponto de vista estritamente narrativo, o noir acaba por
demonstrar uma ligação muito mais contundente com a literatura policial, que,
assim como o film noir, partilha de diversos elementos narrativos de destaque.
Tais quais como:

- Complexidade da trama
- Caracterização ambivalente das personagens
- Utilização do flashback como ferramenta narrativa
- Narração em over feita pela própria personagem
- Totalidade de protagonistas masculinos

84
Muitas destas características são adaptações diretas da literatura
hardboiled, berço dos principais ideais do conceito noir.
Literatura criminal norte-americana por excelência, o hardboiled (pode
ser traduzido como algo de “caráter duro”) começou a ser publicado “após a
Primeira Guerra Mundial, traçando um retrato realista da população urbana dos
Estados Unidos” (JEHA, 2011, p. 3):

Os escritores de ficção hard-boiled criaram o investigador particular e


o detetive americano heroico, que tanto bate quanto apanha, se
abstém de relações pessoais e forma o seu próprio código moral,
que, em geral, é mais severo e inflexível do que o do resto da
população. Sam Spade e Continental Op, de Hammett, e Philip
Marlowe, de Chandler, seguem a própria cabeça, mesmo quando ela
vai contra a lei. Uma busca inabalável pela verdade e a expulsão do
indesejável são os princípios que guiam o detetive. O código moral
costuma implicar sofrimento físico, dificuldades e sacrifício para ele,
ao isolá-lo de outras pessoas, mas ele adere às suas regras
ferrenhamente. (JEHA, 2011, p. 3)

Como características essenciais, o gênero hardboiled apresenta sempre


a cidade como um centro maligno e perverso, do qual a personagem principal
(comumente um investigador policial ou detetive particular) analisa e observa,
enfrentando este mal social somente com um rígido código de moral próprio.
A atmosfera hardboiled é cínica e repleta de desilusão, se apoiando na
selva urbana como o caos de desordem a ser enfrentado.

Ao contrário da história de detetive tradicional, que deposita uma


enorme confiança nos mecanismos da justiça, na ficção hard-boiled
essa confiança desaparece quando esses mecanismos da lei e da
ordem mostram que não merecem a confiança pública. (JEHA, 2011,
p. 3)

Este estranhamento da justiça acaba gerando a figura do detetive


marginal, que opera, muitas vezes, avesso a lei, buscando subterfúgios para
estabelecer a justiça pelos seus próprios meios pessoais e códigos de ética,
moral e honra. Embora esta figura se mostre como uma salvação neste meio
corrupto, a protagonista, antes de tudo, é um anti-herói, que acaba por não
encontrar o sucesso em suas ações, gerando uma forte sensação de
impotência diante deste universo, sofrendo com suas próprias escolhas.

85
Dois grandes nomes que se destacam nesta literatura policial,
amplamente adaptada pelo cinema, são os autores Dashiel Hammett e
Raymond Chandler.

5.5 Decifrando o noir: Estereótipos

Dentre os vários padrões definidos do gênero noir, provavelmente a


figura da femme fatale* seja o mais recorrente e importante, muitas vezes
influenciando diretamente na trama. Inclusive, o papel que a mulher
desempenha, em diversos casos, retrata uma questão de grande sexualidade e
posicionamento social. Seguindo trecho transcrito por Mascarello (2006), o noir
se caracteriza por:
(...) um tratamento distintivo do desejo sexual e dos relacionamentos
sexuais, um conjunto distintivo de personagens-tipos masculinos e
femininos e um repertório distintivo de traços, ideais, aspectos e
formas de comportamento masculinos e femininos (NEALE, 2000, p.
160)

Mascarello ainda justifica a tendência abordada pelo cinema da época


(40 e 50) através dos motivos do pós-guerra, que reposicionaram a mulher
tanto no patamar social quanto no profissional, criando uma “cultura da
desconfiança”, encabeçada por uma grande rivalidade entre o masculino e o
feminino. Para Richard Dyer (1978), o que se existia era uma tensão sexual
manifesta por “uma ansiedade com relação à existência e definição da
masculinidade e da normalidade”, que acabou por culminar na construção da
“problemática” noir, tanto pelo papel do homem (ambiguidade moral, solidão,
sujeito a falhas) e o da mulher (papel sexual atenuante, sensualidade, forte
personalidade e, corriqueiramente, causadora do mal definitivo para a
protagonista masculino).
No gênero noir, é possível encontrarmos dois tipos de papéis femininos
marcantes: a mulher fatal e a redentora. Enquanto a femme fatale metaforiza a
independência feminina do período pós-guerra, a personalidade “redentora” da
mulher, como descrita por Deborah Thomas, simboliza a ameaça e tentação da
“domesticação do herói”.
Se a mulher fatal representada pode ser interpretada como uma
metáfora a libertação feminina da imposição masculina, além da luta por

86
direitos iguais, o homem noir é anti-herói Hollywoodiano, se saindo muito mais
como um espelho do cidadão comum, sujeito a falhas, do que a visão narcisista
e idealizadora comum atribuída, por exemplo, ao justiceiro de um western*.
Segundo Mascarello (2006), o anti-herói noir é constituído por uma inversão do
ego ideal, sendo representado, muitas vezes, por uma ótica derrotista,
egocêntrica e isolada, buscando uma re-identificação com o masculino. Ou,
como colocado por Florence Jacobowitz, em trecho retirado do livro História do
Cinema Mundial (Mascarello, 2006), o noir é “um gênero onde a masculinidade
compulsória é apresentada como um pesadelo” (1992, p. 153).
É interessante informar que, embora o gênero noir seja fortemente
marcado pela presença de um protagonista masculino, alguns filmes
considerados representantes clássicos do noir, como Sonha, meu amor
(Douglas Sirk, 1948), Correntes ocultas (Vincente Minneli, 1946) e Fogueira da
Paixão (Curtis Bernhardt, 1947), são centrados em personagens femininos.
Porém, é exatamente neste protagonista masculino que o filme noir se
centra: uma personagem que sofre da falta de atributos e características de
herói típico, mas que, mesmo assim, a audiência é capaz de se identificar.
(FILM NOIR STUDIES, online).
Esta personagem é comumente confusa e conflituosa, capaz de
transmitir sensações de ambiguidade moral, defeitos, excentricidades e, por
volta, até mesmo falta de coragem, honestidade e honra. Contudo, não
raramente este anti-herói é capaz de gerar uma forte simpatia com o público,
indiferente do que fato de que se trate de um investigador durão ou de um
detetive particular vulnerável e fracote.
Uma característica marcante e puramente estilística está nas
vestimentas das narrativas noir, puro fruto de seu templo, mas que mesmo
assim se guardaram no imaginário popular. Os traços mais reconhecidos são: o
chapéu italiano fedora, ternos e gravatas (surrados ou bem cortados) envoltos
por capotes e sobretudos de tons escuros e os longos e sensuais vestidos das
femme fatales. Além disso, é recorrente a constante presença de cigarros e
charutos em cena (e da cigarrilha, para mulheres), além da necessária
utilização do escapismo através do álcool, em bares escuros e esfumaçados,
onde gangsteres, mafiosos, policiais corruptos, mulheres de vida fácil e
detetives particulares se encontram e se esbarram.

87
Por final, um dos mais famosos e reconhecidos estereótipos do noir é a
utilização do “voice over”, a familiar narração em off, normalmente servindo
pelo propósito de esclarecer detalhes obscuros da trama. Narrados sempre
pelo protagonista, este recurso de linguagem, que transmite os pensamentos
da personagem para o espectador, demonstrando algumas características
marcantes, opiniões e traços de sua personalidade, tem como finalidade impor
ritmo próprio a narrativa, revelando momentos únicos e licenças poéticas de
dados momentos através do ponto de vista do anti-herói, que nos esclarece e
traduz o que se passa.

5.6 Consolidando o fenômeno noir

Embora o noir ainda seja, para alguns, considerado uma “sucessão de


clichês e definições precárias” (MASCARELLO, 2006, p. 183), principalmente
pelo seu modo de invenção francês (é bom lembrar que, em momento algum,
entre a década de 40 e 50, o cinema de gênero feito foi conscientemente
produzido seguindo uma cartilha noir, sendo somente referenciada tal
expressão anos depois dos mesmos serem realizados), é inegável que exista
uma forte influência de toda esta “atmosfera”, como define Paul Schrader, nas
obras contemporâneas. Obviamente que, ao procurarmos por atributos
específicos marcantes em todas as obras consideras cânones do gênero,
estaremos fadados à incoerência (MASCARELLO, 2006, p. 183, apud NEALE,
2000, p. 153-154) e, por isso mesmo, o mais correto é atribuí-lo como um
“fenômeno”. (MASCARELLO, 2006, p. 184, apud KRUTNIK, 1991, p. 24).

