Você está na página 1de 14

23/03/2020 Disciplina Portal

Manutenção Industrial

Aula 5 - O trinômio da operacionalidade e


planos de manutenção industrial
INTRODUÇÃO

Nesta aula, você irá reconhecer os conceitos de falha, con abilidade, manutenibilidade e disponibilidade. Além disso,
você irá calcular a con abilidade em série, paralelo, stand by e a função manutenibilidade.

Abordaremos ainda, os cálculos relativos à disponibilidade e por último os planos de manutenção serão explorados.

OBJETIVOS

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 1/14
23/03/2020 Disciplina Portal

Reconhecer os conceitos de falha, con abilidade, manutenibilidade e disponibilidade;

Aplicar de forma prática, cálculos em problemas relacionados à con abilidade, manutenibilidade e disponibilidade;

Reconhecer os principais planos de manutenção.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 2/14
23/03/2020 Disciplina Portal

INTRODUÇÃO
O operador ao aplicar, na manutenção industrial, as técnicas de planejamento na elaboração de seus planos de
manutenção, deverá ter contextualizado de forma sólida os conceitos relacionados ao “Trinômio da Operacionalidade”
que compõem-se pela mantenabilidade, con abilidade e disponibilidade. Como veremos a seguir.

Fonte da Imagem:

Antes, conceituaremos Falha:

a) A falha corresponde à perda da função de um equipamento;


b) A condição de funcionamento de um equipamento pode ter critérios diferenciados;
c) Por exemplo, na atualidade, a agressão ao meio ambiente pode impedir o funcionamento de um equipamento, sendo
uma condição de falha;
d) Esta de nição deve ser bem formalizada para que se evite confusão no tratamento da intervenção.

Diagnóstico de Falha:

a) O Diagnóstico da Falha consiste na identi cação do mecanismo que provocou a falha do equipamento;
b) A identi cação da causa da falha é fundamental para a garantia de desempenho;
c) Atualmente, existem diversas técnicas que podem auxiliar na análise da falha de uma máquina;
d) Essas técnicas de manutenção envolvem desde o conhecimento básico dos equipamentos até a utilização de
instrumentos so sticados.

CONFIABILIDADE (RELIABILITY)
Capacidade de um item desempenhar uma função requerida sob condições especi cadas, durante um dado intervalo
de tempo. Isto signi ca que, a partir de uma taxa de falha constante, pode-se estimar a probabilidade do equipamento
falhar dentro de um período de nido de tempo.

A expressão da con abilidade é a popular exponencial negativa, ou seja:

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 3/14
23/03/2020 Disciplina Portal

Onde:
• λ é uma constante denominada taxa de falha;
• t é o tempo.

O inverso de λ é denominado “Tempo Médio Entre Falhas” - MTBF (Mean Time Between Failures).

O Tempo Médio Entre Falhas (TMEF) é de nido por:

Fonte:

A curva da banheira, exempli cada na gura a seguir, representa o modelo tradicional da relação entre o tempo e a taxa
de falha de um equipamento ou parte dele.

Fonte: https://pcmusina. les.wordpress.com/2011/07/banheira.png

As taxas de falhas (λi), que representam o número de falhas (Ni), em determinado período de tempo (T), se comportam
de maneira diferente no decorrer da vida do equipamento.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 4/14
23/03/2020 Disciplina Portal

Basicamente, há três períodos distintos de falha:

Atenção
, • A Con abilidade de uma instalação é in uenciada pela taxa de falha individual dos componentes e pela con guração utilizada.

• Estas con gurações podem associar os componentes em série, em paralelo ou com reserva (stand by).

CONFIGURAÇÕES DE COMPONENTES SISTÊMICOS


A) Associação em Série Cs:

Duas bombas diferentes são necessárias ao funcionamento de um sistema para o uxo da produção.

As bombas têm taxas de falha l1 = 0,0001 falhas/hora e l2 = 0,0002 falhas/hora.

Calcular a con abilidade do sistema para 100 horas de operação e o TMEF.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 5/14
23/03/2020 Disciplina Portal

B) Associação em Paralelo Cp (t):

Dois motores elétricos estão operando em uma con guração redundante, ou seja, em paralelo.

Se um dos motores falhar o motor remanescente pode manter a instalação com a carga total.

Considerando que os motores são idênticos, com taxas de falhas constantes e as falhas dos motores estatisticamente
independentes.

Para os motores iniciando operação no tempo “t = 0”, determinar: con abilidade do sistema para l = 0,0005 falhas/hora
e  t = 400 horas (tempo de operação).

Cálculo da Con abilidade para t = 400 horas.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 6/14
23/03/2020 Disciplina Portal

C) Associação com Stand By Cst:

Considerar uma instalação com três unidades idênticas onde uma está operando e as outras duas estão em stand by.