(...) o noir não [e gênero, nem tom, nem estilo. É um fenômeno, e


acima de tudo social (espectatorial). A maior prova de que existe? A
fascinação que produz, o desejo que desperta: a “mística noir”.
(MASCARELLO, 2006, p. 185)

Nota-se que, por causa de diversas divergências fundamentais


definidoras de gênero, o noir se mostre este caos definicional, acolhendo uma
multiplicidade de gêneros cada vez mais crescente. Talvez seja exatamente
por esta característica tão abrangente e difundida em nosso imaginário que o
noir se sobressaia tão bem em quase todos os modos em que é adaptado. É

88
um gênero criado a partir da identificação de uma série de características
cinematográficas e narrativas tão marcantes e bem construídas que, na
realidade, acaba por ganhar vida por conta própria, influenciando toda uma
geração de escritores, artistas e diretores. Um real fenômeno. Vivenciamos
uma constante evolução do noir, e até mesmo do neo-noir, que,
despreocupado em se definir, avança por todas as mídias e contribuí, graças
ao carinho cultivado por grande parte dos realizadores destas novas obras e
homenagens, tanto cinematográficas e gráficas como digitais (diversos games,
como L.A. Noire (2011) e Deus Ex: Human Revolution (2011) demonstram uma
presença constante do fenômeno, inclusive nos “novos” meios), na evolução e
amadurecimento do quadrinho moderno, elevado à arte sequencial e
entretenimento adulto pelas graphic novels.

6 a conexÃo do cinema na arte sequencial

Antes do noir, o próprio cinema deve ser referenciado em conjunto ao


quadrinho. Assim como a fotografia representa uma tomada individual de um
acontecimento, como um momento único no tempo captado pela lente da
câmera, o cinema faz parte de uma sequência de diversos momentos únicos
que, quando postos em movimento, representam uma passagem de tempo que
mais se aproxima com o que estamos acostumados a vislumbrar. Acontece o
mesmo com a arte sequencial dos quadrinhos. Se pegarmos somente um
momento figurativo individual, esta imagem se aproximará muitos mais da
fotografia, já que será somente uma figura congelada em seu próprio momento.
Mas, uma vez colocada esta mesma imagem em sequência, com adição de,
por exemplo, outros dois quadros, temos um vislumbre de uma narrativa
gráfica, de uma história em quadrinhos.

Cada quadro de um filme é projetado no mesmo espaço – a


tela -, enquanto, nos quadrinhos, eles ocupam espaços diferentes. O
Espaço é pros quadrinhos o que o tempo é pro filme. (McCLOUD,
1993, p. 7)

89
Figura 52 - Exemplo de storyboard para uma peça
publicitária de tevê, com o filme resultante abaixo.
Fonte: Quadrinhos e arte sequencial.

McCloud continua sua comparação ao destacar que, quando não


projetado, “o filme é somente um gibi muito, muito lento” (McCLOUD, 1993, p.
8). De fato, a maior diferença entre o cinema e os quadrinhos se encontra no
modo como lemos suas imagens: estáticas, observando a página de uma
história como um todo, mas que deve ser dividido em “cenas” para que haja
compreensão; ou em movimento contínuo, havendo, diante de nossos olhos, a
divisão de cenas já pronta pela edição cinematográfica, transmitida pelo
instrumento de projeção da obra (um projetor ou a tela de um monitor).
Segundo Bordwell (2005), o cinema é uma “imagem pictórica, já que a tela,
como um quadro, apresenta ao espectador um plano vertical emoldurado”.
(BORDWELL, 2005, p. 20)
É exatamente nessa projeção de imagens que os quadrinhos
compartilham a estética do cinema. Indiferente da ausência ou presença da
ilusão do movimento, a linguagem cinematográfica (iluminação e
enquadramentos) pode ser visivelmente traduzida para os quadrinhos,
principalmente na obra “The Spirit”, de Will Eisner.

Em geral, os quadrinhos utilizavam-se sempre do plano médio, The


Spirit foi pioneiro no uso de diversos planos, inclusive o plongé, o
contra-plongé e o plano detalhe, que aumentam a tensão da história.
(FERREIRA, ET AL, 2007, p. 70 e 71)

90
Depois do retorno de Eisner da Segunda Guerra Mundial (onde o
artista, inclusive, criou e ilustrou livros tutoriais no formato de quadrinhos),
houve uma perceptível melhora técnica em seu traço, refletida na composição
de cena de seus trabalhos. Impulsionado pela estética noir da época (1945),
Eisner começou a utilizar a iluminação como um “tonalizador” da atmosfera,
que era capaz de transmitir sensações e efeitos emocionais para o leitor. “Esta
iluminação lembrava o film noir ou o cinema Expressionista. Eram utilizadas
técnicas de iluminação claro-escuro e sombra e luz”. (FERREIRA, ET AL, 2007,
p. 72)

A montagem das cenas nos quadrinhos também está relacionada com o


cinema. Assim como boa parte da crítica de 1910 e 1920 tentava provar que o
cinema era uma arte distinta, que nada ficava devendo ao teatro - partilhando
de técnicas de montagens teatrais, assim como encenações advindas do teatro
-, foi a montagem fílmica que gerou a identidade cinematográfica, permitindo a
liberdade de jogar o espectador “de um lugar ao outro, saltar de um tempo a
outro, fazer comparações metafóricas ou simplesmente imprimir ritmo, jogando
com a duração de planos”. (BORDWELL, 2005, p. 29). E é esta exata
montagem de cenas que ocorre na arte sequencial.

91
Figura 53 - A ausência de tons de cinza na obra Sin
City, de Frank Miller, cria uma estética de dualidade
extrema e permanente, elevando a estética
chiaroscuro a outros níveis, criando uma identidade
própria, de estética exagerada e saturada. (Fonte:
Sin City – A Dama Fatal).

Um ponto interessante da análise dos quadrinhos relacionada ao


cinema, é que ocorre uma forte aproximação do cinema mudo. Para que estas
montagens de cena ocorram de forma satisfatória, tanto na mise-en-scène
(tudo aquilo que ocorre em cena e sua relação com o que se vê) quanto na
mise-em-shot (o processo de “tradução” da mise-en-scène em sequência,
envolvendo todos os processos técnicos da produção cinematográfica),
depende das “associações simbólicas” (figura 54):

92
(...) dentro da própria imagem, no desenvolvimento da narrativa, em
cada gesto dos personagens, em cada fala do diálogo, nos
movimentos de câmera que relacionam objetos a objetos e
personagens a objetos. (BORDWELL, 2005, p. 32).

Figura 54 - Exemplo de montagem cena-a-cena, que


apresenta uma sequência de imagens distantes em
espaço e assunto, mas presentes em um mesmo
universo e que necessitam do conhecimento do
leitor para que seja contextualizada. (Fonte:
Blacksad - Em algum lugar entre as sombras).

Figura 55 - A mise-en-scène carregada de


informações da arte de Geof Darrow. (Fonte: Hard
Boiled).

93
É essa associação imagética que permite a leitura dos quadrinhos,
assim como a do cinema. A mise-en-scène é essencial para a compreensão
completa dos acontecimentos, já que ela é responsável pela “posição da
câmera, o ângulo selecionado, a duração da tomada, o gesto do ator (...), a
história que está sendo contada e a maneira de contá-la” (BORDWELL, 2005,
p. 35, apud TRUFFAUT, 1977). Se o artista responsável pela arte sequencial
compreende todas estas etapas fílmicas, uma vez adaptado este conceito para
os quadrinhos, a chance de se criar uma obra híbrida de sucesso entre estas
duas mídias é garantida. Estes conceitos amalgamados são muito mais visíveis
sobre a ótica de Andrew Sarris (1973):

A leitura dos quadrinhos deve ocorrer como a leitura do cinema, com


“o ênfase no espetáculo em si e não na relação dialética entre planos
e imagens separadas”. (BORDWELL, 2005, p. 35, apud SARRIS,
1973).

Em tons de finalizar, o que se compreende é que, de fato, a mise-en-


scène é um fator presente em ambas as mídias, representando o emprego do
sentido técnico, cenário, iluminação, figurino, maquiagem e atuação dentro dos
quadros. A principal diferença na produção destas etapas é que, enquanto o
cinema divide os afazeres deste processo, muitas vezes o artista dos
quadrinhos é diretamente responsável por todas estas etapas, utilizando este
“plano vertical emoldurado” (BORDWELL, 2005) como a projeção de seu filme
estático.
Porém, como apontado por Bordwell, existe uma diferença que separa a
mise-en-scène do cinema da mise-en-scène dos quadrinhos. A falta de um
plano sequência na arte sequencial acaba se afastando do conceito principal
da
mise-en-scèn, principalmente naquela presente na estética noir, que se define
em “planos alongados, nos quais os corpos se moviam como graça pelo
quadro (...), em planos sequência com grande profundidade de campo ”
(BORDWELL, 2005, p. 38).

94
A realidade é que a montagem dos quadrinhos segue uma linguagem
muito mais “clipada, com um recurso aproximado da montagem fílmica em
tomadas menores”, apresentando, em muitos casos, uma “composição em
profundidade” (gradação de ênfase, com uma imagem em vários tons
dramáticos, que reverbera com a ação principal da cena). (BORDWELL, 2005,
p. 40). Porém, em alguns casos é possível se representar esta sutiliza do
cinema, como na movimentação lenta da personagem Coringa, em um
processo de decantação de suas reações (figura 56):

Figura 56 - A sempre constante movimentação do


Coringa, realçando sua frieza em um plano
aproximado que, a cada quadro, como em uma ação
de zoom in, nos deixa mais intimidados com a sua
quieta presença. (Fonte: Batman, o cavaleiro das
trevas).

Uma “regra” do cinema muito utilizada por Frank Miller é a aproximação


da câmera em direção a personagem em cenas que se desenrolam, atenuando
a dramaticidade do acontecimento (BORDWELL, 2005) como no exemplo da
figura 55.

95
A “encenação cinematográfica” também está presente no
enquadramento das cenas da arte sequencial, já que, muitas vezes, os
quadrinhos seguem a “lógica de projeção perspectiva das lentes da câmera”.
(BORDWELL, 2005, p. 42). Ou seja, alguns ângulos de visão do cinema só são
possíveis através da lente de uma câmera, conseguindo pontos de vista e
distorções próprias (figura 57). Esta é uma evolução iniciada após o cinema
mudo, que, anteriormente, mostrava somente a perspectiva de uma “visão
monocular da câmera” (BORDWELL, 2005, p. 42), como um teatro.

Figura 57 - Visão em plongée, oferecendo uma


panorâmica do ambiente em que o detetive Blacksad
se encontra. Este tipo de ângulo introduz uma maior
contextualização da personalidade da personagem,
explorando detalhes de um local pessoal. (Fonte:
Blacksad - Em algum lugar entre as sombras).

Esta multiplicidade de visões, ângulos e enquadramentos, acaba


relegando a segundo plano a coreografia de cena, criando-se um método de
edição e movimentos de câmera que dão andamento a diálogos parados e
conversações em atividade. (BORDWELL, 2005, p. 42).

96
A utilização do “campo – contracampo” é recorrente tanto nos
quadrinhos como no cinema. Este tipo de montagem normalmente aparece no
pretexto de nos informar as reações de figuras distintas diante uma ação (um
diálogo, por exemplo), mudando a perspectiva da cena para uma melhor
informação. Normalmente se utiliza o ângulo na altura dos ombros e planos
únicos. Segundo Bordwell (2005), “ao mudar de posição dentro de um espaço,
ocorre um novo plano para nos informar” (figura 58).

Figura 58 - a ação do plano e contra plano ocorre nos


dois últimos quadros da cena. (Fonte: Sin City – A
cidade do pecado).

Todos estes movimentos realçam a relação recíproca estabelecida na


arte sequencial e nos cinemas, impulsionada por Will Eisner, em 1940:

97
Devido a esse surgimento contemporâneo dos quadrinhos e do
cinema, as características de cada um se entrelaçam. Entre elas,
podemos citar: iluminação, plônges e contraplônges, enquadramento,
profundidade de campo, elipses, entre outras. Existem muitas dúvidas
sobre o que teria surgido primeiro em qual das linguagens. Mas é fato
que todas existem nas duas narrativas.
Francis Lacassin diz que procedimentos "cinematográficos" como
plongê e profundidade de campo já existiam em quadrinhos de 1889,
portanto anterior ao cinema. Já Umberto Eco afirma que "no plano do
enquadramento os comics sempre estiveram na dependência da
linguagem cinematográfica." De qualquer forma, o cinema determinou
ideologicamente o emprego dos recursos expressionais nos
quadrinhos. Mas o que pode se observar é que as duas linguagens
se influenciaram reciprocamente, graças à contemporaneidade de
suas criações. (PARDINHO, online).

Tal reciprocidade ocorre no próprio espaço físicos dos quadros da arte


sequencial (como já abordado, por exemplo, no uso do timing), contribuindo
diretamente na leitura da cena e como se deve lê-la, diagramando os quadros tal
qual uma montagem fílmica, com ritmo e imersão (ou claustrofobia).

Tais quadros também são responsáveis pela definição de dimensão


que a história receberá. Eles devem obedecer as páginas, mas
possuem liberdade dimensional, podendo mudar de tamanho
naturalmente, respeitando as preferências e atendendo ao objetivo
que o autor está tentando atingir. Um plano que necessite de
profundidade de campo, por exemplo, será reconhecido mais
facilmente pelo leitor se o autor o desenhar em um quadro que lhe
ofereça um maior espaço ou utilizar até uma página inteira. Já para
representar um plano detalhe, o tamanho do quadro pode ser menor.
No cinema, estas diferenças são conseguidas através do
enquadramento da câmera, já que as dimensões são obrigadas a
obedecer a tela. (PADRINHO, online)

6.1 A origem expressionista de Batman

Em 1938 a DC Comics (na época conhecida como The National) lançou,


com grande sucesso, a hq fantástica Superman, na edição histórica Action
Comics #1. O sucesso foi tremendo, preenchendo uma “necessidade” do
público da época, com um personagem perfeito, com força e velocidades muito
acima do homem comum e que se mostrava pronto para defender os ideias
americanos, em um momento que a Grande Depressão já começava a ser
superada pela nação. Porém, um acontecimento se destacou em 1939,
quando, em sua publicação mais antiga, a Detective Comics, foi revelada pela

98
primeira vez a personagem Batman, do ilustrador Bob Kane e do roteirista Bill
Finger. Pela época de sua criação, Bat-Man (como era referenciado) sofreu de
uma importante influência do Expressionismo Alemão e da arte gótica.
Segundo Fedel:
Dois dos personagens de comic books criados nessa época, The
Spirit (1940) e The Batman (1939), figuraram como casos expressivos
desse movimento nos EUA, não com a postura política, social ou até
mesmo psicológica, provocadora, que os artistas alemães tiveram,
mas apresentando e valorizando, apenas, os traços estéticos,
veiculados por esse meio de comunicação de massa: as revistas em
quadrinhos, consumidas em larga escala pela massa norte-americana
nas décadas de 30, 40 e 50. (FEDEL, online)

Figura 59 - A estréia de Batman, na edição #27 da


Detective Comics (1939). (Fonte:
http://www.dc.wikia.com/)

Retirando, novamente, um trecho do estudo de Agnelo Fedel, o estilo da


personagem Batman, desde o princípio, prevaleceu condizente com o
expressionismo alemão:
99
Para um outro personagem, The Batman, também foi escolhida como
identidade a figura da sombra do morcego e como cenário de suas
ações a caverna, a noite e as trevas urbanas para o combate, ainda
que ilegalmente no início, ao párias da sociedade. Nas suas primeiras
histórias, o que se tornaria marca registrada da personagem, outros
elementos seriam ainda mais redundantes: os jogos de luz e sombra
e as deformações dos antagonistas, principalmente, além dos
cenários que nos remetem ao jogo estético expressionista. (FEDEL,
online)

É sábio reconhecer a importância visual que Batman impôs em sua


criação, sendo considerada uma obra esteticamente baseada no
expressionismo e na cultura gótica em sua concepção, transformando-se, a
partir das décadas de 70 e 80 (principalmente pelas mãos de Frank Miller) um
ícone do neo-noir.
Em sua autobiografia, o artista Bob Kane (KANE, 1994) revela que,
enquanto concebia, acompanhado do roteirista e ilustrador Bill Finger, as
principais características da personagem Batman, a dupla se inspirou
fortemente em um filme mudo, de traços expressionistas, chamado The Bat
(Roland West, 1926 – figura 4). O filme se passa em uma antiga mansão, onde
um grupo de pessoas saqueia seus bens escondidos, enquanto um criminoso
fantasiado (o “Morcego” do título) as assassina uma por uma, desafiando a
polícia local (figura 60).

Figura 60 - Frame retirado do filme The Bat (1926),


que ajudou a inspirar a criação da personagem
Batman, em 1939. Nesta imagem podemos observar
um comportamento típico do Expressionismo
Alemão, destacando um momento chave através da
utilização de um forte contraluz. (Fonte: The Bat)

100
Um fato pouco conhecido é que, eu sua primeira história, Batman se
utilizava de armas. Na realidade, a pistola que assassinou seus pais,
evidenciando o caráter fatalista de sua personalidade. Tanto a característica de
sua identidade como a de um morcego, como o fato do mesmo portar armas
em sua origem, se devem ao filme de 1926. Entre outras similaridades, se
encontram o cinto de utilidades, aperfeiçoado a partir da “bolsa de utilidades”
(figura 5), carrega pelo Morcego do título, além da forma como a personagem
Batman assinou o seu primeiro comunicado com o Comissário Gordon,
inspirado na assinatura feita no filme The Bat (figuras 61 e 62).

Figura 61 - Momento em que evidencia alguns dos


utensílios carregados na bolsa do criminoso. (Fonte:
http://www.headinjurytheater.com).

101
Figura 62 - Passagem do filme em que o criminoso
avisa e desafia a polícia sobre seu próximo roubo, se
identificando como “o Morcego”. (Fonte:
http://www.headinjurytheater.com).

Figura 63 - Na edição #28 da Detective Comics,


podemos ver o mesmo sinal utilizado no filme de
1926, mas desta vez servindo como um comunicado
direto para a polícia, informando de uma ação
justiceira feita pela personagem principal. Fonte:
http://www.headinjurytheater.com

Porém, estas semelhanças com o universo do cinema expressionista


não terminam por aí. O maior vilão do universo de Batman, o palhaço Coringa
(figura 64), foi amplamente inspirado por uma personagem do expressionismo,
assim como afirmado por Fedel, “O Coringa (The Joker), um bandido com cara
de palhaço maldito, foi baseado em personagem de outro filme: "The Man Who
Laughs", de 1928, com Conrad Veidt, um dos maiores atores expressionistas
da época” (figura 65).