Determinar a con abilidade do sistema para 400 horas de operação, sabendo-se que a taxa de falhas das unidades é
igual a 0,003 falhas/hora e o MTBF.

Cálculo da con abilidade para t= 400 horas

MANTENABILIDADE (MAINTAINABILITY)
É a capacidade de um item ser mantido ou recolocado em condições de executar suas funções ao qual é requerido,
quando a manutenção é executada sob condições determinadas e mediante procedimentos e meios prescritos.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 7/14
23/03/2020 Disciplina Portal

Quando trabalhamos com a mantenabilidade, em geral, utilizamos os vários parâmetros dessa característica, como por
exemplo os seguintes:

MANUTENIBILIDADE
É uma característica inerente a um projeto de sistema ou produto, e se refere à:

a) facilidade;
b) precisão;
c) segurança;
d) economia.

Na execução de ações de manutenção nesse sistema ou produto. (BLANCHARD, Benjamin. Logistics engineering and
management. 4th ed. Englewwod Cliffs: Prentice Hall, 1992. p.)

Fonte da Imagem:

Podemos ainda dizer que:

Manutenibilidade é a probabilidade de se realizar um reparo de uma falha dentro de um prazo pré-estabelecido,


tomando-se como base o histórico de outros reparos.
Para este índice ser calculado deve-se ter um tempo para reparo constante ao longo do tempo.
O cálculo deste índice sofre a in uência de diversos fatores que alteram o tempo de reparo ao longo da vida do
equipamento.

Os principais são:

• O escopo de trabalho de um reparo difere de outros anteriores;


• Nem sempre o tempo que a equipe de manutenção foi impedida de trabalhar, em toda a fase de reparo do
equipamento, é apropriada com rigor;

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 8/14
23/03/2020 Disciplina Portal

• Estes problemas podem ser causados por falta de materiais ou alterações de programação;
• As pessoas envolvidas são alteradas de um reparo para outro, podendo ser alterada também a quantidade.

A manutenibilidade é de nida em função do Tempo Médio Para Reparos (MTBR), sendo obtida na equação:

DISPONIBILIDADE (AVAILABILITY)
Capacidade de um item estar em condições de executar certa função, em um dado instante ou durante um intervalo de
tempo determinado, levando em conta os aspectos combinados de sua con abilidade, mantenabilidade e suporte de
manutenção, supondo que recursos esternos requeridos estejam assegurados.

Ainda podemos dizer que:


Disponibilidade é a probabilidade de que o sistema estará operacionalmente disponível, quando acionado de uma
forma aleatória em um ponto do tempo.

• A disponibilidade é uma função da con abilidade e da mantenabilidade;


• Podemos considerar a disponibilidade em três ocasiões do ciclo de vida, quais sejam:

1. Disponibilidade Inerente (Inherent):


É a probabilidade de que um sistema estará disponível, quando acionado de uma forma aleatória, em um ponto do
tempo, em um ambiente de suporte logístico ideal.

Esse suporte logístico ideal signi ca ter disponibilidade imediata de pessoal de manutenção treinado, peças de
reposição, equipamentos de suporte (GSE) e facilidades necessárias (todo o suporte técnico logístico deverá estar
prontamente disponível).

É dada por:

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182db… 9/14
23/03/2020 Disciplina Portal

Onde MTBF é o tempo Médio entre Falhas e MCT é o Tempo Médio entre Manutenções Corretivas.

Esta situação ocorre quando já se conhece o MCT, mas não se conhece ainda o tempo médio de manutenção
preventiva (Mpt), a ser de nido na atividade de manutenção centrada na con abilidade, normalmente desenvolvida, por
exemplo, pelo método denominado MSG-3.

Isso signi ca que, em cada 100 vezes, que acionarmos o


sistema, ele provavelmente estará disponível em 98.
2) Disponibilidade Obtida (Achieved):
É a probabilidade de que um sistema operará satisfatoriamente, em qualquer momento que for acionado, em um
ambiente de suporte logístico ideal.
É dada por:

A diferença em relação ao caso anterior é que, em vez do tempo médio entre falhas (MTBF), temos o tempo médio
entre manutenções preventiva e corretiva (MTBM).
• M é Tempo Médio de Manutenção Ativa (corretiva e preventiva).
• O suporte logístico ideal também é considerado aqui.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182d… 10/14
23/03/2020 Disciplina Portal

Esta é a situação do nal da fase de desenvolvimento do


sistema, em que já se conhecem os tempos médios MCT e
Mpt.
3) Disponibilidade Operacional
É a probabilidade de que um sistema estará disponível, quando acionado de uma forma aleatória, em um ponto do
tempo, em um ambiente de suporte logístico real.

É dada por:

a) Onde MDT, como visto, é o tempo inativo de manutenção;


b) Inclui M, o tempo de atrasos logísticos (tempo para disponibilizar equipamentos de teste (GSE), peças de reposição
e transporte).