102
O Coringa estreou na primavera de 1940, na primeira revista solo de
Batman, a Batman #01 (agora já devidamente acompanhado do menino
prodígio, Robin, em uma estratégia de marketing para atrair um público mais
jovem e amenizar o antigo clima sombrio). Suas características principais foram
retiradas do ator Conrad Veidt, em sua interpretação no filme “O Homem que
Ri” (Paul Leni, 1928), por sua vez inspirado no livro de Victor Hugo, de mesmo
nome. O fato de o vilão Coringa ter se inspirado em uma personagem tão
tortuosa, que teve sua face propositalmente desfigurada, marcando-a com um
macabro e imutável sorriso (acontecimento que o torna uma atração de circo),
evidencia o profundo caráter sombrio e malévolo do universo de Batman,
contando com protagonistas e antagonistas cercados por fatalidades, injúrias e
traumas diversos, dignos da narrativa cinematográfica oferecida nos anos 1920
e 1930, principalmente pelo movimento expressionista.

Figura 64

103
Figura 65

Figuras 64 e 65: O sorriso marcado, a pele pálida, o


cabelo para trás e olha sinistro da primeira versão do
Coringa (1940), desenhada por Bob Kane, são
compatíveis com os traços de Conrad Veidt, em sua
interpretação no filme “O Homem que Ri” (1928).
(Fonte: http://carolinaregion.com).

Além do cinema expressionista, Batman sofreu influência, também, do


filme A Máscara do Zorro (Fred Niblo, 1920), no qual Kane se baseou para a
criação de uma identidade dupla para sua personagem, e em uma invenção de
Leonardo Da Vinci, chamado de ornitóptero (figura 66), no qual Kane se
influenciou na abordagem original feita para a capa utilizada pela personagem
(figura 67).

104
Figura 66 - O “ornitóptero”, de Leonardo Da Vinci.
(Fonte: http://100grana.wordpress.com)

Figura 67 - Projetos originais para a capa da


personagem Batman, amplamente inspirados na
criação de Da Vinci. (Fonte:
http://www.dc.wikia.com/)

105
6.2 Identidade expressionista: Sin City e Blacksad

As referências expressionistas de Sin City (MILLER, 1993) e Blacksad


(CANALES; GUARNIDO, 2000) estão na caracterização distorcida das
personagens da Cidade do Pecado e na relação antropomórfica na
caracterização dos personagens de Blacksad em animais, servindo como um
espelho para a personalidade de cada um.
E não é só neste expressionismo mais “identificável” que se concentra
tal identidade. Na realidade, os quadrinhos utilizam a capacidade criativa de
seus autores como mote, atribuindo a liberdade total na criação, estruturando
formas caricaturais e cores de alto contraste para se criar uma figura
expressionista por direito, capaz de “expressar” os sentimentos sem que seja
necessário nenhum tipo de texto. Os quadrinhos são capazes de sintetizar os
traços do desenho em reais “traços” de personalidade.

Em O Cavaleiro das Trevas, Miller faz um desenho caricatural


evocando um clima até de humor negro, para contar uma história
pretensamente “séria”. Isso para criar um clima a primeira vista do
leitor, sem que ele precisasse ler nada. Batman parece ter três
metros de altura, o Coringa é esquelético e andrógino, nunca Robin
pareceu tão criança, a Comissária Yindel tem o queixo quadrado dos
conservadores, o Superman é olímpico (...). (SOUZA, online)

Podemos encontrar alguns exemplos mais diretos na obra Sin City, de


Frank Miller (1993):

106
Figura 68 - O rosto marcado da personagem Marv
demonstra uma profusão de linhas - que se misturam
entre cicatrizes e rugas - rígidas e demarcadas, que
ajudam a estabelecer sua personalidade sofrida e
violenta. Marv é a caricatura da violência hard boiled:
bruta e ríspida, mas por horas, justa. (Fonte: Sin City
– A cidade do pecado)

Figura 69 - Nesta cena de desolação e desespero,


Dwight se encontra perdido e ferido, sufocado pelos
acontecimentos recentes de sua vida. Frank Miller
realça este momento em três pontos: a face da
personagem, que transmite a impressão de um grito,
com seus olhos vislumbrando o nada; as linhas

107
expressionistas do seu rosto são usadas com
parcimônia em realces de detalhes mais facilmente
reconhecíveis, como se uma forte luz demarcasse
cada ruga e expressão de sua face; e os balões de
narração / pensamento ocupam uma grande área do
quadro e se assemelham a pontos de luz,
transmitindo a idéia de urgência. (Fonte: Sin City – A
cidade do pecado)

Figura 70 - Enquanto a grande maioria das


personagens de Sin City conta com um grande leque
de traços, linhas e sombras em suas formas,
encontramos a figura deste tenente: uma
representação mais sóbria e “fria”, que se distancia
do caricatural a que estamos habituados na obra.
Sua personalidade é representada em suas linhas
rígidas, econômicas e quase geométricas, que
indicam um temperamento correto, calmo, ríspido. A
arte pode servir como a representação da nulidade
desta personagem, que segue ordens sem
questionar, agindo sem personalidade própria.
(Fonte: Sin City – A cidade do pecado)

Figura 71 - Na imagem acima podemos ver um dos


antagonistas de Sin City, o pedófilo e psicopata
Roark Junior (That yellow bastard, 1996), conhecido

108
como “o Bastardo Amarelo”. Em seu título original,
“yellow bastard” pode ser interpretado como alguém
sacana, nojento. Miller utilizou deste joguete do
nome na forma da personagem, transformando-a em
uma figura asquerosa e de aparência podre –
principalmente pelo uso da cor amarela, que
referencia tanto seu “apelido” como sua podridão.
(Fonte: Sin City – Aquele bastardo amarelo)

Enquanto que, na obra Blacksad (CANALES; GUARNIDO, 2000), o que


temos é o expressionismo na relação antropomórfica das personagens. Não
existe, exatamente, uma “cadeia alimentar” vigente, os animais não
representam a fauna evoluída em um mundo de fábulas. Na realidade, são
personagens comuns de uma narrativa de investigação noir. O mundo que
habitam é igual ao nosso, inclusive com diferenças raciais (animais “negros”
versus animais albinos) e presença de ordens políticas iguais as nossas (o
Nazismo, por exemplo). A diferença é que estas personagens têm em sua
composição a formação da própria personalidade. Eles não significam
exatamente os animais que são, mas sim a personalidade e estereótipo que
aquela personagem representa na narrativa. É algo parecido com o que ocorre
na obra “Maus: a história de um sobrevivente” (SPIEGELMAN, 1986), na qual o
autor ilustra e narra lembranças da época do nazismo, utilizando uma
representação puramente metafórica: em seu mundo, os judeus são ratos, os
nazistas gatos e os americanos cães.
Ocorre esta mesma interpretação do mundo de Blacksad. O próprio
protagonista (o detetive Blacksad) é a metáfora do típico protagonista
hardboiled: um gato preto. Esta simples simbologia já expressa a leveza e
agilidade do felino, aliado as suas muitas vidas (o risco que o detetive sempre
corre), o jogo de sorte e azar e, ainda, a sensualidade de um felino, sempre se
envolvendo com belas mulheres.
As comparações continuam. Em outros casos, ainda temos a figura do
leal e justo comissário de polícia (um pastor alemão), o astuto e inteligente
tenente (uma raposa), o corpulento e forte delegado racista, sulista e
conservador (um urso polar), o enorme bem humorado boxeador (um gorila), o
jornalista jovem, esperto e atrevido (uma fuinha) ou o corrupto político (um
sapo velho), etc.

109
Figura 72 - Alguns jovens lagartos sentados em uma
escadaria, em frente ao bar. Os répteis, na narrativa
de Blacksad, representam os moradores dos guetos
tipicamente norte americano do fim dos anos 50.
(Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as sombras)

Figura 73 - Nesta cena vemos dois capangas ladeando


o detetive Blacksad. As suas formas animalescas
significam os atributos de cada e não exatamente o
animal em si. Logo, os brutamontes representam as
características físicas da resistência (rinoceronte) e da
força (urso). (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre
as sombras)

110
Figura 74 - A raposa demonstra o raciocínio rápido, a
astúcia e a “esperteza” propriamente dita, atributos
que recaem como uma luva em uma das cenas chave
do desfecho da narrativa. (Fonte Blacksad - Em algum
lugar entre as sombras)

111
Figura 75 - O dono do bar onde Blacksad busca por
informação. A figura do porco representa o
estereótipo de “sujo” que recai neste tipo de
personagem. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre
as sombras)

112
Figura 76 - A camareira é representada como uma
pequena rata, que se intromete em assuntos e locais
alheios, personificando uma pessoa “fuxiqueira”.
(Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as sombras)

Voltando para Frank Miller, podemos separar outro exemplo de


expressionismo - em bem típico dos quadrinhos, na realidade.
O uso de onomatopéias é recorrente e próprio da arte sequencial e é
utilizada com a intenção de expressar sons de forma gráfica, muitas vezes
mesclando texto e arte em caráter estético ou pelo bem da narrativa.

Na figura 77 podemos ver uma utilização muito bem realizada do valor


estético e do envolvimento com a narrativa que pode ser conectado ao uso das
onomatopéias. Com letras que fluem pelo quadro, crescendo rumo ao leitor
(como um som que cresce em volume na mesma proporção de uma ação que
ocorre ao longe e que se aproxima). O “volume” da onomatopéia (tamanho) está
ligado com o “volume” do som propriamente dito (altura do som), que segue a
direção do veículo, causando um efeito de velocidade e movimentação
“ensurdecedor”.

113
Figura 77 - A utilização das onomatopéias de forma
expressionista, guiando o leitor através da ação.
(Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as sombras)

6.4 Reinterpretação estética

Após a separação feita entre os diversos níveis do gênero noir, a estética é a


que se destaca. A utilização dos conceitos da iluminação noir está presente em
todas as obras citadas, seja pelo alto contraste do preto e branco (The Spirit, Sin
City) ou pelo leve toque barroco da iluminação low-key (Blacksad).
Podemos encontrar iluminações diversas, que servem para envolver o
leitor nas narrativas densas e sombrias, onde o uso das sombras demonstra a
dualidade das personagens e a claustrofobia opressora do universo que
partilham.

114
A partir da obra de Eisner, é possível encontrar os primeiros detalhes
estéticos que relacionam os quadrinhos com o cinema noir. Percebe-se o
apreço pela qualidade técnica, principalmente quanto à utilização de diversas
características cinematográficas em suas narrativas gráficas, criando cenas
com ângulos que só são possíveis através das lentes de uma câmera. Há o
uso de contra-plongeé, aliado ao ângulo inclinado (ângulo holandês), que
transmite estranheza e desconforto, vistas de plano superior (figura 78) e
simulações de grua (figura 79), além da forte utilização da hard light (luz dura).

Figura 78 - Ângulo holandês em contra-plongeé e


uso de contraluz: características do cinema
adaptadas por Eisner (quadro um). Vista superior
com profundidade de campo (quadro dois). (Fonte:
The Spirit - Hildie).

115
Figura 79 - Will Eisner representa, na figura acima,
um plano de conjunto em um ângulo que só seria
possível com a utilização de uma grua para a câmera
(crane shot). Destaca-se ainda a presença da luz
dura, que constrói sombras fortes e bem
desenhadas. (Fonte: The Spirit - Hildie).

Após o recorrente uso de todas estas linhagens do cinema nos


quadrinhos, Eisner acabou sendo enormemente copiado, transmitindo sua
influência cinematográfica para outros autores e artistas. O uso do referencial do
cinema já é presente em quase toda produção da arte sequencial, sendo o maior
destaque para a montagem de cenas e para os ângulos de visão, que partilham
de diversas semelhanças com os ângulos de uma câmera de cinema. Contudo,
tanto Miller e Mazuchelli como Guarnido utilizaram da estética noir de iluminação
atmosférica como um fator diferencial em suas narrativas, como exemplificado a
seguir:

116
Figura 80 - o uso da contraluz por David Mazuchelli
ajuda a criar a presença iconográfica do perigo,
representado nos semblantes mistérios das negras
figuras: a tensão através da presença do
desconhecido (Fonte: Batman – Ano um)

Figura 81 - a movimentação da personagem Batman,


também em contraluz, dessa vez realça não o perigo,
mas o mistério de seu semblante, que se mistura as
sombras da cidade, tal qual um detetive que
investiga a cena de um crime. (Fonte Batman – Ano
um)

117
Figura 82 - Mazuchelli cria esta iluminação
atmosférica de alto contraste (high-contrast
lighting), que rodeia a figura em contraluz do
homem-morcego (back light) em uma interpretação
do desconhecido. Desta vez, a contraluz volta a
aparecer como elemento de perigo, de uma força
superior que deve ser temida. Detalhe para a luz de
destaque (highlighting), advinda do fogo da panela,
que cria uma iluminação atenuante (fill light) na
cena em contra plano. (Fonte: Batman – Ano um)

118
Figura 83 - Luz chave em alto contraste em uma
cena de contextualização, que serve para iniciar
uma narrativa ou demarcar a mudança de um
espaço físico (este tipo de tomada é chamada de
establishing shot). (Fonte: Batman – Ano um)

Figura 84 - A cena da tragédia que marcou a vida de


Bruce Wayne, “filmada” em plano americano e
montado em um plano sequência de alto contraste.
Novamente a presença da contraluz em um
significado de perigo e morte. (Fonte: Batman –
Ano um)

119
Figura 85 - Aqui Guarnido se utiliza do plano médio,
da câmera subjetiva e do plano americano, em uma
montagem que demonstra o descontentamento e a
tristeza da personagem. Além do que, há a presença
de uma luz chave de baixa intensidade, que não
provoca imagens de alto contraste, mas sim uma
sutileza de cores e tons, que se juntam para criar
uma iluminação atmosférica de melancolia. (Fonte:
Blacksad - Em algum lugar entre as sombras)

Figura 86 - Miller inicia está cena com um plano


médio com voice over (narração em off quase
sempre presente nas obras noir) (Fonte: Batman, o
cavaleiro das trevas), utilizando a luz superior (top

120
lighting) como um foco do desamparo do velho
Bruce Wayne. Há, ainda, a presença da contraluz na
figura dos bandidos que rodeiam o protagonista,
trazendo, novamente, a sensação do perigo eminente
através do desconhecido.

Eisner também utilizava a hard light (luz dura) como elemento narrativo,
proporcionando a suas personagens o simbolismo da ambivalência de caráter
(figura 89), uma característica marcante do cinema noir, em que o desenho feito
pela sombra da luz dura criava uma imagem de alto contraste, podendo ser
modelada no rosto dos atores, normalmente os dividindo em duas partes (negra
e branca), em simbolismo a tênue diferença entre o bem e o mal.

Figura 87 - A divisão das luzes: o contraste entre


Spirit (a ação fora da lei) e o comissário Dolan (a lei
e a justiça em sua legalidade). (Fonte: Quem é The
Spirit?)

121
Figura 88 - Presença de uma divisão moral na face de
Marv: a luz branca representa a bondade das ações da
personagem, enquanto a sombra (recheada pelas
linhas de suas cicatrizes e marcas da face) nos passa
a informação de sua violência e brutalidade. (Fonte:
Sin City – A cidade do pecado).

122
Figura 89 - Iluminação dura e atmosférica, que passa
da representação iconográfica de silhuetas puras
para a iluminação direta e dura, com realce para a
sombra de Marv. Destaque para os dois momentos
díspares: a bebida, a perdição e o desconhecido
(quadro um) em contraste com reencontro da
felicidade e da segurança (quadro dois). (Fonte: Sin
City – A cidade do pecado)

6.5 Reinterpretação da narrativa

A já clássica e trágica origem da personagem Batman expõe bem suas


características fatalistas. Afinal, testemunhar, ainda quando muito jovem, a
morte de seus pais, é algo que já conecta Bruce Wayne (a personalidade “real”
de Batman) com um universo que já é realista e violento até mesmo em seu
estágio embrionário. Seu mundo não foi destruído por uma catástrofe ou foi

123
criado por divindades, mas sim batizado por um crime comum, cometido por
um assaltante comum, em uma cidade comum (embora fantasiosa). Bruce
cresceu atormentado e movido por um senso próprio de justiça, buscando na
imagem do morcego, uma figura das sombras, sua própria identidade. Se
traçarmos uma linha de raciocínio nas ações desta personagem, Batman se
mostra inteiramente noir, utilizando como ambiente próprio as trevas urbanas,
combatendo o crime (mesmo que de forma ilegal), em um enredo que envolve
investigações e inimigos mais “realistas”, sem super-poderes e baseados em
gângsteres, mafiosos e figuras marcantes do cinema dos anos 20 e 30.

Figura 90 - O assassinato dos pais do jovem Bruce.


(Fonte: Batman – Ano um)

124
Ou seja, logo de partida já encontramos na origem de Batman a origem
de grande parte das narrativas noir: um crime. (figura 91)
Tanto Blacksad (2000) como The Spirit (1993) iniciam através da
perspectiva de um crime, um mistério que deve ser estudado, investigado e
descoberto, se tornando o ponto principal para o desenrolar de toda a narrativa.

Figura 91 - O acontecimento que inicia toda a narrativa


da história: o assassinato de Goldie. (Fonte: Sin City –
A cidade do pecado).