• Ao é realmente a Disponibilidade no início da fase operacional do sistema.

• A partir desse momento, ela vai sendo melhorada, principalmente com a diminuição do tempo de manutenção ativa e
redução dos tempos logísticos.

• Isto ocorre com a aprendizagem do pessoal que cuida do suporte logístico (manutenção, peças de reposição,
transporte etc.).

PLANOS DE MANUTENÇÃO
São um conjunto de informações necessárias para a orientação perfeita da atividade de manutenção.
• Representam o detalhamento da estratégia de manutenção assumida por uma empresa.

Para Xenos (1998), um plano de manutenção consistiria basicamente em:

a) Classi car os equipamentos quanto a sua importância dentro do sistema de produção;


b) De nir a forma e frequência de manutenção para cada aparelho, sendo a execução da manutenção baseada em
inspeções periódicas e, se necessário, reformas ou trocas de peças de equipamentos;
c) Veri car a e cácia do plano de manutenção através de itens de controle e tomar decisões corretivas se necessário.

1) Plano de inspeção visual

Através deste tipo de exame, podem-se detectar falhas em equipamentos.

Características dos equipamentos serão observadas, como:


• Ruído;
• Temperatura;

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182d… 11/14
23/03/2020 Disciplina Portal

• Condições de conservação;
• Vibração;
• Entre outras.
Leitura
, Clique aqui (galeria/aula5/docs/a05_t22.pdf) para visualizar alguns planos.
2) Plano de manutenção preventivo

Consiste em um conjunto de tarefas, executadas regularmente, objetivando manter o equipamento em seu melhor
estado operacional.

Uma série de balizadores deverá dar forma ao plano, como:

a) Título do plano de manutenção preventiva;


b) Grupo de máquinas;
c) Periodicidade;
d) Tipo de dia;
e) Data da ativação;
f) Equipe de manutenção;
g) Planejador;
h) Material de consumo;
i) Especialidades;
j) EPIs;
k) Ferramentas;
l) Equipamentos de apoio.

Leitura
, Clique aqui (galeria/aula5/docs/a05_t23.pdf) para visualizar plano de manutenção preventiva.
3) Plano de manutenção preditivo

Os planos de manutenção preditivos, não devem diferir quanto à forma dos preventivos, pois os mesmos requisitos
estabelecidos nos planos preventivos serão levados em consideração nos preditivos.

A diferença entre o plano de manutenção preventivo e o plano de manutenção preditivo será no conteúdo. Entenda o
motivo:

• Plano de manutenção preventivo => ações de intervenção real.


• Plano de manutenção preditivo => proposta de monitorar máquina, acompanhar sintomas e avaliar resultados na
busca de anormalidades.

Fonte: http://1.bp.blogspot.com/-U9PPMqZFd0o/Var42JyL60I/AAAAAAAAB-
Y/sxaYYQlqsRc/s640/manutencao_preditiva.JPG
Leitura
, Clique aqui (galeria/aula5/docs/a05_t26.pdf) para visualizar plano Bi-anual.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182d… 12/14
23/03/2020 Disciplina Portal

Questão 1: Podemos a rmar que o trinômio da operacionalidade é:

Planejamento, controle da produção e a disponibilidade.

Planejamento, controle da produção e o controle da preditiva.

Con abilidade, mantenabilidade e a disponibilidade.

O planejamento e o controle da produção centrada na abilidade.

Mantenibilidade, planejamento e controle da produção.

Justi cativa

Questão 2: Quais são os planos de manutenção?

Planejamento, controle da produção e a disponibilidade.

Con abilidade, mantenabilidade e a disponibilidade.

Produção, planejamento e controle.

Preventivo, produção e controle.

Inspeção visual, preventivo e preditivo.

Justi cativa

Questão 3: Sobre a taxa de falhas (λi), é certo dizer que:

As taxas de falhas (λi), que representam o número de falhas (Ni), em um determinado período de tempo (T), se comportam de
maneira diferente no decorrer da vida do equipamento.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182d… 13/14
23/03/2020 Disciplina Portal

b) As taxas de falhas (λi), que representam o número de falhas (Ni), em um determinado período de tempo (T), se comportam de
maneira igual no decorrer da vida do equipamento.

As taxas de falhas (λi), que não representam o número de falhas (Ni), em um determinado período de tempo (T), se comportam de
maneira diferente no decorrer da vida do equipamento.

As taxas de falhas (λi), que não representam o número de falhas (Ni), em um determinado período de tempo (T), se comportam de
maneira igual no decorrer da vida do equipamento.

As taxas de falhas (λi), que representam o número de falhas (Ni), em um determinado período de tempo (T), se comportam de
maneira diferente no início da vida do equipamento.

Justi cativa

Glossário

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2478070&courseId=13614&classId=1250170&topicId=2857858&p0=03c7c0ace395d80182d… 14/14

Você também pode gostar