Por exemplo, no filme À Beira do Abismo (Howard Hawks, 1946), somos


apresentados ao detetive Philip Marlowe, uma pessoa de péssimos hábitos que
trabalha nos bairros chineses de Los Angeles. Pelo fato do mesmo ser um
detetive, compreende-se que o crime (qualquer que seja) será o ponto de
partida de todos os acontecimentos.
A trama se inicia com duas tarefas solicitadas pelo general Sternwood,
que contrata os serviços de Marlowe: dar um fim as chantagens sofridas por
sua filha, Carmen, além de descobrir o paradeiro de seu guarda costas
desaparecido há um mês. Se o início já é ladeado pela ocorrência de dois
crimes, há ainda a presença da femme fatale Carmen, que apresenta um
comportamento ninfomaníaco e autodestrutivo, desenvolvendo um interesse
amoroso pelo protagonista.
O seu título original “The Big Sleep” é de caráter fatalista e retrata “o fim
que aguarda a todos, em um escoadouro imundo ou em um mausoléu de
mármore”. (JULLIER; MARIE, 2009, p. 107)

125
Assim como A beira do abismo, Sin City e Blacksad partilham de títulos
fatalistas que são conectados pela atmosfera da trama, representando o
pecado (Sin City) e a tristeza (Blacksad, figura 93) que rodeia as personagens.
Voltando ao filme, é possível destacar um acontecimento em comum
com várias obras da época. A beira do abismo é uma adaptação do romance
homônimo de Raymond Chandler, publicado na revista Black Mask,
especializada nos hard-boiled detective mysteries (enredos com investigadores
destemidos). (JULLIER; MARIE, 2009)
Em comparação com o livro hard boiled e o universo dos quadrinhos,
podemos encontrar semelhanças entre Marlowe e Marv, mesmo que singela.
Embora muito melhor apanhado, Marlowe tem um relacionamento com
mulheres que difere de toda a série noir da época, se mostrando sentimental e
romântico, somente se deitando com belas damas se estiver apaixonado. Marv,
até pela sua aparência, acaba relegado aos serviços de uma prostituta (Goldie,
sua femme fatale), mas que, porém, não cobra por seus serviços, gerando nele
um sentimento de amor e apego que revela seu lado sentimental
(transformando-se, mais tarde, em uma máquina de matar incessante). O filme
acabou por mudar esta característica, tornando Marlowe um homem
incrivelmente sedutor e irresistível, que lembra mais a figuração de The Spirit
ou Blacksad.

Figura 92 - O assassinato de um antigo amor de


Blacksad marca as primeiras páginas de sua
primeira história. O momento acima se trata de um
flashback, estrutura narrativa comum em obras
noir. (Fonte: Sin City – A cidade do pecado).

126
Figura 93 - O clima fatalista de Blacksad. (Fonte:
Blacksad - Em algum lugar entre as sombras).

Outra característica narrativa esta na forma em que as cidades são


retratadas: o caos urbano e a estilização da cidade como um ser-vivo, um
inimigo que deve ser combatido (Batman), berço de injustiças, crimes e divisões
sociais (Sin City) envoltas pelo pecado e pela perdição (Sin City, Batman), em
ambientes opressores, escuros e claustrofóbicos (Sin City, Batman).

Em muitos filmes noir, como no caso de O Falcão Maltês, as histórias


acontecem em centros urbanos, com seus círculos de luz sob os
candeeiros dos passeios, becos sombrios, uma multidão de pedestres
indistintos e as ruas molhadas e sujas (...). Porém, o cenário do filme,
na maioria das cenas, é filmado em ambiente interno. Todo este
cenário é perfeito para os acontecimentos assustadores do film noir, o
contraste idílico com a corrupção urbana pode-se tornar tanto um
santuário quanto um campo de morte. (FERREIRA, ET AL, 2007, p. 50,
apud SILVER; URSINI, 2004)

127
Figura 94 - A volta de Bruce a Gotham, enquanto
caminha pela sujeira, rodeado por prostituição
infantil, drogas e corrupção. (Fonte: Batman – Ano
um).

Por último, um detalhe da narrativa amplamente utilizada é o


protagonista anti-herói, sujeito a falhas e com um código de moral próprio.

O mesmo ocorre em O Falcão Maltês. Até então, os heróis do cinema


seguiam o estilo clássico dos filmes westerns, de ação e de aventura,
representados como uma figura idealizada de identificação narcisista,
promotora da ideologia da onipotência e invulnerabilidade masculina.
Spade representa um dos típicos heróis do film noir e, para salvar seu
cliente ou, em muitos casos, a sua própria pele do perigo, conta
apenas com sua astúcia. Ao contrário dos heróis clássicos, Spade é
extremamente vulnerável, principalmente quando o assunto envolve
dinheiro, o que coloca, muitas vezes, seu caráter em discussão.
(FERREIRA, ET AL, 2007, p. 58)

Figura 95 - A justiça fora da lei cometida por


Blacksad. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as
sombras).

128
Figura 96 - O senso de justiça bruto de Marv. (Fonte:
Sin City – A cidade do pecado).

Figura 97 - A revelação do codinome The Spirit: ação


por debaixo dos planos e sem a presença direta da lei.
(Fonte: Blacksad - Em algum lugar entre as sombras).

129
Figura 98 - Dwight sofre forte represália pelo
envolvimento amoroso com uma femme fatale de
seu passado. (Fonte: Blacksad - Em algum lugar
entre as sombras).

130
Figura 99 - Batman em seu início: sujeito a falhas e
erros banais. (Fonte: Batman – Ano um).

Figura 100 - A corrupção e violência da polícia,


presenciada por Gordon. (Fonte: Batman – Ano um).

Figura 101 – A primeira tentativa de boa ação de


Bruce ocorre de maneira errada e é frustrada pela
polícia. (Fonte: Batman – Ano um).

131
Figura 102 - A represália e o castigo físico imposto
ao tenente Gordon, como um modo de botar o “bom”
policial na linha. (Fonte: Batman – Ano um).

Figura 103 - A vingança fora da lei e por conta


própria realizada por Gordon contra seus
agressores. (Fonte: Batman – Ano um).

6.6 Análise de estereótipos noir

Outra característica presente em The Spirit e O Falcão Maltês é o uso


de personagens estereotipadas, como ferramentas narrativas. Em
ambas as tramas, existem ambivalência moral nestas personagens, a
fim de melhorá-las. Esta ambivalência moral cria um clima de tensão,
em que a fronteira entre o bem e o mal nunca está clara. As
personagens parecem não ser o que aparentam e têm
comportamentos dúbios. Isto ocorre, principalmente, com as
personagens femininas (FERREIRA, ET AL, 2007, p. 52)

132
Entre todos os estereótipos do noir, o mais forte é a presença constante
da figura da femme fatale: a mulher sedutora e sensual que pode significar a
ruína para o protagonista.

Figura 104 – As mulheres fatais da Cidade do Pecado


(Fonte: Sin City – A dama fatal).

133
Enquanto The Spirit desfila com uma grande quantidade de beldades e
interesses amorosos, que por volta e meia se mostram perigosas e
manipuladoras, Blacksad nos apresenta uma linguagem mais “cordial”, da
femme fatale redentora, que poderia significar a paz e o amor ideal para o
protagonista noir, mas que, infelizmente, sempre acaba por se envolver em
alguma trama que dificulta ou impossibilita este relacionamento, obrigando o
detetive Blacksad a correr grandes perigos para garantir a proteção de quem
ama, sendo que, como é recorrente neste tipo de narrativa, acaba descobrindo
alguma forma de traição inusitada e trágica.
Isto ocorre em Sin City, principalmente na história “A dama fatal” (1994),
que gira em torno do relacionamento perigoso com uma mulher que leva o
protagonista a ruína, impulsionando o mesmo a vingança e a derradeira solidão.
Além da tragédia da traição e dos perigos de um amor proibido ou
perigoso, há sempre o crime, que acaba envolvendo ou alguma femme fatale do
passado (Blacksad – Em algum lugar entre as sombras, 2000), ou do presente
(Sin City – A cidade do pecado, 1993), que impulsiona toda a busca pela
verdade, a investigação e o direcionamento da narrativa, tendo o ponto de vista
do anti-herói em momentos de flashback (outro estereótipo do cinema noir).

Figura 105 – A femme fatale mortal, que manipula e


destrói o homem protagonista (Fonte: Sin City – A
dama fatal)

134
Figura 106 – Os bares podem ser um reduto de
malfeitores, informantes, policiais corruptos e belas
e perigosas mulheres. (Fonte: Blacksad – Em algum
lugar entre as sombras).

Figura 107 – A presença da Mulher-Gato no universo


de Batman: a femme fatale essencial, que representa,
ao mesmo tempo, o perigo e o relacionamento
impossível. (Fonte: Batman – Ano um).

Outro ponto importante na obra noir é a figura do anti-herói, que, muitas


por conta de uma mulher fatal, se encontra fisicamente machucado e
psicologicamente abalado, normalmente por motivos ligados a sua investigação
e a colisão com forças maiores, deslanchando para um confronto direto onde
quase sempre a protagonista acaba levando a pior ou se ferindo no processo
(figura 108).
Além disso, os protagonistas das obras noir estão sempre com alguma
escolha ou decisão moral difícil a ser tomada, carregando um semblante
entristecido e, não raramente, carregado em vícios (mulheres, bebidas e
cigarros).

135
Figura 108 – O abatido detetive Blacksad, após
confronto com malfeitores que tentaram impedir sua
investigação. (Fonte: Blacksad – Em algum lugar
entre as sombras).

Ainda temos, como já discutido, a perspectiva de um crime (figura 110),


que normalmente é o “pontapé inicial” para a construção de toda a narrativa.

Figura 109 – A ação em plano e contra plano mais o


enquadramento de contextualização nos dão detalhes
importantes do crime cometido, que será
desenvolvido com o andar da história. (Fonte: The
Spirit – O retorno de Satin)

136
E por último, a escolha estilística das vestimentas, como é deixado claro
por Marv (figura 111), que reclama sobre o desperdício que é sangrar em um
“sobretudo tão bom”.

Figura 110 – Marv solicita o casaco. (Fonte: Sin City –


A cidade do pecado)

7 Arte sequencial refinada

Após tantas desenvolturas narrativas e estilísticas, os quadrinhos -


graças em grande parte a influência do noir na vida de grandes autores -,
conseguiram se estabelecer como uma linguagem própria, adaptando o cinema
ao seu gosto, construindo imagens em movimento que não podem ser
simplesmente lidas, mas que devem, também, ser “assistidas”, como a um
filme.
A evolução da arte sequencial foi tanta, que hoje é capaz de construir a
impressão da ação e do movimento através da fluidez do traço bem construído
e da montagem clipada de seus quadros, revelando o grande compromisso
com a qualidade do produto final, pensado em cada detalhe, em cada
disposição de sequência posta em cada quadro, como pequenos filmes
estáticos (figura 112).

137
Figura 111 – A decupagem de cenas da sequência,
revelando detalhes importantes, em uma ação em
diversos planos, com diveros ângulos, com
movimentação incessante e ritmo empolgante.

7.1 A abordagem neo-noir de Frank Miller e o neo-clássico de Blacksad

Por fim, ocorre uma separação nos gêneros destes autores de épocas
tão distintas. Guarnido e Canales reconstroem a sequência noir clássica, da
década de 1940, com tramas bem elaboradas, personagens profundos,
interessantes, ambíguos e ironicamente humanizados.
É o cinema de vanguarda nos quadrinhos, mas que se desenrola, ao
mesmo tempo, em uma profundidade de gênero neo-noir, com momentos que
se conectam com Chinatown (Polanski, 1974), principalmente pelo fato de ser
uma obra que é consciente do seu gênero e do que pretende transmitir. O
cuidado com a ambientação, o apreço pelo realismo, o envolvimento com

138
narrativa e a qualidade estética elevam Blacksad ao status de um neo-clássico,
uma obra que deverá ser estudada e apreciada ainda mais com o tempo.
Já com Frank Miller nós temos o neo noir absoluto, estabelecido em
uma linguagem pop inexistente em qualquer outra mídia. Sin City é o neo-noir
anabolizado ao extremo, com tons e sacadas pop que se aproximam muito
mais da linguagem do diretor Quentin Tarantino do que o cinema noir em si. De
certo modo, da mesma forma que Tarantino presta homenagem a seus
gêneros favoritos em seus filmes, readaptando a sua maneira diversas obras
de diferentes épocas e estilos, Miller homenageia o noir, readaptando todo este
universo a sua forma, atuando em um tom de “remixagem”, em que acata ao
hibridismo do cinema e dos quadrinhos em prol da construção de algo novo,
alucinado, violento e satírico. Desde o princípio, nas histórias do Demolidor até
o fim de sua carreira (com trabalhos altamente criticados pela mídia, como
Holly Terror, de 2011), Miller vem se mostrando como um adepto do seu
próprio estilo noir, criando, quem sabe, um sub-estilo de exploitation noir.
Entre as obras desse gênero híbrido e alucinado está o tech-noir -
gênero que se encontra a obra cyber-punk Blade Runner, o caçador de
andróides (Ridley Scott, 1982) -, Hard Boiled, uma HQ que se passa em um
futuro distópico não muito distante, mas que conta com uma altíssima
proliferação de tecnologia avançada de design retro e forte desigualdade social
(marcas registradas do cyber-punk).

Figura 112 – O caos urbano de Hard Boiled. (Fonte:


Hard Boiled).

139
A trama se concentra na personagem Carl Seltz, um investigador de
seguros que descobre ser uma ciborgue homicida programado pelo governo,
que tem como principal diretriz coletar o imposto da população. Além da
comparação com Blade Runner, Carl ainda descobre ser a única esperança
para a libertação de toda uma raça de robôs escravos.
Esta narrativa apresenta alguns detalhes interessantes do noir,
contendo, até mesmo, uma femme fatale robótica (figura 114)

Figura 113 – A construção de uma narrativa peculiar,


que envolve a libertação de robôs escravos sexuais e
femme fatales metálicas, entre a ação descontrolada
e violência explosiva. (Fonte: Hard Boiled).

Depois de todas estas etapas, quais serão os caminhos seguidos pela


arte sequencial, elaborada por Will Eisner?

140
7.2 A evolução da sequência

A fim destas considerações e avaliações entre estas mídias distintas, é


possível perceber que muitas das estratégias midiáticas presentes nos
quadrinho estão abertamente relacionadas com outras formas de
manifestações artísticas, como o cinema, a literatura e a fotografia.

Os produtores de quadrinhos, em função dessa assimilação,


possuem uma vasta relação de técnicas narrativas adaptadas para
essa mídia, como os enquadramentos do cinema, o texto da
literatura, os recursos gráficos da fotografia e os procedimentos de
edição e corte da televisão. Esse leque de recursos é adaptado com
o intuito de alcançar com êxito o objetivo proposto pela hq, ou seja, é
uma remediação. (CAMPOS, 2007)

Porém, nesta releitura do cinema noir da arte sequencial, promovida


neste estudo, há de ser feita uma ressalva importante, pois embora
relacionados, cinema e quadrinhos contam com símbolos únicos que devem
ser considerados, apreciados e vistos de formas separadas. Por exemplo, a
arte e ação presente no entrequadro dos quadrinhos, a sua composição gráfica
única de cenas e o uso de balões são características que pertencem, de forma
exclusiva, as narrativas da arte sequencial.
Tomarei por exemplo um trecho da obra “Do inferno”: (1991,
CAMPBELL; MOORE – Figura 115).

141
Figura 114

O delírio – que coincide ironicamente com o futuro apelido que o


médico receberá – é marcado pela torção das letras, pelo balão de
fala irregular e, por fim, pela inversão da letra “k” do nome “Jack” no
quadro 6, como se representasse a confusão mental em seu
discurso. A anormalidade da fala da paciente torna-se mais evidente
no contraste das linhas precisas e organizadas dos outros
personagens que dialogam com ela. O efeito sinestésico desse
elemento dos quadrinhos pode ter grande alcance se atentarmos aos
seus detalhes: do quadro 7 ao 9, o contorno do balão é
desfragmentado, o que remete a uma voz falha, desarmônica e
desconcertada. (AMORIM, 2011)

A utilização gráfica do balão para representar a instabilidade mental da


personagem é um recurso simples e muito sutil que requer o desenvolvimento
de uma mídia como os quadrinhos para funcionar.

142
Outro importante diferencial se encontra no espaço de leitura dos
quadrinhos. Como já foi estudado, enquanto o cinema nos obriga a ver tal
informação em tal ordem de acontecimentos, os quadrinhos são livres na
leitura, tanto no manuseio das páginas como na absorção dos acontecimentos
de uma página, que não é lida como uma cena separada por vez, como um
grande mural de arte, que contém diversas manifestações e interpretações.

Já o hiato, outro elemento básico, também conhecido como sarjeta, é


o espaço em branco entre um quadrinho e outro que separam as
bordas. Enquanto o requadro representa as variedades de moldura
que envolvem a vinheta, geralmente usadas dentro dos quadrinhos
ou seguindo o formato deles, sendo muito utilizado para dar emoção
à narrativa (FERREIRA, ET AL, 2007, p. 70)

É esta leitura entre quadros que é especial que torna o quadrinho uma
mídia que se separa do cinema. Afinal, a moldura do quadro não é somente
simbólica, mas também pode funcionar como uma moldura mesmo,
propriamente dita, se encarregando de uma informação adicional que
complementa a virtuose artística. (Figuras 116, 117 e 118).

Figura 115

143
Figura 116

Figura 117 – Fontes: http://www.comicartfans.com

144
A exuberante construção de cenas feita por J.H. Williams III. Williams
transcende todos os limites impostos pelo cinema, elevando a própria arte
sequencial a um nível em que somente ela é equivalente.

A continuidade entre os quadros que formam a página de uma revista


em quadrinhos também se apresenta diferente do cinema. Nestes, os
planos obedecem uma continuidade geralmente rigorosa, onde os
parâmetros de ordem temporal e espacial definem mudanças de
plano. Nos quadrinhos não existe continuidade rigorosa; essa
continuidade funda-se sobre a descontinuidade gráfico-espacial. Os
quadros da história em quadrinhos, portanto, são os responsáveis por
sua "continuidade". (PADRINHO, online)

Outro representante importante nesta modalidade é o artista Frank


Quitely (figura 119) que apresenta uma disposição de enquadramentos
também inovadora, traçando alguns limites entre as semelhanças do cinema e
da arte sequencial.

Figura 118 – arrojada subdivisão de acontecimentos


da ação, esmiuçado em mini acontecimentos (que
acontecem em tempo real) separados por quadros de
espaço físico. (Fonte: http://www.bookalicious.net)

Figura 119 – a onomatopéia. A personificação dos


quadrinhos (Fonte: Batman, o cavaleiro das trevas)

145
8 Considerações finais

Ao analisar as diversas relações apresentadas entre o cinema noir e a


evolução dos quadrinhos a status de arte sequencial, principalmente pelo
impacto da obra “The Spirit”, de Will Eisner, assim como a benéfica influência
em autores como Frank Miller, este estudo demonstrou que a relação de
convergência entre duas mídias distintas pode render frutos interessantes tanto
para o público como para a própria indústria, que acaba recebendo um
apanhado de obras adultas e consistentes, com o ímpeto de elevar a qualidade
do entretenimento vinculado.
Além disso, não só a estética noir ajudou a consagrar dois dos maiores
autores dos quadrinhos de todos os tempos, que, cada um a sua forma,
moldaram o mercado de sua época, mas também o cinema como um todo foi
um grande responsável pela evolução da arte sequencial contemporânea.
Eisner, afinal, foi influenciado pelo período em que viveu, crescendo com
películas policiais e de suspense que moldaram seus ideais artísticos, tanto na
forma de construção de cena, como na construção de seus personagens. Ou
seja, o cinema de sua época, considerando que o noir só seria estabelecido
realmente como “noir” anos depois. Se Frank Miller e Guarnido podem ser
considerados abertamente noir, isso se deve a uma geração que já vivenciava
uma consolidação maior deste gênero, já transcendido a objeto de culto,
homenageando, posteriormente, o movimento tão amado e a linguagem
clássica em suas obras. Na realidade, o cinema como um todo é o grande
responsável pela evolução dos quadrinhos, tanto que sua aproximação cada
vez mais crescente exigiu que artistas, como Frank Quitely e J.H. Williams III,
evoluam, mais uma vez, a arte sequencial, utilizando o próprio enquadramento
como uma forma de narrativa e vislumbre estético, ultrapassando a barreira
estabelecida na linguagem formal de quadros ao juntar o “espaço vazio
entrequadros”, como dito por Scott McCloud, em um meio de comunicação
próprio e não mais somente uma forma de ligação entre ações feitas pela
mente do leitor. A arte está sempre em evolução, e arte sequencial demonstra,
mais uma vez, que a sua ação através do estático é uma linguagem relativa,
única e em constante mudança, seja no meio digital ou no impresso.

146
Bibliografia

ANSELMO, Zilda Augusta. Histórias em quadrinhos. Petrópolis: Vozes, 1975.


BORDE, Raymonde CHAUMETON, Etienne. Panorama du Film Noir
Américain, 1941-1953. Paris: Editora: Flammarion. 1993
BORWELL, David. Figuras Traçadas na Luz – A Encenação do Cinema. São
Paulo; Ed. Papirus, 2005
CAMPBELL, Eddie ; MOORE, Alan. Do Inferno. São Paulo. São Paulo; Ed.
Panini, 2000
CAMPOS, Michelle. Cinema com cara de quadrinhos: Sin City e 300. São
Paulo. 2007
CARDINAL, Roger. O Expressionismo. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1988.
EISNER, Will. Nova York. São Paulo; Devir, 1978
______. Quadrinhos e Arte Sequencial. São Paulo, Martins Fontes, 1989
______. The Spirit – Coletânea 1; L&PM, 1990
______. Um Contrato com Deus. São Paulo; Devir, 1978
FERREIRA, Eduardo, ET AL. The Spirit e o Falcão Maltês: Contrastes e
semelhanças. São Paulo, 2007
MARIE, Michel e JULLIER, Laurent. Lendo as Imagens do Cinema. São
Paulo; Senac, 2009
MASCARELLO, Fernando. História do Cinema Mundial. São Paulo, Ed.
Papirus, 2006
MATTOS, A. C. Gomes de. O outro lado da noite – filme noir. Rio de Janeiro:
Rocco, 2001.
MAZZUCCHELLI, Frederico; MILLER, Frank. Batman – Ano Um. São Paulo;
Panini. 1987
McCLOUD, Scott. Desvendando os quadrinhos. São Paulo; Makron Books,
1995
McLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensão do homem
(understanding media). São Paulo; Editora Cultrix, 1969
MILLER, Frank. Batman - O cavaleiro das trevas. São Paulo; Devir. 1987
______. Demolidor. São Paulo; Ed. Abril, 1979
______. Sin City – A cidade do pecado. São Paulo; Devir, 1993
______. Sin City – A dama fatal. São Paulo; Devir, 1994

147
______. Sin City – O bastardo amarelo. São Paulo; Devir, 1996
MORRISSON, Grant; QUITELY, Frank.. We3. São Paulo; Panini, 2004
MOYA, Álvaro (Org.). Shazam! São Paulo; editora Perspectiva, 1997
MOYA, Álvaro de. História das histórias em quadrinhos. São Paulo: Editora
Brasiliense, 1996.
RAMOS, Paulo. A leitura dos quadrinhos. São Paulo; Editora Contexto, 2009.

Artigos

RAMOS, Paulo. “As mudanças no mercado de quadrinhos nos últimos 40


anos”. Artigo presente nos anais do XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da
Comunicação/ Intercom 2008

Periódicos

CIRNE, Moacy. Quadrinhos, memória e realidade textual.


AZÊDO, Maurício; UCHA, Francisco. Jorna da ABI - A cronologia dos
quadrinhos. Edição especial. São Paulo; 2009

Sites

ABI, Jornal. A cronologia dos quadrinhos. Disponível em <


http://issuu.com/ucha/docs/jornalabi349hq-part1 >. Acesso em 01/11/2011
AMORIM, João. Há Luz para Além do Negro: Film Noir. Disponível em
<http://www.ruadebaixo.com/film-noir.html>. Acesso em 19/11/2011
AMORIM, Naina. Ramificações da Arte Sequencial. Disponível em <
http://www.gelbc.com.br/pdf_jornada_2011/naiana_amorim.pdf >. Acesso em
03/11/2011
ANDRADE, Diego.Especial Batman – Origens e Inspirações. Disponível em <
http://100grana.wordpress.com/2008/07/13/100grana-especial-batman-origens-
e-inspiracoes/ >. Acesso em 16/09/2011
BELLIS, Mary. The History of Comic Books . Disponível em <
http://inventors.about.com/od/cstartinventions/a/comics.htm >. Acessp em
10/10/2011

148
CAMPOS, Leonardo. A História do Cinema Mundial - 3. O Expressionismo
Alemão e o Cinema Noir. Disponível em <
http://www.passeiweb.com/saiba_mais/arte_cultura/cinema/leonardo_cinema_4
>. Acesso em 29/09/2011
COMICS, Guia del. Disponível em < http://guiadelcomic.es/juanjo-
guarnido/blacksad.htm>. Acesso em 02/11/2011
CUBE, Comics. Disponível em < http://www.comicscube.com>. Acesso em
13/11/2011
CULTURA Judaica. Personalidades. Disponível em
<http://www.culturajudaica.org.br>. Acesso em 05/11/2011.
EISNER, Will. Disponível em < http://www.willeisner.com>. Acessado em
06/09/2011
EVANGELISTA. Eisner/ Miller; Disponível em <
http://vitrola.blogspot.com/2008/12/eisnermiller.html>. Acesso 12/11/2011
FEDEL, Agnelo. O expressionismo noir em The Spirit e Batman. Disponível em
< http://br.monografias.com/trabalhos913/expressionismo-noir-
batman/expressionismo-noir-batman.shtml >. Acesso em 28/09/2011
GUSMAN, Sidney. Universo HQ. Disponível em <
http://www.universohq.com/quadrinhos/ >. Acesso em 02/11/2011
HEINTJES, Paul. Media Studies MEST1. Disponível em <http://lalit-
mediastudies.blogspot.com/2010/11/film-noir-is-film-language-term-used.html>
Acesso em 13/10/2011
JEHA, Julio. Ética e estética do crime: ficção de detetive, hard-boiled e noir.
Disponível em < http://www.abralic.org.br >; Acesso em 06/11/2011
NOIRISH, Film. Film Noir Lighting techniques. Disponível em <
http://filmnoirish.tumblr.com/lighting >. Acesso em 07/10/2011
PARDINHO, Vinicius. Cinema e Histórias em Quadrinhos. Disponível em
<http://www.ufscar.br/~cinemais/artcinehq.html>. Acesso em 10/11/2011.
PAUBEL, Emerson. O filme noir. Disponível em <
http://www.scoretrack.net/filmnoir.html>. Acesso em 22/10/2011
SRBEK, Wellington. Os 180 anos dos quadrinhos! Disponível em
<http://www.bigorna.net/index.php?secao=artigos&id=1186029974>, Acesso
em 12/10/2011

149
SOUZA, Nano. 20 anos de Cavaleiro das Trevas no Brasil. Disponível
em<http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=materias&cod_materia=45
5>. Acessado em 07/10/2011
STUDIES, Film Noir. Disponível em <
http://www.filmnoirstudies.com/glossary/index.asp >. Acesso em 22/10/2011
WIKIPEDIA. Disponível em <http://pt.wikipedia.org>. Acesso em 12/10/2011

Filmes

O Falcão Maltês (The Maltese Falcon): Direção de John Huston. Estados


Unidos,1941. P&B.

A Beira do Abismo (The Big Sleep): Direção de Howard Hawks. Estados


Unidos, 1946. P&B.

150